Você está na página 1de 37

Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.

ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO AOS ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE

1. Construir para a secção abaixo desenhada, as curvas A/Ao, P/Po, h/ho, R/Ro em função de
y/H, sabendo que Ao, Po, ho, Ro representam valores para y = H.

O que aconteceria a esse traçado, se o valor de “m” alterasse para 2?

2. Calcule os elementos geométricos da secção abaixo desenhada, ( B, A, P, R, h e Z), para


as alturas do escoamento em que a secção é alterada (cotas em que a secção sofre
variação).

3.5

2.8

1.25

1
1.5 0.0

1.1 1.6 2.8 [m]

3. Conhecendo a secção abaixo referenciada, determine os elementos geométricos B, A, P,


R, h e Z, para as seguintes alturas do escoamento:

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 1


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO II – REGIME UNIFORME

1. Considere a secção do PROBLEMA 2 do capítulo anterior. Por ela se processa um


escoamento, quando a inclinação do fundo (Jo) é de 0.002. Trace assim a curva de vazão
para a secção em causa, considerando para além dos pontos cujos elementos geométricos
foram já calculados (y1 = 1.25 m, y2 = 2.80 m e y3 = 3.50 m) o cálculo do caudal para a
altura do escoamento igual a 2.85 m, sabendo que Ks = 75 m1/3/s.

2. Considere a secção do PROBLEMA 3 do capítulo anterior. Pelo canal, o escoamento se


processa em regime uniforme sendo a inclinação do mesmo Jo = 0.002. Sabendo ser o
valor de Ks = 75 m1/3/s, trace a curva de vazão da secção em causa, considerando os
pontos cujos elementos geométricos foram já calculados (y1 = 0.75 m; y2 = 1.00 m; y3 =
1.50 m e y4 = 0.30 m).

3. Um aqueduto de betão, drena águas pluviais de uma determinada área habitacional. Esta
conduta de forma circular, tem um diâmetro de 90 cm, estando instalada com uma
inclinação de fundo Jo = 0.0032. Calcule:

a) – a altura do escoamento para um caudal a descarregar na ordem dos 800 l/s;


b) – o caudal máximo possível de escoar na referida conduta.

4. Determinar o caudal que se escoa num canal trapezoidal, de inclinação Jo = 0.0015, sendo
m = 1.5 e largura de fundo de 2.60 m, considerando as alturas de escoamento de 2.70 m e
3.00 m, se for construído com os seguintes materiais:

a) – cascalho cimentado;
b) – alvenaria regular;
c) – pedra ordinária;
d) – betão bem alisado.

5. Um canal de grandes dimensões (ver figura) deverá ser construído por forma a restituir ao
estuário as águas pluviais de uma determinada bacia hidrográfica. Este canal será
construído com distintos materiais aplicados em diferentes partes do canal e identificados
na figura por A, B e C. Nele se estabelece o regime uniforme. Se A = betão rebocado, B
= terra densa com vegetação e C = cascalho, determine então o caudal máximo possível
de transportar no canal em causa, considerando que o mesmo possui uma inclinação Jo =
0.001.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 2


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

6. Partindo de uma secção transversal de um afluente, foi possível fazer a aproximação do


terreno natural a uma secção de estudo, tal como indica a figura (o desenho não está à
escala). Na mesma, o fundo e taludes apresentam um revestimento diversificado. A
inclinação do leito é igual a 0.0012. Os revestimentos a considerar são:

A – área de cultivo, com cultura dispersa;


B – mato médio, mais denso na época das chuvas;
C – terra limpa (areias);
D – relva baixa;

a) – Determine o caudal máximo possível de escoar na secção em estudo, sem que haja
inundação da zona de culturas;

b) – Calcule o caudal máximo possível de escoar na secção, se considerarmos uma folga


de 35 cm.

RESOLUÇÃO:

Considerando cada tipo de revestimento, é possível conhecer os valores de Ks pela tabela 87


do M.L.:

Ks,A = 25 m1/3/s (D2b3, do M. L.);


Ks,B = 10 m1/3/s (D2c5, do M. L.);
Ks,C = 45 m1/3/s (Ca2, do M.L.);
Ks,D = 33 m1/3/s (Dc5, do M.L.);

a) – O caudal máximo para que a zona das culturas não seja inundada, corresponde a uma
altura do escoamento de 2.20 m.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 3


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

40 m
• m3 = = 4 .6
8.7 m

10.11 m
• m2 = = 4.6 (aproxima-se a 4.6)
2.2 m

• K s,1 = K s,C = 45 m1/3 /s → n 1 = 0.022 m -1/3 ⋅ s

• K s,2 e K s,3 = K s,B = 10 m1/3 /s → n 2 = 0.10 m -1/3 ⋅ s


A1 = 6 × 2.2 = 13.2 m 2 A 2 = 10 × 2.2 ÷ 2 = 11 m 2
 
• P1 = 6 m ; P2 = 10.24 m ;
 13.2 m R = 1.07 m
R 1 = = 2.2 m  2
 6m

A 3 = 10.11× 2.2 ÷ 2 = 11.12 m 2 A = A1 + A 2 + A 3 = 35.32 m 2


 
P3 = 10.35 m ; P = P1 + P2 + P3 = 26.59 m
R = 1.07 m R = 1.33 m
 3 

P1 ⋅ R 1.67 P2 ⋅ R 1.67 P3 ⋅ R 1.67


• 1
= 1017.59 ; 2
= 114.65 ; 3
= 115.88 ; P ⋅ R 1.67 = 42.81
n1 n2 n3

42.81
⇒ ne = = 0.0343 → K s e = 30 m1/3 /s
1017.59 + 114.65 + 115.88

• Q = K s,e ⋅ A ⋅ R 2/3 ⋅ J o = 30 ⋅ 35.32 ⋅ 1.330.67 ⋅ 0.0012 0.5 = 44.40 m 3 /s


1/2

OBS. 1: Por vezes, quando os valores de Ks para o leito e para os taludes são
muito próximos, o valor de Ks,e pode não estar entre o intervalo dos valores de
Ks,1 e Ks,2. Nestes casos, a fórmula de EINSTEIN dá-nos valores mais
aproximados!

OBS. 2: É possível que na bibliografia se encontre valores de Ks já para canais


revestidos com materiais diferentes entre o leito e os taludes. Pode-se numa
primeira aproximação usar este valor, desde que a descrição esteja dentro
daquilo que se considera como revestimento do nosso canal.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 4


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

b) – Ao se considerar uma folga de 35 cm, significa que a altura total do escoamento deverá
ser de 8.70 m menos 0.35 m.

Iremos resolver o problema considerando dois tipos de solução:

1 – Calcular o novo neq da sub-secção central (I) e calcular o caudal para essa sub-secção.
Calcula-se depois os caudais das sub-secções II e III, adicionando-se no fim, os caudais
Q1, Q2 e Q3;

2 – Calcula-se o neq para toda a secção, considerando os diferentes tipos de revestimento (n1, 2,
3 e 4) e depois então calcula-se o caudal para toda a secção usando esse neq.

