Você está na página 1de 28

Boletim do Setor

MINERAL
PRODUÇÃO MINERAL

COMÉRCIO EXTERIOR

PORTARIAS DE LAVRA

DESTAQUES DA SGM

2019
Crédito da imagem: stock.adobe.com

MINERAÇÃO
RIQUEZA PARA O DESENVOLVIMENTO
E O BEM-ESTAR SOCIAL
AO LEITOR Boletim do Setor
É com grande satisfação
que apresentamos
Boletim do Setor Mineral
brasileiro.
o
MINERAL 2ª EDIÇÃO
As informações estão
atualizadas, fechando o
ano de 2019. SUMÁRIO
Nele o leitor poderá
encontrar alguns dados
relevantes sobre a Panorama do Setor .................................. 2
economia mineral do
País, desde a pesquisa
Reservas Minerais ................................... 4
geológica, passando pela Produção Mineral .................................... 6
extração até a indústria.
A edição deste Boletim Comércio Exterior.................................... 9
objetiva proporcionar
maiores conhecimentos e Preços de Commodities ......................... 12
divulgação deste
Processos Minerários ............................ 15
importantíssimo setor da
economia nacional. Portarias de Lavra................................. 17
Boa leitura!
CFEM ...................................................... 19

Alexandre Vidigal de
Sustentabilidade .................................... 21
Oliveira Barragens ............................................... 22
Secretário Nacional de
Geologia, Mineração e Destaques da SGM ................................ 23
Transformação Mineral

BRASÍLIA, 2019
ATUALIZADO EM FEVEREIRO DE 2020
Participe da construção do
nosso Boletim!

Contribuições podem ser


enviadas para o e-mail 3
sgm@mme.gov.br
1 Panorama do Setor VALOR DA PRODUÇÃO MINERAL BRASILEIRA (PMB)1
60 53
48
50 44
39 40
US$ BILHÕES

40 32 34
30
26 24
20
10
0
2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
Fonte: IBRAM (2019)
1

E XPORTAÇÕES E S ALDO DA B ALANÇA C OMERCIAL


DO S ETOR M INERAL
Valor das Exportações do Setor Mineral (US$ bilhões)
Balança Comercial Mineral (US$ bilhões)

60 46,7 49,7 51
US$ BILHÕES

40
23,7 23,3 24,5
20

0
2017 2018 2019
Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

PARTICIPAÇÃO NO PIB 2017 2018


PIB Brasil (R$ bilhões) 6.752 6.828
PIB Ind. Extrativa Mineral2 (%) 2,26 2,26
(inclusive Pet. e Gás)
PIB Metalurgia (%) 1,34 1,34
PIB Transf. Não-Metálicos (%) 0,47 0,46
PIB Setor Mineral (%)
(Ind. Extrativa+Met+ Transf.Não Met)
4,07 4,06
Fonte: Sinopse (DTTM/SGM, 2019), IBGE
1 PMB é a soma de todos os bens minerais produzidos no País calculados em bilhões de dólares,
metodologia do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM).
2 PIB da Ind. Extrativa Mineral exclusive Petróleo e Gás: 2017 = 0,66; 2018=0,64
2
DECLARAÇÃO DE INVESTIMENTO EM PESQUISA
MINERAL (R$ MILHÕES)

717,53

621,47

589,46
556,37

427,40
526,78
800
R$ MILHÕES

418,38

398,00
390,71
310,20
322,36
600

253,39
236,25
201,95

193,68
126,99
400
200
0
2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018
Fonte: DIPEM/ANM (2019)

INVESTIMENTOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO


(US$ BILHÕES )
75
80 63,7
53,6
US$ BILHÕES

60
40 18 19,5
20
0
2012-2016 2013-2017 2014-2018 2017-2021 2018-2022 (em
apuração)
Fonte: IBRAM (2019)

EMPREGOS DIRETOS DO SETOR MINERAL


1000 901 922 909,9 889,7
822 851
811 824,6
800 759,6 733,3
EMPREGOS (10³)

