Você está na página 1de 15

A GINÁSTICA LABORAL PREPARATÓRIA NA PREVENÇÃO DE SINTOMAS DO

ESTRESSE CÂMARA MUNICIPAL DE PENÁPOLIS-SP


THE PREPARATORY GYMNASTIC LABOUR IN THE PREVENTION OF STRESS
SYMPTOMS IN PENÁPOLIS TOWN HALL.

Camila Renata Moreira - kmila-plis@hotmail.com


Ingrid Gomes Felizardo - igfelizardo@yahoo.com.br
Renan Oliveira Cardozo - renanzaum2@gmail.com
Graduandos do Unisalesiano
Prof. Osvaldo Tadeu da Silva Junior - Osvaldo.tadeu@gmail.com
Prof.ª Ana Beatriz Lima - bia@unisalesiano.edu.br

RESUMO
Atualmente a população vem apresentando estresse uma doença adquirida
através de seu cotidiano e que muitas vezes não é tratada com a importância que
deveria; assim o presente estudo possui como finalidade verificar a funcionalidade
da ginástica laboral preparatória na prevenção dos sintomas do estresse. Foi
utilizado o diagrama de Corlett, e o teste de Inventario de Sintomas de Stress de
Lipp (ISSL). A pesquisa foi realizada na Câmara Municipal de Penápolis-SP, onde os
funcionários foram divididos em grupo controle e treinado, cada grupo composto por
oito pessoas. A intervenção ocorreu durante cinquenta e duas sessões e o teste de
ISSL foi aplicado no inicio e no termino da intervenção. A partir dos resultados
obtidos através do teste realizado e concordado com o que muitos autores já
relataram, observou-se que a ginástica laboral preparatória age positivamente contra
os sintomas que causam o estresse.

Palavras-chave: Ginástica Laboral. Estresse. Bem-estar.

ABSTRACT
Nowadays, the population has been showing a cases of stress, an acquired
disease through their daily, which so many times is not treated with the importance it
should; so this present study has a purpose to verify the functionality of the
preparatory gymnastic labour in the prevention of symptoms that cause stress. It was
used the Corlett diagram and the Lipp Inventory of Stress Symptoms (ISSL). The
investigation was realized in Penápolis town hall, where the employees were
distributed in control group and training group, each group consisting of eight people.
The intervention was occurred during fifty two sessions and the ISSL test was
applied in the beginning and the ending of intervention. From the obtained results
through the tests and agreed with many author reported about this subject, we can
believe that the preparatory gymnastic labour acts positively in stress reducing.

