Você está na página 1de 46

Resumo e Lista de

Exercícios
Física III
Fuja do Nabo P2 e P3
Resumo

1. Efeitos de um Campo Magnético


Assim como um campo elétrico 𝐸⃗ gera uma força elétrica 𝐹𝑒𝑙 em qualquer
carga, um campo magnético (ou vetor indução magnética) 𝐵 ⃗ gera uma
força magnética 𝐹𝑚𝑎𝑔 em cargas em movimento.

a. Efeito sobre uma Carga Puntiforme


Suponha uma carga 𝑞 com velocidade 𝑣 na presença de um campo
magnético 𝐵 ⃗.

A carga sofrerá a ação de uma força dada por:


𝐹𝑏 = 𝑞𝑣 × 𝐵

Note que:

I. A força magnética só age em condutores em movimento.


II. A força magnética não realiza trabalho (𝐹 ⊥ 𝑣).

A “Regra da Mão Direita” é muito útil para revelar a direção e o sentido


dos vetores relacionados na equação acima.

Basta girar a mão, travando o polegar, indo do sentido do campo


magnético 𝐵 ⃗ (no sentido dos quatro dedos) até o sentido da força 𝐹
(saindo da palma da mão). O polegar irá apontar para a velocidade 𝑣.

1
Isso também pode ser verificado pela “Regra da Mão Esquerda”, basta
seguir a ordem indicada na figura abaixo:

b. Efeito sobre uma Corrente


Suponha um fio condutor, por onde esteja passando uma corrente 𝐼, e
que esteja sujeito a um campo magnético 𝐵
⃗.

2
A força magnética no fio é dada por:

𝐹𝑚𝑎𝑔 = 𝐼 ∫ ⃗⃗⃗⃗ ⃗
𝑑𝑙 × 𝐵

Se 𝐵
⃗ for uniforme, a expressão da força magnética no condutor se reduz
à:

⃗⃗⃗⃗ ⃗
𝐹𝑏 = 𝐼𝑙 × 𝐵

Onde 𝑙 é vetor que conecta as extremidades do fio e cujo sentido é o


mesmo da corrente.

c. Efeito sobre uma Espira


Considere uma espira (fio fechado) por onde passa uma corrente 𝐼 e que
esteja sujeita a um campo magnético 𝐵⃗ uniforme.

Se o fio for fechado (definição de espira) e o campo magnético uniforme:

𝑙 = ⃗0 → ⃗⃗⃗⃗
𝐹𝑏 = ⃗0

Deste modo, não há movimento de translação para a espira.

Mas pode haver rotação. O torque gerado sobre a espira é dado por:


𝜏 = 𝐼𝐴 × 𝐵

Onde 𝐴 é o vetor perpendicular à área da espira.

Para achar o vetor 𝐴, usamos a “Regra do Saca Rolha”. Basta girar a mão
no sentido da corrente; o polegar aponta para o vetor:

3
d. Momento de Dipolo Magnético da Espira

𝜇 = 𝐼𝐴

Utilizando a expressão acima, o torque se reduz à:


𝜏 =𝜇×𝐵

Note que “dipolo magnético” é outra forma de dizer “espira”.

2. Cálculo do Campo Magnético


Cargas em movimento geram campos magnéticos. Há duas formas de
calcular esse campo: pela Lei de Ampère e pela Lei de Biot-Savart.

a. Lei de Biot-Savart
Essa lei é usada para calcular campos gerados por fios e espiras. De
acordo com essa lei, o vetor campo magnético é:

⃗⃗⃗ × 𝑟̂
𝜇0 𝐼𝑑𝑙
⃗ =
𝐵 ∫
4𝜋 𝑟2

4
Onde 𝜇0 é a permeabilidade magnética do vácuo (𝜇0 = 4π10−7 𝑇 ∙ 𝑚/𝐴).

O vetor ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 é tangente ao comprimento de um trecho infinitesimal,
enquanto o vetor 𝑟̂ é um versor (de módulo 1) que liga o ponto 𝑂 (onde
se calcula o campo) ao ponto 𝑃 (que gera o campo).

b. Lei de Biot-Savart em Fio Reto

Nesta configuração, temos que:

⃗⃗⃗
𝑑𝑙 = 𝑑𝑥 𝑖̂

(−𝑥𝑖̂ + 𝑎𝑗̂)
𝑟̂ =
√𝑥 2 + 𝑎2

⃗⃗⃗ possui o sentido da corrente.


Note que o 𝑑𝑙

5
Retomando a equação fornecida pela Lei de Biot-Savart:

𝜇0 𝐼𝑑𝑥 𝑖̂ × (−𝑥𝑖̂ + 𝑎𝑗̂) 𝜇0 𝑏 𝐼𝑎 𝑑𝑥 𝑘̂


⃗ =
𝐵 ∫ = ∫
4𝜋 3 4𝜋 3
(𝑥 2 + 𝑎2 )2 −𝑏 (𝑥 2 + 𝑎 2 )2

Integrando a expressão acima, temos que:

𝜇0 𝐼 2𝑏
⃗ =
𝐵 [ ] 𝑘̂
4𝜋 𝑎√𝑏 2 + 𝑎2

c. Lei de Biot-Savart em Espira

Note que o vetor 𝐵 ⃗⃗⃗ × 𝑟̂ .


⃗ tem a direção dada por 𝑑𝑙

Assim, devido à simetria da espira, as parcelas verticais do campo 𝐵 se


anulam. Isto é, só temos campo na direção 𝑖̂.

