Você está na página 1de 438

FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

Presidência
José Roberto Marinho

Secretaria Geral
Wilson Risolia

led - laboratório de educação

Gerente Geral
João Alegria

Gerente de Implementação
Ana Paula Brandão

Gerente de Produção
Deca Farroco

Produção Executiva
Joana Levy

INSTITUTO REÚNA

Diretora Executiva
Katia Stocco Smole

Coordenadoras de projeto
Fabiana Cabral Silva
Priscila Oliveira

Analista de projeto
Nathaly Corrêa de Sá

Especialista de comunicação
Milena Emilião
SUMÁRIO

1 APRESENTAÇÃO 04

2 MATRIZES CURRICULARES 08

» 2.1. Introdução 10
» 2.2. Matrizes e coerência sistêmica 11
» 2.3. Matrizes Curriculares e o desenvolvimento integral 12
» 2.4. Matrizes e princípios de integração metodológica 14
» 2.4.1. A problematização 15
» 2.4.2. Aprendizagem baseada em projetos 16
» 2.4.3. Projetos de Vida 17
» 2.4.4. Multiletramentos 21
» 2.4.5. Cultura digital 22
» 2.4.6. Aprendizagem colaborativa 23
» 2.4.7. Acompanhamento da aprendizagem 24
» 2.5. A organização das Matrizes 27
» 2.6. A priorização das aprendizagens 27
» 2.7. Referências bibliográficas 31

3 ÁREA LINGUAGENS 34

» 3.1. O papel da área na promoção do desenvolvimento 36


integral dos estudantes
» 3.2. O que são práticas de linguagem e quais priorizar 37
» 3.3. Apresentação da Matriz de Linguagens 41
» 3.3.1. Organização 41
» 3.3.2. As habilidades selecionadas para esta matriz 53
» 3.3.3. Os objetos de conhecimento trabalhados na área 54
» 3.3.4. A contribuição de cada componente para 55
o trabalho da área
» 3.4. Como pode acontecer o trabalho na área 64
» 3.4.1. Princípios de integração metodológica 65
» 3.4.2. Acompanhamento da aprendizagem 67
» 3.5. Para saber mais 69

4 MATRIZ 70

5 ANEXOS 430

6 FICHA TÉCNICA 436


MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

1 04
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

APRESENTAÇÃO

05
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

APRESENTAÇÃO

Um dos maiores desafios do Brasil é levar educação de qualidade a todos os


seus estudantes – independentemente de idade, cor, gênero ou condição
social –, garantindo a diminuição da desigualdade nas aprendizagens,
reduzindo a distorção idade-série e superando o alto índice de abandono e
repetência que ainda persiste nos sistemas escolares nacionais.

Em 2018, comemoramos uma das grandes conquistas da educação brasileira:


a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Exemplo de que
a educação pode e deve ser política de Estado, a BNCC – prevista desde a
publicação da Constituição Federal de 1988 e na Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional de 1996 – visa a contribuir para a equidade na educação
e apresentou, em caráter normativo, os direitos de aprendizagem de todos
os estudantes brasileiros.

Dentre as muitas inovações que a Base trouxe, destacamos três


características: a perspectiva de que os estudantes tenham na escola um
Em 2018, desenvolvimento integral, equilibrando aspectos do aprender, do saber fazer,
do saber ser e do saber conviver, contemplados nas dez competências gerais
comemoramos
da educação básica; a progressão das aprendizagens e do desenvolvimento
uma das grandes individual e coletivo ao longo de cada ano e etapa escolar; e a finalidade
dos conhecimentos escolares no desenvolvimento do protagonismo do
conquistas da
estudante, bem como em seu projeto de vida.
educação brasileira:
a aprovação da Os efeitos da BNCC, no entanto, transcendem sua importância para a
garantia dos direitos de aprendizagem, suscitando a formação de um sistema
Base Nacional coerente de educação. Isso quer dizer que a aprendizagem se afirma no
Comum Curricular. centro das intenções educativas, e, em torno dela, gravitam propostas
curriculares, materiais didáticos, formação docente e avaliações em
alinhamento com os princípios da Base e, por consequência, as aprendizagens
que devem ser garantidas em todas as etapas, em qualquer escola ou
modalidade educativa em conexão com o contexto e as realidades locais.

06
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Ciente de seu papel no cenário educativo nacional, e de sua contribuição


para a construção do sistema coerente anteriormente mencionado, é com
muita alegria que a Fundação Roberto Marinho apresenta suas novas
Matrizes Curriculares para os Anos Finais do Ensino Fundamental e o Ensino
Médio, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular e os Objetivos do
Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU. Desenvolvidas em
parceria com o Instituto Reúna, essas Matrizes apresentam a seleção de um
conjunto de habilidades da BNCC, consideradas prioritárias para orientar as
produções educativas em todas as áreas da Fundação Roberto Marinho.

Esperamos que as Matrizes sejam úteis não apenas aos projetos internos
da Fundação e seus parceiros, mas também a todos aqueles que desejem
transformar a vida dos adolescentes, dos jovens e dos adultos brasileiros
por meio de uma educação que é direito de todos e dever do Estado, mas
que sem a colaboração essencial de toda a sociedade dificilmente
se transformará em realidade.

Boa leitura!

07
2
08
MATRIZES
CURRICULARES

09
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

2.1. INTRODUÇÃO

As Matrizes Curriculares surgem da necessidade de articulação entre os


projetos e soluções educacionais da Fundação Roberto Marinho e a Base
Nacional Comum Curricular da Educação Básica (BNCC, 2018), e marcam
nosso desejo de inovar sempre e de contribuir com a educação do país,
dialogando com os contextos, interesses, necessidades e anseios de todos
os que se beneficiarem das soluções educacionais que ofertamos, sejam elas
escolares ou de divulgação do conhecimento.

No caso específico das ações em parceria com redes de ensino e escolas,


a intencionalidade amplia-se, já que objetivamos que as propostas
desenvolvidas formem os estudantes para lidar com os desafios de sua
existência e contribuam para que construam e implementem Projetos de
Vida significativos, uma vez que as Matrizes buscam ampliar conhecimentos,
apoiar a superação das lacunas de aprendizagem que marcam o percurso
formativo de boa parte dos estudantes brasileiros ao longo da escola básica,
de modo que concluam seus estudos tendo desenvolvido as competências e
habilidades previstas na BNCC.

Na organização das Matrizes, além da BNCC, buscamos dialogar com


os interesses de quem aprende, por meio de uma experiência com o
conhecimento que seja integradora, que permita manejar situações de grande
complexidade, seja no contexto escolar ou em outros âmbitos da vida, tendo
em vista o momento presente e seu futuro. Também consideramos a Agenda
2030 da ONU, um conjunto de objetivos e metas universais que busca
soluções para desafios globais nos campos econômico, social e ambiental.

Organizadas por áreas de conhecimento, para os Anos Finais do Ensino


Fundamental e o Ensino Médio, as Matrizes Curriculares têm como base
as dez Competências Gerais da Base Nacional, as competências específicas
dos componentes curriculares e das áreas de conhecimentos, as unidades
temáticas, os objetos de conhecimento e as habilidades previstas na BNCC.

A proposta é que as Matrizes sirvam como um mapa de aprendizagens


esperadas para a concepção e o desenvolvimento de práticas educativas
organizadas sob os mais diversos aspectos, por exemplo, propostas
curriculares para programas de aceleração de aprendizagens ou Educação
de Jovens e Adultos (EJA), produção de materiais didáticos, programas
de formação docente, avaliação e acompanhamento da aprendizagem, e

10
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

programas educativos a serem veiculados em diferentes mídias, entre tantas


outras possibilidades.

2.2. MATRIZES E
COERÊNCIA SISTÊMICA

A Resolução CNE nº 4, de 17 de dezembro de 2018 que aprovou a Base


Nacional Comum Curricular, apresenta recomendações explícitas de que
houvesse uma revisão completa de processos e produtos intimamente
associados à formação escolar dos estudantes, dentre os quais se destacam
a elaboração ou reelaboração de documentos curriculares, a formação inicial
e continuada docente, os processos avaliativos e a produção de materiais
didáticos, uma vez que esses eixos educacionais funcionam de forma conectada
e se influenciam mutuamente. Entendemos que a revisão de cada um desses
elementos deve acontecer de maneira conectada, sistêmica, de modo a
formar um conjunto coerente de recursos e ações para que os direitos de
aprendizagem se efetivem.

Coerência do sistema

Currículo/
Projetos
Pedagógicos

Formação de
Avaliações BNCC professores

Materiais
didáticos

11
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

As Matrizes que desenvolvemos fazem parte desse cenário e, a partir de


agora, poderão ser vistas como o centro da coerência sistêmica dos produtos
da Fundação Roberto Marinho. Isso porque devem inspirar e orientar não
apenas projetos de recuperação e aceleração da aprendizagem, mas também
a produção de materiais didáticos, de plataformas de conhecimento, mídias
educacionais, de processos de avaliação formativa e de escala, formação
docente, entre outros.

2.3. MATRIZES
CURRICULARES E O
DESENVOLVIMENTO
INTEGRAL

Seguimos de perto as orientações nacionais para a Educação Básica, que há


décadas propõem delineamentos para o tema do desenvolvimento integral,
colocando os estudantes no centro do processo educativo. Ainda em 1996,
vimos que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional já assumia essa
perspectiva, em especial quando indicava a vinculação da educação escolar
com o mundo do trabalho e com a prática social. A Lei de Diretrizes e Bases
da Educação Nacional (LDB, 1996) determina a importância da construção
de um processo educativo não baseado na simples transmissão de conteúdos
obrigatórios, mas nas reais necessidades dos estudantes.

Fóruns internacionais, como a Conferência Mundial sobre Educação para


Todos (Jomtien, 1990) e a Conferência de Dakar (Dakar, 2000), também
firmaram compromissos em prol do desenvolvimento integral ao afirmarem
que toda criança, jovem e adulto têm o direito humano de beneficiar-se de
uma educação que satisfaça suas necessidades básicas de aprendizagem, no
melhor e mais pleno sentido do termo, e que inclua aprender a aprender, a
fazer, a conviver e a ser.

A BNCC reforça o posicionamento da LDB (1996). Mas nela encontramos


novidades e avanços. A centralidade dos estudantes, por exemplo, aparece
ligada ao protagonismo deles na própria construção do conhecimento e
na atuação diante dos desafios da vida real. A BNCC é bastante direta na
indicação de que os alunos, ao longo das etapas de ensino, sejam estimulados

12
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

a desenvolver competências e habilidades gerais e específicas para


responder às mais diversas situações-problema que os afetam no dia a dia.

Podemos afirmar, assim, que o propósito central da educação escolar é


ensinar para que o estudante aprenda a resolver os problemas da vida, e os
desafios contemporâneos, dos mais simples aos mais complexos, utilizando
como meios os conhecimentos aprendidos nas áreas de conhecimento e seus
componentes curriculares. A ideia é fazer com que conhecimento disciplinar
e mundo concreto andem de mãos dadas, e os estudantes são essenciais
para que essa junção aconteça: são eles que, em interação constante com
educadores e objetos de aprendizagem, contextualizam a aprendizagem no
espaço escolar a partir da demonstração de seus interesses, perspectivas,
objetivos e projetos. O ambiente educacional, por sua vez, deve criar as
condições para que a aprendizagem seja o centro das ações educativas. Isso
demanda a adoção de estratégias, como o uso de metodologias ativas, que
façam com que os estudantes não sejam meros espectadores, mas que levem
em consideração seus desejos, necessidades e ambições.

Nesse movimento em direção à vida concreta, o processo educativo acaba


abarcando outro aspecto: a integralidade dos sujeitos de aprendizagem.
Como a vida não é composta de apenas uma dimensão nem acontece de
forma fragmentada, a educação precisa ser integral. Em outras palavras,
diríamos que a aprendizagem deve ocupar-se do desenvolvimento das
diferentes dimensões que constituem os estudantes. Não basta apenas cuidar
da formação intelectual e cognitiva, oferecendo uma carga de conhecimentos
disciplinares e curriculares dispersos e segmentados. Não queremos dizer
com isso que a intelectualidade não seja essencial, pelo contrário, mas ao lado
dela estão também os aspectos físicos, socioemocionais, culturais, sociais,
éticos e históricos que formam a vida dos indivíduos.

O desenvolvimento integral relaciona elementos que passam tanto pelas


singularidades dos sujeitos quanto pela vida social mais ampla – ao mesmo
tempo em que se preocupa com as identidades individuais e suas expectativas,
também se volta àquilo que afeta a sociedade. Nesse sentido, inclusão, direitos
de aprendizagem, equidade, sustentabilidade, posicionamento ético, cidadania
e domínio de habilidades para o século XXI são questões que, hoje, atravessam
uma educação que se pretende integral.

13
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

2.4. MATRIZES E
PRINCÍPIOS DE
INTEGRAÇÃO
METODOLÓGICA

Ao escrevermos as Matrizes Curriculares optamos por valorizar uma das


inovações trazidas pela BNCC, tanto no Ensino Fundamental quanto no
Ensino Médio, que é a organização em áreas do conhecimento. Essa opção
permite um olhar global, estabelecendo relações mais estreitas entre as
áreas e, principalmente, entre os componentes de cada área, visando ao
desenvolvimento integral dos estudantes.

As diferentes áreas do saber associam-se e complementam-se em uma


multiplicidade de saberes e habilidades. Dentre elas, ressaltamos a
compreensão de fenômenos em diferentes contextos, tanto naturais
como também aqueles que envolvem questões sociais, de comunicação,
tecnológicas, econômicas, ambientais, artísticas, esportivas etc. De fato,
se assumimos o compromisso com uma formação integral e ampla para o
estudante, não podemos perder de vista os conhecimentos e habilidades que
permitem identificar fenômenos e buscar compreendê-los de forma ampla
sob diferentes abordagens.

Os modos de apropriação pessoal do conhecimento científico são diversos:


por meio da experimentação, de processos criativos, de modelos explicativos,
de ciclos mentais (mais indutivos ou dedutivos) do pensar científico nas
Ciências da Natureza e na Matemática, nas Linguagens, ou da investigação
de documentos e do estudo do meio nas Ciências Humanas.

Para além da integração até agora descrita, as Matrizes foram organizadas


com foco no desenvolvimento integral dos estudantes que, de forma muito
especial, está explicitado nas Competências Gerais da BNCC.

Consideramos que uma forma de conseguir que esse desenvolvimento


aconteça é por meio de um conjunto de princípios metodológicos que
articulam as diferentes utilizações das Matrizes, que são: a problematização,
a aprendizagem baseada em projetos, os projetos de vida dos estudantes,
os multiletramentos, a cultura digital, a aprendizagem colaborativa e o
acompanhamento da aprendizagem. Esses princípios de integração, que
estão considerados nas sugestões dadas, orientam as ações desenvolvidas
a partir das Matrizes para uma abordagem coesa, estruturada, intencional,

14
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

compromissada, colaborativa e problematizadora, apoiando a promoção do


protagonismo dos estudantes, sua autonomia e seu desenvolvimento integral.

2.4.1. A problematização
A problematização se relaciona a um cenário de desafios e intercâmbio
de ideias, em que os estudantes interagem com o conhecimento de
forma compartilhada, construindo, modificando e integrando conceitos,
pensamentos, opiniões, concepções, fatos, procedimentos e estratégias na
busca de solucionar problemas.

A prática de problematizar diferentes situações tem a função de ensinar a


pensar sobre acontecimentos que solicitam respostas, para conquistar um
repertório de conhecimentos e de estratégias que poderá ser transposto
para outros contextos. Tal prática está imersa em todos os processos de
ensino e aprendizagem, inclusive em parceria com os demais princípios
integradores que selecionamos para a elaboração das Matrizes.

A problematização envolve um processo dinâmico no qual os estudantes


se deparam com desafios constantes, têm suas ações de pensamento
valorizadas, constroem hipóteses, são conduzidos a refletir sobre suas
explicações contraditórias e possíveis limitações do conhecimento por eles
expresso, são estimulados a investigar e elaborar argumentos com base em
evidências e referências, aprofundar e ampliar os significados elaborados
mediante suas participações nas atividades de ensino e aprendizagem.

As situações problematizadoras se relacionam a atividades desafiadoras,


com altos níveis de exigência cognitiva, que permitem diferentes formas de
representação, incentivam o uso de ideias próprias e formas pessoais de
resolução, fomentam a análise de diferentes pontos de vista com foco no
desenvolvimento da argumentação, do conhecimento e na possibilidade de
errar e analisar os próprios erros.

No processo da problematização, há lugar para errar, buscar entender por


que errou, voltar atrás, testar, confrontar ideias, aprender com o outro. É
nesse processo que o erro encontra o seu mais forte aliado para assumir
o status de recurso para a aprendizagem ou como oportunidade para
construir conhecimento.

As problematizações colocam os estudantes em situação de esforço


produtivo, um processo cerebral provocado por uma situação-problema
que se relaciona com trabalhar duro em algo difícil de fazer e perseverar
quando as coisas ficam difíceis para poder progredir. O esforço produtivo
se relaciona com a capacidade de persistir, de se desafiar e de empreender
esforços pessoais para superar desafios.

15
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Em todas as Matrizes há propostas de ações problematizadoras segundo a


especificidade de cada área. Quando da utilização delas para produção de
diferentes recursos ou propostas educativas, a problematização precisa ser
contemplada. Nossa meta é que, por meio de ações planejadas e conscientes,
as diferentes áreas contribuam para desenvolver a segunda competência
geral da BNCC, que prevê, por meio das ações educativas, que o estudante
seja capaz de:

Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das


ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação
e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular
e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos
conhecimentos das diferentes áreas. (BRASIL, 2018, pág. 9)

2.4.2. Aprendizagem baseada em projetos


Um projeto tem início quando alguém identifica algo que precisa ser feito. Em
outras palavras, quando um problema é percebido e há desejo em construir
soluções para ele. O que dá origem a um projeto pode ser relacionado a
algo observado na realidade, ligado ao universo da pesquisa, da arte, da
construção de um novo produto, enfim do interesse de alguém em investigar
determinado tema, a partir de uma pergunta ainda sem resposta no mundo.

Os projetos têm conexão com o mundo real, sendo oportunidades para


que o contexto e a realidade dos estudantes ganhem espaço no currículo;
o foco articulado com os interesses pessoais e coletivos, de modo que as
ações tenham sentido para cada um e foco no bem comum – que são, afinal,
as aprendizagens, o desenvolvimento de competências, a transformação
positiva pessoal e da comunidade em que se insere; o estudante atua em
todas as etapas dos projetos, desde a identificação e configuração dos
problemas, passando pelo planejamento, pela execução e pela avaliação e
apropriação do processo vivido e dos resultados alcançados.

Um projeto não aparece a propósito de qualquer realidade, mas relacionado


a uma ação específica, não repetitiva, com caráter eventualmente
experimental, implicando uma estrutura particular e inédita de operações
que permitem realizá-lo, se constituindo em oportunidade para o estudante
explorar uma ideia ou construir um produto que tenha planejado ou
imaginado e, por isso, o produto de um projeto deverá necessariamente ter
um significado para quem o executa.

Na execução dos projetos, fica explícita a possibilidade de mobilizar


diferentes áreas do conhecimento para atingir os objetivos traçados e
resolver os problemas que surgem. A interação entre as diferentes áreas do
conhecimento ocorre naturalmente, por necessidade real.

16
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

As modalidades de projetos vislumbradas para o desenvolvimento


pedagógico das Matrizes são descritas a seguir:

» Projetos de pesquisa, que compreendemos como processos


estruturados de investigação, com a intenção de responder a
questões que dialogam com os conteúdos trabalhados pelas Áreas
de Conhecimento. Muitas vezes, nos projetos de pesquisa, adota-
se o ciclo investigativo, que é uma forma das Ciências produzirem
conhecimento, um procedimento humano de pensar e uma
metodologia para ensinar e aprender Ciências, e que se dá por meio
da vivência de processos de observação, formulação de hipóteses,
análise e síntese. Esses momentos são permeados por interações
entre os participantes da investigação, com os conhecimentos
prévios e com materiais de referência que são acessados
continuamente, favorecendo a construção de novos conhecimentos
e a elaboração de respostas à questão de pesquisa.

» Projetos de intervenção na realidade, que trazem foco à participação


dos estudantes para promoverem transformações no contexto,
tendo em vista temas de seu interesse, por exemplo, aprimorar
a convivência e as relações na escola, aprofundar as próprias
aprendizagens, promover acesso à cultura e aos esportes, melhorar
aspectos estruturais da escola, trabalhar a comunicação na
comunidade escolar, aproximar as famílias e muitos outros centros
de interesse possíveis.

A aprendizagem baseada em projetos possibilita o desenvolvimento da


primeira e da terceira competências gerais da BNCC, que preveem que,
ao longo de sua formação, o estudante valorize e utilize os conhecimentos
historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital
para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para
a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva, bem como seja
capaz de compreender a extensão e importância das diversas manifestações
artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas
diversificadas da produção científico-artístico-cultural.

2.4.3. Projetos de Vida


Quando se fala em Projetos de Vida, alguns entendimentos são amplamente
compartilhados pelos profissionais que atuam no campo da educação.
Poderíamos resumi-los nas tradicionais perguntas “quem você quer ser
quando crescer?”, “qual graduação pretende cursar?” ou “como se imagina
daqui a 10 ou 15 anos?”.

17
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Questionamentos como esses, especialmente quando relacionados ao


campo profissional, refletem uma das definições que a BNCC apresenta para
os Projetos de Vida, a saber: aquilo “que os estudantes almejam, projetam e
redefinem para si ao longo de sua trajetória” (BRASIL, 2018, p. 472). Estamos
diante de uma concepção que faz referência à capacidade que os estudantes
têm de imaginar futuros possíveis, sonhar caminhos para a própria vida
e planejar, no presente, modos de alcançá-los. Não se trata, portanto,
de uma simples decisão, mas da habilidade de articular conhecimentos
e vivências para fazer escolhas importantes para a vida. Isso fica ainda
mais evidente quando lemos a caracterização proposta pela BNCC para a
sexta competência geral da Educação Básica, competência que pretende
demarcar o diálogo direto entre Projeto de Vida e trabalho:

Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de


conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações
próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da
cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência
crítica e responsabilidade. (BRASIL, 2018, p. 9)

Fundamentados na BNCC, compreendemos os Projetos de Vida não só


como as escolhas futuras dos estudantes, mas também com o presente
que estes vivenciam na Educação Básica. Entender o que são Projetos de
Vida é importante para que, mais adiante, entendamos como ele se traduz
nas proposições de práticas pedagógicas das Áreas de Conhecimento
apresentadas nesta Matriz curricular de referência.

Para construirmos um Projeto de Vida, é preciso atribuir novos sentidos


ao que vivemos. No caso dos estudantes, esse percurso de ressignificação
aparece como uma grande oportunidade para que conheçam cada vez mais
sobre si mesmos (seus gostos, desejos, relações, histórias e, sobretudo,
valores) e as relações e dinâmicas sociais das quais participam (colocando
em pauta a família, a comunidade, a cidade e os aspectos culturais e
socioeconômicos do contexto em que vivem). Aqui encontramos um
componente ético indispensável: ainda que os Projetos de Vida propiciem
autoconhecimento, as escolhas pessoais geram impactos não só na própria
vida do indivíduo, mas também na das pessoas que se relacionam com ele.

No contexto escolar, a organização de percursos formativos que contemplem


Projetos de Vida tende a levar em conta pelo menos três dimensões
interdependentes:

» Pessoal – diz respeito à relação do estudante consigo mesmo, à


sua identidade, ao autoconhecimento e ao processo perene de
construção da autonomia.

18
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

» Cidadã – concerne ao encontro do estudante com os outros à


sua volta e com o seu contexto. É nesse ponto que se fortalecem
diálogos com a família, com a comunidade escolar e com as pessoas
de seu território.

» Profissional – tematiza a continuidade dos estudos, o universo


produtivo, as dinâmicas do mundo do trabalho e as estratégias para a
inserção dos alunos na vida profissional.

Essas dimensões – que não contemplam todos os aspectos de uma vida,


apenas ajudam a localizar e materializar o tema em aula – ecoam perguntas
que permeiam as proposições de práticas pedagógicas de nossa Matriz de
referência: “Quem sou eu?”, “Onde estou?”, “Para onde vou?”, “Qual meu lugar
no mundo?”, “Como quero viver?”.

Os Projetos de Vida, podemos afirmar, são uma maneira de se posicionar


no mundo, de assumir pontos de vista, de pautar atitudes de maneira crítica
e cidadã, e de contribuir com desafios a níveis regionais ou globais, como,
por exemplo, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda
2030 da ONU, que imprimem metas para os desafios globais que atingem
a população. Trabalhá-los nas escolas, portanto, é um modo de apoiar os
estudantes a aprender mais e melhor, a ver novos e profundos sentidos nos
estudos, a buscar formas de viver e se relacionar, no presente e no futuro, de
forma ética e feliz.

Como define a BNCC, na sexta competência geral da Educação Básica,


o trabalho intencional com Projetos de Vida pode e deve ser conduzido ao
longo de todo o processo de escolarização. No Ensino Fundamental – Anos
Finais – e no Ensino Médio, essa recomendação é ainda mais explícita. Não
poderia ser diferente, já que as duas etapas educacionais tratam da fase em
que os estudantes passam a definir, com mais autonomia, os rumos de suas
vidas, assim como a participar de experiências públicas e comunitárias. É
também o momento em que eles se deparam com a proximidade dos desafios
e responsabilidades da vida adulta – lembremos, inclusive, que, no contexto
brasileiro de desigualdades econômicas e sociais, muitos dos estudantes já
assumem diversas responsabilidades familiares, comunitárias e profissionais
ainda durante o percurso escolar, além disso, temos uma parcela significativa
de estudantes adultos no contexto educacional brasileiro presentes, por
exemplo, na EJA.

Para o Ensino Fundamental – Anos Finais, em particular –, a BNCC sublinha


a importância de pôr em evidência temáticas relacionadas às conformações
atuais das juventudes – as tecnologias, a diversidade e os direitos humanos,
por exemplo. Em um cenário com altos índices de evasão escolar, a

19
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

continuidade dos estudos também é ressaltada. Portanto, é fundamental que


os estudantes sejam apoiados em reflexões sobre os papéis que a escola tem
para sua vida no presente e no futuro. Já para o Ensino Médio, somam-se a
isso, de modo mais acentuado, aspectos associados ao exercício da cidadania
e à preparação para o mundo do trabalho.

Há pelo menos duas maneiras de inserir os Projetos de Vida nos currículos


escolares, sendo que elas podem ser realizadas concomitantemente:
transversal ao conjunto de componentes curriculares e como componente
específico, sendo que ambas se apoiam na concepção de que o saber fazer –
tão presente na BNCC, e por consequência nestas Matrizes – e as práticas
de aprendizagem ganham força e aproximam conhecimentos, habilidades e
competências às demandas do mundo real ao serem contextualizadas pelas
vivências dos estudantes. Nesse sentido, recomendamos que os Projetos de
Vida sejam trabalhados de maneira intencional e estruturada ao longo das
etapas educativas.

Independentemente da escolha de organização curricular, o recurso a


metodologias ativas de aprendizagem é importante. Isso porque a construção
de Projetos de Vida também demanda que o estudante coloque a mão
na massa, uma vez que não basta apenas sonhar com caminhos alheios
à realidade. Reflexão e ação andam lado a lado e é fundamental que os
estudantes aprendam, no dia a dia, a validade do planejamento, que saibam
definir ações concretas e medir a quantidade de esforço, trabalho e recursos
que serão mobilizados para realizá-las. As metodologias ativas, nesse sentido,
são um ótimo apoio para esse processo. Elas criam oportunidades para que
os alunos se deparem com desafios reais, tanto aqueles que se referem a suas
trajetórias quanto os que se ligam ao mundo como um todo, e os incentivam
a resolver problemas a partir da investigação científica, da colaboração com
os colegas, do diálogo com especialistas e integrantes da comunidade escolar.
Ao se engajarem nessas situações, os estudantes podem cooperar, mediar
conflitos, interrogar as próprias aspirações e aprender com os erros.

O caráter reflexivo e, ao mesmo tempo, prático dos Projetos de Vida


é reconhecido e valorizado nesta Matriz de referência, que opta pela
abordagem transversal deles nas áreas do conhecimento, como poderá ser
percebido nas sugestões para práticas didáticas a partir das Matrizes.

Os parâmetros que delineiam esse trabalho exigem propostas e mediadores


educacionais interessados em aprender a mobilizar e engajar seus
estudantes numa perspectiva protagonista, a problematizar positivamente
suas escolhas, a orientá-los por caminhos pautados pela criatividade,
senso crítico, ética e cidadania. São arranjos desafiadores, mas que, ao
longo do tempo, geram aprendizagens significativas e coerentes com os
desenvolvimentos efetuados nas áreas de conhecimento.

20
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

2.4.4. Multiletramentos
O termo multiletramento se relaciona com dois aspectos atuais da
comunicação e da representação, quais sejam a variedade de convenções
de significados nas diferentes áreas da vida (cultural, social ou de domínio
específico), que se constitui em variedade linguística, e a multimodalidade
surgida das características dos meios de informação e comunicação
da atualidade, que considera que o registro da palavra não se dá apenas
pela escrita.

A relevância da linguagem escrita é inegável, mas ela nunca foi a única


forma de comunicação e registro. Devido a ágil ampliação das tecnologias
digitais, outros meios de registro e transmissão têm ganhado cada vez mais
espaço, sendo por isso necessário ampliar o sentido de letramento, para não
privilegiar somente as representações escritas.

A perspectiva dos multiletramentos inclui a tecnologia como lugar em que


novas práticas sociais, culturais e de linguagem têm espaço pela inclusão
de novos gêneros ou usos de ambientes e ferramentas na formação
do estudante, permeadas pelas dimensões ética, estética e política nas
atividades e discussões por meio da análise de critérios de apreciação
estética e significados possíveis das muitas ações envolvidas nas práticas
de produção, publicação e difusão desses ambientes e ferramentas.
Nesse contexto, os multiletramentos abordam as multilinguagens e as
multiculturas, considerando que o estudante deste século está conectado
às mídias digitais, com seus repertórios, sua cultura local, sua experiência na
mídia de massa, na internet, nas redes sociais, que devem ser valorizados,
tematizados e considerados objetos de ensino e aprendizagem.

A BNCC inclui os multiletramentos como transversais a pelo menos quatro


das dez Competências Gerais e tem como foco que na diversidade cultural
de produção e circulação de textos e de linguagens estejam compreendidos,
nas práticas de linguagem, todos os textos e mídias (de massa, impressas,
analógicas e digitais), que se constituem em objetos de conhecimento a
serem estudados, analisados, usados, praticados, construídos em diferentes
contextos de produção, recepção e circulação. Considera ainda que a
diversidade presente nas sociedades letradas, em especial as urbanas e
contemporâneas, seja considerada sob o enfoque da multiplicidade cultural
das populações e da multiplicidade semiótica que constituem os textos, que
são os meios pelos quais as pessoas se informam e se comunicam.

Dessa forma, a abordagem de multiletramento se insere no contexto de


preparar o estudante para a vida social e profissional e o pleno exercício da
cidadania, de ampliar a utilização das novas tecnologias no aprendizado e,
ainda, de preparar para a formação democrática e cidadã.

21
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Não se trata, portanto, apenas de considerar um tipo de cultura letrada como


representativa da cultura de uma sociedade ou de um país, mas também
incluir as diferentes culturas e patrimônios culturais existentes nessa
sociedade, como híbridas, fronteiriças, misturadas e globalizadas.

Incluímos os multiletramentos como princípio integrador nesta Matriz,


por entendermos que ele deve ser considerado em todas as áreas do
conhecimento que, com suas linguagens e tecnologias, podem permitir
que os estudantes explorem, produzam conteúdos em diferentes mídias e
ampliem seu acesso à cultura, à ciência, à tecnologia, ao mundo do trabalho.

Assumimos um compromisso coletivo de promover o desenvolvimento


de habilidades de leitura e de produção de textos (multimodais e
multissemióticos) pelos estudantes, habilidades essas que devem ser
estimuladas por meio de uma diversidade de práticas cotidianas de leitura,
em que se incentiva o acesso, a leitura, a análise e o posicionamento sobre
os textos que circulam amplamente, bem como a produção de textos,
comunicando seus conhecimentos, ideias, pontos de vista, valores, contextos
em uma multiplicidade de linguagens, esferas e mídias.

Com os multiletramentos, incentivamos a quarta competência geral da


Base que fala em:

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como


Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como
conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para
se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos
em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento
mútuo. (BRASIL, 2018, p. 9)

2.4.5. Cultura digital


A cultura digital tem promovido mudanças significativas nas sociedades
contemporâneas e no modo de ser, conviver e se relacionar das pessoas.
Devido ao avanço e à multiplicação das tecnologias de informação e
comunicação, bem como do crescente acesso a elas por dispositivos
tecnológicos, os estudantes estão dinamicamente inseridos nessa cultura,
não somente como consumidores. Eles têm se engajado como protagonistas
da cultura digital, envolvendo-se diretamente em novas formas de
interação multimidiática e multimodal e de atuação social em rede, que se
realizam de modo cada vez mais ágil. Por outro lado, essa cultura também
apresenta forte apelo emocional, induzindo reações e comportamentos
que nem sempre são os esperados para o desenvolvimento da pessoa,
tais como o imediatismo de respostas, a efemeridade das informações, as
análises superficiais de fatos, a produção e disseminação de informações

22
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

duvidosas, o uso de imagens e formas de expressão mais sintéticas, e mesmo


a disseminação de práticas de relacionamento e convivência que podem
comprometer a integridade da pessoa.

A uma educação que deseja, como previsto na BNCC, que os estudantes


compreendam e usem as tecnologias digitais de forma crítica, significativa
e ética, de modo a poder comunicar-se, acessar e produzir informações,
possuir conhecimentos para resolver problemas e exercer protagonismo e
autoria, o desenvolvimento da cultura digital é fundamental.

Assim, nas Matrizes, a aplicação de recursos digitais foi integrada com


o percurso de aprendizagem a ser desenvolvido pelo estudante, para
permitir fácil e rápido acesso a diversas fontes de informação, possibilitar
a articulação do texto escrito com imagem, som e movimento, facilitar a
simulação de situações e o desenvolvimento de habilidades como selecionar,
organizar e analisar as informações para utilizá-las adequadamente e auxiliar
na abordagem de novas ideias e conceitos, entre outros.

Ainda prevemos que as propostas desenvolvidas incluam situações de


investigação, principalmente por meio de atividades nas quais o estudante
construa conhecimento, com pesquisa, elucidação de fenômenos naturais
complexos ou, ainda, por meio de produções que promovam intervenções
em sua comunidade.

No entanto, em se tratando de cultura digital, é preciso ir além, com


propostas para desenvolver algumas formas de pensar próprias do
Pensamento Computacional e da Programação, marcadas pelo pensar
algorítmico, assim como a linguagem específica da tecnologia computacional
utilizada para descrever processos regrados por etapas bem definidas.

Cada área do conhecimento permitirá o desenvolvimento de um ou mais


aspectos da cultura digital, mas no conjunto, ao vivenciar qualquer das
ações desenvolvidas a partir das Matrizes, é importante que se garanta a
compreensão, a utilização e a criação de tecnologias digitais de informação
para a comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas
diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar
e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e
exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva, conforme previsto
na quinta competência geral da BNCC.

2.4.6. Aprendizagem colaborativa


A aprendizagem colaborativa tem como fundamento a ideia de que o
conhecimento é construído na interação. Essa interação ocorre de diversas
maneiras, entre professores e estudantes, entre estudantes em diferentes

23
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

composições de grupos (duplas, trios, quartetos, grupos de 8 a 10 alunos


ou uma turma inteira, por exemplo), em diferentes situações como rodas
de conversa, debates regrados, projetos e demais atividades coletivas de
diversas naturezas.

Na aprendizagem colaborativa, o que ganha destaque é a relação entre


os estudantes. Os desafios são enfrentados de modo participativo,
estimulando que cada aluno desenvolva competências – tendo em vista
aspectos cognitivos e socioemocionais, tais como responsabilidade, empatia
e resiliência. Os estudantes são estimulados a desenvolver a autonomia
e a capacidade de fazer escolhas, convivendo com diferentes pontos de
vista e com a necessidade de tomar decisões. A aprendizagem colaborativa
pressupõe atividades com a circulação da palavra, a escuta, a empatia e
a corresponsabilidade. Cabe mencionar, ainda, que é parte do papel dos
membros dos agrupamentos (de duplas a equipes de 10 ou 12 participantes,
por exemplo) lidar com situações de conflito, expondo pontos de vista,
partilhando argumentos, exercitando a empatia. As divergências que
permeiam as relações humanas precisam ser trabalhadas, porque podem
gerar crescimento dos envolvidos.

Nesta abordagem, não se descarta o trabalho individual nem a centralidade


da fala do professor, mas estes aspectos compõem e se combinam numa
diversidade de práticas metodológicas. Mesmo tendo foco na construção
coletiva do conhecimento, trata-se de uma metodologia que requer ação e
intencionalidade do professor.

O trabalho colaborativo está diretamente associado ao conhecimento de


si e do outro, à autocrítica e à capacidade para lidar com ela, ao exercício
da empatia, do diálogo, da resolução de conflitos e da cooperação. Também
ficam favorecidos o respeito ao outro, a valorização da diversidade de
indivíduos, o agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade,
flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em
princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários, que
estão previstos nas oitava, nona e décima competências gerais da BNCC.

2.4.7. Acompanhamento da aprendizagem


O processo de ensinar e aprender merece ser muito cuidadoso e
acompanhado. Por isso, um princípio metodológico integrador dessas Matrizes
é o acompanhamento da aprendizagem pelo professor e pelo estudante.

Esse acompanhamento tem início em um planejamento cuidadoso daquilo


que se espera que os estudantes aprendam, com a consequente seleção das
tarefas que permitirão que ele aprenda o que se espera e, claro, por meio da

24
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

avaliação que diagnostica se as aprendizagens ocorrem, permitindo analisar


o processo em curso e tomar decisões quanto à sua continuidade.

Planejamento e avaliação são um par indissociável quando se trata de


acompanhamento da aprendizagem, mas entre ambos ainda estão a gestão
das ações educativas em si que, especialmente em situações de uso das
Matrizes para contextos escolares, tem no educador que media ações junto
aos estudantes uma figura essencial.

O papel do educador antes de tudo se caracteriza por sua presença


pedagógica, que envolve a mediação focada nas aprendizagens de todos
os estudantes, configurando os espaços presenciais ou virtuais da sala de
aula, como processo de interação em que todos se sintam em condições de
participar, tendo voz, opinião e liberdade de experimentar e produzir em
diferentes linguagens.

Na concepção de acompanhamento pedagógico, a avaliação tem uma


perspectiva formativa que se compõe de três grandes etapas: o diagnóstico,
a análise e a intervenção. Um efetivo processo avaliativo da aprendizagem
se inicia com a coleta de dados, ou seja, com um diagnóstico proveniente da
observação e do registro do professor e das mais diversas produções dos
estudantes. De posse desses dados, antes da nota ou de qualquer parecer
sobre o que o estudante aprendeu ou não, a avaliação formativa tem como
etapa a análise das informações coletadas, pautada pela reflexão sobre as
aprendizagens esperadas, a atividade proposta e seu desenvolvimento.
O terceiro passo da avaliação responde à tomada de decisão sobre
como continuar, o que retomar e como agir frente ao parecer sobre as
aprendizagens dos estudantes. É a fase da intervenção. Completa-se assim
o ciclo avaliativo.

A intervenção, que nada mais é do que o planejamento de ações para ajustar


processos visando à aprendizagem, pode ser imediata quando se identifica
algo que os estudantes deveriam saber e que pode impedir a continuidade
de seu percurso de aprendizagem. Outras vezes, a análise e o planejamento
idealizado permitem antever que o conhecimento ausente neste momento
pode ser retomado à frente em outro tema, tempo ou situação.

Ainda sobre a intervenção, algumas vezes ela precisa ser com a classe
toda, em outros momentos, ela deve acontecer junto a um grupo, seja com
a retomada e utilização de novos recursos, ou com planos de estudo para
pequenos grupos, usando recursos da tecnologia como vídeos, aulas, tarefas,
leituras etc.

25
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Por sua vez, cada intervenção requer nova tomada de dados, novo
diagnóstico e consequente análise de informações para determinar se a
intervenção feita foi efetiva ou precisa ser repensada. Assim se completa o
ciclo: diagnóstico, análise e intervenção; em constante retroalimentação em
direção à aprendizagem de cada estudante.

Nesse processo, não podemos esquecer que, se desejamos que os


estudantes sejam protagonistas da sua aprendizagem, eles também
necessitam ser diretamente envolvidos no acompanhamento da
própria evolução, por isso, devem assumir a parcela que lhes cabe de
responsabilidade sobre o conhecimento escolar. Para isso, é importante
que percebam a avaliação como algo que serve para aconselhar, informar,
indicar mudanças, funcionando em uma lógica cooperativa que faz do
diálogo, uma prática, e da reflexão, uma constante.

Para educadores e estudantes, a avaliação deve ser como uma lente que
permite uma visão cada vez mais detalhada sobre o processo de ensinar
e aprender, sendo considerada como elemento articulador do processo
de ensino e aprendizagem pelo acompanhamento que faz das ações
pedagógicas e seus resultados.

Dessa forma, o acompanhamento da aprendizagem é a possibilidade


constante de reflexão sobre o projeto pedagógico, suas metas e suas
condutas, bem como a localização de cada estudante em relação às suas
aprendizagens e necessidades e no tocante às metas estabelecidas,
constituindo-se em uma ação regulada e refletida em função de um presente
e de um futuro esboçado por um projeto, tanto no sentido pedagógico quanto
individual. As informações são coletadas em função do valor atribuído à
aprendizagem que se espera obter por meio do processo de ensino.

São essas orientações que permitem ao planejamento e à avaliação


compor com todos os outros elementos do currículo e em cada momento
de encontro dos estudantes com o conhecimento, sendo uma ferramenta
potente para a formação dos estudantes, sejam eles adolescentes, jovens ou
adultos, no centro do processo desta proposta.

26
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

2.5. A ORGANIZAÇÃO
DAS MATRIZES¹

As Matrizes Curriculares foram estruturadas para os Anos Finais do


Ensino Fundamental e para o Ensino Médio, de acordo com a BNCC,
dando amplo destaque para as competências que devem ser desenvolvidas
ao longo de cada etapa da escolaridade, sem esquecer do compromisso
com o desenvolvimento integral dos estudantes. Visando uma unidade
do documento e pensando na progressão entre as etapas, as Matrizes
se organizam por áreas do conhecimento, mas com um olhar especial
para as especificidades e saberes próprios sistematizados nos diferentes
componentes. Também se esclarece a relação das competências e das
habilidades selecionadas no documento dentro de cada uma das dessas áreas.

Nos anos finais, as Matrizes estão estruturadas por unidades temáticas


e eixos estruturantes, sendo este último um elemento da área de
Linguagens. Já na área de Matemática, cada unidade temática foi dividida
em subunidades constituídas de habilidades que se aproximam por alguns
conceitos, temas ou conjunto de propriedades matemáticas. No Ensino
Médio, a organização se deu pelas competências específicas das áreas.

2.6. A PRIORIZAÇÃO
DAS APRENDIZAGENS

O documento da BNCC apresenta os direitos de aprendizagem para


a Educação Básica de todos os estudantes brasileiros. No entanto,
considerando processos de aceleração da aprendizagem, EJA e mesmo
produção de conteúdo em diversas formas, nessa proposta fizemos escolhas,
seja pela limitação do tempo de ensino ou, especialmente, pela necessidade
de apoiar as aprendizagens de estudantes de programas não regulares da
Educação Básica naquilo que permite a eles a continuidade dos estudos de
forma plena, com conhecimento e com confiança em seus saberes.

Por isso, na organização das Matrizes, a partir dos direitos de aprendizagem


previstos na BNCC, optamos por manter o foco do desenvolvimento integral,

1. Para visualização da organização das Matrizes, ver o infográfico no final deste texto.

27
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

garantindo que as competências gerais e específicas das áreas fossem


integralmente mantidas, e fizemos uma priorização entre as habilidades,
escolhendo o que denominamos habilidades centrais para a aprendizagem,
sem descuidar da progressão entre elas prevista na BNCC e das práticas
constituintes das áreas de conhecimento, tais como a investigação científica
para Ciências da Natureza, a resolução de problemas para Matemática,
as práticas sociais para Linguagens ou a política e o trabalho para Ciências
Humanas. A seleção fez recortes para viabilizar a aprendizagem e a formação
integral em um tempo reduzido.

Esta priorização foi realizada a partir de outra proposta no documento Mapa


de Focos elaborado pelo Instituto Reúna², que considera as habilidades
que apresentam fundamentos inegociáveis para a compreensão de um
componente curricular e seus processos, aquelas adequadas ao momento
atual e ao atendimento aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
da Agenda 2030 da ONU, as mais interdisciplinares e que permitem
conexões com outras habilidades de um mesmo componente curricular e
que sejam viáveis para desenvolvimento no tempo disponível para o ensino
e a aprendizagem dos estudantes e para os programas educativos nos quais
estiverem envolvidos. Certamente se tratou de uma escolha criteriosa,
delicada, que permitisse o desenvolvimento integral dos estudantes e a
oportunidade de desenvolvimento cognitivo, integração entre noções e
conceitos de um componente, ou entre distintos componentes na área, e
favorecimento do atendimento à diversidade que caracteriza os estudantes
e seus Projetos de Vida.

» ODS: os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são um


conjunto de 17 metas globais estabelecidas pela ONU para este milênio.
Os princípios da Agenda 2030 e dos ODS são: Universalidade (relevante
para todas as pessoas), Integração (equilibra as dimensões ambiental,
social e econômica, lida com contradições e maximiza sinergias), e
Não Deixar Ninguém para Trás (os ODS beneficiam todas as pessoas em
todos os lugares).

Os objetos do conhecimento sugeridos são instrumentos para que o


desenvolvimento das habilidades se dê de forma contextualizada, por isso as
escolhas também consideram as situações cotidianas, temas de relevância

2. Para conhecer mais a respeito de critérios de flexibilização curricular em situações especiais, ver Mapa da Focos
da BNCC, disponível em: https://institutoreuna.org.br/projeto/mapas-de-foco-bncc/. Acesso: 24 maio 2020.

28
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

para a contemporaneidade e as juventudes. Nos anos finais, há objetos


presentes na BNCC e outros complementares que possuem como objetivo
didatizar ainda mais o processo de desenvolvimento da habilidade.

As expectativas de aprendizagem evidenciam a progressão curricular


presente no conjunto de habilidades das Matrizes. Compostas por
verbos de ação no infinitivo, elas vão se complexificando na medida em
que as habilidades apresentam novos processos de cognição, podendo
ser entendidos como o conjunto de saberes, de práticas, de vivências, de
informações, de conhecimentos, de valores, de condutas e de atitudes
esperadas como aprendizagens relacionadas a cada habilidade.

O campo de sugestões para as práticas abrange tanto estratégias


metodológicas quanto sugestões para o acompanhamento das
aprendizagens, em diálogo com o desenvolvimento integral, materializado
na relação com as competências gerais, com os Projetos de Vida dos
estudantes, os temas contemporâneos transversais da BNCC, os Objetivos
de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, a educação
para as relações étnico-raciais e educação em direitos humanos.

» A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº 9.394/96) estabelece


a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira na
Educação Básica (incluído pela Lei nº 10.639 de 2003) e a Resolução nº 1,
de 30 de maio de 2012, a educação para os direitos humanos. Ambas têm
como objetivo ampliar o ensino e a aprendizagem no que diz respeito a
diversidade cultural, racial, social, econômica, conectada com os processos
de promoção dos Direitos Humanos, a fim de formar os estudantes para a
cidadania e para a atuação em uma sociedade multicultural e pluriétnica.

É possível notar que as Matrizes evidenciam caminhos para a integração


curricular, sugerindo estratégias que articulam os componentes curriculares
da própria área e das demais áreas do conhecimento no desenvolvimento de
competências e habilidades.

Considerando as suas características de priorização, as Matrizes poderão


colaborar prioritariamente com propostas curriculares e programas voltados
para a aceleração da aprendizagem, seja na sala de aula, na formação docente
continuada ou na curadoria de materiais. Um uso que as Matrizes podem
ter ainda é relacionado a avaliações diagnósticas e formativas pelo uso das
expectativas de aprendizagem trazidas para cada habilidade, que podem servir

29
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

AS 10
COMPETÊNCIAS
GERAIS DA BNCC

CAS
ÁTI
EM
EST COMP
AD ETÊ
ID NC
PORTUGUESA

IAS
UN DE
LÍNGUA
LÍNG ESA

ÁR
ING

EA
L
UA
AR

ED
U
TE

FÍ CAÇ
SI
CA ÃO LING
UA
AS

CO
GE
ENS E
TECN SUAS NS
AG
IC

MP
GU OLO
ÁT

LIN GI

ET
AS
EM

ÊN
ST

ICA

CIA
ADE

ÁT

MA E SU GIAS

S DE
A

TE
EM

TIC
UNID

TE AS
CN
MAT

ÁREA


OL
MATE

TICA
O
EN
OS FINAIS

SINO MÉDIO

BNCC
AN
HISTÓR

E S MANA S
AP O C I A S
C IÊ N A N A

A
HUM

IS
S
HU Ê N CI

ADA

ÁREA
UNID

CIA S
IA

CI

LIC

S DE
S
ADE

GE

CIA
ST

OG

S
ÊN

CI A Z A
EM

DA CIÊN
RA

CIÊNTURE
ET

N A CIA S
ÁT

FI

A
DA N SUAS IAS
MP

TUR
A
IC

EZA E G
CO
AS

OLO
TE C N
CIÊ
N
NA CIAS D
TU A
REZ
A
UN
ID EA
AD ÁR
ES S DE
TEM IA
ÁTIC NC
ETÊ
AS COMP

COMO A MATRIZ FOI ORGANIZADA: PRINCÍPIOS QUE INTEGRAM AS MATRIZES:

OBJETOS DO CONHECIMENTO PROBLEMATIZAÇÃO APRENDIZAGEM COLABORATIVA

APRENDIZAGEM BASEADA
SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS EM PROJETOS CULTURA DIGITAL

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PROJETOS DE VIDA ACOMPANHAMENTO


DA APRENDIZAGEM

HABILIDADES MULTILETRAMENTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DA ÁREA

* Para saber mais sobre a organização das Matrizes, ver o item 2.5 deste texto.

30
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

como orientadoras para a elaboração de Matrizes e itens avaliativos, bem


como de planos de intervenção em função dos dados obtidos. As Matrizes
apresentam uma linguagem direta e didática, uma vez que se propõem a
ser um instrumento acessível, que contemple profissionais da educação de
diversos segmentos. Esperamos que elas possam nortear a construção de
propostas pedagógicas da Fundação Roberto Marinho e de todo o ecossistema
educacional, a fim de proporcionar aprendizagens significativas, alinhadas
com os princípios, premissas e diretrizes da BNCC, contribuindo para que
estudantes de todo o país avancem em suas aprendizagens.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

» BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília-DF: MEC, 2018.


Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_
EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 24 maio 2020.

» ______. Decreto-lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as


diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República. Brasil,
1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.
Acesso em: 24 maio 2020.

» ______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9.394/96, de 20 de


dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.
Acesso em: 30 mar. 2020.

» ______. Resolução nº 4, de 17 de dezembro de 2018. Institui a Base


Nacional Comum Curricular na Etapa do Ensino Médio (BNCC-EM),
como etapa final da Educação Básica, nos termos do artigo 35 da LDB,
completando o conjunto constituído pela BNCC da Educação Infantil
e do Ensino Fundamental, com base na Resolução CNE/CP nº 2/2017,
fundamentada no Parecer CNE/CP nº 15/2017. Brasília-DF: MEC,
2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2018-
pdf/104101-rcp004-18/file. Acesso 24 maio 2020.

» DAMON, William. O que o jovem quer da vida? Como pais e professores


podem orientar e motivar os adolescentes. Tradução de Jacqueline
Vasconcelos. São Paulo: Summus, 2009.

continua>>

31
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

» MACHADO, Nílson José. Educação: projetos e valores. São Paulo:


Escrituras Editora, 2006.

» ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas (ONU). Transformando nosso mundo:


a agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em:
https://nacoesunidas.org/Pos2015/Agenda2030/. Acesso em: 24 maio 2020.

» RIO DE JANEIRO. Diretrizes para a política de Educação Integral – solução


educacional para o Ensino Médio. Secretaria de Educação do Estado do Rio
de Janeiro (Seeduc)/Instituto Ayrton Senna. S/D.

» UNESCO (ONU). Educação para todos: o compromisso de Dakar.


Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000127509.
Acesso em: 24 maio 2020.

» UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para todos (Conferência de


Jomtien – 1990). Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-
mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990. Acesso
em: 24 maio 2020.

32
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

33
3
34
ÁREA
LINGUAGENS

35
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.1. O PAPEL DA ÁREA


NA PROMOÇÃO DO
DESENVOLVIMENTO
INTEGRAL DOS
ESTUDANTES

A área de Linguagens, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular


(BNCC, 2018), trata dos conhecimentos e da atuação dos sujeitos em
práticas sociais mediadas por linguagens variadas, em diferentes esferas da
comunicação e expressão humanas, a fim de consolidar e ampliar o domínio
e os conhecimentos dos adolescentes, jovens e adultos sobre as diferentes
linguagens (artísticas, corporais e verbais) e os multiletramentos.
Mas não somente isso. Nossas dimensões física, emocional, intelectual,
cultural só podem ser expressas se considerarmos esse conjunto de
diferentes linguagens que atuam juntas, misturadas, diluídas em diversas
manifestações sociais e culturais. Dito de outro modo, não há como sermos
colocados em compartimentos desconectados do todo. Somos sujeitos
justamente por nossa dimensão plural, na qual todas as linguagens atuam
para nos constituir e nos integrar. Somos, portanto, movimentos, gestos,
expressões, falas que significam nossas realidades de forma dinâmica e
interativa, em práticas sociais diversas.

É dessa multiplicidade de linguagens que, segundo a BNCC (2018), se ocupa


a área, dando um tratamento às linguagens como elemento da comunicação
social e como matéria do pensamento. Desse modo, as linguagens são objetos
de estudo e de reflexão, pensadas e significadas dentro do contexto escolar
como um processo e um sistema semióticos, que permitem aos adolescentes,
jovens e adultos estudantes participarem de práticas sociais de linguagem
a fim de compreenderem diferentes formas de manifestação e expressão,
expandindo suas capacidades comunicativas, reflexivas e de significação.

A área de Linguagens, assim como as demais áreas do conhecimento,


portanto, tem o compromisso de privilegiar uma educação contemporânea
que impõe muitos desafios a serem enfrentados; em meio à infinidade de
informações e à rapidez de um mundo cada vez mais digital, sem fronteiras,

36
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

tecnológico, a área precisa colocar o desenvolvimento integral de jovens e


adultos como centro de suas escolhas. Inseridos em um mundo multiletrado
e multissemiótico, os estudantes precisam conhecer as diferentes linguagens
para saber utilizá-las, para construir conhecimentos (inclusive sobre as
próprias linguagens) e para ser agentes críticos dos processos de produção
e recepção de diferentes textos. E esse conhecimento, como todos os
demais, só pode ser construído por meio das práticas de linguagem, em todos
os componentes, em busca de regularidades, de regras e, sobretudo, de
construção de sentidos e significados a partir de seus contextos de produção.

3.2. O QUE SÃO


PRÁTICAS DE
LINGUAGEM E QUAIS
PRIORIZAR

Para tratarmos das práticas de linguagem, é preciso considerar as inúmeras


situações de interação social, nas quais as pessoas fazem uso social e
situado das linguagens, produzindo diferentes tipos de textos para interagir
com seus interlocutores, em um determinado contexto. No telejornal,
por exemplo, ao apresentar as notícias do dia, o apresentador faz uso da
linguagem verbal, mas também de gestos, expressões e outros tipos de
linguagens (imagens estáticas e em movimento, sons etc.) para mostrar e
relatar os fatos, considerando contexto, intencionalidade e interlocutores, a
partir dos quais precisa adequar o discurso. Na conversa entre amigos, em
um grupo de WhatsApp, os interlocutores se utilizam da língua e de outras
linguagens, como emojis e memes, para estabelecer a interação, dialogar,
comunicar suas ideias e impressões, transmitir informações. Na entrevista
de emprego, considerando a formalidade e a intencionalidade da situação, os
interlocutores costumam usar uma linguagem verbal mais formal, adequada
à situação comunicativa, evitando gírias ou palavrões, e uma linguagem
corporal sem gestos inquietos e expressões carrancudas, por exemplo.

Essas práticas de linguagem constituem-se como atividades sociais,


permitindo que os sujeitos se comuniquem, se expressem, construam

37
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

conhecimentos, de acordo com cada contexto ou situação comunicativa,


dentro de determinado campo de atuação social.

Ao tratar as diferentes práticas de linguagens como objetos de


conhecimento, a área de Linguagens coloca os estudantes como seres
atuantes no mundo, tornando-os protagonistas dos projetos escolares
e, sobretudo, de seus projetos de vida, integrando-os em toda sua
complexidade, por meio de textos verbais, não verbais e multissemióticos.
Justamente por isso, as práticas sociais das linguagens, no contexto da
escola, são muito potentes, porque podem ser identificadas, reconhecidas e
analisadas a partir de suas estruturas, funções comunicativas e dos
campos de atuação em que estão inseridas.

COMO OS CAMPOS DE ATUAÇÃO SOCIAL ORGANIZAM


AS PRÁTICAS DE LINGUAGEM?

Os campos de atuação social são importantes na organização dos objetos


de conhecimento, uma vez que indicam os gêneros textuais predominantes
de determinada esfera discursiva; os suportes em que se insere; e os papéis
enunciativos de quem produz, para quem e com qual finalidade, inserindo o
estudante nas diferentes funções e usos sociais das linguagens, em diversas
práticas de linguagem e situações de comunicação.

A BNCC (2018) apresenta, nos Anos Finais do Ensino Fundamental,


quatro campos:

» O campo das práticas de estudo e pesquisa situa as práticas de linguagem


no âmbito da esfera escolar e acadêmica, propondo a análise de textos
que circulam pelas diferentes áreas do conhecimento e, também, o
domínio dessa área pelos estudantes, a fim de que aprendam a aprender,
compreendam e produzam conhecimento científico. Procedimentos de
busca, tratamento e análise de dados e informações e diferentes tipos de
registro e de socialização dos estudos e pesquisas (esquemas, infográficos,
quadros, resumos, tabelas; apresentações orais, seminários, relatos
multimidiáticos etc.) são objetos de conhecimentos próprios desse campo.

