Você está na página 1de 103

O sangue e seu terceiro elemento anatômico

por Antoine Béchamp

ÍNDICE
DEDICAÇÃO PREFÁCIO DO TRADUTOR PREFÁCIO DO ESCRITÓRIO PREFÁCIO, Parte 1 PREFÁCIO DO
AUTOR, Parte 2 PREFÁCIO PRÓPRIO VANTAGENS INTRODUTÓRIAS E HISTÓRICAS

CAPÍTULO 1: A NATUREZA DA FIBRINA ISOLADA DO CLOT SANGUE. O SANGUE FIBRIN. MICRO-


ZIMAS FIBRINOUS. FIBRINA E ÁGUA OXIGENADA. O FERMENTO DE FIBRIN.

CAPÍTULO 2: SOBRE A INDIVIDUALIDADE ESPECÍFICA REAL DOS PRINCÍPIOS PRÓXIMA DE


ALBUMINÓIDES. OS ALBUMINÓIDES. O FENÔMENO DA COAGULAÇÃO. OS ALBUMINÓIDES DA
FIBRINA. OS ALBUMINÓIDES DO SORO. HEMOGLOBINA. HEMOGLOBINA E ÁGUA OXIGENADA.

CAPÍTULO 3: DO ESTADO DA FIBRINA NO SANGUE NO MOMENTO DA VENESEÇÃO E DAS


GRANULAÇÕES MOLECULARES. O FIBRIN SEM MICROZIMAS. AS GRANULAÇÕES MOLECULARES
MICROZIMIANAS HAEMÁTICAS.

CAPÍTULO 4: A ESTRUTURA REAL DO GLOBO DE SANGUE VERMELHO: OS MICROZIMAS DOS


GLÓBULOS DE SANGUE: OS GLÓBULOS DE SANGUE EM GERAL.

CAPÍTULO 5: DA NATUREZA REAL DO SANGUE NO MOMENTO DE UMA SANGRAMENTO GERAL. AS


PEÇAS VIVAS DO SANGUE. PROTOPLASMA. O caráter imutável de misturas de princípios
proximais. OS MICROZIMAS DE VITELLIN E OS GLÓBULOS DE SANGUE. O SISTEMA VASCULAR. O
SANGUE, UM TECIDO FLUIDO.

CAPÍTULO 6: DO SIGNIFICADO REAL QUÍMICO, ANATÔMICO E FISIOLÓGICO DA COAGULAÇÃO DO


SANGUE; COAGULAÇÃO DO SANGUE; O SANGUE DO CAVALO; O soro do sangue; COAGULAÇÃO DE
SANGUE DILUÍDO COM ÁGUA; SEGUNDA FASE DA ALTERAÇÃO ESPONT NEA DO SANGUE; O SANGUE
NO AR CALINADO; A EXPERIÊNCIA QUE PROVA OXIGÊNIO NÃO TEM PARTILHA NA DESTRUIÇÃO DOS
GLÓBULOS NO SANGUE DEFIBRINADO; ALTERAÇÃO ESPONT NEA DA CARNE; ALTERAÇÃO ESPONT NEA
DO LEITE; COAGULAÇÃO DE LEITE; FERMENTAÇÃO DO OVO; DESTRUIÇÃO ESPONT NEA DA CÉLULA
DE LEVEDURA; DESTRUIÇÃO ESPONT NEA DE TECIDOS; ALTERAÇÃO ESPONT NEA DO SANGUE.

CAPÍTULO 7: JUSTIFICAÇÃO DA DOUTRINA DE QUE O SANGUE É UM TECIDO FLUIDO E, COMO


TÃO, ESPONTANEAMENTE ALTERÁVEL. M. Pasteur e os germes do ar. CH. ROBIN E A
ALTERAÇÃO DO SANGUE. MICROZIMAS E ESPOROS DE ESQUIZOMICETAS; MICROZIMAS E
MICROCOCCOS; O MICROZIMAS E O SISTEMA CIRCULATÓRIO; COMPARAÇÃO DOS MICROZIMAS DO
SANGUE, DOS MICROZIMAS DO SISTEMA CIRCULATÓRIO E DOS MICROZIMAS DE OUTROS TECIDOS.
AUTONOMIA DOS MICROZIMAS.

CAPÍTULO 8: OS MICROZIMAS E QUE É ESTILO DE BACTERIOLOGIA; O MICROZIMAS, SERES


VIVOS DE UMA ORDEM INESPERADA DE SUA PRÓPRIA; MICROZIMAS OVULARES E VITELINOS;
MICROZIMAS E GRANULAÇÕES MOLECULARES; MICROZIMAS GEOLÓGICOS; MICROZIMAS DA TERRA E
DAS ÁGUAS; MICROZIMAS E BACTÉRIAS; PERSONAGENS BIOLÓGICOS DOS MICROZIMAS;
MICROZIMAS E SUA PERENIDADE; O FIM ORGANIZADO DE TODA A ORGANIZAÇÃO; MICROZIMAS
OVULARES E VITELINOS; MICROZIMAS E PATOLOGIA; MICROZIMAS E COORDENAÇÃO; FAGOCITOSE;
MICROZIMAS E ANTHRAX; MICROZIMAS E DOENÇAS; MICROZIMAS E MICROBAS; MICROZIMAS E O
COEFICIENTE INDIVIDUAL; MICROZIMAS, VIDA E MORTE; MICROZIMAS E SAÚDE; MICROZIMAS E
RECEPTIVIDADE; MICROZIMAS, SANGUE E PROTOPLASMO;

CONCLUSÕES

DO POSTFACE DO AUTOR

DEDICAÇÃO. Ao doutor A. Tripier. Meu querido amigo: - Dedico este livro a você,
cujo manuscrito você ouviu ler, como prova do carinho com que respondo à amizade
com que me honra; como uma expressão de minha gratidão por ter me colocado em uma
condição ainda para guiar minha caneta, aplicando-me sua grande ciência da
eletricidade; e também porque você foi o primeiro médico que, enquanto a
microcirurgia estava em pleno apogeu, distinguiu o microzima daquele ainda tão
inadequado chamado micróbio. A. Béchamp

PREFÁCIO DO TRADUTOR. Em 16 de outubro de 1816, em Bassing, no departamento de Bas-


Rhein (França, desde que foi cedida à Alemanha), nasceu uma criança cujo nome o
século XIX será conhecido, como são os séculos de Copérnico, de Galileu e de Newton
por seus vários nomes. Antoine Béchamp, o bebê de 1816, morreu em 15 de abril de
1908, catorze dias depois de ter sido visitado por um médico americano idoso, entre
o qual uma correspondência havia passado por vários anos sobre o assunto das
pesquisas e maravilhosas descobertas do professor. Béchamp e seus colaboradores. O
médico americano fez sua visita a Paris com o objetivo de se familiarizar com o
professor Béchamp, que, como sua família afirmava, esperava ansiosamente por essa
visita. O tradutor havia submetido há muito tempo ao professor um extenso resumo de
suas descobertas fisiológicas e biológicas e, por ele, foi revisado e aprovado.
Isso pretendia ser introduzido como um capítulo especial em um extenso trabalho
sobre inoculações e suas relações com a patologia, sobre o qual o tradutor desse
trabalho esteve envolvido, quase exclusivamente, por cerca de catorze anos. Mas nas
entrevistas longas e quase diárias entre o professor Béchamp e eu, que, como
mostrado acima, precederam a morte do primeiro, sugeri que, em vez de um resumo
desse, seria melhor colocar diante dos povos de língua inglesa uma tradução exata
em seu idioma de algumas, pelo menos, das descobertas mais importantes do professor
Béchamp, especialmente porque, na minha opinião, não seria fácil realizar entre
elas a "conspiração do silêncio" por meio da qual as descobertas de Béchamp haviam
sido enterradas em favor de plágios distorcidos de seus trabalhos que haviam sido
produtivos de abortos, como a Microbiana ou a Teoria de Germes de Doenças, "a maior
tolice científica da era", como foi corretamente denominado pelo Professor. A essa
sugestão, o professor Béchamp concordou sinceramente e disse-me para prosseguir
exatamente como eu poderia pensar melhor na promulgação das grandes verdades da
biologia, fisiologia e patologia, descobertas por ele, e me autorizou livremente a
publicar resumos ou traduções para inglês, como julguei mais recomendável. Em
cumprimento a esta autorização, o presente volume é publicado e pretende apresentar
aos povos de língua inglesa a última das grandes descobertas do professor Béchamp.
O assunto do trabalho é descrito por seu título, mas é bom lembrar aos médicos e
informar o público leigo que o problema da coagulação do sangue, tão
maravilhosamente resolvido neste volume, tem sido até agora um enigma e opróbrio a
biólogos, fisiologistas e patologistas. O professor estava em seu 85º ano no
momento da publicação do trabalho aqui traduzido. Até onde sabemos, o tradutor
ainda não foi plagiado e é a única das descobertas mais importantes do professor
que ainda não foi tratada; mas, na data de sua publicação, o arqui-plágio estava
morto, embora seu trabalho maligno ainda persista.

Uma das descobertas de Béchamp foi a formação de uréia pela oxidação de matérias
albuminóides.1 O fato, romance na época, era muito disputado, mas agora é
definitivamente resolvido de acordo com a visão de Béchamp; seu livro de memórias
descreveu em detalhes a demonstração experimental de uma hipótese fisiológica da
origem da uréia do organismo, que deveria resultar da destruição de substâncias
nitrogenadas. 1. Annales Physiques et Chimiques, 3d., Vol. XLVIII p348 (1856) CR
Vol. XLIII p348 Por uma longa série de experiências exatas, ele demonstrou
claramente a especificidade das matérias albuminóides e fracionou em numerosas
espécies definidas matérias albinoides descritas até então como constituindo uma
único composto definido. Ele introduziu novos e simples processos de experimentação
de grande valor, que lhe permitiram publicar uma lista de compostos definidos e
isolar uma série de fermentos solúveis aos quais deu o nome de zymases. Para
obscurecer suas descobertas, o nome de diástases tem sido frequentemente atribuído
a esses fermentos, mas o de zymas deve ser restaurado. Ele também mostrou a
importância desses produtos solúveis (as zymases) que são secretadas pelos
organismos vivos. Ele foi assim levado ao estudo das fermentações. Contrariamente à
teoria química então geralmente aceita, ele demonstrou que a fermentação alcoólica
do fermento de cerveja era da mesma ordem que os fenômenos que caracterizam o
desempenho regular de um ato da vida animal - a digestão. Em 1856, ele mostrou que
os moldes1 transformavam o açúcar de cana em açúcar invertido (glicose) da mesma
maneira que o fermento invertido secretado pelo fermento de cerveja. O
desenvolvimento desses moldes é auxiliado por certos sais, impedidos por outros,
mas sem os moldes não há transformação. Ele mostrou que uma solução açucarada
tratada com carbonato de cálcio calcificado não sofre inversão quando se toma
cuidado para impedir o acesso a germes externos, cuja presença no ar foi
originalmente demonstrada por ele.2 Se, para tal solução, a rocha calcária de
Mendon ou Sens são adicionados em vez de carbonato de cálcio puro, surgem bolores e
ocorre a inversão.3. 1. Análises de físico e de Chimie, 3d S., vol. LIV, p. 28
(1858). 2. Repertório de Chimie puro, vol. I. p. 69 (1859). 3. Papel do cravo nas
fermentações, Bull. Soc. chim., vol. VI p. 484 (1866). Esses moldes, sob o
microscópio, são vistos como formados por uma coleção de granulações moleculares
que Béchamp denominou microzymas. Não encontrados no carbonato de cálcio puro, são
encontrados em estratos geológicos calcários, e Béchamp estabeleceu que eles eram
seres vivos capazes de inverter o açúcar e alguns deles para fermentá-lo. Ele
também mostrou que essas granulações, sob certas condições, evoluíram para
bactérias. Para permitir que essas descobertas sejam apropriadas por outra, o nome
micróbio foi posteriormente aplicado a elas, e esse termo é mais conhecido do que o
de microzima; mas o último nome deve ser restaurado, e a palavra micróbio deve ser
apagada da linguagem da ciência na qual introduziu uma confusão avassaladora. É
também um solecismo etimológico. Béchamp negou a geração espontânea, enquanto
Pasteur continuou a acreditar. Mais tarde, ele também negou a geração espontânea,
mas não entendeu seus próprios experimentos, e eles não têm valor contra os
argumentos do espontâneo par Pouchet, que só poderia ser respondido pela teoria
microzymiana. Assim, Pasteur também nunca entendeu o processo de digestão nem o
processo de fermentação, cujos processos foram explicados por Béchamp e por um
curioso imbróglio (foi intencional?), Ambas as descobertas foram atribuídas a
Pasteur. O fato de Lister, como ele disse, derivar provavelmente seu conhecimento
sobre antissepsia (que Béchamp havia descoberto) de Pasteur é tornado provável
pelos seguintes fatos peculiares. Nas operações anti-sépticas anteriores de Lister,
os pacientes morreram em grande número, de modo que se tornou uma espécie de piada
médica horrível dizer que "a operação foi bem-sucedida, mas o paciente morreu". Mas
Lister era um cirurgião de grande habilidade e observação, e gradualmente reduziu
seu emprego de material anti-séptico à dose necessária e não muito alta, quando
suas "operações foram bem-sucedidas e seus pacientes viveram". [uma. Os gregos
usavam o termo macróbio para significar pessoas cujas vidas eram de longa duração.
Por analogia, o micróbio seria apropriado para pessoas cujas vidas são de curta
duração. Béchamp provou que seus microzymas eram de imensa longevidade; portanto,
para eles o termo macróbio pode ter sido aplicável, embora o de microzima, que
significa fermento pequeno, não seja menos. Assim, contrastando o termo da vida, -
embora os microzymas possam ser chamados de macróbios, os homens seriam micróbios.
Se ele tivesse aprendido sua técnica com o descobridor da antissepsia, Béchamp, ele
teria salvado seus pacientes anteriores; mas derivando-o em segunda mão de um sábio
(?) que não entendeu o princípio que estava plagiando, 1 Lister teve que adquirir
seu conhecimento subsequente da técnica apropriada por meio de sua prática, ou
seja, às custas de seus pacientes anteriores. Béchamp levou adiante o aforismo de
Virchow - Omnis cellula e cellula - que o estado da arte e da ciência microscópicas
da época não havia permitido ao último. Não a célula, mas o microzima deve, graças
às descobertas de Béchamp, ser hoje considerado a unidade da vida, pois as próprias
células são transitórias e são construídas pelos microzimas, que, fisiologicamente,
são imperecíveis, como ele demonstrou claramente . Béchamp estudou as doenças do
bicho-da-seda (1866) que devastaram as províncias do sul da França e logo descobriu
que havia duas delas - uma, a pebrina, que é causada por um parasita; 2 a outra, a
flacherie, que é constitucional. . Um mês depois, Pasteur, em um relatório para a
Academia de sua primeira campanha de bicho da seda, negou o parasita, dizendo da
observação de Béchamp, "isso é um erro". No entanto, em seu segundo relatório, ele
o adotou, como se fosse sua própria descoberta! O que precede é apenas uma lista
muito imperfeita dos trabalhos e descobertas de Béchamp, dos quais o trabalho agora
traduzido foi a glória principal. 1. Ver "Louis Pasteur, Ses plagiats chimiel-
physiologiques et Medicaux" 2. CRVol. LXII. p. 1341. O presente trabalho descreve a
mais recente de todas as admiráveis descobertas biológicas do professor Béchamp.
Propõe-se acompanhar com uma tradução de The Theory of the Microzymas and the
Microbian System, atualmente em curso de tradução; e The Microzymas, a tradução da
qual está concluída. Espera-se que outros trabalhos sigam: Os Grandes Problemas
Médicos, cuja primeira parte está pronta para a impressora Fermentação Vinosa,
tradução completa; Novas pesquisas sobre os albuminóides, também completas, etc.
etc. O estudo dessas e de outras descobertas do professor Béchamp produzirá uma
nova partida e uma base sólida para as ciências da biologia, da fisiologia e da
patologia, hoje flutuando em incerteza e confusão caóticas; espera-se que traga a
profissão médica de volta ao caminho certo da investigação e da prática a partir
das quais se deixou levar pela teoria microbiana da doença, que, como mencionado
anteriormente, foi declarado por Béchamp como a "maior tolice científica da época".
Ainsi Soit-il! Montague R. Leverson Londres, 1911

POST SCRIPTUM O tradutor é muito grato ao Dr. Harlyn Hitchcock, Chas. M. Higgins,
Esq., E Major Thos. Boudren, pela ajuda prestada, de várias maneiras, no trabalho
de publicação deste livro. Ele deve agradecer especialmente ao Dr. Hitchcock, a
cujo aprendizado, grande e gentilmente prestado trabalho e habilidade na revisão,
ele é grato pela descoberta de muitos erros de imprensa que a falta de visão do
tradutor o levou a ignorar.