6
Sendo assim, para obter apenas a componente vertical do nosso campo,
vamos multiplicar a expressão da Lei de Biot-Savart por cos 𝜃. Temos,
então:

⃗⃗⃗⃗ × 𝑟̂ ‖
𝜇0 𝐼 ‖𝑑𝑠
⃗𝑥 =
𝐵 ∫ cos 𝜃 𝑖̂
4𝜋 𝑟2

Repare que, pela definição de produto vetorial:

⃗⃗⃗⃗ × 𝒓̂‖ = ‖𝑑𝑠


‖𝒅𝒔 ⃗⃗⃗⃗ ‖ ∙ ‖𝒓̂‖ sin 𝜷

Onde 𝛽 é o ângulo entre ⃗⃗⃗⃗


𝑑𝑠 e 𝑟̂ . No caso desta espira, 𝜷 = 𝛑/𝟐 e ‖𝒓̂‖ = 𝟏.
Assim,

⃗⃗⃗⃗ × 𝒓̂‖ = 𝒅𝒔
‖𝒅𝒔

Retomando a equação, temos:

𝜇0 𝐼 cos 𝜃 2𝜋𝑅 𝜇0 𝐼𝑅 cos 𝜃


⃗𝑥 =
𝐵 ∫ 𝒅𝒔 𝑖̂ = 𝑖̂
4𝜋𝑟 2 0 2𝑟 2

d. Lei de Ampère
Esta lei é útil para o cálculo de campos em casos em que há simetria
(cilíndrica, esférica, etc) e em fios/planos infinitos. A Lei de Ampère nos diz
que, tomando uma curva fechada 𝑪 e uma superfície 𝑺 com bordo 𝐶,
temos:

7
⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∮𝐵 𝑑𝑙 = 𝜇0 𝐼𝑖𝑛𝑡

Onde 𝐼𝑖𝑛𝑡 é a corrente que atravessa 𝑆.

e. Lei de Ampère em Fio Infinito

O sentido da curva 𝐶 (circuito amperiano) é achado pela “Regra do Saca


Rolha” (basta posicionar o polegar da mão direita no sentido da corrente
e girar a mão no sentido encontrado).

Além disso, sabemos que, num fio, as linhas de campo magnético são
circulares ao seu redor.

Assim, 𝐵
⃗ será tangente à curva 𝐶.

Vamos começar resolvendo a integral:

⃗⃗⃗ = ∮ 𝐵 ∙ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∮ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∙ 2𝜋𝑟
⃗ ∙ 𝑑𝑙
∮𝐵

8
Note que 𝐵 ⃗⃗⃗ e 𝐵
⃗ ∥ 𝑑𝑙 ⃗ é constante em 𝑆.

Temos dois casos:

I. Quando o campo está fora do fio: supomos a curva 𝐶 fora do fio


(escolhe-se onde ela vai estar conforme o que se quer calcular).

A corrente interna é toda a corrente 𝐼, então:

𝜇0 𝐼
⃗ =
𝐵 ∙ 2𝜋𝑟 = 𝜇0 𝐼 → 𝐵 𝜃̂
2𝜋𝑟

Obs: A direção do campo é tangente à curva 𝐶 (por isso o versor + 𝜃̂ , no


sentido anti-horário).

II. Campo dentro do fio: neste caso, coloca-se a curva 𝐶 dentro do fio.

9
Logo, a corrente que passa por 𝑆 (área delimitada por 𝐶), não será mais 𝐼.
Será só uma parte de 𝐼. Para calcular que parte é essa, vamos usar a
densidade de corrente:

𝐼 𝐼
𝐽= =
𝐴 𝜋𝑅 2

Assim, a corrente que atravessa 𝑆 é dada por:

𝐼
𝐼′ = 𝐽 ∙ 𝐴𝐶 = 2
𝜋𝑟 2
𝜋𝑅

Retomando a Lei de Ampère, temos:

𝐼𝑟 2 𝜇0 𝐼𝑟𝜇0
𝐵 ∙ 2𝜋𝑟 = 2
⇒ ⃗ =
𝐵 2
𝜃̂
𝑅 2𝜋𝑅

f. Lei de Ampère em Solenoide

Sabe-se que, num solenoide, temos a seguinte distribuição de campos:

10
Assim, em seu interior, os campos se somam e, em seu exterior, os campos
se anulam.

Ou seja, só existe campo dentro do solenoide.

Para aplicar a Lei de Ampère, vamos considerar a seguinte curva 𝐶:

Vamos resolver primeiro a integral:

𝑏 𝑐 𝑑 𝑎
⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∮𝐵 ⃗ ∙ ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 = ∫ 𝐵 ⃗ ∙ ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 + ∫ 𝐵 ⃗ ∙ ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 + ∫ 𝐵 ⃗ ∙ ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 + ∫ 𝐵 𝑑𝑙
𝑎 𝑏 𝑐 𝑑

Repare que, pela definição de produto escalar:

𝑐 𝑎
⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∫𝐵 ⃗ ∙ ⃗⃗⃗
𝑑𝑙 = ∫ 𝐵 𝑑𝑙 = 0 ⃗ ⊥ ⃗⃗⃗
(𝐵 𝑑𝑙 )
𝑏 𝑑

11
Além disso, o trecho 𝑏𝑐 está fora do solenoide, logo:

𝑐
⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∫𝐵 𝑑𝑙 = 0
𝑏

Assim, só sobra uma integral:

𝑏 𝑏 𝑏
⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∫ 𝐵 𝑑𝑙 = ∫ 𝐵 ∙ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∫ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∙ ℎ ⃗ ∥ ⃗⃗⃗
(𝐵 𝑑𝑙 ; 𝐵 = 𝑐𝑡𝑒)
𝑎 𝑎 𝑎

Além disso, a corrente que atravessa 𝑆 é dada por:

𝐼′ = 𝑛𝐼ℎ

Onde:
𝑛: número de espiras por comprimento.
ℎ: comprimento horizontal da curva 𝐶.

Por fim, temos que:

⃗ = 𝑛𝐼𝜇0 𝑖̂
𝐵ℎ = 𝑛𝐼ℎ𝜇0 ⇒ 𝐵

12
g. Lei de Ampère em Toroide

Assim como no solenoide, o campo no toroide concentra-se em seu


interior e sua direção é dada pela “Regra do Saca Rolha”.

Portanto, vamos adotar uma curva 𝐶 dentro do toroide.

13
Primeiro, vamos resolver a integral:

⃗ ∙ ⃗⃗⃗
∮𝐵 𝑑𝑙 = ∮ 𝐵 ∙ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∮ 𝑑𝑙 = 𝐵 ∙ 2𝜋𝑟

Além disso, sabemos que a corrente que atravessa 𝑆 é dada por 𝑵𝑰, onde
𝑁 é o número de espiras do toroide.

