Você está na página 1de 11

1 RESUMO

No presente trabalho realizou-se a síntese do composto [CoCl(NH 3)5]Cl2


- cloreto de pentaaminclorocobalto (III), para a almejar a síntese realizou-se
métodos de mistura, banho maria, banho de gelo e filtração a vácuo, obtendo-
se os cristais previstos e almejados partindo do composto CoCl2.6H2O,
trabalhou-se atenciosamente para que não ocorra perca significativa de massa,
alcançando rendimento de VALOR DO RENDIMEMTO aceitável para um
procedimento laboratorial satisfatório.
2 INTRODUÇÃO

O cobalto é um elemento que apresenta diversas aplicações. É utilizado


produção de ligas metálicas ferromagnéticas, e ainda na medicina, onde seu
isótopo Co60, que é radiativo, é aplicado na radioterapia (LEE, 1999).

O cobalto III tem a característica de formar um complexo octaédrico, isso


porque é a forma estável e de menor energia que o metal se complexa. Com
seis ligantes ele é um complexo hexacoordenado. Praticamente todos os
complexos hexacoordenados são octaédricos (SHRIVER; ATKINS, 2008).

Outro aspecto muito interessante no estudo dos complexos é a


substituição dos ligantes. Existem complexos que rapidamente substituem o
ligante, chamamos esse complexo de complexo lábil. Também existem aqueles
complexos no qual é necessário um tempo muito maior para fazer a troca de
ligante e denomina-se esse complexo como não-lábil (SHRIVER; ATKINS,
2008).

Um complexo é formando quando um íon metálico forma ligações com


outras espécies sem que ambas percam sua identidade. Os complexos podem
ser neutros ou iônicos. No caso dos complexos iônicos pode ocorrer também a
formação de um sal neutro, chamado de sal complexo, como por exemplo, na
formação do sal Cloreto de Pentaaminoclorocobalto (III) o sal é formado pela
união de 2 íons cloreto Cl- com o íon complexo [Co(NH3)Cl] 2+. Complexos
geralmente podem ser obtidos por reações de síntese, onde mais de um
reagente originam um único produto, ou por reação de troca de ligantes. Na
troca de ligante a natureza do ligante e do metal central é importante, pois,
bases duras reagem melhor com ácidos duros, ou seja, um metal classificado
como ácido duro complexa-se melhor com um ligante classificado como base
dura.

Para realizar a síntese de um sal complexo é preciso estar ciente de


todas as condições necessárias para a sua formação, pois, pequenas
mudanças nas condições podem alterar o rendimento do sal, que quando
realizada em laboratório é consideravelmente baixa.
No caso da síntese do cloreto de pentaminclorocobalto (III) utiliza-se
alterações tanto nas concentrações de íons quanto alterações de temperaturas
para alterar o sentido do equilíbrio de maneira a favorecer a formação do sal
complexo. O cobalto possui dois estados de oxidação principais, o 2+ e o 3+,
geralmente apresentando-se na forma 2 + onde está mais estável. Quando em
solução apresenta-se na forma 2+ e é melhor representado como [Co(H2O)6].
Nesta forma, quando adiciona-se outros ligantes o cobalto pode ser oxidado
para o estado 3+ formando [Co(H2O)6]3+ um agente oxidante forte suficiente
para oxidar rapidamente a água à oxigênio e reduzir-se novamente ao estado
2+.

O metal cobalto ocorre na natureza associado ao níquel, arsênio e


enxofre. O íon [Co(H2O)6]2+ é estável em solução, mas a adição de outros
ligantes facilita a oxidação a Co3+. Por outro lado, o íon [Co(H2O)6] 3+ é um
agente oxidante forte oxidando H2O a oxigênio e sendo reduzido a Co2+.
Contudo, ligantes contendo átomos de nitrogênio (como NH3 e etilenodiamina
= NH2CH2CH2NH2) estabilizam o estado de oxidação +3 em solução aquosa.

A reação do íon [Co(H2O)6]2+ com NH3 em excesso, na presença de


catalisador (carvão ativado) leva a formação de [Co(NH3)6] 3+ pela oxidação
com o oxigênio do ar. Na ausência do catalisador e usando-se H 2O2, obtém-se
[Co(NH3)5(H2O)]3+, que por tratamento com HCl concentrado dá o complexo
[Co(NH3)5Cl]Cl2.
3 OBJETIVO

3.1 Objetivo geral:

● Sintetizar o complexo de cobalto, Cloreto de Pentaaminoclorocobalto


(III) [CoCl(NH3)5] Cl2.

3.2 Objetivos específicos:

● Realizar procedimento analítico de síntese com excímero.