PREFÁCIO DO AUTOR

Este livro é o último trabalho de um homem que hoje deve ser considerado um dos
fundadores da medicina e biologia modernas e que merece um lugar como um dos
gigantes da história da ciência. A história, no entanto, é escrita pelos
vencedores; a carreira de Antoine Béchamp e a maneira como ele e seu trabalho foram
escritos fora da história, testemunham a verdade dessa afirmação. Durante sua longa
e distinta carreira como acadêmico e pesquisador na França do século XIX, Antoine
Béchamp era amplamente conhecido como professor e inovador. Seu trabalho foi
amplamente documentado nos círculos científicos, e poucos se valeram tanto desse
fato quanto o agora famoso Louis Pasteur, que começou a plagiar e distorcer as
idéias e descobertas de Béchamp e, ao fazê-lo, ganhou para si um lugar não merecido
e injustificado no mundo. história da ciência médica. Vários livros excelentes
foram escritos (principalmente nas primeiras décadas deste século), que explicam
detalhadamente os plágios e as injustiças que Pasteur e outros infligiram a
Béchamp. O presente texto, O Terceiro Elemento do Sangue, é a própria exposição da
parte lesada de sua posição e sua defesa. É uma tradução reformulada da última
grande obra escrita pelo professor Béchamp, e, como tal, descreve o ponto
culminante do trabalho de sua vida e mostra claramente a importância que seu
trabalho deve ter com relação à medicina e à ciência contemporâneas. Este livro
contém, em grande detalhe, os elementos da teoria microzymiana da organização de
organismos vivos e materiais orgânicos. Tem relevância imediata e de longo alcance
para os campos da imunologia, bacteriologia e biologia celular, e mostra que há
mais de 100 anos, a teoria da doença germinativa ou microbiana foi demonstrada por
Béchamp e aqueles que trabalharam com ele para ser sem fundamento. Ao ler O
Terceiro Elemento do Sangue, o leitor deve estar ciente de que, ao formular sua
teoria microzymiana da organização biológica, Béchamp de forma alguma procurou
estabelecê-la como a última palavra sobre os assuntos da doença, sua transmissão,
fisiologia geral ou mesmo a organização da própria matéria viva. O professor
trabalhou até algumas semanas antes de sua morte; mesmo se ele estivesse
trabalhando agora, sem dúvida ainda consideraria seu trabalho inacabado. Não é por
acaso, mas sim uma justificação da verdade das teorias de Béchamp de que muitos
pesquisadores ao longo do século XX chegaram a hipóteses e conclusões em várias
disciplinas que concordam com o modelo microzymiano. Nos Estados Unidos, durante as
décadas de 1920 e 1930, o microscópio de Royal Rife revelou processos da vida que
teriam feito muito sentido para Béchamp. O estabelecimento médico, no entanto,
ficou confuso com as implicações das descobertas de Rife, especialmente quando ele
começou a curar doenças, incluindo câncer, com frequências eletromagnéticas. Rife e
suas descobertas logo foram consignados àquele anonimato especial que é reservado
para aqueles que ameaçam os interesses de um sistema que se sustenta, mantendo um
alto nível de doença entre a humanidade e mantendo a saúde a uma distância segura e
lucrativa. Para manter os lucros das empresas farmacêuticas e a autoridade do
estabelecimento médico, nenhum preço é alto demais e, quando Rife morreu, seu
trabalho foi esquecido. Outro processo, desta vez um mais recente chamado CanCell,
está enfrentando o mesmo destino nas mesmas mãos. Usando técnicas que são muito um
refinamento e desenvolvimento do uso de frequências de Rife, Ed Sopcak desenvolveu
um processo que foi testado e justificado pelo FDA americano, que agora está
fazendo o possível para enterrá-lo. Novamente, o perigo dessa tecnologia parece ser
o fato de funcionar contra a Aids, o câncer e outras doenças, e é simples e barato.
Durante anos, Sopcak distribuiu o CanCell gratuitamente a qualquer pessoa que o
solicitasse. Hoje ele não pode mais fazê-lo por causa de uma injunção judicial sem
fundamento. Muitas das idéias "alternativas" de medicina e biologia que estão
atualmente sob ataque em várias partes do mundo não teriam argumento com as
opiniões de Béchamp. E se a ciência tivesse concedido a Béchamp a posição na
história e a influência sobre o pensamento científico que, em vez disso, permitia
cair nas mãos do charlatão e oportunista Louis Pasteur, a ciência moderna, por sua
vez, não teria argumentos com as idéias que hoje estão sendo suprimidas a todo
momento, seja por lei, propaganda, discriminação ou, como no mais recente
desenvolvimento, ataques armados, confisco de equipamentos e prisão de
pesquisadores e profissionais de saúde.

Um desses infelizes é Basil Wainright, um americano responsável por um processo


conhecido como aférese poliatômica, uma forma avançada de oxigenoterapia que provou
ser eficaz o suficiente contra a Aids e o câncer para que valha a pena proibir. No
momento em que escrevia, ele passou três anos na prisão sem ser acusado de nenhum
crime, seus medicamentos para a doença de Parkinson foram adulterados e clínicas
usando aférese poliatômica foram invadidas e fechadas. Histórias semelhantes
poderiam ser contadas a respeito de muitos outros produtos e práticas, incluindo
Essiac e outras terapias à base de plantas, que deveriam ter sido recebidas de
braços abertos, mas que foram marginalizadas pelo estabelecimento. Entre as muitas
características que esses processos e teorias têm em comum está o fato de a Teoria
dos Germes, aquele grande e falacioso iconoclasmo com o qual Pasteur e suas legiões
amaldiçoaram o pensamento médico moderno, não desempenha nenhum papel neles. Não há
busca pelo bug responsável, nem tratamento caro e complicado para a única causa de
uma doença. A Teoria dos Germes é conveniente porque fornece o que toda visão
simplista de um problema procura antes de tudo: um culpado, uma lebre invisível
para os cães perseguirem em seus caros laboratórios de pesquisa, universidades,
hospitais e fábricas de drogas. O fato de a lebre nunca poder ser capturada é a
garantia perfeita de que sua raça nunca terminará, suas demandas por financiamento
nunca cessarão e sua capacidade de gerar lucros para as empresas farmacêuticas e
químicas continuará a crescer. Não há uma causa única da doença. Os antigos
pensaram isso, Béchamp provou isso e foi escrito fora da história por seu problema,
e agora o mesmo está sendo feito para aqueles cujo trabalho, consciente ou não,
continua de onde Béchamp parou. A relevância de seu trabalho para os dilemas que
cercam a ciência médica moderna permanece ainda não realizada. Este livro está
sendo republicado com a intenção de ser um pequeno elemento no movimento que irá
corrigir essa situação. A edição original em inglês de 1912, traduzida do francês
pelo dr. M. Leverson, até agora estava disponível apenas como uma reprodução fac-
símile. Esta nova edição foi redefinida, em um novo layout que se espera tornará o
conteúdo muito mais acessível. Sempre que possível sem alterar a intenção do autor,
o uso arcaico ou ambíguo do inglês foi atualizado. Observe que, embora o texto seja
de um livro publicado, não há * nenhum * copyright associado a ele. Sinta-se à
vontade para usá-lo e distribuí-lo da maneira que achar melhor - na verdade, quanto
mais longe e amplo, melhor.

PREFÁCIO DO AUTOR, Parte 1 Não há nada além do que deveria ser. - Galileu Nada é
criado, nada é perdido. - Lavoisier Nada é presa da morte: todas as coisas são
presas da vida. - O autor O historiador dos fundadores da astronomia moderna
relatou recentemente que Cleanthus, um filósofo, três séculos antes de nossa era,
desejava processar Aristarco por blasfêmia, por ter acreditado que a terra se movia
e ousado dizer que o sol era o centro imóvel Do universo; dois mil anos depois,
tendo a razão humana permanecido estacionária, o desejo de Cleanthus foi realizado;
Galileu foi acusado de blasfêmia e impiedade por ter, como Copérnico e depois de
Aristarco, mantido a mesma verdade; "um tribunal temido por todos, condenou seus
escritos e o forçou a um retrocesso que sua consciência negava". O seguinte é o
julgamento do historiador sobre esse evento: "Talvez nunca tenha sido detestado
generosamente a consciência pública por intolerância com mais intensidade do que em
torno do nome de Galileu". A narrativa de seus infortúnios, exagerada como uma
lenda sagrada, afirmou, ao vingá-lo, o triunfo das verdades pelas quais ele sofreu;
o escândalo de sua condenação irritará para sempre em seu orgulho aqueles que se
opõem à força da razão; e a justa severidade da opinião preservará sua lembrança
inconveniente como uma eterna reprovação lançada em seus dentes para confundi-los
"." A justa severidade do julgamento que preserva a inconveniente memória "dos
sofrimentos de Galileu, é bom mencionar, é a dos acadêmicos e eruditos das
Academias das quais o autor faz parte.Está de acordo: sim, a intolerância é odiosa
e odiosa, a situação de Galileu era particularmente horrível.Ele foi forçado a ir à
igreja e pronunciar em voz alta a abjuração ditou a ele: "Eu, Galileu, no
septuagésimo ano da minha idade, de joelhos diante de suas Eminências, tendo diante
de meus olhos os santos evangelhos, que toco com minhas próprias mãos, abjuro,
amaldiçoo, detesto o erro e a heresia do movimento da terra. "Não há tortura mais
atroz do que essa violência brutal contra a consciência de um homem. É o maior
abuso de força e orgulho quando sabemos que eram os sacerdotes de Jesus Cristo. ho
perpetrou isso. Os teólogos do santo ofício não eram competentes para julgar o
astrônomo Galileu, mas eles, por ignorância, se comprometeram a proibir uma opinião
que diferia da sua, por serem errôneos e contrários às sagradas Escrituras, que,
segundo os papas, "eram ditadas. pela boca do próprio Deus ". Na verdade, o que
eles sabiam disso? Certamente, é angustiante observar por quanto tempo a "razão
humana pode permanecer no mesmo ponto", dada apenas por um experimento. É
interessante saber se a lição ensinada pela condenação de Galileu foi aprendida
adequadamente e, se três séculos depois "a severa retidão do julgamento contra
aqueles que ainda resistissem ao poder da razão" seria capaz de proteger aqueles
que trabalham desinteressadamente pelo triunfo da verdade, se, em suma, aqueles
que, para o grande público, são juízes com autoridade do valor das descobertas de
outros, se tornaram menos intolerantes ou, pelo menos, mais imparciais, menos
rápidos para pronunciar contra opiniões que eles não compartilham, menos ansiosos
para negar fatos do que testá-los. E se a lição não foi aprendida, não é menos
interessante examinar se é a "razão humana" que deve ser responsabilizada; se não é
um raciocínio "pettifogging", o abuso do raciocínio distorce a paixão e, muitas
vezes, o interesse pessoal que supera a consciência privada e desvia o público. A
história de uma discussão em que química e fisiologia estavam intimamente unidas,
que agitou a segunda metade do século que está se encerrando (19), está bem
adaptada para mostrar que a natureza humana não mudou desde os tempos de Cleanthus
e que sempre há existem pessoas prontas para se associarem para contradizer ou
insultar o infeliz infeliz que desenvolveu alguma nova teoria, baseada em fatos
insuspeitados, que os obrigaria a reformar seus argumentos e abandonar seus
preconceitos. Este trabalho sobre o sangue, que apresento finalmente ao público
instruído, é como a coroa de uma coleção de obras sobre fermentos e fermentação,
sobre geração espontânea, sobre substâncias albuminóides, sobre organização, sobre
fisiologia e patologia geral que busquei. sem relaxamento desde 1854, ao mesmo
tempo que outras pesquisas de química pura mais ou menos diretamente relacionadas a
elas, e é preciso acrescentar que, no meio de mil dificuldades levantadas por
oponentes implacáveis de todos os lados, especialmente de onde eu menos esperava
eles. Para resolver alguns problemas muito delicados, tive que criar novos métodos
de pesquisa, de análise fisiológica, de análises químicas e anatômicas. Desde 1857,
essas pesquisas são direcionadas por um design preciso para um fim determinado; a
enunciação de uma nova doutrina sobre organização e vida. Isso levou à teoria
microzymiana da organização viva, que levou à descoberta da verdadeira natureza do
sangue por meio de seu terceiro elemento anatômico e, pelo menos, a uma explicação
natural e racional do fenômeno chamada coagulação espontânea. Mas a teoria
microzymiana, que é para a biologia o que a teoria lavoisieriana da matéria é para
a química, e se baseia na descoberta dos microzymas, organismos vivos de uma
categoria inesperada, foi atacada em seu princípio, negando a própria existência do
microzymas. Sendo assim, se a afirmação de que a teoria microzymiana da organização
viva dá à biologia uma base tão sólida quanto a teoria lavoisieriana da química, é
considerada imprudente, bem, escolho cometer essa imprudência e ser imprudente para
a biologia. fim e luta contra uma corrente de opinião que é mais violenta, como
será visto, mais artificial.