Assim:

𝐵 ∙ 2𝜋𝑟 = 𝜇0 𝑁𝐼

𝜇0 𝑁𝐼
⃗ =
⇒𝐵 (−𝜃̂ ) (Sentido horário)
2𝜋𝑟

3. Materiais Magnéticos
Na presença de alguns materiais, o campo magnético se intensifica.
Temos então:

⃗ 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝐵
𝐵 ⃗0 +𝐵
⃗𝑚

14
Ou:

⃗ 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = (1 + 𝜒𝑚 )𝐵
𝐵 ⃗0

Onde 𝜒𝑚 é a susceptibilidade magnética do material.

Existem 3 tipos de materiais magnéticos:

a. Paramagnéticos (𝜒𝑚 > 0): O alinhamento dos dipolos com o campo é


imperfeito. Por isso, intensifica pouco o campo original.

b. Ferromagnéticos (𝜒𝑚 >> 0): Intensifica muito o campo.

c. Diamagnéticos (𝜒𝑚 < 0): Diminui o campo original porque o


alinhamento dos dipolos é em sentido oposto ao do campo.

Além disso, existe outra equação para representar o campo total:

⃗ 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝜇0 𝐻
𝐵 ⃗ + 𝜇0 𝑀
⃗⃗

Onde:
⃗⃗ : vetor magnetização (𝑀
𝑀 ⃗⃗ = 𝜒𝑚 𝐻
⃗ );

𝐵
⃗ : vetor intensidade de campo magnético (𝐻
𝐻 ⃗ = ).
𝜇0

Por fim, definimos a permeabilidade relativa do material: 𝐾𝑚 = (1 + 𝜒𝑚 ).

15
Assim:

⃗ 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝐾𝑚 𝐵
𝐵 ⃗0

Uma fórmula importante relaciona a permeabilidade relativa do material


𝐾𝑚 , a permeabilidade magnética do vácuo 𝜇0 e a permeabilidade
magnética de um meio 𝜇𝑚 :

𝜇𝑚
𝐾𝑚 =
𝜇0

Resumindo: Um material magnético é um material que intensifica o


campo de um fator 𝐾𝑚 . O campo total pode ser calculado a partir das
expressões acima ou aplicando 𝐾𝑚 𝐵
⃗ 0 ou lembrando que ele será a soma
do campo original com o campo gerado pelo material.

4. Lei de Faraday-Lenz
A última Lei do eletromagnetismo vista nesse curso é a Lei de Faraday-
Lenz. Essa Lei tem um princípio parecido com a Lei de Ampère-Maxwell e
a corrente de deslocamento, mas agora dizemos que a variação no fluxo
magnético negativa produz um campo elétrico circulante. Podemos
dizer que:

𝑑Φ𝐵
⃗ =−
∮ 𝐸⃗ ∙ 𝑑ℓ
𝛾 𝑑𝑡

Por mais que pareça a mesma coisa de sempre, devemos lembrar que a
integral na esquerda da igualdade era igual à diferença de potencial.

16
Isso significa que a variação negativa no fluxo magnético induz uma
força eletromotriz (𝜺) que produz corrente em um condutor fechado
(espira). Ou seja:

𝑑Φ𝐵
𝜀=−
𝑑𝑡

Devemos enfatizar o sinal negativo que vem da Lei de Lenz. Ela nos diz
que a corrente induzida se opõe à variação do fluxo magnético. Se, por
exemplo, o fluxo aumentar, a corrente que passa pela espira em questão
produzirá um campo magnético que irá se opor a esse aumento.

Uma forma fácil de saber o sentido da corrente induzida é pela


circuitação. Primeiro, você adota o circuito 𝛾 tendo o formato da espira e
adota um sentido para esse circuito (horário ou anti-horário). Se nas
contas aparecer 𝜀 > 0, significa que o sentido adotado de circuito é o da
corrente. Caso 𝜀 < 0, então o sentido é oposto. Use a mesma regra para o
vetor área.

5. Indutância
Em indutância, estudamos os efeitos da Lei de Faraday-Lenz em
solenoides devido ao efeito único de variação de corrente.
Primeiramente, vamos falar de indutância mútua e, para isso, imagine
dois solenoides com 𝑁1 e 𝑁2 voltas e que seus eixos de simetria sejam
concêntricos.

17
Inicialmente, não há corrente em nenhum dos dois. Imagine que no
solenoide 1 surja uma corrente variando no tempo 𝐼1 (𝑡).

Essa corrente irá gerar um fluxo magnético variável no solenoide 2, de


forma que apareça uma corrente induzida.
A ideia da indutância mútua é relacionar a f.e.m induzida no solenoide 2
pelo 1 com a variação temporal da corrente em 1. Para isso, definimos a
indutância mútua, dada por:

𝑁2 Φ2
𝑀=
𝐼1

18
Na verdade, a indutância mútua (𝑀) é apenas uma constante de
proporcionalidade entre Φ2 (fluxo magnético total no solenoide 2) e a
corrente que gera esse fluxo (𝐼1 (𝑡)), de forma que 𝑀 seja uma constante.

E a f.e.m induzida em 2 será:

𝑑𝐼1
𝜀2 = −𝑀
𝑑𝑡

Repare que adotamos arbitrariamente que a corrente apareceria em 1.


Poderia ser que a corrente aparecesse em 2. A indutância mútua, nesse
caso, é a mesma, ou seja:

𝑁2 Φ2 𝑁1 Φ1
𝑀= =
𝐼1 𝐼2

Além da indutância mútua, também temos o efeito de autoindução. Esse


fenômeno ocorre quando a corrente de um solenoide muda, de forma que
o campo magnético gerado por esse solenoide também mude. Isso tudo
resulta em uma variação do fluxo magnético e, consequentemente, em
uma f.e.m autoinduzida.

A autoindutância (𝐿) é calculada por:

𝑁Φ
𝐿=
𝐼

19
Em que 𝑁 é o número de voltas do solenoide, Φ é o fluxo magnético de
uma única volta do solenoide e 𝐼 é a corrente variável que passa pelo
solenoide.

