Você está na página 1de 4

Análise Matemática I

Departamento de Engenharia Mecânica


ISEL
Teste Global - 02/06/2006

Leia atentamente o enunciado antes de iniciar a resolução do teste e


apresente todos os cálculos que efectuar.
Duração: 1h30m

|x − 1|
1. Considere a função f (x) =
x+1
(2.0) (a) Determine o domínio de f e o conjunto de pontos em que f é contínua.
(2.0) (b) Determine todas as assímptotas ao gráfico de f .
 
1
(2.0) (c) Verifique se é possível aplicar o Teorema de Rolle a f , no intervalo ,3 .
3
Justifique a resposta.
cos2 x − 1
(2.0) 2. Calcule lim
x→0 x2
3. Escreva o polinómio de Taylor de grau 3 em torno do ponto x = 0 para a função
π
(2.0) g(x) = arctg x e aproveite-o para calcular um valor aproximado de .
4
e2x + ex
(2.0) 4. Calcule uma primitiva de f (x) = .
e2x + 1
Z c ln x
2
(2.0) 5. Seja F (x) = e−t dt. Calcule a constante c tal que F ′ (1) = 0.
x2
Z 1
(2.0) 6. Calcule e2x sin x dx;
0
Z +∞
x
(2.0) 7. Estude quanto à convergência, o integral dx.
−∞ 1 + x4
(2.0) 8. Calcule a área da figura limitada pelas curvas y = x2 e x = y 2 .
Análise Matemática I
Departamento de Engenharia Mecânica
ISEL Resolução do Teste Global - 02/06/2006

|x − 1|
1. Considere a função f (x) =
x+1
(a) Determine o domínio de f e o conjunto de pontos em que f é contínua.
(b) Determine todas as assímptotas ao gráfico de f .
 
1
(c) Verifique se é possível aplicar o Teorema de Rolle a f , no intervalo , 3 . Justifique
3
a resposta.
Resolução.

(a) O domínio de f é D = {x ∈ R : x + 1 6= 0} = R\{−1}. As funções |x − 1| e x + 1


são contínuas em R, logo o quociente é uma função contínua no domínio, ou seja,
em R\{−1}.
x−1
(b) • lim f (x) = lim = 1, logo y = 1 é assímptota horizontal quando
x→+∞ x→+∞ x + 1
x → +∞;
−x + 1
• lim f (x) = lim = −1, logo y = −1 é assímptota horizontal quando
x→−∞ x→−∞ x + 1
x → −∞;
|x − 1| 2
• lim = ± = ±∞, logo x = −1 é assímptota vertical (bilateral).
x→−1 ± x+1 0
 
1 1 1
(c) A função f não é diferenciável no intervalo , 3 , visto que fe′ (1) = − e fd′ (1) = ;
3 2 2
não satisfaz, portanto, uma das hipóteses do Teorema de Rolle.

cos2 x − 1
2. Calcule lim .
x→0 x2
2
cos2 x − 1 − sin2 x

sin x
Resolução. lim = lim = − lim = −1 (ou aplicar a regra
x→0 x2 x→0 x2 x→0 x
de Cauchy).

3. Escreva o polinómio de Taylor de grau 3 em torno do ponto x = 0 para a função g(x) =


π
arctg x e aproveite-o para calcular um valor aproximado de .
4
Resolução. De:
f (x) = arctg x f (0) = 0
1
f ′ (x) = f ′ (0) = 1
1 + x2
2x
f ′′ (x) = − f ′′ (0) = 0
(1 + x2 )2
2(1 + x2 )2 − 8x2 (1 + x2 )
f ′′′ (x) = − f ′′′ (0) = −2
(1 + x2 )4

1
2 3 x3
obtém-se o polinómio: P3 (x) = x − x =x− .
3! 3
π 1 2
Um valor aproximado de = arctg 1 é P3 (1) = 1 − = .
4 3 3

e2x + ex
4. Calcule uma primitiva de f (x) = .
e2x + 1
1
Resolução. Consideremos a substituição ϕ(t) = ln t. Então ϕ′ (t) = , e
t
e2x + ex t2 + t 1 t+1 t 1
P = P · =P 2 =P 2 +P 2 =
e2x + 1 2
t +1 t t +1 t +1 t +1
1 2t 1 1
= P 2 + arctan t = ln(t2 + 1) + arctan t = ln(e2x + 1) + arctan ex .
2t +1 2 2
Z c ln x
2
5. Seja F (x) = e−t dt. Calcule a constante c tal que F ′ (1) = 0.
x2
2 c 4
Resolução. Pela regra de Leibnitz, temos que F ′ (x) = e−(c ln x) · − e−x · 2x. Logo
x
2 c 4
F ′ (1) = 0 ⇔ e−(c ln 1) · − e−1 · 2 = 0 ⇔ c − 2e−1 = 0 ⇔ c = 2e−1 .
1
Z 1
6. Calcule e2x sin x dx;
0

Resolução. Calculemos P e2x sin x por partes, fazendo u′ = sinx e v = e2x . Então
u = − cos x e v ′ = 2e2x , e

P e2x sin x = −e2x cos x − P − cos x2e2x = −e2x cos x + 2P cos xe2x .

Também por partes, calculemos P cos xe2x . Fazendo u′ = cos x e v = e2x , então u = sin x
e v ′ = 2e2x , donde

P cos xe2x = e2x sin x − P sin x2e2x = e2x sin x − 2P sin xe2x .

Substituindo, vem que


1
P e2x sin x = −e2x cos x+ 2e2x sin x− 4P sin xe2x ⇔ P e2x sin x = (−e2x cos x+ 2e2x sin x).
5
1  1
1 1
Z
Assim, e2x sin x dx = (−e2x cos x + 2e2x sin x) = (−e2 cos 1 + 2e2 sin 1 + 1).
0 5 0 5

+∞
x
Z
7. Estude quanto à convergência, o integral dx.
−∞ 1 + x4

2
Resolução.
Z +∞ Z 0 Z +∞
x x x
4
dx = 4
dx + dx
−∞ 1 + x −∞ 1 + x 0 1 + x4
Z 0 Z d
x x
= lim 4
dx + lim dx
c→−∞ c 1 + x d→+∞ 0 1 + x4
 0  d
1 2 1 2
= lim arctan x + lim arctan x
c→−∞ 2 d→+∞ 2
c
  0 
1 1 2 1 2 1
= lim arctan 0 − arctan c + lim arctan d − arctan 0
c→−∞ 2 2 d→+∞ 2 2
1 1 π π
= 0 − arctan(+∞) + arctan(+∞) = − + = 0,
2 2 8 8
e portanto o integral é convergente.

8. Calcule a área da figura limitada pelas curvas y = x2 e x = y 2 .

Resolução. Observemos que as curvas se intersectam em x = 0 e em x = 1: x2 =


(x) ⇔ x4 = x ⇔ x(x3 − 1) = 0 ⇔ x = 0 ∨ x = 1.
p

2
1

-2 -1 1 2
-1
-2

" #1
1 √ x3/2 x3 2 1 1
Z
2
A= ( x − x ) dx = − = − = .
0 3/2 3 3 3 3
0