Você está na página 1de 5

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALFENA

2016-2017
FQA 10º ano
Medições e incertezas associadas

Medir uma grandeza é determinar o número de vezes (n) que essa grandeza contém outra da mesma espécie, ou
seja, é comparar o valor de uma determinada grandeza, G, com outra da mesma natureza, que se toma como
unidade:
G(valor.da.grandeza)
n=
unidade
Por exemplo, medir o comprimento desta sala é verificar
quantas vezes a sala é mais comprida do que a unidade de comparação – o metro.

Medição é a operação que traduz o ato de medir e pode ser:


 Direta – O Valor da grandeza é comparado diretamente com a unidade padrão de um instrumento.
 Indireta – O Valor da grandeza obtém-se a partir de relações matemáticas entre medidas de grandezas
obtidas em medições diretas.

Então, a medida de uma grandeza é o resultado da operação medição e exprime-se através de um número,
geralmente acompanhado de uma unidade apropriada.

- Será que medir grandezas com diferentes instrumentos apresenta sempre o mesmo rigor?
- Como se registam os resultados dessas medições em função do instrumento utilizado?

Há dois aspetos que devemos ter em consideração:


- A medida da mesma quantidade de água determinada em instrumentos diferentes, não é exatamente igual – o
número de algarismos na leitura é diferente.
- A medida da mesma quantidade de água e no mesmo instrumento, feita por alunos diferentes, não é exatamente
igual – pode haver erros, mas há também algarismos estimados.

De facto, quando fazemos a leitura numa escala, há sempre algarismos que lemos diretamente na escala e um
algarismo aproximado que lemos por estimativa.
Algarismos significativos - são os algarismos com significado físico, ou seja, todos os exatos (certos) mais o
primeiro aproximado (incerto).

É sempre com estes algarismos que se deve exprimir o resultado de uma medição, pois os algarismos exatos estão
concordantes com as divisões da escala enquanto o aproximado corresponde a uma fracção da menor divisão da
escala feita por estimativa.

Regras para a contagem dos algarismos significativos


1. Qualquer algarismo diferente de zero é significativo.
246 cm  3 algarismos significativos

2. O algarismo zero só é significativo quando está situado à direita de um outro algarismo significativo (diferente
de zero).
4005 cm  4 algarismos significativos
0,00038 g  2 algarismos significativos
0,00520 g  3 algarismos significativos
3,0 mg  2 algarismos significativos

3. Para números sem casas decimais, pode ser duvidoso se os zeros são ou não significativos, devendo por
isso usar-se a notação científica pois as potências de base 10 não contam.
400 poderá ser: 4x102  1 algarismo significativo
4,0x102  2 algarismos significativos
4,00x102  3 algarismos significativos

4. Quando se efetua uma conversão de unidades, o número de algarismos significativos deve obrigatoriamente
permanecer igual.
7,6 m = 7600 mm – de 2 algarismos significativos passa para 4??
7,6 m = 7,6x103 mm
7,6 m = 0,0076 km = 7,6x10-3 km

Operações com algarismos significativos - arredondamentos

1. se o primeiro algarismo a suprimir for inferior a cinco, mantém-se o algarismo anterior


3 alg. signif: 3,234  3,23 7,5638  7,56 3,13495  3,13
2. Se o primeiro algarismo a suprimir for superior a cinco, acrescenta-se uma unidade ao algarismo anterior
3 alg. signif: 4,238 4,24 8,5483  8,55 3,296  3,30
3. Se o primeiro algarismo a suprimir for cinco, o algarismo anterior mantém-se se for par ou altera-se para o
algarismo par acima
2 alg. signif: 9,45  9,4 7,25  7,2 9,359  9,4 9,350  9,4
 Adição e subtração
O valor resultante da operação deve ter um número de casas decimais igual ao da parcela com menor número
(de casas decimais).
1. 3,26 g + 1,0453 g = 4,3053 g  4,30 g
2. 41,34 g + 2,436 g = 43,776 g  43,78 g
3. 50,05 mL - 4,2 mL = 45,85 mL  45,8 mL

 Multiplicação e divisão
O valor resultante da operação deve ter o mesmo número de algarismos significativos do fator com menor número
(de algarismos significativos).
1. 8,42 x 2,3 = 19,336  19
2. 35,540 : 2,10 = 16,9238  16,9
3. 4,20 : 120,0 = 0,035  0,0350

Exemplos:
Exprime os resultados das seguintes operações com o número correto de algarismos significativos:
A. 3,0 + 4,23 7,23 = 7,2
B. 5,46 - 3,807 1,653 = 1,65
C. 1,62 x 3,0 4,86 = 4,9
D. 1,48 : 0,35 4,22857 = 4,2
E. 2,37x104 x 1,5246x102 3,6133x106 = 3,61x106

INCERTEZAS E ERROS EXPERIMENTAIS

INCERTEZAS- associada à escala de medida


A medição é afetada por
ERROS EXPERIMENTAIS- podem ter diversas origens

INCERTEZAS

Numa medição experimental deve-se ter em conta as seguintes informações que os aparelhos de medida
podem fornecer:

 Alcance – valor máximo medido pelo aparelho

 Menor divisão de escala – valor mínimo medido por determinada escala/ aparelho.

