Você está na página 1de 10

RELAÇÕES HUMANAS E O AMBIENTE DE TRABALHO

NA ORGANIZAÇÃO

INTRODUÇÃO

O trabalho que apresentamos, tem como tema relações humanas e o ambiente de


trabalho. Tendo em conta este os processos evolutivos das diversas organizações
Para tal, é preciso que os funcionários de cada organização apresente o seu melhor no
contexto das relações humanas com os seus respectivos colegas para que a referida
relação faça desenvolver as qualidades da empresa.
Uma organização sem que se tenha uma cultura de relação entre os seus funcionários,
dificilmente consignara atingir os seus objectivos estratégicos.
No entanto, é difícil ser amigo de todos, mas é primordial relacionar-se com os
membros desta para que se cumpra com os objectivos, quer individual quer colectivo.
Propiciar clima que favoreça as relações, desta forma formando equipes com os mesmos
objectivos, pessoas motivadas cumprindo suas tarefas em harmonia, propiciando
crescimento não só da equipe, mas da área, da Organização como um todo.

Em tudo o que fazemos existe o princípio das relações humanas. A comunicação é o


meio principal em que este relacionamento acontece.

Precisamos nos relacionar em todas as situações e para a isso o uso da comunicação é


indispensável.

No ambiente de trabalho as relações humanas devem adquirir uma postura mais formal
do que a que desenvolvemos no dia-a-dia, pois lidamos, principalmente, com
hierarquias.

Não podemos nos relacionar com o Presidente da Empresa da mesma forma que nos
relacionamos com o Office-boy ou a Auxiliar de Escritório.

Nós, seres humanos, desenvolvemos a habilidade de nos relacionarmos com quase todas
as espécies existentes no planeta, não exclusivamente a relação humana.
Da mesma forma, acabamos nos relacionando com a maioria dos ambientes que temos
contacto. Com o desenvolvimento tecnológico acabamos interagindo e usufruindo de
locais que nunca imaginamos ter acesso.

Desenvolver relações humanas com base em dinâmica de grupo significa criar um


espaço psicossocial alternativo, em que desconfianças, temores e conflitos possam ser
aceitos e trabalhados.

Mediante experiências reconstrutivas, em termos de tarefas e processos que minimizem


as ameaças ao “ego” e desenvolvam formas de interacção compatíveis com uma
ampliação quantitativa e qualitativa de cognições, afectos e condutas.

Essa reconstrução implica o desenvolvimento de um clima de confiança mútua, em que


todas as cartas possam ser colocadas na mesa, onde as fórmulas de cortesia ou de
ataque-e-defesa possam ser substituídas pela genuína consideração pelo outro.

Pelo compartilhamento de pensamentos, sentimentos e acções, pela adesão a uma tarefa


comum gerada pelo próprio grupo em direcção ao seu auto-conhecimento.

Nesse sentido, os papéis desenvolvidos no grupo propiciarão a actualização das


diferenças individuais e não receitas de condutas normativas.

O desenvolvimento de conceitos como frutos da interacção, a aprendizagem de novas


maneiras de interagir, desenvolvendo as habilidades e talentos, à maneira dos diferentes
músicos que compõem uma orquestra.

A presente pesquisa nos leva a elaborar a seguinte Problema de pesquisa.

Como melhorar as relações humanas no ambiente de trabalho nas organizações?

Objecto de investigação: relações humanas, ambiente, trabalho e organização.

Assim, elaboramos os seguintes objectivos

Objectivo geral

Criar condições para melhorar o desenvolvimentodas relações humanas no ambiente de


trabalho nas organizações.
Objectivos específicos

Descrever as condições teóricas das relações humanas no ambiente de trabalho.

Analisar os factores que levam o pouco desenvolvimento das relações humanas no


trabalho.

Avaliar o papel do líder das relações humanas no ambiente de trabalho.


CAPITULO I- QUADRO TEORICO

As relações colectivas de trabalho são geradoras de conflitos. Os trabalhadores ignoram


certas actividades para melhorar as relações no trabalho na organização, as vezes se
conhecem as vezes não.

1.1. Termos e Conceitos

Relações:conjunto de relações que se interligam do nível organizacional na


circunstância de trabalho para desenvolver a organização (Sekiou, etall, 2011, p.619).

Ainda os mesmos autores descrevem que, é graça as relações que fazem com que uma
organização atinja os grandes sucessos quer nacional como internacional (Ibdem.).

Para melhor compreender estes conjuntos, grandes autores elaboraram 4 características para as
relações no trabalho,

1) trabalho colectivo,

2) divisões de tarefas,

3) controlo e subordinação,

4) remuneração.

Ambiente:segundo o (DICIONARIO INTEGRAL DE LINGUA PORTUGUESA, p.


86), é uma palavra latina que significa a esfera social em que se vive, tudo aquilo que
envolve os seres vivos e as coisas.

Trabalho: segundo o ((DICIONARIO INTEGRAL DE LINGUA PORTUGUESA, p.


