Você está na página 1de 24

P.P.R.A.

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE
RISCOS AMBIENTAIS

ORBENK

[05/07/2018 a 05/07/2019]
2

SUMÁRIO

1. IDENTIFICAÇÃO DAS EMPRESAS 3

1.1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA CONTRATADA

1.2 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA CONTRATANTE

2. INTRODUÇÃO 4

3. APRESENTAÇÃO 5

3.1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS


(PPRA)
3.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO 6

3.3 ESTRATÉGIA E METODOLOGIA 7

3.4 REGISTRO, MANUTENÇÃO E DIVULGAÇÃO DOS DADOS

4. DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA 8

4.1 ANTECIPAÇÃO E RECONHECIMENTO DOS RISCOS 11

4.2 RECONHECIMENTO E AVALIAÇÃO DOS RISCOS

4.2.1 AVALIAÇÕES AMBIENTAIS

5. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO/MEDIDAS ADMINISTRATIVAS E 15


RECOMENDAÇÕES
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 16

7. RESPONSABILIDADE TÉCNICA 17

8. ANEXOS 18

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
3

1. IDENTIFICAÇAO DAS EMPRESAS

1.1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA CONTRATANTE


Razão social CNPJ:
IFC – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE 10.635.424/0006-90
Endereço CEP:
RUA DAS ROSAS, S/N° 88965-000
Bairro Cidade UF:
VILA NOVA SANTA ROSA DO SUL SC
Telefone Fax E-mail
48 3534 8023 / 8004 sandra.sbardelotto@ifc.edu.br / davi.vargas@ifc.edu.br
Ramo de atividade
EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TECNOLÓGICO / EDUCAÇÃO SUPERIOR – GRADUAÇÃO E PÓS
CNAE: Grau de risco (NR 4) Inscrição estadual Inscrição municipal
8542-2-00 / 85.32-5-00 2
1.2 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA CONTRATADA

Razão social CNPJ:


ORBENK ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS LTDA. 79.283.065/0001-41
Endereço CEP:
RUA: VISCONDE DE CAÍRU, 96. 88075-020

Bairro Cidade UF:


ESTREITO FLORIANÓPOLIS SC
Telefone Fax E-mail
48 3281-1800 sesmt1.fpolis@orbenk.com.br
Ramo de atividade
LOCAÇÃO DE MÃO DE OBRA E CONSERVAÇÃO / LIMPEZA
CNAE: Grau de risco (NR 4) Inscrição estadual Inscrição municipal
8121/400 3 ISENTO 81392/81393
N° de Funcionários Orbenk a serviço da contratante: 09

Cargo Quantidade
Recepcionista 07
Recepcionista/Líder 01
Lavadeira (o) 01

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
4

2. INTRODUÇÃO

Este relatório contém o Inventário Geral dos Riscos relacionados às atividades existentes na

empresa, compreendendo todas as categorias de agentes ambientais.

Os dados levantados e a análise efetuada referem-se à situação encontrada por ocasião do

levantamento. Sempre que houver modificações nas condições de trabalho, o levantamento deverá

ser refeito, pois as conclusões poderão ser alteradas.

Estes dados constantes neste relatório servem de base para a elaboração do Plano de Ação

Anual de Segurança e Saúde do Trabalho, que contempla as ações de controle a serem mantidas,

implementadas ou melhoradas, assim como as atividades de monitoramento das exposições. Este

relatório e o Plano de Ação Anual formarão o documento base do PPRA.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
5

3. APRESENTAÇÃO

3.1. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

O PPRA – Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais está regulamentado pela NR9

(Portaria N° 3.214/78) e faz parte de um conjunto de medidas mais amplas contidas nas demais

normas regulamentadoras, o qual se articula, principalmente, com a NR-07, ou seja, com o PCMSO –

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. O objetivo do PPRA é a preservação da saúde

e da integridade de todos os trabalhadores da empresa, através da antecipação, reconhecimento,

avaliação e controle de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho.

3.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO (BASE)

3.2.1 PLANO DE AÇÃO

O Plano de ação é composto de metas com prioridades definidas de acordo com a necessidade

de implantação. Para garantir que o PPRA esteja atingindo o seu objetivo e que as metas propostas

estejam sendo alcançadas, devem ser estabelecidos mecanismos de avaliação do Programa, visando

analisar o seu desenvolvimento.

