Você está na página 1de 3

Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado

do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do


Estado do Rio de Janeiro

APX2 de Organização Regional do Brasil


Código da disciplina: EAD 14031 (Geografia)

Aluno: Daniel Moura de Paula, 18112140162, Niterói

Questão 1.
Observe as imagens e, posteriormente, leia atentamente o texto para, em seguida,
responder ao que se pede:

a) com base no conjunto de informações ofertadas, explique, tendo em vista os


impactos das atividades econômicas presentes na Floresta Amazônica, a
importância da demarcação de terras indígenas no Brasil.

A Amazônia é o maior complexo geoeconômico do país. A economia se movimenta


em atividades agropecuárias, extrativismo vegetal, mineração e indústria, com destaque
para a Zona Franca de Manaus. A extração de recursos desta grande floresta compromete
sua manutenção e continuidade. A importância da demarcação de terras indígenas no
Brasil se dá, pois estes grupos tradicionais alinham saberes tradicionais que contribuem
para a conservação do bioma e manutenção das funções ecológicas. A maneira destes
grupos viverem está ligada a floresta, tanto para consumo quanto para a conservação.
Além de ser uma política de afirmação para cuidar da cultura e estilo de vida indígena, as
demarcações ajudam na proteção do meio ambiente.

b) Cite dois impactos, uma social e outro ambiental, presentes na Amazônia.

Impacto ambiental: Poluição dos recursos hídricos por meio do garimpo.


Impacto social: Aumento da população, invasão de áreas indígenas, extinção de grupos
tradicionais.

Questão 2.
O rio São Francisco sempre desempenhou um papel relevante
no cenário da conquista do interior do Brasil. Em 1813, José
Hipólito da Costa, no jornal Correio Brasiliense, destacou em
seu artigo a importância da construção de uma cidade central
para a sede da Corte portuguesa, as margens do rio São
Francisco, que, em suas palavras, afirmou ser um sítio ameno,
fértil e regado por um rio navegável. Esta ideia foi retomada
por José Bonifácio, em 1823. Ao Velho Chico foi atribuido, a
partir de 1840, o papel de elemento unificador do pais, numa
iniciativa de escravocratas e políticos que lutavam pela
centralização monárquica, com apoio dos representantes
das províncias banhadas pelo São Francisco.

(Vanessa Maria Brasil. Um rio, uma nação. Nossa História, ano 2, n° 18,
2005. Adaptado.)

O Rio São Francisco, como o texto aponta, apresenta importância ímpar na história
desse país e ajuda a tecer considerações sobre a diversidade socioambiental do Brasil,
mais especificamente o nordeste brasileiro.

Mapa do Rio São Francisco


Explique como podemos entender a diversidade socioambiental do Nordeste
brasileiro e como o Rio São Francisco é fundamental para essa compreensão.

O Nordeste não pode ser classificado apenas como uma região de seca, fome e miséria.
Reduzir esta região somente nesta característica é desconhecer sua diversidade
socioambiental. Para compreender este complexo, devemos dividir a região em quatro
sub-regiões:

Zona da Mata: solo fértil devido a Mata Atlântica, maior densidade populacional,
exploração imobiliária, concentração dos principais centros urbanos nordestinos e
compreende uma pequena parcela do território.
Agreste: área de transição entre a Zona da Mata e o Sertão. Há regiões de planaltos. É
dividido entre solos férteis e escassos, por ser uma área de transição.
Sertão: Extensa área de clima semiárido, maior dificuldade econômica do nordeste
compreendendo o Polígono das Secas.
Meio-Norte: transição entre o sertão, Amazônia e cerrado. Região pouco desenvolida
economicamente onde ocorre também extrativismo vegetal.

O Rio São Francisco tem sua importância além de sua extensão. Este rio auxilia no
desenvolvimento no Polígono das Secas, já que é uma das únicas fontes de água desta
subregião. A obras da transposição deste rio tem o objetivo de ser uma das soluções para
os problemas enfrentados no seu entorno. O rio é importante também por ser navegável,
sustento para famílias, cultivo de frutas e geração de energia.