Foi o mais ousado daqueles que negam o fato da existência dos microzymas que
escreveram: "Sempre que isso pode ser feito, é útil apontar a conexão de novos
fatos com fatos anteriores da mesma ordem. Nada é mais satisfatório para os a mente
do que ser capaz de seguir uma descoberta desde a sua origem até o seu mais recente
desenvolvimento ". 1 Muito bem e muito bem, tanto mais o autor teve o cuidado de
não seguir esse sábio preceito; subamos então às fontes. Dois séculos depois de
Galileu, ainda estávamos na hipótese aristotélica em relação à matéria, mas
reforçada pela hipótese alquímica de transmutação e a hipótese stahliana de
flogisto. Foi prontamente admitido que a matéria poderia, por si só, tornar-se
matéria viva, animada, como nas plantas e nos animais; assim, a geração espontânea
ainda era geralmente admitida. O próprio Charles Bonnet disse que a organização era
a modificação mais excelente da matéria; no entanto, o naturalista e filósofo
erudito tentou se opor à geração espontânea, imaginando, por sua vez, a hipótese do
encapsulamento e a dos germes preexistentes universalmente difundidos, dos quais
Spallanzani se valeu das refutações dos experimentos e conclusões do espontanista
Needham, membro da Sociedade Real de Londres. Por outro lado, para sustentar
Needham, Buffon inventou as hipóteses de moléculas orgânicas, não menos
universalmente difundidas, cuja substância, distinta da matéria comum, chamada
matéria-prima, ajudou a explicar o crescimento de plantas e animais, bem como a
geração espontânea. 2 1. L. Pasteur, Annales de chimie et de physique, 3d S. Vol.
LVIII, p. 371, nota. 2. É errado supor que a palavra orgânico, em moléculas
orgânicas, tenha o mesmo significado que em matéria orgânica dos químicos modernos;
isso é tão pouco a verdade que Buffon admitiu moléculas orgânicas para explicar a
cristalização de sal marinho ou de outros; Fermentações e fermentos puramente
minerais foram explicados com muita simplicidade. Macquer, em 1772, de acordo com
os savants, considerou certo que as questões vegetais e animais, abstraídas de
organismos vivos, sob certas condições de presença de água, de contato, pelo menos
momentaneamente, do ar e da temperatura, se alteram fermentam, tornando-se podres
na produção do fermento. E de acordo com os mesmos princípios, dizia-se que a água
podia transmutar-se na terra, a terra num álamo, e que o sangue se gera pela
transmutação da carne no licor que flui. Tal, em poucas palavras, era a condição da
ciência sobre essas questões antes do advento de Lavoisier. Na teoria
lavoisieriana, não há outra coisa senão a dos corpos simples, pesados,
indestrutíveis pelos meios à nossa disposição, sempre reaparecendo da mesma
maneira, não obstante todas as vicissitudes de suas várias combinações entre si e
as mudanças de estados ou alotrópicas. modificações que eles possam sofrer.

Sem transmutações e sem flogística para explicar os fenômenos. Nesta teoria, a


matéria é apenas mineral, corpos simples sendo essencialmente minerais. Não há
matéria viva ou animal, não importa essencialmente orgânica. Aquilo que, muito
tempo depois de Lavoisier, os químicos chamaram de matéria orgânica são apenas
inúmeras combinações em várias proporções que carbono, hidrogênio, oxigênio,
nitrogênio podem formar, geralmente com outros corpos simples ao mesmo tempo,
enxofre, fósforo, ferro, etc. ., estando o carbono sempre presente, de modo que o
que é chamado de matéria orgânica na química moderna é apenas várias combinações de
carbono com os corpos simples mencionados. De fato, Lavoisier, após sua
demonstração de que a água não se transmutou na terra, nem a terra nas plantas,
afirmou que as plantas retiram sua comida do ar, como foi verificado
posteriormente. Ele até afirmou que os animais obtinham os materiais para nutrição
das plantas, demonstrando assim que as plantas efetuavam a síntese da substância
sem a qual os animais não poderiam existir. Até a respiração era apenas um fenômeno
comum de oxidação. Sendo a substância das plantas e dos animais apenas combinações
de carbono com hidrogênio e oxigênio, com a adição de nitrogênio para os animais, é
muito interessante lembrar em breve o que Lavoisier pensava da putrefação dessas
substâncias e da fermentação. Como todo mundo, ele sabia que o suco de uvas e de
maçãs entra em fermentação para produzir vinho ou sidra, e ele escreveu a seguinte
equação: uva = mosto = ácido carbônico + álcool.

Para demonstrar isso, ele reduziu o experimento ao emprego de açúcar, que ele
chamou de óxido vegetal, de água e de fermento. O seguinte é o relato do
experimento: "Para fermentar o açúcar, ele deve primeiro ser dissolvido em cerca de
quatro partes de água. Mas a água e o açúcar, independentemente das proporções
empregadas, não fermentam sozinhos e o equilíbrio persistirá entre os princípios
( os corpos simples) dessa combinação, se não for quebrada de alguma maneira.Um
pouco de levedura é suficiente para produzir esse efeito e dar o primeiro movimento
à fermentação; depois continua por si mesmo até o fim. separar o açúcar em duas
porções, oxigenar um em detrimento do outro para produzir ácido carbônico;
desoxigenar o outro em favor do primeiro para fazer álcool; de modo que, se fosse
possível recombinar o açúcar álcool e ácido carbônico, o açúcar seria reformado ".
Portanto, fica claro que Lavoisier, em vez da equação relativa ao mosto, poderia
ter escrito assim: açúcar = ácido carbônico + álcool. Lavoisier pretendia relatar
em outro lugar os efeitos do fermento e dos fermentos em geral, o que foi impedido
de fazer. Mas pode ser visto em seu Tratado sobre Química Elementar, publicado em
1788, que ele havia estabelecido que a levedura é um corpo nitrogenado trimestral e
que o que restava no final da fermentação continha menos nitrogênio e que, além do
álcool, pouco ácido acético foi formado. Lavoisier também descobriu que, após a
destilação, havia um resíduo fixo representando cerca de 4% do açúcar. Veremos mais
adiante a importância dessas observações. A partir de então, poderia-se prever que
Lavoisier explicasse os fenômenos da fermentação podre de substâncias vegetais e
animais "como operando em virtude de afinidades muito complicadas" entre os
princípios constituídos dessas substâncias (os corpos simples), que nessa operação
deixam de estar em equilíbrio para ser constituído por outros compostos. Bichat,
que morreu em 1802, aos 31 anos, ficou muito impressionado com os resultados dos
trabalhos de Lavoisier. Ele não podia aceitar uma matéria viva constituída de
compostos químicos puros dos quais os elementos simples são os princípios
constituintes. Ele imaginou, então, que os únicos seres vivos em um ser vivo são os
órgãos compostos pelos tecidos, dos quais distinguiu 21 como elementos anatômicos
elementares, pois os corpos elementares são elementos químicos. Essa foi a primeira
influência da teoria lavoisieriana na anatomia fisiológica; foi assim que em 1806,
na terceira edição de sua "Philosophie Chimique", Fourcroy disse: "Somente o tecido
das plantas vivas, apenas seus órgãos vegetativos, pode formar as matérias
extraídas delas, e nenhum instrumento de arte pode imitar as composições que são
preparados nas máquinas organizadas de plantas ". Que linguagem maravilhosa e nova!
É verdade que, um químico que se uniu à nova teoria, Fourcroy, como Bichat, era
médico. Vamos ter em mente que Bichat havia sido levado pela teoria lavoisieriana
da matéria a estabelecer um novo princípio da fisiologia. Como Galileu havia
estabelecido o princípio metafísico: "nada é senão o que deveria ser", Dumas
retirou do capítulo da fermentação do tratado de Lavoisier o seguinte princípio,
que também é necessário: "nada é criado, nada é perdido". Acima, esboçamos
rapidamente o estado das relações da química e da fisiologia, bem como o estado do
assunto das fermentações no início do século XIX; veremos agora o que eles eram no
início da segunda metade desse século (digamos), por volta de 1856. Os químicos,
graças a métodos analíticos diretos cada vez mais aperfeiçoados, isolaram um grande
número de compostos incomplexos, ácidos, alcalóides , neutras ou com diversas
funções, a partir de substâncias vegetais e animais, cujos compostos incomplex
foram cada vez mais exatamente especificados sob o nome de princípios próximos das
plantas e dos animais, ternários e quaternários nitrogenados. Entre os princípios
proximais nitrogenados, vários deles foram distinguidos como solúveis ou
insolúveis, também não cristalizáveis, como a albumina da clara do ovo e do soro do
sangue, caseum (posteriormente chamado caseína) do leite, fibrina do sangue e a dos
músculos, a gelatina dos ossos, o glúten do trigo, a albumina dos sucos das
plantas, etc. Com o tempo, a semelhança de sua composição e de algumas de suas
propriedades comuns com a albumina do branco. ovo levou a esses assuntos serem
formados nos grupos dos assuntos albuminóides. Lavoisier conhecia esses assuntos
albuminóides apenas na medida em que eram animais nitrogenados. Agora, após a
descoberta do glúten, do albúmen vegetal, dos quaternários nitrogenados como o
fermento da cerveja, admitiu-se que eles eram o fermento da fermentação vínica;
generalizando, passou a pensar que a albumina, os albuminóides em geral, se
tornaram ou eram diretamente o fermento; enquanto os princípios ternários próximos,
como açúcar de cana, açúcar de uva, açúcar de leite, os outros açúcares, matéria
amilácea, inulina, goma, manite, etc., eram chamados de matéria fermentescente. As
questões chegaram a esse ponto quando, por volta de 1836, Cagniard de Latour,
retomou o estudo do fermento de cerveja1 e de sua multiplicação durante a
fermentação que produz a cerveja, considerada como organizada e viva, decompondo o
açúcar em álcool e ácido carbônico por um efeito de sua vegetação. 1. Um estudo já
realizado por Desmazieres, que considerava o glóbulo de levedura de cerveja uma
infusoria sob o nome de Mycoderma cerevisiae, mas que Turpin chamou de planta com o
nome genérico de Toruta e Kutzing sob o nome de Cryptococcus. Essa era uma
concepção tão original quanto a de Bichat. Com efeito, não é por ele ter
considerado o fermento de cerveja organizado e sua multiplicação durante a
fermentação como uma multiplicação por vegetação, que a concepção de Cagniard de
Latour é original; é porque ele admitiu que a fermentação do açúcar operava por um
efeito dessa vegetação, ou seja, devido a um ato fisiológico. Esse era um ponto de
vista absolutamente novo; o fermento de cerveja, o único fermento isolado
conhecido, deixou de ser considerado como um precipitado de matéria albuminóide que
se tornara insolúvel e passou a ser visto como um ser vivo! O fermento deixou de
ser considerado o reagente que Lavoisier admitira como capaz de perturbar o
equilíbrio dos corpos simples que constituíam açúcar. Além disso, logo após as
enfermarias, Turpin, o botânico, interpretou o efeito da vegetação de Cagniard
dizendo que o glóbulo do fermento era uma célula que decompunha o açúcar para se
nutrir. Dumas foi além e afirmou que os fermentos, o fermento, se comportavam como
os animais que se alimentam, e que, para a manutenção ordenada da vida do fermento,
eram necessários, como para os animais, além do açúcar, matéria albuminóide
nitrogenada. Na Alemanha, Schwann pronuncia a opinião de Cagniard de Latour
enquanto amplia a questão; ele supunha que nenhuma substância animal ou vegetal se
alterava e que todo fenômeno de fermentação pressupunha um fermento vivo. Para
provar isso, ele experimentou como Spallanzani havia feito - aprimorando seu
método, a fim de demonstrar que os infusórios ou fermentos tiveram sua origem nos
germes do ar. Os experimentos de Schwann foram confirmados por vários outros. Mas a
concepção de Cagniard de Latour não prevaleceu, nem especialmente a interpretação
de Turpin e de Dumas. Não foi negado que infusórios ou bolores existissem nas
misturas em estado de alteração, mas foi negado que eles fossem os agentes da
fermentação; isso começaria por si mesmo e a matéria alterada era considerada
evidência a favor da geração espontânea ou da produção desses produtos vivos pelos
germes do ar. A descoberta da diástase e da sinapse, quaternários solúveis e
nitrogenados como o fermento, foi realizada para legitimar a recusa em considerar o
fermento como agindo porque era organizado e vivo. Agora, essas substâncias sendo
reagentes de poder raro para transformar certas matérias fermentáveis em solução
aquosa, as transformações foram chamadas fermentação e esses reagentes foram
chamados fermentos; e foi dito, você vê que não é porque eles são organizados e
vivos que os fermentos agem para afetar os fenômenos da fermentação. Então, os
oponentes da doutrina de Cagniard de Latour e Schwann, no que diz respeito às
fermentações e às relações da química com a fisiologia, triunfaram tão
completamente que as opiniões voltaram ao ponto mantido em 1788. O princípio da
doutrina de Bichat se perdeu de vista; não apenas se admitia que os assuntos
vegetais e animais se alteravam nas condições especificadas por Macquer, mas também
os princípios proximais extraídos deles, até o açúcar de cana, a solução quente de
que Lavoisier havia declarado inalterável. Em suma, a antiga hipótese de germes do
ar, que Schwann havia revivido, estava completamente perdida de vista. Nada é mais
adequado para convencer alguém de que a alma humana durante a segunda metade do
século XIX
permaneceu a mesma que era nos tempos de Galileu e da Inquisição, do que refletir
sobre a sequência da história que acabei de esboçar. .a descreverei agora o
experimento fundamental, cujos resultados mudaram completamente o aspecto da
ciência no que diz respeito às relações da química e da fisiologia com a
fermentação, como ainda se imaginava serem no final do ano de 1857, após o a teoria
de Cagniard de Latour em relação ao fermento havia sido rejeitada. [uma. O tradutor
revela uma atenção minuciosa dos homens da ciência, dos filósofos e dos filantropos
ao restante desta narrativa; e ter em mente os constantes elogios dos literatos, da
imprensa e dos homens, considerados os mais eminentes na ciência de nossa
superioridade sobre nossos pais. Pode-se provar que essa superioridade existe em
outro lugar que não nas artes do assassinato, e o que diz respeito a isso? - . Em
1854, foi admitido que o açúcar de cana dissolvido na água se alterou e se
transformou no que é chamado açúcar invertido, porque a solução que desviou o plano
de polarização para a direita desviou-o para a esquerda após a alteração. O açúcar
invertido também era chamado de açúcar de uva. O fenômeno dessa alteração foi
chamado inversão. Com referência a outras pesquisas, resolvi verificar o fato e, em
maio de 1854, deixei-as em um frasco fechado, na presença de um pequeno volume de
ar, em temperatura comum, sob luz difusa, alguns soluções aquosas de açúcar de cana
puro. Depois de vários meses, descobri que as soluções de açúcar em água destilada
pura estavam parcialmente invertidas. No início de 1855, publiquei a observação
como uma verificação do fato admitido, mas mencionei ao mesmo tempo a presença de
um molde no licor inversor. Não é incomum ver bolores aparecerem em soluções
aquosas das mais diversas substâncias. Por isso, no então estado da ciência e nas
afirmações contraditórias sobre os experimentos de Schwann, eu não afirmaria nada
além do fato. Notei apenas que nas soluções às quais adicionei cloreto de cálcio ou
cloreto de zinco, a inversão não ocorreu e nenhum molde apareceu. Para encontrar
uma explicação para essas diferenças, realizei várias experiências, começando em
1855 e continuando até o mês de dezembro de 1857. Entre essas experiências, todas
concordantes umas com as outras, seleciono duas porque, reduzindo o problema à sua
expressão mais simples, eles não deixam margem para dúvidas quanto à legitimidade
das conclusões que deduzi deles. A primeira conclusão foi a seguinte: a solução do
açúcar de cana na água destilada permanece indefinidamente inalterada quando,
depois de fervida, é preservada em um vaso totalmente fechado. A segunda foi: A
mesma solução, fervida ou não, deixada em um vaso fechado na presença de um volume
limitado de ar permite o aparecimento de bolores incolores, geralmente micelizados,
e a solução fica completamente invertida ao longo do tempo, enquanto o licor
avermelha o papel de tornassol, isto é, torna-se ácido. Para provar que o volume de
ar deixado no balão fechado não tem nada a ver com a inversão, basta adicionar
previamente uma pequena quantidade de creosotea ou um traço de sublimação de
mercúrio para garantir que o líquido não fique ácido ou mofado, e que o açúcar
permanecerá inalterado. [uma. Aqui está a descoberta e a fonte de tudo o que é
verdadeiro na teoria e na prática da antissepsia; mas foi levado a extremos
absurdos pela facção dominante na medicina. - Trans.) Esses dois experimentos
demonstraram-me claramente que a presença do ar era essencial para a inversão e
para os bolores nascerem, e ao mesmo tempo em que o volume de ar deixado presente
não pode operar a inversão. Foram então necessariamente os moldes desenvolvidos que
foram os agentes dos fenômenos observados. Mas os moldes micelizados são
verdadeiras plantas microscópicas e, consequentemente, organizadas e vivas. Eu
provei que eles eram nitrogenados e que, introduzidos na água açucarada, invertiam
o açúcar de cana muito mais rapidamente do que durante o seu desenvolvimento.
Apesar de esses moldes serem insolúveis, perguntei-me como eles fazem isso? E eu
supunha que era por um agente análogo à diastase e também graças ao ácido formado;
mas, desde então, demonstrei que era de fato principalmente por meio de um fermento
solúvel que eles contêm e que secretam. E a presença desse fermento solúvel e,
consequentemente, de uma matéria albuminóide, me explicou como, sendo nitrogenados,
os fungos, quando aquecidos com potássio cáustico, liberavam uma abundância de
amônia.