38
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

» O campo de atuação na vida pública, por sua vez, propõe ao jovem que
ele amplie sua participação em diferentes instâncias públicas, a fim de
defender direitos, de conhecer os textos legais e normativos, de ser capaz
de participar de debates de ideias e de elaborar propostas e projetos
com foco no bem-estar social da comunidade. A valorização dos direitos
humanos, a formação de uma ética da responsabilidade e a tomada de
consciência do que seja Estado democrático são temas abordados nas
práticas de linguagem próprias desse campo.

» O campo artístico-literário promove o contato com diversas manifestações


artísticas em geral e a arte literária, com foco no desenvolvimento da
fruição e a formação do leitor literário. Evidencia a função utilitária dos
objetos artísticos e literários, com o objetivo de tratar da dimensão
humanizadora, transformadora e mobilizadora desses objetos, permitindo
ao estudante o contato com diferentes valores, visões de mundo, crenças,
desejos e conflitos, a fim de que possa exercer diálogo e empatia pelas
diferentes formas de ser e estar no mundo. O estudo de narrativas
literárias, da intertextualidade, da polifonia, do estilo, dos efeitos de
sentido da linguagem poética, da condição estética da arte, da leitura e da
escrita, entre outros, faz parte desse campo.

» O campo jornalístico-midiático promove o desenvolvimento da capacidade


dos estudantes de compreender e analisar os jogos de interesse que
movem o universo jornalístico-midiático e as práticas contemporâneas
envolvendo o uso das redes sociais. Dessa forma, analisar os diferentes
textos, os interesses e objetivos de seus produtores, e fazer curadoria para
checagem de informações por meio do uso de ferramentas digitais são
atividades que estão no cerne dessa esfera.

39
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

De modo geral, essas práticas das linguagens possibilitam:

a compreensão dos sujeitos sobre


o mecanismo e funcionamento das
uma reorganização do tratamento
diferentes linguagens a fim de utilizá-las
dado aos conteúdos considerados
para compartilhar informações,
como essenciais: os estudos das
experiências, ideias; refletir sobre
linguagens partem dessas práticas
seu lugar como indivíduo e cidadão;
e se remetem a essas práticas.
produzir sentidos que levem ao diálogo
e à resolução de conflitos.

o reconhecimento da dimensão a compreensão das linguagens


estética de todas as linguagens, digitais no contexto das tecnologias
valorizando o patrimônio cultural da informação e comunicação, a
e artístico, a interculturalidade e fim de utilizá-las de forma crítica,
o respeito à diversidade. significativa e ética.

o reconhecimento das linguagens


formas de empoderamento
em sua dimensão comunicativa,
dos sujeitos, ampliando sua
expressiva e social, promovendo a
participação na vida social e
compreensão e construção de valores,
político-cidadã.
significados, relações de poder.

40
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.3. APRESENTAÇÃO
DA MATRIZ DE
LINGUAGENS

3.3.1. Organização
A proposta organizacional da matriz da área de Linguagens para Ensino
Fundamental Anos Finais, alinhada aos pressupostos da BNCC (2018),
apresenta o conjunto das seis competências específicas da área articuladas
às habilidades próprias de cada componente (Língua Portuguesa, Língua
Inglesa, Arte e Educação Física), objetivos de aprendizagem e objetos
de conhecimento, todos agrupados por campos de atuação social ou
unidades temáticas. Além disso, ainda apresenta um tópico com sugestões
para a prática, no qual são apontadas relações das habilidades com o
desenvolvimento integral do estudante em programas de aceleração
ou na Educação de Jovens e Adultos (EJA), projetos de vida, temas
contemporâneos e transversais e Objetivos de Desenvolvimento
Sustentáveis (ODS), propostos pela UNESCO.

Nesse campo, também é apontado como habilidades de cada componente


podem se articular entre si e com as habilidades dos outros componentes
por meio de situações de aprendizagem (com projetos, sequências didáticas,
experimentações, processos criativos etc.) que promovem diversificadas
práticas sociais de linguagem.

Esse critério de organização da matriz por competências da área tem como


premissa explicitar a relação necessária entre os componentes, evitando um
efeito de trabalho em “caixinhas” ou fragmentação dos conhecimentos. A
proposta é que os componentes se integrem, por meio dessas competências
e na articulação das habilidades, a fim de privilegiarem a construção de
conhecimentos possíveis na integração das diferentes linguagens. Com
isso, a matriz pode auxiliar tanto o educador, na seleção do conjunto de
conhecimentos a serem trabalhados em suas aulas, quanto o produtor de
conteúdos para materiais didáticos, vídeos etc.

É importante salientar, no entanto, que as competências de cada componente


também estão articuladas às competências da área, considerando suas
especificidades e tratamento dado a cada linguagem, tal qual se pode
observar no quadro a seguir:

41
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 1


Compreender as linguagens como construção humana, histórica, social e cultural,
de natureza dinâmica, reconhecendo-as e valorizando-as como formas de significação
da realidade e expressão de subjetividades e identidades sociais e culturais.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

1 Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico, social, variável, heterogêneo


LP e sensível aos contextos de uso, reconhecendo-a como meio de construção de identidades
de seus usuários e da comunidade a que pertencem.

4 Compreender o fenômeno da variação linguística, demonstrando atitude respeitosa


diante de variedades linguísticas e rejeitando preconceitos linguísticos.

1 Explorar, conhecer, fruir e analisar criticamente práticas e produções artísticas e culturais do


AR seu entorno social, dos povos indígenas, das comunidades tradicionais brasileiras e de diversas
sociedades, em distintos tempos e espaços, para reconhecer a arte como um fenômeno
cultural, histórico, social e sensível a diferentes contextos e dialogar com as diversidades.

6 Estabelecer relações entre arte, mídia, mercado e consumo, compreendendo, de forma


crítica e problematizadora, modos de produção e de circulação da arte na sociedade.

9 Analisar e valorizar o patrimônio artístico nacional e internacional, material e imaterial,


com suas histórias e diferentes visões de mundo.

1 Compreender a origem da cultura corporal de movimento e seus vínculos com a organização


EF da vida coletiva e individual.

7 Reconhecer as práticas corporais como elementos constitutivos da identidade cultural


dos povos e grupos.

42
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

1 Identificar o lugar de si e o do outro em um mundo plurilíngue e multicultural, refletindo,


LI criticamente, sobre como a aprendizagem da língua inglesa contribui para a inserção dos
sujeitos no mundo globalizado, inclusive no que concerne ao mundo do trabalho.

3 Identificar similaridades e diferenças entre a língua inglesa e a língua materna/outras


línguas, articulando-as a aspectos sociais, culturais e identitários, em uma relação intrínseca
entre língua, cultura e identidade.

Assim como neste modelo, nas próximas páginas, você vai encontrar esses símbolos quando
os conteúdos forem referentes à:

LP LÍNGUA PORTUGUESA EF EDUCAÇÃO FÍSICA

AR ARTE LI LÍNGUA INGLESA

43
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 2


Conhecer e explorar diversas práticas de linguagem (artísticas, corporais e linguísticas)
em diferentes campos da atividade humana para continuar aprendendo, ampliar suas
possibilidades de participação na vida social e colaborar para a construção de uma
sociedade mais justa, democrática e inclusiva.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

2 Apropriar-se da linguagem escrita, reconhecendo-a como forma de interação nos


LP diferentes campos de atuação da vida social e utilizando-a para ampliar suas possibilidades
de participar da cultura letrada, de construir conhecimentos (inclusive escolares) e de se
envolver com maior autonomia e protagonismo na vida social.

3 Ler, escutar e produzir textos orais, escritos e multissemióticos que circulam em diferentes
campos de atuação e mídias, com compreensão, autonomia, fluência e criticidade, de modo a se
expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos, e continuar aprendendo.

7 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

8 Selecionar textos e livros para leitura integral, de acordo com objetivos, interesses e projetos
pessoais (estudo, formação pessoal, entretenimento, pesquisa, trabalho etc.).

1 Explorar, conhecer, fruir e analisar criticamente práticas e produções artísticas e culturais do


AR seu entorno social, dos povos indígenas, das comunidades tradicionais brasileiras e de diversas
sociedades, em distintos tempos e espaços, para reconhecer a arte como um fenômeno
cultural, histórico, social e sensível a diferentes contextos e dialogar com as diversidades.

4 Experienciar a ludicidade, a percepção, a expressividade e a imaginação, ressignificando


espaços da escola e de fora dela no âmbito da Arte.

8 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

44
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

1 Compreender a origem da cultura corporal de movimento e seus vínculos com a organização


EF da vida coletiva e individual.

2 Planejar e empregar estratégias para resolver desafios e aumentar as possibilidades


de aprendizagem das práticas corporais, além de se envolver no processo de ampliação
do acervo cultural nesse campo.

4 Identificar a multiplicidade de padrões de desempenho, saúde, beleza e estética corporal,


analisando, criticamente, os modelos disseminados na mídia e discutir posturas consumistas
e preconceituosas.

8 Usufruir das práticas corporais de forma autônoma para potencializar o envolvimento


em contextos de lazer, ampliar as redes de sociabilidade e a promoção da saúde.

9 Reconhecer o acesso às práticas corporais como direito do cidadão, propondo


e produzindo alternativas para sua realização no contexto comunitário.

4 Elaborar repertórios linguístico-discursivos da língua inglesa, usados em diferentes


LI países e por grupos sociais distintos dentro de um mesmo país, de modo a reconhecer a
diversidade linguística como direito e valorizar os usos heterogêneos, híbridos e multimodais
emergentes nas sociedades contemporâneas.

45
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 3


Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita),
corporal, visual, sonora e digital –, para se expressar e partilhar informações,
experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que
levem ao diálogo, à resolução de conflitos e à cooperação.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

2 Apropriar-se da linguagem escrita, reconhecendo-a como forma de interação nos


LP diferentes campos de atuação da vida social e utilizando-a para ampliar suas possibilidades
de participar da cultura letrada, de construir conhecimentos (inclusive escolares) e de se
envolver com maior autonomia e protagonismo na vida social.

5 Empregar, nas interações sociais, a variedade e o estilo de linguagem adequados à


situação comunicativa, ao(s) interlocutor(es) e ao gênero do discurso/gênero textual.

2 Compreender as relações entre as linguagens da Arte e suas práticas integradas, inclusive


AR aquelas possibilitadas pelo uso das novas tecnologias de informação e comunicação, pelo
cinema e pelo audiovisual, nas condições particulares de produção, na prática de cada
linguagem e nas suas articulações.

3 Pesquisar e conhecer distintas matrizes estéticas e culturais – especialmente aquelas


manifestas na arte e nas culturas que constituem a identidade brasileira –, sua tradição
e manifestações contemporâneas, reelaborando-as nas criações em Arte.

4 Experienciar a ludicidade, a percepção, a expressividade e a imaginação, ressignificando


espaços da escola e de fora dela no âmbito da Arte.

7 Problematizar questões políticas, sociais, econômicas, científicas, tecnológicas e


culturais, por meio de exercícios, produções, intervenções e apresentações artísticas.

8 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

46
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

5 Identificar as formas de produção dos preconceitos, compreender seus efeitos e combater


EF posicionamentos discriminatórios em relação às práticas corporais e aos seus participantes.

6 Interpretar e recriar os valores, os sentidos e os significados atribuídos às diferentes


práticas corporais, bem como aos sujeitos que delas participam.

10 Experimentar, desfrutar, apreciar e criar diferentes brincadeiras, jogos, danças,


ginásticas, esportes, lutas e práticas corporais de aventura, valorizando o trabalho coletivo
e o protagonismo.

2 Comunicar-se na língua inglesa, por meio do uso variado de linguagens em mídias


LI impressas ou digitais, reconhecendo-a como ferramenta de acesso ao conhecimento, de
ampliação das perspectivas e de possibilidades para a compreensão dos valores e interesses
de outras culturas e para o exercício do protagonismo social.

47
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 4


Utilizar diferentes linguagens para defender pontos de vista que respeitem o
outro e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo
responsável em âmbito local, regional e global, atuando criticamente frente a
questões do mundo contemporâneo.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

5 Empregar, nas interações sociais, a variedade e o estilo de linguagem adequados à


LP situação comunicativa, ao(s) interlocutor(es) e ao gênero do discurso/gênero textual.

6 Analisar informações, argumentos e opiniões manifestados em interações sociais e


nos meios de comunicação, posicionando-se ética e criticamente em relação a conteúdos
discriminatórios que ferem direitos humanos e ambientais.

7 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

7 Problematizar questões políticas, sociais, econômicas, científicas, tecnológicas e


AR culturais, por meio de exercícios, produções, intervenções e apresentações artísticas.

8 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

48
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3 Refletir, criticamente, sobre as relações entre a realização das práticas corporais e os


EF processos de saúde/doença, inclusive no contexto das atividades laborais.

4 Identificar a multiplicidade de padrões de desempenho, saúde, beleza e estética corporal,


analisando, criticamente, os modelos disseminados na mídia e discutir posturas consumistas
e preconceituosas.

5 Identificar as formas de produção dos preconceitos, compreender seus efeitos e


combater posicionamentos discriminatórios em relação às práticas corporais e aos
seus participantes.

49
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 5


Desenvolver o senso estético para reconhecer, fruir e respeitar as diversas
manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, inclusive aquelas
pertencentes ao patrimônio cultural da humanidade, bem como participar de
práticas diversificadas, individuais e coletivas, da produção artístico-cultural,
com respeito à diversidade de saberes, identidades e culturas.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

9 Envolver-se em práticas de leitura literária que possibilitem o desenvolvimento do senso


LP estético para fruição, valorizando a literatura e outras manifestações artístico-culturais
como formas de acesso às dimensões lúdicas, de imaginário e encantamento, reconhecendo
o potencial transformador e humanizador da experiência com a literatura.

1 Explorar, conhecer, fruir e analisar criticamente práticas e produções artísticas e


AR culturais do seu entorno social, dos povos indígenas, das comunidades tradicionais
brasileiras e de diversas sociedades, em distintos tempos e espaços, para reconhecer
a arte como um fenômeno cultural, histórico, social e sensível a diferentes contextos e
dialogar com as diversidades.

3 Pesquisar e conhecer distintas matrizes estéticas e culturais – especialmente aquelas


manifestas na arte e nas culturas que constituem a identidade brasileira –, sua tradição
e manifestações contemporâneas, reelaborando-as nas criações em Arte.

6 Estabelecer relações entre arte, mídia, mercado e consumo, compreendendo, de forma


crítica e problematizadora, modos de produção e de circulação da arte na sociedade.

9 Analisar e valorizar o patrimônio artístico nacional e internacional, material e imaterial,


com suas histórias e diferentes visões de mundo.

50
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

1 Compreender a origem da cultura corporal de movimento e seus vínculos com a organização


EF da vida coletiva e individual.

6 Interpretar e recriar os valores, os sentidos e os significados atribuídos às diferentes


práticas corporais, bem como aos sujeitos que delas participam.

7 Reconhecer as práticas corporais como elementos constitutivos da identidade cultural


dos povos e grupos.

10 Experimentar, desfrutar, apreciar e criar diferentes brincadeiras, jogos, danças,


ginásticas, esportes, lutas e práticas corporais de aventura, valorizando o trabalho coletivo
e o protagonismo.

6 Conhecer diferentes patrimônios culturais, materiais e imateriais, difundidos na língua


LI inglesa, com vistas ao exercício da fruição e da ampliação de perspectivas no contato com
diferentes manifestações artístico-culturais.

51
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA 6


Compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma
crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as
escolares), para se comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias, produzir
conhecimentos, resolver problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO COMPONENTE

10 Mobilizar práticas da cultura digital, diferentes linguagens, mídias e ferramentas digitais


LP para expandir as formas de produzir sentidos (nos processos de compreensão e produção),
aprender e refletir sobre o mundo e realizar diferentes projetos autorais.

2 Compreender as relações entre as linguagens da Arte e suas práticas integradas, inclusive


AR aquelas possibilitadas pelo uso das novas tecnologias de informação e comunicação, pelo
cinema e pelo audiovisual, nas condições particulares de produção, na prática de cada
linguagem e nas suas articulações.

5 Mobilizar recursos tecnológicos como formas de registro, pesquisa e criação artística.

8 Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores


e ideologias.

9 Reconhecer o acesso às práticas corporais como direito do cidadão, propondo e produzindo


EF alternativas para sua realização no contexto comunitário.

10 Experimentar, desfrutar, apreciar e criar diferentes brincadeiras, jogos, danças,


ginásticas, esportes, lutas e práticas corporais de aventura, valorizando o trabalho coletivo
e o protagonismo.

5 Utilizar novas tecnologias, com novas linguagens e modos de interação, para pesquisar,
LI selecionar, compartilhar, posicionar-se e produzir sentidos em práticas de letramento na
língua inglesa, de forma ética, crítica e responsável.

52
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Desse modo, ao articular diversas habilidades para garantir o


desenvolvimento de competências da área, também se está garantindo o
desenvolvimento dos conjuntos de habilidades específicas de cada segmento.
O que, consequentemente, contribui para o desenvolvimento integral dos
estudantes, estejam eles em classes regulares, em projetos de aceleração de
aprendizagem, recuperação, nivelamento ou na EJA.

3.3.2. As habilidades selecionadas para


esta matriz
A seleção de habilidades para compor a matriz da área de Linguagens
considerou o contexto de produção de conteúdos diversos, programas
de aceleração da aprendizagem, de nivelamento e da EJA, no que tange
a identidade dos estudantes e a questão do tempo mais reduzido desses
projetos em comparação ao ensino regular. Para isso, selecionamos
habilidades de todos os componentes, considerando todas práticas de
linguagem, campos de atuação social e unidades temáticas, que sejam
imprescindíveis para o desenvolvimento de cada competência da área,
contribuindo para que os adolescentes e jovens possam dar continuidade
aos estudos, construir novos conhecimentos e atuar no mercado de trabalho,
priorizando sua aprendizagem e formação integral. Os critérios para essa
seleção foram:

» Foco nas práticas de linguagem, organizadas em unidades temáticas


e campos de atuação social, favorecendo a apresentação e
experimentação de todas as linguagens previstas na BNCC, em
todos os componentes da área, considerando a perspectiva
do multiletramento.

» Organização de um conjunto coeso de habilidades, para o


desenvolvimento das competências da área, que favoreça a
autonomia do estudante e fomente a cooperação entre todos os
envolvidos no processo de aprendizagem.

» Construção de um saber prático, crítico e atuante, relacionado


ao contexto que vive, de modo a estar apropriado e a fruir das
diferentes formas de linguagem, de forma ética e cidadã, para a
construção de um projeto de vida pessoal e coletivo.

53
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.3.3. Os objetos de conhecimento


trabalhados na área
Em relação aos objetos de conhecimento, assumiu-se, nesta matriz,
uma perspectiva de pedagogia por competências e habilidades, tal qual
a organização da própria BNCC. Nesse sentido, os objetos devem ser
compreendidos como ponto de apoio possível, em um determinado contexto
e ou situação, para o desenvolvimento de competências e habilidades.
E devem ser articulados nas práticas didático-pedagógicas, de forma
coerente e consistente, considerando que não podem ser tomados como
conteúdos independentes e autônomos. Nesse contexto, alguns objetos
de conhecimentos da área, mais procedimentais e processuais, devem ser
priorizados a fim de promover o desenvolvimento de habilidades, tais como:

» Processos de criação – Refere-se ao desenvolvimento de


determinada obra artística (literatura, dança, música, artes visuais e
teatro). Compreende um tempo, espaço e materiais específicos, todos
esses elementos convergindo para um estado criativo favorável, que
envolva o estudante corporal, racional e emocionalmente.

» Apreciação e réplica – posicionar-se de maneira responsável em


relação a temas e efeitos de sentido dos textos, de acordo com
valores próprios, visões de mundo e contextos nos quais os textos e
atos de linguagens se inserem; fazer apreciações éticas, estéticas e
políticas de textos e produções artísticas e culturais etc.

» Curadoria de informação – De acordo com a BNCC (2018),


é bastante utilizado em relação ao tratamento da informação
(curadoria da informação), envolvendo processos mais apurados de
seleção e filtragem de informações, procedimentos de checagem,
validação, categorização e reedição a fim de que os conteúdos
possam ser apresentados.

Contexto de produção, circulação e recepção – reflexão sobre os contextos


e situações sociais em que se produzem textos (quem produz, com qual
finalidade, para quem, onde esses textos são publicados etc.) e sobre as
diferenças em termos formais, estilísticos, linguísticos e multissemióticos
que esses contextos determinam; análise das condições de produção
relacionadas ao lugar social assumido e à imagem que se pretende passar
a respeito de quem produz o texto, do leitor pretendido e do veículo
ou mídia em que o texto circulará; sobre os aspectos sócio-históricos e
sociodiscursivos, temáticos, composicionais e estilísticos dos gêneros
discursivos e o campo de atividade em que se inserem.

54
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.3.4. A contribuição de cada componente


para o trabalho da área
Na BNCC (2018), os Anos Finais do Ensino Fundamental preveem, na área
de Linguagens, que os estudantes participem de situações comunicativas
diversificadas de maneira mais crítica, interagindo com muitos e
diferentes interlocutores e aprofundando os conhecimentos relativos aos
componentes da área a fim de adquirirem autonomia e protagonismo em
práticas de linguagem. Apresenta um enfoque na dimensão analítica como
forma de compreensão e expressão a partir de práticas de formulação de
questionamentos, de seleção, organização e análise dos estudos e conclusões.

Desse modo, os componentes contribuem para esse aprofundamento


e desenvolvimento da capacidade analítica dos estudantes, tratando
dos temas, objetivos de conhecimento e unidades temáticas ou campos
de atuação próprios, e garantindo a articulação entre eles para o
desenvolvimento das habilidades e das competências.
A seguir, é possível observar algumas dessas contribuições.

3.3.4.1. Arte
A Arte, como propulsora dos conhecimentos humanos, e considerando
as linguagens das artes visuais, da dança, da música e do teatro, permite
a articulação de diferentes saberes e fenômenos artísticos e práticas de
criação e produção. O trabalho com Arte precisa garantir a ampliação do
conhecimento das especificidades das técnicas, materiais e processos
criativos destas linguagens; a relação entre as linguagens, situando-as
principalmente em contextos profissionais, históricos, sociais e culturais; a
poética, a fruição e a prática de processos criativos de forma consciente,
destacando suas dimensões expressiva e social; a instauração de processos
de aprendizagem e saberes pautados pelo trabalho coletivo, localizando a
coletividade como marca da linguagem artística; a facilitação da relação com
outros componentes dentro da área e fora dela.

» Material: pode-se compreender material de maneira estendida, como


qualquer elemento que contribua para o desenvolvimento de determinado
processo criativo. Exemplos de materiais: dados históricos, estatísticas,
pesquisas qualitativas e quantitativas, fatos, lápis, tinta, corpo, voz, tecido,
luz, som, memória, imagens, sonhos etc.

» Poética: em processos artístico-pedagógicos, poética é a capacidade de


particularização de determinada prática textual (teatro, dança, música,

55
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

pintura, texto escrito ou demais textos). Desta forma, quando o estudante


é levado a desenvolver sua poética, intenta-se que ele se aproprie de
determinados conhecimentos e técnicas e use-os de forma autêntica,
criativa e potente.

» Fruição: dimensão do conhecimento relacionada à apreciação estética,


tanto das experiências corporais vivenciadas como das práticas de outras
épocas, lugares e grupos. É fundamental que seja salientado que a fruição
passa pela “apropriação de um conjunto de conhecimentos que permita ao
estudante desfrutar de uma determinada prática corporal e/ou apreciar
essa e outras tantas realizadas por outros” (BNCC, 2018, pp. 220-221).
Em Artes, o trabalho de fruição é transversal em grande parte das práticas
metodológicas e “refere-se ao deleite, ao prazer, ao estranhamento e à
abertura para se sensibilizar durante a participação em práticas artísticas
e culturais” (BNCC, 2018. p. 195). Dentro deste componente, fruir é
tanto objetivo quanto método das práticas educativas, sendo estas duas
dimensões retroalimentadas à medida que o processo artístico-pedagógico
se desenvolve.

a. Como usar a Matriz


Em sala de aula
É preciso garantir, nos planejamentos, a apresentação e experimentação
das linguagens artísticas previstas na BNCC (localizadas no documento
como unidades temáticas), por meio de atividades individuais, grupais
e colaborativas, que possibilitem o acesso dos estudantes a diferentes
manifestações culturais (populares, regionais, de matrizes indígenas e
africanas) e ao entrelaçamento de culturas e saberes. Isso os levará para
outros espaços (ruas, centros culturais, museus; instalações; apresentações
musicais, teatrais de dança; cinema; encontros de performances; saraus)
em que essas manifestações ocorrem para que possam delas participar,
experimentar-se nessas artes, refletir sobre seu papel na formação do ser
humano, compreender sua pluralidade e suas potencialidades expressivas
das inquietações da existência humana.

Na formação docente continuada


É preciso que haja homologia de processos, inserindo de fato os professores
em situações comunicativas que lhes permitam vivenciar a poética, a fruição
e a prática de processos de criação, refletindo sobre o papel da arte e da
cultura na formação dos indivíduos e da sociedade. Além disso, é preciso que
eles reflitam criticamente sobre seus saberes, problematizando sua atuação
didático-pedagógica e o modo como a arte está inserida em suas aulas.

56
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Na curadoria e produção de objetos educacionais


É preciso considerar situações de aprendizagem que promovam o
contato com diferentes tipos de obras artísticas e culturais para a
construção de repertório. Além disso, são necessários planejamento e
organização de propostas de criações artísticas feitas pelos próprios
estudantes, individualmente ou em grupos colaborativos, valorizando
seus conhecimentos e sua capacidade de se expressar por meio da arte,
desenvolvendo a capacidade de refletir sobre seus desejos e projetos
pessoais e de intervir no coletivo, com propostas reflexivas sobre a
realidade social na qual estão inseridos.

3.3.4.2. Educação Física


A Educação Física, na investigação e exploração dos movimentos, dos
gestos, das práticas corporais e dos sentidos e significados atribuídos e
constituídos por eles, promove uma construção de saber do sujeito sobre
si mesmo e sobre os outros, sobre as diferentes culturas e os diferentes
discursos e os valores que envolvem cada prática. O objetivo principal da
Educação Física escolar, em todos os segmentos, é introduzir e integrar os
alunos na Cultura Corporal de Movimento, formando os cidadãos que vão
usufruir, partilhar, produzir, reproduzir e transformar as manifestações que
caracterizam essa área. E, também, promover a construção de um olhar
analítico e reflexivo sobre as próprias práticas e sobre o próprio corpo,
em seus limites, potencialidades e capacidade de constituir o sujeito; os
estilos de vida ativos e sua importância para a manutenção da saúde; as
possibilidades e limites da ocupação e uso dos espaços públicos e privados
em que as práticas corporais acontecem. As diferentes linguagens que
compõem as práticas corporais se sustentam como formas de expressão e
expansão dos sujeitos e dialogam com os contextos sociais e culturais em
que se inserem.

a. Como usar a Matriz


Em sala de aula
As práticas de Educação Física promovidas com adolescentes, jovens
e adultos, no contexto dos projetos de aceleração, nivelamento ou na
EJA, devem considerar que “Experimentar e fruir” são duas dimensões
do conhecimento que são complementares e estão implicadas no
desenvolvimento de várias habilidades, trazendo consigo a condição do
estudante de se apropriar do conhecimento de forma contextualizada e
intencional. Para tanto, as práticas pedagógicas propostas precisam garantir
que todos possam ser inseridos na experimentação, fruição e reflexão sobre
diferentes vivências corporais, a fim de que possam expressar-se,
considerando as subjetividades de cada indivíduo e a sua interação
com o outro. Atividades e vivências que envolvam espaços de lazer na

57
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

escola e na comunidade à qual pertencem, como dança, jogos, esportes,


permitem a valorização da consciência corporal e postural, bem como o
desenvolvimento de capacidade crítica e analítica sobre os valores da cultura
corporal disseminados em diferentes mídias, estando mais atento a como as
linguagens se desenvolvem em consonância com a realidade social, histórica
e cultural de um povo.

Na formação docente continuada


É necessário considerar a homologia de processos para que os próprios
educadores possam vivenciar, experimentar e fruir práticas corporais,
observando-se como sujeitos que se expressam também pelos movimentos
do corpo, interagindo com o outro e com a comunidade em que vivem. Além
disso, é importante fortalecer e ampliar o repertório teórico-metodológico
sobre a abordagem cultural e social das práticas corporais a fim de
problematizar as propostas pedagógicas feitas aos estudantes: “Como
planejar aulas de Educação Física que promovam a análise de conceitos
de saúde, desempenho e beleza, considerando as múltiplas dimensões
que permeiam a linguagem corporal (social, genética, cultural etc.)?”; “De
que modo as práticas corporais possibilitam a construção do conceito de
corpo a partir de múltiplas dimensões (cultural, política etc.) e não apenas a
biológica?”; “Como a construção da autoimagem corporal e da autoestima
pode ser foco das aulas de Educação Física?”.

Na curadoria e produção de objetos educacionais


É importante considerar a seleção de materiais e construção de objetos
educacionais que permitam a realização de diferentes práticas corporais, a
fim de que os estudantes possam experimentar, fruir e analisar a importância
dessas práticas para a melhoria das condições de vida, saúde, bem-estar e
autocuidado. Além disso, pode-se pensar na criação de oficinas e programas
de ginástica por meio dos quais eles possam utilizar seu conhecimento
sobre as diferentes práticas corporais como possibilidade de expressão da
subjetividade e identidade pessoal e social.

58
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.3.4.3. Língua Inglesa


A Língua Inglesa promove a construção de conhecimentos sobre a
multiplicidade e variedade de usos e funções do inglês — entendido como
língua franca —, por meio de práticas de linguagem situadas em diferentes
campos de atuação social. Seu objetivo é integrar os adolescentes e jovens
com grupos multilíngues e multiculturais, expandindo não somente o
repertório linguístico, mas sobretudo a consciência e a reflexão sobre o
uso dessa língua nas sociedades contemporâneas. Por isso, o tratamento
dado à Língua Inglesa na BNCC, e adotado nesta matriz, considera sua
potencialidade no desenvolvimento do olhar dos estudantes sobre o mundo
e sobre si mesmos no mundo global, sem fronteiras, em que as diferenças e
semelhanças possam ser passíveis de reflexão e análise crítica.

» Língua franca: conceito que compreende uma língua em seu caráter social
e político. Nesse sentido, não se compreende a língua como padrão ou
única e nem que existam variantes dela, mas trata-se de legitimar os usos
feitos dela pelos falantes ao redor do mundo. Dessa forma, esse conceito
desvincula da ideia de que um idioma é próprio de um único território, mas
um meio de comunicação que favorece a interculturalidade.

Nesse sentido, a fim de que seja considerado um caráter “formativo que


inscreve a aprendizagem de inglês em uma perspectiva de educação
linguística, consciente e crítica na qual dimensões pedagógicas e políticas
estão intrinsecamente ligadas”¹, a BNCC divide o componente em eixos
organizadores que envolvem tanto os aspectos pedagógicos quantos
os políticos, quais sejam: Oralidade, Leitura, Escrita, Conhecimentos
Linguísticos e Dimensão Intercultural. Dessa forma, ao organizar a matriz
por eixos, ilustra-se de modo didático quais são as metodologias envolvidas
nas práticas de linguagem, favorecendo essa “educação linguística,
consciente e crítica” ao apresentar o eixo dos conhecimentos linguísticos
sempre atrelado ao das demais práticas de linguagem.

a. Como usar a Matriz


Em sala de aula
É necessário considerar nesse trabalho as metodologias integradoras,
sendo iniciado a partir de uma situação problematizadora que mobilize os
estudantes a pesquisar texto sobre temas de interesse individual ou coletivo.

1. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília-DF: MEC, 2018. p. 241.

59
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Para tanto, é preciso também considerar o desenvolvimento de diferentes


estratégias de leitura que mobilizem conhecimentos prévios sobre tema,
gênero discursivo, linguagem; que antecipem o sentido global do texto por
meio de inferências, observando títulos, primeiras e últimas frases de cada
parágrafo, palavras-chave; e que promovam reflexão e partilha pós-leitura.
Além disso, as práticas de leitura devem ser situadas e focadas na interação
do leitor com o texto, considerando seu contexto de produção. Nesse
sentido, conhecer os campos de atuação social a que pertence (é um texto
jornalístico-midiático? Literário? Jurídico? Científico?), o gênero discursivo
com sua linguagem e estrutura, os interlocutores envolvidos nesse processo
interativos etc., é fundamental para potencializar a aprendizagem dessa
língua, instrumentalizando os estudantes para o seu uso e para a construção
de seu sentido na vida contemporânea e do multiletramento. É no eixo da
leitura que os estudantes também constroem estratégias para ler, ou seja, de
reconhecimento textual: aprendem a reconhecer e usar pistas verbais e não
verbais para formular hipóteses e fazer inferências.

Na formação docente continuada


É preciso considerar a homologia de processos a fim de problematizar o
ensino tradicional da Língua Inglesa a partir da reprodução de modelos e
análise linguística descontextualizados e desprovidos de sentidos. Desse
modo, ao inserir o docente em práticas e situações de uso da língua como
forma de inserção no mundo multicultural, permite-se que ele se expresse,
se comunique e construa saberes diversos de acordo com seus interesses.
Além disso, é preciso que essas práticas pedagógicas utilizadas no processo
de formação contínuo possibilitem problematizar as práticas educativas
adotadas pelo docente, levando-o a refletir: “As ações que promovo em
minhas aulas permitem aos estudantes expressarem sua singularidade de
modo criativo e adequado a cada situação e contexto comunicativo?”; “Como
as minhas aulas possibilitam que os estudantes investiguem sobre o alcance
da Língua Inglesa no mundo a fim de ampliar seu repertório sobre seu uso?”.

Na curadoria e produção de objetos educacionais


É preciso promover a prática da língua inserida em situações e contextos
que, de fato, façam sentido para os alunos, implicando vivências e reflexão
sobre a importância desses usos para inseri-los em um contexto de mundo
multicultural. Do mesmo modo, é preciso organizar práticas de produção
textual situadas, considerando tanto a natureza processual e colaborativa
da escrita quanto a finalidade da escrita, atentando para o protagonismo
dos estudantes e a ampliação de repertório a fim de que possam expandir o
uso da língua para desenvolver seus projetos pessoais e se comunicar com
pessoas de outros países, culturas, sociedades. A seleção e organização
de vídeos e textos que tragam contextos de uso da língua, como viagens,
trabalho fora do país (não apenas em países anglófonos) ou mesmo no

60
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

país, quando é preciso estabelecer contato com uma pessoa de outra


nacionalidade, favorece a ampliação de repertório e a construção de sentido
dos usos da língua.

3.3.4.4. Língua Portuguesa


A Língua Portuguesa, com foco no tratamento das diferentes linguagens
e sua contextualização nas práticas de linguagem de leitura, produção de
textos (orais, escritos, multissemióticos) e análise linguística/semiótica,
promove nos estudantes a capacidade de transitar pelos diferentes
textos (lendo, escrevendo, falando, analisando) em uma perspectiva de
multiletramento, inclusive multissemiótico. Por seu caráter transversal
e integrador de todas as demais linguagens (é por meio da língua que os
estudantes se expressam, constroem e legitimam seus conhecimentos), deve
ser tratada como um objeto de conhecimento a ser estudado, apreendido,
analisado e sistematizado, numa perspectiva enunciativa-discursiva. Ou seja,
como um processo de interlocução que se realiza nas práticas de linguagem
e se materializa nos diferentes textos, verbais e não verbais, produzidos pelo
ser humano; nos acontecimentos de leitura e produção textual (oral e escrita)
concretos, reais, impregnados de sentidos e intencionalidade.

» Multissemióticos: textos que envolvem o uso de diferentes linguagens.


Nesse sentido, o entendimento do que significa “texto” se amplia de
modo que, para além do escrito, em linguagem verbal, imagens estáticas
(fotos, pinturas, ilustrações, infográficos, desenhos) ou em movimento
(vídeos, filmes) e som (áudios, músicas). Por exemplo, um poema visual,
configura-se como um texto verbo-visual. Desse modo, esse mesmo
poema, disponibilizado nas mídias digitais, passa a envolver também a
linguagem audiovisual. Assim, a compreensão adequada do texto depende
da identificação dos efeitos de sentido produzidos pelo uso de recursos
gráficos articulados ao texto verbal.

a. Como usar a Matriz


Em sala de aula
Propõe-se vivências de diferentes práticas discursivas da linguagem, de
leitura e produção textual de diferentes gêneros discursivos (orais, escritos
e multissemióticas), contextualizadas em diferentes campos de atuação
social (artístico-literário; jornalístico-midiático; das práticas de estudo e
pesquisa; da vida pública; da vida pessoal, entre muitos outros) e situadas

61
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

em diferentes mídias. Além disso, essas práticas discursivas ainda precisam


estar inseridas em projetos e sequências didáticas que as contextualizem, em
todas as situações comunicativas, de acordo com os contextos de produção
(por quem, quando, onde foi produzido?), circulação (em que meios e
circuitos foi publicado?) e recepção (por quem foi lido?) em que se inserem.
Essas experiências leitoras e de produção textual precisam também permear
todos os aspectos da vida dos adolescentes, jovens e adultos (pública,
cultural, acadêmica, pessoal, profissional) a fim de que possam: 1) apreender
suas estruturas textuais que têm função social, comunicativa, reconhecendo
sua intencionalidade nos discursos, ideologias, posições políticas, valores
éticos e estéticos; 2) responder às demandas de diferentes contextos de
comunicação e expressão para criar novos textos, de acordo com as mais
diferentes demandas e situações de comunicação.

Na formação docente continuada


É preciso que haja homologia de processos, por meio dos quais os docentes
vivenciem práticas de leitura, escuta e produção textuais (orais, escritas e
multissemióticas) e de análise linguística e semiótica, considerando seus
próprios conhecimentos como leitor e produtor proficiente de textos; sobre
como se lê (que estratégias, procedimentos, repertório etc. são necessários
para ler textos de diferentes gêneros, com diferentes funções sociais,
inseridos em diferentes campos e contextos?) e como se escreve diferentes
gêneros textuais para responder as mais diversas demandas sociais e
comunicativas (essa escrita é processual? Que etapas são necessárias
até que o texto possa ser compartilhado e legitimado socialmente?). É
necessário considerar também seus conhecimentos teórico-metodológicos
que, geralmente, determinam o modo como sua aula é conduzida. Nesse
sentido, é importante que as situações vivenciadas pelos docentes levem
à problematização das práticas propostas aos estudantes: “Em minhas
aulas, eu ensino técnicas de leitura e escrita ou promovo práticas de leitura
e escrita por meio das quais os estudantes desenvolvem habilidades e
constroem conhecimentos sobre o que é ler, o que é escrever?”;
“O tratamento dado à análise linguística e semiótica está organizado no
contexto do texto, potencializando a capacidade leitora e escritora dos
estudantes?”; “O que é necessário fazer nas aulas de Língua Portuguesa para
que os estudantes possam, de fato, experienciar as práticas de leitura, escuta
e produção textual?” “As situações de leitura, escuta e produção promovem o
interesse dos estudantes por textos, autores e a linguagem escrita, falada e
multissemiótica como instrumento inserção na sociedade multiletrada?”.

Na curadoria e produção de objetos educacionais


É preciso considerar variadas práticas de linguagem que permitam o
contato com diferentes tipos de leitura e produção textual (oral, escrita,
multissemiótica), favorecendo a relação entre os textos e a adequação

62
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

de uso a seus contextos e funções. Além disso, é importante que sejam


contemplados temas e diferentes perspectivas de abordagem que
apresentem um leque de opções aos estudantes, considerando seus
interesses pessoais, seu contexto de vida e o mundo do trabalho.

b. E as linguagens artística e literária?


A organização desta matriz pressupõe que o trabalho com o texto artístico-
-literário permita aos estudantes desenvolverem diferentes habilidades a
fim de serem eles próprios produtores textuais e leitores críticos, capazes de
compreender a inserção do texto em seu contexto de produção; reconhecer
a intencionalidade do texto, considerando sua estrutura, linguagem, função
social; questionar os diferentes textos, comparando-os e observando os
vieses entre eles; contestar autoridade de diferentes autores, investigando
suas crenças e posicionamentos etc.

Como usar a Matriz

▫ Em sala de aula
As linguagens artístico-literária, nos Anos Finais do Ensino Fundamental,
devem ser tratadas da perspectiva da leitura e produção de textos como
experiência e fruição literária. Ou seja, como algo relacionado à vivência,
pelos estudantes, de práticas de leitura que ocorrem em diferentes
contextos e situações, tais como nas rodas, nos saraus, nos slams (batalhas
de poesia), nas comunidades e clubes de leituras, nas oficinas culturais.
O estudante, desse modo, interage com os textos artístico-literários para
se alimentar de suas formas, de suas ideias, dos diferentes olhares que
apresentam, dos diferentes modos de compreensão e expressão da vida
humana; para vivenciar processos criativos, reconhecer as diversidades
multiculturais; para aprender a valorizar, fruir e produzir manifestações
artísticas e culturais a partir de critérios estéticos.

▫ Na formação docente continuada


É preciso considerar a homologia do processo a fim de que os docentes
possam vivenciar práticas de leitura literária e de outros objetos artísticos,
considerando a fruição estética, a apreciação e a réplica como objetos de
conhecimentos fundamentais ao tratamento da arte e da literatura. Além
disso, essas experiências práticas devem promover a problematização de
como as aulas de leitura literária e de outras obras artísticas podem ser
organizadas e desenvolvidas com os estudantes para a formação do leitor
literário. Nesse sentido, vale indagar sobre a mediação do professor nas
rodas de leitura; os diferentes tipos de rodas literárias que podem ser
promovidas na sala de aula e em outros ambientes da escola (com critérios
de leitura de gêneros, de autor, de articulação entre linguagens – imagens e
textos verbais, de produções em diferentes mídias etc.).

63
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

▫ Na curadoria e produção de objetos educacionais


É necessário considerar a seleção de textos literários e artísticos, assim
como de autores e artistas, que possibilitem a construção de repertório e
capacidades para ler o objeto artístico em toda a sua complexidade, a partir
de critérios estéticos, baseados no conhecimento que se tem das diferentes
linguagens artísticas (artes visuais, audiovisual, dança, música, teatro), seu
funcionamento, seu contexto de produção (histórico, social, cultural) e os
efeitos de sentido que elas promovem. Além disso, por meio de práticas
significativas de contato com esses objetos artísticos e literários e de
metodologias integradoras, assim como a utilização de recursos criativos
e multimidiáticos, os estudantes podem aprender a fruir esteticamente
e desenvolver autonomia para fazer escolhas sobre o que desejam ler,
conhecer e aprofundar.

3.4. COMO PODE


ACONTECER O
TRABALHO NA ÁREA

Esta matriz apresenta-se como uma ferramenta didático-pedagógica para


diferentes usuários (professores – de um dos componentes da área ou
polivalentes –, produtores de conteúdos ou leitores críticos de conteúdos
já existentes) e possui um conjunto de procedimentos, estratégias e
instrumentos de avaliação que se alinham ao protagonismo que se espera
dos estudantes em seu processo de aprendizagem.

Além disso, ela traz como premissa a centralidade nos estudantes e sua
formação integral, articulando os componentes da área pela relação entre
as competências, habilidades, objetivos de aprendizagem, princípios,
procedimentos e metodologias comuns.

É papel de todos os componentes da área, por exemplo, considerar que


as linguagens (artísticas, corporais, verbais e verbo-visuais) são formas
de interação entre sujeitos, em práticas sociais inseridas em contextos
diversos. Do mesmo modo como devem trabalhar articulados para que as
competências da área sejam desenvolvidas por meio do desenvolvimento
das habilidades e competências de cada componente, promovendo o
protagonismo dos estudantes para que possam apropriar-se dessas
linguagens, construir por meio delas seus projetos de vida e participar
e intervir nas diversas situações da vida em sociedade. Além disso, é

64
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

eixo comum dos quatro componentes da área considerar o processo de


aprendizagem do estudante como central para todas as escolhas didático-
-pedagógicas, organizando práticas docentes que envolvam protagonismo,
autoria e corresponsabilidades.

Por fim, ainda é preciso ressaltar que a matriz apresenta como forma de
articulação da área metodologias integradoras e acompanhamento das
aprendizagens dos estudantes que são comuns a todos os componentes, com
o propósito de promover o desenvolvimento de competências cognitivas e
socioemocionais, considerando a formação integral dos estudantes.

3.4.1. Princípios de integração


metodológica
Com foco na aprendizagem, as práticas de linguagem não podem ser
simplesmente transmitidas, mas, ao contrário, precisam ser experienciadas
para que, de fato, a construção do conhecimento e o desenvolvimento das
habilidades e competências possa ocorrer. Nesse sentido, os princípios de
integração metodológica² permitem articular na área e entre as demais
áreas o tratamento das linguagens e o desenvolvimento de habilidades e
competências a fim de propiciar aos estudantes situações de aprendizagem
problematizadoras e pautadas nas tomadas de decisões; no assumir posições
conscientes e reflexivas, permeadas por valores éticos e pelo respeito
ao estado de direito. Além disso, imprimem intencionalidade didático-
-pedagógica aos planejamentos escolares e às práticas de sala de aula,
considerando a formação integral dos adolescentes, jovens e adultos.

Nesse sentido, a problematização, como uma das metodologias adotadas


nesta matriz, pauta-se na premissa de que todas as situações didático-
-pedagógicas devem ser problematizadas, ou seja, devem acontecer em
um contexto de questionamentos que chamem a atenção e desestabilizem
o senso comum e as generalizações sobre um tema, um acontecimento,
uma situação. Sua função é promover no estudante uma atitude reflexiva e
analítica, a partir da qual ele precise se mover para construir resposta. Os
questionamentos, nesse contexto, são o ponto de partida de todas as ações
subsequentes da situação de aprendizagem proposta pelo professor:
“O que pretende com essas questões, quais suas metas, objetivos?”; “Quais
aprendizagens podem ser garantidas a partir dessa problematização?”
E podem ser também o ponto de chegada dessa aprendizagem, uma vez
que saber problematizar faz parte do desenvolvimento e da formação dos
estudantes. Isso significa dizer que ele não é apenas alguém que necessita
construir respostas reflexivas, críticas e analíticas às perguntas feitas pelo

2. A respeito de princípios de integração metodológica ver o texto introdutório do caderno.

65
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

professor; mas, fundamentalmente, ser alguém que saiba formular perguntas


problematizadoras, tanto nas situações que envolvem seus interesses
pessoais quanto naquelas em que os interesses coletivos sejam centrais.

A Aprendizagem colaborativa, rompendo com a lógica da transmissão de


conhecimento, exige uma nova configuração da aula e das práticas didático-
-pedagógicas: professor e estudantes constroem juntos a pauta dos percursos
que devem trilhar para resolver um problema ou encontrar respostas para
as situações problematizadoras nas quais foram inseridos em dado contexto,
pesquisando e fazendo curadoria, lendo textos, discutindo coletivamente,
produzindo formas de registros etc. A presença pedagógica do professor,
nesse contexto da aprendizagem colaborativa, pressupõe que todas as
aulas devem ser planejadas, intencionais, pautadas no desenvolvimento das
competências e habilidades a fim de que os estudantes aprendam.

A Aprendizagem baseada em projetos, por sua vez, é uma metodologia


integradora dos conhecimentos a serem construídos na escola,
principalmente, na formação de pessoas engajadas com as questões de
sua vida pessoal e coletiva. Partindo da mesma situação problematizadora
proposta no item “Problematização” (as situações problematizadoras sempre
serão o ponto de partida dos projetos), é necessário que os estudantes se
sintam mobilizados e curiosos sobre o tema. Depois, é necessário fazer
pesquisas sobre o tema, considerando as mesmas indicações já feitas sobre a
aprendizagem colaborativa.

Por fim, o Multiletramento possibilita abarcar as práticas discursivas


e sociais da linguagem, sendo considerado, nesta matriz, o alicerce
para diferentes práticas de leitura e produção de textos (oral, escrita,
multissemiótica) que devem ser garantidas nas aulas da área. Dessa
perspectiva do multiletramento, as práticas de leitura e produção textuais
formam diferentes tipos de leitores e produtores de textos: o leitor/produtor
de imagens estáticas (desenho, pintura, gravura, fotografia) ou em
movimento (vídeos, animações); o leitor/produtor de textos escritos, que
podem estar tanto no papel/livro quanto nas telas de computador, celular ou
tablet. O multiletramento, portanto, pressupõe interatividade, colaboração,
rompimento e transgressão das relações de poder, uma vez que todos
podem ser consumidores e produtores de texto. Nas práticas de linguagem
contemporâneas, os multiletramentos envolvem não apenas novos gêneros
multissemióticos e multimidiáticos, mas também novos modos de produzir,
configurar, interagir.

66
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

3.4.2. Acompanhamento da aprendizagem


Em situações de adaptação das matrizes para contextos escolares, tais como
programas de recuperação ou aceleração da aprendizagem, de educação de
jovens e adultos seja em formato presencial ou mediados por tecnologias,
o acompanhamento da aprendizagem é elemento integrador das práticas
previstas paro o uso das matrizes.

Por isso, o planejamento da avaliação é feito a partir dos objetivos de


aprendizagem propostos, considerando diferentes instrumentos: observação
dos estudantes desenvolvendo determinadas atividades e os registros dessa
observação; rodas de conversas nas quais os estudantes expressam o que
sabem sobre determinado tema ou conceito; registros das pesquisas feitas
pelos estudantes; provas dos estudantes; todas as produções dos estudantes
(escrita, orais, multissemióticas); autoavaliação.

Dois instrumentos fundamentais nos processos de ensino e de


aprendizagem são os planejamentos e as avaliações, uma vez que organizam
a prática didático-pedagógica do professor e sinalizam os alcances das
aprendizagens dos estudantes.

Considerando os fazeres comuns da área, o planejamento orienta as


escolhas conscientes e intencionais do professor e organizam todo o
trabalho em função da aquisição das competências gerais e específicas pelos
estudantes por meio do desenvolvimento das habilidades. Isso significa
dizer que o planejamento deve ser feito em função das aprendizagens que
se quer garantir junto aos alunos. Por isso, espera-se que nos planejamentos
constem as metodologias integradoras a serem usadas; a distribuição
dos objetos de conhecimento em função das habilidades que devem ser
garantidas; a seleção de recursos necessários para o desenvolvimento
desse conjunto de aulas; o tempo adequado a cada etapa das sequências de
atividades ou projetos a serem desenvolvidos; os critérios e instrumentos
que serão usados para acompanhar e avaliar as aprendizagens esperadas.

A avaliação, por sua vez, em conjunto com o planejamento e outras ações


didáticas, constitui o projeto pedagógico de cada professor, justamente
por sua função diagnóstica, formativa e de acompanhamento do processo
de aprendizagem de cada estudante. Desse modo, a avaliação como parte
dos processos de ensino e aprendizagem não pode ser considerada um
fim em si mesma, mas um modo de fazer aprender. Na perspectiva da
formação, os diferentes instrumentos avaliativos promovem um diagnóstico
da aprendizagem do estudante, que deve ser analisado, refletido e
problematizado pelo professor. Esse diagnóstico, por sua vez, deve ser
passível de intervenções do professor, que realinha seu planejamento, faz
novas escolhas e acrescenta outras metodologias.

67
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

Em conjunto, portanto, esses instrumentos se retroalimentam na


medida em que o professor planeja, avalia e replaneja sempre pensando
na aprendizagem dos estudantes, documentando o processo. Como
instrumentos avaliativos, podem ser consideradas as observações feitas dos
estudantes desenvolvendo determinadas atividades e os registros dessa
observação; rodas de conversas nas quais os estudantes expressam o que
sabem sobre determinado tema ou conceito; registros das pesquisas; provas;
produções dos estudantes (escrita, orais, multissemióticas); autoavaliação.

Um elemento da matriz que é muito relevante para o planejamento e a


avaliação está traduzido em expectativas de aprendizagem³. Elas indicam
aquilo que se espera de aprendizagem para cada conjunto de competências
e habilidades e podem ser parâmetros para acompanhar ensino e
aprendizagem, fazer ajustes na caminhada e planejar formas de conseguir
que todos aprendam.

Esta matriz curricular permite uma visão integrada da área de Linguagens,


por meio da articulação entre habilidades, competências, objetivos de
aprendizagem, objetos de conhecimento e sugestões para as práticas de
sala de aula. Desse modo, pode ser usada como uma ferramenta que auxilia
na organização das situações de aprendizagem e práticas de linguagem com
foco na formação integral dos estudantes. Nas próximas páginas você poderá
consultar as matrizes.

3. A respeito do uso das expectativas de aprendizagem da matriz para avaliação ver o documento introdutório deste caderno.

68
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

PARA SABER MAIS

» BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília-DF: MEC, 2018.


Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em:
29 abril 2020.

» _______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9.394/96, de 20 de


dezembro de 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
Leis/L9394.htm. Acesso em: 29 abril 2020.

» _______. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília-


DF: MEC, 2018. Disponível em: http://novoensinomedio.mec.gov.br/
resources/downloads/pdf/dcnem.pdf. Acesso em: 29 abril 2020.

» COELHO, Teixeira. O que é ação cultural. São Paulo: Brasiliense, 2012.

» DARIDO, Suraya; RANGEL, Irene. Educação Física na Escola: implicações


para a prática pedagógica. São Paulo: Guanabara Koogan, 2008.

» KERN, Richard. Literacy and Language teaching. Oxford: Oxford


University Press, 2000.

» RIBEIRO, Ana Elisa. Textos multimodais: leitura e produção. São Paulo:


Parábola Editorial, 2016.

» ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (Orgs.). Multiletramentos na escola.


São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

» ROJO, Roxane; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e


gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

» WHITEHEAD, Margaret (Org.). Letramento corporal: atividades físicas e


esportivas para toda a vida. São Paulo: Penso, 2018.

69
4
70
MATRIZ

71
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP44)
Inferir a presença de valores sociais, culturais e humanos e de diferentes visões de
mundo, em textos literários, reconhecendo nesses textos formas de estabelecer
múltiplos olhares sobre as identidades, sociedades e culturas e considerando a autoria
e o contexto social e histórico de sua produção.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Experimentar a leitura de livros de literatura e outras produções culturais do campo.
» Inferir, em textos literários, expressão de subjetividades e identidades sociais e culturais.
» Inferir o contexto social e histórico de uma obra literária, considerando a autoria.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se, com esta habilidade, promover a participação em práticas frequentes e


sistemáticas de leitura de textos literários de diferentes gêneros, épocas e contextos
culturais, a fim de sensibilizar o estudante para reconhecer o texto literário como um

72
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

patrimônio cultural da humanidade e, portanto, dotado de valores de diferentes


grupos sociais.

Recomenda-se, portanto, o planejamento de modalidades didáticas que possam


apresentar a literatura como uma possibilidade de formação humana, incumbida de
ideias, preceitos, conhecimentos e leituras de mundo. Nesse sentido, é possível articular
literatura e Projeto de Vida, pois os textos literários propiciam a reflexão sobre si mesmo
e sobre o outro, contribuindo, assim, para o desenvolvimento integral do estudante.

Como estratégia para trabalhar esta habilidade, sugere-se a leitura e a análise de poemas
de cordel em comparação com o rap. Propõe-se, ainda, planejar situações que propiciem
o contato do estudante com vídeos de declamação de cordel e de apresentações de rap.
Além disso, é possível que os estudantes pesquisem informações biográficas sobre os
autores dos textos trabalhados, praticando, assim, a curadoria de informações.

Recomenda-se, ainda, promover rodas de conversa, inicialmente, em pequenos grupos e,


posteriormente, com toda a turma, a fim de aprofundar a análise dos textos, mobilizando-os
a refletirem sobre a temática, os valores sociais, culturais e as diferentes visões de mundo.

Pode-se observar como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Língua Inglesa, recomenda-se mobilizar o estudante a pesquisar sobre a
história do hip hop americano.
» Em Educação Física, também é possível promover batalhas de dança
individuais e coletivas.
» Em Arte, os estudantes podem produzir dança hip hop e/ou outras
manifestações artísticas.

A habilidade relaciona-se à Competência Geral 1, pois sugere a valorização dos


conhecimentos historicamente construídos para entender, explicar e valorizar a realidade.

A habilidade e a competência da área estabelecem relação com o ODS 11, especialmente,


com a meta “fortalecer esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e
natural do mundo”.

73
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Elementos da linguagem.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR10)
Explorar elementos constitutivos do movimento cotidiano e do movimento dançado,
abordando, criticamente, o desenvolvimento das formas da dança em sua história
tradicional e contemporânea.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Experimentar os fatores de movimento: peso, tempo, espaço e fluência.
» Experimentar procedimentos de improvisação e criação do movimento.
» Compreender a linguagem corporal como forma de leitura e escrita de sentimentos,
sensações e ideias.
» Reconhecer a imagem e o movimento corporal como construção social.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que, primeiramente, o estudante explore, por meio de procedimentos de


improvisação, seu próprio movimento, percebendo variações de sentido ao se realizar
determinados gestos, ações ou atividades.

74
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

Pode-se pedir, especialmente, que o aluno coloque a atenção em como seu corpo se
comporta no dia a dia ao chutar, pular, dormir, fugir, escutar etc. Depois, de forma
direcionada, o estudante pode realizar exercícios de improvisação em que seja estimulado a
se comportar como se estivesse correndo, fugindo, procurando, escondendo, pesquisando
etc. O estudante poderá ser perguntado sobre como seu corpo se comporta nas
determinadas circunstâncias de ação.

Propõe-se também que o aluno possa pesquisar tipos de movimentos cotidianos diferentes
do seu. Nesse caso, sugere-se criar estratégias de observação na própria escola ou fora dela.

No que tange ao corpo dançado, conforme também previsto na habilidade, sugere-se que
sua abordagem seja realizada depois das etapas acima. Dessa forma, o estudante já poderá
ter meios de compreender o corpo da dança em diálogo com o corpo do dia a dia, estando
mais atento a como as linguagens se desenvolvem em consonância com a realidade social,
histórica e cultural de um povo. Assim, poderá ser feita uma abordagem histórica da dança,
por meio de vídeo, passando por tópicos importantes como o balé, as danças de salão, o jazz,
as danças populares brasileiras, as formas da dança contemporânea etc.

Por fim, o estudante poderá fazer relações entre o corpo/movimento do cotidiano e o


corpo/movimento dançado, fazendo uma abordagem crítica da linguagem da dança na sua
relação com a realidade social.

Com Educação Física, poderão ser realizados projetos em comum na fase da pesquisa do
movimento do dia a dia, qualidade dos corpos e diálogo com o meio.

A habilidade se conecta com as Competências Gerais 3 e 6, especialmente.

Esta habilidade poderá estar contida em projetos que tenham o “quem sou” e “onde
estou” como eixos, uma vez que proporcionam estados de consciência em relação ao
corpo e ao corpo em diálogo com o meio. Assim, as atividades também contribuem para o
Projeto de Vida do estudante.

