Você está na página 1de 61

Diário Oficial

SUPLEMENTO ESPECIAL AO Nº 185 SEXTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 1986 BRASÍLIA – DF

Presidência da República

DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

ANTEPROJETO CONSTITUCIONAL, elaborado oportunidade de proferir por ocasião da entrega do


pela Comissão Provisória de anteprojeto da Comissão Provisória de Estudos
Estudos Constitucionais, instituída pelo Constitucionais. Ao Ministério da Justiça, para os fins
Decreto nº 91.450, de 18 de julho de 1985. "Publique- previstos no Decreto nº 91.450, de 18 de julho de 1985. Em
se, inclusive com as palavras que tive a 24 de setembro de 1986."

Palavras do Presidente da República

O Brasil cumpre hoje mais uma etapa de seu A contribuição que para este fim esperava o
processo de restauração democrática. O relatório da Governo da Comissão, aí está.
Comissão Provisória de Estudos Constitucionais é muito O aproveitamento de ricas sugestões
mais do que uma proposta. É um acervo de contribuições será obra da Constituinte em sua indelegável
para a reflexão dos futuros integrantes da Assembléia soberania.
Nacional Constituinte. Este documentário contém inovações Se quisermos ser uma grande Nação, teremos que
e encerra, além da contribuição pessoal do Presidente ser uma grande democracia. Mas só seremos uma grande
Afonso Arinos de Melo Franco, nos seus ricos e fecundos democracia, no dia em que tivermos um pacto que, acima
cinqüenta anos de vasta experiência e larga erudição, dos homens, das facções e dos partidos, faça de nossa
sugestões dos mais diversos setores da sociedade brasileira. estrutura política a convivência pacífica de todos os
A Nação deve um preito de reconhecimento a todos brasileiros, regidos por instituições livres, estáveis,
os ilustres membros da Comissão que, com dedicação e respeitáveis e duradouras.
conhecimento, permitiram que chegássemos a este O trabalho ora concluído expressa o devotamento
quadragésimo aniversário da Constituição de 46, e o espírito público da Comissão que elaborou a
reiniciando o incessante caminho da busca de um novo proposta hoje entregue ao Poder Executivo. Ela reuniu
modelo institucional para o País. algumas das maiores expressões do pensamento
Entre a última Comissão Constitucional presidida brasileiro.
por Afrânio de Melo Franco, essa exemplar figura de Muito fica a dever o País à capacidade, ao zelo
devotamento ao Brasil, e a que hoje encerra seus intelectual, à enorme erudição e aos profundos
trabalhos, presidida por seu filho, vivemos mais de meio conhecimentos desse exemplo de dignidade da vida
século de crises políticas, econômicas, institucionais e pública brasileira, que é Afonso Arinos de Melo Franco,
sociais. Vivemos quase que permanentemente que emprestou o brilho de sua inteligência e o amor de
mergulhados no que ousaria chamar de crise de nossa sua devoção ao Brasil, à cátedra universitária, ao
própria identidade e de nossas inquietações cívicas. jornalismo, à política, à diplomacia, ao direito, à
Muitas dessas inquietações e das incertezas com História, à crítica literária e à ciência política, com o
que costumamos encarar o nosso próprio futuro como mesmo entusiasmo com que, convocado pelo Governo,
Nação estão seguramente refletidas nos trabalhos que hoje no vigor de seus 81 anos e na lucidez de sua
recebo das mãos do Presidente da Comissão. inteligência, não se eximiu de prestar mais este grande
Elas não se esgotam no modelo teórico que serviço à Nação.
imaginamos, para que possamos aparelhar o Estado, Dele se pode dizer o que afirmou Rui Barbosa, no
organizar a economia, disciplinar o Governo e consolidar os trecho da Oração aos Moços, que ele mesmo escolheu
direitos dos cidadãos. para servir de epígrafe a uma das partes do livro que é,
Temos que nos deter no exame de nosso próprio ao mesmo tempo, demonstração de carinho filial e
passado e tirar de nossa História as lições que hão de exemplo da historiografia política brasileira que é o
servir para balizar o nosso futuro. estadista da República: "Tenho o consolo de haver dado
Mas a obra do futuro não pode ser apenas essa a meu País tudo o que me estava ao alcance: a
projeção do passado. Deve ser também, e deve ser sobretudo, desambição, a pureza, a sinceridade, os excessos de
o resultado do esforço de aprimoramento que temos de atividade incansável com que, desde os tempos
empreender no presente. Agora. E é isto que estamos fazendo acadêmicos, o servi".
quando, a pouco menos de dois meses do pleito de novembro, Afonso Arinos, mestre de tantas gerações, deu tanto
recebemos esse documento tão importante. quanto Rui ao Brasil.
2 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

O preito de gratidão com que o Governo acaba Assembléia Nacional Constituinte com a
de lhe conceder a Ordem Nacional do Mérito, um solidariedade do Congresso Nacional.
tributo a essa vida cheia de exemplos, é, ao mesmo "O que faz a autenticidade das Constituições
tempo, uma homenagem de seus colegas de não é a forma de convocar-se o Colégio Constituinte:
Comissão e um reconhecimento aos que o ajudaram é a submissão do texto fundamental à vontade e à fé
nessa tarefa histérica de que podemos nos orgulhar, dos cidadãos. Essa vontade e essa fé, para que se
na medida em que daqui partimos para dar à manifestem, reclamam discussão, como reclamam
democracia brasileira a dimensão duradoura com recolher e codificar a reflexão que ela provoque.
que Tancredo Neves, seu conterrâneo, sonhou dotar Encontram-se aqui alguns dos mais ilustres e
a Nova República. honrados cidadãos deste País. Sou responsável pela
Mestre Afonso Arinos disse que é necessária a escolha deste grupo, e fico feliz em lhes dizer que
grande mudança, afirmando: não foi fácil a decisão. O Brasil dispõe de milhares
"Ou será muito em breve ou não será". de homens e mulheres capazes de interpretar o
Com determinação, eu afirmo: sentimento do povo, e ter-se à razão do povo, e de
será. servir com alegria ao Povo.
Muito obrigado a todos os membros da "A Comissão não substituirá o Congresso nem
Comissão. substituirá o povo. Será, na verdade, uma ponte de
"Eles não se reunirão para ditar aos alguns meses entre a gente brasileira e os
Constituintes que textos devem aprovar ou não. Eles representantes que ela elegerá. Servira como uma
irão reunir-se para ouvir a Nação, discutir com o área de discussão livre e informal das razões
Povo as suas aspirações, estimular a participação da nacionais, submetendo ao debate público teses
cidadania no processo de discussão da natureza e básicas quanto ao Estado, à sociedade e à nação."
fins do Estado, e estimulá-la a escolher bem os
Delegados Constituintes. JOSÉ SARNEY
"É singular a situação histórica em que nos
encontramos. Mas todas as situações históricas são (Palavras do Presidente ao instalar-se, no dia
singulares. O tempo perece e renasce a cada 3 de setembro de 1985, a Comissão Provisória de
segundo; e em cada segundo perecem e nascem as Estudos Constitucionais)
circunstâncias polÍticas. A lei deve ser a organização social da
"Sem uma ruptura do Estado – e devemos Liberdade
dar graças a Deus por tê-la evitado – não
nos cabia outra saída que a de convocar a TANCREDO NEVES
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 3

Anteprojeto Constitucional

Este trabalho, documento redigido por Praza a Deus que este Papel sirva à Cidadania,
homens comuns, resume a Esperança e a no amplo debate que a convocação da Assembléia
Fé de nosso Povo. Esta Fé e esta Esperança, Nacional Constituinte abriu à Nação, e contribua para o
como expressões fortes e afirmadoras, têm encontro de uma ordem constitucional digna dos que
seu chão em uma realidade povoada de lutaram para a reconquista do regime democrático.
espantos. Ao entregá-lo, os Membros da Comissão
Somos, como povo, e em nosso Provisória de Estudos Constitucionais agradecem a
distinção que mereceram e asseguram ao
tempo, o medo e a coragem que o vence; a
Excelentíssimo Senhor Presidente da Republica os
miséria e a ostentação que a humilha; as
votos de felicidade pessoal e de êxito na Chefia do
enfermidades que nos dizimam e o amor que nos Estado.
multiplica. Em cada homem e em cada mulher
deste povo há um herói que não se sabe herói, e Brasília, 18 de Setembro de 1986.
que, no círculo do cotidiano, vive as mais
duras sagas, decifra os enigmas e doma as MEMBROS DA COMISSÃO DE ESTUDOS
esfinges. CONSTITUCIONAIS
Dele recolhemos a ira dos injustiçados e a
AFONSO ARINOS DE MELO JOAQUIM DE ARRUDA FALCÃO
inteligência dos criadores, o conselho sereno dos FRANCO NETO
céticos e as iluminadas rotas da Utopia dos ALBERTO VENÂNCIO FILHO JORGE AMADO
ANTONIO ERMÍRIO DE MORAES JOSAPHAT RAMOS MARINHO
visionários. BARBOSA LIMA SOBRINHO JOSÉ AFONSO DA SILVA
Depois de ouví-lo, cabe-nos sugerir a BOLÍVAR LAMOUNIER JOSÉ ALBERTO DE ASSUMPÇÃO
CANDIDO ANTONIO MENDES DE JOSÉ FRANCISCO DA SILVA
construção de um Estado que responda à vontade ALMEIDA
expressa nas ruas, naqueles meses densos de CELSO FURTADO JOSÉ MEIRA
CLÁUDIO PACHECO JOSÉ PAULO SEPÚLVEDA
emoção, em que se consolidou, na bravura e na PERTENCE
alegria, no sacrifício e na ternura, a transição CLÁUDIO PENNA LACOMBE JOSÉ SAULO RAMOS
CLÓVIS FERRO COSTA LAERTE RAMOS VIEIRA
democrática. CRISTOVAM RICARDO LUÍS EULÁLIO DE BUENO
O povo quer que a Nação se erga, CAVALCANTI BUARQUE VIDIGAL FILHO
EDGAR DE GODOI DA MATA- LUÍS PINTO FERREIRA
orgulhosa, sobre os alicerces e pilares da MACHADO
honra. Para isso, em cartas, em memoriais de EDUARDO MATTOS PORTELLA MÁRIO DE SOUZA MARTINS
EVARISTO DE MORAES FILHO MAURO SANTAYANA
petição, nos encontros, nos debates, na FAJARDO JOSÉ PEREIRA FARIA MIGUEL REALE
imprensa, ele nos instou a que propuséssemos PADRE FERNANDO BASTOS DE MIGUEL REALE JÚNIOR
ÁVILA
uma ordem jurídica aberta, um sistema FLORIZA VERUCCI ODILON RIBEIRO COUTINHO
democrático de Direito e modernos instrumentos GILBERTO DE ULHOA CANTO ORLANDO M. DE CARVALHO
GILBERTO FREYRE PAULO BROSSARD DE SOUZA
de administração política. PINTO
A Nação, fatigada dos desencontros, deseja REVERENDO GUILHERMINO RAPHAEL DE ALMEIDA
CUNHA MAGALHÃES
a Paz que se assente na Liberdade e na Justiça, HELIO JAGUARIBE RAUL MACHADO HORTA
e seja garantida por instituições fortes e HELIO SANTOS ROSAR RUSSOMANO
HILTON RIBEIRO DA ROCHA SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA
duradouras. JOÃO PEDRO GOUVEA VIEIRA WALTER BARELLI
4 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Preâmbulo

Nós, representantes do Povo Brasileiro, De tudo isso resulta necessária a efetivação dos
reunidos sob a proteção de Deus em Assembléia seguintes requisitos: direito da criança e do adulto à
Nacional Constituinte, proclamamos a necessidade educação, à formação profissional e à cultura; o acesso
de oferecer ao nosso País uma Constituição que, ao de todos à saúde, o direito ao trabalho, ao repouso e ao
termo do primeiro século do regime republicano, lazer; a eliminação de qualquer discriminação de raça,
supere as causas das suas experiências negativas e cor, sexo, língua, religião, opinião política, origem
assegure à Nação uma era contínua de Paz, nacional ou social; riqueza, nascimento; proteção e
Liberdade, Segurança Pessoal, Bem-Estar e amparo à família, sendo dever do Estado prover à
Desenvolvimento, decorrentes da aplicação de coesão e estabilidade; proteção à personalidade e aos
princípios políticos, econômicos e sociais adequados direitos dos grupos tribais indígenas; preservação de
à nossa formação nacional e, como estes, nosso patrimônio natural e cultural.
historicamente em evolução progressista. Ao encerrar um período de contradições e
Na Ordem Internacional, o Brasil, sem desrespeito à identidade, à liberdade e à justiça
descurar da defesa da sua Soberania, persevera na devidas ao nosso Povo, a Constituição apaga
tradicional política de Paz em obediência às normas quaisquer resquícios de passadas lutas, para que o
do Direito, do respeito aos tratados, da colaboração Estado se torne instrumento de união política, dentro
com as Nações Unidas em todas as iniciativas que da pluralidade social, justa e fraterna.
visem à Tranqüilidade e à Segurança dos Povos, ao Elaborada por uma Assembléia Constituinte
emprego de meios pacíficos para a solução das livre, soberana e de poder construtivo ilimitado,
controvérsias, aos bons ofícios para evitar crises segundo a tradição democrática de 1891, 1934 e
entre as Nações, mantendo, assim, a secular 1946, enriquecida por milhares de contribuições
tradição jurídica e diplomática que assegurou ao diretas do povo, provindas de todo o País, bem como
Brasil a aquisição e permanência de seu território. pelo trabalho de entidades profissionais e culturais e
Na Ordem Interna, o Brasil pratica o Estado de uma Comissão do Governo, apoiada em meditada
Democrático, por via de um regime social, justo, experiência e animadoras esperanças, a
fraternal, representativo e participativo, conducente a Constituição dispõe-se a dotar o Brasil de instituições
um Governo de todo o Povo, no qual incumbe ao que atendam às mais sentidas necessidades do
Poder propiciar existência digna para todos os nosso povo, agora e para o futuro.
brasileiros e para quantos, vindos de outros países,
aqui se submetam ao nosso sistema legal. AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 5

ANTEPROJETO CONSTITUCIONAL Parágrafo único – Serão gratuitos todos os


atos necessários ao exercício da cidadania, incluídos
TÍTULO l os registros civis.
Art. 9º – Todos têm direito a participar das
DESCRIÇÕES PRELIMINARES decisões do Estado e do aperfeiçoamento das suas
instituições.
CAPÍTULO l Art. 10 – Os direitos e garantias constantes
desta Constituição têm aplicação imediata.
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS § 1º – Na falta ou omissão da lei o juiz decidirá
o caso de modo a atingir os fins da norma
Art. 1º – O Brasil é uma República Federativa, constitucional.
fundada no Estado Democrático de Direito e no § 2º – Verificando-se a inexistência ou
governo representativo, para a garantia e a omissão da lei, que inviabilize a plenitude da eficácia
promoção da pessoa, em convivência pacífica com de direitos e garantias assegurados nesta
todos os povos. Constituição, o Supremo Tribunal Federal
Art. 2º – Todo o poder emana do povo e em recomendará ao Poder competente a edição da
seu nome será exercido. norma que venha a suprir a falta.
Art. 3º – São símbolos nacionais a Bandeira, o Art. 11 – Todos são iguais perante a lei, que
Hino, o Escudo e as Armas da República, adotados punirá como crime qualquer discriminação
na data da promulgação desta Constituição, e outros atentatória aos direitos humanos.
previstos em lei. § 1º – Ninguém será prejudicado ou
Parágrafo único – É livre o ouso de símbolos privilegiado em razão de nascimento, raça, cor, sexo,
nacionais pelo povo, na forma da lei. trabalho rural ou urbano, religião, convicções
Art. 4º – O Português é a língua nacional do políticas ou filosóficas, deficiência física ou mental e
Brasil. qualquer particularidade ou condição social.
Art. 5º – O Brasil rege-se nas relações § 2º – O Poder Público, mediante programas
internacionais pelos seguintes princípios: específicos, promoverá a igualdade social,
I – defesa e promoção dos direitos humanos; econômica e educacional.
II – condenação da tortura e de todas as § 3º – Lei complementar amparará de modo
formas de discriminação e de colonialismo; especial os deficientes de forma a integrá-los na
III – defesa da paz, repúdio à guerra, à comunidade.
competição armamentista e ao terrorismo; Art. 12 – A especificação dos direitos e
IV – apoio às conquistas da independência garantias expressos nesta Constituição não exclui
nacional de todos os povos, em obediência aos outros direitos e garantias decorrentes do regime e
princípios de autodeterminação e do respeito às dos princípios que ela adota, ou das declaramos
minorias; internacionais de que o País seja signatário.
V – intercâmbio das conquistas tecnológicas, Art. 13 – Ninguém será obrigado a fazer ou
do patrimônio científico e cultural da humanidade. deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude de
Art. 6º – O Brasil participa da sociedade lei.
internacional por meio de pactos, tratados e acordos Art. 14 – A lei não prejudicará o direito
com os Estados soberanos, com os organismos adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada.
internacionais e com as associações de relevantes Art. 15 – A lei não poderá excluir da
serviços à causa da humanidade e ao amparo e apreciação do Poder Judiciário qualquer lesão de
promoção da pessoa humana. direito.
Art. 7º – Os pactos, tratados e acordos Art. 16 – Todos têm direito à vida, à existência
internacionais dependem da ratificação do Congresso. digna, à integridade física e mental, à preservação
Parágrafo único – O conteúdo dos de sua honra, reputação e imagem pública.
compromissos de quem trata este artigo incorpora-se Parágrafo único – A tortura, a qualquer título,
à ordem interna quando se tratar de disposições constitui crime inafiançável e insusceptível de anistia
normativas, salvo emenda constitucional, se for o e prescrição.
caso. Art. 17 – Todos têm direito de acesso às
referências e informações a seu respeito, registradas
CAPÍTULO II por entidades públicas ou particulares, podendo
exigir a retificação de dados, com sua atualização e
DOS DIREITOS E GARANTIAS supressão dos incorretos, mediante procedimento
judicial sigiloso.
Art. 8º – Todos têm direito ao pleno exercício § 1º – É vedado o registro informático sobre
da cidadania nos termos desta Constituição, convicções pessoais, atividades políticas ou vida
cabendo ao Estado garantir sua eficácia, formal e privada, ressalvado o processamento de dados não
materialmente. identificados para fins estatísticos.
6 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

§ 2º – A lesão decorrente do lançamento ou da § 1º – Aos autores pertence o direito exclusivo


utilização de registros falsos gera a responsabilidade à publicação de suas obras, transmissível aos
civil, penal e administrativa. herdeiros, pelo tempo que a lei determinar.
Art. 18 – Ninguém pode ser impedido de § 2º – Assegura-se ao inventor o privilégio
locomover-se no território nacional e de, em tempos temporário para a utilização do invento, protegendo-
de paz, entrar com seus bens no País, nele se igualmente a propriedade das marcas de indústria
permanecer ou dele sair, respeitados os preceitos da e comércio e a exclusividade do nome comercial, nos
lei. termos da lei.
Art. 19 – É livre a manifestação do § 3º – As patentes de interesse nacional serão
pensamento, de crença religiosa e de convicções objeto de consideração prioritária para o
filosóficas e políticas. desenvolvimento científico e tecnológico do País.
§ 1º – As diversões e espetáculos públicos § 4º – O registro de patentes ou marcas
ficam sujeitos às leis de proteção da sociedade. estrangeiras fica sujeito ao seu uso efetivo, sob pena
§ 2º – Cada um responderá, na forma da lei, de caducidade, no prazo que a lei determinar.
pelos abusos que cometer no exercício das Art. 24 – Todos têm direito ao lazer e à
manifestações de que trata este artigo. utilização criadora do tempo liberado ao trabalho e
§ 3º – Não é permitido o incitamento à guerra, ao descanso.
à violência ou à discriminação de qualquer espécie. Art. 25 – É assegurado o direito à educação,
Art. 20 – É garantido o direito à prática de culto como iniciativa da comunidade e dever do Estado, e
religioso, respeitada a dignidade da pessoa. o do livre acesso ao patrimônio cultural.
§ 1º – Será prestada, nos termos da lei, Parágrafo único – O direito de aprender e
assistência religiosa às Forças Armadas e auxiliares ensinar, na forma da lei, não fica sujeito a qualquer
e, nos estabelecimentos de internação coletiva, aos diretriz de caráter religioso, filosófico, político-
interessados que a solicitarem diretamente ou por partidário ou ideológico, sendo facultada a livre
intermédio de seus representantes legais, respeitado escolha de instituição escolar.
o credo de cada um. Art. 26 – É assegurado a todos o direito à
§ 2º – Os cemitérios terão caráter secular e saúde, como iniciativa da comunidade e dever do
serão administrados pela autoridade municipal, Estado.
permitindo-se a todas as confissões religiosas Art. 27 – Todos podem reunir-se livre e
praticar neles os seus ritos. pacificamente, não intervindo a autoridade pública
§ 3º – As associações religiosas poderão, na senão para manter a ordem e assegurar os direitos e
forma da lei, manter cemitérios particulares. garantias individuais.
Art. 21 – É assegurado o direito de alegar Art. 28 – É garantida a liberdade de
imperativo de consciência para eximir-se da associação para fins lícitos, não podendo nenhuma
obrigação do serviço militar, salvo em tempo de associação ser compulsoriamente suspensa ou
guerra. dissolvida senão em virtude de sentença judiciária.
Parágrafo único – O exercício desse direito Parágrafo único – Ninguém pode ser
impõe a seu titular a realização de prestação civil compelido a associar-se.
alternativa. Art. 29 – Todos têm o direito de constituir
Art. 22 – Todos têm direito a procurar, receber, família que será reconhecida como comunidade na
redigir, imprimir e divulgar informações corretas, vida social, nos termos do art. 362 desta
opiniões e idéias, sendo assegurada a pluralidade Constituição.
das fontes e proibido o monopólio estatal ou privado Art. 30 – É assegurado o direito à propriedade,
dos meios de comunicação. subordinada à função social.
§ 1º – A legislação não limitará o direito Parágrafo único – Nos casos de
previsto neste artigo. desapropriação por necessidade ou utilidade pública,
§ 2º – Os abusos que se cometerem pela ou por interesse social, é assegurada aos
imprensa e outros meios de comunicação serão desapropriados prévia e justa indenização em
punidos na forma da lei. dinheiro, exceto nos casos do art. 332 desta
§ 3º – A publicação de livros e periódicos não Constituição.
dependerá de licença do Poder Público. Art. 31 – É garantido o direito de herança.
Art. 23 – É garantida a expressão da atividade Art. 32 – É livre o exercício de qualquer
intelectual, artística, científica e a de organização de trabalho, ofício ou profissão, observadas as
sistemas econômicos e administrativos. condições de capacidade que a lei estabelecer.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 7

§ 1º – À lei não poderá impedir o livre exercício ciais a que se refere o presente artigo.
de profissões vinculadas à expressão direta do Art. 37 – A casa é o asilo inviolável da pessoa;
pensamento e das artes. nela ninguém poderá penetrar ou permanecer, senão
§ 2º – A lei só estabelecerá regime de com o consentimento do morador ou por
exclusividade para o exercício de profissão que determinação judicial, salvo em caso de flagrante
envolva risco de vida, ou que possa causar grave delito, ou para acudir vítima de crime ou desastre.
dano ao indivíduo ou à coletividade. Art. 38 – É inviolável o sigilo da
Art. 33 – É assegurado o direito de greve, nos correspondência e das comunicações em geral, salvo
termos do art. 345 e dos seus §§ 1º e 2º. autorização da justiça, nos casos previstos em lei,
Art. 34 – A lei assegurará a individualização da por necessidade de investigação criminal.
pena e da sua execução, dentro de um regime Art. 39 – Nenhum tributo será instituído ou
definido, que compreenderá: aumentado sem lei que o estabeleça, ressalvando-se
I – privação da liberdade; o determinado nesta Constituição.
II – perda de bens, no caso de enriquecimento Art. 40 – A lei tributária levará sempre em
ilícito no exercício de função pública, em conta a capacidade do contribuinte, na forma do art.
desempenho direto ou delegado, ou na condição de 149 desta Constituição.
administrador de empresa concessionária de serviço Art. 41 – Os presos têm direito ao respeito de sua
público, entidade de representação profissional, dignidade e integridade física e mental, à assistência
sociedade de economia mista ou instituição espiritual e jurídica, à sociabilidade, à comunicabilidade
financeira de economia popular; e ao trabalho produtivo e remunerado, na forma da lei.
III – multa; Art. 42 – Não há crime sem lei anterior que o
IV – realização de prestação social alternativa defina, nem pena, sem prévia cominação legal.
à prisão, na forma da lei; Parágrafo único – A lei penal somente
V – suspensão ou interdição de direitos. retroagirá quando beneficiar o réu.
§ 1º – Não haverá pena de morte, de prisão Art. 43 – Ninguém será preso senão em flagrante
perpétua, de trabalhos forçados, de banimento e de delito ou por ordem escrita e decisão fundamentada da
confisco, salvo, quanto à pena de morte, nos casos autoridade competente, nos casos expressos em lei.
de aplicação de lei militar em tempo de guerra com § 1º – O preso tem direito à assistência de
país estrangeiro. advogado de sua escolha, antes de ser inquirido, a
§ 2º – Nenhuma pena passará da pessoa do ser ouvido pelo juiz e à identificação dos
responsável. A obrigação de reparar o dano e o responsáveis pelo interrogatório policial.
perdimento de bens poderão ser decretados e § 2º – Presume-se não incriminatório o silêncio
executados contra os sucessores, até o limite do do acusado durante o interrogatório policial, sendo
valor do patrimônio transferido, e de seus frutos. vedada a sua realização à noite e, em qualquer
§ 3º – Será ministrada ao preso educação a ocasião, sem a presença do advogado ou de
fim de reabilitá-lo para o convívio social. representante do Ministério Público.
§ 4º – A privação da liberdade do condenado, § 3º – Ninguém será levado à prisão ou nela
cumprida a pena, importa crime de responsabilidade mantido, se prestar fiança permitida em lei.
civil do Estado. § 4º – A prisão ou detenção de qualquer pessoa
Art. 35 – Não haverá prisão civil por dívida, será imediatamente comunicada ao juiz competente, que
salvo casos de obrigação alimentar e de depositário a relaxará, se não for legal, e, nos casos previstos em lei,
infiel, inclusive de tributos recolhidos ou descontados promoverá a responsabilidade da autoridade coatora.
de terceiro. § 5º – A prisão e o local em que se encontre o
Art. 36 – Todos têm direito a meio ambiente preso serão logo comunicados à família ou à pessoa
sadio e equilíbrio ecológico, à melhoria da qualidade por ele indicada.
de vida, à preservação de paisagem e da identidade § 6º – Ninguém será processado nem
histérica da coletividade e de pessoa. sentenciado, senão pela autoridade competente, e na
§ 1º – Garante-se ao consumidor a qualidade forma da lei anterior.
dos bens e serviços, a fiscalização da oferta, dos § 7º – Presume-se inocente todo acusado até
preços e da veracidade ia propaganda. que haja declaração judicial de culpa.
§ 2º – É assegurada a legitimação do Art. 44 – Dar-se-á habeas compus sempre que
Ministério Público, de pessoa jurídica qualificada alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer
em lei e de qualquer do povo, para ação civil violência ou coação em sua liberdade de locomoção,
pública, visando à proteção dos interesses so- por ilegalidade ou abuso de poder.
8 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Parágrafo único – Nas transgressões de seus membros e garantido o sigilo das votações, a
disciplinares devidamente justificadas só caberá plenitude da defesa do réu e a soberania dos
habeas corpus por falta de pressupostos da veredictos, sendo de sua competência obrigatória o
regularidade formal da punição. julgamento dos crimes dolosos contra a vida e dos
Art. 45 – Conceder-se-á mandado de crimes de imprensa.
segurança para proteger direito líquido e certo não Art. 53 – Todos os necessitados têm direito à
amparado por habeas corpus, seja qual for a justiça e à assistência judiciária pública; a União e os
autoridade responsável pela ilegalidade ou abuso de Estados manterão quadros de defensores públicos
poder. organizados em carreira e, na falta ou insuficiência
Parágrafo único – O mandado de segurança deles, remunerarão o defensor dativo, diretamente ou
será admissível contra atos de agente de pessoa indiretamente, mediante convênio, conforme se
jurídica de direito privado, quando decorrentes do dispuser em lei.
exercício de atribuições do Poder Público. Art. 54 – Não será concedida a extradição de
Art. 46 – Qualquer cidadão, o Ministério estrangeiro por crime político ou de opinião, ou
Público e as pessoas jurídicas qualificadas em leis quando houver razões para presumir, nas
serão parte legítima para pedir a anulação de atos circunstâncias, que o julgamento do extraditando
lesivos ao patrimônio público ou de entidade de que será influenciado por suas convicções.
participe o Estado, bem como de privilégios indevidos § 1º – A extradição, quando o crime imputado
concedidos a pessoas físicas ou jurídicas. sujeitar o extraditando a pena vedada por esta
Parágrafo único – São passíveis da ação de Constituição, só se deferirá mediante o compromisso
que trata este artigo as empresas privadas que de comutação da referida pena.
executem serviços públicos. § 2º – Não se admitirá a extradição de brasileiro,
Art. 47 – É assegurado o direito de salvo, quanto a naturalizado, se a naturalização for
representação aos Poderes Públicos contra posterior ao crime que motivar o pedido.
ilegalidade ou abuso de poder, e de petição para Art. 55 – Têm direito de asilo os perseguidos
defesa de quaisquer interesses legítimos, em razão de suas atividades e convicções políticas,
independendo a representação e a petição do filosóficas ou religiosas, bem como pela defesa dos
pagamento de taxas ou de garantia de instância. direitos consagrados nesta Constituição.
Art. 48 – Dar-se-á habeas data ao legítimo Parágrafo único – A negativa do asilo e a expulsão
interessado para assegurar os direitos tutelados no do refugiado ou estrangeiro que o haja pleiteado
art. 17. subordinar-se-ão a amplo controle jurisdicional.
Art. 49 – A lei assegurará rápido andamento Art. 56 – É criado o Defensor do Povo,
dos processos nas repartições públicas e da incumbido, na forma da lei complementar, de zelar
administração direta e indireta, facultará ciência aos pelo efetivo respeito dos poderes do Estado aos
interessados dos despachos e das informações que a direitos assegurados nesta Constituição, apurando
eles se refiram, garantirá a expedição das certidões abusos e omissões de qualquer autoridade e
requeridas para a defesa dos direitos e para indicando aos órgãos competentes as medidas
esclarecimento de negócios administrativos, necessárias à sua correção ou punição.
ressalvados, quanto aos últimos, os casos em que o § 1º – O Defensor do Povo poderá promover a
interesse público impuser sigilo, conforme decisão responsabilidade da autoridade requisitada no caso
judicial. de omissão abusiva na adoção das providências
Parágrafo único – A lei fixará o prazo para a requeridas.
desclassificação de documentos sigilosos. § 2º – Lei complementar disporá sobre a
Art. 50 – Os ofendidos têm direito a resposta competência, a organização e o funcionamento da
pública, garantida a sua veiculação nas mesmas Defensoria do Povo, observados os seguintes princípios:
condições do agravo sofrido, sem prejuízo da I – o Defensor do Povo é escolhido, em eleição
indenização dos danos ilegitimamente causados. secreta, pela maioria absoluta dos membros da
Art. 51 – A lei assegurará aos litigantes plena Câmara dos Deputados, entre candidatos indicados
defesa com todos os recursos a ela inerentes. pela sociedade civil e de notório respeito público e
§ 1º – A instrução nos processos criminais e reputação ilibada, com mandato não renovável de
nos civis contenciosos será contraditória. cinco anos;
§ 2º – Não haverá foro privilegiado, nem juízes II – são atribuídos ao Defensor do Povo a
ou Tribunais de exceção. inviolabilidade, os impedimentos, as prerrogativas
Art. 52 – É mantida a instituição do processuais dos membros do Congresso Nacional e
júri, com a organização que lhe der a lei, os vencimentos dos Ministros do Supremo Tribunal
desde que seja sempre ímpar o número Federal;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 9

