Você está na página 1de 13

GRUPO EDUCACIONAL FAVENI

FLÁVIO VELOSO DA SILVA

SEGURANÇA NO TRABALHO NO AMBIENTE ESCOLAR

RIBEIRÃO PRETO - SP
2020
GRUPO EDUCACIONAL FAVENI

FLÁVIO VELOSO DA SILVA

SEGURANÇA NO TRABALHO NO AMBIENTE ESCOLAR

Trabalho de conclusão de curso


apresentado como requisito parcial à
obtenção do título especialista em
Segurança do Trabalho e Gestão de
Pessoas.

RIBEIRÃO PRETO - SP
2020
SEGURANÇA NO TRABALHO NO AMBIENTE ESCOLAR

Flávio Veloso da Silva1

Declaro que sou autor(a)¹ deste Trabalho de Conclusão de Curso. Declaro também que o mesmo
foi por mim elaborado e integralmente redigido, não tendo sido copiado ou extraído, seja parcial ou
integralmente, de forma ilícita de nenhuma fonte além daquelas públicas consultadas e corretamente
referenciadas ao longo do trabalho ou daqueles cujos dados resultaram de investigações empíricas por
mim realizadas para fins de produção deste trabalho.
Assim, declaro, demonstrando minha plena consciência dos seus efeitos civis, penais e
administrativos, e assumindo total responsabilidade caso se configure o crime de plágio ou violação aos
direitos autorais. (Consulte a 3ª Cláusula, § 4º, do Contrato de Prestação de Serviços).

RESUMO- O presente artigo traz como temática a segurança no trabalho no ambiente escolar, levando
em consideração os possíveis riscos de acidente de trabalho que o ambiente escolar possa ter, assim
como também os métodos preventivos de ações que possam diminuir ou acabar com esses problemas.
O estudo baseia-se numa pesquisa bibliográfica, com o objetivo de identificar quais são os principais
riscos que o ambiente escolar enfrenta em relação a garantia da segurança e preservação da saúde de
seus profissionais. A realização da pesquisa possibilitou a compreensão de que os ambientes escolares
possui muitos riscos e de diferentes formas: físicos, biológicos e químicos, e de que estes riscos podem
ser superados através da implantação do programa de prevenção de riscos ambientais, que além de ser
uma norma obrigatória para escolas privadas, é uma garantia para a segurança tanto do trabalhador
quanto da organização. É possível constatar que o PPRA é essencial e que deve ser implantado não
apenas por ser uma norma obrigatória, mas acima de tudo por garantir a segurança e melhorar as
condições de trabalho, influenciando diretamente nos resultados finais, pois ao trabalhar num ambiente
seguro e digno, o trabalhador exerce suas atribuições melhor, produzindo mais e obtendo bons
resultados finais.

PALAVRAS-CHAVE: Escola. Segurança. Saúde. PPRA.

1
Flavioveloso2009@gmail.com
1 INTRODUÇÃO

O presente artigo aborda a temática sobre a segurança no trabalho no ambiente


escolar, baseado na necessidade de aprofundar o estudo, pois é uma área ainda não
muito difundida, muitas pessoas ainda possuem a falsa crença de que os acidentes de
trabalho são causados apenas em locais com máquinas e que utilizam produtos
tóxicos. No entanto, a segurança e a saúde do trabalhador deve ser estudada e
analisada em todos os ambientes profissionais.
Uma das principais funções sociais da escola é o da educação para a cidadania,
isto é, repassar não apenas os conhecimentos científicos e técnicos para o indivíduo
ser inserido no mercado de trabalho, mas também proporcionar discussões de temas e
situações que fazem parte da vida em sociedade, sendo um desses temas as questões
relacionados ao mundo do trabalho, em especial a sua relação com a saúde e
segurança.
Se a escola trabalha com essa temática em suas práticas educativas, é
necessário que a mesma demonstre através da prática as suas ações, ou seja, o
ambiente escolar deve estar adequado às normas de segurança e saúde, preservando
a vida dos trabalhadores que atuam nela. Neste sentido, o presente trabalho visa
abordar a temática sobre a segurança no trabalho no ambiente escolar, com destaque
aos principais problemas enfrentados neste ambiente de trabalho e as ações para
saná-los.
A partir do problema de pesquisa levantado sobre quais os principais problemas
enfrentados na segurança e saúde do trabalhador no ambiente escolar, busca-se
identificar esses problemas e as possíveis soluções para os mesmos, além disto traz os
principais conceitos sobre o que vem a ser a segurança e saúde no ambiente de
trabalho.
A presente pesquisa tem como base uma abordagem qualitativa de caráter
exploratória, realizada através de pesquisas de cunho bibliográfico, sendo de natureza
básica, a qual objetiva a produção de novos conhecimentos que ampliam os
conhecimentos adquiridos sobre a temática já estudada, buscando responder a
problemática de estudo levantada.
2 SEGURANÇA NO TRABALHO NO AMBIENTE ESCOLAR