Keywords: Gymnastic Labour. Stress. Welfare


INTRODUÇÃO
A pesquisa se propõe e se limita a investigar na área de educação física, a
ação da ginástica laboral preparatória na prevenção de sintomas de estresse.
Yepes (2000, p.26) classifica o estresse como “uma resposta natural do
organismo a estímulos distintos diante de uma situação ou acontecimento especial
de tensão e de emoção exaltada, fato que ocasiona intolerância e a irritabilidade”.
Pode - se observar que qualquer pessoa esta sujeita a situações que provocam o
estresse e que este por sua vez gera instabilidade emocional, prejudicando assim a
vida social.
A pesquisa ocorreu na Câmara Municipal de Penápolis-SP, com os
funcionários do serviço interno, escolhidos pelo modo de trabalho que exercem e
pelo nível de pressão e atenção a que são submetidos.
O estresse é quase sempre motivado por estímulos externos que provêm do
trabalho, do lar ou dos demais afazeres da vida. Estes estímulos agem no psiquismo
da pessoa, estimulando sentimentos tais como medo, raiva, ambição exagerada e
culpa que irão, por sua vez, provocar uma reação do sistema nervoso, das glândulas
que irão provocar as consequências físicas do estresse. (SILVA NETO, 2000 apud
OLIVEIRA et al., 2007 p.04).
Verificando que o publico é composto por adultos ativos na maioria das vezes
ficam esquecidos em ralação a pratica de atividade física, ou pela falta de tempo em
pratica-lá verificando que nesta fase da vida sofremos pressões psicológicas
relacionadas ao trabalho buscado metas e objetivos profissionais. Também pressões
da vida social. Surgiu o tema: A ginástica laboral preparatória pode amenizar os
sintomas de estresse?
Em resposta e este questionamento pode-se levantar a hipótese de que a
ginástica laboral preparatória leva ao bem estar dos funcionários amenizando os
efeitos psicossomáticos do estresse, possibilitando qualidade de vida no trabalho.
Segundo Oliveira (2007) a ginástica laboral atua na prevenção e no combate
ao estresse, visto que durante a atividade física é liberado um neurotransmissor
chamado endorfina, o que causa bem-estar e alívio das tensões. Os programas
quebram a rotina e relaxam o indivíduo, o ambiente de trabalho passa a ser menos
formal, mais feliz e agradável.
  Procurando amenizar os sintomas de estresse ocupacional aplica-se a
ginástica laboral como forma de preparar o organismo para suas funções, amenizar
as tensões e promover a socialização.
Segundo Yepes (2000, p.49) “dedicar diariamente alguns minutos a ginástica
fará com que o corpo esteja disposto para as atividades cotidianas,” e coloca isso
como uma forma de prevenir e controlar o estresse.
Os funcionários por sua vez têm no momento da aplicação da ginástica
laboral a oportunidade de praticar uma atividade física que poderá ser utilizada como
um momento de interação e descontração.
Surge como objetivo, verificar a funcionalidade da ginástica laboral
preparatória sobre os sintomas de estresse.
De forma mais especifica foi analisado o efeito das sessões de ginástica
laboral sobre os sintomas de estresse ocupacional. Os resultados foram levantados
da seguinte forma, verificar o nível de estresse dos funcionários através do
questionário de LIPP, realização da ginástica laboral preparatória três vezes por
semana, no período da manhã, assim que os funcionários iniciavam suas atividades
laborais e após o período de realização foi aplicado novamente o questionário de
LIPP, para verificar o efeito da ginástica laboral preparatória nos funcionários.

1 Casuísticas e Métodos

1.1 Condições Ambientais


Os funcionários trabalham sentados em frente ao computador, atendendo ao
público (recepção), e também ficam no telefone, as duas auxiliares de serviços
gerais que se alternam em suas funções e na recepção, um assessor de imprensa,
um motorista, um técnico contábil, um advogado, quatro vigias (que realizam turno
de 6 horas), três oficiais de legislativo, um contínuo, uma diretora e dois estagiários
(que trabalham 6 horas). Os demais funcionários realizam turnos de 8 horas diárias.
Digitam relatórios de sessões, projetos e pedidos que os vereadores fazem,
assim como todos os trabalhos de uma secretária, o motorista fica a disposição de
todos os funcionários, e quando não tem saída, auxilia também nos trabalhos
internos. Pode ser classificada como uma empresa de pequeno porte, de ramo
administrativo. As mesas são novas e as cadeiras podem ser reguladas conforme a
altura dos funcionários, os computadores ficam a altura dos olhos, porem não existe
apoio de pés, e o pé de mouse não possui apoio de pulso. Os testes realizados
foram o questionário de LIPP e o diagrama de Corlett, os dois testes são
reconhecidos e validados como ferramentas cientificas, o primeiro teste tem a
finalidade de verificar o nível de estresse que os funcionários estão. Já o segundo
possui a finalidade de verificar as regiões do corpo onde os funcionários possuem
dores, para que dessa forma possa ser montada a sessão de exercícios.
A realização da intervenção foi realizada as quartas, quintas e sextas, no
horário das 08h00min, inicio do expediente e teve duração de 15min. A aplicação da
sessão foi no plenário, local onde possui mais espaço e onde todos os funcionários
puderam se distribuir pelo local e também foi um momento onde todos puderam se
encontrar. A intervenção ocorreu durante quatro meses.

