Você está na página 1de 1

Quinta-feira 16.3.

2017
O GLOBO | 19

O GLOBO

‘Bob Fields’: o estigma, o diplomata e o Brasil


SÉRGIO E. MOREIRA LIMA lo XIX — com as reformas para criar riqueza via Em sua visão, a política externa reflete opção
livre mercado —, com o período subsequente, "o nacional básica, que se expressava na fidelidade

A rauto do liberalismo num Brasil marcado


pela desigualdade social, paladino da
convergência ideológica com os EUA
num país que deveria buscar sua posição
autônoma na ordem internacional são imputações
a Roberto Campos. Respondem elas pelo estigma
século do coletivismo, o mais violento da história hu-
mana" e seus corolários, o dirigismo estatal e o co-
munismo. Conclui que a tarefa do século XXI será
conciliar o mercado, no plano econômico, com a
democracia, na vertente política.
cultural e política ao sistema democrático oci-
dental, sem prejuízo da aferição de cada proble-
ma em termos de interesse nacional. Em res-
posta a seus críticos, Campos transcreve, em su-
as memórias, o trecho do discurso do presidente
Dois momentos marcaram sua crença nas mu- Castello Branco que ajudara a redigir:
que marcou a irônica tradução para o inglês de seu
nome, como forma de retirar a legitimidade de suas danças no mundo e no Brasil: o processo de inte- "Não devemos dar adesão prévia às atitudes de
ideias e tomá-lo estrangeiro. Essa visão gração europeia e o desenvolvimentismo de Ku- qualquer das grandes potências — nem mesmo
dificilmente se sustentaria no tempo diante da bitschelc Manifestaria, porém, frustração, ao perce- às potências guardiãs do mundo ocidental, pois
densidade do homem e do seu compromisso com ber que sua geração havia fracassado na tarefa de que, na política externa destas, é necessário dis-
ideias, valores e com o futuro do Brasil. transformar o Brasil em potência em fins do século tinguir os interesses básicos da preservação do
Campos foi dos mais brilhantes pensadores bra- XX. Confessa perplexidade diante da vocação de sistema ocidental dos interesses específicos de
sileiros, um dos economistas e diplomatas mais in- pobreza de países ricos em recursos naturais, que, uma grande potência. (...) a política exterior é in-
fluenteide sua geração. Suas ideias liberais sofre- no caso brasileiro, não pode ser imposição da fatali- dependente, no sentido de que independente de-
ram críticas, que, sob o argumento nacionalista, as ve ser, por força, a política de um país soberano.
dade. Atribui essa situação à inflação e à resistência
Política exterior independente, num mundo que
confundiam com atitude de “entreguismo”: Sua car- à abertura internacional da economia brasileira.
se caracteriza cada vez mais pela interdependên-
reira diplomática ajudou-o na formação de sólida
cia dos problemas e dos interesses, significa que o
base acadêmica e profissional, acentuada por sua Dois momentos marcaram sua Brasil deve ter seu próprio pensamento e sua pró-
inteligência e pragmatismo. Esses atributos concor- crença nas mudanças no mundo e pria ação, (...) não subordinados a nenhum inte-
reram para o êxito de sua gestão como embaixador
em Washington e fizeram com que sua contribui- no Brasil: o processo de integração resse estranho ao do Brasil':
europeia e o desenvolvimentismo O centenário de seu nascimento enseja reflexão
ção fosse necessária à construção do Brasil moder-
sobre a importância de sua obra e análise isenta
no, lançando-o para além da Casa de Rio Branco, de Juscelino Kubitschek do mérito de suas ideias. Jamais podemos aceitar
como ideólogo, ministro do Planejamento e esta- que o Brasil não esteja vocacionado à administra-
dista. Seu esforço tenaz foi livrar o Brasil da medio- Campos defendeu o Brasil como parte do sistema ção responsável e inovadora de sua abundância.
cridade e buscar na educação instrumentos de su- interamericano e criticou a "política externa inde- Esta pôde contar com a dimensão de espaço e a
peração do subdesenvolvimento pela reestrutura- pendente". Argumentava que a posição do Brasil diversidade de recursos naturais que representa a
ção econômica e institucional. não poderia ser de neutralidade, dado seu papel no herança patrimonial da diplomacia brasileira, de
Para Campos, o Estado tornara-se demasiado sistema. Considerava que não estávamos em dispo- Alexandre de Gusmão a Rio Branco. •
grande para lidar com os pequenos problemas e nibilidade ideológica. Criticava a indiferença moral
demasiado pequeno para tratar das grandes ques- quando se contrapunham o valor supremo da liber- Sérgio E. Moreira Lima é embaixador e presidente
tões. Revela o contraste entre o liberalismo do sécu- dade e o totalitarismo. Fundação Alexandre
da Fundação Alexandrede
deGusmão
Gusmão

Você também pode gostar