De um modo geral, pensar em segurança no ambiente escolar parece para


muitos ser uma perda de tempo, no entanto, as atividades executadas no ambiente
escolar colocam em risco a saúde a integridade tanto física quanto mental de quem
atua nesses ambientes.
Ao se falar em segurança no trabalho o que vem em mente são os acidentes
ocasionados pelo mesmo. Neste sentido pode-se dizer que: “os acidentes com lesão
são uma consequência do comportamento do trabalhador, dentro de condições
específicas de um sistema”. (MORAES, 2014, p. 1)
Ao se tratar especificamente do ambiente escolar, muitos são os problemas que
afetam a saúde e segurança do trabalhador que atua neste ambiente. Neste sentido
Frances (2012, p. 1) destaca que:
Entre os problemas mais comuns apresentados por pessoas que trabalham em
ambientes escolares estão os decorrentes de má postura e do uso de mobiliário
inadequado, como dores lombares, lesões por esforços repetitivos (LER) e
doença osteoarticular relacionada ao trabalho (Dort). As merendeiras, por
exemplo, podem sofrer as consequências de ter de levantar e carregar panelas
com excesso de peso, abaixar-se e se levantar de forma incorreta para pegar
os utensílios e usar instrumentos inadequados - como a faca para picar
legumes sendo usada para cortar carnes.

Percebe-se que muitos são os problemas relacionados à saúde e segurança do


trabalhador no ambiente escolar que podem vir a acontecer. Situações simples, mas
que se não forem bem planejadas e executadas pode gerar um acidente de trabalho,
acidente às vezes simples, de fácil resolução, mas outros porém irreversíveis.
Muitos são os aspectos a serem observados no ambiente de trabalho escolar,
dentre os quais se destacam: iluminação, som, estrutura física das instalações. Neste
sentido, Moraes (2014, p. 1) destaca alguns dos problemas enfrentados no ambiente de
trabalho escolar, sendo eles:
A iluminação deficiente: o imobiliário inadequado; equipamentos obsoletos e, de
muito ultrapassados; condições ergonômicas impróprias; desconhecimento dos
riscos da função – postura incorreta, esforço físico em demasia, excessos de
movimentos repetitivos, além dos riscos químicos – serventes e encarregados
de serviços gerais – e biológicos – professores e serventes – lembrando
também um problema comum a todos – o “STRESS” – situações essas
decorrentes das atividades profissionais desenvolvidas nos ambientes
escolares.
Percebe-se que não são poucos os riscos que comprometem a saúde física e
mental dos trabalhadores que exercem suas funções num ambiente escolar, sendo
assim, esta categoria merece uma preocupação, de modo a pensar em ações que
possam solucionar esses problemas e acima de tudo preveni-los.
Moraes (2014) destaca ainda que, um dos maiores riscos se encontra no uso de
laboratórios quando o estabelecimento escolar possui, pois de um modo geral, é
comum que os usuários desconheçam as medidas de segurança adequadas que é o
uso dos equipamentos de proteção individual e coletiva, medidas essas que são
obrigatórias.
Carvalho (2018, p. 1) ressalta que:
Na escola há vários riscos ambientais aos seus empregados, como a escada,
degraus, pisos escorregadios, na sala de aula temos o risco de acidente como o
de choque elétrico, o banheiro tem riscos biológicos como vírus, protozoários,
temos também o risco físico que é o Ruído (barulho intenso sendo ele interno
ou externo).