1.2 Amostra Experimental


A pesquisa foi realizada com um grupo de 16 pessoas de ambos os gêneros
com idades entre 22 e 59 anos as quais foram divididas em grupo treinado e grupo
controle. O qual os grupos foram compostos de 08 pessoas.

1.3 Testes

1.3.1 O Inventario de Sintomas de Stress para Adultos de LIPP - ISSL


Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp – ISSL. É um
instrumento cientifico validado em 1994, utilizado em pesquisas e trabalhos clínicos
na área do estresse.
Ele permite um diagnóstico que avalia se a pessoa tem estresse, em qual
fase se encontra e se o estresse manifesta-se por meio de sintomatologia na área
física ou psicológica.
A aplicação do ISSL, segundo o seu manual, pode ser executada por pessoas
que não tenham treinamento em psicologia, porém sua correção e interpretação
devem sempre ser realizadas por um psicólogo, de acordo com as diretrizes do
Conselho Federal de Psicologia quanto ao uso de testes. (CAMELO E ANGERAMI,
2004).
O instrumento é formado por três quadros referentes às fases do estresse. O
primeiro quadro, composto de 15 itens refere-se aos sintomas físicos ou psicológicos
que a pessoa tenha experimentado nas últimas 24 horas. O segundo, composto de
dez sintomas físicos e cinco psicológicos, está relacionado aos sintomas
experimentados na última semana. E o terceiro quadro, composto de 12 sintomas
físicos e 11 psicológicos, refere-se a sintomas experimentados no último mês.
Alguns dos sintomas que aparecem no quadro 1 voltam a aparecer no quadro 3,
mas com intensidade diferente. No total, o ISSL apresenta 37 itens de natureza
somática e 19 psicológicas, sendo os sintomas muitas vezes repetidos, diferindo
somente em sua intensidade e seriedade. (ROSSETTI et al., 2008, p. 113).

1.3.2 Diagrama de Corlett


O diagrama adaptado de Corlett e Bishop, 1976 é um questionário bipolar que
mostra nas extremidades de uma linha de nove centímetros de comprimento, dois
conceitos opostos, que vem acompanhado com ilustração de mapa das regiões do
corpo divididos em segmentos. A pessoa é convidada a colocar uma marca entre os
dois pólos opostos, correspondendo ao seu estado de dor e desconforto corporal no
momento da avaliação (RENNER; BÜHLER, 2006 apud LIGEIRO, 2012, p.48).
Posteriormente, em 1980, Corlett e Manenica publicaram uma adaptação do
diagrama para todo o corpo (FALCÃO, 2007 apud LIGEIRO, 2012, p.48)

1.3.3 Procedimento de aplicação do Diagrama de Corlett:


O Diagrama de Corlett pode ser aplicado pelo analista solicitando para que o
colaborador indique a região e a intensidade de desconforto/dor ou pode ser
passado para que o próprio colaborador assinale as opções desejadas, porém para
o último caso deve se explicar bem ao colaborador a maneira de se responder. O
colaborador ou analista deve assinalar a região e o número de 1 a 5 que indique a
intensidade de desconforto/dor sentida pelo colaborador para realização do trabalho.
O mesmo deve indicar em quais regiões sente desconforto/dor, durante ou após a
jornada de trabalho e qual lado (direito ou esquerdo). Após a aplicação, o analista
poderá observar quais segmentos corpóreos o colaborador sente maior dor ou
desconforto e desta forma avaliar por meio de registros de vídeos e/ou fotos qual
postura admitida por ele durante a realização do trabalho pode estar acarretando tal
dor ou desconforto. A partir da evidência, o analista poderá elaborar meios ou
métodos de adequação do ambiente de trabalho. (LIGEIRO J. 2012, p.49)
1.3.4 Procedimentos
Os testes foram realizados antes do inicio da intervenção, para verificar os
níveis de estresse que os funcionários se encontram e após o encerramento do
período proposto, para se realizar a comparação de resultados, assim podendo
verificar se a ginástica laboral preparatória age positivamente na prevenção dos
efeitos psicossomáticos do estresse.

