Você está na página 1de 32

1

Índice
Como Funciona a Redação da Unesp?.....................................................................................6
A prova de redação será avaliada conforme os critérios a seguir:.....................................7
Tema..................................................................................................................................7
Estrutura (gênero/tipo de texto e coerência)..................................................................7
Gênero/Tipo de Texto.......................................................................................................7
Coerência..........................................................................................................................8
Expressão (Coesão e Modalidade):..................................................................................8
Será atribuída nota zero à redação que:.........................................................................8
Como funciona a avaliação da redação da Unesp?........................................................9
Título e rascunho na redação da Unesp.........................................................................9
Textos motivadores na redação da Unesp....................................................................10
Redações passadas da Unesp............................................................................................10
2019 - Compro, logo existo?...........................................................................................11
2018 - O voto deveria ser facultativo no Brasil.............................................................13
2017 - A riqueza de poucos beneficia a sociedade inteira?..........................................16
2016 - Publicação de imagens trágicas: banalização do sofrimento ou forma de
sensibilização?................................................................................................................18
2015 - O legado da escravidão e o preconceito contra negros no Brasil.....................20
2014 - Corrupção no Congresso Nacional: reflexo da sociedade brasileira?..............23
2013 - Escrever: o trabalho e a inspiração....................................................................25
2012 - A bajulação: virtude ou defeito?.........................................................................26
Exemplos de Redações Exemplares..............................................................................28

2
Olá Estudante, Somos a Agatha Edu.

O nosso Projeto Agatha Edu começou em 2017 durante o


período do meu curso técnico, no início era um projeto para
estudo, porém com o tempo o site foi evoluído, e percebi que
estava resolvendo problemas de outros estudantes. Hoje
estamos no Telegram, YouTube, Instagram e Facebook,
oferecendo a nossa contribuição para estudantes de menor
renda.

No começo eramos um blog para ensinar estudar, assim como


indicar aplicativos para estudantes, e hoje podemos nos
orgulhar de oferecer gratuitamente bancos de questões e
redações para o Enem e Vestibulares, além de diversos
cronogramas online, além de outras coisas legais.

Quando estava no técnico, e no ano passado quando entrei


na faculdade, tive apoio de muitas pessoas incríveis,
pessoas estas que são responsáveis em parte por estamos
aqui. Não é possível citar todos os nomes, então um muito
obrigado a todos.

Ano passado nós tornamos um startup de impacto social,


um passo inicial na busca do nosso sonho de impactar na
vida de milhões de pessoas.

3
Esse é mais um material que faz parte do lançamento nossa
plataforma de correções e monitorias de redação, onde
conectamos corretores e estudantes, oferecendo mais renda
para os corretores que outras plataformas, e correções de
qualidade a preço justo para estudantes.

Esperamos que esse material gratuito, assim


como todos seja de grande valia para a sua
vida. ♥

4
5
Como Funciona a Redação da Unesp?
Na prova de redação, espera-se que o candidato produza uma dissertação
em prosa na norma-padrão da língua portuguesa, a partir da leitura de
textos auxiliares, que servem como um referencial para ampliar os
argumentos produzidos pelo próprio candidato. Ele deverá demonstrar
domínio dos mecanismos de coesão e coerência textual, considerando a
importância de apresentar um texto bem articulado.

A prova de redação será avaliada conforme os critérios a seguir:


Tema
Considera-se se o texto do candidato atende ao tema proposto. A fuga completa ao
tema proposto é motivo suficiente para que a redação não seja corrigida em
qualquer outro de seus aspectos, recebendo nota 0 (zero) total.

Estrutura (gênero/tipo de texto e coerência)


Consideram-se aqui, conjuntamente, os aspectos referentes ao gênero/tipo de
texto proposto e à coerência das ideias. A fuga completa ao gênero/tipo de texto é
motivo suficiente para que a redação não seja corrigida em qualquer outro de seus
aspectos, recebendo nota 0 (zero) total.

Avalia-se aqui como o candidato sustenta sua tese em termos argumentativos e


como essa argumentação está organizada, considerando-se a macroestrutura do
texto dissertativo (introdução, desenvolvimento e conclusão).

6
Gênero/Tipo de Texto
No gênero/tipo de texto, avalia-se também o tipo de interlocução construída:
por se tratar de uma dissertação, deve-se prezar pela objetividade, sendo assim, o
uso de primeira pessoa do singular e de segunda pessoa (singular e plural) poderá
ser penalizado.
Será considerada aspecto negativo a referência direta à situação imediata de
produção textual (ex.: como afirma o autor do primeiro texto/ da coletânea/do
texto I; como solicitado nesta prova/ proposta de redação).

Coerência
Na coerência, será observada, além da pertinência dos argumentos mobilizados
para a defesa do ponto de vista, a capacidade do candidato de encadear as ideias
de forma lógica e coerente (progressão textual).
Serão consideradas aspectos negativos a presença de contradições entre as ideias,
a falta de partes da macroestrutura dissertativa, a falta de desenvolvimento das
ideias, a falta de autonomia do texto, ou a presença de conclusões não
decorrentes do que foi previamente exposto.

