Você está na página 1de 97

PEDRO BANDEIRA

CARLOS EDGARD HERRERO

ILUS T RAÇ ÕES OPENT HEDOOR


NO ANT IGO PAÍS DA IMAGINAÇÃO HORROROSA,
EXIST EM LOBISOMENS.

LÁ É SEMPRE NOIT E E A LUA É SEMPRE CHEIA


PARA QUE OS LOBISOMENS FIQUEM SEMPRE
ASSUSTADORES.
POR QUE ASSUSTADORES?
PORQUE OS LOBISOMENS FORAM INVENTADOS

NO PAÍS DA IMAGINAÇÃO HORROROSA SÓ PARA


ASSUSTAR AS CRIANÇAS.
DO JEIT O QUE ELES FORAM INVENTADOS,
MORAM EM CASAS FEIAS, ESCURAS, DESPENCADAS E
APAVORANT ES.
E FICAM UIVANDO O T EMPO T ODO PARA A LUA
CHEIA, À ESPERA DO MOMENT O DE PREGAR SUST OS
NAS CRIANÇAS QUE ACREDITAM EM LOBISOMENS
ASSUSTADORES.
COMO T ODO MUNDO, O LOBISOMEM T EM UMA
FAMÍLIA.

MAS NÃO É UMA FAMÍLIA COMO A SUA.


ELE É CASADO COM A LOBISMULHER E JÁ T EM
UMA LOBISMENINA, TAMBÉM MUIT O FEIA, PELUDA E
ASSUSTADORA.
A DONA LOBISMULHER ESTAVA DE BARRIGA
GRANDE E VIVIA FAZENDO T RICÔ PARA O NOVO BEBÊ
QUE IA NASCER.

SÓ USAVA LÃ ESCURA, CINZENTA E ROXA, PARA


FAZER CASAQUINHOS E SAPAT INHOS.
E FAZIA T UDO BEM MALFEIT O, PARA AS ROUPAS DO
BEBÊ SAÍREM BEM FEIAS, POIS ROUPA DE LOBISOMEM
T EM SEMPRE DE SER FEIA E DESPENCADA.
PASSOU UM T EMPO E NASCEU LOBISBEBÊ.
SEU LOBISOMEM E DONA LOBISMULHER FICARAM

CONT ENT ES E NEM SE IMPORTARAM COM A


CARINHA DO LOBISBEBÊ, QUE NÃO ERA T ÃO FEIA E
PELUDA COMO DEVIA SER.
DONA LOBISMULHER TAMBÉM NÃO ACHOU
EST RANHO QUANDO DESCOBRIU QUE LOBISBEBÊ
GOSTAVA DE T OMAR LEIT E NA MAMADEIRA, E NÃO
SUCO DE PIMENTA BEM ARDIDA, COMO T ODOS OS
LOBISBEBÊS.
COMO AINDA ERA MUIT O PEQUENO, LOBISBEBÊ
FICAVA EM CASA QUANDO SEUS PAIS E SUA IRMÃ IAM
ASSUSTAR AS PESSOAS.
UM DIA, LOBISBEBÊ ESTAVA SOZINHO EM CASA.
COMO ERA MUIT O ESPERT O, CONSEGUIU SAIR DO

BERÇO E FOI ENGAT INHANDO PARA O JARDIM.


O JARDIM DA CASA DE SEU LOBISOMEM ERA FEIO,
ESCURO E CHEIO DE PRAGAS, COMO DEVEM SER OS
JARDINS DOS LOBISOMENS.
LOBISBEBÊ FOI ENGAT INHANDO, ENGAT INHANDO,
AT É FICAR BEM LONGE DE CASA.
COMO ERA DIFERENT E O MUNDO LONGE DO PAÍS
DA IMAGINAÇÃO HORROROSA!
NÃO ERA NOIT E ET ERNA, NEM T INHA A LUA DOS
LOBISOMENS.

O SOL BRILHAVA E ILUMINAVA T UDO!


HAVIA ÁRVORES, FLORES E PÁSSAROS!
NADA ERA ESCURO, CHEIO DE PRAGAS E

DESPENCADO COMO NA CASA ONDE ELE HAVIA


NASCIDO.
POR ENT RE AS ÁRVORES, LOBISBEBÊ VIU CRIANÇAS
BRINCANDO COM UNS BICHOS ENGRAÇADOS
E PELUDINHOS COMO ELE, MAS UM POUCO
DIFERENT ES.
OS BICHOS PULAVAM EM T ORNO DAS CRIANÇAS,
RECEBIAM CAFUNÉS NO PELO E GANHAVAM
BISCOIT OS QUE PARECIAM DELICIOSOS.

NA MESMA HORA, LOBISBEBÊ DESCOBRIU QUE ERA


AQUELA A VIDA QUE ELE QUERIA T ER.

ELE QUERIA SER UM DAQUELES BICHOS E VIVER


PARA SEMPRE BRINCANDO COM AS CRIANÇAS, SEM
ASSUSTAR NINGUÉM.
PENSOU E LÁ FOI ELE, ENGAT INHANDO PELO
GRAMADO, COM A LINGUINHA DE FORA, COMO
AQUELES BICHOS FAZIAM.

VOCÊ JÁ ADIVINHOU QUE OS TAIS BICHOS ERAM


CACHORROS, NÃO É?
ACONT ECE QUE O LOBISBEBÊ ERA T ÃO BOBINHO
QUE NEM SABIA O QUE É UM CACHORRO.

