Você está na página 1de 16

A Artigo Original

Castro e Cardoso MG et al.

Fórmulas para nutrição enteral padrão e


modificada disponíveis no Brasil: Levantamento e
classificação
Formulas for standard and modified enteral nutrition available in Brazil: Survey and classification

RESUMO
Maria Gabriela Castro e Cardoso1
Sarah Morais Senna Prates2 Introdução: A Terapia Nutricional Enteral é de suma importância no tratamento de indivíduos que
Lucilene Rezende Anastácio3 por algum motivo não conseguem/não podem se alimentar adequadamente por via oral. Há, no
mercado brasileiro, diferentes tipos de fórmulas enterais industrializadas e legislações que regem
suas características, composição e classificação. O presente artigo tem como objetivo tabular as
formulações enterais existentes no Brasil atualmente, descrevendo-as e classificando-as segundo a
legislação vigente. Método: A proposta incluiu tabelamento de informações nutricionais de dietas
enterais padrão com e sem fibras e dietas modificadas específicas para diabéticos, hepatopatas,
nefropatas, pneumopatas, com adição de imunomoduladores, hidrolisadas e para cicatrização
de úlceras por pressão. Foram incluídas também as respectivas classificações e preços, a fim de
facilitar a seleção em tratamentos nutricionais. Resultados: Foram tabeladas 74 fórmulas, de seis
laboratórios diferentes, sendo 24,3% fórmulas padrão sem fibras, 22,9% padrão com fibras, 13,5%
para diabéticos, 5,4% para hepatopatas, 8,1% para nefropatas, 4,1% para pneumopatas, 4,1%
com adição de imunomoduladores, 13,5% hidrolisadas e 4,1% para cicatrização. Conclusões:
As fórmulas possuem diferentes características quanto à composição, o que também justifica a
ampla variação de preços. Além do custo-benefício, a escolha deve ser realizada com base na
composição das mesmas, de acordo com as necessidades nutricionais individuais do paciente, a
fim de selecionar uma fórmula que potencialize a resposta e amplie as possibilidades de sucesso
na terapia nutricional.
Unitermos:
Nutrição Enteral. Terapia Nutricional. Alimentos ABSTRACT
Formulados. Brasil. Introduction: Enteral Nutritional Therapy is of great importance in the treatment of individuals
who for some reason cannot adequately feed themselves orally. There are in the Brazilian market
Keywords:
Enteral Nutrition. Nutrition Therapy. Food, Formu- different types of industrialized enteral formulas and legislations that govern their characteristics,
lated. Brazil. composition and classification. This article aims to tabulate the enteral formulations existing in
Brazil today, describing them and classifying them according to the current legislation. Methods:
Endereço para correspondência: The proposal included tabulation of nutritional information from standard enteral diets with and
Lucilene Rezende Anastácio without fiber and specific modified diets for diabetics, liverworts, nephropathies, pneumopathies,
Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627 – Campus with immunomodulators, hydrolyzed and for healing of pressure ulcers. The respective classifications
Pampulha, Faculdade de Farmácia, Departamento and prices were also included in order to facilitate selection in nutritional treatments. Results: A
de Alimentos – Belo Horizonte, MG, Brasil – CEP total of 74 formulas were collected from six different laboratories: 24.3% were standard formulas
31270-901 without fibers, 22.9% were standard with fibers, 13.5% were diabetics, 5.4% were hepatopathies,
E-mail:lucilene.rezende@gmail.com
8.1% were nephropathies, 4.1% for pneumopathies, 4.1% with immunomodulators, 13.5% hydroly-
Submissão sates and 4.1% for healing. Conclusions: The formulas have different characteristics regarding
12 de novembro de 2018 composition, which also justifies the wide variation of prices. In addition to cost-benefit, the choice
should be made based on their composition, according to the individual nutritional needs of the
Aceito para publicação patient, in order to select a formula that potentiates the response and increase the chances of
30 de dezembro de 2018 success in nutritional therapy.

1. Farmacêutica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Faculdade de Farmácia, Departamento de Alimentos - UFMG, Belo Horizonte,
MG, Brasil.
2. Nutricionista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre e doutoranda em Ciência de Alimentos pela UFMG; Faculdade de
Farmácia, Departamento de Alimentos - UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil.
3. Nutricionista pela Universidade Federal de Viçosa. Mestre em Ciência de Alimentos e doutora em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto pela
Universidade Federal de Minas Gerais. Professora adjunta do Departamento de Alimentos da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal
de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


402
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

INTRODUÇÃO MÉTODO
A terapia nutricional tem como objetivo prevenir e tratar Foi realizada, em maio de 2018, busca digital em portfó-
a desnutrição, preparar o paciente para o procedimento lios de seis laboratórios que produzem e distribuem fórmulas
cirúrgico e clínico, melhorar a resposta imunológica e enterais industrializadas no Brasil, sendo eles: Abbott,
cicatricial. Ademais, esta é capaz de modular a resposta Danone, Fresenius, Nestlé, Nutrimed e Prodiet. Os portfólios
orgânica ao tratamento clínico e cirúrgico, prevenir e tratar podem ser acessados por meio dos sites dos respectivos labo-
as complicações infecciosas e não infecciosas decorrentes ratórios, nos quais se pode ter acesso a todas as informações
do tratamento e da doença, melhorar a qualidade de vida nutricionais das formulações produzidas: (Abbott: http://www.
do paciente, reduzir o tempo de internação hospitalar, abbottbrasil.com.br/; Danone: http://www.danonenutricao.
reduzir a mortalidade e, consequentemente, reduzir custos com.br/; Fresenius: https://www.fresenius-kabi.com/br/;
hospitalares1. A terapia nutricional pode ser oral, enteral Nestlé: https://www.nestle.com.br/; Nutrimed: http://www.
ou parenteral. danonenutricao.com.br/ e Prodiet: http://prodiet.com.br/).
A Nutrição Enteral (NE) é classificada pela Agência Foram excluídas da busca dietas pediátricas, bem como
Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) como módulos de nutrientes. As formulações foram categori-
alimento para fins especiais, com ingestão controlada de zadas, de acordo com as indicações especificadas nos sites
nutrientes, formulada e elaborada para uso por sondas de venda, em nove grupos: fórmulas padrão sem fibras,
ou via oral, utilizada para substituir ou complementar a fórmulas padrão com fibras, fórmulas modificadas para
alimentação em pacientes desnutridos ou não, conforme diabéticos, fórmulas modificadas para hepatopatas, fórmulas
suas necessidades nutricionais2. Esse tipo de nutrição é modificadas para nefropatas, fórmulas modificadas para
indicado em casos em que o trato digestivo esteja total ou pneumopatas, fórmulas modificadas com adição de imuno-
parcialmente funcionante, quando a ingestão oral não é moduladores, fórmulas hidrolisadas e fórmulas modificadas
suficiente para atingir 60% das necessidades nutricionais para cicatrização. Nos grupos das fórmulas modificadas
e na desnutrição. São exemplos de indicação de terapia também foram analisados suplementos específicos para as
nutricional enteral situações como: pacientes com lesões comorbidades citadas.
do Sistema Nervoso Central (SNC), anorexia, queima- Procedeu-se então ao tabelamento das seguintes infor-
duras, lesões da face e mandíbula, câncer de boca, mações nutricionais das dietas: densidade calórica (em
pancreatite, anormalidades metabólicas do intestino, kcal/mL); quantidade (em porcentagem e em quantidade
entre outras 3. absoluta/100mL) e fonte de proteínas; quantidade (em
A NE é fundamental para prevenir e tratar as defi- porcentagem) e fonte de carboidratos; quantidade (em
ciências de macronutrientes e melhorar a recuperação porcentagem) e fonte de lipídeos; quantidade (em g/L) e
do paciente, fornecendo a quantidade de nutrientes fonte de fibras, quando na presença das mesmas; osmola-
compatíveis com a condição metabólica existente 4 . ridade (em mOsm/L de água); osmolalidade (em mOsm/kg
Portanto, a seleção da fórmula enteral deve ser realizada de água); quantidade de sacarose (em g/100mL), quando
por profissional qualificado, para garantir a escolha da na presença da mesma; quantidade de potássio e sódio (no
formulação ideal para cada condição de saúde. Essa caso de formulações modificadas para problemas renais)
seleção deve ser baseada em diversas variáveis clínicas, e presença de nutrientes especiais (no caso de formula-
como complexidade e fonte de nutrientes, densidade ções imunomoduladoras e modificadas para cicatrização).
calórica, osmolaridade/osmolalidade, via de admi- Também foram incluídas informações como nome do fabri-
nistração, indicação clínica, avaliação da capacidade cante e do produto, forma de apresentação, classificação de
digestiva e absortiva do estado metabólico e da estabi- acordo com a densidade calórica e quantidade de proteínas,
lidade hemodinâmica do paciente 5. Na Tabela 1 estão além dos preços atuais no mercado.
descritos os critérios utilizados para a classificação das A classificação das fórmulas foi realizada de acordo com os
fórmulas enterais. critérios especificados pela RDC 21, de 13 de maio de 2015,
Devido à grande variedade de formulações enterais exis- da ANVISA6. Para alcançar a média de preços no mercado,
tentes no mercado brasileiro, e apresentando ainda possibi- foram visitados pelo menos três sites que revendem as formu-
lidade de expansão, essa seleção torna-se tarefa difícil. Além lações. Foram consultados oito sites diferentes, considerando
disso, informações reunidas sobre o assunto são escassas que nem todos possuíam todas as fórmulas para venda, sendo
e não atuais3,5. Dessa forma, o objetivo do presente artigo eles: Danone Nutrição: http://www.danonenutricao.com.
foi realizar levantamento e tabulação de dados sobre dietas br/produtos; Elo Nutrição: http://www.elonutricao.com.br/;
enterais comercializadas atualmente no mercado brasileiro, Enutri: https://www.enutri.com.br/; Nova Nutrii: https://www.
assim como suas respectivas classificações e preços. nutrii.com.br/; Nutrine: https://www.nutrine.com.br/; Nutriport:
BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17
403
Castro e Cardoso MG et al.

Tabela 1 – Classificação das formulações enterais.