Expressão (Coesão e Modalidade):


Consideram-se nesse item os aspectos referentes à coesão textual e ao domínio da
norma-padrão da língua portuguesa.

Na coesão, avalia-se a utilização dos recursos coesivos da língua (anáforas,


catáforas, substituições, conjunções etc.) de modo a tornar a relação entre frases e
períodos e entre os parágrafos do texto mais clara e precisa.

Serão considerados aspectos negativos as quebras entre frases ou parágrafos e o


emprego inadequado de recursos coesivos.

Na modalidade, serão examinados os aspectos gramaticais como ortografia,


morfologia, sintaxe e pontuação, bem como a escolha lexical (precisão vocabular)
e o graude formalidade/informalidade expressa em palavras e expressões.

7
Será atribuída nota zero à redação que:
1. Fugir ao tema e/ou gênero propostos;
2. Apresentar nome, rubrica, assinatura, sinal, iniciais ou marcas que permitam a
identificação do candidato;
3. estiver em branco;
4. Apresentar textos sob forma não articulada verbalmente (apenas com
desenhos, números e/ou palavras soltas);
5. For escrita em outra língua que não a portuguesa;
6. Apresentar letra ilegível e/ou incompreensível;
7. Apresentar o texto definitivo fora do espaço reservado para tal;
8. Apresentar 7 (sete) linhas ou menos (sem contar o título);
9. For composta integralmente por cópia de trechos da coletânea ou de quaisquer
outras partes da prova.
10. Apresentar formas propositais de anulação, como impropérios, trechos
jocosos ou a recusa explícita em cumprir o tema proposto.

Como funciona a avaliação da redação da Unesp?


Cada redação é avaliada por dois examinadores independentes e, quando há
discrepância na atribuição das notas, o texto é reavaliado por um terceiro
examinador independente.

Quando a discrepância permanece, a prova é avaliada pelos coordenadores da


banca.

8
Título e rascunho na redação da Unesp
O espaço para rascunho no caderno de questões é de preenchimento facultativo.

Em hipótese alguma, o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na


correção da prova de redação pela Banca Examinadora.

Em hipótese alguma o título da redação será considerado na avaliação do texto.


Ainda que o título contenha elementos relacionados à abordagem temática, a nota
do critério que avalia o tema só será atribuída a partir do que estiver escrito no
corpo do texto.

Textos curtos, com apenas 15 (quinze) linhas ou menos, serão penalizados no


critério que avalia a expressão.

Textos motivadores na redação da Unesp


As propostas de redação da Fundação Vunesp apresentam uma coletânea de
textos motivadores que servem como ponto de partida para a reflexão sobre o
tema que deverá ser abordado.

Textos compostos apenas por cópias desses textos motivadores receberão zero
total e textos em que seja identificada a predominância de trechos de cópia em
relação a trechos autorais terão a nota final diminuída drasticamente.

9
Redações passadas da Unesp
2019 – Compro, logo existo?
2018 – O voto deveria ser facultativo no Brasil
2017 – A riqueza de poucos beneficia a sociedade inteira
2016 – Publicação de imagens trágicas: banalização do sofrimento ou forma de
sensibilização?
2015 – O legado da escravidão e o preconceito contra negros no Brasil
2014 – Corrupção no Congresso Nacional: reflexo da sociedade brasileira?
2013 – Escrever: o trabalho e a inspiração
2012 – A bajulação: virtude ou defeito?

10
2019 - Compro, logo existo?

11
Texto 3
Ao shopping center
Pelos teus círculos
Vagamos sem rumo
Nós almas penadas
Do mundo do consumo.
De elevador ao céu
Pela escada ao inferno:
Os extremos se
Tocam no castigo eterno.
Cada loja é um novo
Prego em nossa cruz.
Por mais que compremos
Estamos sempre nus
Nós que por teus círculos
Vagamos sem perdão à espera (até quando?)
Da Grande Liquidação.
(José Paulo Paes. Prosas seguidas de Odes mínimas, 1992.)

Texto 4
Nós somos consumidores agora, consumidores em primeiro lugar e acima de tudo. Para
todas as dificuldades com que nos deparamos no caminho trilhado para nos afastar dos
problemas e nos aproximar da satisfação, nós buscamos as soluções nas lojas. Do berço
ao túmulo, somos educados e treinados a tratar as lojas como farmácias repletas de
remédios para curar ou pelo menos mitigar todas as doenças e aflições de nossas vidas
particulares e de nossas vidas em comum. Comprar por impulso e se livrar de bens que já
não são atraentes, substituindo-os por outros mais vistosos, são nossas emoções mais
estimulantes. Completude de consumidor significa completude na vida.

(Zygmunt Bauman. A riqueza de poucos beneficia todos nós?, 2015. Adaptado.)

Proposta de redação
Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva
uma dissertação, empregando a norma padrão da língua portuguesa, sobre o
tema: Compro, logo existo?

12
2018 - O voto deveria ser facultativo no Brasil
Texto I
Um levantamento do Instituto Datafolha divulgado em maio de 2014 apontou que
61% dos eleitores são contrários ao voto obrigatório. O voto obrigatório é previsto
na Constituição Federal - a participação é facultativa apenas para analfabetos,
idosos com mais de 70 anos de idade e jovens com 16 e 17 anos.