• Resolvendo o problema pela 1ª forma (cálculo de Ks,eq é feito pelo Método de Lotter):

K s,A = 45 m1/3 /s → n A = 0.022 m -1/3 ⋅ s K s,B = K s,C = 10 m1/3 /s → n B,C = 0.10 m -1/3 ⋅ s
 
PA = 6 m PB = 10.24 m ; PC = 10.35 m
  ; 
A A = 6 ⋅ 8.35 = 50.10 m A B = 72.50 m ; A C = 73.30 m
2 2 2

R = 8.35 m R = 7.08 m; R = 7.08 m


 A  B C

A I = A A + A B + A C = 195.90 m 2

PI = PA + PB + PC = 26.59 m
R = 7.37 m
 I

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 5


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

PA ⋅ R 1.67 P ⋅ R 1.67 P ⋅ R 1.67


 A
= 9439.41 ; B B = 2690.64 ; C C = 2719.54 ; P ⋅ R 1.67 = 747.18
nA nB nC

747.18
⇒ ne = = 0.0503 → K s ,eI = 20 m1/3 /s
9439.41 + 2690.64 + 2719.54

 Q I = K s,eI ⋅ A ⋅ R 2/3 ⋅ J o = 20 ⋅ 195.90 ⋅ 7.37 0.67 ⋅ 0.0012 0.5 = 517.44 m 3 /s


1/2

Q I = 517.44 m3 /s

II
6.15 m

37.85 m

K s,II = 25 m1/3 /s

P = 38.35 m
  II ; Q II = 25 ⋅ 116.39 ⋅ 3.030.67 ⋅ 0.0012 0.5 = 211.84 m 3 /s
A II = 37.85 ⋅ 6.15 ÷ 2 = 116.39 m
2

R = 3.03 m
 II
Q II = 211.84 m 3 /s

III
6.15 m

28.28 m

K s,III = 33 m1/3 /s

P = 28.94 m
  III ; Q III = 33 ⋅ 86.96 ⋅ 3.00 0.67 ⋅ 0.0012 0.5 = 207.54 m 3 /s
A III = 28.28 ⋅ 6.15 ÷ 2 = 86.96 m
2

R = 3.00 m
 III
Q III = 207.54 m 3 /s

 Q TOTAL = Q I + Q II + Q III = 936.82 m /s


3

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 6


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

• Resolvendo o problema considerando a forma 2:

K s,I = 25 m1/3 /s → n I = 0.04 m -1/3 ⋅ s K s,II = K s,IV = 10 m1/3 /s → n II,IV = 0.10 m -1/3 ⋅ s
 
PI = 38.35 m PII = 10.24 m ; PIV = 10.35 m
 ;  ;
A I = 37.85 ⋅ 6.15 ÷ 2 = 116.39 m A II = 72.50 m ; A IV = 73.30 m
2 2 2

R = 3.03 m R = 7.08 m; R = 7.08 m


 I  II IV

 K s, III = 45 m 1/3 /s → n III = 0.022 m -1/3 ⋅ s 


 K s,V = 33 m1/3 /s → n V = 0.0303 m -1/3 ⋅ s
 PIII = 6 m 
 P = 28.94 m
;  V ;
 A III = 6 ⋅ 8.35 = 50.10 m
2
A V = 28.28 ⋅ 6.15 ÷ 2 = 86.96 m
2

 R = 8.35 m R = 3.00 m
 III  IV

A T = 399.25m 2

PT = 93.88 m
R = 4.25 m
 T

PI ⋅ R 1.67 PII ⋅ R 1.67 P ⋅ R 1.67 P ⋅ R 1.67


I
= 6105.41 ; II
= 2690.64 ; III III = 9439.41 ; IV IV = 2719.54 ;
nI n II n III n IV
PV ⋅ R 1.67
V
= 5982.03 ; PT ⋅ R 1.67
T = 1051.92
nV

1051.92
⇒ ne = = 0.0391 → K s ,e = 26 m1/3 /s
6105.41 + 2690.64 + 9439.41 + 2719.54 + 5982.03

Q T = K s,e ⋅ A ⋅ R 2/3 ⋅ J o = 26 ⋅ 399.25 ⋅ 4.25 0.67 ⋅ 0.0012 0.5 = 948.05 m 3 /s


1/2

Q TOTAL = 948.05 m 3 /s

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 7


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CONCLUSÃO

Estabelecendo a comparação entre os caudais calculados de formas diferentes, pode-se


concluir que, para este caso concreto, o erro entre os dois é de cerca de 1.18%. A
questão que se coloca é qual seria a solução mais correcta. Pode-se no entanto
raciocinar da seguinte forma:

As divisórias fictícias são feitas considerando a secção composta, isto é, se o valor de


Ks for igual em toda a secção, dividir-se-ia esta utilizando as sub-secções feitas para a
1ª forma. Calcular-se-ia o caudal para a secção central e depois os caudais para as duas
secções laterais. O caudal total seria a soma dos caudais calculados anteriormente.
Ora, como os valores de Ks são diferentes, a única diferença é que se deve proceder ao
cálculo dos respectivos valores de Ks,eq para cada uma das sub-secções consideradas.
Pode-se no entanto optar pela fórmula a usar para o cálculo desse valor (fórmula de
Lotter ou de Einstein).

Deve-se optar pelo cálculo feito pelo primeiro método.

7. Num canal rectangular de largura igual a 4 m pretende-se escoar um caudal de 10 m3/s


em regime uniforme. Determine com que altura e velocidade se processa o escoamento,
sabendo que n = 0.015 e Jo = 0.0017.

8. A figura abaixo representada corresponde a uma secção tipo de um canal destinado à


recolha de águas pluviais numa determinada região sub-urbana. A inclinação do canal é
de 4%. Considere que a secção central tem as paredes em alvenaria ordinária e fundo
lodoso. As secções laterais estão revestidas com betão rebocado por escovas. Os taludes
têm inclinação 1:1.

a) – Trace a curva de vazão da respectiva secção;

b) – Determine a altura do escoamento que, em regime uniforme corresponde ao caudal


de 30 m3/s.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 8


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO III – DIMENSIONAMENTO DE CANAIS

1. Um canal de secção trapezoidal deverá transportar um caudal máximo de 760 l/s. A


inclinação do canal deverá ser igual a 1.1 x 10-3. O material a utilizar é o mesmo tanto
para os taludes como para o leito, sendo godo médio com d50 = 10 mm, pouco anguloso.

Determine as dimensões do canal, se considerar n = 0.025 m -1/3 ⋅ s .

