Você está na página 1de 50

Hidratação e Microestrutura

do Cimento Portland

PCC 3222
2019
Objetivos da aula
▪ Entender a cinética de reação do cimento Portland
e pozolanas e como isto afeta a microestrutura da
pasta de cimento hidratada

▪ Entender como a hidratação do cimento afeta a


porosidade da pasta

▪ Correlacionar a microestrutura da pasta de cimento


com o comportamento de concretos
Perguntas importantes...
• Como micropartículas isoladas dos ligantes se
transformam em um macro- sólido?
• Como essa transformação das partículas conferem
resistência ao sólido?
De micropartículas para
macro sólido

dos grãos de ligante

de novo sólido continuo


com geometria da forma
Endurecimento
reação quimica (água, CO2…)
aumento do volume por redução de poros , contato “molecular” entre cristiais

𝑉𝑠ó𝑙𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 < 𝑉𝑠ó𝑙𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙


volume aparente (externo) ~constante.
O que são ligantes inorgânicos
Micropartículas (d<100mm), solúveis em água,
reativas (água, CO2... ), que precipitam um sólido de
volume maior que o volume dos sólidos em
suspensão.
Exemplo de distribuição de particulas
de ligantes
Exemplos de ligantes

Comuns Outros ligantes


• Cimento Portland • Aluminato de Cálcio
• Gesso • Cálcio Sulfo-Aluminato
(Ca.SO4.(0-1,5).H2O) • Cimento belítico
• Cal hidratada • Sorel ( 3MgO.MgCl2)
(Ca(OH)2 or CaMg(OH)4
• Solidia (cura por CO2)
• .....
Hidratação – como ocorre?
Grãos de cimento Dissolução Precipitação
anidro em água (hidratados)
• C-S-H
Alita Silicato de cálcio
(C3S) Ca2+ hidratado
H2SiO42- • CH
Belita Hidróxido de cálcio
(C2S) Al(OH)4- • Trisulfo-
aluminatos
OH- (etringita)
Aluminato
de cálcio
SO42- • Monosulfo-
(C3A) aluminatos....

Ferro-
CO32-
aluminato
de cálcio
(C4AF)
Fonte de Ilustração - Profa Karin Scrivener
Hidratação do cimento
(fases secundárias)
• Sem adição de gipsita: reação imediata
• C3A + xH → C3AH6, C3AH6 ou C2AH8
• Endurecimento rápido, emprego difícil Calor
é
liberado
• Com gipsita: reação é retardada
• C3A + 3C ŠH2 + 26H → C6A Š3H32 (etringita)
• C3A + C ŠH2 + 16H → C4A ŠH18 (monosulfato)
• C6A Š3H32 + 2 C3A + 22H→ 3C4A ŠH18 (monosulfato)
Hidratação do cimento
(o efeito da gipsita)

Baixa concentração de íons


aluminato e sulfato

Alta concentração de íons


aluminato e sulfato

Alta concentração de íons


aluminato e baixo sulfato

Pouca ou nenhuma gipsita

Mehta & Monteiro (2004)


Hidratação do cimento
(fases principais)
Rápida
2C3S + 6H → C3S2H3 + 3CH C-S-H e hidróxido de cálcio
Lenta Calor
2C2S + 4H → C3S2H3 + CH C-S-H e hidróxido de cálcio é
liberado

•C-S-H - principal fase hidratada


• silicato de cálcio hidratado
• principal produto
• estequiometria variável
Hidratação do cimento e calor liberado
• As reações de hidratação são exotérmicas
• O calor gerado
• Pode gerar gradientes
térmicos e fissuras
• Indica a taxa de reação
de hidratação
• Evidencia uso de
aditivos aceleradores
ou retardadores

Renan Salvador,
2016
Reação pozolânica
Reações pozolânicas
Rápida
2C3S + 6H → C3S2H3 + 3CH C-S-H e hidróxido de cálcio