442

460,7

457
439
362

183,4 213,8 427,4


414

386,9

168,9 198,8 365,6


367

600

400
198,5 250,7

195,8 236,9
254
260
282

263

254

173,7 199

200
226
183

202
181
178

0
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017

Mineração Metalurgia Transformação Não-Metálicos Total

Fonte: DTTM/SGM (2019), RAIS/ME

3
2 Reservas Minerais
PRINCIPAIS RESERVAS MINERAIS DO BRASIL
Participação
Substância Reserva (10³ t)
Mundial (%)
Alumínio (Bauxita)¹ 2.600.000 9,3
Barita² 81.570 23,6
Carvão Mineral¹ 3.799.000 0,4
Chumbo² 74 0,1
Cobalto² 70 1,0
Cobre² 11.212 1,6
Cromo² 2.451 0,5
Estanho² 382,7 8,8
Ferro¹ 28.603.000 16,8
Fosfato4 315.000 0,5
Grafita Natural¹ 72.000 28,8
Lítio² 54 0,4
Magnesita¹ 391.000 4,6
Manganês6 136.492 19,3
Metais Gr. Platina³ n.d. n.d.
Nióbio² 16.166 98,8
Níquel² 15.991 18,9
Ouro² 2,4 4,2
Potássio4 1.400 0,0
Prata² 3,8 0,7
Talco e Pirofilita¹ 45.163 n.d.
Tântalo² 33,7 32,8
Terras Raras² 21.000 17,5
Titânio5 6.181 0,8
Tungstênio² 28 0,9
Vanádio² 119 0,6
Vermiculita¹ 7.000 14,9
Zinco² 2.464 1,1
Zircônio¹ 2.319 3,1
Fonte: Sumário Mineral Brasileiro (ANM, 2017)
Notas: 1 - Reserva Lavrável de minério; 2 - Reserva Lavrável em metal contido; 3 - Reserva
Lavrável em metal contido de Pt+Pd; 4 - Reserva Lavrável em equivalente P2O5 ou K2O; 5 - Reserva
Lavrável de ilmenita + rutilo, em metal contido; 6 - Reserva Medida em metal contido; n.d. dado
não disponível.

4
P ARTICIPAÇÃO M UNDIAL DAS R ESERVAS M INERAIS
B RASILEIRAS (2015 VERSUS 2016)
Part. (%) 2015 Part. (%) 2016

98,1
Nióbio
SUBSTÂNCIA (10 MAIORES PARTICIPAÇÕES)

98,8
33,5
Tântalo 32,8
31,4
Grafita Natural 28,8
24,8
Barita 23,6
Manganês 30,1
19,3
13,7
Níquel 18,9
17,4
Terras Raras 17,5
16,6
Ferro 16,8
13,2
Vermiculita 14,9
9,3
Alumínio (Bauxita) 9,3
0 20 40 60 80 100
Participação Mundial (%)

Fonte: Sumário Mineral Brasileiro (ANM, 2016 e 2017)


VOCÊ SABIA?
Recurso Mineral é uma concentração de minério formada na
crosta terrestre, em quantidade e qualidade adequadas para uso
industrial, mas que não foi submetida a uma avaliação econômica.

Já Reserva Mineral é a parte disponível do Recurso Mineral


para lavra que pode ser produzido economicamente, ou seja, que
pode ser vendido com lucro, tudo devidamente demonstrado em
estudos de viabilidade técnica e econômica.

” 5
3 Produção Mineral
PRODUÇÃO(B) NACIONAL DE BENS MINERAIS 2015 A 2018 (10³ T)
Substância 2015 2016 2017 2018(p)
Barita1 17,8 12,1 n.d. n.d.
Bauxita 35.715 37.389 36.375 27.000
Calcário Agrícola 29.433 32.469 37.600(p) 43.000
Carvão Metalúrgico 150,9 52,9 n.d. n.d.
Carvão Mineral(energético) 6.748,6 6.009,8 3.878,3(p) 4.449,9
Caulim 1.802 1.737 1.800(p) 2.000
Cobre1 350,9 338,9 384,5 381,0
Cromita3 526,7 426,3 542,9 n.d.
Enxofre 514,0 530,0 530(p) 530,0
Estanho1(cassiterita) 20 15,2 17,1 18,0
Ferro 430.838 421.358 453.703 460.000
Fosfato2 6.100 5.850 5.345(p) 5.098
Grafita Natural2 81,8 61,7 95(p) 96,8
Lítio4 0,31 0,44 0,2(p) 0,60
Magnesita 1.621 1.652 1.800(p) 1.900
Manganês1 1.243 1.200 1.343 1.200
Nióbio5 80,5 80,7 83,2 80,0
Níquel1 182,9 134,6 68,8 80,0
Ouro6 0,083 0,094 0,080 0,081
Potássio7 304,0 316,4 306,2(p) 201,2
Talco e Pirofilita8 642,6 657,0 850(p) 850,0
Tântalo2 0,27 0,13 0,11(p) 0,10
Terras Raras (monazita) 1,63 4,53 1,7(p) 1,00
Titânio2 81,0 66,5 50,0 50,0
Vanádio (V205) 5,81 7,97 5,21(p) 6,30
Zinco1 157,0 158,2 156,5 n.d.
Fonte: Sumário Mineral (ANM, 2017 e 2018), Anuário Mineral (ANM, 2018), Mineral Commodity
Summaries (USGS, 2018 e 2019), Sinopse (DTTM/SGM, 2019) e Anuário do Setor de Transf. Não-
Metálicos (DTTM/SGM, 2019)
Nota: (B) produção beneficiada; 1- Metal contido; 2- Concentrado; 3- Minério Lump + concentrado
de cromita; 4- Contido em óxido de lítio; 5- Nb2O5 contido no concentrado; 6- Empresas + garimpos;
7- K2O equivalente; 8- Total; (p) preliminar; n.d. dado não disponível.
6
P ARTICIPAÇÃO B RASILEIRA NA P RODUÇÃO M UNDIAL
DE B ENS M INERAIS (2016 VERSUS 2018 (P))