RESOLUÇÃO:

• Canal erodível
• Métodos de resolução: método da velocidade admissível e;
método da força de arrastamento

I. : Método da velocidade admissível

1º : Características do material
• Godo médio
• d50 =10 mm
• n = 0.025 m -1/3 ⋅ s

→ ψ = 30.7 o (Ábaco 124.b – M. Lencastre)

⇒ ϕ = ψ − 5 = 30.7 o − 5 o = 25.7 o

⇒ U adm ≈ 1.1 m/s (Ábaco 120.b – M. Lencastre)

2º : Área mínima

Q max 0.76
• A min = = = 0.69 m 2
U adm 1.1

3º : Raio hidráulico máximo

2
 U⋅n 
2
 1.1 ⋅ 0.025 
• R max =  1/2  = 3  1/2 
= 0.88 m
( )
3
 J   1.1 × 10 −3 

4º : Dimensões da secção que satisfazem Amín e Rmáx

• A = y ⋅ (b + m ⋅ y) ; P = b + 2y ⋅ 1 + m 2

1
m= ≈ 2 .0
tg25.7 o

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 9


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

O problema é solúvel por meio de interacções, pelo facto de não se conhecer a largura do
fundo do canal e a altura de escoamento, assim sendo, teremos:

y[m] b[m] A[m2] P[m] R[m] Q[m3/s] U[m/s]


0.10 1.35 0.16 1.80 0.09 0.04 0.26
0.20 1.35 0.35 2.24 0.16 0.13 0.38
0.30 1.35 0.59 2.69 0.22 0.28 0.48
0.40 1.35 0.86 3.14 0.27 0.48 0.56
0.50 1.35 1.18 3.59 0.33 0.74 0.63
0.51 1.35 1.21 3.63 0.33 0.77 0.64
0.60 1.35 1.53 4.03 0.38 1.06 0.70
0.70 1.35 1.93 4.48 0.43 1.45 0.76
0.80 1.35 2.36 4.93 0.48 1.92 0.81
0.90 1.35 2.84 5.37 0.53 2.46 0.87
1.00 1.35 3.35 5.82 0.58 3.07 0.92

Para se chegar a esta solução, fixa-se a largura do fundo do canal e posteriormente


atribui-se diferentes alturas ao escoamento, onde se controla a área mínima, raio máximo,
caudal e velocidade admissível/máxima. O processo termina quando forem satisfeitas as
condições acima referidas.

5º : Folga do canal

• Pág. 5 - 22 do Manual da disciplina : Q = 0.76 m 3 /s < 1 m 3 /s → folga = 0.5 m ;


altura do revestimento acima da
superfície da água: 0.15 m

II. : Método da força de arrastamento

1º : Forma da secção e rugosidade do material:

• Secção trapezoidal
• n = 0.025 m -1/3 ⋅ s

2º : Ângulo de atrito interno das partículas do solo:

Godo médio, pouco anguloso


• Ábaco 124.b (M. Lencastre)  → ψ = 30.7 o
d 50 = 10 mm

3º : Inclinação dos taludes:

• ϕ < ψ, Seja : ϕ = ψ − 5 = 30.7 o − 5 o = 25.7 o

4º : Tensões tangenciais admissíveis:

τ adm = 8 N/m 2 ; Pelo critério de LANE


• d 50 = 10 mm → 
τ adm = 10 N/m 2 ; Pelo critério de SHIELDS

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 10


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

De modo a que o canal esteja dentro da segurança tanto para um como para o outro
critério, a tensão a ser usada será a obtida pelo critério de LANE, por ser a menor.

5º : Tensões no leito e nos taludes:

• Tensão no leito: τ l,adm = τ adm = 8 N/m 2


• Tensão no talude: τ s,adm = k ⋅ τ adm

sen 2φ
k = 1− = 0.53 ; τ s,adm = 0.53 ⋅ 8 = 4.24 N/m 2
sen 2ψ

6º : Altura máxima de escoamento no canal:

1
• m= ≈ 2 .0
tg25.7 o
b K M = 0.97
• Seja: = 4 →  ' ; (Tabela 121, M. Lencastre)
y K M = 0.77

• Altura com base na tensão admissível no leito:

τ l,adm 8
τ l,adm = K M ⋅ γ ⋅ y l ⋅ J o → y l = = = 0.77 m
KM ⋅ γ ⋅ Jo 0.97 ⋅ 9800 ⋅1.1 × 10 −3

• Altura com base na tensão admissível nos taludes:

τ s,adm 4.24
τ s,adm = K 'M ⋅ γ ⋅ y s ⋅ J o → y s = = = 0.51m
K ⋅ γ ⋅ Jo
'
M 0.77 ⋅ 9800 ⋅ 1.1 × 10 −3

 y l = 0.77 m
• Altura máxima: y máx ≤  ; y máx = 0.51 m
 y s = 0.51 m

7º : Determinação da secção do canal:

• y = 0.51 m

• m=2

• A = y ⋅ (b + m ⋅ y) = 0.51 ⋅ b + 0.52

• P = b + 2y ⋅ 1 + m 2 = b + 2.28

A  0.51 ⋅ b + 0.52 
• R= = 
P  b + 2.28 

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 11


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

1
• Q = K s ⋅ A ⋅ R 2/3 ⋅ J1/2 ; Ks = = 40 m1/3 /s
n
 0.51 ⋅ b + 0.52 
2/3

0.76 = 40 ⋅ (0.51 ⋅ b + 0.52) ⋅   ⋅ (1.1 × 10 −3 )1/2 → b = 1.35 m


 b + 2.28 

8º : Verificação da condição assumida em 6:

b 1.35
• = = 2.65 ≠ 4
y 0.51

b 
= 2.65 
• y  → K M = 0.76
'

m = 2 

τ s,adm 4.24
⇒ ys = = = 0.52 m
K ⋅ γ ⋅ Jo
'
M 0.76 ⋅ 9800 ⋅ 1.1 × 10 −3

b 1.35
Assim sendo: = = 2.60 → K M' = 0.76
y 0.52

• Determinação do caudal máximo escoado nas condições da secção:

A = y ⋅ (b + m ⋅ y) = 1.24 m 2

P = b + 2y ⋅ 1 + m 2 = 3.63 m

Q max = 40 ⋅ 1.24 ⋅ (0.34) ⋅ (1.1 × 10 −3 )1/2 = 0.80 m 3 /s = 800 l/s > 760 l/s; Ok!
2/3

9º : Folga e secção do canal:

• Pág. 5 - 22 do Manual da disciplina : Q = 0.76 m 3 /s < 1 m 3 /s → folga = 0.5 m ;


altura do revestimento acima da
superfície da água: 0.15 m
• Secção do canal:

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 12


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

2. Pretende-se projectar um canal no qual se escoe um caudal de 6 m3/s. Sabe-se que a


inclinação do canal deverá ser de 4.5x10-3. As paredes serão construídas em betão
rebocado, sendo o fundo construído em cascalho.

A dúvida surge na forma da secção que se deve optar. Decidiu-se considerar três
hipóteses: secção trapezoidal, rectangular ou triangular. Assim:

a) – Determine as dimensões para cada tipo de secção acima mencionada;


b) – Qual seria a secção que escolheria para o canal em estudo, conhecendo-se os
seguintes elementos referentes à construção:

 despreze o que se refere às cofragens;


 o valor da escavação/m3 tem um determinado custo C;
 o valor do betão aplicado/m2 tem um custo 4.5C;
 o valor do cascalho/m2 tem um custo 1.5C.