Mas esses moldes sendo nitrogenados não poderiam nascer do açúcar de cana, que eu
provei ser isento de nitrogênio. Agora, além desse açúcar, não havia nada além de
água destilada, a substância mineral do vidro e nenhum outro nitrogênio além do ar
deixado no balão fechado; agora (graças a um pouco de creosoto ou cloreto
mercúrico), o experimento em si mostrou que esses materiais não podiam se unir, por
síntese, para produzir a substância dos moldes. Nada mais restava para explicar o
nascimento das produções organizadas do que a antiga hipótese dos germes; germes
fingidos, que não me permitiam descansar até que eu descobrisse sua origem e
natureza. Enquanto esperava especificá-los, admiti que, nas condições do
experimento, "os germes trazidos pelo ar encontraram na solução açucarada um meio
favorável ao seu desenvolvimento1; um desenvolvimento durante o qual o novo
organismo, utilizando os materiais presentes, afeta os síntese dos materiais
nitrogenados e não nitrogenados de sua substância 1. Annales de chimie et de
physique, 3d S., Vol. LIV, p. 28 (1858) Sob as condições do experimento, como eu
relatei, onde existem Como não há outras matérias minerais além do vidro, a
colheita da produção organizada é necessariamente muito pequena, e a inversão e as
transformações que a seguem são muito lentas.A adição de certos sais ou creosoto
impede a inversão, impedindo o desenvolvimento dos germes, tornando o meio estéril
ou agindo diretamente sobre o primeiro, mas a adição de outros sais puramente
minerais, mesmo do ácido arsênico, teve o efeito de aumentar a colete e apressando
singularmente a inversão e os outros fenômenos de fermentação que se seguem, pois
se a reação for prolongada, o ácido do qual eu falei acima é considerado ácido
acético, com, em certos casos, ácido lático e álcool em todos os casos; mas para
determinar a produção deste último, o molde deve agir por vários anos. Foi assim
que pude estabelecer que o estudo realizado em 1857 era realmente um fenômeno de
fermentação, pela manifestação da qual não havia sido necessário empregar matéria
albuminóide, mas que, pelo contrário, era produzida a partir dessas questões. Na
sua simplicidade, o experimento foi da mesma ordem, para a química fisiológica,
como fora a observação de Galileu em relação à lâmpada, pendurada por um longo
cordão, que oscilava lentamente diante do altar da catedral de Pisa. A partir dessa
oscilação, aprendeu-se que sempre superava a mesma medida, que a duração da
oscilação é independente de sua amplitude e Huyghens descobriu a lei da oscilação
do pêndulo conectando-a ao princípio de galeão dos corpos em queda. As
consequências que surgiram da experiência acima não foram menos frutíferas; algum
dia, sem dúvida, virá um gênio como o dos Huyghens para estendê-los e aumentar sua
fecundidade; Enquanto isso, a seguir, alguns que pude deduzir dele, em 1857 ou
posteriormente, enquanto continuo experimentando. Os fatos principais e essenciais
das memórias de 1857 são os seguintes: O açúcar de cana, um princípio próximo, em
solução aquosa, é naturalmente inalterável, mesmo em contato com um volume limitado
de ar, quando a solução foi previamente creosotada. A solução de açúcar de cana em
contato com um volume limitado semelhante de ar permite o aparecimento de bolores e
o açúcar é alterado, antes de tudo invertido. Se a solução foi adicionada primeiro
a um creosoto, os moldes não aparecem e o açúcar não é alterado. O fato de os
bolores se desenvolverem na água açucarada, em contato com uma pequena quantidade
limitada de ar, forma a verificação da hipótese de germes atmosféricos; de nenhuma
outra maneira esse fato pode ser explicado. Os moldes desenvolvidos invertem o
açúcar de cana, mesmo quando a solução foi primeiro creosoteada; isto é, o creosoto
que impede os moldes de nascer não os impede de nascer, de agir. Moldes sendo
insolúveis devido à sua organização, efetuam a inversão por meio de um agente
análogo à diastase; isto é, por meio de um fermento solúvel. A totalidade dos
fenômenos da alteração não espontânea do açúcar de cana e da produção de um ácido e
de álcool provam ser uma fermentação de bolores e fermentos.

1. Chamei pelo nome de moldes a totalidade das produções que apareceram em


diferentes experiências que diversifiquei; assim, embora geralmente esses bolores
permanecessem no estado de micélio incolor, mesmo em soluções às quais foi
adicionado ácido arsênico e certos sais, em outros o bolor completamente
desenvolvido era verde ou cinza e raramente vermelho. Em algumas experiências,
havia células reais, diferentes dos glóbulos de levedura e do fermento das borras
do vinho. Geralmente, no início do experimento, havia um ligeiro depósito antes do
aparecimento das tubas micelianas; em alguns casos, as inversões eram efetuadas
pelos "pequenos corpos isolados", pequenos corpos que eu não sabia classificar, mas
que eu considerava organizados e vivos porque, como os moldes micelianos, efetuavam
a inversão do açúcar mesmo em uma solução com creosote. E esses fatos, estudados
com mais atenção, mostraram claramente, ao contrário do que se acreditava
anteriormente, que a matéria albuminóide não era necessária para o nascimento
desses fermentos; depois que os fermentos solúveis não foram os produtos da
alteração de alguma matéria albuminóide, uma vez que o molde produziu imediatamente
a matéria albuminóide e o fermento solúvel em virtude de suas funções fisiológicas
de desenvolvimento e nutrição. Daí resultou que o fermento solúvel estava aliado ao
insolúvel pela relação do produto com o produtor; sendo o fermento solúvel incapaz
de existir sem o fermento figurado, que é necessariamente insolúvel. Além disso,
como o fermento solúvel e a matéria albuminóide, nitrogenada, só podiam ser
formados obtendo o nitrogênio a partir do volume limitado de ar deixado nos
frascos, foi ao mesmo tempo demonstrado que o nitrogênio livre do ar poderia ajudar
diretamente na síntese da substância nitrogenada das plantas; que até aquele
momento era uma questão controversa. A partir de então, ficou evidente que, como a
síntese dos materiais da substância dos moldes, dos fermentos é necessariamente
produzida pela intussuscepção no organismo desses moldes, deve ser necessariamente
que todos os produtos da fermentação estejam lá produzidos e que sejam secretados
nele foi secretado o fermento solúvel que inverteu o açúcar de cana; por isso, tive
certeza de que aquilo que é chamado fermentação é, na realidade, o fenômeno da
assimilação nutricional, dissimulação e excreção dos produtos dissimulados. Sem
dúvida, esses pontos de vista estavam em conformidade com as concepções de Canard
de Latour, mesmo as de Schwann e com a visão mais precisa de Turpin e,
especialmente, de Dumas; mas em total desacordo com os de seus oponentes, Liebig e
seus seguidores, alguns dos quais negaram que o fermento estivesse vivo, e
consideraram a matéria nitrogenada em estado de decomposição, outros que agiram na
medida em que eram nutridos por uma ação de contato extalyic, uma causa oculta, que
efetuou a decomposição do açúcar da mesma maneira que a platina da água oxigenada.
Devemos então demonstrar que o que era verdade para os bolores era o mesmo no caso
do fermento de cerveja e do fermento das borras de vinho; isto é, que as células
desses fermentos invertem o açúcar de cana nas mesmas condições, apesar do
creosoto, e antes que qualquer outro fenômeno de transformação seja produzido;
verifica-se, com efeito, que a levedura contém o fermento solúvel que inverte, como
também o molde. Não obstante, os oponentes da concepção de Cagniard de Latour e
Schwann sempre poderiam objetar que, se o creosote impedir que o açúcar de cana
seja alterado, não seria o mesmo no caso de uma mistura contendo matéria
albuminóide; que, conseqüentemente, se na mistura de água açucarada e de levedura
de cerveja o açúcar de cana era invertido, era porque o fermento de cerveja, uma
substância albuminóide, continuava sendo alterado apesar do creosoto. Respondi
demonstrando que, nas mesmas condições que o açúcar de cana, todos os verdadeiros
princípios próximos, incluindo os albuminóides solúveis e insolúveis, mesmo as
misturas mais complexas de princípios próximos, permaneceram inalterados, nada
organizado aparecendo neles; desde que nos casos em que o açúcar de cana esteja
presente, o fermento solúvel em inversão não exista entre esses princípios
próximos, porque o creosote não impede a reação de fermentos duplos. Dois
experimentos contemporâneos desse fato me impressionaram bastante. O primeiro diz
respeito ao leite. Todos, exceto Dumas, consideravam o leite uma emulsão, uma pura
mistura de princípios próximos. Agora, sabe-se que, como o sangue, ele altera e
coagula após ser desenhado, por si só, como Macquer disse no século passado (18).
Isso proporcionou uma oportunidade para verificar o fato da imutabilidade de
misturas de princípios próximos quando creosotadas. O leite de uma vaca foi
creosotado durante a extração, recebendo-o em recipientes lavados com água fervente
creosotizada dividida em três porções; um dos quais foi deixado com um volume
limitado de ar presente; um segundo foi deixado sem nenhum e, no terceiro, o ar foi
expelido por uma corrente de gás ácido carbônico. Para minha grande surpresa, o
leite mudou, ficou azedo e coagulado, quase tão rapidamente como se nenhum creosoto
tivesse sido adicionado. Por fim, o que me surpreendeu acima de tudo, logo após a
conclusão da coagulação, havia uma multidão de bactérias em todas as partes do
coágulo. O segundo diz respeito ao giz que os químicos empregaram, como carbonato
de cálcio, em seus experimentos, mesmo após a fermentação, e que, como eles, eu
empreguei para preservar a neutralidade da mídia. Agora, um dia, um pouco de amido
feito de fécula de batata recebeu um pouco de giz para evitar que azedasse e foi
deixado em um forno entre 4 e 45 graus C (= 104 a 113 graus F.). Eu esperava
encontrar o amido com a mesma consistência de antes; pelo contrário, foi
liquefeito. "Os germes do ar", disse eu. Repeti o experimento, refazendo o amido
fervente e adicionei um pouco do mesmo giz; novamente liquefação! Muito surpreso,
repeti o experimento, substituindo o giz por carbonato de cálcio artificial puro;
desta vez, o amido creosoto não foi liquefeito e eu o preservei nesse estado por
dez anos. Esses dois experimentos, em sua simplicidade, eram da mesma ordem,
igualmente fundamentais que a inversão do açúcar pelos bolores, mas eles me
envergonhavam muito mais. Não foi até depois de outras pesquisas e depois de variar
e controlá-las que eu as coloquei diante das sociedades instruídas de Montpellier
(1863) e informei Dumas sobre elas em uma carta que ele julgava adequada para
publicar, 1 em que afirmei que algumas das terrenos calcários e leite continham
seres vivos já desenvolvidos. 1. Carta a Dumas, Annales de chimie et de physique,
3d S .. vol. VI, p. 248 (1865). E aqui estão três outros experimentos, não menos
fundamentais, que verificam os três primeiros: (1). Eu havia verificado que, na
fermentação do açúcar de cana por bolores nascidos de germes atmosféricos, em uma
solução aquosa de açúcar, é produzido ácido acético; por que não é também produzido
na fermentação por levedura de cerveja? E vou provar que, de fato, é produzido ao
mesmo tempo apenas uma quantidade muito pequena de ácidos homólogos ao ácido
acético. (2) Levedura de cerveja invertendo o açúcar de cana como os moldes, tentei
isolar da levedura o fermento solúvel que ela produz, pois é possível obter
facilmente a levedura de cerveja necessária. Vou dizer aqui como procedi para
isolá-lo diretamente. O fermento para cerveja, puro, lavado e escorrido, foi
tratado com açúcar de cana em pó em quantidade adequada; a mistura dos dois corpos
tornou-se liquefeita e o açúcar foi totalmente dissolvido, de modo que o produto da
liquefação sendo jogado sobre um filtro, se a operação for realizada em uma
quantidade suficientemente grande, permita o fluxo de um líquido límpido abundante
antes de qualquer indicação de fermentação é manifestada. O líquido filtrado, sendo
tratado com álcool, fornece (como uma infusão de cevada germinada para precipitar
sua diástase) um precipitado branco bastante considerável, do qual a parte solúvel
em água é o fermento solúvel necessário. Não havia mais dúvida, este fermento
solúvel faz parte da própria substância do conteúdo da célula da levedura. Dei-lhe
o nome primeiro de zymas e depois de zytozymas. (3) A célula do fermento, sendo um
organismo vivo, deve ser insolúvel e possuir uma resistência vital e deve permitir
que apenas coisas do seu ser sejam desassimiladas. Agora, com efeito, o fermento
puro, submetido a uma lavagem metódica com água destilada, cede a ele a princípio
quase nada, apenas um traço de zitozomas e ácido fosfórico. Mas chega um momento em
que ele produz enormemente, depois cada vez menos, até perder quase 92% de sua
substância, preservando sua forma com seu tegumento distendido pela água. Esta
observação sugeriu a realização de leveduras no famoso experimento de Chossat em
cães famintos. Compelir o fermento a habitar na água pura seria privá-lo de
alimento; submetê-lo a um regime de fome o forçaria a se devorar. O fermento puro,
embebido em água destilada creosotada, absolutamente protegido do ar, libera o
ácido carbônico puro por um longo tempo, produzindo álcool, ácido acético, etc .; e
ao mesmo tempo outros compostos que não produz quando nutridos com açúcar. Assim,
esgota-se enormemente, permanece inteiro por um longo tempo, seu tegumento preserva
sua forma e, tendo eliminado quase totalmente seu conteúdo, inverte o açúcar de
cana até o fim. Assim, demonstrei que, apesar do creosoto, o fermento se altera,
assim como o leite.