VAI VER AQUELAS CRIANÇAS E AQUELES BICHOS


ERAM DO T IPO QUE ACREDITAM EM LOBISOMEM.
E, LOGO QUE VIRAM O POBREZINHO DO LOBISBEBÊ
CHEGANDO, FELIZ DA VIDA, SACUDINDO O RABINHO,
T ODOS FUGIRAM CORRENDO...
COITADO DO LOBISBEBÊ!
FICOU SOZINHO NO GRAMADO, SEM SABER

POR QUE T ODOS T INHAM FUGIDO DELE, E COM


VONTADE DE CHORAR...
LOBISBEBÊ FOI ENGAT INHANDO DESCONSOLADO
PELA GRAMA.
AOS POUCOS, SENT IU QUE AQUELE SOL
GOST OSINHO NÃO MAIS AQUECIA SEUS PELOS E QUE
A NOIT E CHEGAVA.
QUE HORROR!

S E RÁ Q UE T AM B É M AQ UE L E L UGAR T ÃO L I N D O
T I N H A S E T RAN S F O RM AD O N O PAÍ S D A I M AGI N AÇ ÃO
H O RRO RO S A?
UMAS LUZES EST RANHAS ACENDERAM-SE NA
PONTA DE PAUS COMPRIDOS.

ISSO PORQUE LOBISBEBÊ NUNCA T INHA VIST O UM


POST E ANT ES.
E JUSTAMENT E DEBAIXO DE UMA DAQUELAS LUZES,
SENTADINHA NA CALÇADA, ESTAVA UMA MENINA.
E A MENINA CHORAVA COMO O LOBISBEBÊ.
PENDURADA ENT RE DOIS POST ES, HAVIA UMA
FAIXA DE PANO, ONDE ESTAVA ESCRIT O:
LOBISBEBÊ NÃO SABIA LER O QUE ESTAVA ESCRIT O,
MAS T INHA ENT ENDIDO QUE AQUELA MENINA
ESTAVA T RIST E. T RIST E COMO ELE.
E RESOLVEU APROXIMAR-SE DELA, AINDA COM MEDO
DE QUE ELA FUGISSE CORRENDO, COMO OS OUT ROS.

COM O ROST O ESCONDIDO ENT RE AS MÃOS, A


MENINA NÃO PERCEBEU A APROXIMAÇÃO DO LOBISBEBÊ.
MAS SENT IU QUANDO O PEQUENO LOBISOMEM
COMEÇOU A LAMBER-LHE AS MÃOS...
NINGUÉM SABE DIREIT O O QUE A MENINA PENSOU.

NINGUÉM SABE SE O CACHORRINHO PERDIDO ERA


PARECIDO COM LOBISBEBÊ.
MAS O CERT O É QUE A MENINA ABRAÇOU O
PEQUENO LOBISOMEM, DO JEIT O QUE ELE QUERIA
SER ABRAÇADO.
DESSE DIA EM DIANT E, LOBISBEBÊ ENCONT ROU A
VIDA COM QUE ELE SONHAVA.

T ORNOU-SE O CACHORRINHO DE EST IMAÇÃO DA


MENINA E NINGUÉM MAIS FUGIU DELE.
LOBISBEBÊ T INHA ENCONT RADO O PAÍS DA
IMAGINAÇÃO MARAVILHOSA!
PORQUE AGORA ELE VIVE JUNT O DE UMA CRIANÇA
COMO VOCÊ!
Meu nome é Pedro Bandeira. Nasci em Santos em 1942 e mudei-me  para São Paulo em 1961. Cursei Ciências Sociais e desenvolvi divers
publicidade e ao jornalismo. A partir de 1972,  comecei a publicar pequenas histórias para crianças em publicações  de banca, até, desde 1983
literatura  para crianças e adolescentes. Sou casado, tenho três lhos e umaporção de netinhos.

Meu nome é Carlos Edgard Herrero. Nasci e sempre vivi em São  Paulo. Cursei Belas Artes e artes plásticas. Especializei-me em histórias  e
mais diversas faixas etárias e z  quadrinhos para Walt Disney durante 16 anos. Tenho um pequeno  estúdio de publicidade e design e continu
o que mais gosto na área editorial. Sou viúvo e tenho uma  lha jornalista.

O pequeno lobisomem é a história do Lobisbebê, que nós resolvemos contar, porque ninguém  acha justo isso de car inventando monstros h
pessoas inventaram um monstro que chamaram Lobisomem, por que não inventaram  também uma Lobismulher, uma Lobismenina e até um
que o Lobisomem não pode? E, se os lhinhos dos humanos são sempre fo nhos  e usam fraldas, por que os bebês do lobisomens deveriam
Lobisbebê, um bichinho tão fofo, que qualquer criança gostaria de pôr no colo e  fazer cafuné nos seus pelinhos!
© Pedro Bandeira, Carlos Edgard Herrero
1ª edição 1998
1ª edição digital 2012
ISBN 978-85-16-08603-9
Ilustrações: Openthedoor
Reprodução proibida. Art. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Todos os dire
Editora Moderna Ltda.
Rua Padre Adelino, 758 - Belenzinho
São Paulo - SP - Brasil - CEP 03303-904
Atendimento: tel. (11) 2790 1258 e fax (11) 2790 1393

http://www.modernaliteratura.com.br