Quanto a Tipos Definição
Caseiras Produzidas manualmente preparadas à base de
Forma de preparo alimentos in natura, minimamente processados e/ou
processados ou mistura desses com produtos
industrializados
Industrializadas Produzidas industrialmente
Apresentação (fórmulas Pó para reconstituição (sistema aberto) Necessitam de água ou outro diluente para serem
industrializadas) reconstituídas.
Líquidas semiprontas (sistema aberto) Reconstituídas industrialmente, mas exigem
manipulação prévia à administração.
Líquidas prontas para uso (sistema fechado) Envasadas e mantidas em bolsas os frascos,
necessitando apenas serem ligadas ao equipo
Fórmulas padrão Atende aos requisitos de composição para macro e
micronutrientes estabelecidos com base nas
recomendações para população saudável.
Fórmulas modificadas Sofreu alteração em relação aos requisitos de compo-
Indicação
sição estabelecidos para fórmula padrão para nutrição
(fórmulas industrializadas)
enteral, que implique ausência, redução ou aumento
dos nutrientes, adição de substâncias não previstas ou
de proteínas hidrolisadas.
Módulos de nutrientes Composta por um dos principais grupos de nutrientes:
carboidratos, lipídios, proteínas, fibras alimentares ou
micronutrientes (vitaminas e minerais).
Hipocalóricas Densidade calórica inferior a 0,9kcal/mL.
Normocalóricas Densidade calórica maior ou igual a 0,9kcal/mL e
Suprimento de Calorias
menor ou igual a 1,2kcal/mL.
Hipercalóricas Densidade calórica superior a 1,2kcal/mL.
Poliméricas Macronutrientes encontram-se sob sua forma
inalterada
Complexidade de Nutrientes
Oligoméricas/Semielementares Macronutrientes encontram-se sob sua forma
parcialmente hidrolisada.
Hidrolisadas/Elementares Macronutrientes encontram-se sob sua forma
totalmente hidrolisada
Lácteas ou isentas de lactose -
Presença elementos específicos
Com fibras ou isentas de fibras -
Módulos de nutrientes -
Hipoproteica Quantidade de proteínas inferior a 10% do valor
energético total.
Quantidade de proteínas
Normoproteica Quantidade de proteínas maior ou igual a 10% e
menor que 20% do valor energético total.
Hiperproteica Quantidade de proteínas igual ou superior a 20% do
valor energético total.
Hipotônica 280-300mOsm/kg de água
Isotônica 300-350mOsm/kg de água
Osmolalidade
Levemente hipertônica 350-550mOsm/kg de água
Hipertônica 550-750mOsm/kg de água
Acentuadamente hipertônica >750mOsm/kg de água
Fontes: Waitzberg3 e ANVISA6

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


404
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

https://www.nutriport.com.br/; Plus Care: http://www.pluscare. e as fontes de lipídeos variam entre óleo de canola, óleo de
com.br/ e Sabor de Viver: https://www.sabordeviver.com.br/. girassol, óleo de soja, óleo de peixe, óleo de milho, óleo de
Para fins comparativos, o cálculo dos preços foi realizado por açafrão e triglicerídeos de cadeia média (TCM). Além disso,
litro de fórmula pronta, tanto para as fórmulas líquidas quanto também são usados aditivos como, mono e diglicerídeos,
para as fórmulas em pó. lecitina de soja, entre outros.
Os dados são descritivos, foram tabelados no software Foram tabeladas 17 formulações padrão com fibras
Microsoft Excel e���������������������������������������
apresentados na forma de números abso- (Anexo 1), cuja composição se assemelha à das formulações
lutos e percentual ou média e desvio-padrão, mínimo e padrão sem fibras, exceto pela adição deste nutriente. Existem
máximo. também pequenas diferenças na quantidade de proteínas
(que correspondem de 15% a 20% do VET) e na quantidade
RESULTADOS de carboidratos (que correspondem de 40% a 58% do VET).
A osmolaridade se encontra na faixa de 250 a 410mOsm/L e
Das 74 formulações analisadas, 47,3% eram fórmulas a osmolalidade, de 300 a 525mOsm/kg, variando de isotô-
padrão, sendo as sem fibras as mais comuns (24,3%). A nicas a levemente hipertônicas. A quantidade de fibras varia
osmolaridade das formulações variou de 205 a 314mOsm/L de 12 a 22g/L, e como fontes são utilizadas fibras solúveis
de água e a osmolalidade, de 244 a 960mOsm/kg de água. (fibra de aveia, goma guar parcialmente hidrolisada, inulina,
As formulações apresentaram densidade calórica entre 1,0 goma arábica, fruto-oligossacarídeos) e insolúveis (fibra de
e 2,0 kcal/mL, quantidade de proteínas entre 7% e 37% soja, de trigo, celulose microcristalina).
do valor energético total (VET), variando de hipo, normo a
Sobre as formulações modificadas, foi encontrado o total
hiperproteicas, quantidade de carboidratos entre 29% e 69%
de 41 produtos. Pode-se verificar que estas, geralmente,
do VET e quantidade de lipídeos entre 15% e 50% do VET. Os
possuem maior custo que as formulações padrão e se diferen-
preços variaram de R$ 14,90 a R$ 225,00 por litro, sendo as
ciam pelo fato de possuírem acréscimo, redução ou ausência
fórmulas padrão sem fibras as mais acessíveis (preço médio
de nutrientes não previstos na formulação padrão, tornando-
de R$ 26,02±5,10 por litro) e as fórmulas hidrolisadas as
se, assim, específicas para as comorbidades analisadas.
mais caras (preço médio de R$ 124,19±11,14 por litro).
Essas informações podem ser verificadas no Anexo 1. Em relação às formulações modificadas para diabéticos
(Anexo 1), foram encontrados 10 produtos, com densidade
A maioria das formulações (87,8%) é comercializada sob
calórica variando de 1,0 a 1,5 kcal/mL, sendo oito normoca-
a forma líquida, enquanto apenas 12,2% se apresentam
lóricas e duas hipercalóricas. Ao comparar as fórmulas modi-
sob a forma de pó. As fórmulas líquidas são, geralmente,
ficadas para diabetes com as formulações padrão, nota-se
acondicionadas em embalagens tetra square (1L), tetra slim
que essas possuem maior quantidade de lipídeos, variando
(200mL), sistema fechado (pack, easybag e monobag, de
de 34% a 50% do VET, sendo a maior parte composta por
500mL e 1L), além de frascos (500mL) e latas (237mL). As
fórmulas em pó, geralmente, são acondicionadas em latas ácidos graxos monoinsaturados e poli-insaturados (óleo de
(800g, 430g e 400g) e em sachês (90g e 92g). Na diluição girassol, canola, soja, milho, peixe, azeite de oliva), além
padrão indicada pelos fabricantes (dados não apresentados), de TCM e lecitina de soja. Essas formulações também apre-
as fórmulas contidas em latas de 800g rendem de 3,0 a sentam menor quantidade de carboidratos (33% a 47% do
3,5L, as fórmulas contidas em latas de 430g rendem 2,0L, VET) que as formulações padrão. A quantidade de proteínas
as contidas em latas de 400g rendem 1,75L e as contidas varia de 17% a 22% do VET, contendo proteína de soja na
em sachês rendem de 250 a 300mL, o que deve ser consi- maioria das formulações. A quantidade de fibras varia de
derado ao comparar o custo dessas formulações com as 14 a 17g/L, sendo composta por associação de diferentes
dietas líquidas. fontes. Os custos dessas fórmulas variam de R$ 27,39 a R$
93,41 por litro.
Há no mercado brasileiro atualmente 18 formulações
classificadas como padrão sem fibras (Anexo 1), cujas Quanto às formulações modificadas para hepatopatas,
densidades calóricas variam de 1,0 a 1,5 kcal/mL. A quan- quatro produtos foram tabelados, com densidade calórica
tidade de carboidratos varia de 49% a 58% do VET e todas variando de 1,25 a 1,6 kcal/mL (Anexo 1), o que as carac-
as fórmulas utilizam a maltodextrina como fonte única de teriza como fórmulas hipercalóricas. Se comparadas às
carboidratos. As proteínas correspondem de 14% a 20% do formulações padrão, estas apresentam restrição proteica,
VET e as fontes de proteínas mais utilizadas são proteína de variando o teor de 11% a 12% do VET. Quanto à fonte de
soja, caseinato de cálcio e sódio e proteínas do soro do leite. proteínas, nota-se a presença de aminoácidos de cadeia
A osmolalidade se encontra na faixa de 288 a 699mOsm/ ramificada (AACR) em todas as formulações.
kg de água e os custos variam entre R$ 14,90 e R$ 49,14 Em relação às formulações modificadas para nefropatas
por litro. Os lipídeos correspondem de 25% a 35% do VET (Anexo 1), seis produtos foram tabelados, sendo dois para
BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17
405
Castro e Cardoso MG et al.

ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)


Fórmulas enterais padrão sem fibras
Fabricante Produto Forma de Apre- Densidade Proteínas Fontes de Carboidratos Fontes de Lipídeos Fontes de Osmolaridade Osmolalidade Classificação Preço
sentação Calórica (% do VET) Proteínas (% do VET) Carboidratos (% do VET) Lipídeos (mOsm/L de (mOsm/kg de segundo calo- médio
(kcal/mL) água) água) rias e proteínas (R$)

Abbott Osmolite HN Líquida Sistema 1,0 16 65% caseina- 54 100% 30 46% óleo 244 288 Normocalórica e 25,64
Fechado 1L Tetra 4,0g/100mL) to de cálcio maltodextrina de canola, normoproteica (Tetra
Square 1L e sódio e 30% óleo de Square 1L)
35% isolado milho, 20% 41,00
proteico de TCM e 4% (Sistema
soja lecitina Fechado 1L)

Abbott Osmolite Líquida Sistema 1,2 18,5 100% 52,5 100% 29 48% óleo 295 360 Normocalórica e 37,34
Plus HN Fechado 1L 5,6g/100mL) caseinato maltodextrina de açafrão, normoproteica (Sistema
Lata 237mL de cálcio e 28% óleo de Fechado 1L)
sódio canola, 29% 9,06
TCM e 5% (Lata 237mL)
lecitina

Danone Nutrison Líquida Sistema 1,5 16 35% proteína 49 100% 35 37,9% óleo 360 460 Hipercalórica e 27,50
Energy 1.5 Fechado Pack (6g/100mL) isolada do maltodextrina de canola, normoproteica (Tetra
1L Tetra Square soro do 42,9% óleo Square 1L)
1L leite, 25% de girassol, 49,57
caseinato 17,5% TCM (Pack 1L)
de cálcio e e 1,7% óleo
sódio, 20% de peixe
proteína
isolada de
ervilha e
20% proteína
isolada de
soja