Para analistas, permitir que o eleitor decida se quer ou não votar é um risco para o
sistema eleitoral. A obrigatoriedade, argumentam, ainda é necessária devido ao
cenário crítico de compra e venda de votos e à formação política deficiente do boa
parte da população.

"Nossa democracia é extremamente jovem e foi pouco testada. O voto facultativo


seria o ideal, porque o eleitor poderia expressar sua real vontade, mas ainda não é
hora de ele ser implantado", diz Danilo Barboza, membro do Movimento do Voto
Consciente.

O sociólogo Eurico Cursino, da Universidade de Brasília (UnB), avalia que o dever


de participar das eleições é uma prática pedagógica. Ele argumenta que essa é
uma forma de canalizar conflitos graves ligados às desigualdades sociais no país.
"A democracia só se aprende na prática. Tornar o voto facultativo é como permitir
à criança decidir se quer ou não ir à escola", afirma.

Já para os defensores do voto não obrigatório, participar das eleições é um direito


e não um dever. O voto facultativo, dizem, melhora a qualidade do pleito, que
passa a contar majoritariamente com eleitores conscientes. E incentiva os partidos
a promover programas eleitorais educativos sobre a importância do voto.

Adaptado de: www.cartacapital.com.br

13
Texto 2
Há muito tempo se discute a possibilidade de instauração do voto facultativo no
Brasil. Mas são diversos os fatores que travam discussão.

Atualmente, é a Lei n.º 4737/1965 que determina o voto como obrigatório no Brasil,
além dos dispositivos e penas a quem não comparece ao pleito. Com a imposição,
o país segue na tendência contrária ao resto do mundo. Estudo divulgado pela CIA,
que detalha o tipo de voto em mais de 230 países do mundo, mostra que o Brasil é
um dos (apenas) 21 que ainda mantém a obrigatoriedade de comparecer às urnas.

Para Rodolfo Teixeira, cientista político e professor da Universidade de Brasília


(UnB), a atual descrença na classe política pode levar a grave deserção do
brasileiro do processo eleitoral. O jurista Alberto Rollo, especialista em Direito
Eleitoral e membro da comissão de reforma política da OAB de São Paulo, concorda
e acredita que o eleitor brasileiro ainda é "deficitário" do ponto de vista de
educação política, sem ser maduro o suficiente para entender a importância do
voto: "Se [o voto facultativo] fosse implementado hoje, mais da metade dos
eleitores não votaria. Isso é desastroso", afirma.

O cientista político e professor da FGV-Rio Carlos Pereira pensa diferente. O


especialista acredita que as sete eleições presidenciais depois do fim da ditadura
militar mostram que o momento democrático do Brasil está consolidado. O voto
facultativo seria mais um passo a uma democracia plena.

"O argumento de que o leitor pobre e menos escolarizado deixaria de votar parte
de um pressuposto de vitimização. É uma visão muito protecionista", diz pereira. "O
eleitor mais pobre tem acesso à informação e é politizado: ele sabe quanto está
custando um litro de leite, uma passagem de ônibus, se o bairro está violento, se
tem desemprego na família. É totalmente plausível que ele faça um diagnóstico e
decida em quem votar e se quer votar".

Adaptado de: exame.abril.com.br

Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva


uma dissertação, empregando a norma-padrão da língua portuguesa, sobre o
tema: "O voto deveria ser facultativo no Brasil?"

14
2017 - A riqueza de poucos beneficia a sociedade inteira?

Texto I
A distribuição da riqueza é uma das questões mais vivas e polêmicas da
atualidade. Será que a dinâmica da acumulação do capital privado conduz de
modo inevitável a uma concentração cada vez maior da riqueza e do poder em
poucas mãos, como acreditava Karl Marx no século XIX? Ou será que as forças
equilibradoras do crescimento, da concorrência e do progresso tecnológico levam
espontaneamente a uma redução da desigualdade e a uma organização
harmoniosa da sociedade, como pensava Simon Kuznets no século XX?

(Thomas Piketty. O capital no século XXI, 2014. Adaptado.)

Texto II
Já se tornou argumento comum a ideia de que a melhor maneira de ajudar os
pobres a sair da miséria é permitir que os ricos fiquem cada vez mais ricos. No
entanto, à medida que novos dados sobre distribuição de renda são divulgados*,
constata-se um desequilíbrio assustador: a distância entre aqueles que estão no
topo da hierarquia social e aqueles que estão na base cresce cada vez mais.

A obstinada persistência da pobreza no planeta que vive os espasmos de um


fundamentalismo do crescimento econômico é bastante para levar as pessoas
atentas a fazer uma pausa e refletir sobre as perdas diretas, bem como sobre os
efeitos colaterais dessa distribuição da riqueza.

Uma das justificativas morais básicas para a economia de livre mercado, isto é, que
a busca de lucro individual também fornece o melhor mecanismo para a busca do
bem comum, se vê assim questionada e quase desmentida.

* Um estudo recente do World Institute for Development Economics Research da


Universidade das Nações Unidas relata que o 1% mais rico de adultos possuía 40%
dos bens globais em 2000, e que os 10% mais ricos respondiam por 85% do total
da riqueza do mundo. A metade situada na parte mais baixa da população
mundial adulta possuía 1% da riqueza global.