3CH + 2S → C3S2H3 C-S-H e menos hidróxido de cálcio


Lenta
2C2S + 4H → C3S2H3 + CH C-S-H e hidróxido de cálcio

3CH + 2S → C3S2H3 C-S-H e menos hidróxido de cálcio

POZOLANA
C-S-H - principal fase hidratada obtida numa reação
secundária fortalecendo a microestrutura
C-S-H e Portlandita

http://www.cementlab.com/images/C3S-
2weeks_os.jpg
Morfologia da pasta de cimento
hidratada Monossulfato
hidrtadado
• A microestrutura é
complexa
• A quantidade relativa
das fases presentes
definirá o
comportamento do
material
• Quanto mais CSH
mais resistente e
durável
Etringita
Hidratação ao longo do tempo

“outer” “inner”
C3A gel Aft Aft
C-S-H C-S-H
C4AF Afm
C3S

grão anidro 10 minutos 10 horas 18 horas 1-3 dias 14 dias

Scrivener (1989)
Fases Hidratadas (formação)

O muda com a
adição de
pozolana?

http://www.theconcreteportal.com/cem_chem.html
Volume das fases hidratadas
ao longo do tempo
Redução de
volume

O volume da água
e do cimento
anidro é maior que
o volume da pasta
de cimento
hidratado

Lothenbach et al. (2008) – http://dx.doi.org/10.1016/j.cemconres.2008.01.002


Evolução de resistência e
permeabilidade da pasta de
cimento
Hidratação do cimento e a pega e
endurecimento do concreto
Velocidade de hidratação
(na presença de água)

• Composição química • Temperatura


–+ C3S + rápido • + alta, + rápido
–matérias primas e • Uso de vapor garante a
temperatura no forno umidade
• Autoclave é possível
• Finura (m2/g)
–grau de moagem
–área superficial para
reação de hidratação
–condições de mistura
Composição x Resistência
(pasta de cimento)

Temperatura e
área específica
constantes
Calor de hidratação:
efeito da área específica
Resistência à compressão:
efeito da área específica

Método padronizado:
teor de água constante

Área Específica
Interface pasta/agregado
Interface pasta/agregado
• Fases macroscópicas • Fases microscópicas

• Agregados
• Pasta de cimento
(ou matriz)
• Sólidos
• Sólidos hidratados
• Cimento anidro
• Poros
• Água
• Zona de transição
Zona de transição:
mais porosa e com
menos CSH
• Mais água produz mais
porosidade.
• Região mais porosa e,
portanto, menos
resistente
Zona de Transição mais Porosa
(pasta de cimento endurecida e agregado)

Influência da ZT
• Elo mais fraco da
corrente
• Diminui a resistência
por concentração de
agregado tensões
• Aumenta a
permeabilidade por
Impregnação de poros com Metal dar caminho
de Woods preferencial para a
água

K.L. Scrivener, A.K. Crumbie, P. Laugesen, Interface Science 12 (2004) 411-42


Estrutura hidratada é porosa
Poros no concreto
Como estimar
a porosidade da pasta?
Apos Mistura 28 dias de hidratação

Stroeven, He, Guo, Stroeven, Materials Characterization, Volume 60, Issue 10, October 2009,
Pages 1088-1092.
Hidratação da
Pasta de Cimento
• Vcimento hidratado = Vcimento + 0,75 Vágua reação
• Ocorre uma Retração química!!!
• Água de reação = ~20% da massa de cimento
• Água em excesso → poros
• Porosidade
• água em excesso
• retração química
Modelo de Powers
Estimando porosidade da pasta de
cimento (exemplo)
• Mistura de pasta pura
• 1kg de cimento
• 0,5 kg de água
• 100% de hidratação do cimento
Densidade das fases
(temp. ambiente)

• Cimento anidro ~3,1g/cm³


• Agregados naturais ~2,6 g/cm³
• Água ~ 1,0 g/cm³

• Volume = massa/densidade
Volume no estado fresco
• 1 kg de cimento 1/3,1 0,32dm³
• 0,5 kg de água 0,5/1 0,50dm³
• Volume total (mistura) 0,82dm³

• Desprezamos o ar aprisionado.
• Como ele poderia ser considerado?
Volume de sólidos 1:0,5
(100% hidratado)
• 1 kg de cimento 1/3,1 0,32dm³
• 0,20 kg de água de reação 0,2/1 0,20dm³
• Retração química
25% vol água reação 0,25*0,2 -0,05dm³
• Volume de sólidos hidratados 0,47dm³
• Poros = 0,82 -0,47 = 0,35 dm3
Volume de poros 1:0,5
(100% hidratação)
• H2O em excesso 0,5-0,2 0,30dm³
• Retração química 0,05 0,05dm³
• Poros totais 0,35dm³