Danone Nutrison- Pó Lata 800g 1,01 14 73% proteína 56 100% 30 25% óleo 237 320 Normocalórica e 44,97
Soya (3,6g/100mL) isolada de maltodextrina de milho, normoproteica (Lata
soja e 27% 60% óleo 800g)
caseinato de canola e
de cálcio e 15% TCM
sódio

Danone Nutrison 1.0 Líquida Sistema 1,0 16 100% 49 100% 35 60% óleo 265 315 Normocalórica e 22,37
Fechado Pack (4,0g/100mL) caseinato maltodextrina de canola e normoproteica (Tetra
1L Tetra Square de cálcio e 40% óleo de Square 1L)
1L sódio girassol 46,44
(Pack 1L)

Fresenius Fresubin Líquida Sistema 1,0 15 50% 55 100% 30 73% óleo 220 - Normocalórica e 23,74
Original Fechado Easy- (3,8g/100mL) caseinato maltodextrina de canola, normoproteica (EasyBag
Bag 500mL, 1L, de cálcio e 24% óleo 500mL)
1,5L sódio e 50% de girassol e 27,36
proteína 3% óleo de (EasyBag 1L)
isolada de peixe 44,20
soja (EasyBag 1,5L)

Fresenius Fresubin Líquida Sistema 1,5 15 78,5% 50 100% 35 73% óleo 330 - Hipercalórica e 21,86
Energy Fechado Easy- (5,6g/100mL) caseinato de maltodextrina de canola, normoproteica (EasyBag
Bag 500mL, cálcio e 24% óleo 500mL)
1L e 1,5L sódio e de girassol e 28,96 (Easy-
21,5% pro- 3% óleo de Bag 1L)
teína do soro peixe 49,79 (Easy-
do leite Bag 1,5L)

Fresenius Fresubin HP Líquida Sistema 1,5 20 80% 45 100% 35 57% TCM, 300 - Hipercalórica e 24,08
Energy Fechado (7,5g/100mL) caseinato maltodextrina 37% óleo hiperproteica (EasyBagB
EasyBag 500mL de cálcio e de soja, 500mL)
e 1L sódio e 20% 3% óleo de 30,55
proteína do linhaça e 3% (EasyBag 1L)
soro do leite óleo de peixe

Nestlé Isosource- Líquida Tetra 1,2 15 100% 55 100% 30 49% óleo - 360 Normocalórica e 17,85
Soya Square 1L (4,4g/100mL) proteína maltodextrina de canola, normoproteica (Tetra
isolada de 43% TCM, Square 1L)
soja 5% mono e
diglicerídeos
e 3% lecitina
de soja

Nestlé Isosource Líquida Sistema 1,2 14 88% 56 100% 30 48% óleo - 360 Normocalórica e 14,90
Standard Fechado 1L (4,4g/100mL) caseinato maltodextrina de canola, Normoproteica (Tetra
Tetra Square 1L de cálcio e 44% TCM, Square 1L)
sódio e 12% 5% mono e
proteína diglicerídeos
isolada de e 3% lecitina
soja de soja

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


406
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais padrão sem fibras

Fabricante Produto Forma de Apre- Densidade Proteínas Fontes de Carboidratos Fontes de Lipídeos Fontes de Osmolaridade Osmolalidade Classificação Preço
sentação Calórica (% do VET) Proteínas (% do VET) Carboidratos (% do VET) Lipídeos (mOsm/L de (mOsm/kg de segundo calo- médio
(kcal/mL) água) água) rias e proteínas (R$)

Nutrimed Nutri Líquida Tetra 1,2 17 30% 58 100% 25 12% óleo - 340 Normocalórica e 22,00 (
Enteral Square 1L Tetra (5,0g/100mL) caseinato maltodextrina de girassol, normoproteica Tetra
Slim 200mL de cálcio e 79% óleo de Square 1L)
sódio, 60% canola e 9%
proteína do TCM
soro do leite
e 10% pro-
teína isolada
de soja

Nutrimed Nutri Líquida Tetra 1,5 17 60% proteína 58 100% 25 12% óleo - 390 Hipercalórica e 26,50
Enteral Square 1L Tetra (6,4g/100mL) do soro do maltodextrina de girassol, normoproteica (Tetra
1.5 Slim 200mL leite e 40% 79% óleo de Square 1L)
caseinato canola e 9%
de cálcio e TCM
sódio

Nutrimed Nutri Líquida Tetra 1,2 16 30% proteína 56 100% 28 8,5% óleo - 348 Normocalórica e 16,36
Enteral Square 1L Tetra (4,8g/100mL) do soro do maltodextrina de girassol, normoproteica (Tetra
Soya Slim 200mL leite e 70% 75,5% óleo Square 1L)
proteína de canola e
isolada de 16% TCM
soja

Prodiet Trophic 1.5 Líquida Tetra 1,5 15 49% 55 100% 30 59% óleo de 476 630 Hipercalórica e 21,23
Square 1L (5,8g/100mL) caseinato maltodextrina soja, 34% normoproteica (Tetra
de cálcio e óleo de milho Square 1L)
sódio, 27% e 7% lecitina
proteína de soja
isolada de
soja e 24%
proteína iso-
lada do soro
do leite

Prodiet Trophic Pó Lata 800g 1,0 a 1,5 15 30% 55 100% 30 100% óleo 302 366 Normocalórica 45,00 (Lata
Basic (3,8g/100mL) caseinato maltodextrina de soja a Hipercalórica, 800g)
de cálcio e dependendo
sódio, 55% da diluição, e
proteína normoproteica
isolada de
soja e 15%
proteína iso-
lada do soro
do leite

Prodiet Trophic Líquida Tetra 1,2 15 55% 55 100% 30 63% óleo de - 432 Normocalórica e 18,10
Basic Square 1L (4,6g/100mL) caseinato maltodextrina canola, 35% normoproteica (Tetra
de cálcio e óleo de milho Square 1L)
sódio, 30% e 2% lecitina
proteína de soja
isolada de
soja e 15%
proteína iso-
lada do soro
do leite

Prodiet Trophic- Líquida Tetra 1,2 15 100% pro- 55 100% 30 71% óleo 354 442 Normocalórica e 15,60
Soya Square 1L (4,6g/100mL) teína isolada maltodextrina de canola e normoproteica (Tetra
de soja 29% óleo de Square 1L)
milho

Prodiet Trophic EP Líquida Tetra 1,5 18 49% 52 100% 30 66% óleo de - 699 Hipercalórica e 27,97 (
Square 1L (6,7g/100mL) caseinato maltodextrina canola, 21% normoproteica Tetra
de cálcio e TCM, 11% Square 1L)
sódio, 24% óleo de milho
proteína e 2% lecitina
isolada de de soja
soja e 27%
proteína iso-
lada do soro
do leite

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


407
Castro e Cardoso MG et al.

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais padrão com fibras
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidratos Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) VET) (mOsm/L (mOsm/ calorias e (R$)
de água) kg de proteínas
água)

Abbott Jevity Plus Líquida Sistema 1,2 18,5 100% c 52,5 51% xarope de 29 47,5% óleo 12 45% FOS, 55% 365 450 Normocalórica 34,00
Fechado (5,5g/100mL) aseinato de milho, 34,5% de açafrão, fibra de soja, e normopro- (Sistema
1L Lata cálcio e sódio maltodextrina e 28,5% óleo aveia e goma teica Fechado 1L)
273mL 14,5% fibras de canola, arábica 7,00
19% TCM e (Lata
5% lecitina 273mL)

Abbott Jevity Líquida Sistema 1,5 17 (6,4g/100mL) 83% 53,6 44% maltodextri- 29,4 30% óleo 22 54,5% FOS, 396 525 Hipercalórica e 37,70
HICAL Fechado caseinato de na, 44% xarope de milho, 55,5 fibras de normoproteica (Sistema
1L Lata cálcio e sódio de milho e 12% 48% óleo de soja, aveia e Fechado 1L)
273mL e 17% pro- fibras canola, 19% goma arábica 10,44
teína isolada TCM e 3% (Lata
do leite lecitina 273mL)