O ODS 3 também poderá ser desenvolvido a partir desta habilidade.

75
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

MÚSICA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contextos e práticas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR16)
Analisar criticamente, por meio da apreciação musical, usos e funções da música em
seus contextos de produção e circulação, relacionando as práticas musicais às diferentes
dimensões da vida social, cultural, política, histórica, econômica, estética e ética.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer o repertório musical brasileiro.
» Reconhecer peças musicais como instrumentos de crítica social e divulgação
de ideias e pontos de vista.
» Relacionar a música e suas funções de emoção, persuasão e reflexão.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Conforme o próprio texto da habilidade diz, a apreciação musical é a ação indicada. Assim,
o trabalho poderá começar com a seleção das peças musicais que serão apreciadas.

Sugere-se que se faça a seleção levando em consideração critérios que dialoguem com o
contexto do ensino-aprendizagem, de forma a integrar habilidades, componentes e áreas.

76
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

Um exemplo: se está se trabalhando a cultura de massa, economia ou capitalismo, é possível


recorrer a jingles de propaganda. A seleção de músicas será a primeira etapa e uma das mais
importantes, pois determinará o tom do trabalho com a habilidade.

A apreciação musical, preferencialmente em coletivo, poderá vir acompanhada de um


roteiro de observação, com algumas perguntas, por exemplo: quem produziu a música?
Um único artista, um grupo, um instrumentista, um computador? Como a música
é divulgada/compartilhada, na TV, na internet, por aplicativo, por meio de alguma
outra obra de arte como cinema, teatro ou dança? Para qual público essa música é
direcionada? Há alguma questão ética no uso e função dessa música? A música é datada,
é atemporal? A música apreciada pertence a qual gênero, é possível identificar? O que
diz a letra da música, é possível resumir sua mensagem? Essa música cumpriu ou cumpre
alguma função social no seu momento histórico? As perguntas servem como base para a
análise crítica das músicas.

A seleção das músicas poderá ser feita com o estudante, de maneira a envolvê-lo no
processo de ensino-aprendizagem.

Esta habilidade pode ser trabalhada em conjunto com os componentes da área de


Ciências Humanas, que podem indicar os temas das músicas.

Sob outro aspecto, a própria Matemática dialoga com esta habilidade, se for considerada
a música e seus códigos (escalas, oitavas, logaritmo etc.).

Há relação especial com a Competência Geral 1, que trata do conhecimento do mundo


cultural, e com a Competência Geral 3, sobre repertório.

Para projetos que trabalham no espectro do “onde estou”, esta habilidade contribui para
identificar o momento histórico em que estamos através da arte, nesse caso, a música.

Os ODS 3, 4, 5, 8, 10, 13, 15 e 16 podem estar associados à escolha dos temas das músicas.

77
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

MÚSICA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contextos e práticas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR19)
Identificar e analisar diferentes estilos musicais, contextualizando-os no tempo
e no espaço, de modo a aprimorar a capacidade de apreciação da estética musical.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer músicas e grupos de música brasileiros e estrangeiros.
» Conhecer os estilos musicais brasileiros na sua relação com os aspectos culturais
que o sustentam.
» Ouvir música, identificando efeitos de sentido a partir de critérios estéticos
e culturais.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se que o estudante esteja em contato com obras musicais de diferentes estilos.

Sugere-se que se dê destaque para estilos musicais brasileiros, proporcionando maior


contato com nossa diversidade. Sugestões de materiais: axé, baião, bossa nova, carimbó,

78
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

funk, choro, forró, lambada, música sertaneja, música popular brasileira (MPB), rap,
reggae e rock brasileiro, samba e xote.

O desenvolvimento desta habilidade pode se dar por meio de momentos de apreciação,


dentro e fora da escola, em que o estudante seja estimulado a pensar sobre a
diferenciação dos estilos a partir de alguns critérios, entre eles: Em que região do Brasil
o estilo musical é mais tocado? A qual classe social ele está associado? O que a música
diz sobre a classe social a que ela mais se liga? As letras falam de quais situações? Quais
os temas das músicas de determinado estilo? Em que lugares essa música é mais tocada:
nas residências, nas casas noturnas, nas festas? A que tipo de festa ou comemoração
determinado estilo musical está ligado?

A análise dos estilos musicais pode ser feita em coletivo, para que seu caráter crítico
ganhe força na interlocução dos diversos pontos de vista e contextos dos estudantes.

O componente de Geografia pode se relacionar com o desenvolvimento da habilidade,


ao estabelecer critérios para a identificação e diferenciação das diferentes
regiões brasileiras.

Em Língua Portuguesa, é possível buscar referências no que diz respeito às marcas


orais, gírias e expressões específicas, a fim de ampliar o conhecimento sobre a música
e seu contexto.

Há relação com a Competência Geral 1, no eixo do conhecimento cultural; Competência


Geral 3, repertório musical; e Competência Geral 8, compreender-se na diversidade.

Esta habilidade poderá estar associada a projetos centrados no “quem sou” e “onde
estou”, pois ela trabalha marcas de identidade pessoal e regional, contribuindo para
processos de reconhecimento, aceitação e valorização da diversidade brasileira.

O ODS 16 se relaciona com esta habilidade na medida em que propõe formas de atuação
que se baseiam em paz e justiça, bem como em discussões que permeiam o trabalho de
reconhecimento da arte como construto social democrático e inclusivo.

79
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

TEATRO

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contextos e práticas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR24)
Reconhecer e apreciar artistas e grupos de teatro brasileiros e estrangeiros de
diferentes épocas, investigando os modos de criação, produção, divulgação, circulação
e organização da atuação profissional em teatro.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer as origens do teatro ocidental, desde a época grega, passando pela Idade
Média, Renascimento, romantismo, realismo, modernidade e contemporaneidade.
» Reconhecer a importância da dramaturgia na história do fenômeno teatral, em
especial pelo seu aspecto de registro.
» Conhecer as transformações da prática teatral em termos de produção, divulgação,
circulação e atuação profissional.
» Compreender a prática teatral como exercício profissional.

80
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se uma abordagem metodológica expositiva da história do teatro tanto pelo


viés da dramaturgia, quanto através dos artistas, grupos e sua práxis. Neste sentido,
complementando a exposição, sugere-se a leitura de textos dramatúrgicos ou roteiros de
encenação nos quais seja possível apontar e identificar os aspectos sociais, históricos e
culturais nos quais eles foram escritos.

Sugere-se que seja feita uma abordagem linear da história do teatro, reforçando seu
caráter mutável e dialógico, dando destaque para a figura do dramaturgo, mas reforçando
também o trabalho dos grupos e atores modernos e contemporâneos, cuja contribuição
mudou a forma de produzir, divulgar e circular as obras teatrais.

Recomenda-se que sejam listados os profissionais que fazem parte de uma produção teatral,
de maneira a dimensionar o trabalho dos artistas da cena na sua perspectiva profissional.
Entre eles estão: o ator, diretor, sonoplasta, cenógrafo, figurinista, contrarregra, produtor,
operador técnico, maquiador, cenotécnico, costureira, camareira, assessor de imprensa,
entre outros. Se houver possibilidade, como complemento, sugere-se que se convide alguns
desses profissionais para estarem na escola, em rodadas de entrevista. O contato pessoal
amplia o conhecimento e o desenvolvimento da habilidade.

Esta habilidade será melhor desenvolvida se relacionada com o componente História, na


medida em que propõe uma leitura panorâmica dos artistas e grupos de teatro ao longo
das sociedades, culturas e contextos diversos. A relação se dá, sobretudo, no amparo à
relação entre momento histórico e os tipos de abordagem do texto, da personagem e da
própria produção técnica.

Os componentes de Língua Portuguesa e Língua Inglesa podem dialogar com o


desenvolvimento desta habilidade, na medida em que atuarem na leitura guiada dos
textos (nesse caso, os textos dramáticos).

A habilidade faz relação com as Competências Gerais 1 e 3, que tratam do contato com a
arte e valorização dos saberes culturais para explicar o mundo.

A atividade de listagem dos profissionais ligados ao teatro pode contribuir com o


desenvolvimento profissional do estudante e impactar seu Projeto de Vida.

81
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

TEATRO

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contextos e práticas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR25)
Identificar e analisar diferentes estilos cênicos, contextualizando-os no tempo e
no espaço de modo a aprimorar a capacidade de apreciação da estética teatral.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer os modos de criação, produção, divulgação, circulação e organização
da atuação profissional em teatro.
» Conhecer diferentes estilos cênicos ao longo da história.
» Conhecer marcos históricos que dialogam com a renovação da prática teatral.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que, para este estudo, sejam apresentados ao estudante alguns materiais que
permitam identificar os estilos cênicos, tais como: textos dramatúrgicos, fotos, vídeos,
reportagens e entrevistas com artistas, entre outros. Esses materiais devem permitir a
identificação de recursos expressivos que indiquem o estilo da representação, tais como:
figurinos, cenários, maquiagem, posição corporal, tipo de movimento, ação e gesto. No

82
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

caso dos textos dramatúrgicos, eles também devem apresentar elementos que identifiquem
o tipo de abordagem prática a que ele se refere, como: estrutura dos diálogos, temas
recorrentes, relação com a plateia, presença ou ausência de narradores, entre outros.

O trabalho de contextualização completa o de identificação. Nesse sentido, propõe-se


que, para cada estilo cênico abordado, seja feita a relação com o momento histórico ao
qual ele pertence, identificando e registrando marcas sociais, culturais e políticas que
atuaram nas escolhas estéticas dos artistas.

Esta habilidade será melhor desenvolvida se relacionada com o componente História,


na medida em que propõe uma leitura panorâmica dos estilos cênicos ao longo das
sociedades, culturas e contextos diversos. A relação se dá, sobretudo, entre o momento
histórico e os tipos de abordagem do texto, da personagem e da construção cênica de
uma maneira geral.

A Competência Geral 1 é trabalhada quando estudante compreende o teatro e sua


ligação com os aspectos sociais, culturais e políticos da sociedade. O contato com os
textos dramatúrgicos faz relação com a Competência Geral 3.

O desenvolvimento desta habilidade pode revelar casos em que o teatro serviu como
reflexo ou ferramenta de interferência na esfera social e política. Nesse caso, sugere-se o
estudo especial do teatro épico e dos modos do teatro do oprimido.

Essa atividade conecta temáticas ligadas a questões sociais e culturais, contribuindo para
o autoconhecimento do estudante e sua formação cidadã, impactando positivamente seu
Projeto de Vida.

83
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

ARTES INTEGRADAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contextos e práticas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR31)
Relacionar as práticas artísticas às diferentes dimensões da vida social, cultural,
política, histórica, econômica, estética e ética.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Compreender a arte como fenômeno social integral, ligada aos modos de ser
e agir da sociedade.
» Conhecer meios e modos de produção, fazendo relação entre aspectos estéticos
e sociais.
» Conhecer e valorizar o patrimônio artístico local

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, propõe-se a escolha de alguns exemplares


de obras de arte. Nesse caso, especificamente, quaisquer obras de arte poderão servir,
pois em todas elas despontam dimensões da vida social, cultural, política, histórica,
econômica, estética e ética. O critério da escolha poderá ser os ODS, por exemplo.

84
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

Diante de um (ou mais) exemplar selecionado, propõe-se que o estudante seja levado
a refletir, por meio de um debate guiado, sobre alguns aspectos da produção daquele
artista (ou grupo de artistas), tais como: Em que momento aquela obra foi feita? Em que
condições sociais e políticas o artista a produziu? Qual é a biografia daquele artista?
Como sua vida interfere na sua produção? Quais elementos históricos ficam evidentes
na escolha do tema da obra? Qual é a visão de mundo daquela obra? Qual é sua marca
ideológica? Como os aspectos estéticos dialogam com o momento histórico daquela
produção? Houve algum tipo de inovação estética e poética em razão do contexto?
Quais foram os meios de produção daquela obra? Quanto ela custou para ser feita e
quanto custará para ser vendida? Há nela algum viés ético passível de discussão? Cabe
ao professor orientar o debate, fornecendo dados para que o estudante possa realizar a
análise e o registro dos resultados.

Esta habilidade será melhor desenvolvida se estiver em projetos que integrem


Linguagens e Ciências Humanas, uma vez que os parâmetros sociais, históricos e
políticos poderão ser aprofundados com uma aprendizagem integrada.

Há relação com a Competência Geral 1, no eixo do conhecimento da cultura.

Projetos que estão ligados ao eixo “onde estou” podem ser favorecidos com esta
habilidade, pois ela está centrada na análise conjectural da produção da linguagem,
nesse caso, a artística.

Há obras artísticas contemporâneas que trabalham, de forma clara, questões de gênero


(ODS 5), problemas de desigualdade social (ODS 2), a crise do sistema urbano (ODS 8
e 11), entre outros.

O contato com artistas e com os meios de produção da arte pode impactar o estudante
em seu Projeto de Vida.

85
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

ARTES INTEGRADAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Matrizes estéticas e culturais.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR33)
Analisar aspectos históricos, sociais e políticos da produção artística, problematizando
as narrativas eurocêntricas e as diversas categorizações da arte (arte, artesanato,
folclore, design etc.).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer produções artísticas de natureza crítica, em especial aquelas que
possuem relação com a contemporaneidade.
» Reconhecer a presença de valores sociais, culturais e humanos em produções
artísticas estrangeiras, em especial europeias.
» Identificar a presença de marcas ideológicas e políticas na produção e
categorização da arte.

86
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se que a primeira ação seja escolher uma produção artística em que seja
possível reconhecer, mais facilmente, a presença de marcas históricas, sociais e
políticas.

Pressupõe-se que a análise deva vir acompanhada de um reconhecimento das marcas


geográficas daquela produção, sobretudo se há nela um ponto de vista europeu em sua
feitura. Qual é o cenário/paisagem/espaço da obra? Se há a representação de pessoas,
que pessoas são essas? A que classe social esta obra se dirige? Qual é a visão de mundo
da obra? Sugere-se, para o enriquecimento do trabalho, que o artista e sua respectiva
obra não seja de origem europeia, justamente para que haja a comparação.

O que a segunda parte da habilidade aponta é a seguinte indagação: Por que


diferenciamos arte, artesanato, folclore, design…? Para que a habilidade seja
desenvolvida por completo, sugere-se, então, que o estudante seja levado a pensar o
que diferencia estas frentes do ponto de vista comercial, funcional e autoral. Este objeto
de (arte, folclore, artesanato, design) é feito para vender? Tem uma função prática? Está
atrelado à ideia de autoria? O estudante poderá fazer, por exemplo, uma pesquisa dos
preços de venda de um objeto de arte, artesanato ou peça de design e se perguntar: por
que os preços entre as peças são tão diferentes? O que está por detrás disso?

Pode-se trabalhar esta habilidade junto dos componentes de Ciências Humanas (em
especial História), a fim de que se faça relação/classificação dos aspectos históricos,
sociais e políticos, sobretudo os de referência europeia.

O objeto artístico analisado poderá ser do campo literário, neste caso, fazendo estreita
relação entre Arte e Língua Portuguesa. Em que medida, por exemplo, uma obra do
realismo brasileiro guarda aspectos europeus? E o que é específico do Brasil?

Há especial relação com a Competência Geral 3, no aspecto da valorização do


repertório cultural nacional.

Projetos que estão ligados ao eixo “Onde estou” podem se valer desta habilidade, uma
vez que no cerne dela está a análise conjectural da produção da linguagem artística.

O ODS 10 está em diálogo com esta habilidade na medida em que propõe reflexão e
ação no campo do combate à desigualdade entre países.

87
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

GINÁSTICAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Ginástica de condicionamento físico: ginástica laboral, ginástica funcional,


ginástica aeróbica etc.
» Ginástica de conscientização corporal: Ioga, Tai Chi Chuan.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF08)
Discutir as transformações históricas dos padrões de desempenho, saúde e
beleza, considerando a forma como são apresentados nos diferentes meios
(científico, midiático etc.).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Analisar os conceitos de saúde, desempenho e beleza, considerando as múltiplas
dimensões que a permeiam (corporal, social, genética, histórica, econômica etc.).
» Compreender a construção do conceito de corpo a partir de múltiplas dimensões
(cultural, política etc.) e não apenas a biológica.
» Identificar componentes que contribuem para construção da autoimagem corporal
e da autoestima.

88
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se trabalhar conjuntamente à EF89EF11 a fim de potencializar a relação entre


as ginásticas e os conceitos de padrão de beleza, saúde, bem-estar, desempenho e
cuidado consigo mesmo, ressaltando a natureza dinâmica da construção das linguagens
e as possibilidades de expressão da subjetividade e identidade pessoal e social.

Estudantes e docentes podem compartilhar uma ampla quantidade de fontes para


discutir sobre os conceitos de saúde, corpo, beleza, desempenho e bem-estar,
partindo da comunidade do estudante como referência para contextualizar os
conteúdos. Essas discussões podem ser construídas ao longo do tempo por pesquisas
individuais, debates em grupos, aulas práticas de ginástica etc. A promoção de
seminários em que existam diferentes mesas, compostas pelos temas saúde, beleza
etc. e que apresentem ou debatam as diferentes noções (histórica, social, cultural
etc.) de cada um dos conceitos, pode ser ao mesmo tempo um produto que comunica
e compartilha o conhecimento e um instrumento de síntese de acompanhamento
da aprendizagem (sempre considerando que as etapas que compõem esse percurso
também contribuem para o acompanhamento processual).

Outras habilidades desta mesma unidade temática podem ser planejadas


conjuntamente, pois tratam de diferentes objetos de conhecimento em todos os
aspectos de cada prática corporal (histórico, técnico, atitudinal etc.). Por exemplo:
desenvolver a habilidade EF89EF16 (experimentar e fruir as lutas do mundo)
paralelamente com a EF89EF18, pois ambas se referem à mesma unidade temática
(Lutas), mas com aspectos diferentes que se complementam.

É interessante observar, também, o olhar que as Artes têm sobre corpo e beleza,
podendo ser trabalhado conjuntamente com Educação Física, pois potencializa a
noção de construção social e cultural das diferentes linguagens e como elas atribuem
significados às realidades de diferentes formas.

Pode-se trabalhar esta habilidade nos eixos “quem sou eu” e “qual meu lugar no mundo”
a partir dos conceitos de desempenho, saúde e beleza, destacando a construção da
identidade e como ela se concretiza na relação com o mundo.

A partir das noções de autoimagem e autoestima, questões contemporâneas podem


permear o desenvolvimento desta habilidade, como a relação entre construção da
identidade, corpo e gênero (ODS 5).

89
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

GINÁSTICAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Ginástica de condicionamento físico: ginástica laboral, ginástica funcional,


ginástica aeróbica etc.
» Ginástica de conscientização corporal: Ioga, Tai Chi Chuan.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF11)
Identificar as diferenças e semelhanças entre a ginástica de conscientização corporal e
as de condicionamento físico e discutir como a prática de cada uma dessas manifestações
pode contribuir para a melhoria das condições de vida, saúde, bem-estar e cuidado
consigo mesmo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Diferenciar ginástica de conscientização corporal e de condicionamento físico.
» Problematizar a prática excessiva de exercícios físicos e o uso de medicamentos
para a ampliação do rendimento ou potencialização das transformações corporais.
» Estabelecer um ou mais objetivos com foco no cuidado de si e/ou na saúde,
selecionando uma ou mais práticas de ginástica que se identifique.

90
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se trabalhar conjuntamente à EF89EF08, pois assim se potencializa a relação


entre as ginásticas e os conceitos de padrão de beleza, saúde, bem-estar, desempenho e
cuidado consigo mesmo, ressaltando a natureza dinâmica da construção das linguagens
e as possibilidades de expressão da subjetividade e identidade pessoal e social.

Ao se discutir e aprofundar as relações entre saúde, construção de identidade, corpo


e transformações corporais (pela prática de ginásticas, alimentação, suplementação,
utilização de anabolizantes etc.), sugere-se que haja destaque para as diferentes
formas de se analisar tais conceitos e, principalmente, o conhecimento fisiológico,
bioquímico e anatômico sobre o corpo. Tal condição é fundamental, pois, apesar de
outros aspectos serem importantes na forma de se analisar esses conceitos, o saber
biológico é indiscutível, ou seja, a transformação corporal por exercícios, alimentação
ou anabolizantes ocorrerá a despeito das razões sociais, afetivas ou culturais que
constituem a construção dos conceitos mencionados.

O estudante pode elaborar programas de ginásticas para si, pois, ao criá-los, terá que
utilizar seu conhecimento sobre as ginásticas e relacioná-lo a si mesmo (autoimagem e
autoestima), estabelecendo objetivos (escolhas pessoais).

É fundamental construir o conceito de saúde nesta habilidade, em parceria com


Ciências, pois se agrega a visão biológica de corpo ao olhar da cultura corporal, na
construção desse conceito multidisciplinar.

Uma proposta é trabalhar esta habilidade no eixo “onde estou”, destacando como o
conhecimento sobre ginásticas interfere na esfera pessoal e coletiva, relacionando o
contexto de vida do estudante com a busca pela qualidade de vida e saúde.

A partir dos conceitos de saúde e qualidade de vida, sugere-se que questões


contemporâneas permeiem o desenvolvimento desta habilidade, tendo as ginásticas
como referência (ODS 3).

91
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

LUTAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Lutas do mundo: Taekwondo, Greco-romana, Muay Thay etc.


» Lutas do Brasil: Capoeira, Huka-Huka, luta Marajoara etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF18)
Discutir as transformações históricas, o processo de esportivização e a midiatização
de uma ou mais lutas, valorizando e respeitando as culturas de origem.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Analisar a história de diferentes lutas, valorizando e respeitando as culturas de
origem, com ênfase nas lutas presentes na própria comunidade (caso exista).
» Compreender o processo do esporte moderno, na relação com os aspectos
econômicos, sociais, políticos e culturais.
» Criar hipóteses sobre a evidência midiática de algumas lutas e a ausência de outras,
com argumentos que as justifiquem.
» Explicar o surgimento de campeonatos de lutas e de variações dessas lutas (estilos,
categorias etc.), a partir de sua origem e transformações históricas.
» Participar de um ou mais tipos de lutas, executando seus procedimentos internos
(saudação, cumprimento, regras).

92
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que o esporte moderno seja abordado não só a partir das mudanças
esportivas, mas na relação com a globalização, o capitalismo, as disputas políticas etc.
Paralelamente a essa abordagem, é possível trabalhar com a história das lutas,
para estabelecer a relação entre o processo de esportivização e midiatização dessa
prática corporal. A depender do contexto escolar, pode-se partir do estudo sobre
as Artes Marciais Mistas (MMA), por ser um exemplo clássico do processo de
esportivização e midiatização das lutas.

É possível destacar os princípios e valores das lutas para resgatar e valorizar sua cultura
de origem. É importante relacionar os processos históricos das lutas com a forma como
são significadas atualmente, tanto na comunidade escolar como nas mídias, trazendo
sentido e valor também para as leituras atuais que são feitas dessas práticas corporais.

Propõe-se que o estudante realize pesquisas sobre as lutas e compartilhe com todos. A
pesquisa e a socialização são possíveis instrumentos para acompanhar a aprendizagem.

A depender das lutas estudadas, sugere-se que sejam estabelecidas conexões com seu
contexto histórico e com o contexto do processo do esporte moderno. Entrar nesse
terreno em parceria com História pode potencializar o entendimento tanto das lutas
quanto dos grupos sociais envolvidos. Em relação à midiatização das lutas, outra conexão
a ser feita é com conteúdos das Línguas Portuguesa e Inglesa, mais especificamente
sobre as mídias e como trabalham com diferentes intenções e formas comunicativas.

É possível planejar o desenvolvimento desta habilidade no eixo “onde estou”,


destacando como a linguagem das lutas (assim como outras formas de linguagem)
é permanentemente construída e (re)significada ao longo do tempo, tendo sentidos
diferentes para cada grupo social, em cada cultura.

Sugere-se trabalhar com a desigualdade de gênero (ODS 5) ao trazer à tona o lugar


da mulher no processo histórico das lutas e a presença de pessoas transgêneras
nas competições.

93
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Danças de salão: forró, samba-rock, valsa etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF15)
Analisar as características (ritmos, gestos, coreografias e músicas) das danças de salão,
bem como suas transformações históricas e os grupos de origem.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explicar a origem de uma ou mais dança de salão e as transformações pelas quais
elas foram passando ao longo do tempo.
» Relacionar as características (ritmos, gestos, coreografias e músicas) de uma ou mais
danças de salão com as próprias origens, transformações e variantes.
» Realizar alguns passos de pelo menos duas danças de salão, comparando as
características delas.

94
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se partir de pesquisas sobre as danças de salão com diferentes fontes


(sites, livros, artigos, teses, pessoas), individualmente ou em grupo, buscando conhecer
origens, histórias e transformações. Relacionar as características de cada dança de salão
estudada com o contexto histórico ao qual pertence é uma possibilidade. É válido também
destacar as variantes dentro de uma mesma dança de salão (como forró pé-de-serra,
forró-elétrico, forró-brega etc.).

É possível planejar aulas em que o estudante pratique os passos de pelo menos duas
danças de salão para que consiga perceber as semelhanças e diferenças. É importante
que se tenha clareza que o estudante não precisa, necessariamente, apropriar-se dessa
prática corporal, mas que tenha experiência suficiente para identificar as características
ao observar e praticar. A partir dessas aulas, o estudante pode, em diferentes momentos,
ser colocado no papel de observador para registrar percepções sobre as características
da dança, tornando-se um instrumento de acompanhamento do aprendizado também.

Uma outra proposta é planejar com o componente Arte o desenvolvimento desta


habilidade, potencializando as manifestações artísticas e corporais presentes nas danças.

É possível também planejar um estudo comparativo entre as danças da cultura do


estudante e as danças de salão, ressaltando-se as conexões entre elas (“qual meu lugar
no mundo”). E, ainda, selecionar danças de salão que se aproximem das existentes na
comunidade do estudante para aprofundar o estudo sobre elas (“onde estou”).

Sugere-se destacar a relação com a questão de gêneros (ODS 5), trazendo as relações
com a habilidade EF89EF14.

95
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

PRÁTICAS CORPORAIS
DE AVENTURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Práticas corporais de aventura na natureza: mergulho livre e autônomo,


paraquedismo, rapel etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF21)
Identificar as características (equipamentos de segurança, instrumentos,
indumentária, organização) das práticas corporais de aventura na natureza,
bem como suas transformações históricas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explicar a origem das práticas corporais de aventura na natureza.
» Comparar as mudanças nas características das práticas corporais de aventura na
natureza com as evoluções tecnológicas.
» Relacionar os sentidos e significados das práticas corporais de aventura na natureza
com os diferentes contextos ao longo do tempo.

96
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que a pesquisa seja o principal meio de acesso a esse objeto de conhecimento
quando o contexto for desfavorável à realização/adaptação de uma prática corporal de
aventura na natureza. Quando possível, partir da experiência para começar a pesquisar
características e origens é uma possibilidade interessante para envolver o estudante
no trabalho.

É possível planejar pesquisas a partir de temas para essas práticas (esportes na água, no
céu, na neve etc.) e que envolvam a possibilidade de realização de tais manifestações (de
forma adaptada) na comunidade escolar. Essas pesquisas podem ser bons instrumentos
de acompanhamento da aprendizagem.

Criar situações de socialização (fóruns, mesas redondas, seminários etc.) desses saberes
potencializa tanto o aprendizado como o acompanhamento do aprendizado. Além
disso, essas situações podem trazer possibilidades de prática real para a realidade do
estudante, a depender do contexto em que vive. Exemplo: o rollerski, uma adaptação para
se “esquiar” no asfalto e que faz parte de projetos sociais.

Outra sugestão: destacar as mudanças na forma de realização ao longo do tempo,


associando-as tanto às mudanças dos equipamentos e regras de segurança, quanto
às técnicas e a formas como essas práticas têm sido interpretadas em cada época,
trabalhando com os preconceitos e estereótipos relacionados a elas.

Trabalhar em parceria com Ciências, relacionando os locais para as práticas corporais


de aventura na natureza com os diferentes tipos de ecossistemas e com a preservação e
utilização responsável do meio ambiente (sustentabilidade) é uma proposta de integração.

Sugere-se destacar também a preservação do patrimônio natural, tanto terrestre quanto


aquático (ODS 14 e 15), evidenciando o papel que as práticas corporais de aventura na
natureza podem desempenhar em relação a essa função de preservação.

Essa relação, inclusive, pode ser trabalhada dentro dos eixos “para onde vou” e “qual
meu lugar no mundo”, ao se apresentar como possibilidade de formação profissional com
envolvimento em questões relacionadas ao ecossistema e sustentabilidade.

97
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

ESPORTES

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Esportes de invasão: basquetebol, frisbee, futebol, futsal, futebol americano,


handebol, hóquei sobre grama, polo aquático, rúgbi etc.
» Esportes de rede/parede: voleibol, vôlei de praia, tênis de campo, tênis de mesa,
badminton e peteca/pelota basca, raquetebol, squash etc.
» Esportes de campo e taco: beisebol, críquete, softbol etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF05)
Identificar as transformações históricas do fenômeno esportivo e discutir alguns de seus
problemas (doping, corrupção, violência etc.) e a forma como as mídias os apresentam.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explicar por que os esportes são parte de um fenômeno histórico, social, cultural,
político e econômico e não apenas práticas corporais com um fim em si mesmas.
» Compreender o processo histórico do esporte moderno, na relação com os aspectos
econômicos, sociais, políticos e culturais.
» Relacionar alguns problemas vinculados ao fenômeno esportivo com a modernização
do esporte.
» Posicionar-se ética e criticamente frente aos problemas ligados ao fenômeno
esportivo e como a mídia os apresenta.

98
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Formar grupos de pesquisa com diferentes temas (origem dos esportes, relações com
política, economia etc.), estabelecendo as conexões históricas das transformações do
fenômeno esportivo e da modernização do esporte. Os grupos devem compartilhar
as informações, construindo coletivamente a concepção do fenômeno esportivo como
linguagem em constante construção. Essas estratégias também são instrumentos
de avaliação.

É possível partir da concepção do processo de modernização do esporte para questionar


o estudante sobre problemas ligados ao fenômeno esportivo. Pode-se também trabalhar,
além de notícias das mídias, com o olhar acadêmico para o debate dos problemas
esportivos, utilizando artigos, periódicos etc.; criar fóruns de discussão com grupos que
assumam posicionamentos diferentes frente aos problemas esportivos, especialmente
fóruns de simulação; utilizar de espaços de discussão de ideias sobre um mesmo tema é
importante para o estudante desenvolver um posicionamento ético frente aos problemas
vinculados às transformações do fenômeno esportivo.

Uma sugestão de integração é relacionar esta habilidade com EF89EF18, principalmente


quanto ao fenômeno esportivo e ao esporte moderno. É possível, também, planejar
estratégias conjuntas com EF89EF01, inserindo no evento esportivo os fóruns de
discussão (por exemplo, seminário de doping esportivo).

Esta habilidade e seus objetivos de aprendizagem também podem ser desenvolvidos de


forma interdisciplinar, tendo os processos históricos como ponto comum, bem como a
utilização de diferentes suportes e gêneros na organização dos fóruns de simulação.

Sugere-se debater sobre gênero (ODS 5), em função das diversas representações das
mulheres, em diferentes épocas, nos mais variados esportes, e da questão da participação
de transgêneros nas competições esportivas.

Outro ponto importante é a relação entre esportes (em sua dimensão profissional,
educacional e de lazer) e saúde (ODS 3). Os debates sobre esportes como inclusão e
ascensão socioeconômica (ODS 10) devem ser intensos, principalmente, quando houver,
na escola, essa cultura (Projeto de Vida).

99
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Presença da língua inglesa no cotidiano.


» Expressões em língua inglesa usadas no cotidiano, ou seja, em campos semânticos
como moda, alimentação, bem-estar físico, tecnologia, entre outros.
» Gêneros textuais cujo estilo faz uso de línguas estrangeiras: anúncios, legenda
de mídias sociais, reportagens, entre outros.
» Variação linguística.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI25)
Identificar a presença da língua inglesa na sociedade brasileira/comunidade
(palavras, expressões, suportes e esferas de circulação e consumo) e seu significado.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o gênero textual, escrito em língua portuguesa, que faz uso de expressões
em língua inglesa.
» Reconhecer a função social do gênero, bem como suas condições de produção,
recepção e circulação.
» Localizar a expressão em língua inglesa utilizada e reconhecer seu significado.
» Analisar o efeito de sentido da expressão no texto.
» Reconhecer a presença de expressões de língua inglesa na língua portuguesa.

100
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se atividades de leitura de textos e vídeos para reconhecimento de gêneros


escritos em língua portuguesa que fazem uso de expressões em inglês. Essas atividades
podem ser organizadas por estações, evidenciando a multiplicidade de gêneros, como
anúncios publicitários, legendas de mídias sociais, reportagens e notícias a fim de que
os estudantes reconheçam que o campo jornalístico-midiático é o contexto mais comum
para o uso dessas expressões, por conter gêneros que tratam de temas contemporâneos
e atuais.

Podem ser feitas, então, atividades em que o estudante precise reconhecer a função do
texto e o porquê do uso dessas expressões. Pode-se fazer uso de dicionários, caso os
significados não possam ser inferidos. Para sintetizar as aprendizagens, pode-se propor
um quadro indicando quais gêneros costumam apresentar expressões em língua inglesa,
por exemplo, termos relacionados à alimentação (diet e light) ou à moda, (fashion, fashion
week), entre outros.

Recomenda-se, em Língua Portuguesa, as atividades desenvolvidas de maneira


integrada, de modo que os textos, escritos em português com expressões inglesas,
situados nos mesmos campos de atuação social a fim de refletir sobre as condições de
produção, recepção e circulação desses textos.

Em Educação Física, pode-se pesquisar os esportes de aventura que são nomeados em


inglês (slackline, buildering, entre outros) e a razão dessa escolha.

Em Geografia, pode-se trabalhar a ideia de espaço e lugar e como alguns termos em


língua inglesa aparecem nesse contexto.

Esta habilidade relaciona-se, ainda, com a Competência Geral 1, uma vez que promove
o conhecimento para entender e explicar a realidade.

A questão do uso de “estrangeirismos” traz em si marcas de relações entre as culturas.


Nesse sentido, é possível tratar do modo como a língua incorpora essas relações.
Essa atividade pode desenvolver habilidades que ampliam a consciência intercultural,
relacionando-se diretamente ao ODS 16.

101
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Presença da língua inglesa no cotidiano.


» Produtos culturais, como histórias, músicas e filmes, próprios de países falantes
de língua inglesa.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI26)
Avaliar, problematizando elementos/produtos culturais de países de língua inglesa
absorvidos pela sociedade brasileira/comunidade.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Investigar o alcance da língua inglesa no mundo.
» Reconhecer elementos e produtos culturais de países de língua inglesa.
» Reconhecer o contexto em que esses produtos são consumidos e recebidos no Brasil.
» Posicionar-se sobre o consumo desses produtos e os impactos na cultura brasileira.

102
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, é interessante propor uma investigação do alcance da


língua inglesa no mundo. Para isso, pode-se propor uma pesquisa com fontes abertas e
confiáveis de como o inglês é percebido no mundo e quantos são seus falantes.

Após essa discussão, que problematiza a presença do inglês no mundo, pode-se propor
a leitura de textos e vídeos que sejam oriundos de países anglofalantes (ou que os
contextualizem) por meio de uma situação problema, em que o estudante deve descobrir
de onde vêm determinados produtos culturais amplamente consumidos no Brasil, por
exemplo, histórias como a dos Três Porquinhos, a comemoração do Halloween e se eles
já tiveram acesso a esses produtos (ou já ouviram falar) e em qual contexto.

A partir dessa investigação, é possível descobrir que esses produtos e costumes


são típicos dos Estados Unidos e da Inglaterra, mas que, cada vez mais, estão sendo
assimilados pela cultura brasileira.

Depois do levantamento dessa situação, pode-se avaliar se os estudantes conseguem


posicionar-se oralmente sobre esses produtos e seus impactos na cultura brasileira.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se comparar personagens e histórias, brasileiros e
estrangeiros, bem como suas diferentes versões e adaptações.
» Em Arte, caso opte-se por analisar o Halloween, por exemplo, é possível
compará-lo com outras manifestações tipicamente brasileiras, como a Festa
Junina. Nesse sentido, pode-se analisar o contexto, o vestuário e a alimentação
típica desses eventos.

Esta habilidade relaciona-se com a Competência Geral 1, uma vez que promove o
conhecimento para entender e explicar a realidade.

Ao se propor uma habilidade que pressupõe a análise da relação entre culturas, é


possível desenvolver meios para promover uma sociedade mais inclusiva, como previsto
pelo ODS 16, além de promover a consciência de que todos são iguais e devem agir de
modo fraterno uns com os outros, como proposto pela Declaração Universal de Direitos
Humanos. Além disso, a habilidade pode contribuir com a formação cidadã do estudante,
o que pode impactar positivamente na construção de seu Projeto de Vida.

103
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» A língua inglesa como língua global na sociedade contemporânea.


» Condições de produção e recepção de textos orais e escritos.
» Conceito de língua franca.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI21)
Analisar o alcance da língua inglesa e os seus contextos de uso no mundo globalizado.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer os contextos de uso da língua inglesa.
» Reconhecer a importância do idioma no mercado de trabalho.
» Posicionar-se sobre o alcance da língua inglesa.

104
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, pode-se problematizar com os estudantes a


necessidade de se aprender uma segunda língua. A partir disso, pode-se mostrar
vídeos e textos que tragam contextos de uso da língua, como viagens, trabalho fora
do país (não apenas em países que têm a língua inglesa como materna) ou mesmo no
país, quando é preciso estabelecer contato com uma pessoa de outra nacionalidade.

Com o levantamento dos contextos de uso feito, é possível promover uma pesquisa
de dados que indicam o quanto falar uma segunda língua promove maior inserção
no mercado de trabalho.

Pode-se solicitar aos estudantes que façam apresentações de seus achados e, dessa
maneira, coletar evidências de que eles compreenderam a importância e o alcance
do idioma.

Observa-se, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, podem ser desenvolvidas as habilidades de pesquisa e
síntese, próprias do Campo do Estudo e da Pesquisa.
» Em Geografia, pode-se analisar a questão da globalização, bem como a questão
da globalização na geração de novos postos de trabalho.

Esta habilidade tem uma relação direta com a Competência Geral 6, pois, ao
reconhecer a importância do inglês para o mercado de trabalho, o estudante é capaz de
construir um Projeto de Vida que inclua o aprendizado do idioma, além de compreender
que esse aprendizado é uma ferramenta de ascensão social. Há também a possibilidade
de relacionar com as Competências Gerais 4 e 6.

As atividades podem contribuir com o ODS 10, que visa a reduzir a desigualdade, uma
vez que ajuda na construção de Projetos de Vida que objetivem, de certa forma, à
qualificação profissional, o que pode impactar positivamente na construção do Projeto
de Vida do estudante.

105
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Variação linguística.
» Preconceito linguístico.
» Expressões e sotaques próprios do inglês de diferentes países e regiões.
» Reconstrução das condições de produção e circulação

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI23)
Reconhecer a variação linguística como manifestação de formas de pensar
e expressar o mundo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o conceito de variação linguística.
» Comparar expressões e vocábulos dos países falantes de língua inglesa.
» Comparar sotaques de diferentes falantes do inglês como primeira e segunda língua.
» Explorar modos de falar, refutando preconceitos e reconhecendo a variação
linguística como fenômeno natural das línguas.

106
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A fim de problematizar a questão da variação da língua inglesa, pode-se propor o uso


de músicas ou trechos de filme em que essa questão das diferenças é explorada. Em
seguida, pode-se pedir que grupos passem por uma rotação por estações para explorar
materiais como textos e vídeos. Sugere-se que cada estação traga um material escrito
ou falado com o inglês típico de cada país ou ainda de diferentes regiões do mesmo país.
Frisa-se que é interessante proporcionar leituras de materiais produzidos em países em
desenvolvimento e anglofalantes, como a Índia ou a África do Sul. Dessa maneira, pode-se
trabalhar a questão de variantes muitas vezes desconsideradas no contexto escolar. A
partir dessas estações, pode-se elaborar uma síntese coletiva que evidencie que não
existe um único inglês.

Para avaliar se os estudantes reconhecem o fenômeno da variação linguística, pode-se


fazer uma pergunta sobre qual o “melhor” inglês ou o “mais correto”. Eles darão
evidências de que desenvolveram a habilidade se conseguirem demonstrar que não
há uma forma correta ou melhor de se falar o idioma e que ela expressa a realidade do
falante que a utiliza.

Observa-se como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Língua Portuguesa, pode-se desenvolver um projeto que trate da variação
linguística no idioma, considerando as diferentes regiões e países onde o
português é falado.
» Em História, pode-se analisar a relação entre a língua e a história do local onde é
falada, por exemplo, de que forma a língua de um país colonizador se impõe em
um país colonizado e de que forma as expressões locais das línguas e dialetos das
ex-colônias são incorporadas.

Esta habilidade pode promover o desenvolvimento da empatia por propor o


reconhecimento da variação como um fenômeno natural. Logo, ela relaciona-se
diretamente com a Competência Geral 9.

Ao reconhecer que não há uma forma mais correta, as atividades relacionam-se com o
ODS 16, pois entende-se que tratar do preconceito linguístico é abordar língua como
forma de violência. É possível também abodar questões étnico-raciais, pois muito países
africanos falantes de língua inglesa incorporam termos de dialetos locais.

107
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Impacto de aspectos culturais na comunicação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI20)
Examinar fatores que podem impedir o entendimento entre pessoas de culturas
diferentes que falam a língua inglesa.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer expressões, gestos e comportamentos típicos de determinadas
culturas em vídeos e textos.
» Comparar comportamentos em função de aspectos culturais.
» Relacionar aspectos de outras culturas à sua própria.

108
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, é interessante promover para o estudante um contexto


real de análise das diferenças culturais. Nesse sentido, sugere-se o uso de textos
literários, biografias ou entrevistas que tratem dessa temática.

A partir da leitura desses textos, pode-se solicitar que sejam feitas anotações sobre quais
são os aspectos que possam ter impedido a comunicação dessas pessoas (caso sejam
relatos) ou das personagens (caso sejam narrativas).

Para que o estudante relacione essa questão à sua experiência de vida, pode-se pedir que
ele faça um relato sobre um gesto ou comportamento que tenha sido mal interpretado.

Pode-se nota, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se desenvolver um projeto interdisciplinar com
entrevistas a membros da comunidade escolar a fim de coletar evidências sobre a
influência dos aspectos culturais na comunicação.
» Em Arte, é possível desenvolver atividades para identificar manifestações
artísticas tipicamente culturais e que são mal interpretadas.
» Em Educação Física, pode-se explorar de que modo algumas lutas e danças são
vistas de maneira preconceituosa.
» Em Ciências Humanas, existe a possibilidade de discutir os conceitos de cultura e
comportamentos culturais.

Esta habilidade pode promover o desenvolvimento da empatia e da alteridade, uma vez


que propõe o exame de fatores culturais que podem impedir a comunicação. Assim, ela
relaciona-se diretamente com a Competência Geral 9.

Os temas e atividades abordados procuram promover o entendimento de que há uma


necessidade do respeito às diferenças. Nesse sentido, a habilidade relaciona-se ao
ODS 16. A atividade pode contribuir com a promoção da formação cidadã e impactar a
construção de Projetos de Vida.

109
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» A língua inglesa e seu papel no intercâmbio científico, econômico e político.


» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção de textos
científicos, políticos e econômicos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI18)
Analisar a importância da língua inglesa para o desenvolvimento das ciências
(produção, divulgação e discussão de novos conhecimentos), da economia e
da política no cenário mundial.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção de textos de caráter científico, econômico e
político (função social do texto, autor, contexto sócio-histórico).
» Reconhecer os suportes dos textos, identificando possíveis leitores.
» Analisar a função do uso da língua inglesa nos textos e o impacto do idioma no
desenvolvimento das ciências, da economia e da política.

110
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, sugere-se o trabalho com projetos de leitura


de textos científicos (artigos de divulgação científica, artigo científicos), notícias,
reportagens e textos multissemióticos que tratem de temas políticos e econômicos
produzidos em países que não têm a língua inglesa como nativa, mas escolhem
publicar nessa língua. Dessa maneira, pode-se partir de uma situação-problema para
entender as razões dessa escolha.

Nesse sentido, pode-se solicitar que o estudante (em grupos de trabalho) pesquise
sobre os autores desses textos e identifiquem os países onde foram publicados e
outros critérios que podem ser apresentados. Isso pode ser feito com estações de
leitura que apresentem diferentes gêneros e diferentes contextos e, posteriormente,
compartilhados com o grupo. A partir da leitura, pode-se problematizar a questão do
uso da língua inglesa nesses textos para que se elaborem hipóteses sobre o alcance da
língua em nível mundial, atuando como uma língua franca.

A avaliação das aprendizagens pode ser feita de maneira processual, sobretudo


com instrumentos de autoavaliação e registro que tragam evidências da compreensão
do estudante.

Observa-se, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se trabalhar com a leitura de artigos científicos
que apresentam o resumo (abstract) em língua inglesa, observando a função
dessa seção no texto.
» Em Ciências da Natureza, pode-se propor um projeto integrado no qual a
leitura de textos científicos em inglês faça parte do processo.

Nesse sentido, observa-se como esta habilidade dialoga com a Competência Geral 2,
na medida em que propõe elementos como “investigação, reflexão e análise crítica” a
fim de “elaborar e testar hipóteses”. Além disso, o trabalho com esta habilidade permite
ao estudante explorar textos globais, ajudando-o a perceber o seu lugar no mundo.

A análise da dimensão da língua inglesa em um contexto global e como língua franca


permite, por meio da temática, que se trabalhem temas contemporâneos e alinhados
aos Direitos Humanos. Além disso, devido aos procedimentos de leitura desses textos,
a habilidade conecta-se também com o ODS 4.

111
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

DIMENSÃO INTERCULTURAL E
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção de identidades no mundo globalizado.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI19)
Discutir a comunicação intercultural por meio da língua inglesa como mecanismo
de valorização pessoal e de construção de identidades no mundo globalizado.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a função social do gênero Debate.
» Reconhecer a estrutura de um debate.
» Elaborar argumentos.
» Utilizar argumentos de concordância e discordância em um debate.

112
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se, para o desenvolvimento desta habilidade, que ela esteja atrelada a um gênero
discursivo que a contextualize, como o Debate.

Nesse sentido, propõe-se que sejam oferecidas ao estudante atividades em que ele entre
em contato com o gênero para reconhecer sua função social e estrutura. Isso pode ser
feito assistindo a vídeos, por exemplo, o que pode ser feito utilizando a aula invertida.

Além disso, a partir do reconhecimento do gênero e sua função social, propõe-se a


preparação do debate cujo tema se relacione à questão da comunicação intercultural.
Assim, é necessário elaborar argumentos que problematizem, como propõe a habilidade,
a questão do uso da língua como “mecanismo de valorização pessoal” e de “construção
de identidades no mundo globalizado”. Pode-se, nessa construção, abordar os aspectos
linguísticos na construção da argumentação, como a apresentação de chunks que
expressem concordância ou discordância ou, ainda, o uso das condicionais.

A avaliação das aprendizagens pode ser feita pela observação do debate e da utilização
de argumentos consistentes e bem construídos.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se propor a análise do gênero, bem como atividades
comparativas entre o uso da língua portuguesa e inglesa.
» Em Ciências Humanas, o debate pode ser parte de um projeto interdisciplinar que
trata da questão intercultural.

Nota-se, ainda, que o desenvolvimento da habilidade dialoga com o Projeto de Vida do


estudante, pois trata da língua inglesa e da capacidade de se comunicar interculturalmente
no processo da construção da identidade do jovem (quem sou eu?), não apenas no mundo
do trabalho, mas na construção da autoestima, ou seja, é um “mecanismo de valorização
pessoal” desse estudante que consegue se expressar em uma segunda língua.

Ao se propor, portanto, a discussão da comunicação intercultural como “mecanismo de


valorização pessoal e de construção de identidades no mundo globalizado”, discute-se
a questão da identidade, promovendo, assim, uma educação em Direitos Humanos e
relacionando a habilidade ao ODS 10, sobretudo ao que é proposto pela meta 2.

113
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Apreciação e réplica.
» Relação entre gêneros e mídias.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP02)
Analisar e comparar peças publicitárias variadas (cartazes, folhetos, outdoor, anúncios
e propagandas em diferentes mídias, spots, jingle, vídeos etc.), de forma a perceber a
articulação entre elas em campanhas, as especificidades das várias semioses e mídias, a
adequação dessas peças ao público-alvo, aos objetivos do anunciante e/ou da campanha e
à construção composicional e estilo dos gêneros em questão, como forma de ampliar suas
possibilidades de compreensão (e produção) de textos pertencentes a esses gêneros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a forma composicional dos gêneros publicitários.
» Comparar diferentes peças publicitárias.
» Analisar os recursos estilísticos e semióticos dos gêneros publicitários.
» Identificar e analisar os efeitos de sentido que fortalecem a persuasão nos
textos publicitários.
» Relacionar as estratégias de persuasão e apelo ao consumo com os recursos
linguístico-discursivos utilizados, como imagens, tempo verbal, jogos de palavras,
figuras de linguagem etc., com vistas a fomentar práticas de consumo conscientes.

114
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se projetos e sequências com gêneros publicitários, favorecendo reflexão de


temas de relevância social, como consumismo na adolescência, a propaganda e os
padrões de beleza, entre outros.

A partir de uma situação-problema, em rodas de conversa, os estudantes podem


discutir como a propaganda tem sido impactada pelo avanço de tecnologias digitais
para ampliar e diversificar as formas de comunicação, levantando hipóteses e falando
de suas experiências como consumidores. Trabalhos em grupos favorecem o contato
com peças publicitárias variadas (cartazes, folhetos, outdoor, anúncios e propagandas
etc.), com cada grupo sendo responsável por analisar os elementos de um dos gêneros
publicitários citados (público-alvo, objetivos do anunciante e/ou da campanha,
construção composicional e estilo). Os alunos podem construir quadros e/ou esquemas
para registrar essas informações e apresentar o texto e sua respectiva análise à turma.

É possível acompanhar a aprendizagem dos estudantes avaliando as apresentações,


bem como solicitar que eles avaliem as apresentações dos colegas.

Na Educação Física, sugere-se discutir os padrões de beleza, bem como a aceitação do


próprio corpo e o respeito ao corpo do outro. Em Arte, é possível analisar panfletos,
anúncios e cartazes de divulgação de peças de teatro, shows, espetáculos de dança,
entre outras manifestações artísticas. Em Ciências da Natureza, discutir o impacto que
o consumismo desenfreado causa no meio ambiente.

Esta habilidade se conecta à Competência Geral 7, no que se refere ao consumo


responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação
ao cuidado de si mesmo, dos outros e do planeta.

A seleção dos textos publicitários pode dialogar com os temas contemporâneos e com
os ODS. A proposta metodológica de projetos de trabalho em grupo colabora para o
desenvolvimento da empatia e da alteridade do estudante, promovendo o trabalho com
o ODS 16 e incentivando a cultura de paz e o entendimento mútuo.

115
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP03)
Identificar, em notícias, o fato central, suas principais circunstâncias e eventuais
decorrências; em reportagens e fotorreportagens o fato ou a temática retratada e a
perspectiva de abordagem, em entrevistas os principais temas/subtemas abordados,
explicações dadas ou teses defendidas em relação a esses subtemas; em tirinhas,
memes, charge, a crítica, ironia ou humor presente.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar, em notícias, o fato central, as circunstâncias e as decorrências.
» Identificar, em reportagens e fotorreportagens, o fato, a temática e a abordagem.
» Identificar, em entrevistas, os principais temas/subtemas explicações e teses.
» Identificar, em tirinhas, memes e charges, a crítica, ironia ou humor presente.

116
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

É importante considerar um trabalho progressivo com os gêneros discursivos citados.


Por exemplo, pode-se iniciar a leitura de textos mais informativos, como a notícia, e,
posteriormente, analisar os textos argumentativos, por exemplo.

Sugere-se, ainda, o planejamento de modalidades didáticas que garantam a regularidade


das práticas de leitura desses gêneros, como as rodas de jornais impressos/virtuais e
rodas de conversa para compartilhar as leituras. É importante, também, levar o estudante
a refletir sobre os diferentes suportes e modos de circulação desses gêneros

Propõe-se, ainda, a elaboração de murais físicos e/ou digitais, a fim de compartilhar esses
gêneros jornalísticos, em especial, os multissemióticos (charge, tirinhas e memes). Nesse
sentido, recomenda-se abrir um espaço para que os estudantes possam trazer os textos
lidos em seu cotidiano. Por exemplo, a pesquisa de memes selecionados de redes sociais
pode contribuir para que eles pratiquem a curadoria de informações. Além disso, pode-se
discutir a crítica e o humor presente neles, bem como estabelecer relações temáticas com
outros gêneros jornalísticos.

Um projeto permanente de roda de jornal integrando todos os componentes curriculares


é uma possibilidade de integração de áreas. Pode-se, também, estimular a curadoria
de informações nas mais diversas áreas do conhecimento. Por exemplo, em Ciências
da Natureza, o estudante poderá buscar notícias, reportagens, charges e memes sobre
assuntos ligados aos conhecimentos da disciplina, como a vida sustentável.

Em relação às Competências Gerais, esta habilidade refere-se à Competência Geral 6,


visto que prevê a análise de informações, argumentos e opiniões manifestadas em
diferentes textos e/ou interações sociais.

É possível, a partir da leitura dos gêneros (notícias, reportagens e fotorreportagens,


tirinhas, memes e charges) ampliar o repertório dos estudantes em relação aos temas
contemporâneos, à educação para as relações étnico-raciais, à educação em Direitos
Humanos e aos ODS.

117
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Efeitos de sentido.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP04)
Identificar e analisar os efeitos de sentido que fortalecem a persuasão nos textos
publicitários, relacionando as estratégias de persuasão e apelo ao consumo com os
recursos linguístico-discursivos utilizados, como imagens, tempo verbal, jogos de palavras,
figuras de linguagem etc., com vistas a fomentar práticas de consumo conscientes.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Analisar as especificidades das várias semioses e mídias e a adequação dessas peças
ao público-alvo, aos objetivos do anunciante e/ou da campanha e à construção
composicional e estilo dos gêneros em questão.
» Identificar e analisar os efeitos de sentido que provocam a persuasão em textos
publicitários.
» Relacionar, em textos publicitários, as estratégias de persuasão e apelo ao consumo
com os recursos linguístico-discursivos, como imagens, tempo verbal, jogos de
palavras, figuras de linguagem etc.

118
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade propõe a análise e comparação de diferentes peças publicitárias. Desse


modo, sugere-se como possibilidade para o desenvolvimento desta habilidade o trabalho
com anúncios impressos e audiovisuais a fim de estimular a percepção dos estudantes
sobre a finalidade e o "poder" do discurso publicitário e suas consequências, por exemplo,
estimular o consumo exacerbado. Propõe-se, portanto, o planejamento de modalidades
didáticas que mobilizem a análise de gêneros publicitários e propiciem a discussão
de temas contemporâneos sobre propaganda e consumo, bem como a influência da
publicidade no comportamento de crianças, adolescentes e jovens.

Recomenda-se a mediação de situações de leitura para que os estudantes possam


analisar esses textos de forma crítica, analisando, assim, a relação entre linguagem verbal
e não verbal no que se refere à propagação de diferentes tipos de discursos e mensagens.

Nota-se como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Ciências Humanas, é possível a realização de um projeto integrado a fim
de analisar e comparar diferentes textos publicitários e levar o estudante a refletir
sobre como certas transformações históricas e sociais podem modificar o estilo de
vida, os valores e os papéis sociais veiculados pela propaganda ao longo do tempo.
» Em Ciências da Natureza, é possível promover discussões sobre o consumismo e
as respectivas consequências ambientais.
» Em Língua Inglesa, pode-se discutir o porquê do uso de estrangeirismos em
propagandas (relacionando-se com a habilidade EF06LI25).

Esta habilidade refere-se à Competência Geral 7, visto que se pressupõe o


desenvolvimento da consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito
local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo,
dos outros e do planeta.

A habilidade pressupõe, por meio da leitura e análise dos textos publicitários, desenvolver
um olhar crítico para que os estudantes possam compreender o “poder” persuasivo
desses textos, de modo a refletir sobre os impactos que o consumismo exacerbado causa
no meio ambiente. Portanto, está diretamente ligada ao que pressupõe o ODS 12, no que
se refere às práticas de consumo consciente e à sustentabilidade do planeta.

119
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Efeitos de sentido.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP05)
Inferir e justificar, em textos multissemióticos – tirinhas, charges, memes, gifs etc. –,
o efeito de humor, ironia e/ou crítica pelo uso ambíguo de palavras, expressões ou
imagens ambíguas, de clichês, de recursos iconográficos, de pontuação etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explorar diferentes estratégias de leitura para identificar o fato ou assunto criticado
ou humorizado em textos multissemióticos.
» Relacionar linguagem verbal e não verbal para compreender textos e as mensagens
transmitidas por textos multissemióticos.
» Inferir o efeito de humor, ironia e/ou crítica em textos multissemióticos (tirinhas,
charges, memes, gifs etc.), pelo uso ambíguo de palavras, expressões ou imagens, de
clichês, de recursos iconográficos, de pontuação etc.
» Justificar o efeito de humor, ironia e/ou crítica em textos multissemióticos (tirinhas,
charges, memes, gifs etc.), pelo uso ambíguo de palavras, expressões ou imagens, de
clichês, de recursos iconográficos, de pontuação etc.

120
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Ações que possibilitem o acesso frequente a jornais e revistas em diferentes mídias, bem
como em redes sociais apreciadas e utilizadas pelos estudantes são uma possibilidade.
Sugere-se, ainda, o planejamento de situações didáticas com foco na análise e
comparação de charges e memes. Nesse caso, recomenda-se organizar os estudantes
em grupos para que eles possam inferir o humor, ironia e/ou crítica pelo uso ambíguo de
palavras, expressões e/ou imagens, de clichês, de recursos iconográficos, de pontuação
etc. Os textos podem tratar dos temas contemporâneos, da educação para as relações
étnico-racial e do respeito aos Direitos Humanos.

Recomenda-se também que, a partir de uma lista de temas previamente selecionados


pelo educador e pelo estudante, seja elaborada uma exposição de memes e charges.
Nesse sentido, ainda é possível estimular o estudante a praticar a curadoria de textos
em diferentes mídias.

Outra sugestão é que os alunos escrevam comentários justificando o efeito de humor,


ironia e/ou crítica nesses textos multissemióticos. Indica-se que, antes da elaboração
dos comentários, os estudantes preencham quadros e/ou esquemas para sistematizar e
registrar a análise. Esse passo a passo contribui para que a habilidade seja desenvolvida
progressivamente, uma vez que inferir/justificar o efeito de humor pressupõe operações
com níveis de complexidade diferentes. Para acompanhar a aprendizagem é possível
avaliar o quadro de sistematização e as justificativas elaboradas pelos estudantes.