(Zygmunt Bauman. A riqueza de poucos beneficia todos nós?, 2015. Adaptado.)

15
Texto III
Um certo espírito rousseauniano parece ter se apoderado de nossa época, que
agora vê a propriedade privada e a economia de mercado como responsáveis por
todos os nossos males. É verdade que elas favorecem a concentração de riqueza,
notadamente de renda e patrimônio. Essa, porém, é só parte da história. Os
mesmos mecanismos de mercado que promovem a disparidade – eles exigem
certo nível de desigualdade estrutural para funcionar – são também os
responsáveis pelo mais extraordinário processo de melhora das condições
materiais de vida que a humanidade já experimentou.

Se o capitalismo exibe o viés elitista da concentração de renda, ele também


apresenta a vocação mais democrática de tornar praticamente todos os bens mais
acessíveis, pelo aprimoramento dos processos produtivos. Não tenho nada contra
perseguir ideias de justiça, mas é importante não perder a perspectiva das coisas.

(Hélio Schwartsman. “Uma defesa da desigualdade”. Folha de S.Paulo, 14.06.2015. Adaptado.)

Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva


uma dissertação, empregando a norma-padrão da língua portuguesa, sobre o
tema: A riqueza de poucos beneficia a sociedade inteira?

16
2016 - Publicação de imagens trágicas: banalização do sofrimento ou
forma de sensibilização?

Texto I
Um dos traços característicos da vida moderna é oferecer inúmeras oportunidades
de vermos (à distância, por meio de fotos e vídeos) horrores que acontecem no
mundo inteiro. Mas o que a representação da crueldade provoca em nós? Nossa
percepção do sofrimento humano terá sido desgastada pelo bombardeio diário
dessas imagens?

Qual o sentido de se exibir essas fotos? Para despertar indignação? Para nos
sentirmos “mal”, ou seja, para consternar e entristecer? Será mesmo necessário
olhar para essas fotos? Tornamo-nos melhores por ver essas imagens? Será que
elas, de fato, nos ensinam alguma coisa?

Muitos críticos argumentam que, em um mundo saturado de imagens, aquelas que


deveriam ser importantes para nós têm seu efeito reduzido: tornamo-nos
insensíveis. Inundados por imagens que, no passado, nos chocavam e causavam
indignação, estamos perdendo a capacidade de nos sensibilizar. No fim, tais
imagens apenas nos tornam um pouco menos capazes de sentir, de ter nossa
consciência instigada.

(Susan Sontag. Diante da dor dos outros, 2003. Adaptado.)

17
Texto II
Quantas imagens de crianças mortas você precisa ver antes de entender que matar
crianças é errado? Eu pergunto isso porque as mídias sociais estão inundadas com o
sangue de inocentes. Em algum momento, as mídias terão de pensar cuidadosamente
sobre a decisão de se publicar imagens como essas. No momento, há, no Twitter
particularmente, incontáveis fotos de crianças mortas. Tais fotos são tuitadas e
retuitadas para expressar o horror do que está acontecendo em várias partes do
mundo. Isto é obsceno. Nenhuma dessas imagens me persuadiu a pensar
diferentemente do modo como eu já pensava. Eu não preciso ver mais imagens de
crianças mortas para querer um acordo político. Eu não preciso que você as tuite para
me mostrar que você se importa. Um pequeno cadáver não é um símbolo de consumo
público.

(Suzanne Moore. “Compartilhar imagens de cadáveres nas mídias sociais não é o modo de se chegar a
um cessar-fogo”. www.theguardian.com, 21.07.2014. Adaptado.)

Texto III
A morbidez deve ser evitada a todo custo, mas imagens fotográficas chocantes que
podem servir a propósitos humanitários e ajudar a manter vivos na memória
coletiva horrores inomináveis (dificultando, com isso, a ocorrência de horrores
similares) devem ser publicadas.

(Carlos Eduardo Lins da Silva. “Muito além de Aylan Kurdi”. http://observatoriodaimprensa.com.br,


08.09.2015. Adaptado.)

Texto IV
Diretor da ONG Human Rights Watch, Peter Bouckaert publicou em seu Twitter a
foto do menino sírio de 3 anos que se afogou. Ele explicou sua decisão: “Alguns
dizem que a imagem é muito ofensiva para ser divulgada. Mas ofensivo é
aparecerem crianças afogadas em nossas praias quando muito mais pode ser feito
para evitar suas mortes.”

(“Diretor de ONG explica publicação de foto de criança”. Folha de S.Paulo, 03.09.2015. Adaptado.)

Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva uma
dissertação, empregando a norma-padrão da língua portuguesa, sobre o tema:
Publicação de imagens trágicas: banalização do sofrimento ou forma de
sensibilização?