3. Dimensione um canal trapezoidal de n = 0.025 para escoar um caudal de 1.35 m3/s num
leito não erodível e Jo = 0.0016.

4. Suponha que se pretende dimensionar um canal trapezoidal com inclinação Jo = 0.0018


para escoar um caudal constante de 11.2 m3/s.

a) – Determine as dimensões do canal caso este seja revestido com betão no fundo e
pedra assente com argamassa nas paredes;

b) – Que alteração ocorreria na dimensão e forma da secção caso quisesse utilizar


cascalho grosso, moderadamente redondo, que admite velocidades médias sem que
haja erosão na ordem dos 2.4 m/s. Considere d65=1.25 d50.

c) – Em qual dos casos deverá ser maior o volume de escavação?

d) – Que folgas escolheria para cada um dos casos?

5. Num canal trapezoidal, construído com cascalho fino, anguloso, estabelece-se o regime
uniforme quando a altura do escoamento é igual a 80 cm. A largura do canal é de 6 m.

a) – determine o máximo declive a dar ao canal, sem que seja posta em perigo a sua
estabilidade;

b) – calcule o caudal máximo possível de escoar, assim como as folgas a considerar.

6. Numa determinada área urbana está construído um canal para escoamento de águas
pluviais, de secção semi-circular, revestido a betão e rebocado por escovas, sendo a
inclinação do mesmo igual a 0.0045. Por ser frequente haver inundações, pretende-se
aumentar a secção do escoamento de acordo com a figura, mantendo a inclinação, através
da construção de dois diques laterais com solos provenientes da zona, sendo d50 = 7.50
mm e d65 = 12 mm, grãos pouco angulosos. O novo caudal máximo deverá ser superior
em 50% em relação ao inicial. Determine:

a) – O caudal máximo a escoar depois de alterada a secção;

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 13


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

b) – A inclinação a dar aos taludes dos diques;


c) – A altura que os diques deverão ter.

7. Numa determinada região agrícola existe a necessidade de se construir um canal para


transportar um caudal de 1 m3/s de água para irrigar 100 ha de cultura de tomate. O canal
deverá seguir a inclinação natural do terreno, J0 = 0.0008. O material disponível no local
é cascalho, com d50 = 25 mm e d75 = 35 mm, grãos pouco angulosos com peso específico
de 27 kN/m3. Devido à sedimentação das partículas que normalmente ocorre nos canais
de rega (assoreamento), recomenda-se um canal com secção trapezoidal.

Determine a secção transversal do canal em causa e a altura máxima do escoamento para


que seja garantida a sua estabilidade.

8. Uma vala trapezoidal foi construída para escoar águas pluviais de uma determinada zona
industrial. A vala tem um fundo de betão e paredes em alvenaria de cascalho rebocado. O
caudal máximo é de 3.5 m3/s. Devido ao nível freático, o canal foi construído com uma
profundidade total de 1.70 m, incluindo a folga. A inclinação do canal é de 2.10/00.
Determine todas as dimensões da secção considerando os dados do problema.

9. Pretende-se construir um canal trapezoidal que deverá ter uma largura de fundo de 4 m. O
material a aplicar deverá ser godo médio, moderadamente anguloso. O caudal máximo a
escoar deverá ser igual a 1.6 m3/s. Considere d65 = 1.50xd50. Despreze as folgas.

a) – Determine a altura do escoamento no canal;


b) – Determine a inclinação do mesmo.

10. Determine a secção transversal e o caudal de um canal escavado em material não coesivo,
sendo a tensão de arrastamento igual a 0.49 Kg/m2, sendo Jo = 0.0004, Ø = 31º e n = 0.02.

11. Preste atenção à figura abaixo representada. Para esse canal já construído, em dado
momento e para a altura indicada na figura, se sabe que o caudal transportado é o máximo
possível sem que se ponha em risco a estabilidade da parte erodível do mesmo. A
inclinação do canal é igual a 0.004. São conhecidos os seguintes parâmetros:

A – Betão não rebocado; B – Tijolo vidrado; C – material não coerente pouco anguloso;
ângulo dos taludes Ø = 25º (considerar Ψ = 10º); d65 = 1.5xd50.

a) – Determine o diâmetro médio do material não coerente;


b) – Determine o caudal que está a ser transportado no canal;
c) – Que folga daria aos taludes.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 14


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

12. Pretende-se dimensionar um canal não revestido para escoamento de águas pluviais do
bairro da Mafalala, pelo método das forças de arrastamento. O canal de secção
trapezoidal deverá transportar um caudal máximo igual a 1.5 m3/s com uma inclinação
igual a 0.80 m/km.

a) – Determine as dimensões do canal caso seja construído com um material de diâmetro


médio correspondente ao godo fino, moderadamente anguloso. Considere o diâmetro
característico igual a 1.3xd65 e a velocidade não superior a 0.8 m/s para evitar o
transporte de partículas.

b) – Qual será o menor volume de escavação caso seja necessário dimensionar o mesmo
canal revestido por betão no fundo e pedra argamassada nas paredes.

13. Junto a uma das bermas de uma estrada, construiu-se uma vala cuja secção se apresenta,
com inclinação igual a 0.0024. A parte circular tem um diâmetro de 2 m. Determine:

a) – O caudal que passa na parte circular (y = 0.67 m);


b) – A altura do escoamento na secção para o caudal de dimensionamento de 5.5 m3/s.

14. Num determinado bairro urbano deverá ser aberta uma vala para drenagem de águas
pluviais, sendo esta de terra, considerando a possibilidade de existir vegetação pouco alta
no fundo e nas margens. A inclinação da vala poderá coincidir com a inclinação do
terreno, Jo = 0.002. Admite-se que por considerações relativas ao transporte sólido em
meios líquidos, a velocidade máxima do escoamento deverá ser 0.80 m/s e o ângulo dos
taludes igual a 26º30´.

Sendo o caudal a transportar de 1600 l/s, determine a secção de menor área possível que
transporta este caudal sem exigir revestimento.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 15


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

15. Um canal de secção composta representado na figura, tem uma inclinação Jo = 6.8x10-3.
O fundo do canal (superfície curva) é de betão rebocado à trolha (1). A parede vertical (2)
assim como o leito lateral (3), foram construídos em betão mas sem reboco. Numa cheia,
ficou o leito lateral do canal destruído numa larga extensão (parte inclinada). Pretende-se
estudar a hipótese de reabilitar a parte destruída do canal, mantendo exactamente a
mesma secção transversal, mas de forma mais económica, havendo a possibilidade de se
recorrer ao uso de cascalho que é produzido por uma pedreira local. O d65 do cascalho
produzido é igual a 1.25xd50. Sem considerar folgas:

a) – Determine o tipo de cascalho que iria aplicar e sua dimensão;


b) – O que aconteceria com o caudal total possível de transportar, no caso em que se usa
o material alternativo?