2 Resultado

Para a criação da sequência de exercícios criada, foi aplicado o diagrama de


Corlett, para obtenção dos locais de maior ocorrência de dores.
A análise dos resultados pode ser vista na tabela a seguir:

Tabela 1: Regiões onde ocorrem as dores, segundo o diagrama de Corlett.


Regiões Número de Reclamações Valor de reclamações em %
Pescoço 05 19.23
Ombro 03 11.53
Costa Superior 02 7.69
Braços 01 3.85
Costa Media 02 7.69
Antebraços 00 -
Costa Inferior 04 15.38
Punhos 01 3.85
Bacia 01 3.85
Mãos 01 3.85
Coxas 01 3.85
Pernas 04 15.38
Tornozelo e Pés 01 3.85
Total 26 100
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

Como pode observar os locais de maior ocorrência de dores são


respectivamente, pescoço, costa inferior e pernas e ombro.
Isso pode ser justificado pelo modo de trabalho que o grupo realiza, as
atividades são sentadas com uso de computador.
As dores no pescoço são caracterizadas por duração, frequência e tipos de
contração muscular e a duração da recuperação. (Rumaquella, 2009, p.).
As dores na costa na região inferior são decorrentes de ficar muito tempo na
posição sentado, assim à força da gravidade comprime o corpo contra o assento, e
todo o peso fica sobre região inferior da costa.
A dor nas pernas justifica-se pela compressão das artérias e veias dos
membros inferiores, dificultando a irrigação arteriovenosa, podendo acontecer
inchaço desta região.
As dores nos ombros podem ser decorrentes do trabalho repetitivo realizado
durante anos e repetido varias vezes ao dia.
O teste de ISSL foi realizado no inicio da intervenção para verificar o nível de
estresse dos grupos. O teste é individual, desta forma pode se obter a fase que o
estresse se encontrava e também a predominância de sintomas.
Os resultados do primeiro teste realizado no inicio de fevereiro são expressos
nas tabelas abaixo:

Tabela 2: Teste de ISSL pré-aplicado no grupo controle.


Tem Não Tem Fase Predominância de
Estresse Estresse Sintomas
X Resistência Físico
X Resistência Físico
X Resistência Psicológico
X Resistência Físico
X
X
X
X
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

No decorrer dos quatro meses de aplicação, o grupo controle realizou suas


atividades laborais e pessoais como de costume e possuíram também a
possibilidade de continuar a vivenciar ou procurar atividades que trouxesse bem
estar, neste grupo não houve intervenção da ginástica laboral que foi realizada.
No período da intervenção duas pessoas do grupo controle, se afastaram de
suas atividades laborais uma por motivo de saúde e a outra por férias.
No inicio da intervenção uma funcionaria do grupo controle informou que
estava frequentando aula de pilates, também utilizado como método contra o
estresse, fazendo parte deste grupo ela não interferiu no resultado da pesquisa.
A próxima tabela expressa os resultados do teste realizado no grupo treinado:

Tabela 3: Teste de ISSL pré-aplicado no grupo treinado.