18
2015 - O legado da escravidão e o preconceito contra negros no
Brasil

Texto I
O Brasil era o último país do mundo ocidental a eliminar a escravidão! Para a maioria dos
parlamentares, que se tinham empenhado pela abolição, a questão estava encerrada. Os
ex-escravos foram abandonados à sua própria sorte. Caberia a eles, daí por diante,
converter sua emancipação em realidade. Se a lei lhes garantia o status jurídico de
homens livres, ela não lhes fornecia meios para tornar sua liberdade efetiva. A igualdade
jurídica não era suficiente para eliminar as enormes distâncias sociais e os reconceitos
que mais de trezentos anos de cativeiro haviam criado. A Lei Áurea abolia a escravidão
mas não seu legado. Trezentos anos de opressão não se eliminam com uma penada. A
abolição foi apenas o primeiro passo na direção da emancipação do negro. Nem por isso
deixou de ser uma conquista, se bem que de efeito limitado.

(Emília Viotti da Costa. A abolição, 2008.)

Texto II
O Instituto Ethos, em parceria com outras entidades, divulgou um estudo sobre a
participação do negro nas 500 maiores empresas do país. E lamentou, com os jornais, o
fato de que 27% delas não souberam responder quantos negros havia em cada nível
funcional. Esse dado foi divulgado como indício de que, no Brasil, existe racismo. Um
paradoxo. Quase um terço das empresas demonstra a entidades seriíssimas que “cor” ou
“raça” não são filtros em seus departamentos de RH e, exatamente por essa razão, as
empresas passam a ser suspeitas de racismo. Elas são acusadas por aquilo que as
absolve. Tempos perigosos, em que pessoas, com ótimas intenções, não percebem que
talvez estejam jogando no lixo o nosso maior patrimônio: a ausência de ódio racial.

Há toda uma gama de historiadores sérios, dedicados e igualmente bem-intencionados,


que estudam a escravidão e se deparam com esta mesma constatação: nossa riqueza é
esta, a tolerância. Nada escamoteiam: bem documentados, mostram os horrores da
escravidão, mas atestam que, não a cor, mas a condição econômica é que explica a
manutenção de um indivíduo na pobreza. […]. Hoje, se a maior parte dos pobres é de
negros, isso não se deve à cor da pele. Com uma melhor distribuição de renda, a
condição do negro vai melhorar acentuadamente. Porque, aqui, cor não é uma questão.

(Ali Kamel. “Não somos racistas”. www.oglobo.com.br, 09.12.2003.)

19
Texto III
Qualquer estudo sobre o racismo no Brasil deve começar por notar que, aqui, o
racismo é um tabu. De fato, os brasileiros imaginam que vivem numa sociedade
onde não há discriminação racial. Essa é uma fonte de orgulho nacional, e serve,
no nosso confronto e comparação com outras nações, como prova inconteste de
nosso status de povo civilizado.

(Antonio Sérgio Alfredo Guimarães. Racismo e anti-racismo no Brasil, 1999. Adaptado.)

Texto III
Na ausência de uma política discriminatória oficial, estamos envoltos no país de
uma “boa consciência”, que nega o preconceito ou o reconhece como mais brando.
Afirma-se de modo genérico e sem questionamento uma certa harmonia racial e
joga-se para o plano pessoal os possíveis conflitos. Essa é sem dúvida uma
maneira problemática de lidar com o tema: ora ele se torna inexistente, ora
aparece na roupa de alguém outro.

É só dessa maneira que podemos explicar os resultados de uma pesquisa realizada


em 1988, em São Paulo, na qual 97% dos entrevistados afirmaram não ter
preconceito e 98% dos mesmos entrevistados disseram conhecer outras pessoas
que tinham, sim, preconceito. Ao mesmo tempo, quando inquiridos sobre o grau
de relação com aqueles que consideravam racistas, os entrevistados apontavam
com frequência parentes próximos, namorados e amigos íntimos. Todo brasileiro
parece se sentir, portanto, como uma ilha de democracia racial, cercado de
racistas por todos os lados.

(Lilia Moritz Schwarcz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário, 2012. Adaptado.)

Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva


uma redação de gênero dissertativo, empregando a norma-padrão da língua
portuguesa, sobre o tema: O legado da escravidão e o preconceito contra negros
no Brasil

20
21
2014 - Corrupção no Congresso Nacional: reflexo da sociedade
brasileira?

Texto I
Dos 594 deputados e senadores em exercício no Congresso Nacional, 190 (32%) já
foram condenados na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas.

As ocorrências se encaixam em quatro grandes áreas: irregularidades em contas e


processos administrativos no âmbito dos Tribunais de Contas (como fraudes em
licitações); citações na Justiça Eleitoral (contas de campanha rejeitadas, compra
de votos, por exemplo); condenações na Justiça referentes à lida com o bem
público no exercício da função (enriquecimento ilícito, peculato etc.); e outros
(homicídio culposo, trabalho degradante etc.).

(Natália Paiva. http://www.transparencia.org.br. Adaptado.)

Texto II
Nossa tradição cultural, por diversas razões, criou um ideal de cidadania política
sem vínculos com a efetiva vida social dos brasileiros. Na teoria, aprendemos que
devemos ser cidadãos; na prática, que não é possível, nem desejável,
comportarmo-nos como cidadãos. A face política do modelo de identidade
nacional é permanentemente corroída pelo desrespeito aos nossos ideais de
conduta.

