Você está na página 1de 2

O direito administrativo é meramente instrumental?

Carlos Roberto Garcia Miranda Negri

Ao se procurar pelo significado da palavra instrumental, tem-se que esta palavra,


quando utilizada na forma de adjetivo, significa [coisa] “Que serve de instrumento.” 1Assim,
ao se falar em direito administrativo instrumental, fala-se de um direito esvaziado de
qualquer sentido de autonomia ou completude: trata-se, portanto, de ramo do direito que
não possui fim em si próprio, mas sim, em algo externo. Tal função externa seria a de agir
como um braço mecânico do poder legislativo, agindo de forma a dirigir sistematicamente a
ação administrativa2.
No entanto, essa visão se demonstra incompleta e falha. Primeiramente, porque é
ela abarca apenas uma, de três dimensões essenciais e constitutivas deste 3. Além dessa - a
dimensão legal, destinada a, justamente, regular e controlar as ações do Estado em relação
aos indivíduos e companhias privadas 4. As outras duas seriam as dimensões gerencial e
política: enquanto a primeira está relacionada com a capacidade do Estado em fornecer, de
forma eficiente, os serviços e benefícios devidos a seus cidadãos, a segunda diz respeito a
garantia de legitimidade de decisões de cunho político e prestação de contas à sociedade 5.
Além dessa incompletude no entendimento de como o direito administrativo se
constitui e se manifesta, podemos observar uma outra questão problemática dessa
interpretação monista. Ao mesmo tempo em que esta se mostra como uma reação ao
histórico autoritarismo brasileiro, com o objetivo de justamente evitar a concentração de
poder pelo executivo, o extremo controle pelo judiciário a que a Administração se vê
submetida acaba gerando uma nova forma de condensação de poder como efeito colateral.
É importante ressaltar que esse fenômeno não é equivalente ao autoritarismo, mas tal
ampliação do poder judicial é capaz de suprimir a atuação do administrador.

1 TREVISAN, R. (Coord.) 2015 — Dicionário Michaelis.Editora Melhoramentos.


2 SUNDFELD, 2014, p. 236.
3 JORDÃO, Op. cit. p. 22
4 JORDÃO, Op. cit. p. 24
5 JORDÃO, Op. cit. p. 26
Bibliografia

JORDÃO, Eduardo. The three dimensions of administrative law. A&C – Revista de Direito
Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 19, n. 75, p. 21-38, jan./mar. 2019.
DOI: 10.21056/aec.v20i75.1092.

SUNDFELD, C. A. Direito administrativo para céticos. [s.l.] : Malheiros, 2014.

Você também pode gostar