Você está na página 1de 5

Agrupamento Escolas Michel Giacometti

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO *
Ano letivo 2017/2018

I Nome
- Contextualização
: Maria de La Saletteda atividade
Ribeiro Rosa deprofissional
Vasconcelos Grupo de Recrutamento: 910
Situação Profissional: QZP Escalão: 1.º Índice: 167
Iniciei funções, a partir de colocação em Quadro de Zona Pedagógica, a partir a 1 de setembro de 2017,
pelo Código de Recrutamento 910. Em termos de serviço distribuído, foi-me atribuído um horário
completo constituído por 24 tempos de componente letiva e os restantes tempos de componente não -
letiva. A componente letiva do horário consistiu no Apoio Pedagógico Personalizado a alunos abrangidos
pelo Decreto-lei 3/2008. Este apoio consistia na lecionação das áreas curriculares específicas constantes
dos Programas Educativos dos alunos abrangidos pelas seguintes medidas educativas alínea b)- adequações
curriculares individuais, d) Adequações no processo de avaliação e na lecionação das áreas específicas
para os alunos abrangidos pela medida educativa alínea e)- currículo específico individual. No que se
refere a estes últimos, fiz, também, a organização e acompanhamento dos estágios de três alunos com
PIT(Plano Individual de Transição), nomeadamente no Parque Ecológico da Várzea, numa colaboração
entre a Associação Anime e o grupo de Educação Especial da escola, no cabeleireiro Glamour, na
pastelaria Bomboca, na Oficina automóvel de David Salgadinho, no Bar do aluno da escola e na Associação
PUCA. Em conjunto com colegas do grupo disciplinar e do ensino regular dinamizei/leccionei as disciplinas
de Matemática, Português, e Saúde e Segurança aos alunos com CEI.
A componente não letiva refere-se ao trabalho individual desenvolvido, à análise dos currículos e
preparação dos diferentes materiais tendo sempre como ponto de partida a especificidade do currículo
dos alunos, à preparação/planificação dos diferentes níveis, e tudo o que se refere à panóplia que envolve
o seu processo ensino/aprendizagem. Inclui-se ainda o atendimento aos encarregados de educação, a
organização e elaboração dos documentos pertinentes dos alunos com NEE.
Todo o serviço que me foi sendo proposto tentei cumpri-lo com retidão e de acordo com os termos da lei.
No respeitante às atividades desenvolvidas concernentes à componente não letiva da atividade docente,
participei nos vários Conselhos de Turma, nas várias reuniões de grupo disciplinar e de departamento.
Participei nas vigilâncias para as quais fui convocada. Cumpri todas as minhas funções com rigor, mostrei
disponibilidade para ajudar os colegas no que necessitassem de mim e devido a isso, penso que colaborei
para o bom funcionamento da nossa escola.
Em termos de assiduidade, tive a preocupação de ser pontual e assídua, tendo as minhas faltas sido
devidamente atestadas e justificadas.
Este ano letivo, estive abrangida pelo regime probatório, e atendendo à especificidade do trabalho
do professor de Educação Especial, em que as suas funções são exercidas junto de crianças e jovens
do ensino pré-escolar, básico e secundário, com necessidades educativas especiais advindas de
deficiências físicas e sensoriais (auditivas, visuais e motoras), emocionais e intelectuais ou de
aprendizagem e comunicação agi de acordo com os objetivos gerais traçados para as mesmas.
Estes objetivos almejam o “desenvolvimento das potencialidades físicas e intelectuais dos alunos
com NEE, a ajuda na aquisição da sua estabilidade emocional, o desenvolvimento das suas
possibilidades de comunicação, a redução das limitações provocadas pela deficiência, o apoio na
sua inserção familiar, escolar e social, o desenvolvimento da sua autonomia e a preparação de uma
formação profissional adequada e consequente integração na vida ativa” (recuperado de
http://files.somostodosespeciais.webnode.pt/200000008-2afdb2b461/Fun%C3%A7%C3%B5es
%20docente-de-educacao-especial.pdf, em 7/06/2018). No cumprimento deste período, estive
presente nas duas sessões de esclarecimento organizadas pela DGAE, acompanhada pela
coordenadora do grupo, Fernanda Santos, que foi, igualmente, a minha orientadora, nesta fase do
meu percurso profissional. Em termos de avaliação deste período, tive 180 minutos de aulas
assistidas por um avaliador externo e produzi todos os documentos que me foram exigidos,
nomeadamente, o Plano Individual de Trabalho (PIT), os materiais produzidos para as referidas
aulas assistidas, respetivos documentos de avaliação (hetero e autoavaliação, tanto minha como dos
alunos participantes nas mesmas) e planos de aula.

