Você está na página 1de 23

Formas

algébricas
Representação de funcionais k-lineares
e de grau k por meio de respectivas
formas algébricas. Espaço dual. Espaço
das funcionais bilineares.
TEOREMA 5

Seja E um espaço n-dimensional sobre o


corpo  , onde se fixa a base
u 1, u 2,, u n 
As funcionais k-lineares de E em 
k

podem-se representar por uma forma


algébrica k-linear.
Prof. Doutora Natália Furtado 2
TEOREMA 6
Seja E um espaço n-dimensional sobre o
corpo  , onde se fixa a base

u 1, u 2,, u n 
As funcionais de grau k de E em 
podem-se representar por uma forma
algébrica de grau k .
Prof. Doutora Natália Furtado 3
OBSERVAÇÃO

A forma k-linear que representa uma dada


funcional k-linear (a forma de grau k que
representa uma dada funcional de grau k ) com
k
domínio em E (com domínio em E ) depende
da base fixada em E:
mudando a base mudam os
coeficientes da forma
Prof. Doutora Natália Furtado 4
Base antiga u 1, u 2 ,, u n : L ( x )  a T x
 
Base nova u 1 , u 2 ,, u n : L ( x )  a T x  a T B x
onde B é a matriz da mudança de base .
Então
a  a B
T T

1
ou, fazendo CB
a  C a T

Prof. Doutora Natália Furtado 5


Base antiga u 1 , u 2 ,, u n : B ( x , y )  x A y
T


Base nova 1 2
u  , u  , , u 
n : B ( x , y )  x T
A y  x B A B y
T T

onde B é a matriz da mudança de base .


Então
A  B AB T

1
ou, fazendo CB
A  C A C T

Prof. Doutora Natália Furtado 6


Considere-se uma transformação k-linear Lk de E k

em F com E n-dimensional e F m-dimensional,


ambos sobre o mesmo corpo  . No espaço E
fixa-se a base u 1, u 2 ,, u n  e no espaço F fixa-se a
base  v 1, v 2 ,, v m . A transformação k-linear é tal
que
( x1 ,, xk )  E  Lk ( x1 ,, xk )  F
k Lk

Como os transformados são vectores de F podem


representar-se na respectiva base:
Lk ( x1 ,, xk )  y1v1  y2v2    ymvm ( yi  )
Prof. Doutora Natália Furtado 7
Prof. Doutora Natália Furtado

Fazendo  y1  Lk 1  x1 , x2 ,  , xk 
 y  L x , x ,, x 
 2 k2 1 2 k


 ym  Lk m  x1 , x2 ,  , xk 

têm-se m funcionais k-lineares. Cada uma destas
funcionais k-lineares, Lk j , pode-se representar com
uma forma k-linear, na base u 1, u 2 ,, u n  .
Uma transformação k-linear de E em F pode ser
k

representada por um sistema de m formas


k-lineares sobre  .
Inversamente, a um sistema de m formas k-lineares sobre 
corresponde uma transformação k-linear de E em F .
k
Do mesmo modo se tem que:

Uma transformação de grau k de E em F


pode ser representada por um sistema de m
formas de grau k sobre  .
Inversamente, a um sistema de m formas de
grau k sobre  corresponde uma
transformação de grau k de E em F .

Prof. Doutora Natália Furtado 9


Prof. Doutora Natália Furtado

Exemplo.
Sejam E  R e F  R . Fixando as bases naturais dos
3 2

respectivos espaços, considere-se a seguinte


transformação bilinear de R  R em R :
3 3 2

 x1   y1 
     x1 y1  x2 y2 
 x   x2  , y   y 2  : B  x , y    
 x3   y3   x y
3 3 
Têm se então, duas funcionais bilineares (formas
bilineares) B1 x , y   x1 y1  x2 y2
B2 x , y   x3 y3
A transformação quadrática Qx   Bx , x  é dada por
 Q1 x   x12  x22 
Q x      2 
Q2 x   x3 
e é formada por duas funcionais (formas) quadráticas. 10
OBSERVAÇÃO
Considere-se um espaço vectorial E sobre  e o
conjunto de todas as funcionais k-lineares de E em 
k