Abbott Jevity Líquida Tetra 1,0 18,5 100% 52,5 51% xarope de 29 47,5% óleo 22 45% FOS, 55% 250 - Normocalórica 26,75
1.0 Square 1L (4,0g/100mL) caseinato milho, 34,5% de açafrão, fibras de soja, e normopro- (Tetra
de cálcio e maltodextrina e 28,5% óleo aveia e goma teica Square 1L)
sódio 14,5% fibras de canola, arábica
19% TCM e
5% lecitina
Danone Nutrison Líquida Sistema 1,25 20 (6,3g/100mL) 100% c 45 100% 35 60% óleo 15 49% fibras 280 360 Hipercalórica e 50,75
Protein Plus Fechado aseinato de maltodextrina de canola e solúveis e 51% hiperproteica (Pack 1L)
Multi Fiber Pack 500mL cálcio e sódio 40% óleo de fibras insolúveis
e 1L girassol
Danone Nutrison Líquida Tetra 1,5 16 (6,0g/100mL) 35% 49 100% 35 37,9% óleo 15 80% fibras 390 500 Hipercalórica e 31,92
Energy Square 1L Pack concentrado maltodextrina de canola, solúveis e 20% normoproteica (Tetra
MultiFiber 1L proteico do 42,9% óleo fibras insolúveis Square 1L)
soro do leite, de girassol,
25% caseina- 17,5% TCM
to de sódio, e 1,7% óleo
20% proteína de peixe
isolada de
ervilha e 20%
proteína isola-
da de soja
Danone Nutrison- Líquida Tetra 1,0 16 (4,0g/100mL) 35% 49 100% 35 37,5% óleo 15 49% fibras 250 300 Normocalórica 55,62
MultiFiber Square 1L Pack concentrado maltodextrina de canola, solúveis e 51% e (Pack 1L)
1L proteico 42,6% óleo fibras insolúveis normoproteica
do soro do de girassol,
leite, 25% 17,4% TCM
caseinato de e 2,5% óleo
cálcio e sódio, de peixe
20% proteína
isolada de
ervilha e 20%
proteína isola-
da de soja
Danone Nutrison- Pó Lata 800g 1,04 14 (3,6g/100mL) 75% 55 100% 31 26% óleo 15 60% fibras 237 292 Normocalórica 65,00
SoyaMulti- proteína maltodextrina de milho, solúveis e 40% e (Lata
Fiber isolada de 59% óleo de fibras insolúveis normoproteica 800g)
soja e 25% canola e 15%
caseinato TCM
de cálcio e
sódio
Fresenius Fresubin 1.2 Líquida EasyBag 1,2 20 100% 50 100% 30 72% óleo 20 50% inulina, 345 - Normocalórica 30,55
HP Fibre Sistema (6,0g/100mL) caseinato maltodextrina de canola, 33% fibra de e hiperproteica (Easy
Fechado 1L de cálcio e 24% óleo trigo e 17% Bag 1L)
sódio de girassol e celulose
4% óleo de microcristalina
peixe
Fresenius Fresubin Líquida EasyBag 1,0 15 50% 55 100% 30 73% óleo 15 45% inulina, 285 - Normocalórica 26,00
Original Sistema (3,8g/100mL) caseinato de maltodextrina de canola, 17% fibra de e (Easy
Fibre Fechado 500mL, cálcio e sódio 24% óleo trigo e 38% normoproteica Bag 1L)
1L e 1,5L e 50% pro- de girassol e celulose
teína isolada 3% óleo de microcristalina
de soja peixe
Fresenius Fresubin Líquida EasyBag 1,5 15 50% 50 100% 35 73% óleo 15 45% inulina, 325 - Hipercalórica e 22,97
Energy Sistema (5,6g/100mL) caseinato de maltodextrina de canola, 17% fibra de normoproteica (EasyBag
Fibre Fechado 500mL, cálcio e sódio 24% óleo trigo e 38% 500mL)
1L e 1,5L e 50% pro- de girassol e celulose 29,75
teína isolada 3% óleo de microcristalina (EasyBag 1L)
de soja peixe 52,01
(EasyBag
1,5L)

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


408
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais padrão com fibras
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidratos Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) VET) (mOsm/L (mOsm/ calorias e (R$)
de água) kg de proteínas
água)
Fresenius Fresubin- Líquida EasyBag 1,0 15 100% 53 70% 32 73% óleo 20 35% inulina, 410 - Normocalórica 30,80
SoyaFibre Sistema (3,8g/100mL) proteína isola- maltodextrina e de canola, 45% fibra de e (Easy
Fechado 1L da de soja 30% frutose 24% óleo trigo e 20% normoproteica Bag 1L)
de girassol e celulose
3% óleo de microcristalina
peixe
Nestlé Isosource Líquida Sistema 1,2 14 100% 56 100% malto- 30 48% TCM, 15 52% fibra de - 390 Normocalórica 29,93 (Tetra
Mix Fechado 1L Tetra (4,4g/100mL) caseinato dextrina 43% óleo soja e 48% e normopro- Square 1L)
Square 1L de cálcio e de canola, goma guar teica
sódio 5% mono e parcialmente
diglicerídeos hidrolisada
de ácidos
graxos e 4%
lecitina de
soja
Nestlé Isosource- Líquida Tetra 1,2 15 100% 55 100% malto- 30 49% óleo 15 55% fibra de - 320 Normocalórica 20,01
SoyaFiber Square 1L (4,4g/100mL) proteína dextrina de canola; soja e 28% e normopro- (Tetra
isolada de 44% TCM, goma guar teica Square 1L)
soja 4% mono e parcialmente
diglicerídeos hidrolisada e
e 3% lecitina 17% inulina
de soja
Nutrimed Nutri Fiber Líquida Tetra 1,2 17 (5,0g/100mL) 30% 58 100% malto- 25 12% óleo 18 70% fibras - 348 Normocalórica 22,00
1.2 Square 1L caseinato de dextrina de girassol, solúveis e 30% e normopro- (Tetra
cálcio e sódio, 79% óleo de fibras insolúveis teica Square 1L)
60% proteína canola e 9%
do soro do TCM
leite e 10%
proteína de
soja
Nutrimed Nutri Fiber Líquida Sistema 1,5 17 60% 58 100% malto- 25 12% óleo 18 70% fibras - 410 Hipercalórica e 27,80
1.5 Fechado 1L Tetra (6,4g/100mL) proteína do dextrina de girassol, solúveis e 30% normoproteica (Tetra
Square 1L soro do leite e 79% óleo de fibras insolúveis Square 1L)
40% caseina- canola e 9%
to de cálcio e TCM
sódio
Nutrimed Nutri Enteral Líquida TetraS- 1,2 16 30% 56 100% malto- 28 8,5% óleo 18 70% fibras - 357 Normocalórica 19,77
SoyaFiber quare 1L (4,8g/100mL) proteína do dextrina de girassol, solúveis e 30% e normopro- (Tetra
soro do leite e 75,5% óleo fibras insolúveis teica Square 1L)
70% proteína de canola e
isolada de 16% TCM
soja
Prodiet TrophicFiber Pó Lata 800g 1,0 15 55% 55 100% malto- 30 51% óleo de 15 65% fibras 402 498 Normocalórica 46,50
(4,5g/100mL) proteína dextrina canola e 49% solúveis e 35% e normopro- (Lata 800g)
isolada de óleo de soja fibras insolúveis teica
soja, 30%
caseinato de
cálcio e sódio
e 15% proteí-
na isolada do
soro do leite
Fórmulas enterais modificadas para diabéticos
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidratos Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) VET) (mOsm/L (mOsm/ calorias e (R$)
de água) kg de proteínas
água)
Abbott Glucerna Líquida Sistema 1,0 17 100% 33 60,8% malto- 50 85% óleo 14 100% polis- 300 354 Normocalórica 35,63
Fechado 1L (4,2g/100mL) caseinato dextrina, 20,3% de girassol, sacarídeo de e normopro- (Tetra
Tetra Square 1L de cálcio e polissacarídeo 10% óleo de soja teica Square 1L)
sódio de soja e 18,9% canola e 5%
frutose lecitina de
soja
Abbott Glucerna Líquida Tetra 1,5 20 80% caseina- 45 39,51% 35 30% óleo 17 47% FOS e 614 800 Hipercalórica e 13,80
1.5 Slim 200mL (7,5g/100mL) to de cálcio e maltodextri- de girassol, 53% polissaca- hiperproteica (Tetra Slim
sódio e20% na, 22,91% 68% óleo de rídeo da soja e 200mL)
proteína isomaltulose, canola e 2% fibra de aveia
isolada de 12,1% poliol, lecitina
soja 6,05% FOS,
0,74% fibra de
aveia, 0,5% po-
lissacarídeo de
soja e 18,19%
frutose

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


409
Castro e Cardoso MG et al.

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais modificadas para diabéticos
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidratos Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) VET) (mOsm/L (mOsm/ calorias e (R$)
de água) kg de proteínas
água)
Danone NutrisonAd- Líquida Sistema 1,0 17 100% 45 80% amido de 38 18% óleo 15 80% fibras 300 360 Normocalórica 41,00
vancedDia- Fechado Pack (4,3g/100mL) proteína tapioca e 20% de canola e solúveis e e normopro- (Tetra Square
son 1L Tetra Square isolada de frutose 82% óleo de 20% fibras teica 1L
1L Frasco soja girassol insolúveis
500mL
Danone Diasip Líquida Frasco 1,0 19 50% 47 27% amido de 34 43% óleo 20 83% solúveis e 365 440 Normocalórica 14,50
200mL (4,9g/100mL) proteína tapioca, 31% de girassol, 17% insolúveis e normopro- (Frasco
isolada de lactose, 38% 54% óleo de teica 200mL)
soja e 50% isomaltulose e canola e 3%
proteína do 4% outros óleo de peixe
soro do leite
Fresenius Diben Líquida Easy- 1,0 18,6 92% 40 41% 41,4 54% óleo 15 76% fibra de 345 - Normocalórica 35,34
Bag 1L (4,5g/100mL) caseinato maltodextrina, de girassol, tapioca e 24% e normopro- (EasyBag
de cálcio e 34% amido de 43% óleo de celulose micro- teica 1L)
sódio e 8% tapioca e 25% canola e 3% cristalina
proteína do frutose óleo de peixe
soro do leite
Nestlé Novasource Líquida Sistema 1,1 18 85% 33 50% amido de 49 98% óleo de 15 42% goma - 400 Normocalórica 42,10
GC Fechado e Tetra (4,9g/100mL) caseinato de tapioca, 34% canola e 2% guar parcial- e normopro- (Tetra
Square 1L Tetra cálcio e sódio maltodextrina e lecitina de mente hidro- teica Square 1L)
Slim 200mL e 15% pro- 16% frutose soja lisada, 34%
teína isolada fibra de soja e
de soja 24% inulina
Nestlé Novasource Líquida Sistema 1,5 20 88% 36 7% 44 52% óleo 15 45% 410 530 Hipercalórica e 93,41
GC 1.5 Fechado 1L (7,5g/100mL) caseinato maltodextrina, de girassol, goma guar hiperproteica (Sistema
de cálcio e 83% amido de 44% óleo de parcialmente Fechado 1L)
sódio e 12% tapioca e 10% canola e 4% hidrolisada,
proteína de isomaltulose lecitina de 29% celulose
soja soja microcristalina
e 26% inulina
Nestlé Isosource Líquida Sistema 1,0 22 88% 42 100% 36 70% óleo 12 74% goma - 320 Normocalórica 79,79
GC HP Fechado 1L (6,4g/100mL) caseinato de maltodextrina de girassol, guar parcial- e hiperproteica (Sistema
cálcio e sódio 26% óleo de mente hidro- Fechado 1L)
e 12% pro- soja e 4% lisada e 26%
teína isolada lecitina de fibra de soja
de soja soja
Nutrimed Nutri Líquida Tetra 1,0 15 60% 39 90% 46 70% óleo 16 70% fibras - 297 Normocalórica 27,39
Diabetic Square 1L (3,9g/100mL) proteína maltodextrina e de girassol, solúveis e e normopro- (Tetra
do soro do 10% frutose 20% óleo 30% fibras teica Square 1L)
leite e 40% de canola, insolúveis
caseinato 3% TCM e
de cálcio e 7% azeite de
sódio oliva
Prodiet Diamax Líquida Tetra 1,0 17 50% 44 100% 39 55% óleo 15 65% fibras 275 334 Normocalórica 5,99
Square 1L Tetra (4,3g/100mL) caseinato de maltodextrina de girassol, solúveis e e normopro- (Tetra Slim
Slim 200mL cálcio e sódio 40% óleo 45% fibras teica 200mL)
e 50% pro- de canola e insolúveis 31,00
teína isolada 5% óleo de (Tetra
de soja milho Square 1L)
Fórmulas enterais modificadas para hepatopatas
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidratos Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) VET) (mOsm/L (mOsm/ calorias e (R$)
de água) kg de proteínas
água)
Danone NutrisonAd- Pó Envelope 1,25 11 (3,4g/100mL)62% caseina- 67 100% maltodex- 22 70% óleo 0 - 365 530 Hipercalórica e 40,00 (Enve-
vancedHe- 90g to de cálcio e trina de canola e normoproteica lope 90g)
pato sódio e 38% 30% óleo de
AACR milho
Fresenius Fresubi- Líquida Sistema 1,3 12 (4,0g/100mL) 34% proteína 55 100% maltodex- 33 38,5% óleo 10 100% polis- 330 - Hipercalórica e 39,73
nHepa Fechado Easy- isolada de trina de canola, sacarídeo de normoproteica (EasyBag
Bag 500mL soja 31% 36,3% TCM soja 500mL)
AACR, 27% e 25,2% óleo
caseinato de soja
de cálcio e
sódio e 8%
arginina
Nutrimed Nutri Liver Líquida Tetra 1,4 11 (5,0g/100mL) 55% proteína 64 80% malto- 25 22% óleo 18 70% fibras - 650 Hipercalórica e 18,99
Square 1L Tetra do soro do dextrina e 20% de girassol, solúveis e normoproteica (TetraSlim
Slim 200mL leite e 45% frutose 62% óleo 30% fibras 200mL)
AACR de canola e insolúveis 122,37 (TS
16% TCM 1L)