ITEM META DATA STATUS RESPONSÁVEL


01 PLANEJAMENTO REAVALIAÇÃO 12/2018 SESMT OBK/IFC
02 REAVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES POR SETOR 07/2018 OK SESMT OBK/IFC
03 ANÁLISE GLOBAL DO PROGRAMA 04/2019 SESMT OBK / IFC
04 TREINAMENTOS 12/2018 VIDE TABELA (*)

TREINAMENTOS (*)

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
6

Todos os empregados receberão treinamento de acordo com as necessidades das atividades.

Após aprovação nos Exames Médicos Admissionais, preenchida a documentação necessária

para admissão, conforme CLT e Condições Gerais do Instrumento Contratual, o recém-admitido

receberá Treinamento de Integração e de capacitação em segurança do trabalho com informações

sobre as Condições e Meio Ambiente de Trabalho, riscos inerentes à sua função e uso adequado dos

Equipamentos de Proteção Individual – EPI. O treinamento periódico será ministrado sempre que se

mostrar necessário. Serão registrados através de Listas de Presença e/ou Documentação Fotográfica.

ITEM TREINAMENTO CH RESPONSÁVEL


01 ERGONÔMIA (FUNDAMENTOS) 2 HORAS SESMT OBK / SIPAT
ANÁLISE “POSTURAL” DOS POSTOS - CASE 2 HORAS 18 OBK
SESMT
02
03 EPI’S (CONCEITO, USO E CONSERVAÇÃO) 1 HORA SESMT OBK
04 “STRESS OCUPACIONAL” (NR 17- 5.14) 2 HORAS SESMT OBK
(*) outros, conforme solicitação e identificação pelo cliente.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
7

3.3 ESTRATÉGIA E METODOLOGIA

A estratégia adotada pela empresa contempla principalmente a prevenção e controle da

exposição dos seus trabalhadores a riscos ocupacionais. Para que os objetivos propostos sejam

alcançados utiliza-se, por exemplo, de: Treinamentos operacionais incluindo rotinas seguras de trabalho;

Efetivação anual do levantamento dos riscos ocupacionais da empresa contemplando os riscos, químicos

e biológicos da empresa a cargo de profissional habilitado (Engenheiro de Segurança ou Médico do

Trabalho), bem como análise do PPRA e seu desenvolvimento (avaliação anual), conforme item 9.2.1.1

da NR 09.

3.4 REGISTRO, MANUTENÇÃO E DIVULGAÇÃO DE DADOS

O registro é evidenciado através de documento base do PPRA e Análise Global do PPRA. Além

de manter registro dos treinamentos, inspeções, entrega de EPI’s e cobrança do seu uso, certificados

de aprovação dos EPI’s usados, cópias das notas fiscais de aquisição dos EPI’s, relatórios de

atendimento e solicitações de melhorias dos ambientes de trabalho, relatórios de inspeção e auditoria

dos planos de ação, bem como de estatísticas e dados referentes a acidentes e doenças profissionais

ocorridas, CAT emitidas.

A Manutenção de dados, deverá ser relacionada ao Equipamento de proteção individual, aos

documentos de cada empregado e em relação ao PPRA, PCMSO, estrutura e etapas. Todos estes

registros deverão ficara guardados por pelo menos 35 anos, visto que estas informações são de vital

importância para tudo que se refere a segurança do trabalho no âmbito do Ministério do Trabalho,

INSS e poder judiciário.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
8

A divulgação dos dados do PPRA será efetuada através do processo de comunicação da

empresa, dos treinamentos, da CIPA.

4. DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA

4.1 ANTECIPAÇÃO E RECONHECIMENTO DOS RISCOS

Para o desenvolvimento do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), necessita-se

inicialmente do Reconhecimento dos Riscos Ambientais, da Avaliação dos Riscos, das Medidas de

Controle, do Monitoramento, da Metodologia e Coleta de Dados, dos Registros de Dados, das

Responsabilidades pela Execução e Implementação do PPRA, da Segurança do Trabalho, da Medicina

do Trabalho, da Gerência e Setores, e dos Empregados.

• Reconhecimento dos Riscos Ambientais

Caracterização básica dos locais de trabalho, através da descrição de processos/atividades

executada e estudo dos postos de trabalho, inspeção nos locais de trabalho para identificação dos

agentes de riscos, levantamento de agentes físicos, químicos e biológicos.

Caracterização básica dos trabalhadores expostos, através da descrição de cargos, análise de

tarefas, número de trabalhadores expostos aos riscos, entrevistas com trabalhadores e contribuições

da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

Consulta de dados existentes na Empresa, tais como, Levantamentos Ambientais anteriores,

mapas de riscos ambientais, controles médicos, análises de acidentes e análise de riscos.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
9

• Avaliação dos Riscos

- Realizada com base na NR15 – Atividades e Operações Insalubres, da Portaria 3214/78 da

Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho – SSST.