 Incerteza absoluta Aparelho analógico – metade da menor divisão de escala.


de leitura
Aparelho digital- menor valor lido pelo aparelho

Nota: Pode a incerteza ser explicita no aparelho. Muitas vezes essa incerteza aparece com outro nome (precisão,
tolerância, ou erro do aparelho)

- O valor obtido de uma medição não é um valor “exato” mas sim uma aproximação, pois há sempre uma incerteza
associada à medição que resulta de vários erros que ocorrem durante a medição.
 Apresentação da medida quando é efetuada apenas uma medição direta:

Medida = (Valor mais provável ± incerteza absoluta de leitura) unidade

(Valor que resulta da medição efetuada pelo operador)

 Quando há várias medições diretas da mesma grandeza nas mesmas condições:

 Valor mais provável- neste caso, corresponde ao valor médio das medidas efetuadas.

Sejam x1, x2, … xn os valores das medidas. O valor mais provável ( ̅ ) é:


̅= Média

A incerteza associada pode ser apresentada de duas formas:

1ª)

- Calcula-se o desvio de cada medida di= xi - ̅ e o respetivo desvio absoluto = |Xi - ̅ |

- A incerteza absoluta do valor mais provável = |Xi - ̅ |máximo (maior dos desvios absolutos)

Medida = (Valor mais provável ± incerteza absoluta) unidade

- Nota: a medida é sempre apresentada com a incerteza de maior valor (avalia-se os valores a incerteza de leitura
com a incerteza absoluta do valor mais provável e apresenta-se a que tiver maior valor)

2ª)

-Também se pode apresentar a medida com a incerteza relativa em percentagem (desvio percentual)

| ̅| á
- Incerteza relativa =

| ̅| á
- desvio percentual (%) = × 100

Medida = (Valor mais provável (unidade) ± desvio percentual (%)


ERROS, PRECISÃO E EXATIDÃO

Quando se efetua uma medição ocorrem erros experimentais. Alguns erros cometidos durante uma medição são
inevitáveis, no entanto, é necessário conhecê-los de modo a minimizá-los.

Os erros podem ser acidentais (aleatórios) ou sistemáticos:

 Erro acidental (fortuitos ou aleatórios)– são imprevisíveis; não são regulares e, por isso, são difíceis de serem
controlados e eliminados. Podem ser atenuados se se aumentar o número de medições da mesma grandeza.

 Resultam de factores variáveis e ocasionais:


 ligados ao operador (falta de perpendicularidade em relação à escala de leitura, leitura incorreta do
aparelho,...).
 factores externos (correntes de ar, estremecimento da mesa,...).
 Fazem com que os resultados de várias medidas de uma mesma coisa sejam diferentes.

 Erro sistemático – Podem resultar de:


 limitações dos aparelhos de medida (escala inadequada, má calibração,...).
 utilização de técnica incorreta (mau posicionamento de um aparelho,...).
 problemas inerentes ao operador (problemas de visão,...).
 Afetam os resultados sempre da mesma maneira, ou por excesso ou por defeito.
 Podem ser eliminados desde que se conheçam as causas.
 Fazem com que o resultado de uma medida se afaste do valor real.

AVALIAÇÃO DOS ERROS EXPERIMENTAIS COMETIDOS DURANTE UMA MEDIÇÃO

PRECISÃO- traduz a proximidade das medições entre si o que se traduz num valor médio próximo dos valores das
medições. Quanto mais próximas estiverem as medidas entre si, maior será a precisão dos resultados obtidos. A
precisão é afetada pelos erros acidentais.

A precisão é avaliada pelo desvio percentual:

| ̅| á
desvio percentual (%) = × 100

- Quanto menor o desvio percentual maior é a precisão das medidas.


- Em geral um desvio percentual inferior a 5% é considerado aceitável.

EXATIDÃO DA MEDIDA- traduz a proximidade entre o valor mais provável e o valor de referência (valor tabelado).
Resulta da existência de erros sistemáticos; a medida será tanto mais exata quanto mais próxima estiver desse valor.

A exatidão é avaliada pelo erro percentual:

| á |
Erro relativo=

| á |
Erro percentual (erro relativo em percentagem) = × 100

- Quanto menor o erro percentual maior é a exatidão das medidas.


- Em geral um erro percentual inferior a 5% é considerado aceitável.

Você também pode gostar