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


410
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais modificadas para hepatopatas
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmo- Classi- Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas tos (% do Carboi- (% do Lipídeos (g/L) fibras laridade lalidade ficação médio
(kcal/mL) VET) VET) dratos VET) (mOsm/L (mOsm/ segundo (R$)
de água) kg de calorias e
água) proteínas
Nutrimed Nutri Pó Sachê 92g 1,6 11 55% proteína 64 100% 25 22% óleo de 0 - - 414 Hiperca- 27,70
Liver (4,4g/ do soro do maltodex- girassol, 62% lórica e (Sachê
100mL) leite e 45% trina óleo de canola normopro- 92g)
AACR e 16% TCM teica

Fórmulas enterais modificadas para nefropatas


Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos (% Fonte de Fibras Fonte de Fibras Osmo- Osmo- Classi- Preço K e Na
Apresentação Calórica (% do Proteínas tos (% do Carboidra- do VET) Lipídeos (g/L) laridade lalidade ficação médio (R$) (mg/L)
(kcal/mL) VET) VET) tos (mOsm/L (mOsm/kg segundo
de água) de água) calorias e
proteínas

Danone Nutri- Pó Envelope 1,3 10 60,7% 69 100% 21 70% óleo de 0 - 322 410 Hiperca- 24,00 930 (K)
sonAd- 90g (3,2g/ caseinato maltodex- canola e 30% lórica e (Envelope 170 (Na)
vanced 100mL) de cálcio e trina óleo de milho normopro- 90g)
Nefro sódio e 39,3% teica
aminoácidos
essenciais

Fresenius Fresubin Líquida 2,0 20 ,0g 92% caseinato 35 97% xarope 45 42,5% óleo de 0 - 395 - Hiperca- 31,92 (Easy- 1700 (K)
2kcal HP Sistema (10,0/ de cálcio e de glicose canola, 30% lórica e Bag 500mL) 600 (Na)
Fechado Easy- 100mL) sódio e 8% e 3% óleo de giras- hiperpro-
Bag500mL proteína do maltodex- sol, 25% TCM teica
soro do leite trina e 2,5% óleo de
peixe

Nestlé Nova- Líquida Sistema 2,0 15 95% caseinato 40 97% xarope 45 70% óleo de 0 - - 960 Hiperca- 15,16 1500 (K)
source- Fechado 1L (7,4g/ de cálcio e de milho e girassol e 30% lórica e (TetraSlim 1550 (Na)
Ren Tetra Square 100mL) sódio e 5% 3% frutose óleo de milho normopro- 200mL) 89,90
1L Tetra Slim L-arginina teica (Sistema
200mL Fechado 1L)

Nutrimed Nutri Líquida Sistema 2,0 7 60% proteína 63 100% 30 12% óleo 0 - - 802 Hiperca- 11,20 ( 550 (K)
Renal Fechado 1L (3,3g/ do soro do maltodex- de girassol, lórica e Tetra Slim 600 (Na)
Tetra Square 100mL) leite e 40% trina 70,2% óleo hipopro- 200mL) 57,50
1L Tetra Slim caseinato de de canola e teica (Tetra Square
200mL cálcio e sódio 17,8% TCM 1L)

Nutrimed Nutri Líquida Sistema 2,0 15 ,0g/ 60% proteína 55 100% 30 44% óleo de 0 - - 580 Hiperca- 13,00 (Tetra 550 (K)
Renal D Fechado 1L 100mL) do soro do maltodex- canola, 29% lórica e Slim 200mL) 600 (Na)
Tetra Square leite e 40% trina óleo de oliva, normopro- 110,00 (Tetra
1L Tetra Slim caseinato de 15% TCM E teica Square 1L)
200mL cálcio e sódio 12% óleo de
linhaça

Prodiet HD Max Líquida Tetra 1,5 18 50% caseinato 54 100% 28 60% óleo de 15 65% fibras solú- 350 465 Hiperca- 11,99 370 (K)
Slim 200mL ,7g/ de cálcio e maltodex- canola, 20% veis e 35% fibras lórica e (Tetra Slim 1130 (Na)
100mL) sódio e 50% trina TCM e 20% insolúveis normopro- 200mL)
proteína isola- óleo de milho teica
da de soja

Fórmulas enterais modificadas para pneumopatas


Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Sacarose Osmo- Osmo- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do Proteínas tos (% do Carboidra- (% do VET) Lipídeos (g/L) Fibras (g/100mL) laridade lalidade segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) tos (mOsm/L (mOsm/kg calorias e (R$)
de água) de água) proteínas

Fresenius Fresubin Líquida Sistema 2,0 20 92% 35 97% xarope 45 42,5% óleo de 15 45% inulina, 36% 0 395 - Hipercaló- 31,80
2kcal HP Fechado Easy- (10,0g/ caseinato de de glicose e canola, 30% celulose micro- rica e (EasyBag
Fibre Bag500mL 100mL) cálcio e sódio 3% malto- óleo de giras- cristalina e 19% hiperproteica 500mL)
e 8% proteína dextrina sol, 25% TCM fibra de trigo
do soro do e 2,5% óleo de
leite peixe

Nestlé Nova- Líquida Sistema 1,5 21 100% 38 73% 41 78% óleo de 8 52% fibra de 3,8 - 600 Hipercaló- 193,50
source Fechado 1L (7,6g/ caseinato de maltodex- canola e 22% soja e 48% goma rica e (Sistema
O2 100mL) cálcio e sódio trina e 27% TCM guar parcialmen- hiperproteica Fechado
sacarose te hidrolisada 1L)

Nestlé Nova- Líquida Sistema 1,5 20 100% 32 100% mal- 48 24% TCM, 8 50% fibra de 0 302 375 Hipercaló- 101,10
source HI Fechado 1L (7,7g/ caseinato de todextrina 53% óleo de soja e 50% goma rica e (Sistema
Protein 100mL) cálcio e sódio canola, 20% guar parcialmen- hiperproteica Fechado
óleo de soja te hidrolisada 1L
e 3% lecitina
de soja

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


411
Castro e Cardoso MG et al.

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais modificadas com adição de imunomoduladores
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Car- Lipídeos Fonte de Osmo- Osmolalida- Classi- Preço Nutrientes
Apresentação Calórica (% do VET) Proteínas tos (% do boidratos (% do Lipídeos laridade de (mOsm/ ficação médio imunomo-
(kcal/mL) VET) VET) (mOsm/L kg segundo (R$) duladores
de água) de água) calorias e
proteínas

Fresenius Reconvan Líquido Easy 1,0 22 (5,5g/100mL) 38% caseinato 48 100% 30 55% TCM, 27% 270 - Normo- 50,90 Ômega 3
Bag 500mL de cálcio e maltodextrina óleo de açafrão, calórica e (EasyBag L-arginina
sódio, 50% 15% óleo de hiperpro- 500mL) Glutamina
glutamina peixe e 3% óleo de teica
dipeptídeo linhaça
e 12% L-
arginina

Nestlé Impact Líquido Tetra 1.0 24 (6,5g/100mL) 77% caseinato 53 100% 23 67% óleo de peixe, 297 350 Normo- 18,50 (Tetra L-arginina
Square 1L Tetra de cálcio e maltodextrina 19% TCM, 12% calórica e Slim 200mL)
Slim (200mL) sódio e 23% óleo de milho e 2% hiperpro- 63,10 (Tetra
L- arginina lecitina teica Square 1L)

Nestlé Impac- Líquido Sistema 1,5 25 (9,4g/100mL) 82% caseína 37 86% 38 50% TCM, 26% 387 510 Hiperca- 192,00 15mg
tPeptide Fechado 1L hidrolisada do maltodextrina óleo de peixe, 22% lórica e (Sistema Fe- L-carnitina
1.5 leite e 18% e 14% amido óleo de soja e 2% hiperpro- chado 1L) 28mg
L-arginina de milho lecitina de soja teica taurina
L-arginina

Fórmulas enterais hidrolisadas


Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmo- Osmolalida- Classi- Preço
Apresentação Calórica (% do VET) Proteínas tos (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) Fibras laridade de (mOsm/ ficação médio
(kcal/mL) VET) VET) (mOsm/L kg de água) segundo (R$)
de água) calorias e
proteínas