É possível perceber que, segundo os autores acima citados, muitos são as


possibilidades de riscos que levam a um acidente de trabalho ou que afete a saúde
física e/ou mental do trabalhador. A identificação desses riscos não é exagero, mas
prevenção de possíveis problemas que possam surgir.
Um dos problemas enfrentados em relação à segurança do trabalho é que na
maioria dos casos são investigados e avaliados as causas dos acidentes, ou seja, a
preocupação surge depois de um problema ocorrido.
Neste sentido a prevenção é essencial para mudar esse quadro. Os esforços
devem girar em torno de métodos de controle dos acidentes, buscando avaliar as
consequências que o trabalho pode gerar.
Neste sentido, Silva (2019, p. 1) destaca que: 
Nos ambientes e contextos de trabalho qualquer profissional de SST deverá
estar diretamente preocupado com ações de intervenção que se façam
necessárias, quer no âmbito da implementação de medidas de prevenção ou de
proteção. Seu objetivo ali é promover a Saúde e a Segurança e seu trabalho
consiste em transformar teoria em ação, mesmo considerando que de acordo
com algumas concepções, ambas são parte de um mesmo processo.
 
Percebe-se a importância do profissional de Segurança e Saúde no Trabalho,
independentemente da área de atuação, pois este profissional é responsável por intervir
no modo de ação da empresa/organização, observando os riscos e aplicando medidas
que promovam a segurança, visando sempre o bem estar do trabalhador.
Ao se referir a essa medidas, a principal delas é a de prevenção, pois prevenir
permite a diminuição dos acidentes de trabalho. Neste mesmo sentido, Silva (2019, p.
1) destaca que:
A prevenção deve estar na ordem do dia também para aqueles que são
preparados, por meio da escola – ou melhor, por meio de suas singulares
escolas –, para ocuparem os cargos de comando. Isso não apenas porque
quando ocorrem acidentes, adoecimentos e mortes por conta do trabalho, há
um custo financeiro a ser pago, além do social e humano propriamente dito.

Percebe-se que a prevenção é algo que deve ser bem trabalhada, estudada e
analisada no ambiente de trabalho, pois prevenir deve estar em primeiro plano, visando
sempre o bem estar do trabalhador, evitando possíveis danos que pode ser muitas das
vezes irreversíveis.
Moraes (2014, p. 1) ressalta ainda que:
Os profissionais de Segurança e Medicina do Trabalho devem aceitar a
necessidade de modificação dos métodos atuais de avaliação dos problemas de
acidentes do trabalho, e buscar novas medidas que permitam melhorar a sua
capacidade de identificar e controlar esses problemas.

O autor ressalta a importância da mudança nos métodos adotados em relação a


garantia da segurança e saúde do trabalhador, métodos esses que devem priorizar a
prevenção, de modo a identificar possíveis problemas antes mesmo que eles
aconteçam.
Mais adiante em sua publicação o autora ainda ressalta que:
O controle deve começar com medidas eficazes. O grau, até o qual o controle é
possível, é função da adequação das medidas utilizadas para identificar o tipo e
magnitude dos problemas potenciais produtores de lesão, existentes dentro de
nosso campo de ação. A questão é encontrar um critério de eficiência de
segurança, e alguma maneira de medi-la. (MORAES, 2014, p. 1)

Nota-se que é muito importante a identificação, análise e compreensão dos


possíveis problemas a serem enfrentados em relação à segurança do trabalhador, os
possíveis riscos de acidentes e assim propor ações preventivas para que esses
acidentes não aconteçam, preservando assim a saúde e integridade do trabalhador.
No ambiente escolar é necessário identificar os riscos em cada uma das funções
exercidas para assim propor estratégias preventivas que irão contribuir para o bem
estar de todos e consequentemente para a qualidade nos serviços prestados.
Muitos são os exemplos de problemas enfrentados no ambiente escolar e que
são fáceis de serem resolvidos, tais como: compra de material e equipamento
adequado para cada função (vassoura, rodo, panelas), estes devem estar adequados
ao tamanho do funcionário. No uso de materiais de limpeza ter equipamentos de
proteção individual (luvas, máscaras). Mesas e cadeiras de tamanho adequado ao
servidor para evitar problemas de coluna, enfim, cada profissional tem uma atribuição
diferenciada e ao se falar em prevenção, segurança e saúde é necessário levar em
consideração as especificidades de cada um.
Frances (2012) destaca em sua publicação que a gestão da escola tem uma
grande responsabilidade em garantir a segurança e preservar a saúde de seus
funcionários, pois além da questões administrativas e pedagógicas existentes no
Projeto Político Pedagógico da escola, a gestão deve estar atenta às questões
estruturais que interferem diretamente na rotina dos trabalhadores, tais como: compras
de equipamentos e materiais adequados para execução dos serviços conforme cada
função.
O autora ainda ressalta alguns pontos importantes a serem observados que
contribuem para o aumento da segurança em ambientes escolares:
Ter equipe adequada: O número de funcionários da escola precisa ser
adequado aos projetos previstos no PPP para que o trabalho não seja realizado
com sobrecarga física ou psíquica. Ouvir os funcionários: Para que ninguém
se sobrecarregue, o melhor a fazer é escutar os próprios interessados. Eles
podem dizer como desempenham suas funções e quais as mudanças
necessárias. Para tanto, é preciso fazer reuniões regulares com os funcionários
e analisar em conjunto as condições de trabalho. (FRANCES, 2012, p. 1)