A alteração espontânea do leite e a do fermento me pareceu prova indiscutível de


que nem o leite nem o fermento eram uma mistura de princípios próximos, mas que
ambos contêm, inerentemente, o agente vivo organizado que é a causa de sua
alteração espontânea ou que consequentemente, se o giz liquefaz o amido de fécula,
é porque contém o que pode produzir o fermento solúvel necessário. Foi o
experimento de privar a levedura que me permitiu concluir a demonstração de que o
fenômeno chamado fermentação do açúcar de cana por levedura era a digestão do
açúcar pelos zymas, a absorção do açúcar digerido (invertido) pela célula, a
decomposição desse açúcar na célula é o resultado do complexo fenômeno de
assimilação, seguido necessariamente pela desassimilação e eliminação; os produtos
eliminados são ácido carbônico, álcool, ácido acético, etc., o mesmo que no homem
os produtos de desassimilação, uréia, etc., provêm do homem e se reúnem em parte na
urina.

Enquanto eu tentava desenvolver as conseqüências das memórias de 1857 e descobri os


zitozomas na levedura, também descobri anthozymas em flores, morozymas na amoreira
branca, nefrozymas dos rins na urina como um produto da função de os rins, a fim de
demonstrar que, à medida que os fungos formam e secretam seu fermento solúvel,
plantas e animais formam os seus em seus órgãos, e demonstrarei além disso que os
leucócitos do pus produzem zymas no pus. O fenômeno chamado fermentação é então o
fenômeno da nutrição, que está sendo realizado no fermento, na célula da levedura,
da mesma maneira que o fenômeno da nutrição é realizado no animal, e seguindo o
mesmo mecanismo pelos mesmos meios. ; essa foi a idéia fundamental do meu livro de
memórias "Após fermentações por fermentos organizados", que data de 1864.1 1. CR
Vol LVIII p601 (4 de abril de 1864) Voltarei mais tarde, com detalhes, a este
trabalho, que também é fundamental. Menciono isso agora apenas como uma verificação
da concepção de Dumas, da qual já foi feita menção; foi nesse trabalho que, pela
primeira vez, a palavra zymas é empregada para designar o fermento solúvel que o
fermento contém realizado, distinguindo os fermentos solúveis como agentes de uma
ordem diferente dos fermentos figurados e transformações efetuadas também de uma
ordem diferente. Para a história, deve-se ler, no Jahresbericht de Heinrich Will de
1864, como isso era considerado novo na Alemanha e apreciado favoravelmente. É
difícil, no entanto, perceber a resistência oferecida por muitas fontes à
demonstração de que o fenômeno da fermentação é um fenômeno da nutrição que se
realiza no fermento. Era simples porque, embora M.Virchow sustentasse que as
células viviam em um organismo vivo, a concepção de Bichat era cada vez mais
considerada inaceitável e a hipótese dos celularistas como infundada. Alfred Estor,
que estava interessado em minhas pesquisas, em dar conta delas em 1865, expressou-
se da seguinte forma: "É fácil perceber as tendências de M. Béchamp; cada célula
vive como um glóbulo de levedura; cada célula deve modificar pelo uso dos materiais
nutricionais que a envolvem, e a história geral dos fenômenos nutricionais nos
ensina que essas modificações se devem a fermentos. Sabemos que emoção acolheu os
admiráveis trabalhos de Virchow sobre a patologia celular; nas notáveis pesquisas
do Professor Montpellier, não há nada menos que os fundamentos de uma fisiologia
celular ". 1. Montpellier, Le messager du Midi (1865) Sete anos se passaram desde a
publicação do livro de memórias sobre a inversão do açúcar de cana por fungos,
quando Estor proferiu esse julgamento e quando escrevi a JBDumas a carta sobre
agentes vivos que, em o leite efetua sua alteração espontânea e que, no giz, afeta
a liquefação e a fermentação do amido de fezes. No ano seguinte, nomeiei os
microzymas no Comptes Rendus da Academia de Ciências para designar os fermentos do
giz. Sabe-se desde a época de Leuwenhoeck (século XVII) que a saliva humana é
povoada por um grande número de organismos microscópicos há muito reconhecidos como
vibrioniens, mas que em uma boca bem mantida eu descobri que eram principalmente
microzymas. Supus que, mesmo quando os "pequenos corpos" inverteram o açúcar de
cana nos experimentos de 1857, esses microzymas poderiam ser aqueles que produziram
a diástase salivar de Miathe na saliva. Interessei Estor e Camille Saintpiere nesta
questão, e em 1867 endereçamos uma nota à Academia, com o seguinte título: "Sobre o
papel dos organismos microscópicos da boca na digestão em geral, e particularmente
na formação da diástase salivar . " A nota foi enviada para exame a uma comissão
composta por Louget e Robin, que não fez nenhum relatório, e a nota foi mencionada
no Compte Rendu nos seguintes termos: "A conclusão deste trabalho é que não é por
uma alteração que o a saliva parotidiana torna-se capaz de digerir a fecula, mas
por meio de um zymas que os organismos de Leuwenhoeck secretam lá, enquanto se
alimentam de seus materiais ". 1 1. CR Vol LXIV p696 (1867) Demonstramos dois fatos
igualmente essenciais, a saber, que os microzymas bucais do homem liquefazem e
sacarificam o amido de férula com energia rara; que a saliva parotidiana do cão ou
cavalo também pode liquefazer o amido, mas não o sacarifica, enquanto os que
permaneceram nos organismos bucais logo se tornam tão sacarificados quanto a saliva
humana. A breve nota inserida pelos comissários mostra que eles não tinham idéia de
zymas produzidos em função de uma célula, de um vibrionien, ou de um microzyma, nem
mesmo de um órgão. Aqui está uma prova indiscutível: o pâncreas era conhecido e era
chamado de glândula salivar intestinal. Agora, Bernard e Berthelot, estudando o
suco pancreático e isolando-o da substância solúvel chamada pancreatina, nunca
pensaram em compará-lo à diástase salivar, embora possuíssem, no mesmo grau, o
poder de sacarificar o amido de férula; isto é, Bernard, contrariamente à opinião
de Longet e de Mialhe, considerou a diástase salivar, de acordo com as idéias de
Liebig, uma questão animal em condição de alteração etc. Os microzymas sendo
descobertos, a demonstração geral foi feita que os fermentos solúveis eram
substâncias produzidas por um organismo vivo, mofo, levedura, microzyma geológico,
flores diversas, uma fruta, rins e microzymas bucais. Mas essas foram apenas as
preliminares das pesquisas, das quais a totalidade, desde 1867, permitiu formular a
teoria microzymiana do organismo vivo. Após nosso experimento conjunto sobre os
microzymas bucais, mostrei a Estor um experimento no qual um pedaço de músculo
colocado no amido de férula, depois de liquefeito e começado a fermentá-lo, fazia
com que bactérias aparecessem no leite azedo e coagulado . Ele então se tornou meu
colaborador ao provar o que era verdadeiro para leite e carne também para todas as
partes de um animal. Resultou disso, graças a outras colaborações e outras
pesquisas posteriores a 1870, "a teoria microzymiana do organismo vivo, cuja
construção é completada pelo presente trabalho". A nova teoria baseia-se em uma
coleção de fatos fundamentais e novos que podem variar sob os seguintes tópicos: 1.
A verificação da antiga hipótese de germes atmosféricos e das idéias de Cagniard de
Latour e Schwann sobre a natureza do fermento de cerveja. Prova de que os fermentos
não são frutos da geração espontânea. Demonstração de que os fermentos solúveis ou
zymas não são produtos de alguma mudança de uma matéria albuminóide, mas os
produtos fisiológicos de um organismo vivo; em resumo, que a relação de um molde,
de levedura de cerveja ou de uma célula e de um microzima com as zimas, é a relação
entre produtor e produto. 2. A distinção entre as matérias orgânicas reduzidas à
condição de princípios próximos definidos (isto é, da matéria orgânica dos
químicos, que não estão vivos) das matérias orgânicas naturais, como existem em
animais e plantas; isto é, da matéria orgânica dos fisiologistas e dos anatomistas
que tem a reputação de viver ou ter vivido. Os princípios próximos são naturalmente
inalteráveis, não fermentam mesmo quando (sendo creosotados) são deixados em
contato com uma quantidade limitada de ar comum, na água, a uma temperatura
fisiológica. Por outro lado, as matérias orgânicas naturais, sob condições
semelhantes ou absolutamente protegidas dos germes atmosféricos, alteram e
fermentam invariavelmente. 3. Demonstração de que as questões orgânicas naturais
são espontaneamente alteráveis, porque contêm necessariamente e inerentemente os
agentes de sua alteração espontânea, a saber: produções semelhantes às que chamei
de
"pequenos corpos" em certas experiências com água açucarada e "os seres vivos". já
desenvolvido ", na carta de 1865 a Dumas, e ao qual dei o nome de microzymas no ano
seguinte, como sendo o menor fermento, geralmente tão pequeno que eles só podiam
ser vistos sob as ampliações mais fortes dos objetivos de imersão de Nachet, mas
que eu descobrira ser o fermento mais poderoso. O que significa essa semelhança de
forma e função? O que havia em comum entre um microzima proveniente de um germe do
ar, um microzima do giz, um microzima do leite e os de matéria orgânica natural?
Desde 1870, todos os meus esforços foram direcionados para sua descoberta. Minhas
pesquisas conjuntas com Estor, depois as de Baltus, sobre a fonte de pus; os de J.
Béchamp sobre os microzymas do mesmo animal em suas várias idades e os meus,
especialmente aqueles sobre leite, ovos e sangue, levaram-me a considerar os
microzymas não apenas como fermentos vivos produtores de zymases, como os bolores
nascidos na água açucarada, mas pertencendo a uma categoria de seres vivos
inesperados sem analogia, cuja origem é a mesma. De fato: por um lado, todas essas
pesquisas me mostraram esses microzymas funcionando como elementos anatômicos
dotados de atividade fisiológica e química em todos os órgãos e humores de
organismos vivos em perfeito estado de saúde, ali preservados morfologicamente e
funcionalmente diferentes, ovo et semine, em todos os tecidos e células dos
diversos sistemas anatômicos, até o elemento anatômico que chamei de granulação
molecular microzymiana. E, especialmente, eles me mostraram que a célula não é a
unidade vital simples que Virchow acreditava, porque a própria célula possui
microzymas como elementos anatômicos. Por outro lado, o experimento me mostrou que,
em partes subtraídas do animal vivo, os microzimas não mais em suas condições
normais de existência, produziam alterações químicas, chamadas fermentações, que
inevitavelmente levavam a desorganizações dos tecidos, à destruição dos as células
e a libertação de seus microzymas, que, mudando de forma e função, podiam se tornar
vibrioniens pela evolução, o que acontecia sempre que as condições para essa
evolução eram realizadas. E, em terceiro lugar, estabeleci que os vibrios, as
bactérias nas quais os elementos microenzímicos anatômicos haviam se transformado,
se destruíam e que, com a ajuda do oxigênio do ar, nas condições que eu havia
percebido, estavam em último reduzido a microzymas, enquanto as questões da
alteração, sendo oxidadas, foram transformadas em água, ácido carbônico,
nitrogênio, etc .; isto é, restaurado à condição mineral, de modo que, das matérias
orgânicas naturais e de seus tecidos e células, restavam apenas os microzymas. E
esses microzymas, provenientes das bactérias em que o elemento anatômico microzymas
se tornara, eram idênticos, morfologicamente e funcionalmente, aos do giz, das
rochas calcárias, dos aluviões, das águas, das terras aráveis ou cultivadas ou
poeiras das ruas e do ar. A partir desses experimentos, argumentei que os
microzymas do giz etc. eram os microzymas das bactérias em que o elemento anatômico
microzymas dos seres vivos das épocas geológicas se tornara! Temos então que
considerar: 1. Os microzymas em sua função como elementos anatômicos no organismo
vivo e saudável; aí estão os agentes fisiológicos e químicos das transformações que
ocorrem durante o processo de nutrição. 2. Microzymas em matéria orgânica natural
extraídos do animal vivo ou no cadáver; eles são os agentes das mudanças que são
determinadas como ocorrendo lá, independentemente de sofrerem ou não a evolução
vibracional; alterações que vão para a destruição dos tecidos e das células. 3. Os
microzymas das bactérias resultantes dessa evolução, que são essencialmente
fermentadores produtivos de ácido lático, ácido acético, álcool, etc., com açúcar e
amido de fezes; esses microzymas também são produtores de zymases e são capazes de
passar novamente pela evolução vibracional. Donde, sendo os microzymas os elementos
anatômicos do ser organizado, desde os primeiros lineamentos no óvulo que se
tornará o ovo, sou capaz de afirmar que o microzyma está no início de toda
organização. E como os microzymas das bactérias destruídas também estão vivos,
segue-se que esses microzymas são o fim vivo de toda organização. Os microzymas são
certamente seres vivos de uma categoria especial sem análogos.

Mas isso não é tudo. Estor e eu demonstramos que, em uma condição de doença, os
microzymas que se tornaram mórbidos determinam no organismo alterações especiais,
dependentes da natureza do sistema anatômico, que levam à desorganização dos
tecidos, à destruição das células e à destruição de células. sua evolução
vibracional durante a vida. Para que os microzymas, agentes vivos de toda
organização, sejam também os agentes da doença e da morte sob as influências
especificadas pelos nosologistas; finalmente, eles são os agentes da destruição
total quando o oxigênio do ar intervém. Como o átomo ou elemento indestrutível da
teoria lavoisieriana da matéria, os microzimas também são fisiologicamente
imperecíveis. Do fato experimental de que os microzymas do giz e da poeira do ar
são apenas microzymas de bactérias que procederam da evolução vibracional do
elemento anatômico microzymas, segue-se aquilo que chamei de germes na verificação
da antiga hipótese de Os germes do ar não são preexistentes no ar, na terra e nas
águas, mas são os restos vivos de organismos que desapareceram e foram destruídos.
[O "fato experimental" mencionado no texto (a forma mais alta de todas as
evidências que podem ser fornecidas pela ciência) corta todo o tecido da teoria
microbiana da doença desde o seu alicerce. Nunca tendo sido outro palpite infundado
por parte de Pasteur e de seus seguidores, foi apropriadamente designado pelo
mestre como "a maior tolice científica da época". Ele e os outros "fatos
experimentais" elaborados pelo professor Béchamp e seus colaboradores patenteiam o
absurdo de todas as profiláticas pretensas contra a doença, exceto uma, e lançam
todas as mentes racionais de volta à única e segura proteção - a boa higiene! Somos
ridicularizados por quarentenas, vacinas, inoculações e outros dispositivos para
"transportar" os produtos do trabalho para os bolsos dos médicos oficiais. Somos
embaçados por eles em toda a extensão de nossa disposição de seduzir. Os oponentes
de uma medicina verdadeiramente racional são muitos e poderosos, como evidenciado
pela supressão de mais de uma geração das admiráveis descobertas de Béchamp sob uma
"conspiração do silêncio", e esses oponentes da arte da cura estão entrincheirados
em quase todas as escolas de medicina, em institutos de pesquisa ricamente dotados,
em fábricas caras de venenos de animais para envenenar homens e animais (sob a
crença ignorante de que eles estão nos beneficiando), e em toda autoridade médica!
- . Os fatos da teoria microzymiana legitimaram a genialidade concepção de Bichat,
que a única coisa que vive em um organismo é o que ele considerava como tecidos
elementares. Mais tarde, entre os celularistas, Virchow, seguindo Gaudichaut,
sustentou que a célula era o elemento anatômico simples do qual procedia todo o ser
vivo; mas é em vão que ele sustentou que é a unidade vital, vivendo per se, porque
cada célula, mesmo a de levedura de cerveja, é transitória, destruindo-se
espontaneamente. É o microzyma que nos permite especificar com precisão onde um
tecido, uma célula está vivendo; vivendo per se, quer dizer, autonomamente, é na
verdade a simples unidade vital. Mas a concepção teve como conseqüência a afirmação
de que, na doença, são os tecidos elementares ou as células afetadas. Agora que a
fisiologia celular e dos tecidos está sendo estabelecida de acordo com a previsão
de Estor, deve resultar daí que a patologia tecidual e celular seja, na realidade,
patologia microzymiana. Na doença, as células mudam, são alteradas e destruídas, e
esses fatos foram observados. Mas se a célula fosse a unidade vital que vive per
se, ela não conheceria nem destruição nem morte, mas apenas mudanças. Se então a
célula pode ser destruída e morrer, enquanto o microzima só pode mudar, é porque o
microzima está realmente vivendo per se e fisiologicamente imperecível mesmo em
suas próprias evoluções, pois, fisiologicamente, nada é presa da morte; pelo
contrário, a experiência diária prova que tudo é vítima da vida, ou seja, do que
pode ser nutrido e consumido. Desde o início de nossas pesquisas, Estor e eu
estabelecemos a presença de microzymas na matéria vacinal, no pus sifilítico e no
pus comum, e mostrei no pus (até louvável) a presença de um zymas. Nas doenças, há
então uma evolução mórbida de algum elemento anatômico que corresponde a um
funcionamento vicioso e à evolução vibrionien. É assim que no antraz os microzymas
mórbidos do sangue se tornam as bactérias de Davaine e os glóbulos sanguíneos
experimentam essas mudanças notáveis. mas mesmo que os microzymas se tornem
mórbidos, eles podem deixar de ser; por exemplo, há uma observação importante de
Davaine sobre a não transmissibilidade do antraz mesmo por inoculação; se o animal
estiver em processo de putrefação, seu sangue não poderá mais comunicar antraz.