R=
1. 5
m

16. Um canal para escoamento de águas pluviais foi construído há já alguns anos com uma
forma semi-circular, sendo de betão não rebocado e Jo = 6x10-4, tal como indica a figura
(1). Viu-se agora que era necessário aumentar a secção, tendo-se optado, depois de uma
série de estudos de viabilidade, por aquela que está representada na figura (2),
aproveitando-se grande parte da secção semi-circular e mantendo-se a inclinação do
mesmo. O acrescento será feito em material não coerente, devendo-se aplicar tanto no
fundo como no talude, godo com d50 = 15 mm e d65 = 20 mm, sendo os grãos muito
angulosos.

a) – Verifique a estabilidade do canal;


b) – Calcule o caudal máximo possível de transportar com a nova secção.

17. Num bairro de grande densidade populacional, deverá ser construída uma vala para
drenar águas pluviais, utilizando materiais predominantes no local, de terra, com
possibilidade de crescer vegetação não muito alta tanto no leito como nos taludes. A
inclinação da vala é de 4/1000. Estudos prévios efectuados à granulometria dos solos,
provaram serem estes estáveis até uma velocidade de escoamento de 0.95 m/s, podendo ir
até um ângulo de repouso de 29º. O caudal máximo a transportar deverá ser de 78
m3/min.

Dimensione a secção do canal.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 16


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

18. Uma vala triangular foi construída em betão rebocado por escovas, tendo as dimensões
tal como a figura indica. Esta vala foi projectada para transportar um caudal de 5.3 m3/s,
quando a altura de água atingia os 1.6 m. Havendo a necessidade de duplicar o caudal, o
projectista optou por alargar a secção para um dos lados tal como indica a figura. Para a
nova secção composta, este preferiu manter a altura máxima do escoamento igual à que
foi considerada para a secção inicial, isto é, 1.60 m. No entanto, o projectista está
indeciso já que pode utilizar um material não coerente existente numa pedreira muito
próximo do local, tanto no talude assim como na base da parte a ampliar ou então usar o
mesmo que compõe o canal actual, apesar de mais caro por m2 de aplicação. O material
não coerente é cascalho fino, moderadamente anguloso, sendo d65 = 1.40xd50.

a) – Se lhe fosse pedido apoio, que decisão tomaria? Fundamente a sua resposta.
b) – Defina as dimensões da secção composta, depois de decidido sobre o tipo de
material a aplicar.

19. Um canal de secção composta rectangular, igual ao da figura, rectilíneo, de Jo = 0.009,


transporta um caudal total de 153 m3/s. O fundo do canal é de betão rebocado à trolha (1)
e as paredes revestidas em cascalho cimentado (2). A base e talude do leito de cheia é
revestido com o mesmo material não coerente grosseiro, pouco redondo (3).

a) – Determine qual será o d65 do material aplicado;


b) – Verifique a estabilidade da parte erodível do canal.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 17


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO IV – REGIME CRÍTICO

1. Num canal trapezoidal escoa-se, em regime uniforme, um caudal de 20 m3/s. Sabendo


que são conhecidos os elementos n = 0.013 m–1/3.s, m = 1.5, b = 4.0 m e Jo = 0.0015,
determine:

a) – A altura crítica do escoamento;


b) – O regime do escoamento estabelecido no canal.

2. Determinar a altura crítica de um aqueduto circular, com 1.20 m de diâmetro, onde se


escoa um caudal de 4 m3/s.

3. Num canal rectangular feito em cascalho cimentado, escoa-se um caudal Q = 7.80 m3/s,
sendo a largura do fundo igual a 3.60 m.

a) – Determine a inclinação crítica do canal;

b) – Trace a curva de energia e determine a altura uniforme do escoamento, caso Jo =


0.0025;

c) – Calcule a inclinação que deverá ter o canal para que se estabeleça um regime
contrário ao que se estabelece para a alínea “b”, mantendo a mesma energia
específica.

4. Um canal rectangular de largura igual a 2.50 m (secção 1-1) escoa um caudal de 2.4x10-5
litros/hora. O canal foi construído em betão não rebocado, tendo uma inclinação de
0.00125. No primeiro troço deste canal, o escoamento processa-se em regime uniforme.
Há necessidade de se reduzir pontualmente (secção 2-2) a largura do fundo num segundo
troço mais a jusante.

a) – Calcule a largura do leito (em 2-2) mínima possível para que as condições do
escoamento a montante se mantenham inalteradas;

b) – Explique analiticamente o que aconteceria ao escoamento caso a largura “b”


passasse a ser na 2ª secção igual a 1 m.

5. Num canal trapezoidal com taludes inclinados 1:H = 1:1.5 de largura igual a 6 m escoa
um caudal de 110 m3/s, com uma altura uniforme igual a 3.8 m. Num corte feito numa
determinada secção a jusante, nota-se a existência de dois pilares de uma ponte para
peões, cada um deles com a largura de 90 cm e posicionados de acordo com a figura.

Determine qual será a alteração que ocorre na altura do escoamento nessa secção.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 18


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

6. Num canal rectangular, com largura do fundo igual a 3 m, o escoamento se processa com
uma altura de 3 m e com uma velocidade igual a 3 m/s. Numa secção (2), tal como a
figura representa, há uma sobreelevação do fundo do canal igual a 60 cm.

Sabendo que a altura do escoamento nesta secção é igual a yc, determine o que teria que
acontecer à largura do canal em (2).

RESOLUÇÃO:

b=3m
yu = 3 m
U = 3 m/s
d = 60 cm = 0.60 m

A = b × yu = 3× 3 = 9 m2
Q = U ⋅ A = 3 × 9 = 27 m 3 /s
Q
q c = = 9 m 2 /s
b

1/ 3
 q2 
y c,1 =  c  = 2.02 m
 g 

Secção 1-1
Q2 27 2 4.13
E1 (y) = y + = y + = y+ 2
2⋅g⋅A 2
2 ⋅ 9.8 ⋅ (3 × y) 2
y

E c,1 = E1 (2.02) = 3.03 m

E u,1 = E1 (3) = 3.46 m

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 19


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

Secção 2-2

E c,2 = E u,1 = 3.46 m

E *c,2 = E c,2 - d = E u,1 - d = 3.46 - 0.6 = 2.86 m

2 * 2
y c,2 = ⋅ E c,2 = ⋅ 2.86 = 1.91 m
3 3

Q2 27 2
E c,2 (y c,2 ) = y c,2 + = 1.91 + → b = 3.28 m
2 ⋅ g ⋅ A c2 2 ⋅ 9.8 ⋅ (b × 1.91) 2

b = 3.28 m

b = 3 m;
y(m) b = 3.28 m; d=0m
d=0m
b = 3.28 m;
d = 0.6 m

yu 3

y c,1 2
y c,2 d

3 4 5 E(m)
E *c,2 E u,1 ≡ E c,2
E c,1

Resposta: A largura do canal em 2 teria que aumentar 28 cm.

7. Um canal rectangular, Ks = 75m1/3/s, construído com uma inclinação igual a 0.006 e


largura 2.5 m, transporta um caudal de 2.8 m3/s.

a) –– Determine o regime que se estabelece no canal, usando as expressões matemáticas


que conhece, bem como construindo a curva da energia específica;

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 20


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

b) – Calcule a inclinação a dar ao canal para que o escoamento se processe com a mesma
energia específica mas em regime contrário ao estabelecido;

c) – Supondo que se mantém Jo = 0.006, como se poderá fazer variar o caudal e a secção,
por forma a que a altura uniforme do escoamento seja igual à calculada na alínea
anterior, sem contudo ser alterada a altura crítica.