Idealmente, ser brasileiro significa herdar a tradição democrática na qual somos


todos iguais perante a lei e onde o direito à vida, à liberdade e à busca da
felicidade é uma propriedade inalienável de cada um de nós; na realidade, ser
brasileiro significa viver em um sistema socioeconômico injusto, onde a lei só
existe para os pobres e para os inimigos e onde os direitos individuais são
monopólio dos poucos que têm muito.

Preso nesse impasse, o brasileiro vem sendo coagido a reagir de duas maneiras.
Na primeira, com apatia e desesperança. É o caso dos que continuam acreditando
nos valores ideais da cultura e não querem converter-se ao cinismo das classes
dominantes e de seus seguidores. Essas pessoas experimentam uma notável
diminuição da autoestima na identidade de cidadão, pois não aceitam conviver

22
com o baixo padrão de moralidade vigente, mas tampouco sabem como agir
honradamente sem se tornarem vítimas de abusos e humilhações de toda ordem.
Deixam-se assim contagiar pela inércia ou sonham em renunciar à identidade
nacional, abandonando o país. Na segunda maneira, a mais nociva, o indivíduo
adere à ética da sobrevivência ou à lei do vale-tudo: pensa escapar à delinquência,
tornando-se delinquente.

(Jurandir Freire Costa. http://super.abril.com.br. Adaptado.)

Texto III
Se o eleitorado tem bastante clareza quanto à falta de honestidade dos políticos
brasileiros, não se pode dizer o mesmo em relação à sua própria imagem como
“povo brasileiro”. Isto pode ser um reflexo do aclamado “jeitinho brasileiro”, ora
motivo de orgulho, ora de vergonha.

De qualquer forma, fica claro que há problemas tanto quando se fala de


honestidade de uma forma genérica, como quando há abordagem específica de
comportamentos antiéticos, alguns ilegais: a “caixinha” para o guarda não multar,
a sonegação de impostos, a compra de produtos piratas, as fraudes no seguro,
entre outros. A questão que está posta aqui é que a população parece não
relacionar seus “pequenos desvios” com o comportamento desonesto atribuído
aos políticos.

(Silvia Cervellini. http://www.ibope.com.br. Adaptado.)

Com base nos textos apresentados e em seus próprios conhecimentos, escreva


uma redação de gênero dissertativo, empregando a norma-padrão da língua
portuguesa, sobre o tema:

Corrupção no Congresso Nacional: reflexo da sociedade brasileira?

23
2013 - Escrever: o trabalho e a inspiração

Proposição
Desde pequeno, você vem sendo submetido, na escola, à prática de escrever. Com
o passar do tempo, as exigências se tornaram cada vez maiores para que você
aumentasse a qualidade de seus textos e não demorou muito para perceber que lá
adiante, no fim do túnel do Ensino Médio, haveria uma prova muito importante,
com bom peso na nota: a redação no vestibular. Nesse trajeto, em muitos
momentos, você se perguntou: Afinal, para que escrever? Para que fazer uma boa
redação? Só para passar no vestibular? Na era da internet, para que eu tenho de
aprender a redigir, se a comunicação visual funciona muito melhor? Eu não sou
escritor, não preciso saber criar textos!

É isso o que você pensa mesmo? Ou são apenas desa - ba fos? Pois chegou a hora
de dizer realmente o que pensa sobre o escrever. Para Clarice Lispector, escrever é
maldição e salvação. Para Syd Field, é uma atividade profissional muito
importante dentro da atividade geral da arte cinematográfica. E para você?

Com base nestes comentários, em sua própria experiência e, se achar necessário,


levando em consideração os textos de Clarice Lispector e Syd Field, escreva uma
redação de gênero dissertativo, empregando a norma-padrão da língua
portuguesa, sobre o tema:

24
2012 - A bajulação: virtude ou defeito?

As reações do cérebro à bajulação


Pesquisa mostra que se você for bajular alguém é melhor fazer elogios descarados

Não é o que os meritocratas convictos gostariam de ouvir. Uma pesquisa da escola


de negócios da Hong Kong University of Science and Technology indica que a
bajulação tem um efeito marcante no cérebro da pessoa bajulada. Mais
surpreendente do que isso é a conclusão do estudo de autoria de Elaine Chan e
Jaideep Sengupta: quanto mais descarada a bajulação, mais eficiente ela é.

A pesquisa deu origem a um artigo no Journal of Marketing Research, intitulado


Insincere Flattery Actually Works (“Bajulação insincera de fato funciona”, numa
tradução literal) e rapidamente chamou a atenção da imprensa científica mundial.

Os autores são cautelosos ao afirmar que puxar o saco funciona, mas é nessa
direção que sua pesquisa aponta. Elaine e Sengupta criaram situações nas quais
os pesquisados foram expostos à bajulação insincera e oportunista. Numa delas,
distribuíram um folder entre os pesquisados que detalhava o lançamento de uma
nova rede de lojas. O material publicitário elogiava o “apurado senso estético” do
consumidor. Apesar do evidente puxa-saquismo, o sentimento posterior das
pessoas foi de simpatia em relação à rede. Entre os participantes, a medição da
atividade cerebral no córtex pré-frontal (responsável pelo registro de satisfação)
indicou um aumento de estímulos nessa região. O mesmo ocorreu em todas as
situações envolvendo elogios.