A partir dessa observação de Davaine, chego à conclusão de que o ar normal nunca


contém microzymas mórbidos, o que costumava ser chamado de germes de doenças e
agora micróbios; mantendo de acordo com o velho aforismo médico de que as doenças
nascem de nós e de nós, que ninguém jamais foi capaz de comunicar uma doença
característica da classe nosológica, antraz, varíola, febre tifóide, cólera, peste,
tuberculose, hidrofobia, sífilis, etc., retirando o germe no ar, mas
necessariamente de um paciente, em algum momento específico. E dentro dos limites
de meus próprios estudos sobre os bichos-da-seda, distingui com cuidado as doenças
parasitárias de que o agente vinha de fora, como a muscardina e a pebina, de
doenças constitucionais, como a flacherie, que é microenzima. Entrego no pós-
escrito deste trabalho a comunicação que fiz à Academia de Medicina, em 3 de maio
de 1870, sobre Les Microzymas, Pathology e Therapeutique. Ajudará a estabelecer uma
data e mostrará que a teoria estava quase completa. Não estava inserido no Boletim
da Academia, mas um médico capaz, que fez um relato na Union Medicale de Paris,
observou que, se tivesse vindo da Alemanha, teria sido recebido com aclamação. Mas
naquela época não havia nenhuma dúvida sobre as doutrinas médicas de Pasteur e,
então, não tive que defender os microzymas contra as negações daquele sábio; foi o
caso alguns anos depois. A exposição anterior mostra claramente a conexão dos novos
fatos da teoria microzymiana com certos fatos anteriores do mesmo tipo, ascendendo
a Bichat e Macquer, que, de acordo com a ciência anterior a Lavoisier, reconheciam
a alterabilidade espontânea das questões orgânicas naturais; e finalmente
Spallanzane, que, para explicar certas aparições de seres organizados atribuídos à
geração espontânea, invocou os germes do ar. Permitiu-me seguir ainda mais a
conexão das sucessivas descobertas de fatos especiais que, desde 1854, o início
dessas pesquisas, resultaram na descoberta dos microzymas e na demonstração de que
o sangue é um tecido que flui. É importante observar que a teoria microzymiana não
é de modo algum o produto de um sistema ou de uma concepção a priori, nem é a
consequência de um desejo de demonstrar que a concepção de Bichat e a teoria
celular são conformáveis à natureza. De fato, teve como ponto de partida a solução
de um problema de química pura e a necessidade de descobrir o papel dos moldes na
inversão de uma solução de açúcar de cana exposta ao ar. Então, de indução em
indução, aplicando incessantemente o método de Lavoisier, do estudo atento das
propriedades do organismo mais baixo, subi aos picos mais altos da química
fisiológica e da patologia para descobrir em que consiste a organização vital. Mas
é tão fértil uma teoria fundada na natureza das coisas, na base da qual não existe
hipótese gratuita, que depois de me levar a descobrir a fonte das zymases, a teoria
fisiológica das fermentações, a natureza daquilo que chamamos de germes do ar, isso
me permitiu entender o que era verdade nas concepções geniais de Bichat, de Dumas,
na patologia celular de Virchow e que verdades profundas existem nos aforismos dos
antigos médicos. A teoria microzymiana do organismo vivo é verdadeira porque
concorda ao mesmo tempo com essas concepções e com os três aforismos que escolhi
como epígrafe para esta primeira parte do meu prefácio. ... nada é senão o que
deveria ser. ... nada é criado; nada está perdido. ... nada é presa da morte; todas
as coisas são presas da vida.

PREFÁCIO DO AUTOR, Parte 2


"A maior desordem do intelecto é acreditar nas coisas porque se deseja que elas o
sejam". L. Pasteur Para entender como a inteligência do homem, presa no mesmo
estágio em que estava nos dias de Aristarco, poderia vir a proscrever a teoria
microzymiana da organização viva, como havia proibido a teoria do movimento da
Terra, é necessário conhecer algo dos preconceitos com os quais a inteligência do
homem
nestes últimos dias foi imbuída. A teoria lavoisieriana da matéria sugeriu a Bichat
a idéia de que, nos seres organizados, a vida não está ligada apenas a compostos
químicos, mas também a elementos anatômicos que vivem pessoal e autonomamente. Isso
fez com que Fourcroy dissesse que as plantas são máquinas organizadas que formaram
os assuntos extraídos deles, assuntos que Chevreul chamará de princípios próximos
definidos e que nenhum instrumento de arte é capaz de imitar. Gerhardt em 1849
disse deles que eles são o trabalho da força vital. Foi em vão que Bethelot,
lembrando Lavoisier, pensará em provar que os princípios próximos são compostos
químicos, como aqueles cuja síntese ele efetuou; todas as conseqüências legítimas
da concepção de Bichat foram desconsideradas, até a noção de que a célula está
vivendo pessoalmente, e foi mantido que: "Os princípios aproximados de plantas e
animais são corpos, definidos ou não, geralmente muito complexos, gasosos,
líquidos. , ou sólido, constituindo substância organizada por solução recíproca, a
saber: os humores e, por combinação especial, os elementos anatômicos ". "Solução
recíproca" e "combinação especial"; expressões vagas usadas para ocultar um sistema
preconcebido, graças ao qual só era necessário considerar os princípios próximos em
um organismo vivo como matéria puramente química. Dada a natureza autônoma dos
elementos anatômicos nos tecidos, foi declarado que o protoplasma do botânico Hugo
Mohl vivia matéria organizada (embora não morfologicamente determinada, ou seja,
não estruturada), de onde todo o organismo continuaria. Foi assim que um líquido,
no qual todos os princípios próximos deveriam estar em um estado de solução
perfeita, como o chamado plasma no sangue, foi chamado de organizado, vivo e
poderia morrer. Isso ia desde a hipótese das moléculas orgânicas de Buffon até a
antiga hipótese da matéria que vive por sua natureza e a de uma organização que
seria apenas a mais excelente modificação da matéria, como se imaginava na época do
flogisto. . Foi aí que a ciência se situou em 1857; vendo nas membranas e tecidos
animais apenas matéria nitrogenada. Vamos considerar as conseqüências desse modo de
visão. Em 1839, Fremy descobriu que certas membranas animais podiam produzir ácido
láctico com o açúcar do leite, que Scheele descobrira no soro de leite azedo e
coagulado. Em seguida, as fermentações lácticas foram produzidas tratando soluções
dos açúcares com todos os tipos de membranas e tecidos animais, com creme de queijo
ou glúten e, ao mesmo tempo, com giz usado para saturar o ácido láctico enquanto
era produzido. Berthelot retomou esses experimentos de outro ponto de vista, sem
descurar a formação de ácido lático, mas estendendo-o do açúcar de manite para
substâncias aliadas, até glicerina. O livro de memórias em que, em 1857, o autor
explicou os resultados de suas pesquisas é intitulado Sur la Fermentation
Alcoholique, pois em alguns casos a quantidade de álcool formado era maior que a do
ácido lático e de outros produtos que os acompanham. Mas qualquer que seja o nome
que possa ser dado ao fenômeno, fermentação láctica ou alcoólica, que resultou dos
experimentos de Berthelot foi: "A causa da fermentação parece residir em sua
natureza química, ou seja, na composição e não na composição. a forma dos corpos
nitrogenados (queijo creme, gema de ovo, músculo, pâncreas, fígado, rim, baço,
testículo, bexiga, intestino delgado e grosso, pulmão, cérebro, pele peluda,
sangue, fibrina seca, fermento seco, glúten, gelatina) aptos a desempenhar o papel
de um fermento e nas sucessivas mudanças pelas quais sua composição é submetida. "
No geral, ele acreditava que: "O corpo açucarado e o corpo nitrogenado são
decompostos ao mesmo tempo, exercendo um sobre o outro uma influência recíproca".
Em suma, era a fermentação espontânea de materiais na presença (um do outro).
Quanto ao giz empregado no carbonato de cálcio, era absolutamente necessário apenas
em certos casos, por exemplo, para a fermentação da manita; além disso, o carbonato
cálcico, além de manter a neutralidade do meio, tinha por seu papel: "direcionar em
certo sentido determinado a decomposição do corpo nitrogenado que provoca a
fermentação". No que diz respeito a uma explicação do fenômeno, Berthelot parecia
relacioná-lo com a sacarificação da fecula por diastase, a decomposição da
amigdalina pela sinaptase, chamada fermentação, ou mesmo a eterificação do álcool
pelo ácido sulfúrico; em resumo, conectá-lo, assim como Mitscherlich e Berzelius, a
uma ação chamada contato catalítico.

Berthelot não deixou de estabelecer, por Robin, Montagne e Dujardin, a


desorganização dos tecidos e o desenvolvimento de seres vivos específicos (mucores,
vibrios ou bactérias). Ele não explica sua fonte, não faz menção às granulações
moleculares, mas, afirma, "esse desenvolvimento não é de forma alguma necessário
para o sucesso de meus experimentos". Esforcei-me por dar uma idéia do trabalho
muito importante de Berthelot, pois constitui o maior esforço em oposição à opinião
de Cagniard de Latour. Mas a partir dos mesmos experimentos, conclusões
inteiramente contrárias devem ser tiradas. De fato, no ano seguinte Pasteur, em um
livro de memórias sobre a fermentação láctica1 de açúcar, nas condições do
experimento de Berthelot, colocou-se ao lado de Schwann e afirmou que o
desenvolvimento de seres vivos especiais era a única causa das fermentações
apontadas, mas sem prestar mais atenção às granulações moleculares que Berthelot
havia feito, ele teve o mérito de distinguir entre os seres vivos específicos o que
ele chamou de levedura láctica e que considerava como fermentação láctica o que a
levedura de cerveja é para o alcoólatra. Mas do desenvolvimento desses seres,
especialmente das leveduras lácticas e alcoólicas, que, segundo ele, foi a causa?
Ele teve a escolha entre duas hipóteses; o dos germes do ar com Spallanzani e
Schwann e o da geração espontânea; ele escolheu o segundo, afirmando que esses
seres nasceram espontaneamente da matéria albuminóide das matérias nitrogenadas.
Para provar isso, ele fez as duas experiências a seguir que são importantes para
lembrar: 1. Annales de chimie et de physique 3d S, Vol. LII, p. 404 "O fermento
láctico nasce espontaneamente com tanta facilidade quanto o fermento de cerveja,
sempre que as condições sejam favoráveis. Haja, por exemplo, primeiro, água de
fermento adoçado sem adição e, segundo, o mesmo com adição de giz. a solução clara
do primeiro temos levedura de cerveja e fermentação alcoólica; na solução a que foi
adicionado giz, levedura láctea e fermentação láctica serão desenvolvidas.As
leveduras nascem espontaneamente da matéria albuminóide fornecida pela parte
solúvel do fermento; o fermento de cerveja porque a água do fermento é ácido, o
fermento láctico porque o giz torna o fermento neutro. " Podemos dizer então que
Pasteur e Berthelot propuseram, cada um a seu modo, a alteração espontânea da
matéria nitrogenada nas condições especificadas por Macquer, mas enquanto essa
alteração resultou na geração espontânea dos fermentos de acordo com Pasteur,
Berthelot não expressou suas opiniões sobre a origem dos seres vivos se
desenvolveram. Quanto à maneira como o fermento láctico agia, como Pasteur o
entendeu? Cagniard de Latour havia dito que a fermentação do açúcar era um efeito
da vegetação do fermento; Pasteur disse sobre o fermento láctico que "sua ação
química é correlativa ao seu desenvolvimento e à sua organização", que, embora em
outras palavras, é a mesma coisa e pode ser classificada como uma explicação por
contato catalítico. Assim, insisti fortemente neste trabalho anterior de Pasteur
sobre fermentações por duas razões: primeiro, estabelecer firmemente quão vãos
foram os esforços de Schwann para estabelecer a idéia de que não pode haver
alteração espontânea de matérias orgânicas por fermentação sem a presença de seres
vivos especiais e que, de acordo com a hipótese dos germes, esses seres vivos não
eram o produto da geração espontânea. Em segundo lugar, para mostrar como, em 1858,
Pasteur, tendo permanecido um esponteparista em relação a esses seres vivos, bem
como ao fermento de cerveja e ao fermento láctico, sustentou que essas questões
orgânicas eram espontaneamente alteráveis. Veremos como, alguns anos depois,
Pasteur descobrirá subitamente que fermentos nunca nascem espontaneamente, mas
sempre desses germes atmosféricos que ele havia negligenciado; ele até descobrirá
que a matéria albuminóide não é necessária para isso. Em seguida, ele fingirá
demonstrar que sem esses germes toda a matéria orgânica, sem exceção, mesmo um
cadáver inteiro, permanecerá inalterada indefinidamente.