Tem Não Tem Fase Predominância de
Estresse Estresse Sintomas
X Resistência Físico
X Resistência Físico
X
X
X
X
X
X
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

O grupo treinado participou das cinquenta e duas sessões que foram


realizadas as quartas feira, quintas feira e sextas feira.
A ginástica laboral foi realizada no período da manhã tendo inicio as
08h00min e termino as 08h15min, no momento em que os funcionários entravam no
trabalho.
Pela atividade ser realizada no inicio do horário de trabalho é caracterizando a
ginástica laboral preparatória.
No grupo treinado foi aplicada a sequência de exercícios criada mediante os
locais de dores relatados pelos funcionários no diagrama de Corlett.
É importante ressaltar que o grupo treinado, foi orientado e estes não
realizaram suas atividades de lazer fora do horário de trabalho. Desta forma não
interferindo no resultado da pesquisa.
Após o termino do período de intervenção foi realizado o ISSL no grupo
controle e no grupo treinado.
Com a tabulação destes resultados foi possível realizar a comparação entre a
pré-aplicação e a pós-aplicação, sendo possível verificar a ação da ginástica laboral
preparatória no estresse.
Os testes foram realizados no final do mês de maio e os resultados obtidos
nestes testes podem ser verificados nas tabelas abaixo:
Tabela 4: Teste de ISSL, após realização da ginástica laboral, no grupo controle.
Tem Estresse Não Tem Estresse Fase Predominância de Sintomas
X
X
X
X
X Alerta Físico
X
X
X
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

Após o período de realização o grupo controle apresentou uma redução no


numero de pessoas com estresse, e o único caso que foi diagnosticado, se encontra
em grau mais leve, que anteriormente. Precisa ressaltar que este grupo não sofreu
intervenção da ginástica laboral e que em todo momento eles possuíam toda a
liberdade para continuar suas atividades diárias, assim como buscar outras
atividades.
A próxima tabela expressa os dados do grupo treinado:

Tabela 5: Teste de ISSL, após realização da ginástica laboral, no grupo treinado.


Tem Estresse Não Tem Estresse Fase Predominância de Sintomas
X
X
X
X
X
X
X
X
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

Através da tabela pode-se observar que o grupo que realizou as atividades


propostas possuiu redução total no numero de pessoas com estresse.
Para melhor visualização dos dados obtidos, verifica-se abaixo a tabela de
comparação entre os dois grupos, em ambos os testes:
Tabela 6: Porcentagem de casos de estresse (comparação entre pré-aplicação e
pós-aplicação)
Teste Inicial Teste Final
GC GT GC GT
Nº de % Nº de % Nº de % Nº de %
pessoas pessoas pessoas pessoas
Com 04 50 02 25 01 12 0 0
Estresse
Sem 04 50 06 75 07 88 08 100
Estresse
Fonte: Elaborada pelos autores, 2012.

Através dos resultados apresentados na tabela acima é possível realizar a


comparação entre os grupos nas duas aplicações do ISSL. É possível verificar a
redução dos casos de estresse em cada grupo, no decorrer da pesquisa.
O grupo controle formado por oito pessoas apresentou no momento da
primeira coleta quatro indivíduos com estresse, ou seja, 50% da população que faz
parte do grupo, os outros 50% não apresentou estresse.
No momento na reaplicação do teste de ISSL neste mesmo grupo foi possível
verificar a redução dos casos de estresse em 37.5% assim, após o termino do
período de intervenção 87.5% da população do grupo controle não apresentou
estresse e 12.5% apresentou estresse, porém na fase de alerta sendo este mais
leve que os diagnosticados no inicio da realização.
O grupo treinado também formado por oito pessoas apresentou no momento
da primeira coleta a ocorrência de 25% da população com estresse enquanto que
75% não apresentou estresse. Após as 52 sessões de ginástica laboral preparatória
foi realizado novamente o ISSL, onde os resultados obtidos mostraram que nenhum
dos componentes do grupo apresentou estresse.