Segundo os pesquisadores, a bajulação funciona devido a um fenômeno cerebral


conhecido como “com - por tamento de atraso”. A primeira reação ao elogio insin
cero é de rejeição e desconsideração. Apesar disso, a bajulação fica registrada, cria
raízes e se estabelece no cérebro humano. A partir daí, passa a pesar
subjetivamente no julgamento do elogiado, que tende, com o tempo, a formar
uma imagem mais positiva do bajulador. Isso vale desde a agência de propaganda
até o funcionário que leva um cafezinho para o chefe. “A suscetibilidade à
bajulação nasce do arraigado desejo do ser humano de se sentir bem consigo
mesmo”, diz Elaine Chan. A obviedade e o descaramento do elogio falso,
paradoxalmente, conferem-lhe maior força. Segundo os pesquisadores, é a rapidez

25
com que descartamos os elogios manipuladores que faz com que eles passem sem
filtro pelo cérebro e assim se estabeleçam de forma mais duradoura.

Segundo Elaine e Sengupta, outro fator contribui para a bajulação. É o “efeito


acima da média”. Temos a tendên cia de nos achar um pouco melhor do que
realmente somos, pelo menos em algum aspecto. Pesquisas com motoristas
comprovam: se fôssemos nos fiar na autoimagem ao volante, não haveria
barbeiros. Isso vale até para a pessoa com baixa autoestima. Em alguma coisa, ela
vai se achar boa, nem que seja em bater figurinha.

Mas se corremos o risco de autoengano com a ajuda do bajulador, como se


prevenir? “Desenvolvendo uma autoestima autêntica”, diz Elaine. A pessoa
equilibrada, que tem amor-próprio, é mais realista sobre si mesma, aceita-se
melhor e se torna mais imune à bajulação.

(As reações do cérebro à bajulação. Época Negócios, março de 2010, p. 71.)

PROPOSIÇÃO

Bajular, lisonjear, adular, puxar saco são atitudes consideradas, muitas vezes,
defeitos de caráter ou deslizes de natureza ética; são, também, condenadas pelas
próprias religiões, como vícios ou “pecados”. As ficções literárias, teatrais e
cinematográficas estão repletas de tipos bajuladores, lisonjeadores, aduladores,
puxa-sacos, quase sempre sob o viés do ridículo e do desvio de caráter. Moder
namente, porém, pelo menos em parte, essa condenação à bajulação e à lisonja
tem sido atenuada, e até mesmo justificada por alguns como parte do marketing
pessoal, ou como estratégia para atingir metas, dado o fato de que, como se
informa no próprio artigo acima apresentado, até o elogio mais insincero pode
encontrar eco na mente e no coração do elogiado. Na passagem do conto de
Machado de Assis, apresentada nesta prova, Clemente Soares acabou atingindo
seus objetivos por meio da bajulação, e a personagem Fagundes, de Laerte, parece
viver sempre feliz em sua atividade preferencial de bajular.

Reflita sobre o conteúdo dos três textos mencionados e elabore uma redação de
gênero dissertativo, empregando a norma-padrão da língua portuguesa, sobre o
tema:

A bajulação: virtude ou defeito?

26
Exemplos de Redações Exemplares
Redação 1 – Eduarda de Araújo:

De acordo com a filosofia Aristotélica, a política é intrínseca à condição humana,


dessa forma, o voto obrigatório não apresenta malefícios, visto que reforça a
natureza dos indivíduos, além de impedir a exclusão de algum cidadão na
participação política. Sob tal perspectiva, o voto facultativo não deveria ser
inserido na Constituição Federal Brasileira.

Por um longo período de tempo o direito ao voto era exclusivo a determinados


grupos sociais, como na Grécia Antiga, onde o poder de votar era concedido
somente aos homens gregos maiores de 21 anos. No entanto, a desigualdade
política não se restringe a esse período, haja vista o movimento sufragista ocorrido
no século XX, principalmente na Europa, onde as mulheres reivindicavam o direito
ao voto e à representação política. Depreende-se, então, que foram necessários
muitos anos para alcançar o sufrágio universal, portanto é imprescindível mantê-
lo na sociedade brasileira, mesmo por meio do voto obrigatório.

Ademais, no que tange ao cenário nacional, o Brasil enfrentou impasses na política


logo após a implementação da República, com o chamado Coronelismo, quando
ocorria a compra e a manipulação dos votos. Percebe-se, portanto, que com a
inserção do voto facultativo as eleições tornariam-se mais suscetíveis a fraudes,
visto que seria possível selecionar os eleitores mediante a pagamentos e ameaças,
excluindo parte da população brasileira da participação política.

Outrossim, a atual situação da política brasileira, com inúmeras denúncias de


corrupção, desestimula os cidadãos a voltarem e com o voto facultativo
implantado os cidadãos participariam menos do cenário político. Apenas com a
experiência os indivíduos criarão o hábito de participação política e poderão,
enfim, valer-se* da própria consciência, sem ser necessário a obrigatoriedade. No
entanto, até que essa consciência seja construída, o voto deve permanecer
obrigatório, garantindo a inclusão de todos e mantendo o direito político
conquistado durante anos.