III – as Constituições Estaduais poderão II – em virtude de sentença, tiver cancelada a


instituir a Defensoria do Povo, de conformidade com naturalização por exercer atividade contrária ao
os princípios constantes deste artigo. interesse nacional.
Parágrafo único – Será anulada por decreto do
CAPÍTULO III Presidente da República, com recurso suspensivo ao
Poder Judiciário, a aquisição da nacionalidade obtida
DO DIREITO À NACIONALIDADE com fraude à lei.
Art. 59 – O Brasil, mediante tratado, poderá-
Art. 57 – São brasileiros: admitir a múltipla nacionalidade com qualquer país
I – natos: de seu interesse.
a) os nascidos em território nacional, embora Parágrafo único – Na hipótese do artigo
de país estrangeiros, desde que estes não estejam a anterior, a lei disporá sobre a manutenção da
serviço de seu país; nacionalidade brasileira.
b) os nascidos fora do território nacional, de
pai ou mãe brasileiros, desde que qualquer deles CAPÍTULO IV
esteja a serviço do Brasil;
c) os nascidos no estrangeiro, de pai ou mãe DOS DIREITOS POLÍTICOS
brasileiros e, não estando estes a serviço do Brasil,
desde que registrados em repartição competente no Art. 60 – Têm direito a voto os brasileiros
exterior, ou, não registrados, venham a residir no maiores de dezoito anos na data da eleição,
território nacional, antes de atingir a maioridade. alistados na forma da lei.
Nesse caso, alcançando esta, deverão, dentro de § 1º – O alistamento e o voto são obrigatórios
quatro anos, optar pela nacionalidade brasileira; para todos os brasileiros, salvo as exceções
II – naturalizados, pela forma que a lei previstas em lei.
estabelecer: § 2º – Não podem alistar-se os que não
a) os nascidos no estrangeiro que hajam sido saibam exprimir-se em língua nacional e os que
admitidos no Brasil durante os primeiros quatorze anos estejam privados dos direitos políticos.
de vida e se estabelecido definitivamente no território § 3º – O sufrágio popular é universal e direto,
nacional. Para preservar a nacionalidade brasileira e o voto secreto.
deverão manifestar-se por ela, inequivocamente, até Art. 61 – Só se suspendem ou se perdem
dois anos após atingir a maioridade; os direitos políticos nos casos previstos neste
b) os nascidos no estrangeiro que, vindo residir artigo.
no País, antes de atingida a maioridade, façam curso § 1º – Suspendem-se, por condenação
superior em estabelecimento nacional e requeiram a criminal, enquanto durarem os seus efeitos.
nacionalidade até um ano depois da formatura; § 2º – Perdem-se:
c) os portugueses de comprovada idoneidade a) no caso de cancelamento de naturalização,
moral e sanidade física, com um ano de residência por sentença, em razão do exercício de atividade
ininterrupta no País; contrária ao interesse nacional;
d) os que, por outro modo, adquirirem a b) por incapacidade civil absoluta.
nacionalidade brasileira. § 3º – A lei estabelecerá as condições de
§ 1º – São privativos de brasileiro nato apenas reaquisição dos direitos políticos.
os cargos de Presidente da República e Vice- Art. 62 – São inelegíveis os inalistáveis.
Presidente da República, de Presidente da Câmara Parágrafo único – Os militares são elegíveis
dos Deputados, de Presidente do Conselho de atendidas as seguintes condições:
Ministros, de Presidente do Senado, de Presidente do a) o militar que tiver menos de cinco anos de
Supremo Tribunal Federal e de Defensor do Povo. serviço será, ao candidatar-se a cargo eletivo,
§ 2º – Aos portugueses com residência excluído do serviço ativo;
permanente no País, se houver reciprocidade em favor b) o militar, em atividade com cinco ou mais
de brasileiros, são atribuídos os direitos inerentes ao anos de serviço, ao candidatar-se a cargo eletivo,
brasileiro nato, salvo o de acesso à Presidência da será afastado temporariamente do serviço ativo, e
República e à Presidência do Conselho de Ministros. agregado para tratar de interesses particulares;
Art. 58 – Perderá a nacionalidade o brasileiro que: c) o militar não excluído, se eleito, será, no ato
I – por naturalização voluntária adquirir outra da diplomação, transferido para a reserva, nos
nacionalidade, salvo as exceções definidas em lei; termos da lei.
10 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 63 – Além de outras, previstas nesta nomia mista – seis meses; quando candidato a cargo
Constituição, são condições de elegibilidade: municipal – três meses.
I – a filiação a partido político, pelo prazo que
a lei complementar exigir, salvo nas eleições para CAPÍTULO V
Presidente e Vice-Presidente da República;
II – a escolha em convenção partidária para DOS PARTIDOS POLÍTICOS
cada pleito;
III – o domicílio eleitoral na circunscrição, pelo Art. 65 – É livre a criação de Partidos Políticos.
prazo de um ano. Sua organização e funcionamento resguardarão a
Art. 64 – Lei complementar definirá os casos e soberania nacional, o regime democrático, o
os prazos de inelegibilidade, visando a preservar, pluralismo partidário e os direitos fundamentais da
considerada a vida pregressa dos candidatos: pessoa humana, observados os seguintes princípios:
I – o regime democrático; I – é direito do cidadão pleitear o ingresso em
II – a probidade administrativa; Partido Político, nos termos do respectivo estatuto;
III – a normalidade e a legitimidade das II – é vedada a utilização pelos Partidos
eleições contra a influência ou o abuso do exercício Políticos de organização paramilitar.
de função, cargo ou emprego público da Parágrafo único – O Partido Político adquirirá
administração direta ou indireta, ou do poder personalidade jurídica de direito público mediante o
econômico; registro de seu estatuto no Tribunal Superior Eleitoral.
IV – a moralidade para o exercício do Art. 66 – A atuação dos Partidos Políticos
mandato. deverá ser permanente. Será de âmbito nacional se
§ 1º – São inelegíveis: alcançarem a representação no Senado ou na
a) para os mesmos cargos, quem houver Câmara dos Deputados, sem prejuízo das funções
exercido, por qualquer tempo, no período deliberativas dos órgãos estaduais e municipais e da
imediatamente anterior, os de Presidente da representação que mantiverem nesses níveis, na
República, de Governador e de Prefeito; forma que a lei estabelecer.
b) quem houver sucedido ao titular ou, dentro § 1º – Resguardados os princípios previstos
de seis meses anteriores ao pleito, o tiver substituído neste artigo, lei complementar disporá sobre a
em qualquer dos cargos indicados na alínea a; criação, fusão, incorporação, extinção e fiscalização
c) no território de jurisdição do titular, o financeira dos Partidos e poderá dispor sobre regras
cônjuge e os parentes consangüíneos ou afins até gerais para a sua organização e funcionamento,
o segundo grau ou por adoção do Presidente da visando especialmente à garantia da democracia
República, de Governador de Estado ou Território, interna e à representação de suas diversas correntes.
de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro § 2º – A lei assegurará a participação de todos
de seis meses anteriores ao pleito, salvo os filiados nos órgãos de direção dos Partidos
se já titular de mandato eletivo e candidato a Políticos, na escolha dos seus candidatos e na
reeleição; elaboração das listas partidárias.
d) o ocupante titular ou interino de cargo, § 3º – A lei garantirá o acesso gratuito dos
emprego ou função cujo exercício possa influir para Partidos Políticos aos órgãos de comunicação social
perturbar a normalidade ou tornar duvidosa a para a divulgação de seus programas e para a
legitimidade das eleições, salvo se afastar campanha eleitoral.
definitivamente de um ou de outro no prazo § 4º – Será cancelado o registro do Partido que,
estabelecido em lei, o qual não será maior de seis em duas eleições gerais consecutivas para a Câmara
nem menor de dois meses anteriores ao pleito, dos Deputados, não obtiver o apoio, expresso em
estipulados, desde já, os seguintes: votos, de três por cento do eleitorado, apurados em
1) Presidente da República, Governador e eleição geral para a Câmara dos Deputados e
Prefeito – seis meses; distribuídos em, pelo menos, cinco Estados, com o
2) Ministro de Estado ou Secretário de Estado, mínimo de dois por cento do eleitorado de cada um
que não seja membro do Poder Legislativo Federal deles. O cancelamento não prejudicará a ressalva do
ou Estadual – seis meses; caput deste artigo nem impedirá o Partido de concorrer
3) Presidente, Diretor, Secretário-Geral, às eleições estaduais e municipais.
Subsecretário, Superintendente de órgão da § 5º – A lei regulará as condições de
Administração Pública direta ou indireta, incluídas reabilitação do Partido cujo registro tenha sido
as fundações públicas e sociedades de eco- cancelado nos termos do parágrafo anterior.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 11

TITULO II CAPITULO II

DO ESTADO FEDERAL DA COMPETÊNCIA DA UNIÃO FEDERAL

CAPÍTULO I Art. 72 – Compete à União Federal:


I – manter relações com Estados estrangeiros
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES e com eles celebrar tratados e convenções;
II – participar de organizações internacionais;
Art. 67 – A República Federativa do Brasil é III – declarar a guerra e celebrar a paz;
constituída pela associação indissolúvel da União IV – organizar as Forças Armadas, a
Federal, dos Estados e do Distrito Federal. segurança das fronteiras e a defesa externa;
Art. 68 – São Poderes da União Federal o V – permitir, nos casos previstos em lei
Legislativo, o Executivo e o Judiciário, harmônicos e complementar, que forças estrangeiras transitem
coordenados entre si. pelo território nacional ou nele operem
Parágrafo único – Salvo nos casos autorizados temporariamente;
nesta Constituição, é vedado a qualquer dos Poderes VI – decretar o estado de sítio, o estado de
delegar atribuições e quem for investido em função de alarme e a intervenção federal;
um dos Poderes não poderá exercer a de outro. VII – autorizar e fiscalizar a produção e o
Art. 69 – Os Estados podem incorporar-se comércio de material bélico, de armas e explosivos;
entre si, subdividir-se ou desmembrar-se para se VIII – organizar e manter a polícia federal;
anexarem a outros ou formarem novos Estados, IX – exercer a classificação de diversões
mediante deliberação das respectivas Assembléias públicas;
Legislativas, plebiscito das populações diretamente X – emitir moeda;
interessadas e aprovação do Congresso Nacional,
XI – fiscalizar as operações de crédito, de
na forma regulada em lei complementar.
capitalização e de seguros;
Art. 70 – O Distrito Federal é a Capital da
XII – planejar e promover o desenvolvimento
União Federal.
nacional, ouvidos os Estados e os órgãos regionais
Art. 71 – Incluem-se entre os bens da União:
interessados;
I – a porção de terras devolutas indispensável
XIII – estabelecer os planos nacionais de
á defesa das fronteiras, ás fortificações e
construções militares e ás vias de comunicação; viação, transportes, habitação e informática;
II – os lagos e quaisquer correntes de água em XIV – manter o serviço postal e o Correio
terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Aéreo Nacional;
Estado, sirvam de limite com outros países ou se XV – organizar a defesa permanente contra as
estendam a território estrangeiro; as ilhas fluviais e calamidades públicas, especialmente as secas e as
lacustres nas zonas limítrofes com outros países; as inundações;
ilhas oceânicas e marítimas excluídas as de são XVI – explorar, diretamente ou mediante
Luís, Vitória, Florianópolis e outras já ocupadas pelos autorização ou concessão:
Estados, e as praias marítimas; a) os serviços de telecomunicações;
III – os recursos minerais do subsolo; b) os serviços e instalações de energia elétrica
IV – a plataforma continental; de qualquer origem ou natureza, observado o
V – o mar territorial e patrimonial; disposto no § 4º do art. 328;
VI – o espaço aéreo; c) a navegação aérea, aeroespacial e a
VII – as terras ocupadas pelos índios; utilização da infra-estrutura aeroportuária;
VIII – as cavidades naturais subterrâneas; d) as vias de transporte entre portos marítimos
IX – os bens que atualmente lhe pertencem ou e fluviais e fronteiras nacionais ou que transponham
que vierem a ser atribuídos à União por tratados os limites de Estado ou Território;
internacionais. e) os serviços e instalações de energia nuclear
Parágrafo único – É considerada indispensável de qualquer natureza;
à defesa das fronteiras a faixa interna de cem XVII – manter cooperação econômica,
quilômetros de largura, paralela à linha divisória administrativa, financeira e cultural com os
terrestre do território nacional, que será designada Estados e outras pessoas jurídicas de direito
como Faixa de Fronteira. público interno;
12 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

XVIII – celebrar convênio e acordo para CAPÍTULO III


execução de leis e serviços federais;
XIX – conceder anistia. DA COMPETÊNCIA COMUM Á UNIÃO FEDERAL,
Art. 73 – Compete exclusivamente à União AOS ESTADOS E AOS MUNICÍPIOS
Federal legislar sobre as seguintes matérias:
I – direito civil, comercial, penal, processual, Art. 74 Integram a competência comum da
eleitoral, marítimo, aeronáutico, espacial e do União Federal, dos Estados e dos Municípios as
trabalho; seguintes atribuições:
II – organização e funcionamento dos serviços I – zelar pela guarda da Constituição, das leis
federais; e das instituições democráticas;
III – desapropriação; II – amparar os documentos, as obras e os
locais de valor histórico ou artístico, os monumentos
IV – requisições civis, em caso de perigo
e as paisagens naturais notáveis, bem como as
iminente, e militares, em tempo de guerra;
jazidas arqueológicas e outros bens culturais e
V – águas, telecomunicações, informática,
naturais de valor histórico e artístico;
serviço postal, energia elétrica, térmica, nuclear ou III – promover e planejar o desenvolvimento
qualquer outra; regional;
VI – sistema monetário e de medidas, título e IV – impedir a evasão de obras de arte e de
garantia dos metais; outros bens culturais e naturais de valor histórico e
VII – política de crédito, câmbio e transferência artístico;
de valores para fora do País, comércio exterior e V – proporcionar os meios de acesso à cultura
interestadual; e à educação e promover a ciência e a cultura;
VIII – navegação marítima, fluvial e lacustre; VI – organizar e promover a defesa da saúde
IX – regime dos portos; pública;
X – tráfego nacional, interestadual e rodovias VII – proteger o meio ambiente e combater a
federais; poluição em qualquer de suas formas;
XI – jazidas, minas, outros recursos minerais e VIII – preservar as florestas, a fauna e a flora;
potenciais de energia hidráulica, bem como o regime IX – combater a miséria e os fatores de
de sua exploração e aproveitamento; marginalização social do homem, promovendo a
XII – nacionalidade, cidadania e naturalização; integração social dos setores desfavorecidos.
XIII – populações indígenas; Art. 75 – Compete á União Federal e aos
XIV – emigração e imigração, entrada, Estado a legislação comum sobre:
extradição e expulsão de estrangeiros; I – direito financeiro, direito tributário e
XV – condições de capacidade para o orçamento;
exercício das profissões; II – direito agrário;
XVI – símbolos nacionais; III – direito e processo administrativo;
IV – direito do trânsito, inclusive tráfego e
XVII – organização judiciária e o Ministério
trânsito nas vias terrestres;
Público do Distrito Federal e dos Territórios e
V – direito urbanístico;
organização administrativa dos Territórios;
VI – direito econômico;
XVIII – sistema estatístico e cartográfico VII – seguridade e previdência social;
nacionais; VIII – regime penitenciário;
XIX – outras matérias necessárias ao exercício IX – registros públicos e notariais;
da competência legislativa e dos poderes que lhe X – defesa e proteção da saúde;
são concedidos nesta Constituição. XI – custas e emolumentos remuneratórios
Parágrafo único – Lei federal poderá, dos serviços forenses;
mediante a especificação do conteúdo e XI – juntas comerciais e tabelionatos;
termos do exercício, autorizar os Estados a XIII – metalurgia;
legislarem sobre as matérias da competência XIV – florestas, caça, pesca, fauna e
exclusiva da União Federal. conservação da natureza;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 13

XV – educação, cultura, ensino e desportos; b) deixar de entregar aos Municípios as quotas


XVI – produção e consumo; ou participações tributárias a eles destinadas;
XVII – efetivos e armamentos das Polícias VI – prover à execução de lei federal, ordem
Militares e condições gerais de sua convocação, ou decisão judiciária; e
inclusive mobilização; VII – garantir a observância dos seguintes
XVIII – regiões metropolitanas e de princípios constitucionais:
desenvolvimento econômico; a) forma republicana, democrática,
XIX – criação, funcionamento e processo do representativa e federativa;
Juizado de Pequenas Causas; b) direitos da pessoa humana;
XX – responsabilidade por danos ao meio c) temporariedade dos mandatos eletivos, cuja
ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor duração não excederá a dos mandatos federais
artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico; correspondentes;
XXI – proteção ao meio ambiente e controle da d) independência, harmonia e coordenação
poluição; dos Poderes;
XXII – condições de exercício do direito de e) garantias do Poder Judiciário;
reunião; f) autonomia municipal e das regiões
XXIII – proteção ao patrimônio histórico, metropolitanas;
cultural, artístico e paisagístico; g) prestação de contas da administração
XXIV – procedimentos judiciais; pública direta e indireta.
XXV – navegação fluvial e lacustre; Art. 79 – Compete ao Presidente da
XXVI – higiene e segurança do trabalho; República, ouvido o Conselho de Estado, decretar a
XXVII – assistência judiciária e defensoria intervenção.
pública. Parágrafo único – A decretação da intervenção
Art. 76 – A legislação federal no domínio da dependerá:
competência comum terá a denominação e o a) no caso do inciso IV do art. 78, de
conteúdo da lei de normas gerais, e a estadual a de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder
lei suplementar. Executivo, coacto ou impedido, ou de requisição do
Art. 77 – No exercício da legislação Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida
suplementar, os Estados observarão a lei contra o Poder Judiciário;
federal de normas gerais pré-existente. Inexistindo lei b) no caso do inciso VI do art. 78, quando se
federal, os Estados exercerão a competência tratar de execução de ordem ou decisão judiciária,
legislativa suplementar, para atender às de requisição do Supremo Tribunal Federal, ou do
peculiaridades locais. Tribunal Superior Eleitoral, conforme a matéria;
Parágrafo único – A vigência ulterior de lei c) do provimento pelo Supremo Tribunal
federal de normas gerais tornará ineficaz a lei Federal de representação do Procurador-Geral da
estadual suplementar naquilo em que ela conflitar República, nos casos do inciso VI, primeira parte,
com a lei federal posterior. assim como nos casos do inciso VII, ambos do art. 78;
d) nos casos dos incisos VI e VII do art. 78, o
CAPITULO IV decreto do Presidente da República limitar-se-á a
suspender a execução do ato impugnado, se essa
DA INTERVENÇÃO FEDERAL medida bastar para o restabelecimento da
normalidade no Estado.
Art. 78 – A União não intervirá nos Estados, Art. 80 – O decreto de intervenção, que será
salvo para: submetido à apreciação do Congresso Nacional,
I – manter a integridade nacional; dentro de cinco dias, especificará a sua amplitude,
II – repelir invasão estrangeira ou a de um prazo e condições de execução e, se couber,
Estado em outro; nomeará o interventor.
III – pôr termo a grave perturbação da ordem § 1º – Se não estiver funcionando, o Congresso
pública; Nacional será convocado, extraordinariamente, dentro
IV – garantir o livre exercício de qualquer dos do mesmo prazo de cinco dias, para apreciar o ato do
Poderes estaduais; Presidente da República.
V – reorganizar as finanças do Estado que: § 2º – Nos casos da alínea d do artigo anterior,
a) suspender o pagamento de sua dívida fica dispensada a apreciação do decreto do Presidente
fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo da República pelo Congresso Nacional, se a
por motivo de força maior; suspensão do ato tiver produzido os seus efeitos.
14 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

§ 3º – Cessados os motivos da intervenção, as Art. 90 – A Constituição Estadual disporá


autoridades afastadas de seus cargos a eles sobre os casos e as formas de iniciativa legislativa
voltarão, salvo impedimento legal. popular e de referendo no Estado e no Município.
Art. 91 – Aplicam-se aos Deputados estaduais
CAPITULO V as regras desta Constituição sobre imunidades,
prerrogativas processuais, subsídios, perda do
DOS ESTADOS mandato, licença, impedimentos e incorporação às
Forças Armadas.
SEÇÃO I
SEÇÃO III
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
DO PODER EXECUTIVO
Art. 81 – Cada Estado reger-se-á pela
Constituição e leis que adotar, observados os Art. 92 – A eleição do Governador e do Vice-
princípios estabelecidos nesta Constituição. Governador do Estado, para mandato de seis anos,
realizar-se-á noventa dias antes do término dos
Art. 82 – Aos Estados reservam-se todos os
mandatos e far-se-á por sufrágio universal, voto
poderes que, implícita ou explicitamente, não lhe
direto e secreto, com maioria absoluta de votos no
sejam vedados por esta Constituição.
primeiro turno.
Art. 83 – São Poderes dos Estados o Parágrafo único – Não alcançada a maioria
Legislativo, o Executivo e o Judiciário, absoluta, observar-se-á o disposto no § 1º do art.
independentes, harmônicos e coordenados entre si. 222, que regula a eleição, em segundo turno, do
Art. 84 – Á autonomia dos Estados Presidente e Vice-Presidente da República.
compreende a autonomia constitucional, política, Art. 93 – Caberá à Constituição do Estado
legislativa, administrativa, financeira e jurisdicional. adotar, no que forem aplicáveis, as regras desta
Art. 85 – Mediante acordo ou convênio com a Constituição sobre a eleição, a investidura, a
União Federal, os Estados poderão encarregar organização, a competência e o funcionamento do
funcionários federais da execução de leis e serviços Poder Executivo Federal.
estaduais ou de atos e decisões das suas
autoridades e, reciprocamente, a União poderá, em SEÇÃO IV
matéria de sua competência, cometer a funcionários
estaduais encargos da mesma natureza, provendo DO PODER JUDICIÁRIO
ás necessárias despesas.
Art. 86 – A União dispensará aos Estados as Art. 94 – Os Estados organizarão a sua
contribuições necessárias ao cumprimento de Justiça, observados os artigos desta Constituição e
atividades de interesse comum ou quando a as seguintes normas:
contribuição federal se tornar necessária para I – os cargos iniciais da magistratura de carreira
superar insuficiências da economia estadual. serão providos por ato do Presidente do Tribunal de
Art. 87 – Incluem-se entre os bens dos Justiça, mediante concurso público de provas e títulos,
Estados os lagos em terreno de seu domínio, organizado pelo Tribunal, e verificados os requisitos
fixados em lei, inclusive os de idoneidade moral e de
bem como os rios que neles tem nascente
idade superior a vinte e cinco anos, com a participação
e foz, as ilhas oceânicas e marítimas de São
do Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do
Luís, Vitória, Florianópolis e outras já ocupadas
Brasil, podendo a lei exigir dos candidatos prova de
pelos Estados, as ilhas fluviais e lacustres e as terras habilitação em curso de preparação para a magistratura;
devolutas não compreendidas no domínio da União II – a promoção dos juízes de primeira instancia
Federal. incumbirá ao Tribunal de Justiça e far-se-á de entrância
a entrância por antiguidade e por merecimento;
SEÇÃO II III – o acesso aos Tribunais de segunda
instância dar-se-á por antiguidade e por
DO PODER LEGISLATIVO merecimento, alternadamente;
IV – na composição de qualquer Tribunal, um
Art. 88 – O número de Deputados á Assembléia quinto dos lugares será preenchido por advogados e
Legislativa correspondera ao triplo da representação do membros do Ministério Público, todos de notório
Estado na câmara dos Deputados e, atingido o número merecimento e reputação ilibada, com dez anos, pelo
de trinta e seis, será acrescido de tantos quantos forem menos, de prática forense;
os Deputados federais acima de doze. V – nos Tribunais de Justiça com número
Art. 89 – O mandato dos Deputados será de superior a vinte e cinco Desembargadores poderá
quatro anos, salvo dissolução da Assembléia ser constituído órgão especial, com o mínimo de
Legislativa. onze e o máximo de vinte e cinco membros, pa-
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 15

ra o exercício das atribuições administrativa e SEÇÃO V


jurisdicionais de competência do Tribunal Pleno, bem
como para uniformizar a jurisprudência, no caso de DO MINISTÉRIO PÚBLICO
divergência. entre sua câmaras, turmas, grupos ou
seções. A Lei Orgânica da Magistratira Nacional Art. 96 – O Ministério Público dos Estados
fixará os critérios e a periodicidade da renovação será organizado em carreira, por lei complementar
parcial da composição d.o órgão especial; estadual, observado, no que couber, o disposto no
VI – em caso de mudança da sede do juízo, Título II, Capítulo XI, desta Constituição.
será facultado ao juiz remover-se para ela ou para § 1º – O Ministério Público Estadual será
comarca de igual entrância, ou obter a único, e oficiará perante o Poder Judiciário e os
disponibilidade com vencimentos integrais; Tribunais de Contas dos Estados e dos Municípios
VII – compete privativamente ao Tribunal de ou órgãos equivalentes.
Justiça processar e julgar os membros dos Tribunais § 2º – Á investidura do Procurador-Geral da
inferiores de segunda instância, os juizes de inferior Justiça obedecerá ao que dispuser a Constituição ou
instância e os membros do Ministério Público dos a lei complementar de cada Estado.
Estados nos crimes comuns o nos de § 3º – Os Estados poderão adotar a
responsabilidade, ressalvada a competência da representação do Chefe do Ministério Público ao
Justiça Eleitoral; Tribunal de Justiça para a declaração de
VIII – os vencimentos dos juízes vitalícios constitucionalidade ou inconstitucionalidade de lei ou
serão fixados com diferença não excedente de vinte ato normativo estadual ou municipal perante a
por cento de uma para outra estância, atribuindo-se Constituição do Estado.
aos de entrância mais elevada não menos de dois § 4º – Da decisão prevista no parágrafo
terços dos vencimentos dos Desembargadores, anterior, caberá recurso do Ministério Público
assegurados a estes vencimentos não inferiores aos Federal, quando contrariada a Constituição ou lei
que percebam os Secretários de Estado, a qualquer federal.
título, não podendo ultrapassar, porem, os fixados Art. 97 – Á representação judicial e a
para os Ministros do Supremo Tribunal Federal; consultoria jurídica da administração dos Estados
IX – cabe privativamente ao Tribunal de incumbirão exclusivamente a Procuradorias
Justiça a iniciativa de propor á Assembléia organizadas em carreira, com ingresso mediante
Legislativa do Estado projeto de lei alteração da concurso de provas e títulos.
organização e da divisão judiciárias, vedadas
emendas estranhas ao objeto da proposta, ou que CAPÍTULO VI
determinem aumento de despesa;
X – nos casos de impedimento, férias, licença DO DISTRITO FEDERAL, DOS TERRITÓRIOS
ou qualquer afastamento, os membros do Tribunal FEDERAIS, DOS MUNICÍPIOS E DAS REGIÕES
serão substituídos, sempre que possível, por outro
de seus componentes, sem acréscimo de SEÇÃO I
remuneração. A lei estadual regulará a forma e os
casos em que poderão ser convocados para a DO DISTRITO FEDERAL
substituição, juízes não pertencentes ao Tribunal.
Art. 95 – Os Estados poderão criar: Art. 98 – O Distrito Federal goza de autonomia
I – tribunais inferiores de segunda instância e política, legislativa, administrativa e financeira.
sediá-los fora das capitais; Parágrafo único – Á União suplementará o
II – justiça de paz temporária, provida por Distrito Federal com os recursos financeiros que
bacharéis em Direito, sempre que possível, com necessitar para a manutenção de seus serviços.
atribuição de habilitação e celebração de Art. 99 – Á eleição do Governador e do Vice-
casamentos, de substituição de magistrados, exceto Governador do Distrito Federal, para mandato de
para julgamentos definitivos e para conciliar as seis anos, realizar-se-á noventa dias antes do
partes, valendo a homologação como título executivo término dos mandatos e far-se-á por sufrágio
judicial; universal, voto direto e secreto, com maioria absoluta
III – juizados especiais, singulares ou de votos no primeiro turno.
coletivos, perra julgar pequenas causas e infrações Parágrafo único – Não alcançada a maioria
penais a que não se comine pena privativa de absoluta, observar-se-á o disposto no parágrafo
liberdade, mediante procedimento oral e único do art. 92, que regula a eleição do Governador
sumaríssimo, podendo a lei federal atribuir o e do Vice-Governador do Estado, em segundo turno.
julgamento do recurso a turmas formadas por juízes Art. 100 – Lei orgânica, votada pela
de primeira instância e estabelecer e irrecorribilidade Assembléia Legislativa, disporá sobre a organização
da decisão. Os Juizados Especiais singulares serão dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário e o
providos por juizes togados, de investidura Ministério Público do Distrito Federal, observadas as
temporária, aos quais caberá a presidência dos normas e os princípios estabelecidos nesta
Juizados Coletivos, na formada lei. Constituição.
16 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 101 – O Distrito Federal celebrará acordo mínimos de população e renda pública e a forma de
ou convênio com a União Federal, para os fins do consulta prévia às populações diretamente
art. 85 desta Constituição. interessadas, para a criação de novos Municípios,
Art. 102 – A União Federal dispensará ao bem como sua divisão em Distritos.
Distrito Federal as contribuições autorizadas pelo art. Art. 114 – A autonomia municipal será
86. assegurada:
Art. 103 – A União Federal não intervirá no I – pela auto-organização, mediante a adoção
Distrito Federal, salvo nos casos e na forma dos arts. de lei orgânica elaborada pela Câmara Municipal,
78 a 80, desta Constituição. que, uma vez observados os princípios estabelecidos
Art. 104 – Aplicam-se ao Distrito Federal as nesta Constituição e na do Estado, poderá variar
regras desta Constituição sobre a competência da segundo as peculiaridades locais;
legislação comum, regulada no art. 75, incisos I até II – pela eleição direta de Prefeito, Vice-
XXVII. Prefeito e Vereadores, realizada simultaneamente
Art. 105 – No Distrito Federal, caberá à União em todo o País, observado, quanto á dos dois
manter a segurança pública. primeiros, o disposto no art. 92 e seu parágrafo
único;
SEÇÃO II III – pela legislação e administração próprias,
no que concerne ao seu peculiar interesse,
DOS TERRITÓRIOS FERAIS especialmente quanto:
a) à decretação e arrecadação dos tributos de
Art. 106 – A lei disporá sobre a organização sua competência e à aplicação de suas rendas, sem
administrativa e judiciária dos Territórios Federais,
prejuízo da obrigatoriedade de prestar contas e
observadas as normas e os princípios estabelecidos
publicar balancetes nos prazos fixa dos em lei;
nesta Constituição.
b) à organização dos serviços públicos locais;
Art. 107 – A função executiva no Território
c) à organização do território municipal, por
Federal será exercida por Governador do Território,
meio de planos urbanísticos, observadas as
nomeado e exonerado pelo Presidente da República,
diretrizes fixadas em normas terais de
com aprovação do nome pelo Senado Federal.
desenvolvimento urbano;
Art. 108 – Os Territórios Federais são divididos
d) à organização do sistema viário e trânsito.
em Municípios, salvo quando não comportarem essa
Art. 115 – Os Municípios poderão celebrar
divisão.
acordo e convênio com outras pessoas jurídicas de
Parágrafo único – Os Prefeitos Municipais
Direito Público interno, para execução de serviços e
serão eleitos, para mandato de quatro anos, por
obras locais, regulando-se as responsabilidades e as
sufrágio universal, voto direto e secreto, com maioria
obrigações de cada participante.
absoluta de votos, no primeiro turno. Não alcançada
a maioria absoluta, observar-se-á o disposto no Art. 116 – Cabe privativamente ao Município a
parágrafo único do art. 92. distribuição do gás natural ou obtido por processos
Art. 109 – As contas da administração técnicos.
financeira e orçamentária dos Territórios Federais Art. 117 – Os subsídios do Prefeito,
serão fiscalizadas e julgadas pelo Tribunal Federal do Vice-Prefeito e dos Vereadores serão
de Contas, e submetidas ao Congresso Nacional até fixados pela Câmara Municipal, no fim de cada
cento e vinte dias após o encerramento do exercício legislatura, para a legislatura seguinte, dentro de
financeiro anual. limites razoáveis e critérios fixado pela Constituição
Art. 110 – Nos Territórios Federais, a do Estado.
manutenção da ordem pública caberá a órgãos Parágrafo único – Mediante ação popular
policiais instituídos por lei federal. qualquer cidadão poderá pedir a revisão do nível dos
Art. 111 – Lei complementar disporá sobre a subsídios que infringir a norma deste artigo.
criação do Território Federal, sua transformação em Art. 118 – O número de Vereadores da
Estado, sua reintegração ao Estado de origem ou Câmara Municipal será variável, conforme se
qualquer das formas previstas no art. 69, atendidas dispuser na Constituição do Estado, respeitadas as
as condições nele estabelecidas. condições locais, proporcionalmente ao eleitorado do
Município, não podendo exceder de vinte e um
SEÇÃO III Vereadores nos Municípios até um milhão de
habitantes e de trinta e três nos demais casos.
DOS MUNICÍPIOS Art. 119 – Á intervenção do Estado no
Município será regulada na Constituição do Estado,
Art. 112 – Os Municípios são entidades somente podendo ocorrer quando:
territoriais dotadas de autonomia política, I – deixar de ser paga, por dois anos
administrativa, legislativa e financeira. consecutivos, a dívida fundada, salvo por motivo de
Art. 113 – Lei estadual estabelecerá os requisitos força maior;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 17