É fácil de verificar que se trata de um espaço vectorial


sobre  , chamado espaço das funcionais k-lineares
e representa-se por L k E ,   .
Quando k = 1, tem-se o espaço L 1 E,   = L E,  
das funcionais lineares, também conhecido por espaço
dual de E .
Quando k = 2, tem-se o espaço L 2 E,   = B E,  
das funcionais bilineares.
Prof. Doutora Natália Furtado 11
Do mesmo modo,
o conjunto das funcionais de grau k de E em  é o
espaço vectorial das funcionais de grau k e
representa-se por T k E,   . Naturalmente, que
T1 E,   = L E,   e que T2 E,   = Q E,   é o
espaço das funcionais quadráticas .
Quando o espaço E tem dimensão n, o espaço das
funcionais k-lineares e o espaço das funcionais de
grau k podem ser representados pelos espaços das
formas k-lineares e de grau k, respectivamente.
Prof. Doutora Natália Furtado 12
Vão estudar-se dois casos particulares importantes :

1. Espaço das funcionais lineares (espaço dual) .


2. Espaço das funcionais bilineares .
Caso 1.
Seja u 1, u 2 ,, u n  a base fixada em E e seja L E,  
o espaço dual de E.
Constituamos uma base de L E,   partir da base de E.
1, i  j
Fazendo L i (u j )   , as funcionais L i (i  1, n )
0, i  j
constituem uma base  L 1 , L 2 ,  , L n  do espaço dual.
Esta base chama-se a base dual de u 1, u 2 ,, u n  .
Prof. Doutora Natália Furtado 13
As funcionais L i definem-se da seguinte maneira:
L i ( x )  x i , em que x i a i - ésima coordenada de x .
Provamos que  L 1 , L 2 ,  , L n  é uma base, i.e.:
•  L 1 , L 2 ,  , L n  gera o espaço dual ;
• L 1 , L 2 ,, L n são linearmente independentes.
Com efeito, seja L  L E,   e suponha-se que
L(u 1)  k1 , L(u 2)  k 2 ,, L(u n)  k n e faça-se
L  k 1L 1 k 2 L 2   k n L n . Daí, L (u j)   k 1L1   k n L n (u j)


L (u j )  k 1L 1(u j )  k 2 L 2(u j )    k j L j (u j )    k n L n(u j )  k j

i.e. L (u j )  k j  L (u j ) ( j  1, n ) 
o que implica L ( x )  L( x ) , x  E .
Então L  L  k 1L 1   k n L n e, portanto L 1 ,  , L n  gera L E,  
Prof. Doutora Natália Furtado 14
Demonstremos , que L 1 , L 2 ,, L n são
independentes.
Com efeito, seja
 1L 1  2 L 2    n L n  0
onde 0 é funcional nula de L E,   . Aplicando ambos os
membros desta igualdade a u j tem-se:
  1L 1  2 L 2    n L n (u j )  0(u j )
 1L 1(u j )   2 L 2(u j )     j L j (u j )     n L n(u j )  0
Daí,  j  0 ( j  1, n ) .
Portanto, L 1 , L 2 ,, L n são linearmente independentes.
Prof. Doutora Natália Furtado 15
Demonstremos duas relações notáveis entre a base
u 1, u 2 ,, u n  do espaço E e a base dual  L1 , L 2 ,  , L n 
do espaço L E,   .
• x  E : x  L1( x ) u 1 L 2( x ) u 2   L n( x ) u n
• L  L E,  : L  Lu1 L1  Lu2 L2    Lun Ln

Com efeito, seja x   1u 1  2u 2    nu n .


