Você está na página 1de 11

IFRN – UERN - UFERSA

ESTADO DA ARTE
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO
METODOLOGIA DA PESQUISA EM ENSINO
Profs. Francisco das Chagas S. Souza e Albino Oliveira Nunes
Por quê um estado da arte?
• É cada vez maior o volume da produção acadêmica.
• Surgem questionamentos como:
 Quais são os temas mais focalizados?
 Quais os temas menos focalizados ou esquecidos?
 Por quem esses temas têm sido abordados?
 Onde têm sido realizadas essas pesquisas?
 Quais as abordagens metodológicas empregadas?
 Quais as contribuições dessas publicações para a área?
Por quê um estado da arte?
• Faltam estudos que realizem um balanço e encaminhem para a necessidade
de um mapeamento que desvende e examine o conhecimento já elaborado
e apontem os enfoques, os temas mais pesquisados e as lacunas existentes.
• A realização destes balanços possibilita contribuir com a organização e
análise na definição de um campo, uma área, além de indicar possíveis
contribuições da pesquisa para com as rupturas sociais.
• O termo estado da arte resulta de uma tradução literal do Inglês, e,
conforme a autora, tem por objetivo realizar levantamentos do que se
conhece sobre um determinado assunto a partir de pesquisas realizadas em
uma determinada área.
O que visa e caracteriza?
• É também definido como Pesquisa Bibliográfica;
• Visa mapear e discutir a produção acadêmica em uma área da
ciência;
• Tem caráter inventariante e descritivo à luz de categorias
estabelecidas;
• Destaca os aspectos e as dimensões privilegiados em diferentes
épocas e lugares, mas também as lacunas nas pesquisas;
• Preocupa-se com as formas e as condições em que se realizam as
pesquisas num determinado campo científico;
O que visa e caracteriza?
• Identifica a evolução das pesquisas em uma determinada área;
• Indica as possibilidades de integração de diferentes perspectivas,
aparentemente autônomas;
• Identifica duplicações ou contradições no trabalho acadêmicos;
• Identifica os referenciais teóricos que subsidiaram as investigações;
• Aponta as possíveis sugestões e proposições apresentadas pelos
pesquisadores.
• Identifica temas relevantes, emergentes e recorrentes.
Em síntese:
“Estados da arte podem significar uma contribuição importante na
constituição do campo teórico de uma área de conhecimento, pois
procuram identificar os aportes significativos da construção da teoria e
prática pedagógica, apontar as restrições sobre o campo em que se
move a pesquisa, as suas lacunas de disseminação, identificar
experiências inovadoras investigadas que apontem alternativas de
solução para os problemas da prática e reconhecer as contribuições da
pesquisa na constituição de propostas na área focalizada”
(ROMANOWSKI; ENS, 2006, p. 39).
ESTADO DA ARTE OU DO
CONHECIMENTO?
“Os estudos realizados a partir de uma sistematização de
dados, denominada ‘estado da arte’, recebem esta
denominação quando abrangem toda uma área do
conhecimento, nos diferentes aspectos que geraram produções
[...] O estudo que aborda apenas um setor das publicações
sobre o tema estudado vem sendo denominado de ‘estado do
conhecimento’” (ROMANOWSKI; ENS, 2006, p. 39-40, grifo
nosso).
O que é necessário para um estado
da arte?
 Definição dos descritores para direcionar as buscas;
 Localização dos acervos;
 Critérios para a seleção do material que compõe o corpus;
 Coleta do material de pesquisa (estabelecer filtros);
 Leitura das publicações para elaboração de síntese, considerando o
tema, objetivos, problemáticas, metodologias e conclusões;
 Organização do relatório do estudo compondo a sistematização das
sínteses;
 Análise e elaboração das conclusões.
Alguns resultados do estado da arte
 Aponta os temas, subtemas e conteúdos priorizados em pesquisas e
aqueles que são quase que totalmente silenciados.
 Mostra quais os tipos de pesquisa mais utilizados (análise de
depoimentos, estudos de caso, pesquisa etnográfica, autobiografia...)
 Identifica quais as técnicas mais utilizadas nas pesquisas (entrevistas,
análise de documentos, observação, questionário, diários...). Mostra,
também, se houve ou não a retomada de alguma técnica que por um
motivo ou outro deixou de ser utilizada em pesquisas.
 Os dados apontados pelos estudos de “estado da arte”
deixam alguns questionamentos que podem gerar novas pesquisas.
Questionamentos que podem gerar:
 Como a produção atual efetivamente contribui para o avanço do
conhecimento da área?
 Qual a relevância e a consistência do conhecimento produzido?
 Quais os efeitos políticos, sociais, metodológicos, resultantes desses
estudos?
 Quais as contribuições desses estudos para o cotidiano escolar dos
professores?
 Quais as possibilidades de generalização?
 Os estudos sobre a temática podem auxiliar o delineamento de
políticas públicas?
Limitações: catálogos e resumos
 Os títulos das pesquisas nem sempre são esclarecedores quanto ao
objeto. Há títulos curtos, longos, densos, subjetivos.
 Muitos estudos não estão disponíveis ao leitor;
 Há resumos com problemas de elaboração (muito curto, ausência de
detalhes, incoerentes com o título ou com o texto...);
 Variedade de resumos para o mesmo trabalho;
 Problemas nas Palavras-chave;
 PORTANTO, NA MAIORIA DAS VEZES É IMPORTANTE LER O
TEXTO COMPLETO.