Você está na página 1de 8

-PÚBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

CONTEC
Comissão de Normalização
Técnica
Investigação Geotecnológica
SC-04
Construção Civil
Revalidação

Revalidada em 05/2011.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

INVESTIGAÇÃO GEOTECNOLÓGICA

Procedimento
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.
Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do
texto desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o
responsável pela adoção e aplicação dos seus itens.

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que


CONTEC deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma
eventual resolução de não segui-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve
Comissão de Normas ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo
Técnicas Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:
“dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições


previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de
alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da
PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:
“recomendar”, “poder”, “sugerir” e “aconselhar” (verbos de caráter
não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].
Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam
contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a
SC - 04 CONTEC - Subcomissão Autora.

Construção Civil
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC -
Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o
item a ser revisado, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica.
As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma.

“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO


S.A. – PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho
- GTs (formados por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelas
Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SCs
(formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e
as suas Subsidiárias) e homologadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das
Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a
revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para
ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em
conformidade com a norma PETROBRAS N - 1. Para informações completas sobre as Normas
Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 6 páginas e Índice de Revisão


-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

PREFÁCIO

Esta Norma PETROBRAS N-845 REV. E MAI/2005 é a Revalidação da norma


PETROBRAS N-845 REV. D ABR/99, não tendo sido alterado o seu conteúdo.

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma fixa as condições que devem ser observadas na execução de investigações
geotécnicas, tais como: sondagens a trado, à percussão, rotativas, mista, ensaios “in situ” e
de laboratório.

1.2 Esta Norma se aplica para investigações geológicas/geotécnicas com vistas a obter
informações para projetos e obras de engenharia civil.

1.3 Esta Norma se aplica a procedimentos iniciados a partir da data de sua edição.

1.4 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir são citados no texto e contêm prescrições válidas


para a presente Norma.

DNER IE-005/94 - Solos - Adensamento;


ABNT NBR 6459 - Solo - Determinação do Limite de Liquidez;
ABNT NBR 6484 - Execução de Sondagens de Simples Reconhecimento
dos Solos;
ABNT NBR 7180 - Solo - Determinação do Limite de Plasticidade;
ABNT NBR 7181 - Solo - Análise Granulométrica;
ABNT NBR 9603 - Sondagem a Trado;
ABNT NBR 9604 - Abertura de Poço e Trincheira de Inspeção em Solo,
com Retirada de Amostras Deformadas e
Indeformadas;
ABNT NBR 9820 - Coleta de Amostras Indeformadas de Solos de Baixa
Consistência em Furos de Sondagem;
ABNT NBR 12069 - Solo - Ensaio de Penetração de Cone “in situ” (CPT);
ASTM D 854 - Standard Test Method for Specific Gravity of Soils;
ASTM D 2166 - Standard Test Method for Unconfined Compressive
Strength of Cohesive Soil;
ASTM D 2573 - Standard Test Method for Field Vane Shear Test in
Cohesive Soil;
ASTM D 2850 - Standard Test Method for Unconsolidated, Undrained
Triaxial Compression Strength Test on Cohesive Soils.

3 CONDIÇÕES GERAIS

No sentido de garantir a confiabilidade dos resultados obtidos, devem ser observadas as


condições de execução das investigações geotecnológicas descritas nos itens 3.1 a 3.4.

2
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

3.1 Os equipamentos e acessórios devem ser os adequados e estar em perfeitas condições


operacionais, calibrados e aferidos por órgãos reconhecidos pela PETROBRAS.

3.2 As equipes de operação devem apresentar qualificação e experiência necessárias à


execução dos serviços.

3.3 Em qualquer tipo de sondagem, o diâmetro final da perfuração deve atender ao objetivo
da investigação.

3.4 Devem ser respeitadas e asseguradas as condições de segurança necessárias à


proteção individual e do meio ambiente.

4 TIPOS DE INVESTIGAÇÃO

4.1 Sondagem a Trado (ST)

Para o conhecimento das camadas superficiais do solo através de extração de amostras


representativas, deve ser realizada a sondagem a trado, observando-se a metodologia
estabelecida na norma ABNT NBR 9603.

4.2 Sondagem a Percussão (SP)

4.2.1 Aplicação adequada quando se pretende obter índices de resistência à penetração das
camadas de um solo e coleta de amostras.

4.2.2 Deve ser realizado o ensaio de penetração padrão (SPT - “Standard Penetration Test”),
observando-se a metodologia estabelecida na norma ABNT NBR 6484.

4.3 Sondagem Rotativa (SR)

Aplicação adequada quando o material a ser investigado for impenetrável à sondagem a


percussão.

4.3.1 As sondagens rotativas devem ser realizadas adotando-se metodologia e


equipamentos de perfuração e respectivos acessórios de acordo com os critérios
estabelecidos pela PETROBRAS, com base na geologia local e na finalidade das
investigações.