II – não forem prestadas contas devidas, na mento dos órgãos regionais de desenvolvimento
forma da lei; econômico com atuação em mais de um Estado.
III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido de Art. 126 – É garantida aos Estados incluídos no
receita municipal na manutenção e desenvolvimento do
âmbito das atividades dos órgãos regionais de
ensino;
IV – o Tribunal de Justiça do Estado der desenvolvimento a efetiva participação na administração
provimento a representação formulada pelo Chefe do desses órgãos, com a designação da metade dos
Ministério Público estadual, para assegurar a membros de cada entidade, nos termos da lei
observância de princípios indicados na Constituição do complementar.
Estado, bem como para prover á execução de lei ou de
ordem ou decisão judiciária. SEÇÃO V
Art. 120 – O decreto de intervenção, que será
submetido á apreciação da Assembléia Legislativa do
Estado, dentro de cinco dias, especificará a sua DAS REGIÕES METROPOLITANAS
amplitude, prazo e condições de execução e, se couber,
nomeará o interventor. Art. 127 – Lei complementar poderá estabelecer
Parágrafo único – Nos casos do inciso IV do art. regiões metropolitanas, por agrupamento de Municípios
119, dispensada a apreciação pela Assembléia integrantes da mesma região do Estado, para a
Legislativa, o decreto do Governador do Estado limitar- organização e a administração dos serviços públicos
se-á a suspender a execução do ato impugnado, se
intermunicipais de peculiar interesse metropolitano,
essa medida bastar ao restabelecimento da
normalidade. sempre que o atendimento destes serviços ultrapassar o
Art. 121 – A fiscalização financeira e território municipal e impuser o emprego de recursos
orçamentária dos Municípios será exercida pela Câmara comuns.
Municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas Art. 128 – Poderão ser considerados do interesse
de controle interno do Executivo Municipal, na forma da metropolitano, entre outros, os seguintes serviços:
lei.
§ 1º – O controle externo da Câmara Municipal
será exercido com o auxilio do Tribunal de Contas do I – saneamento básico;
Estado ou de outro órgão estadual a que for atribuída II – uso do solo metropolitano;
essa competência. III – transportes, sistema viário e eletrificação;
§ 2º – O parecer prévio sobre as contas que o IV – aproveitamento de recursos hídricos;
Prefeito deve prestar anualmente, emitido pelo TribunalV – proteção do meio ambiente e controle da
de Contas ou órgão estadual competente, só deixará de
poluição;
prevalecer por decisão de dois terços dos membros da
VI – educação e saúde pública;
Câmara Municipal.
§ 3º – Município com população superior a três VII – segurança pública;
milhões de habitantes poderá instituir Tribunal de VIII – outros serviços considerados de interesse
Contas Municipal. metropolitano por lei estadual.
Art. 122 É assegurado aos Vereadores, no Art. 129 – Á União, os Estados e os
território do Município, a inviolabilidade do mandato, por
Municípios integrados na Região Metropolitana
suas opiniões, palavras e votos. consignarão, obrigatoriamente, em seus respectivos
Art. 123 – Quando a matéria for comum ao
orçamentos, recursos financeiros compatíveis com o
Estado e aos Municípios, o Estado expedirá a legislação
de normas gerais e o Município a legislação planejamento, a execução e a continuidade dos
serviços metropolitanos.
suplementar, para compatibilizar aquelas ás normas às
peculiaridades locais. Art. 130 – Á Constituição do Estado disporá sobre
Art. 124 – Poderão ser criados Distritos especiais,
a autonomia, a organização e a competência da Região
por lei estadual, quando determinadas áreas ainda não
Metropolitana como entidade pública e territorial de
reunirem as condições previstas no art. 113, mas já
Governo Metropolitano, podendo atribuir-lhe:
exigirem organização administrativa própria; ou quando
existirem peculiaridades geoeconômicas ou demográficas I – delegação para promover a arrecadação de
taxas, contribuição de melhoria, tarifas e preços, com
não correspondentes á formação de um centro urbano.
fundamento na prestação dos serviços públicos de
SEÇÃO IV interesse metropolitana;
II – competência para expedir normas nas
DAS REGIÕES DE DESENVOLVIMENTO matérias de interesse da Região, não incluídas na
ECONÔMICO
competência do Estado e do Município.
Art. 125 – Lei complementar disporá Parágrafo único – Cada Região Metropolitana
sobre a criação, os recursos, os planos, expedirá seu próprio Estatuto, respeitadas a
a organização, a competência e o funciona- Constituição e a legislação aplicável.
18 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 131 – A União, os Estados, os Municípios das atividades que lhes dão fundamento, ressalvada
e as Regiões Metropolitanas estabelecerão a contribuição de intervenção econômica cuja
mecanismos de cooperação de recursos e de cobrança constitua a própria intervenção.
atividades, para assegurar a realização dos serviços § 3º – As contribuições especiais previstas nas
metropolitanos. alíneas b e c do inciso III não poderão ter fato gerador
Art. 132 – Á criação da Região Metropolitana nem base de cálculo próprios de tributos estaduais ou
será submetida ao referendo popular e dar-se-á por municipais. A prevista na alínea e não poderá ter fato
aprovada se obtiver a manifestação favorável da gerador nem base de cálculo próprios de tributos
maioria dos eleitores da maioria dos municípios federais e estaduais, e a prevista na alínea e não
diretamente interessados, na forma de instruções da poderá ter fato gerador nem base de cálculo próprios
Justiça Eleitoral. de tributos federais e municipais. As hipóteses de
incidência das contribuições previstas nas alíneas d e
CAPITULO VII e serão reguladas por lei complementar.
§ 4º – A contribuição de melhoria será exigida
DO SISTEMA TRIBUTÁRIO aos proprietários de imóveis valorizados por obras
públicas; terá por limite global o custo das obras, que
SEÇÃO I incluirá o valor de despesas e indenizações devidas
por eventuais desvalorizações que elas acarretarem,
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES e por limite individual, exigido de cada contribuinte, a
estimativa legal do acréscimo de valor que resultar
Art. 133 – A política tributária tem para imóveis de sua propriedade.
por objetivo: § 5º – A contribuição de custeio de obras ou
I – prover o Estado dos recursos necessários serviços resultantes do uso do solo urbano é exigível
ao financiamento de suas atividades; de quem promover atos que impliquem aumento de
II – realizar a correção de desigualdades sócio- equipamento urbano em área determinada, e será
econômicas entre Estados, Municípios, regiões e graduada em função do custo desse acréscimo.
grupos sociais; § 6º – Lei complementar definirá as obras e os
serviços resultantes do uso do solo urbano,
III – incentivar o desenvolvimento nacional.
estabelecerá os critérios de aferição dos respectivos
Art. 134 – O Sistema Tributário compreende:
custos e dos limites máximos da sua correspondente
I – os impostos enumerados nos arts. 137,
contribuição.
138, 139 e 140;
§ 7º – Compete privativamente à União instituir
II – taxas remuneratórias de despesas com
as contribuições de intervenção econômica e as
atividades específicas e divisíveis:
contribuições sociais para custeio dos encargos
a) pela prática de atos no exercício regular do previdenciários, corporativos e outras formas
poder de polícia; assistenciais previstas nesta Constituição. Compete
b) pela prestação efetiva de serviços públicos, privativamente aos Municípios instituir a contribuição de
ou pela sua colocação ao dispor do sujeito passivo; custeio de obras ou serviços resultantes do uso do solo
III – as seguintes contribuições especiais: urbano. Compete, concorrentemente, à União, aos
a) contribuição de melhoria; Estados e aos Municípios instituir a contribuição para
b) contribuições de intervenção do domínio eliminação ou controle de atividade poluente, mas a
econômico; contribuição federal exclui a estadual e a municipal
c) contribuições sociais para custeio dos idênticas, e a estadual exclui a municipal idêntica.
encargos previstos no § 7º deste artigo; § 8º – Lei complementar estabelecerá normas
d) contribuição de custeio de obras ou serviços gerais de direito tributário, disporá sobre conflitos de
resultantes do uso do solo urbano; competência, nessa matéria, entre a União, os Estados,
e) contribuição para eliminação ou controle de o Distrito Federal e os Municípios, e regulará as
atividade poluente. limitações constitucionais ao poder de tributar.
§ 1º – As taxas não terão fato gerador nem § 9º – É vedada a cobrança cumulada das
base de cálculo próprios de impostos, nem serão contribuições referidas nas alíneas a e d do inciso III
graduadas em função de valor financeiro ou deste artigo.
econômico de bem, direito ou interesse do sujeito § 10 – Competem á União, nos Territórios
passivo. Federais, os tributos atribuídos aos Estados e, se o
§ 2º – O produto da arrecadação Território não for dividido em Municípios, os tributos
das taxas previstas na alínea a do municipais, bem como, ao Distrito Federal, os tributos
inciso II e das contribuições destina-se ao custeio atribuídos aos Estados e Municípios.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 19

§ 11 – Compete à União instituir empréstimos cas, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos
compulsórios, para fazer face aos encargos serviços vinculados às suas finalidades essenciais
decorrentes de calamidade pública que exija auxílio ou delas decorrentes; não se estende aos serviços
ou providências federais, impossíveis de atender com públicos concedidos, nem exonera o comprador da
os recursos orçamentários disponíveis. O produto da obrigação de pagar impostos devidos sobre imóveis
arrecadação será aplicado necessariamente no objeto de compra e venda.
atendimento da calamidade pública que lhe der causa. Art. 136 – E vedado:
A devolução do empréstimo compulsório será I – à União instituir tributo que não seja
efetuado em dinheiro, cujo montante corresponderá uniforme em todo o território nacional, salvo
ao seu poder aquisitivo real, em prazo não superior a incentivos tributários instituídos em lei complementar,
cinco anos, contados da data de sua instituição, ou que implique distinção ou preferência em relação
permitida, mediante opção do contribuinte, automática
a qualquer categoria ou atividade profissional,
compensação do valor a ser devolvido com qualquer
Estado ou Município;
debito seu para com a União.
II – à União tributar a renda das obrigações da
§ 12 – A lei poderá autorizar a União a instituir
investimentos compulsórios, para fazer face ao divida pública estadual ou municipal e a
custeio de obras que ela declare prioritárias e não remuneração dos agentes públicos dos Estados e
possa ser atendido por dotações orçamentárias ou Municípios em níveis superiores aos que fixar para
recursos obtidos mediante emissão de títulos da as suas próprias obrigações e para os proventos dos
divida pública de livre colocação no mercado. A lei seus próprios agentes;
garantirá a liquidez desses investimentos. III – à União, aos Estados, ao Distrito Federal
§ 13 – Aos empréstimos compulsórios e aos Municípios estabelecer diferença tributária
previstos no § 11 deste artigo aplicam-se as entre bens de qualquer natureza, ou entraves à sua
disposições constitucionais e de leis complementares circulação, em razão da respectiva procedência ou
sobre matéria tributária, ressalvado apenas o destino.
disposto, no art. 146.
§ 14 – Nenhuma prestação em dinheiro ou SEÇÃO II
nele conversível, que não constitua sanção por ato
ilícito, poderá ser exigi da compulsoriamente, sem DOS IMPOSTOS DA UNIÃO
observância das normas sobre instituição, majoração
e cobrança de tributos, constantes desta Art. 137 – Compete à União instituir impostos
Constituição e de leis complementares. sobre:
Art. 135 – É vedado à União, aos Estados, ao I – importação de produtos estrangeiros;
Distrito Federal e aos Municípios: II – exportação, para o exterior, de produtos
I – instituir ou aumentar tributo sem que a lei o nacionais ou nacionalizados;
estabeleça, ressalvadas, quanto ao aumento, as III – propriedade territorial rural;
exceções expressas nesta Constituição; IV – renda e proventos de qualquer natureza,
II – estabelecer limitações ao tráfego de cujo fato gerador coincidirá com o término do
pessoas, seus bens, ou mercadorias, por meio de exercício financeiro da União;
tributos interestaduais ou intermunicipais; e V – consumos especiais, incidente sobre
III – instituir impostos sobre: produtos enumerados em lei complementar;
a) o patrimônio, a renda ou os serviços uns VI – operações de crédito, câmbio, seguro e
dos outros; relativas a títulos e valores mobiliários;
b) os templos de qualquer culto e suas
VII – serviços de comunicações, que, pela sua
dependências adjacentes, indispensáveis ao pleno
natureza ou extensão, se desenvolvam ou terminem
exercício das atividades religiosas;
em mais de um Estado;
c) o patrimônio, a renda ou os serviços dos
VIII – serviços de transportes rodoviárias que,
partidos políticos e de instituições de educação,
cultura ou pesquisa cientifica, de assistência social e pela sua natureza ou extensão, se desenvolvam ou
das entidades fechadas de previdência privada, terminem em mais de um Estado;
observados os requisitos estabelecidos em lei IX – produção, importação, circulação,
complementar; distribuição ou consumo de lubrificantes e
d) o livro, o jornal e os periódicos, assim como combustíveis líquidos ou gasosos e de energia
o papel destinado á sua impressão. elétrica, imposto que incidirá apenas uma
Parágrafo único – O disposto na vez sobre qualquer dessas operações, excluída a
alínea a do inciso III deste artigo e incidência, sobre elas, de qualquer outro tributo,
extensivo às autarquias e às fundações pübli- excetuado apenas, quanto aos combusti-
20 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

veis e lubrificantes líquidos e gasosos, o de que trata III – operações relativas à circulação de
o inciso III do art. 139; mercadorias, realizadas por produtores, industriais e
X – extração, circulação, distribuição ou comerciantes, imposto que não será cumulativo,
consumo dos minerais do país que forem abatendo-se em cada operação o montante
enumerados em lei, imposto que incidirá apenas uma correspondente à anterior, ocorrida no mesmo ou em
vez sobre qualquer dessas operações, excluída a outro Estado;
incidência, sobre elas, de qualquer outro tributo; IV – transporte rodoviário intermunicipal, que
XI – propriedade de bens móveis de caráter não ultrapasse os limites do Estado;
suntuário, excluídos os de valor cultural, artístico ou V – propriedade de veículos automotores,
religioso, definidos em lei complementar. vedada a instituição de impostos ou taxas sobre a
§ 1º – O imposto sobre consumos especiais terá respectiva utilização.
alíquotas graduadas em função da essencialidade dos § 1º – O imposto sobre a aquisição, a qualquer
produtos indicados em lei complementar, e não será título, de bens imóveis por natureza ou acessão
cumulativo, abatendo-se, em cada operação, o física e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de
montante correspondente às anteriores. garantia, compete ao Estado onde estiver situado o
§ 2º – A lei poderá destinar a receita dos imóvel, e incide na hipótese de promessa de compra
impostos de exportação e sobre operações de e venda sem cláusula de arrependimento, e
crédito, câmbio, seguro e relativos a títulos e valores respectivas cessões. O imposto a que se refere o
mobiliários à formação de reservas monetárias ou de inciso II deste artigo compete ao Estado em que
capital, para financiamento de programas de esteja situado o imóvel, ainda que a sucessão seja
desenvolvimento econômico. aberta no exterior; e, em se tratando de bens móveis,
§ 3º – O imposto sobre a propriedade territorial àquele em que se processar o inventário ou
rural compor-se-á de uma parcela calculada sobre a arrolamento ou tiver domicílio o doador.
extensão e o valor venal da terra, e outra § 2º – O imposto sobre aquisição, a qualquer
determinada em função inversa de sua utilização e titulo, de bens imóveis por natureza ou acessão
produtividade, segundo critérios que serão física e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de
estabelecidos em lei complementar, tendo em vista garantia, não incide sobre a transmissão de bens ou
induzir a reforma agrária e o aproveitamento das direitos incorporados ao patrimônio de pessoa
terras rurais segundo a sua destinação social e o jurídica em realização de capital, nem sobre a
interesse coletivo. O imposto não incidirá, em transmissão de bens ou direitos em decorrência de
qualquer das duas modalidades, sobre glebas rurais fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa
de área não excedente ao módulo rural da região, jurídica, salvo se, no caso de transmissão a pessoa
quando as cultive, só ou com sua família, o jurídica, a atividade preponderante da adquirente for
proprietário que não tenha a posse nem a o comércio desses bens ou a sua locação ou
propriedade de outro imóvel. arrendamento mercantil.
§ 4º – A União poderá, na iminência ou no § 3º – Lei complementar, referente ao imposto
caso de guerra externa, instituir, temporariamente, sobre operações relativas à circulação de
impostos extraordinários, compreendidos na sua mercadorias:
competência tributária, ou não, os quais serão a) poderá instituir, além das mencionadas,
suprimidos gradativamente, cessadas as causas de outras categorias de contribuintes;
sua criação. b) estabelecerá mecanismos de compensação
§ 5º – A lei poderá delegar ao Poder Executivo financeira entre Estados remetentes e destinatários
a faculdade de aumentar ou reduzir, nas condições e em razão de operações interestaduais, ou que se
dentro dos limites que estabelecer, as alíquotas dos relacionem com as exportações de mercadorias.
impostos de importação, exportação, consumos § 4º – A alíquota do imposto sobre operações
especiais e operações de crédito, câmbio, seguro e de circulação de mercadorias será uniforme para
dos relativos a valores imobiliários. todas as mercadorias nas operações internas e
interestaduais; o Senado Federal, mediante
SEÇÃO III resolução adotada por iniciativa do Presidente da
República, fixará as alíquotas máximas para as
DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO operações internas, interestaduais e de exportação.
DISTRITO FEDERAL Nas operações interestaduais com consumidor final,
aplicar-se-á alíquota própria das operações internas,
Art. 138 – Compete aos Estados e ao Distrito cabendo ao Estado destinatário a parcela
Federal instituir imposto sobre: correspondente à diferença entre a alíquota aplicada
I – aquisição, a qualquer título, de bens e a alíquota própria das operações interestaduais.
imóveis por natureza ou acessão física e de direitos § 5º – As isenções e demais benefícios
reais sobre imóveis, exceto os de garantia; fiscais relativos ao imposto sobre operações de
II – doações e transmissões causa mortis de circulação de mercadorias serão concedidas e
quaisquer bens ou valores; revogadas nos termos estabelecidos em convênios
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 9

celebrados por todos os Estados ou pelos dos por esta Constituição, desde que não tenham
integrantes de cada Região Geoeconômica, fato gerador ou base de cálculo próprios de qualquer
ratificados pelas Assembléias Legislativas, na forma destes. O imposto federal excluirá o estadual
prevista em lei complementar. idêntico.
§ 6º – O imposto sobre operações de
circulação de mercadorias não incidirá sobre as SEÇÃO VI
operações que destinem ao exterior produtos
industrializados, e outros incluídos em lei DAS PARTICIPAÇÕES E DISTRIBUIÇÕES DE
complementar. RECEITAS
§ 7º – Do montante do imposto sobre
operações de circulação de mercadorias devido Art. 141 – Pertence aos Estados o produto da
pelas operações também sujeitas ao imposto de arrecadação do imposto sobre a renda e proventos
vendas a varejo será deduzido o valor deste, na de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre
forma prevista em lei complementar. rendimentos pagos por eles e suas autarquias, a
§ 8º – Os contribuintes que utilizarem como qualquer título, e quarenta por cento do produto da
matéria-prima minerais do País sujeitos ao imposto arrecadação do imposto sobre a propriedade de
único sobre minerais abaterão o montante desse bens móveis santuários, excetuados os bens de
imposto do que incide sobre operações de circulação valor cultural, artístico ou religioso.
de mercadorias, na forma estabelecida em lei Art. 142 – Pertencem aos Municípios:
complementar. I – o produto da arrecadação do imposto
§ 9º – As empresas que utilizarem sobre a renda e produtos de qualquer natureza,
combustíveis, lubrificantes e energia elétrica como incidente na fonte, sobre rendimentos pagos por
insumos na fabricação de bens poderão abater o eles e suas autarquias a qualquer título;
imposto a que se refere o inciso IX do art. 137 do II – oitenta por cento do produto do imposto
valor devido a título do imposto sobre operações de sobre a propriedade territorial rural incidente sobre
circulação de mercadorias. imóveis situados em seu território;
III – quarenta por cento do produto da
SEÇÃO IV arrecadação, pelos Estados, dos impostos previstos
no art. 140;
DOS IMPOSTOS DOS MUNICÍPIOS IV – cinqüenta por cento do produto da
arrecadação do imposto sobre operações de
Art. 139 – Compete aos Municípios instituir crédito, câmbio, seguro e relativas a títulos e
imposto sobre: valores mobiliários;
I – propriedade predial e territorial urbana; V – vinte por cento do produto de
II – serviços de qualquer natureza, não arrecadação do imposto sobre operações de
incluídos na competência tributária da União ou dos circulação de mercadorias realizadas nos seus
Estados, que não constituam fase necessária da territórios;
produção de bens ou da atividade tributada pelo VI – trinta por cento do produto da
imposto sobre transporte rodoviário, a que se referem arrecadação do imposto sobre a propriedade de
o inciso IV do art. 138 e o inciso VIII do art. 137; bens móveis santuários, excluídos os bens de valor
III – vendas a varejo; cultural, artístico ou religioso.
IV – locação de bens móveis e arrendamento § 1º – Os valores das participações referidas
mercantil. nos incisos II e III deste artigo serão, após a
§ 1º – A alíquota máxima do imposto sobre dedução da parcela ali referida, depositados em
vendas a varejo será fixada em lei complementar. estabelecimentos oficiais de crédito, dentro do
§ 2º – A alíquota do imposto sobre a prazo máximo de trinta dias após a sua
propriedade predial e territorial urbana será arrecadação, em nome das pessoas jurídicas de
progressiva, nos termos da lei com elementar, em direito público neles mencionadas, no prazo
função do número de imóveis do mesmo contribuinte ajustado em convênios, nunca superior a trinta
e do tempo decorrido sem utilização socialmente dias.
adequada no caso de imóveis construídos. § 2º – A União e os Estados divulgarão, pelos
respectivos órgãos oficiais, até o último dia do mês
SEÇÃO V subseqüente, os montantes de cada um dos
impostos, englobando os acréscimos arrecadados,
DOS IMPOSTOS DE COMPETÊNCIA bem como os valores transferidos aos Municípios.
CONCORRENTE § 3º – Salvo prévio ajuste em contrário entre
os entes públicos interessados, a participação de
Art. 140 – A União, os Estados e o uns na receita tributária de outros será calculada
Distrito Federal poderão instituir outros com abstração do efeito redutor de isenções totais
impostos além dos que lhes são atribui- ou parciais concedidas pelo titular dos impostos.
22 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 143 – Do produto da arrecadação dos II – os critérios de distribuição das participações


impostos sobre a renda e proventos de qualquer previstas nos arts. 142, 143 e 144 e os prazos de
entrega dos recursos a cada participante, de sorte que
natureza e sobre consumos especiais a União
estes sejam recebidos com a máxima brevidade e sem
destinará: qualquer discriminação estranha às normas legais
I – quatorze por cento ao Fundo de Participação aplicáveis.
dos Estados e do Distrito Federal; Parágrafo único – Caberá ao Tribunal Federal de
II – dezessete por cento ao Fundo de Contas, com base nas normas da legislação
complementar, orientar e fiscalizar a efetiva entrega,
Participação dos Municípios;
aos seus destinatários legais, das participações devidas
III – dois por cento ao Fundo Especial; aos Fundos a que se referem os arts. 142, 143 e 144 e
IV – um por cento ao Fundo de Participação das das parcelas a que se referem os incisos II, III, IV e V
Regiões Metropolitanas, na forma do disposto em lei do art. 142, promovendo o que for necessário à sua
complementar. pronta liberação e à responsabilização funcional de
quem a retardar indevidamente.
§ 1º – Para efeito de cálculo da participação no Art. 147 – É assegurado aos Estados
imposto sobre a renda e proventos de qualquer relativamente à União, e aos Municípios em relação aos
natureza, excluir-se-ão as parcelas previstas nos arts. Estados e à União, o direito de lhes cobrar a parcela
141 e 142, inciso I. que lhes for atribuída, por força de qualquer das formas
de participação estabelecidas neste Capítulo, quando
§ 2º – Os Municípios aplicarão em programa de
ocorrer arrecadação inferior à devida, decorrente de
saúde seis por cento do valor que lhes for creditado por isenção total ou parcial, ou omissão da entidade
força do disposto no inciso II deste artigo. competente no seu dever de instituir, lançar ou
Art. 144 – Do produto da arrecadação dos arrecadar o tributo.
impostos a que se refere o art. 140, quando instituídos Parágrafo único – Os Municípios poderão,
fundamentadamente, impugnar o valor adotado para
pela União, esta destinará: base de cálculo do imposto sobre a propriedade
I – trinta por cento ao Fundo de Participação dos territorial rural, quando esta for discrepante da realidade
Estados e do Distrito Federal; local.
II – trinta por cento ao Fundo de Participação doe
SEÇÃO VII
Municípios.
Art. 145 – A União destinará aos Estados, ao DISPOSIÇÕES FINAIS
Distrito Federal e aos Municípios:
I – sessenta por cento do produto da Art. 148 – As leis que, instituem ou aumentam
arrecadação do imposto único sobre produção, tributos, bem como as que definem novas hipóteses de
incidência, entrarão em vigor não menos de noventa
importação, circulação, distribuição ou consumo de dias após a sua publicação, ressalvadas as relativas
lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos, bem aos impostos mencionados nos incisos I, II e no § 4º do
como dos seus adicionais e outros gravames federais art. 137; as contribuições a que se refere a alínea b do
relacionados com os produtos nele referidos; inciso III do art. 134; os impostos sobre operações de
crédito, câmbio, seguro e valores mobiliários,
II – sessenta por cento do produto da
compreendidos no inciso VI do art. 137; e o empréstimo
arrecadação do imposto único sobre energia elétrica; ou investimento compulsório a que aludem os §§ 11 e
III – noventa por cento do produto 12 do art. 134.
da arrecadação do imposto único sobre minerais do Art. 149 – Os tributos terão caráter pessoal,
País; sempre que isso for possível, e serão graduados pela
capacidade econômica do contribuinte segundo critérios
IV – setenta por cento do imposto sobre fixados em lei complementar, que assegurará às
transportes rodoviários, sendo cinqüenta por cento para pequenas e microempresas tratamento tributário
os Estados e o Distrito Federal, e vinte por cento para compatível com a sua receita bruta.
os Municípios;
CAPÍTULO VIII
V – cinqüenta por cento do produto da
arrecadação do imposto sobre operações de crédito, DO PODER LEGISLATIVO
câmbio, seguros e valores mobiliários, salvo quando
destinada à formação de reserva, nos termos do § 2º do SEÇÃO I
art. 137.
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 146 – Lei complementar regulará:
I – os critérios de atribuição e aplicação dos Art. 150 – O Poder Legislativo é exercido Pelo
recursos do Fundo Especial a que se refere o inciso III Congresso Nacional, que se compõe da Câmara dos
do art. 142; Deputados e do Senado Federal.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 23

Art. 151 – O Congresso Nacional reunir-se- b) a Mesa da Câmara dos Deputados ou a do


á, anualmente, na Capital da União, de 1º de Senado Federal, dando ciência ao Ministro
março a 30 de junho e de 1º de agosto a 20 de competente, encaminhará aos dirigentes de órgãos
dezembro. ou entidades sujeitas à fiscalização do Congresso
§ 1º – No primeiro ano da legislatura, cada Nacional ou de suas Casas pedidos de informações
uma das Câmaras reunir-se-á em sessões sobre fato determinado, devendo-a resposta ser
preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, para a dada no prazo de sessenta dias, sob pena de
posse de seus membros e eleição das responsabilidade;
respectivas Mesas. c) será de dois anos o mandato dos membros
§ 2º – No caso de dissolução da Câmara da Mesa de qualquer das Câmaras, proibida a
dos Deputados, o Tribunal Superior Eleitoral, participação na Mesa seguinte.
atendendo ao art. 236, fixará a data da Art. 154 – Salvo disposição constitucional em
posse dos eleitos e da escolha da contrário, as deliberações de cada Câmara serão
Mesa. tomadas por maioria de votos, presente a maioria de
§ 3º – A convocação extraordinária do seus membros. O voto é pessoal.
Congresso Nacional far-se-á: Art. 155 – Os Deputados e Senadores são
a) pelo Presidente do Senado Federal, invioláveis durante o mandato, por suas opiniões,
em caso de decretação do estado de alarme, palavras e votos.
do estado de sítio e de intervenção Art. 156 – Desde a expedição do diploma até a
federal; instalação da legislatura seguinte, os membros do
b) pelo Presidente da República, quando a Congresso Nacional não poderão ser presos, salvo
entender necessária; em flagrante de crime inafiançável.
c) pela Comissão Permanente, para Parágrafo único – No caso de flagrante de
deliberar sobre o veto ou pedido de crime inafiançável, os autos serão remetidos, dentro
reconsideração, se considerar a matéria de de quarenta e oito horas, à Câmara respectiva, para
urgente interesse nacional; que, pelo voto secreto da maioria de seus membros,
d) por um terço da Câmara dos Deputados resolva sobre a prisão.
e do Senado Federal. Art. 157 – Os Deputados e Senadores serão
§ 4º – Na sessão legislativa extraordinária, processados e julgados pelo Supremo Tribunal
o Congresso Nacional somente deliberará sobre a Federal.
matéria para a qual for convocado. § 1º – A Câmara respectiva, mediante voto
Art. 152 – O Congresso Nacional reunir-se- secreto e maioria absoluta, poderá a qualquer
á, em sessão e conjunta, sob a direção da Mesa momento, por iniciativa da Mesa, sustar o processo.
do Senado, para: § 2º – Sustado o processo, não correrá a
I – instalar a sessão legislativa; prescrição enquanto durar o mandato.
II – elaborar o regimento comum; Art. 158 – Os Deputados e Senadores, civis ou
III – discutir e votar o orçamento; militares, não poderão ser incorporados às Forças
IV – receber o compromisso do Presidente Armadas senão em tempo de guerra e mediante
e do Vice-Presidente da República; licença de sua Câmara, ficando então sujeitos à
V – decidir sobre o veto e o pedido de legislação militar.
reconsideração; Art. 159 – As prerrogativas processuais dos
VI – decidir sobre o estado de alarme; Senadores e Deputados, arrolados como
VI – aprovar e suspender o estado de sítio testemunhas, não subsistirão se deixarem de
ou a intervenção federal; atender, sem justa causa, no prazo de trinta dias, à
VIII – eleger a Comissão Permanente do solicitação judicial.
Congresso Nacional; Art. 160 – Os Deputados e Senadores
IX – outros casos previstos nesta perceberão, mensalmente, subsídio e representação
Constituição. iguais, e ajuda de custo anual, estabelecidos no fim
Art. 153 – A cada Câmara compete elaborar de cada legislatura para a subseqüente e sujeitos
seu regimento interno, dispor sobre sua aos impostos gerais, incluídos o de renda e os
organização, provimento dos seus cargos e sua extraordinários previstos no art. 134.
polícia. § 1º – O pagamento da ajuda de custo será
Parágrafo único – Observar-se-ão as feito em duas parcelas, no início e no término da
seguintes normas regimentais: sessão legislativa ordinária, só recebendo a segunda
a) na constituição das Comissões quem houver comparecido a dois terços das sessões
assegurar-se tanto quanto possível, a realizadas no período.
representação proporcional dos partido que § 2º – Nas convocações extraordinárias não
integrem respectiva Câmara; será devida a ajuda de custo.
24 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 161 – Os Deputados e Senadores não provocação de qualquer de seus membros, de


poderão: partido político ou do primeiro suplente, assegurada
I – desde a expedição do diploma: plena defesa.
a) firmar ou manter contrato com pessoa de § 4º – Na hipótese do item III, a perda do
direito público, autarquia, empresa pública, mandato poderá ainda decorrer de decisão do
sociedade de economia mista ou empresa Supremo Tribunal Federal em ação popular.
concessionária do serviço público; § 5º – Nos casos previstos nos itens IV e V
b) aceitar ou exercer cargo, função ou deste artigo, a perda será declarada pela respectiva
emprego remunerado nas entidades constantes da Mesa.
alínea anterior; Art. 163 – Não perde o mandato o Deputado
II – desde a posse: ou Senador investido na função de Presidente do
a) ser proprietários, controladores ou diretores Conselho, Ministro de Estado, Secretário de Estado
de empresa que goze de favor decorrente de e do Distrito Federal, quando licenciado por motivo
contrato com pessoa jurídica de direito público ou da de doença ou para tratar, sem remuneração, de
administração indireta, ou nelas exercer função interesses particulares, desde que, nesta hipótese, o
remunerada; afastamento não ultrapasse cento e vinte dias.
b) ocupar cargo, função ou emprego, de que § 1º – Convocar-se-á suplente nos casos de
sejam demissíveis ad nutum, nas entidades referidas vaga, de investidura nas funções previstas neste
na alínea a, do item I, ou naquelas que exercem artigo ou de licença por período superior a cento e
atividade econômica decorrente de concessão, vinte dias.
autorização ou permissão de serviço público; § 2º – Ocorrendo vaga e não havendo
c) exercer outro cargo eletivo federal, estadual suplente, far-se-á eleição para preenchê-la se
ou municipal; faltarem mais de quinze meses para o término do
d) exercer a presidência de entidade sindical mandato.
de qualquer grau; § 3º – Com licença de sua Câmara, poderá o
e) patrocinar causa em que seja interessada Deputado ou Senador desempenhar missão
qualquer das entidades a que se refere a alínea a do diplomática de caráter temporário ou participar, no
item I. estrangeiro, de congressos, conferências ou missões
Art. 162 – Perderá o mandato o Deputado ou culturais.
Senador: Art. 164 – A Câmara dos Deputados e o
I – que infringir qualquer das proibições Senado Federal, em conjunto ou separadamente,
estabelecidas no artigo anterior; criarão comissões de inquérito sobre fato
II – cujo procedimento for declarado determinado e por prazo certo, mediante
incompatível com o decoro parlamentar; requerimento de um terço de seus membros.
III – que deixar de comparecer, em cada § 1º – As comissões parlamentares de
sessão legislativa anual, à terça parte das sessões inquérito gozam dos poderes instrutórios das
ordinárias da Câmara a que pertencer, salvo doença autoridades judiciais.
comprovada, licença ou missão autorizada pela § 2º – Ultimados os trabalhos, o relatório geral,
respectiva Casa; com as conclusões e os votos vencidos, será
IV – que perder ou tiver suspensos os direitos publicado e encaminha do ao Procurador-Geral da
políticos; República para promover a responsabilidade civil ou
V – quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos penal que couber.
termos do art. 303, VII, desta Constituição; Art. 165 – O Presidente do Conselho e os
VI – que deixar o partido sob cuja legenda foi Ministros de Estado são obrigados a comparecer
eleito, salvo para participar como fundador de novo perante a Câmara dos Deputados, o Senado Federal
partido. ou qualquer de suas Comissões, quando uma ou
§ 1º – Considerar-se-á incompatível com o outra Câmara os convocar para prestar informações
decoro parlamentar o abuso das prerrogativas acerca de assunto previamente determinado.
asseguradas ao congressista ou a percepção, no Parágrafo único – A falta de comparecimento,
exercício do mandato, de vantagens indevidas, além sem justificação, importa crime de responsabilidade,
dos casos definidos no regimento interno. sem prejuízo de moção de censura.
§ 2º – Nos casos dos itens I, II e VI deste Art. 166 – O Presidente do Conselho e os
artigo, a perda do mandato será decidida pela Ministros de Estado têm acesso às sessões do
Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por Congresso, de suas Casas e Comissões, e nelas
voto secreto, mediante provocação de qualquer de serão ouvidos, na forma do respectivo regimento
seus membros, da respectiva Mesa ou de partido interna.
político. Art. 167 – No intervalo das sessões
§ 3º – No caso do item III, a perda legislativas, funcionará Comissão Permanente do
do mandato será declarada pela mesa da Congresso Nacional, constituída e na forma que
Câmara respectiva, de ofício ou mediante dispuser o regimento comum, cabendo-lhe:
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 25