• Medidas de Controle

- As medidas de controle necessárias serão adotadas para a eliminação, minimização ou

controle dos riscos ambientais. Sempre que ficar caracterizado o risco potencial/evidente à saúde,

medidas de controle serão adotadas obedecendo à hierarquia:

1) Medidas de caráter coletivo, 2) Medidas administrativas e 3) Medidas de caráter individual.

• Monitoramento

- Realiza-se uma avaliação sistemática e repetitiva da exposição à um determinado risco,

visando a introdução ou modificação das medidas de controle, sempre que necessário.

• Metodologia e Coleta de Dados

- Utiliza-se o fluxo, apresentado pela Empresa Contratante, para a realização das avaliações

de riscos ambientais.

• Registro de Dados: O empregador ou a instituição deverá manter um registro de dados

estruturado de forma a construir um histórico técnico e administrativo do desenvolvimento do PPRA.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
10

Os dados deverão ser mantidos por pelo menos 20 anos. O registro de dados deverá sempre estar

disponível aos trabalhadores interessados, seus representantes ou autoridades competentes.

• Responsabilidades pela Execução e Implementação do PPRA

Empregador (Contratado): Estabelece, implementa, assegura o cumprimento do PPRA como atividade

permanente da Empresa. Além de informar os trabalhadores sobre os riscos e prevenção dos mesmos.

Contratante: Garante as condições seguras no ambiente de atuação dos colaboradores,

disponibilizados, instruídos, equipados e treinados pela contratada.

Segurança do Trabalho: Planeja e aplica treinamentos com o objetivo de instruir os trabalhadores

expostos, propor soluções para eliminar/reduzir a exposições, manter arquivador por 20 anos os

relatórios das avaliações ambientais realizadas.

Medicina do Trabalho: Elabora, implementa e desenvolve o PCMSO, informa aos Responsáveis pela

Empresa as alterações biológicas ocorridas com os trabalhadores. Contribui com informações técnicas

sobre os riscos à saúde que podem ser causados por exposições aos agentes de risco.

Gerência e Setores: Executa, coordena e monitora as etapas do PPRA, informa aos trabalhadores os

resultados das avaliações ambientais de seus locais de trabalho. Planeja e aplica treinamentos com o

objetivo de instruir os empregados.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
11

Empregados: Colaboram e participam da implantação e execução do PPRA. Seguem as orientações

recebidas nos treinamentos; devem informar aos seus superiores hierárquicos às ocorrências que a

seu julgamento, possam implicar em riscos à saúde.

4.2 RECONHECIMENTO E AVALIAÇÃO DOS RISCOS

A observação e a avaliação dos riscos ambientais existentes foram efetuadas da seguinte

forma (item A):

4.2.1 AVALIAÇÃO AMBIENTAL

Descrição física do local de trabalho, conforme Anexo (Figura - 02)

4.2.2 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

Vide tabelas a seguir:

(conforme termo de referência e análise em visitas aos postos de trabalho);

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
12

Setor: Administrativo Função: Lavadeira – CO 44


Tempo: Atividade:
DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES
• Receber e selecionar peças de vestuário, roupas de cama e mesa, materiais esportivos e outros a serem
lavados e depois fazer a separação por tipo e setor para a entrega;
• Proceder a lavagem através de processo manual ou mecânico, utilizando água, sabão e outros produtos,
realizar o enxaguamento das roupas;
• Proceder a secagem das peças através de máquina própria ou por meio natural;
• Controlar e registrar, no livro, o recebimento e a expedição das peças;
• Passar a roupa, organizar a roupa; solicitar manutenção nos equipamentos; (quando necessário)
• Executar outras atividades correlatas.
EXPOSIÇÃO AOS FATORES DE RISCO
RISCO AGENTE FONTE GERADORA GRADAÇÃO (*)
EFEITO EXPOSIÇÃO
①Físico Ruído Lavadoras e Secadoras 1 2
①Físico Umidade Águas do processo 1 2
②Químico Domissanitários Abastecimento Lavadora 0 1
③Biológico Inexistente Não há 0 0
④Acidente Escorregões (QMN) Piso Molhado (água) 0 1
MEDIDAS DE CONTROLE
RISCO/AGENTE EPI EPC
① Protetor Auricular (tipo concha) N.A
① Bota de Borracha / Avental PVC / Luva de látex Reduzir Vazamentos
② Luva de látex e Luva “Ranhurada” (15100) / Óculos N. A
② Máscara – Respirador ---------
④ Sapato de Segurança / Bota de borracha Reduzir Vazamentos
CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS:
Produtos químicos são “dosados” em 80% do volume, caracterizando redução no tempo de exposição;
Possibilitando a adoção de PFF2 (similar ao CA 18684), utilizar ao “manusear” (dosagem manual).
Submeter-se a treinamento de segurança visando o conhecimento de riscos;
2. Utilizar Uniforme;
3. Manter ordem e limpeza no ambiente de trabalho;
4. Manter adequadas as condições de execução das atividades considerando as características ergonômicas.
Legenda: (QMN) = Queda no mesmo nível