Primeiro, será útil conhecer certas partes e certas conclusões de suas memórias
sobre a fermentação alcoólica do açúcar de cana por levedura de cerveja no ano de
1860. 1 1. Anais de química e física 3d S, Vol. LVIII

Deste trabalho, é primeiro Lembre-se de que Pasteur nele novamente afirma a geração
espontânea de levedura de cerveja e, em seguida, o fato absolutamente novo de que a
glicerina está entre os produtos da fermentação, o mesmo que no vinho da
fermentação vínica. Ele também descobriu nele o ácido succínico, que havia sido
descoberto por Schmidt há muito tempo. No que diz respeito à ação química da célula
da levedura de cerveja, é igualmente correlacionada com o seu desenvolvimento e
organização. Ele estava, de fato, tão certo de que o fermento não participava mais
do fenômeno, que trabalhou duro para provar que todos os produtos da fermentação
vinham do açúcar, o que seria uma heresia fisiológica se a fermentação fosse um
fenômeno nutricional realizado dentro do fermento. É assim que, sobre a
interessante questão de saber se o açúcar da cana é diretamente invertido ou se é
invertido pela primeira vez (como foi a opinião de Dubrunfaut de acordo com a
observação de Dumas, que havia mostrado que, para a equação da fermentação, a
simultaneidade da água com o açúcar de cana é necessário), Pasteur pronunciou-se
para a fermentação direta, afirmando que a inversão foi consecutiva à formação de
ácido succínico. No entanto, ele sabia que eu havia demonstrado a inversão do
açúcar por produções organizadas que nascem em água açucarada exposta ao ar. Não
obstante, ele escreveu o seguinte, o que é típico: "Não acho que exista um poder
especial nos glóbulos do fermento para transformar o açúcar de cana em açúcar de
uva". 1 1. Loc. cit., p. 357. Em relação a isso, é necessária uma observação.
Algumas pessoas, não: bem informadas, atribuíram M. M. Berth à descoberta da
propriedade do fermento de cerveja para inverter o açúcar de cana. Aquele sábio não
tinha nada a ver com isso. A seguir está a verdade sobre isso. Em 1840,
Mitscherlich descobriu que o licor límpido obtido pela drenagem do fermento de
cerveja em um filtro possui a propriedade de convocar o açúcar de cana em açúcar
não cristalizável, enquanto os glóbulos do fermento bem lavados com água pura são
inteiramente privados dessa propriedade. (Relatório anual de Berzelius, ano 3d, p.
278, edição francesa, 1843.) E Berzelius acrescentou: 'A formação do açúcar não
cristalizável não se deve aos glóbulos do fermento, mas a uma matéria solúvel na
água com a qual eles são misturados. "Agora, em 1860, M. Berthelot simplesmente
confirmou o fato e isolou a matéria solúvel, da qual Berzelius falou, mas não
demonstrou que havia uma propriedade especial de transformação do açúcar de cana
nos glóbulos. o que demonstrei depois de ter descoberto que os bolores nascidos na
água açucarada sem manjedoura albuminóide possuem individualmente o poder de
inversão e que era necessário para provar que o fermento solúvel não era um produto
da mudança. Veja "Les Microzymas. "pp. 45-47. e 'Memoir sur les Maderes
albuminoides", p. 352, para a história completa dos zitozimas. Ele sabia também que
Berthelot supunha que a redução do açúcar em álcool e ácido carbônico fosse
comparada à redução da amigdalina pela sinaptase. Ele sabia que Dumas havia
afirmado claramente que o fermento, como um animal, não podia ser nutrido apenas
com açúcar; que, para sua vida normal, era necessária uma matéria albuminóide
apropriada. Se ele não fez nada para elucidar essas questões importantes, foi
porque estava obcecado com o preconceito de que não há nada em comum entre a
organização e a vida de uma célula de levedura e a de uma célula animal. Isso
porque ele considerava certo que os fermentos são seres vivos separados por destino
e que as fermentações são fenômenos individuais. Ele afirmou que um fermento
especial corresponde a cada fermentação. Esse estado de espírito e uma observação
sugeriram a Pasteur um experimento que o Dr. E. Roux, maravilhou! dará direito a um
"experimento à la Pasteur". Esse experimento memorável teve por objetivo a
multiplicação, ou seja, a vegetação com reprodução, de levedura de cerveja em meio
açucarado, sem a adição de matéria albuminóide apropriada. A observação que o fez
tentar foi a seguinte: Pasteur ficou muito impressionado com os resultados de
minhas experiências com a inversão do açúcar de cana pelas várias produções
desenvolvidas em sua solução aquosa e, principalmente, pelo ato de que a adição de
certos sais minerais não-amoniacais tiveram o efeito de aumentar a colheita dessas
produções enquanto as faz variar. Agora, o nitrogênio necessário para a síntese das
matérias albuminóides desses moldes só poderia ser o do ar deixado nos frascos em
contato com esses licores adoçados. Pasteur repetiu os experimentos e estava
convencido não apenas de que fermentos verdadeiros de muitas espécies eram
desenvolvidos sem o emprego de matérias albuminóides, mas que esses fermentos
haviam formado esses assuntos por síntese. Então aquele que afirmou que os
fermentos nasceram espontaneamente das matérias albuminóides da mídia açucarada
teve que alterar sua opinião anterior. Certamente, não mais do que eu, Pasteur
poderia ter visto o fermento de cerveja aparecer nas condições em que os
experimentos haviam sido reduzidos à sua expressão mais simples, a fim de tornar
mais impressionante a evidência de que não havia dúvida de geração espontânea. Ele
pensou que teria mais sucesso adicionando a uma solução de açúcar cristalizado o
tartarato certo de amônia e, para os sais minerais, as cinzas do próprio fermento;
como não conseguiu melhor, acrescentou à mesma mistura muito fermento, na esperança
de que o tartarato de amônia e o açúcar se formassem por cópula uma matéria
albuminóide que ajudaria a multiplicar os glóbulos do fermento. Existem duas
versões dos resultados dos experimentos. Um deles, o de Roux, concordando mais ou
menos com um imitado de Pasteur, é o seguinte: "Pasteur", disse ele, "viu o ácido
carbônico libertado, o fermento aumentado ... ele observou que todo o o açúcar
desapareceu, transferido para álcool, ácido carbônico etc. " 1. O outro, de
Pasteur, 2 é muito diferente disso. De fato, foi libertado ácido carbônico, mas em
glóbulos microscópicos; um pouco de açúcar havia desaparecido, mas de dez gramas,
5,5 gramas não haviam fermentado: havia álcool, mas apenas uma quantidade muito
pequena, sensível, mas insuficiente para pesar, etc. O que aconteceu então com o
açúcar que desapareceu? Tornara-se ácido lático, que fornecia "uma abundante
cristalização do lactato de cal"; em suma, a fermentação em vez de ser alcoólica
tinha sido láctica! 1.Revue Rose, Vol. X, quarto S., p834 (1898) 2. Annales of
chemie and physique 3d S., vol. LVIII pp383 a 392 (1860) Agora, para a explicação
dos fatos de acordo com a teoria microzymiana: Pasteur, tendo continuado a
negligenciar a hipótese dos germes, descobriu que a situação da levedura de cerveja
era extra-fisiológica, seus glóbulos proliferaram no despesa com a reserva de seu
conteúdo, para que logo chegasse o momento em que se esgotassem, o novo depois do
antigo, enquanto infusórios e leveduras lácticas espalhariam o licor. "A infusoria
desapareceu e o fermento láctico se multiplicou", disse Pasteur. Cerca de um mês
depois, o fermento láctico continuava aumentando, os fermentos foram coletados e
pesados. Pasteur deu seus resultados como sendo "da mais rigorosa exatidão". No
entanto, afirmo que, nas condições de seu experimento, a quantidade de levedura
coletada deve ter sido menor que a quantidade de levedura semeada. Agora,
refletindo sobre o que ele pensava ser um aumento do fermento e essa produção de
fermento láctico, ele deu a esse experimento "como iluminar com um novo dia os
fenômenos da fermentação". Essa declaração é aplicável às minhas experiências com
as memórias de 1857, que são realmente demonstrativas e que Pasteur tentou atribuir
a si mesmo enquanto imitava após repeti-las. De fato, foi um plágio em detrimento
da ciência. 1 Para concluir a exposição do estado da questão em 1860, aqui está um
experimento de Berthelot no sentido meu. O autor fez uma solução de gelatina,
glicose e bicarbonato de potássio, saturou-a com ácido carbônico, filtrou-a
enquanto quente em um alambique que ele encheu completamente e deixou para si. Ao
final de um período maior ou menor (algumas semanas), o gás foi liberado e uma
grande quantidade de álcool foi formada. Ao mesmo tempo, um ligeiro depósito
insolúvel foi formado "composto por um número enorme de granulações moleculares,
muito menor que o fermento de cerveja e com aparência muito diferente". 2. 1. O Dr.
E. Roux, evidentemente com o objetivo de levar as pessoas a acreditarem na
prioridade de Pasteur nesse assunto, declarou que o experimento foi realizado em
1856, antes da publicação de minhas memórias; enquanto realmente era em 10 de
dezembro de 1858, vários meses após a publicação do livro de memórias, em que M.
Pasteur afirmou que os fermentos eram o resultado da geração espontânea de matérias
albuminóides ("prenent espontanement naissance des matieres albuminodies),
posteriormente por um ano para o depósito de minhas memórias na Academia de
Ciências, publicado por extratos no primeiro Compte Rendu de 1858, e extenso nos
Annales de chimie et dephysique, em setembro do mesmo ano. ME Roux teve a audácia
de escrever que "o trabalho médico de Pasteur começou com o estudo das
fermentações" (Agenda du chimiste de 1896); isso era uma mentira absoluta, pois
sete anos depois M. Pasteur ainda não havia alcançado para um entendimento
elementar sobre eles, M. Roux não foi aos documentos originais ou estava ansioso
por contribuir com a lenda que atribui a M. Pasteur a descoberta dos fatos da
teoria microzymiana. A única expressão adequada é que a lenda é uma falsidade. "[A.
FA" mais iluminação "é lançada sobre esse assunto, tão desacreditável para a
ciência e seus professos mestres durante o último quartel do século XIX, em" Les
grands problemes medicaux ", Paris, 1905, pp. 12.13, as afirmações em que pode ser
verificado
por qualquer pessoa que possua um conhecimento moderado de química fisiológica,
que se dará ao trabalho de ler e estudar a Seção III das memórias de Pasteur, que
pode ser encontrada no Annales de chimie et dephysique, 3d Series, Vol. LVIII, p.
381, e sub. Nesse estudo que está sendo feito, o experimento lá fingido ter sido
feito será visto como FALSO, pura e simplesmente - um falso! - . 2. Chimie
organique fondee sur synthese, Vol. II, p. 625 (1860) Berthelot não atribuiu nenhum
papel a essas granulações moleculares, e acreditando que ele havia realizado o
experimento "protegido do contato com o ar ", afirmou, como em 1857, que a presença
de carbonato de cálcio (o giz) ou qualquer bicarbonato alcalino direciona a
decomposição do corpo nitrogenado (neste caso, a gelatina) de uma certa maneira que
configura a fermentação regulando as etapas dos fenômenos. Em suma, Berthelot ainda
não havia distinguido entre as rochas calcárias (o giz) e o carbonato de cálcio
puro, exatamente como Pasteur nesse assunto, e ainda não acreditava que os germes
atmosféricos tivessem algo a ver com a aparência das granulações moleculares. Em
suma, ele naturalmente acreditava que o fermento láctico de Pasteur também era
constituído por granulações moleculares e que não havia nada para mostrar que era
organizado e vivo; como foi a opinião de Pasteur, que, em 1858, afirmou que havia
argumentado "na hipótese de que o novo fermento fosse organizado e vivo". Esse era
o estado do conhecimento em 1860, e até muito mais tarde. Não se sabia, embora já
se destacasse dos fatos de minhas memórias de 1857, e que a teoria microzymian
confirmou desde então, que aquilo que caracteriza o fato de uma organização viva
não é essencialmente, como ainda acreditam os naturalistas das escolas. , o
estabelecimento da existência de algum órgão ou estrutura, nem é a presença de
movimento mais ou menos espontâneo ou voluntário em qualquer ser vivo, seja como um
microzima, granulação molecular ou fermento láctico ou um vibrioniano. Antes, a
organização viva é caracterizada pela propriedade de produzir e secretar zymases,
cada um de acordo com sua natureza ou espécie; e a produção dos fenômenos quimico-
fisiológicos de transformação chamados fermentação, que são atos de nutrição, isto
é, digestão, seguidos de absorção, assimilação, desassimilação, etc., e finalmente,
a capacidade de se reproduzir, se tudo condições dependentes da nutrição sejam
cumpridas. Foi isso que Pasteur não conseguiu entender quando alegou, em 1860, que
a fermentação do açúcar de cana por levedura de cerveja estava correlacionada à
multiplicação do fermento, o que é uma grande heresia fisiológica, ao imaginar que
um animal poderia ser nutrido apenas com açúcar. Mas logo depois, Pasteur, que
ainda não havia invocado explicitamente os germes na explicação das alterações das
matérias orgânicas e da produção - das alterações das matérias orgânicas e da
produção de fermentos, explicaria por eles o que ele havia explicado anteriormente
por geração espontânea; em suma, ele considerou a verificação da hipótese tão
rigorosamente correta que, em 1862, publicou um livro de memórias contra a geração
espontânea, em que a alteração de todas as questões orgânicas era explicada como
Schwann havia feito, aplicando seu método aperfeiçoado por Claude Bernard. Esse foi
o seu segundo plágio. Suas experiências nas memórias de 1852 foram feitas com
substâncias orgânicas tratadas, cozidas, com o objetivo de matar os germes que o ar
poderia ter depositado sobre eles. Em 1863, ele os repetiu com sangue e carne, não
cozidos, com o objetivo de provar que eles não continham germes capazes de se
tornarem vibrios e que, sem germes atmosféricos, seriam inalteráveis. Não sendo
capaz de aquecer a carne da mesma maneira que o sangue, ele aplicou meu método,
substituindo o álcool no lugar do creosote. Esse foi um terceiro plágio. Mas ele
não podia ver os vibrioniens que, apesar do agente anti-séptico, eram desenvolvidos
nas profundezas da carne, e concluímos que nem o sangue nem os músculos se
apodreciam porque os germes do ar estavam ausentes neles. E ele considerou provado
que não havia nada vivendo no sangue ou na carne, e que todos os assuntos de
animais, sem os germes do ar, permaneceriam indefinidamente inalterados. Enquanto
Pasteur experimentava, continuei desenvolvendo as consequências de minhas memórias
de 1857. Demonstrei especialmente que não eram apenas os germes atmosféricos
desnecessários para a fermentação vínica, mas também eram prejudiciais e que a uva
carregava normalmente, sobre si mesma, as células dos fermentos das borras; não
apenas os germes, mas o fermento totalmente desenvolvido. Isso foi em 1864.
Finalmente, em 1865, anunciei a Dumas o fato da existência no leite e no giz do
agente causador da alteração espontânea do primeiro e do que possibilita o segundo
para atuar como fermento láctico, agentes aos quais no ano seguinte dei o nome de
microzymas. Pasteur, que havia sido nomeado membro da comissão nas minhas memórias
sobre o fermento do giz, não disse uma palavra e continuei com Estor o estudo dos
microzymas dos organismos superiores, até aplicações em patologia, como pode ser
visto. no postface. Isso foi em 1870. Em 1872, Pasteur tentou seu plágio mais
ousado; De repente, ele descobriu, oito anos após a minha descoberta (declararei em
outro lugar - em que ocasião), que o fermento da fermentação vínica existe
naturalmente na uva. Nesse contexto, ele descobriu também que os assuntos de
plantas e animais contêm normalmente as coisas que os fazem alterar
espontaneamente; que suas células, sem os germes atmosféricos, são fermentos. Em
outras palavras, ele repudiou seus experimentos e conclusões de 1862. Ele anunciou
que suas "novas descobertas" marcariam uma época na fisiologia geral; e ele afirmou
que havia lançado uma grande luz sobre os fenômenos da fermentação e "havia aberto
um novo caminho para a fisiologia e a patologia médica". [uma. Quando um livro de
memórias é apresentado à Academia que parece ter uma importância mais do que o
habitual, uma comissão é nomeada composta por membros com reputação de
especialistas em estudos semelhantes para examinar e relatar o livro de memórias.
Foi de tal comissão sobre as memórias de Béchamp sobre os fermentos de giz dos
quais M. Pasteur foi nomeado membro. - . Isso era demais: até aquele momento eu
havia tratado o homem com consideração; mas agora ele deve ser exposto
adequadamente. Primeiro eu, depois Estor e eu juntos, protestamos energicamente.
Nossos protestos foram inseridos literalmente por Dumas e Elie de Beaumont; o texto
completo pode ser lido no Comptes Rendus, vol. LXXV, pp. 1284, 1519, 1523 e 1831.
Pasteur respondeu por um subterfúgio, ao qual respondemos da seguinte forma:
"Solicitamos à Academia que nos permita registrar que as observações inseridas nos
nomes de M. Béchamp e de nós mesmos permanecem sem resposta. " Pasteur não disse
mais nada e, abandonando "a nova estrada" que ele fingia ter aberto (uma estrada
que mostramos que não só tínhamos aberto, mas que havíamos atravessado com
firmeza), ele refez seus passos. Então, enquanto desde 1858 ele não discutia o
significado de nenhum dos resultados, de nenhum dos atos sobre os quais a teoria
microzymiana se baseia, resultados e fatos que ele sabia serem exatos e a
descoberta da qual ele tentava atribuir a si mesmo; então, digo, foi que ele se
comprometeu em 1876 a explicá-los todos pelos germes atmosféricos, como os
"explicara", em 1862, por geração espontânea. Ele evocou sua experiência com o
sangue em 1863 e, sem dúvida, porque Estor e eu, após a descoberta dos microzymas
da fibrina, não achamos que merecesse crítica, ele a qualificou de famosa (!),
Usando-a para negar até a existência dos microzymas. Ele então pediu aos
aprovadores que sustentassem que o leite cru, como o sangue, é inalterável quando
preservado do contato com o ar natural; que sem germes atmosféricos não haveria
fermentação nem doença, porque não haveria fermentos nem micróbios; para Pasteur,
apesar da imprecisão da etimologia, adotou essa palavra com a qual designar os
microrganismos. Em suma, Pasteur, que entendeu o que ele tratava nesse assunto,
acabou causando a crença de que as coisas eram como ele gostaria que fossem, o que,
como ele mesmo disse, "é o maior distúrbio da mente". A parte mais estranha do
negócio é que se acreditava e que era capaz de fazer das academias seus cúmplices1.
1. O seguinte é típico a este respeito. M. Pasteur tratara M. Fremy com vergonha,
porque sustentara que o cream cheese produzia fermentação láctica por si só. Eu
disse a ele: "Mas mostre então à Academia os microzymas do leite e da nata, que são
o fermento láctico de M. Pasteur e você o confundirá". "Ah", disse ele, "nunca me
atreveria a pronunciar a palavra microzyma na Academia". Até certo ponto, o Sr.
Pasteur astuciosamente manobrou! É verdade que ele havia ao mesmo tempo organizado
a conspiração do silêncio em torno dos trabalhos relacionados à teoria microzymiana
- tão minuciosamente que um dia, após uma discussão durante a qual eu havia atacado
os princípios das doutrinas microbianas e defendido a microzymian teoria, Cornil
sustentava que as descobertas de Pasteur haviam sido verificadas em todos os países
e que eu estava sozinho contra toda a vontade; ao que eu respondi: "Não é porque
todo mundo pensa que é verdade. Já demonstrei em uma comunicação já antiga que o
sistema protoplasmático, falso em seus princípios, também é falso em suas
conseqüências. É o mesmo com o microbiano. Pela dignidade da ciência e da razão
humana, é hora de serem abandonadas! " A discussão não parou por aí. Vou narrar o
restante, que é mais instrutivo, em A História das Doutrinas Microbianas, para
mostrar o tipo de respeito que Pasteur tinha pela verdade. É verdade que não fomos
tratados como Galileu pela Inquisição, mas Estor, dolorosamente aflito, escreveu-me
isso, o que constitui uma grave testemunha contra o espírito da época: "Podemos
publicar cartas de membros do Instituto que nos imploram em o nome de nosso
interesse pessoal para não avançar mais na estrada aberta (por nós) ... mas que
eles estejam convencidos de que protestos energéticos serão direcionados para onde
quer que se espere encontrar ciência e honestidade associadas ". Aquele sábio
honrado e consciente morreu de pesar! 1. Boletim da Academia de Medicina, 2d S.,
vol. XV, p. 679 (1386). [uma,. A tradução deste trabalho, e sua publicação, é um
dos primeiros protestos que o nobre Estor predisse. Espera-se que isso marque o
ponto de virada dos seguidores da ciência a partir da sabedoria dos "filósofos de
Lilliput", na qual tantos deles foram chafurdando - e, o que é pior, treinando
estudantes de biologia, fisiologia, patologia e medicina em confundir loucuras por
sabedoria! - [. A teoria microzymian experimentou em nossos dias, como era o caso
anteriormente, o destino de todas as novas verdades que vão contra os hábitos, as
paixões e os interesses dos que estão no poder. É porque a razão do homem, isto é,
aquela parte que se tornou vacilante, sem lastro, hipócrita e farasaical,
permaneceu a mesma que era nos dias de Aristarco, de Sócrates, de Galileu. É a
parte da humanidade que permite ao plagiador caluniar e difamar a vítima cujo
trabalho ele plagiou.