Então ,
L j ( x )   1L j (u 1)     j L j (u j )   n L j (u n)   j
i.e. L j ( x )   j ( j  1, n ), e está demonstrada a primeira relação.
Prof. Doutora Natália Furtado 16
O que se refere a segunda relação, tem-se:
seja
x  L1( x ) u 1 L 2( x ) u 2   L n( x ) u n .
Aplicando L a ambos os membros, obtém-se:
L( x )  L  L 1( x ) u 1 L 2( x ) u 2   L n( x ) u n  
 L1( x ) L (u 1)  L 2( x ) L(u 2)    L n( x ) L(u n) 
  L (u 1) L 1 L(u 2) L 2   L(u n) L n ( x )
Donde L  Lu1 L1  Lu2 L2    Lun Ln .
Prof. Doutora Natália Furtado 17
Consideremos a mudança de base no espaço L E,  
à custa da mudança de base no espaço E .
Sejam u 1, u 2 ,, u n  e v 1, v 2 ,, v n  duas bases do espaço
E e seja A a matriz da mudança de base. No espaço dual L E,  
as respectivas bases são  L 1 , L 2 ,  , L n  e L 1 , L 2 ,  , L n  .
Procure-se a matriz B desta mudança de base. Tem-se:
u 1 a 11v 1 a 21v 2    a n1v n  a 11  a 1 j  a 1n 

 a  a  a 2n  
 
u j  a 1 j v 1 a 2 j v 2    a n j v n  A 
21 2j

     
  
u  a v  a v    a v 
 a n1  a n j  a n n 
 n 1 n 1 2 n 2 n n n
Prof. Doutora Natália Furtado 18
 L 1 b 11L 1 b 21L 2    b n1L n
  b 11  b 1i  b 1n 
 b  b 2i  b 2 n  
 
 L i  b 1i L 1 b 2 i L 2    b n i L n  B 
   21

     
  
 L n  b 1n L 1 b 2 n L 2    b n n L n 
b n1  b n i  b n n 

Fazendo
 1i 1

2i 2

ni n 
L i(u j)  b L  b L    b L  a 1 jv 1 a 2 jv 2   a n jv n  

 b1 i a 1 j  b 2 i a 2 j    b n i a n j  b i a j
T

onde bi é a coluna i da matriz B e a j é a coluna j da matriz A.


Prof. Doutora Natália Furtado 19

Então, tem-se : b a  
T 1 , i  j
0 , i  j
ij
donde
b 1T  b 1T a 1 b 1T a 2  b 1T a n 
 T  T T T 
b 2 a1 b 2 a 2  b 2 a n 
B A
T  b2 

a 1 a 2  a n  
 
I
  
 T  T 
b n  b n a 1 b n a 2  b n a n 
T T

n 11 n
B A I B  A B A
T T 1
 
1 T

Daí, B A   1 T
Prof. Doutora Natália Furtado 20
Caso 2.

Seja u 1, u 2 ,, u n  a base fixada em E e seja B E,  


o respectivo espaço das funcionais bilineares.
Pode constituir-se uma base de B E,   a partir da base de E .
Seja  L 1 , L 2 ,  , L n  a base dual no espaço L E,   .
Veja-se que
B ij : B i j ( x, y)  L i( x ) L j ( y ) , i, j 1, n 
é uma base de B E,   . Em particular, a dimensão deste espaço é
2
n . Com efeito, mostra-se:
 
1. que B i j gera B E,   ;
2. B i j são linearmente independentes.
Prof. Doutora Natália Furtado 21
Mostremos que B i j   gera B E ,   .
Seja B  B E,   e faça-se B(u i , u j )  a i j . Pretende-se
mostrar que B  
ai jBi j .
i j

Basta então ver que


 
B (u k , u l )    a i j B i j  u k , u l  (k , l  1 , n )
 i j 
Com efeito,
 
  a i j B i j  u k , u l     a i j B i j (u k , u l )   a i j L i(u k ) L j (u l ) 
 i j  i j i j

  a i j  i k  j l  a k l  B (u k , u l ) , onde  i k   1 , i  k 1 , j  l
;  jl 
i j 0 , i  k 0 , j  l
Prof. Doutora Natália Furtado 22
Demonstremos , que B i j (i , j  1 , n ) são
independentes.

Seja  a
i j
i j Bi j  0
onde 0 funcional bilinear nula em B E,   .
Aplicando ambos os membros da última igualdade ao par  u k , u l 
obtém-se:
 
  a i j B i j  u k , u l   0  u k , u l 
 i j 
Donde: a k l  0 .
Portanto, as funcionais bilineares Bi j são independentes.
Prof. Doutora Natália Furtado 23