Observa-se como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Arte, é possível um trabalho interdisciplinar, para mobilizar o estudante a
analisar e/ou produzir textos multissemióticos, como uma caricatura.
» Em Língua Inglesa, propõe-se a leitura de charges, memes, tirinhas etc., em jornais
impressos e digitais em inglês.
» Em Ciências Humanas, indica-se o estudo de charges, memes e gifs relacionados
aos temas estudados em cada um dos componentes.

Por meio dos gêneros citados, pode-se ampliar o repertório dos estudantes em relação
aos temas contemporâneos, à educação para as relações étnico-raciais e aos ODS.
Por exemplo, ao trabalhar com uma charge ou meme que problematize a questão da
igualdade de gênero, é possível tratar do ODS 5, que determina “acabar com todas as
formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda parte”.

121
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos.


» Caracterização do campo jornalístico e relação entre os gêneros em circulação,
mídias e práticas da cultura digital.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LP01)
Reconhecer a impossibilidade de uma neutralidade absoluta no relato de fatos e
identificar diferentes graus de parcialidade/ imparcialidade dados pelo recorte feito
e pelos efeitos de sentido advindos de escolhas feitas pelo autor, de forma a poder
desenvolver uma atitude crítica frente aos textos jornalísticos e tornar-se consciente
das escolhas feitas enquanto produtor de textos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Analisar, criticamente, diferentes textos jornalísticos.
» Reconhecer os efeitos de sentido advindos de escolhas feitas pelo autor em
textos jornalísticos.
» Diferenciar um fato de uma opinião sobre um fato.
» Reconhecer os graus de parcialidade e neutralidade em textos jornalísticos.
» Posiciona-se de forma crítica frente aos textos jornalísticos.

122
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se, com esta habilidade, o desenvolvimento da visão crítica do estudante frente


aos gêneros jornalísticos. Espera-se que o estudante seja um leitor e um produtor de
textos consciente de suas escolhas.

Na elaboração de modalidades didáticas para desenvolver esta habilidade, recomenda-se


garantir, regularmente, formas de acesso a textos jornalísticos de diferentes jornais e
revistas, impressos ou digitais.

Sugere-se como possibilidade de trabalho a comparação de notícias e/ou reportagens


relacionadas a um mesmo fato ou assunto, relatadas de formas diferentes. Como
estratégia para potencializar esta atividade, recomenda-se, ainda, promover rodas de
notícia e reportagem, a fim de mobilizar o estudante a desenvolver uma postura crítica
frente a esses textos.

Convém, ainda, a análise das imagens que compõem os textos lidos, com a finalidade
de fazer o estudante perceber que imagens também trazem informações, opiniões
e ideologias.

Indica-se também selecionar manchetes de notícias para que os estudantes possam


analisar as marcas linguísticas e escolhas lexicais responsáveis por expressar opiniões
(por exemplo, “ocupação”/“invasão”, “solicitou”/“ordenou”), de modo a evidenciar a visão
do jornalista sobre o fato relatado.

Recomenda-se um projeto permanente de roda de notícia e reportagem, envolvendo


todos os componentes curriculares. Nesse sentido, pode-se trabalhar semanalmente
e/ou quinzenalmente com uma notícia relacionada aos temas de cada disciplina.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de leitura.

123
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos.


» Caracterização do campo jornalístico e relação entre os gêneros em circulação,
mídias e práticas da cultura digital.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LP02)
Estabelecer relação entre os diferentes gêneros jornalísticos, compreendendo
a centralidade da notícia.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a forma composicional do gênero notícia, considerando o contexto de
produção, circulação e o suporte.
» Comparar e relacionar diferentes gêneros jornalísticos.
» Reconhecer a centralidade da notícia no campo jornalístico-midiático.

124
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se à centralidade da notícia em relação aos outros gêneros


jornalísticos, como reportagem, crônica, entrevista, carta do leitor, entre outros. Nesse
sentido, uma opinião, uma crítica e/ou ampliação de um fato/assunto se relacionam
com algo que foi noticiado, estabelecendo relação de intertextualidade com a notícia.

Sugere-se, portanto, para o desenvolvimento desta habilidade, a elaboração de


diferentes situações didáticas que possam favorecer a inserção dos estudantes na
prática de leitura de jornais impressos e/ou digitais para que, desse modo, eles possam
perceber a relação temática entre esses gêneros jornalísticos. Para isso, recomenda-se:
(1) rodas de jornais com frequência; (2) leitura comparativa entre diferentes textos
jornalísticos; e (3) análise de textos da esfera digital que fazem parte das práticas de
leitura dos estudantes. Pode-se discutir, por exemplo, que, em alguns contextos, o
conteúdo de um meme parte de algum um fato noticiado.

Em Língua Inglesa, é possível praticar a leitura de gêneros jornalísticos em jornais


impressos e/ou digitais em inglês. Os demais componentes curriculares das diferentes
áreas podem também promover rodas de jornais com foco na leitura de textos
jornalísticos relacionados às áreas. Por exemplo, em Ciências Humanas, pode-se ler
notícias, charges ou carta do leitor que possam tratar de questões políticas.

A habilidade articula-se à Competência Geral 5, no que se refere ao acesso à


informação e à comunicação de forma crítica e reflexiva.

A habilidade pode contribuir para que o estudante possa obter mais informações
sobre temas contemporâneos. Além disso, é possível estabelecer diálogo com o ODS 4,
considerando o propósito de assegurar uma educação inclusiva e de qualidade.

125
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos.


» Caracterização do campo jornalístico e relação entre os gêneros em circulação,
mídias e práticas da cultura digital.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LP01)
Distinguir diferentes propostas editoriais – sensacionalismo, jornalismo investigativo
etc. –, de forma a identificar os recursos utilizados para impactar/chocar o leitor que
podem comprometer uma análise crítica da notícia e do fato noticiado.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Comparar informações sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes veículos e
mídias, analisando e avaliando a confiabilidade.
» Identificar, em textos, os efeitos de sentido do uso de estratégias de modalização
e argumentatividade.
» Comparar e diferenciar diferentes propostas editoriais.

126
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade contribui para desenvolver a criticidade do estudante frente aos


diferentes tipos de propostas editoriais. Sugere-se, portanto, a elaboração de atividades
que propiciem, por exemplo, a análise de diferentes capas de revista, a comparação entre
jornais televisivos e a análise de as escolhas de lexicais e de outros recursos semióticos
(imagens, cores, fontes de letra etc.).

Propõe-se, a organização de projetos de trabalho em grupos. Nesse caso, cada equipe


produz uma análise das propostas editoriais, com base em roteiros e/ou situação-problema.
Por fim, elaboram uma apresentação oral para compartilhar o estudo dos textos. Como
proposta de avaliação, pode-se observar a apresentação oral dos estudantes.

Em Língua Inglesa, é possível desenvolver a habilidade EF09LI06, no que se refere à


distinção de fatos de opiniões em textos argumentativos da esfera jornalística; a EF09LI07,
relacionada à identificação de argumentos; e EF09LI08, que prevê a exploração de
ambientes virtuais de informação e a análise da validade das informações veiculadas.

A habilidade pode contribuir para o desenvolvimento da Competência Geral 7, visto que


possibilita a leitura crítica e consciente dos textos jornalísticos e argumentativos.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de leitura.

127
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LP02)
Comparar notícias e reportagens sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes
mídias, analisando as especificidades das mídias, os processos de (re)elaboração dos
textos e a convergência das mídias em notícias ou reportagens multissemióticas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a forma composicional do gênero notícia e reportagem, considerando o
contexto de produção e circulação e o suporte.
» Estabelecer relação entre os diferentes gêneros jornalísticos, compreendendo a
centralidade da notícia.
» Comparar notícias e reportagens sobre um mesmo fato divulgado em diferentes mídias.
» Identificar, em textos, os efeitos de sentido do uso de estratégias de modalização
e argumentatividade.
» Analisar as especificidades das mídias, os processos de (re)elaboração dos textos e a
convergência das mídias em notícias ou reportagens multissemióticas.

128
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade pressupõe a relação entre os gêneros notícia e reportagem. Além disso,


refere-se à comparação do modo como os diferentes jornais e mídias abordam um
mesmo fato. Para o desenvolvimento desta habilidade, recomenda-se a preparação de
modalidades didáticas que possibilitem a análise desses gêneros em diferentes mídias.
Assim, propõe-se, inicialmente, selecionar assuntos/fatos relacionados ao cotidiano do
estudante ou à sua comunidade e, depois, analisá-los. Isso contribui para que o aluno
possa reconhecer os processos de (re)elaboração dos textos e a convergência das mídias.

Sugere-se, ainda, desenvolver com os estudantes uma sequência de atividades em


que eles possam trabalhar em grupos para (1) selecionar temas de interesse; (2)
pesquisar notícias sobre esses temas; (3) selecionar e ler, pelo menos, duas notícias sobre
um mesmo fato/assunto; (4) comparar as escolhas lexicais de manchetes e também os
recursos multissemióticos, como legenda; (5) compartilhar a análise do grupo com os
demais colegas.

A habilidade colabora para que o estudante busque dados e informações de forma crítica
nas diferentes mídias, inclusive nas redes sociais.

Pode se observar como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Língua Inglesa, é possível praticar a leitura comparativa entre notícias e
reportagens em jornais impressos e/ou digitais em inglês.
» Em Arte, pode se analisar as fotolegendas de notícias e reportagens.

Articula-se à Competência Geral 5, no que se refere ao acesso à informação e


comunicação de forma crítica e reflexiva.

A habilidade pode contribuir para que o estudante possa obter mais informações
sobre temas contemporâneos. Além disso, é possível estabelecer diálogo com o ODS 4,
considerando o propósito de assegurar uma educação inclusiva e de qualidade.

129
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP02)
Explorar o espaço reservado ao leitor nos jornais, revistas, impressos e on-line, sites
noticiosos etc., destacando notícias, fotorreportagens, entrevistas, charges, assuntos,
temas, debates em foco, posicionando-se de maneira ética e respeitosa frente a
esses textos e opiniões a eles relacionadas, e publicar notícias, notas jornalísticas,
fotorreportagem de interesse geral nesses espaços do leitor.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Praticar a curadoria de informações e dados em diferentes espaços reservados ao
leitor em jornais, revistas impressos e on-line, sites noticiosos etc.
» Comparar informações sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes veículos e
mídias, analisando e avaliando a confiabilidade.
» Distinguir, em segmentos descontínuos de textos, o fato da opinião enunciada em
relação a esse mesmo fato.
» Identificar e avaliar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e argumentos em textos
argumentativos (carta de leitor, comentário, artigo de opinião, resenha crítica etc.).
» Posicionar-se criticamente frente aos textos jornalísticos.

130
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade pressupõe o contato do estudante com espaços variados de circulação


dos gêneros jornalísticos/midiáticos. Propõe-se que esta habilidade seja desenvolvida
por meio de leituras, análises e discussões sobre os textos jornalísticos. Nesse sentido,
as habilidades EF67LP03, EF67LP04 e EF67LP05 também contribuem para aguçar a
capacidade de comparar, analisar, avaliar e posicionar-se frente aos textos jornalísticos.

Pode-se planejar situações didáticas articuladas com a produção de textos orais


(conversas, debate, podcast etc.) e escritos (notícias impressas, reportagens, resenhas
críticas etc.), uma vez que a habilidade faz referência ao posicionamento do leitor frente
ao que lê/escuta. O desenvolvimento desta habilidade também pressupõe a reflexão
sobre o que deve ou não ser publicado.

É possível promover rodas de textos jornalísticos e/ou outras modalidades didáticas que
permitam a discussão sobre a fidedignidade dos textos, bem como o tratamento ético e
desrespeitoso que determinado veículo ou jornalista tenha dado ao assunto/fato.
É oportuno sensibilizar o estudante a refletir que, de alguma maneira, todos são
responsáveis pelo mundo em que vivem. Quando o jovem constrói um Projeto de Vida,
ele amplia a percepção que tem de si mesmo como sujeito e cidadão.

Recomenda-se um projeto permanente de roda de leitura de gêneros jornalísticos


envolvendo todos os componentes curriculares. É possível trabalhar semanalmente e/ou
quinzenalmente com notícias, charges, reportagens, carta do leitor etc., que possam
estabelecer um diálogo com os temas de cada disciplina. Sugere-se, ainda, se possível,
promover situações didáticas que estimulem a exploração de sites especializados em
cada componente.

A habilidade pode contribuir para o desenvolvimento das Competências Gerais 4 e 7,


visto que prevê a argumentação ética, crítica e respeitosa.

Esta habilidade favorece uma participação mais qualificada do estudante nos espaços
jornalísticos/midiáticos citados. Nesse sentido, há uma relação com o ODS 9, no que
se refere ao acesso às tecnologias de informação e comunicação e se empenhar para
procurar ao máximo oferecer acesso universal à internet e a preços acessíveis.

131
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP03)
Comparar informações sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes veículos
e mídias, analisando e avaliando a confiabilidade.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Comparar informações sobre um mesmo fato divulgado em diferentes veículos e
mídias, avaliando-as.
» Identificar os efeitos de sentido provocados pela seleção lexical, topicalização de
elementos, seleção e hierarquização de informações, uso de 3ª pessoa etc.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade pode ser desenvolvida de modo integrado a EF07LP01, visto que ambas
pressupõem comparações de informações divulgadas em diferentes veículos e mídias.

Recomenda-se, ainda, o trabalho com habilidades da análise linguística e semiótica. Por


exemplo: a habilidade EF67LP06 implica reconhecer os efeitos de sentido e os valores
ideológicos provocados por recursos léxicos empregados nos gêneros jornalísticos.

132
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

Sugere-se o planejamento de atividades que propiciem o acesso frequente a textos


jornalísticos de diferentes jornais e revistas, impressos ou digitais, de acordo com a
habilidade EF67LP02.

Propõe-se, portanto, como possibilidade de desenvolver esta habilidade: (1) criar uma
situação-problema (“Quais diferenças percebemos entre as duas notícias?); (2) promover
a leitura de uma notícia digital em comparação com uma notícia retirada de um jornal
impresso; (3) disponibilizar um quadro de síntese para registrar os itens: abordagem
do fato, escolha lexical e uso do discurso direto para reforçar ideias; e (4) propor o
compartilhamento da análise das notícias.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, é possível planejar uma atividade de análise comparativa entre
notícias retiradas de jornais digitais, em língua inglesa, e notícias retiradas de
jornais brasileiros.
» Em Ciências da Natureza, propõe-se comparar diferentes notícias relacionadas
aos temas da área, a fim de capacitar o estudante quanto à análise de fatos, de
modo a desenvolver a capacidade crítica frente aos temas lidos.

A habilidade pode contribuir para o desenvolvimento da Competência Geral 7, visto que


possibilita a leitura crítica e consciente dos textos jornalísticos e argumentativos.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de leitura.

133
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura.
» Distinção de fato e opinião.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP04)
Distinguir, em segmentos descontínuos de textos, fato da opinião enunciada
em relação a esse mesmo fato.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Comparar informações sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes veículos e
mídias, analisando e avaliando a confiabilidade.
» Identificar os efeitos de sentido provocados pela seleção lexical, topicalização de
elementos, seleção e hierarquização de informações, uso de 3ª pessoa etc.
» Diferenciar fatos de opiniões sobre um fato em textos jornalísticos.

134
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade trata da diferenciação entre fato e opinião em textos do campo jornalístico-
-midiático. Assim, possibilita a discussão sobre marcas de parcialidade/imparcialidade.

Sugere-se, portanto, desenvolver um trabalho articulado entre as habilidades de leitura


dos gêneros jornalísticos e EF67LP06, EF07LP08 e EF07LP09, que são habilidades do
eixo da análise linguística e semiótica.

Propõe-se, assim, como possibilidade de atividade o planejamento de rodas de


notícias e reportagens, a fim de promover a análise das marcas de subjetividade que
o jornalista/autor utiliza no texto, como "pistas" que possibilitam distinguir fatos e
opiniões sobre fatos. Por exemplo, o uso de adjetivos, advérbios e modos e tempos
verbais podem determinar a modalização do texto.

Recomenda-se, também, iniciar o trabalho de análise dos textos pelo título e lide. Nesse
caso, é possível organizar a atividade por rotação de estações. Assim, em cada uma
das estações, propõe-se que o estudante grife as marcas que indicam subjetividade e
cole os recortes do título e lide em um painel coletivo. Posteriormente, promove-se a
roda de notícias e reportagens para ler o texto na íntegra. Nessa etapa, discute-se o
texto e retoma-se o painel, a fim de ampliar o conhecimento do estudante sobre fatos e
opiniões sobre fatos.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, é possível planejar uma atividade de análise comparativa
entre notícias retiradas de jornais digitais, em língua inglesa, e notícias retiradas
de jornais brasileiros.
» Em Ciências da Natureza, propõe-se comparar diferentes notícias relacionadas
aos temas da área, a fim de capacitar o estudante quanto à análise de fatos, de
modo a desenvolver a capacidade crítica frente aos temas lidos.

A habilidade pode contribuir para o desenvolvimento da Competência Geral 7, visto que


possibilita ao estudante uma leitura mais crítica e consciente dos textos jornalísticos.

É possível, por meio da pesquisa, leitura e análise dos gêneros do campo jornalístico-
-midiático, propiciar uma análise investigativa de como os temas dos ODS e outras
questões contemporâneas estão sendo veiculados em textos jornalísticos.

135
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: identificação de teses e argumentos.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP05)
Identificar e avaliar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e argumentos em textos
argumentativos (carta de leitor, comentário, artigo de opinião, resenha crítica etc.),
manifestando concordância ou discordância.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e argumentos em
textos argumentativos.
» Comparar informações sobre um mesmo fato divulgadas em diferentes veículos
e mídias, analisando e avaliando a confiabilidade.
» Identificar o uso de recursos persuasivos em textos argumentativos diversos
(como a elaboração do título, escolhas lexicais, construções metafóricas, a explicitação
ou a ocultação de fontes de informação) e perceber seus efeitos de sentido.
» Avaliar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e argumentos em
textos argumentativos.

136
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade prevê o estudo de textos argumentativos do campo jornalístico-


-midiático. Além disso, ela pode ser desenvolvida, na leitura e na produção de textos
escritos e orais, uma vez que as operações de identificar e avaliar teses/opiniões/
posicionamentos são necessárias para construir a capacidade crítica do estudante.

Sugere-se, portanto, o planejamento de atividades que possam favorecer o acesso do


estudante aos diferentes gêneros argumentativos que tratem de questões controversas
e de relevância social.

Recomenda-se, ainda, que a habilidade seja desenvolvida progressivamente. Por


exemplo, primeiro o estudante identifica e avalia teses/opiniões/posicionamentos em
comentários e, posteriormente, repete essa mesma operação nas cartas do leitor e
resenhas e, por fim, analisa um artigo de opinião.

Em Ciências da Natureza, é possível propor que o estudante identifique e avalie


teses/opiniões/posicionamentos em textos sobre problemas ambientais e sustentabilidade,
por exemplo.

A habilidade pode contribuir para o desenvolvimento da Competência Geral 7, visto que


possibilita a leitura crítica e consciente dos textos jornalísticos e argumentativos.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de leitura.

137
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LP01)
Identificar e comparar os vários editorias de jornais impressos e digitais e de sites
noticiosos, de forma a refletir sobre os tipos de fato que são noticiados e comentados,
as escolhas sobre o que noticiar e o que não noticiar e o destaque/enfoque dado e a
fidedignidade da informação.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar e comparar os fatos noticiados em diferentes editoriais de jornais
impressos e digitais e de sites noticiosos.
» Analisar os elementos linguísticos e semióticos presentes nos editoriais.
» Pesquisar diferentes fontes de informação para a verificação da sua confiabilidade.
» Checar a fidedignidade da informação e refletir sobre o que noticiar e o que não
noticiar, bem como sobre o destaque/enfoque dado às notícias.

138
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade prevê que o estudante seja um leitor crítico em relação aos textos do
campo jornalístico-midiático. Nesse sentido, para o desenvolvimento desta habilidade,
é necessário: analisar os elementos linguísticos/semióticos e utilizar ferramentas de
curadoria para pesquisar em diferentes fontes de informação, assim, verificando a
confiabilidade do que foi noticiado.

Para o desenvolvimento desta habilidade, recomenda-se garantir o acesso aos jornais


e revistas impressos e digitais. Pode-se criar, em parceria com os estudantes, um mural
físico e/ou digital para divulgar os textos ou links. Desse modo, facilita-se o oferecimento
de um material jornalístico diversificado. Sugere-se, ainda, que os estudantes sejam
responsáveis por criar e alimentar o mural, com auxílio do educador.

Como sugestão de integração, em Língua Inglesa, pode-se elaborar um projeto integrado


a estas habilidades: (EF09LI08) Explorar ambientes virtuais de informação e socialização,
analisando a qualidade e a validade das informações veiculadas; e (EF09LI07) Identificar
argumentos principais e as evidências/exemplos que os sustentam. Sugere-se ainda, que os
educadores dos outros componentes curriculares possam colaborar com a organização e
seleção de textos para o mural.

A leitura e análise de textos relacionados aos temas dos ODS e outras questões
contemporâneas que sejam veiculadas em diferentes propostas editoriais.

139
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.


» Apreciação e réplica

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LP02)
Justificar diferenças ou semelhanças no tratamento dado a uma mesma informação
veiculada em textos diferentes, consultando sites e serviços de checadores de fatos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar e comparar os vários editoriais de jornais impressos e digitais e de sites
noticiosos, de forma a refletir sobre os tipos de fato que são noticiados e comentados,
as escolhas sobre o que noticiar e o que não noticiar, o destaque/enfoque dado às
notícias e a fidedignidade da informação.
» Analisar os elementos linguísticos e semióticos presentes nos editoriais.
» Pesquisar diferentes fontes de informação para verificação da sua confiabilidade.
» Checar a fidedignidade da informação e refletir sobre o que noticiar e o que não
noticiar, bem como sobre o destaque/enfoque dado às notícias.

140
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se à análise de diferenças e semelhanças no tratamento dado a uma


mesma informação por diferentes veículos e mídias (apreciação), bem como à elaboração
de justificativas, considerando a proposta editorial dos veículos de informação (réplica).
Além disso, articula-se a EF07LP01, EF07LP02, EF89LP03 e EF89LP01.

Propõe-se, então, o planejamento de situações didáticas que promovam, por exemplo:


(1) criar uma situação inicial com perguntas problematizadoras de algum tema de
interesse do estudante e/ou de relevância social; (2) leitura de duas reportagens
sobre o mesmo assunto; (3) levantamento de informações explícitas e implícitas;
(4) preenchimento de quadro para sistematizar as semelhanças e diferenças entre os
dois textos; (5) roda de conversa para discutir as informações dos textos e a importância
de ler várias reportagens antes de se formar uma opinião sobre determinado assunto.
Assim, diminuem-se as chances de disseminação de fake news.

Como integração com outras área, em Língua Inglesa, pode-se elaborar um projeto
integrado a estas habilidades: (EF09LI08) Explorar ambientes virtuais de informação e
socialização, analisando a qualidade e a validade das informações veiculadas; e (EF09LI07)
Identificar argumentos principais e as evidências/exemplos que os sustentam.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de leitura.

141
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LP02)
Analisar e comentar a cobertura da imprensa sobre fatos de relevância social,
comparando diferentes enfoques por meio do uso de ferramentas de curadoria.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar e comparar os vários editoriais de jornais impressos e digitais e de sites
noticiosos, de forma a refletir sobre os tipos de fato que são noticiados e comentados,
as escolhas sobre o que noticiar e o que não noticiar, o destaque/enfoque dado às
notícias e a fidedignidade da informação.
» Analisar os efeitos de sentido produzidos pelos recursos linguísticos usados nos textos.
» Analisar a cobertura da imprensa sobre fatos de relevância social, comparando
diferentes enfoques por meio do uso de ferramentas de curadoria.
» Comentar a cobertura da imprensa sobre fatos de relevância social, comparando
diferentes enfoques por meio do uso de ferramentas de curadoria.

142
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade articula-se a EF07LP01 no que se refere à comparação das propostas


editoriais dos jornais. Além disso, implica diferentes operações, como: pesquisa (verificar
informações por meio de ferramentas de curadoria); apreciação (analisar os efeitos de
sentido produzidos pelos recursos linguísticos nos textos) e réplica (produzir textos
escritos ou orais para comentar e posicionar-se em relação os enfoques dados aos
fatos/assuntos veiculados).

Recomenda-se, como proposta para o desenvolvimento desta habilidade, o planejamento


de rodas de notícias cujo passo a passo seja, por exemplo:
» Solicitar que, em grupos, os estudantes pesquisem de que modo um fato/assunto
foi noticiado na TV. Cada grupo poderá ficar responsável por um canal de
televisão. Nesse caso, pode-se chamar a atenção dos estudantes para o modo
como as notícias, gravadas ou ao vivo, são apresentadas de maneira a prender
visualmente a atenção do telespectador.
» Solicitar comentários sobre a pesquisa e observações sobre o modo como os fatos
foram noticiados.
» Criação de painel com a síntese de cada grupo.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa, promovendo


atividades interdisciplinares com o objetivo de comparar notícias em diferentes canais
televisivos locais. Recomenda-se que, nesse caso, seja algum fato ocorrido no Brasil, para
que seja mais familiar ao estudante.

Pode-se, ainda, elaborar um projeto integrado para explorar ambientes virtuais de


informação e socialização a fim de analisar a qualidade e validade das informações
veiculadas, bem como identificar, em textos, argumentos principais e evidências/exemplos
que os sustentam, integrando habilidades como EF09LI08 e EF09LI07.

A habilidade pode contribuir para que o estudante possa obter mais informações
sobre temas contemporâneos. Além disso, é possível estabelecer diálogo com o ODS 4,
considerando o propósito de assegurar uma educação inclusiva e de qualidade.

143
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP03)
Analisar textos de opinião (artigos de opinião, editoriais, cartas de leitores, comentários,
posts de blog e de redes sociais, charges, memes, gifs etc.) e posicionar-se de forma crítica
e fundamentada, ética e respeitosa frente a fatos e opiniões relacionados a esses textos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características dos gêneros (artigos de opinião, editoriais, cartas de
leitores, comentários, posts de blog e de redes sociais, charges, memes, gifs etc.).
» Diferenciar fato de opiniões sobre um fato.
» Analisar o uso de recursos persuasivos em textos argumentativos diversos (como a
elaboração do título, escolhas lexicais, construções metafóricas, a explicitação ou a
ocultação de fontes de informação) e seus efeitos de sentido.
» Argumentar de forma crítica e fundamentada.

144
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade prevê a identificação de argumentos em textos de opinião (artigos de


opinião, editoriais, cartas de leitores, comentários, posts de blog e de redes sociais,
charges, memes, gifs etc.), bem como o posicionamento crítico e ético frente a esses
textos. Assim, ela favorece o respeito à diversidade de vozes, a argumentação e defesa
de ideias.

Propõe-se, portanto, como possibilidade de desenvolver esta habilidade, o


planejamento de situações didáticas que possibilitem ao estudante:
» Analisar textos de opinião. Nesse caso, recomenda-se, o meme, uma vez que
os jovens têm se engajado cada vez mais como protagonistas da cultura digital,
envolvendo-se diretamente em novas formas de interação multimidiática e
multimodal e de atuação social.
» Desenvolver estratégias de leitura a fim de reconhecer a ironia, o humor e os
recursos multissemióticos presentes nesses textos.
» Realizar rodas de conversa para possa posicionar-se sobre possíveis discursos
de ódio em memes. Nesse sentido, destaca-se também a possibilidade de o
estudante se assumir como um produtor de textos consciente e responsável
pelo o que se torna público (“Qual é o meu lugar no mundo?”).

Como sugestão de integração com outras áreas, em Língua Inglesa, pode-se elaborar
um projeto integrado a estas habilidades: (EF09LI08) Explorar ambientes virtuais
de informação e socialização, analisando a qualidade e a validade das informações
veiculadas; e (EF09LI07) Identificar argumentos principais e as evidências/exemplos
que os sustentam.

Esta habilidade também se articula à Competência Geral 7, no que se refere à


comunicação a partir de argumentos sólidos e éticos, e à 10, considerando o
desenvolvimento de ações e atitudes com base em princípios éticos, democráticos,
responsáveis e respeitosos.

A habilidade relaciona-se ao ODS 15, no que se refere ao desenvolvimento de


sociedades pacíficas e inclusivas.

145
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP04)
Identificar e avaliar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e implícitos, argumentos
e contra-argumentos em textos argumentativos do campo (carta de leitor, comentário,
artigo de opinião, resenha crítica etc.), posicionando-se frente à questão controversa de
forma sustentada.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características dos gêneros (carta de leitor, comentário, artigo de
opinião, resenha crítica etc.).
» Diferenciar fato de opiniões sobre um fato.
» Identificar e avaliar teses/opiniões/posicionamentos explícitos e implícitos,
argumentos e contra-argumentos em textos argumentativos do campo.
» Analisar o uso de recursos persuasivos em textos argumentativos diversos (como a
elaboração do título, escolhas lexicais, construções metafóricas, a explicitação ou a
ocultação de fontes de informação) e seus efeitos de sentido.
» Argumentar de forma crítica e fundamentada.

146
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se à apreciação (situações de leitura para identificar e avaliar teses,


opiniões, posicionamentos, argumentos e contra-argumentos sobre o que se lê/ouve)
e também à réplica (situações em que os estudantes possam apresentar argumentos que
justifiquem o posicionamento assumido com relação aos textos argumentativos analisados).

Nesse sentido, para que seja possível o desenvolvimento desta habilidade, é preciso
compreender os textos lidos e, para tanto, é necessário identificar as suas ideias
e posicionar-se diante delas, emitindo opiniões a respeito, concordando ou não,
argumentando a favor ou contra e buscando mais informações a respeito do assunto
para ampliar e aprofundar o conhecimento sobre o tema.

Sugere-se como possibilidade de atividade o trabalho com resenhas críticas de trailers e


filmes cujo passo a passo pode ser:
» Seleção de um trailer oficial e trailer honesto de um filme que trate das
questões contemporâneas.
» Levantamento de impressões sobre o filme a partir do trailer oficial.
» Identificação de opinião e argumentos do produtor do trailer honesto.
» Sessão de cinema para que os estudantes possam assistir ao filme.
» Discussão sobre o filme. Recomenda-se abrir fóruns de discussão para que os
estudantes possam escrever comentários para defender os seus posicionamentos
a partir de perguntas problematizadoras sobre o filme. Sugere-se, solicitar que um
grupo de estudantes seja responsável por administrar o fórum, favorecendo o senso
de responsabilidade e o protagonismo juvenil (“Qual é o meu lugar no mundo?”).

Em Língua Inglesa, pode-se elaborar um projeto integrado a estas habilidades: (EF09LI08)


Explorar ambientes virtuais de informação e socialização, analisando a qualidade e a
validade das informações veiculadas; e (EF09LI07) Identificar argumentos principais e as
evidências/exemplos que os sustentam.

Esta habilidade articula-se à Competência Geral 7, no que se refere à argumentação e


defesa de pontos de vistas.

A habilidade relaciona-se ao ODS 15, no que se refere ao desenvolvimento de


sociedades pacíficas e inclusivas.

147
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de leitura: apreender os sentidos globais do texto.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP05)
Analisar o efeito de sentido produzido pelo uso, em textos, de recurso a formas de
apropriação textual (paráfrases, citações, discurso direto, indireto ou indireto livre).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar, em textos, o recurso a formas de apropriação textual (paráfrases, citações,
discurso direto, indireto ou indireto livre).
» Reconhecer o efeito de sentido produzido pelo uso, em textos, de recurso a formas de
apropriação textual (paráfrases, citações, discurso direto, indireto ou indireto livre).
» Analisar o efeito de sentido produzido pelo uso, em textos, de recurso a formas de
apropriação textual (paráfrases, citações, discurso direto, indireto ou indireto livre).

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade refere-se ao uso de diferentes vozes nos textos jornalísticos. Nesse
sentido, supõe que o estudante reconheça a relevância desses recursos (paráfrases,
citações, discurso direto, indireto ou indireto livre) no discurso do jornalista/autor,
percebendo ou não a objetividade e neutralidade desses textos.

148
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

Propõe-se como possibilidade de atividade:


» Organizar roda de jornais e revistas com a finalidade de possibilitar ao leitor
tecer apreciações sobre a abordagem dos textos jornalísticos.
» Promover situações de análise dos tipos de discurso. Por exemplo, em
uma notícia, pode-se mobilizar o estudante a perceber o efeito de sentido
decorrente do uso de citações e discurso direto a fim de legitimar e dar
credibilidade para o fato noticiado.
» Rodas de conversa para incentivar o estudante a verificar a fidedignidade dessas
citações, de modo a capacitá-lo a identificar, por exemplo, uma notícia falsa.
Para isso, pode-se fazer questionamentos relacionadas às falas de especialistas
e pessoas citadas no texto: Quem é esta pessoa que está falando? Ela tem
conhecimento para falar sobre aquele assunto? Há alguma evidência de que ela
está falando a verdade?

Para integração com outras áreas, em Língua Inglesa, pode-se elaborar um projeto
integrado a estas habilidades: (EF09LI08) Explorar ambientes virtuais de informação
e socialização, analisando a qualidade e a validade das informações veiculadas; e
(EF09LI07) Identificar argumentos principais e as evidências/exemplos que os sustentam.

Sugere-se ainda, que os educadores dos outros componentes curriculares possam


participar de rodas de jornais e revistas, bem como das conversas sobre os textos lidos. É
possível trabalhar com temáticas relacionadas aos componentes. Por exemplo, ao ler uma
notícia sobre uma pandemia, o estudante pode consultar o educador da área de Ciências
a fim de verificar a veracidade científica do texto.

A habilidade relaciona-se à Competência Geral 2, no que se refere à investigação,


reflexão, análise crítica de textos, argumentação e defesa de pontos de vistas, com base
nos conhecimentos das diferentes áreas.

O desenvolvimento desta habilidade pode contribuir para que o estudante obtenha


mais informações sobre temas contemporâneos. Além disso, é possível estabelecer
diálogo com o ODS 4, considerando o propósito de assegurar uma educação inclusiva
e de qualidade.

149
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução das condições de produção e circulação e adequação do texto à construção


composicional e ao estilo de gênero (lei, código, estatuto, código, regimento etc.)

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP20)
Identificar, tendo em vista o contexto de produção, a forma de organização dos textos
normativos e legais, a lógica de hierarquização de seus itens e subitens e suas partes: parte
inicial (título – nome e data – e ementa), blocos de artigos (parte, livro, capítulo, seção,
subseção), artigos (caput e parágrafos e incisos) e parte final (disposições pertinentes
à sua implementação) e analisar efeitos de sentido causados pelo uso de vocabulário
técnico, pelo uso do imperativo, de palavras e expressões que indicam circunstâncias,
como advérbios e locuções adverbiais, de palavras que indicam generalidade, como alguns
pronomes indefinidos, de forma a poder compreender o caráter imperativo, coercitivo e
generalista das leis e de outras formas de regulamentação.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção (função social e suporte) e circulação dos
textos normativos e legais.
» Reconhecer a forma composicional do gênero.
» Analisar efeitos de sentido do estilo dos gêneros normativos e legais.
» Relacionar a estrutura composicional e o estilo dos gêneros à sua função social.

150
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se atividades com diferentes gêneros normativos e jurídicos condizentes


com a proficiência leitora dos estudantes. A leitura pode ser proposta em estações
rotativas contemplando diferentes gêneros ou a partir de situações-problema
envolvendo o desrespeito às normas e regras de convivência, considerando condições
de produção e circulação, a função social e da estrutura do textos. Para complementar
o desenvolvimento das atividades, pode-se observar os aspectos apresentados na
habilidade EF69LP27.

Outra possibilidade é propor estratégias de análise do estilo dos gêneros (aspectos


referentes à linguagem, utilizando a aula invertida, na qual o estudante entra em
contato com aspectos gramaticais (por exemplo, uso do imperativo, advérbios e
locuções adverbiais, entre outros) e então faz a análise do texto em grupos.

Ao final, propõe-se atividades de sistematização (quadros, esquemas) e de produção


de um texto, relacionando as atividades aqui propostas com as habilidades de
produção, como EF69LP23, a qual prevê a produção de textos normativos e legais.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa,


propondo-se um trabalho de leitura de gêneros discursivos em inglês, de forma a
ampliar o repertório do estudante e propiciar a comparação entre textos.

Em Ciências Humanas, é possível propor uma trabalho de leitura que evidencie a


relação entre os gêneros discursivos previstos na habilidade com questões sociais
que eles apresentam.

A leitura aumenta o repertório do estudante sobre vários temas e desenvolve


consciência crítica. Por exemplo: leitura de textos que protegem os direitos das
populações indígenas, promovendo uma educação para as relações étnico-raciais.

Em relação aos ODS, observa-se como habilidade dialoga com o ODS 10, pois ele
propõe reduzir a desigualdade no país e entre países para garantir a igualdade por
meio de leis e práticas discriminatórias. Ao desenvolver esta habilidade, tornar-se um
cidadão consciente das leis de seu país, sendo capaz de agir pessoal e coletivamente
contra a desigualdade.

151
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias e procedimentos de leitura em textos legais e normativos.


» Reconstrução das condições de produção.
» Modalização.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP15)
Identificar a proibição imposta ou o direito garantido, bem como as circunstâncias
de sua aplicação, em artigos relativos a normas, regimentos escolares, regimentos e
estatutos da sociedade civil, regulamentações para o mercado publicitário, Código de
Defesa do Consumidor, Código Nacional de Trânsito, ECA, Constituição, dentre outros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a função social de textos legais e normativos.
» Reconhecer as características dos gêneros (forma composicional e estilo
de linguagem).

152
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento da habilidade, propõem-se atividades nas quais o estudante


seja levado a reconhecer a função social dos textos normativos e legais. Nesse sentido,
é possível propor uma situação-problema na qual se faz necessário identificar qual
gênero atende à demanda de comunicação. Por exemplo, a partir de um problema com
uma determinada compra, pode-se chegar ao Código de Defesa do Consumidor como o
documento que normatiza o consumo no Brasil.

Outra possibilidade é pedir a análise desses textos em grupos, propondo uma leitura
compartilhada. Pode-se solicitar que cada grupo fique responsável por um aspecto do
texto, como a forma composicional (estrutura) e aspectos da linguagem do gênero.

O desenvolvimento da habilidade pode ser avaliado por meio da observação do


posicionamento do estudante, trazendo evidências de leitura, bem como atividades
escritas que solicitem uma síntese do entendimento da ideia central do texto.

Em Ciências Humanas, pode-se trabalhar com projetos interdisciplinares que requeiram


a análise de textos normativos como parte do processo.

O desenvolvimento desta habilidade relaciona-se à Competência Geral 2, uma vez


que promove a análise crítica para formular e resolver problemas. Ao proporcionar o
acesso aos direitos e deveres do estudante enquanto cidadão, permite que o estudante
reconheça e identifique qual o seu lugar no mundo, atuando de maneira crítica e ética.

Nota-se que a leitura e análise de textos legais e normativos proporciona uma educação
em Direitos Humanos, relacionando-se diretamente ao ODS 16, que propõe a promoção
de sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável e o acesso à
justiça para todos.

153
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contexto de produção, circulação e recepção de textos e práticas relacionadas


à defesa de direitos e à participação social.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP16)
Explorar e analisar espaços de reclamação de direitos e de envio de solicitações (tais
como ouvidorias, SAC, canais ligados a órgãos públicos, plataformas do consumidor,
plataformas de reclamação), bem como de textos pertencentes a gêneros que circulam
nesses espaços, reclamação ou carta de reclamação, solicitação ou carta de solicitação,
como forma de ampliar as possibilidades de produção desses textos em casos que
remetam a reivindicações que envolvam a escola, a comunidade ou algum de seus
membros como forma de se engajar na busca de solução de problemas pessoais, dos
outros e coletivos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a função social dos textos de solicitação e reclamação.
» Identificar autores e leitores presumidos desses textos.
» Explorar e analisar os suportes por onde circulam esses textos.

154
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se, para o desenvolvimento desta habilidade, a organização de um projeto


que envolva questões relativas à comunidade escolar de modo a contextualizar e dar
significado às atividades propostas. Nesse sentido, a partir de um problema identificado
coletivamente, pode-se propor a leitura de textos referentes à solicitação e reclamação,
de modo a reconhecer sua função social e possíveis autores e leitores desses textos.

Além disso, existe a possibilidade de propor atividades que envolvam o uso de


ferramentas digitais para explorar e analisar os suportes por onde circulam esses
textos, como plataformas do consumidor, de reclamação, entre outros.

Pode-se avaliar o desenvolvimento desta habilidade por meio de observação do


posicionamento do estudante em debates orais, registros escritos do processo vivido
ou até produções textuais.

Como integração com outras áreas e componentes, em Matemática, pode-se levantar


dados estatísticos que se relacionem com a questão levantada pelo projeto. Em
Ciências Humanas, pode-se trabalhar com projetos que requeiram a análise de textos
de reclamação e solicitação como parte do processo.

Nota-se que o desenvolvimento desta habilidade ajuda no desenvolvimento da


Competência Geral 10, pois a contextualização da habilidade objetiva a “busca de
solução de problemas pessoais, dos outros e coletivos”. Também é possível relacionar-se
ao Projeto de Vida do estudante, uma vez que permite que ele interaja e transforme o
contexto em que vive.

Além disso, o desenvolvimento da habilidade permite ao aluno entender onde está e


qual o seu lugar no mundo, trazendo para o contexto escolar possibilidades de atuação
do estudante.

Por meio do desenvolvimento desta habilidade, que enfatiza a busca de solução de


questões pessoais e coletivas, pode-se observar que ela proporciona uma educação em
Direitos Humanos, relacionando-se ao ODS 10.

155
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre contexto de produção e características composicionais e estilísticas


dos gêneros (carta de solicitação, carta de reclamação, petição on-line, carta aberta,
abaixo-assinado, proposta etc.).

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP17)
Analisar, a partir do contexto de produção, a forma de organização das cartas de
solicitação e de reclamação (datação, forma de início, apresentação contextualizada do
pedido ou da reclamação, em geral, acompanhada de explicações, argumentos e/ou relatos
do problema, fórmula de finalização mais ou menos cordata, dependendo do tipo de carta
e subscrição) e algumas das marcas linguísticas relacionadas à argumentação, explicação
ou relato de fatos, como forma de possibilitar a escrita fundamentada de cartas como
essas ou de postagens em canais próprios de reclamações e solicitações em situações que
envolvam questões relativas à escola, à comunidade ou a algum dos seus membros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Comparar cartas de solicitação e reclamação.
» Reconhecer o contexto de produção dos textos de solicitação e reclamação
(função social, suporte, autor etc.).
» Relacionar a função social do texto à sua forma composicional.
» Analisar marcas linguísticas do gênero e estratégias de modalização
e argumentatividade.

156
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver a habilidade, é possível propor atividades coletivas de leitura de


cartas de solicitação e reclamação de forma a problematizar a diferença entre elas,
possibilitando que se comparem suas funções sociais, diferentes suportes e autores.

Além disso, a partir dessa leitura, podem ser promovidas atividades que envolvam
a esquematização desses textos a fim de perceber as semelhanças e diferenças
estruturais entre eles.

Sugere-se ainda, para desenvolver a análise do estilo dos textos, que sejam propostas
atividades que promovam o trabalho colaborativo na investigação das marcas linguísticas
que os diferem, como escolhas de palavras mais ou menos cordatas.

É possível avaliar o desenvolvimento da habilidade por meio dos registros e tarefas do


estudante, bem como observações das suas colocações durante as atividades.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Ciências Humanas é possível desenvolver projetos cuja análise desses
textos sejam parte do processo.
» Em Matemática, ocorre a integração por meio da resolução de problemas
contextualizada em cartas de solicitação e reclamação, por exemplo.

Observa-se, assim, que esta habilidade dialoga com a Competência Geral 2, pois a leitura
das cartas permite uma análise crítica que promove um contexto real para a resolução
de problemas envolvendo a escola e a comunidade. Nesse sentido, permite ao estudante
atuar, percebendo-se como parte de um contexto que permite que ele saiba onde está.

Nota-se, portanto, que a análise de gêneros de reclamação e solicitação permite tratar


de temáticas que promovem uma educação em Direitos Humanos e se relacionam com
os ODS. Por exemplo, caso o texto trate de um abaixo-assinado envolvendo uma questão
de gênero, pode relacionar-se ao ODS 5. Caso trate de um pedido de melhoria do espaço
escolar, relaciona-se ao ODS 4.

157
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias, procedimentos de leitura em textos reivindicatórios ou propositivos.


» Características dos gêneros reivindicatórios ou propositivos.
» Análise de textos propositivos e reivindicatórios.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP18)
Identificar o objeto da reclamação e/ou da solicitação e sua sustentação, explicação ou
justificativa, de forma a poder analisar a pertinência da solicitação ou justificação.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção e características dos gêneros
reivindicatórios ou propositivos.
» Identificar o objeto da reclamação.
» Reconhecer os argumentos que sustentam a reclamação.
» Analisar a pertinência da solicitação ou justificação.

158
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade envolve procedimentos de leitura para textos reivindicatórios e


propositivos. Nesse sentido, sugere-se que ela seja articulada a um projeto que envolva a
leitura e pesquisa desses textos para que inicialmente sejam reconhecidas condições de
produção e características dos gêneros reivindicatórios ou propositivos. Para isso, pode-se
fazer o uso de metodologias ativas que envolvam a leitura compartilhada ou mesmo a aula
invertida, solicitando a leitura prévia dos textos.

Pode-se também solicitar o trabalho em grupos para que, a partir da identificação


do objeto da reclamação, o estudante esquematize os argumentos que sustentam
essa reclamação.

A análise da pertinência da solicitação ou justificação pode servir também como critério


de avaliação. Pode-se ainda solicitar que o estudante se posicione sobre o texto lido como
forma de avaliação.

É possível observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, pode-se trabalhar com a leitura de textos para comparar os objetos
de reclamação mais frequentes ou os suportes nos quais circulam esses textos.
» Em Ciências Humanas, pode-se propor um projeto no qual as atividades
de leitura são parte do processo.

Observa-se, dessa forma, uma relação desta habilidade com as Competências Gerais
2, pois ela trata de leitura feita de forma crítica para observar hipóteses e verificá-las
(no caso, a pertinência da solicitação). Além disso, o desenvolvimento desta habilidade
permite que o estudante perceba o contexto no qual vive (“Onde estou?”) à medida que
ele avalia e analisa objetos de reclamação do contexto no qual vive.

A análise do contexto dos textos reivindicatórios e propositivos, bem como a identificação


do objeto de reclamação a fim de validar (ou não) a pertinência desse objeto, promove
uma educação em Direitos Humanos e étnicos-raciais, além de relacionar-se ao ODS
16, pois, como previsto pela meta 7, é preciso “garantir a tomada de decisão responsiva,
inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis”, o que pode ser feito por meio
da análise desses textos.

159
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos


legais e normativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP17)
Relacionar textos e documentos legais e normativos de importância universal, nacional
ou local que envolvam direitos, em especial, de crianças, adolescentes e jovens – tais
como a Declaração dos Direitos Humanos, a Constituição Brasileira, o ECA -, e a
regulamentação da organização escolar – por exemplo, regimento escolar -, a seus
contextos de produção, reconhecendo e analisando possíveis motivações, finalidades
e sua vinculação com experiências humanas e fatos históricos e sociais, como forma de
ampliar a compreensão dos direitos e deveres, de fomentar os princípios democráticos
e uma atuação pautada pela ética da responsabilidade (o outro tem direito a uma vida
digna tanto quanto eu tenho).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o contexto de produção de textos legais e normativos (função social,
autores, leitores, contexto sócio-histórico, suporte, entre outros).
» Relacionar os textos a fatos históricos e sociais.
» Analisar as motivações e finalidades considerando os fatos históricos e sociais.

160
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que esta habilidade apresenta uma progressão em relação a EF67LP15.


Enquanto a habilidade EF67LP15 propõe a identificação das circunstâncias
de aplicação desses textos legais e normativos, nesta habilidade o objetivo
é a reconstrução das condições de produção. Isso pode ser feito de maneira
interdisciplinar, pois o contexto sócio-histórico é parte fundamental da análise.

Nesse sentido, é possível desenvolver atividades de leitura de textos escritos e


multissemióticos, como vídeos e documentários que apresentem esse contexto.
Assim,é possível relacioná-los a sua função social, autores e possíveis leitores.

Nota-se, também, que a habilidade propõe uma certa progressão que vai do regimento
escolar (um contexto local) à Declaração de Direitos Humanos (um contexto global).

Nesse contexto, a avaliação pode ocorrer de maneira processual, identificando cada


objetivo de aprendizagem de maneira progressiva, o que pode ser feito por meio de
registros e produções interdisciplinares, como apresentações e seminários.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, pode-se trabalhar a leitura de textos normativos em inglês, a
fim de compará-los com os escritos em língua portuguesa.
» Em Ciências Humanas, pode-se trabalhar o contexto histórico dos textos,
como a Segunda Guerra Mundial, que contextualiza a Declaração de Direitos
Humanos, por exemplo.

O desenvolvimento desta habilidade tem como objetivo “ampliar a compreensão dos


direitos e deveres, de fomentar os princípios democráticos e uma atuação pautada
pela ética da responsabilidade (o outro tem direito a uma vida digna tanto quanto
eu tenho)” e, nesse sentido, relaciona-se ao desenvolvimento do Projeto de Vida do
estudante, uma vez que promove meios de ele reconhecer e atuar em seu contexto de
maneira ética e responsável, respeitando as diferenças e promovendo a equidade.

161
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Contexto de produção, circulação e recepção de textos e práticas relacionadas


à defesa de direitos e à participação social.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP18)
Explorar e analisar instâncias e canais de participação disponíveis na escola (conselho
de escola, outros colegiados, grêmio livre), na comunidade (associações, coletivos,
movimentos, etc.), no município ou no país, incluindo formas de participação digital,
como canais e plataformas de participação (como portal e-cidadania), serviços, portais
e ferramentas de acompanhamentos do trabalho de políticos e de tramitação de leis,
canais de educação política, bem como de propostas e proposições que circulam
nesses canais, de forma a participar do debate de ideias e propostas na esfera social e
a engajar-se com a busca de soluções para problemas ou questões que envolvam a vida
da escola e da comunidade.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as instâncias de participação social (escola, comunidade, município e país).
» Relacionar questões ou problemas à instância competente.
» Reconhecer os canais de participação relativos às instâncias competentes.
» Reconhecer a função dos canais de participação e sua forma de organização.
» Utilizar os canais em busca de soluções para problemas que afetem a vida da escola
e da comunidade.

162
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que esta habilidade é uma progressão da habilidade EF67LP16, que


propunha a exploração desses espaços. Assim, sugere-se trabalhar esta habilidade a
partir da proposição de uma situação-problema na qual o estudante deva inicialmente
reconhecer a instância responsável por atuar na questão proposta.

Além disso, é interessante que o trabalho seja feito de forma colaborativa de modo
que o estudante possa explorar os canais de participação relativos a essas instâncias,
reconhecendo sua função e forma de organização. Por fim, pode-se solicitar que
o estudante utilize o canal responsável por atuar na situação-problema proposta
inicialmente. Sugere-se realizar uma avaliação processual e autoavaliações nas quais
o jovem se perceba no processo e identifique as aprendizagens atingidas.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências Humanas, de maneira


interdisciplinar, por meio da apresentação das formas de organização política do país.

Observa-se também que, ao propor o engajamento “com a busca de soluções para


problemas ou questões que envolvam a vida da escola e da comunidade”, a habilidade
relaciona-se diretamente com a proposta do Projeto de Vida na medida em que
permite a transformação do contexto do estudante e que ele aja com autonomia para
transformar esse contexto.

A habilidade dialoga diretamente com uma educação pautada em Direitos Humanos.


Nesse sentido, relaciona-se também ao ODS 4, ao propor que os estudantes se
engajem na busca de soluções e “adquiram conhecimentos e habilidades necessárias
para promover o desenvolvimento sustentável”.

Também dialoga com a meta 7 do referido ODS, que trata da “educação para o
desenvolvimento sustentável e estilos de vida sustentáveis, direitos humanos,
igualdade de gênero, promoção de uma cultura de paz e não-violência, cidadania
global, e valorização da diversidade cultural e da contribuição da cultura para o
desenvolvimento sustentável”.

163
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre contexto de produção e características composicionais e


estilísticas dos gêneros.
» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP19)
Analisar, a partir do contexto de produção, a forma de organização das cartas abertas,
abaixo-assinados e petições on-line (identificação dos signatários, explicitação da
reivindicação feita, acompanhada ou não de uma breve apresentação da problemática
e/ou de justificativas que visam sustentar a reivindicação) e a proposição, discussão
e aprovação de propostas políticas ou de soluções para problemas de interesse
público, apresentadas ou lidas nos canais digitais de participação, identificando suas
marcas linguísticas, como forma de possibilitar a escrita ou subscrição consciente
de abaixo-assinados e textos dessa natureza e poder se posicionar de forma crítica e
fundamentada frente às propostas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Comparar carta abertas, abaixo-assinados e petições online, reconhecendo suas
semelhanças e diferenças.
» Reconhecer o contexto de produção dos textos de solicitação (função social,
suporte, autor etc.).
» Relacionar a função social do texto à sua forma composicional.

164
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

» Analisar marcas linguísticas do gênero.


» Posicionar-se de forma crítica e fundamentada.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que esta habilidade apresenta uma progressão em relação à habilidade


EF67LP17. Os gêneros aqui propostos (cartas abertas, abaixo-assinados e petições
online) são gêneros que envolvem uma mobilização coletiva por uma causa de relevância
na comunidade. Por essa razão, sugere-se que esta habilidade esteja atrelada a um
projeto no qual o estudante trabalhe colaborativamente para identificar um problema no
qual deseje intervir.

Parte desse processo é comparar os gêneros propostos, considerando suas semelhanças


estilísticas e temáticas e suas diferentes funções sociais e suportes, o que pode ser feito
por meio de rodas de leitura ou por meio das metodologias ativas como estações de
leitura ou leituras em “quebra-cabeça”. A partir dessa leitura, sugere-se propor atividades
de análise das marcas linguísticas e estruturais do gênero, o que pode ser feito com o
auxílio de esquemas e mapas mentais.

Como forma de avaliar o processo, pode-se observar tanto os registros feitos pelo estudante
como rubricas de observação de seu posicionamento diante da questão levantada.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Ciências Humanas, a leitura dos gêneros propostos pode ser parte de
um projeto interdisciplinar cuja temática dialogue com os conteúdos tratados
nesse componente.
» Em Ciências da Natureza, pode-se fazer a análise de textos que solicitem
intervenção na questão do desenvolvimento sustentável e na proteção do
meio ambiente.

Relaciona-se com a Competência Geral 7, que propõe o desenvolvimento da argumentação


promovendo os Direitos Humanos, a consciência socioambiental, entre outros.

Portanto, o desenvolvimento desta habilidade, aliado a temáticas que tratem de temas


contemporâneos e Direitos Humanos, pode relacionar-se, por exemplo, à meta 7 do
ODS 16, que visa a “garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e
representativa em todos os níveis”.

165
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias e procedimentos de leitura em textos reivindicatórios ou propositivos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP20)
Comparar propostas políticas e de solução de problemas, identificando o que
se pretende fazer/implementar, por que (motivações, justificativas), para que
(objetivos, benefícios e consequências esperados), como (ações e passos), quando
etc. e a forma de avaliar a eficácia da proposta/solução, contrastando dados e
informações de diferentes fontes, identificando coincidências, complementaridades
e contradições, de forma a poder compreender e posicionar-se criticamente sobre
os dados e informações usados em fundamentação de propostas e analisar a
coerência entre os elementos, de forma a tomar decisões fundamentadas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar as condições de produção de propostas políticas e de solução de problemas
(autor, alvo da proposta, público-alvo).
» Analisar proposta política e de solução de problema, considerando sua motivação,
objetivo, meios, entre outros.
» Utilizar ferramentas de curadoria para verificar fontes e informações.
» Posicionar-se criticamente sobre os dados e informações usados em fundamentação
de propostas.
» Tomar decisões fundamentadas em dados e informações usados em fundamentação
de propostas.

166
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se o desenvolvimento de projeto ou propostas interdisciplinares que tratem


de questões políticas de impacto direto na vida do estudante, como propostas sobre
educação. A análise de diferentes propostas pode ser feita por grupos colaborativos,
utilizando as metodologias ativas. Sugere-se, ainda, tratar da questão da curadoria,
considerando quais seriam os gêneros (como notícias, reportagens, incluindo as
multissemióticas) publicados em diferentes fontes, a fim de propiciar o contato com
ideias e posicionamentos diversos. Tais atividades podem ser registradas em diferentes
gêneros de apoio, como tabelas, esquemas, entre outros. Pode-se propor, então, um
debate ou uma apresentação das diferentes propostas, considerando os argumentos, os
dados e as informações levantados.

A avaliação pode ser feita de maneira processual, observando os registros das leituras e
analisando os argumentos apresentados pelo estudante, a coerência e a utilização dos
dados levantados.

Como integração com outras áreas, em Ciências Humanas, a análise de propostas pode
ser parte de um projeto que envolva conteúdos que tratem das instâncias políticas, por
exemplo. Em Matemática, caso as propostas envolvam dados numéricos, pode-se propor
a elaboração de gráficos para a apresentação de dados.

A habilidade se relaciona com as Competências Gerais 2 e 7, por tratar da investigação e


análise crítica para investigar causas e promover a capacidade de argumentar de maneira
fundamentada. A análise de propostas políticas dialoga diretamente como o Projeto de
Vida, permitindo ao estudante compreender o contexto em que vive (“Onde estou?”) e
posicionar-se, desenvolvendo sua identidade nesse contexto (“Quem sou?”) e permitindo
que ele se posicione (“Qual o meu lugar no mundo?”).

Pode-se relacionar o desenvolvimento desta habilidade ao ODS 10, que apresenta a meta
de garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa; e ao
ODS 16, que garante a igualdade de oportunidades e reduzir as desigualdades.

167
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reconstrução das condições de produção e recepção dos textos e adequação


do texto à construção composicional e ao estilo de gênero.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP29)
Refletir sobre a relação entre os contextos de produção dos gêneros de divulgação
científica – texto didático, artigo de divulgação científica, reportagem de divulgação
científica, verbete de enciclopédia (impressa ou digital), esquema, infográfico (estático
e animado), relatório, relato multimidiático de campo, podcasts e vídeos variados
de divulgação científica etc. – e os aspectos relativos à construção composicional
e às marcas linguísticas características desses gêneros, de forma a ampliar suas
possibilidades de compreensão (e produção) de textos pertencentes a esses gêneros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção e recepção dos gêneros de divulgação
científica (função social, autor, leitor presumido, suporte).
» Reconhecer a estrutura do texto, considerando seu suporte (impresso ou digital).
» Analisar as marcas linguísticas dos textos e as demais semioses envolvidas.