As sugestões dadas pelo autor mostra a importância de uma gestão


democrática, que é também um dos princípios norteadores da educação, pois pensar
em como melhorar a segurança e o bem estar do trabalhador é preciso conhecer a
realidade em que mesmo está inserido.
De um modo geral, a segurança em ambientes de trabalho é um tema muito
discutido, estando presente nas normas na Legislação que rege o trabalho no país.
Dentre essas normas, em 1994, o Ministério do Trabalho tornou obrigatório o PPRA –
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, tratada com mais detalhes no subtópico
a seguir.
2.1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - PPRA

O PPRA trata-se de um programa que visa analisar os diversos ambientes de


trabalho afim de detectar situações que possam ocasionar um acidente de trabalho, um
agravamento de uma doença pré-existente ou surgimento de uma nova doença, a partir
desta análise busca medidas para diminuir ou acabar com esses riscos.
Segundo o documento, a norma regulamentadora 9 do Ministério do Trabalho:
9.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da
elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições
que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de
Riscos Ambientais - PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade
dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e
consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que
venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do
meio ambiente e dos recursos naturais. (BRASIL, 1994, p. 1)

Frances (2012, p. 1) ressalta que: “a avaliação deve ser feita por técnicos, que
descrevem a presença de agentes físicos (temperaturas extremas, ruídos e radiações),
químicos (poeira, gases e vapores) e biológicos (fungos, parasitas, bactérias)”.
Henrique (2017, p. 1) aprofunda relatando que: “os riscos ambientais são os
agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes da trabalho, que em
função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de exposição, são capazes
de causar danos à saúde dos trabalhadores".
O programa é uma legislação federal que deve ser cumprida por todas as
empresas e/ou organizações que possuam trabalhadores registrados. No âmbito
escolar, a obrigatoriedade é para as escolas de rede privada, o que gera muitas
discussões, pois os riscos existem para todos os profissionais que atuam no ambiente
escolar e não apenas em escolas particulares.
Segundo Henrique (2017, p. 1), o objetivo do programa é: “estabelecer uma
metodologia de ação que garanta a preservação da saúde e integridade dos
trabalhadores, frente aos riscos dos ambientes de trabalho”.
Percebe-se a importância da elaboração de um plano de ação que visa a
prevenção, de modo a garantir a segurança e o bem estar dos profissionais enquanto
estão em seus ambientes de trabalho.
Conforme explica Henrique (2017), a elaboração do programa de prevenção de
riscos ambientais deve ser feita por Técnicos e/ou Engenheiros de Segurança.
Ressalta-se a importância desse profissional devidamente formado e capacitado para
atender na área, pois é necessário identificar detalhadamente todos os possíveis riscos
e assim estabelecer um plano de ação preventivo que visa diminuir ou acabar com
esses riscos.
O autor ainda ressalta que:
O PPRA é um programa de ação contínua, não é um documento. Já o
documento-base gerado quando de sua elaboração e as ações que compõem o
programa podem ser solicitados pelo Fiscal. Caso a empresa possua o
documento-base e não existam evidencias de que esteja sendo praticado, o
Fiscal entenderá que o programa NÃO EXISTE. (HENRIQUE, 2017)