93,7
Nióbio (contido)
90,9
SUBSTÂNCIAS (10 MAIORES PARTICIPAÇÕES)

18,9
Minério de Ferro 18,4
6,0
Talco e Pirofilita 11,3
5,2
Grafita Natural 10,4 Part. (%) 2016
13,1
Bauxita 9,0
10,2 Part. (%) 2018
Vanádio (pentóxido) 8,6 (preliminar)
7,3
Manganês (contido) 6,7
Magnesita 5,9
6,6
Alumina 9,0
6,1
7,2
Estanho (contido)
5,8
0 20 40 60 80 100
PARTICIPAÇÃO MUNDIAL (%)
Fonte: Sumário Mineral (ANM, 2017), Mineral Commodity Summaries (USGS, 2019), Sinopse
(DTTM/SGM, 2019). Nota: (p) preliminar. Dado sujeito a revisão.

PRODUÇÃO HISTÓRICA NACIONAL E MUNDIAL DE


MINÉRIO DE FERRO
3.220
3.110
3.000

3.500

3.000 2.500
2.458
2.400
MILHÕES DE TONELADAS

2.260
2.230

2.500
1.540

2.000
1.060
1.020

1.500
919
881
874
845
754

1.000
606
507

460
454
431
421
411
400
386
372
366

278
245

212
204
179

177

500
160

150
141

120
106
90
40
17
1

5
4
2
1
0
0

0
2005
1930
1935
1940
1945
1950
1955
1960
1965
1970
1975
1980
1985
1990
1995
2000

2010
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018

Brasil Mundo
Fonte: DTTM/SGM (2019), USGS, DNPM/ANM
7
PRODUÇÃO NACIONAL DE METAIS E LIGAS 2015 A 2018 (10³ T)
Substância 2015 2016 2017(p) 2018(p)

Aço bruto 33.256 31.275 34.400 34.900


Alumínio (metal primário) 772,2 792,7 801,7 659,0
Alumina 10.452 10.886 10.900 7.900
Cobre (metal primário) 241,5 225,6 143,0 147,0
Gusa 32.110 29.587 32.100 32.500
Liga Ferro-Nióbio (Nb contido) 52,9 44,4 58,7 n.d.
Liga Ferro-Níquel 71,5 156,0 210,0 62,2
Silício (metálico) 117,0 110,0 110,0 190,0
Zinco (metal primário) 270,7 284,5 262,4 258,5
Fonte: Sumário Mineral (ANM, 2017), Mineral Commodity Summaries (USGS, 2018 e 2019),
Sinopse (DTTM/SGM, 2016 a 2019) e Paranapanema (2020).
Nota: (p) preliminar; n.d. dado não disponível

PRODUÇÃO(B) NACIONAL DE MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL


2015 A 2018 (10³ T)
Substância 2015 2016 2017(p) 2018(p)

Areia para Construção 349.087 312.044 294.000 n.d.

Brita e Cascalho 261.022 236.387 203.000 n.d.

Cal n.d. 8.300 8.300 8.400

Cimento 64.874 57.630 53.703 53.458

Rochas Ornamentais 9.500 9.300 9.240 9.000


Fonte: Sumário Mineral (ANM, 2017), ANEPAC, Sinopse (DTTM/SGM, 2016 a 2019) e Anuário do
Setor de Transf. Não-Metálicos (DTTM/SGM, 2019).
Nota: (B) produção beneficiada; (p) preliminar; n.d. dado não disponível

8
4 Comércio Exterior
A balança comercial brasileira fechou o ano de 2019 com
superávit de US$ 48 bilhões, com exportações totalizando US$ 225,3
bilhões e importações de US$ 177,3 bilhões. Do total dessas
exportações, o setor mineral participou com 22,6%, registrando US$
51 bilhões em bens exportados (minérios e transformados pelo País).

SALDO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA


Brasil Setor Mineral
80
67
70
58
60
47,7 48
50
US$ BILHÕES

40 36,6
29,8 26,7 27
30 23 23,7 23,3 24,5
19,5 19,7
20 15,2 18

10 2,6
-4
0
2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
-10
Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)