1445), palavra de origem latina, acto ou efeito de trabalhar.

1.2. A convivência humana no ambiente de trabalho.

A convivência humana é complexa e desafiadora, porque cada um reage de maneira


diferente quando está inserido em um grupo de trabalho. O processo de interacção
humana é constituído através dessas reações voluntárias ou involuntárias, intencionais
ou não- intencionais.

As relações humanas são a alma das organizações modernas e sempre se manifestam,


positiva ou negativamente, tanto no ambiente interno quanto no externo, refletem-se nos
indivíduos e em suas relações familiares, sociais e profissionais.
A valorização de colaboradores é uma prática que deve ser constate de todo líder ou
gestor, pois são eles que têm o poder de influenciar profissionais através de suas ações. 

Profissionais desvalorizados tendem a perder o foco, se desmotivam facilmente,


diminuem sua produtividade o que acaba prejudicando e muito o bom andamento da
empresa. Cada indivíduo é único em personalidade, portanto, os gestores devem ter isso
em mente. É a partir deste cenário que a comunicação interna exerce destaque, com seus
processos e profissionais responsáveis por empreender um relacionamento entre os
atores do âmbito interno empresarial.

Um dos principais desafios hoje para o campo da comunicação organizacional e seus


profissionais, se constitui em buscar superar a função que lhes é relegada de ser um
mero instrumento de criação de percepções para o público interno, para se tornarem,
cada vez mais, agentes responsáveis por contribuir para que os colaboradores reflictam
sobre o ambiente interno da empresa, propondo um diálogo permanente e
verdadeiramente baseado no entendimento mútuo entre líderes e liderados.

O espaço social que enxergamos no ambiente organizacional é pontuado por interações


constantes e uma contínua rede de relacionamentos que reforçam posições; constroem e
mantêm ou desfazem e impedem diálogos; geram aproximação ou afastamento,
comprometimento ou indiferença entre funcionários e alta gestão. Jamais podemos nos
esquecer de que no cerne do ambiente de trabalho todos são peças chave, ou seja, são
fundamentais para o sucesso de qualquer empreendimento e ou projeto a ser
concretizado.

1.3. As relações Humanas no Ambiente de trabalho nas organizações.

As relações humanas no ambiente de trabalho variam de organização para organização,


porém, as organizações podem aprender umas com as outras a melhorar o
gerenciamento dessas relações de modo a se obter as melhores formas de comunicação
interna, envolvimento e cooperação de seus colaboradores.

Neste sentido, para que tais práticas sejam bem-sucedidas, devem ser consolidadas
mediante ao respeito mútuo entre as pessoas, na justiça no processo decisório e no
esforço de todos para a manutenção de um ambiente de trabalho agradável, prazeroso e
harmonioso.
Para Merhy (1995) torna-se um serviço peculiar, fundado numa intensa relação
interpessoal, dependente do estabelecimento de vínculo entre os envolvidos para a
eficácia do ato. Ainda segundo o mesmo autor, os serviços produzidos no sector saúde
se concretizam pelo encontro entre quem produz e quem recebe, ou seja, a produção é
singular e se dá no próprio acto.
1.4. A importância das relações humanas no trabalho.
O processo de mudança que se vive hoje é ímpar em toda a história das empresas, e até
mesmo da civilização, já que para sobreviverem e serem viáveis nas próximas décadas,
as organizações precisam ter estratégias adequadas e flexibilidade de estrutura,
principalmente quando falamos em gestão de pessoas.

Se antes era necessário motivar os profissionais, hoje é preciso ir além e buscar o


comprometimento e engajamento dos mesmos.

Isso faz com que as organizações despertem para a relevância da obtenção de ambientes
positivos, onde os funcionários e os grupos possam encontrar condições favoráveis para
trabalharem mais eficazmente e principalmente felizes.

Para chegar a esse resultado, é necessário entender qual o significado de trabalho para
os que compõem as organizações. Isso ajudará a compreender também como as
empresas atuais evoluem nas suas práticas de gestão de pessoas e como poderão
enfrentar o contínuo desafio

Neste contexto, cabe às organizações modernas investirem no que muitas chamam de


programas de qualidade de vida, que em sua maioria visam contribuir com um ambiente
de trabalho saudável e com profissionais mais satisfeitos. Mas será que apenas isso
basta?

Não basta. Hoje se faz necessário um olhar diferenciado para o público interno e a
constante humanização das relações, aproximando as pessoas e ajudando a estabelecer
relacionamentos baseados na integridade e confiança. É isso que chamo de
relacionamentos sustentáveis.
Os programas de qualidade de vida desempenham um papel fundamental neste desafio,
mas só têm aderência e aproveitamento se as relações de trabalho forem verdadeiras.
Relaçõesestas entre colegas, equipes e até mesmo entre empresa e colaborador.

E mais, quando esta verdade existe, transcende as portas de qualquer empresa e os


reflexos se tornam naturais: engajamento, atracção e retenção de talentos.