168
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para esta habilidade, sugere-se que seja desenvolvida por meio de um projeto
interdisciplinar com Ciências da Natureza, problematizando a necessidade de se ler esses
textos. A habilidade propõe a leitura não só de textos escritos, comumente apresentados
no contexto escolar, como texto didático, artigo de divulgação científica, reportagem de
divulgação científica e verbete de enciclopédia, mas também os textos multissemióticos,
como infográfico, relato multimidiático, podcasts e vídeos.

Pode-se propor o uso das metodologias ativas com estações de leitura para que se
contemplem atividades nas quais o estudante deve, inicialmente, reconhecer a função
social do texto, o autor, o leitor presumido e os suportes onde são publicados. Então,
a partir do reconhecimento das condições de produção dos textos, é possível propor
atividades em que o estudante tenha que reconhecer a estrutura do textos, as partes que
o compõem e a relação dessa estrutura com o suporte (um artigo impresso apresenta
diferenças em comparação com um artigo digital, por exemplo, por este último permitir
a leitura por meio de hiperlinks). A análise das marcas linguísticas (verbos impessoais e
advérbios de modo em artigos de divulgação, por exemplo) ou de semioses (como no caso
de vídeos que utilizam imagens, sons e cores) pode ser feita em grupos e posteriormente
compartilhada com a turma.

Como possibilidade de avaliação, recomenda-se solicitar registros escritos, autoavaliação


das aprendizagens ou apresentações dos textos lidos a partir de critérios.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências da Natureza,


contextualizando as leituras e apresentando temáticas próprias do componente. Por
exemplo, em um projeto sobre desenvolvimento sustentável, pode-se solicitar a leitura
de diferentes gêneros discursivos comuns à área para embasar a discussão.

Nota-se uma relação desta habilidade, que propõe a leitura de textos do campo do
estudo e pesquisa, com a Competência Geral 2, que visa a “recorrer à abordagem
própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e
a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses”. A habilidade também
permite ao estudante entender o contexto em que está.

Observa-se, portanto, que por meio das temáticas dos textos lidos e da análise das
condições de produção dos textos da esfera científica, pode-se relacionar esta habilidade
aos ODS 12, 13, 14 e 15, que tratam da questão da sustentabilidade e das Ciências da
Natureza de maneira mais explícita.

169
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP30)
Comparar, com a ajuda do professor, conteúdos, dados e informações de diferentes
fontes, levando em conta seus contextos de produção e referências, identificando
coincidências, complementaridades e contradições, de forma a poder identificar
erros/imprecisões conceituais, compreender e posicionar-se criticamente sobre os
conteúdos e informações em questão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar gêneros que apresentam dados e informações com a mesma temática.
» Analisar as condições de produção desses textos (função social, autor, leitor
presumido, suporte).

170
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que a habilidade prevê a presença pedagógica como elemento fundamental


para atingir o que é proposto, pois a comparação deve ocorrer “com a ajuda do professor”.
Nesse sentido, pode-se, por exemplo, propor a leitura de diferentes gêneros textuais
que apresentem um mesmo dado ou assunto, como uma notícia, um artigo de divulgação
científica, o artigo científico divulgado, um podcast, entre outros.

Esses diferentes gêneros permitem observar de que forma uma mesma informação ou
dado é veiculado, considerando suas especificidades e condições de produção.

A partir dessa análise, pode-se selecionar informações sobre um mesmo tema,


registrando-as em tabelas a fim de que possam ser comparadas. Por meio do trabalho
colaborativo e da investigação, pode-se fazer uso de ferramentas de curadoria,
sobretudo as digitais, para verificar a veracidade dos fatos e também os interesses em
jogo. Por exemplo, uma notícia divulgando um determinado dado ou pesquisa pode fazer
um recorte de acordo com seus interesses.

Sugere-se que, para avaliar as aprendizagens desta habilidade, sejam avaliados os


registros feitos durante o processo e a autoavaliação dos procedimentos envolvidos,
como selecionar informações, utilizar ferramentas de curadoria, entre outros.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências da Natureza, para


analisar como um dado é apresentado em diferentes textos. Em Matemática, caso os
dados sejam numéricos, pode-se observar como é possível apresentar o mesmo dado
de diferentes maneiras.

Nota-se, portanto, uma relação entre esta habilidade, que propõe comparação de dados,
e a Competência Geral 2.

Pode-se relacionar o desenvolvimento desta habilidade de leitura, que desenvolve o


pensamento crítico, ao ODS 4.

171
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias e procedimentos de leitura.


» Relação do verbal com outras semioses.
» Procedimentos e gêneros de apoio à compreensão.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP32)
Selecionar informações e dados relevantes de fontes diversas (impressa, digitais, orais
etc.), avaliando a qualidade e a utilidade dessas fontes, e organizar, esquematicamente,
com ajuda do professor, as informações necessárias (sem excedê-las) com ou sem apoio
de ferramentas digitais, em quadros, tabelas ou gráficos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a ideia de textos diversos.
» Selecionar informações e dados relevantes.
» Avaliar as informações e hierarquizá-las.

172
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade envolve procedimentos e estratégias de leitura de diferentes gêneros


discursivos, que podem ser usados por todos os componentes curriculares. Dessa
forma, a partir da seleção dos textos a serem lidos e analisados, sugere-se que sejam
proporcionadas atividades específicas para o desenvolvimento desses procedimentos
de transformar um texto verbal (ou multissemiótico) em esquemas.

Para isso, pode-se propor a leitura dos textos em uma aula invertida e propor a execução
de um esquema. Nesse sentido, sugere-se discutir coletivamente de que forma são
selecionadas as informações ou não, ou seja, como identificar a ideia central de um texto,
reconhecer informações centrais, secundárias, redundantes, entre outros elementos.

Como forma de avaliar, pode-se utilizar os esquemas de leitura produzidos, observando


sua clareza, adequação ao tema e coerência, por exemplo.

Pode-se desenvolver esta habilidade com todos os componentes que solicitem leitura e
produção de esquemas para organizar e sistematizar a compreensão.

Assim, observa-se que a habilidade dialoga com a Competência Geral 2, uma vez que
apresenta procedimentos para a investigação e a análise crítica.

A capacidade de selecionar informações e esquematizá-las desenvolve estratégias para


além do contexto escolar, relacionando-se assim ao ODS 4.

173
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias e procedimentos de leitura.


» Relação do verbal com outras semioses.
» Procedimentos e gêneros de apoio à compreensão.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP33)
Articular o verbal com os esquemas, infográficos, imagens variadas etc. na (re)construção
dos sentidos dos textos de divulgação científica e retextualizar do discursivo para o
esquemático – infográfico, esquema, tabela, gráfico, ilustração etc. – e, ao contrário,
transformar o conteúdo das tabelas, esquemas, infográficos, ilustrações etc. em texto
discursivo, como forma de ampliar as possibilidades de compreensão desses textos e
analisar as características das multissemioses e dos gêneros em questão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Estabelecer relações entre linguagem verbal e não verbal (esquemas, infográficos,
imagens variadas etc.), considerando a reconstrução de sentidos de textos de
divulgação científica.
» Retextualizar do discursivo para o esquemático (infográfico, esquema, tabela,
gráfico, ilustração etc.).
» Transformar o conteúdo das tabelas, esquemas, infográficos, ilustrações etc.
em texto discursivo.

174
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

O desenvolvimento desta habilidade supõe relacionar as linguagens verbal e não verbal


que compõem os textos de divulgação científica, pressupondo a identificação da relação
de sentido entre as partes do texto. É importante que o estudante perceba essa relação
de complementaridade entre as linguagens.

A habilidade também diz respeito à retextualização verbal para o não verbal, por exemplo,
transformar uma tabela em um texto discursivo, por isso, sugere-se a elaboração de um
projeto interdisciplinar com a Matemática.

Como propostas de atividades, recomenda-se um passo a passo de trabalho que


contemple o processo de progressão a seguir:
» Inicialmente, solicitar que o estudante transforme um texto discursivo em uma
tabela e, em seguida, o contrário.
» Posteriormente, ele deve transformar um texto discursivo em um infográfico
simples e, em seguida, o contrário. Assim, a ação se torna mais complexa.
» Propõe-se, também, que o estudante utilize aplicativos para que possam construir
um infográfico animado.
» É preciso, então, definir quem em serão os leitores/receptores (alunos de outras
turmas), qual será o objetivo da produção (realizar uma prática de estudo);
o objetivo do gênero (informar e promover a compreensão de processos,
experiências e fatos científicos) e o espaço de circulação e o suporte do texto.

Na área de Ciências Humanas, é possível elaborar projetos interdisciplinares com foco


também no desenvolvimento da habilidade EF09GE14: Elaborar e interpretar gráficos
de barras e de setores, mapas temáticos e esquemáticos (croquis) e anamorfoses
geográficas para analisar, sintetizar e apresentar dados e informações sobre diversidade,
diferenças e desigualdades sociopolíticas e geopolíticas mundiais.

Esta habilidade também estabelece relações com a Competência Geral 4, uma vez que
promove a utilização de diferentes linguagens (verbal e não verbal) e o conhecimento
das linguagens artística, matemática e científica, para expressar e partilhar informações,
experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos.

Pode-se solicitar, como propostas de atividade, a elaboração de um infográfico animado a


partir de um tema dos ODS.

175
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias e procedimentos de leitura.


» Relação do verbal com outras semioses.
» Procedimentos e gêneros de apoio à compreensão.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP34)
Grifar as partes essenciais do texto, tendo em vista os objetivos de leitura, produzir
marginálias (ou tomar notas em outro suporte), sínteses organizadas em itens, quadro
sinóptico, quadro comparativo, esquema, resumo ou resenha do texto lido (com ou
sem comentário/análise), mapa conceitual, dependendo do que for mais adequado,
como forma de possibilitar uma maior compreensão do texto, a sistematização de
conteúdos e informações e um posicionamento frente aos textos, se esse for o caso.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

» Identificar e grifar as partes essenciais do texto, considerando os objetivos de leitura.


» Tomar nota de aulas, apresentações orais e entrevistas ( identificando e
hierarquizando as informações principais, tendo em vista apoiar o estudo e a
produção de sínteses e reflexões pessoais ou outros objetivos em questão.
» Articular o verbal com os esquemas, infográficos, imagens variadas etc. na
(re)construção dos sentidos dos textos de divulgação científica.
» Produzir marginálias, sínteses organizadas em itens, quadro sinóptico, quadro
comparativo, esquema, mapa conceitual, resumo ou resenha do texto lido.
» Sistematizar conteúdos e informações e posicionar-se frente aos textos, se for o caso.

176
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade do campo das práticas de estudo e pesquisa implica estratégias de


leitura (grifar as partes essenciais de um texto, tomar notas), relação do verbal
com outras semioses e procedimentos e gêneros de apoio à compreensão (esquemas,
mapa conceitual).

Propõe-se, portanto, como possibilidade de desenvolvimento desta habilidade, a


elaboração de projetos interdisciplinares. É possível, por exemplo:
» Promover a leitura de uma notícia de divulgação científica sobre jogos eletrônicos,
estabelecendo relações com Educação Física e com a habilidade EF67EF02.
» Identificar as transformações nas características dos jogos eletrônicos em função
dos avanços das tecnologias e nas respectivas exigências corporais colocadas por
esses diferentes tipos de jogos.
» Propiciar que, a partir do texto lido, o estudante “identifique” e “localize” as
informações principais do texto usando estratégias de anotação: grifar, sublinhar,
circular trechos, escrever nas margens dos parágrafos etc.
» Promover a elaboração de um mapa conceitual, com base nas etapas anteriores.
Nesse caso, recomenda-se, antes de produzi-los, discutir a forma composicional
desse gênero, mostrando exemplos e parâmetros. Recomenda-se, também, utilizar
ferramentas digitais como Power Point para elaboração do mapa.
» Compartilhar os mapas com os colegas.

A habilidade contribui para que o estudante desenvolva procedimentos e estratégias de


leitura e utilize gêneros de apoio à compreensão nas diferentes áreas do conhecimento.

177
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Curadoria de informações.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP20)
Realizar pesquisa, a partir de recortes e questões definidos previamente,
usando fontes indicadas e abertas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Utilizar diferentes ferramentas de curadoria de informações.
» Verificar a fidedignidade das fontes pesquisadas.
» Realizar pesquisa, a partir de recortes e questões definidos previamente.

178
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Nesta habilidade, pressupõe-se a curadoria de informações no campo das práticas


de estudo e pesquisa. Ela contribui para que o estudante desenvolva a autonomia de
buscar informações e dados em diferentes fontes, favorecendo o pensamento crítico,
reflexivo e científico.

Como etapas da curadoria de informações, recomenda-se:


» Pesquisa de notícias, textos, vídeos, artigos etc., em fontes fidedignas indicadas
pelo educador. Nesse sentido, a habilidade abre um espaço para discutir os
cuidados necessários com a verificação da fidedignidade das fontes.
» Uso de procedimentos como grifar, fazer anotações, resumos, esquemas etc., de
modo a favorecer o processo de compreensão dos textos pesquisados.
» Compartilhamento da pesquisa em reportagens, podcast, vlogs etc.

Esta habilidade articula-se com todos os componentes curriculares, uma vez que
pressupõe que o estudante desenvolva a autonomia para ser um pesquisador crítico.
Assim, ela pressupõe operações mentais como “localizar”, “selecionar” e “usar”
informações, essenciais para aprender com independência.

A habilidade refere-se à Competência Geral 2, no que diz respeito ao exercício da


curiosidade, da investigação, da reflexão e da análise crítica.

Pode-se promover situações didáticas para que os estudantes possam pesquisar sobre
os ODS, temas contemporâneos, educação para as relações étnico-raciais e educação em
Direitos Humanos.

179
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Curadoria de informações.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP24)
Realizar pesquisa, estabelecendo o recorte das questões, usando fontes abertas
e confiáveis.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Utilizar diferentes ferramentas de curadoria de informações.
» Verificar a fidedignidade das fontes pesquisadas.
» Realizar pesquisa, a partir de recortes e questões definidos previamente,
usando fontes indicadas e abertas.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pretende-se com esta habilidade desenvolver a prática da curadoria de informações com


o propósito de ampliar e qualificar a participação do estudante na esfera pública. Além
disso, há uma relação direta com EF67LP20, do campo das práticas de estudo e pesquisa.

180
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

Recomenda-se considerar, como pressuposto para a aquisição desta habilidade,


a produção de textos que apoiem a compreensão, como resumos, esquemas etc.
Propõe-se, ainda, a verificação da fidedignidade das fontes pesquisadas.

Inicialmente, sugere-se como possibilidade de atividade o levantamento de temas


de relevância para os estudantes e/ou para comunidade em que vivem. Por exemplo,
caso queiram saber mais sobre os seus direitos enquanto estudantes, é necessário
buscar textos legais ou que circularam na mídia (reportagens, notícias, artigos de
opinião etc.) para que, então, possam formular uma reivindicação ou reclamação.

Esta habilidade articula-se com todos os componentes curriculares, uma vez que
pressupõe que o estudante desenvolva a autonomia para ser um pesquisador
crítico. Assim, ela pressupõe operações mentais como “localizar”, “selecionar” e
“usar” informações, essenciais para aprender com independência.

A habilidade refere-se à Competência Geral 2, no que se refere ao exercício da


curiosidade, da investigação, da reflexão e da análise crítica.

Propõe-se que os estudantes pesquisem os artigos e metas do documento dos ODS


relacionados aos temas de interesse.

181
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

ARTES VISUAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Materialidades.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR05)
Experimentar e analisar diferentes formas de expressão artística (desenho, pintura,
colagem, quadrinhos, dobradura, escultura, modelagem, instalação, vídeo, fotografia,
performance etc.).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as artes visuais como base de compreensão de diversas linguagens artísticas.
» Experimentar técnicas de produção, de acordo com a linguagem trabalhada.
» Valorizar a imagem como elemento importante na participação social.
» Reconhecer as expressões artísticas como forma de participação social.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se, para o desenvolvimento desta habilidade, que haja espaço, tempo e


materiais apropriados, entre os quais: lápis, tintas, papéis, gesso, argilas, ferramentas
de modelagem, corte e acabamento; máquinas ou celulares para filmagem e fotografia;
figurino e adereços etc. Pressupõe-se também que haja material artístico disponível
para análise, como de imagens impressas, quadros, vídeos, fotografias, entre outros.

182
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

Sugere-se que se haja um plano de sequenciamento das expressões artísticas que serão
experimentadas e analisadas, que poderá inclusive ser o mesmo proposto no texto
da habilidade.

No eixo da experimentação, a habilidade pode ser desenvolvida partindo de uma mesma


esfera temática, aplicada às diversas expressões artísticas. Neste sentido, o estudante
poderá pensar, durante o fazer, sobre como a materialidade na arte (tinta, lápis, papel,
vídeo, foto etc.) interfere na abordagem de um mesmo eixo temático.

Sugere-se que, para o desenvolvimento do eixo da análise desta habilidade, o estudante


seja colocado em contato com o máximo de expressões artísticas contextualizadas em
termos sociais, culturais e históricos, para que ele possa identificar a função da obra
enquanto objeto de reflexo, tradução, reinvenção e atuação na realidade.

Os temas para a experimentação das expressões artísticas podem vir de variados


componentes, de variadas áreas. Em Geografia, por exemplo, é possível listar obras nas
quais o tema seja a representação da paisagem. Na relação com História, é possível
listar obras que retratem figuras importantes do nosso tempo histórico. Na relação com
Matemática, pode ser realizado um projeto em que sejam analisadas obras visuais que
trabalham na perspectiva da repetição, ritmo visual, formas geométricas etc.

A atividade pode se conectar com a Competência Geral 3, pela participação em


atividades artísticas.

A criação de obras artísticas pode possibilitar o exercício da criatividade e colaboração.


O estudante pode conceber ainda iniciativas que se conectem com seus desejos e
sonhos, que sejam significativos para si mesmos e seu contexto, impactando seus
Projetos de Vida.

183
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

MÚSICA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Materialidades.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR21)
Explorar e analisar fontes e materiais sonoros em práticas de composição/criação,
execução e apreciação musical, reconhecendo timbres e características de
instrumentos musicais diversos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer instrumentos musicais diversos.
» Reconhecer o corpo como material musical.
» Reconhecer a sonoridade como forma de participação social.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Conforme o corpo da habilidade, práticas de composição/criação/execução e apreciação


musical são os procedimentos apontados. Assim, sugere-se que o trabalho leve em
conta, em primeira instância, os recursos aos quais o estudante terá acesso: espaço para
a prática musical, instrumentos e materiais diversos para a produção de sons.

184
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

De qualquer forma, no eixo da produção sonora prevista na habilidade, sugere-se que,


primeiro, o estudante seja estimulado a experimentar livre e intuitivamente a fonte ou
material sonoro disponível, de maneira que ele crie relação prévia com o tipo de som
produzido, manuseando e compreendendo, inclusive, seu papel corporal na produção
daquele som.

Da mesma forma, no eixo da apreciação, também se aconselha que a primeira escuta seja
livre de direcionamentos prévios, de forma que o estudante possa receber o som a partir
de seus recursos próprios, interpretando, sentindo e reconhecendo as características
sonoras de maneira singular.

Após abordagem experimental, o estudante poderá explorar e analisar a fonte ou material


sonoro à luz de alguns direcionamentos do professor, como: qual tipo de instrumento é:
Corda (viola, piano); Percussão (tambor, xilofone); Sopro (trompete, flauta). Ainda poderão
ser exploradas e analisadas fontes corpóreo-vocais e digitais. Em todas as fontes, a
habilidade prevê o reconhecimento de timbres (graves, médios e agudos).

Caso haja meios para isso, o estudante poderá estudar alguma técnica musical,
dedicando-se à execução de um instrumento em especial. Neste caso, processos de
composição/criação/execução poderão ser elaborados, de maneira que o estudante possa
criar ou executar alguma peça musical. Neste caso, o compartilhamento é bem-vindo.

De forma complementar, o estudante poderá estudar também as características sociais


do instrumento ou fonte sonora abordada, percebendo relações históricas, culturais,
religiosas etc.

A atividade se conecta com a Competência Geral 3, pela participação em atividades


artísticas. A exploração de materiais e obras artísticas leva o estudante a conceber
iniciativas que se conectam com seus desejos e sonhos, que sejam significativos para si
mesmos e seu contexto, impactando seus Projetos de Vida.

185
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

GINÁSTICAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Ginástica de condicionamento físico: crossfit, ginástica aeróbica etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF07)
Experimentar e fruir um ou mais programas de exercícios físicos, identificando as
exigências corporais desses diferentes programas e reconhecendo a importância de
uma prática individualizada, adequada às características e necessidades de cada sujeito.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar os elementos que compõem um programa de exercício físico (objetivo,
etapas etc.).
» Analisar as exigências corporais de um ou mais programas de exercício físico
conhecidos pelo estudante, a partir das capacidades físicas exigidas, das habilidades
necessárias e da própria característica do programa (material, ambiente, música etc.).
» Selecionar um ou mais programas de exercício físico para executá-los, estabelecendo
meta(s) individual(is).
» Indicar para colegas e/ou pessoas do círculo de convivência um programa de exercício
físico, relacionando os elementos e exigências do programa com as características da
pessoa para quem está indicando.

186
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que o estudante relacione o conhecimento sobre programas de exercícios com


o que conhece de outra pessoa, evidenciando a importância da prática individualizada.
Esse trabalho é uma forma de acompanhar a aprendizagem do estudante, pois
requer que ele estruture o conhecimento que tem dos programas, relacione-o com
características de outrem e comunique o seu saber. Outra forma é utilizar as atividades
que envolvem as proposições para a comunidade em que o estudante vive. Os registros
das etapas elaboradas são uma forma de acompanhar a aprendizagem.

Na integração desta habilidade com outras do mesmo componente, é possível planejar


seu desenvolvimento relacionando-a com EF89EF08, EF89EF09, EF67EF08, EF67EF09
e/ou EF67EF10, para que todos os aspectos sejam abordados.

Sugere-se que, na análise e elaboração dos programas, sejam observados ciclos de


treinamento, carga de esforço, entre outras medidas. Pode-se, em parceria com a área
de Matemática, estabelecer estratégias compartilhadas de ensino e aprendizagem
através de gráficos, medidas, parâmetros etc. É possível, também, uma integração com os
componentes Arte e História, trazendo exemplos de programas de exercícios de outras
épocas e regiões, como na Grécia Antiga e na Alemanha nazista; estabelecendo relações
com o corpo e a ginástica e como eram representados nas manifestações artísticas;
promovendo uma compreensão sobre as disputas vigentes no ideal político e como isso
interferia no objetivo e no método dos programas de exercícios.

Sugere-se que o estudante utilize referências de programas de exercícios físicos


existentes na própria comunidade para analisá-los. Caso não haja, durante esse processo
de aprendizagem, pode-se identificar quais deles são possíveis de serem implementados,
de acordo com as necessidades locais (eixo “Onde estou”). Estabelecer essa relação é
posicionar-se perante os direitos de oportunidade (ODS 10) e a importância da qualidade
de vida (e saúde) de cada um e da sociedade (ODS 3).

Sugere-se desenvolver esta habilidade dentro do eixo “Quem sou eu”, já que é necessário
que o estudante se reconheça como sujeito múltiplo, identificando como as próprias
características se relacionam com a característica de cada programa.

187
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

PRÁTICAS CORPORAIS
DE AVENTURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Práticas corporais de aventura urbanas: parkour, skate etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67EF18)
Experimentar e fruir diferentes práticas corporais de aventura urbanas, valorizando
a própria segurança e integridade física, bem como as dos demais.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar os riscos durante a realização de práticas corporais de aventura urbanas
e planejar estratégias para sua superação.
» Selecionar, de acordo com o contexto (físico, social e cultural), práticas corporais de
aventura que podem ser realizadas (ou adaptadas) na escola e/ou no entorno.
» Superar sentimentos que dificultam a própria participação em práticas corporais
de aventura, experimentando-as e escolhendo pelo menos uma para aprofundar o
conhecimento (corporal, afetivo e cognitivo).

188
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Embora possa ser feito separadamente, sugere-se que esta habilidade possa
ser trabalhada com a EF89EF19 por tratarem de aprendizados relacionados ao
experimentar, fruir e valorizar a segurança e integridade física de todos nas práticas
corporais de aventura. A escolha dependerá do contexto (público, escola, região etc.).

Sugere-se aproximar o contexto de vida do estudante com o objeto de conhecimento


para ele se apropriar de questões em que possa se envolver direta ou indiretamente. É
possível também abordar práticas corporais de aventura de destaque midiático e que
atraiam o interesse do estudante (mesmo fora do contexto em que vive) para trazer um
saber que ele possa relacionar com seu Projeto de Vida. O aluno pode se apropriar de
pelo menos uma prática corporal de aventura urbana.

Normas de segurança e riscos inerentes às práticas corporais de aventura podem ser


amplamente debatidos e estabelecidos, pois são eles que trazem segurança a quem
pratica e aproximam essa manifestação cultural do sentido de “aventura”, ou seja, do
caráter de risco controlado. Além disso, dominar tais normas e riscos pode ajudar o
estudante a superar possíveis sentimentos (medo, insegurança, vergonha etc.) que o
atrapalhem na realização das atividades (eixo “Quem sou eu”).

Na integração desta habilidade com outras do mesmo componente, sugere-se


desenvolvê-la com a EF67EF20 e/ou com a EF67EF21, ampliando os aspectos de
conhecimento desse tipo de prática.

Esta habilidade também pode ser desenvolvida integrada ao componente Geografia,


propondo estudos de território e de espaço geográfico, já que essas práticas decorrem
da ocupação urbana.

Propõe-se desenvolver a EF67EF18 ligada à questão de gênero (ODS 5) por conta da


construção histórica de algumas práticas de aventura urbana que tratam diferentemente
homens e mulheres.

189
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

PRÁTICAS CORPORAIS
DE AVENTURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Práticas corporais de aventura na natureza (mergulho livre e autônomo,


paraquedismo, rapel etc.).

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF19)
Experimentar e fruir diferentes práticas corporais de aventura na natureza, valorizando
a própria segurança e integridade física, bem como as dos demais, respeitando o
patrimônio natural e minimizando os impactos de degradação ambiental.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar riscos, formular estratégias e observar normas de segurança para superar
os desafios na realização de práticas corporais de aventura na natureza.
» Selecionar, de acordo com o contexto (físico, social e cultural), práticas corporais de
aventura na natureza que podem ser realizadas (ou adaptadas) na escola e/ou no entorno.
» Apropriar-se de pelo menos uma prática corporal de aventura na natureza (mesmo
que adaptada).
» Compreender a relação entre práticas corporais de aventura e preservação do
patrimônio natural.

190
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se trabalhar esta habilidade com EF67EF18 por tratarem da mesma competência
e de aprendizados semelhantes (vide EF67EF18). Pode-se aproximar o contexto de vida
do estudante com o objeto de conhecimento para ele se apropriar de questões em que
possa se envolver direta ou indiretamente. É possível também abordar práticas corporais
de aventura de destaque midiático e que atraiam o interesse do estudante (mesmo fora do
contexto em que vive) para trazer um saber que possa relacionar com seu Projeto de Vida.

O aluno pode se apropriar de pelo menos uma prática corporal de aventura da natureza.
As normas de segurança e riscos inerentes às práticas corporais de aventura podem ser
amplamente debatidos e estabelecidos, pois são eles que permitem que o sentido de
“aventura” seja de risco controlado e não de irresponsabilidade.

Pode-se ressaltar a importância de se cuidar da integridade física e da segurança de


quem participa dessas práticas corporais de aventura, fazendo com que o estudante
considere as individualidades de cada um. Por isso, apesar dos desafios afetivos e
corporais estabelecidos, as práticas de aventura podem ser realizadas de forma inclusiva.
É uma manifestação corporal que, embora pareça individual na maior parte de seus
exemplos, em sua essência, necessita de outra pessoa (por, no mínimo, questão de
segurança). Por exemplo: não se faz nenhum tipo de mergulho sozinho. Apropriar-se
dessa linguagem não é só ampliar as possibilidades de participação na vida social, mas
fazê-lo de modo inclusivo e preservando o patrimônio natural.

Desenvolver esta habilidade junto à EF67EF21 e/ou à EF89EF21 é uma sugestão. Ela
pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências, propondo estudos que envolvam
os conceitos de ecossistema e sustentabilidade, pois essas práticas corporais ocorrem
na natureza.

Propõe-se que o aprendizado prático desses objetos de conhecimento não seja


desvinculado do aprendizado sobre a preservação do patrimônio natural terrestre e
aquático (ODS 14 e 15), tanto em relação à minimização de impactos de degradação
quanto à utilização dele como forma sustentável de preservação.

191
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

ESPORTES

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Esportes de marca: patinação de velocidade, todas as provas do atletismo, remo,


ciclismo, levantamento de peso etc.
» Esportes de precisão: bocha, curling, golfe, tiro com arco, tiro esportivo etc.
» Esportes de invasão: basquetebol, frisbee, futebol, futsal, futebol americano,
handebol, hóquei sobre grama, polo aquático, rúgbi etc.
» Esportes técnico-combinatório: ginástica artística, ginástica rítmica, nado
sincronizado, patinação artística, saltos ornamentais etc.
» Esportes de rede/parede: voleibol, vôlei de praia, tênis de campo, tênis de mesa,
badminton e peteca/pelota basca, raquetebol, squash etc.
» Esportes de campo e taco: beisebol, críquete, softbol etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF01)
Experimentar diferentes papéis (jogador, árbitro e técnico) e fruir os esportes
de rede/parede, campo e taco, invasão e combate, valorizando o trabalho
coletivo e o protagonismo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Praticar um ou mais esportes de rede/parede, campo e taco, invasão e combate
oferecidos pela escola, usando habilidades técnico-táticas básicas.
» Formular e utilizar estratégias para solucionar os desafios técnicos e táticos,
tanto nos esportes de campo e taco, rede/parede, invasão e combate, como nas
modalidades esportivas escolhidas para praticar de forma específica.

192
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

» Identificar os elementos técnicos ou técnico-táticos individuais, combinações táticas,


sistemas de jogo e regras das modalidades esportivas praticadas, bem como diferenciar
as modalidades esportivas com base nos critérios da lógica interna das categorias de
esporte: rede/parede, campo e taco, invasão e combate.
» Organizar eventos esportivos.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se atividades a partir dos objetivos de aprendizagem para que os estudantes


identifiquem os diversos elementos das modalidades esportivas, tanto corporal
quanto cognitivamente. Essa escolha é que diferenciará o fazer pelo fazer do fazer
para aprender. Além disso, pode-se pesquisas sobre esportes existentes na própria
comunidade e quais poderiam ser introduzidos nas aulas, considerando as características
que possuem e o que pode ser positivo para a comunidade.

Eventos esportivos que envolvam desde pequenos grupos até a comunidade escolar,
organizados em pelos estudantes, são instrumentos de acompanhamento de
aprendizagem por mobilizarem os conhecimentos sobre os diferentes esportes, tanto na
prática, quanto na organização, sendo jogador, técnico, árbitro etc. Também colocam o
estudante no papel de protagonista e precisando aprender a trabalhar coletivamente.

A habilidade EF67EF03 e seus respectivos objetos de conhecimento pode ser desenvolvida


com as mesmas sugestões apresentadas nesta habilidade, pois ambas tratam da
experimentação e fruição dos esportes, valorizando o trabalho coletivo e o protagonismo.

Na integração das habilidades dentro do mesmo componente, sugere-se desenvolver


esta habilidade relacionando-a com objetivos e estratégias didáticas de EF67EF06,
EF67EF07, EF89EF05 e EF89EF06, de modo a contemplar outros aspectos dos esportes.

Trabalhar de maneira conjunta com Língua Portuguesa e Arte na elaboração de eventos


esportivos, os quais envolvem a leitura e a interpretação midiática, o conhecimento
de diferentes gêneros discursivos, tipos de suporte e expressões artísticas (como
grafitagem, painéis etc.) é uma proposta.

A habilidade pode ser trabalhada com os eixos “Onde estou”, “Para onde vou” e “Qual meu
lugar no mundo”, relacionando a diversidade de esportes que fazem parte do contexto
de vida do estudante com as possibilidades de utilização dessas práticas nas escolhas do
Projeto de Vida dele. Pode-se relacioná-la com à questão de gênero (ODS 5), que é parte
intrínseca da constituição organizacional dos esportes.

193
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Funções e usos da língua inglesa em sala de aula (classroom language).


» Vocabulário referente a objetos escolares, componentes curriculares e espaços da escola.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI03)
Solicitar esclarecimentos em língua inglesa sobre o que não entendeu e o significado
de palavras ou expressões desconhecidas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer termos referentes a objetos usados na escola.
» Relacionar linguagem verbal e não verbal.
» Reconhecer o uso do imperativo em enunciados.
» Utilizar a língua inglesa para solicitar esclarecimentos em sala de aula.

194
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para que o estudante faça uso de uma língua que lhe é estranha, pode-se propor, em um
primeiro momento, algumas frases prontas que podem ser complementadas por ele,
chamadas de chunks.

Para que ele identifique a necessidade e o contexto de uso, sugere-se que sejam feitas
estações em que cada grupo fique responsável por um contexto de uso, por exemplo,
abrir e fechar o livro (Open/Close your book); perguntar como dizer uma expressão
em inglês (How do I say …. in English?). Cada estação pode receber seu chunk e ficar
responsável por ilustrar o comando ali escrito em um cartaz.

Pode-se também propor que os estudantes apresentem seus cartazes e que os colem
na parede, para que fiquem visíveis e possam ser acessados tanto por eles quando têm
dúvidas, quanto pelo professor quando ele necessitar apontar para a necessidade de uso
da língua inglesa em sala de aula.

Outra alternativa é propor jogos, como memória e bingo, para auxiliar na memorização
dessas expressões. Nesse caso, pode-se solicitar que o estudante faça registros do que
aprendeu no caderno.

A habilidade EF06LI21 é considerada complementar a esta, pois há uma aplicação do


uso do imperativo em vez de mostrá-lo como uma estrutura isolada. A avaliação de que a
aprendizagem foi atingida pode ser feita por meio da observação dos estudantes em aula.
A habilidade relaciona-se à Competência Geral 2, uma vez que promove a possibilidade
de criar soluções para utilizar determinado repertório de uma segunda língua.

Em Arte, pode-se fazer um projeto interdisciplinar de ilustração dos cartazes a serem


expostos em aula.

Para desenvolver a habilidade nesse âmbito, é importante entendê-la também no âmbito


procedimental e atitudinal, uma vez que as atividades proporcionam ao estudante
arriscar-se a utilizar uma língua que lhe é estranha. Nesse sentido, pode-se desenvolver
a empatia com aqueles que apresentam dificuldade ou receio de arriscar-se na língua. Ao
fazer isso, o procedimento se relaciona diretamente com o ODS 16, uma vez que permite
que se desenvolvam habilidades que promovem a paz e o entendimento mútuo.

195
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de compreensão de textos orais: palavras cognatas e pistas


do contexto discursivo.
» Condições de produção e recepção.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI04)
Reconhecer, com o apoio de palavras cognatas e pistas do contexto discursivo,
o assunto e as informações principais em textos orais sobre temas familiares.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o gênero discursivo, sua estrutura, suporte e função social.
» Identificar a ideia central de um texto.
» Relacionar linguagem verbal e não verbal.

196
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, propõe-se que seja escolhido um gênero discursivo
oral ou multissemiótico com o qual os estudantes estejam familiarizados, como
animação, entrevista, entre outros.

A partir da identificação do gênero, pode-se solicitar aos estudantes que debatam sobre sua
função social e condições de produção (quem produziu o texto, com qual finalidade etc.).

Além disso, pode-se solicitar que os estudantes registrem o que compreenderam do


texto e compartilhem suas impressões com os demais. Nesse sentido, o professor pode
mediar a discussão para ajudá-los a identificar quais foram as estratégias usadas para
a identificação.

Como forma de avaliar, pode-se solicitar que os estudantes respondam às questões


no formato de “verdadeiro ou falso” para checagem da compreensão.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


propondo projeto interdisciplinar que amplie o repertório sobre diferentes gêneros
discursivos e o reconhecimento das condições de produção e recepção dos textos.

Em Ciências, essa integração pode ocorrer com o uso, por exemplo, de animações em língua
inglesa que apresentem conceitos estudados em aula (como o ciclo da água).

A habilidade relaciona-se à Competência Geral 2, uma vez que promove a possibilidade de


desenvolver estratégias para a resolução de problemas (no caso, reconhecer informações
em um texto em língua estrangeira).

Como a habilidade traz expectativas de leitura em diferentes contextos, é possível


relacioná-la a temas contemporâneos e aos ODS na escolha dos textos cujos temas tragam
questões importante, como o uso consciente da água.

Além disso, o desenvolvimento de habilidades em Língua Inglesa, em um mundo


globalizado, relaciona-se diretamente com o ODS 4, que prevê que se desenvolvam
“habilidades relevantes, inclusive competências técnicas e profissionais, para emprego,
trabalho decente e empreendedorismo”, impactando positivamente na construção de
Projetos de Vida.

197
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Funções e usos da língua inglesa em sala de aula (classroom language).


» Conversação espontânea.
» Estrutura do presente do indicativo.
» Expressões e vocabulário referentes a jogos e brincadeiras.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI01)
Interagir em situações de intercâmbio oral para realizar as atividades em sala de aula, de
forma respeitosa e colaborativa, trocando ideias e engajando-se em brincadeiras e jogos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o objetivo do jogo ou brincadeira, bem como suas regras.
» Respeitar os turnos de fala.
» Utilizar expressões e sentenças com verbos no presente.
» Utilizar chunks para jogos.

198
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Embora a habilidade seja procedimental, é interessante pensar e propor metodologias


para que a língua inglesa seja efetivamente usada na sala de aula. Nesse sentido, pode-se
propor atividades em que o objetivo seja construir um jogo (indoor game), bem como
suas regras.

A temática do jogo pode ser proposta por outros componentes curriculares, fortalecendo
o aspecto interdisciplinar da proposta. Por exemplo, caso os estudantes tenham um
conteúdo de Ciências da Natureza, como ciclo da vida, eles podem construir um jogo em
inglês. Nesse sentido, a língua é ao mesmo tempo um meio para atingir determinadas
aprendizagens, como também uma finalidade. Outra possibilidade, é desenvolver a
proposta com brincadeiras trazidas das aulas de Educação Física (outdoor games). Na
elaboração de jogos, sugere-se que ela seja feita de modo coletivo e colaborativo.

A partir da construção da proposta, sugere-se que os estudantes pesquisem expressões


e frases usadas para jogar em língua inglesa, como “my turn”, “you missed a turn”, “I win”,
entre outras. Essa pesquisa pode ser feita em fontes abertas e confiáveis, como proposto
em Língua Portuguesa. A avaliação dessas aprendizagens pode ser feita por meio da
observação da interação dos estudantes e do uso que eles estão fazendo da língua. Nesse
caso, pode-se trazer também conteúdos atitudinais e procedimentais.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se considerar as habilidades do Campo do Estudo e
Pesquisa, como a EF67LP20.
» Em Educação Física, a partir da construção coletiva de um repertório de jogos,
pode-se pensar fazer um projeto interdisciplinar, trazendo a brincadeira para o
contexto das aulas de Língua Estrangeira.
» Em Ciências da Natureza, pode-se produzir jogos que sistematizem conceitos e
conteúdos aprendidos.

No desenvolvimento de atividades que envolvem jogos, trabalha-se o desenvolvimento


de procedimentos e atitudes que levem à resolução de conflitos ou tomada de decisão,
como previsto no item 7 do ODS 16: “garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva,
participativa e representativa”.

199
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão de textos orais de cunho descritivo ou narrativo.


» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção dos textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI04)
Identificar o contexto, a finalidade, o assunto e os interlocutores em textos orais
presentes no cinema, na internet, na televisão, entre outros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o gênero textual.
» Reconhecer as condições de produção circulação e recepção dos textos (autor,
função social, suporte, público alvo).
» Reconhecer as características do gênero (tema, forma composicional, estilo).

200
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A fim de se desenvolver o que é proposto pela habilidade, sugere-se fazer escolhas


de gêneros que, como propõe o objeto de conhecimento, apresentem as tipologias
descritiva e narrativa, por exemplo, animações, filmes, vlogs, podcasts, entre outros.
Nesse sentido, é interessante propor a leitura de textos multissemióticos a fim de apoiar
o estudante na compreensão de um texto em língua inglesa, pois as diferentes semioses,
como imagem e cor, podem ajudar na compreensão do texto.

Para o reconhecimentos das condições de produção, circulação e recepção dos


textos (autor, função social, suporte, público-alvo), podem ser propostas atividades
colaborativas nas quais o estudante entra em contato com esses textos e faz registros
do que consegue observar em relação a essas condições com o auxílio de ferramentas de
apoio, como tabelas e esquemas. Por exemplo: caso o gênero escolhido seja um curta-
-metragem de animação publicado na internet, pode-se propor que o estudante explore o
texto, seu suporte, encontre o nome do autor ou produtor e registre em uma tabela, para
posteriormente compartilhar com os demais.

É possível, ainda, propor diferentes estratégias de leitura usando as metodologias ativas,


como estações de aprendizagem, leitura em “quebra-cabeça”, entre outros. A avaliação
das aprendizagens pode ser feita por meio dos registros do estudante durante o
processo de leitura do texto oral.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se trabalhar conjuntamente as estratégias de
tomada de nota para apoiar a compreensão de textos orais e multissemióticos.
» Em Arte, pode-se fazer a análise de textos artísticos, considerando o repertório
desse componente.
» Em Ciências da Natureza, sugere-se propor um projeto interdisciplinar cuja
temática é um conteúdo desse componente.

Observa-se que esta habilidade dialoga com a Competência Geral 2.

Tratar da leitura de textos escritos em língua inglesa pode, por meio da temática, tratar
de questões relacionadas aos Direitos Humanos e aos temas dos ODS.

201
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão de textos orais e multimodais de cunho informativo/jornalístico.


» Relação entre o contexto de produção e características composicionais e
estilísticas dos gêneros.
» Estratégias de leitura.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI03)
Construir o sentido global de textos orais, relacionando suas partes, o assunto
principal e informações relevantes.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o contexto de produção de um texto jornalístico, sua função social e suporte.
» Identificar a ideia central do texto.
» Selecionar informações em um texto.

202
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade propõe a compreensão de textos orais jornalísticos em língua inglesa.


Nesse sentido, sugere-se que sejam escolhidos gêneros como podcasts, vlogs, notícias
em vídeo, reportagens, documentários etc. Fazendo-se essa escolha, sugere-se que
sejam propostas atividades de leitura na qual seja, inicialmente, necessário identificar
o contexto de produção de um texto jornalístico, ou seja, qual sua função social, onde
está publicado, quem é o autor e o possível leitor/receptor desse texto, entre outras
possibilidades. Isso pode ser feito por meio de uma aula invertida, na qual o estudante faz
uma leitura/escuta prévia do texto, ou por meio de uma roda de leitura/escuta e conversa
sobre o texto oral/multissemiótico.

Além disso, sugere-se que a leitura seja guiada por questões de apoio. Por exemplo, caso
seja proposta a análise de um podcast, pode-se pedir que o estudante procure por palavras
que aparecerão no texto a ser ouvido e as registre em uma espécie de glossário. Depois, é
possível propor atividades de escuta e compreensão por meio de um questionário. Nesse
sentido, além de achar a “informação” correta, sugere-se que sejam feitas atividades
envolvendo procedimentos metacognitivos, isto é, além de selecionar a informação do áudio,
o estudante pode fazer anotações de quais expressões ou pistas o ajudaram a selecioná-la.

A avaliação pode ser feita pela análise das respostas, bem como por registros feitos pelo
estudante durante a atividade.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, nas


propostas de leitura e oralidade de textos do campo jornalístico e midiático.

Em Ciências Humanas, pode-se propor projetos interdisciplinares cujos temas dialogam


com os diferentes componentes.

Em Ciências da Natureza, pode-se propor a análise de textos que tratem de temas


científicos como parte de um projeto.

A temática dos textos pode trazer a questão das relações étnico-raciais e dos Direitos
Humanos. Além disso, a compreensão de textos jornalísticos, em inglês, aumenta a
capacidade de o estudante compreender as diferentes notícias veiculadas no mundo,
relacionando-se, assim, ao ODS 16.

203
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão de textos orais e multimodais de cunho argumentativo.


» Reconstrução das condições de produção, recepção e circulação de textos
multimodais de cunho argumentativo.
» Registro.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI02)
Compilar as ideias-chave de textos por meio de tomada de notas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção, recepção e circulação de textos multimodais
de cunho argumentativo (discurso, palestras, entre outros).
» Identificar a ideia central e o posicionamento do texto.
» Reconhecer os argumentos.
» Tomar nota por meio de esquemas e tabelas.

204
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade prevê a compreensão de textos orais e multimodais de cunho argumentativo.


Sugere-se que sejam propostas a escuta e a leitura de vídeos que tratem de temas atuais e
relevantes, como discursos, palestras, conferências, podcasts, entre outros. Pode-se ainda
propor o desenvolvimento desta habilidade em um projeto interdisciplinar.

Outra sugestão é proporcionar atividades nas quais o estudante reconheça as condições


de produção, recepção e circulação desses textos e tome nota delas. Observações como
a função social do texto, o autor, público-alvo e suporte podem ser registradas em grupos
ou em duplas para contextualizar a proposta e auxiliar na compreensão.

Propõe-se, ainda, que a análise do texto seja guiada por perguntas norteadoras,
para auxiliar no reconhecimento da ideia central do texto e seus argumentos. Além
disso, é interessante utilizar ferramentas digitais na construção de esquema e tabelas.
Considerando o objetivo principal da habilidade, que é sintetizar ideias por meio de
tomada de nota, sugere-se utilizar essas anotações para avaliar a compreensão do texto.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, por


meio do trabalho com textos jornalístico-midiáticos e do campo de atuação na vida pública,
como parte de um projeto interdisciplinar de análise de textos argumentativos.

Em Ciências Humanas, pode-se propor um projeto que aborde temáticas de relevância


social, lendo textos para analisar diferentes argumentos sobre essas temáticas.

Assim, a habilidade auxilia nas Competências Gerais 2 e 4, pois trata de reflexão e análise
crítica de um texto ao mesmo tempo em que propõe a utilização da linguagem para produzir
sentidos. Além disso, a análise de textos argumentativos permite desenvolver projetos com
o tema “Onde estou?”, por permitir análises de posicionamentos que tratem do contexto no
qual se encontra o estudante.

A análise de textos argumentativos multimodais permite, por meio da temática, uma


educação voltada para os Direitos Humanos e as relações étnico-raciais. Nesse sentido,
pode-se relacionar ao ODS 16, que procura promover uma sociedade pacífica por meio
do entendimento do outro.

205
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão de textos orais e multimodais de cunho argumentativo.


» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI03)
Analisar posicionamentos defendidos e refutados em textos orais sobre temas
de interesse social e coletivo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção, recepção e circulação de textos multimodais
de cunho argumentativo (discurso, palestras, entre outros).
» Tomar nota de ideias-chave.
» Identificar argumentos e contra-argumentos e suas estruturas linguísticas.
» Posicionar-se a respeito do texto.

206
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

É possível notar que esta habilidade apresenta uma progressão em relação à habilidade
anterior. Assim, propõe-se que elas sejam trabalhadas conjuntamente, em um projeto,
para que se amplie a capacidade de análise de textos orais multimodais de cunho
argumentativo. Nesse sentido, sugere-se que o estudante seja exposto a diferentes
textos orais de temas de interesse social e coletivo produzidos em língua inglesa. Podem
ser propostas tarefas que podem tanto executadas individual ou coletivamente (em
duplas ou grupos).

Para a análise desses textos, sugere-se que o estudante seja exposto a diferentes textos
e que sejam propostas perguntas norteadoras que ajudem a identificar os argumentos
e contra-argumentos. Por se tratar de uma segunda língua, sugere-se apontar as
estruturas linguísticas mais comuns para apresentar argumentos, por exemplo, o uso
das condicionais para apresentar causa e consequência, o uso de dados numéricos,
argumentos de autoridade e os modos de citação da fala do outro (reported speech),
entre outras possibilidades.

Como forma de avaliação, sugere-se que seja observada a maneira como o estudante se
posiciona diante do texto, além de seus registros e da autoavaliação.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, por


meio do trabalho com textos jornalístico-midiáticos e do campo de atuação na vida pública,
como parte de um projeto interdisciplinar de análise de textos argumentativos.

Em Ciências Humanas, pode-se propor um projeto que aborde temáticas de relevância


social, lendo textos para analisar diferentes argumentos sobre essas temáticas.

A escolha pela análise de temas de relevância social permite ao estudante fazer escolhas
alinhadas ao seu Projeto de Vida a partir do entendimento do contexto no qual ele vive.
Além de projetos voltados para a temática “Onde estou?”, permite também planejar ações a
partir do contexto de “Para onde vou?”.

A temática dos textos pode trazer a questão das relações étnico-raciais e dos Direitos
Humanos. Além disso, a análise de textos argumentativos de relevância social permite ao
estudante compreender diferentes perspectivas, relacionando-se, assim, aos ODS 10 e 16.

207
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão geral e específica: leitura rápida (skimming, scanning).


» Condições de produção e recepção.
» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI08)
Identificar o assunto de um texto, reconhecendo sua organização textual
e palavras cognatas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Formular hipóteses sobre a finalidade de um texto em língua inglesa.
» Reconhecer palavras cognatas.
» Inferir o significado de palavras de acordo com o contexto.
» Compartilhar ideias.

208
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se explicitamente a textos escritos e tem como objeto de


conhecimento estratégias de leitura global (skimming) e específica (scanning). Para
desenvolver a estratégia de leitura global (skimming), pode-se propor, em grupos, o
reconhecimento de um gênero textual que faça parte do repertório dos estudantes,
como notícias, reportagens, entradas de blog, entre outros.

Nesse sentido, é interessante que esses textos sejam escolhidos considerando seu campo
de atuação social (sobretudo o da vida cotidiana, presente em Língua Portuguesa nos
Anos Iniciais, que possui um vocabulário mais simples), o que torna possível reconhecer
as condições de produção e recepção dos textos. Por exemplo, pode-se propor a leitura
de uma entrada de blog em que um jovem relate sobre si e sua família.

Uma sugestão, nesse caso, é solicitar o registro das impressões dos estudantes sobre o
que eles acreditam se tratar o texto, considerando o título, o autor, suporte, entre outros.
Em seguida, pode-se pedir que os estudantes selecionem expressões que desconhecem e
tentem inferir seu significado com base no contexto e no gênero previamente analisado.

Para avaliação da aprendizagem, pode-se propor questões de compreensão que


precisem ser justificadas com elementos do texto. Além disso, é interessante propor
estratégias de compartilhamento dessa leitura em duplas ou em grupos.

Esta habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


propondo-se um projeto de leitura de diferentes textos do mesmo gênero.

Em Educação Física, caso o tema seja o relato de um jovem, pode-se propor um projeto para
analisar brincadeiras de países anglofalantes e compará-los com as brincadeiras locais.

Em Geografia, essa ideia de outros países e culturas pode ser ampliada com a leitura de
textos (em língua inglesa) de jovens de diferentes países.

A habilidade proposta de leitura é procedimental. Para relacioná-la com temas


contemporâneos, é preciso propor a leitura de textos cuja temática trate, por exemplo, de
reconhecer semelhanças e diferenças de crianças ao redor do mundo. O desenvolvimento
de habilidades em Língua Inglesa, em um mundo globalizado, relaciona-se diretamente
com o ODS 4.

209
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão geral e específica: leitura rápida (skimming, scanning).


» Construção de repertório lexical e autonomia leitora.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI09)
Localizar informações específicas em texto.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o gênero e sua função social.
» Reconhecer a ideia central do texto.
» Utilizar um dicionário bilíngue (impresso e/ou online) para construir repertório lexical.
» Localizar informação específica.

210
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, o estudante precisa já ser capaz de reconhecer a ideia
central de um texto. Além disso, ele deve reconhecer o gênero e sua função social.

Nesse sentido, um exemplo é o trabalho com o gênero biografia: o estudante, em um


primeiro momento, reconhece a função de uma biografia e o tema (a pessoa biografada).
Pode-se também trabalhar outros gêneros, como notícias, entradas de blog, entre outros.

Caso haja palavras desconhecidas, sugere-se trabalhar com o procedimento de consulta


de um dicionário bilíngue. Pode-se mostrar para o estudante como ele se organiza, quais
informações ele traz, entre outros.

Para que as atividades fiquem mais dinâmicas, pode-se propor a leitura em quebra cabeça
(jigsaw reading), em que cada membro de um grupo fica responsável por analisar uma parte
do texto. O estudante torna-se, assim, especialista de seu parágrafo. Nessa proposta,
é interessante propor meios de registro para que ele, além de identificar a informação,
anote a maneira como encontrou essa informação, ou seja, a estratégia usada.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se considerar um projeto de leitura de diferentes
textos do mesmo gênero escolhido.
» Em Ciências, pode-se optar pela leitura de textos cuja temática faça sentido no
projeto desenvolvido. Por exemplo, no caso da escolha de uma biografia, pode-se
ler a biografia de pessoas que revolucionaram a ciência.
» Em História, pode-se optar pela leitura de textos cuja temática faça sentido no
projeto desenvolvido. Por exemplo, no caso da escolha de uma biografia, pode-se
ler a biografia de personalidades históricas e que trabalharam em prol dos
Direitos Humanos.

Percebe-se também, na integração com os demais componentes, possibilidades de


desenvolver as Competências Gerais 3 e 9.

Durante as atividades em grupo, como as propostas acima, pode-se trabalhar o


desenvolvimento de procedimentos e atitudes que levem à resolução de conflitos ou
tomada de decisão. Nesse sentido, não é o conteúdo temático, mas a própria atividade
que desenvolve temas como respeito e empatia, relacionando-se à educação em Direitos
Humanos e ao ODS 16.

211
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Compreensão geral e específica: leitura rápida (skimming, scanning).


» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção dos textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI07)
Identificar a(s) informação(ões)-chave de partes de um texto em língua inglesa (parágrafos).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o gênero textual, suas características e estilo de linguagem.
» Reconhecer as condições de produção, circulação e recepção dos textos.
» Antecipar o sentido global de textos em língua inglesa por inferências, com base
em leitura rápida.
» Selecionar informação com base em palavras-chave, imagens, entre outros.

212
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade propõe a leitura “rápida” (skimming and scanning). Por este motivo, é
interessante selecionar gêneros que permitam que o estudante consiga identificar
informações gerais e específicas fazendo uso dessa estratégia em uma notícia (impressa
ou online) ou uma entrada de blog, por exemplo. Nesse caso, sugere-se propor atividades
de leitura na qual seja necessário que o estudante reconheça o gênero e identifique
palavras-chave que o ajudem a compreendê-lo. Na leitura de uma notícia online, por
exemplo, pode-se pedir que se identifique a ideia central a partir da leitura do título; a
identificação das informações gerais pode ter como base outras pistas, como imagens,
legendas etc.

Sugere-se, ainda, que sejam propostas atividades nas quais se solicite o registro das
informações no texto, bem como a justificativa, isto é, como o estudante conseguiu
chegar àquela resposta e qual palavra o ajudou. Essas justificativas podem ser
compartilhadas com o restante do grupo, favorecendo o desenvolvimento de habilidades
de leitura.

É possível, ainda, propor atividades de leitura compartilhada, tanto com gêneros


diferentes por grupo, quanto com perguntas diferentes sobre o mesmo texto por grupo.

A avaliação da aprendizagem pode ocorrer tanto por meio dos registros e tarefas feitos
pelo estudante, quanto por meio de observações da participação dele nas atividades.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências Humanas e Ciências


da Natureza, propondo projetos interdisciplinares, com leitura de textos que abordem
temáticas que possam ser abordadas nos diferentes componentes.

Assim, pode-se observar a relação da habilidade com a Competência Geral 2, pois as


estratégias de leitura rápida envolvem investigação e reflexão para “resolver problemas”,
no caso, reconhecer informações em um texto escrito em língua estrangeira.

Portanto, por meio das temáticas, pode-se propor temas que envolvam educação em
Direitos Humanos, educação para as reações étnico-raciais e temas contemporâneos.
Além disso, o desenvolvimento de habilidades de leitura em língua inglesa dialoga
também com o ODS 4.

213
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção do sentido global do texto.


» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção dos textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI08)
Relacionar as partes de um texto (parágrafos) para construir seu sentido global.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o gênero textual, suas características e estilo de linguagem.
» Reconhecer as condições de produção, circulação e recepção dos textos.
» Reconhecer tópico frasal dos parágrafos.
» Identificar a ideia central do texto.

214
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que as propostas de leitura sejam feitas a partir da escolha de gêneros textuais
do repertório do estudante, para que ele o reconheça, bem como suas características.
Dessa forma, o desafio é identificar as informações escritas em língua estrangeira,
reconhecendo o significado de expressões e efeitos de sentido de estruturas linguísticas.

Uma sugestão é fazer uso da metodologia de leitura em “quebra-cabeça” (jigsaw reading)


em pequenos grupos. Nessa proposta, todos os estudantes ficam responsáveis pela
leitura do texto, mas cada um deve ser o responsável por analisar um parágrafo. Assim,
pode-se propor ferramentas, como dicionários, livros e questões norteadoras, para
ajudar o estudante a identificar a ideia central daquele parágrafo destinado a ele (o tópico
frasal). Em seguida, é possível propor uma discussão coletiva que permita a cada um
compartilhar sua leitura. Ao final, a ideia central do texto será identificada por meio do
compartilhamento das análises individuais.

Outra proposta possível é pedir a leitura individual do texto e, então, o compartilhamento


das estratégias em grupo.

A avaliação pode ocorrer por meio de rubricas de autoavaliação na qual o estudante se


posiciona diante de seu processo de aprendizagem ou ainda por meio de registros escritos.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, com


propostas de análise de um mesmo gênero. O trabalho conjunto aumenta o repertório do
estudante e minimiza, em Língua Inglesa, possíveis dificuldades na compreensão do texto.

Em Ciências Humanas e Ciências da Natureza, é possível propor projetos interdisciplinares,


com a análise de textos que tratem de temáticas abordadas nos diferentes componentes.

Portanto, observa-se que a habilidade de leitura de um texto em língua inglesa dialoga


com a Competência Geral 2. Além disso, caso se proporcionem atividades colaborativas,
pode-se relacioná-la à Competência Geral 9, cujo objetivo é a empatia, a resolução de
conflitos e a cooperação.

A leitura de textos e as estratégias utilizadas podem trazer a questão dos temas


contemporâneos, os ODS e uma educação em Direitos Humanos.