VOCÊ SABIA?
O Carvão Mineral é amplamente empregado na geração de
energia e na produção de aço. O carvão existente no território
brasileiro possui um grande percentual de cinzas misturado à matéria
carbonosa e baixo grau de carbonificação, sendo considerado de
qualidade média a baixa. Assim, é basicamente destinado ao uso
energético, que admite toda gama possível de qualidade de carvão.
Como insumo utilizado nos altos-fornos, o carvão metalúrgico é
coqueificável, nobre, de alta qualidade, e precisa ser importado de
outros países para atender a demanda da indústria siderúrgica
nacional.
9
Considerando apenas a mineração (indústria extrativa), as
exportações totalizaram, em 2019, US$ 27,3 bilhões, representando
53,5% do setor mineral e 12% das exportações brasileiras. Com relação
ao ano anterior, observou-se um aumento de 8,3%, atribuído
principalmente à recuperação do preço de minério de ferro, que, embora
apresentando redução em volume embarcado, registrou valor superior
ao de 2018. O minério de ferro representou 83% das exportações da
indústria extrativa mineral; 45% do setor mineral e 10% das
exportações brasileiras.
EXPORTAÇÃO
Setor Mineral Mineração Minério de Ferro
60
51,9 49,7 51
50 46,7
39
36,6
US$ BILHÕES

40
30,2
30 25,2 27,3
25,8 24 22,7
18,4 17,5 19,2 20,2
20 14,1 13,2
10

0
2014 2015 2016 2017 2018 2019
Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

Em 2019, as importações da mineração totalizaram US$ 8,1


bilhões, recuando cerca de 3,5%, observando-se queda no preço dos
principais itens como carvão metalúrgico, potássio e cobre.

IMPORTAÇÃO
Setor Mineral Mineração Potássio + Carvão Met.
35
28,9
30 26,4 26,5
23,8 23
25
US$ BILHÕES

18,5
20
15
7,6 7,8 8,4 8,1
10 5,6 6,9 6,0 6,5
4,9 5,4 5,6
3,9
5
0
2014 2015 2016 2017 2018 2019
Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

10
PRINCIPAIS COMPONENTES DE PAUTA DAS EXPORTAÇÕES E
IMPORTAÇÕES DA MINERAÇÃO NO ANO DE 2019

Outros
2%
Manganês
(conc.)
2%

Bauxita EXPORTAÇÃO
1%

Rochas Ferro
Orn. 83%
4% Cobre
(conc.)
8%

Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

Potássio Cobre (conc.)


(KCl) 10%
37%
Enxofre
2%

IMPORTAÇÃO Rocha
fosfática
2%
Carvão
Metalúrgico
40% Outros
9%

Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

COMÉRCIO EXTERIOR Importação Exportação Saldo


DE FERTILIZANTES
10³ t 10³ US$ 10³ t 10³ US$ 10³ t 10³ US$
(2019)
Fosfato (rocha) 2.369 181.504 0,07 13,7 -2.369 -181.490
Potássio (KCl) 10.453 3.409.061 3,20 1.977 -10.450 -3.407.084
Enxofre 1.703 194.734 75 3.435 -1.628 -191.299
Fonte: DTTM/SGM, COMEX-STAT/ME (2020)

11
5 Preços de Commodities
EVOLUÇÃO DO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO (US$)

120,24
US$ POR TON. MÉTRICA SECA

108,94
100,15
130

93,07

93,08

92,65
88,22

93,7

88,53

84,98
86,47

110
76,16

90
70
50

Fonte: IndexMundi, Thomson Reuters Datastream, World Bank (Fev., 2020)


Referência: Minério de ferro 62% Fe spot, CFR China

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO COBRE (US$)


6.438,36
6.439,46
6.300,49
US$ POR TON. MÉTRICA

6.077,06
5.939,10

6.017,90

5.941,20
5.882,23

5.859,95
5.759,25

5.757,30
5.709,44

6.500
6.000
5.500
5.000

Fonte: IndexMundi, Platts Metals; Thomson Reuters Datastream; World Bank. (Fev., 2020)
Referência: Copper (LME), grade A, cátodos

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO ZINCO (US$)


2.932,65
2.850,60
2.707,19
US$ POR TON. MÉTRICA

2.742,81

2.601,22
2.569,70

2.451,65

2.425,48
2.446,51

3.000
2.272,54
2.331,56
2.273,01

2.800
2.600
2.400
2.200
2.000

Fonte: IndexMundi, Platts Metal Week, Thomson Reuters, World Bank (Fev., 2020)
Referência: Zinc (LME), high grade

12
EVOLUÇÃO DO PREÇO DO OURO (US$)

1.510,58
1.500,41

1.494,81

1.470,79

1.479,13
1.412,89
US$ POR ONÇA-TROY

1.359,04
1.600

1.320,07

1.283,70
1.285,91
1.291,75

1.300,90
1.500
1.400
1.300
1.200
1.100
1.000

Fonte: IndexMundi, World Bank (Fev., 2020)


Referência: Gold (UK), 99,5% puro.

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO CHUMBO (US$)

2.184,09
2.071,85
2.062,79

2.046,46

2.044,55

2.021,15
1.997,14
US$ POR TON. MÉTRICA

1.975,64
2.300
1.938,99

1.900,54
1.899,70
1.815,19

2.100

1.900

1.700

1.500

Fonte: IndexMundi, Platts Metal Week, Thomson Reuters, World Bank (Fev., 2020)
Referência: Lead (LME), refinado, 99.97% puro.

