Você está na página 1de 1

Titulo: Implementação de Controlo de Qualidade para OBIe kV CBCT na Código:

rotina do Serviço de Radioterapia

A Radioterapia actual baseia-se em imagem, não só para posicionamento do doente em relação ao equipamernto de
tratamento como também rastreamento do alvo e estruturas críticas.
A radioterapia guiada por imagem (IGRT) permite verificar o movimento do volume alvo e outras estruturas e
assim redefinir a localização do tratamento. A implementação desta técnica na rotina viabiliza a redução de
margens no(s) alvo(s), implicando uma redução da irradiação dos tecidos saudáveis abrangentes.
A implementação de um controlo de qualidade (CQ) de imagem, com imagem portal (ou on-board imager – OBI)
e imagens de kV com tomografia computorizada de feixes cónicos (kV CBCT), permite a redução dos erros
sistemáticos e aleatórios viabilizando a gestão das variações geométricas do posicionamento do doente e do
movimento dos órgãos internos permitindo a redução das margens de planeamento nomeadamente do PTV. E o
mais importante: a implementação do CQ garante que os doentes são tratados no local certo.
O objectivo deste trabalho é determinar quais os testes que melhor abrangem as variáveis mais importantes para se
garantir que a imagem obtida de um objecto seja o mais próximo possível da imagem real. Para além disso,
apresenta-se a especificação das tolerâncias e frequência de execução.
Para a execução dos testes são utilizados: fantoma cúbico (cube phantom Varian), 2 placas de calibração (blade
calibration plate Varian), fantoma Leeds test objects TOR 18FG, e fantoma Catphan 504, Os testes seleccionados
foram baseados nas proposições do report Task Group 142 da AAPM e artigos relevantes. Como resultados
apresentamos: os testes diários que incluem o aquecimento do OBI/CBCT, detecção de colisão (tolerância:
funcional), alinhamento do isocentro kV/MV (tolerâncias: ≤ 1mm), e isocentro do OBI com movimentos da mesa
(tolerância ≤ 2 mm).
Os testes mensais constam de: precisão do isocentro sobre a rotação da gantry (tolerância < 1.5mm), coincidência
das coordenadas de tratamento e da imagem (tolerância ≤ 2mm).
Já os testes trimestrais incluem os testes de qualidade de imagem: reprodutibilidade Unidades de
Hounsfield(tolerância < ± 40 HU), resolução espacial (6 pares de linhas/cm(lp)/ cm), linearidade espacial num
corte < ± 0.1 cm, resolução de baixo contraste (tolerância é ≥ 15 discos); espessura de corte (diferença entre a
espessura selecionada e medida < 5 % da espessura seleccionada).
Concluí-se que os testes diários, mensais e trimestrais propostos podem garantir a confiabilidade e
reprodutibilidade do sistema OBI/CBCT. Estes testes permitem identificar défices de desempenho na utilização do
OBI e CBCT e na prática clínica podem ser realizados na frequência proposta.

Resumo de (por favor assinale 1): Comunicação Livre Poster


(CAMPO OBRIGATÓRIO – assinale apenas uma categoria):
Mama Cabeça e Pescoço Pulmão Cuidados Paliativos e Psicológicos
Ginecologia SNC Digestivo Física
Urologia Dermatologia Hematologia Outros
Nome do Autor: Ana Sofia Oliveira Pinheiro
Nome dos Co-Autores: Jorge Faria; Maria Esmeralda Poli
Instituição: Instituto Portugês de Oncologia de Lisboa Telf.: 217200490
Francisco Gentil