8. Um canal rectangular de betão 80 m1/3/s, tem uma largura de 2.20 m e transporta um


caudal de 2.8 m3/s. A inclinação do canal é de 1.5 0/00. Considere que, por qualquer
motivo, o canal alarga pontualmente (ver figura) para 3.2 m.

a) – Proceda ao traçado da superfície livre mencionando os pontos de inflexão;

b) – Suponha que o canal manteria a largura de 3.2 m, depois do seu alargamento. De que
forma alteraria a superfície livre?

9. Um canal rectangular foi construído para drenar águas pluviais, tendo uma largura de
1.80 m e é revestido de materiais que permitem utilizar o coeficiente de rugosidade n =
0.022. O escoamento processa-se com uma altura uniforme de 1.6 m. Por forma a ter no
canal uma secção de controle, há a necessidade de introduzir uma sobreelevação (d).

a) – Para os dados do problema, determine qual seria o valor mínimo de “d” a criar por
forma a que a secção em causa seja considerada uma secção de controle;

b) – Explique porque será que caso “d” seja inferior ao calculado a secção não é de
controle.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 21


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO V – ESCOAMENTO GRADUALMENTE VARIADO

1. Um canal rectangular de lagura 2.5 m, é constituído por 3 trechos bem distintos, sendo J1
= 0.001, J2 = 0.020 e J3 = 0.004. Considere a rugosidade n = 0.030 e o caudal escoado
igual a 8 m3/s.

Represente o canal e proceda ao traçado qualitativo do andamento da superfície livre,


sabendo que os trechos são suficientemente compridos para que neles se estabeleça o
regime uniforme, indicando os valores da altura do escoamento nos pontos de inflexão e
identificando os tipos de curva de regolfo que se processam.

2. Um canal de betão rebocado, rectangular, com 3 m de largura e inclinação J01 = 0.0015,


transporta um caudal de 10 m3/s. Num dado trecho, o canal passa a ter uma inclinação de
fundo de J02 = 0.015.

Represente o canal e proceda ao traçado quantitativo da superfície livre, identificando as


curvas de regolfo, considerando que qualquer uma das partes do canal são
suficientemente compridos para nele se estabelecer o regime uniforme.

3. Um canal rectangular de largura 8 m, sendo J1 = 0.0001, J2 = 0.009 e J3 = 0.001. O valor


de Ks = 45 m1/3/s e o caudal escoado é igual a 15 m3/s.

Represente o canal e proceda ao traçado quantitativo do andamento da superfície livre,


sabendo que os trechos são suficientemente compridos para se estabelecer o regime
uniforme, identificando os tipos de curvas de regolfo que se processam.

RESOLUÇÃO:

Q
qc = q = = 1.88 m 2 /s
b

1/ 3
 q2 
y c =  c  = 0.71 m
 g 

q = K s ⋅ y ⋅ R 2/3 ⋅ J o
1/2

A = b⋅ y = 8⋅ y
P = b + 2⋅ y = 8+ 2⋅ y
A 8⋅ y
R= =
P 8+ 2⋅ y

2/3
q  8⋅ y 
⇒ = y ⋅ R 2/3 = y ⋅  
Ks ⋅ Jo 8+ 2⋅ y 
1/2

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 22


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

1o Trecho:

q
= 4.18 m 5/3
Ks ⋅ Jo
1/2

2/3
 8⋅ y 
4.18 = y ⋅   → y u1 = 2.93 m
8+ 2⋅ y 

y u1 > y c → Declive fraco

Declive fraco
Curva M2: 
Zona 2

2o Trecho:

q
= 0.44 m 5/3
Ks ⋅ Jo
1/2

2/3
 8⋅ y 
0.44 = y ⋅   → y u2 = 0.65 m
8+ 2⋅ y 

y u2 < y c → Declive forte

Declive forte
Curva S2: 
Zona 2

3o Trecho:

q
= 1.32 m 5/3
Ks ⋅ Jo
1/2

2/3
 8⋅ y 
1.32 = y ⋅   → y u3 = 1.32 m
8+ 2⋅ y 

y u3 > y c → Declive fraco

Declive fraco
Curva M2: 
Zona 2

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 23


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

4. Um canal rectangular, de alvenaria (considere Kb = 0.23) com 2 m de largura, parte de


um reservatório onde a água atinge um nível de 1.80 m sobre a cota do fundo da entrada
do canal. Considerando constante este nível, calcule:

a) – A inclinação mínima a dar ao canal (Jo) de modo a escoar o máximo caudal;


b) – Determine o caudal e a respectiva altura uniforme para a inclinação calculada na
alínea anterior;
c) –A altura uniforme e o respectivo caudal para uma inclinação 10 vezes inferior à
calculada em a);
d) – Calcule o comprimento das curvas de regolfo possíveis de existir para qualquer dos
casos considerados.

5. Considere válidos os dados do problema anterior no que diz respeito às características do


canal (material e largura) bem como a carga H = 1.80 m. Suponha que a inclinação do
canal é igual a 9.5 x 10-4 e que o mesmo tem comprimento suficiente para se estabelecer
o regime uniforme. O nível de jusante situa-se a uma cota (em relação ao leito do canal,
na sua parte final) de 1.80m.

a) – Determine o caudal que é escoado no canal;

b) – Determine os comprimentos das possíveis curvas que se formam para as condições


do problema.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 24


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

6. Num canal rectangular de inclinação Jo = 0.0005, Ks =70 m1/3/s, b = 3 m, está construído


um pequeno descarregador com 1 m de altura, sendo essa uma secção de controle. A
altura de água por cima do descarregador é de 0.35m.

Represente o traçado da superfície livre, quantitativamente.

7. Um canal de secção rectangular, b = 5 m, Ks = 75 m1/3/s, recebe água de um grande


reservatório e a transporta para outro a jusante. Foi medida uma altura de água à entrada e
outra a meio do canal, sendo ambas iguais a 1.8 m. Nessas condições, determine:

a) – A carga H (altura de água no reservatório, a partir do fundo do canal na secção 1,


caso a inclinação do canal fosse Jo =0.0015);

b) – Admitindo que o canal tem um comprimento de 5 km, determine a máxima altura


que o reservatório de jusante deve ter ( Yj) para que o caudal escoado se mantenha
inalterado;

c) – Explique o que aconteceria ao escoamento, se a inclinação do canal fosse igual a


0.009 e que Yj não interferisse no escoamento do canal;

d) – Represente a figura em corte e proceda ao traçado da superfície livre indicando todos


os pontos de inflexão.

8. Preste muita atenção à figura abaixo representada.

a) – Proceda ao traçado quantitativo da superfície livre, calculando o comprimento das


curvas de rogolfo;

b) – Resolva o mesmo problema mas troque as inclinações (J01 passa a ser J03 e vice-
versa).