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO NÍQUEL (US$)


17.656,88

17.046,22
15.748,64
US$ POR TON. MÉTRICA

20.000
15.171,81

13.829,42
13.546,30

18.000
13.026,27

12.772,79
12.685,23

12.016,31

11.943,94
11.523,09

16.000
14.000
12.000
10.000

Fonte: IndexMundi, Platts Metals Week, Thomson Reuters, World Bank (Fev., 2020)
Referência: Nickel (LME), cátodos, pureza mínima 99,8%.

13
EVOLUÇÃO DO PREÇO DO ALUMÍNIO (US$)

1.871,21
1.862,99
1.853,72

1.845,42
1.900,00
US$ POR TON. MÉTRICA

1.796,99
1.781,26

1.771,38
1.774,79
1.850,00

1.755,95

1.753,51
1.740,68

1.725,96
1.800,00

1.750,00

1.700,00

Fonte: IndexMundi, World Bank (Fev., 2020)


Referência: Aluminum (LME), high grade.

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO ESTANHO (US$)


21.393,40
21.263,95

25.000
US$ POR TON. MÉTRICA

20.604,30
20.457,75

19.523,90

19.193,20

23.000
17.977,85

17.141,05
21.000 16.830,62

16.603,39
16.608,99

16.335,48
19.000
17.000
15.000

Fonte: IndexMundi, Platts Metal Week, Thomson Reuters, World Bank (Fev., 2020)
Referência: Tin (LME), refinado, standard grade.

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO FOSFATO (US$)


120
US$ POR TON. MÉTRICA

102,5

102,5

98,5

110
97,5

97,5

97,5

100
80,0

90
77,5

77,5
78,0

74,0

72,5

80
70
60
50

Fonte: IndexMundi, Fertilizer Week, Fertilizer International, World Bank (Fev., 2020)
Referência: Rocha fosfática, Fosforita (Marrocos), 70% BPL.

14
6 Processos Minerários
SUBSTÂNCIAS MAIS REQUERIDAS REQUERIMENTOS*
PARA PESQUISA* EM 2019 PROTOCOLIZADOS3 EM 2019
(ATÉ DEZEMBRO) POR UF (ATÉ DEZEMBRO)

1º Areia 1.288 1º BA 1.638

2º Ouro 1.283 2º MG 1.592

3º Cascalho 371 3º PA/AP 1.013

4º Argila 321 4º MT 864

5º Quartzito 321 5º GO/DF 810


Fonte: SIGMINE/ANM (2020) Fonte: ANM (2020)
Nota: *inclui requerimentos de: pesquisa, de lavra garimpeira, de licenciamento e registro de extração.

SITUAÇÃO DOS PROCESSOS MINERÁRIOS POR FASE QUANTIDADE


Concessão de lavra 11.231 (5,6%)
Requerimento de lavra 18.604 (9,3%)
Autorização de pesquisa 82.693 (41,4%)
Requerimento de pesquisa 26.360 (13,2%)
Lavra garimpeira 2.497 (1,3%)
Requerimento de lavra garimpeira 17.787 (8,9%)
Licenciamento 16.632 (8,3%)
Requerimento de licenciamento 9.500 (4,8%)
Registro de extração 2.462 (1,2%)
Requerimento de registro de extração 963 (0,5%)
Disponibilidade4 10.957 (5,5%)
Fonte: SIGMINE/ANM (02/02/2020) TOTAL 199.686 (100%)

3 Estatística disponível no site da ANM: www.anm.gov.br/acesso-a-informacao/estatisticas


4 Processos minerários ativos em fase de disponibilidade segundo Cadastro Mineiro da ANM.
15
FOCOS DE REQUERIMENTOS* PARA PESQUISA MINERAL EM 2019

Baixa incidência de Alta incidência de


requerimentos de requerimentos de
pesquisa pesquisa

Fonte: DDSM/SGM, SIGMINE/ANM (02/02/2020)


Nota: *inclui requerimentos de pesquisa, de lavra garimpeira, de licenciamento e de registro de
extração.


VOCÊ SABIA?
A atividade de mineração ocupa somente 0,62%* do território
brasileiro. Nesse pequeno espaço são produzidos insumos para todos
os setores da economia, em benefício direto para a sociedade.
Nota: *área do território brasileiro onerada por títulos autorizativos de lavra (DDSM/SGM, 2019)
16
7 Portarias de Lavra
EVOLUÇÃO ANUAL DAS PORTARIAS DE LAVRAS
PUBLICADAS - ANM E MME

500
4
450
351

400

350 182

300

250 483
436 452 10
200 384 403
362 358
150 311
277 283
253
100 201 204 196 148
179
154
50

Novas Portarias de Lavra SGM *Novas Portarias de Lavra DNPM/ANM


Fonte: DGPM/SGM, ANM (Fev., 2020)
Nota: *Com o advento da Lei nº 13.575/17, o ato de assinatura das Portarias de Lavra de minerais
utilizados na Construção Civil (areia, saibro, cascalho...) passou a ser competência do DNPM/ANM.