Conversar deixou de ser “falta do que fazer” e hoje passa a ser estratégico em muitas
organizações, que inserem espaços de convivência em seus programas de qualidade de
vida.

As mídias sociais aproximam ao mesmo tempo em que distanciam. Por isso atenção ao
seu público e busque (quando possível) o olho no olho.

Cuide da saúde do seu colaborador como um todo, e não se esqueça do emocional, pois
de nada adianta estar saudável fisicamente, adoecido emocionalmente e empobrecido
nas suas relações.

1.5. Conflitos nas relações humanas no ambiente de trabalho.

Muitos conflitos gerados nos ambientes de trabalho são decorrentes da falta de


interacção entre os indivíduos e a falta de comunicação no quotidiano do trabalho.

As relações humanas compreendem um conjunto de habilidades que nos permitem


estruturar relacionamentos com as diversas formas de vida existentes.  Estas, por sua
vez, propicia nos relacionarmos com a maioria dos ambientes que temos contacto.

Neste âmbito, o desenvolvimento tecnológico atua como agente facilitador no campo


das comunicações, criando - nos possibilidades de interagir e usufruir de locais que
nunca imaginamos ter acesso. As relações humanas decorrem da interacção entre duas
ou mais pessoas.

Neste contexto, devemos considerar que o fenómeno da globalização trouxe mudanças


significativas tanto para as pessoas quanto para as organizações. No meio
organizacional actual, observamos investimentos destinados não apenas às novas
tecnologias, como também em acções voltadas ao desenvolvimento do capital humano e
das atitudes comportamentais.
1.5.1. Mandamentos das Relações Humanas no ambiente de trabalho.

 Respeite o seu colega de trabalho. Pratique a empatia!


 Dê atenção com quem fala com você. Evite interromper a palavra; espere sua
vez.
 Controle suas reaçõesagressivas.Esqueça a indelicadeza e ironia.
 Sempre que precisar resolver algum problema procure seu chefe imediato.Não
pule hierarquia!
 Conheça melhor as pessoas com quem irá trabalhar com o intuito de
compreendê-los e se adaptar as suas características individuais
 O sorriso nos lábios desarma qualquer pessoas: conquiste-as! Lembre-se que
acionamos 72 músculos para franzir a testa e somente 14 para sorrir.
 Seja prestativo na medida certa para não ser mal interpretado.
 Procure as causas da sua antipatia, afim de vencê-las e não contaminar seu
ambiente de trabalho.
 Quando estiver participando de discussões em grupo, defina bem o sentido das
palavras para evitar duplo sentido e mal-entendidos.
 Seja cauteloso ao criticar. Fale o que pensa sem magoar as pessoas que estão ao
seu redor.
CONCLUSÃO

Portanto, a necessidade de trocar informações no desenvolvimento do trabalho é


essencial na saúde para cooperar na melhor assistência ao indivíduo, família e
comunidade, contribuindo dessa forma com o trabalho em equipe, permitindo o
relacionamento entre os indivíduos.

Esta relação acaba sendo imprescindível para a organização do processo de trabalho,


pois, o relacionamento interpessoal é, sem sombra de dúvida, um dos factores que
influenciam no dia-a-dia e no desempenho de um grupo, cujo resultado depende de
parcerias internas para obter melhores ganhos.

Em suma, é através de um ambiente de sinergia, confiança, respeito, amor,


conhecimento mútuo que as relações e competências de cada um serão capazes de
convergir para o sucesso da organização.
BIBLIOGRAFIA

Pinto, C. A. M. etal.(2006). Fundamentos de gestão. (1ª ed.). Lisboa: Editorial


Presença.
Pride, W. M., Hughes, R. J. &Kapoor, J. R. (2011).Foundation of Business.(2ª ed.).
Mason, Ohio, USA: South-Western Cengage Learning.
Russo, J. (2006). Balanced Scorecard para PME.Lisboa: Lidel.
Schmidt, P., Santos J. L. & Martins, M. A. (2006). Avaliação de Empresas: Foco na
análise de desempenho para o usuário interno. São Paulo: Editora Atlas S.A..
Seixo, José Manuel (2007). Gestão do desempenho. (3ª ed.). Lisboa: Lidel.
Serra, F. etal.(2010). Gestão Estratégica: conceitos e prática. Lisboa: Lidel.
Sezões, C., Oliveira, J. & Baptista, M. ( 2006 ). BusinessIntelligence. Disponível em
http://www.bi4all.pt/docs/Manual_Business_Intelligence.pdf [Consult. em fevereiro de
2012]
Simons, R. (1995). Levers of Control How Managers Use Innovative Control Systems
to Drive Strategic Renewal. Boston, Massachusetts: Harvard BusinessSchoolPress.
Tenório, F. G (2005). Gestão de ONG`s: Principais funções gerênciais. (9ª ed.). Rio de
Janeiro, Brasil: Editora FGV.
Williams, K. (2009). Gestão Estratégica: Análise, planeamento, focalização, definição
de prioridades, monitorização. (Susana Figueiredo, trad.). Porto: Civilização