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
13

CRITÉRIOS (EFEITO / EXPOSIÇÃO)


GRAU EFEITOS (A SAÚDE) GRAU EXPOSIÇÃO
0 Reversíveis e pequenos 0 Nenhum contato com o agente
1 Reversíveis e preocupante 1 Contatos esporádicos com o agente
2 Severos e preocupante 2 Contato frequente e baixa concentração
3 Irreversíveis e preocupante 3 Contato frequente e alta concentração
4 Ameaça à vida; Incapacidade 4 Contato frequente e altíssima concentração
(*) GRADAÇÃO CONFORME: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION

AVALIAÇÃO QUALITATIVA AGENTE FÍSICO: RUÍDO


Data Tempo (min) Lavg dB (A) Dose NR15 Local Equipamento
(%)
29/06/2018 86,1 Lavanderia Decibelímetro
Legenda: AB.N. A – Abaixo do nível de ação; AC.N. A – Acima do nível de Ação
Instrumento Utilizado: Medidor de Nível de Pressão Sonora – Decibelímetro Marca: Instrutherm
/Modelo: DEC-490 – IEC 61672 – 1 / Classe 2
(Cerificado de Calibração N° 67423 / 18 – Válido: setembro / 19)
- Registros e análise conforme Anexo (Figura 01)

CONCLUSÃO TÉCNICA:
(Conforme Decreto N 3048/99 do INSS)
Os ocupantes dessa função estão expostos a agentes nocivos. No entanto, a potencialidade deste
agente causar prejuízos a saúde ou a integridade física está atenuada pelo uso do EPI que
neutraliza ou reduz a exposição a Limites da Tolerância aceitáveis pela legislação do Ministério do
Trabalho e Emprego.
A caracterização da exposição acima é válida enquanto as condições de trabalho permanecerem
conforme análise de riscos por cargo / função.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
14

Setor: Administrativo Função: Recepcionista / Líder – CA 26


Tempo: Atividade:
DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES
Receber clientes ou visitantes; atender telefones e fornecer informações; tirar dúvidas gerais sobre a empresa;
recepcionar e prestar serviços de apoio aos clientes, Fornecedores, Colaboradores internos e externos,
Agendar Reuniões, conferir documentos, Correspondências, organizar informações e planejar o trabalho
cotidiano, receber malotes e enviar aos setores relacionados. Outras atividades correlatas.
Obs:
EXPOSIÇÃO AOS FATORES DE RISCO
RISCO AGENTE FONTE GERADORA GRADAÇÃO (*)
EFEITO EXPOSIÇÃO
①Físico Inexistente Não há 0 0
②Químico Inexistente Não há 0 0
③Biológico Inexistente Não há 0 0
④Acidente Inexistente Não há 0 0
MEDIDAS DE CONTROLE
RISCO / AGENTE EPI EPC



CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS:

Submeter-se a treinamento de segurança visando o conhecimento de riscos;


2. Utilizar Uniforme;
3. Manter ordem e limpeza no ambiente de trabalho;
4. Manter adequadas as condições de execução das atividades considerando as características ergonômicas.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
15

5. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO/MEDIDAS ADMINISTRATIVAS E RECOMENDAÇÕES

Segundo a NR 6 “Equipamento de Proteção Individual – EPI” da Portaria 3214 do MTE, obriga-

se ao empregador quanto ao EPI: adquirir o tipo adequado à atividade do empregado; fornecer ao

empregado somente EPI aprovado e de empresas cadastradas; treinar o trabalhadores sobre seu uso

adequado; tornar obrigatório seu uso; substituí-lo imediatamente quando danificado ou extraviado;

responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica; comunicar-se ao MTE qualquer

irregularidade observada no EPI.

Ao empregado obriga-se, quanto ao EPI: usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;

responsabilizar-se por sua guarda e conservação; comunicar ao empregador qualquer alteração que o

torne impróprio para uso. O EPI, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser colocado à venda,

comercializado ou utilizado, quando possuir o CERTIFICADO DE APROVAÇÃO – CA, expedido pelo

Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, atendido o dispositivo no subitem 6.9.1. (item 6.5 da NR 06).