• Volume total 0,82 dm³

• Porosidade 0,35/0,82 0,43dm³/dm³

• Esta é a menor porosidade possível p/0,5


(pasta 100% hidratada, 0% de ar incorporado)
Qual a porosidade mínima da pasta
1:0,5 com 50% do cimento hidratado?
Por que se está realçando o adjetivo “mínima”?
Tempo: 20 minutos
Densidade das fases
(temp. ambiente)

• Cimento anidro ~3,1g/cm³


• Agregados naturais ~2,6 g/cm³
• Água ~ 1,0 g/cm³

• Volume = massa/densidade
Volume no estado fresco
• 1 kg de cimento 1/3,1 0,32dm³
• 0,5 kg de água 0,5/1 0,50dm³
• Volume total (mistura) 0,82dm³

• Desprezamos o ar aprisionado inserido no concreto


durante o processo de mistura.
• Como ele poderia ser considerado?
Volume de sólidos 1:0,5
(50% hidratado)
• 0,5 kg de cimento 0,5/3,1 0,16dm³
• (50%) 0,20 kg de água de reação 0,1/1 0,10dm³
• Retração química
25% volume de água reação 0,25*0,1 -0,025dm³
• Volume de sólidos hidratados 0,235dm³
• Volume de sólidos anidros 0,5/3,1 0,16dm³
• Volume de sólidos totais 0,16dm³+0,235dm³ = 0,395dm³
• Poros = 0,82 -0,395 = 0,425 dm3
Volume de poros 1:0,5
(50% hidratação)
• H2O em excesso 0,5-0,1 0,40dm³
• Retração química 0,025 0,025dm³
• Poros totais 0,425dm³

• Volume total 0,82 dm³

• Porosidade 0,425/0,82 0,52dm³/dm³


Exercício
• Sabendo-se que o consumo de cimento de um
concreto é de 360 kg/m3 e que a relação água
cimento é 0,5, estime a porosidade mínima de 1 m3
de concreto. Assumir que a hidratação o cimento
consome 0,24g de agua por g de cimento

OBS: não considerar a porosidade dos agregados e


o ar aprisionado.

Tempo: 20 minutos
Solução
• 1 kg de cimento com relação a/c = 0,5 corresponde
a 0,35 dm3 de poros.
• 360 kg de cimento, para a mesma a/c, resulta em
360 * 0,35 = 126 dm3.
• Porosidade total = 126/1000 = 0,126 m3/m3 ou 12,6
% em volume.
Relação entre porosidade e
comportamento do concreto
• Quanto maior a idade
e menor a relação a/c
menor é a
permeabilidade.

• Quanto maior a
porosidade menor a
resistência e maior a
permeabilidade.
Perguntas:

• Pastas de mesma porosidade apresentarão a


mesma resistência?
Explique.
• Você acha que há outros fatores, além da
porosidade da pasta, que pode afetar o
comportamento do mecânico do concreto?
Explique.
• Como você imagina que a porosidade da
pasta afeta a durabilidade do concreto?
Atividade Extra
(upload arquivo com memória de cálculo no Moodle)

• Faça gráficos mostrando a influência do grau de


hidratação (0 a 100%) na porosidade total e da pasta
dos concretos.

Densidade Traço 1 Traço 2


(g/cm³) (% Massa) (% Massa)
Cimento 3,1 15 10
Areia 2,6 25 31
Brita 2,6 52 52
Água 1 8 7

• Compare e discuta os resultados.


Leitura Recomendada
• Item 6.3 – Hidratação do Cimento Portland em
Mehta; Monteiro. IBRACON. P.216-23
• Item 2.5 – Microestrutura da Pasta de Cimento
Hidratada em Mehta; Monteiro. IBRACON. P.26-41
• Item 2.6 – Zona de transição no Concreto em
Mehta; Monteiro. IBRACON. P.41-46

Você também pode gostar