Ks = 80 m1/3/s
b=2m

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 25


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

9. Um canal de secção rectangular, b = 1.8 m, Ks = 65 m1/3/s, comprimento igual a 400 m e


inclinação 0.003, une dois reservatórios de grandes dimensões, tal como indicado na
figura. Ym = 1.90 m.

a) – Determine o caudal que escoa no referido canal;

b) – Identifique e calcule a curva de regolfo considerando que Yj = altura crítica;

c) – Resolva o mesmo problema considerando Yj = 2 m.

10. Um canal de rega de largura 7 m, Ks = 75 m1/3/s está sujeito à entrada, a uma carga
hidrostática Ym = 2.0 m. O canal é composto por 3 trechos bem distintos, nomeadamente
J01 = 0.009, J02 = 0.048, J03 = 0.0004. Os trechos são suficientemente compridos para neles
se estabelecer o regime uniforme. O nível de água a jusante, Yj, não faz qualquer
interferência no escoamento.

a) – Determine o caudal que escoa no canal;

b) – Represente a figura e proceda ao traçado quantitativo da superfície livre, calculando


os comprimentos das curvas, identificando-as;

c) – Explique, caso pretendesse um ressalto perfeito, como fazia variar J03 para que tal
acontecesse. E se fosse J02?

11. Foi elaborado um projecto que consistia na construção de um canal que faria a ligação de
dois reservatórios de grandes dimensões, canal esse constituído por dois trechos distintos,
sendo:

o primeiro de 2 m de largura e 0.003 m/m de inclinação e,


o segundo de 3 m de largura e 0.01 m/m de inclinação.

Os trechos tem comprimentos iguais. A altura de água a jusante atinge o seu valor
máximo de 5 m, em relação ao fundo do canal. Foi considerado um valor de Ks = 80
m1/3/s.

Acontece que o construtor, por erro, construiu o primeiro trecho com as características do
segundo e vice-versa. O projectista pretende saber se haverá ou não alteração nas
condições do escoamento, assim, desprezando as perdas de carga e olhando para as
características que representa o projecto na fase inicial, responda as seguintes questões:

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 26


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

a) – Qual o caudal de cálculo do projecto tal como foi elaborado?

b) – Proceda ao traçado da superfície livre de forma qualitativa, identificando as


possíveis curvas de regolfo e indicando os pontos de inflexão para a versão do
projecto.

c) – Com a alteração por parte do empreiteiro, haverá alteração do caudal? Fundamente


devidamente a sua resposta.

d) – Proceda ao traçado da superfície livre de forma qualitativa, identificando as


possíveis curvas de regolfo e indicando os pontos de inflexão para a versão já
construída.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 27


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO VI – ESCOAMENTO RAPIDAMENTE VARIADO

1. Dois grandes reservatórios estão em comunicação por intermédio de um canal


rectangular, com largura constante b = 5 m, Ks = 75 m1/3/s , de duas inclinações diferentes
(ver figura), tendo o 2º trecho um comprimento de 1000 m. Preste atenção à figura e:

a) – Proceda ao traçado quantitativo da superfície livre (alturas nos pontos de inflexão,


comprimento e identificação das curvas de regolfo);

b) – Calcule o valor de Yj para que ocorra um ressalto perfeito;

c) – Caso Yj = Yu, que variação se teria no posicionamento do ressalto? Justifique.

2. Considere um canal rectangular em betão liso (Ks = 75 m1/3/s), representado em planta e


em perfil na figura, bem como os dados nela indicados. A comporta plana vertical em G
(instalada em toda a largura do canal) tem a aresta inferior cortada em bisel e apresenta
uma abertura inferior de 0.40 m e um coeficiente de contracção de 0.60. Despreze as
perdas de carga localizadas em todas as singularidades e considere os troços E-F e G-H
suficientemente compridos para que neles se estabeleça o regime uniforme.

a) – Sabendo que em D se observa uma altura de água de 1 m e que na bacia de


dissipação entre as secções A e B ocorre um ressalto hidráulico, determine o caudal
escoado no canal e as alturas de água em A e B;

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções E, F, G, H, I, e J.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 28


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

3. Considere o canal de secção rectangular em reboco ordinário (Ks = 80 m1/3/s)


representado em planta e em perfil na figura, bem como os dados nela indicados. As
comportas planas verticais em A e H têm as arestas inferiores cortadas em bisel,
apresentam um coeficiente de contracção de 0.60 e têm aberturas inferiores de 1.5 m e
0.45 m respectivamente. Despreze as perdas de carga localizadas em todas as
singularidades e considere os troços de comprimento não indicado suficientemente
compridos para que neles se estabeleça, praticamente, o regime uniforme.

a) – Sabendo que a meio do 2o trecho se observa uma altura de água de 0.30 m,


determine o caudal escoado no canal;

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, B, D, E, F, H e I.

4. Considere o canal de secção rectangular em reboco ordinário (Ks = 75 m1/3/s) que escoa
Q = 6 m3/s e está representado em planta e perfil na figura, bem como os dados nela
indicados. A comporta vertical plana tem uma abertura inferior de 0.50 m e um
coeficiente de contracção de 0.60. Despreze as perdas de carga localizadas em todas as
singularidades e considere os troços de comprimento não indicado suficientemente
compridos para que neles se estabeleça, praticamente, o regime uniforme.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 29


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

a) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, B, D, E, F, G, H, I, J, e K.

b) – Caso alguma parte do canal não sirva os destinos para os quais foi projectado,
proponha as soluções que julgar necessárias.

5. Considere o canal de secção rectangular feito em betão liso representado em planta e em


perfil na figura, na qual se insere uma comporta plana vertical a toda a largura do canal
com uma abertura inferior de 0.75 m e um coeficiente de contracção de 0.60. Despreze as
perdas de carga localizadas em todas as singularidades e considere os troços de
comprimento não indicado suficientemente compridos para que neles se estabeleça,
praticamente, o regime uniforme.

a) – Determine, justificando, o caudal escoado sabendo que o troço GHI é de declive


forte e que a altura de água na secção J é de 0.58 m;

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, B, D, E, F, G, H, e I.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 30


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

6. Uma comporta plana, com abertura inferior igual a 80 cm e aresta inferior cortada em
bisel, regula o caudal entrado num canal revestido a betão liso, representado em planta e
em perfil na figura. Uma outra comporta plana vertical situada em H, tem uma abertura
inferior de 0.50 m. Considere para coeficiente de contracção das duas comportas o valor
de 0.60. Despreze as perdas de carga localizadas em todas as singularidades e considere
os troços de comprimento não indicado suficientemente compridos para que neles se
estabeleça, praticamente, o regime uniforme.

a) – Sabendo que o troço GHI é de declive forte e que a altura da água em I é de 0.34 m,
determine o caudal escoado no canal;

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, B, D, E, F, G e H.