● Aplicar métodos de preparação de isômeros inorgânicos.
● Realizar análises dos compostos sintetizados e suas respectivas
caracterizações.
● Alcançar um rendimento satisfatório.
4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

4.1 Componente experimental

4.1.1 Dissolveu-se 5 g de NH4Cl em 30 mL de NH4OH conc. em um béquer


pequeno e transferiu-se para uma cápsula de porcelana;

4.1.2 A esta solução adicionou-se 10 g de CoCl2.6H2O em pequenas porções,


com agitação contínua;

4.1.3 Mantendo-se a agitação, adicionou-se 12,0 mL de água oxigenada 30


%, lentamente, pelas paredes do recipiente, em pequenas porções;

4.1.4 Quando se cessou a efervescência, adicionou-se, lentamente, na


capela, 30 mL de HCl;

4.1.5 Aqueceu-se a mistura em banho-maria até reduzir o volume à metade,


agitando-se com bastão de vidro para evitar que a sal cristalize nas
bordas da cápsula;

4.1.6 Resfriou-se à temperatura ambiente e a seguir, em banho de gelo;

4.1.7 Separou-se os cristais vermelhos por filtração à vácuo, lavando-se em


seguida com pequenas porções de água gelada e depois com álcool
etílico;

4.1.8 Secou-se os cristais o máximo possível, no próprio funil, deixando-se o


sistema de vácuo funcionando;

4.2 MATERIAIS E REAGENTES

4.2.1 Materiais:
● Béquer de 50 e de 100 mL;
● Bureta de 50 mL;
● Balança;
● Bastão de vidro;
● Erlenmeyer
● Proveta de 10 e de 50 mL;
● Tubos de ensaio;
● Suporte;
● Conta-gotas;
● Funil;
● Bomba de vácuo;
● Trompa d’água;
● Banho-maria;
● Banho de gelo;
● Papel de filtro;

4.2.2 Reagentes:
● Ácido clorídrico (HCl);
● Cloreto de Cobalto (CoCl2.6H2O);
● Cloreto de Amônio (NH4Cl);
● Hidróxido de Amônio (NH4OH);
● Peróxido de Hidrogênio (H2O2).
RESULTADO E DISCUSSÃO

Após dissolvesse o cloreto de amônio com hidróxido de amônio, foi


possível observar um excesso de amônia. Como mostra a equação abaixo:

NH4OH + NH4Cl 🡪 NH4Cl + NH3 + H2O

Seguindo com a adição de cloreto de cobalto hexaidratado, pode-se


observar a formação de um composto cristalino de coloração violeta. Como
mostra a reação abaixo:

[Co(H2O)6]2+ + 6NH3 🡪[Co(NH3)6]2+ +6H2O

Ao adicionar o peróxido de hidrogênio, como forte agente oxidante, oxida


o íon cobalto (II) para cobalto (III), obtendo-se o complexo [Co(NH 3)5(OH2)]3+.
Pode-se perceber uma efervescência. Segue abaixo a equação da oxidação:

O2 + 2H2O + 4Co2+ 🡪 4Co3+ + 4OH-

Com a adição de ácido clorídrico concentrado (com intenção de


equilibrar o pH da solução), houve a coordenação do cloro com o cobalto,
substituindo o ligante H2O, originando o complexo desejado Cloreto de
penta(amin)clorocobalto(III). Como mostra a equação global abaixo:

2(CoCl2.6H2O)(s) + 2NH4Cl(s) + 8NH3(aq) + H2O2(aq) 🡪 2[Co(NH3)5Cl]Cl2(s) + 14H2O(g)

Após resfriamento em banho de gelo para que o precipitado (cloreto de


pentaaminoclorocobalto(III)) se forme, percebeu-se que a solução tornou-se
mais densa e pode-se pensar que o íon-complexo desse precipitado é mais
estável a baixas temperaturas, ou que o Kps da formação desse sólido se torne
menor para baixas temperaturas.
CONCLUSÃO

A realização da prática ocorreu de acordo com a literatura, obtendo-se


um resultado satisfatório onde foi possível sintetizar o composto [Co(NH 3)5Cl]
Cl2, para utiliza-lo em experimentos futuros. A prática também se mostrou
bastante útil para assimilar o conteúdo visto em sala de aula.
REFERÊNCIA

ATKINS, Peter.; SHRIVER, D. F. Química Inorgânica. 4. ed. Porto Alegre:


Bookman,
2008.

FARIAS, R. F. Práticas de Química Inorgânica. São Paulo: 2004.

LEE, J. D. Química inorgânica não tão concisa. 5 ed. São Paulo: Blucher,
1999.

SHRIVER, D. F., ATKINS, P. W., Química Inorgânica, 3ª Ed. Bookman: Porto


Alegre, 2008.

VOGEL, A.I.; Química Analítica Qualitativa. Trad. A. Gimero. São Paulo,


Mestre Jou, 1981.
Imagem para formatação
~

Você também pode gostar