Todo EPI deverá apresentar, em caracteres indeléveis e bem visíveis, o nome comercial da empresa

fabricante ou importador, e o número do C.A.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
16

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, tem por objetivo a preservação da

saúde e da integridade dos trabalhadores. Para isso, utiliza-se de avaliações e análises das condições

ambientais das atividades nos postos de trabalho. No entanto, este documento não esgota todas as

situações de risco existentes na empresa, principalmente aqueles relacionados com acidentes. Pois

durante a coleta dos dados, podem acontecer omissões involuntárias.

Este Programa possui validade pré-determinada, enquanto forem mantidas as condições

existentes na empresa por ocasião da vistoria. Qualquer alteração que venha ocorrer na atividade exigirá

novas análises.

De acordo com a norma regulamentadora NR9, em seu item 9.1.2, do Ministério do trabalho e

Emprego, a responsabilidade pela implementação das ações do PPRA é do empregador.

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
17

7. RESPONSABILIDADE TÉCNICA

De acordo com a norma regulamentadora NR9, em seu item 9.1.2, do Ministério do Trabalho

e Emprego, a responsabilidade pela implementação das ações do PPRA é do empregador.

Os responsáveis pela emissão do presente trabalho assinam abaixo, e permanecem à

disposição da empresa para quaisquer esclarecimentos.

Florianópolis, 05 de julho de 2018.

Francisco Antônio Ferrante

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Orbenk
CREA/SC 50244-5

___________________

Valdir Neri França Junior - TST

Representante da Empresa Contratante

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
18

ANEXOS

8. ANEXOS

FIGURA.01 – QUANTIFICAÇÃO DO RUÍDO (GRÁFICO)

FIGURA 02 – DESCRIÇÃO FÍSICA (AMBIENTE)

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
19

FIGURAS 03- 07 (FISPQ’S DOS PRODUTOS UTILIZADOS NA LAVANDERIA)

FIGURA 03 - FISPQ

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
20

FIGURA 04 - FISPQ

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
21

FIGURA 05 - FISPQ

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
22

FIGURA 06 - FISPQ

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
23

FIGURA 07– FISPQ

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810
24

ANEXO - GLOSSÁRIO

• ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas.


• ACGIH-American Conference of Governmental Industrial Hygienists - Instituição Norte
Americana que define parâmetros quantitativos para avaliação de riscos contaminantes
ocupacionais.
• CA-Certificado de Aprovação.
• CLT-Consolidação das Leis do Trabalho.
• CREA-Conselho Regional de Engenharia e Agronomia.
• Decibel dB (A) - é a Unidade Dimensional para "medir" o ruído. A escala "A" é indicada para
avaliar a exposição a ruído ocupacional, pois é a que mais se aproxima da resposta do ouvido
humano.
• Decibel dB (C) - A escala "C" é indicada para avaliar a exposição a ruído de impacto ocupacional.
• DOSE-Quantidade % (percentual) indicando se a exposição ao ruído ultrapassa o limite de
tolerância. Dose superior a 1(um) significa superação do limite de tolerância.
• EPC-Equipamento de Proteção Coletiva.
• EPI-Equipamento de Proteção Individual. Ex: Luva, capacete, avental.
• FPA-Fator de Proteção Atribuído (mínimo admitido de uma proteção respiratória).
• FISPQ-Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos
• GHE-Grupo Homogêneo de Exposição
• HCA- Hidrocarbonetos Aromáticos
• IBUTG-Índice de Bulbo Úmido e Termômetro de Globo.
• LAVG-Nível equivalente - Traduz a "média" da exposição a ruído durante jornada de trabalho.
• LT- Limite de Tolerância.
• MTE-Ministério do Trabalho e Emprego.
• NA-Nível de Ação - valor da intensidade do agente a partir do qual se fazem necessárias
medidas preventivas.
• NAV-Não avaliado
• NBR-Norma Brasileira.
• ND- Não detectado.
• NHO-Norma de Higiene Ocupacional
• NIOSH-National Institute for Occupational Safety and Health.
• NR-Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho.
• NRR-Nível de Atenuação do Protetor Auditivo (testes com pessoas treinadas). NRRsf-Nível de
Atenuação do Protetor Auditivo (testes com não treinados).
• PFF-Peça facial filtrante (Respirador / Máscara)
• QMN-Queda mesmo nível
• SHE- Setor Homogêneo de Exposição

Francisco A. Ferrante
Eng° Segurança do Trabalho
CREA SC 50244-5
(48) 3281 1810

Você também pode gostar