7. Considere o canal de secção rectangular, revestido a betão liso (Ks = 75 m1/3/s),


representado na figura. A comporta vertical, plana, tem uma abertura inferior de 0.70 m e
um coeficiente de contracção de 0.60. Despreze as perdas de carga localizadas em todas
as singularidades e considere os troços de comprimento não indicado suficientemente
compridos para que neles se estabeleça, praticamente, o regime uniforme.

a) – Sabendo que o troço AB é de declive forte, que o troço DE é de declive fraco e que a
altura de água em B é de 2.6 m, determine justificando convenientemente, o caudal
escoado e o desnível X entre a cota da superfície livre na albufeira e a cota da soleira
de entrada no canal;

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, D, E, F, G, H, I, J, e K.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 31


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

8. Considere um canal de secção rectangular, em betão liso (Ks = 75 m1/3/s), representado


em planta e em perfil na figura, bem como os dados nela indicados. As comportas planas
verticais têm as arestas inferiores cortadas em bisel e apresentam um coeficiente de
contracção de 0.6. A comporta em E tem uma altura de água na secção contraída de 0.48
m e a comporta em I tem uma abertura inferior de 2.7 m.

Despreze as perdas de carga localizadas em todas as singularidades e considere os troços


de comprimento não indicado suficientemente compridos para que neles se estabeleça,
praticamente, o regime uniforme.

a) – Determine o caudal escoado no canal. Justifique convenientemente.

b) – Faça o traçado qualitativo do perfil da superfície livre no canal, identificando as


curvas de regolfo e os ressaltos que eventualmente se possam formar e calcule as
alturas de água nas secções A, B, D, E, F, G, H, I e J.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 32


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO VII – DESCARREGADORES, ORIFÍCIOS E MEDIÇÃO HIDRÁULICA

1. Um canal rectangular com 4 m de largura é constituído por dois trechos distintos : Jo1 =
0.016; Jo2 = 0.0018. Os trechos são suficientemente compridos para que neles se
estabeleça o regime uniforme.

No fim do trecho 2 está construído a toda largura um descarregador de soleira delgada


com 0.9 m de altura, sobre o qual escoa um caudal de 4.35 m3/s. Considere Ks = 75 m1/3/s
e determine:

a) – A altura H;

b) – O andamento da superfície livre;

c) – Supondo pretender-se manter o caudal, passando o descarregador a ter contracção


lateral, l/L = 0.6, diga o que aconteceria a altura do escoamento;

d) – Considere agora que o descarregador é de soleira espessa sem contracção lateral,


determine o valor do comprimento do descarregador “b”, para o mesmo caudal,
sabendo que a sua altura é de 61 cm.

2. Um tanque de experiências laboratoriais tem na parte inferior uma abertura de diâmetro


igual a 25 cm para a medição experimental de caudais. Sabendo que a altura de água no
tanque é de 1 m, determine o caudal medido.

3. Um canal de b = 1.6 m é constituído por dois trechos de Ks = 65 m1/3/s, Jo1 = 0.002; Jo2 =
0.01, é instalado na zona de transição um dispositivo hidráulico com as dimensões e
características apresentadas na figura. Observe com atenção a figura e determine:

a) – O caudal escoado sabendo que o dispositivo funciona como um descarregador e que


a carga foi medida à uma distância máxima de 2 m;

b) – O caudal, sabendo que o nível de água à montante do dispositivo é de 1.5 m,


considerando não haver submersão na veia líquida à jusante;

c) – Trace para os dois casos o andamento da superfície livre.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 33


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

4. Num canal de b = 1 m, Ks = 80 m1/3/s e Jo = 0.0009, o escoamento se processa a partir de


duas aberturas, tendo a inferior a largura igual à do canal e sendo a superior um quadrado
centralizado, de 75x75 cm2. No canal é estabelecido o regime uniforme e numa
determinada secção está instalado um descarregador de soleira espessa. Determine a
altura do descarregador para as condições dadas.

0.7 m
0.6 m
3.8 m
2m
?

Jo = 0.0009
8m

5. Na parte final de um canal com largura igual a 2.4 m foi construída uma parede que tem
duas aberturas a diferentes níveis, tal como indica a figura. Sabe-se que na abertura
inferior, o caudal escoado é igual a 1.6 m3/s. A uma distância relativamente curta da
parede, a jusante, foi instalado um descarregador de soleira delgada, a toda a largura do
canal e sem contracção lateral. O canal nesse troço é horizontal, podendo considerar-se
também horizontal o nível de água nesse trecho. O nível de jusante não interfere no
escoamento. Preste atenção à figura e responda às seguintes questões:

a) – Qual é o caudal escoado?


b) – Qual a altura do descarregador?

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 34


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

6. Num canal de irrigação de secção rectangular, Ks = 75 m1/3/s, foi instalada uma estrutura
para a medição de caudais, com as características e dimensões apresentadas na figura. No
período de cheia o nível de água a jusante é de 2 m, quando a altura de água por cima da
estrutura é de 0.6 m. No período de estiagem o escoamento é feito pela abertura inferior
da estrutura e o caudal medido é de 3.5 m3/s.

a) – Determine o caudal escoado no período de cheia.

b) – Determine o nível de água a montante da estrutura, no período de estiagem.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 35


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

CAPÍTULO VIII – VAZÃO EM PONTES E AQUEDUTOS

1. Determine o caudal que escoa um aqueduto rectangular, sendo conhecidos os seguintes


parâmetros: Jo = 0.02; n = 0.015 m-1/3/s; b = 4 m.

2. Determine o caudal que escoa um aqueduto circular, nas condições dadas na figura
seguinte, sabendo que: Ks = 70 m1/3/s e Jo = 0.01.

4.0 m
2.5 m
3.0 m

17 m

45.0° 45.0°

45.0° 45.0°

3. Pretende-se construir sob uma determinada via um aqueduto múltiplo com manilhas de
betão, Ks = 70 m1/3/s, para dar vazão a um curso de água que escoa um caudal máximo de
45 m3/s. O aqueduto tem um comprimento de 25 m e um desnível de 20 cm. Observe a
figura e determine o número de manilhas necessárias, sabendo haver disponíveis
manilhas com 1.8 m de diâmetro.

4. Numa determinada área, pretende-se passar água dum lado para o outro da estrada, sendo
o caudal a escoar Qmáx = 36 m3/s. As passagens devem ser feitas por aquedutos circulares
colocados de onde em onde transversalmente à estrada, tendo estes um diâmetro de 2.2
m, comprimento de 65 m e um desnível de 8 cm, sendo Ks = 60 m1/3/s.

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 36


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina
Universidade Eduardo Mondlane – Curso de Eng.ria Civil - Exercícios das Aulas Práticas da disciplina de Hidráulica II

Para esta situação, determine o número de aquedutos a colocar nesta zona por forma a garantir
a passagem de uma margem para a outra o caudal do projecto, considerando os níveis de água
indicados na figura.

5. Qual é o caudal que se escoa no aqueduto circular apresentado na figura, sabendo que n =
0.024 m-1/3/s e o desnível é de 50 cm?

Docentes: Eng.º Carlos Caupers, Regente; Eng.º Enosse Júnior, Assistente. 37


Colaboração de Hélder Francisco, Monitor da disciplina