Abbott Perative Líquida Lata 1,3 20,5 65% casei- 54,5 100% malto- 25 40% óleo de 0 - 304 385 Hiperca- 13,00
237mL (6,6g/100mL) nato de sódio dextrina canola, 40% TCM, lórica e (Lata 237 mL)
parcialmente 16% óleo de milho hiperpro-
hidrolisado, e 4% lecitina teica
25% hidrolisa-
do de lactoal-
bumina e 10%
L-arginina

Danone Nutriso- Líquida Sistema 1,0 16 80% peptíde- 69 100% 15 50% óleo de soja e 0 - 455 535 Normo- 93,42
nAdvan- Fechado (4,5g/100mL) os e 20% aas maltodextrina 50% TCM calórica e (Pack 1L)
cedPepti- Pack 1L livres normopro-
sorb teica

Fresenius Survimed Líquida Sistema 1,0 18 100% proteína 57 100% 25 51,3% TCM, 32% 0 - 300 - Normo- 38,50
OPD Fechado Easy- (4,5g/100mL) do soro maltodextrina óleo de canola, calórica e (EasyBag
Bag 500mL e 1L hidrolisada 12,4% óleo de normopro- 500mL)
Frasco 200mL açafrão, 4,3% óleo teica 61,65
de peixe (Pack 1L)
15,58
(Frasco
200mL)

Nestlé Pepta- Líquida Sistema 1,5 18 100% proteína 49 91% 33 71,9% TCM, 0 - 424 490 Hiperca- 111,00
men 1.5 Fechado 1L (6,8g/100mL) do soro do maltodextrina, 15,2% óleo de lórica e (Sistema
Tetra Prisma leite 5,9% amido soja, 7,9% gordura normopro- Fechado 1L)
250mL hidrolisada de milho e láctea e 5% lecitina teica 37,34
3,1% outros de soja (Tetra Prisma
250mL)

Nestlé Pepta- Pó Lata 430g 1,0 16 100% proteína 49 75% 35 70% TCM, 20% 0 - 260 308 Normo- 220,88
men (4,1g/100mL) do soro do polissacarí- óleo de soja, 5% calórica e (Lata 430g
leite deos e 25% gordura láctea e normopro-
hidrolisada sacarose 5% lecitina de soja teica

Nestlé Pep- Líquida Sistema 1,0 37 100% proteína 29 87% 34 55% TCM, 23% 5,4 70% 289 345 Normo- 215,16
tamen Fechado 1L (9,3g/100mL) do soro do maltodextrina óleo de peixe, 11% FOS e 30% calórica e (Sistema
Intense leite e 13% amido óleo de cártamo, inulina hiperpro- Fechado 1L)
hidrolisada 6% lecitina de soja teica
e 5% óleo de soja

Nestlé Pepta- Líquida Sistema 1,0 16 100% proteína 49 91% 35 73% TCM, 21% 7 70% 254 300 Normo- 108,76
menPre- Fechado 1L (4,0g/100mL) do soro do maltodextrina, óleo de soja e 6% FOS e 30% calórica e (Sistema
bio Tetra Prisma leite e 9% amido lecitina de soja inulina normopro- Fechado 1L)
250mL hidrolisada de milho teica 34,93
(Tetra Prisma
250mL)

Nestlé Pepta- Líquida Sistema 1,2 25 ( 100% proteína 35 90% 40 57% TCM, 19% 7 70% 313 390 Normo- 277,28
men AF Fechado 1L 7,6g/100mL) do soro do lei- maltodextrina óleo de peixe, 19% FOS e 30% calórica e (Sistema
te hidrolisada e 10% amido óleo de soja e 5% inulina hiperpro- Fechado 1L)
de milho lecitina de soja teica

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


412
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

Continuação ANEXO 1 – Fórmulas enterais padrão e modificadas disponíveis no mercado brasileiro (maio/2018)
Fórmulas enterais hidrolisadas
Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos Fonte de Fibras Fonte de Osmolarida- Osmolalida- Classificação Preço
Apresentação Calórica (% do VET) Proteínas tos (% do Carboidratos (% do Lipídeos (g/L) Fibras de (mOsm/L de (mOsm/ segundo médio
(kcal/mL) VET) VET) de água) kg de água) calorias e (R$)
proteínas
Nestlé Pepta- Líquida Sistema 1,3 20 100% proteína 47 96% malto- 33 76% TCM, 17% 0 - 375 490 Hipercalórica 100,00
men HN Fechado 500mL (6,6g/100mL) do soro do lei- dextrina e óleo de soja, 5% e hiperpro- (Sistema
te hidrolisada 4% amido de lecitina de soja e teica Fechado
milho 2% mono e digli- 500mL)
cerídeos de ácidos
graxos

Prodiet Peptimax Pó Lata 400g 1,0 17 100% proteína 62 100% malto- 23 53% óleo de soja e 0 - 326 398 Normocalóri- 81,55
(4,3g/100mL) do soro do lei- dextrina 47% TCM ca e normo- (Lata
te hidrolisada. proteica 400g)
Acrescido de
L-glutamina
(12g/L)

Fórmulas enterais modificadas para cicatrização


Fabricante Produto Forma de Densidade Proteínas Fonte de Carboidra- Fonte de Lipídeos Fonte de Osmo- Osmolalida- Classi- Preço Micronutrientes
Apresentação Calórica (% do VET) Proteínas tos (% do Carboidratos (% do VET) Lipídeos laridade de (mOsm/ ficação médio relacionados à
(kcal/mL) VET) (mOsm/L kg de água) segundo (R$) cicatrização
de água) calorias e
proteínas
Danone Cubitan Líquido Frasco 1,25 30 85% concen- 45 35% saca- 25 56% óleo de 500 625 Hipercalóri- 18,53 4,5mg zinco
200mL (10,0g/100mL) trado proteico rose, 53% canola e 44% óleo ca e hiper- (Frasco 32 mcg selênio
do leite e 15% maltodextrina de girassol proteica 200mL) 16mcg vitamina A
L-arginina e 12% lactose 125mg vitamina C
19mg vitamina E

Danone Nutriso- Líquido Frasco 1,0 20,4 84,5% 49,6 100% malto- 30 76% óleo de 315 380 Normocaló- 47,63 2mg zinco
nAdvan- 500mL Pack e (5,5g/100mL) caseinato dextrina canola e óleo de rica e hiper- (Tetra 9,6mcg selênio
cedCubi- Tetra Square 1L de cálcio e girassol e 24% proteica Square 82mcg vitamina A 37mg
son sódio e 15,5% TCM 1L) vitamina C
L-arginina 7,5mg vitamina E

Prodiet Ener- Líquido Tetra 1,5 15 55% caseinato 55 71% malto- 30 66% óleo de 567 749 Hipercalóri- 8,53 2,1mg zinco
gyZip Square 200mL (5,7g/100mL) de cálcio e dextrina e canola e 34% óleo ca e Normo- (Tetra Slim 14mcg selênio
sódio, 30% 29% sacarose de milho proteica 200mL) 125mcg vitamina A
proteína iso- 19 mcg vitamina C
lada de soja e 2mg vitamina E
15% proteína
isolada do
soro do leite

TCM=Triglicerídeos de Cadeia Média; FOS= Fruto-oligossacarídeos; AACR=aminoácidos de cadeia ramificada; K=Potássio; Na=Sódio; aas=aminoácidos

pacientes em tratamento conservador e quatro para pacientes hipercalóricos. A quantidade de proteínas dessas formu-
em tratamento dialítico. Observa-se que todos apresentam lações varia de 20% a 21% do VET, sendo classificadas
densidade calórica superior a 1,3 kcal/mL, sendo classi- como hiperproteicas, e as principais fontes são o casei-
ficados como hipercalóricos, possibilitando restrição de nato de cálcio e de sódio. A quantidade de carboidratos
fluidos. A quantidade de proteínas nas formulações para varia de 32% a 38% do VET, quantidade menor quando
pacientes em tratamento dialítico varia de 15% a 20% do comparadas a outros grupos de formulações, e todas
VET, enquanto que formulações para pacientes em trata- apresentam como fonte a maltodextrina. Apenas a Nova-
mento conservador apresentam menor quantidade (7% a source O2 (Nestlé) apresenta também sacarose, além da
10% do VET). A osmolalidade varia de 410 a 960mOsm/ maltodextrina. A quantidade de lipídeos varia de 41% a
kg de água, e os custos, de R$ 57,50 a R$ 110,00 por 48% do VET e a principal fonte é o óleo de canola (42,5%
litro. Essas formulações geralmente são isentas de fibras, a 78%). Além disso, todas as formulações apresentam
com exceção da HD Max (Prodiet), que apresenta 15g/L de fibra em sua composição e os custos variam de R$ 63,60
fibras. Em relação à quantidade de sódio e potássio, nota-se a R$ 193,50 por litro.
que algumas formulações apresentam maiores quantidades Foram tabeladas três formulações modificadas com a
desses eletrólitos, e outras, menores, o que deve ser levado adição de nutrientes imunomoduladores (Anexo 1), com
em conta no momento da seleção da dieta. densidade calórica de 1,0 a 1,5kcal/mL, sendo dois normo-
Sobre as formulações modificadas para pneumopatas calóricos e um hipercalórico. A quantidade de proteínas
(Anexo 1), foram encontrados apenas três produtos dessas formulações varia entre 22% a 25% do VET, sendo
atualmente no mercado. Estes apresentam densidade todas hiperproteicas. Os custos variaram de R$ 48,00 a R$
calórica de 1,5 a 2,0 kcal/mL, sendo classificados como 192,00 por litro.