VOCÊ SABIA?
Os bens minerais estão presentes na vida de todas as pessoas: nos
veículos, nos eletrodomésticos, na estrutura das nossas casas e escolas,
nas estradas, em ferramentas, máquinas, na agricultura, nos celulares e,
até mesmo, em linhas de cosméticos. Apenas o seu smartphone, por
exemplo, além de alumínio, cobre, ferro e silício, pode conter metais
preciosos e de alto valor, como ouro, prata, paládio e platina. Tudo isso
sem citar o vidro, a bateria e o plástico, essenciais para sua fabricação.
17
TIPOS DE PROCESSOS COM DECISÕES PUBLICADAS
MME EM 2019
Indeferimento;
49; 21%

Recurso; 19; 8%
Portaria de Retificação
Lavra; 148; 64% Decreto/Portaria
Lavra;12; 5%
Caducidade; 3; 1%

Nulidade; 1; 1%

Fonte: DGPM/SGM (Fev., 2020)

PORTARIAS DE LAVRA MME POR USO AGRUPADOR


EM 2019
Rochas Ornamentais; 21; 14%
Envase/Balneário; 41; 28%
Metais Ferrosos; 4; 3%

Insumos Agrícolas; 3; 2%
Metais Básicos; 2; 1%

Minerais Industriais; Energéticos; 1; 0,7%


74; 50% Gemas e Diamantes; 1; 0,7%

Metais Preciosos; 1; 0,7%


Fonte: DGPM/SGM (Fev., 2020)

PORTARIAS DE LAVRA MME POR UF EM 2019


MA; 1; 1% TO; 1; 1% PI; 1; 1% SP; 29; 20%
AC; 1; 1% PA; 1; 1%
RO; 2; 1%
MS; 2; 1% MG; 24;
RJ; 3; 2%
PB;5;4;3%
MT; 3%
AL; 3; 2%

SC; 6; 4%
BA; 12; 8%
RS; 6; 4%

RN; 6; 4% CE; 10; 7%

ES; 6; 4% GO; 9; 6%
PR; 8; 5% PE; 8; 5%

Fonte: DGPM/SGM (Fev., 2020)

18
8 CFEM A RRECADAÇÃO G ERAL DE C OMPENSAÇÃO
F INANCEIRA PELA E XPLORAÇÃO DE R ECURSOS
M INERAIS (CFEM)
4.503
5.000
R$ MILHÕES

4.000
3.036
3.000
1.798 1.837
2.000 1.519

1.000

0
2015 2016 2017 2018 2019
Fonte: Site da ANM (Fev., 2020)

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de


Recursos Minerais5 (CFEM) em 2019 foi 48,3% maior que em 2018. Tal
fato pode ser atribuído, em grande parte, à cotação do minério de ferro,
que ultrapassou os US$ 100/t em maio de 2019 e teve preço médio anual
de US$ 93,85, devido à restrição da oferta mundial, após cortes de
produção no Brasil (consequências do rompimento da barragem de
Brumadinho) e na Austrália (devido a problemas climáticos).

Outros Outros
São Paulo 1%
Bauxita 10% 6%
3%
Ouro
4% Bahia
1% Pará
Cobre 49%
5% Goiás
2%

Minas
Gerais
Ferro 41%
78%

CFEM POR SUBSTÂNCIA MINERAL MAIORES ARRECADADORES DE CFEM


(ANM, 11/02/2020) (ANM, 11/02/2020)

5 Dados de CFEM disponíveis em: www.anm.gov.br/assuntos/arrecadacao


19
No ano, o preço do minério de ferro acumulou alta de mais de
20%.

MUNICÍPIOS COM MAIORES ARRECADAÇÕES DE CFEM DE 2019


Qtd. Recolhimento % do
Ranking Município
Títulos CFEM (R$) Total
1 Parauapebas/PA 10 1.156.139.681,25 25,7%
2 Canaã dos Carajás/PA 2 706.068.474,12 15,7%
3 Congonhas/MG 5 284.157.465,30 6,3%
4 Itabira/MG 7 241.078.393,45 5,4%
5 Nova Lima/MG 10 197.805.274,30 4,4%
6 Conceição Mato Dentro/MG 2 180.902.066,95 4,0%
7 São Gonçalo Rio Ab./MG 7 160.027.388,02 3,6%
8 Marabá/PA 19 134.098.280,77 3,0%
9 Itabirito/MG 17 106.906.775,44 2,4%
10 Mariana/MG 14 83.089.486,62 1,8%
11 Brumadinho/MG 24 72.625.996,35 1,6%
Fonte: Site da ANM (Fev., 2020)