I – velar pelo respeito às prerrogativas do Art. 170 – Compete privativamente à Câmara


Poder Legislativo; dos Deputados:
II – aprovar o estado de alarme e I – declarar, por dois terços dos seus
pronunciar-se previamente sobre a decretação do membros, a procedência da acusação contra o
estado de sítio; Presidente da República, o Presidente do Conselho
III – receber a comunicação de veto ou de e os Ministros de Estado;
pedido de reconsideração e publicá-lo, atendendo II – proceder à tomada de contas do
ao art. 151, § 3º, alínea c; Presidente do Conselho, quando não apresentada ao
IV – autorizar o Presidente da República, o Congresso Nacional dentro de sessenta dias da
Vice-Presidente e o Presidente do Conselho a se abertura da sessão legislativa;
ausentarem do País; III – aprovar, por maioria absoluta, a indicação
V – desempenhar atribuições administrativas do Presidente do Conselho, nos casos previstos
fixadas no regimento comum. nesta Constituição;
Parágrafo único – Na abertura da sessão IV – aprovar, por maioria absoluta, moção de
legislativa, a Comissão Permanente apresentará Censura ao Presidente do Conselho e a um ou mais
relatório dos trabalhos realizados. Ministros de Estado;
V – aprovar, por maioria absoluta, voto de
SEÇÃO II confiança solicitado pelo Presidente do Conselho;
VI – eleger o Defensor do Povo;
DA CÂMARA DOS DEPUTADOS VII – propor projetos de lei que criem ou
extingam cargos de seus serviços e fixem os
Art. 168 – A Câmara dos Deputados respectivos vencimentos.
compõe-se de até quatro centos e vinte
representantes do povo, eleitos dentre cidadãos SEÇÃO III
maiores de vinte e um anos, e no exercício dos
direitos políticos, em cada Estado, no Distrito DO SENADO FEDERAL
Federal e nos Territórios.
§ 1º – Observado o limite máximo previsto Art. 171 – O Senado Federal compõe-se de
neste artigo, o número de Deputados por Estado representantes dos Estados e do Distrito Federal,
e pelo Distrito Federal será estabelecido pela eleitos, segundo o princípio majoritário, dentre
Justiça Eleitoral, proporcionalmente à população, cidadãos maiores de trinta e cinco anos e no
com os reajustes necessários para que nenhum exercício dos direitos políticos.
Estado ou o Distrito Federal tenha menos de seis § 1º – Cada Estado e o Distrito Federal
ou mais de setenta Deputados. elegerão três Senadores, com mandato de oito anos.
§ 2º – O mandato dos Deputados será de § 2º – A representação de cada Estado e do
quatro anos, salvo dissolução da Câmara. Distrito Federal renovar-se-á de quatro em quatro
§ 3º – Excetuado o de Fernando de anos, alternadamente, por um e dois terços.
Noronha, cada Território elegerá três Deputados. § 3º – Cada Senador será eleito com um
Art. 169 – O sistema eleitoral será misto, suplente.
elegendo-se metade da representação pelo Art. 172 – Compete privativamente ao Senado
critério majoritário, em distritos uninominais, Federal:
concorrendo um candidato por partido, e metade I – julgar o Presidente da República e o
através de listas partidárias. Presidente do Conselho nos crimes de
§ 1º – A soma dos votos obtidos, em todos responsabilidade e os Ministros de Estado nos
os distritos, pelos candidatos de cada partido crimes da mesma natureza conexos com aqueles;
servirá de base para a distribuição das II – processar e julgar os Ministros do
cadeiras, de modo a assegurar, quando Supremo Tribunal Federal e o Procurador Geral da
possível a representação proporcional das República, nos crimes de responsabilidade;
legendas. III – aprovar previamente, por voto secreto, a
§ 2º – Se o número de cadeiras obtidas escolha de magistrados, nos casos determinados
por um partido, segundo o disposto no pela Constituição, dos Ministros do Tribunal Federal
parágrafo anterior, for maior do que o de de Contas, do Procurador-Geral da República, dos
Deputados eleitos pelo critério majoritário, o chefes de missão diplomática de caráter permanente
restante das vagas será preenchido pelos e dos diretores do Banco Central do Brasil;
candidatos da respectiva lista, na ordem do seu IV – anuir previamente, por voto secreto e
registro. maioria absoluta, na exoneração do Procurador-
§ 3º – Lei complementar regulará o disposto Geral da República;
neste artigo, assegurando a participação de todos V – fixar, por proposta do Presidente
os filiados na escolha e no ordenamento da lista da República e mediante resolução,
partidária. limites globais para o montante da di
26 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

vida consolidada dos Estados e Municípios; I – resolver definitivamente sobre os


estabelecer e alterar limites de prazo, mínimo e tratados, convenções e atos internacionais,
máximo, taxas de juros e demais condições das inclusive os executivos, ou qual quer de suas
obrigações por eles emitidas; e proibir ou limitar alterações;
temporariamente emissão e o lançamento de II – autorizar e aprovar empréstimos,
quaisquer obrigações dessas entidades; operações, acordos e obrigações externas, de
VI – legislar, em caso de urgência, durante o qualquer natureza, contraídas ou garantidas pela
período em que a Câmara dos Deputados estiver União, pelos Estados, pelo Distrito Federal
dissolvida, sobre todas as matérias de competência e pelos Municípios, pelas entidades de sua
da União; administração indireta ou sociedades sob o
VII – suspender a eficácia, no todo ou em seu controle, os quais só vigorarão a partir
parte, de lei ou decreto, incidentalmente declarados da data do decreto legislativo de sua
inconstitucionais por decisão definitiva do Supremo aprovação;
Tribunal Federal; III – autorizar o Presidente da Republica a
VIII – vetar os atos normativos da declarar a guerra e a celebrar a paz, assim como
Administração Pública Federal que exorbitarem do permitir que forças aliadas transitem pelo
poder regulamentar ou dos limites da delegação território nacional ou nele operem, observando o
legislativa; disposto no art. 229, XVIII;
IX – expedir resoluções; e IV – autorizar o Presidente e o Vice-
X – propor projetos de lei que criem ou Presidente da República e o Presidente do
extingam cargos de seus serviços e fixem os Conselho a se ausentarem do País;
respectivos vencimentos. V – determinar a realização de
Parágrafo único – Nos casos previstos nos referendo;
itens I e II, funcionará como Presidente do Senado VI – aprovar a incorporação, subdivisão ou
Federal o do Supremo Tribunal Federal; somente por desmembramento e a criação de Estados ou
dois terços de votos será proferida a sentença Territórios;
condenatória, e a pena limitar-se-á à perda do cargo, VII – aprovar e suspender o estado de sítio
com inabilitação, por cinco anos, para o exercício de ou a intervenção federal;
função pública, sem prejuízo de ação na justiça VIII – decidir sobre a decretação do estado
ordinária. de alarme;
IX – mudar temporariamente a sua
SEÇÃO IV sede;
X – conceder anistia;
DAS ATRIBUIÇÕES DO PODER LEGISLATIVO XI – fixar, para viger no mandato seguinte,
a ajuda de custo dos membros do Congresso
Art. 173 – Cabe ao Congresso Nacional, com Nacional, assim como a representação e os
a sanção do Presidente da República, dispor sobre subsídios destes, os do Presidente e Vice-
todas as matérias de competência da União, Presidente da República e do Presidente do
especialmente: Conselho;
I – sistema tributário, arrecadação e XII – julgar anualmente as contas
distribuição de rendas; apresentadas pelo Presidente do
II – orçamento anual e plurianual; abertura e Conselho;
operação de crédito; dívida pública; emissões de XIII – apreciar os relatórios semestrais
curso forçado; sobre a execução dos planos de
III – fixação do efetivo das Forças Armadas governo;
para o tempo de paz; XIV – deliberar sobre o adiamento e a
IV – planos e programas nacionais e regionais suspensão de suas sessões.
de desenvolvimento;
V – criação de cargos públicos e fixação dos SEÇÃO V
respectivos vencimentos;
VI – limites do território nacional; espaço e DO PROCESSO LEGISLATIVO
aéreo e marítimo; bens do domínio da União;
VII – transferência temporária da sede do Art. 175 – O processo legislativo
Governo Federal; e compreende a elaboração de:
VIII – organização judiciária do Distrito Federal I – emendas à Constituição;
e dos Territórios e organização administrativa dos II – leis complementares à Constituição;
Territórios. III – leis ordinárias;
Art. 174 – É da competência exclusiva do IV – leis delegadas;
Congresso Nacional: V – decretos legislativos; e
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 27

VI – resoluções. Art. 184 – Cabe privativamente ao Presidente


Art. 176 – As leis complementares serão da República, ouvido o Presidente do Conselho ou
aprovadas somente quando obtiverem maioria por solicitação deste, a iniciativa de leis que:
absoluta dos votos dos membros de cada uma das I – disponham sobre planos nacionais e
Casas do Congresso Nacional, observados os regionais de desenvolvimento econômico e social;
demais termos de tramitação das leis ordinárias. II – criem cargos, funções ou empregos em
Art. 177 – A discussão e votação dos projetos serviços existentes ou aumentem a sua
de lei de iniciativa do Presidente da República terão remuneração;
início na Câmara dos Deputados. III – fixem ou aumentem os efetivos das
§ 1º – Os projetos de lei referidos neste artigo, Forças Armadas.
se o solicitar o Presidente da República ou o Art. 185 – Incumbe ao Presidente do
Presidente do Conselho, serão incluídos na ordem Conselho, com a aprovação do Presidente da
do dia até noventa dias após o seu recebimento, e República, o encaminhamento ao Congresso
terão preferência para discussão e votação sobre Nacional da proposta orçamentária do Poder
qualquer outra matéria. Executivo.
§ 2º – Ao Presidente da República ou ao Art. 186 – A iniciativa legislativa popular será
Presidente do Conselho incumbirá também solicitar admitida nos casos e na forma estabelecidos em
que o projeto seja apreciado sob regime de urgência, lei complementar, me diante a apresentação de
em ambas as Casas do Congresso Nacional. projetos de lei articulados.
Art. 178 – A iniciativa de projetos de lei cabe Art. 187 – A discussão e a votação de
às bancadas dos partidos políticos; a grupos projetos de lei sobre matéria determinada poderão
parlamentares regimentalmente constituídos; a um ser delegadas pelo Congresso Nacional ao
décimo, como co-autores, de representantes da Conselho de Ministros ou a Comissão Especial de
Câmara dos Deputados ou do Senado Federal; ou Deputados e Senadores; qualquer das Câmaras
aos Tribunais federais, nos casos definidos nesta poderá também delegá-las a Comissão de seus
Constituição. próprios membros.
Art. 179 – O projeto de lei sobre matéria Parágrafo único – Não serão objeto de
financeira, de iniciativa da Câmara dos Deputados ou delegação os atos de competência exclusiva do
do Senado Federal, será aprovado por maioria Congresso Nacional, nem os da competência
absoluta em cada uma das Casas, devendo, sempre privativa da Câmara dos Deputados ou do Senado
que houver previsão de aumento de despesa, conter Federal, nem a legislação sobre:
indicação dos recursos correspondentes. I – a organização do Poder Judiciário e do
Art. 180 – As emendas a projetos de lei que Ministério Público, a carreira è as garantias dos
aumentem a despesa, o número de cargos públicos, seus membros;
ou afetem a receita, somente serão admitidas se II – os direitos individuais, políticos e
subscritas por um quarto, no mínimo, dos membros eleitorais;
da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, e III – o orçamento; e
a aprovação delas depende do voto da maioria IV – a matéria reservada a lei complementar.
absoluta em ambas as Casas. Art. 188 – A delegação do Conselho de
Art. 181 – Será tido como rejeitado o projeto Ministros terá e forma de decreto legislativo, que
de lei, quando, na Casa de origem, receber parecer especificará seu conteúdo, termos, limites e prazo
contrário de todas as Comissões que opinarem sobre de exercício, podendo, se houver solicitação, ser
o mérito, salvo se um décimo de seus membros votada em regime de urgência.
requerer a apreciação pelo Plenário. § 1º – Se a delegação determinar a
Art. 182 – O projeto de lei aprovado por uma apreciação do projeto, esta ocorrerá, em cada uma
Câmara será revisto pela outra, em um só turno de das Casas, na votação única e sem emendas.
discussão e votação. § 2º – A delegação poderá ser prorrogada
§ 1º – O projeto de lei adotado numa das por prazo igual ao anteriormente concedido.
Câmaras será revisto na outra que, aprovando-o, o § 3º – O projeto será submetido a sanção.
enviará a sanção ou a promulgação. Art. 189 – Na delegação legislativa à
§ 2º – Se o projeto de uma Câmara for Comissão Especial do Congresso Nacional, de
emendado na outra, voltará à primeira para que se acordo com o regimento comum, e obedecido o
pronuncie acerca da modificação, aprovando-a ou critério de proporcionalidade entre os partidos
não. políticos, o projeto por ela aprovado será enviado
Art. 183 – Os projetos de lei rejeitados ou não a sanção, ou a promulgação, salvo se, no prazo de
sancionados só se poderão renovar na mesma dez dias de sua publicação, um décimo de
sessão legislativa mediante proposta da maioria qualquer das Casas requerer apreciação da
absoluta dos membros de qualquer das Câmaras. matéria pelo Plenário.
28 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Parágrafo único – Quando a delegação for a SEÇÃO V


Comissão de uma das Casas, o projeto elaborado
poderá ser apreciado pelo respectivo Plenário, se DO ORÇAMENTO
assim o requerer um décimo de seus membros,
antes de seu envio à revisão da outra. Art. 193 – O orçamento anual compreenderá a
Art. 190 – Nos casos do art. 182, § 1º, a fixação da despesa e a previsão da receita.
Câmara, na qual se haja concluído a votação, Parágrafo único – Na elaboração da proposta
enviará o projeto ao Presidente da República que, orçamentária, o Poder Executivo, em anexos
aquiescendo, o sancionará. específicos, fará as previsões relativas ao custeio
§ 1º – Ao receber o projeto, o Presidente da das atividades-meio, da infra-estrutura, do setor
República poderá, dentro de quinze dias úteis, produtivo e dos investimentos sociais do Estado,
apresentar pedido de reconsideração, oferecendo além do orçamento monetário, e relacionará o
texto substitutivo pertinente à matéria do projeto a conjunto das isenções, dos incentivos e das demais
ser apreciado, sem emendas e por maioria absoluta modalidades de benefícios fiscais.
das duas Casas, em reunião conjunta do Congresso Art. 194 – A lei do orçamento não conterá
Nacional, no prazo de quarenta e cinco dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação
dias. da despesa. Não se incluem na proibição:
§ 2º – Esgotado o prazo sem deliberação, I – a autorização para a abertura de crédito por
ou rejeitado o pedido de reconsideração, o antecipação da receita;
projeto será reencaminhado ao Presidente da II – as disposições sobre a aplicação do saldo
República. que houver.
§ 3º – Se o Presidente da República julgar o Art. 195 – Os investimentos realizáveis em
projete, no Lodo ou em parte, inconstitucional ou mais de um exercício deverão ser incluídos no
contrário ao interesse público, veta-lo-á, total ou orçamento plurianual na forma do que dispuser a lei
parcialmente, dentro de quinze dias úteis, contados complementar.
daquele que o receber, e comunicará, dentro Art. 196 – O orçamento plurianual será
quarenta e oito horas, ao Presidente do Senado elaborado sob a forma de orçamento-programa e
Federal ou da Comissão Permanente do Congresso conterá os programas setoriais, seus sub-programas
Nacional, as razões do veto. e projetos, com a estimativa dos custos, especificará
§ 4º – O veto parcial somente pode abranger o as provisões anuais para a sua execução e
texto do artigo, parágrafo, inciso, item, número ou determinara os objetivos a serem atingidos.
alínea. Art. 197 – E assegurada ao Congresso
§ 5º – Decorridos os quinze dias úteis, Nacional, através da Comissão Mista a que se refere
referidos nos §§ 1º e 3º, o silêncio do Presidente da o art. 202, §§ 1º, 2º e 3º, a participação na
República importará em sanção. elaboração da proposta dos orçamentos anual e
§ 6º – Nos casos previstos no art. 229, item plurianual, seus objetivos, prioridades e etapas.
XXVI, e dentro do prazo referido no parágrafo Art. 198 – Fica o Poder Executivo obrigado a
anterior, o Presidente da República poderá prestar informações semestrais ao Poder Legislativo
determinar que o projeto seja submetido a referendo, a respeito da execução do orçamento anual e
promulgando-o, se aprovado, e arquivando-o, plurianual, a fim de habilitá-lo a avaliar o
quando rejeitado. desempenho da administração e propor as correções
§ 7º – Convocadas as duas Casas para, em necessárias.
sessão conjunta, conhecer do veto, considerar-se-á Art. 199 – A lei federal disporá sobre o
aprovado o projeto que obtiver o voto de dois terços exercício financeiro, a elaboração e a organização
dos membros de cada uma delas. Nos se caso, será dos orçamentos públicos.
o projeto enviado, para promulgação, ao Presidente § 1º – São vedadas:
da República. a) a transposição, sem prévia autorização
§ 8º – Nos casos dos §§ 5º e 6º, se a lei não legal, de recursos de uma dotação orçamentária para
for promulgada e publicada dentro de quarenta e oito outra;
horas pelo Presidente de República, o Presidente do b) a concessão de créditos ilimitados;
Senado ou o seu substituto o fará. c) a abertura de crédito especial ou
Art. 191 – No último ano da legislatura, é suplementar sem prévia autorização legislativa e
vedado aprovar ou sancionar projetos de lei sem indicação dos recursos correspondentes; e
complementar ou ordinária que versem sobre d) a realização, por qualquer dos Poderes, de
eleições ou sobre partidos políticos. despesas que excedam os créditos orçamentários ou
Art. 192 – Nos casos do art. 174, após a adicionais.
aprovação final da matéria, os decretos legislativos e § 2º – A abertura de crédito extraordinário
resoluções serão promulgados pelo Presidente do somente será admitida para atender
Senado Federal. a despesas imprevisíveis e urgentes, co
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 29

mo as decorrentes de guerra, insurreição interna ou § 5º – O Presidente do Conselho poderá enviar


calamidade pública. mensagem ao Congresso Nacional para propor a
Art. 200 – A proposta de orçamento anual modificação do projeto de lei orçamentária, enquanto
compreenderá, obrigatória e separadamente, as não estiver concluída a votação da parte cuja alteração é
despesas e receitas relativas a todos os poderes, proposta.
"órgãos e fundos da administração direta e das Art. 203 – O numerário correspondente às
entidades da administração indireta. dotações destinadas à Câmara dos Deputados, ao
§ 1º – Na elaboração da proposta Senado Federal e aos Tribunais Federais será entregue
orçamentária, o Poder Executivo incluirá fundos, mensalmente em duodécimos.
programas e projetos aprovados em lei. Art. 204 – A lei disporá sobre as condições para
§ 2º – A inclusão, no orçamento plurianual, da emissão de títulos da dívida pública, compreendendo a
despesa e da receita das entidades da natureza, o montante, a rentabilidade, as formas e
administração indireta será feita em dotações prazos de resgate.
discriminadas.
§ 3º – Nenhum investimento, cuja execução SEÇÃO VII
ultrapasse um exercício financeiro, poderá ser
iniciado sem prévia inclusão no orçamento DA FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA
plurianual ou sem prévia lei que o autorize e fixe
o montante das dotações que anualmente Art. 205 – A fiscalização financeira e orçamentária
constarão do orçamento, durante o prazo de sua da União será exercida pelo Congresso Nacional,
execução. mediante controle externo e pelos sistemas de controle
§ 4º – Os créditos especiais e extraordinários interno do Poder Executivo, instituídos por lei.
não poderão ter vigência além do exercício em que Art. 206 – O Tribunal Federal de Contas, órgão
forem autorizados, salvo se o ato de autorização for auxiliar do Congresso Nacional, exercerá, mediante
promulgado nos últimos quatro meses daquele controle externo, a fiscalização financeira orçamentária e
exercício, caso em que, reabertos nos limites de operacional sobre os atos da Administração Pública.
seus saldos, poderão viger até o término do § 1º – Lei de iniciativa do Tribunal Federal de
exercício financeiro subseqüente. Contas disporá sobre sua organização, podendo criar
§ 5º – Ressalvados os tributos mencionados delegações ou órgãos destinados a auxiliá-lo no
e as disposições desta Constituição e de leis exercício de suas funções e na descentralização de suas
complementares, e vedada a vinculação do produto atividades.
da arrecadação de qualquer tributo a determinado § 2º – O controle compreenderá o desempenho
órgão, fundo ou despesa. das funções de auditoria financeira, orçamentária e
Art. 201 – O orçamento plurianual consignará operacional e o julgamento das contas públicas, dos
dotações para a execução dos planos de responsáveis pela arrecadação da receita e dos
valorização das regiões menos desenvolvidas do ordenadores de despesa, bem como dos
País. administradores e demais responsáveis por bens e
Art. 202 – O projeto de lei orçamentária anual valores públicos, inclusive os da administração indireta e
será enviado pelo Presidente do Conselho ao fundações.
Congresso Nacional, para votação conjunta das Art. 207 – A auditoria financeira, orçamentária e
duas Casas, até quatro meses antes do início do operacional será exercida sobre as contas das unidades
exercício financeiro seguinte; se, até trinta dias administrativas do Executivo, do Legislativo e do
antes do encerramento do exercício financeiro, o Judiciário, que, para esse fim, deverão colocar à
Poder Legislativo não o devolver para sanção, será disposição do Tribunal Federal de Contas as
promulgado como lei. demonstrações contábeis, a documentação e as
§ 1º – Organizar-se-á Comissão Mista de informações por este solicitadas.
Senadores e Deputados para examinar o projeto de Parágrafo único – O julgamento dos atos e das
lei orçamentária e sobre ele emitir parecer. contas dos administradores e demais responsáveis será
§ 2º – Somente na Comissão Mista poderão baseado em exames jurídicos, contábeis e econômicos,
ser oferecidas emendas. certificados de auditoria e pronunciamentos das
§ 3º – O pronunciamento da Comissão sobre autoridades administrativas, sem prejuízo das inspeções
as emendas será conclusivo e final, salvo se um determinadas pelo Tribunal Federal de Contas.
quinto dos membros do Senado Federal e mais um Art. 208 – O Tribunal Federal de Contas dará
terço dos membros da Câmara dos Deputados parecer prévio, em noventa dias, sobre as contas que o
requererem a votação em plenário de emenda Chefe do Executivo prestar anualmente ao Congresso
aprovada ou rejeitada na Comissão. Nacional.
§ 4º – Aplicam-se ao projeto de lei Art. 209 – O Presidente da República, após
orçamentária, no que não contrariem o disposto aprovação pelo Senado Federal, nomeará os
nesta seção, as demais normas relativas à Ministros do Tribunal Federal de Contas, escolhidos
elaboração legislativa. entre brasileiros maiores de trinta e cinco
30 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

anos, de reputação ilibada e notórios conhecimentos so, darão ciência ao Tribunal Federal de Contas, sob
jurídicos, e econômicos, financeiros ou de pena de responsabilidade solidária.
administração pública. Art, 216 – Às normas de fiscalização
Parágrafo único – Os Ministros terão as estabelecidas nesta Seção aplicam-se às autarquias
mesmas garantias; prerrogativas, remuneração e e às entidades às quais elas destinem recursos.
impedimentos dos Ministros do Superior Tribunal de Art. 217 – Às empresas públicas e sociedades
Justiça. de economia mista, cujo capital pertença, no todo ou
Art. 210 – Na composição dos Tribunais de em parte, ao Governo ou qualquer entidade de sua
Contas e órgãos equivalentes, um quinto dos lugares administração indireta, bem como as fundações e
será preenchido, em partes iguais ou sociedades civis instituídas ou mantidas pelo Poder
alternadamente, por auditores ou outros substitutos Público, ficam submetidas à fiscalização do Tribunal
legais dos titulares, ou membros do Ministério Federal de Contas, sem prejuízo do controle
Público, que hajam servido junto ao Tribunal por exercido pelos respectivos Executivos.
cinco anos, pelo menos.
Art. 211 – As normas previstas nesta Seção CAPÍTULO IX
aplicam-se, ao que couber, à fiscalização e à
organização dos Tribunais da Contas dos Estados, DO PODER EXECUTIVO
dos Conselhos de Contas dos Municípios, dos
Tribunais de Contas dos Municípios e do Distrito SEÇAO I
Federal.
Art. 212 – O processo e julgamento das contas DO PRESIDENTE E DO VICE-PRESIDENTE DA
terão caráter contencioso, e as decisões eficácia de REPÚBLICA
sentença, construindo-se em título executivo.
Parágrafo único – Da decisão caberá recurso, Art. 218 – O Presidente da República
com efeito suspensivo, para o Congresso Nacional. representa a República Federativa do Brasil e
Art. 213 – O Tribunal Federal de Contas, de garante a unidade nacional e o livre exercício das
ofício ante provocação do Ministério Público ou das instituições democráticas.
auditorias financeiras, orçamentárias e operacionais, Art. 219 – Substitui o Presidente, em caso de
se verificar a ilegalidade qualquer despesa, inclusive impedimento, e sucede-lhe, no caso de vaga, o Vice-
as referentes a pessoal e as decorrentes de editais, Presidente da República.
contratos, aposentadorias, disponibilidades, Parágrafo único – O candidato a Vice-
reformas, transferências para a reserva remunerada Presidente da República considerar-se-á eleito em
e pensões, deverá: virtude da eleição do Presidente com o qual estiver
I – assinar prazo razoável para que o órgão da registrado.
administração pública adote as providências Art. 220 – São condições de elegibilidade para
necessárias ao exato cumprimento da lei; Presidente e Vice-Presidente da República:
II – sustar, se não atendido, a execução do ato I – ser brasileiro nato;
impugnado. II – estar no exercício dos direitos políticos;
Parágrafo único – A parte que se considerar III – ser maior de trinta e cinco anos;
prejudicada poderá interpor recurso, sem efeito IV – não incorrer nos casos de inelegibilidade
suspensivo, para o Congresso Nacional. previstos nesta Constituição.
Art. 214 – Apurada a existência de Art. 221 – O mandato do Presidente e do Vice-
irregularidades e abusos na gestão financeiro- Presidente da República e de seis anos, vedada a
orçamentária, o Tribunal Federal de contas reeleição.
aplicará aos responsáveis as sanções fixadas em Art. 222 – O Presidente e o Vice-Presidente da
lei. República serão e eleitos, em todo o País, por
Art. 215 – A fim de assegurar maior eficácia do sufrágio universal direto e secreto, noventa dias
controle externo e a regularidade da realização da antes do termo do mandato presidencial, por maioria
receita e da das despesa, o Poder Executivo, no absoluta de votos, excluídos os em branco e os
âmbito federal, estadual, municipal e do Distrito nulos.
federal manterá controle interno, visando a: § 1º – Não alcançada a maioria absoluta,
I – proteger os respectivos ativos patrimoniais; renovar-se-á, ate trinta dias depois, a eleição direta,
Il – acompanhar a execução de programas de à qual somente poderão concorrer os dois
trabalho e dos orçamentos; candidatos mais votados, considerando-se eleito o
III – avaliar os resultados alcançados pelos que obtiver a maioria dos votos, excluídos os em
administradores, inclusive quanto à execução dos branco e os nulos.
contratos. § 2º – As candidaturas a Presidente e Vice-
Parágrafo único – Os responsáveis pelo Presidente da República somente poderão ser
controle interno, ao tomarem conhecimento registradas por Partido Político, independentemente
de qualquer irregularidade ou abu- de filiação dos nomes indicados.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 31

Art. 223 – O Presidente e o Vice-Presidente da Justiça, dos Tribunais Superiores e os do Tribunal


República tomarão posse em sessão do Congresso Federal de Contas, o Procurador-Geral da República,
Nacional ou, se este não estiver reunido, perante o os chefes de missão diplomática de caráter
Supremo Tribunal Federal. permanente e os diretores do Banco Central do
Parágrafo único – O Presidente e o Vice- Brasil;
Presidente da República prestarão, no ato da posse, V – nomear os juízes dos Tribunais Federais e
este compromisso: "Prometo manter, defender e o Consultor-Geral da Republica;
cumprir a Constituição da República, observar suas VI – organizar o seu Gabinete, nos termos da
leis, promover o bem geral do Brasil, sustentar-lhe a lei;
união, a integridade e a independência." VII – convocar extraordinariamente o
Art. 224 – Se, decorridos trinta dias da data Congresso Nacional;
fixada para a posse, o Presidente ou o Vice- VIII – dissolver, ouvido o Conselho de
Presidente da República não tiver, salvo por motivo Estado, a Câmara dos Deputados e convocar novas
de força maior ou de doença, assumido o cargo, este eleições;
será declarado vago pelo Tribunal Superior Eleitoral. IX – iniciar, na esfera de sua competência, o
Parágrafo único – A não realização da posse processo legislativo, ouvido o Presidente do
do Presidente de República não impedirá a do Vice- Conselho ou por proposta deste;
Presidente. X – sancionar, promulgar e fazer publicar as
Art. 225 – O Presidente e o Vice-Presidente da leis;
República não poderão ausentar-se do País sem XI – vetar projeto de lei, parcial ou
permissão do Congresso Nacional, sob pena de totalmente, ou pedir reconsideração do Congresso
perda do cargo. Nacional;
Art. 226 – No último ano de mandato do XII – convocar e presidir ao Conselho de
Presidente e Vice-Presidente da República, serão Estado e ao Conselho de Defesa Nacional;
fixados os seus subsídios pelo Congresso Nacional XIII – nomear os Governadores dos
para o período seguinte. Territórios;
Art. 227 – Em caso de impedimento do XIV – manter relações com os Estados
Presidente e do Vice-Presidente da República, ou de estrangeiros e acreditar seus representantes
vacância dos respectivos cargos, serão sucessivamente diplomáticos;
chamados ao exercício da presidência Presidente da XV – firmar tratados, convenções e atos
Câmara dos Deputados, o Presidente do Senado internacionais, ad referendum do Congresso
Federal e o Presidente do Supremo Tribunal Federal. Nacional;
Parágrafo único – Vagando os cargos de XVI – declarar a guerra, depois de
Presidente e Vice-Presidente da República, far-se-á autorizado pelo Congresso Nacional, ou, sem
eleição noventa dias desde aberta a última vaga, e prévia autorização, no caso de agressão
os eleitos iniciarão novo mandato de seis anos. estrangeira ocorrida no intervalo das sessões
Art. 228 – O Presidente e o Vice-Presidente da legislativas;
República não podem, desde a posse, exercer mandato XVII – celebrar a paz, com autorização ou ad
legislativo, ou qualquer cargo público ou profissional. referendum do Congresso Nacional;
XVIII – permitir, ad referendum do
SEÇÃO II Congresso Nacional, nos casos previstos em lei
complementar, que forças estrangeiras aliadas
DAS ATRIBUIÇÕES DO PRESIDENTE DA transitem pelo território nacional ou nele
REPÚBLICA operem temporariamente, sob o comando de
autoridades brasileiras, sendo vedada a
Art. 229 – Compete ao Presidente da concessão de bases;
República, na Forma e nos limites estabelecidos por XIX – exercer o comando supremo das
esta Constituição: Forças Armadas, prover os seus postos
I – nomear e exonerar o Presidente do de oficiais generais e nomear os seus
Conselho e os Ministros de Estado; comandantes;
II – apreciar os planos de governo, elaborados XX – decretar a mobilização nacional, total ou
pelo Conselho de Ministros, para serem por ele parcialmente;
submetidos ao Congresso Nacional; XXI – decretar a intervenção federal, ouvido
III – aprovar a proposta de orçamento do o Conselho de Estado, e promover a sua
Presidente do Conselho; execução;
IV – nomear, após aprovação do XXII – autorizar brasileiros a aceitar
Senado Federal, os Ministérios do Supremo pensão, emprego ou comissão de governo
Tribunal Federal, do Superior Tribunal de estrangeiro;
32 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