2.1 Discussão

Através dos dados apresentados acima se observou a redução de estresse


na população pesquisada.
Yepes (2000) coloca como uma das estratégias que permite enfrentar e
controlar o estresse a pratica de exercícios físicos de relaxamento.
Concordando com este autor e seguindo seus pensamentos a ginástica
laboral é a pratica de atividade física no local de trabalho assim podemos acreditar
que a preparação do organismo através da ginástica laboral preparatória também é
uma das formas para reduzir o estresse para pratica das atividades laborais,
deixando o ambiente mais feliz e saudável.
O individuo com boa saúde não possui estresse, Yepes, 2000, p. 43 ressalta
que saúde é um processo dinâmico orientado para o bem estar integral do ser
humano, ou seja: todas as pessoas tem o direito de gozar de boa saúde física,
intelectual, psicológica e espiritual.
Seguindo os pensamentos de Yepes, a ginástica laboral age na forma de
prevenção de sintomas físicos e psíquicos do estresse gerando bem estar aos
funcionários, podendo ser abordada como uma forma de promover a saúde aos
funcionários que a praticam podendo diminuir ou prevenir os sintomas de estresse.
Yepes 2000 p. 45 relata que um dos fatores que governam a saúde do ser
humano, é a influencia que a mente exerce sobre o corpo. É comprovado que
grande parte das doenças que afligem a humanidade tem sua origem na mente:
úlceras, indigestões, enxaquecas, cansaço visual e nervosismo, muitas vezes são
causados diretamente pela condição da mente.
Entre os sintomas citados pelo autor, estão doenças que podem ser
decorrentes do estresse.
Podemos verificar que o estresse pode ter duas origens, ele pode ter sua
origem física e esta de forma prolongada atingir a mente e assim desenvolver alguns
dos sintomas citados por Yepes, como ter origem na mente e assim se manifestar
de forma psíquica ou física, podendo desencadear várias outras doenças.
A ginástica laboral em sua realização visa preparar o corpo para a atividade a
ser executada e também aliviar tensões já existentes, os exercícios realizados
estimulam a respiração, aumentam a circulação sanguínea, podendo normalizar as
funções do corpo.
A ginástica laboral é pratica de atividade física de curta duração realizada no
local de trabalho que busca por meios de exercícios direcionados de acordo com as
atividades e movimentos realizados, preparar, compensar e/ou relaxar as
musculaturas envolvidas no movimento executado.
Indo de acordo com a prática de exercício físico para prevenir e controlar o
estresse Yepes, 2000 p. 49, relata “dedique diariamente alguns minutos à ginástica;
isso fará com que seu corpo esteja disposto para as atividades cotidianas”.
Assim como Yepes relatou que a pratica de atividade física auxilia
positivamente na prevenção e/ou redução do estresse, Serrano e Sandoval (2010)
relatam alguns efeitos fisiológicos e psicossociais da ginástica laboral, entre eles: a
ativação da circulação periarticular com aquecimento tecidual e neuromuscular,
ganho de força pelo alongamento muscular restaurador do potencial contrátil,
melhoram o retorno venoso e capacidade ventilatória, eliminando assim metabólicos,
reduzindo assim o estresse.
Yepes 2000 p. 76 afirma: “a pratica de exercícios físicos permite-lhe reduzir
as tensões e usufruir cada momento da vida; praticar ginástica e atividades
aeróbicas o ajudarão a libertar-se das preocupações”.
Concordando com os autores supra citados podemos acreditar que a pratica
de ginástica laboral proporciona ao trabalhador, alivio das tensões, psíquicas e
físicas prevenindo e/ou reduzindo os níveis de estresse.

Conclusão

O presente estudo demonstrou a eficácia de um programa de ginástica laboral


preparatória na busca da prevenção e/ou redução dos sintomas de estresse.
Os dados dos funcionários foram coletados através do diagrama de Corlett e
no ISSL, onde respectivamente podemos identificar os locais de maior ocorrência de
dores e os níveis de estresse em que eles se encontravam, a partir daí foi criada
uma sequencia de exercícios de ginástica laboral, e esta foi aplicada no decorrer de
52 sessões.
Após esse período foi realizado novamente o teste de ISSL, podendo ser
obtido os dados atualizados sobre os níveis de estresse dos funcionários, onde
verificamos a redução dos sintomas apresentados inicialmente.
Desta forma pode-se acreditar que a ginástica laboral preparatória pode atuar
na redução dos sintomas de estresse. Tendo assim a presente pesquisa alcançado
seus objetivos propostos.
De acordo com as afirmações dos autores, unindo os resultados obtidos
através do ISSL, podemos acreditar que a ginástica laboral preparatória reduz os
sintomas do estresse, promovendo assim o bem estar dos funcionários.
Assim abrem-se novas possibilidades para que novas pesquisas sejam
realizadas nesta área da saúde.