EMPRESAS COM MAIORES ARRECADAÇÕES DE CFEM DE 2019


Qtd. Recolhimento % do
Ranking Empresa
Títulos CFEM (R$) Total
1 Vale 22 2.468.208.878,07 54,8%
2 CSN Mineração 2 303.584.229,48 6,7%
3 Min. Brasileiras Reunidas 6 269.724.875,83 6,0%
4 Anglo American Ferro Br 2 210.835.190,81 4,7%
5 Salobo Metais 1 114.633.138,18 2,5%
6 Mineracao Rio do Norte 1 54.292.082,63 1,2%
7 Kinross Brasil Mineração 1 48.385.873,64 1,1%
8 Mineração Usiminas 1 42.342.327,59 0,9%
9 Mineração Paragominas 1 38.876.950,73 0,9%
10 Baovale Mineração 2 38.611.375,49 0,9%
Fonte: Site da ANM (Fev., 2020)

20
9 Sustentabilidade
CONSUMO ENERGÉTICO DO SETOR MINERAL BRASILEIRO EM 2018
Consumo Energético ∆ (%)
2000 2010 2017 2018
Final (106 tep) 18/17
BRASIL 171,949 241,194 258,4 255,7 -1,0%
INDÚSTRIA 61,204 85,567 85,1 80,9 -4,9%
Extrativa Mineral 2,22 3,181 2,655 2,784 4,9%
Transformação Mineral 26,813 33,372 31,608 30,429 -3,7%
Metalurgia 20,408 24,632 23,355 22,472 -3,8%
Ferro gusa e aço 14,906 16,445 16,447 16,648 1,2%
Ferro ligas 1,174 1,695 1,248 1,307 4,7%
Não ferrosos e out. 4,328 6,492 5,66 4,517 -20,2%
Não-Metálicos 6,405 8,74 8,253 7,957 -3,6%
Cerâmica 3,068 4,485 4,28 4,172 -2,5%
Cimento 3,337 4,255 3,973 3,785 -4,7%
Fonte: Balanço Energético Nacional 2019 ano 2018 (EPE/MME, 2019)

O setor industrial brasileiro teve retração de 4,2 milhões de tep


(tonelada equivalente de petróleo) no seu consumo energético final em
2018, com contribuição da redução do consumo no Setor de
Transformação de Não Ferrosos e outros da metalurgia, cuja queda nas
produções de alumínio (17,8%) e alumina (-27%) fez com que a demanda
energética desse segmento caísse -20,2% em relação a 2017.
Em termos de emissões de CO2 associadas a matriz energética, o
Brasil emitiu cerca de 416,1 milhões de toneladas de dióxido de carbono
equivalente, sendo que 78,4 Mt CO2-eq (18,8%) estão associadas ao setor
industrial. Com relação às emissões por habitante, cada brasileiro,
produzindo e consumindo energia em 2018, emitiu em média 2,0 t CO2-
eq, de acordo com o mais recente Balanço Energético Nacional 6 do
Ministério de Minas e Energia (MME/EPE, 2019).

6 Relatório final disponível em: www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/balanco-


energetico-nacional-2019
21
10 Barragens C ADASTRO N ACIONAL DE B ARRAGENS DE

0
M INERAÇÃO NO B RASIL

1000 818
QUANTIDADE

800
600 424 394
400
200
0
Inseridas na PNSB* Não inseridas na TOTAL
PNSB*
Fonte: SIGBM/ANM (Fev./2020)
Nota: * Política Nacional de Segurança de Barragens, estabelecida pela Lei nº 12.334/2010

B ARRAGENS DE M INERAÇÃO INSERIDAS NA PNSB*


POR UF
300
214
QUANTIDADE

200

100 71
43 20
16 11 10 7 8 6 5 4 3 2 1 1 1 1
0
MG PA MT SP BA RO GO SC AM MS AP RS PR SE ES TO MA RJ
Fonte: SIGBM/ANM (Fev./2020)
Nota: * Política Nacional de Segurança de Barragens, estabelecida pela Lei nº 12.334/2010

M ÉTODO C ONSTRUTIVO DAS B ARRAGENS DE


M INERAÇÃO
Montante ou desconhecido 69
Etapa única ou dique de partida 423
Jusante 160
Linha de centro 73
Sem informação 93
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450
QUANTIDADE
Fonte: SIGBM/ANM (Fev.,2020)
Nota1: Gráfico do método construtivo considera a totalidade (818) das barragens de mineração.
Nota 2: O Sistema Integrado de Gestão de Segurança de Barragens de Mineração (SIGBM) da
ANM está disponível em www.anm.gov.br/assuntos/barragens/sigbm
22
11 Destaques da SGM
1. FORTALECIMENTO DA ANM

0 O MME vem atuando junto ao Ministério da Economia para


garantir recursos orçamentários suficientes à execução das
competências da Agência Nacional de Mineração (ANM). Além disso,
para garantir prestação de serviços de excelência à sociedade, foram
movimentados servidores públicos de outros órgãos para a ANM, e
foram realizadas oficinas de capacitação profissional.