XXIII – remeter mensagem ao Congresso Art. 231 – O Presidente da República, depois


Nacional por ocasião da abertura da sessão que a Câmara dos Deputados declarar procedente a
legislativa, expondo a situação do País e solicitando acusação pelo voto de dois terços de seus membros,
as providências que julgar necessárias; será submetido a julgamento perante o Supremo
XXIV – decretar o estado de alarme, ouvidos Tribunal Federal, nos crimes comuns, ou perante o
o Conselho de Ministros e o Conselho de Defesa Senado Federal, nos de responsabilidade.
Nacional, e submeter o ato ao Congresso Parágrafo único – Declarada procedente a
Nacional; acusação, o Presidente da República ficará
XXV – solicitar ao Congresso Nacional, suspenso de suas funções.
ouvidos o Conselho de Ministros e o Conselho de
Defesa Nacional, a decretação do estado de sítio, ou SEÇÃO IV
decretá-lo na forma do art. 428;
XXVI – determinar a realização de referendo DO PRESIDENTE DO CONSELHO
sobre propostas de emendas constitucionais e de
projetos de lei de iniciativa do Congresso Nacional Art. 232 – O Presidente do Conselho será
que visem a alterar a estrutura ou afetem o equilíbrio indicado pelo Presidente da República à Câmara dos
dos Poderes; Deputados, após consulta às correntes político-
XXVII – outorgar condecorações e distinções partidárias que compõem a maioria do Congresso
honoríficas; Nacional.
XXVIII – exercer outras atribuições previstas § 1º – Enviada a indicação à Câmara dos
nesta Constituição. Deputados, esta, em dez dias, deverá apreciá-la,
§ 1º – No caso de exoneração do Presidente considerando-se aprovada se receber votos
do Conselho, ou se lhe for aprovada pela Câmara favoráveis da maioria absoluta de seus membros.
dos Deputados moção de censura, o Presidente da § 2º – Rejeitada a indicação, novo nome deve
República designará interinamente seu substituto, ser indicado pelo Presidente da República, no prazo de
até a nomeação de outro, cuja indicação será feita dez dias, obedecido o disposto no parágrafo anterior.
dentro de dez dias, podendo solicitar que o § 3º – Ocorrendo a segunda recusa, se a
Presidente do Conselho, objeto da censura, Câmara dos Deputados, dentro de cinco dias, não
permaneça em exercício, conjuntamente com os escolher por maioria absoluta o Presidente do
Ministros de Estado, até a posse do substituto, caso Conselho, este será, ouvido o Conselho de Estado,
em que somente poderão ser praticados atos nomeado livremente pelo Presidente da República.
estritamente necessários à gestão dos negócios Art. 233 – O Presidente da República pode
públicos. exonerar o Presidente do Conselho, devendo, em dez
§ 2º – O Presidente da República dias, indicar-lhe substituto à Câmara dos Deputados, em
pode delegar ao Presidente de Conselho as mensagem na qual exporá as razões de sua decisão.
atribuições mencionadas nos incisos XX e XXV § 1º – Ocorrerá também a exoneração do
deste artigo. Presidente do Conselho de Ministros:
a) no início da legislatura;
SEÇÃO III b) se aprovada, por maioria absoluta da
Câmara dos Deputados, moção de censura ao
DA RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA Presidente do Conselho, em virtude de proposta
REPÚBLICA subscrita pelo menos por um terço dos Deputados,
devendo efetuar-se a votação ate trás dias após a
Art. 230 – São crimes de responsabilidade os sua apresentação;
atos do Presidente que atentarem contra a c) se recusado, pela maioria absoluta da
Constituição Federal e, especialmente, contra: Câmara dos Deputados, voto de confiança solicitado
I – a existência da União; pelo Presidente do Conselho.
II – o livre exercício do Poder Legislativo e do § 2º – A moção de censura somente poderá
Poder Judiciário e a autonomia dos Estados e ser apresentada seis meses depois da posse do
Municípios; Presidente do Conselho.
III – o exercício dos direitos políticos, Art. 234 – O Presidente da República poderá
individuais e sociais; dissolver a Câmara dos Deputados, ouvido o
IV – a segurança do País; Conselho de Estado, se, dentro do prazo de dez dias,
V – a probidade na administração; a contar do recebimento do pedido, for recusado, por
VI – a lei orçamentária; e maioria absoluta de seus membros, voto de confiança
VII – o cumprimento das leis e das decisões solicitado pelo Presidente do Conselho.
judiciárias. Art. 235 – A Câmara dos Deputados não
Parágrafo único – Esses crimes serão poderá ser dissolvida no primeiro e no último
definidos em lei especial, que estabelecerá as semestre de cada legislatura, na vigência do
normas de processo e julgamento. estado de alarme e do estado de sítio, ou quando
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 33

da tramitação de voto de confiança pedido pelo XIV – prover e extinguir os cargos públicos
Presidente do Conselho, ou de moção de censura federais, na forma da lei;
proposta contra ele. XV – comparecer a qualquer das Casas do
Art. 236 – Dissolvida a Câmara dos Deputados, Congresso Nacional ou a suas Comissões quando
o Tribunal Superior Eleitoral tomará as medidas convocado nos termos da Constituição, ou requerer
necessárias para realizar a eleição no prazo máximo dia para seu comparecimento;
de noventa dias a contar da data da dissolução. XVI – acumular temporariamente qualquer
Art. 237 – O Presidente do Conselho deverá Ministério;
ter mais de trinta e cinco anos, podendo ser ou não XVII – exercer outras atribuições que lhe forem
membro do Congresso Nacional. delegadas pelo Presidente da República ou a ele
Art. 238 – A pessoa indicada para exercer o cargo conferidas pela Constituição.
de Presidente do Conselho de Ministros submeterá à Parágrafo único – O Presidente do Conselho
Câmara dos Deputados, como fundamento de sua não poderá ausentar-se do País sem autorização do
aprovação, seu programa de governo. Congresso Nacional, sob pena de perda do cargo.
Art. 239 – Compete ao Presidente do
Conselho: SEÇÃO V
I – exercer, com o auxílio dos Ministros de
Estado, a direção superior da administração federal; DO CONSELHO DE MINISTROS
II – elaborar planos e programas nacionais e
regionais de desenvolvimento, para serem Art. 240 – O Conselho de Ministros compõe-se
submetidos ao Congresso Nacional, pelo Presidente do Presidente do Conselho e dos Ministros de
da República; Estado.
III – submeter à apreciação do Presidente da Art. 241 – Compete ao Conselho de Ministros
República, para serem nomeados ou exonerados por deliberar sobre assuntos administrativos de ordem
decreto, os nomes dos Ministros de Estado, ou geral, por convocação do Presidente do Conselho e
solicitar a sua exoneração; sob sua presidência. As deliberações do Conselho
IV – nomear e exonerar secretários e de Ministros serão tomadas por maioria de votos, e
subsecretários de Estado; dependerão da aprovação do Presidente do
V – expedir decretos e regulamentos para a Conselho.
fiel execução das leis; Art. 242 – A lei determinará a criação, a
VI – enviar, com aprovação do Presidente da organização e as atribuições dos Ministérios.
República, proposta do orçamento ao Congresso Art. 243 – A recusa de voto de confiança
Nacional; importará demissão do Conselho de Ministros.
VII – prestar anualmente ao Congresso
Nacional as contas relativas ao exercício anterior SEÇÃO VI
dentro de sessenta dias após a abertura da sessão
legislativa; DOS MINISTROS DE ESTADO
VIII – apresentar semestralmente ao
Congresso Nacional relatórios sobre a execução dos Art. 244 – Os Ministros de Estado serão
planos de governo; escolhidos dentre brasileiros maiores de vinte e cinco
IX – dispor sobre a estrutura e o funcionamento anos e no exercício dos direitos políticos.
da Administração Federal, na forma da lei; Art. 245 – Compete ao Ministro de Estado,
X – propor ao Presidente da República os além das atribuições que a Constituição e as leis
projetos de lei que considerar necessários à boa estabelecerem:
condução dos serviços públicos; I – orientar, coordenar e supervisionar os
XI – manifestar-se sobre os projetos de lei de órgãos e entidades da administração federal na área
iniciativa do Presidente da República, bem como de sua competência, e referendar os atos assinados
propor veto ou pedido de reconsideração aos que pelo Presidente do Conselho;
forem aprovados pelo Congresso Nacional; II – expedir instruções para a execução das
XII – acompanhar os projetos de lei em leis, decretos e regulamentos;
tramitação no Congresso Nacional, com a III – apresentar ao Presidente do Conselho
colaboração dos Ministros de Estado, a cujas pastas relatórios dos serviços realizados no Ministério;
se relacionar a matéria; IV – exercer as atribuições que lhe forem
XIII – convocar e presidir ao Conselho de outorgadas os delegadas pelo Presidente do
Ministros; Conselho;
34 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

V – comparecer perante qualquer das Casas ou I – a dissolução da Câmara dos Deputados


Comissões do Congresso Nacional, quando convocado (art. 229, VIII);
ou por designação do Presidente do Conselho. II – a nomeação do Presidente do Conselho no
Parágrafo único – Os Ministros de Estado caso previsto no § 3º do art. 232;
respondem perante o Congresso Nacional pelos atos III – declaração de guerra e conclusão da paz;
praticados na gestão de sua pasta. IV – conveniência de realização de referendo;
Art. 246 – O Ministro de Estado será V – intervenção federal nos Estados;
exonerado quando exonerado o Presidente do VI – outras questões de relevância, a critério
Conselho, ou se aprovada pela Câmara dos do Presidente da República, ou por iniciativa de um
Deputados, pela maioria absoluta de votos de seus terço dos seus membros.
membros, moção de censura, a qual somente poderá
ser apresentada seis meses após a sua nomeação. SEÇÃO VIII
Parágrafo único – A moção de censura a
determinado Ministro não importa a exoneração dos DOS SERVIDORES PÚBLICOS
demais, nem a do Presidente do Conselho, quando a
ele não dirigida. Art. 252 – Os cargos públicos serão acessíveis
a todos os brasileiros que preencham os requisitos
CAPÍTULO VII estabelecidos em lei.
§ 1º – A admissão no serviço público, sob
DO CONSELHO DE ESTADO qualquer regime, dependerá sempre de aprovação
prévia, em concurso público de provas ou de provas
Art. 247 – O Conselho de Estado é o órgão e títulos, assegurado o acesso funcional na carreira.
superior de consulta do Presidente da República e § 2º – Prescindirá de concurso a nomeação
reune-se sob a presidência deste. para cargos em comissão ou em função de
Art. 248 – O Conselho de Estado é composto confiança, declarados, em lei, de livre nomeação e
pelos seguintes membros: exoneração.
I – o Presidente e o Vice-Presidente da § 3º – Nenhum concurso terá validade por
República; prazo maior de quatro anos, contado da
II – o Presidente da Câmara dos Deputados; homologação.
III – o Presidente do Senado Federal; Art. 253 – Os vencimentos dos cargos do
IV – o Presidente do Conselho de Ministros; Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão
V – os líderes da Maioria e da Minoria da ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo a
Câmara dos Deputados; cargos de atribuições iguais ou assemelhados.
VI – seis cidadãos de ilibada reputação e § 1º – Respeitado o disposto neste artigo, é
notório saber, com mais de trinta e cinco anos, sendo vedada vinculação ou equiparação de qualquer
dois indicados pelo Presidente da República, dois natureza para o efeito de remuneração do pessoal
eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela do serviço público.
Câmara dos Deputados. § 2º – Nenhum servidor público poderá
§ 1º – Os membros natos do Conselho de receber, a qualquer título, exceto no caso de
Estado exercem suas funções enquanto acumulação, retribuição superior à prevista em lei
desempenharem os cargos supra referidos. Os complementar.
demais terão mandato de seis anos, renovável pelo Art. 254 – É vedada a acumulação
terço, na forma da lei. remunerada de cargos e funções públicas, exceto:
§ 2º – O Presidente do Conselho de Ministros I – a de dois cargos de professor;
não participará das reuniões do Conselho de Estado II – a de um cargo de professor com outro
quando houver deliberação a seu respeito. técnico ou científico;
Art. 249 – Compete ao Conselho de Estado III – a de dois cargos privativos de médico.
elaborar o seu regimento, não sendo públicas as § 1º – Em qualquer dos casos, a acumulação
suas reuniões. somente será permitida quando houver
Art. 250 – Os Conselheiros de Estado são compatibilidade de horários.
empossados pelo Presidente da República. § 2º – A proibição de acumular estende-se a
Art. 251 – Compete ao Conselho de Estado cargos, funções ou empregos em autarquias,
pronunciar-se sobre: empresas públicas e sociedades de economia mista.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 35

§ 3º – Lei complementar, de iniciativa exclusiva § 3º – O tempo de serviço público federal,


do Presidente do Conselho, poderá estabelecer, no estadual ou municipal, da administração direta ou
interesse do serviço público, outras exceções à indireta, será computado integralmente para os
proibição de acumular, restritas a atividades de efeitos de aposentadoria e disponibilidade, na forma
natureza técnica ou científica ou de magistério, exigida, da lei.
em qualquer caso, compatibilidade de horários. Art. 258 – O servidor público federal, estadual
§ 4º – A proibição de acumular proventos não ou municipal, da administração direta ou indireta,
se aplica aos aposentados quanto ao exercício de exercerá mandato eletivo obedecidas as disposições
mandato eletivo, ao de um cargo em comissão, a seguintes:
contrato para prestação de serviços técnicos ou I – em se tratando de mandato eletivo
especializados, ou ao exercício do magistério. remunerado, federal ou estadual, ficará afastado de
Art. 255 – Serão estáveis, após dois anos de seu cargo, emprego ou função;
exercício, os servidores públicos admitidos por concurso. II – investido no mandato de Prefeito
Parágrafo único – Extinto o cargo, o funcionário Municipal, ou de Vereador, será afastado de seu
estável ficará em disponibilidade remunerada, com cargo, emprego ou função, sendo-lhe facultado optar
vencimentos proporcionais ao tempo de serviço, até pela remuneração deles, quando paga por entidade
seu obrigatório aproveitamento em outro cargo da administração direta ou indireta,ou por empresa
compatível com o que ocupava anteriormente. controlada pelo Poder Público;
Art. 256 – O funcionário será aposentado: III – em qualquer caso que exija o afastamento
I – por invalidez; para o exercício do mandato, seu tempo de serviço
II – compulsoriamente, aos setenta anos de será contado, para todos os efeitos legais, exceto
idade; para promoção por merecimento;
III – voluntariamente, após trinta e cinco anos de IV – é vedado ao Vereador, no âmbito da
serviço para os homens e trinta anos para as mulheres. administração pública municipal, direta ou indireta,
§ 1º – Os prazos referidos no inciso III ficam ocupar cargo em comissão ou aceitar, salvo
reduzidos em cinco anos para os professores. mediante concurso público, emprego ou função;
§ 2º – Em se tratando do magistério, lei V – excetua-se da vedação do inciso anterior o
especial poderá estabelecer limite de aposentadoria cargo de Secretário Municipal, desde que o Vereador
superior ao previsto no inciso II. se licencie do exercício do mandato;
§ 3º – Serão equivalentes os critérios e valores VI – a partir do lançamento de sua
para a aposentadoria ou reforma, respectivamente, candidatura ou convocação partidária, levada a
nos serviços públicos, civis e militares. registro perante a Justiça Eleitoral, ficará o servidor
Art. 257 – Os proventos da aposentadoria licenciado até o dia seguinte à eleição respectiva,
serão: garantidos os seus vencimentos e vantagens.
I – integrais, quando o funcionário: Art. 259 – A demissão será aplicada ao
a) contar com o tempo de serviço exigido funcionário estável:
nesta Constituição; I – em virtude de sentença judiciária;
b) invalidar-se por acidente, moléstia II – mediante processo administrativo, em que
profissional ou doença grave, contagiosa ou lhe seja assegurada ampla defesa.
incurável, especificada em lei; Art. 260 – O regime jurídico dos servidores
II – proporcionais ao tempo de serviço, nos contratados para serviços de caráter temporário, ou
demais casos. para funções de natureza técnica especializada, será
§ 1º – Os proventos da inatividade serão revistos estabelecido em lei especial.
sempre que, por motivo de alteração do poder aquisitivo Art. 261 – As pessoas jurídicas de direito
da moeda, se modificarem os vencimentos dos público responderão pelos danos que seus
servidores em atividade, a partir da mesma data e na servidores, nessa qualidade, causarem a terceiros.
mesma proporção, bem como sempre que for Parágrafo único – O servidor será
transformado ou, na forma da lei, reclassificado o cargo solidariamente responsável quando agir com dolo ou
ou função em que se deu a aposentadoria. Estender-se- culpa. Nesse caso, a entidade administrativa que
ão aos inativos quaisquer benefícios ou vantagens houver satisfeito a indenização proporá ação
posteriormente concedidas aos servidores em atividade. regressiva contra o servidor responsável.
§ 2º – Ressalvado o disposto no parágrafo Art. 262 – O disposto nesta Seção aplica-se
anterior, em nenhum caso os proventos da aos servidores dos três Poderes da União e aos
inatividade poderão exceder a remuneração servidores em geral, dos Estados, do Distrito
percebida na atividade. Federal, dos Territórios e dos Municípios.
36 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 263 – As patentes militares, com as II – Superior Tribunal de Justiça;


vantagens, regalias, prerrogativas e deveres a elas III – Tribunais Federais Regionais e juízes
inerentes, são garantidas em toda plenitude, tanto aos
federais:
oficiais da ativa e da reserva como aos reformados. IV – Tribunais e juízes militares;
§ 1º – Os títulos, postos e uniformes militares são V – Tribunais e juízes eleitorais;
privativos do militar da ativa ou da reserva e do reformado. VI – Tribunais e juízes do trabalho;
§ 2º – O oficial das Forças Armadas só perderá o VII – Tribunais e juízes estaduais.
posto e a patente por sentença condenatória, passada § 1º – Lei complementar, denominada Lei
em julgado, cuja pena restritiva da liberdade individual
Orgânica da Magistratura Nacional, estabelecerá
ultrapasse dois anos; ou, nos casos previstos em lei, se
normas gerais relativas à organização, ao
for declarado indigno do oficialato, ou com ele
funcionamento, aos direitos e aos deveres da
incompatível, por decisão de Tribunal Militar de caráter
magistratura, respeitadas as garantias e proibições
permanente, em tempo de paz, ou de Tribunal Especial,
em tempo de guerra. previstas nesta Constituição ou dela decorrentes.
§ 3º – O militar em atividade que aceitar cargo § 2º – Sempre que, na composição de
público permanente, estranho à sua carreira, será qualquer Tribunal, for prevista a escolha de
transferido para a reserva, com os direitos e deveresadvogados e membros do Ministério Público, caberá
definidos em lei. à Ordem dos Advogados e ao Ministério Público,
conforme dispuser a lei complementar, a
§ 4º – O militar da ativa que aceitar qualquer cargo
público civil temporário, não eletivo, assim como em organização de listas sêxtuplas de candidatos, que
autarquia, empresa pública ou sociedade de economia o Tribunal reduzirá a três, para encaminhar ao
mista, ficará agregado ao respectivo quadro e somentePoder Executivo; os advogados serão escolhidos
poderá ser promovido por antiguidade, enquanto dentre os que exerçam efetivamente a profissão
permanecer nessa situação, contando-se-lhe o tempo dee não ultrapassem sessenta e cinco anos de
serviço apenas para aquela promoção, transferência idade.
para a reserva ou reforma. Depois de dois anos de Art. 268 – Salvo as restrições expressas nesta
afastamento, contínuos ou não, será transferido, na Constituição, os juízes gozarão das seguintes
forma da lei, para a reserva, ou reformado. garantias:
§ 5º – Enquanto perceber remuneração do cargo I – vitaliciedade, não podendo perder o cargo
temporário, assim como de autarquia, empresa pública senão por sentença judiciária;
ou sociedade de economia mista, não terá direito o
II – inamovibilidade, exceto por motivo de
militar da ativa aos vencimentos e vantagens do seu
relevante interesse público, na forma do § 4º deste
posto, assegurada a opção.
artigo;
§ 6º – Aplica-se aos militares o disposto no art.
257 e seus parágrafos, no § 2º do art. 253, no parágrafo III – irredutibilidade da remuneração, sujeita,
único do art. 261, e no art. 262. entretanto, aos impostos gerais, incluído o de renda, e
aos
Art. 264 – A lei definirá os casos excepcionais impostos extraordinários previstos nesta
em que se admitirá a contratação, pela Administração Constituição.
Pública, de empresas de prestação de serviços de § 1º – Na primeira instância, a vitaliciedade será
caráter permanente. adquirida após dois anos de exercício, não podendo o
Art. 265 – A lei regulará a audiência e juiz, nesse período, perder o cargo senão por proposta
participação dos cidadãos, diretamente ou através de do Tribunal a que estiver subordinado, adotada pela
organizações populares e associações civis, no maioria absoluta dos membros efetivos ou dos
processo de elaboração das normas e providências integrantes do órgão especial a que alude o art. 94,
administrativas que lhes digam respeito. inciso V.
Art. 266 – O Ministério Público deve, e qualquer § 2º – Nas promoções e no acesso aos Tribunais
cidadão ou Partido Político poderá, propor ação popular
será observado o seguinte:
a fim de ser declarada nula a admissão do servidor a) no caso de antiguidade, que se apurará
público com infringência do disposto na presente Seção.
na entrância ou na categoria, o Tribunal
competente somente poderá recusar o juiz mais
CAPÍTULO X antigo pelo voto da maioria absoluta de seus
membros, ou do órgão especial previsto no art. 94,
DO PODER JUDICIÁRIO
inciso V, repetindo-se a votação até fixar-se na
indicação;
SEÇÃO I
b) somente após dois anos de exercício, na
respectiva entrância ou categoria, poderá o juiz ser
DISPOSIÇÕES GERAIS promovido, salvo se não houver, com tal requisito,
quem aceite a vaga, ou forem recusados, pela
Art. 267 – O Poder Judiciário é exercido pelos maioria absoluta do Tribunal ou do órgão especial
seguintes órgãos; (art. 94, inciso V), candidatos que hajam completado
I – Supremo Tribunal Federal; o estágio;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 37

c) no caso de merecimento, a escolha pelo § 1º – Compete o encaminhamento da


Tribunal far-se-á dentre os juízes de entrância; proposta, ouvidos os demais Tribunais interessados:
tratando-se de acesso aos Tribunais, a lista poderá a) no âmbito federal, nele incluída a Justiça do
ser composta por juízes de qualquer entrância, ou Distrito Federal e dos Territórios, ao Presidente do
dos Tribunais inferiores. Supremo Tribunal Federal, com a aprovação do
d) a lei poderá estabelecer, como condição à Tribunal;
promoção por merecimento, a partir de determinada b) no âmbito estadual, ao Presidente do
entrância ou categoria, e de acesso aos Tribunais da Tribunal de Justiça, com a aprovação do Tribunal.
segunda instância, pelo mesmo critério, freqüência e § 2º – As dotações orçamentárias do Poder
aprovação em curso ministrado por escola de Judiciário ser-lhe-ão entregues pelo Poder Executivo,
aperfeiçoamento de magistrados. mensalmente, em duodécimos.
§ 3º – A aposentadoria será compulsória aos Art. 272 – Somente pelo voto da maioria
setenta anos de idade ou por invalidez comprovada, absoluta dos membros do órgão especial de que
e facultativa após trinta anos de serviço público, em trata o art. 94, inciso V, ou, no Superior Tribunal de
todos os casos com proventos integrais, e Justiça, da seção especializada competente,
reajustados, na mesma proporção, sempre que poderão os Tribunais declarar a inconstitucionalidade
majorada a remuneração dos magistrados na ativa. de lei ou ato normativo do Poder Público.
§ 4º – O Tribunal competente, ou o órgão Art. 273 – Compete aos Tribunais:
especial previsto no art. 94, inciso V, poderá, por I – eleger seus Presidentes e demais titulares
motivo de interesse público, em escrutínio secreto e de sua direção, observado o disposto na Lei
pelo voto da maioria absoluta de seus membros Orgânica da Magistratura Nacional;
efetivos, determinar a remoção ou a disponibilidade II – organizar seus serviços auxiliares e os dos
do juiz de categoria inferior, com vencimentos juízos subordinados, provendo-lhes os cargos, e
integrais, assegurando-lhe defesa, e proceder da propor diretamente ao Poder Legislativo a criação ou
mesma forma em relação a seus próprios juízes. a extinção de cargos e fixação dos respectivos
§ 5º – O provimento de cargo de magistrado vencimentos;
efetivar-se á dentro de trinta dias da abertura da III – elaborar seus regimentos Internos e neles
vaga, quando depender apenas de ato do Poder estabelecer a competência de suas câmaras ou
Executivo ou do recebimento, por este, de indicação turmas isoladas, grupos, seções ou outros órgãos
feita pelo Tribunal competente. com funções jurisdicionais ou administrativas;
Art. 269 – A remuneração dos magistrados IV – conceder licença e férias, nos termos da
será fixada por lei, respeitadas as disposições desta lei, a seus membros e aos juízes e serventuários que
Constituição e da Lei Orgânica da Magistratura lhes forem imediatamente subordinados.
Nacional. Art. 274 – Independe de pagamento prévio de
§ 1º – A remuneração dos Ministros do taxas, custas ou emolumentos, o ingresso na Justiça,
Supremo Tribunal Federal não será inferior à dos ressalvado unicamente o pagamento, no final, pelo
Ministros de Estado, e as dos Desembargadores, à vencido.
dos Secretários dos Estados, a qualquer título. Art. 275 – Lei complementar poderá criar
§ 2º – Excetuadas as previstas nesta Tribunais Administrativos, sem função jurisdicional,
Constituição, e na Lei Orgânica da Magistratura para resolver questões fiscais e previdenciárias, ou
Nacional, são vedadas outras vinculações ou relativas ao regime jurídico dos servidores públicos,
equiparações a magistrados, inclusive quanto à e permitir que a parte vencida requeira
remuneração. originariamente ao Tribunal Judiciário competente a
Art. 270 – É vedado ao juiz, sob pena de perda revisão da legalidade da decisão proferida.
do cargo judiciário; Parágrafo único – Quando exigida para o
I – exercer qualquer outra função, salvo um ingresso em Juízo, a prévia exaustão das vias
cargo de magistério, público ou particular, e os casos administrativas será gratuita e não poderá ser
previstos nesta Constituição; condicionada à garantia de instância; a falta de
II – receber, a qualquer título e sob qualquer decisão administrativa final em cento e vinte dias
pretexto, porcentagens ou custas nos processos permitirá o ajuizamento imediato da ação.
sujeitos a seu despacho e julgamento; e Art. 276 – Os pagamentos devidos pela
II – exercer atividade político-partidária. Fazenda federal, estadual ou municipal, em virtude de
Art. 271 – O Poder Judiciário elaborará sua sentença judiciária, far-se-ão na ordem de
proposta orçamentária, que será encaminhada ao Poder apresentação dos precatórios e à conta dos créditos
Legislativo juntamente com a do Poder Executivo. respectivos, proibida a designação de casos ou de pes-
38 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

soas nas dotações orçamentárias e nos créditos g) a extradição requisitada por Estado
extraorçamentários abertos para esse fim. estrangeiro, a homologação das sentenças
§ 1º – É obrigatória a inclusão, no orçamento das estrangeiras e a concessão de exequatur a cartas
entidades de direito público, de verba necessária ao rogatórias, podendo as últimas ser conferidas ao seu
pagamento dos seus débitos constantes de precatórios Presidente, nos termos do regimento interno;
judiciários, apresentados até 1º de julho, data em que h) o habeas corpus, quando o coator ou o
terão atualizados os seus valores. O pagamento far-se- paciente for Tribunal, autoridade ou funcionário cujos
á obrigatoriamente até o final do exercício seguinte. atos estejam sujeitos diretamente à jurisdição do
§ 2º – As dotações orçamentárias e os créditos Supremo Tribunal Federal, ou se tratar de crime
abertos serão consignados ao Poder Judiciário, sujeito à mesma jurisdição em única instância, e
recolhendo-se as importâncias respectivas à repartição ainda quando houver perigo de se consumar a
competente. Caberá ao Presidente do Tribunal que violência, antes que outro juiz ou Tribunal possa
proferir a decisão exeqüenda determinar o pagamento, conhecer do pedido;
segundo as possibilidades do depósito, e autorizar, a i) os mandados de segurança e o habeas data
requerimento do credor preterido no seu direito de contra atos do Presidente da República, do
precedência, ouvido o Chefe do Ministério Público, o Presidente do Conselho de Ministros, dos Ministros
seqüestro da quantia necessária à satisfação do débito. de Estado, das Mesas da Câmara e do Senado
Federal, do Supremo Tribunal Federal, do Conselho
SEÇÃO II Nacional da Magistratura, do Tribunal Federal de
Contas, ou de seus Presidentes, do Procurador-
DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Geral da República, do Defensor do Povo, bem como
os impetrados pela União contra atos de Governos
Art. 277 – O Supremo Tribunal Federal, com estaduais ou do Distrito Federal;
sede na Capital da União e jurisdição em todo o j) a representação do Procurador-Geral da
território nacional, compõe-se de onze Ministros. República, nos casos estabelecidos nesta
Parágrafo único – Os Ministros serão Constituição;
nomeados pelo Presidente da República, depois de l) a ação referida no art. 46;
aprovados pelo Senado Federal, dentre cidadãos com m) as revisões criminais e as ações rescisórias
mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco de seus julgados;
anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada. n) a execução das sentenças, nas causas de
Art. 278 – Compete ao Supremo Tribunal Federal: sua competência originária, facultada a delegação de
I – processar e julgar originariamente: atos processuais;
a) nos crimes comuns, o Presidente da o) as causas processadas perante quaisquer
República, o Vice-Presidente, o Presidente do Juízos e Tribunais, cuja avocação deferir, a pedido
Conselho e os Ministros de Estado, os seus próprios do Procurador-Geral da República, quando decorrer
Ministros, os Deputados e Senadores, o Procurador- imediato perigo de grave lesão à ordem, à saúde, à
Geral da República e o Defensor do Povo; segurança ou às finanças públicas, para que
b) nos crimes comuns e de responsabilidade, os suspendam os efeitos da decisão proferida e para
membros do Superior Tribunal de Justiça, dos que o conhecimento integral da lide lhe seja
Tribunais Superiores e os do Tribunal Federal de devolvido;
Contas, os Desembargadores dos Tribunais de Justiça II – julgar em recurso ordinário:
dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, e os a) os habeas corpos decididos em única ou
Chefes de missão diplomática de caráter permanente; última instância pelo Superior Tribunal de Justiça e
c) os litígios entre Estados estrangeiros ou pelos Tribunais Superiores da União, se denegatória
organismos internacionais e a União, os Estados, o a decisão;
Distrito Federal ou os Territórios; b) os mandados de segurança e o habeas
d) as causas e conflitos entre a União e os data decididos em única instancia pelo Superior
Estados, a União e o Distrito Federal, ou entre uns e Tribunal de Justiça e pelos Tribunais Superiores da
outros, inclusive entre os respectivos órgãos de União, quando denegatória a decisão;
administração indireta; c) os crimes políticos;
e) os conflitos de jurisdição entre o Superior d) as causas em que forem partes Estados
Tribunal de Justiça e os Tribunais Superiores da estrangeiros ou organismo internacional, de um lado,
União, ou entre esse e qualquer outro Tribunal; e, de outro, Município ou pessoa residente ou
f) os conflitos de atribuições entre autoridades domiciliado no País;
administrativas e judiciárias da União, ou entre III – julgar, mediante recurso extraordinário, as
autoridades judiciárias de um Estado e as causas decididas em única ou última instância por
administrativas de outro, ou do Distrito Federal, ou outros Tribunais, quando a decisão recorrida:
entre as destes e as da União; a) contrariar dispositivo desta Constituição;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 39

b) declarara inconstitucionalidade de tratado c) um terço, em partes iguais, entre advogados


