Você está na página 1de 21

CAPITULO 60

APLICATIVO FORD.

CFI - EEC IV.

MONOPONTO.

FIESTA IMPORTADO.

COMO FUNCIONA O SISTEMA FIC - EEC - IV MONOPONTO FIESTA IMPORTADO.


Este sistema é digital com única válvula injetora de combustivel para todos
cilindros. (MONOPONTO).

Este sistema conta com um computador digital que determina a quantidade de ar


admitida pelo motor em função da rotação e da densidade do ar, calculada pela
pressão absoluta e temperatura do ar.

 corpo de borboleta substitui o carburador tradicional. Possui uma única


válvula injetora (MONOPONTO) fica no corpo da borboleta fixado no coletor
de admissão. Possui um computador central chamado CENTRALINA que
recebe e analisa informações vinda de vários sensores distribuídos pelo
carro, processa e retorna o comando de controle de diversos atuadores, isto
mantém o motor funcionando em ótimas condições de consumo e
poluentes, adequando a mistura ar combustivel.


ESTE SISTEMA NÃO POSSUI AUTO DIAGNOSE: Quando por ventura
apresentar defeito em algum sensor ou atuador.
 Os defeitos apresentados ficam armazenados na memória da centralina
para posterior verificação com equipamentos adequados tais como
SCANNERS, ou pelo código de falhas.
 Este sistema de injeção possui atualização de parâmetros, permitindo a
correção automática dos principais parâmetros tais como avanço, marcha
lenta, tempo de injeção etc...Devido á diversos fatores tais como,
envelhecimento do motor, qualidade de combustivel etc...

 A centralina utiliza as seguintes leituras.


 Temperatura da água.
 Pressão do coletor de admissão.
 Sonda lambda.
 Temperatura do ar.
 Velocidade do veiculo.
 Rotação do motor - através do sinal do distribuidor.
 Posição da borboleta do acelerador.
 Interruptor do ar condicionado.
 Interruptor da pressão da direção hidráulica.

A CENTRALINA É O CORAÇÃO DO SISTEMA.

É um computador que controla:

1 - Bomba de combustivel.

2 - Relé para plena potência só com veículos com ar condicionado.

3 - Taxa ar combustivel e quantidade de mistura, através da valvula injetora.

4 - Marcha lenta, através do motor de passo.

5 - Válvula de canister.

6 - Ignição e angulo de avanço da faisca.

Se a centralina falhar, a quantidade de combustivel injetado eo avanço da ignição


passam a ser controlados pela OPERAÇÃO DE EMERGENCIA, que permitirá que o
veiculo seja conduzido até a oficina.

Se um dos sensores falhar, a centralina assume valores e padrões que se


encontram armazenados como parte da OPERAÇÃO DE EMERGENCIA.

Para saber se o veiculo estiver em OPERAÇÃO DE EMERGENCIA, basta notar se a


bomba de combustivel fica ligada continuamente com a chave ligada e motor
desligado.

TESTES PELOS CÓDIGOS DE FALHAS

Este sistema possui dois tipos de teste para achar o código de falhas.

 TESTE ESTÁTICO (motor desligado).


 TESTE DINÂMICO (motor ligado).
 No teste estático existem dois testes os dos defeitos presentes e dos
defeitos passados.
 No teste dinâmico um único teste as dos defeitos presentes.
 Obs. neste mesmo capitulo vamos verificar como se faz estes testes e a
lista do códigos de falhas

COMO CONSIGUIR O CÓDIGO DE FALHAS.

 O código de falha pode ser obtidos com o uso de uma lâmpada adequada,
corretamente ligada ao conector de diagnósticos chamado (ALDL)
mostrados nas gravuras acima e abaixo. Os códigos de falhas são emitidos
através de piscadas da lâmpada, enviando um código de cada vez e do
menor para o maior. Todos os códigos são de dois dígitos pôr exemplo ( 21,
13.)
 Assim para cada código a lâmpada dá o primeiro digito depois o segundo.
Cada digito é representado pelo numero de piscadas da lâmpada, na
quantidade equivalente ao digito - pôr exemplo o digito "3" é representado
pôr três piscadas da lâmpada.
 As piscadas de cada digito são piscadas rápidas cerca de meio segundo
cada piscada., com intervalo de meio segundo entre cada uma. Entre um
digito e outro há uma curta pausa de 2 segundos e entre um código e outro
há uma pausa de 4 segundos.
 Após emitir todos códigos há uma pausa depois repete tudo novamente
mais uma vez..