A f.e.m autoinduzida é:

𝑑𝐼
𝜀 = −𝐿
𝑑𝑡

E antes de passar para os exercícios de fixação, assim como tínhamos a


densidade de energia elétrica, também temos a densidade de energia
magnética, dada por:

𝐵2
𝑢𝐵 =
2𝜇0

E a energia em um indutor é do tipo:

𝐿𝐼2
𝐸=
2

Observação: Solenoide, como descrito nesse resumo, pode ser tanto o


cilíndrico, quanto o toroidal ou até mesmo um plano, com 𝑁 = 1 (exemplo:
anel).

20
6. Corrente de Deslocamento
Primeiramente, vamos lembrar a Lei de Ampère. Ela era a seguinte
equação:

⃗ = 𝜇0 𝐼𝑐
⃗ ∙ 𝑑ℓ
∮ 𝐵
𝛾

Em que 𝐵 ⃗ é o vetor campo magnético, 𝛾 é o Circuito de Ampère adotado,


𝜇0 é a permeabilidade magnética no vácuo (𝜇0 = 4𝜋 ∙ 10−7 𝑇 ∙ 𝑚/𝐴) e 𝐼𝑐 é
a corrente que passa internamente pelo Circuito de Ampère adotado.

O que acontece é que essa equação está incompleta nessa forma escrita.
Foi então que, no desenvolvimento da teoria do eletromagnetismo,
Maxwell introduziu a corrente de deslocamento, dada por:

𝑑Φ𝐸
𝐼𝑑 = 𝜀0
𝑑𝑡

E, assim, a Lei de Ampère-Maxwell na sua forma geral e completa fica:

𝑑Φ𝐸
∮ 𝐵 ⃗ = 𝜇0 𝐼𝑐 + 𝜇0 𝜀0
⃗ ∙ 𝑑ℓ
𝛾
⏟ 𝑑𝑡
𝐼𝑑

Lembrando que 𝜀0 é a permissividade elétrica no vácuo.

21
O que precisamos entender agora é o que é Φ𝐸 , que é chamado de fluxo
elétrico. Em suma, ele é o produto escalar entre o vetor área ⃗𝑨
⃗ e o vetor
campo elétrico 𝑬
⃗ . De maneira geral, o fluxo elétrico é:

Φ𝐸 = ∫ 𝐸⃗ ∙ 𝑑𝐴

A área usada é a área referente à superfície do Circuito de Ampère que é


adotado na Lei de Ampère-Maxwell. A direção é perpendicular à superfície
e o sentido é indicado pela regra da mão direita, basta girar a mão no
sentido adotado no Circuito.

Vamos ver alguns exemplos de cálculo de Φ𝐸 .

a. Campo Elétrico Homogêneo e Área Total


Na imagem abaixo, o campo elétrico 𝐸⃗ é uniforme na região em verde, e
é dado por 𝐸⃗ = 𝐸𝑘̂.

O Circuito de Ampère adotado é o retângulo com sentido anti-horário.


Nesse caso, o vetor área desse circuito é:

𝐴 = 𝑎𝑏𝑘̂

22
Como o campo elétrico é homogêneo e ele está distribuído em toda a área
do circuito, o fluxo vira:

Φ𝐸 = (𝐸𝑘̂ ) ∙ (𝑎𝑏𝑘̂) = 𝐸𝑎𝑏

Observação: Caso o sentido do circuito fosse horário, o vetor área seria do


tipo −𝑎𝑏𝑘̂ , e o fluxo seria negativo.

b. Campo Elétrico Homogêneo e Área Parcial


Agora imagine que o campo elétrico 𝐸⃗ = 𝐸𝑘̂ , também homogêneo, é
concentrado em uma área circular de raio 𝑐 (Circunferência C) interna ao
retângulo.

Nesse caso, como o campo elétrico é aplicado em uma pequena região,


quando fizermos a integral:

Φ𝐸 = ∫ 𝐸⃗ ∙ 𝑑𝐴

Na região em que não atua campo elétrico (𝐸⃗ = 0


⃗ ), teríamos o
equivalente a:

23
Φ𝐸 = ∫ ⃗0 ∙ 𝑑𝐴
E na região total do retângulo 𝑅, a gente teria:

Φ𝐸 = ∫ ⃗0 ∙ 𝑑𝐴 + ∫ 𝐸⃗ ∙ 𝑑𝐴
𝑅−𝐶 𝐶

Basicamente o que queremos dizer é: para ter fluxo elétrico, precisa ter
campo elétrico, ou seja, as regiões que possuem campo elétrico nulo não
contribuem para o fluxo elétrico. Então caso o campo elétrico esteja
concentrado em uma região, use apenas a área efetiva dessa região (e não
a do circuito todo).

Temos, então, que 𝐴 = 𝜋𝑐 2 𝑘̂ e 𝐸⃗ = 𝐸𝑘̂, de forma que:

Φ𝐸 = 𝐸𝜋𝑐 2

c. Campo Elétrico Variável


Usando a mesma imagem do exemplo a, agora imagine que o campo
elétrico atuante nessa região seja do tipo 𝐸⃗ = 𝛼𝑦 e que a base inferior do
circuito comece em 𝑦 = 0.

Como aqui temos um campo variável, precisamos integrar. Usaremos a


diferencial de área 𝑑𝐴 = (𝑎𝑑𝑦)𝑘̂ (lembrando que a direção e sentido são
dados pela regra da mão direita) para fazer a integral:

Φ𝐸 = ∫ 𝐸⃗ ∙ 𝑑𝐴

24
Dessa forma, ficamos com:

Φ𝐸 = ∫(𝛼𝑦𝑘̂ ) ∙ (𝑎𝑑𝑦𝑘̂)
E essa integral vira:

𝑏
Φ𝐸 = 𝛼𝑎 ∫ 𝑦𝑑𝑦
0

E, por fim:

𝛼𝑎𝑏 2
Φ𝐸 =
2

Uma coisa que devemos reparar na Lei de Ampère-Maxwell que a gente


enunciou:

𝑑Φ𝐸
⃗ = 𝜇0 𝐼𝑐 + 𝜇0 𝜀0
⃗ ∙ 𝑑ℓ
∮ 𝐵
𝛾 𝑑𝑡

O que gera campo magnético circulante é a corrente elétrica e a variação


do fluxo elétrico. Então, apenas ter um fluxo elétrico propriamente dito,
não implica em muita coisa, apenas no fato de que ele está lá. Agora, caso
ele varie no tempo, aí podemos afirmar que há o campo magnético
circulante igual ao da corrente.