4.3.2 Devem ser usados os diâmetros-padrão designados descrito na TABELA 1.

3
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

TABELA 1 - DIÂMETROS-PADRÃO

Denominação Diâmetro do Furo Diâmetro do Testemunho


AX (W, WL) 51 mm (2”) 30 mm (1 1/8”)
BX (W, WL) 64 mm (2 1/2”) 41 mm (1 5/8”)
NX (W, WL) 76 mm (3”) 54 mm (2 1/8”)
HX (W, WL) 102 mm (4”) 76 mm (3”)

Nota: Em casos especiais, podem ser utilizados outros diâmetros, desde que aprovados
pela PETROBRAS.

4.3.3 Nas amostras oriundas de cada manobra de barriletes, devem ser observadas a
qualidade da rocha (RQD - “Rock Quality Designation”), a percentagem de recuperação do
testemunho e o grau de sanidade da rocha.

4.3.4 A critério da PETROBRAS, em função dos resultados parciais, podem ser alteradas
as séries e tamanhos de barriletes, bem como os intervalos de amostragens, manobras e
profundidade final.

4.4 Sondagem Mista (SM)

Aplicação adequada nos casos em que as características do terreno a ser investigado


requeiram o uso de equipamento de sondagem a percussão e rotativa, alternadamente, a
fim de se atingir o objetivo da investigação.

4.5 Ensaios “In Situ”

Para complementar as informações obtidas em sondagens convencionais (ST, SP, SR, SM),
especialmente quanto à avaliação das características e propriedades geomecânicas das
diversas camadas de solo investigadas, devem ser realizados ensaios “in situ”.

4.5.1 Ensaio de Penetração de Cone (EPC)

4.5.1.1 Aplicação adequada quando se deseja medir a resistência oferecida pelo terreno
através da cravação, quase estática, de um cone-padrão. O ensaio de penetração de cone
(EPC) deve ser executado segundo a metodologia estabelecida na norma ABNT
NBR 12069.

4.5.1.2 A capacidade mínima de reação à penetração do equipamento deve ser de 100 KN.

4.5.2 Ensaio de Palheta (“Vane Test”)

4.5.2.1 Aplicação adequada quando se deseja avaliar a resistência ao cisalhamento, não


drenado, de solos argilosos, especialmente daqueles de características compressíveis.

4
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

4.5.2.2 O ensaio de palheta (“Vane Test”) deve ser executado segundo metodologia
estabelecida na norma ASTM D 2573.

4.6 Extração de Amostras Indeformadas

4.6.1 Para a caracterização simples, e para a obtenção dos parâmetros de resistência ao


cisalhamento e compressibilidade do solo, deve ser realizada a extração de amostras
indeformadas.

4.6.2 A metodologia para extração de amostras indeformadas de superfície e de amostras


indeformadas de profundidade deve estar de acordo com as normas ABNT NBR 9820 e
NBR 9604, respectivamente.

4.7 Ensaios de Laboratório

4.7.1 As amostras amolgadas representativas, obtidas a partir das sondagens


convencionais, podem ser utilizadas para realização dos seguintes ensaios de laboratório:
[Prática Recomendada]

a) granulometria (conforme norma ABNT NBR 7181);


b) limites de liquidez e plasticidade (conforme normas ABNT NBR 6459 e
NBR 7180);
c) peso específico (conforme norma ASTM D 854);
d) teor de umidade (conforme norma ABNT NBR 7180).

4.7.2 As amostras indeformadas podem ser utilizadas para realização dos seguintes
ensaios de laboratório: [Prática Recomendada]

a) compressão simples (conforme norma ASTM D 2166);


b) adensamento (conforme norma DNER IE-005/94);
c) cisalhamento direto (conforme norma ASTM D 2166);
d) triaxial (conforme norma ASTM D 2850).

5 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

5.1 Os resultados das sondagens a trado e a percussão devem ser apresentados


obedecendo aos critérios prescritos nas normas ABNT NBR 6484 e NBR 9603,
respectivamente.

5.2 Nas sondagens rotativas e mistas, além do prescrito no item 5.1, devem ser fornecidas
as seguintes informações:

a) diâmetro das sondagens e tipos de barriletes, coroas, calibradores e sapatas


utilizados;
b) recuperação dos testemunhos em porcentagem por manobra e valor do RQD
(ver item 4.3.3);
c) classificação litológica dos testemunhos;

5
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

d) estado da alteração das rochas;


e) grau de fraturamento das rochas;
f) número de fragmentos dos testemunhos por metro;
g) orientação dos testemunhos (quando necessário);
h) anotação das cotas de ocorrência de perda de circulação.

5.3 Na realização de investigações geotécnicas através de EPC, Ensaio de Palheta e


extração de amostras indeformadas de profundidade, os relatórios devem estar de acordo
com as normas ABNT NBR 12069, ASTM D 2573 e ABNT NBR 9820, respectivamente.

_____________

6
-PUBLICO-

N-845 REV. E MAI / 2005

ÍNDICE DE REVISÕES

REV. A, B, C e D
Não existe índice de revisões

REV. E
Partes Atingidas
Revalidação

_____________

IR 1/1