ou lei federal; e membros do Ministério Público Federal ou estadual
c) julgar válida lei ou ato do Governo local e do Distrito Federal.
contestado em face da Constituição. § 2º – O Tribunal funcionará em Plenário ou
Parágrafo único – Caberá ainda recurso dividido em Seções e Turmas especializadas.
extraordinário, nos mesmos casos de cabimento do Art. 282 – Compete ao Superior Tribunal de
recurso especial previstos no art. 282, item III, contra Justiça:
decisões definitivas do Superior Tribunal de Justiça e I – processar e julgar originariamente:
dos Tribunais Superiores da União, quando o Supremo a) os membros dós Tribunais Federais
Tribunal Federal considerar relevante a questão federal Regionais, dos Tribunais Regionais Eleitorais e do
resolvida. Será publicada a motivação da rejeição ou Trabalho e os do Ministério Público da União que
do acolhimento da argüição de relevância. oficiem perante Tribunais;
Art. 279 – O regimento interno do Supremo b) os mandados de segurança e o habeas
Tribunal Federal estabelecerá, observada a Lei data contra ato do próprio Tribunal ou do seu
Orgânica da Magistratura Nacional, o processo dos Presidente;
feitos de sua competência originária ou de recurso e c) os habeas corpus, quando o coator ou o
da argüição de relevância da questão federal. paciente for qualquer das pessoas mencionadas na
letra a deste artigo;
SEÇÃO III d) os conflitos de jurisdição entre
juízes e os Tribunais Federais Regionais;
DO CONSELHO NACIONAL DA MAGISTRATURA entre juízes e os Tribunais dos Estados ou do
Distrito Federal e dos Territórios; entre
Art. 280 – O Conselho Nacional da Magistratura, juízes federais subordinados a Tribunais
com sede na Capital da União e jurisdição em todo o diferentes; entre juízes ou Tribunais de Estados
território nacional, compõe-se de quatro Ministros do diversos, incluídos os do Distrito Federal e dos
Supremo Tribunal Federal, um Ministro do Superior Territórios;
Tribunal de Justiça, um Desembargador de Tribunal de e) as revisões criminais e as ações rescisórias
Justiça dos Estados e um representante do Conselho dos seus julgados;
Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, por este II – julgar em recurso ordinário:
eleito, para servir por tempo certo, durante o qual ficará a) os habeas corpus decididos em única ou
incompatível com o exercício da advocacia. última instância pelos Tribunais Regionais
§ 1º – Ao Conselho cabe conhecer de Federais ou pelos Tribunais dos Estados, do
reclamações contra membros de Tribunais, sem Distrito Federal e dos Territórios, quando a
prejuízo da competência disciplinar destes, podendo decisão for denegatória;
rever processos disciplinares contra juízes de primeira b) os mandados de segurança decididos em
instância, determinar a disponibilidade de uns e outros, única instância pelos Tribunais Regionais Federais
observado o disposto no art. 268 desta Constituição. ou pelos Tribunais dos Estados, do Distrito
§ 2º – Junto ao Conselho oficiará o Federal e dos Territórios, quando denegatória a
Procurador-Geral da República. decisão;
III – julgar, em recurso especial, as causas
SEÇÃO decididas em única ou última instância pelos
Tribunais Federais Regionais ou pelos Tribunais dos
DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, quando
a decisão recorrida:
Art. 281 – O Superior Tribunal de Justiça, com a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-
sede na Capital da União e jurisdição em todo o lhe vigência;
território nacional, compõe-se de pelo menos trinta e b) julgar válida lei ou ato do Governo local,
seis Ministros, conforme for estabelecido em lei contestado em face de lei federal; e
complementar. c) der à lei federal interpretação divergente
§ 1º – Os Ministros do Superior Tribunal de da que lhe haja dado outro Tribunal, o próprio
Justiça serão nomeados pelo Presidente da Republica, Superior Tribunal de Justiça, ou o Supremo Tribunal
dentre brasileiros, maiores de trinta e cinco anos, de Federal.
notável saber jurídico e reputação ilibada, depois de Parágrafo único – Quando, contra o mesmo
aprovada a escolha pelo Senado Federal: acórdão, forem interpostos recurso especial e
a) um terço entre juízes da Justiça federal recurso extraordinário, o julgamento deste aguardará
comum; a decisão definitiva do Superior Tribunal de Justiça,
b) um terço entre juízes da Justiça estadual ou sempre que esta puder prejudicar o recurso
do Distrito Federal; extraordinário.
40 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 283 – O regimento interno do Superior mentos organizados pelo Conselho da Justiça
Tribunal de Justiça estabelecerá, observada a Lei Federal, com a colaboração da Ordem dos
Orgânica da Magistratura Nacional, o processo dos Advogados do Brasil.
feitos de competência originária ou recursal. Parágrafo único – A lei poderá atribuir a juízes
federais exclusivamente funções de substituição, em
SEÇÃO V uma ou mais Seções Judiciárias e, ainda, as de
auxílio a juízes titulares de Varas.
DOS TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS E DOS Art. 288 – Cada Estado, bem como o Distrito
JUÍZES FEDERAIS Federal, constituirá pelo menos uma Seção
Judiciária, com sede na respectiva Capital.
Art. 284 – Os Tribunais Regionais Federais § 1º – Observados os critérios fixados em lei
compõem-se de no mínimo quinze juízes, nomeados complementar, poderão ser criadas Seções
pelo Presidente da República dentre brasileiros Judiciárias ou Varas da Justiça Federal fora das
maiores de trinta anos: Capitais dos Estados, tendo em conta, entre outros
I – um quinto entre advogados e membros do fatores, a densidade demográfica, o desenvolvimento
Ministério Público Federal; econômico e a existência de portos ou aeroportos de
II – os demais mediante promoção de juízes grande movimento na região.
federais com mais de cinco anos de exercício, sendo § 2º – Lei complementar preverá o aumento
metade por antiguidade e metade por merecimento. compulsório das Varas da Justiça Federal, em função
Parágrafo único – A Lei Orgânica da da verificação estatística do crescimento do número
Magistratura Nacional, quando o permitir, disciplinará de litígios, por ato do Conselho da Justiça Federal.
a remoção do juiz de um para outro Tribunal § 3º – Nos Territórios, a jurisdição e as
Regional Federal. atribuições cometidas aos juízes federais caberão
Art. 285 – Junto ao Tribunal Regional Federal, aos juízes da Justiça local, na forma que a lei
com sede no Distrito Federal, funcionará o Conselho dispuser. O Território de Fernando de Noronha ficará
de Justiça Federal, de cuja composição participarão compreendido na Seção Judiciária do Estado de
juízes dos demais, e ao qual incumbirá a Pernambuco.
administração e a disciplina da Justiça federal Art. 289 – Aos juízes federais compete
comum de primeira instância, nos termos de lei processar e julgar:
complementar. I – as causas em que a União, entidade
Art. 286 – Compete aos Tribunais Federais e autárquica ou empresa pública federal forem
Regionais: interessadas na condição de autoras, rés,
I – processar e julgar originariamente: assistentes ou opoentes, exceto as de falência e as
a) os juízes federais da área de sua jurisdição, sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho;
incluídos os da Justiça Militar e da do Trabalho, nos II – as causas entre Estado estrangeiro ou
crimes comuns e de responsabilidade, e os membros organismo internacional e Municípios ou pessoa
do Ministério Público da União, ressalvado o disposto domiciliada ou residente no Brasil;
no art. 278; III – as causas fundadas em tratado ou
b) as revisões criminais e as ações rescisórias contrato da União com Estado estrangeiro ou
dos seus julgados ou dos juízes federais da região; organismo internacional;
c) os mandados de segurança e habeas data IV – os crimes políticos e as infrações penais
contra ato do Presidente do próprio Tribunal, de suas praticadas em detrimento de bens, serviços ou
Seções e Turmas ou de juiz federal; interesses da União ou de suas entidades
d) os habeas corpus, quando a autoridade autárquicas ou empresas públicas, excluídas as
coatora for juiz federal; contravenções e ressalvada a competência da
e) os conflitos de jurisdição entre juízes Justiça Militar e da Justiça Eleitoral;
federais subordinados ao Tribunal ou entre suas V – os crimes previstos em tratado ou
Seções ou Turmas; convenção internacional em que, iniciada a execução
f) a revisão das decisões proferidas pelos no País, seu resultado tenha ocorrido ou devesse ter
Tribunais Administrativos; ocorrido no estrangeiro, ou, reciprocamente, iniciada
II – julgar em grau de recurso as causas no estrangeiro, seu resultado tenha ocorrido ou
decididas pelos juízes federais da área de sua devesse ter ocorrido no Brasil;
jurisdição. VI – os crimes contra a organização do
Art. 287 – Os cargos de juiz federal serão trabalho e, nos casos determinados por lei, contra o
providos mediante concurso público de provas e sistema financeiro nacional e a ordem econômico-
títulos e verificação de idoneidade moral financeira, assim como os de discriminação, a que
e de outros requisitos fixados em lei, procedi- alude o art. 11;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 41

VII – os habeas corpus em matéria criminal de Art. 292 – A lei poderá permitir que a ação
sua competência, ou quando o constrangimento fiscal e outras, que definir, sejam processadas, nas
provier de autoridade cujos atos não estejam comarcas do interior onde tiver domícilio a outra
diretamente sujeitos a outra jurisdição parte, perante a Justiça do Estado ou do Território, e
VIII – os mandatos de segurança e o habeas com recurso para o Tribunal Federal Regional
data contra ato de autoridade federal, excetuados os competente.
casos de competência dos Tribunais Federais;
IX – os crimes cometidos a bordo de navios ou SEÇÃO VI
aeronaves, ressalvada a competência da Justiça
Militar; DOS TRIBUNAIS E JUÍZES MILITARES
X – os crimes de ingresso ou permanência
irregular de estrangeiro, a execução de carta Art. 293 – São órgãos da Justiça Militar o
rogatória, após o exeguatur, e de sentença Superior Tribunal Militar e os Tribunais e juízes
estrangeira, após a homologação; as causas inferiores instituídos por lei.
referentes à nacionalidade, inclusive a respectiva Art. 294 – O Superior Tribunal Militar compor-
opção, e à naturalização; se-á de onze Ministros vitalícios, nomeados pelo
XI – as questões de Direito Agrário definidas Presidente da República, depois de aprovada a
em lei complementar. escolha pelo Senado Federal, sendo dois dentre
§ 1º – As causas em que a União for autora oficiais-generais da ativa da Marinha, três dentre
serão aforadas na Capital do Estado ou Território oficiais-generais da ativa do Exército, dois dentre
onde tiver domícilio a outra parte; as intentadas oficiais-generais da ativa da Aeronáutica e quatro
contra a União poderão ser aforadas na Capital do dentre civis.
Estado ou Território em que for domiciliado o autor; e § 1º – Os Ministros civis, escolhidos pelo
na Capital do Estado onde houver ocorrido o ato ou Presidente da República entre brasileiros com mais
fato que tenha dado origem à demanda ou onde de trinta e cinco anos de idade, serão:
esteja situada a coisa; ou ainda no Distrito Federal. a) dois advogados, de notório saber jurídico e
§ 2º – As causas propostas perante outros idoneidade moral, com mais de dez anos de prática
juízes, se e União neles intervier, como assistente ou forense; e
opoente, passarão a ser da competência do juiz b) dois, dos quais um dentre auditores e outro
federal respectivo. dentre membros do Ministério Público da Justiça
§ 3º – Processar-se-ão e julgar-se-ão na Militar.
Justiça estadual, no foro do domicílio dos segurados § 2º – Os Ministros militares e togados do
ou beneficiários as causas em que for parte Superior Tribunal Militar terão vencimentos e
instituição de previdência social e cujo objeto for vantagens iguais aos dos Ministros dos Tribunais
benefício de natureza pecuniária, sempre que a Superiores da União.
comarca não seja sede de Vara do Juízo federal; o Art. 295 – À Justiça Militar compete processar
recurso, que no caso couber, deverá ser interposto e julgar os militares nos crimes militares definidos em
para o Tribunal Regional Federal compatente. lei.
Art. 290 – A lei poderá criar Varas Federais de § 1º – Em tempo de guerra, esse foro especial
Justiça Tributária, providas por juízes federais, estender-se-á aos civis, nos casos expressos em lei,
selecionados mediante cursos de especialização. para repressão de crimes contra a segurança
Parágrafo único – Das decisões dos juízes externa do País ou as instituições militares.
federais da Justiça Tributária caberá recurso para os § 2º – A lei regulará a aplicação das penas de
Tribunais Regionais Federais, onde também se legislação militar em tempo de guerra.
organizarão Seções ou Turmas Especializadas.
Art. 291 – A lei criará Varas Regionais de SEÇÃO VII
Justiça Agrária, cujas sedes poderão ser transferidas
pelo Conselho de Justiça Federal, com remoção de DOS TRIBUNAIS E JUÍZES ELEITORAIS
seus titulares, os quais poderão ser providos nos
cargos mediante concurso público especial ou curso Art. 296 – Os órgãos da Justiça Eleitoral são
de especialização de juízes federais. Na conciliação os seguintes:
das partes e na instrução dos processos, poderão I – Tribunal Superior Eleitoral;
participar, na forma da lei, representantes dos II – Tribunais Regionais Eleitorais;
proprietários e dos trabalhadores rurais. III – Juízes Eleitorais;
Parágrafo único – Das decisões dos juízes IV – Juntas Eleitorais.
federais de Justiça Agrária caberá recurso para os Parágrafo único – Os juizes dos
Tribunais Regionais Federais, onde se organizarão Tribunais Eleitorais, salvo motivos
Seções ou Turmas especializadas. justificados, servirão obrigatoriamente por
42 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

dois anos, no mínimo, e nunca por mais de dois Art. 302 – Os juízes e membros dos Tribunais
biênios consecutivos; os substitutos serão escolhidos e Juntas Eleitorais, no exercício de suas funções, e
na mesma ocasião e pelo mesmo processo, em no que lhes for aplicável, gozarão de plenas
número igual para cada categoria. garantias e serão inamovíveis.
Art. 297 – O Tribunal Superior Eleitoral, com Art. 303 – A lei estabelecerá a competência
sede na Capital da União, compor-se-á: dos juízes e Tribunais Eleitorais, incluindo entre às
I – mediante eleição, por voto secreto: suas atribuições:
a) de três juízes, entre os Ministros do I – o registro e a cassação de registro dos
Supremo Tribunal Federal; e Partidos Políticos, assim como a fiscalização das
b) de dois juízes, entre os membros do suas finanças;
Superior Tribunal de Justiça; II – a divisão eleitoral do País;
II – por nomeação do Presidente da República, III – o alistamento eleitoral;
de dois entre seis advogados de notável saber IV – a fixação das datas das eleições, quando
jurídico e idoneidade moral, indicados pelo Supremo não determinadas por disposição constitucional ou
Tribunal Federal. legal;
Parágrafo único – O Tribunal Superior Eleitoral V – o processamento e a apuração das
elegerá seu Presidente e seu Vice-Presidente entre eleições e a expedição dos diplomas;
os três Ministros do Supremo Tribunal Federal. VI – a decisão das arguições de
Art. 298 – Haverá um Tribunal Regional inelegibilidade;
Eleitoral na Capital de cada Estado e no Distrito VII – a anulação de diplomas e a perda de
Federal. mandatos eletivos, quando comprovadamente
Art. 299 – Os Tribunais Regionais Eleitorais obtidos com abuso do poder econômico ou do poder
compor-se-ão: político;
I – mediante eleição, pelo voto secreto: VIII – o processamento e a apuração dos
a) de dois juizes, dentre os Desembargadores plebiscitos e do referendo, que se realizarão no
do Tribunal de Justiça; e prazo de sessenta dias, contado do ato que os
b) de dois juízes de direito, escolhidos pelo determinar;
Tribunal de Justiça, dentre os titulares da comarca IX – o processamento e julgamento dos crimes
da Capital; eleitorais e os que lhe são conexos, bem como os de
II – de um juiz do Tribunal Federal Regional, habeas corpus e mandado de segurança em matéria
com sede na Capital do Estado ou, não havendo, de eleitoral e assuntos conexos;
juiz federal, escolhido, em qualquer caso, pelo X – o julgamento de reclamações relativas
Tribunal Federal Regional respectivo; a obrigações impostas por lei aos Partidos
III – por nomeação do Presidente da Políticos.
República, de dois dentre seis advogados de notável Parágrafo único – Ao processo a que se refere
saber jurídico e idoneidade moral, indicados pelo o inciso VII, deste artigo, aplica-se o disposto no § 1º
Tribunal de Justiça. do art. 157, salvo quando instaurado anteriormente à
§ 1º – O Tribunal Regional Eleitoral elegerá posse.
Presidente um dos dois Desembargadores do Art. 304 – Das decisões dos Tribunais
Tribunal de Justiça, cabendo ao outro a Vice- Regionais Eleitorais somente saberá recurso para o
Presidência. Tribunal Superior Eleitoral, quando:
§ 2º – O número de juízes dos Tribunais I – forem proferidas contra expressa
Eleitorais não será reduzido, mas poderá ser disposição de lei;
elevado, até nove, mediante proposta do Tribunal II – ocorrer divergência na interpretação de lei
Superior Eleitoral e na forma por ele sugerida. entre dois ou mais Tribunais Eleitorais;
Art. 300 – A lei disporá sobre a organização III – versarem sobre inelegibilidade ou
das Juntas Eleitorais, que serão presididas por juiz expedição de diplomas nas eleições federais e
de direito e cujos membros serão aprovados pelo estaduais;
Tribunal Regional Eleitoral e nomeados pelo seu IV – anularem os diplomas ou decretarem a
Presidente. perda de mandatos eletivos federais ou estaduais;
Art. 301 – Os juízes de direito exercerão as V – denegarem habeas corpus ou mandado de
funções de juízes eleitorais, com jurisdição plena e segurança.
na forma da lei. Art. 305 – Os Territórios Federais do Amapá,
Parágrafo único – A lei poderá outorgar a Roraima e Fernando de Noronha ficam sob a
outros juízes competência para funções não jurisdição, respectivamente, dos Tribunais Regionais
decisórias. Eleitorais do Pará, Amazonas e Pernambuco.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 43

SEÇÃO VIII CAPÍTULO XI

DOS TRIBUNAIS E JUÍZES DO TRABALHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Art. 306 – Os órgãos da Justiça do Trabalho Art. 308 – O Ministério Público é instituição
são os seguintes; permanente, essencial à função jurisdicional do
I – Tribunal Superior do Trabalho; Estado, incumbido da defesa do regime
II – Tribunais Regionais do Trabalho; democrático, da ordem jurídica e dos interesses
III – Juntas de Conciliação e Julgamento. sociais e individuais indisponíveis.
§ 1º – O Tribunal Superior do Trabalho será § 1º – São princípios institucionais do
composto, no mínimo, de vinte e cinco Ministros, Ministério Público a unidade, a indivisibilidade e a
nomeados pelo Presidente da República: independência funcional.
a) um quinto, pelo menos, dentre advogados, § 2º – O Ministério Público gozará de
no efetivo exercício da profissão e notório saber autonomia administrativa e financeira, com
jurídico especializado, e membros do Ministério dotação orçamentária própria, cuja proposta
Público do Trabalho, depois de aprovada a escolha anual organizará para se; enviada ao
pelo Senado Federal; Congresso Nacional juntamente com a do Poder
b) os restantes, dentre juízes dos Tribunais Executivo.
Regionais do Trabalho, indicados em lista tríplice Art. 309 – O Ministério Público da União
organizada pelo Tribunal. compreende:
§ 2º – Os Tribunais Regionais do Trabalho I – o Ministério Público Federal, que oficiará
serão compostos de juízes nomeados pelo perante o Supremo Tribunal Federal, o Superior
Presidente da República: Tribunal de Justiça, o Tribunal Federal de
a) um quinto, mediante nomeação do Contas e os Tribunais e juízes federais
Presidente da República, dentre advogados e comuns;
membros do Ministério Público do Trabalho, com os II – o Ministério Público Eleitoral;
requisitos do § 1º deste artigo; III – o Ministério Público Militar;
b) os demais, por promoção de juízes do IV – o Ministério Público do Trabalho.
Trabalho, por antiguidade e por merecimento, Art. 310 – o Procurador-Geral da República
alternadamente. será nomeado pelo Presidente da República,
§ 3º – As Juntas de Conciliação e Julgamento dentre cidadãos maiores de trinta e cinco
serão compostas por um juiz do Trabalho, que a anos, de notável saber jurídico e reputação
presidirá, e por dois juízes classistas temporários, ilibada, depois de aprovada a escolha pelo
representantes dos empregados e dos Senado Federal, e servirá por tempo
empregadores, respectivamente, permitida uma determinado, que findará com o termo do
única recondução. mandato presidencial em que tiver ocorrido a
§ 4º – Os órgãos da Justiça do Trabalho nomeação, salvo a hipótese do parágrafo
deverão, nos casos previstos em lei, e poderão, em único.
qualquer caso, solicitar concurso de representantes Parágrafo único – A exoneração de ofício
sindicais das categorias a que pertençam as partes, do Procurador-Geral antes do termo de sua
nos dissídios individuais ou coletivos, os quais investidura, dependerá de anuência prévia da
funcionarão como assessores na instrução e maioria absoluta do Senado Federal.
discussão da causa. Art. 311 – Incumbe ao Procurador-Geral da
Art. 307 – Compete à Justiça do Trabalho República:
conciliar e julgar os dissídios individuais e coletivos I – exercer a direção superior do Ministério
entre empregados e empregadores, inclusive da Público da União e a supervisão da defesa
administração pública direta e indireta, e outras judicial das Autarquias Federais a cargo de seus
controvérsias oriundas de relação de trabalho, Procuradores.
regidas por legislação especial, ou que decorram do II – chefiar o Ministério Público Federal e o
cumprimento de suas próprias sentenças. Ministério Público Eleitoral;
§ 1º – As decisões, nos dissídios coletivos, III – representar para a declaração de
esgotadas as instâncias conciliatórias e a constitucionalidade ou inconstitucionalidade
negociação entre partes, poderão estabelecer de lei ou ato normativo federal ou
normas e condições de trabalho. estadual;
§ 2º – Nas decisões a que se refere o IV – representar nos casos definidos em lei
parágrafo anterior a execução far-se-á complementar, para a interpretação da lei ou ato
independentemente da publicação do acórdão e a normativo federal
suspensão liminar dela, quando autorizada em lei, V – representar para fins de intervenção
será decidida em plenário pelo Tribunal Superior do federal nos Estados nos termos desta
Trabalho. Constituição.
44 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

§ 1º – A representação, a que alude o inciso III II – as seguintes garantias:


deste, artigo, será encaminhada pelo Procurador- a) vitaliciedade, não podendo perder o cargo
Geral da República, sem prejuízo do seu parecer senão em virtude de sentença judiciária;
contrário, quando fundamentadamente a solicitar: b) inamovibilidade, salvo motivo de interesse
a) o Presidente da República ou Presidente do público relevante, mediante representação do
Conselho de Ministros; Procurador-Geral, ouvi do o colegiado competente;
b) as Mesas do Senado Federal ou da Câmara ressalvado àquele o poder de designar os membros
dos Deputados ou um quarto dos membros de uma do Ministério Público sob a sua chefia para funções
das Casas; específicas e temporárias fora do local de sua
c) o Governador, a Assembléia Legislativa, ou lotação;
o Chefe do Ministério Público estadual; c) irredutibilidade de remuneração e paridade
d) o Conselho Federal da Ordem dos deles com os dos órgãos judiciários
Advogados do Brasil, mediante deliberação tomada correspondentes, esta, quando exercido o cargo em
por dois terços de seus membros. regime de dedicação esclusiva;
§ 2º – Aplica-se às representações previstas d) promoções voluntárias, por antiguidade e
nos incisos IV e V deste artigo, o disposto na alínea por merecimento, que podem ser condicionadas à
a do parágrafo anterior. aprovação em curso específico;
Art. 312 – São funções institucionais privativas e) aposentadoria compulsória, aos setenta
do Ministério Público, na área de atuação de cada anos de idade ou por invalidez comprovada, e
um dos seus órgãos: facultativa após trinta anos de serviço público, em
I – promover a ação penal pública; todos os casos com proventos integrais, reajustados,
II – promover a ação civil pública, nos termos na mesma proporção, sempre que majorada a
da lei, para a proteção do patrimônio público e social, remuneração da atividade.
dos interesses difusos e coletivos, dos direitos Art. 314 – Os membros do Ministério Público
indisponíveis e das situações jurídicas de interesse da União ingressarão nos cargos iniciais das
geral ou para coibir abuso de autoridade ou do poder respectivas carreiras mediante concurso público de
econômico; provas e títulos.
III – exercer a supervisão da investigação Art. 315 – É vedado ao membro do Ministério
criminal; Público, sob pena de perda do cargo:
IV – intervir em qualquer processo, nos casos I – exercer qualquer outra atividade pública,
previstos em lei, ou quando entender existir interesse salvo uma única função de magistério, cargo ou
público ou social relevante. função em comissão, quando autorizados pelo
§ 1º – Para o desempenho de suas funções, Procurador-Geral, na forma da lei;
pode o Ministério Público requisitar da autoridade II – receber, a qualquer tempo e sob qualquer
competente a instauração de inquéritos necessários pretexto, percentagens ou custas nos processos em
às ações públicas que lhe incumbem, avocando-os que oficie;
para suprir omissão, ou para apuração de abuso de III – exercer o comércio ou participar de
autoridade, além de outros casos que a lei sociedade comercial, exceto como cotista ou
especificar. acionista, que não tenham o seu controle.
§ 2º – A legitimação do Ministério Público para
a ação civil pública prevista neste artigo não impede TÍTULO III
a de terceiros, nas mesmas hipóteses, segundo
dispuser a lei. DA ORDEM ECONÔMICA
§ 3º – A representação judicial da União cabe
a seu Ministério Público; nas comarcas do interior Art. 316 – A ordem econômica fundamenta-se
essa responsabilidade poderá ser atribuída a na justiça social e no desenvolvimento, devendo
Procuradores dos Estados e Municípios. assegurar a todos uma existência digna.
Art. 313 – Lei complementar, de iniciativa do Parágrafo único – A ordenação da atividade
Presidente da República, organizará o Ministério econômica terá como princípios:
Público da União e estabelecerá normas gerais para I – a valorização do trabalho;
a organização do Ministério Público dos Estados, do II – a liberdade de iniciativa;
Distrito Federal e dos Territórios, assegurando aos III – a função social da propriedade e da
seus membros: empresa;
I – independência funcional, sem prejuízo da IV – a harmonia entre as categorias sociais de
unidade e da indivisibilidade da instituição; produção;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 45

V – o pleno emprego; I – função supletiva do capital estrangeiro;


VI – a redução das desigualdades sociais e II – regime especial, com limites máximos de
regionais; remessa de juros, dividendos, royalties, pagamentos
VII – o fortalecimento da empresa nacional; de assistência técnica e bonificações, sendo
VIII – o estímulo às tecnologias inovadoras e obrigatória a divulgação pelas empresas das
adequadas ao desenvolvimento nacional. importâncias transferidas, em cada caso, para
Art. 317 – O exercício da atividade econômica, esclarecimento da opinião pública;
seja qual for o seu agente, está subordinado ao III – a proibição de transferência a estrangeiro
interesse geral, devendo realizar-se em consonância das terras onde existam jazidas, minas, outros
com os princípios e objetivos definidos neste Título. recursos minerais e potenciais de energia elétrica.
Art. 318 – A atividade econômica será Parágrafo único – As questões relativas à
realizada pela iniciativa privada, resguardada a ação dívida externa, assumidas ou garantidas por pessoa
supletiva e reguladora do Estado, bem como a jurídica de direito público, serão aforadas no Distrito
função social da empresa. Federal.
Parágrafo único – Considera-se atividade Art. 323 – Só se considerará empresa
econômica atípica aquela realizada no recesso do nacional, para todos os fins de direito, aquela cujo
lar. controle de capital pertença a brasileiros e que,
Art. 319 – A intervenção do Estado no domínio constituída e com sede no País, nele tenha o centro
econômico poderá ser mediata ou imediata, de suas decisões.
revestindo a forma de controle, de estímulo, de Art. 324 – O Estado deverá, mediante lei
gestão direta, de ação supletiva e de participação no especial, estabelecer normas para o planejamento
capital das empresas. da atividade econômica no País, com o planejamento
§ 1º – O Poder Público intervirá, sob a forma imperativo para o setor público, e o planejamento
normativa, no controle e fiscalização da atividade indicativo para o setor privado, de forma a atender às
privada, nos limites de competência fixados nesta necessidades coletivas, equilibrar as diferenças
Constituição. regionais e setoriais, estimular o crescimento da
§ 2º – Como estímulo, o Estado incentivará riqueza e da renda e sua justa distribuição.
aquelas atividades que interessem ao § 1º – A formulação dos planos nacionais e
desenvolvimento geral do País. regionais de desenvolvimento contará com a
§ 3º – A ação supletiva do Estado será restrita, participação, na forma da lei, de pessoas jurídicas de
ocorrendo somente quando comprovadamente direito público, comissões especiais, organizações
necessária, conforme diretrizes do planejamento profissionais e entidades de classe.
econômico. O monopólio será criado em lei especial. § 2º – O planejamento harmonizará o
§ 4º – O cooperativismo e o associativismo desenvolvimento econômico com a preservação do
serão estimulados e incentivados pelo Estado. equilíbrio ecológico e da qualidade do meio
Art. 320 – Na exploração da atividade ambiente.
econômica, as empresas públicas e as sociedades Art. 325 – Incumbe ao Estado, diretamente ou
de economia mista reger-se-ão pelas normas sob o regime de concessão ou permissão, a
aplicáveis à empresa privada, incluído o direito do prestação de serviços públicos.
trabalho e o das obrigações. Parágrafo único – O regime das concessões
Parágrafo único – A empresa pública que dos serviços públicos federais, estaduais ou
explorar atividade não monopolizada ficará sujeita ao municipais obedecerá aos seguintes princípios:
mesmo tratamento, assim como ao regime tributário, a) obrigação de manter serviço adequado;
aplicado às empresas privadas que com ela b) tarifas que permitam a justa remuneração
competem no mercado. do capital, o melhoramento e a expansão dos
Art. 321 – A lei disciplinará os investimentos serviços, e assegurem o equilíbrio econômico e
de capital estrangeiro. financeiro do contrato; e
Parágrafo único – A lei regulará os meios e c) fiscalização permanente e revisão periódica
formas de nacionalização de empresas de capital das tarifas, ainda que estipuladas eis contrato
estrangeiro, nos casos previstos nos planos de anterior.
desenvolvimento aprovados pelo Congresso Art. 326 – A lei reprimirá toda e qualquer
Nacional. forma de abuso do poder econômico, que tenha
Art. 322 – A lei reguladora dos investimentos por fim dominar os mercados nacionais, eliminar a
de capital estrangeiro obedecerá, entre outros, aos concorrência ou aumentar arbitrariamente os
seguintes princípios: lucros.
46 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 327 – Lei federal disporá sobre o cionada neste artigo, seu uso será orientado no
funcionamento dos bancos de depósito, empresas sentido de:
financeiras e de seguros, em todas as suas a) assegurar nível adequado de vida àqueles
modalidades, devendo a maioria de seu capital com que nela trabalham, bem como ás suas famílias;
direito a voto ser constituído por brasileiros. b) realizar a exploração racional da terra;
Parágrafo único – As empresas atualmente c) conservar os recursos naturais e a
autorizadas a operar no País terão prazo, fixado em manutenção adequada dos equipamentos
lei, para que se transformem em empresas comunitários;
nacionais, como conceituadas no art. 323 desta d) observar as disposições legais que regulam
Constituição. as relações de trabalho.
Art. 328 – As jazidas, minas e demais recursos § 2º – É dever do Poder Público:
minerais, bem como os potenciais de energia a) promover e criar as condições de acesso do
hidráulica, constituem propriedade distinta da trabalhador à propriedade da terra economicamente
propriedade do solo, sendo, neste caso, o subsolo útil, de preferência na região em que habita, ou,
propriedade da União. quando as circunstâncias urbanas ou regionais o
§ 1º – A exploração e o aproveitamento das aconselharem, em zonas plenamente ajustadas, na
jazidas, minas e dos potenciais de energia hidráulica forma que a lei vier a determinar;
dependem de autorização ou concessão federal, na b) zelar para que a propriedade da terra
forma da lei, que somente poderá ser concedida a desempenhe a sua função, estimulando planos de
brasileiros e a sociedades nacionais. utilização nacional, promovendo a justa remuneração
§ 2º – É assegurada do proprietário do solo a e o acesso do trabalhador aos beneficiara dos
participação nos resultados da lavra; quanto às equipamentos comunitários, o aumento de
jazidas e minas cuja exploração constituir produtividade, o bem-estar coletivo;
monopólio da União, a lei regulará a forma de c) fixar, tendo em vista as peculiaridades
indenização. regionais, a área máxima de propriedade rural a
§ 3º – A participação de que trata o parágrafo receber benefícios fiscais e crédito subsidiado.
anterior não será inferior ao dízimo de imposto sobre Art. 332 – A União promoverá a
minerais. desapropriação da propriedade territorial rural,
§ 4º – Não dependerá de autorização ou mediante pagamento de justa indenização, segundo
concessão o de energia hidráulica de potencia os critérios que a lei estabelecer, em títulos especial
reduzida e, em qualquer caso a captação de energia, da dívida pública, com cláusula de atualização,
solar. negociável e resgatáveis, no prazo de vinte anos, em
§ 5º – As autorizações de pesquisa mineral e parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurada a
as concessões de lavra serão por tempo sua aceitação a qualquer tempo como meio de
determinado, renováveis no interesse nacional pagamento de tributos federais e do preço de terras
conforme dispuser a lei. públicas.
§ 6º – O regime de exploração de recursos § 1º – A lei disporá sobre e volume anual das
naturais garantirá aos Estados em que ela se fizer a emissões de títulos, suas características, taxas de
participação nos seus resultados. juros, prazo e condições de resgate.
Art 329 – Constituem monopólio da União a § 2º – À desapropriação de que trata este
pesquisa, a lavra, a refinação, o processamento, o artigo á de competência privativa da União e, feita
transporte marítimo e em condutos do petróleo e por decreto do Poder Executivo, recairá sobre as
seus derivados e do gás natural. propriedades rurais cuja forma de exploração
§ 1º – A união poderá autorizar os Estados e contrarie os princípios estabelecidos nesta
Municípios a realizar os serviços de canalização do Constituição.
gás natural por ela explorados. § 3º – A indenização com títulos somente será
§ 2º – A canalização do gás natural obedecerá feita quando se tratar de latifúndio, como tal
o projeto previamente aprovado pela União e pelos conceituado em lei, excetuadas as benfeitorias
Estados e Municípios cujo território for atingido. necessárias e úteis, que serão sempre pagas em
Art. 330 – A pesquisa, e lavra e o dinheiro.
enriquecimento de minérios nucleares e materiais § 4º – O Presidente da República poderá
físseis localizados em território nacional, sua delegar á autoridade federal as atribuições para a
industrialização e comércio, constituem monopólio da desapropriação de imóveis rurais por interesse
União. social, sendo-lhe exclusiva a declaração de zonas
Art. 331 – É assegurado a todos, na forma da prioritárias para implantação de planos regionais de
lei, o direito à propriedade territorial rural, reforma agrária.
condicionada pela sua função social. § 5º – Não incidirão impostos sobre a
§ 1º – Para garantir o indenização paga em decorrência de desapropriação
função da propriedade, men- prevista neste artigo.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 47