25
7. Equações de Maxwell
A tabela abaixo contém todas as 4 Equações de Maxwell na forma
diferencial e integral. A maior parte do curso foca na intuição da forma
integral, mas alguns exercícios cobram o uso da diferencial.

Lei Forma Integral Forma Diferencial


𝒒 𝝆
Gauss (𝑬
⃗) ∮𝑬 ⃗ = 𝒊𝒏𝒕
⃗ ∙ 𝒅𝑨 ⃗ ∙𝑬
𝛁 ⃗ =
𝜺𝟎 𝜺𝟎

Gauss (𝑩
⃗⃗ ) ⃗⃗ ∙ 𝒅𝑨
∮𝑩 ⃗ =𝟎 ⃗𝛁 ∙ ⃗𝑩
⃗ =𝟎

Ampère- 𝝏𝚽𝑬 ⃗
𝝏𝑬
∮ ⃗𝑩 ⃗ = 𝝁𝟎 𝑰 + 𝝁𝟎 𝜺𝟎
⃗ ∙ 𝒅𝓵 ⃗ ×𝑩
𝛁 ⃗⃗ = 𝝁𝟎 𝑱 + 𝝁𝟎 𝜺𝟎
Maxwell 𝝏𝒕 𝝏𝒕
𝝏𝚽𝑩 ⃗⃗
𝝏𝑩
Faraday-Lenz ∮𝑬 ⃗ =−
⃗ ∙ 𝒅𝓵 ⃗𝛁
⃗ × ⃗𝑬 = −
𝝏𝒕 𝝏𝒕

Não se esqueça de lembrar o que é o operador rotacional (∇


⃗ ×) e o
operador divergente (∇
⃗ ⋅).

O rotacional de um campo vetorial 𝐹 = (𝐹𝑥 , 𝐹𝑦 , 𝐹𝑧 ) é:

𝑖̂ 𝑗̂ 𝑘̂
𝜕 𝜕 𝜕
⃗ × 𝐹 = ||
∇ ||
𝜕𝑥 𝜕𝑦 𝜕𝑧
𝐹𝑥 𝐹𝑦 𝐹𝑧

Enquanto o divergente desse campo é:

𝜕𝐹𝑥 𝜕𝐹𝑦 𝜕𝐹𝑧


⃗∇ ⋅ 𝐹 = + +
𝜕𝑥 𝜕𝑦 𝜕𝑧

26
8. Ondas Eletromagnéticas
Aqui é o momento em que se mata saudades de Física II. As ondas
eletromagnéticas são uma solução da natureza da luz que, até hoje, é
utilizada (em conjunto com o conceito de fótons).

Essas ondas são compostas por campo elétrico e campo magnético, que
ficam sempre ortogonais. Um esquema dessa onda pode ser visto abaixo:

Com as Equações de Maxwell, pôde-se calcular teoricamente, pela


primeira vez, a velocidade da luz, com a seguinte relação:

1
𝑐=
√𝜇0 𝜀0

E esse valor se aproxima de 𝑐 = 3 ∙ 108 𝑚/𝑠 (faça a conta, usando


𝜇0 = 4𝜋 ∙ 10−7 𝑇 ∙ 𝑚/𝐴 e 𝜀0 = 8,85 ∙ 10−12 𝐹/𝑚).

O que vamos ver agora são algumas relações nas ondas


eletromagnéticas.

27
A relação escalar entre o campo elétrico 𝑬 e o magnético 𝑩 é:

𝐸 = 𝑐𝐵

O sentido de propagação da onda é dado por:

𝐸⃗ × 𝐵

A onda eletromagnética pode ser descrita por ondas harmônicas de


campo elétrico e magnético (em vetor). Um exemplo é:

𝐸⃗ (𝑥, 𝑡) = 𝐸0 cos(𝑘𝑥 − 𝜔𝑡 + 𝛿) 𝑗̂

⃗ (𝑥, 𝑡) = 𝐵0 cos(𝑘𝑥 − 𝜔𝑡 + 𝛿) 𝑘̂
𝐵

𝜔
Em que a onda se propaga na direção positiva de 𝑥 com velocidade . A
𝑘
relação entre as duas é dada pelas fórmulas acima. Caso queira relembrar
o equacionamento desse tipo de onda, veja o resumo sobre ondas. Sugiro
ler as partes de onda progressiva, onda harmônica e onda estacionária.

O último tópico a ser abordado é o Vetor de Poynting. Ele é definido


como vetor de fluxo de energia, isto é, ele aponta na direção da
propagação da onda eletromagnética e é a intensidade instantânea da
onda. Ele é dado por:

𝐸⃗ × 𝐵⃗
𝑆=
𝜇0

28
Ele é um fluxo de energia por unidade de tempo e área. Na maioria das
vezes, devido à alta frequência das ondas eletromagnéticas, calculamos
a média do módulo do vetor de Poynting para obter intensidade média.

𝐼 =<𝑆 >

Sendo que a notação de < 𝑓 > é denominada média da grandeza 𝑓. Para


ondas senoidais ou cossenoidais, o valor médio é conhecido e dado por:

𝐸𝐵
𝐼=
2𝜇0

𝐸 1
E se ainda substituirmos 𝐵 por e 𝜇0 = , temos:
𝑐 𝑐 2 𝜀0

𝜀0 𝑐𝐸02
𝐼=
2

Todas as médias de funções relevantes serão fornecidas no formulário.