II – Dimensão Científica e Pedagógica


a)Prática letiva (planificações/materiais pedagógicos/ instrumentos de
avaliação/…).

Tendo como base os documentos orientadores do Agrupamento, foram traçados objetivos de


trabalho, que seguidamente, se enunciam:
- Desenvolver de forma concertada competências sociais e pessoais através de dinâmicas inclusivas,
respeitando a identidade pessoal.
- Melhorar a qualidade do sucesso escolar, desenvolvendo a curiosidade intelectual, o gosto pelo
saber, pelo trabalho e pelo estudo através de ações/atividades promotoras das mesmas.
- Desenvolver as literacias: básica, tecnológica, de informação e de comunicação através de
ações/atividades promotoras das mesmas.

- Promover o debate/ reflexão/ partilha de assuntos de interesse educativo para a progressão e


desenvolvimento dos alunos.
- Construir uma consciência ecológica conducente à valorização e preservação do património natural
e cultural.
- Acompanhar os alunos de Currículo Específico Individual na prossecução do seu PIT.
- Dinamizar atividades/ações que propiciem o envolvimento social dos alunos.
- Promover o envolvimento familiar nos processos educativos dos alunos.
- Colaborar com outros órgãos da escola na definição e implementação das respostas educativas
julgadas adequadas face a cada uma das situações em concreto.
- Colaborar com vários docentes na gestão flexível de conteúdos curriculares, proporcionando assim
a sua adequação às competências e interesses dos alunos com necessidades educativas especiais.
- Apoiar os meus alunos e respetivos professores, na delineação de estratégias, com vista ao
cumprimento do estabelecido no Programa Educativo Individual de cada um.
- Colaborar no desenvolvimento de competências específicas, fundamentais para a inclusão pessoal
e social destes alunos, numa perspetiva de desenvolvimento da qualidade educativa.
- Procurar criar hábitos de cidadania no comportamento dos meus alunos contribuindo para a
melhoria da formação cívica dos alunos
- Contribuir para a utilização saudável e pedagógica do computador valorizando o papel das novas
tecnologias e dos equipamentos escolares.
- Colaborar, sempre que possível, com as estruturas da escola no sentido de atingir as metas
propostas por esta, participando nas atividades previstas no âmbito da relação escola com a
comunidade, motivando a participação dos alunos nas atividades previstas e incentivando a
dinamização de projetos de interesse para a comunidade escolar e para o seu desenvolvimento
social e cívico.
A planificação foi elaborada tendo em conta as características dos alunos e tentei integrar ao longo
da minha prática docente os objetivos dos vários domínios - cognitivo, afetivo e psicomotor. A
minha atividade foi planificada com rigor, integrando de forma coerente as atividades a realizar, os
meios e os recursos disponíveis, de acordo com o estipulado no Programa Educativo Individual de
cada aluno, utilizando metodologias e recursos diversificados e motivadores, com rigor científico-
pedagógico, na construção de materiais pedagógicos inovadores e apelativos, tendo em conta as
necessidades individuais dos alunos, promovendo assim o sucesso destes.
Considero, que de uma forma geral, os objetivos explanados foram alcançados.

b)Atividades promovidas no âmbito do PCT e PAA e o seu contributo para os


objetivos e metas do PEE.

As atividades promovidas tiveram em conta as necessidades dos alunos, tentando que obtivessem o
melhor desempenho possível.
Durante o ano letivo, participei em alguns projetos, e considero que dei um contributo válido e
qualitativo na dinamização dos mesmos, nomeadamente, a banca do Halloween, o Dia Internacional
da Pessoa com Deficiência - em que dinamizei a participação do grupo de Educação Especial
(professores, técnicos e alunos) no espetáculo organizado pela Cercizimbra,
Todas as atividades desenvolvidas tiveram como princípio orientador o PEE, nomeadamente as suas
metas/finalidades educativas, almejando o crescimento dos alunos enquanto estudantes e pessoas
ativas da nossa sociedade.
c)Análise dos resultados obtidos.
No processo ensino/aprendizagem o ponto de partida/chegada será sempre o aluno. O aluno é o
impulsionador deste processo, ao professor cabe-lhe o difícil labor de servir de mediador deste
projeto em dialética constante que é o da descoberta por parte do aluno de, que ele é a peça
fundamental neste processo e que também ele é capaz de discernir sobre a realidade circundante
onde pode aportar aspetos positivos ao meio envolvente. Considero, que contibuí de forma muito
satisfatória para que os alunos pudessem lidar com as suas dificuldades e atingir os seus objetivos,
que fizeram parte dos meus também.
Considero que fiz um acompanhamento eficaz das várias situações referentes às problemáticas dos
meus alunos, bem como das situações que foram surgindo ao longo do ano letivo.