215
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Objetivos de leitura.
» Estratégias e procedimentos de leitura.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI09)
Selecionar, em um texto, a informação desejada como objetivo de leitura.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar a ideia central do texto.
» Localizar informação específica.
» Reconhecer o significado de palavras-chave.
» Reconhecer estruturas linguísticas e seu efeito de sentido.
» Explorar o caráter polissêmico de palavras.

216
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se, para desenvolver a habilidade, que ela esteja atrelada a um gênero que
faça parte do repertório do estudante. É interessante que, nesse caso, ela dialogue
com outras habilidades de produção que apresentem gêneros como linha do tempo,
biografias, verbetes de enciclopédias, blogs, entre outros. Assim, pode-se propor que
sejam selecionadas informações para compor, por exemplo, uma linha do tempo a partir
da leitura de uma biografia. Por isso, inicialmente, sugere-se que sejam feitas atividades
de leitura para que se identifique a ideia central do texto. Além disso, pode-se também
propor o reconhecimento e a análise de estruturas gramaticais, como tempos verbais
(passado simples e contínuo) e pronomes, ou a análise das palavras e seu contexto de uso.

A seleção de informação, como proposto pela habilidade, pode ocorrer depois das etapas
acima explicitadas. Caso o objetivo de leitura seja construir uma linha do tempo a partir
da leitura de uma biografia, por exemplo, propõe-se que sejam solicitadas questões
prévias para nortear essa seleção.

A habilidade pode ser mensurada e avaliada por meio de questões de “verdadeiro ou


falso”, por exemplo, ou ainda por meio de registros de leitura do estudante.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Ciências Humanas, pode-se propor projetos que incluam a leitura de
uma biografia em inglês de uma personalidade histórica e solicitar a seleção
de uma informação.
» Em Ciências da Natureza, pode-se propor a leitura de verbetes e gêneros típicos
da área científica.

A habilidade, portanto, dialoga com a Competência Geral 2, por trazer a questão da


investigação e da análise crítica para resolver problemas; no caso, a leitura de um texto
em inglês. Além disso, esta habilidade de leitura permite ao estudante desenvolver sua
proficiência em língua inglesa, podendo propiciar o desenvolvimento de propostas que
permitam definir planejamento para o futuro do estudante (“Para onde vou?”).

Vê-se que o trabalho de leitura de textos em inglês permite tratar de diferentes temas,
além de possibilitar o desenvolvimento da proficiência do estudante, relacionando-se
assim ao ODS 4.

217
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção de sentidos por meio de inferências e reconhecimento de sentidos implícitos.


» Relação entre o contexto de produção e características composicionais e estilísticas
dos gêneros.
» Estratégias de leitura.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI05)
Inferir informações e relações que não aparecem de modo explícito no texto
para construção de sentidos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a ideia central do texto.
» Localizar informações explícitas.
» Analisar recursos linguísticos que apresentam elementos implícitos (metáfora, ironia).

218
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Embora a habilidade não contextualize um gênero textual, sugere-se que sejam escolhidos
textos que utilizem recursos linguísticos que exijam inferência por parte do leitor, como
poemas, charges, entre outros. Sugere-se que sejam feitas propostas de leitura para que
o estudante consiga identificar a ideia central e localizar informações explícitas. Nesse
sentido, podem ser usadas as diferentes estratégias de leitura já explicitadas.

No que tange à questão da inferência e do reconhecimento de informações implícitas,


sugere-se que esta habilidade seja feita com o auxílio do professor/tutor que pode
tanto apresentar perguntas para que o estudante chegue à informação quanto o
processo inverso, em que se dá qual é a informação implícita e pede-se que o estudante
a justifique com elementos do texto. Por exemplo: em uma charge, a primeira opção
é fazer perguntas sobre a imagem e o texto verbal e perguntar qual é a crítica feita a
partir desses elementos; já na segunda opção, pode-se dizer qual é a crítica (informação
implícita) e pedir que o estudante elenque os elementos que a indicam.

Outra possibilidade, é o desenvolvimento da habilidade pela leitura de poemas que fazem


uso de metáforas. Nesse caso, pode-se também pedir o reconhecimento e análise dos
elementos explícitos para inferir o significado de uma metáfora, por exemplo. A avaliação
da aprendizagem pode ser feita por meio da observação das considerações do estudante,
registros ou avaliações formais.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


propondo atividades de leitura de textos que exijam inferência a fim de potencializar
estratégias de leitura.

A Competência Geral 2, que promove a reflexão e a análise crítica, está relacionada com
esta habilidade. Ao inferir uma informação, o estudante está desenvolvendo a capacidade
de resolver problemas e testar hipóteses.

Observa-se que a habilidade do eixo de leitura pode ser desenvolvida por meio da leitura
de textos cujas temáticas apresentem as relações étnico-raciais e os Direitos Humanos.

219
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Reflexão pós-leitura.
» Relação entre textos.
» Apreciação e réplica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI08)
Analisar, criticamente, o conteúdo de textos, comparando diferentes perspectivas
apresentadas sobre um mesmo assunto.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o contexto de produção dos textos (autor, suporte, leitor presumido).
» Identificar a ideia central dos textos.
» Comparar as perspectivas, considerando escolhas lexicais, vozes verbais, entre outros.

220
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida em um projeto de leitura que considere
diferentes gêneros jornalísticos, escritos e multissemióticos. Assim, propõe-se que sejam
feitas estações de leitura, na qual cada grupo fique responsável por um texto diferente
(que trate do mesmo assunto) no qual se identifique, inicialmente, seu contexto de
produção (o suporte, o autor, o leitor presumido do veículo de comunicação, entre outros).

Outra sugestão é propor que os conteúdos gramaticais e linguísticos sejam articulados


ao texto de modo a ampliar a capacidade de leitura. Por exemplo: caso os grupos estejam
analisando reportagens e notícias sobre um determinado assunto, pode-se pedir para
eles compararem a diferença de sentido no uso da voz ativa e passiva ou ainda escolhas
de palavras que apresentem uma perspectiva diferente sobre o assunto.

Pode-se propor uma síntese coletiva sobre os textos e a construção de uma tabela
comparativa dos elementos dos textos. Como avaliação do processo, é possível propor
registros, tarefas e rubricas de autoavaliação que elenquem procedimentos de leitura.

É possível observar como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Portuguesa, pode-se trabalhar conjuntamente, trazendo textos que
apresentem o mesmo assunto.
» Em Ciências Humanas, pode-se propor a análise de textos que tragam diferentes
perspectivas na construção da história.

Vê-se que a habilidade dialoga com a Competência Geral 9, pois a compreensão de


diferentes pontos de vista mostra que é preciso ter empatia, acolhendo a diversidade. Além
disso, possibilita o desenvolvimento de projetos com a temática “Quem sou eu?” na medida
em que o estudante reconhece diferentes perspectivas e assume um posicionamento.

Ao mostrar que existem diferentes perspectivas para se relatar um mesmo assunto,


nota-se que a habilidade dialoga com uma educação em Direitos Humanos e o ODS 16,
na medida em que mostra que existem diferenças e que elas devem ser consideradas.

221
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Recursos de persuasão.
» Reconstrução das condições de produção, recepção e circulação de textos publicitários.
» Efeito de sentido.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI05)
Identificar recursos de persuasão (escolha e jogo de palavras, uso de cores e imagens,
tamanho de letras), utilizados nos textos publicitários e de propaganda, como elementos
de convencimento.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção, recepção e circulação de textos publicitários
(produtor, público-alvo, suporte, função social, objetivo do texto).
» Analisar os recursos de persuasão (escolha e jogo de palavras, uso de cores e imagens,
tamanho de letras).
» Relacionar as linguagens do anúncio (verbal e não verbal).

222
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade propõe a análise de recursos de persuasão em textos publicitários. Nesse


sentido, sugere-se que seja feita uma escolha de gêneros variados, considerando seu
caráter multissemiótico, como anúncios impressos e digitais, cartazes, panfletos (leaflet),
vídeos, entre outros. Assim, pode-se propor um projeto de leitura desses gêneros em
estações, nas quais cada grupo fique responsável pela análise de um gênero.

Outra possibilidade é propor que cada grupo analise seu texto a partir de perguntas
voltadas para suas condições de produção. Por exemplo, pode-se indagar quais foram
os recursos usados para se vender uma determinada coisa, considerando as linguagens
verbal e não verbal.

Sugere-se, ainda, que conteúdos linguísticos e gramaticais, pertinentes aos gêneros,


sejam trabalhados conjuntamente com a proposta de leitura, como verbos no imperativo,
expressões polissêmicas (com mais de um sentido) etc.

A aprendizagem pode ser avaliada por meio de registros, apresentações orais da leitura,
entre outras possibilidades.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


propondo a comparação de textos escritos nas duas línguas, de modo a reconhecer
diferentes estratégias de persuasão (pode-se, assim, desenvolver conjuntamente as
atividades da habilidade EF69LP04).

Em Arte, pode-se propor a análise de elementos das artes visuais utilizados em


textos publicitários.

Em Ciências da Natureza, pode-se propor a análise de campanhas de ONGs voltadas à


proteção do meio ambiente, reconhecendo argumentos e estratégias apresentados.

Nota-se, portanto, que a habilidade pode relacionar-se a projetos voltados para o


consumo consciente e desenvolvimento sustentável. Nesse sentido, pode dialogar com
os ODS 12,13,14 e 15.

223
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

LEITURA E
CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Recursos de argumentação.
» Reconstrução das condições de produção, recepção e circulação
de textos argumentativos.
» Estratégias de leitura.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI06)
Distinguir fatos de opiniões em textos argumentativos da esfera jornalística.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção, recepção e circulação do gênero (autor, leitor
presumido, suporte, função social do texto).
» Reconhecer a opinião do autor.
» Identificar argumentos principais e as evidências/exemplos que os sustentam.

224
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que a habilidade pressupõe uma análise de textos argumentativos da esfera


jornalística. Uma possibilidade, nesse caso, é trabalhar gêneros mais curtos, como os
comentários em fóruns de discussão e o tuíte.

A partir da escolha do texto, pode-se propor atividades em que o estudante, a partir


de uma situação-problema, registre em uma tabela, o que é fato e o que é opinião. Tal
atividade pode ser feita individualmente ou em duplas, fazendo uso das redes sociais
e ferramentas digitais. Sugere-se que, em seguida, haja o compartilhamento dessa
proposta com a análise linguística de expressões típicas da apresentação da opinião
(I Think, In my opinion) e de argumentos que apresentem dados, citações de autoridade,
fontes, entre outros.

Como forma de avaliação, sugere-se que sejam propostas apresentações sobre as


análises a fim de se observar se o estudante distingue fato de opinião. Pode-se usar
também autoavaliação e registros.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


propondo a análise de textos no idioma materno de modo a comparar, por exemplo,
estruturas linguísticas.

Em Ciências Humanas, pode-se propor a análise de comentários, como tuíte, para


analisar diferentes posicionamentos.

Assim, vê-se que a habilidade pode dialogar com a Competência Geral 5, uma vez que
a análise de comentários da internet permite compreender as redes de “forma crítica,
significativa, reflexiva e ética”.

Pode-se observar que a habilidade pode trazer propostas que permitem uma educação
em Direitos Humanos, formando cidadãos mais críticos e empáticos e relacionando-se,
assim, ao ODS 16.

225
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Textualização.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP07)
Produzir textos em diferentes gêneros, considerando sua adequação ao contexto
produção e circulação – os enunciadores envolvidos, os objetivos, o gênero, o suporte,
a circulação -, ao modo (escrito ou oral; imagem estática ou em movimento etc.), à
variedade linguística e/ou semiótica apropriada a esse contexto, à construção da
textualidade relacionada às propriedades textuais e do gênero), utilizando estratégias de
planejamento, elaboração, revisão, edição, reescrita/redesign e avaliação de textos, para,
com a ajuda do professor e a colaboração dos colegas, corrigir e aprimorar as produções
realizadas, fazendo cortes, acréscimos, reformulações, correções de concordância,
ortografia, pontuação em textos e editando imagens, arquivos sonoros, fazendo cortes,
acréscimos, ajustes, acrescentando/alterando efeitos, ordenamentos etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o gênero adequado à demanda de comunicação.
» Planejar e produzir o texto.
» Utilizar a regras da norma-padrão de acordo com o contexto (ortografia, regência
e concordância verbal e nominal, pontuação, entre outros).
» Revisar o texto, considerando os aspectos notacionais e discursivos.
» Reescrever o texto, considerando a escrita colaborativa.

226
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

» Editar e publicar o texto no suporte mais adequado à demanda de comunicação.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida por meio de um projeto e implique
também o envolvimento com operações de contextualização, planejamento, elaboração
do texto (textualização), revisão processual e edição final. Para isso, é possível utilizar
estratégias como: planejar o texto coletivamente, em duplas, em pequenos grupos e/ou
individualmente por meio de esquemas, quadros e diagramas. Propõe-se, ainda, que a
partir do planejamento do texto sejam levantados os critérios a serem considerados na
produção, incluindo os discursivos (referentes ao gênero) e os notacionais (de uso da
língua, como ortografia e repetição de palavras).

Recomenda-se ressaltar, no caso de textos que utilizem as diferentes linguagens, a


importância do uso das ferramentas de edição de texto (Word, Power Point, e-mail,
ferramentas do Google drive etc.), foto, áudio e vídeo (Audacity, Moviemaker, VSDC free
video editor, Paint etc.), entre outros recursos. Redigidos os textos, pode-se optar pela
revisão em pares, para observar se os critérios foram cumpridos. Nessa etapa, é possível
estimular o estudante a fazer uma leitura crítica do texto do colega, sensibilizando-o a
pontuar suas observações de modo ético, colaborativo e respeitoso. Feitas as revisões e
reescritas, pode-se editar o texto e publicá-lo no suporte adequado. A avaliação pode ser
feita por meio de rubricas de observação das etapas de produção e do próprio texto.

É possível planejar um projeto de escrita envolvendo as diferentes áreas do conhecimento,


uma vez que o ato de escrever não se restringe ao componente de Língua Portuguesa.
» Em Educação Física, propõe-se a elaboração de relatos de experiências pessoais
e/ou coletivas, envolvendo os temas da área.
» Em Ciências, por exemplo, é possível elaborar, relatos sobre experimentos científicos.
» Na área de Ciências Humanas, pode-se solicitar resumos e textos analíticos e
interpretativos sobre os processos históricos, sociológicos e geográficos.
» Em Língua Inglesa, as habilidades de produção textual escrita que envolvem
planejamento, produção e textualização podem contribuir para o desenvolvimento
de procedimentos e estratégias necessários à produção de textos em geral.

A habilidade relaciona-se com a Competência Geral 4. Além disso, a produção textual


intencional e orientada pode engajar os estudantes e ter impacto em seus Projetos de Vida.

As atividades propostas, bem como a sugestão de produção colaborativa, desenvolvem


temas e estratégias para educação em Direitos Humanos e educação para as relações
étnico-raciais.

227
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Revisão/edição de texto informativo e opinativo.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP08)
Revisar/editar o texto produzido – notícia, reportagem, resenha, artigo de opinião,
dentre outros –, tendo em vista sua adequação ao contexto de produção, a mídia em
questão, características do gênero, aspectos relativos à textualidade, a relação entre
as diferentes semioses, a formatação e uso adequado das ferramentas de edição
(de texto, foto, áudio e vídeo, dependendo do caso) e adequação à norma culta.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar o texto, levando em consideração as características do gênero.
» Produzir textos em diferentes gêneros, considerando sua adequação às condições
de produção, circulação e recepção dos textos.
» Revisar o texto produzido.
» Utilizar regras da norma-padrão de acordo com o contexto (ortografia, regência e
concordância verbal e nominal, pontuação, entre outros).
» Reescrever e editar o texto produzido.

228
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida de modo articulado a uma sequência de
produção de texto.

Recomenda-se, ainda, o desenvolvimento de um trabalho articulado com profissionais


responsáveis pelas salas de informática, com conhecimento de aplicativos e ferramentas
de edição. Nesse caso, também é possível selecionar estudantes que tenham
familiaridade com esse tipo de ferramenta para auxiliar os demais colegas, de modo a
criar uma rede colaborativa de aprendizagem.

É pertinente ressaltar que esta habilidade pode contribuir para o desenvolvimento da


Competência da área de Linguagens 6, pois, pressupõe-se a exploração de recursos
virtuais para revisão e edição de textos.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Arte, é possível trabalhar com a ressignificação de fotografias de notícias e
reportagens etc. Para isso, pode-se utilizar ferramentas de edição que alterem a
camada, o efeito e a luz das imagens.
» Em Língua Inglesa, o trabalho com os procedimentos de revisão e edição de textos
pode ser feito de modo articulado.

A habilidade relaciona-se com a Competência Geral 4.

As atividades propostas, bem como a sugestão de produção colaborativa, desenvolvem


temas e estratégias para educação em Direitos Humanos e educação para as relações
étnico-raciais.

229
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento de textos argumentativos e apreciativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP11)
Planejar resenhas, vlogs, vídeos e podcasts variados, e textos e vídeos de apresentação
e apreciação próprios das culturas juvenis (algumas possibilidades: fanzines, fanclipes,
e-zines, gameplay, detonado etc.), dentre outros, tendo em vista as condições de
produção do texto – objetivo, leitores/espectadores, veículos e mídia de circulação
etc. –, a partir da escolha de uma produção ou evento cultural para analisar – livro,
filme, série, game, canção, videoclipe, fanclipe, show, saraus, slams etc. – da busca de
informação sobre a produção ou evento escolhido, da síntese de informações sobre a
obra/evento e do elenco/seleção de aspectos, elementos ou recursos que possam ser
destacados positiva ou negativamente ou da roteirização do passo a passo do game
para posterior gravação dos vídeos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Posicionar-se criticamente em relação a textos pertencentes a gêneros como
quarta-capa, programa (de teatro, dança, e exposição etc.), sinopse, resenha crítica,
comentário em blog/vlog cultural etc.
» Diferenciar as sequências descritivas e avaliativas e reconhecer os gêneros que
apoiam a escolha de um livro ou produção cultural e consultá-lo no momento de
fazer escolhas.
» Identificar o gênero adequado à demanda de comunicação.

230
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

» Reconhecer as condições de produção que envolvem a circulação de textos.


» Planejar o texto, considerando a produção de roteiros e sínteses de informações.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que a habilidade seja desenvolvida por meio de situações didáticas que
contemplem todas as etapas de planejamento da produção textual: curadoria, seleção,
elaboração de roteiros, esquemas e/ou diagramas do texto a ser produzido.

Propõe-se também, como uma das etapas do planejamento, discutir o tratamento ético
em relação à informação e o posicionamento crítico em relação a essas práticas da
cultura juvenil.

Recomenda-se também escolher coletivamente a produção cultural a ser analisada (livro,


filme, série, game, canção, videoclipe, fanclipe, show, saraus, slams etc.). É oportuno que
a produção seja feita em grupos. Desse modo, as equipes podem selecionar diferentes
produções culturais.

Pode-se observar como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Arte, é possível um projeto interdisciplinar que envolva todas as etapas de
produção do texto. No caso do planejamento, pode-se contar com a participação
do educador de Arte na discussão/seleção do gênero e da produção cultural
a ser analisada.
» A área de Ciências Humanas pode contribuir com a ampliação de repertório,
na etapa de curadoria de informações.

A habilidade articula-se à Competência Geral 5, pois, indica a utilização de tecnologias


digitais de informação e comunicação de forma crítica e ética, além de pressupor o
protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva. Também se relaciona à Competência
Geral 7, uma vez que pressupõe a argumentação como possibilidade de defesa de ideias.

Essa atividade pode contribuir com a formação cidadã dos estudantes ao convidá-los a
refletirem sobre ética, impactando seus Projetos de Vida e relacionando-se com o ODS 16.

231
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Textualização de textos argumentativos e apreciativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP12)
Produzir resenhas críticas, vlogs, vídeos, podcasts variados e produções e gêneros
próprios das culturas juvenis (algumas possibilidades: fanzines, fanclipes, e-zines,
gameplay, detonado etc.), que apresentem/descrevam e/ou avaliem produções culturais
(livro, filme, série, game, canção, disco, videoclipe etc.) ou evento (show, sarau, slam etc.),
tendo em vista o contexto de produção dado, as características do gênero, os recursos
das mídias envolvidas e a textualização adequada dos textos e/ou produções.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Participar de práticas de compartilhamento de leitura/recepção de obras
literárias/manifestações artísticas.
» Planejar o texto, considerando a produção de roteiros e sínteses de informações.
» Produzir o texto, considerando a demanda de comunicação.
» Editar e publicar o texto no suporte mais adequado à demanda de comunicação.

232
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe que esta habilidade, assim como EF69LP06, seja desenvolvida por meio de projetos
que propiciem ao estudante vivenciar diferentes papéis sociais, como produtor de textos de
variados gêneros do campo jornalístico/midiático, bem como analisar e considerar o contexto
de produção e circulação adequado aos gêneros citados na habilidade.

Orienta-se, também, considerar que o desenvolvimento desta habilidade envolve os


mesmos procedimentos de produção de textos citados em outras habilidades: definir
contexto de produção, planejar, produzir e revisar. Contudo, vale ressaltar que os
gêneros argumentativos do campo jornalístico-midiático exigem posicionamento crítico
e formulação de argumentos.

Recomenda-se como projeto de trabalho a elaboração de uma resenha crítica de alguma


obra literária estudada nas oficinas de leitura e escrita ou um vlog para tecer comentários
apreciativos sobre filmes e/ou obras de arte analisadas nas aulas de Arte.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Arte, propondo um


projeto interdisciplinar que envolva todas as etapas de produção do texto. No caso do
planejamento, pode-se contar com a participação do educador de Arte na discussão/
seleção do gênero e da produção cultural a ser analisada.

A Competência Geral 5 articula-se com a habilidade, pois indica a utilização de


tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica e ética, além de
pressupor o protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva. Também se relaciona à
Competência Geral 7, uma vez que pressupõe a argumentação como possibilidade de
defesa de ideias.

Os temas e as propostas de produção podem diretamente tratar dos ODS, das


questões contemporâneas, da educação para as relações étnico-raciais e da educação
em Direitos Humanos.

233
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Planejamento e produção de textos jornalísticos orais.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP12)
Desenvolver estratégias de planejamento, elaboração, revisão, edição, reescrita/redesign
(esses três últimos quando não for situação ao vivo) e avaliação de textos orais, áudio
e/ou vídeo, considerando sua adequação aos contextos em que foram produzidos, à
forma composicional e estilo de gêneros, a clareza, progressão temática e variedade
linguística empregada, os elementos relacionados à fala, tais como modulação de voz,
entonação, ritmo, altura e intensidade, respiração etc., os elementos cinésicos, tais
como postura corporal, movimentos e gestualidade significativa, expressão facial,
contato de olho com plateia etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar o texto, levando em consideração as características do gênero, o contexto de
produção e o suporte.
» Analisar e avaliar, em textos orais, áudio e/ou vídeo, os elementos relacionados à fala
(modulação de voz, entonação, ritmo, altura e intensidade, respiração etc.).
» Analisar e avaliar, em textos orais, áudio e/ou vídeo, os elementos cinésicos (postura
corporal, movimentos e gestualidade significativa, expressão facial, contato de olho
com plateia etc.).

234
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se, com esta habilidade, o trabalho em todas as propostas de produção de


textos orais, considerando os gêneros que podem ser gravados e assistidos/ouvidos
posteriormente. Para o desenvolvimento desta habilidade sugere-se a produção de um
podcast noticioso. Antes de criar efetivamente o texto, recomenda-se um passo a passo
anterior: a discussão para levantamento de hipóteses sobre as características de um
podcast e performance oral e escuta de podcasts com temáticas variadas. Sugere-se
como etapas de produção:
» definição do assunto;
» listagem dos critérios de avaliação de performance oral;
» elaboração de roteiro; e
» utilização de câmeras de captação de áudio e de aplicativos de edição.

Propõe-se, ainda, as apresentações dos podcasts. Durante as apresentações,


recomenda-se que os estudantes avaliem as produções, com base nos critérios
estabelecidos na etapa de produção.

É interessante, entregar-lhes uma ficha para que eles possam registrar suas avaliações.
Indica-se como possibilidade de avaliação o acompanhamento das apresentações do
podcast com base nos critérios de performance oral. É possível também solicitar uma
autoavaliação para que os estudantes reflitam sobre a aprendizagem.

Nos componentes da área e de outras áreas, é possível utilizar as estratégias de


planejamento, elaboração, revisão, edição e reescrita/redesign textos orais, áudio e/ou
vídeo para potencializar os trabalhos desenvolvidos em cada disciplina.

A habilidade relaciona-se com a Competência Geral 4. Salienta-se também que essa


atividade pode promover o desenvolvimento da Competência Geral 5, pois espera-se
que o estudante, ao apreciar os trabalhos dos colegas, exercite a empatia, o diálogo e
a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos Direitos
Humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais.

As atividades propostas bem como a seleção de temas dos podcast noticiosos, por
exemplo, podem abordar temas relacionados aos ODS, questões contemporâneas,
educação para as relações étnico-raciais e educação em Direitos Humanos.

235
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Consideração das condições de produção de textos de divulgação científica.


» Estratégias de escrita.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP35)
Planejar textos de divulgação científica, a partir da elaboração de esquema que
considere as pesquisas feitas anteriormente, de notas e sínteses de leituras ou de
registros de experimentos ou de estudo de campo, produzir, revisar e editar textos
voltados para a divulgação do conhecimento e de dados e resultados de pesquisas,
tais como artigo de divulgação científica, artigo de opinião, reportagem científica,
verbete de enciclopédia, verbete de enciclopédia digital colaborativa , infográfico,
relatório, relato de experimento científico, relato (multimidiático) de campo, tendo
em vista seus contextos de produção, que podem envolver a disponibilização de
informações e conhecimentos em circulação em um formato mais acessível para
um público específico ou a divulgação de conhecimentos advindos de pesquisas
bibliográficas, experimentos científicos e estudos de campo realizados.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a forma composicional dos textos de divulgação científica (artigo de
divulgação científica, artigo de opinião, reportagem científica, verbete de enciclopédia,
verbete de enciclopédia digital colaborativa, infográfico, relatório, relato de
experimento científico, relato multimidiático).

236
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

» Reconhecer as especificidades dos gêneros e os contextos de produção e circulação.


» Planejar textos de divulgação científica, a partir da elaboração de esquemas, pesquisas,
notas, sínteses de leituras, registros de experimento etc.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade se relaciona à produção de textos de divulgação científica. Pressupõe-


se a elaboração de textos como um processo que envolve etapas diferentes: definir
contexto de produção, planejar, produzir e revisar. A produção de esquemas, enquetes,
notas, sínteses e/ou registros etc., a partir da curadoria de informações como principal
foco também são possibilidades.

Propõe-se para o desenvolvimento desta habilidade o planejamento de um artigo de


divulgação científica, considerando as etapas a seguir:
» Leitura e comparação de diferentes artigos de divulgação científica para ampliar
o repertório dos estudantes sobre o gênero, mobilizando-os a compreender as
especificidades da linguagem (didática, informativa e impessoal).
» Construção de um conjunto de informações organizadas a partir de imagens,
fotos, gráficos e infográficos, com a finalidade de legitimar as informações dos
textos para garantir a veracidade dos dados.
» Discussão das etapas que envolvem um planejamento (levantamento de dados
sobre o que se falará, seleção das informações e conceitos relevantes para o artigo
e a organização dos elementos para melhor compreensão por parte da audiência).
» Escolha do tema para elaboração do artigo. Recomenda-se, aqui, um projeto
integrado, especialmente com a área de Ciências na Natureza. Para o
levantamento de dados, sugere-se a utilização de diferentes ferramentas de
curadoria de informações.

Como possibilidade de avaliação, recomenda-se a verificação dos esquemas elaborados


pelos estudantes.

Como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Ciências da Natureza, especialmente, há a possibilidade de elaboração de um
projeto interdisciplinar, a fim de que os estudantes possam elaborar o artigo de
divulgação científica, considerando um experimento realizado nas aulas de Ciências.
» A área de Matemática, por sua vez, pode contribuir para capacitação do estudante
em relação ao entendimento de gráficos, infográficos etc.

A habilidade articula-se à Competência Geral 7, no que se refere à argumentação.

É possível, para elaboração do artigo de divulgação científica, selecionar temas


relacionados aos ODS.

237
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de escrita: textualização, revisão e edição.

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF69LP36)
Produzir, revisar e editar textos voltados para a divulgação do conhecimento e
de dados e resultados de pesquisas, tais como artigos de divulgação científica,
verbete de enciclopédia, infográfico, infográfico animado, podcast ou vlog científico,
relato de experimento, relatório, relatório multimidiático de campo, dentre outros,
considerando o contexto de produção e as regularidades dos gêneros em termos
de suas construções composicionais e estilos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar textos de divulgação científica, a partir da elaboração de esquema que
considere as pesquisas feitas anteriormente, de notas e sínteses de leituras ou de
registros de experimentos ou de estudo de campo.
» Produzir, revisar e editar textos voltados para a divulgação do conhecimento e de
dados e resultados de pesquisas.

238
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se a utilização das etapas de produção (textualização/revisão/reescrita e edição).


Desse modo, é necessário considerar os esquemas, sínteses, registros de leituras etc.
produzidos na etapa de planejamento para que, então, os estudantes possam iniciar a
textualização do artigo de divulgação científica e/ou outro gênero selecionado.

Recomenda-se também definir com os estudantes o local de circulação do texto (site


da escola, murais físicos e digitais, feira de ciências etc.). Na etapa de textualização,
recomenda-se organizar os estudantes em grupos para que eles possam escrever de
modo colaborativo. Após a escrita dos artigos, é possível, ainda, compartilhá-los em
ferramentas como Google Documentos, a fim de que os colegas e os educadores possam
fazer uma leitura crítica do texto. Sugere-se, também, inserir textos multissemióticos
como infográficos, infográfico animados e gráficos, para compor a estrutura do artigo.

Como alternativa de sequência de atividade para trabalhar com os textos


multissemióticos de divulgação científica, pode-se propor também a elaboração dos
gêneros da esfera digital, como vlogs, podcasts científicos e infográficos animados etc.
Desse modo, estabelecem-se relações com a habilidade EF69LP37.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, pode-se desenvolver propostas articuladas nos dois idiomas.
» Na área de Ciências, é possível uma parceria antes, durante e após a produção
do texto de divulgação científica. Nesse sentido, caso a escolha do tema do artigo
dialogue com os assuntos tratados na área, o educador pode contribuir como um
leitor especializado e, portanto, fará leituras críticas e colaborativas. Além disso, é
possível promover a circulação desses textos em eventos, como feiras de Ciências.
» Na área de Matemática, por sua vez, os estudantes podem apreciar e replicar um
infográfico animado.

A habilidade articula-se à Competência Geral 7, no que se refere à argumentação com


base com base em fatos, dados e informações.

É possível, para elaboração do artigo de divulgação científica, selecionar temas


relacionados aos ODS.

239
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP37)
Produzir roteiros para elaboração de vídeos de diferentes tipos (vlog científico,
vídeo-minuto, programa de rádio, podcasts) para divulgação de conhecimentos
científicos e resultados de pesquisa, tendo em vista seu contexto de produção,
os elementos e a construção composicional dos roteiros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as especificidades dos gêneros (vlog científico, vídeo-minuto, programa
de rádio, podcasts).
» Reconhecer o contexto de produção, os elementos e a construção composicional
dos roteiros.
» Elaborar roteiros para elaboração de vídeos, atendendo ao contexto de produção,
aos elementos e à construção composicional dos roteiros.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Recomenda-se a elaboração de projetos integrados com outros componentes


curriculares, partindo da escolha do tema, da discussão de situação-problema, do

240
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

contexto e da finalidade da produção. Nesse sentido, é possível levar o estudante a


formular roteiros para elaboração de um podcast científico para a Feira de Ciências da
escola, por exemplo.

Sugere-se também a organização dos estudantes em grupos de trabalho para o


desenvolvimento de roteiros colaborativos em que cada grupo poderá responsável por
um roteiro completo e, depois, todos os roteiros farão parte de um único podcast. Assim,
o estudante tem a oportunidade de desenvolver a autonomia e mobilizar competências
para acessar, selecionar e construir pontos de vista por meio de soluções criativas e
escolhas coerentes, considerando o respeito ao outro.

Recomenda-se, ainda, promover situações de curadoria de informações. Desse modo,


é necessário disponibilizar aos grupos materiais diversos sobre divulgação científica,
como áudios de podcasts, matérias de jornais e revistas de divulgação científica, sites e
vídeos de programas sobre ciências e material científico escolhido e pesquisado pelos
estudantes. Antes de elaborar os roteiros, os grupos podem definir a seleção de assuntos
e entrevistas que serão abordados no podcast, a sequência e o encadeamento das
apresentações, possíveis efeitos sonoros e músicas que farão parte da gravação.

É possível disponibilizar modelos de roteiro para que os estudantes possam criar a partir
de algumas referências. Como estratégia para garantir a troca de ideias e experiências,
é desejável que um representante de cada grupo apresente os seus roteiros ao restante
da sala para que os colegas possam fazer comentários e observações.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa,


trazendo textos de leitura ou propondo uma produção nas duas línguas.

Em Ciências da Natureza, pode-se propor que a seleção de temas para pesquisa e


divulgação dos resultados seja feita juntamente com os componentes curriculares
da área de Linguagens. Dessa maneira, o conteúdo do texto (e não apenas sua forma)
poderá ser mais bem desenvolvido.

Também articula-se às Competências de Língua Portuguesa 9 e 10, uma vez que


possibilita o desenvolvimento da autonomia, flexibilidade e alteridade, e com a
Competência Geral 4.

É possível, para a elaboração dos roteiros do podcast, selecionar temas relacionados aos
ODS. Assim, é possível sensibilizar o estudante a refletir sobre “Onde estou” e também
incentivá-lo a tomar decisões sobre determinados assuntos envolvendo a comunidade
em que vivem (“Qual é o meu lugar no mundo”).

241
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de escrita: textualização, revisão e edição.


» Gêneros de divulgação (artigo de divulgação científica; verbetes de enciclopédia;
podcast científico).
» Recursos de coesão.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP21)
Divulgar resultados de pesquisas por meio de apresentações orais, painéis, artigos
de divulgação científica, verbetes de enciclopédia, podcasts científicos etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e selecionar o gênero de divulgação adequado ao contexto.
» Reconhecer as características do gênero.
» Planejar o texto com a utilização de esquemas, tabelas e mapas mentais.
» Utilizar, ao produzir texto, recursos de coesão referencial e outros recursos
expressivos adequados ao gênero textual.
» Revisar o texto a partir de critérios preestabelecidos.
» Reescrever e editar o texto.

242
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver atividades de produção de divulgação de pesquisas, sugere-se que esta


habilidade seja desenvolvida de maneira interdisciplinar, de modo que o texto faça parte
de um projeto ou sequência didática que envolva pesquisa de temas relevantes.

A partir da coleta de dados da pesquisa, há a possibilidade de propiciar que o estudante


tenha acesso à leitura de diferentes gêneros de divulgação, como painéis, artigos de
divulgação científica, verbetes de enciclopédia, podcasts científicos, entre outros. Isso
pode ser feito por meio de estações de aprendizagem, com diferentes gêneros, rodas
de leitura, entre outros. Nesse sentido, a habilidade pode-se articular aos objetivos da
aprendizagem da habilidade EF69LP29.

As estratégias de planejamento de texto podem ser incorporadas no desenvolvimento


desta habilidade, a fim de garantir mais qualidade ao texto. Pode-se fazer uso, nesse caso,
de ferramentas de apoio, como esquemas, tabelas e mapas mentais.

Ao produzir o texto, é possível considerar as habilidades de análise linguística e


semiótica, por exemplo, a habilidade EF67LP36, que trata da coesão textual. Nesse caso,
sugere-se que ela seja parte de um processo de revisão textual de modo que o estudante
desenvolva meios de produzir um texto coeso. A revisão pode ser feita de modo coletivo
(em pares ou em grupos) a fim de propiciar um ambiente colaborativo.

A avaliação da aprendizagem poderá ser feita de maneira processual, não apenas por
meio do texto (produto final), mas também pelo planejamento e rubricas de observação
do estudante durante o processo.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa, trazendo


textos de leitura ou propondo uma produção nas duas línguas. Em Ciências da Natureza,
pode-se propor que a seleção de temas para pesquisa e a divulgação dos resultados seja
feita juntamente com os componentes curriculares da área de Linguagens. Dessa forma,
o conteúdo do texto (e não apenas sua forma) poderá ser mais bem desenvolvido.

Os temas propostos pela área de Ciências, na divulgação de pesquisas, podem contribuir


para os ODS 13, 14 e 15, uma vez que a divulgação pode ser de pesquisas que tratem do
desenvolvimento sustentável.

243
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de escrita: textualização, revisão e edição.


» Elementos coesivos.
» Mecanismos de paráfrase.

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF67LP22)
Produzir resumos, a partir das notas e/ou esquemas feitos, com o uso adequado
de paráfrases e citações.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar as ideias principais de um texto, organizando-as em notas ou esquema.
» Planejar o texto.
» Produzir o texto, parafraseando informações e utilizando mecanismos linguísticos
da citação.
» Reconhecer e utilizar os critérios de organização tópica.
» Utilizar mecanismos de paráfrase.

244
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que a escrita ocorra de modo processual. No caso desta habilidade, que propõe
a escrita de um resumo, é interessante que essa produção esteja vinculada à leitura do
tema, visto que o resumo é um gênero que dialoga com outro. Nesse sentido, resumir é
transformar um texto em outro, trazendo evidências da leitura do estudante.

Por essa razão, propõe-se que os textos-base do resumo façam parte de um projeto ou
sequência interdisciplinar, a fim de propiciar o desenvolvimento de habilidades de leitura,
o que pode ser feito por meio de estações de leitura, fazendo uso da sala de aula invertida
cujo objetivo é selecionar as ideias principais.

Para planejar o texto, pode-se fazer uso de mapas mentais ou esquemas, que podem ser
construídos coletivamente e com o auxílio de aplicativos e sites que organizam esses modelos.

Ao se propor a textualização e revisão, sugere-se a articulação com a habilidade EF67LP25,


que trata tanto dos mecanismos coesivos e marcas linguísticas das paráfrases quanto de
marcadores de citação direta, elementos fundamentais na construção do resumo.

Como forma de avaliar o processo, sugere-se que sejam coletadas evidências tanto do
planejamento quanto do texto revisado, a fim de observar a construção da proposta.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências da Natureza, de modo


que seja um texto informativo ou um artigo científico que será analisado e transformado
em resumo.

Em Ciências Humanas, pode-se fazer a integração por meio da leitura de textos


argumentativos, para desenvolver a habilidade de selecionar argumentos e,
consequentemente, produzir textos consistentes.

A leitura de textos que tratem de temas transversais e contemporâneos pode propiciar


maior repertório para os estudantes. Além disso, no procedimento de escrita dos resumos
(do campo estudo e pesquisa) previstos pela habilidade, desenvolvem-se simultaneamente
as capacidades de leitura proficiente e síntese. Nesse sentido, promovem-se “habilidades
relevantes, inclusive competências técnicas e profissionais, para emprego, trabalho
decente e empreendedorismo”, relacionando-se ao ODS 4.

245
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de escrita: textualização, revisão e edição.


» Condições de produção e recepção.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP25)
Divulgar o resultado de pesquisas por meio de apresentações orais, verbetes de
enciclopédias colaborativas, reportagens de divulgação científica, vlogs científicos,
vídeos de diferentes tipos etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e selecionar o gênero de divulgação adequado ao contexto.
» Reconhecer as características do gênero.
» Planejar o texto com a utilização de esquemas, tabelas e mapas mentais.
» Revisar o texto a partir de critérios preestabelecidos.
» Reescrever e editar o texto.

246
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade tem como pressuposta a realização de pesquisas, fazendo uso de


fontes confiáveis.

As estratégias adotadas para a divulgação de pesquisa podem ser compartilhadas, na


medida em que propõem o reconhecimento do gênero mais adequado ao contexto para
divulgar uma pesquisa. Além disso, esta habilidade mostra que os gêneros apresentados
são essencialmente multissemióticos, isto é, que combinam diferentes linguagens. Por
exemplo, uma reportagem faz uso da linguagem verbal e de imagens e infográficos. Já os
vlogs e os vídeos, incorporam elementos como som e movimento e também fazem uso
de ferramentas digitais.

No caso de textos multissemióticos, pode-se desenvolver estratégias de planejamento


que considerem todos os elementos envolvidos na produção textual. Por exemplo: no
caso de fazer o planejamento de roteiro para a produção de vídeo, será necessário
considerar informações como enquadramento, tipo de imagem, som e outras semioses
envolvidas em sua produção.

A avaliação da aprendizagem poderá ser feita de maneira processual, não apenas


por meio do produto final, mas também pelo planejamento e rubricas de observação
do estudante durante o processo. A autoavaliação pode se tornar uma importante
ferramenta nesse processo, porque auxilia o estudante a reconhecer sua aprendizagem.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa, trazendo


textos de leitura ou propondo uma produção nas duas línguas. Em Ciências da Natureza,
pode-se propor que a seleção do tema da pesquisa e a divulgação dos resultados seja
feita juntamente com os componentes curriculares da área de Linguagens.

Relaciona à Competência Geral 4, no que tange à questão da utilização das linguagens e,


se se considerar o uso das ferramentas digitais na produção de textos multissemióticos,
estabelece-se uma relação com a Competência Geral 5.

A proposta de pesquisa e divulgação de resultados por meio de recursos


multissemióticos e digitais pode propiciar, de maneira procedimental, a relação entre
Ciência e Tecnologia, dos temas contemporâneos transversais. Além disso, pode-se
relacionar a habilidade aos ODS 12, 13, 14 e 15, que tratam dessa questão ambiental
de maneira mais enfática.

247
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de escrita: textualização, revisão e edição.


» Mecanismos de progressão temática.
» Mecanismos de reformulação e paráfrase.
» Modalização epistêmica.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP26)
Produzir resenhas, a partir das notas e/ou esquemas feitos, com o manejo
adequado das vozes envolvidas (do resenhador, do autor da obra e, se for o caso,
também dos autores citados na obra resenhada), por meio do uso de paráfrases,
marcas do discurso reportado e citações.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar as ideias principais de um texto, organizando-as em notas ou esquema.
» Planejar o texto, reconhecendo os argumentos a serem utilizados.
» Produzir o texto, reconhecendo as diferentes vozes (do resenhador e do autor
da obra), fazendo uso da tipologia expositiva e argumentativa.
» Utilizar mecanismos de coesão, paráfrase e modalização epistêmica.
» Revisar e editar o texto.

248
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Por se tratar de uma produção textual escrita, recomenda-se a observação das etapas
de planejamento, produção, revisão e edição.

Na textualização e revisão da resenha, sugere-se articular a questão da progressão


temática, mecanismos de reformulação e paráfrase e a modalização epistêmica. A
questão da modalização epistêmica atua na questão da argumentação do texto.

A avaliação do processo pode ser feita de modo a observar se o texto atende aos
aspectos discursivos e notacionais, ao mesmo tempo em que se observa a qualidade dos
argumentos usados pelo resenhador, trazendo, assim, evidências de leitura.

Em Linguagens, Arte e Inglês podem contribuir para o desenvolvimento da habilidade


trazendo textos de diferentes linguagens para serem lidos e analisados em uma resenha.

A habilidade relaciona-se à Competência Geral 4, pois o estudante partilha informações


e ideias utilizando a linguagem verbal.

O desenvolvimento de um texto argumentativo a partir da leitura de um outro texto


faz com que o estudante deva se posicionar de maneira ética e respeitosa a partir
de atividades que desenvolvem uma educação em Direitos Humanos. Além disso, as
atividades propostas ajudam a desenvolver habilidades para “promover sociedades
pacíficas e inclusivas”, como previsto no ODS 16.

249
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento e produção de apresentações orais.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP38)
Organizar os dados e informações pesquisados em painéis ou slides de apresentação,
levando em conta o contexto de produção, o tempo disponível, as características
do gênero apresentação oral, a multissemiose, as mídias e tecnologias que serão
utilizadas, ensaiar a apresentação, considerando também elementos paralinguísticos e
cinésicos e proceder à exposição oral de resultados de estudos e pesquisas, no tempo
determinado, a partir do planejamento e da definição de diferentes formas de uso da
fala – memorizada, com apoio da leitura ou fala espontânea.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer o contexto de produção, o tempo disponível, as características do gênero
de apresentação oral, a multissemiose, as mídias e as tecnologias que serão utilizadas.
» Pesquisar e organizar dados e informações em painéis ou slides de apresentação.
» Ensaiar a apresentação, considerando também elementos paralinguísticos e cinésicos.
» Apresentar informações e conteúdos, considerando os resultados de estudos e
pesquisas, no tempo determinado, a partir do planejamento e da definição de diferentes
formas de uso da fala (memorizada, com apoio da leitura ou fala espontânea).

250
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade prevê especificamente a elaboração de apresentações, em painéis ou slides.


Nesse sentido, pretende-se capacitar o estudante a utilizar esses recursos como um apoio
durante as apresentações, ajudando-o no encadeamento das ideias a serem apresentadas.

Recomenda-se, então, o planejamento de uma proposta interdisciplinar para que


o estudante possa utilizar dados e informações de aulas de outros componente
curriculares para elaborar a apresentação. Por exemplo, pode-se usar como mote alguma
situação-problema relacionada às diferentes manifestações de danças, suas concepções
e contexto social. Desse modo, é possível estabelecer relações com Educação Física e
também com Arte.

Recomenda-se após a discussão do tema e da proposta:


» Ampliar o conhecimento do estudante sobre o gênero. Para isso, pode-se mostrar
vídeos com exposições orais, a fim de promover a percepção sobre elementos como:
tom de voz, pausas, organização do que é dito, recursos multissemióticos etc.
» Definir o tempo da apresentação.
» Planejar a apresentação a partir de seleção de informações relevantes.
» Promover o contato do estudante com recursos diversos para a apresentação,
como projetor, caixas de som, painéis, maquetes ou qualquer outro recurso que
lhes permita dinamizar a apresentação.
» Organizar a divisão das falas, considerando a importância e a responsabilidade
compartilhada entre todos os integrantes da equipe, em relação ao encadeamento
das ideias.

Como possibilidade de avaliação, propõe-se: autoavaliação (o estudante poderá refletir


sobre como foi a sua participação na apresentação); avaliação do grupo (o grupo poderá
conversar entre si, a fim de avaliar as etapas de produção e o desempenho durante a
apresentação) e, por fim, o educador avalia os trabalhos.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, pode-se propor atividades com foco na entrevista.
» Na área de Matemática, é possível organizar os dados, gráficos e infográficos que
poderão compor a apresentação.

Por meio de atividades coletivas, pode-se promover uma educação em Direitos


Humanos, relacionando-se ao ODS 16.

251
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção.

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF69LP39)
Definir o recorte temático da entrevista e o entrevistado, levantar informações sobre
o entrevistado e sobre o tema da entrevista, elaborar roteiro de perguntas, realizar
entrevista, a partir do roteiro, abrindo possibilidades para fazer perguntas a partir
da resposta, se o contexto permitir, tomar nota, gravar ou salvar a entrevista e usar
adequadamente as informações obtidas, de acordo com os objetivos estabelecidos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características do gênero entrevista.
» Definir o recorte temático da entrevista e o entrevistado.
» Pesquisar informações sobre o entrevistado e sobre o tema da entrevista.
» Elaborar roteiro de perguntas.
» Realizar entrevista, a partir do roteiro de perguntas.
» Desenvolver estratégias para gravar ou salvar a entrevista e usar adequadamente.
» Tomar notas de aulas, apresentações orais e entrevistas (ao vivo, áudio, TV, vídeo),
utilizando critérios de organização tópica, as marcas linguísticas e os mecanismos
de paráfrase.
» Utilizar as informações obtidas na entrevista, de acordo com os objetivos
estabelecidos previamente.

252
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Observa-se que esta habilidade, por estar inserida no campo das práticas de estudo
e pesquisa, prevê a realização de entrevistas com foco principal na coleta de dados e
informações, diferentemente da entrevista no campo jornalístico-midiático, em que o
principal objetivo é trabalhar as características do gênero, o contexto de produção e a
função social.

Ressalta-se que esse tipo de entrevista também envolve as etapas de planejamento


(seleção de fato/assunto, escolha do gênero, curadoria de informação, elaboração de
perguntas etc.) e de realização da entrevista.

Propõe-se, para o desenvolvimento desta habilidade, um trabalho articulado entre


as habilidades EF69LP36 e EF69LP37. Assim, a entrevista pode contribuir como um
instrumento de levantamento de dados e informações. Nesse contexto, recomenda-se
considerar, por exemplo, a entrevista como um material para compor um podcast.

Sugere-se o planejamento de situações didáticas que possam promover:


» A análise de diferentes entrevistas audiovisuais, com foco na observação de alguns
elementos, como o contexto de produção, o aproveitamento do tempo disponível,
as características do gênero, o uso de mídias e tecnologias, os cuidados com a fala e
com a movimentação corporal e a forma como texto foi dito.
» A realização de entrevistas entre os estudantes, como um exercício de ensaio inicial.
» A formulação de perguntas e elaboração de roteiro, considerando o tema e o
objetivo do podcast.
» A realização da entrevista, considerando a captação do áudio e a tomada de nota.

Para a integração com Língua Inglesa, pode-se desenvolver entrevistas em um projeto


articulado entre os dois componentes. Esta habilidade relaciona-se à Competência
Geral 4.

Por meio de atividades coletivas e de entrevista, pode-se promover uma educação em


Direitos Humanos, desenvolvendo-se a empatia, o que estabelece relação com o ODS 16.

253
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Procedimentos de apoio à compreensão.


» Tomada de nota.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP24)
Tomar nota de aulas, apresentações orais, entrevistas (ao vivo, áudio, TV, vídeo),
identificando e hierarquizando as informações principais, tendo em vista apoiar o
estudo e a produção de sínteses e reflexões pessoais ou outros objetivos em questão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e utilizar os critérios de organização tópica e os mecanismos de
paráfrase, de maneira a organizar mais adequadamente a coesão e a progressão
temática de seus textos.
» Tomar notas de aulas, apresentações orais e entrevistas (ao vivo, áudio, TV, vídeo),
utilizando critérios de organização tópica, as marcas linguísticas e os mecanismos
de paráfrase.

254
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade refere-se à tomada de nota como um registro pessoal com a finalidade
de fazer anotações sobre reflexões. Nesse sentido, a habilidade perpassa diferentes
situações de aula, considerando as diferentes áreas do conhecimento. Desse modo, há
a necessidade de um contexto para que os estudantes possam tomar notas. Além disso,
a tomada de notas implica procedimentos/estratégias de síntese e hierarquização de
informações, a fim de possibilitar a retomada das ideias.

Ressalta-se também que a progressão desta habilidade pode ocorrer pelo modo como os
registros foram organizados e pela utilização de recursos multissemióticos, por exemplo,
uso de setas, itens, abreviaturas, pequenos esquemas, diagramas etc.

Propõe-se, portanto, para o desenvolvimento desta habilidade, o planejamento de


situações didáticas intencionais, como:
» discussão inicial por meio de perguntas problematizadoras (“Para que tomamos
nota de um assunto?”; “Em quais situações utilizamos essas anotações?”);
» possibilitar que o estudante assista a uma entrevista audiovisual como foco no
registro de anotações;
» solicitar o compartilhamento dos registros a fim de coletivamente construir
conhecimentos; e
» retomar o registro de notas para, em grupos, elaborar um painel com esquemas,
anotações, diagramas etc.

Em Língua Inglesa, é possível desenvolver propostas de atividades com foco na tomada


de notas.

Esta habilidade estabelece relações com a Competência Geral 4, no que se refere à


utilização de diferentes linguagens para organizar e compartilhar e informações.

Ao propiciar ao estudante a capacidade de se organizar e fazer registros como suporte,


desenvolvem-se habilidades voltadas para uma educação de qualidade, como proposto
pelo ODS 4.

255
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DAS PRÁTICAS DE ESTUDO E PESQUISA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Procedimentos de apoio à compreensão.


» Tomada de nota.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP28)
Tomar nota de videoaulas, aulas digitais, apresentações multimídias, vídeos de
divulgação científica, documentários e afins, identificando, em função dos objetivos,
informações principais para apoio ao estudo e realizando, quando necessário, uma
síntese final que destaque e reorganize os pontos ou conceitos centrais e suas relações
e que, em alguns casos, seja acompanhada de reflexões pessoais, que podem conter
dúvidas, questionamentos, considerações etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e utilizar os critérios de organização tópica, marcas linguísticas dessa
organização e os mecanismos de paráfrase, para organizar adequadamente a coesão
e a progressão temática de seus textos.
» Identificar e hierarquizar as informações principais de um texto.
» Tomar notas de videoaulas, aulas, aulas digitais, apresentações multimídias, vídeos
de divulgação científica, documentários e afins (ao vivo, áudio, TV, vídeo), utilizando
critérios de organização tópica, as marcas linguísticas e os mecanismos de paráfrase.
» Elaborar síntese final, considerando a reorganização dos pontos e conceitos centrais,
bem como reflexões pessoais, dúvidas, questionamentos etc.

256
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade apresenta a tomada de notas em gêneros com maior grau de


complexidade, como apresentações multimídias, vídeos de divulgação científica,
documentários etc. Além disso, prevê a elaboração de sínteses finais a partir da
reorganização de conceitos centrais.

Considerando que a tomada de notas é um gênero de apoio à compreensão do que se


ouve e assiste, propõe-se como possibilidade de atividade anotações em esquemas e
sínteses de conceitos finais a partir da análise de um curta-metragem, por exemplo.

Recomenda-se salientar com o estudante que uma boa anotação exige atenção, seleção,
hierarquização de informações e paráfrases. Assim, ao registrar o que compreendeu
de uma explicação ou conceito, é possível organizar e sintetizar dados, informações e
reflexões pessoais por escrito.

Em Língua Inglesa, é possível desenvolver propostas de atividades com foco na tomada


de notas.

Na área de Ciências Humanas, pode-se elaborar um projeto interdisciplinar para que os


estudantes possam fazer anotações e sínteses de apresentações multimídias, documentários
e curtas-metragens, de modo a estabelecer relações com as temáticas da área.

Em Ciências da Natureza, pode-se propor a tomada de notas em diferentes contextos:


palestras com especialistas, situações de experimentação científica etc.

Esta habilidade estabelece relações com a Competência Geral 4, no que se refere à


utilização de diferentes linguagens para organizar e compartilhar e informações.

Ao propiciar ao estudante a capacidade de se organizar e fazer registros como suporte,


desenvolvem-se habilidades voltadas para uma educação de qualidade, como proposto
pelo ODS 4.

257
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP50)
Elaborar texto teatral, a partir da adaptação de romances, contos, mitos, narrativas de
enigma e de aventura, novelas, biografias romanceadas, crônicas, dentre outros, indicando as
rubricas para caracterização do cenário, do espaço, do tempo; explicitando a caracterização
física e psicológica dos personagens e dos seus modos de ação; reconfigurando a inserção
do discurso direto e dos tipos de narrador; explicitando as marcas de variação linguística
(dialetos, registros e jargões) e retextualizando o tratamento da temática.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características do texto teatral, considerando o contexto de produção.
» Reconhecer as marcas de variação linguística no uso do discurso direto e na voz do
narrador, responsáveis pela retextualização da temática.
» Planejar o texto teatral, considerando as especificidades do gênero e respeitando o
recorte temático da obra a ser retextualizada.
» Representar cenas ou textos dramáticos, considerando, na caracterização dos
personagens, os aspectos linguísticos e paralinguísticos das falas, os gestos, os
deslocamentos no espaço cênico, o figurino e a maquiagem e elaborando as rubricas
indicadas pelo autor por meio do cenário, da trilha sonora e da exploração dos modos
de interpretação.

258
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se à retextualização/adaptação de um gênero em outro, por exemplo,


a adaptação de um romance para o teatro. Além disso, por se tratar de uma habilidade
de criação, é necessário considerar as operações de produção textual (planejamento/
textualização/revisão/reescrita).

Propõe-se, então, a preparação de uma sequência de atividades que possibilitem:


» Análise de trechos de adaptações já existentes. Nesse caso, recomenda-se
escolher a adaptação de uma obra conhecida pelos estudantes.
» Selecionar o texto a ser adaptado. Recomenda-se como critério de escolha a
complexidade da obra e do gênero, considerando a progressão das habilidades.
Por exemplo, pode-se iniciar com a adaptação de uma letra de música, rap, cordel
etc., e depois uma crônica, conto e trechos de romances etc.
» Planejar as cenas, considerando os elementos da narrativa, o espaço cênico,
o figurino etc.
» Transformar a obra selecionada em um texto teatral, mobilizando os recursos
linguísticos e narrativos próprios do gênero, tendo em vista que o texto dramático
é escrito para contar uma história por meio de uma encenação.

Cabe ressaltar que essa atividade pode ser feita em grupos e, nesse caso, é importante
que cada estudante tenha um papel específico (ator, diretor, figurinista, contrarregra,
sonoplasta etc.).

Sugere-se que, antes da encenação, os estudantes possam ensaiar o texto para que
possam ter mais segurança no momento da apresentação.

É possível, especialmente, planejar um projeto interdisciplinar com Arte, no que se


refere à composição de improvisações e acontecimentos cênicos com base em textos
dramáticos e outros estímulos.

Esta habilidade está diretamente ligada à Competência Geral 3, no tocante à valorização


e fruição das diversas manifestações artísticas e culturais.

Os temas dos textos dramáticos, bem como a construção de personagens, podem


promover uma educação em Direitos Humanos e relacionar-se aos temas dos ODS.

259
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Consideração das condições de produção.


» Estratégias de produção: planejamento, textualização e revisão/edição.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP51)
Engajar-se ativamente nos processos de planejamento, textualização, revisão/edição
e reescrita, tendo em vista as restrições temáticas, composicionais e estilísticas dos
textos pretendidos e as configurações da situação de produção – o leitor pretendido,
o suporte, o contexto de circulação do texto, as finalidades etc. – e considerando a
imaginação, a estesia e a verossimilhança próprias ao texto literário.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e analisar, em textos literários, a imaginação, a estesia e a verossimilhança.
» Planejar o texto, levando em consideração as características do gênero, o recorte
temático, o leitor pretendido, o suporte, o contexto de circulação e as especificidades
do texto literário.
» Produzir o texto levando em consideração as características do gênero, o recorte
temático, o leitor pretendido, o suporte, o contexto de circulação e as especificidades
do texto literário.
» Revisar o texto produzido.
» Reescrever e editar o texto produzido.
» Utilizar regras e normas da norma-padrão.

260
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade pressupõe que o trabalho com a produção de textos literários seja
desenvolvido processualmente, considerando as etapas de planejamento, textualização,
revisão/edição e reescrita. Propõe-se, ainda, práticas de compartilhamento de leituras a
fim de engajar os estudantes no processo de produção de textos literários.