Observação: no exemplo das ondas harmônicas, sabemos que a


propagação ocorre em 𝑥 positivo porque era a coordenada descrita na
equação 𝑦(𝑥, 𝑦, 𝑧, 𝑡). Outras coordenadas, como 𝑦 e 𝑧 também poderiam
ser usadas, caso a propagação ocorresse em algum dos outros dois eixos.
Em propagação 3D, ao invés de número de onda 𝑘, usamos o vetor de onda
𝑘⃗ = 𝑘𝑥 𝑖̂ + 𝑘𝑦 𝑗̂ + 𝑘𝑧 𝑘̂ e o vetor posição 𝑟 = 𝑥𝑖̂ + 𝑦𝑗̂ + 𝑧𝑘̂ , e a equação de
onda ficaria:

𝑦(𝑥, 𝑦, 𝑧, 𝑡) = 𝐴 cos(𝑘⃗ ∙ 𝑟 − 𝜔𝑡 + 𝛿)

29
Lista de Exercícios

1. Força Magnética
Exercício 2, P2 2017

Uma espira quadrada de lado 𝑎, contida no plano 𝑥𝑦, é percorrida por


uma corrente 𝐼 no sentido horário, conforme a figura.

Na região onde se encontra a espira existe um campo magnético

⃗ (𝑦) = 𝐶 𝑘̂,
𝐵
𝑦

onde 𝐶 > 0 é uma constante.

a. Calcule a força magnética sobre os lados 1 e 3 da espira.


b. Calcule a força magnética sobre os lados 2 e 4 da espira.
c. Calcule a força resultante sobre a espira.

30
2. Força Magnética
Exercício 3, P2 2018

Uma espira é formada por dois segmentos de reta, de comprimento 𝑎 r u,


trecho semicircular de raio 𝑎, conforme ilustrado na figura. A espira está
sujeita a um campo magnético dado por 𝐵 ⃗ = 𝐶𝑖̂ e a corrente 𝐼 percorre a
espira no sentido indicado na figura.

a. Calcule o vetor força magnética sobre os segmentos retilíneos


horizontal e vertical.
b. Calcule o vetor força magnética sobre o trecho circular.
c. Determine o torque sobre a espira.

31
3. Campo Magnético
Exercício 3, P2 2018

Um circuito condutor é composto por dois fios retilíneos semi-infinitos e


uma parte circular, representados pelas linhas escuras, conforme
mostrado na figura abaixo. Ele está contido no plano 𝑥 − 𝑦 e conduz uma
corrente 𝐼 no sentido indicado. Para 𝑥 ≥ 𝑅 e 𝑦 ≥ 𝑅, os trechos são
retilíneos (fios semi-infinitos). Para 𝑥 < 𝑅 e 𝑦 < 𝑅, o condutor tem a
forma de três quartos de circunferência com raio 𝑅.

a. Calcule o vetor campo magnético 𝐵


⃗ na origem 𝑂 devido aos segmentos
lineares do fio.
b. Calcule o vetor campo magnético 𝐵 ⃗ na origem 𝑂 do sistema de
coordenadas devido à parte circular.
c. Determine o valor da integral ∮ 𝐵
𝐶
⃗ ⋅ 𝑑𝑙 ao longo do percurso 𝐶 indicado
na figura.

32
4. Lei de Biot-Savart
Exercício 2 II, P2 2015

A figura abaixo mostra um circuito formado por dois trechos


semicirculares de raios 𝑎 e 2𝑎 e dois trechos retos. Uma corrente 𝐼
percorre o circuito no sentido indicado na figura. Calcule o campo
magnético no ponto 𝑃.

33
5. Lei de Ampère
Exercício 4, P2 2017

Dois solenoides muito longos, coaxiais, cujo eixos coincidem com o eixo
𝑧, transportam, cada um, uma corrente 𝐼 porém com sentidos opostos,
como mostra a figura. O solenoide de raio 𝑎 tem 𝑛1 espiras por unidade
de comprimento e o de raio 𝑏 tem 𝑛2 espiras por unidade de
comprimento. Despreze efeitos de borda.

a. Determine o vetor 𝐵
⃗ para 0 < 𝑟 < 𝑎.
b. Determine o vetor 𝐵
⃗ para 𝑎 < 𝑟 < 𝑏.
c. Determine o vetor 𝐵
⃗ para 𝑟 > 𝑏.

34
6. Lei de Ampère e Materiais Magnéticos
Exercício 3, P2 2015

A figura abaixo mostra uma bobina toroidal com 𝑁 espiras bem


compactadas. Uma corrente 𝐼 percorre o enrolamento desta bobina.

a. Calcule o módulo do campo magnético 𝐵 em um ponto 𝑃 no interior da


bobina, a uma distância 𝑅 do seu eixo, quando a bobina é constituída só
pelo enrolamento (núcleo de ar). Lembre-se que, para o magnetismo, o ar
é praticamente indistinguível do vácuo.
b. Calcule a relação entre as correntes 𝐼 e 𝐼𝐹𝑒 na bobina com núcleo de ar
(𝐾𝑚 ≈ 1) e com núcleo de ferro (𝐾𝑚 = 1400), respectivamente, que
produzem o mesmo campo magnético 𝐵 no ponto 𝑃.
c. Calcule a suscetibilidade do alumínio se com o núcleo de alumínio e
mesma corrente o campo magnético no ponto 𝑃 passa a ser 1,00002 do
valor do ar. Como se designa esse elemento segundo sua propriedade
magnética?

35
7. Lei de Faraday-Lenz
Exercício 1, P3 2018

Uma barra condutora vertical de comprimento 𝐿 sob a ação de uma força


externa 𝐹𝑒𝑥𝑡 se move na horizontal, com velocidade constante 𝑣 = −𝑣𝑖̂,
deslizando sem atrito sobre 2 condutores paralelos fixos, formando um
circuito fechado com uma terceira barra fixa de resistência 𝑅.
Simultaneamente, um fio horizontal infinito está paralelo aos dois
condutores e a uma distância 𝑎 do condutor mais próximo. Por este fio
passa uma corrente constante 𝐼 no sentido negativo do eixo 𝑥. Sabendo
que o módulo do campo magnético produzido por um fio com corrente 𝐼
𝜇0 𝐼
a uma distância 𝑟 é dado por 𝐵 = , determine:
2𝜋𝑟

a. O módulo da força eletromotriz induzida no circuito.


b. O sentido da corrente induzida no circuito e justifique sua resposta.
c. Determine o vetor força externa 𝐹𝑒𝑥𝑡 , em termos dos parâmetros
geométricos do problema e demais dados do enunciado.