27
Redação 2 – Lívia Rufino
“Aquele que não pratica a política é manipulado por aquele que pratica”

Nos dias hodiernos, temos presenciado um momento jamais visto em nossa


história, esquemas de corrupção sendo descobertos, agentes do mais alto nível de
poder sendo presos e o povo brasileiro organizando grandes manifestações. Em
meio a todos esses acontecimentos, o sentimento de descontentamento com o
governo e a descrença na melhora política tem crescido, trazendo à tona
novamente a discussão sobre o voto facultativo no Brasil.

Sob jurisprudência da Lei no. 4737/1965, a atual Constituição Federal o voto é


obrigatório, e torna-lo facultativo poderia trazer grandes consequências por
possuirmos uma democracia muito jovem, acarretando no afastamento de muitos
cidadãos do processo eleitoral. A situação se torna ainda mais desastrosa ao
levarmos em consideração que esse fato pode aumentar a compra e venda de
votos, gerando eleições fraudulentas, pois aquele que não pratica política é
manipulado por quem pratica, como acontecia no período da República Velha em
nossa nação.

Em suma, o voto é um direito e um dever que o povo brasileiro conquistou através


de muita luta, é necessário que relevância seja lembrada, pois é por meio dele que
escolhemos quem governará nosso país pelos próximos 4 anos. A grande mídia
deve mostrar a importância do voto e o poder público deve promover debates
políticos em escolas, a fim de formarmos seres mais politizados e eleições
conscientes, criando um ambiente político agradável de se conviver, pois,como
citou o renomado filósofo Platão, “o importante não é viver, mas viver bem”.

28
Redação 3 – Giovanna Panegassi

Política renovada, democracia alcançada

Nos dias atuais, presenciamos inúmeros pontos negativos na política brasileira,


uma vez que essa está repleta de atos corruptos e ilegais. Entretanto, muitos
indivíduos acreditam que esses só ocorrem após a eleição dos candidatos,
quando, na verdade se iniciam no processo eleitoral. Assim, nos deparamos
muitas vezes com votos comprados, esses que seriam cessados com a implantação
do voto facultativo e consciente.

Em primeiro lugar, devemos levar em consideração a importância do voto, visto


que esse é resultado de inúmeras lutas, ao longo da história, por direitos mais
igualitários. Todavia, esse ato de suma representatividade, hodiernamente, já não
é tão respeitado, uma vez que vivemos em um país com alto nível de manipulação,
principalmente pelos meios midiáticos. Desse modo, nas épocas eleitorais, grande
parcela da população é influenciada, comprada e até mesmo obrigada a escolher
determinados candidatos, realidade que implicitamente nos assemelha ao
coronelismo no passado e como dizia George Santayana “Aqueles que não
recordam do passado estão condenados a repeti-lo”. Desta forma, mudanças
devem ocorrer para alterar esse drástico cenário, tal como o voto facultativo que
daria a oportunidade dos indivíduos expressarem sua real opinião, posto que
estariam no local por vontade própria.

Em segundo lugar, devemos ter a consciência de que com o voto facultativo os


partidos e o Governo investiriam mais em programas que incentivassem* o povo a
votar, dando maior ênfase na educação política doas pessoas principalmente dos
mais pobres, posto que esses são os mais numerosos componentes da população
brasileira. Consequentemente, isso aumentaria a parcela de eleitores informados e
críticos que visariam o bem do país e como dizia Arendt “a política está na mão de
um grupo e só funciona com esse unido”, assim com tais atos alcançaríamos a
verdadeira política sem que isso aparentasse* uma utopia. Por conseguinte,
teríamos uma democracia mais justa, já que segundo o Instituto Datafolha mais da
metade da sociedade brasileira é contra o voto obrigatório e como um sistema
democrático a vontade da maioria da população deve ser implementada.

29
Em vista dos fatos analisados, conclui-se que como pensava Heráclito de Éfeso
“nada é permanente, salvo as mudanças”, e quando esses trazem a oportunidade
de melhorar um país devem ser levadas em conta. A partir disso, vimos que a
facultatividade no voto traria diversos benefícios, como maior educação política,
fato de extrema importância, uma vez que como pensava Francis Bacon “saber é
poder”, ou até mesmo menor grau de corrupção dentro do sistema eleitoral. O
Brasil é uma das poucas democracias que ainda não alteraram obrigatoriedade de
comparecer às urnas, contudo vendo como nosso cenário político permanece
deplorável, medidas devem ser tomadas. Assim, o voto deveria ser facultativo em
nosso país.

Fonte: https://www.lerecompreendertextos.com.br/

30
Conheça a nossa plataforma de correções e
monitorias para redações estilo Enem e
vestibulares.

Ao se cadastrar você já tem acesso ao


material de apoio. Se gostar basta adquirir
um pacote, nós temos para todos os bolsos.

Ao adquirir um pacote você está impactando


diretamente na vida de diversos corretores.

Somos a única plataforma que dá mais de


90% do valor da correção a um corretor. ♥
https://www.projetoagathaedu.com.br/correcao-de-
redacoes/

31
32