Referências
CAMELO, S. H. H.; ANGERAMI, E. L. S. Sintomas de estresse nos trabalhadores
atuantes em cinco núcleos de saúde da família. Rev. Latino-Am.
Enfermagem vol.12 no.1 Ribeirão Preto Jan./Feb. 2004.
Disponivel em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S0104-
11692004000100003> Acesso em 21 Abr. 2012 às 14h48min.

CORRÊA; C.M.X. Ginástica na Empresa: percepção do trabalhador (Mestrado em


Educação Física) Universidade Católica de Brasília. Brasília 2006,147p. Disponivel
em:
<http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCAC
AO_FISICA/dissertacao/ginastica_empresa.pdf> Acesso em: 05. jun. 2012.

FRANÇA, A.C.L; RODRIGUES, A.L. Stress e trabalho: uma abordagem


psicossomática. 2.ed. São Paulo: Atlas,1999,154p.

GINÁSTICA laboral. Revista de Educação Física, [s.l], n.13, p. 4-11. Agosto 2004.
Disponivel em:< http://www.confef.org.br/extra/revistaef/show.asp?id=3529> Acesso
em: 05.jun.2012.

JESUS; G.T. Influência da ginástica laboral sobre o nível de estresse de


funcionários de órgãos públicos de Brasília-DF. 2009 – Monografia (graduação
em Educação Física) Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2009. Disponivel
em: < http://www.educacaofisica.com.br/biblioteca/influencia-da-ginastica-laboral-
sobre-o-nivel-de-estresse-de-funcionarios-de-orgaos-publicos-de-brasilia-df.pdf>
Acesso em 11. mar. 2012.

JURUENA; M.F., CLEARE; A.J., PARIANTE; C.M.; O eixo hipotálamo-pituitária-


adrenal, a função dos receptores de glicocorticóides e sua importância na
depressão. Revista Brasileira de Psiquiatria [s.l.] v. 26, n. 3, p.189-201, 2004.
Disponivel em: <http://www.scielo.br/pdf/rbp/v26n3/a09v26n3.pdf> Acesso em
05.jun.2012

LIGEIRO, J. Ferramentas de avaliação ergonômica em atividades


multifuncionais: A contribuição da ergonômia para p desing de ambientes de
trabalho. 2012. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em
Design da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. Bauru-SP.
Disponivel em
<http://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/bba/33004056082P0/2010/ligeiro_
j_me_bauru.pdf> Acesso em 21 Abr. 2012 às 17h00min.
LOPES, E.C.T; NOGUEIRA, J.E; MARTINEZ, L.R.M. – Influência da ginástica laboral
em funcionários de telemarketing – Revista Digital – vol.13 nº124 Buenos Aires
setembro 2008. Disponível em:<http://www.efdeportes.com/efd124/ginastica-laboral-
em-funcionarios-que-trabalham-com-telemarketing.htm> Acesso em: 24 fev. 2012.

MACIEL, R. H., ALBUQUERQUE, A.M.F.C., MELZER, A.C., LEÔNIDAS S.R. Quem


se Beneficia dos Programas de Ginástica Laboral? Cadernos de Psicologia Social
do Trabalho, 2005, vol. 8, pp. 71-86 Universidade Federal do Ceará.

OLIVEIRA, A. S. et al. Ginástica Laboral. Revista Digital - – v. 11 n. 106 Buenos


Aires – Marzo de 2007 Disponível em < http://www.efdeportes.com/efd106/ginastica-
laboral.htm>Acesso em 21 Abr. 2012.