36
8. Lei de Faraday-Lenz e Indutância Mútua
Exercício 1, P3 2017

Um circuito com resistência 𝑅, contido no plano 𝑥𝑦, é constituído por dois


arcos de circunferência com raios 𝑟1 e 𝑟2 e por dois segmentos retos. Este
circuito envolve um solenoide muito longo, com eixo paralelo ao eixo 𝑧, 𝑛
espiras por unidade de comprimento e raio 𝑟 tal que 2𝑟 < 𝑟2 − 𝑟1 ,
conforme a figura. Pelo solenoide passa uma corrente 𝐼𝑠 que flui no
𝑑𝐼𝑠
sentido anti-horário. 𝐼𝑠 cresce com o tempo com taxa 𝛽 = > 0.
𝑑𝑡
Desprezando efeitos de borda, a intensidade do campo magnético no
interior do solenoide é 𝐵 = 𝜇0 𝑛𝐼𝑠 .

a. Calcule o fluxo do campo do solenoide através do circuito.


b. Calcule o coeficiente de mútua indutância entre o solenoide e o
circuito.
c. Calcule o sentido (horário ou anti-horário) e a magnitude da corrente 𝐼
induzida no circuito.

37
9. Autoindutância
Exercício 2 Parte I, P3 2018

Considere um solenoide ideal de 𝑁 espiras, raio 𝑅 e comprimento 𝐻 ≫ 𝑅,


transportando uma corrente 𝐼 no sentido indicado pela figura abaixo. O
campo magnético em seu interior é dado por 𝐵 ⃗ = 𝜇0 𝑁𝐼 𝑧̂ .
𝐻

a. Determine a autoindutância do solenoide.


b. Considere agora a corrente elétrica variável no tempo 𝐼(𝑡) = 𝑎𝑡, sendo
𝑎 > 0 uma constante. Determine o vetor campo elétrico induzido nas
regiões 𝑟 < 𝑅 (dentro do solenoide) e 𝑟 > 𝑅 (fora do solenoide).

38
10. Corrente de Deslocamento
Exercício 2, P3 2017

Em uma casca cilíndrica de comprimento infinito, raio 2𝑎 e coaxial com o


eixo 𝑧, passa uma corrente 𝐼, uniformemente distribuída, que flui no
sentido de 𝑧 negativo. No interior desta casca cilíndrica existe uma região
cilíndrica (região cinza na figura) também de comprimento infinito, raio 𝑎
e coaxial com o eixo 𝑧 onde há um campo elétrico uniforme 𝐸⃗ (𝑡) = 𝐾𝑡𝑘̂,
onde 𝐾 é uma constante positiva e 𝑡 é o tempo.

a. Desconsiderando a casca cilíndrica por onde passa corrente, calcule o


vetor campo magnético em todo o espaço (regiões 𝑟 < 𝑎 e 𝑟 > 𝑎, onde 𝑟
é distância ao eixo 𝑧).
b. Determine o vetor campo magnético devido somente à corrente que
passa pela casca cilíndrica em todo o espaço.
c. Calcule o valor da corrente 𝐼 para que o campo magnético seja nulo
para 𝑟 > 2𝑎.

39
11. Corrente de Deslocamento e Equações de Maxwell
Exercício 2, P3 2016

a. Um capacitor de placas paralelas circulares, no vácuo, está sendo


carregado, como indica a figura abaixo. As placas têm raio 𝑅 e a corrente
de condução nos fios no instante 𝑡 é igual a 𝐼(𝑡).

Calcule o campo magnético no ponto 𝑃 a uma distância 𝑎 < 𝑅 do eixo do


capacitor, conforme a figura.

𝜎
Dado: o campo elétrico dentro do capacitor é 𝐸 = , onde σ é a
𝜀0
densidade superficial de carga.

b. O campo elétrico de uma onda que se propaga no vácuo é dado por


2
𝐸⃗ = 𝐸0 𝑒 −𝛼(𝑥−𝑐𝑡) 𝑗̂, onde a constante 𝛼 > 0. Use a lei de Faraday,

⃗∇ × 𝐸⃗ = − 𝜕𝐵, para calcular o campo vetorial 𝐵
⃗ desta onda.
𝜕𝑡

40
12. Equações de Maxwell
Exercício 2 Parte 2, P3 2018

Considere um sistema cujos vetores campo elétrico e magnético são


dados por 𝐸⃗ = (𝐸𝑥 , 𝐸𝑦 , 𝐸𝑧 ) = (ℎ𝑥 + 𝑝𝑥𝑦𝑡, 0,0) e 𝐵
⃗ = (𝐵𝑥 , 𝐵𝑦 , 𝐵𝑧 ) =
(𝑎𝑦, 0, 𝑏𝑥𝑡 2 ), respectivamente onde ℎ, 𝑝, 𝑎, 𝑏 são constantes e (𝑥, 𝑦, 𝑧)
denotam coordenadas cartesianas. Usando as equações de Maxwell,
determine:

a. A densidade de carga do sistema.


b. O vetor densidade de corrente 𝐽 do sistema.

13. Ondas Eletromagnéticas


Exercício 3, P3 2018

O campo magnético de uma onda eletromagnética se propagando no


vácuo é dado por 𝐵 ⃗ = 𝐵0 sin[𝑘 (𝑥 + 𝑐𝑡)] 𝑧̂ . Expresse suas respostas
apenas em termos de dados do problema e constantes universais.

a. Determine o vetor campo elétrico desta onda. Justifique sua resposta


por meio de um esquema gráfico dos vetores pertinentes.
b. Determine o vetor de Poynting desta onda.
c. Determine a energia total transportada pela radiação através de uma
área 𝐴 perpendicular à frente de onda durante um intervalo de tempo
igual a 4 vezes o período da onda.