Modelo do Conector ALDL e como se faz o JUMP


OS NOVE PASSOS PARA REALIZAR O TESTE ESTATICO - MOTOR DESLIGADO.

1 - Ligar a ignição sem dar a partida.

2 - Ligar a lâmpada de prova de diagnostico no terminal; 17 e no positivo da


bateria.

3 - Fazer um JUMP entre o terminal 48 e o 46 do conector de diagnóstico - neste


instante a lâmpada dará uma piscada isolada, indicando que a emissão dos
códigos de defeito da memória presente vai se iniciar dentro de alguns segundos.

4 - Decorridos alguns segundos da primeira piscada a centralina vai mandar a


seqüência dos códigos de defeitos da memória.

5 - A centralina repete a seqüência de códigos mais uma vez.

6 - Após a segunda vez , a centralina dará uma pausa de nove segundos e emitirá
uma piscada isolada, indicando que a emissão dos códigos de defeitos da
memória passada vai se iniciar dentro de 5 segundos.

7 - Passados cinco segundos a centralina começa a emitir seqüência dos códigos


de defeito da memória passada.

8 - A centralina repete a seqüência de códigos de defeitos mais uma vez, e finaliza


o teste estática

9 - Após corrigir todos defeitos, é importante que a memória de defeitos passados


seja apagada. Para apaga-la, basta iniciar o teste estático novamente e assim que
a lâmpada piscar pela primeira vez, retire o JUMP entre os terminais 46 e 48. Neste
momento a memória será apagada.

OS SETE PASSOS PARA REALIZAR O TESTE DINÂMICO - MOTOR FUNCIONANDO.

1 - Ligar o motor deixar funcionar até alcançar a temperatura normal.

2 - Interligar a lâmpada de diagnósticos no positivo da bateria ao terminal 17 do


ALDL.

3 - Fechar o circuito ou fazer um Jump entre os terminais do ALDL - Conector de


diagnósticos, neste momento a lâmpada dará 2 piscadas rápidas, indicando que a
emissão dos códigos de falhas na memória presente com motor funcionando, vai
iniciar dentro poucos segundos.

4 - Logo no inicio do teste dinâmico - a rotação do motor vai oscilar varias vexes
durante 25 e 45 segundos.

5 - Quando parar de oscilar a rotação, a lâmpada dará uma picada isolada -


rapidamente pisar no acelerador de uma só vez até o final do curso do pedal.
Neste momento, a rotação do motor vai subir e o motor poderá morrer. (isto é
normal).

6 - Neste exato momento a centralina começará mandar os códigos de falhas na


memória presente.

7 - A centralina repete a seqüência de códigos de falhas mais uma vez e termina o


teste DINÂMICO
TESTES RÁPIDOS QUANDO MOTOR NÃO FUNCIONAR.

OS CINCO PASSOS A SEGUIR.

1 - Verifique se há centelha durante a partida com um centelhador faça o teste para


todos cilindro.

2 - Verifique se as válvula injetora está injetando combustível.

3 - Se houver centelha e não houver injeção. Testar o sistema de injeção de


combustivel.

4 - Se não houver centelha e houver injeção. Testar o sistema de Ignição.

5 - Se não houver centelha nem injeção - Testar relés, distribuidor, fuziveis, fiação
e conexões.

COMO FUCIONA O SISTEMA DE IGNIÇÃO.

Este é um sistema de ignição mapeada, com distribuição de tensão de ignição por


distribuidor. No sistema FIC EEC IV, a ignição e o tempo de injeção são
controlados pelo mesmo processador da Centralina.

 O angulo de permanência e o avanço da ignição pré determinados pelo


processador que utiliza os seguintes referenciais.
 Rotação do motor.
 Pressão no coletor de Admissão.
 Sonda lambda.
 Posição da borboleta.
 Temperatura do ar.
 Temperatura da água.

LISTA DE CÓDIGO DE FALHAS.


CÓD LEITURA TESTAR OS COMPONENTES

11 Sistema ok.

13 Temp. da água fora da faixa Sensor da temperatura da água (ECT).

14 Temp. do ar fora da faixa. Sensor da temperatura do ar (ACT).

15 Posição da borboleta fora da Sensor da borboleta , alimentação da


faixa unidade CFI.