Art. 333 – Todo aquele que, não sendo § 1º – As pessoas jurídicas organizadas
proprietário nem urbano, ocupar, por cinco anos para a navegação deverão ter o controle
ininterruptos, sem oposição nem reconhecimento de societário, direta ou indiretamente de
domínio alheio, trecho de terra não superior a brasileiros.
cinqüenta hectares, tornando-o produtivo por seu § 2º – A navegação de cabotagem e a
trabalho, e tendo nele sua moradia, adquirir-lhe-á a navegação interior são privativas de embarcações
propriedade, mediante sentença declaratória nacionais, salvo o caso de necessidade
devidamente transcrita. pública.
Parágrafo único – Ministério Público terá § 3º – O disposto neste artigo não se aplica
legitimação concorrente, nos termos da lei, para aos navios de pesca, apoio marítimo, esporte,
ação fundada neste artigo. turismo e recreio e às plataformas que serão
Art. 334 – É insuscetível de penhora a regulados em lei federal.
propriedade rural ate o limite de cem hectares,
incluída a sua sede, explorada pelo trabalhador que TÍTULO IV
a cultive e nela resida e não possua outros e imóveis
rurais. Nesse caso, a garantia pelas obrigações DA ORDEM SOCIAL
limitar-se-á à safra.
Art. 335 – Lei federal disporá sobre as Art. 342 – A ordem social tem por fim
condições de legitimação de posse e de realizar a justiça social, com base nos seguintes
transferência para aquisição, até cem hectares, de princípios:
terras públicas por aqueles que as tornarem I – direito ao trabalho, mediante uma
produtivas, com seu trabalho e de sua família. política de pleno emprego;
Art. 336 – Lei complementar definirá os casos II– o trabalho como dever social, salvo
em que permitirá a desapropriação para fins de razões de idade, doença ou invalidez;
reforma agrária da empresa rural, mediante prévia III – direito a uma fonte de renda que
indenização em dinheiro. possibilite existência digna;
Art. 337 – Lei complementar definirá as IV – igualdade de oportunidades na
condições nas quais o titular da propriedade escolha da profissão ou gênero de
territorial urbana poderá ser compelido, em prazo trabalho;
determinado, á sua utilização socialmente adequada, V – participação efetiva na cidadania e no
sob pena de desapropriação por interesse social na gozo do bem-estar social;
forma do art. 30, ou de incidência de medidas de VI – direito a moradia de dimensão
caráter tributário. adequada, em condições de higiene e
Art. 338 – Não poderá ser apropriado pelo conforto;
títular do imóvel o valor acrescido, VII – desenvolvimento de política de
comprovadamente, resultante de investimentos seguridade social;
públicos em área urbana ou rural. VIII – função social da maternidade e da
Parágrafo único – Lei complementar definirá família como valor fundamental;
os critérios segundo os quais a entidade pública que IX – proteção eficaz à infância, à
houver feito o investimento recuperará a mais valia adolescência e à velhice;
imobiliária, destinando-a às finalidades de caráter X – respeito e proteção social às
social. minorias;
Art. 339 – A lei estabelecerá planos de XI – direito à saúde e à educação;
colonização e de aproveitamento das terras públicas. XII – igualdade de direitos entre o
Para esse fim, serão preferidos os nacionais e, trabalhador urbano e o rural.
dentre eles, os habitantes das zonas pobres e os
desempregados. CAPÍTULO I
Parágrafo único – Não se fará, sob pena de
nulidade e de crime de responsabilidade, alienação DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES
ou concessão de terras públicas com área superior a
três mil hectares. Art. 343 – As normas de proteção aos
Art. 340 – A seleção, entrada, distribuição e trabalhadores obedecerão aos seguintes
fixação de imigrantes ficarão sujeitas, na forma da preceitos, além de outros que visem à melhoria
lei, às exigências do interesse nacional. dos seus benefícios:
Art. 341 – Os proprietários, armadores e I – salário real e justo capaz de satisfazer
comandantes de navios nacionais, assim como dois as necessidades normais do trabalhador e as de
terços dos seus tripulantes, serão brasileiros. sua família;
48 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

II – salário-família para os seus dependentes; § 1º – A assembléia geral é o órgão


III – proibição de diferença de salário e de deliberativo supremo da entidade sindical, sendo de
critério de admissão, promoção e dispensa, por sua competência exclusiva aprovar-lhe os estatutos,
motivo de raça, cor, sexo, religião, opinião política, deliberar sobre a sua constituição, organização,
nacionalidade, idade, estado civil, origem, deficiência contribuição financeira e eleições para os órgãos
física ou condição social; diretivos e de representação.
IV – salário de trabalho noturno superior ao § 2º – Compete às entidades sindicais
diurno; defender os direitos e os interesses da categoria
V – duração de trabalho não superior a que representam, com participação junto às
quarenta horas semanais, não excedendo de oito empresas e aos organismos públicos que
horas diárias e intervalo para descanso, salvo casos diretamente se relacionem com o exercício
especiais previstos em lei; daqueles interesses.
VI – repouso semanal remunerado, de § 3º – Em quaisquer questões judiciárias ou
preferência aos domingos, e nos feriados civis e administrativas poderá intervir o sindicato como
religiosos, de acordo com a tradição local; terceiro interessado ou substituto processual, desde
VII – férias anuais remuneradas; que comprovada a implicação, que delas possa
VIII – higiene e segurança do trabalho; advir, de prejuízo direto ou indireto para a atividade
IX – uso obrigatório de medidas tecnológicas ou profissão.
visando a eliminar ou a reduzir ao mínimo a § 4º – Nenhuma entidade sindical poderá
insalubridade nos locais de trabalho; sofrer intervenção, ser suspensa ou dissolvida pela
X – proibição de trabalho em indústrias autoridade pública, se não por decisão judicial,
insalubres e de trabalho noturno a menores de garantido amplo direito de defesa.
dezoito anos, e de qualquer trabalho a menores de Art. 345 – É reconhecido o direito de greve.
quatorze anos; § 1º – Para o seu pleno exercício, serão
XI – descanso remunerado da gestante, antes estabelecidas providências e garantias necessárias
e depois do parto; com garantia de estabilidade no que assegurem a manutenção dos serviços
emprego, desde o início da gravidez, ate sessenta essenciais à comunidade.
dias após o parto; § 2º – As categorias profissionais dos
XII – garantia de manutenção, pelas serviços essenciais que deixarem de recorrer ao
empresas, de creche para os filhos de seus direito de greve farão jus aos benefícios já obtidos
empregados até um ano de idade, e de escola- pelas categorias análogas ou correlatas.
maternal até quatro anos, instaladas de preferência Art. 346 – O Ministério Público do Trabalho
próximas ao local de trabalho; será parte legítima, na forma da lei, para a tutela
XIII – admissão mínima de dois terços de dos direitos previstos neste Capítulo.
empregados brasileiros em todos os
estabelecimentos, salvo nas microempresas e nas CAPÍTULO II
de cunho estritamente familiar;
XIV – proibição de distinção entre trabalho DA SEGURIDADE SOCIAL
manual, técnico ou intelectual, quanto à condição de
trabalhador, ou entre os profissionais respectivos; Art. 347 – É garantida, na forma estabelecida
XV – integração na vida e no desenvolvimento em lei, seguridade social, mediante planos de
da empresa, com participação nos lucros ou no seguro social, com a contribuição da União e,
faturamento, segundo critérios objetivos fixados em conforme os casos, das empresas e dos
lei, com representação dos trabalhadores na direção segurados:
e constituição de comissões internas, mediante voto I – para a cobertura dos gastos de doença, de
livre e secreto, com a assistência do respectivo invalidez e de morte, incluídos os casos de acidente
sindicato; do trabalho, de velhice, de tempo de serviço e de
XVI – estabilidade no emprego e fundo de ajuda à manutenção dos dependentes;
garantia do tempo de serviço; II – para a proteção à maternidade e às
XVII – vedação de prescrição no curso da gestantes, conforme o disposto na alínea XI, do art.
relação de emprego; 2º, e aos pais adotivos;
XVIII – reconhecimento das convenções III – para os serviços médicos,
coletivas de trabalho e incentivo à negociação compreendendo os de natureza preventiva, curativa
coletiva. e de reabilitação;
Art. 344 – A associação profissional ou sindical IV – para os serviços sociais, segundo as
é livre. Ninguém será obrigado, por lei, a ingressar necessidades da pessoa e da família;
em sindicato, nem nele permanecer ou para ele V – para cobertura de seguro-desemprego,
contribuir. extensivo a todos os trabalhadores.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 49

Art. 348 – A lei regulará a previdência V – assistência odontológica preventiva e


privada, que complementar os planos de seguro curativa;
social. VI – assistência farmacêutica;
Art. 349 – A lei complementar assegurará VII – estímulo e amparo ao esporte e à
aposentadoria aos trabalhadores, incluídas as donas educação física;
de casa e as camponesas que deverão contribuir VIII – desenvolvimento da formação da
para a seguridade social levando em conta o sexo e carreira e da organização dos profissionais da saúde.
a respectiva profissão. Parágrafo único – O Plano Nacional de Saúde
Art. 350 – Serão criadas, pelos organismos de estimulará o envolvimento da comunidade na
seguridade social e assistência social, colônias de proteção e manutenção da saúde.
férias e clinicas de recuperação de convalescença, Art. 357 – Compete ao Poder Público a
que serão mantidas pelos Poderes Públicos, organização de uma central de produção e
conforme dispuser a lei. distribuição de medicamentos, tornando-os
Art. 351 – Nenhuma prestação de benefícios acessíveis a toda a população. Será estimulada a
ou de serviços compreendidos na seguridade social produção no País, e por empresas nacionais, de
poderá ser criada, majorada ou estendida, sem a todos os componentes farmacêuticos básicos.
correspondente fonte de custeio total. Art. 358 – A lei disporá sobre a criação de
Art. 352 – Os órgãos de direção das facilidades para o transplante de órgãos, permitindo-
instituições de seguridade social serão compostos de se a sua remoção de cadáveres humanos,
forma colegiada e paritária, com representantes da independentemente de autorização em vida, desde
União, dos empregadores e dos trabalhadores, que não haja oposição da família.
conforme a lei dispuser. Parágrafo único – Fica proibido o comércio de
Art. 353 – O orçamento da União consignará órgãos humanos.
obrigatoriamente dotações específicas, a título de Art. 359 – É instituída a caderneta individual
participação, em complemento ao montante da de saúde, para registro da história clínica de seu
contribuição de empregadores e trabalhadores, para portador, e as anotações serão de responsabilidade
a cobertura das necessidades de custeio dos planos exclusiva dos profissionais ou dos serviços que o
de Seguridade Social. assistiram.
Art. 360 – A União, os Estados, o Distrito
CAPÍTULO III Federal e os Municípios aplicarão, anualmente, não
menos de treze por cento do produto resultante da
DA SAÚDE renda dos respectivos impostos, na manutenção e
desenvolvimento da saúde pública.
Art. 354 – O dever do Poder Público promover Art. 361 – As empresas estatais e privadas
e atender saúde, como o estado de completo bem- dedicarão percentual de sua renda bruta em favor da
estar físico, mental e social de todos, garantindo-lhes educação e saúde de seus empregados.
condições ambientais e de saneamento.
Art. 355 – Compete à União e aos Municípios, CAPÍTULO IV
com a elaboração da iniciativa privada:
I – promoção e atendimento da saúde, DA FAMÍLIA
mediante serviços médicos de seguridade social,
com base em recursos orçamentários dos Poderes Art. 362 – A família, constituída pelo
Públicos e nos oriundos da seguridade social; casamento ou por uniões estáveis, baseada na
II – elaboração de um Plano Nacional de igualdade entre o homem e a mulher, terá a proteção
Saúde, comando unificado e execução do Estado.
descentralizada, visando à assistência universal de Parágrafo único – Além de assegurar
seus beneficiários. assistência á família, a lei coibirá a violência na
Art. 356 – O Plano Nacional de Saúde constância das relações familiares e o abandono dos
abrangerá, entre outras iniciativas: filhos menores.
I – medicina social, compreendendo Art. 363 – O parentesco é natural ou civil,
assistência médico-sanitária preventiva; conforme resultar da consagüinidade, do casamento
II – medicina curativa, compreendendo ou da adoção.
assistência médico-hospitalar e multiprofissional; § 1º – Os filhos havidos dentro ou fora do
III – expansão dos serviços de atenção casamento terão iguais direitos a qualificações.
primária; § 2º – Aos deveres dos pais para com os filhos
IV – reabilitação; correspondem deveres dos filhos para com os pais.
50 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 364 – Os genitores terão iguais direitos e CAPÍTULO VI


deveres, podendo o pátrio poder ser exercido por
qualquer deles, subordinando-se esse exercício aos DAS TUTELAS ESPECIAIS
interesses dos filhos, quer de ordem material, quer
de ordem moral. Art. 371 – É assegurada a assistência à
Art. 365 – O casamento será civil e gratuita a maternidade, à infância, à adolescência, aos
sua celebração. idosos e aos deficientes.
§ 1º – O casamento religioso terá efeitos Art, 372 – Incumbe à União, aos Estados
civismos termos da lei. e aos Municípios promover a criação de
§ 2º – A lei não limitará o número de uma rede nacional de assistência materno-
dissoluções. infantil, de uma rede nacional de creches
Art. 366 – É garantido aos pais o direito de e de infra-estrutura de apoio à família,
determinam livremente o número de filhos, sendo sem, prejuízo do disposto no inciso XII, do art.
vedada qualquer forma coercitiva em contrário pelos 343.
poderes públicos e pelas entidades privadas. Art. 373 – Os menores, particularmente os
Parágrafo único – É obrigação do poder órfãos e os abandonados, sem prejuízo da
público assegurar o acesso à educação, á responsabilidade civil e penal dos pais que os
informação e aos meios e métodos adequados de abandonarem, terão direito a especial proteção
controle da natalidade, respeitadas as convicções da sociedade e do Estado, contra todas as formas
éticas e religiosas dos país. de discriminação e opressão, com total amparo,
Art. 367 – A lei regulará a admissibiliade de alimentação, educação e saúde.
investigação de paternidade de incapazes, mediante Art. 374 – Os adolescentes gozam de
ação civil Pública, condicionada à representação. proteção especial para a efetivação dos seus
direitos econômicos, sociais e culturais, tais como
CAPÍTULO V acesso ao ensino, à cultura e ao trabalho;
formação e promoção profissional, educação
DA MORADIA física e desporto; aproveitamento do tempo
livre.
Art. 368 – É garantido a todos o direito, para si Art. 375 – Os idosos têm direito a
e para a sua família, de moradia digna e adequada, segurança econômica e a condições de moradia e
que lhes preserve a segurança, a intimidade pessoal convívio familiar ou comunitário que evitem e
e familiar. superem o isolamento ou a marginalização
Art. 369 – Os Poderes Públicos promoverão e social.
executarão planos e programas habitacionais que Art. 376 – É assegurado aos deficientes a
visem a impedir a especulação imobiliária; a melhoria de sua condição social e econômica,
promover a regularização fundiária e a particularmente mediante:
desapropriação das áreas urbanas ociosas; a I – educação especial e gratuita;
urbanizar áreas ocupa das por população de baixa II – assistência, reabilitação e reinserção na
renda; e a apoiar a iniciativa privada e das vida econômica e social do País;
comunidades locais, a autoconstrução e as III – proibição de discriminação, inclusive
cooperativas habitacionais. quanto à admissão ao trabalho ou ao serviço
Art. 370 – Das contribuições sociais público e a salários;
arrecadadas das empresas, destinará a lei IV – possibilidade de acesso a edifícios e
determinada percentagem, que ficará retida com o logradouros públicos.
próprio contribuinte e administrada por uma Art. 377 – Os proventos da aposentadoria
comissão paritária composta de representantes do do trabalhador serão reajustados em iguais
empregador e de seus empregados, sujeita à épocas e índices da categoria trabalhista, cargo,
fiscalização dos órgãos públicos competentes, com a função ou posto em que haja ocorrido a
finalidade de formar um fundo a ser aplicado na aposentadoria.
construção de moradias e na prestação de serviços Parágrafo único – Nenhuma contribuição
assistenciais aos trabalhadores. incidirá sobre os proventos da aposentadoria.
§ 1º – A administração paritária será gratuita, Art. 378 – A lei criará estímulos fiscais para
como serviço relevante e de fim social. que os aposentados venham a desenvolver
§ 2º – A lei estabelecerá níveis de atividade no mesmo ramo em que se
remuneração, tempo de serviço ao mesmo aposentarem, desde que ministrem, com caráter
empregador e número de dependentes, para, de treinamento e aprendizagem metódica, seus
segundo estes critérios, distribuir proporcionalmente conhecimentos de ofício ou profissão.
entre os empregados as moradias e demais Parágrafo único – A lei regulará a
benefícios aos de renda mais baixa em maiores organização e o exercício desse tipo de
encargos domésticos. atividade.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 51

CAPITULO VII § 2º – As terras referidas no caput do artigo


pertencem à União, como bens indisponíveis, sendo
DAS POPULAÇÕES CARENTES inalterável a sua destinação.
§ 3º – Ficam declaradas a nulidade e a
Art. 379 – Será criado, pelo Governo Federal, extinção dos efeitos jurídicos de atos de qualquer
um Fundo Contábil Especial, de natureza natureza que tenham por objetivo o domínio, a
permanente, com dotações orçamentárias da União, posse, o uso, a ocupação ou a concessão de terras
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, ocupadas pelos índios ou das riquezas naturais do
para atender a programas de assistência às solo e do subsolo nelas existentes.
populações carentes e marginalizadas em todo o § 4º – A nulidade e a extinção de que trata o
território nacional, com o objetivo de reduzir as parágrafo anterior não dão aos titulares do domínio,
desigualdades sociais e econômicas em que se possuidores, usuários, ocupantes ou concessionários
encontrem, e integrá-las na sociedade brasileira, no o direito de ação ou de indenização contra os índios,
uso é gozo da cidadania plena. e sim contra o Poder Público, pelos atos por ele
Parágrafo único – Lei complementar disporá próprio praticados.
sobre o Fundo Nacional de Recuperação Social, sobre
Art. 382 – A pesquisa, lavra ou exploração de
a elaboração de programa de aplicação dos recursos
minérios em terras indígenas poderão ser feitas,
que o integrem, sobre os encargos da União, dos
como privilégio da União, quando haja relevante
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios com o
interesse nacional, assim declarado pelo Congresso
seu custeio e os critérios da respectiva fixação, e sobre
a sua administração, da qual participarão Nacional para cada caso, e desde que inexistam
representantes dos próprio beneficiados. reservas, conhecidas e suficientes para o consumo
interno, e exploráveis, da riqueza mineral em
CAPITULO VIII questão, em outras partes do território brasileiro.
§ 1º – A pesquisa, lavra ou exploração
DAS POPULAÇÕES INDÍGENAS mineral de que fala este artigo dependem do
registro da demarcação da terra indígena no
Art. 380 – O Governo Federal, reconhecendo Serviço do Patrimônio da União e da prévia
as populações indígenas como parte integrante da regulamentação a ser baixada pelo órgão
comunidade nacional, proporá legislação específica federal responsável pela política indigenista
com vista á proteção destas populações e de seus das condições em que se darão a pesquisa,
direitos originários. lavra ou exploração.
Parágrafo único – Esta legislação § 2º – A exploração das riquezas minerais
compreenderá medidas tendentes a: em áreas indígenas obriga ao pagamento de
a) permitir que as referidas populações se percentual não inferior a cinco por cento do valor do
beneficiem, em condições de igualdade, dos direitos faturamento em beneficio das comunidades
e possibilidades que a legislação brasileira assegura autóctones.
aos demais setores da população, sem prejuízo dos § 3º – Os contratos que envolvam
seus usos e costumes específicos; interesses das comunidades indígenas terão a
b) promover o apoio social e econômico ás participação obrigatória de suas organizações
referidas populações, garantindo-lhes a devida federais protetoras e do Ministério Público, sob pena
proteção às terras, às instituições, ás pessoas, aos de nulidade.
bens e ao trabalho dos índios, bem como à
§ 4º – Ficam vedadas a remoção de grupos
preservação de sua identidade;
indígenas de suas terras e a aplicação de qualquer
c) o apoio de que trata o inciso anterior ficará a
medida coercitiva que limite seus direitos á posse e
cargo de um órgão especifico da administração
federal. ao usufruto previstos no art. 381.
Art. 381 – As terras ocupadas pelos índios são Art. 383 – O Ministério Público, de ofício ou
inalienáveis e serão demarcadas, a eles cabendo a por determinação do Congresso Nacional, as
sua posse permanente e ficando reconhecido o seu comunidades indígenas, suas organizações e o
direito ao usufruto exclusivo das riquezas naturais do órgão oficial de proteção aos índios são partes
solo, do subsolo e de todas as utilidades nelas legítimas para ingressar em juízo em defesa dos
existentes. interesses dos índios.
§ 1º – São terras ocupadas pelos índios as por Parágrafo único – Nas ações propostas por
eles habitadas, as utilizadas para suas atividades comunidades indígenas ou suas organizações, ou
produtivas, e as necessárias á sua vida segundo usos contra estas, o juiz dará vistas ao Ministério Público,
e costumes próprios, incluídas as necessárias à que participará do feito em defesa do interesse dos
preservação de seu ambiente e do patrimônio histórico. silvícolas.
52 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

TÍTULO V Art. 388 – A União aplicará anualmente não


menos de Treze por cento, os Estados, o Distrito
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA, DA Federal e os Municípios, no mínimo vinte e cinco por
COMUNICAÇÃO SOCIAL, DA CIÊNCIA E DA cento do que lhes couber do produto da arrecadação
TECNOLOGIA dos respectivos impostos na manutenção e
desenvolvimento do ensino; realizado em obediência
CAPÍTULO I ás diretrizes do art. 385.
§ 1º – A repartição de recursos públicos para a
DA EDUCAÇÃO educação assegurará prioritariamente o atendimento
das necessidades do ensino obrigatório.
Art. 384 – A educação, direito de todos § 2º – Lei complementar determinará,
e dever do Estado, visa ao pleno desenvolvimento da plurianualmente, o percentual de recursos da União,
pessoa e à formação do cidadão, para o do Distrito Federal e dos Estados aplicados a este
aprimoramento da democracia, dos direitos fim.
humanos, da convivência solidária a serviço de uma § 3º – Os Municípios aplicarão não menos de
sociedade justa e livre. vinte e cinco por cento de seus impostos no ensino
Parágrafo único – A educação é inseparável obrigatório e pré-escolar.
dos princípios da igualdade entre o homem e a Art. 389 – A prestação pluralista do ensino e
mulher, do repúdio a todas as formas de racismo e assegurada pela autonomia institucional e a auto-
de discriminação, do respeito à natureza e aos organização do ensino público e pela livre
valores do trabalho, dos imperativos do organização da iniciativa privada.
desenvolvimento nacional, da convivência com todos Parágrafo único – As universidades
os povos, da afirmação das características mestiças organizadas sob forma de autarquia ou de fundação
e do pluralismo cultural do povo brasileiro. especial, terão reconhecidas a sua autonomia
Art. 385 – O sistema de educação obedece às funcional didática, econômica e financeira,
seguintes diretrizes: caracterizada na elaboração de seu orçamento e na
I – democratização do acesso de toda fixação das normas necessárias à sua livre
coletividade aos benefícios da educação; execução.
II – pluralismo de idéias e de instituições Art. 390 – O acesso ao processo educacional
públicas e privadas; e assegurado:
III – descentralização da educação pública, I – pela gratuidade do ensino público em todos
cabendo, prioritariamente, aos Estados e Municípios os níveis;
o ensino básico obrigatório, nos termos do art. 387 II – pela adoção de um sistema de admissão
deste Capitulo. nos estabelecimentos de ensino publico que, na
IV – participação adequada, na forma da lei, forma da lei, confira a candidatos economicamente
de todos os integrantes do processo educacional nas carentes, desde que habilitados, prioridade de
suas decisões; acesso até o limite de cinqüenta por cento das
V – adequação aos valores e às condições vagas;
regionais e locais; III – pela expansão desta gratuidade, mediante
VI – garantia da educação permanente, sistema de bolsas de estudos, sempre dentro da
supletiva, e de alfabetização para todos; prova de carência econômica de seus beneficiários;
VII – valorização do magistério em todos os IV – pelo auxílio suplementar ao estudante
níveis, com garantia de padrões mínimos de para alimentação, transporte e vestuário, caso a
remuneração fixados em lei federal; simples gratuidade de ensino não permita,
VIII – superação da marginalidade social e comprovadamente, que venha a continuar seu
econômica. aprendizado;
Art. 386 – A educação e dever dos pais e, V – pela manutenção da obrigatoriedade de as
desde o nível pré-escolar, do Estado. empresas comerciais, industriais e agrícolas garantirem
Parágrafo único – Inclui-se na ensino gratuito para os seus empregados, e filhos
responsabilidade do Estado a educação, destes, entre os seis e dezesseis anos de idade, ou
especializada e gratuita, dos portadores de concorrer para esse fim, mediante a contribuição do
deficiências físicas e mentais. salário educacional na forma estabelecida pela lei;
Art. 387 – O ensino é obrigatório para todos, VI – pela criação complementar à rede
dos seis aos dezesseis anos, e incluirá a habilitação municipal de escolas de promoção popular, capazes
para o exercício de uma atividade profissional. de assegurar efetivas condições de acesso à
Parágrafo único – O ensino primário será educação de toda coletividade.
ministrado o português, exceto nas comunidades Art. 391 – A lei regulará a transferência
indígenas, onde também será lecionado em língua de recursos públicos ao ensino privado
nativa. a todos que a solicitem, dentro de
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 53

quantitativos previamente estabelecidos, e Art. 396 – Para o cumprimento do disposto no


obedecendo a processo classificatório, tendo em artigo anterior, o Poder Público assegurará:
vista: I – o acesso aos bens da cultura na
I – a contribuição inovadora da instituição para integridade de suas manifestações;
o ensino e pesquisa; II – a sua livre produção, circulação e
II – o suprimento de deficiências qualitativas exposição a toda a coletividade;
ou quantitativas do ensino público; III – a preservação de todas as modalidades
III – a participação de representantes da de expressão dos bens de cultura socialmente
comunidade nas decisões da instituição beneficiada; relevantes, bem como a memória nacional.
IV – o interesse comunitário da sua atividade. Art. 397 – O Poder Público proporcionará
Parágrafo único – Têm prioridade na atribuição condições de preservação da ambiência dos bens da
desses recursos as instituições de interesse social, cultura, visando a garantir:
reconhecidas pelos poderes públicos, e capazes de I – o acautelamento de sua forma significativa,
compensar, progressivamente, com recursos incluindo, entre outras medidas, o tombamento e a
alternativos, o auxílio recebido pelo Estado. obrigação de restaurar;
Art. 392 – O provimento dos cargos iniciais e II – o inventário sistemático desses bens
finais da carreira de magistério de grau médio e referenciais da identidade nacional.
superior de ensino oficial será efetivado mediante Art. 398 – São bens de cultura os de natureza
concursos públicos de títulos e provas, assegurada a material ou imaterial, individuais ou coletivos,
estabilidade seja qual for o seu regime jurídico. portadores de referência à memória nacional,
§ 1º – A lei e os estatutos da Universidade incluindo-se os documentos, obras, locais,
proverão a aposentadoria antecipada nos casos de modos de fazer de valor histórico e artístico, as
manifesta ineficiência acadêmica de titular da paisagens naturais significativas e os acervos
estabilidade. arqueológicos.
§ 2º – É assegurada a inviolabilidade de
docência e declarada nula a dispensa que se faça CAPITULO III
apenas pela divergência de opiniões,
independentemente de tempo de serviço. DA COMUNICAÇÃO SOCIAL
Art. 393 – Será facultativo o ensino religioso
nas escolas oficiais, sem Constituir matéria do Art. 399 – O sistema de comunicação social
currículo. compreende a imprensa, o rádio e a televisão e será
Parágrafo único – Defere-se aos alunos, ou a regulado por lei, atendendo à sua função social e ao
seus representantes legais, o direito de exigir a respeito á verdade, à livre circulação e à difusão
prestação daquele ensino, horário e programa escolar, universal da informação, à compreensão mútua entre
de acordo com a confissão religiosa dos interessados. os indivíduos e aos fundamentos éticos da
Art. 394 – Os direitos, deveres e garantias do sociedade.
cidadão e os provindos do Estado Democrático de Art. 400 – Dependem de concessão ou
Direito constituirão matéria curricular obrigatória, em autorização da União, atendidas as condições
todos os níveis de educação. previstas em lei:
I – o uso de freqüência de rádio e televisão,
CAPÍTULO II comercial ou educativa, por particulares e pelos
rádio-amadores;
DA CULTURA II – a instalação e o funcionamento de
televisão direcional e por meio de cabo;
Art. 395 – Compete ao Poder Público garantir III – a retransmissão pública, no território
a liberdade da expressão criadora dos valores da nacional, de transmissões de rádio e televisão via
pessoa e a participação nos bens de cultura, satélite.
indispensáveis à identidade nacional na diversidade § 1º – As concessões ou autorizações só
da manifestação particular e universal de todos os podarão ser suspensas ou cassadas por sentença
cidadãos. fundada em infração definida em lei que regulará o
§ 1º – Esta expressão inclui a preservação e o direito à renovação.
desenvolvimento da língua e dos estilos de vida § 2º – O Estado publicará anualmente as
formadores da realidade nacional. freqüências disponíveis em cada unidade federativa,
§ 2º – É reconhecido o concurso de todos os e qualquer um poderá provocar a licitação.
grupos historicamente constitutivos da formação do Art. 401 – São vedadas as
País, na sua participação igualitária e pluralística formas monopolísticas de exploração dos
para a expressão da cultura brasileira. serviços de utilidade pública de que trata o arti-
54 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

no anterior, e as que reduzam, para fins de V – reserva do mercado interno nos casos em
concentração de controle, as oportunidades que a exija o desenvolvimento econômico e
tecnicamente disponíveis. tecnológico.
Parágrafo único – O Poder Público reservará, § 1º – As empresas que atuem em setores
prioritariamente, a entidades educacionais, culturais industriais dependentes de processos tecnológicos
e organizações político-partidárias, canais e de continua atualização são obrigadas a investir em
freqüências dentro das modalidades a que se refere pesquisas, na forma que a lei estabelecer,
o artigo anterior. incorporando-se o conhecimento que delas resulte
Art. 402 – A propriedade de empresas que
no patrimônio nacional.
editem jornais ou explorem os serviços de rádio e
§ 2º – As empresas estatais e de economia
televisão é vedada:
I – a estrangeiros ou a brasileiros mista aplicarão não menos do que cinco por cento
naturalizados há menos de dez anos; dos seus lucros, através de fundo específico, no
II – a sociedades que não sejam nacionais na desenvolvimento da ciência e da tecnologia.
forma prevista no art. 323, desta Constituição; Art. 406 – Os Poderes Públicos utilizarão,
III – a sociedade por ações ao portador. preferencialmente, bens e serviços nacionais, na
Parágrafo único – A administração e a área da informática, observados os critérios legais
orientação intelectual ou comercial das empresas que assegurem adequação tecnológica e econômica
mencionadas neste artigo são privativas de aos objetivos visados.
brasileiros. Parágrafo único – E vedada a transferência de
Art. 403 – Fica instituído o Conselho de informações para centrais estrangeiras de
Comunicação Social, com competência para armazenamento e processamento, salvo nos casos
outorgar concessões ou autorizações de que trata o previstos em tratados e convenções, com cláusula
art. 400, assegurar o uso daquelas freqüências, de de reciprocidade.
acordo com o pluralismo ideológico, promover a
revogação judicial das outorgas por ele expedidas, TITULO VI
desde que desviada a função social daqueles
serviços, e decidir sobre a sua renovação.
DO MEIO AMBIENTE
Parágrafo único – A lei regulará as atribuições e
a formação do Conselho, bem como os critérios da
função social e ética de rádio e da televisão, observada Art. 407 – são deveres de todos e,
a composição de onze membros, com a representação prioritariamente, do Estado, a proteção ao meio
obrigatória e majoritária da comunidade. ambiente e a melhoria da qualidade de vida.
Parágrafo único – A proteção a que se refere
CAPITULO IV este artigo compreende, na forma da lei:
a) a utilização adequada dos recursos
DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA naturais;
b) o equilíbrio ecológico;
Art. 404 – Cabe ao Estado, sem prejuízo da c) a proteção da fauna e da flora,
iniciativa privada, prover ao desenvolvimento da especificamente das florestas naturais, preservando-
ciência e da tecnologia, na forma da lei, com o se a diversidade do patrimônio genético da Nação;
estímulo á pesquisa, à disseminação do saber e ao d) o combate à poluição e à erosão;
domínio e aproveitamento adequado do patrimônio e) a redução dos riscos de catástrofes naturais
universal de inovações. e nucleares.
Art. 405 – Competem ao Estado o estimulo e a Art. 408 – Incumbem ao Poder Público, entre
orientação do desenvolvimento tecnológico,
outras medidas, a ação preventiva contra
obedecendo aos seguintes princípios;
calamidades; a limitação às atividades extrativas e
I – incentivo às universidades, centros de
pesquisa e industrias nacionais, com a destinação predatórias; a criação de reservas, parques e
dos recursos necessários; estações ecológicas; a ordenação ecológica do solo;
II – integração no mercado e no processo de a subordinação de toda política urbana e rural à
produção nacional. melhoria das condições ambientais; o controle das
III – subordinação as necessidades sociais, áreas industrializadas, a informação sistemática
econômica, políticas e culturais dando-se prioridade sobre a situação ecológica.
ao esforço para a completa incorporação dos Art. 409 – A ampliação ou instalação das
marginalizados na sociedade moderna; usinas nucleares e hidroelétricas e das indústrias
IV – respeito as característica poluentes, suscetíveis de causar dano à vida ou ao
sociais e culturais do País e plena utilização meio ambiente, dependem de prévia autorização do
de seus recursos humanos e materiais. Congresso Nacional.
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 55

