Você está na página 1de 4

PRÉ-UNIVERSITÁRIO OFICINA DO SABER Aluno(a):

DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR: RODRIGO INCHAUSP


Data: 31/03/2020 AULA Nº1 – CINEMÁTICA (MRU/MRUV)

Não deixe as dúvidas passarem!


“O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano.” – Isaac Newton

Acredite em você!

Movimento Retilíneo Uniforme (MRU)

1). (PUC-MG) Numa avenida longa, os sinais de tráfego 4) (Cecierj) O gráfico de S × t para o movimento de
são sincronizados de tal forma que os carros, trafe- um móvel está representado na figura a seguir.
gando a determinada velocidade, encontram sempre
os sinais abertos (onda verde). Considerando-se que a
distância entre sinais sucessivos é de 175 m e que o
intervalo de tempo entre a abertura de um sinal e a
abertura do sinal seguinte é de 9,0 s, a velocidade mé-
dia com que os veículos devem trafegar nessa avenida
para encontrar os sinais sempre abertos é:

a) 60 km/h b) 50 km/h c) 70 km/h d) 40 km/h

2) (Cecierj) A equação horária para o movimento de


um móvel é S = 2,0 + 4,0t, sendo S expresso em metro Pede-se:
e t em segundo.
a) a posição inicial S0 do móvel.
a) Determine a posição escalar inicial.

b) A posição do móvel no instante t = 5 s.


b) Determine a velocidade escalar.

c) Calcular a velocidade do móvel.


c) Determine a posição escalar no instante 1,5 s

d) Escrever a equação horária do movimento.


3) (Cecierj) Dois móveis, A e B, descrevem a mesma
trajetória retilínea, com equações horárias SA = 20 + 5t
e SB = 50 – 10t, sendo S expresso em metro e t em se-
gundo. Sabendo que os móveis partiram ao mesmo
tempo de suas posições iniciais, calcule a posição e o
instante em que os dois móveis se encontram.
5) (UFRN) A cidade de João Câmara, a 80 km de Natal, 7) (Fuvest -SP) Um carro se desloca numa trajetória re-
no Rio Grande do Norte (RN), tem sido o epicentro tilínea e sua velocidade em função do tempo, a partir
(ponto da superfície terrestre atingido em primeiro lu- do instante t = 10 s, está representada no gráfico. Se o
gar, e com mais intensidade, pelas ondas sísmicas) de carro partiu do repouso e manteve uma aceleração
alguns terremotos ocorridos nesse estado. O departa- constante até t = 15 s, a distância percorrida, desde
mento de Física da UFRN tem um grupo de pesquisa- sua partida até atingir a velocidade de 6 m/s, vale:
dores que trabalham na área de sismologia utilizando
um sismógrafo instalado nas suas dependências para
detecção de terremotos. Num terremoto, em geral,
duas ondas, denominadas de primária (P) e secundária
(S), percorrem o interior da Terra com velocidades di-
ferentes. Exercícios nível 2 Admita que as informações
contidas no gráfico abaixo sejam referentes a um dos
terremotos ocorridos no Rio Grande do Norte. Consi-
dere ainda que a origem dos eixos da figura seja coin-
cidente com a posição da cidade de João Câmara. a) 12,5 m b) 18,0 m c) 24,5 m d) 38,0 m e) 84,5 m

8) (ENEM) Para melhorar a mobilidade urbana na rede


metroviária é necessário minimizar o tempo entre es-
tações. Para isso a administração do metrô de uma
grande cidade adotou o seguinte procedimento entre
duas estações: a locomotiva parte do repouso com
aceleração constante por um terço do tempo de per-
curso, mantém a velocidade constante por outro terço
e reduz sua velocidade com desaceleração constante
no trecho final, até parar.
Diante das informações contidas no gráfico, é correto Qual é o gráfico de posição (eixo vertical) em função
afirmar que a onda mais rápida e a diferença de tempo do tempo (eixo horizontal) que representa o movi-
de chegada das ondas P e S no sismógrafo da UFRN, mento desse trem?
em Natal, correspondem, respectivamente,

a) à onda S e 4 segundos b) à onda P e 8 segundos


A) B)
c) à onda P e 16 segundos d) à onda S e 24 segundos

Movimento Retilíneo Uniformemente Variável


(MRUV)

C) D)

6) Um carro com uma velocidade de 25 m/s freia com


aceleração constante e percorre 60 m até parar. Cal-
cule o valor da aceleração.