17 Pressão no coletor fora da faixa . MAP.

18 Tensão da bateria baixa .

19 Falha na mesma KAM . do Unidade CFI.


módulo.

21 Sinal da ignição irregular . EDIS.

23 Temp. da água abaixo da faixa


(ERT).

24 Temp. do ar abaixo da faixa


(ACT).

25 Posição da borboleta acima da TPS


faixa .

27 Pressão do coletor acima da MAP


faixa .

28 Sonda lambda indicada mistura Sonda lambda , alimentação da


rica . unidade CFI.

31 Falha na memória da EMC.

33 Temp. da água acima da faixa .


(ECT)

34 Temp. do ar acima da faixa .


(ACT)

35 Posição da borboleta abaixo da TPS


faixa .

37 Pressão no coletor abaixo da MAP


faixa .

38 Sonda lambda indicada mistura Sonda lambda , alimentação da


pobre unidade CFI.

42 Insuficiente depressão durante MAP


DYN. RES.

43 DYN RESP. não executa. Dinâmico (repetir) , sensor da


borboleta .

45 Falha no sensor de velocidade


(VSS)

48 Falha no controle de marcha-


lenta

53 Contato (1) do índice de octanas


ligado à massa

54 Contato (2) do índice de octanas


ligado à massa.

55 Interruptor de mínima ligado a


massa .

57 Aceleração muito rápida na TPS


RESP. DYN.

58 Falha no sincronismo dos sinais Sensor de rotação .


PIP/SPOUT

73 Falha no sistema canister . Válvula do canister

74 Falha no circuito da bomba Relé da bomba , bomba

78 Direção hidráulica não aciona


(PSPS)

Localização do interruptor inercial


Coluna lateral a direita do caroneiro

FALHAS PELO SINTOMA DO FORD FIESTA IMPORTADO.

ERROS TESTANDO

MOTOR NÃO PEGA 1 . Filtro da ar e sua tubulação (obstrução ) .

2 . Tubulação de escape (obstrução ) .

3 . Sistema de alimentação de combustivel.

4 . Alimentação da unidade CFI.

5 . Carga da bateria

6 . Sistema de ignição ( bobina , EDIS , Sensor de


Rotação , etc.)

7 . Fusíveis e relés do sistema de injeção e da


bomba .

MOTOR DIFÍCIL DE 1 . Sensor de temperatura da ar .


PEGAR
2 . Sensor de temperatura de água .

3 . Sistema de ignição

4 . Sistema de alimentação de combustível

5 . Carga da bateria.

6 . Sistema de ignição ( bobina , EDIS , sensor de


rotação , etc. )

7 . Fusível e relés do sistema de injeção e da


bomba .

MARCHA-LENTA 1 . Sonda lambda


IRREGULAR
2 . Sensor de temperatura de ar

3 . Sensor de temperatura de água .


4 . Sistema de alimentação de combustível .

5 . MAP

6 . Corretor da marcha-lenta (motor de passo )

7 . Entrada falsa de ar no coletor de admissão .


(estanqueidade).

MARCHA LENTA MUITO 1 . Carga da bateria


ALTA
2 . Sensor de temperatura do ar .

3 . Sensor de temperatura de água .

4 . Corretor da marcha-lenta (motor de passo )

FALTA DE POTÊNCIA NO 1 . Alimentação da unidade CFI.


MOTOR
2 . MAP

3 . Sistema de alimentação de combustível .

4 . Sistema de ignição

5 . Carga da bateria

6 . Tubulação de escape (obstrução)

7 . Filtro de ar e sua tubulação (obstrução).

MOTOR FALHANDO 1 . Map

2 . Válvula injetora

3 . Sistema de alimentação de combustível

4 . Carga da bateria .

5 . Sistema de ignição.

CONSUMO EXCESSIVO 1 . Alimentação da unidade CFI.


DE COMBUSTÍVEL
2 . Sonda lambda .

3 . Sensor de temperatura do ar .

4 . Sensor de temperatura de água

5 . Sistema de alimentação de combustível

6 . Carga da bateria .

7 . Tubulação de escape (obstrução )

8 . Filtro de ar e sua tubulação (obstrução ).


MEDIDAS DO SISTEMA.
Bobinas de ignição.

Resistencia do primário................................................................................0,7 

Resistencia do secundário..........................................................................1,6 

Sensor de Temperatura de água.

Tensão de alimentação...............................................................................5V ± 5%

Resistência a temperatura ambiente.............................................30 K ± 5 K

Sensor de temperatura do ar.