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


413
Castro e Cardoso MG et al.

Foram tabeladas 10 formulações hidrolisadas (semie- o tipo (solúvel ou insolúvel) e as potenciais propriedades
lementares e elementares), caracterizadas por conterem prebióticas10. Apesar de serem mais caras que as formu-
proteínas hidrolisadas em suas composições (Anexo 1). A lações padrão sem fibras, os benefícios associados ao uso
fonte principal de carboidratos é a maltodextrina e a quan- de fórmulas com fibras podem compensar os gastos. Entre-
tidade varia de 37% a 53% do VET. A quantidade de lipídeos tanto, vale à pena ressaltar que muitas fórmulas com fibras
varia de 23% a 38% do VET e têm-se como fontes óleo de fornecem, por litro de fórmula, quantidade bem inferior à
peixe, TCM, óleo de milho e lecitina. As densidades calóricas recomendada (25-38g de fibra/dia), quando administradas
variam de 1,0 a 1,5 kcal/mL e a quantidade de proteínas dentro de metas calóricas razoáveis, necessitando de suple-
varia de 16% a 25% do VET. Como fonte de proteínas tem-se mentação com fibra modular para atender as recomenda-
proteína do soro do leite hidrolisada, caseinato de sódio ções. Além dos benefícios já citados, as fórmulas contendo
parcialmente hidrolisado, hidrolisado de lactoalbumina, fibras têm sido promovidas para melhorar o controle glicê-
peptídeos e aminoácidos livres. A osmolalidade varia de 300 mico entre pacientes intolerantes à glicose10.
a 535 mOsm/kg de água, sendo classificadas de isotônicas Fórmulas enterais específicas para diabetes são proje-
a levemente hipertônicas, e o preço dessas formulações varia tadas para reduzir a probabilidade de hiperglicemia, com
de R$ 46,28 a R$ 277,28 por litro, sendo os produtos de base na premissa de que as fórmulas padrão dificultam o
maior custo dentre todos os grupos. controle glicêmico, devido ao rápido esvaziamento gástrico
Foram ainda tabeladas três formulações (Anexo 1) e absorção de nutrientes. Essas fórmulas se diferenciam das
modificadas para cicatrização. Estas formulações possuem fórmulas padrão, tipicamente, pela adição de fibras solúveis
densidade calórica de 1,0 a 1,5kcal/mL e a quantidade e insolúveis, maiores teores de lipídios e menores teores de
de proteínas varia de 15% a 30% do VET. A quantidade de carboidratos10,11, em concordância com as formulações anali-
carboidratos varia de 45% a 55% do VET e a de lipídeos, sadas neste estudo. Mais recentemente, fórmulas modificadas
de 25% a 30%. A osmolalidade dessas fórmulas se encontra para diabéticos têm sido desenvolvidas com maiores teores de
entre 380 e 749mOsm/kg de água e os custos variam de ácidos graxos monoinsaturados e menores de ácidos graxos
R$ 42,65 a R$ 92,65 por litro de formulação. O diferencial poli-insaturados e saturados, com o objetivo de melhoria do
dessas fórmulas é a presença de micronutrientes que parti- perfil lipídico11.
cipam dos processos de cicatrização como, zinco, selênio,
Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes12, pacientes
vitaminas A, C e E, em diferentes quantidades em cada
diabéticos podem receber fórmulas enterais padrão, com teor
fórmula7. Há ainda formulações com adição de arginina,
de carboidratos em torno de 50% do VET, preferencialmente
aminoácido condicionalmente essencial muito demandado
poliméricas e em infusão contínua lenta. De todo modo,
em processos cicatriciais8,9.
a administração de fórmulas especializadas para diabetes
mellitus (DM), com teor de carboidratos em torno de 33
DISCUSSÃO a 40% do VET, tem beneficiado pacientes diabéticos ou
O grande número de fórmulas padrão sem fibras obser- com hiperglicemia de estresse12. Ademais, a utilização de
vado neste trabalho pode ser justificado pelos preços mais fórmula especializada em pacientes com DM2, internados
acessíveis, além de serem fórmulas que atendem às neces- em unidades de terapia intensiva, reduziu a mortalidade e
sidades básicas de nutrição da maioria dos pacientes não os gastos hospitalares13.
graves10. Todas estas fórmulas utilizaram a maltodextrina Para pacientes hepatopatas, fórmulas hipercalóricas como
como fonte única de carboidratos, provavelmente, devido as encontradas no presente estudo são importantes, uma
ao preço mais acessível e ao sabor mais neutro que o da vez que estes pacientes são, em sua maioria, desnutridos
sacarose. Ademais, com relação à composição, a grande e cursam com saciedade precoce, o que limita a ingestão
variedade de óleos utilizados nessas formulações, possivel- alimentar14. Fórmulas hipercalóricas também estão indi-
mente acontece para a adequação aos teores de ácidos cadas quando os pacientes apresentam retenção hídrica,
graxos previstos na legislação. As densidades calóricas como é o caso de muitos dos pacientes hepatopatas com
dessas formulações (1,0 a 1,5kcal/mL) estão de acordo ao ascite e edema15. Quanto à fonte de proteínas, a presença
que, geralmente, é encontrado em fórmulas poliméricas (1 de aminoácidos de cadeia ramificada (AACR) em fórmulas
a 2kcal/mL)10. enterais modificadas para hepatopatas se justifica pelo fato
Assim como as formulações padrão sem fibras, foi obser- desses pacientes possuírem perfil aminoacídico caracterizado
vado no mercado brasileiro grande número de formulações por aumento de aminoácidos de cadeia aromática (AACA)
padrão adicionadas de fibras. Fórmulas enterais contendo e diminuição dos AACR.
fibras podem melhorar a saúde digestiva e a função normal Esta condição pode estar relacionada à gênese da ence-
do intestino. É importante, porém, considerar a quantidade, falopatia hepática, situação em que o funcionamento do
BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17
414
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

SNC fica comprometido, devido à incapacidade do fígado cirurgia oncológica de grande porte tem sido recomendada20.
de metabolizar neurotoxinas acumuladas no cérebro16. O Em pacientes submetidos à esofagectomia, gastrectomia e
acréscimo de AACR, portanto, visa reestabelecer o equilíbrio pancreatectomia, a administração pós-operatória dessas
do perfil aminoacídico, retardando a progressão da doença formulações está associada à diminuição de infecções e
e melhorando a qualidade de vida do paciente. No entanto, tempo de permanência hospitalar21. Embora as formulações
revisão recente de 16 ensaios clínicos randomizados, com com imunomoduladores sejam mais caras, o custo-benefício
total de 827 pacientes, mostrou que não há evidências sufi- de sua utilização nas situações descritas pode ser vantajoso.
cientes que justifiquem o uso dos AACRs em comparação com As fórmulas elementares e semielementares apresentam
outras intervenções, especialmente em relação à melhora do alta digestibilidade e hipoalergenicidade e estão indicadas
estado nutricional e redução da mortalidade17. quando o paciente possui função do trato gastrointestinal
As fórmulas enterais modificadas para nefropatas são limitada22. A presença de macronutrientes hidrolisados tem
tipicamente restritas em líquidos e formuladas com redução o objetivo de maximizar a absorção desses nutrientes no
de eletrólitos, em comparação com as fórmulas padrão10. No organismo10,11. Entretanto, parece haver pouca evidência
presente estudo, verificou-se que a quantidade de proteína para apoiar o uso rotineiro de fórmulas elementares ou
variou com base na população renal. As formulações para semielementares11. A ESPEN não recomenda o uso rotineiro
pacientes em tratamento dialítico apresentaram menores dessas fórmulas na doença de Crohn, colite ulcerativa ou
teores de proteína do que aquelas destinadas à pacientes síndrome do intestino curto23. Mais estudos são necessários
em tratamento conservador, corroborando com a literatura10. para avaliar os potenciais benefícios dessas formulações
A American Society for Parenteral and Enteral Nutrition enterais10.
(ASPEN) recomenda que pacientes com lesão renal recebam Úlceras por pressão são lesões formadas na pele e tecidos
formulações padrão e, em casos de anormalidades eletrolíticas subjacentes, que têm como causa pressão, fricção, cisalha-
significativas, formulações especializadas podem ser conside- mento ou uma combinação desses fatores7. A presença de
radas18. De acordo com a European Society for Parenteral and micronutrientes como zinco, selênio, vitaminas A, C e E e
Enteral Nutrition (ESPEN), pacientes com doença renal crônica, arginina em fórmulas enterais pode favorecer o processo
que não fazem diálise, também devem receber fórmulas de cicatrização7. Não existem evidências suficientes para
padrão, porém quando a NE excede cinco dias, fórmulas confirmar esta hipótese8. No entanto, revisão sistemática
especializadas são mais apropriadas. Para os pacientes em recente de 7 ensaios clínicos randomizados, com o total de
diálise de manutenção, a recomendação é a administração de 369 pacientes, mostrou que a nutrição enteral enriquecida
fórmulas especializadas, observando o conteúdo de eletrólitos, com arginina levou à melhora significativa na cicatrização
considerando o quadro clinico do paciente19. de úlceras por pressão, quando comparadas à dieta padrão,
Sobre as formulações modificadas para pneumopatas, tanto em pacientes desnutridos como nos demais9.
os três produtos encontrados no mercado se classificam Na classificação das formulações observaram-se algumas
como hipercalóricos e hiperproteicos e apresentam menores contradições nas especificações da RDC 21/2015, da
quantidades de carboidratos e maiores de lipídeos, quando ANVISA6, sobre o percentual de proteínas em relação ao
comparados a outros grupos de formulações. Esta compo- valor calórico total e a quantidade absoluta deste nutriente,
sição está de acordo com o preconizado para formulações especialmente em fórmulas hipercalóricas. Por exemplo,
específicas para falência pulmonar crônica. Recomenda-se segundo a resolução, a fórmula Nutri Enteral 1.5 (Nutrimed) é
o fornecimento de dietas com até 50% do VET como lipídios, considerada normoproteica, uma vez que apresenta 17% do
hiperproteicas e baixas em carboidrato. Ademais, devido à VET em proteínas. Entretanto, como esta formulação possui
recomendação de restrição de fluidos, sugere-se também alta densidade calórica (1,5kcal/mL), a quantidade absoluta
dietas de maior densidade calórica (1,5 a 2,0kcal/mL). Estas de proteínas (64g de proteína/L) é superior à Nutrison Protein
recomendações visam melhorar a função muscular-respira- Plus Multi Fiber (Danone) e à Fresubin 1.2 HP Fibre (Frese-
tória, prevenir a produção excessiva de CO2 e prevenir ou nius), as quais têm 20% do VET em proteínas, mas possuem
encurtar o tempo de dependência da ventilação mecânica3. menor quantidade absoluta de proteínas, 63g/L e 60 g/L,
Imunomoduladores são nutrientes que atuam farmaco- respectivamente.
logicamente sobre o sistema imune, modulando a resposta Com exceção da Cubitan e da Diasip (Danone), todas
imunológica e diminuindo o processo inflamatório. São as outras formulações enterais não contêm lactose e são
exemplos de imunomoduladores a arginina, glutamina, isentas de glúten, fatores importantes para pacientes alér-
nucleotídeos, ácidos graxos ômega 3 e ômega-63. A admi- gicos ou intolerantes a esses ingredientes. Já para pacientes
nistração pós-operatória de formulações adicionadas de alérgicos à soja, existem atualmente no mercado brasileiro
imunomoduladores em pacientes desnutridos submetidos à 21 formulações enterais isentas desse ingrediente, visto que
BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17
415
Castro e Cardoso MG et al.

