Você está na página 1de 1

Titulo:Caracterização do desempenho dosimétrico de um acelerador linear Código:

para IMRT
O uso de técnicas de tratamento como a Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) envolve normalmente a
utilização de um número elevado de segmentos de pequenas dimensões e poucas unidades monitoras (UM). Se o
funcionamento do acelerador linear não estiver ajustado e bem caracterizado para estas condições, poderão surgir
diferenças significativas entre a dose fornecida ao doente no acelerador e a dose calculada e aprovada pelo médico
no sistema computorizado de planeamento (TPS). De acordo com recomendações internacionais, o número mínimo
de UM a utilizar depende de acelerador para acelerador e deve ser determinado antes da implementação de técnicas
como a IMRT. Através do ajuste de parâmetros de funcionamento é normalmente possível optimizar o desempenho
dos aceleradores para estas condições.
O objectivo deste trabalho foi determinar as características de funcionamento de um acelerador linear em condições
semelhantes às de um tratamento de IMRT.
Foram criados vários campos de teste, com diferentes dimensões e número de UM variando entre 1 e 100.
Para avaliar a linearidade da dose em modo IMRT foram realizadas medidas com uma câmara de ionização do tipo
Farmer, num fantôma de água sólida. Os valores medidos foram normalizados para a dose obtida com 100 UM e o
erro relativo foi calculado. Foi também utilizada uma matriz de detecção 2D para, em modo contínuo, registar a
dose de saída do acelerador e avaliar a simetria e homogeneidade do feixe, durante o fornecimento dos vários
campos de teste.
Verificou-se que o erro na linearidade se torna superior a 2% para menos que 4 UM. Com a matriz 2D, observou-se
que existem patamares na dose de saída do acelerador na fase de arranque do feixe e que a completa estabilização
do só ocorre após alguns segundos. No caso da utilização de um número muito baixo de UM, o feixe é
interrompido antes de chegar à fase de estabilização e isso reflecte-se nas diferenças de dose observadas nas
medidas com a câmara de ionização. Os valores da simetria e homogeneidade ficaram dentro dos respectivos
intervalos de tolerância.
Os resultados obtidos estão de acordo com as especificações do acelerador linear e demonstram que este pode ser
utilizado para técnicas como a IMRT. Os parâmetros de cálculo no TPS devem ser ajustados para não permitirem a
utilização de um número de UM inferior ao determinado experimentalmente no acelerador. Esta caracterização
deve ser repetida regularmente para avaliar e corrigir desvios no desempenho do acelerador que possam afectar a
dose em técnicas como a IMRT.
Resumo de (por favor assinale 1): Comunicação Livre Poster
(CAMPO OBRIGATÓRIO – assinale apenas uma categoria):
Mama Cabeça e Pescoço Pulmão Cuidados Paliativos e Psicológicos
Ginecologia SNC Digestivo Física
Urologia Dermatologia Hematologia Outros
Nome do Autor: Ana Rita Figueira
Nome dos Co-Autores: Vera Batel, Ana Luísa Carvalho, Teresa Reis, Gabriela Pinto
Instituição: Serviço de Radioterapia - Hospital São João Telf.: 225512100