Tensão de alimentação...........................................................................5V ± 5%.

Resistência á temperatura ambiente................................................3,0 K ± 0,5 K

Sensor da posição da borboleta.

Tensão de Alimentação.................................................................................5V ± 5%.

Atuador de marcha lenta.

Resistência do enrolamento....................................................................... 50 a 80O .

Sensor de pressão Absoluta

Tensão de alimentação..............................................................................5V ± 5%

Faixa de freqüência de operação......................................................80,9 a 162,4 Hz.

Válvula injetora.

Resistência do enrolamento.................................................................1,0 a 3,0 

Eletroválvula do canister

Resistência do enrolamento.................................................................50 a
120 
ESQUEMA ELÉTRICO DO FIESTA IMPORTADO
A . COMO TESTAR SENSORES
1-COMO TESTAR SOMDA LAMBDA

TESTANDO

1- Motor funcionando, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 37/57 fio


(preto/vermelho)> Deve ter positivo (+) 12V.

2- Coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 60> Deve apresentar


negativo (-).

3- Coloque o gafanhoto no fio que vai até o pino 29 da unidade CFI fio
(azul/branco), coloque o MULTITESTE DIGITAL no modo voltímetro, dê partida
no motor e espere aquecer. Acelere o motor várias vezes> A tensão deve
oscilar entre 0,2 e 0,8V.

2-COMO TESTAR SENSOR DA TEMPERATURA DA ÁGUA

TESTANDO

1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao


pino 46 fio (marrom) do sensor> Deve ter massa (-)

2- Ignição ligada, motor parado, coloque o gafanhoto com a ponta (verde) do


MUTITESTE DIGITAL no modo voltímetro no fio ligado ao pino 7 fio
(marrom/vermelho) do sensor> deve estar de acordo com a dados abaixo .A
temperatura normal de funcionamento motor quente fica entre 80°C e 100°C.

Dados valores aproximados

Temperatura °C 100 80 50 20
Tensão V 0,47 0,8 1,74 3,1

Resistência K 2,0 4,0 11,00 37,00

3-COMO TESTAR SENSOR DA TEMPERATURA DO AR

TESTANDO

1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao


pino 46 fio (marrom) do sensor> Deve ter massa (-)

2- Ignição ligada, motor parado, coloque o gafanhoto com a ponta (verde) do


MUTITESTE DIGITAL no modo voltímetro no fio ligado ao pino 25 fio
(marrom/amarelo) do sensor> deve estar de acordo com a dados abaixo .A
temperatura normal de funcionamento motor quente fica entre 40°C e 60°C.

Dados valores aproximados

Temperatura 80 60 40 20
°C

Tensão V 0,66 1,3 2,0 3,0

Resistência 3000- 7100- 15000- 35000-


 4500 8500 18000 15000- 40000 35000-
18000 40000

4-COMO TESTAR SENSOR DA BORBOLETA DO ACELERADOR

TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao
terminal 46 fio (marrom)> Deve ter massa (-).

2- Ignição ligada, motor parado, coloque o gafanhoto com a ponta (verde) do


MULTITESTE DIGITAL no fio ligado ao terminal 26 fio (marrom/preto) e ligue
no modo voltímetro> Deve ter aproximadamente 5V.

3- Ignição ligada motor parado, coloque o gafanhoto com a ponta (verde)


MULTITESTE DIGITAL no fio ligado ao terminal 47 e ligue no modo voltimetro>
Deve estar de acordo com os dados na próxima pagina.

Dados

Posição da Borboleta Resistência


Pino 26 e 46 fechada 355 a 550
Pino 47 e 46 fechada 2,3 a 2,0 M
Pino 47 e 26 fechada 3,5 a 5,5 M

Posição da borboleta

Borboleta fechada 0,5 a 1,0V

½ borboleta 2 a 3V

Borboleta totalmente aberta 4 a 5V

5-COMO TESTAR SENSOR DA PRESSÃO NO COLETOR-MAP

TESTANDO

1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao


terminal 46 fio (marrom/preto)> Deve ter negativo (-).

2- Ignição ligada, motor parado, coloque o gafanhoto com a PONTA DE


PROVA(verde) do MULTITESTE DIGITAL no modo voltímetro no fio ligado ao
terminal 26 fio (marrom) e > Deve ter aproximadamente 5,0V.