OLIVEIRA; J.R.G. A importância da ginástica laboral na prevenção de doenças


ocupacionais. Revista de Educação Física. n. 139 p.40 - 49. Dezembro de 2007.
Sorriso - MT - Brasil. Disponivel em: <http://www.cdof.com.br/artigo%20g.
%20labora.pdf>

________- A pratica da ginástica laboral. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2006.


133p.

PACHECO, L.M.; ROCHA, C.M.; GARCIA, A.B. - A eficácia da ginástica laboral


na redução do estresse entre trabalhadores - Revista Digital - Buenos Aires - Año
15 - Nº 144 - Mayo de 2010. Disponível em:<http://www.efdeportes.com/efd144/a-
eficacia-da-ginastica-laboral.htm> Acesso em: 24 fev. 2012.

POLITO, E; BERGAMASHI, E.C. Ginástica Laboral: teoria e prática. 3ª Ed. Rio de


Janeiro: Sprint, 2006

POLIZER, A.S.S. Benefícios da ginástica laboral para trabalhadores de


empresa. 2010. Monografia (pós-graduação em Fioterapia) – Centro Universitário
Católico Salesiano Auxilium – UNISALESIANO Lins-SP. 44p.

ROSSETTI, M. O. et al. O inventário de sintomas de stress para adultos de lipp


(ISSL) em servidores da polícia ederal de São Paulo. Revista Brasileira De
Terapias Cognitivas, v.4 n.2 Rio de Janeiro dez. 2008. Disponivel em
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?
pid=S180856872008000200008&script=sciarttext> Acesso em 21 Abr. 2012 às
14h45min.

RUMAQUELLA, M. R. Postura de Trabalho Relacionada com as Dores na


Coluna Vertebral em Trabalhadores de uma Indústria de Alimentos: Estudo De
Caso. 2009. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de
Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru, 2009. Disponível em:
<http://www.faac.unesp.br/posgraduacao/design/dissertacoes/pdf/milena_rumaquella
.pdf> Acesso em: 08 set. 2012.

SERRANO, G.S.; SANDOVAL, R.A. - Ginástica Laboral Como Agente Minimizador


de Estrese y de Dolencias Ocupacionales - TRANCES: Revista de Transmisión del
Conocimiento Educativo y de la Salud 2010; 2(3). Disponível
em:<http://www.trances.es/papers/TCS%2002_3_4.pdf> Acesso em: 20 fev. 2012.

SILVA; J.A.A.B, TARANTO; I.C., PIASECKI; F. Ginástica Laboral: alongamento x


flexionamento. SaBios – Revista de Saúde e Biologia. Campo Mourão, v. 1, n. 2,
p.6-12, jul./ dez., 2006. Disponivel em: <http://www.revista.grupointegrado.br/sabios>
Acesso em: 05.jun.2012.

SOUZA; F.K.N., ZIVIANI; F. A qualidade de vida no trabalho correlacionada à prática


da ginástica laboral. E-civitas Revista Científica do Departamento de Ciências
Jurídicas, Políticas e Gerenciais do UNI-BH - Belo Horizonte, vol. III n. 1, jul-2010.
Disponível em: <http://revistas2.unibh.br/index.php/dcjpg/article/view/58>. Acesso
em: 05. jun.2012.

TANAKA, K.; DEUTSCH, S.; VALIM, P.C. Efeito da ginástica laboral no estresse -
Revista Digital - Buenos Aires - Año 12 - N° 108 - Mayo de 2007. Disponível
em:<http://www.efdeportes.com/efd108/efeito-da-ginastica-laboral-no-estresse.htm>
Acesso em: 20 fev. 2012.

YEPES, H.D. Como prevenir e controlar o estresse: síndrome do século XXI.


Tradução Marisa do Nascimento Paro. 2ª Ed. São Paulo: Paulinas, 2000, 76p.

Você também pode gostar