41
14. Ondas Eletromagnéticas
Exercício 3, P3 2016

Uma onda eletromagnética plana monocromática de comprimento de


onda 𝜆 propaga-se no vácuo no sentido positivo do eixo 𝑧. Seu campo
elétrico oscila na direção 𝑥 e sua amplitude assume metade do seu valor
máximo 𝐸0 na origem do sistema de coordenadas no instante 𝑡 = 0. Nos
itens a e b abaixo, expresse suas respostas em termos de 𝐸0 , 𝑐, 𝜇0 e 𝜆.

a. Escreva as expressões dos vetores campo elétrico e campo magnético


associados a esta onda.
b. Calcule o vetor de Poynting.
c. No instante 𝑡 = 0, um elétron de carga 𝑞𝑒 está passando pela origem
do sistema de coordenadas com velocidade 𝑐/2, na direção e sentido do
eixo 𝑧. Calcule o vetor força que age sobre o elétron em 𝑡 = 0 devido a
essa onda.

42
Gabarito

1.
𝐼𝐶𝑎 𝐼𝐶𝑎
a. ⃗⃗⃗⃗⃗
𝐹1 = 𝑗̂ e ⃗⃗⃗⃗⃗
𝐹3 = − 𝑗̂
𝑏 𝑎+𝑏
𝑎+𝑏
b. 𝐹2
⃗⃗⃗⃗⃗ = −𝐹4
⃗⃗⃗⃗⃗ = 𝐼𝐶𝑙𝑛 ( ) 𝑖̂
𝑏
𝐼𝐶𝑎2
c. 𝐹𝑟𝑒𝑠𝑢𝑙𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒 = 𝑗̂
𝑏(𝑎+𝑏)

2.
a. 𝐹1 = ⃗0 e 𝐹2 = 𝐼𝑎𝐶 𝑘̂
b. 𝐹3 = −𝐼𝑎𝐶 𝑘̂
𝜋
c. 𝜏 = −𝐼𝑎2 𝐶 (1 − ) 𝑗̂
4

3.
𝐼 𝑅2 𝐼 𝑅1
a. 𝐼1 = e 𝐼2 =
𝑅1 +𝑅2 𝑅1 +𝑅2
𝜇0 𝐼 𝑅1 −𝑅2
b. ⃗⃗⃗⃗
𝐵𝑜 = ( ) 𝑘̂ ]
4𝑎 𝑅1 +𝑅2

⃗ 𝑃 = 𝜇0 𝐼 𝑘̂
4. 𝐵
8𝑎

5.
⃗ = 𝜇0 𝐼(𝑛2 − 𝑛1 )𝑘̂
a. 𝐵
⃗ = 𝜇0 𝐼𝑛2 𝑘̂
b. 𝐵
c. 𝐵
⃗ = ⃗0

43
6.
𝜇0 𝑁𝐼
a. 𝐵(𝑅 ) =
2𝜋𝑅
𝐼
b. = 𝐾𝑚 = 1400
𝐼𝐹𝑒
c. 𝑚 = 0,00002 e o alumínio é paramagnético.

7.
𝜇0 𝐼𝑣 𝑎+𝐿
a. |𝜀𝑖𝑛𝑑 | = ln ( )
2𝜋 𝑎
b. Sentido horário
𝜇02 𝐼 2 𝑣 𝑎+𝐿 2
c. 𝐹𝑚 = [ln ( )] , para a esquerda
4𝜋2 𝑅 𝑎

8.
a. Φ𝑚 = 𝜇0 𝑛𝐼𝜋𝑟 2
b. 𝑀 = 𝜇0 𝑛𝜋𝑟 2
𝜇0 𝑛𝛽𝜋𝑟 2
c. 𝐼 = , no sentido horário
𝑅

9.
𝜇0 𝑁2 𝜋𝑅 2
a. 𝐿 =
𝐻
𝜇 𝑁 𝜇 𝑁𝑅 2
b. 𝐸⃗ (𝑟) = − 0 𝑎𝑟𝜑̂ (dentro do solenoide), 𝐸⃗ (𝑟) = − 0 𝑎𝜑̂ (fora do
2𝐻 2𝐻𝑟
solenoide)

10.
𝜇0 𝜀0 𝐾𝑟
𝜃̂ , 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑟 < 𝑎
2
a. 𝐵
⃗ (𝑟) = {𝜇 𝜀 𝐾𝑎2
0 0
𝜃̂ , 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑟 > 𝑎
2𝑟

44
⃗0, 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑟 < 2𝑎
b. 𝐵
⃗ (𝑟) = { 𝜇0 𝐼
− 𝜃̂ , 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑟 > 2𝑎
2𝜋𝑟
c. 𝐼 = 𝜀0 𝐾𝑎 𝜋 2

11.
𝜇0 𝑎𝐼
a. 𝐵 =
2𝜋𝑅 2
𝐸0 −𝛼(𝑥−𝑐𝑡)2
b. 𝐵
⃗ = 𝑒 𝑘̂
𝑐

12.
a. 𝜌 = 𝜀0 (ℎ + 𝑝𝑦𝑡)
𝑏𝑡 2 𝑎
b. 𝐽 = (−𝜀0 𝑝𝑥𝑦, − ,− )
𝜇0 𝜇0

13.
a. 𝐸⃗ = −𝑐𝐵0 sin[𝑘(𝑥 + 𝑐𝑡)] 𝑗̂
𝑐𝐵02
b. 𝑆 = − sin2 [𝑘(𝑥 + 𝑐𝑡)] 𝑖̂
𝜇0
4𝜋𝐴𝐵02
c. 𝑈 =
𝜇0 𝑘

14.
2𝜋 𝜋
⃗ = 𝐸0 cos [2𝜋 (𝑧 − 𝑐𝑡) + 𝜋] 𝑗̂
a. 𝐸⃗ = 𝐸0 cos [ (𝑧 − 𝑐𝑡) + ] 𝑖̂ e 𝐵
𝜆 3 𝑐 𝜆 3
𝐸02 2 2𝜋 𝜋
b. 𝑆 = cos [ (𝑧 − 𝑐𝑡) + ] 𝑘̂
𝑐𝜇0 𝜆 3
𝑞𝑒 𝐸0
c. 𝐹 = 𝑖̂
4

45

Você também pode gostar