Recomenda-se criar propostas para que os estudantes possam elaborar diferentes textos
literários (contos, crônicas, poemas, HQ, autobiografias, memórias literárias etc.). Além
disso, é necessário promover a circulação desses materiais em murais, jornais, revistas,
sites, saraus, slam etc., para que a comunidade escolar possa apreciá-los.

Como possibilidade de avaliação, é possível planejar diferentes estratégias de avaliação,


como rubrica de qualidade (nesse caso, o material deve conter os critérios de produção
discutidos com os estudantes na etapa de planejamento), autoavaliações, entre outras.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Língua Inglesa, as habilidades de produção textual escrita que envolvem
planejamento, produção e textualização podem contribuir para o desenvolvimento
de procedimentos e estratégias necessários para a proposta. Além disso, os
gêneros escolhidos podem ser trabalhados conjuntamente nos dois idiomas.
Assim, um conto, pode ser analisado e comparado nas duas línguas.
» Em Arte, é possível um projeto interdisciplinar, que estimule o desenvolvimento
de criações artísticas por meio de poéticas pessoais, de modo a propiciar aos
estudantes o uso de técnicas, procedimentos e elementos da expressão visual,
gestual, sonora e linguística em suas produções multissemióticas.
» Em Educação Física, pode-se promover a elaboração de um relato de experiência,
tendo em vista os temas discutidos no componente.
» Em Ciências Humanas, caso a opção seja trabalhar com memórias literárias, por
exemplo, pode-se promover a leitura de relatos históricos.

A habilidade refere-se à Competência Geral 3 e também, para o desenvolvimento da


Competência Geral 4.

Os temas dos textos literários podem promover uma educação em Direitos Humanos e
relacionar-se aos temas dos ODS.

261
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção da textualidade.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP30)
Criar narrativas ficcionais, tais como contos populares, contos de suspense, mistério,
terror, humor, narrativas de enigma, crônicas, histórias em quadrinhos, dentre outros,
que utilizem cenários e personagens realistas ou de fantasia, observando os elementos
da estrutura narrativa próprios ao gênero pretendido, tais como enredo, personagens,
tempo, espaço e narrador, utilizando tempos verbais adequados à narração de fatos
passados, empregando conhecimentos sobre diferentes modos de se iniciar uma
história e de inserir os discursos direto e indireto.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer os elementos da estrutura narrativa.
» Planejar o texto, levando em consideração as características do gênero, o contexto
de produção e o suporte.
» Produzir o texto, considerando os elementos da estrutura narrativa.
» Utilizar tempos verbais adequados à narração de fatos passados.
» Empregar os discursos diretos e indiretos de modo adequado e intencional.
» Analisar os efeitos de sentido decorrentes do uso de recursos linguístico-discursivos de
prescrição, causalidade, sequências descritivas e expositivas e ordenação de eventos.

262
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade visa à experimentação do fazer literário dos gêneros literários narrativos. A
produção aqui também é desenvolvida processualmente, de modo a envolver as operações
de planejamento, produção, revisão, reescrita e edição dos textos.

Sugere-se como estratégia para o desenvolvimento desta habilidade, a criação de oficinas


literárias, envolvendo a leitura e escrita de textos literários. Nesse caso, é possível
contar com os profissionais da biblioteca/sala de leitura e educadores de Artes, a fim de
potencializar e ampliar o contato dos estudantes com as mais diversas manifestações
artísticas e culturais.

Recomenda-se, ainda, que as produções experimentadas sejam efetivamente colocadas em


circulação. Para que isso ocorra, sugere-se a criação de murais físicos e digitais, a publicação
de coletâneas para compor a biblioteca e/ou para compartilhar com amigos e familiares,
a divulgação das produções em blogs literários criados para esse fim e/ou em páginas do
Facebook, bem como a realização de concursos, slam, saraus, clubes de leitura etc.

Como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Arte, é possível propor que os estudantes ilustrem os textos literários.
Nesse caso, sugere-se ainda a elaboração de uma pasta/portfólio integrada ao
componente Língua Portuguesa.
» Em Língua Inglesa, pode-se trabalhar com as mesmas operações de escrita
processual estudadas em Língua Portuguesa.
» Em Ciências Humanas, caso a opção seja elaborar um conto popular, por exemplo,
recomenda-se o estudo de fatos históricos, sociais e geográficos, a fim de ampliar
o repertório do estudante.
» Na área de Ciências da Natureza, é possível, por exemplo, propor o estudo da
biografia de uma cientista, para mobilizar os estudantes a elaborarem contos de
suspense envolvendo a vida de figuras importantes para a história da ciência.

A habilidade refere-se à Competência Geral 3. Além disso, pode contribuir, também, para
o desenvolvimento da Competência Geral 4.

A seleção de temas a serem trabalhados nas propostas podem abordar temas relacionados
aos ODS, questões contemporâneas, educação para as relações étnico-raciais e educação
em Direitos Humanos.

263
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção da textualidade/relação entre textos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP31)
Criar poemas compostos por versos livres e de forma fixa (como quadras e sonetos),
utilizando recursos visuais, semânticos e sonoros, tais como cadências, ritmos e rimas,
e poemas visuais e vídeo-poemas, explorando as relações entre imagem e texto verbal,
a distribuição da mancha gráfica (poema visual) e outros recursos visuais e sonoros.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a forma composicional de diferentes tipos de poema.
» Identificar, em poemas, recursos visuais, semânticos e sonoros.
» Criar poemas, considerando as demandas do gênero, o contexto de produção e a
exploração da multissemiose.

264
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade refere-se à experimentação de diferentes tipos de poemas (versos livres e


de forma fixa) e poemas visuais. Além disso, a produção do texto implica as operações de
planejamento, produção e revisão, reescrita/edição.

Sugere-se, portanto, planejar diferentes modalidades didáticas que possibilitem,


inicialmente, a análise de poemas. Por exemplo: rodas de leitura de poemas e letras de
música para que os estudantes possam comparar textos e analisar os recursos sonoros,
visuais e semânticos. Além disso, elas possibilitam a fruição de diferentes gêneros
literários líricos.

Recomenda-se que, em outra etapa, o estudante possa criar um poema, experimentando,


assim, o fazer literário. Sugere-se, portanto, o planejamento de atividades que possam
propiciar a discussão da proposta e do contexto de circulação dos textos, como a
curadoria de poemas, canções, canções, videoclipes, fanclipes, shows, saraus, slams,
declamações de cordel etc.

Além disso, pode-se indicar diferentes temáticas, como "quem sou eu?", "onde estou?",
"para onde vou?", "qual é o meu lugar no mundo?", para, desse modo, sensibilizar o
estudante a compreender o fazer poético como transfiguração da realidade, expressão
da subjetividade e da contemplação emocional, uma vez que pode aguçar a sensibilidade
e as sensações, assim, ampliando a percepção sobre si mesmo.

É desejável, ainda, discutir coletivamente a circulação do texto. Nesse caso, pode-se criar
poemas para compor um blog literário ou uma coletânea de poemas. Além disso, pode-se,
também, ampliar o alcance desses textos, apresentando-os em batalhas de slams ou
festivais de poemas.

Em Arte, pode-se criar projetos interdisciplinares de oficina de produção de poemas


visuais, de modo a propiciar a exploração de diferentes recursos multissemióticos.

A habilidade implica a criação de um texto literário, relacionando-se à Competência


Geral 3. Há, ainda, uma relação com a Competência de Língua Portuguesa 8, no que se
refere ao reconhecimento de suas emoções e à compreensão da diversidade humana.

Por meio da escrita poemas, é possível para o estudante expressar sua subjetividade,
promovendo seu autoconhecimento e favorecendo uma educação em Direitos Humanos.

265
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ARTÍSTICO-LITERÁRIO:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção da textualidade.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP35)
Criar contos ou crônicas (em especial, líricas), crônicas visuais, minicontos, narrativas de
aventura e de ficção científica, dentre outros, com temáticas próprias ao gênero, usando
os conhecimentos sobre os constituintes estruturais e recursos expressivos típicos
dos gêneros narrativos pretendidos, e, no caso de produção em grupo, ferramentas de
escrita colaborativa.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar, em diferentes gêneros narrativos, suas características estruturais
e de estilo.
» Planejar o texto, considerando o tema e as características próprias dos
gêneros narrativos.
» Produzir o texto, considerando os constituintes estruturais e recursos expressivos
típicos dos gêneros narrativos.
» Fazer uso de recursos de coesão sequencial (articuladores) e referencial (léxica e
pronominal), construções passivas e impessoais, discurso direto e indireto e outros
recursos expressivos adequados ao gênero textual.
» Reescrever e editar o texto produzido.
» Utilizar ferramentas colaborativas para a produção textual em grupos.

266
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade pressupõe a experimentação do fazer literário dos gêneros literários


narrativos. A produção aqui também deve ser desenvolvida processualmente, de modo a
envolver as operações de planejamento, produção, revisão, reescrita e edição dos textos.

Para o desenvolvimento desta habilidade, é necessário planejar situações de leitura


em voz alta ou compartilhada a fim de fornecer repertório para que o estudante possa
reconhecer as características dos gêneros, tanto formais quanto estilísticas.

Recomendam-se também atividades em grupos para que o texto seja construído de modo
colaborativo. Nesse sentido, é possível utilizar ferramentas de edição de texto (Word,
Power Point, e-mail, Google Documentos etc.), entre outros recursos. Sugere-se, nesse
caso, parcerias com os profissionais da sala de informática.

Percebe-se também que esta habilidade contribui para o desenvolvimento da


Competência 6 da área, uma vez que, ao trabalhar com ferramentas de escrita
colaborativa, mobiliza a compreensão e utilização das tecnologias digitais de informação
como estratégias para se comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias,
produzir conhecimentos, resolver problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.

Pode-se observar, portanto, como cada componente influencia o desenvolvimento


desta habilidade:
» Em Arte, é possível ilustrar os textos narrativos produzidos ou organizar oficinas
de dramatização.
» Em Ciências Humanas, pode-se fazer uso de conceitos da área, de modo a
contribuir para a composição ou temática do texto, por exemplo, descrição do
espaço com elementos geográficos e contextualizações históricas.

As temáticas poderão ser desenvolvidas no enredo do texto, promovendo, por meio da


literatura, o desenvolvimento da empatia, alteridade e respeito à diversidade.

267
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

ARTES VISUAIS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR06)
Desenvolver processos de criação em artes visuais, com base em temas ou interesses
artísticos, de modo individual, coletivo e colaborativo, fazendo uso de materiais,
instrumentos e recursos convencionais, alternativos e digitais.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Relacionar temas, procedimentos de criação, linguagens e materiais das artes visuais.
» Conhecer princípios e procedimentos de criação em artes visuais.
» Reconhecer a imagem como forma de expressão e atuação social.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta é uma habilidade ampla, dedicada ao processo criativo em Artes Visuais.


Desta forma, sugere-se que haja recortes para o seu processo de desenvolvimento.
Esses recortes poderão se dar a partir do tema ou do procedimento da composição
(convencionais, alternativos ou digitais), de acordo com o campo temático, projeto ou
intenções pedagógicas em que a habilidade for trabalhada.

268
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

De qualquer forma, sugere-se que seja pensado um espaço físico específico para o
desenvolvimento da habilidade (ateliê, sala de arte, laboratório, sala de aula). O espaço
específico faz com que o estudante associe sua criação a um tempo e espaço próprios.

Aconselha-se, na medida do possível, que as atividades sejam feitas de forma colaborativa,


potencializando a aprendizagem também no nível das relações interpessoais.

Caso o recorte para o desenvolvimento desta habilidade seja temático, é preferível que o
estudante participe da escolha dos assuntos de que irá tratar.

Se o recorte for um procedimento, é desejável que, no espaço físico de trabalho, haja


meios para isso. Por exemplo, se o procedimento for usar argila para composição de uma
escultura ou objeto de arte, o espaço terá que ter, necessariamente, argila, água, base,
ferramentas de corte etc.

A exposição dos trabalhos é desejável para o desenvolvimento desta habilidade, uma vez
que coloca o estudante e sua produção em situação de diálogo social, aberto à opinião
pública e às interpretações do seu trabalho. A exposição poderá se dar no próprio espaço de
aula e faz parte do processo de criação em artes visuais, foco específico desta habilidade.

Diversas áreas e componentes poderão colaborar para a escolha dos temas dos trabalhos
artísticos que deverão ser criados pelo estudante.

Há relação com a Competência Geral 4, no que se refere ao uso da linguagem artística


para comunicação.

Esta habilidade poderá estar ligada a trabalhos de Projeto de Vida, uma vez que, se
desenvolvida em conjunto com outros componentes e habilidades, pode gerar produtos
de imensa interlocução com a identidade do estudante, sua visão de mundo e forma de
interagir consigo e com a sociedade.

Do ponto de vista temático, esta habilidade poderá dialogar com todos os ODS.

269
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR13)
Investigar brincadeiras, jogos, danças coletivas e outras práticas de dança de diferentes
matrizes estéticas e culturais como referência para a criação e a composição de danças
autorais, individualmente e em grupo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Experimentar procedimentos de improvisação e criação do movimento.
» Registrar pesquisa e investigação, selecionando aspectos estéticos e culturais
no material observado.
» Relacionar possíveis aproximações entre o material de investigação proposto
na habilidade (brincadeiras, jogos, danças coletivas e outras práticas de dança) e
processos de criação de repertório de movimento autoral.
» Experimentar e criar elementos de composição: figurinos, objetos, espaços etc.

270
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que o processo de investigação de materiais, proposto na primeira parte da


habilidade, seja antecedido por um período de improvisação do movimento corporal,
através de jogos ou experimentações livres. Assim, essa etapa de investigação poderá ser
mais bem aproveitada pelo estudante, já que ele poderá ter referências pessoais de como
o corpo pode se relacionar com estímulos musicais, espaciais, culturais etc.

É aconselhável que o processo de investigação seja balizado por critérios de observação,


como: a relação do corpo com os materiais visuais e musicais (roupas, objetos, trilha
sonora, cenografia etc); a presença ou ausência de dramaturgia, fábula ou narrativa
no material observado; os efeitos de sentido do corpo na sua relação com o contexto
histórico e cultural; entre outros.

Pressupõe-se, com esta habilidade, o trabalho de criação e composição de danças.


Independentemente de serem realizadas produções individuais ou em grupo, a habilidade
aponta para o aspecto autoral e é esse aspecto que a torna essencial.

Durante o processo de criação, o estudante deve ser estimulado a fazer constantes


relações entre o material investigado como referência e sua própria vida, identidade,
vontade, valores e sonhos. Dessa maneira, o caráter pessoal influenciará muito seu
trabalho com a linguagem, dando vazão às suas ideias e experiências.

É preferível que conste no planejamento tempo para a produção e reflexão sobre as


coreografias, com espaço e material para a pesquisa musical e para a construção de
figurinos, cenografia e adereços etc.

No componente Educação Física, será possível ampliar o referencial e as formas de


investigação dos materiais propostos na habilidade.

Em História e Filosofia pode-se buscar materiais de referência para a investigação.

Há relação com a Competência Geral 4, no que se refere à utilização da linguagem.

O trabalho de investigação proposto na primeira parte da habilidade abre espaço para


debates em torno do tema da cultura, sobretudo no que diz respeito ao papel e ao espaço
do corpo em determinada sociedade e em determinado tempo.

As atividades propostas podem despertar caminhos de pesquisa e atuação, contribuindo


para os Projetos de Vida do estudante.

271
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

MÚSICA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF69AR23)
Explorar e criar improvisações, composições, arranjos, jingles, trilhas sonoras, entre
outros, utilizando vozes, sons corporais e/ou instrumentos acústicos ou eletrônicos,
convencionais ou não convencionais, expressando ideias musicais de maneira individual,
coletiva e colaborativa.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explorar elementos constitutivos da música (altura, intensidade, timbre, melodia,
ritmo etc.).
» Explorar e analisar fontes e materiais sonoros em práticas de composição/criação,
execução e apreciação musical.
» Reconhecer a música como produtora de sentido e fonte de valores sociais e
humanos atualizáveis.

272
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta é uma habilidade ampla, dedicada ao processo criativo em Música. Desta maneira,
sugere-se que haja recortes para o seu processo de desenvolvimento. Esses recortes
poderão ser baseados em temas ou recursos para a composição. É preferível que o
estudante participe da escolha dos assuntos de que irá tratar.

É desejável que, no espaço de trabalho, haja materiais para uso do estudante. Por exemplo,
se o procedimento for usar xilofone para as práticas de composição ou improvisação, o
espaço terá que ter, necessariamente, o instrumento em questão.

Segue-se, como exemplo, o seguinte processo: Primeiro, ocorre a escolha coletiva de


um tema de trabalho. Supondo que o tema escolhido seja “medo”, o estudante poderá
ser levado a pesquisar, como tarefa de casa, o que significa medo e seus exemplos
em várias áreas. Depois disso, o professor define e compartilha com o estudante a
estrutura do exercício de improvisação ou do processo de composição musical que será
experimentada. É aconselhável, nesse caso, que o professor apresente ao estudante
um exemplo de improvisação ou composição, explicando os procedimentos de criação e
avaliando, junto ao estudante, o resultado.

Caso o procedimento seja a improvisação, a estrutura dela é importante, na medida em


que dá contorno e base para o estudante “improvisar livremente”. Nessa fase, o professor
deverá acompanhar o estudante, dando suporte ao desenvolvimento do trabalho.
É aconselhável que se estimule o estudante a criar seus próprios procedimentos,
articulando opiniões e estratégias próprias de composição (poética).

O compartilhamento dos trabalhos é desejável, uma vez que coloca o estudante e sua
produção em situação de diálogo social.

O estímulo para os temas das composições musicais pode vir da relação com outros
componentes curriculares, de todas as áreas, desde que dialoguem com a realidade do
estudante. Esse processo permite que ele vivencie a música inter-relacionada à diversidade.

Há relação com a Competência Geral 4, no que se refere ao uso da linguagem


para expressão.

Esta habilidade poderá estar ligada a trabalhos de Projeto de Vida, uma vez que pode
gerar produtos de imensa interlocução com a identidade do estudante, sua visão de
mundo e forma de interagir consigo e com a sociedade.

Do ponto de vista temático, esta habilidade poderá dialogar com todos os ODS.

273
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

TEATRO

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR29)
Experimentar a gestualidade e as construções corporais e vocais de maneira
imaginativa na improvisação teatral e no jogo cênico.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explorar o corpo e a voz de maneira simbólica e imaginativa, produzindo e
percebendo diferentes sentidos ao se realizar determinados gestos, movimentos e
ações físicas e vocais.
» Praticar improvisações e jogos teatrais, diferenciando conceitos de gesto, ação,
movimento, atividade.
» Perceber a contribuição do espaço na improvisação e no jogo teatral.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se, para o desenvolvimento desta habilidade, que se faça uma seleção de


atividades teatrais progressivas, baseadas em jogos e improvisações, preferencialmente
que possam ser aplicadas de forma coletiva, para que haja oportunidade de relação
simbólico-corpórea entre os participantes. É aconselhável que essa seleção leve em

274
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

conta alguns aspectos, principalmente: a faixa etária do estudante; o espaço disponível


para o trabalho; o número de pessoas envolvidas na atividade; e principalmente que os
jogos e improvisações sejam ao mesmo tempo estruturados por regras próprias, mas que
possibilitem uma experimentação livre, autônoma e singular.

Sugere-se também que os jogos e improvisações trabalhem conjuntamente o corpo e a


voz, oportunizando percepção e análise da relação simbólica entre essas duas dimensões.

É aconselhável que todo o desenvolvimento desta habilidade seja permeado por


exposição e análise da diferenciação entre ação, movimento, atividade e gesto, ampliando
assim o entendimento dos códigos que compõem uma linguagem baseada no corpo
(teatro e dança).

O trabalho com esta habilidade poderá ser mais bem aproveitado se houver oportunidade
para o debate sobre como o jogo e a improvisação abrem espaço para que a identidade do
estudante seja revelada, ampliada e recriada, por meio da criação e da imaginação.

O estímulo para os temas dos jogos e improvisações pode vir da relação com outros
componentes curriculares, de todas as áreas. Como se trata de estruturas metodológicas
(jogos e improvisações) bastante permeáveis e adaptáveis, os temas podem vir das mais
variadas fontes, desde que dialoguem com a realidade do estudante.

Há relação com a Competência Geral 4, expressão por meio da linguagem artística. Além
disso, as atividades propostas proporcionam momentos de cooperação, favorecendo a
Competência Geral 9.

O trabalho com o corpo e voz em situação simbólica e imaginativa sugere um


aprofundamento da aprendizagem pela experiência. Dessa maneira, o trabalho com
esta habilidade dialoga com temas e projetos que tenham a intenção de colocar o
estudante em situação de pesquisa de si mesmo. Assim, a atividade pode contribuir com
o autoconhecimento do estudante e impactar positivamente seus Projetos de Vida.

275
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

TEATRO

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR30)
Compor improvisações e acontecimentos cênicos com base em textos dramáticos
ou outros estímulos (música, imagens, objetos etc.), caracterizando personagens
(com figurinos e adereços), cenário, iluminação e sonoplastia e considerando a
relação com o espectador.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Explorar elementos de composição da cena: figurinos, adereços, cenário, iluminação
e sonoplastia.
» Criar e ler textos dramáticos.
» Perceber as relações de causa e efeito dentro de uma cena, considerando a leitura,
pelos estudantes/espectadores, dos recursos expressivos utilizados (corpo, voz,
figurinos, adereços, cenários, iluminação, som e texto).
» Experimentar diferentes funções teatrais e o trabalho coletivo.
» Desenvolver capacidade de trabalho coletivo, compreendendo e respeitando
os limites de atuação de cada função dentro do processo criativo em teatro,
especialmente atores, diretores, cenógrafos, figurinista, sonoplasta, além da plateia,
que participa ativamente da construção do sentido da cena.

276
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A escolha dos temas das improvisações ou cenas pode dialogar com os projetos nos quais o
estudante já esteja envolvido. Sugere-se que haja leituras guiadas e comentadas, antes do
início da feitura das cenas propriamente. Esta habilidade pode se associar a processos de
produção de texto de Língua Portuguesa. Além disso, ela pressupõe momentos de criação,
ensaio e apresentação de cenas (improvisadas ou não) a partir de imagens, músicas e
textos, privilegiando a construção de personagens e suas relações entre si.

É preferível que conste, no planejamento, tempo para a produção das cenas, com espaço
e material para a pesquisa musical e para a construção de figurinos, cenografia e adereços.
Recomenda-se, ainda, estimular o debate sobre o resultado das cenas apresentadas, para
que o estudante perceba e relacione leituras diferentes sobre os recursos expressivos. Os
debates podem acontecer ao fim de cada aula ou no encerramento do projeto em que a
aprendizagem estiver inserida.

Os exercícios de aquecimento corporal e vocal podem se relacionar com práticas do


componente de Educação Física, sobretudo aqueles que têm como base estratégias de
integração ou que possuem aporte lúdico mais evidente.

O componente de Língua Portuguesa pode contribuir na fase da leitura ou produção de


texto dramático. Já o material disparador para o trabalho com cenas e improvisações
podem vir tanto das obras literárias trabalhadas em Língua Portuguesa ou Inglesa, quanto
de temas específicos vistos em outros componentes curriculares (História, Geografia
e Ciências, especialmente). Há relação com a Competência Geral 4, no que se refere à
expressão através da linguagem.

O trabalho com cenas é oportunidade para se experimentar, na prática, as relações


sociais observáveis no dia a dia. Nesse sentido, levanta debate sobre questões de classe,
identidades, preconceito, diversidade, entre outros. A atividade pode contribuir, assim,
com a formação pessoal e cidadã dos estudantes, podendo impactar em seus Projetos
de Vida.

277
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

ARTES INTEGRADAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR32)
Analisar e explorar, em projetos temáticos, as relações processuais entre diversas
linguagens artísticas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Conhecer diferentes linguagens artísticas.
» Experimentar materiais e processos criativos diversos, explorando códigos
expressivos diferentes.
» Reconhecer as transformações de um tema em diálogo com diferentes
linguagens artísticas.
» Conhecer um tema a partir de vários pontos de vista, tendo a arte como guia.

278
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade está centrada dentro do escopo das Artes Integradas. Por isso, sua
abordagem lida com linguagens artísticas variadas.

Sugere-se que esta habilidade faça parte de um projeto temático maior, preferencialmente
em diálogo com outras áreas e componentes. Assim, o tema abordado poderá ser mais bem
desenvolvido ao se relacionar com outras áreas de conhecimento.

Sugere-se que a primeira ação seja a escolha do tema de trabalho. É preferível que o tema
seja levantado em conjunto com o estudante.

É aconselhável que o trabalho seja feito em grupos, de maneira a aprimorar a exploração


e análise. Cada grupo poderá ter como objetivo o seguinte desafio: como construir, a
partir do mesmo eixo temático, processos de criação artística com linguagens diferentes?
Cada grupo poderá assumir, então, uma linguagem (artes visuais, dança, música ou
teatro). O estudante terá como desafio encontrar meios de construir um produto
artístico final que expresse o tema escolhido. No caso dessa sugestão metodológica, é
preciso que essas diferentes linguagens sejam capazes de abordar o tema. Os grupos,
nesse caso, deverão ter suporte de materiais e espaço próprios e o professor atua como
um tutor, acompanhando o passo a passo dos processos criativos.

Pressupõe-se, para a abordagem desta habilidade, momentos de compartilhamento e


avaliação dos processos criativos.

Esta habilidade poderá compor um projeto maior que agregue outras áreas e
componentes. Nesse caso, o trabalho com a linguagem artística poderá servir como etapa
de estudo e pesquisa de determinado tema, contribuindo para uma visão metafórica,
subjetiva e comunicativa do tema em questão.

Há relação com a Competência Geral 4, no que se refere a expressar-se através


da linguagem.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado no processo criativo.

Projetos que se baseiam em “Qual meu lugar no mundo” podem ser aprimorados por esta
habilidade, na medida em que ela aponta para o estudante possibilidades de abordagem e
expressão de um tema caro a ele.

279
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Danças urbanas: breaking, funk, hip hop freestyle etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67EF11)
Experimentar, fruir e recriar danças urbanas, identificando seus elementos
constitutivos (ritmo, espaço, gestos).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Diferenciar as danças urbanas das demais manifestações da dança, valorizando e
respeitando os sentidos e significados atribuídos a elas por diferentes grupos sociais.
» Distinguir os elementos constitutivos de danças urbanas (ritmo, espaço, gestos) ao
assistir uma ou mais pessoas dançando.
» Apropriar-se de uma ou mais dança urbana.
» Planejar e utilizar estratégias para aprender elementos constitutivos das danças urbanas.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se trabalhar esta habilidade juntamente com EF89EF12 por tratarem de


aprendizados relacionados ao experimentar, fruir e recriar práticas da cultura
corporal que fazem parte do universo da dança, demandando a apropriação e recriação
de manifestações.

280
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

Sugere-se também que o estudante traga danças do repertório dele, sejam as que gosta
de apreciar ou de dançar. A partir desse repertório, classificam-se os tipos de dança e os
contextos sociais em que elas ocorrem, para compreender os elementos (socioafetivos
ou corporais) que constituem a apreciação. Pode-se selecionar uma ou mais danças para
o estudante ficar competente na prática escolhida.

É possível planejar eventos em que o estudante compartilhe e comunique o aprendizado,


como apresentações, bailes na escola, simulações de concurso de dança e criação de
cenas (em ambientes virtuais).

Em situações realizadas na escola, uma sugestão é criar grupos para avaliar o produto
final, utilizando o conhecimento adquirido sobre as características das danças para
estabelecerem os critérios de avaliação (elementos constitutivos).

Outra sugestão para acompanhar o aprendizado é recriar danças a partir de uma história
literária que traz elementos (sociais, políticos etc.) para serem utilizados na criação dos
gestos, figurino etc.

Propõe-se trabalhar com Arte, pois o aprendizado dos elementos constitutivos das
danças e dos diferentes tipos de dança é potencializado se a construção desse saber
ocorrer de forma interdisciplinar.

Além disso, a valorização da diversidade de culturas e das tradições pode ser feita por
diferentes tipos de discurso e de gênero que compõem as disciplinas de Língua Inglesa e
Portuguesa, como crônica e texto argumentativo.

É possível nortear o percurso formativo pelo empoderamento e inclusão dos grupos


sociais (ODS 10) envolvidos com danças, valorizando tanto as manifestações culturais em
si, quanto os contextos e os sujeitos que as praticam, em suas tradições e diversidades.
Isso pode contribuir para o estudante em relação ao Projeto de Vida, sendo mais uma
forma de ele se engajar social, cultural e politicamente.

281
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Danças de salão: forró, samba-rock, valsa etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89EF12)
Experimentar, fruir e recriar danças de salão, valorizando a diversidade cultural
e respeitando a tradição dessas culturas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Apropriar-se de uma ou mais danças de salão.
» Compreender as transformações históricas nas danças de salão.
» Planejar e utilizar estratégias para se apropriar dos elementos constitutivos (ritmo,
espaço, gestos) das danças de salão.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se trabalhar esta habilidade junto a EF67EF11 por tratarem de aprendizados


relacionados ao experimentar, fruir e recriar danças. Por isso, apesar de serem tipos de
danças diferentes, diversas sugestões são coincidentes entre elas.

282
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

O estudante pode apresentar danças do repertório dele, classificando os tipos de


dança e contextos sociais que ocorrem, para compreender elementos (socioafetivos ou
corporais) que constituem a apreciação. Sugere-se selecionar uma ou mais danças para o
estudante ficar competente nela(s).

É possível planejar eventos em que o estudante comunique o aprendizado, como


apresentações para a turma, bailes na escola, simulações de concurso de dança e criação
de cenas (em ambientes virtuais). Para esses eventos, formar grupos que criem critérios
para avaliá-las é um jeito de acompanhar a aprendizagem. Outro jeito é contar uma
história literária que traga elementos (sociais, políticos etc.) para o estudante utilizar na
criação de gestos, figurino etc.

A partir do compartilhamento de informações e identificação dos contextos sociais das


danças, pode-se valorizar a diversidade cultural e o respeito à tradição dessas culturas.
Inclusive, pode-se abordar as origens, transformações históricas e estereótipos das danças
(EF89EF14 e 15) como forma de se compreender as tradições dessas práticas corporais.

O trabalho pode ser integrado com Arte, pois o aprendizado dos diferentes tipos de
dança e seus elementos constitutivos é potencializado se a construção desse saber
ocorrer interdisciplinarmente. A valorização da diversidade de culturas e das tradições
pode ser feita por diferentes tipos de discurso e gênero que estão presentes na Língua
Inglesa e Portuguesa.

Sugere-se nortear o percurso formativo pelo empoderamento e inclusão dos grupos


sociais (ODS 10) envolvidos com danças, valorizando tanto as manifestações culturais em
si, quanto os contextos e os sujeitos que as praticam, em suas tradições e diversidades.
Isso pode contribuir para o estudante em relação ao Projeto de Vida, sendo mais uma
forma de se engajar social, cultural e politicamente.

283
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

LUTAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Lutas do Brasil: Capoeira, Huka-Huka, luta Marajoara etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67EF14)
Experimentar, fruir e recriar diferentes lutas do Brasil, valorizando a própria segurança
e integridade física, bem como as dos demais.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer diferenças físicas, afetivas e de experiências corporais prévias como
elementos significativos para a prática de lutas na escola.
» Distinguir os elementos técnicos-táticos das lutas ao assistir a uma luta em diferentes
contextos e suportes (vídeo, evento, treino etc.).
» Planejar e utilizar estratégias básicas das lutas do Brasil, respeitando o colega
como oponente.
» Recriar uma ou mais lutas do Brasil, considerando o contexto na qual se desenvolve e os
sujeitos envolvidos.

284
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se partir da questão das diferenças. É importante o professor salientar,


paralelamente ao repertório de lutas brasileiras trazido pelo estudante, quais atributos
interferem na realização das lutas do ponto de vista individual, ou seja, como ter
diferenças físicas (altura, peso, força etc.), afetivas (medo, coragem, receio, trauma etc.) e
de experiência com lutas (quem já treinou, quem treina, quem convive com lutadores etc.)
influencia no modo como a pessoa realizará a prática.

Pode-se selecionar uma ou mais lutas para o estudante praticar com o objetivo adquirir
competência na prática corporal escolhida, planejando estratégias básicas para lutar.

É possível planejar o acompanhamento do aprendizado por meio de análises de vídeos


para o estudante distinguir os elementos técnicos-táticos envolvidos. Identificar tais
elementos (assim como outros constitutivos das lutas) pode contribuir para que o
estudante reconheça os níveis de habilidade, o tempo e tipo de treinamento e demais
assuntos relacionados às lutas, compreendendo mais amplamente o que assiste e
valorizando esteticamente tal manifestação cultural.

O conflito inerente ao confronto corporal das lutas pode ser tematizado com o
estudante quando ocorrer durante a prática, tornando essa prática corporal um objeto
de conhecimento potente para a aprendizagem de resolução de conflitos. Além disso,
a possibilidade de praticar lutas e recriá-las, considerando o outro sujeito em sua
segurança e integridade física, é uma forma de favorecer o aprendizado acerca do
respeito e valorização do outro - que é, no caso, oponente e não inimigo.

Esta habilidade seja desenvolvida junto de EF67EF16 e EF67EF17, dando-se foco na


compreensão das características das lutas brasileiras para, assim, poder recriá-las.

Propõe-se valorizar este objeto de conhecimento tanto do ponto de vista do


empoderamento dos grupos de origem das lutas brasileiras (ODS 10), como do ponto de
vista de ampliação do repertório do estudante para interagir com o mundo, a partir do
uso e fruição dessas práticas corporais.

285
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

GINÁSTICAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Ginástica de condicionamento físico: musculação, crossfit etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67EF10)
Diferenciar exercício físico de atividade física e propor alternativas para a prática
de exercícios físicos dentro e fora do ambiente escolar.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Definir conceitos de exercício físico, atividade física e saúde.
» Verificar os espaços disponíveis (específicos ou não) na comunidade para a prática de
exercícios físicos.
» Identificar a prática de exercícios e atividades físicas como formas de se expressar,
relacionando-as com as sensações e transformações corporais.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se tratar do tema usando reportagens que abordem o que é saúde, atividades
e exercícios físicos. Também é importante que se escolham fontes de pesquisa para
definir e diferenciar esses três conceitos.

286
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

É possível planejar uma sequência didática que, a partir dos conceitos estabelecidos,
relacione as características de cada sujeito com o objetivo de cada exercício (força,
flexibilidade etc.) e o modo de executá-lo, respeitando as diferenças corporais. Depois,
a partir do conceito de saúde debatido, pode-se relacioná-lo com exercício físico.

Com tais conceitos definidos e as relações entre exercícios, corpo e saúde estabelecidas,
propõe-se que o estudante identifique, na comunidade, condições (locais, materiais etc.)
para a realização dessa prática.

É possível planejar uma proposta de intervenção dentro e fora do ambiente escolar


que dê alternativas para a prática de exercícios físicos nesses espaços. Essa proposta
de intervenção, seminários e trabalhos em grupo podem servir para acompanhar
a aprendizagem.

Pode-se destacar não só a realização sobre os exercícios físicos, mas também as


sensações e sentimentos gerados, tornando possível para o estudante expressar-se
através deles. Por exemplo: para um estudante que utiliza bicicleta ou percorre longas
distâncias para chegar à escola, relacionar o aumento de força através de exercícios
com a diminuição de cansaço para o cotidiano é um olhar de como essa prática corporal
pode expressar motivação, a partir do que aprendeu.

Para adolescentes que trazem uma representação corporal vinculada ao


desenvolvimento de capacidades físicas, a prática de exercícios físicos está relacionada
à forma como querem comunicar quem são (corpos atléticos, magros etc.), sendo um
exemplo de como é possível se expressar através dessa linguagem.

É possível planejar o desenvolvimento desta habilidade juntamente a EF67EF08, já


que a prática dos exercícios físicos é importante para conhecê-los a ponto de se propor
alternativas para sua realização em diferentes contextos.

Sugere-se destacar como o desenvolvimento desta habilidade possibilita ao estudante


acessar conhecimentos relacionados à promoção da saúde e qualidade de vida, direitos
essenciais dos cidadãos (ODS 3).

287
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIDADE TEMÁTICA:

GINÁSTICAS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Ginástica de condicionamento físico: musculação, crossfit etc.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67EF09)
Construir, coletivamente, procedimentos e normas de convívio que viabilizem a
participação de todos na prática de exercícios físicos, com o objetivo de promover a saúde.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Relacionar características individuais (capacidade física, biotipo, relação com
movimento etc.) com exercícios físicos para a promoção de saúde.
» Reconhecer a realização de exercícios físicos como direito de todos.
» Utilizar as diferenças entre as pessoas para potencializar a construção de normas e
procedimentos de convívio no contexto dos exercícios físicos.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

É possível planejar uma sequência didática que, a partir dos conceitos de saúde e
exercício físico, comece relacionando as características de cada sujeito com o objetivo
de cada exercício (força, flexibilidade etc.) e o modo de executá-lo, respeitando as
diferenças corporais na realização deles.

288
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS EDUCAÇÃO FÍSICA

Depois, a partir do conceito de saúde debatido, pode-se relacionar o exercício com a


promoção de saúde.

É possível debater quais exercícios físicos o estudante conhece, quem os realiza e as


razões. A partir desse debate, constrói-se, individualmente, uma seleção de exercícios
físicos que promovam a saúde do estudante.

Feita a seleção individual do estudante, vale criar meios coletivos da concretização dessa
seleção. Essa construção pode ocorrer tanto dentro do ambiente escolar, quanto fora.
Em ambas situações, as diferenças entre as pessoas, as características individuais, os
exercícios físicos em si, a disponibilidade de tempo, espaço e material e a noção de saúde
serão utilizados para o trabalho. Por isso, tanto a seleção individual quanto a construção
coletiva também são instrumentos de acompanhamento da aprendizagem.

Pode-se desenvolver esta habilidade conjuntamente a EF67EF10, em função da relação


direta entre os objetos e objetivos de aprendizagem de ambas.

Sugere-se ainda que Ciências e Geografia trabalhem conjuntamente com esta


habilidade, para que os conceitos de corpo, saúde, espaço coletivo e inclusão social sejam
amplamente aprofundados.

Propõe-se destacar como o desenvolvimento desta habilidade possibilita ao estudante


acessar conhecimentos relacionados à promoção da saúde, qualidade de vida e inclusão
social (em função das diferenças), direitos essenciais dos cidadãos (ODS 3 e 10).

289
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Construção de laços afetivos e convívio social.


» Expressões usadas para o convívio social.
» Vocabulário relativo a temas familiares (escola, família, rotina diária, atividades
de lazer, esportes, entre outros).

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF06LI02)
Coletar informações do grupo, perguntando e respondendo sobre a família,
os amigos, a escola e a comunidade.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Interagir em situações de intercâmbio oral, demonstrando iniciativa para utilizar a
língua inglesa.
» Utilizar expressões relativas ao convívio social e o uso da língua inglesa em sala de aula.
» Utilizar repertório lexical relativo a temas familiares (escola, família, rotina diária,
atividades de lazer, esportes, entre outros).

290
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver a habilidade proposta, pode-se solicitar que os estudantes


desenvolvam um projeto para conhecer a si (“Quem sou eu?”) e o outro. Assim,
inicialmente, pode-se solicitar que eles trabalhem em duplas para que possam sentir-se
seguros em se expressar em língua inglesa.

Para que eles possam interagir em situações de intercâmbio oral, pode-se utilizar a
estratégia conhecida como Think-Pair-Share, em que inicialmente eles devem elaborar
as questões que desejam fazer a sua dupla. Nesse momento, eles podem fazer uso
dos dicionários bilíngues. Na segunda etapa, os estudantes podem interagir em
duplas, fazendo as perguntas sobre os colegas e registrando-as. O momento final é o
compartilhamento dessas informações com o restante do grupo.

Como cada componente influencia o desenvolvimento desta habilidade:


» Em Educação Física, pode-se aproveitar o tema para trazer as diferenças de
aptidões e gostos relacionados às práticas esportivas.
» Em Ciências Humanas, pode-se realizar um projeto interdisciplinar para
reconhecer semelhanças e diferenças no próprio grupo, como religião,
configuração familiar, entre outros.

Observa-se, assim, uma relação das atividades com as Competências Gerais 8, 9, 10.

Na maneira como as atividades propõem o desenvolvimento da habilidade, nota-se que


as atividades podem ser ampliadas não apenas conceitualmente, com o conhecimento do
outro, mas também ao promover trocas em que é preciso tratar o outro com empatia e
respeito. Nesse sentido, colabora com a promoção de sociedades pacíficas e inclusivas,
como previsto no ODS 16.

291
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos orais, com a mediação do professor.


» Conjugação verbal (presente simples).
» Vocabulário relacionado a rotina e hábitos alimentares.
» Adjetivos possessivos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI05)
Aplicar os conhecimentos da língua inglesa para falar de si e de outras pessoas,
explicitando informações pessoais e características relacionadas a gostos,
preferências e rotinas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar apresentação sobre a família, a comunidade e a escola, compartilhando-a
oralmente com o grupo.
» Utilizar o presente do indicativo para identificar pessoas e descrever rotinas diárias.
» Descrever relações por meio do uso de apóstrofo (’) + s.
» Empregar os adjetivos possessivos.

292
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que, para desenvolver esta habilidade, o estudante consiga articular seus
conhecimentos linguísticos aplicados a um contexto. Nesse caso, conteúdos gramaticais
(presente do indicativo, adjetivos possessivos, entre outros) são exemplos de estruturas
necessárias para que o estudante realize apresentações orais sobre si e seu contexto
familiar e escolar. Para isso, pode-se solicitar que ele inicialmente faça uso de esquemas
e mapas mentais para organizar a apresentação, selecionando quais aspectos do tema
(família, comunidade ou escola) deseja apresentar.

A partir do planejamento, para apresentar e mobilizar os conhecimentos linguísticos


necessários e torná-los mais dinâmicos, pode-se utilizar jogos para apresentar e fixar
as estruturas gramaticais. Por exemplo, para apresentar o verbo to be e vocabulário
referente a rotinas diárias, é possível utilizar jogos da memória com imagens e textos ou
jogos de tabuleiro que podem ser construídos pelos estudantes.

A sugestão é avaliar a apresentação oral do estudante por meio de rubricas que observem
dois aspectos: a estrutura da apresentação oral em si e os conhecimentos linguísticos
mobilizados, considerando não apenas a estrutura, mas a pronúncia e o vocabulário.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, por


meio do trabalho com as habilidades que envolvem planejamento de texto e apresentações
orais, contribuindo para o desenvolvimento de procedimentos e estratégias.

Em Ciências Humanas, pode-se realizar um projeto interdisciplinar para comparar rotinas e


preferências e, dessa forma, analisar a questão da alteridade.

A atividade pode também potencializar o autoconhecimento dos estudantes e permitir que


eles conheçam, interajam e transformem o contexto em que vivem e estudam, impactando
seus Projetos de Vida.

As atividades podem ser encaminhadas de modo a tratar da questão das diferenças entre
as pessoas, promovendo o respeito ao outro e desenvolvendo aspectos previstos pelos
ODS 16 e 10.

293
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Práticas investigativas.
» Estruturas interrogativas.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI02)
Entrevistar os colegas para conhecer suas histórias de vida.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar uma entrevista.
» Reconhecer a estrutura de perguntas em inglês e comparar as diferenças entre as
estruturas interrogativas, negativas e afirmativas em perguntas de sim ou não.
» Reconhecer e utilizar as Wh- questions.
» Formular sentenças completas com sujeito, verbo e complemento.
» Textualizar ou apresentar uma entrevista.

294
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para apresentar o gênero entrevista, pode-se apresentar contextos em que esse gênero
aparece, como talk shows, comumente encontrados nos Estados Unidos, ou ainda revistas
que textualizam esse tipo de texto. A partir da apresentação desse material, pode-se
apresentar a proposta de produção de entrevistar o colega para produzir um talk show,
fazendo uso da metodologia de role play.

Nesse sentido, é interessante que o estudante planeje seu texto. Como uma entrevista
requer a formulação de perguntas, os conhecimentos linguísticos podem ser mobilizados
para esse fim. Assim, existe a possibilidade de apresentar as estruturas de perguntas por
meio de jogos ou sites e aplicativos. Nesse momento, sugere-se categorizar os tipos de
perguntas possíveis: Wh-questions, questões que fazem uso de verbos auxiliares (do e
does) ou perguntas que fazem uso da inversão do verbo to be.

Como forma de avaliar a produção, pode-se pedir que os estudantes apresentem seus
talk shows a partir de rubricas de avaliação.

Além disso, pode-se solicitar uma autoavaliação sobre os conteúdos procedimentais


e atitudinais envolvidos na entrevista de modo a fazer o estudante refletir sobre seu
processo de aprendizado. Por exemplo, pode-se perguntar sobre como ele se sentiu no
papel de entrevistador ou entrevistado, o que é preciso considerar para entrevistar uma
pessoa, entre outras possibilidades.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


por meio do trabalho com as habilidades de produção textual escrita, que envolvem
planejamento, produção e textualização podem contribuir para o desenvolvimento de
procedimentos e estratégias necessários para a proposta. Em Matemática, pode-se
coletar dados dessas entrevistas para a construção de gráficos e tabelas.

A habilidade pode ser desenvolvida de modo a contribuir para o desenvolvimento


da Competência Geral 4, pois propõe a utilização da linguagem para se expressar e
produzir sentidos.

As atividades podem ser encaminhadas de modo a tratar da questão das diferenças entre
as pessoas, promovendo o respeito ao outro, desenvolvendo assim aspectos previstos
no ODS 16. Além disso, contempla-se também aspectos do ODS 10 ao propor-se o
reconhecimento de diferenças.

295
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção oral.
» Planejamento de texto.
» Estrutura de verbos no passado simples e contínuo.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI05)
Compor, em língua inglesa, narrativas orais sobre fatos, acontecimentos
e personalidades marcantes do passado.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar informações para uma apresentação oral.
» Planejar uma apresentação.
» Utilizar o passado simples e o passado contínuo para produzir textos orais e escritos.
» Produzir relatos orais sobre o tema escolhido.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

É interessante desenvolver esta habilidade de maneira interdisciplinar, uma vez


que é possível utilizar as aulas de História para produzir apresentações orais sobre

296
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

personalidades que estejam sendo trabalhadas nesse componente. Assim, pode-se fazer
uma dinâmica de leitura com diferentes biografias de personalidades históricas que
fizeram a diferença no mundo. Uma proposta é permitir aos estudantes selecionar essas
pessoas de acordo com seu interesse, contribuindo para o autoconhecimento da turma e
fortalecendo o engajamento dos estudantes para a realização da atividade.

A partir dessa escolha temática, os estudantes podem construir uma linha do tempo
(em papel ou com o uso de ferramentas online), selecionando os principais fatos sobre a
pessoa escolhida. Essa atividade pode ser feita tanto individualmente, quanto em pares
ou em grupos. A linha do tempo, nessa atividade, serve como um planejamento do texto
da produção oral e pode ser usada como suporte na apresentação.

Na reconstrução dos fatos para o relato, sugere-se que sejam mobilizados os conteúdos
linguísticos complementares a essa produção, como as estruturas do passado simples e
contínuo, preposições e conectivos. Tais estruturas podem ser apresentadas fazendo uso
de ferramentas online e jogos, tornando a aprendizagem mais ativa.

A avaliação desta habilidade pode ocorrer no momento da apresentação dos estudantes


a partir de critérios pré-estabelecidos que deem evidências que os objetivos de
aprendizagem foram atingidos.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


por meio do trabalho com as habilidades do eixo da oralidade, que podem auxiliar nos
procedimentos de apresentação oral.

Em Ciências Humanas, pode-se utilizar das temáticas vistas em aula para a realização
de um projeto interdisciplinar, envolvendo, por exemplo, a questão do índio brasileiro
e americano.

A habilidade pode ser desenvolvida de modo a contribuir para o desenvolvimento


da Competência Geral 4, pois propõe a utilização da linguagem para se expressar e
produzir sentidos.

Considerando a temática proposta na construção das apresentações, pode-se trazer


diversos temas do ODS 16, como a paz, e dos ODS 13, 14 e 15, como o desenvolvimento
sustentável, entre outros.

297
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Partilha de leitura.
» Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção.
» Apreciação e réplica.
» Produção de textos orais (comentários).

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI11)
Participar de troca de opiniões e informações sobre textos, lidos na sala de aula
ou em outros ambientes.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o gênero do texto lido (tirinhas, entrada de blogue, tuíte, entre outros).
» Reconhecer as condições de produção, circulação e recepção do texto (autor, função
social, suporte, entre outros).
» Identificar a ideia central do texto.
» Formular considerações sobre o texto, utilizando a língua inglesa.

298
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, sugere-se atividade de leitura de gêneros


textuais que não envolvam estruturas linguísticas complexas, como tirinhas, entrada de
blogue, tuíte, entre outros. Tais atividades situadas permitem ao estudante relacionar o
gênero textual às suas condições de produção, como a identificação do autor, a função
social do texto, o suporte, entre outros. Nesse sentido, pode-se propor atividades de
leitura compartilhada, fazendo uso de ferramentas de apoio, como dicionários online
e impressos.

Sugere-se, ainda, que a partir da leitura dos textos, sejam propostos registros das
impressões e considerações em línguas inglesa, fazendo uso de frases simples e utilizando
conteúdos gramaticais como o presente simples e conectivos que ajudem os estudantes
a justificar suas escolhas. Essa partilha das leituras pode também desenvolver conteúdos
procedimentais (de organização da fala) e atitudinais (respeito a fala do outro).

Como forma de avaliar, pode-se propor instrumentos que avaliem o processo, como
registros e tarefas, rubricas de observação com foco na oralidade e, ainda, a autoavaliação.

Em Língua Portuguesa, os procedimentos de apoio à leitura, como a tomada de notas,


podem auxiliar nas propostas de Língua Inglesa.

Observa-se a relação desta habilidade com a Competência Geral 4, pois, ao partilhar


sua leitura, o estudante está se expressando e partilhando informações no contexto das
propostas de Língua Inglesa. Além disso, o uso da língua permite que ele trace planos
para o futuro (“Para onde vou?”).

No que se refere à educação em Direitos Humanos e aos ODS, pode-se observar que,
além da temática dos textos, por meio dos procedimentos de escuta empática, é possível
relacionar a habilidade ao ODS 16, que propõe o desenvolvimento de sociedades
pacíficas e inclusivas.

299
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos orais com autonomia.


» Tempos verbais no futuro (will e going to).

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI04)
Utilizar recursos e repertório linguísticos apropriados para informar/comunicar/falar
do futuro: planos, previsões, possibilidades e probabilidades.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar apresentação oral.
» Reconhecer e utilizar procedimentos de apresentações orais.
» Utilizar repertório lexical relativo a planos, previsões e expectativas para o futuro.
» Utilizar formas verbais do futuro para descrever planos e expectativas e fazer previsões.
» Expressar-se oralmente.

300
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A fim de desenvolver a habilidade proposta, sugere-se que ela seja parte de um projeto
que trate do Projeto de Vida do estudante, na medida em que se propõem atividades que
o façam traçar planos para seu futuro.

Pode-se desenvolver estratégias para que o estudante faça o planejamento de sua


apresentação oral, considerando seus planos para o futuro. Nesse planejamento, podem
ser apresentadas as estruturas linguísticas que o auxiliem na comunicação, como formas
verbais e expressões referentes ao futuro.

Sugere-se, a partir do planejamento, que sejam propostas atividades em grupo que


propiciem a análise de procedimentos para apresentações orais, como postura corporal,
impostação de voz, entre outros. Isso pode ser feito por meio da análise de vídeos de
apresentações com critérios de observação, por exemplo.

A avaliação da habilidade pode ser feita por meio da observação da apresentação


utilizando os mesmos critérios elencados no planejamento, bem como a autoavaliação,
para que o estudante se reconheça no processo.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


por meio dos procedimentos de apresentação oral e de planejamento de texto.

As Ciências Humanas contribuem ao proporem a discussão sobre planos para o futuro.

Observa-se, ainda, que o encaminhamento da habilidade permite desenvolver questões


mais profundas do que o uso de estruturas linguísticas para falar do futuro. Ela pode se
alinhar a construção de um Projeto de Vida no qual a língua inglesa é tanto o meio de
expressar-se, como uma finalidade, pois o conhecimento em de uma segunda língua dá
ao estudante oportunidades de acesso ao mundo do trabalho.

A proposta de construção de um planejamento para o futuro e sua expressão em língua


inglesa relacionam-se diretamente com o ODS 4, cuja meta 4 apresenta propostas para
que “o número de jovens e adultos tenham habilidades relevantes, inclusive competências
técnicas e profissionais, para emprego, trabalho decente e empreendedorismo”.

301
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ORALIDADE E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos orais com autonomia.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LI04)
Expor resultados de pesquisa ou estudo com o apoio de recursos, tais como notas,
gráficos, tabelas, entre outros, adequando as estratégias de construção do texto oral
aos objetivos de comunicação e ao contexto.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar informações a partir de critérios de pesquisa estabelecidos.
» Reconhecer as condições de produção, circulação e recepção de uma apresentação
oral no contexto escolar (função social, público-alvo, suporte, entre outros).
» Planejar apresentação oral considerando suas condições de produção, circulação
e recepção.
» Explorar o uso de recursos linguísticos (frases incompletas, hesitações, entre outros) e
paralinguísticos (gestos, expressões faciais, entre outros) em situações de interação oral.

302
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pode-se observar que esta habilidade pressupõe uma pesquisa prévia, que deve
considerar as diferentes estratégias do campo de estudo e pesquisa. Além disso, é
interessante apresentá-la por meio de um projeto interdisciplinar, de modo que a
língua inglesa seja um meio para que ocorra essa apresentação.

Nesse sentido, a partir dessa pesquisa prévia, sugere-se que sejam feitas atividades
nas quais se proporciona a oportunidade de selecionar informações e planejar a
apresentação considerando suas condições de produção (qual a função da apresentação,
qual o público-alvo, por qual meio essa apresentação será feita, entre outros). Essas
atividades podem ser propostas considerando a aprendizagem colaborativa, entre
duplas ou grupos de trabalho. Dessa maneira, trabalham-se não apenas conteúdos e
procedimentos, mas habilidades socioemocionais, como negociação e tomada de decisão.

Além de atividades de planejamento, propõe-se que sejam feitas propostas nas quais seja
necessário levantar as estruturas linguísticas e expressões usuais para apresentações.
Na execução desse planejamento e levantamento de estruturas, é interessante já
levantar quais critérios serão observados. Tais critérios podem elencar desde o conteúdo
da pesquisa a ser apresentado, o uso da língua (pronúncia, adequação linguística) até
procedimentos envolvidos em apresentações orais (postura corporal, impostação de voz,
entre outros).

Pode-se, também, propor atividades com ferramentas de apresentação e construção


de gráficos e tabelas. Sugere-se, nesse contexto, propor uma avaliação com planilhas de
observação e autoavaliação que elenquem e retomem os mesmos critérios apontados
no planejamento.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa,


com o uso de estratégias propostas para apresentações orais e para tomadas de nota.
Em Matemática, pode-se propor a construção de gráficos e tabelas. Em Ciências da
Natureza, pode-se fazer pesquisas, considerando uma temática do componente.

Nota-se que o desenvolvimento desta habilidade se relaciona com a Competência Geral


4, que propõe a utilização das linguagens para partilhar informações. Caso se considere o
trabalho colaborativo, relaciona-se também à Competência 9 de Língua Portuguesa, que
propõe “Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-
se respeitar e promovendo o respeito ao outro”.

Observa-se que, ao se propor uma apresentação em Língua Inglesa, desenvolvem-se


habilidades técnicas voltadas também para o mundo do trabalho, relacionando-se, assim,
ao ODS 4.

303
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ESCRITA E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos escritos, em formatos diversos, com a mediação do professor.


» Conjugação verbal (presente simples).
» Vocabulário relacionado a rotina e hábitos alimentares.
» Adjetivos possessivos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF06LI15)
Produzir textos escritos em língua inglesa (histórias em quadrinhos, cartazes, chats,
blogues, agendas, fotolegendas, entre outros), sobre si mesmo, sua família, seus amigos,
gostos, preferências e rotinas, sua comunidade e seu contexto escolar.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características e a função social do gênero escolhido.
» Planejar um texto que atenda às características do gênero.
» Utilizar o vocabulário e as estruturas gramaticais para descrever gostos e
preferências de si próprio e de pessoas da esfera privada do usuário (presente simples
e contínuo, adjetivos possessivos, expressões sobre temas familiares e do cotidiano).
» Produzir um texto que atenda às características do gênero.

304
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver esta habilidade, é interessante fazer a escolha do gênero a ser


produzido. A escrita de uma HQ, por exemplo, é uma oportunidade de trazer um texto
multissemiótico para a sala de aula. Nesse caso, é necessário que haja um planejamento
no qual se apresente uma sequência narrativa (situação inicial, conflito, clímax e
desfecho). Tal sequência é importante na medida em que traz o caráter narrativo da HQ,
pois, caso contrário, a proposta pode se tornar uma ilustração da rotina do estudante,
fugindo da característica do gênero. Se opção for por uma entrada de blogue, pode-se
explorar a característica e função social desse gênero.

Os conhecimentos linguísticos podem ser percebidos como ferramentas (e não


finalidade) para a construção desses textos. Uma sugestão é mobilizar diferentes
aspectos como critério para a produção, como vocabulário sobre temas familiares
e escolares, presente simples e contínuo, adjetivos possessivos, entre outros. Esses
conhecimentos podem ser desenvolvidos por meio de jogos e ferramentas digitais que
apresentem a estrutura gramatical e exercícios de fixação.

Como forma de avaliar a produção, pode-se observar se os aspectos discursivos


(relacionados ao gênero e às condições de produção) e notacionais (aspectos linguísticos)
foram mobilizados.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa. As


habilidades de produção textual escrita podem contribuir para o desenvolvimento de
procedimentos e estratégias necessários para a proposta. Em Ciências Humanas, pode-se
realizar um projeto interdisciplinar para a produção de textos que descrevam ou narrem
rotinas e histórias de crianças e personalidades históricas.

A atividade pode engajar os estudantes e abrir espaço para o desenvolvimento


do protagonismo, contribuindo com sua formação integral. Há a abertura para a
personalização dos estudantes, que podem criar uma narrativa autoral para as histórias
em quadrinhos que dialoguem com seus interesses e demandas, impactando seus
Projetos de Vida.

As atividades podem ser encaminhadas de modo a tratar da questão das diferenças entre as
pessoas. Nesse sentido, pode-se abordar questões de gênero, como previsto pelo ODS 5.