Art. 410 – E vedada no território nacional, na de modo a garantir a segurança pública,


forma da lei, a prática de atos que afetem a vida e a utilizando os seus efetivos e equipamentos civis e
sobrevivência de espécies, como a da baleia, militares.
ameaçadas de extinção.
Art. 419 – Os Municípios com mais de duzentos
Art. 411 – A Floresta Amazônica é patrimônio
nacional, Sua utilização far-se-á na forma da lei, dentro mil habitantes poderão criar e manter guarda municipal
de condições que assegurem a preservação de sua como auxiliar da polícia civil.
riqueza florestal e de seu meio ambiente. Art. 420 – Na hipótese do estado de alarme, de
Art. 412 – A lei definirá os crimes de agressão sítio, de intervenção federal ou de guerra, as forças
contra o meio ambiente. policiais poderão ser convocadas ou submetidas ao
comando das Forças Armadas.
TITULO VII
Art. 421 – Compete á Polícia Federal:
DA DEFESA DO ESTADO, DA SOCIEDADE CIVIL, I – executar os serviços da polícia marítima,
DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS aérea e de fronteiras;
II – prevenir e reprimir o tráfico de entorpecentes
CAPÍTULO I e drogas alucinógenas;
III – sem prejuízo de igual competência das
DAS FORÇAS ARMADAS Polícias estaduais, apurar infrações contra as
instituições democráticas e a economia popular, ou em
Art. 413 – As Forças Armadas, constituídas pela
Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são detrimento de bens, serviços e interesses da União,
instituições nacionais, permanentes e regulares, assim como outras infrações cuja prática tenha
organizadas na forma da lei, com base na hierarquia e repercussão interestadual e exija repressão uniforme,
na disciplina, sob o comando supremo do Presidente da segundo se dispuser em lei;
República. IV – policiamento nas rodovias e estradas de
Art. 414 – As Forças Armadas destinam-se a
ferro federais;
assegurar a independência e a soberania do País, a
integridade do seu território, os poderes constitucionais V – ação repressiva contra crimes de
e, por iniciativa expressa destes, nos casos estritos da repercussão internacional, controle e documentação de
lei, a ordem constitucional. estrangeiros, e a expedição de passaportes;
Art. 415 – O serviço militar é obrigatório, nos VI – suprir a ação dos Estados para
termos da lei, com ressalva da escusa manifestada na apuração de infrações penais de qualquer
forma do art. 21. Em caso de guerra, todos são natureza, por iniciativa própria e na forma da lei
obrigados á prestação dos serviços requeridos para a
complementar;
defesa da Pátria.
Parágrafo único – A lei poderá estabelecer VII – apurar infrações e crimes eleitorais.
a prestação, em tempo de paz, de serviços civis Parágrafo único – A polícia federal poderá
de interesse nacional como alternativa ao serviço delegar competência à polícia estadual para exercer as
militar. atribuições previstas neste artigo.
Art. 422 – Toda a atividade policial será
CAPITULO II organizada segundo os princípios da hierarquia e da
disciplina e exercida com estrita observância da lei, que
DA SEGURANÇA PÚBLICA
punirá qualquer abuso de autoridade.
Art. 416 – Compete aos Estados a preservação
da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do CAPITULO III
patrimônio, através da polícia civil, subordinada ao
Poder Executivo. DO CONSELHO DE DEFESA NACIONAL
§ 1º – A polícia civil, além da função de vigilância
ostensiva e preventiva que lhe competir, será incumbida
da investigação criminal. Art. 423 – O Conselho de Defesa Nacional,
§ 2º – A polícia civil poderá manter quadros de presidido pelo Presidente da República, compõe-se dos
agentes uniformizados. membros do Conselho do Estado, do Presidente do
Art. 417 – Os Estados poderão manter polícia Conselho, do Ministro da Justiça, dos Ministros
militar, subordinada ao Poder Executivo, para garantia da das Pastas Militares e do Ministro das Relações
tranqüilidade pública, por meio de policiamento ostensivo, Exteriores.
quando insuficientes os agentes uniformizados da polícia
Art. 424 – Compete ao Conselho de Defesa
civil e do Corpo de Bombeiros.
Art. 418 – Observados os princípios Nacional:
estabelecidos neste Capitulo, os Estados I – opinar sobre a decretação dos estados de a
organizarão a sua atividade policial, larme e de sítio;
56 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

II – opinar nas hipóteses de declaração de § 7º – Se o Congresso Nacional estiver em


guerra ou de celebração da paz; recesso, o decreto será apreciado por sua Comissão
III – manifestar-se, por iniciativa do Presidente Permanente.
da República, em assuntos relevantes referentes à § 8º – Rejeitado pelo Congresso Nacional,
defesa da independência da soberania e da cessa imediatamente o estado de alarme, sem
integridade do território e à garantia da ordem prejuízo da validade dos atos praticados durante a
constitucional. sua vigência.
Parágrafo único – Lei complementar regulará a § 9º – O Congresso Nacional pode designar
organização e o funcionamento do Conselho de representantes para acompanhamento e fiscalização
Defesa Nacional. dos atos das pessoas incumbidas da execução das
medidas previstas neste artigo.
CAPITULO IV § 10 – Findo o estado de alarme, o Presidente
da República prestará contas detalhadas das
DO ESTADO DE ALARME medidas tomadas durante a sua vigência, indicando
nominalmente os atingidos e as restrições aplicadas.
Art. 425 – O Presidente da República, ouvido o
Conselho de Ministros e o Conselho de Defesa CAPITULO V
Nacional, pode decretar o estado de alarme, quando
necessário para preservar ou prontamente DO ESTADO DE SÍTIO
restabeleces, em locais determinados e restritos, a
ordem pública ou a paz social, ameaçadas ou Art. 426 – O Congresso Nacional poderá
atingidas por calamidades ou perturbações cuja decretar o estado de sítio por iniciativa própria ou do
gravidade não exija a decretação do estado de sítio. Presidente da República, nos casos:
§ 1º – O decreto que declarar o estado de I – de comoção intestina grave ou de fatos que
alarme determinará o tempo de sua duração, evidenciem estar a mesma a irromper e ser ineficaz
especificará as áreas a serem abrangidas e indicará o estado de alarme;
as medidas coercitivas que vigorarão, dentre, as II – de guerra ou agressão estrangeira.
discriminadas no § 3º do presente artigo. Art. 427 – A lei que decretar o estado de sítio
§ 2º – O prazo de duração do estado de estabelecerá a sua duração, as normas a que deverá
alarme não será superior a trinta dias, podendo ser obedecera sua execução e indicará as garantias
prorrogado uma vez, e por igual período, se constitucionais cujo exercício ficará suspenso.
persistirem as razões que justificarem a decretação. Parágrafo único – Publicada a lei, o Presidente
§ 3º – O estado de alarme autoriza nos termos da República, ouvido o Conselho de Ministros,
e limites em lei a restrição ao direito de reunião e designará por decreto o executor das medidas e as
associação; de correspondência e das comunicações zonas por elas abrangidas.
telegráficas e telefônicas e, na hipótese de Art. 428 – No intervalo das sessões
calamidade pública, a ocupação e uso temporário de legislativas, ouvidos o Conselho de Ministros, o
bens e serviços públicos e privados, respondendo a Conselho de Defesa Nacional, e a Comissão
União pelos danos e custos decorrentes. Permanente do Congresso Nacional, caberá ao
§ 4º – Na vigência do estado de alarme, a Presidente da República a decretação ou a
prisão por crime contra o Estado, a ser determinada, prorrogação do estado de sítio, observadas as regras
na forma da lei, pelo executor da medida de desta Constituição.
exceção, será comunicada imediatamente ao juiz Parágrafo único – Nesse caso, o Presidente
competente, que a relaxará, se não for legal. A do Senado Federal convocará imediatamente o
prisão ou de tenção de qualquer pessoa não poderá Congresso Nacional para se reunir, em sessão
ser superior a dez dias, salvo quando autorizada pelo extraordinária, dentro de cinco dias, a fim de apreciar
Poder Judiciário. É vedada a incomunicabilidade do o ato do Presidente da República, permanecendo o
preso. Congresso em funcionamento até o término das
§ 5º – A decretação do estado de alarme medidas de exceção.
ou a sua prorrogação, será comunicada pelo Art. 429 – Durante o estado de sítio, decretado
Presidente da República, dentro de quarenta e oito com fundamento no inciso I do art. 426, só se
horas, com a respectiva justificativa, ao Congresso poderão tomar contra as pessoas as seguintes
Nacional. medidas:
§ 6º – O Congresso Nacional, dentro de dez I – obrigação de permanência em localidade
dias contados do recebimento do decreto, o determinada;
apreciará, devendo permanecer em funcionamento II – detenção em edifício não destinado a réus
enquanto vigorar o estado de alarme. de crimes comuns;
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 57

III – restrições à inviolabilidade de do Poder Judiciário, que não poderá escusar-se de


correspondência, do sigilo das comunicações ou a conhecer do mérito dos pedidos, quando forem
prestação de informações, à liberdade de imprensa e invocados direitos e garantias assegurados nesta
radiodifusão; Constituição.
IV – suspensão da liberdade de reunião,
mesmo em se tratando de associações; TÍTULO VIII
V – busca e apreensão em domicilio;
VI – intervenção nas empresas de serviços DAS EMENDAS A CONSTITUIÇÃO
públicos;
VII – requisição de bens. Art. 436 – A Constituição poderá ser
Parágrafo único – Não se incluem nas emendada.
restrições do inciso III deste artigo a publicação de § 1º – Considerar-se-á proposta a emenda, se
pronunciamentos de parlamentares efetuados em for apresentada pelo Presidente da República, pela
suas respectivas Casas legislativas, desde que quarta parte, no mínimo, dos membros da câmara
liberados por suas Mesas. dos Deputados ou do Senado Federal, ou por mais
da metade das Assembléias Legislativas dos
Art. 430 – O estado de sítio, no caso do art.
Estados, manifestando-se cada uma delas pela
426, inciso I, não poderá ser decretado por mais de
maioria absoluta de seus membros.
trinta dias, nem prorrogado, de cada vez, por prazo
§ 2º – Dar-se-á por aceita a emenda que for
superior. No caso do inciso II do mesmo artigo,
aprovada em duas discussões pela maioria absoluta
poderá ser decretado por todo o tempo em que
da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, em
perdurar a guerra ou agressão estrangeira. duas sessões legislativas ordinárias e consecutivas.
Art. 431 – Quando o estado de sítio for § 3º – Se a emenda obtiver numa das
decretado pelo Presidente da República (art. 426), Câmaras, em duas discussões, o voto de dois terços
este, logo que se reunir o Congresso Nacional, de seus membros, será logo submetido a outra; e,
relatará, em mensagem especial, os motivos sendo nesta aprovada pelo mesmo trâmite e por
determinantes da decretação e justificará as medidas igual maioria, dar-se-á por aceita.
que tiverem sido adotadas. O Congresso Nacional § 4º – A emenda será promulgada pelas
passará, em sessão secreta, a deliberar sobre o Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado
decreto expedido para revogá-lo ou mantê-lo, Federal, com o respectivo número de ordem, seis
podendo também apreciar as providências do dias após a sua aprovação.
Governo que lhe chegarem ao conhecimento e, § 5º – No caso do art. 229, XXVI, e no prazo
quando necessário, autorizar a prorrogação da de cinco dias, contado da sua aprovação pelo
medida. Congresso Nacional, o Presidente da República
Art. 432 – O Congresso Nacional pode poderá determinar que a proposta de emenda
designar representantes para acompanhamento e constitucional seja submetida a referendo,
fiscalização das medidas previstas neste artigo. comunicando-o ao Presidente do Senado Federal,
Art. 433 – As imunidades dos membros do que sustará a promulgação.
Congresso Nacional subsistirão durante o § 6º – Não se reformará a Constituição na
estado de sítio; todavia, poderão ser suspensas, vigência de estado de alarme ou de sítio.
mediante o voto de dois terços os respectivos § 7º – A emenda á Constituição rejeitada ou
membros da Câmara dos Deputados ou do prejudicada não poderá ser renovada na mesma
Senado Federal, as do Deputado ou Senador cujos sessão legislativa.
atos, fora do recinto do Congresso, sejam § 8º – Não será objeto de deliberação a
manifestamente incompatíveis com a execução do proposta de emenda tendente a abolir a Federação
estado de sítio. ou a República.
Art. 434 – Expirado o estado de sítio, cessarão
TITULO IX
os seus efeitos, sem prejuízo das responsabilidades
pelos abusos cometidos.
DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
Parágrafo único – As medidas aplicadas na
vigência do estado de sítio serão, logo que ele Art. 1º – Fica ressalvada a composição da
termine, relatadas pelo Presidente da República, em Câmara dos Deputados resultante da eleição de 15
mensagem ao Congresso Nacional, com de novembro de 1986.
especificação e justificação das providências Parágrafo único – A composição prevista no
adotadas, indicando nominalmente os atingidos e as art. 168 desta Constituição será observada na
restrições aplicadas. primeira eleição subseqüente.
Art. 435 – A inobservância de qualquer das Art. 2º – Os atuais Territórios de Roraima e
prescrições do presente Capítulo e do Capítulo Amapá serão convertidos em Estados, observando-
anterior tornará ilegal a coação e permitirá aos se na lei os mesmos critérios seguidos na criação
prejudicados recorrer ao órgão competente dos Estados do Mato Grosso do Sul e do Acre.
58 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

§ 1º – Noventa dias após a criação desses § 2º – A instalação dos Tribunais Regionais


Estados, o Tribunal Superior Eleitoral designará data Federais será feita no prazo de sessenta dias,
para a eleição de Governador e Vice-Governador e contado da promulgação da lei complementar que os
de três Senadores, cabendo ao menos votado destes organizar.
exercer o restante do mandato de quatro anos, e os § 3º – Até que se instalem os Tribunais
demais o de oito anos. Regionais Federais, o Tribunal Federal de Recursos
§ 2º – O Governador e o Vice-Governador exercerá a competência deles, com jurisdição em
terminarão seus mandatos com os dos demais todo o território nacional.
governadores. § 4º – Fica vedado, a partir da promulgação
Art. 3º – São mantidas a Companhia de desta Constituição, o provimento de vaga de Ministro
Desenvolvimento do Vale do São Francisco, a do Tribunal Federal de Recursos.
Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, Art. 7º – A composição inicial do Superior
a Superintendência do Desenvolvimento da Tribunal de Justiça far-se-á:
Região Centro-Oeste, a Superintendência do I – pelo aproveitamento dos Ministros do
Desenvolvimento da Região Sul, e a Tribunal Federal de Recursos que, não tendo optado
Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, pelos Tribunais Regionais Federais, obtiverem a
conforme dispuser a lei. aprovação do Senado Federal, na forma do art. 281,
Art. 4º – No prazo de sessenta dias, a contar § 1º. Aos que não a obtiverem fica assegurada a
desta data, o Presidente da República, ouvido o disponibilidade com remuneração integral;
Supremo Tribunal Federal, submeterá ao Congresso II – pela nomeação dos Ministros que sejam
Nacional projeto de lei complementar para adaptar a necessários para completar o numero estabelecido
vigente. Lei Orgânica da Magistratura Nacional ao na lei complementar, na forma determinada nesta
disposto no Capítulo X desta Constituição. Constituição.
Art. 5º – A Lei Orgânica da Magistratura § 1º – Para os efeitos do § 1º do art. 281, da
Nacional criará, pelo menos, três Tribunais Regionais Constituição, os atuais Ministros do Tribunal Federal
Federais, fixando-lhes a sede, a área de jurisdição e de Recursos serão considerados pertencentes á
o número de juízes. classe de que provieram, quando de sua
Parágrafo único – Um Tribunal Regional será nomeação.
sediado no Distrito Federal. § 2º – O Superior Tribunal de Justiça será
Art. 6º – Para a composição inicial dos instalado, sob a presidência do Presidente do
Tribunais Regionais Federais, incumbirá: Supremo Tribunal Federal, no prazo de cento e vinte
I – ao Tribunal Federal de Recursos: dias da promulgação da Lei Orgânica da
a) a indicação dos juízes federais à promoção Magistratura Nacional.
por antiguidade; § 3º – Até que se instale o Superior Tribunal
b) a composição das listas tríplices de juízes de Justiça, permanecerá em vigor o art. 119, III, da
federais para a promoção por merecimento; Constituição Federal de 1967.
c) a indicação. de três nomes das listas § 4º – A Lei Orgânica da Magistratura Nacional
sêxtuplas de advogados e membros do Ministério disciplinará a conversão, em recurso especial, de
Público; recurso extraordinário interposto anteriormente á
II – ao Conselho Federal da Ordem dos instalação do Superior Tribunal de Justiça.
Advogados do Brasil, ouvidos os Conselhos Art. 8º – O Superior Tribunal Militar conservará
Seccionais das respectivas áreas de jurisdição, a sua atual composição, até que se extingam; com a
eleição, por voto secreto e maioria absoluta das vacância da classe respectiva, os cargos
delegações, das listas sêxtuplas de advogados; excedentes da composição prevista no art. 294 da
III – ao Procurador-Geral da República e aos Constituição.
Subprocuradores-Gerais da República, por voto Art. 9º – Ficam extintas as Justiças Militares
secreto e maioria absoluta, a eleição das listas estaduais.
sêxtuplas de membros do Ministério Público Federal. Parágrafo único – A lei estadual
§ 1º – Os atuais Ministros do Tribunal Federal assegurará o aproveitamento obrigatório de juizes
de Recursos poderão, nos vinte dias seguintes á togados e funcionários da Justiça Militar nos quadros
criação dos Tribunais Regionais Federais, optar pela da Justiça comum dos Estados, e a disponibilidade
transferência para qualquer deles, nos quais dos Juízes Militares, bem como disporá sobre a
ocuparão vagas destinadas à classe de que hajam competência para o julgamento das causas
provindo. Nesse caso, fica assegurada pendentes.
permanentemente aos optantes a percepção de Art. 10 – Ficam extintos os mandatos
vencimentos e vantagens iguais aos dos Ministros dos atuais Ministros Classistas do Tribunal
dos Tribunais Superiores da União. Superior do Trabalho e dos atuais
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 59

Juízes Classistas dos Tribunais Regionais do Art. 21 – Ficam oficializadas as serventias do


Trabalho. foro judicial e os ofícios de registro público, passando
Parágrafo único – O provimento das vagas os seus titulares e serventuários a perceber
decorrentes da extinção dos mandatos dos Ministros remuneração exclusivamente pelos cofres públicos,
e Juízes Classistas obedecerá ao disposto no art. respeitadas, no novo regime, a vitaliciedade e a
306 da Constituição. estabilidade dos atuais.
Art. 11 – Juntamente com o projeto de Lei § 1º – Lei complementar, de iniciativa do
Orgânica a Magistratura Nacional, previsto no art. 4º Presidente da República, disporá sobre normas
destas Disposições, o Presidente da República gerais a serem observadas pelos Estados, Distrito
submeterá ao Congresso Nacional projeto da lei Federal e Territórios na oficialização dessas
complementar a que alude o art. 267, VII, § 1º, da serventias.
Constituição, organizando o Ministério Público da § 2º – Fica vedada, até a entrada em
União e estabelecendo normas gerais para a vigor da lei complementar a que alude o
organização do Ministério Público dos Estados, do parágrafo anterior, qualquer provimento efetivo
Distrito Federal e dos Territórios. para as serventias não remuneradas pelos
Art. 12 – Ficam limitados ao máximo de três cofres públicos.
por cento ao ano, reais, sobre o saldo da dívida Art. 22 – A lei complementar, prevista no artigo
externa já contraída pela União, os encargos de anterior, disporá sobre a extinção dos
qualquer natureza que sobre ela possam ser pagos. ofícios de notas e a organização do tabelionato,
Art. 13 – A dívida externa será levantada nos facultando-lhe o exercício a quantos se habilitem em
seis meses seguintes á promulgação da Constituição, prova de capacitação intelectual e verificação de
mediante apropriada análise de sua legitimidade. idoneidade moral, organizadas pelos Tribunais de
Art. 14 – A audiência e a participação dos Justiça com a colaboração da Ordem dos
cidadãos, diretamente ou através de organizações Advogados do Brasil.
representativas, serão asseguradas por lei, que Parágrafo único – A lei assegurará a
disporá sobre o processo de elaboração das normas habilitação para o exercício do tabelionato dos atuais
e providencias administrativas que lhes digam titulares dos ofícios de notas.
respeito. Art. 23 – Ficam acrescidos aos beneficiados
Art. 15 – Os proventos da inatividade anterior pela anistia concedida pela Emenda Constitucional
a esta Constituição serão revistos, atendido o § 1º do nº 26, de 27 de novembro de 1985, a anistia política
art. 257. ampla, geral e irrestrita, compreendendo as garantias
Art. 16 – Na data da entrada em vigor da lei de reversão à sua respectiva situação individual, nos
complementar a que se refere o § 2º do art. 253, quadros civis e militares, os direitos de acesso, a
será automaticamente revista a remuneração dos promoção, efetivação e reintegração imediata, os
servidores públicos. vencimentos, as vantagens e o ressarcimento dos
Art. 17 – O título de Ministro é privativo dos atrasados.
Ministros de Estado, dos Ministros do Supremo Parágrafo único – São devidas as
Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça, do indenizações às famílias dos falecidos ou
Superior Tribunal Militar, do Tribunal Superior Eleitoral, desaparecidos em decorrência de atos de repressão
do Tribunal Superior do Trabalho, do Tribunal Federal política, nunca inferiores aos salários ou vencimentos
de Contas e dos da carreira de Diplomata. percebidos em vida pelas vitimas e em valores
§ 1º – O título de Desembargador e privativo permanentemente atualizados.
dos membros dos Tribunais Federais Regionais e Art. 24 – Os próprios da União, situados no
dos Tribunais de Justiça; o de Juiz, dos integrantes Estado do Rio de Janeiro que, com a mudança da
dos Tribunais inferiores de segunda instância e da Capital Federal para Brasília, foram desviados de
magistratura de primeira instância. suas finalidades de construção ou de aquisição,
§ 2º – Os membros do Tribunal de Contas dos serão transferidos para o patrimônio daquela
Estados, ou de órgão equivalente do Distrito Federal Unidade Federativa.
e dos Municípios, terão o título de Conselheiro. Art. 25 – Os regimentos internos das Casas do
Art. 18 – O atual Tribunal de Contas da União Congresso Nacional estabelecerão prioridade para a
passa a denominar-se Tribunal Federal de Contas. tramitação e a inclusão na Ordem do Dia dos
Art. 1º – Fica assegurada a vitaliciedade aos projetos de leis complementares, especiais e
professores catedráticos nomeados até 15 de março ordinárias previstas nesta Constituição.
de 1967. Art. 26 – Os membros e servidores da
Art. 2º – É vedada a participação de servidores Procuradoria da União, dos Estados, do Distrito
públicos no produto da arrecadação de qualquer Federal e dos Municípios junto aos Tribunais de
receita pública. Contas e Conselhos de Contas serão transferidos
Parágrafo único – A lei disporá sobre o regime para os respectivos quadros de pessoal em funções
de incentivos apropriadas para assegurar a eficácia compatíveis com as anteriormente exercidas, sem
das funções de arrecadação a da fiscalização. prejuízo de todos os direitos e vantagens.
60 (SUPLEMENTO) DIÁRIO OFICIAL SETEMBRO 1986

Art. 27 – O valor do passivo das empresas financeiras em CAPÍTULO V – DOS ESTADOS


entidades abertas de previdência privada, sujeitas a intervenção, SEÇÃO I – DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 81 a 87
liquidação extrajudicial ou falência, será atualizado seguindo SEÇÃO II – DO PODER LEGISLATIVO 88 a 91
mesmos critérios e a partir das mesmas datas fixadas para a SEÇÃO III – DO PODER EXECUTIVO 92 e 93
correção de seu ativo. SEÇÃO IV – DO PODER JUDICIÁRIO 94 e 95
Art. 28 – Ficam excluídas do monopólio, a que aludem a SEÇÃO V – DO MINISTÉRIO PÚBLICO 96 e 97
329 e seus parágrafos desta Constituição, as refinarias em CAPÍTULO VI – DO DISTRITO FEDERAL, DOS TERRITÓRIOS
funcionamento no País, amparadas pelo art. 43, da Lei nº 2.004, de FEDERAIS, DOS MUNICÍPIOS E DAS REGIÕES
3 de outubro de 1953. SEÇÃO I – DO DISTRITO FEDERAL 98 a 105
Art. 29 – Caberá ao Ministério da Saúde a direção unificada SEÇÃO II – DOS TERRITÓRIOS FEDERAIS 106 a 111
do Plano Nacional de Saúde. SEÇÃO III – DOS MUNICÍPIOS 112 a 124
Parágrafo único – Será atribuído á Saúde o percentual que SEÇÃO IV – DAS REGIÕES DE DESENVOLVIMENTO
lhe couber na arrecadação da Seguridade Social. ECONÔMICO 125 e 126
Art. 30 – È abolido o atual sistema de concurso de SEÇÃO V – DAS REGIÕES METROPOLITANAS 127 a 132
vestibular. A lei fixará critérios mínimos para acesso ao ensino CAPÍTULO VII – DO SISTEMA TRIBUTÁRIO
superior e respeitará a autonomia das universidades para SEÇÃO I – DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 133 a 136
estabelecer suas próprias normas de admissão. SEÇÃO II – DOS IMPOSTOS DA UNIÃO 137
Parágrafo único – Enquanto não for regulada pela lei SEÇÃO III – DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO 138
competente, o regime de admissão será disciplinado pelas DISTRITO FEDERAL
universidades, no que lhes diga respeito, e pelo Ministério da
SEÇÃO IV – DOS IMPOSTOS DOS MUNICÍPIOS 139
Educação, no que se refira aos demais estabelecimentos de ensino
SEÇÃO V – DOS IMPOSTOS DE COMPETÊNCIA
superior.
CONCORRENTE 140
Art. 31 – Lei Federal criará incentivos para os profissionais
SEÇÃO VI – DAS PARTICIPAÇÕES E DISTRIBUIÇÕES DE
de nível superior que, em seguida ao término de seu curso,
RECEITAS 141 a 147
exerçam suas atividades no interior do País.
SEÇÃO VII – DISPOSIÇÕES FINAIS 148 e 149
Art. 32 – As Assembléias Legislativas exercerão
CAPÍTULO VIII – DO PODER LEGISLATIVO
poderes constituintes pelo prazo de seis meses, a partir
desta data, a fim de elaborar as Constituições dos SEÇÃO I – DISPOSIÇÕES GERAIS 150 a 167
Estados respectivos, que serão aprovadas pela maioria SEÇÃO II – DA CÂMARA DOS DEPUTADOS 168 a 170
absoluta de seus membros, em dais turnos de discussão SEÇÃO III – DO SENADO FEDERAL 171 e 172
e votação. SEÇÃO IV – DAS ATRIBUIÇÕES DO PODER
LEGISLATIVO 173 e 174
ÍNDICE SEÇÃO V – DO PROCESSO LEGISLATIVO 175 a 192
SEÇÃO VI – DO ORÇAMENTO 193 a 204
ARTIGOS SEÇÃO VII – DA FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E
TITULO I ORÇAMENTÁRIA 205 a 217
CAPÍTULO IX – DO PODER EXECUTIVO
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I – DO REPRESENTANTE E
DO VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA 218 a 228
CAPÍTULO I – DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 1º a 7º
CAPÍTULO II – DOS DIREITOS E GARANTIAS 8º a 5º SEÇÃO II – DAS ATRIBUIÇÕES DO PRESIDENTE DA
CAPÍTULO III – DO DIREITO Á NACIONALIDADE 57 a 59 REPÚBLICA 229
CAPÍTULO IV – DOS DIREITOS POLÍTICOS 60 a 64 SEÇÃO III – DA RESPONSABILIDADE DO
CAPÍTULO V – DOS PARTIDOS POLÍTICOS 65 e 66 PRESIDENTE DA REPÚBLICA 230 a 231
SEÇÃO IV – DO PRESIDENTE DO CONSELHO 232 a 239
TITULO II
SEÇÃO V – DO CONSELHO DE MINISTROS 240 a 243
DO ESTADO FEDERAL SEÇÃO VI – DOS MINISTROS DE ESTADO 244 a 246
SEÇÃO VII – DO CONSELHO DE ESTADO 247 a 251
CAPÍTULO I – DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 67 a 71 SEÇÃO VIII – DOS SERVIDORES PÚBLICOS 252 a 266
CAPÍTULO II – DA COMPETÊNCIA DA UNIÃO CAPÍTULO X – DO PODER JUDICIÁRIO
FEDERAL 72 e 73
SEÇÃO I – DISPOSIÇÕES GERAIS 267 a 276
CAPÍTULO III – DA COMPETÊNCIA COMUM Á
UNIÃO FEDERAL, AOS ESTADOS E SEÇÃO II – DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 277 a 279
AOS MUNICÍPIOS 74 a 77 SEÇÃO III – DO CONSELHO NACIONAL DA
CAPÍTULO IV – DA INTERVENÇÃO FEDERAL 78 a 80 MAGISTRATURA 260
SETEMBRO 1986 DIÁRIO OFICIAL (SUPLEMENTO) 61

CAPÍTULO II – CULTURA 395 a 398


SEÇÃO IV – DO SUPERIOR TRIBUNAL DE CAPÍTULO III – DA COMUNICAÇÃO SOCIAL 399 a 403
JUSTIÇA 281 a 283
SEÇÃO V – DOS TRIBUNAIS REGIONAIS CAPÍTULO VI – CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA 404 a 406
FEDERAIS E DOS JUÍZES FEDERAIS 284 a 292
SEÇÃO VI – DOS TRIBUNAIS E JUÍZES TÍTULO VI
MILITARES 293 a 295
SEÇÃO VII – DOS TRIBUNAIS E JUÍZES
ELEITORAIS 296 a 305 DO MEIO AMBIENTE 407 a 412
SEÇÃO VIII – DOS TRIBUNAIS E JUÍZES DO
TRABALHO 306 e 307
CAPÍTULO XI – DO MINISTÉRIO PÚBLICO 308 a 315 TÍTULO VII

TÍTULO III DA DEFESA DO ESTADO, DA


DA ORDEM ECONÔMICA 316 a 341 SOCIEDADE CIVIL, DAS
INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS
TÍTULO IV

DA ORDEM SOCIAL 342 CAPÍTULO I – DAS FORÇAS ARMADAS 413 a 415


CAPÍTULO II – DA SEGURANÇA PÚBLICA 416 a 422
CAPÍTULO I – DOS DIREITOS DOS
343 á 346 CAPÍTULO III – DO CONSELHO DE DEFESA
TRABALHADORES
CAPÍTULO II – DA SEGURIDADE SOCIAL 347 a 353 NACIONAL 423 e 424
CAPÍTULO III – DA SAÚDE 354 a 361 CAPÍTULO IV – DO ESTADO DE ALARME 425
CAPÍTULO IV – DA FAMÍLIA 362 a 367
CAPÍTULO V – DO ESTADO DE SÍTIO 426 a 435
CAPÍTULO V – DA MORADIA 368 a 370
CAPÍTULO VI – DAS TUTELAS ESPECIAIS 371 a 378
CAPÍTULO VII – DAS POPULAÇÕES CARENTES 379 TÍTULO VIII
CAPÍTULO VIII – DAS POPULAÇÕES INDÍGENAS 380 a 383

TÍTULO V DAS EMENDAS A CONSTITUIÇÃO 436


DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA, DA
COMUNICAÇÃO SOCIAL, DA TÍTULO IX
CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA

CAPÍTULO I – DA EDUCAÇÃO 384 a 394 DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS 1º a 32