Você está na página 1de 4

BLOCO TEMÁTICO 3

TEORÍA E PRAXIS: A ANÁLISE FORMAL NA PRODUÇÃO VISUAL

2. Análise das componentes estéticas, artísticas e temáticas de uma obra de arte

A CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO NAS ARTES VISUAIS E A


NECESSIDADE DA APLICAÇÃO DO CONHECIMENTO ASSOCIADO AOS
PROCESSOS DE INTERPRETAÇÃO CRÍTICA: CONCEPTUALIZAÇÃO,
IMAGEM E DESENHO.

Tal e como acontece quando lemos um texto, quando “lemos” um quadro nos situamos frente às
múltiplas formas da sua construção e leitura, confrontando a identificação e a descodificação de
símbolos, signos, conceitos e significados os signos que compõem a linguagem plástica. A
compreensão do significado desta linguagem plástica, implica a descodificação das diferentes
formas que adopta a sua “escrita” (modos de expressão, pincelada, volume, matéria, etc.),
pressupondo além de tudo isto, o acto de interpretação necessário para descodificar os
conteúdos e atribuir-lhes o significado.

A compreensão da informação em termos da “linguagem artística” depende do desenvolvimento


das capacidades cognitivas para seleccionar, processar, (re)organizar e inferir informações.

Por outro lado, falar de “significado”e da “construção do significado” é falar, desde uma
dimensão colectiva, dos sistemas de relaciones que se formam objectivamente no processo
histórico. Este significado conforme as teorias cognitivas desenvolvidas por Wittgenstein,
cambia com o uso, sendo um factor “dinâmico” da comunicação. Quando este “significado” é
apreendido pode ser alvo de diversos “sentidos”, sentido que pela sua volta, possui uma
dimensão individual, ligada ao “EU” num lugar e contexto histórico, e que só pode ser
entendido através da percepção.

Quando percebemos damos sentido, mas antes de dar sentido, temos que conhecer o
significado…e muito antes temos que saber analisar e decifrar as componentes do objeto em
análise.

COMO

• Analisar uma obra de Arte

• Analisar uma obra como um documento que se inscreve no contexto de uma


época

• Exprimir um comentário pessoal sobre uma obra de arte


Uma obra de arte, qualquer que seja a sua forma, é simultaneamente:

⇒ Um testemunho do sentido do belo do seu criador

⇒ Um documento histórico

⇒ Um diálogo, afectivo ou intelectual, entre a obra de arte e o seu espectador, no


caso das artes visuais

Uma obra de arte pode ser analisada de várias formas e pretende sempre alcançar os
seguintes objectivos:

⇒ Ajudar a apreender as técnicas utilizadas pelo autor para transmitir a sua


mensagem

⇒ Mostrar como a obra de arte é a expressão de um dado contexto histórico

⇒ Sensibilizar para a fruição dos valores estéticos

Como analisar uma pintura

Deve ter-se sempre em conta certos dados técnicos que diferem de época para época, ou
de autor para autor

Observar atentamente as informações dadas na legenda da obra: autor; título; data


da execução; suporte; dimensões; lugar de conservação

Obter dados sobre o autor: data e lugar de nascimento e morte; origem social; anos e
lugares de formação; idade aquando da realização da obra; outras obras suas.

Reconhecer o tipo de assunto representado: cena religiosa; histórica; mitológica;


alegoria; retrato; paisagem...

4. Analisar o assunto propriamente dito (descrever o que está representado): lugares;


enquadramento da cena; personagens; acção das personagens; objectos..

Deve tentar perceber-se porque é que o autor pintou um quadro com aquelas
dimensões e não outras, proceder à análise da cena, do enquadramento desta, dos
móveis, dos objectos representados, da paisagem, da posição das personagens,
identificando-as, como estão vestidas, em que atitude se encontram, etc.
Análise plástica /A técnica pictural

1. A composição: quais são as linhas que organizam o quadro? Isto é, a


organização das figuras segundo esquemas geométricos ou não, com eixos bem
marcados ou não, segundo leis de perspectiva ou sem elas (como é criado o
sentido de profundidade)
2. O desenho: qual é a função da linha, a sua espessura e forma? Em um papel
fundamental ou acessório?
3. As cores: quais são as cores dominantes? Cores quentes ou frias? Fundamentais
ou complementares?
4. A luz: de onde vem a luz? Está repartida uniformemente? Qual é o seu efeito?
5. A técnica de pintura: mancha larga, pontilhada, linear, sfumato, modelado
6. A matéria: óleo, têmpera, acrílico, etc.

Deverá analisar se o olhar do espectador é atraído para algum ponto em especial e


porquê ; o que se pretende traduzir com determinadas cores; se o emprego de
determinada técnica marca decididamente o estilo do autor; se o emprego de
determinadas matérias representa um avanço em relação a outros, inserção ou não nas
técnicas comuns, etc.

Análise histórica

Porquê este tema? Porquê esta técnica? Porquê este estilo? Que efeito pretendeu
produzir no público? Insere-se numa corrente artística ou rompe com as correntes
dominantes?

A resposta a estas questões levará à descoberta de problemas relacionados com: tipos


de encomendas, ideias perfilhadas pelo autor, mentalidade dominante ; tipo de materiais
colocados à sua disposição, influências de outros artistas, etc.

Fazer um comentário pessoal sobre a obra de arte

Comentar do ponto de vista pessoal uma obra de arte, é exprimir a sua adesão ou não,
à obra, quer do ponto de vista intelectual, quer do ponto de vista afectivo, justificando a
sua posição
Conclusão

Com as informações fornecidas pela análise do quadro poderá concluir do valor


histórico do documento que analisou, isto é, de que modo é que ele serve ou não de
testemunho da sua época, fornecendo elementos de índole económica, social, política,
religiosa e artística.

Interesses relacionados