3- Na mesma situação anterior, o MULTITESTE DIGITAL no modo de leitura RPM


(x10 e 4cil.). Coloque a BOMBA DE VÁCUO no sensor> A resposta do sensor deve
estar de acordo com a dados abaixo. Observação: Estes dados poderá ter pequena
diferença nos valores, dependentes da pressão atmosférica local.
Dados

Vácuo mmHg 0 100 200 300 400 500

RPM X 10 450 425 396 360 335 305

Freqüência Hz 150 136 125 115 105 97

6-COMO TESTAR SENSOR DE VELOCIDADE

Este sensor informa à unidade CFI a velocidade do veículo

TESTANDO

1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao


pino 37/57 fio (preto)> Deve ter positivo (+).

2- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio


(marrom)>ligado ao terminal do sensor>Deve apresentar negativo (-).

3- ignição ligada, motor pardo, coloque a PONTA DE PROVA no


fio(marrom/branco) ligado ao pino 4. Levante o veículo com um macaco pelo
lado esquerdo e gire a roda esquerda com a mão>O led vermelho (+) deve
piscar.

7-COMO TESTAR SENSOR DE ROTAÇÃO


TESTANDO

1- Ligue o MULTITESTE DIGITAL no modo ohmimetro, desconecte o conector,


meça a resistência do sensor> 280 a 315·.

B COMO TESTAR ATUADORES

8-COMO TESTAR BOMBA DE COMBUSTÍVEL

A alimentação elétrica da bomba de combustível é feita pelo relé da bomba de


combustível. Quando a chave de ignição é acionada, mesmo sem ligar o motor, a
bomba de combustível é colocada em funcionamento por algumas segundos, para
pressurizar o sistema. Se não houver sinal de rotação motor pardo, a unidade CFI
desligará o relé permanecerá chaveado pelo unidade CFI, mantendo a bomba de
combustível em funcionamento.

Antes de iniciar os testes, verifique

 carga, cabos e conexões da bateria


 se o filtro de combustível está em boas condições
 se não há vazamentos na tubulação de combustivel
 se há combustível no tanque

Teste da bomba deve verificar

 se a bomba está com vazão adequada


 se a bomba está pressurizando o combustível
 se a bomba está funcionado

9- COMO FAZER VERIFICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA BOMBA

Ao ligar a chave de ignição, sem dar partida no motor, pode ocorrer uma destas
situações:

 Funcionamento normal> o ruído de funcionamento da bomba é perceptível r


de curta duração
 Bomba não funciona
 Bomba funciona continuamente

Bomba não funciona


TESTANDO

1- Retire o conector que alimenta a bomba, coloque a PONTA DE PROVA no conector


e dê partida no motor> Deve apresentar positivo (+) durante a partida.

2- Verifique o aterramento da bomba> Pode estar com mau contato.

Bomba funciona continuamente

TESTANDO

1- Testar o relé da bomba de combustível>Possível defeito.

10-COMO TESTAR PRESSÃO DA BOMBA DE COMBUSTÍVEL

Antes de iniciar este teste, é preciso despressurizar o sistema de combustível>


retire o fusível da bomba, dê partida no motor e espere o motor (morrer).

TESTANDO

1. Despressurize o sistema e instale o manômetro, com a válvula aberta,


na entrada de combustível do corpo de borboleta comforme desenho e
ligue a bomba de combustível. Procedimento para ligar a bomba: de
partida, motor funcionando, leia o manômetro> deve indicar uma
pressão entre 0,9 a 1,5bar motor funcionando em marcha-lenta.

Feche lentamente a válvula, > Deve indicar de 3 a 6 bar pressão máxima. Se a


pressão subir muito, a válvula de segurança da bomba pode abrir e
despressurizar o sistema.

11-COMO TESTAR CORRETOR DA ROTAÇÃO DA MARCHA-LENTA


(MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA)

TESTANDO

1- Ignição ligada, motor parado, coloque a PONTA DE PROVA nos fios ligados
aos terminais 18 e 20 da ECM com pedal do acelerador levemente
repousado>massa (-) e cm o pedal do acelerador pressionado terminal 18> os
dois led`s acendem

2- Motor funcionando, MULTITESTE DIGITAL ligado ao terminal 21 acelere


várias vezes> tensão varia 0,2 a 1,2V

3- Retire o conector do motor CC, meça sua resistência> 8 a 10·.