Nota-se que o programa deve ser constantemente reavaliado, pois além da


avaliação de sua eficiência, se está tendo ou não resultados positivos, os ambientes de
trabalho são locais flexíveis, sendo assim, devem ser reavaliados e observados se há
novos possíveis riscos de acidentes de trabalho.
Carvalho (2018, p. 1) destaca em sua publicação que o ambiente escolar possui
diferentes tipos de riscos (físicos, químicos e biológicos), sendo assim ressalta a
importância do seguimento de algumas etapas que o PPRA deve constar, que são:
Antecipação e reconhecimento dos riscos; Estabelecimento de prioridades e
metas de avaliação e controle; Avaliação dos riscos e da exposição dos
trabalhadores; Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
Monitoramento da exposição aos riscos.

A escola deve seguir as orientações do programa, corrigindo o que pode causar


riscos à segurança e saúde do profissional que nela atua e adotando medidas
preventivas. A escola deve seguir o programa não apenas por ser uma obrigatoriedade,
mas acima de tudo para promover um ambiente de trabalho digno a seus
trabalhadores.

3 CONCLUSÃO

A realização dos estudos permitiu a compreensão da importância das discussões


sobre segurança no trabalho em ambientes escolares, pois ao contrário do que muitas
pessoas acreditam, estes são ambientes que possuem diferentes tipos de riscos que
podem ocasionar acidentes de trabalho e/ou comprometer a saúde tanto física quanto
mental de quem neles trabalha.
Os ambientes escolares possuem riscos físicos, biológicos e químicos, sendo
assim é muito importante que estes ambientes adotem as medidas propostas pelo
programa de prevenção de riscos ambientais - PPRA, programa esse obrigatório para
as escolas de rede privada, mas que ainda há controvérsias sobre sua obrigatoriedade
em escolas de rede pública.
Foi possível observar que o PPRA é uma importante norma do Ministério do
Trabalho que tem como principal objetivo prevenir os acidentes de trabalho e garantir a
segurança e saúde dos trabalhadores. Sendo assim, é essencial que todos os
ambientes de trabalho façam parte deste programa, não apenas por sua
obrigatoriedade, mas principalmente pelos seus benefícios.
Outro aspecto muito importante estudado foi o da atuação do profissional
Técnico e/ou Engenheiro em Segurança no PPRA, pois é necessário um amplo
conhecimento sobre os possíveis riscos de acidentes, assim como a elaboração de
estratégias tanto preventivas quanto corretivas, trabalho este que necessita de
capacitação e formação adequada.
Por fim, nota-se que, a escola, por ser um ambiente social responsável por
disseminar a educação não apenas técnica e científica, mas também a formação
cidadã, e que traz em suas práticas pedagógicas estudos teóricos sobre a segurança e
a saúde nos ambientes de trabalho, deve garantir também em suas ações cotidianas a
segurança de seus trabalhadores e usuários, garantindo assim um ambiente digno de
trabalho.

4 REFERÊNCIAS

BRASIL. NR 9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Brasília: Ministério


do Trabalho, 1994. Última atualização em: 10/12/2019.
CARVALHO, Wesley. A importância do PPRA e PCMSO para as escolas. 2018.
Disponível em: http://www.bwcontabilidade.com.br/site/a-importancia-do-ppra-e-pcmso-
para-as-escolas/. Acesso em: abr. 2020.

FRANCES, Jones. A atenção aos possíveis riscos de acidente em todos os


setores da escola mostra preocupação com o bem-estar dos funcionários.
Disponível em: https://gestaoescolar.org.br/conteudo/386/saude-e-seguranca-no-
trabalho. Acesso em: abr. 2020.

HENRIQUE, Carlos. PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 2017.


Disponível em: https://www.engemed.med.br/2017/02/07/ppra-programa-de-prevencao-
de-riscos-ambientais/. Acesso em: abr. 2020.

MORAES, José Eurides de. A segurança do trabalho em ambientes escolares.


2014. Disponível em: http://www.fatecguaratingueta.edu.br/cipa/seguranca-trabalho-em-
ambientes-escolares/. Acesso em: abr. 2020.

SILVA, Jeferson Peixoto da. Por que SST nas escolas? 2019. Disponível em:
http://www.fundacentro.gov.br/dia-10-de-outubro/por-que-sst-nas-escolas. Acesso em:
abr. 2020.