E)
9) (ENEM) 10) (ENEM) Antes das lombadas eletrônicas, eram pin-
tadas faixas nas ruas para controle da velocidade dos
automóveis. A velocidade era estimada com o uso de
binóculos e cronômetros. O policial utilizava a relação
entre a distância percorrida e o tempo gasto, para de-
terminar a velocidade de um veículo. Cronometrava-
se o tempo que um veículo levava para percorrer a dis-
tância entre duas faixas fixas, cuja distância era conhe-
cida. A lombada eletrônica é um sistema muito pre-
ciso, porque a tecnologia elimina erros do operador. A
distância entre os sensores é de 2 metros, e o tempo
é medido por um circuito eletrônico.

O tempo mínimo, em segundos, que o motorista deve


gastar para passar pela lombada eletrônica, cujo limite
é de 40 km/h, sem receber uma multa, é de:

A) 0,05 B) 11,1 C) 0,18 D) 22,2 E) 0,50

11) (ENEM) Um piloto testa um carro em uma reta


longa de um autódromo. A posição do carro nessa
reta, em função do tempo, está representada no grá-
fico.

As velocidades dos veículos variam com o tempo em


dois intervalos: (I) entre os instantes 10 s e 20 s; (II)
entre os instantes 30 s e 40 s. De acordo com o grá-
fico, quais são os módulos das taxas de variação da
velocidade do veículo conduzido pelo motorista im-
prudente, em m/s2, nos intervalos (I) e (II), respecti-
vamente?

A) 1,0 e 3,0 B) 2,0 e 1,0 C) 2,0 e 1,5 D) 2,0 e 3,0 Os pontos em que a velocidade do carro é menor
e maior são, respectivamente,
E)10,0 e 30,0

A) K e M B) N e K C) M e L D) N e L E) N e M
12) (ENEM) Um motorista que atende a uma chamada 4 – Veja o gráfico
de celular é levado à desatenção, aumentando a pos-
sibilidade de acidentes ocorrerem em razão do au- a) No gráfico em t = 0 temos 𝑆0 = 20 s
mento de seu tempo de reação. Considere dois moto-
ristas, o primeiro atento e o segundo utilizando o ce- b) Também no gráfico em t = 5 s temos 𝑆5 = 40m
lular enquanto dirige. Eles aceleram seus carros inici- ∆𝑆 60−20 40
c) 𝑉 = ∆𝑡 =constante = 10 = 10 = 4 m/s
almente a 1,00 m/s². Em resposta a uma emergência,
freiam com uma desaceleração igual a 5,00 m/s².
d) S = 𝑆0 + V t ⇒ S = 20 + 4t
O motorista atento aciona o freio à velocidade de 14,0
m/s, enquanto o desatento, em situação análoga, leva 5 – b)
1,00 segundo a mais para iniciar a frenagem.
6 – Usando Torricelli: 𝑉 2 = 𝑉02 + 2𝑎∆𝑆
Que distância o motorista desatento percorre a mais V = 0 (Porque o carro freia até parar)
do que o motorista atento, até a parada total dos car- 𝑉0= 25 m/s (Velocidade inicial do carro quando
ros? começa a frenagem)
∆𝑆 = 60 m

Resolução:
A)2,90 m B)14,0 m C)14,5 m D) 15,0 m E)17,4 m 0 = 252 + 2 𝑎 60
0 = 625 + 120𝑎
−625 = 120𝑎
−625
GABARITO 𝑎=
120
𝑎 = −5,2 𝑚/𝑠² (Negativo porque ocorre uma de-
saceleração)
𝟏,𝟕𝟓𝒎
1–
𝟗,𝟎𝟎𝒔
× 𝟑, 𝟔 = 𝟕𝟎 𝒌𝒎/𝒉 7 – b)
8 - c)
2 – Equação Horária: S = 2,0 + 4,0t 9 - d)
10 – c)
a) 𝑆0 = 2 𝑚 11 – c)
12 – e)
b) 𝑉 = 4 𝑚/𝑠

c) 𝑡 = 1,5 𝑠 → 𝑆 = 2,0 + 4,0𝑥1,5 → 𝑆 = 8 𝑚

3 – Equação Horária dos móveis:


SA = 20 + 5t; SB = 50 – 10t

Para descobrir o tempo de encontro:

20 + 5𝑡 = 50 − 10𝑡 → 𝑡 = 2 𝑠

Para descobrir a posição, basta substituir o tempo


encontrado em uma das equações:

𝑆𝐴 = 20 + 5𝑥2 → 𝑆𝐴 = 30 𝑚