12-COMO TESTAR VÁVULA INJETORA

TESTANDO

1- Retire o conjunto do filtro de ar, Ignição ligada, motor parado, observe a válvula
injetora dentro do corpo de borboleta > Não deve gotejar

2- Coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 37/57 fio (azul) da válvula
injetora> Durante a partida deve ter positivo (+)

3- Coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 59 fio (verde) da válvula


injetora ou pino 59 da unidade CFI e dê a partida no motor> Os leds deverão piscar
enquanto o motor estiver girando.

4- Medir a resistência do pré-resistor> Deve estar entre 5,5 à 8,0·.


13-COMO TESTAR VÁVULA DO CANISTER

TESTANDO

1- Motor funcionado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal


37/57 da unidade CFI fio (preto)> deve ter positivo (+).

2- Motor funcionando, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal


35 da unidade CFI (fio marrom/branco), acelere o motor várias vezes> Deve
apresentar negativo (-) em alguns momentos.

3- Desconecte o conector. Com o MULTITESTE DIGITAL ligado aos terminais


35 e 37/57 e meça a resistência> Deve ter resistência de 50 a 120  .

Periodicamente verifique as condições da mangueira que leva os gases do


canister ao corpo de borboletas. Vazamento, sujeira ou entupimento podem
provocar irregularidade no funcionamento

14-COMO TESTAR BOBINA DE IGNIÇÃO

TESTANDO

1- Coloque o centelhador nas saídas da bobina- uma de cada vez. Dê a


partida no motor > centelhador forte minimo 2 cm durante a partida

2- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 8 da


EDIS-4> Positivo (+).

3- Motor funcionando ou durante a partida, PONTA DE PROVA nos fios


ligados aos pinos 10 e 12 da EDIS-4> led verde deve piscar.
4- Ignição desligada, conector solto MULTITESTE DIGITAL, modo
ohmimetro, medir a resistência dos secundários das bobinas> de 14 a 17K

15-COMO TESTAR MÓDULO DE IGNIÇÃO

TESTANDO

1- Ignição ligada motor parado PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal


2,4,7e9 do módulo de ignição>negtivo (-).

2- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 8 do


módulo de ignição> positivo (+).

3- Motor funcionando, marcha lenta MULTITESTE DIGITAL ligado ao terminal 1


do módulo de ignição>Tensão oscila 4,5 a 7,5V em marcha lenta.

4- Motor funcionado, marcha-lenta MULTITESTE DIGITAL modo voltímetro ao


terminal 3 do módulo de ignição> Tensão oscila 0,2 a 1,3V em marcha-lenta.

5- Motor funcionando ou durante a partida, PONTA DE PROVA no fio ligado ao


pino 10 e 12 do módulo de ignição> led (verde) deve piscar.

16-Como testar relé do sistema de injeção


TESTANDO

1- Ignição desligada, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 30 do


relé do sistema de injeção fio (vermelho)> Deve apresentar positivo (+).

2- Ignição ligada e o motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado


ao pino 86 do relé fio (preto)>deve apresentar positivo (+).

3- Ignição ligada e o motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado


ao pino 85 do relé fio (preto)>deve apresentar negativo (-).

4- Ignição ligada e o motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado


ao pino 87 do relé fio (preto)>deve apresentar positivo (+).

17-COMO TESTAR RELÉ DA BOMBA DE COMBUSTÍVEL

TESTANDO

1- Ignição desligada, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 30 do relé


do sistema de injeção fio (vermelho)> Deve apresentar positivo (+).

2- Ignição ligada e o motor parado, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao


pino 86 do relé fio (preto)>deve apresentar positivo (+).

3- Durante a partida , coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 87 do relé


fio (preto/vermelho)>deve apresentar positivo (+).

4- Durante a partida, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 85 do relé


fio (marrom)>deve apresentar negativo (-).

D . COMO TESTAR UNIDADE DE COMANDO

18-COMO TESTAR ALIMENTAÇÃO DA UNIDADE CFI


TESTANDO

1- Ignição desligada, coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao pino 1 do


conector da unidade CFI fio (vermelho)>Deve apresentar positivo (+).

2- Ignição ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA nos fios ligados aos
pinos 5,37 e 57 do conector da unidade CFI fios (preto)>Deve apresentar positivo
(+).

3- Ignição ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA nos fios ligados aos
pinos 16,20,40 e 60 do conector da unidade CFI fios (marrom)>Deve apresentar
negativo (-).