III – Participação na escola e relação com a comunidade

a)Contributo para a realização dos objetivos e metas do Projeto Educativo e dos


Planos Anual e Plurianual de Atividades
Ao longo deste ano letivo sempre orientei a minha atividade de forma a contribuir ativamente para
a prossecução dos objetivos e metas fixados no Projeto Educativo da Escola.
Enquanto docente de educação especial, foi minha preocupação constante contribuir para a
igualdade de oportunidades e de sucesso educativo, promovendo respostas pedagógicas
diversificadas, adequadas às necessidades educativas dos meus alunos. Colaborei com outros órgãos
da escola na definição e implementação das respostas educativas julgadas adequadas face a cada
uma das situações em concreto. Colaborei com vários docentes na gestão flexível de conteúdos
curriculares, proporcionando assim a sua adequação às competências e interesses dos alunos com
necessidades educativas especiais.
No âmbito da especificidade do meu trabalho, apoiei os meus alunos e respetivos professores, na
delineação de estratégias, com vista ao cumprimento do estabelecido no Programa Educativo
Individual de cada um. O meu trabalho baseou-se no desenvolvimento de competências específicas,
fundamentais para a inclusão pessoal e social destes alunos, numa perspetiva de desenvolvimento
da qualidade educativa, para além de um apoio em termos curriculares, para que estes pudessem
acompanhar o desenvolvimento dos conteúdos lecionados. Neste ano letivo, voltei a acompanhar
alunos em sala de aula, nomeadamente nas turmas do 5.º A, 7.º B e 8.º A, o que permitiu aos
alunos, que tivessem, ainda, mais um apoio específico na disciplina.
A relação que mantive com a escola e a comunidade, em termos pessoais, foi agradável e permitiu-
me desenvolver um trabalho que permitiu partilhar os meus conhecimentos, mas acima de tudo,
aprender, com todas as pessoas que me rodearam, o que em suma levou a que pudesse dar mais um

salto no meu processo evolutivo, tanto em termos humanos como profissionais .


Procurei criar hábitos de cidadania no comportamento dos meus alunos contribuindo para a
melhoria da formação cívica dos alunos e contribuí também para a utilização saudável e pedagógica
do computador valorizando o papel das novas tecnologias e dos equipamentos escolares.
Colaborei sempre que possível com as estruturas da escola no sentido de atingir as metas propostas
por esta, participando nas atividades previstas no âmbito da relação escola com a comunidade,
motivando a participação dos alunos nas atividades previstas e incentivando a dinamização de
projetos de interesse para a comunidade escolar e para o seu desenvolvimento social e cívico.
A relação que mantive com a escola e a comunidade, em termos pessoais, foi agradável e permitiu-
me desenvolver um trabalho que permitiu partilhar os meus conhecimentos, mas acima de tudo,
aprender, com todas as pessoas que me rodearam, o que em suma levou a que pudesse dar mais um

salto no meu processo evolutivo, tanto em termos humanos como profissionais .

V – Formação contínua e desenvolvimento profissional

d)Contributo da formação realizada para a melhoria da ação educativa.


A atualização científica e pedagógica é uma preocupação que está sempre presente, porque
considero que esta é necessária ao meu bom desempenho. Frequentei e conclui com a classificação
de Excelente – 9,3 valores, a ação de formação “Perturbação do Espetro do Autismo – mitos e
realidades”, acreditada pelo C.C.P.F.C., com o Registo de Acreditação nº CCPFC/ACC-81731/15, que
decorreu de 28 de junho a 7 de julho de 2016, com a duração de 25 horas, equivalente a 1 créditos,
tendo sido o Formador a professora Natália Véstias. Participei em ações de formação de curta
duração organizadas pela Clínica da Educação,”Dis”. “O Perfil do aluno do século XXI”, que
decorreu na Escola Superior de Educação de Lisboa, em setembro de 2017. De referir, ainda, que
todo este ano, em regime probatório também foi uma mais-valia para a minha formação enquanto
docente.

Data: ___________________

Assinatura
___________________________________________________________