2. LEILÃO DE ÁREAS DA CPRM-PPI

No âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), a


CPRM realizou o leilão dos direitos de exploração de minérios no
Complexo de Palmeirópolis (TO) em outubro de 2019, com potencial de
exploração de cobre, chumbo e zinco. A área foi arrematada com sucesso
pela australiana Perth Minerais e contrato foi assinado em fevereiro de
2020. O certame marcou a estreia do modelo e outras áreas devem ser
habilitadas para leilão ainda no exercício de 2020.

3. AJUSTES NORMATIVOS NA MINERAÇÃO

Ao longo de 2019, a SGM trabalhou para o aperfeiçoamento de


um conjunto de normas que ainda impõem limitações e vedações ao
melhor desempenho do segmento. Para a Faixa de Fronteira, foi
consolidada proposta de alteração da Lei nº 6.634/1979 (“Lei da Faixa
de Fronteira”), para dinamizar a participação de empresas com capital
estrangeiro interessadas em realizar atividades de mineração. Sobre
Lavra Garimpeira, foi criado um Grupo de Trabalho para estudar a
possibilidade de simplificar o regime de outorga. No que se refere à
terra indígena, foi constituído um grupo de trabalho, coordenado pela
Casa Civil, para elaboração de uma proposta de projeto de lei de
regulamentação do art. 231 da Constituição Federal. O Projeto de Lei
nº 191/2020 foi encaminhado ao Congresso Nacional, pelo Presidente da
República, em 05/02/2020.
23
4. APRIMORAR A SEGURANÇA DE BARRAGENS DE MINERAÇÃO
Em 2019, após o rompimento da barragem de Brumadinho/MG,
foi publicada a Resolução ANM nº 13/2019 que proibiu a utilização do
método de construção ou alteamento de barragens de mineração
denominado "a montante" em todo o território nacional e estabeleceu
prazo para descaracterização das barragens com essa característica.
Houve suplementação do orçamento da ANM em R$ 7,1 milhões, o que
possibilitou a compra de veículos para fiscalização e de recursos
eletrônicos, o desenvolvimento do sistema SIGBM Público, a
contratação de assessoria técnica especializada e capacitação de
servidores. Em 2019, foram vistoriadas 274 barragens de mineração
(64% das barragens inseridas na Política Nacional de Segurança de
Barragens - PNSB).

5. INCENTIVO À AGREGAÇÃO DE VALOR


As ações para a agregação de valor ao bem mineral e o
adensamento das cadeias produtivas por meio de pesquisa,
desenvolvimento tecnológico e inovação no setor mineral foram
articuladas em parcerias interinstitucionais e promovidas,
principalmente, a partir da realização de seminários com foco em
tecnologia e inovação. Em 2019, foram realizados no MME seminários
sobre Remineralizadores de Solos, Cadeia Produtiva de Nióbio,
Mineração Urbana e de Aplicação do Nióbio no Aço em Projetos de
Infraestrutura.

6. MAPEAMENTO E DIAGNÓSTICO DO SETOR DE MINERAÇÃO


BRASILEIRO
Em 2019, foi assinado Termo de Execução Descentralizada com o
Instituto de Pesquisa Economia Aplicada (IPEA), com o objetivo de
realizar mapeamento e diagnóstico do setor de mineração no Brasil, com
a qualificação das informações disponíveis, produção de indicadores e
análise de cenários do setor, apontando potenciais econômicos e desafios.
O trabalho será realizado ao longo de 2020 e 2021.

24
NOSSA EQUIPE

Ministro de Minas e Energia


Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior

Secretário Nacional de Geologia, Mineração e Transformação


Mineral
Alexandre Vidigal de Oliveira

Secretária Adjunta
Lilia Mascarenhas Sant’Agostino

Diretores
Ricardo Monteiro (D. Gestão das Políticas de Geol., Min. e Transf. Mineral - DGPM)
Frederico Oliveira (Dep. Geologia e Produção Mineral - DGPM)
Enir Mendes (Dep. Transformação e Tecnologia Mineral - DTTM)
Gabriel Maldonado (Dep. Desenvolvimento Sustentável na Mineração - DDSM)

Equipe Técnica
Hélio França (DPGM)
Patrícia Pego (DPGM)
Ranielle Araujo (DDSM)
José Luiz Ubaldino (DGPM)
Daniel Lima (DTTM)
Sandra Angelo (DTTM)

Apoio Técnico
Blenda Carvalho (estagiária DDSM)

Arte e Design
Ranielle Araujo (DDSM)

Impressão
Serviço Geológico do Brasil (CPRM)

Apoio Institucional
Serviço Geológico do Brasil (CPRM)
Agência Nacional de Mineração (ANM)
______________________________________________________

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME


SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL - SGM
ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS BLOCO U - 4º ANDAR
70065-900 - BRASÍLIA - DF
TEL.: (55 61) 2032 - 5175 FAX (55 61) 2032 - 5949
SGM@MME.GOV.BR
______________________________________________________