a maioria das fórmulas utiliza a soja como fonte de proteínas CONCLUSÃO


(proteína isolada da soja), lipídeos (óleo de soja, lecitina de Foram tabeladas 74 fórmulas, de seis laboratórios dife-
soja) ou fibras (fibra de soja). Outra consideração importante rentes, sendo 24,3% fórmulas padrão sem fibras, 22,9%
é o fato de que, apesar de existir a classificação “hipoca- padrão com fibras, 13,5% para diabéticos, 5,4% para hepa-
lórica”, nenhuma das formulações tabeladas se enquadrou topatas, 8,1% para nefropatas, 4,1% para pneumopatas,
nesta classificação (densidade calórica<1,0kcal/mL). Isto se 4,1% com adição de imunomoduladores, 13,5% hidrolisadas
justifica, provavelmente, pelo fato de que tais fórmulas são e 4,1% para cicatrização de úlceras por pressão.
destinadas a indivíduos que apresentam estado nutricional
As fórmulas possuem diferentes características de compo-
comprometido e, por vezes, já experimentaram alguma perda
sição, o que também justifica a ampla variedade de preços.
de peso, não sendo indicada a restrição calórica.
Porém, além do custo-benefício, a escolha deve ser realizada
Chen & Peterson11 tabelaram, em 2009, fórmulas enterais com base na composição, de acordo com as necessidades
dos laboratórios Nestlé e Abbott, disponíveis nos estados nutricionais individuais do paciente.
de Minnesota e Ohio (Estados Unidos), e encontraram o
Dentre tantas opções de formulações enterais disponíveis
total de 49 fórmulas. Destas, 18 eram fórmulas poliméricas
no Brasil, deve-se analisar as informações nutricionais com
padrão, 2 fórmulas modificadas para pneumopatas, 4 modi-
cautela, a fim de selecionar uma fórmula que apresente
ficadas para pacientes renais, 1 para pacientes hepáticos,
melhor custo benefício, potencialize a resposta e amplie as
6 modificadas para diabetes, 6 com adição de nutrientes
possibilidades de sucesso na terapia nutricional.
imunomoduladores, 5 elementares, 4 semielementares e 3
fórmulas elementares com adição de nutrientes imunomo-
duladores. Vale ressaltar que esse estudo avaliou apenas REFERÊNCIAS
dois laboratórios fabricantes de fórmulas enterais, além de 1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
ter avaliado produtos disponíveis nos Estados Unidos, o que Departamento de Atenção Especializada e Temática. Manual de
terapia nutricional na atenção especializada hospitalar no âmbito
dificulta extrapolar para a realidade do mercado brasileiro. do Sistema Único de Saúde – SUS [Internet]. Ministério da
Já Cunha et al.5 realizaram, em 2011, levantamento de Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção
fórmulas enterais disponíveis no Brasil. Eles tabelaram 71 Especializada e Temática. Brasília; 2016 [acesso 2018 Nov 4].
Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/
fórmulas, número bastante aproximado ao que foi tabelado manual_terapia_nutricional_atencao_especializada.pdf
neste estudo (74 formulações). Com relação às formulações 2. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sani-
padrão, Cunha et al.5 encontraram 25 formulações sem fibra tária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada - RCD N°
63, de 6 de julho de 2000. Dispõe sobre o regulamento Técnico
(versus 18 disponíveis atualmente), e a quantidade de formu- para fixar os requisitos mínimos exigidos para a Terapia de
lações padrão com fibras foi a mesma nos dois estudos (17). Nutrição Enteral [Internet]. Diário Oficial da União 7 de julho de
2000 [acesso 2018 Nov 4]. Disponível em: http://portal.anvisa.
Sobre as fórmulas modificadas, algumas reduziram e gov.br/documents/10181/2718376/RDC_63_2000_____.pdf/
outras aumentaram a quantidade disponível no mercado, c6605c8a-0906-48dd-be89-4940f575f05e
quando comparando os resultados do estudo de 20115 3. Waitzberg DL. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática
Clínica. 5ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2017.
com os deste estudo. Por exemplo, os produtos destinados a
4. Araújo EM, Menezes HC. Formulações com alimentos conven-
diabéticos diminuíram de 10 para 7; as fórmulas com adição cionais para nutrição enteral ou oral. Ciênc Tecnol Aliment.
de imunomoduladores reduziram-se de 6 produtos, em 2011, 2006;26(3):533-8.
para a metade em 2018, e as fórmulas específicas para 5. Cunha SFCC, Ferreira CR, Braga CBM. Fórmulas enterais no
mercado brasileiro: classificação e descrição da composição
pneumopatas caíram de 4 para 3. A quantidade de fórmulas nutricional. Int J Nutrology. 2011;4(3):71-86.
disponíveis para nefropatas e hepatopatas foi a mesma entre 6. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância
as duas pesquisas, 6 e 4 produtos, respectivamente. Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada -
RCD N° 21, de 13 de maio de 2015. Dispõe sobre o regula-
Já o número de formulações hidrolisadas aumentou de mento técnico de fórmulas para nutrição enteral [Internet].
9, em 2011, para 10 atualmente. Formulações para cica- Diário Oficial da União Publicada 15 maio 2015 [acesso
2018 Nov 4]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/
trização de úlceras por pressão não foram incluídas (com documents/10181/3416920/RDC_21_2015_COMP.pdf/
esta denominação) no estudo de Cunha et al.5, mas no c9b03556-974e-4d81-a74b-96297a6cb7a0
presente estudo foram encontrados 3 produtos. Apesar do 7. Blanc G, Meier MJ, Stocco JGD, Roehrs H, Crozeta K, Barbosa
DA. Efetividade da terapia nutricional enteral no processo de
trabalho anterior não ter divulgado nomes de fabricantes e
cicatrização das úlceras por pressão: revisão sistemática. Rev
laboratórios, acredita-se que se tratam dos mesmos fabri- Esc Enferm USP. 2015;49(1):152-61.
cantes analisados na presente pesquisa. Estudos como estes 8. Stechmiller JK, Childress B, Cowan L. Arginine supplementation
são relevantes e necessários, periodicamente, para auxiliar and wound healing. Nutr Clin Pract. 2005;20(1):52-61.
9. Liu P, Shen WQ, Chen HL. Efficacy of arginine-enriched enteral
profissionais na seleção de formulações de uma mesma formulas for the healing of pressure ulcers: a systematic review.
categoria, reunidas num único documento. J Wound Care. 2017;26(6):319-23.

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


416
Fórmulas para nutrição enteral padrão e modificada disponíveis no Brasil

10. Brown B, Roehl K, Betz M. Enteral nutrition formula selection: 18. McClave SA, Martindale RG, Vanek VW, McCarthy M, Roberts
current evidence and implications for practice. Nutr Clin Pract. P, Taylor B, et al. ; A.S.P.E.N. Board of Directors; American
2015;30(1):72-85. College of Critical Care Medicine; Society of Critical Care
11. Chen Y, Peterson SJ. Enteral nutrition formulas: which formula is Medicine. Guidelines for the Provision and Assessment of Nutri-
right for your adult patient? Nutr Clin Pract. 2009;24(3):344-55. tion Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient: Society
12. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasi- of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for
leira de Diabetes (2017-2018). São Paulo: Editora Clannad; Parenteral and Enteral Nutrition (A.S.P.E.N.). JPEN J Parenter
2017 [acesso 2018 Nov 4]. Disponível em: https://www. Enteral Nutr. 2009;33(3):277-316.
diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes- 19. Cano N, Fiaccadori E, Tesinsky P, Toigo G, Druml W; DGEM
sbd-2017-2018.pdf (German Society for Nutritional Medicine), Kuhlmann M, et al.;
13. Han YY, Lai SR, Partridge JS, Wang MY, Sulo S, Tsao FW, et al. ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral Nutrition).
The clinical and economic impact of the use of diabetes-specific ESPEN guidelines on enteral nutrition: adult renal failure. Clin
enteral formula on ICU patients with type 2 diabetes. Clin Nutr. Nutr. 2006;25(2):295-310.
2017;36(6):1567-72. 20. Weimann A, Braga M, Carli F, Higashiguchi T, Hübner M, Klek
14. Anastácio LR, Davisson Correia. Nutrition therapy: Inte- S, et al. ESPEN guideline: Clinical nutrition in surgery. Clin Nutr.
gral part of liver transplant care. World J Gastroenterol. 2017;36(3):623-50.
2016;22(4):1513-22. 21. Wong CS, Aly EH. The effects of enteral immunonutrition in
15. Johnson TM, Overgard EB, Cohen AE, DiBaise JK. Nutrition upper gastrointestinal surgery: A systematic review and meta-
assessment and management in advanced liver disease. Nutr analysis. Int J Surg. 2016;29:137-50.
Clin Pract. 2013;28(1):15-29. 22. Zamberlan P, Orlando PR, Dolce P, Delgado AF, Vaz FAC.
16. Mesejo A, Juan M, Serrano A. Cirrosis y encefalopatía hepáticas: Nutrição enteral em pediatria. Pediatr Mod. 2002;38(4):105-24.
consecuencias clínico-metabólicas y soporte nutricional. Nutr 23. Lochs H, Dejong C, Hammarqvist F, Hebuterne X, Leon-Sanz
Hosp. 2008;23(Suppl 2):8-18. M, Schütz T, et al.; DGEM (German Society for Nutritional
17. Gluud LL, Dam G, Les I, Córdoba J, Marchesini G, Borre M, et Medicine); ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral
al. Branched-chain amino acids for people with hepatic ence- Nutrition). ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Gastroen-
phalopathy. Cochrane Database Syst Rev. 2015;(9):CD001939. terology. Clin Nutr. 2006;25(2):260-74.

Local de realização do estudo: Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Conflito de interesse: Os autores declaram não haver.

BRASPEN J 2018; 33 (4): 402-17


417

Você também pode gostar