305
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ESCRITA E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos escritos, em formatos diversos, com mediação do professor.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF07LI14)
Produzir textos diversos sobre fatos, acontecimentos e personalidades do passado
(linha do tempo/timelines, biografias, verbetes de enciclopédias, blogues, entre outros).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as características do gênero proposto (linha do tempo/timelines,
biografias, verbetes de enciclopédias, blogues) e sua função social.
» Planejar a escrita de textos em função do contexto.
» Organizar o texto em unidades de sentido, dividindo-o em parágrafos ou tópicos
e subtópicos.
» Discriminar sujeito de objeto, utilizando pronomes a eles relacionados.

306
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para desenvolver a habilidade, sugere-se a proposição de uma produção que tenha


sentido para o estudante e que tenha um destino de publicação, como o jornal da escola,
um mural, um blogue. Propõe-se também atividades que permitam planejar o texto
considerando seus possíveis leitores e suporte.

Para a produção do texto, podem ser oferecidas ferramentas de apoio, como dicionários
bilíngues, ilustrados, entre outros. Além disso, sugere-se trabalhar os conteúdos
linguísticos, como pronomes, tempos verbais e campos semânticos que estejam atrelados
ao contexto da produção. Pode-se, também, fazer uso de ferramentas digitais para a
produção desse texto.

Como forma de avaliar, sugere-se que essa produção seja analisada tanto nos aspectos
discursivos (relativos às características do gênero) quanto os notacionais (referentes aos
conteúdos linguísticos).

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa.


Pode-se trabalhar conjuntamente com uma oficina de produção de textos para um jornal
ou blogue da escola.

Em Arte, pode-se propor a ilustração de textos produzidos pelo estudante.

Em Ciências Humanas, pode-se propor a temática para a construção de uma linha do


tempo ou biografia.

A habilidade relaciona-se com o desenvolvimento da Competência Geral 4, que objetiva


que o estudante utilize diferentes linguagens para se expressar.

Propõe-se, portanto, por meio o desenvolvimento da habilidade de escrita em língua


inglesa, prover ferramentas e habilidades para o mundo do trabalho, como proposto pela
meta 4 do ODS 4.

307
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

EIXOS:

ESCRITA E CONHECIMENTOS
LINGUÍSTICOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos escritos com mediação do professor/colegas.


» Estratégias de planejamento, textualização, revisão e edição.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF08LI11)
Produzir textos (comentários em fóruns, relatos pessoais, mensagens instantâneas,
tweets, reportagens, histórias de ficção, blogues, entre outros), com o uso de estratégias
de escrita (planejamento, produção de rascunho, revisão e edição final), apontando
sonhos e projetos para o futuro (pessoal, da família, da comunidade ou do planeta).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar textos escritos, considerando sua finalidade, suporte, entre outros.
» Utilizar, de modo inteligível, as formas comparativas e superlativas de adjetivos.
» Utilizar some, any, many, much, de modo inteligível e corretamente.
» Empregar os pronomes relativos (who, which, that, whose).
» Avaliar a própria produção escrita e a de colegas com base no contexto de
comunicação (finalidade e adequação ao público, conteúdo a ser comunicado,
organização textual, legibilidade, estrutura de frases).
» Reescrever o texto, com cortes, acréscimos, reformulações e correções, para
aprimoramento, edição e publicação final.

308
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA INGLESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida por meio de um projeto interdisciplinar
no qual o estudante tenha contato com gêneros variados, considerando sua função social
e condições de produção e atrelado à temática proposta de “sonhos e projetos para o
futuro”. Nesse sentido, propõe-se que a escolha do gênero a ser produzido seja central
para que o estudante se aproprie dele e consiga produzir um texto. Assim, inicialmente
propõem-se atividades de planejamento e apresentação dos critérios de modo a
nortear a escrita do estudante. Além disso, é possível apresentar, durante essa etapa, os
conteúdos linguísticos pertinentes ao gênero escolhido.

A partir da produção do texto, pode-se solicitar que o estudante avalie a própria escrita
a partir de uma tabela dos critérios propostos no planejamento. Essa proposta também
pode ser feita em duplas, de modo a desenvolver atitudes éticas e respeitosas em relação
ao outro. Por fim, para avaliar o desenvolvimento da habilidade, sugere-se instrumentos
com a análise do texto como forma de observar se os critérios foram atendidos, planilhas
de observação das atividades em dupla ou em grupos e, ainda, a autoavaliação.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Portuguesa, por


meio dos procedimentos de produção de texto ou de um projeto de escrita de textos nas
duas línguas.

As Ciências Humanas contribuem por meio de temáticas que dialoguem com a


contextualização da habilidade, que trata de “projetos para o futuro (pessoal, da família,
da comunidade)”.

As Ciências da Natureza contribuem por meio de análise de propostas de produção de


textos sobre temas como consumo consciente e o desenvolvimento sustentável.

Dessa forma, nota-se que a habilidade dialoga com o Projeto de Vida do estudante, não
apenas na construção da sua identidade e trajetória (“Quem sou eu?”), mas também
propondo pensar em projetos que envolvam a comunidade e o planeta (“Qual meu lugar
no mundo?”).

Assim sendo, nota-se que o desenvolvimento da habilidade, cuja temática envolve projetos
para a comunidade e o planeta, dialoga com uma educação voltada para os Direitos
Humanos e com os ODS, sobretudo os que envolvem a diminuição das desigualdades (10)
e os que atuam na proteção do planeta.

309
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

LEITURA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Apreciação e réplica.
» Relação entre gêneros e mídias.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP01)
Diferenciar liberdade de expressão de discursos de ódio, posicionando-se contrariamente
a esse tipo de discurso e vislumbrando possibilidades de denúncia quando for o caso.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e analisar os aspectos éticos envolvidos em argumentações sobre
assuntos ou fatos.
» Identificar discursos de ódio em textos do campo jornalístico-midiático.
» Utilizar argumentos para denunciar discursos de ódio.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se, para esta habilidade, o desenvolvimento de projetos que abordem fatos e


assuntos polêmicos específicos do estado e/ou município onde se encontra a comunidade
escolar, propiciando a participação efetiva, ética e consciente dos estudantes nas
discussões dessas questões e, consequentemente, a formação de cidadãos críticos,

310
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

autônomos e compromissados com o meio em que vivem. Nesse sentido, o respeito a si


mesmo e ao outro colabora para construção de um Projeto de Vida.

Recomendam-se, ainda, rodas de conversa para discutir a diferença entre liberdade de


expressão e discursos de ódio que podem ser evidenciados em diversos assuntos, por
exemplo, cyberbullying, homofobia, racismo etc. Além disso, é pertinente, considerar as
possibilidades de interação dos alunos com jornais e revistas locais, impressos ou digitais,
e redes sociais.

Sugere-se, ainda, a análise de memes como estratégia para desenvolver esta habilidade.
Para isso, pode-se selecionar alguns memes que expressem discurso de ódio para
que, em grupos, os estudantes possam relacionar linguagem verbal e não verbal na
composição das mensagens de ódio, levando-os a refletir sobre as reações e quantidade
de compartilhamentos da postagem em redes sociais, como Facebook.

Os estudantes podem, também, elaborar comentários escritos e/ou orais para


argumentar e denunciar o discurso de ódio propagados nos textos lidos.

Em Arte, podem ser estabelecidas relações com a habilidade EF69AR15, de modo a


problematizar questões de gênero, corpo e sexualidade. Em Educação Física, é possível
a articulação com a habilidade EF67EF17, considerando a discussão de questões
como preconceitos e estereótipos relacionados ao universo das lutas e demais práticas
corporais, propondo alternativas para superá-las, com base na solidariedade, na justiça,
na equidade e no respeito.

Em relação à Competência Geral, esta habilidade refere-se ao desenvolvimento da


Competência 7.

A habilidade contribui para formação de um cidadão responsável, consciente e capaz de


denunciar um discurso de ódio, por exemplo. Nesse sentido, há uma relação com o ODS 16.

311
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO TEXTUAL

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento de textos informativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP09)
Planejar notícia impressa e para circulação em outras mídias (rádio ou TV/vídeo), tendo
em vista as condições de produção, do texto – objetivo, leitores/espectadores, veículos
e mídia de circulação etc. –, a partir da escolha do fato a ser noticiado (de relevância para
a turma, escola ou comunidade), do levantamento de dados e informações sobre o fato –
que pode envolver entrevistas com envolvidos ou com especialistas, consultas a fontes,
análise de documentos, cobertura de eventos etc.–, do registro dessas informações e
dados, da escolha de fotos ou imagens a produzir ou a utilizar etc. e a previsão de uma
estrutura hipertextual (no caso de publicação em sites ou blogs noticiosos).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar um fato a ser noticiado (de relevância para a turma, escola ou comunidade).
» Buscar informações e dados em jornais e revistas (impressos e on-line), sites
noticiosos etc.
» Selecionar fotos e/ou imagens para compor o texto.
» Planejar uma notícia, levando em consideração as características do gênero, o
contexto de produção e o suporte.

312
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade contempla a etapa de "Planejamento" da escrita processual. Refere-se,


portanto, aos procedimentos necessários para planejar um texto, considerando as
condições de produção e circulação, bem como as definições quanto ao fato/assunto e
seu recorte temático.

Por isso, ao planejar situações didáticas para trabalhar o planejamento e a produção do


texto, é importante considerar que produzir uma notícia impressa e uma notícia para
rádio ou TV implica domínio de recursos de linguagens diferenciados e complexos. Por
exemplo: planejar uma notícia para TV/vídeo implica a produção de um roteiro prévio
que aponte articulações entre texto verbal e não verbal (efeitos sonoros, perspectiva da
câmera, cortes de imagens etc.).

Propõe-se como sugestão de projeto de elaboração de notícias: (1) ler e analisar


notícias veiculadas em diferentes mídias, a fim de garantir o conhecimento sobre a
forma composicional, estilo e intencionalidade do gênero; (2) seleção do assunto/fato
a ser noticiado (nesse caso, sugere-se criar uma situação-problema para discutir e
elencar assuntos de relevância da comunidade escolar, do bairro, da cidade e do país);
(3) prática de curadoria de informação; e (4) elaboração de esquemas para sintetizar o
que será produzido.

Sugere-se como possibilidade de avaliação da aprendizagem o acompanhamento do


projeto final de planejamento e proposta de questionário autoavaliativo.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa, com a


possibilidade de curadoria de informações em mídias em inglês.

Além disso, esta habilidade conecta-se às Competências Gerais 7 e 9, considerando os


procedimentos implicados em um trabalho de grupo, visto que há uma oportunidade de
exercitar a empatia, o diálogo e a cooperação, de modo a promover o respeito ao outro e
o reconhecimento de seus saberes e potencialidades.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de elaboração da notícia.

313
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO TEXTUAL

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento de textos informativos/textualização,


tendo em vista suas condições de produção, as características do gênero em
questão, o estabelecimento de coesão, adequação à norma-padrão e o uso
adequado de ferramentas de edição.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP10)
Produzir notícia impressa tendo em vista características do gênero – título ou manchete
com verbo no tempo presente, linha fina (opcional), lide, progressão dada pela ordem
decrescente de importância dos fatos, uso de 3ª pessoa, de palavras que indicam
precisão –, e o estabelecimento adequado de coesão e produzir notícia para TV, rádio
e internet, tendo em vista, além das características do gênero, os recursos de mídias
disponíveis e o manejo de recursos de captação e edição de áudio e imagem.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar uma notícia, levando em consideração as características do gênero, o contexto
de produção e o suporte.
» Produzir uma notícia, considerando o planejamento, as características do gênero,
o contexto de produção e o suporte.

314
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade esteja atrelada à etapa de planejamento textual, bem
como à prática de curadoria de informações. Além disso, propõe-se que sejam definidos
os critérios necessários à produção do texto, antes de se iniciar a etapa de textualização.
Nesse sentido, é oportuno que os estudantes participem dessa etapa, de modo a
construir coletivamente uma rubrica de qualidade.

Considerando as etapas de escrita processual, pode-se, ainda, propor situações de


escrita colaborativa. Por exemplo, no caso de uma notícia impressa, cada grupo pode
comentar o texto do colega, com base em quadros de critérios e rubricas de qualidade. É
possível, também, utilizar a ferramenta "comentários" disponível no Google Docs. Após
essa etapa, é possível reescrever e editar o texto e, por fim, publicá-lo em blogues da
escola, jornal, mural etc.

Propõe-se, caso a opção seja a elaboração de uma notícia para TV, rádio e internet, a
criação de um projeto interdisciplinar com os profissionais da sala de informática.
Assim, essa atividade pode contribuir também para o desenvolvimento da competência
de área 6, no que refere ao manejo de tecnologias digitais. Nesse caso, pode-se propor
que os estudantes criem um jornal falado e, com isso, pode-se explorar as várias maneiras
de se noticiar um fato/assunto.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa, com


a elaboração de um telejornal em inglês, a fim de desenvolver as habilidades de
comunicação oral. Em Matemática, é possível elaborar os gráficos, infográficos e/ou
tabelas para compor o texto.

Recomenda-se que os estudantes leiam e produzam notícias com base em temas que
envolvam a negociação de sentidos, como xenofobia, racismo. Desse modo, serão
estimulados a refletir sobre os Direitos Humanos e como promover o entendimento
entre as pessoas, como proposto pelo ODS 16.

315
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO TEXTUAL

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de produção: textualização de textos informativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP09)
Produzir reportagem impressa, com título, linha fina (optativa), organização
composicional (expositiva, interpretativa e/ou opinativa), progressão temática e uso de
recursos linguísticos compatíveis com as escolhas feitas e reportagens multimidiáticas,
tendo em vista as condições de produção, as características do gênero, os recursos e
mídias disponíveis, sua organização hipertextual e o manejo adequado de recursos de
captação e edição de áudio e imagem e adequação à norma-padrão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar um fato a ser aprofundado ou um tema a ser focado (de relevância para a
turma, escola ou comunidade).
» Buscar informações e dados em jornais e revistas (impressos e on-line), sites noticiosos etc.
» Planejar reportagem impressa e em outras mídias (rádio ou TV/vídeo, sites), tendo em
vista as condições de produção do texto – objetivo, leitores/espectadores, veículos e
mídia de circulação etc.
» Selecionar fotos e/ou imagens, infográficos etc., para compor o texto.
» Produzir reportagem impressa e em outras mídias (rádio ou TV/vídeo, sites), tendo em
vista as condições de produção do texto – objetivo, leitores/espectadores, veículos e
mídia de circulação etc.
» Utilizar adequadamente os recursos de captação e edição de áudio e imagem.

316
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, consideram-se as operações de escrita


processual: planejamento/textualização/revisão/reescrita/edição e publicação.

Recomenda-se, então, o planejamento de modalidades didáticas que possam contemplar:


» a leitura de diferentes reportagens com temáticas de relevância social e, que, de
certo modo, dialoguem com assuntos de interesse juvenil, mobilizando-os a refletir
sobre temas que possam ajudá-los a conhecer mais sobre si mesmos (“Quem sou
eu”), sobre a escola, a comunidade e o mundo (“Onde estou”/“Qual é o meu lugar no
mundo”);
» a definição da situação comunicativa em que o texto será produzido (quem serão os
leitores, onde circulará, com que finalidade);
» o planejamento, que envolve a elaboração do conteúdo temático e a organização
do texto parte a parte (recomenda-se que os estudantes, em grupos, produzam
esquemas, organogramas, diagramas-síntese etc.);
» a textualização, ou seja, a escrita do texto; e
» a revisão processual (durante a produção) e final.

Sugere-se, ainda, que as operações mencionadas anteriormente possam ser realizadas


em situações coletivas e/ou em grupos, a fim de promover um trabalho colaborativo
em que os estudantes possam trocar conhecimentos e experiências. Nesse sentido, os
estudantes com mais familiaridade com o manejo de captação de áudio e imagem podem
auxiliar a turma, no caso da produção de uma reportagem multissemiótica.

Propõe-se, também, escolher coletivamente o local de publicação dos textos. Nesse caso,
pode-se publicá-los em blogues da escola, da comunidade e/ou em rede sociais.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa, na utilização


de ferramentas de curadoria em sites em inglês. Na área de Matemática, sugere-se trabalhar
com os dados numéricos (produção e análise de enquetes, gráficos e infográficos).

Esta habilidade está diretamente ligada à Competência Geral 4.

A habilidade pode contribuir para o debate de diferentes temas relacionados aos ODS.
Por exemplo: a elaboração de um projeto articulado com Ciências da Natureza em que
seja produzida uma reportagem sobre consumo sustentável estabeleceria relações com os
ODS 12 ou 13.

317
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO TEXTUAL

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de produção: planejamento de textos argumentativos e apreciativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP10)
Planejar artigos de opinião, tendo em vista as condições de produção do texto – objetivo,
leitores/espectadores, veículos e mídia de circulação etc. –, a partir da escolha do tema
ou questão a ser discutido(a), da relevância para a turma, escola ou comunidade, do
levantamento de dados e informações sobre a questão, de argumentos relacionados
a diferentes posicionamentos em jogo, da definição – o que pode envolver consultas a
fontes diversas, entrevistas com especialistas, análise de textos, organização esquemática
das informações e argumentos – dos (tipos de) argumentos e estratégias que pretende
utilizar para convencer os leitores.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Pesquisar dados e informações sobre o tema e/ou questão a ser discutido em
fontes diversas.
» Organizar, esquematicamente as informações, os diferentes tipos de argumento
e as estratégias que pretende utilizar para convencer os leitores.
» Planejar um artigo de opinião considerando as condições de produção, a escolha
do tema, o objetivo, leitores/espectadores, veículos e mídia de circulação etc.

318
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se, antes da elaboração do planejamento da produção, o mapeamento dos temas


e questões polêmicas de relevância social, a fim de permitir que o estudante selecione o
tema de seu interesse.

Como possibilidade de atividade, é oportuno promover rodas de leitura de charges,


notícias, reportagens e entrevistas com a finalidade de repertoriar o estudante, além
de mobilizá-lo a assumir uma postura argumentativa ética frente aos temas veiculados
nos textos.

Orienta-se, também, que o estudante possa elaborar esquemas e diagramas com base
nas informações, dados e argumentos, de modo a desenvolver habilidades do campo de
práticas de estudo e pesquisa.

Propõe-se, ainda, que os estudantes possam compartilhar a tese e os argumentos que


irão compor o artigo de opinião. É oportuno, nesse caso, sugerir que os colegas façam
comentários, de modo ético e respeitoso, aos trabalhos apresentados. A troca de ideias
e o debate de opiniões, além de favorecer a reflexão, são conteúdos que podem ser
ensinados. Assim, promove-se a percepção da importância da relação com o outro para o
seu desenvolvimento pessoal e social, de modo a sensibilizar o estudante para entender
a diversidade como oportunidade de crescimento e vislumbrar diferentes possibilidades
para o seu futuro.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente Língua Inglesa, na


curadoria de informações em mídias nessa língua. Em Ciências Humanas, propõe-se, por
meio da habilidade EF08HI19, mobilizar o estudante a estruturar questionamentos e
argumentos sobre temas como a questão racial, por exemplo. Em Ciências da Natureza,
sugere-se o planejamento de situações didáticas que permitam ao estudante argumentar
e defender pontos de vistas sobre temas e questões/polêmicas da área.

Esta habilidade também se refere à Competência Geral 7, visto que pressupõe a


argumentação e defesa de ideias e pontos de vista.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de elaboração do projeto
textual de um artigo de opinião.

319
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

PRODUÇÃO TEXTUAL

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Textualização de textos argumentativos e apreciativos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF09LP03)
Produzir artigos de opinião, tendo em vista o contexto de produção dado, assumindo
posição diante de tema polêmico, argumentando de acordo com a estrutura própria
desse tipo de texto e utilizando diferentes tipos de argumentos – de autoridade,
comprovação, exemplificação princípio etc.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Planejar um artigo de opinião considerando as condições de produção, a escolha
do tema, o objetivo, leitores/espectadores, veículos e mídia de circulação etc.
» Formular diferentes tipos de argumentos a fim de defender uma tese.
» Produzir artigos de opinião, tendo em vista o planejamento textual, o contexto
de produção dado, as características do gênero, os diferentes tipos de argumentos
e o suporte.

320
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Destaca-se que a seleção do artigo de opinião como o último gênero previsto para os
Anos Finais, de acordo com a BNCC, pressupõe uma progressão no trabalho com os
gêneros argumentativos do campo jornalístico-midiático.

Reitera-se, também, a necessidade de mobilizar o estudante a desenvolver habilidades


que possam aguçar o pensamento crítico e a defesa de pontos de vistas, uma vez que
produzir um artigo de opinião exige a interpretação de informações selecionadas, a
defesa da tese e a construção de diferentes tipos de argumentos.

Sugere-se o planejamento de modalidades didáticas que garantam:


» a contextualização: definir a situação comunicativa em que o texto será produzido
(é importante enfatizar que, ao escrever o artigo de opinião, o estudante deve
considerar os possíveis leitores);
» o planejamento: pode-se retomar os temas da coletânea sobre os quais o grupo
elaborou seu projeto de texto;
» o processo de textualização;
» a revisão/reescrita; e
» a publicação do artigo de opinião em e-book, impresso, em blogs etc., a fim
de que a comunidade escolar possa ter acesso.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa, na


curadoria de informações em sites, revistas, jornais etc., nessa língua, a fim de ampliar o
repertório do estudante. A área de Ciências Humanas pode contribuir com discussões
sobre os processos históricos e sociológicos relacionados ao tema da proposta do artigo
de opinião. Em Matemática, é possível analisar gráficos, pesquisas, infográficos e/ou
tabelas que possam contemplar o tema da proposta do artigo de opinião.

Além disso, esta habilidade conecta-se às Competências Gerais 7 e 9, considerando os


procedimentos implicados em um trabalho de grupo, visto que há uma oportunidade de
exercitar a empatia, o diálogo e a cooperação, de modo a promover o respeito ao outro e
o reconhecimento de seus saberes e potencialidades.

Recomenda-se que os estudantes produzam artigos de opinião com base nos temas
contemporâneos, na educação para as relações étnico-raciais e na educação em
Direitos Humanos.

321
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Produção de textos jornalísticos orais.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP11)
Identificar e analisar posicionamentos defendidos e refutados na escuta de interações
polêmicas em entrevistas, discussões e debates (televisivo, em sala de aula, em redes
sociais etc.), entre outros, e se posicionar frente a eles.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar e analisar argumentos e contra-argumentos na escuta de diferentes
interações polêmicas.
» Analisar, em gêneros orais que envolvam argumentação, os efeitos de sentido de
elementos típicos da modalidade falada, como a pausa, a entonação, o ritmo, a
gestualidade, a expressão facial, as hesitações etc.
» Utilizar argumentos para se posicionar frente a temas polêmicos.

322
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade supõe a escuta e a produção de textos orais, em diferentes contextos.


Para isso, é necessário que o estudante seja capaz de analisar os recursos linguísticos e
semióticos que envolvem essas situações comunicativas, como a posição assumida pelo
outro, o movimento argumentativo usado, a entonação dada ao que se fala etc.

Recomenda-se, então, planejar situações didáticas que possibilitem, inicialmente, a


análise de entrevistas, debates televisivos etc. Por exemplo, é possível:
» discutir uma situação-problema envolvendo temas de relevância social e de
interesse da comunidade, como a arte urbana representada pelo grafite, a
democratização do cinema etc.;
» analisar uma entrevista oral com um grafiteiro, caso a opção seja trabalhar com
esse tema, ou assistir a um debate televisivo sobre o assunto. Nessa etapa,
recomenda-se o uso tabelas, quadros e diagramas, para que o estudante possa
registrar os posicionamentos defendidos; e
» promover uma roda de conversa, a fim de mobilizar o estudante a se posicionar
frente ao tema discutido.

Nesse sentido, esta habilidade pode contribuir para que o estudante possa, por meio
de práticas participativas, colaborativas e corresponsáveis, defender pontos de vistas.
Assim, favorece-se a formação de um sujeito crítico, capaz de defender, com ética e
responsabilidade, os interesses pessoais e coletivos.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Arte caso a opção


seja trabalhar com a questão do grafite como arte urbana. É possível um projeto
interdisciplinar com o propósito de levar o estudante a reconhecer que diferentes
práticas artísticas estabelecem relações com a cultura, política, história etc.

Esta habilidade está diretamente ligada às Competências Gerais 7 e 4, visto que supõem
o desenvolvimento da capacidade de argumentação e o compartilhamento de ideias.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem inspirar a escolha do tema abordado nas propostas de elaboração do projeto
textual de um artigo de opinião.

323
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Participação em discussões orais de temas controversos de interesse


da turma e/ou de relevância social.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP13)
Engajar-se e contribuir com a busca de conclusões comuns relativas a problemas,
temas ou questões polêmicas de interesse da turma e/ou de relevância social.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Pesquisar e ler textos sobre temas relacionados a questões polêmicas de interesse
da turma e/ou de relevância social.
» Participar de debates deliberativos e/ou rodas de conversa.
» Formular perguntas e refletir sobre tema/questão polêmica, explicações e ou
argumentos relativos ao objeto de discussão.
» Apresentar argumentos e contra-argumentos coerentes, respeitando os turnos de
fala, na participação em discussões sobre temas controversos e/ou polêmicos.

324
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Propõe-se, para o desenvolvimento desta habilidade, o planejamento de atividades que


integrem o campo jornalístico-midiático e o campo de atuação na vida pública, de modo a
promover o contato do estudante com os problemas e temas de seu entorno.

Sugere-se, portanto, a elaboração de projetos interdisciplinares, com foco na intervenção


social, a fim de possibilitar a reflexão sobre o tema e/ou questão-problema, e também no
conhecimento de normas e leis. Pode-se, ainda, promover debates deliberativos e rodas
de conversa sobre alguma questão do convívio escolar e/ou temas de relevância social.

Recomenda-se, ainda, que esta habilidade seja trabalhada progressivamente. Para isso,
sugere-se mobilizar o estudante a discutir os temas mais próximos de sua realidade
(turma, escola, comunidade, bairro e cidade) e, posteriormente, é possível estimular
o engajamento em questões mais amplas (condições climáticas do planeta, vida
sustentável, Direitos Humanos etc.).

A habilidade também pode sensibilizar o estudante a aprender a se reconhecer como


um indivíduo impregnado por uma história, por uma cultura e por demandas sociais, bem
como estimular a reflexão sobre a convivência e a participação social.

Trabalhar esta habilidade pode contribuir para o desenvolvimento de um Projeto de


Vida, uma vez que a inserção dos jovens em contextos mais amplos da comunidade pode
favorecer a construção de valores essenciais ao processo de decisão sobre seu futuro.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências Humanas, na


discussão de temas como "O reconhecimento da escola, do bairro e da cidade como
um espaço coletivo", incentivando o estudante a atuar nesses ambientes de forma
crítica, ética e responsável.

É possível estabelecer relação com as Competências Gerais 4 e 7, uma vez que ambas
pressupõem a utilização da linguagem como ferramenta de expressão e argumentação.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem promover a discussão de temas relacionados aos ODS.

325
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Participação em discussões orais de temas controversos de interesse


da turma e/ou de relevância social.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP14)
Formular perguntas e decompor, com a ajuda dos colegas e dos professores, tema/questão
polêmica, explicações e ou argumentos relativos ao objeto de discussão para análise mais
minuciosa e buscar em fontes diversas informações ou dados que permitam analisar
partes da questão e compartilhá-los com a turma.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Praticar a curadoria de informações e dados sobre temas/questões polêmicas.
» Selecionar e comparar dados/elementos de diferentes fontes.
» Compartilhar informações e dados com a turma.
» Posicionar-se criticamente sobre os conteúdos e informações em questão.

326
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, recomenda-se um trabalho articulado com as


habilidades do campo de atuação na vida pública, visto que ela se refere à participação
dos estudantes em discussões de temas controversos que sejam de seu interesse e/ou
tenham relevância social.

Esta habilidade também pressupõe a busca de informações em fontes variadas,


conectando-se às habilidades de curadoria da informação. Desse modo, é necessário
mobilizar o estudante a selecionar e comparar dados/elementos de diferentes fontes,
para que, então, possam posicionar-se criticamente sobre os conteúdos e informações
em questão.

Propõe-se como atividade para desenvolver esta habilidade o planejamento de um


debate regrado. Para isso, é importante considerar as seguintes etapas de trabalho:
» Discussão para eleger temas de relevância social. Nesse caso, recomenda-se
sugerir os temas dos ODS.
» Organização dos estudantes em duas equipes e atribuição de papéis sociais
específicos para um debate.
» Pesquisa em sites confiáveis.
» Leitura de artigos em revistas eletrônicas e conversa com familiares, colegas e
educadores das outras áreas do conhecimento.

Sugere-se, ainda, a formulação de perguntas, com base no tema a ser trabalhado pela
outra equipe. Para essa etapa, é fundamental estimular a discussão entre os membros
da equipe, bem como a prática de curadoria.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa, na


busca de informações e dados em sites, revistas, blogues etc. em inglês. Em Ciências, é
possível mobilizar o estudante a formular perguntas consistentes sobre temas e/ou
questões polêmicas da área. Em Ciências Humanas, pode-se promover um projeto
interdisciplinar, a fim de ampliar o repertório do estudante e prepará-lo para o debate.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem promover a discussão de temas relacionados aos ODS.

327
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento e participação em debates regrados.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP12)
Planejar coletivamente a realização de um debate sobre tema previamente definido,
de interesse coletivo, com regras acordadas e planejar, em grupo, participação em
debate a partir do levantamento de informações e argumentos que possam sustentar
o posicionamento a ser defendido (o que pode envolver entrevistas com especialistas,
consultas a fontes diversas, o registro das informações e dados obtidos etc.), tendo em
vista as condições de produção do debate – perfil dos ouvintes e demais participantes,
objetivos do debate, motivações para sua realização, argumentos e estratégias de
convencimento mais eficazes etc. e participar de debates regrados, na condição de
membro de uma equipe de debatedor, apresentador/mediador, espectador (com
ou sem direito a perguntas), e/ou de juiz/avaliador, como forma de compreender o
funcionamento do debate, e poder participar de forma convincente, ética, respeitosa e
crítica e desenvolver uma atitude de respeito e diálogo para com as ideias divergentes.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer as condições de produção de um debate (perfil dos ouvintes, objetivos do
debate, motivações para sua realização, argumentos e estratégias de convencimento etc.).
» Planejar um debate, considerando o contexto de produção e as características do gênero.
» Formular perguntas e decompor, com a ajuda dos colegas e dos professores,
tema/questão polêmica, explicações e ou argumentos relativos ao objeto de discussão.

328
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

» Participar de debates regrados, ocupando diferentes papéis (mediador, juiz, debatedor


etc.).
» Apresentar argumentos e contra-argumentos coerentes, respeitando os turnos de fala,
na participação em discussões sobre temas controversos e/ou polêmicos.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade supõe que o estudante possa vivenciar diferentes papéis em um debate
regrado (debatedor, apresentador/mediador, espectador/juiz/avaliador etc.). Contudo,
é necessária a mobilização de algumas operações cognitivas, como reconhecer as
especificidades do gênero e do contexto de produção, bem como selecionar um tema
de interesse coletivo e elaborar um planejamento, a fim de definir regras, praticar a
curadoria de informações e levantar argumentos consistentes.

Propõe-se, portanto, a elaboração de atividades que possam promover a análise de


vídeos com diferentes debates, para que os estudantes possam compreender as
especificidades do gênero. Recomenda-se, aqui, utilizar uma tabela, a fim de organizar
as observações. Na etapa de planejamento, propõe-se utilizar ferramentas de curadoria
para obter informações e dados/selecionar argumentos e elaborar um roteiro/organizar
os papéis de cada membro dos grupos. Sugere-se que, na etapa de produção do debate,
os grupos recebam previamente uma rubrica com os critérios a serem avaliados.
Recomenda-se, ainda, que se proponha uma síntese coletiva para que os estudantes
possam avaliar a aprendizagem após a finalização do debate.

Sugere-se que esta habilidade também seja vinculada a projetos interdisciplinares


envolvendo os componentes curriculares da área e de outras áreas, uma vez que, para
defender argumentos coerentes, é necessário antes desenvolver um repertório. Por
exemplo: caso o tema do debate seja a desigualdade de gênero, pode-se discutir na área
de Ciências Humanas os processos históricos envolvendo os direitos conquistados
pelas mulheres.

A habilidade articula-se à Competência Geral 4 no que se refere ao debate de ideias


e estabelece relações com a Competência Geral 9, uma vez que o debate regrado
possibilita o exercício do diálogo e a resolução de conflitos de modo ético e respeitoso.

A habilidade pode contribuir para o debate de diferentes temas relacionados aos ODS. Por
exemplo: a elaboração de um projeto articulado com Ciências Humanas a fim de debater a
desigualdade de gênero estaria relacionada ao ODS 5.

329
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO JORNALÍSTICO-MIDIÁTICO:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégias de produção: planejamento, realização e edição de entrevistas orais.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP13)
Planejar entrevistas orais com pessoas ligadas ao fato noticiado, especialistas etc.,
como forma de obter dados e informações sobre os fatos cobertos sobre o tema ou
questão discutida ou temáticas em estudo, levando em conta o gênero e seu contexto
de produção, partindo do levantamento de informações sobre o entrevistado e sobre
a temática e da elaboração de um roteiro de perguntas, garantindo a relevância das
informações mantidas e a continuidade temática, realizar entrevista e fazer edição
em áudio ou vídeo, incluindo uma contextualização inicial e uma fala de encerramento
para publicação da entrevista isoladamente ou como parte integrante de reportagem
multimidiática, adequando-a a seu contexto de publicação e garantindo a relevância das
informações mantidas e a continuidade temática.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Selecionar o entrevistado, tendo em vista a escolha do fato noticiado, de modo a
favorecer a pesquisa de dados e informações.
» Planejar uma entrevista oral considerando o recorte temático, as especificidades
do gênero, o contexto de produção/circulação e o suporte.
» Manejar recursos tecnológicos, a fim de captar áudio e/ou vídeo adequados ao
contexto de produção.

330
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

O trabalho com esta habilidade pode ser articulado a outras habilidades de produção de
gêneros jornalísticos, como a notícia e a reportagem. Nesse caso, entende-se a entrevista
oral com uma ferramenta de coleta de informações e dados que podem ser incorporadas
em outros textos.

Sugere-se, portanto, a elaboração de atividades que se relacionem ao processo de


produção de entrevistas, com os seguintes passos:
» Planejamento: selecionar o assunto e quem será entrevistado, praticando a
curadoria de informações.
» Textualização, recorrendo aos recursos das diferentes linguagens e aos aplicativos
necessários para captar áudio e vídeo.
» Revisão e articulação: avaliar o contexto de circulação da entrevista e, ainda,
selecionar e organizar os trechos relevantes para complementar outros textos,
como notícia e reportagem.

Considerando as etapas propostas, sugere-se:


» Selecionar, coletivamente, temas do cotidiano do estudante e/ou de relevância
para comunidade escolar.
» Organizar os grupos a fim de que eles possam escolher quem será o entrevistado.
Nesse sentido, recomenda-se entrevistar educadores, especialistas, estudantes,
familiares, amigos etc.
» Organizar o roteiro da entrevista, definindo as perguntas. Nesse caso, cada
membro do grupo pode elaborar uma pergunta.
» Solicitar que os grupos possam selecionar os papéis de cada componente do grupo
(entrevistador, cinegrafista, redator, revisor, ilustrador/fotógrafo etc.).
» Finalizadas as entrevistas, é possível propor que os demais alunos assistam à
entrevista feita pelos colegas.

Um educador pode participar como entrevistado de uma atividade. Caso o tema seja danças
urbanas, por exemplo, pode-se entrevistar um especialista em Educação Física e/ou Arte.
Em Língua Inglesa, pode-se propor atividades com foco no desenvolvimento da
habilidade EF07LI02.

Considerando as sugestões metodológicas, todos os ODS podem ser usados como


parâmetro para o desenvolvimento desta habilidade, na medida em que seus escopos
podem promover a discussão de temas relacionados aos ODS.

331
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Textualização, revisão e edição.


» Gêneros de solicitação e reivindicação.
» Condições de recepção e produção.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP22)
Produzir, revisar e editar textos reivindicatórios ou propositivos sobre problemas que
afetam a vida escolar ou da comunidade, justificando pontos de vista, reivindicações e
detalhando propostas (justificativa, objetivos, ações previstas etc.), levando em conta
seu contexto de produção e as características dos gêneros em questão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer e selecionar temas que afetam a vida escolar ou da comunidade.
» Identificar o gênero adequado à demanda de comunicação (abaixo-assinado,
petição, carta aberta, entre outros).
» Planejar e produzir o texto.
» Revisar o texto, considerando os aspectos notacionais e discursivos.
» Editar e publicar o texto no suporte mais adequado à demanda de comunicação.

332
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida por meio de um projeto que se inicia
com um levantamento das questões que afetam a vida escolar ou a comunidade. A partir
do reconhecimento dessas questões, pode-se propor um debate no qual argumenta-se
sobre os temas selecionados pelos estudantes.

Pode-se solicitar que os estudantes pesquisem e elejam o gênero que melhor atende
às demandas de comunicação. Por exemplo, os estudantes podem optar por uma carta
aberta a um membro do legislativo caso identifiquem a necessidade da revitalização de
um espaço público no bairro.

Recomenda-se que, partir do planejamento do texto, sejam levantados os critérios a


serem considerados na produção, incluindo os discursivos (referentes ao gênero) e
os notacionais (de uso da língua, como ortografia e repetição de palavras). Redigidos
os textos, pode-se optar pela revisão em pares, para observar se os critérios foram
cumpridos. Feitas as revisões e reescritas, pode-se editar o texto e considerar o
melhor meio de publicá-lo (nas redes sociais, no jornal da escola, entregar à autoridade
competente, entre outros).

A avaliação pode ser feita por meio de rubricas de observação das etapas de produção,
pelo próprio texto ou ainda por uma autoavaliação que permita ao estudante observar
quais procedimentos ele conseguiu desenvolver.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências Humanas, com a


problematização de temas que envolvam o desrespeito aos Direitos Humanos, em um
projeto interdisciplinar.

Esta habilidade relaciona-se com a Competência Geral 10, pois mobiliza o grupo de
estudantes a agir em prol do bem comum. Nesse sentido, relaciona-se também com o
Projeto de Vida dos estudantes por tratar da busca pela melhoria do espaço escolar e
da comunidade.

As atividades propostas, bem como a sugestão de produção colaborativa, desenvolvem


temas e estratégias para educação em Direitos Humanos e ao ODS 16. Além disso,
considerando a natureza dos textos reivindicatórios, pode-se estabelecer uma relação
com a meta 3 do ODS 10.

333
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Textualização, revisão e edição.


» Gêneros normativos.
» Condições de recepção e produção.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP23)
Contribuir com a escrita de textos normativos, quando houver esse tipo de demanda na
escola – regimentos e estatutos de organizações da sociedade civil do âmbito da atuação
das crianças e jovens (grêmio livre, clubes de leitura, associações culturais etc.) – e de
regras e regulamentos nos vários âmbitos da escola – campeonatos, festivais, regras
de convivência etc., levando em conta o contexto de produção e as características dos
gêneros em questão.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar o gênero adequado à demanda de comunicação (regimentos e estatutos).
» Planejar e produzir o texto.
» Revisar o texto, considerando os aspectos notacionais e discursivos.
» Editar e publicar o texto no suporte mais adequado à demanda de comunicação.

334
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugere-se que esta habilidade seja desenvolvida a partir de uma demanda real de
comunicação, por exemplo, a necessidade de se estabelecer regras de convivência
no espaço escolar. Nesse sentido, os estudantes podem trabalhar coletivamente na
produção de um único texto, visto que a habilidade prevê a contribuição para a escrita
de um texto. Além disso, considerando as modalidades didáticas, a sugestão é que essa
proposta seja vinculada a um projeto.

Para a construção do texto, há a possibilidade de usar um editor de textos de escrita


colaborativa. Redigidos os textos, pode-se optar pela revisão coletiva. Depois da
reescrita, pode-se editar o texto e considerar o melhor meio de publicá-lo (no jornal da
escola, em um mural, entre outros).

A avaliação pode ser feita por meio de observação e registros da participação e do


engajamento do estudante na construção do texto, bem como uma autoavaliação para
que o estudante se perceba como protagonista do próprio processo de aprendizagem.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Educação Física,


propondo a escrita colaborativa de um texto que apresente as regras de convivência e
comportamento na quadra e nos espaços de esportes coletivos.

Esta habilidade relaciona-se com a Competência Geral 10, pois mobiliza o grupo de
estudantes a agir em prol do bem comum. Nesse sentido, relaciona-se também com o
Projeto de Vida dos estudantes por tratar da busca pela melhoria do espaço escolar e
da comunidade.

As atividades propostas, bem como a sugestão de produção colaborativa, desenvolvem


temas e estratégias para a educação em Direitos Humanos e “garantir a tomada de
decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis”, como
previsto pela meta 7 do ODS 16.

335
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de produção: planejamento de textos reivindicatórios ou propositivos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF67LP19)
Realizar levantamento de questões, problemas que requeiram a denúncia de
desrespeito a direitos, reivindicações, reclamações, solicitações que contemplem a
comunidade escolar ou algum de seus membros e examinar normas e legislações.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer os direitos e as necessidades da comunidade escolar e seus membros.
» Reconhecer ferramentas de levantamento de questões.
» Examinar normas e legislações.
» Relacionar as normas e legislações às questões e problemas encontrados.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Sugerem-se atividades para que o estudante desenvolva o pensamento crítico e


reconheça seus direitos e deveres, estabelecendo, assim, relações entre as questões
que afetam a si e a comunidade e o Projeto de Vida.

336
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

A habilidade pode ser ao mesmo tempo considerada complementar à EF69LP22,


prevista para todo o segmento dos Anos Finais e essencial ao 6º e 7º ano, pois entende-se
que é fundamental promover inicialmente o reconhecimento de problemas e questões
que a afetam a si e a comunidade escolar.

Propõe-se que sejam oferecidas maneiras de reconhecimento de questões, como


entrevista com membros da comunidade, leitura de notícias e reportagens, entre
outros. A partir do levantamento das questões, é interessante propor atividades por
meio de projetos, situações-problema e leitura de normas e legislações. Por exemplo:
caso se reconheça algum direito desrespeitado de um estudante, pode-se propor a
leitura do Estatuto da Criança e do adolescente. Essa leitura pode ser feita utilizando as
metodologias ativas, como a sala de aula invertida, leitura em quebra cabeça, em pares,
entre outros. Ao reconhecer as normas que estão sendo desrespeitadas, desenvolve-se a
possibilidade de elaborar um planejamento de ações.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada à área de Ciências Humanas, ao evidenciar


as questões dos direitos e deveres dos cidadãos, organizando o levantamento de
questões de maneira interdisciplinar.

Nota-se a relação desta habilidade de planejar e levantar questões com a Competência


Geral 9, que promove o exercício da empatia e do diálogo.

As atividades propostas tratam do levantamento de possíveis desrespeito aos


Direitos Humanos. Por essa razão, desenvolvê-las atua diretamente nos Objetivos de
Desenvolvimento Sustentável, sobretudo nos que se referem à igualdade de gênero
(ODS 5) a à desigualdade no país e entre países (ODS 10).

337
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

PRODUÇÃO DE TEXTOS

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Estratégia de produção: planejamento de textos reivindicatórios ou propositivos.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP21)
Realizar enquetes e pesquisas de opinião, de forma a levantar prioridades, problemas
a resolver ou propostas que possam contribuir para melhoria da escola ou da
comunidade, caracterizar demanda/necessidade, documentando-a de diferentes
maneiras por meio de diferentes procedimentos, gêneros e mídias e, quando for o
caso, selecionar informações e dados relevantes de fontes pertinentes diversas (sites,
impressos, vídeos etc.), avaliando a qualidade e a utilidade dessas fontes, que possam
servir de contextualização e fundamentação de propostas, de forma a justificar a
proposição de propostas, projetos culturais e ações de intervenção.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer problemas que afetam à comunidade.
» Reconhecer a estrutura de enquetes e pesquisa de opinião.
» Realizar enquetes e pesquisa de opinião sobre questões envolvendo a comunidade.
» Documentar os dados obtidos por meio de diferentes gêneros.
» Utilizar argumentos fundamentados para justificar as propostas.

338
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Nota-se, nesta habilidade, uma progressão em relação à habilidade EF67LP19, pois


há a sugestão da realização de enquetes e pesquisas de opinião, diferentemente do
levantamento de questões. Por essa razão, sugere-se que os estudantes tenham acesso à
estrutura desses gêneros de levantamento, de modo que possam estruturá-lo. Isso pode
ser feito por meio da apresentação de vídeos que mostram situações reais de enquete,
entre outras formas de construir repertório.

No que tange à questão da realização da pesquisa e sua documentação, sugere-se


que sejam organizados grupos de trabalho. Depois da finalização dessa pesquisa, há
a possibilidade de que cada grupo utilize formas diferentes de registro, como painéis,
tabelas, gráficos, entre outros.

Sugere-se que, a partir do levantamento das necessidades, sejam feitas atividades


de análise de argumentos para embasar a proposta e de gêneros propositivos e
reivindicativos. Nesse sentido, pode-se sequenciar o trabalho ao abordar esta habilidade
juntamente com a habilidade EF69LP22, anteriormente explicitada.

Como maneira de avaliar o processo, sugerem-se rubricas de observação do estudante,


analisando aspectos conceituais e procedimentais, por exemplo, a utilização de
argumentos e a organização da pesquisa, respectivamente.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Matemática, realizando


um trabalho com as estatísticas levantadas pela pesquisa e com a construção de gráficos
e tabelas. Também pode se integrar a Ciências Humanas, a fim de ler e analisar textos que
contextualizem e fundamentem as propostas.

Esta habilidade relaciona-se diretamente com a proposta do Projeto de Vida, pois


contribui com a construção da cidadania, possibilitando o desenvolvimento de
uma consciência crítica e promovendo a responsabilidade do estudante para com a
comunidade que o cerca.

As atividades propostas tratam do levantamento de possíveis casos de desrespeito


aos Direitos Humanos. Por essa razão, desenvolvê-las atua, diretamente, nos temas
propostos pelos ODS, sobretudo os que se referem à igualdade de gênero (ODS 5) e à
desigualdade no país e entre países (ODS 10).

339
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Discussão oral.

HABILIDADES
(habilidades relacionadas a essa competência)

(EF69LP24)
Discutir casos, reais ou simulações, submetidos a juízo, que envolvam (supostos)
desrespeitos a artigos, do ECA, do Código de Defesa do Consumidor, do Código
Nacional de Trânsito, de regulamentações do mercado publicitário etc., como forma
de criar familiaridade com textos legais – seu vocabulário, formas de organização,
marcas de estilo etc. -, de maneira a facilitar a compreensão de leis, fortalecer a defesa
de direitos, fomentar a escrita de textos normativos (se e quando isso for necessário)
e possibilitar a compreensão do caráter interpretativo das leis e as várias perspectivas
que podem estar em jogo.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Identificar a forma de organização dos textos normativos e legais e a lógica de
hierarquização de seus itens e subitens, tendo em vista o contexto de produção.
» Analisar efeitos de sentido causados pelo uso de vocabulário técnico; do imperativo;
de palavras e expressões que indicam circunstâncias, como advérbios e locuções
adverbiais; e de palavras que indicam generalidade.
» Analisar o caráter coercitivo e generalista das leis e de outras formas de regulamentação.
» Fazer uso consciente e reflexivo de regras e normas da norma-padrão em situações
de fala e escrita nas quais ela deve ser usada.

340
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade prevê a análise de casos, reais ou simulações, considerando a legalidade


e o direito. Desse modo, espera-se que o estudante seja capaz de compreender textos
legais e normativos para que, então, possa elaborar argumentos sólidos que apoiem sua
análise, nas diferentes situações da esfera da vida pública como (discussões coletivas e
em grupos, debates etc.).

Sugere-se, portanto, que os estudantes possam discutir diferentes temas contemporâneos.


Como estratégia para desenvolver a autonomia, pode-se solicitar que eles decidam os
temas, levando em consideração uma lista prévia preparada pelo educador.

Propõe-se, ainda, o planejamento de projetos que possam integrar o campo jornalístico-


-midiático e o campo da vida pública. Por exemplo, ao analisar uma campanha publicitária
sobre racismo, pode-se recorrer ao código penal brasileiro, a fim de favorecer a competência
leitora de textos normativos. Assim, o estudante se familiariza com o vocabulário técnico
específico desses textos. Em outra etapa, sugere-se promover discussões coletivas sobre o
assunto para que, então, o estudante possa defender seus argumentos.

Propõe-se que as interações orais sejam vinculadas a projetos interdisciplinares, para


que os estudantes possam ampliar o repertório. Na área de Ciências Humanas, por
exemplo, caso a opção seja a atividade de análise de campanha publicitária sobre racismo
e análise do código penal, pode-se ampliar o repertório do estudante sobre o processo de
escravidão no Brasil. Em Ciências da Natureza, a habilidade pode contribuir para que os
estudantes compreendam, efetivamente, as leis ambientais, por exemplo.

Esta habilidade estabelece, ainda, relações com a Competência Geral 7, uma vez que
prevê a argumentação a com base em fatos, dados e informações confiáveis, para
formular, negociar e defender ideias.

A habilidade pode contribuir para o debate de diferentes temas relacionados aos ODS.
Por exemplo, o ODS 10, especialmente a meta 10.3, considera a legislação como uma
ferramenta para inibir diferentes práticas discriminatórias.

341
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Discussão oral.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP25)
Posicionar-se de forma consistente e sustentada em uma discussão, assembleia,
reuniões de colegiados da escola, de agremiações e outras situações de apresentação
de propostas e defesas de opiniões, respeitando as opiniões contrárias e propostas
alternativas e fundamentando seus posicionamentos, no tempo de fala previsto,
valendo-se de sínteses e propostas claras e justificadas.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Utilizar argumentos consistentes em discussões orais.
» Desenvolver o respeito às opiniões contrárias e propostas alternativas.
» Tomar nota em discussões, debates, palestras, apresentações de propostas e
reuniões, como forma de documentar o evento e apoiar a própria fala.
» Fazer uso consciente e reflexivo de regras e normas da norma-padrão em situações
de fala e escrita nas quais ela deve ser usada.

342
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Esta habilidade pressupõe a participação do estudante em diferentes contextos de


discussões orais, assembleias, agremiações etc. Nesse sentido, é possível também,
sensibilizá-lo a perceber a importância da relação com o outro para seu desenvolvimento
pessoal e da convivência social para a construção de projetos individuais e coletivos
para que, desse modo, possa desenvolver uma postura ética, que lhe permita valorizar
a diversidade como oportunidade de crescimento. Assim, são delineadas e projetadas
diferentes possibilidades para seu futuro (“Para onde vou”).

Considerando essa perspectiva, recomenda-se planejar diferentes situações didáticas


que promovem a atuação do estudante na vida pública. Por exemplo, a apresentação
de suas ideias sobre um tema pré-estabelecido e também propostas de intervenção
para um possível problema ou melhoria em algo que lhe chame a atenção, na escola, na
cidade, na comunidade em que vivem etc. Essas apresentações deverão acontecer em
conformidade com as características dos gêneros orais, considerando os seus elementos
composicionais (organização da fala, adequação vocabular ao interlocutor etc.). A escolha
de um interlocutor, como o diretor da instituição escolar, o coordenador pedagógico
e/ou um representante da comunidade, é importante para legitimar a função social
da apresentação.

Propõe-se o planejamento de discussões, assembleias, colegiados etc. que possam


contar com a participação de todos os componentes curriculares, uma vez que, nesse
contexto, serão discutidos temas de relevância social, bem como questões envolvendo a
comunidade escolar, ao bairro, a cidade e o mundo.

Esta habilidade está diretamente ligada à Competência Geral 7, que visa à defesa de
ideias e argumentos, bem como à Competência Geral 9, visto que pressupõe o exercício
da empatia, a resolução de conflitos e a cooperação.

A habilidade dialoga com o ODS 16, meta 7, no que se refere à participação do estudante
em diferentes instâncias da vida. Assim, é promovida a tomada de decisão responsiva,
inclusiva, participativa e representativa em diferentes situações.

343
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Registro.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69LP26)
Tomar nota em discussões, debates, palestras, apresentação de propostas,
reuniões, como forma de documentar o evento e apoiar a própria fala (que pode
se dar no momento do evento ou posteriormente, quando, por exemplo, for
necessária a retomada dos assuntos tratados em outros contextos públicos, como
diante dos representados).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer a ideia central das discussões, debates, palestras, apresentações
de propostas e reuniões.
» Reconhecer argumentos, dados e fatos relevantes para o assunto tratado.
» Reconhecer e utilizar ferramentas de tomada de nota adequadas ao contexto
(estrutura de tópicos, esquema, gráfico, mapa conceitual, incluindo recursos
multissemióticos, como símbolos e cores).

344
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

A habilidade de tomar notas é essencial para desenvolver procedimentos que propiciam


ao estudante ferramentas para se posicionar no contexto escolar e no mundo do
trabalho. Nesse sentido, sugere-se desenvolver atividades cujo objetivo central é tomar
nota nas situações de interação oral propostas pela habilidade, como “discussões,
debates, palestras, apresentação de propostas, reuniões”, apoiando-se nas habilidades de
leitura desses textos.

O estudante pode, então, a partir desses registros feitos espontaneamente, propor


sua análise com base em situações-problemas, evidenciando os recursos envolvidos na
tomada de nota, como os gêneros que apoiam esse procedimento e o uso de recursos
multissemióticos, como símbolos e cores.

Pode-se desenvolver a habilidade integrada ao componente de Ciências Humanas,


solicitando a tomada de notas de discussões que apoiem propostas dos diferentes
componentes curriculares.

A habilidade contribui para o desenvolvimento da Competência Geral 2, uma vez que, por
meio do desenvolvimento de procedimentos, o estudante possa “recorrer a abordagem
própria das ciências [...] para formular e resolver problemas”.

Também contribui para a Competência Geral 7, uma vez que a tomada de notas envolve
a necessidade de documentar interações orais para apoiar a argumentação. Além disso,
desenvolve procedimentos para o estudante atuar também no mundo do trabalho (“Para
onde vou”).

O desenvolvimento de procedimentos de tomada de nota para desenvolver a


argumentação provê ferramentas para uma educação em Direitos Humanos e também
relaciona-se à meta 4.4 do ODS 4, que visa a “aumentar substancialmente o número de
jovens e adultos que tenham habilidades relevantes, inclusive competências técnicas e
profissionais, para emprego, trabalho decente e empreendedorismo”.

345
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

CAMPO DE ATUAÇÃO NA VIDA PÚBLICA:

ORALIDADE

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Escuta.
» Aprendizagem do sentido geral dos textos.
» Análise de movimentos argumentativos.
» Apreciação e réplica.
» Produção/proposta.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF89LP22)
Compreender e comparar as diferentes posições e interesses em jogo em
uma discussão ou apresentação de propostas, avaliando a validade e força dos
argumentos e as consequências do que está sendo proposto e, quando for o caso,
formular e negociar propostas de diferentes naturezas relativas a interesses
coletivos envolvendo a escola ou comunidade escolar.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Reconhecer, em uma discussão ou debate, o posicionamento de si e do outro.
» Analisar os movimentos argumentativos utilizados (sustentação, refutação e
negociação), avaliando a força dos argumentos utilizados.
» Posicionar-se diante da argumentação do outro.

346
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS LÍNGUA PORTUGUESA

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Para o desenvolvimento desta habilidade, propõe-se que ela seja integrada a um projeto
interdisciplinar que envolva a comunidade escolar, a partir da identificação de um
problema ou necessidade que seja levantado coletivamente.

A partir desse levantamento, sugere-se que sejam propostas atividades de leitura de


textos escritos, orais e multissemióticos que ajudem o estudante a reconhecer seu
posicionamento e a levantar dados para embasar seus argumentos.

Por meio de um debate, pode-se contrapor os diferentes posicionamentos. Nesse


sentido, é interessante levar em conta os conteúdos procedimentais (como construir
argumentos, fazer escolhas lexicais e de estrutura) e também os atitudinais (como
escutar o outro com empatia e posicionar-se de forma respeitosa), o que pode ser feito
com a mediação do professor/tutor.

A avaliação das aprendizagens pode envolver as três dimensões (conceituais,


procedimentais e atitudinais) por meio da autoavaliação das atitudes e reconhecimento
de procedimentos, bem como por meio de rubricas de observação.

A habilidade pode ser desenvolvida integrada ao componente de Língua Inglesa, de modo


que as duas línguas tratem conjuntamente dos procedimentos que envolvem um debate.
Em Ciências Humanas, a integração pode se dar por meio de temáticas que envolvam a
comunidade e o contexto escolar.

Observa-se, assim, que a habilidade dialoga com as Competências Gerais 7 e 9, uma vez
que, além de propiciar ferramentas para construir a capacidade de argumentar, também
prevê o exercício da empatia e do diálogo.

Portanto, observa-se que o desenvolvimento desta habilidade, voltada para o diálogo e


empatia, relaciona-se com o ODS 16 e uma educação em Direitos Humanos.

347
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

UNIDADE TEMÁTICA:

DANÇA

COMPETÊNCIA ESPECÍFICA DE ÁREA

OBJETOS DO CONHECIMENTO
(conteúdos, conceitos e processos relacionados à habilidade)

» Dança.
» Processos de criação.

HABILIDADE
(habilidade relacionada a essa unidade temática/eixo/campo)

(EF69AR15)
Discutir as experiências pessoais e coletivas em dança vivenciadas na escola
e em outros contextos, problematizando estereótipos e preconceitos.

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
(o que deverá ser aprendido)

Sugestões de objetivos de aprendizagem, considerando os objetos de conhecimento:


» Experimentar vivências em dança, de maneira individual e/ou coletiva.
» Conhecer manifestações artísticas ligadas à dança.
» Reconhecer a presença de valores sociais e humanos atualizáveis em manifestações
artísticas ligadas à dança.

SUGESTÕES PARA AS PRÁTICAS


(como poderá ser ensinado e sugestão para acompanhamento da aprendizagem)

Pressupõe-se o contato do estudante com manifestações artísticas ligadas à dança, seja


como produtor, seja como fruidor (preferencialmente a primeira opção).

348
MATRIZ CURRICULAR LINGUAGENS
ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS ARTE

Diante de uma experiência vivenciada ou presenciada, é aconselhável que o estudante


seja colocado em situação de debate guiado, a fim de que ele reflita sobre alguns
aspectos como: Quais são os corpos que dançam? Os corpos correspondem a algum tipo
de padrão socialmente estabelecido? Como o corpo dançado difere do corpo cotidiano
no que diz respeito à imagem social que ele apresenta? Como os diferentes estilos de
dança revelam os modos de aceitação, resistência e provocação dos padrões de beleza?

Soma-se ao item anterior a possibilidade de a proposta da discussão também contemplar


o fato da manifestação artística em dança se dar de