Todos os anos desde 1860 na Universidade de Montpellier, no início do curso de


química médica da Faculdade de Medicina, o assistente escrevia no quadro de avisos
um anúncio dos princípios fundamentais da instrução que seria proferida pelo Prof.
A Béchamp. Esse anúncio é prefixado como "Les Microzymas" (páginas XXXVII-XXXVIII),
demonstrando que já em 1860 os pontos de vista de Béchamp sobre os assuntos
mencionados foram resolvidos, e nada ocorreu desde então para mostrar que eles são
errôneos. "Existe apenas uma química. A matéria é dotada apenas de atividade
química e física." Não existe matéria essencialmente orgânica, toda matéria é
mineral. "O que é chamado de matéria orgânica é apenas matéria mineral com carbono
como constituinte necessário

". A matéria orgânica, quimicamente definida, é profundamente distinta da matéria


organizada. "O químico pode, por síntese, formar matéria orgânica; ele é impotente
para organizá-la; ele não pode criar uma única célula." A faculdade de organizar a
matéria reside, primordialmente, em organismos vivos pré-existentes. "É nos vários
mecanismos do organismo dos seres organizados que são realizadas as mudanças da
matéria orgânica, organizadas ou não; e essas mudanças são efetuadas de acordo com
as leis comuns da química". Do ponto de vista químico, as plantas são
essencialmente aparato de síntese, aparato de animais para análise. "

AVANT-PROPOS O objetivo deste trabalho é a solução de um problema de primeira


ordem; é mostrar qual é a natureza real do sangue e qual é o caráter de seu sangue.
organização, além disso, tem um objetivo secundário: a solução de um problema
declarado há muito tempo, mas nunca resolvido, quanto à causa de sua coagulação,
corretamente considerada espontânea, após a saída dos vasos sanguíneos. Chegou-se
ao fato de que o sangue é um tecido que flui, como tal, espontaneamente alterável
da mesma maneira que todos os outros tecidos são retirados do animal, sendo a
coagulação do sangue apenas a primeira fase de sua mudança espontânea. tedioso
demais para dar um resumo do que havia sido escrito sobre o sangue antes da
descoberta de Harvey e dos glóbulos sanguíneos; Simplesmente observarei aqui que,
tanto antes como depois dessas descobertas memoráveis, o sangue foi quase
exclusivamente chamado de líquido pelos fisiologistas que o estudaram
especialmente. Isso aparecerá abundantemente a partir da introdução histórica,
especialmente no que diz respeito às tentativas de explicação dos fenômenos
denominadas sua coagulação espontânea.

INTRODUTÓRIO E HISTÓRICO A explicação do fato da coagulação do sangue, justamente


considerada espontânea, tem sido procurada por fisiologistas, médicos e químicos,
mas sem resultado satisfatório. A história detalhada das tentativas de explicação
demonstraria apenas a inutilidade das hipóteses e sistemas preconcebidos nos quais
repousam. Entre todas essas hipóteses, apenas uma merece atenção, justamente a que
os últimos pesquisadores deixaram de considerar ou verificar. A história da
concepção dessa hipótese é de grande interesse. Desde tempos imemoriais, sabia-se
que o sangue derramado logo se torna uma massa de concreto, vermelha, de
consistência mais ou menos mole e denominada coágulo; o fenômeno foi comparado à
coagulação de um líquido homogêneo. Somente no século XVIII, Haller (no suplemento
ao artigo "Sangue", na Enciclopédia de Diderot), depois de corrigir alguns erros de
Leuwenhoeck em relação aos glóbulos sanguíneos, afirmou absolutamente que eram
elementos essenciais do sangue, existindo apenas na parte vermelha e, disse ele,
"talvez também no leite". Mas ele reconheceu que "a figura dos glóbulos sanguíneos
é constante e que eles não são apenas uma coleção de grãos gordurosos ... mas
circunscritos, limitados e sólidos". Haller também primeiro colocou a coagulação
espontânea do sangue em seu verdadeiro terreno (remontando a teoria a Aristóteles):

"Um elemento do sangue, geralmente tão considerado pelos antigos, especialmente por
Aristóteles, são as fibras que os escolásticos consideravam o fundamento da matéria
coagulável do sangue; essas fibras foram vistas no bolo de coágulos que o sangue,
deixado por si mesmo, nunca deixa de formar, e que parece ser realmente uma espécie
de rede feita de pequenas membranas, que podem ser separado da parte fluida e pode
ser visto claramente ". Mas Haller não admitiu que as fibras fossem realmente um
elemento do sangue. Ele disse: "Se os autores desejam que entendamos que essas
fibras estão no sangue, assim como os glóbulos, elas certamente estão erradas". Em
apoio a sua visão, ele citou Borelli, o matemático, que fora o primeiro a se
recusar a admitir "as fibras entre os elementos do sangue, como também Boerhave e
outros grandes homens que o seguiram", acrescentando ainda mais: "Se o os autores
desejam dizer que, sob certas circunstâncias, as fibras e os flocos nascem no
sangue, ele não se opôs ", mas observou que essas fibras e flocos pareciam ter
nascido mais na linfa do que nas partículas vermelhas do sangue. Em resumo, de
acordo com Haller, o sangue não continha nada sólido e figurava, exceto os glóbulos
de um líquido chamado linfa, acrescentando que ele recomendara como uma boa maneira
de tornar os glóbulos visíveis a adição de certos sais ao sangue, o que aumentava a
fluidez e a cor; "sendo nitro de todos os sais o que dá a melhor cor ao sangue".
Haller, que derivou as fibras do coágulo da linfa do sangue, era o precursor dos
savants, que, como ele, viam no sangue apenas glóbulos em suspensão em um líquido
onde todo o resto deveria estar em estado de alerta. solução perfeita. As
circunstâncias da formação do coágulo, sua forma dependendo da do vaso em que foi
formado, sua progressiva contração e expulsão da serosidade amarela, daí o chamado
soro, foram todas observadas com curiosidade atenta. Tendo o sangue terminado sua
contração, as lavagens na água que dissolviam sua matéria corante forneceram a
substância branca que foi chamada porção fibrosa do sangue e, após a reforma da
nomenclatura química, fibrina. A fibrina foi finalmente isolada do sangue por
chicoteamento, antes de coagular. O grande fisiologista alemão J. Muller acreditava
com Haller: ele escreveu: "Por licor de sangue (licor, lympha sanguinis) queremos
dizer o líquido incolor, tal como existe antes da coagulação, no qual os glóbulos
sanguíneos nadam... contém tudo o que é realmente dissolvido no sangue. No momento
da coagulação, o licor se separa da fibrina que antes havia sido dissolvida "; e a
partir de suas observações microscópicas sobre o sangue de sapo, ele pensou que
suas pesquisas "provavam que, além do albúmen, a fibrina estava dissolvida no licor
do sangue". HH Schultze deu o nome de plasma à linfa de Haller, que Muller havia
chamado de licor saunguinis. A conclusão de J. Muller foi a mais cautelosa, visto
que era uma refutação ou contradição de outro modo de considerá-la, já publicado.
W. Hewson havia expressado duas opiniões, uma das quais concordava com a de Muller;
o outro era original. Segundo o primeiro, a fibrina existe no sangue em um estado
de solução; de acordo com o outro, ele existe em suspensão em um estado de
granulações finas; ele ainda admitiu que os glóbulos não continham fibrina. Milne-
Edwards aceitou a segunda opinião de Hew son, sustentando que a fibrina não existia
em solução no sangue, mas em um estado finamente dividido como sólido, sob a forma
de granulações finas, que após o sangue ter sido derramado e deixado em repouso,
unidos na forma de fibras do coágulo ou chicoteando para formar fibrina. Dumas,
que, com Prevost de Genebra, havia admitido primeiro a origem globular da fibrina
para explicar a coagulação, depois aceitou, em certa medida, a opinião de Milne-
Edwards. É importante explicar o ponto de vista de tal gênio. Ele disse: "Nenhuma
das propriedades da fibrina nos fornece os meios de explicar o estado em que ela
existe no sangue. Não foi possível trazer de volta a fibrina a essa condição por
nenhum processo conhecido. De fato, o sangue contém a fibrina, tanto líquida quanto
espontaneamente coagulável ... Tudo leva à crença de que essa fibrina do sangue não
está em solução, mas que existe ali em um estado finamente dividido, que mantém
enquanto o líquido estiver em movimento, mas que, no líquido em repouso, pára
repentinamente como conseqüência da disposição das partículas de fibrina para se
unirem em uma rede fibrosa e membranosa. " Mais tarde, ele modificou essa visão da
seguinte maneira: "O sangue contém uma quantidade de fibrina espontaneamente
coagulável em suspensão, ou em um estado tão próximo da solução, que parece estar
realmente dissolvido nele; análogo ao apresentado pelo amido misturado com água na
solução aquosa de amido. "Mas nem a visão de Hewson, nem a de Milne-Edwards, nem a
dos ilustres Dumas a respeito do estado individual da fibrina no sangue, que , como
será visto, foram os mais próximos da verdade, receberam muita consideração e logo
se perderam de vista.Os fisiologistas reverteram cada vez mais a visão de Haller
adotada por J. Muller e Schultze.A palavra "plasma" prevaleceu sobre linfático, e
sustentava-se que tudo, exceto os glóbulos, estava em um estado de solução completa
no sangue.Eles chegaram finalmente a acreditar que o sangue não continha fibrina
mesmo em um estado de solução.Em suma, a fibrina que era chamada o "corpo de delit"
da coagulação do sangue, por sua vez, era imaginado como a mesma substância que o
albúmen, e imaginava-se ainda que: - o albúmen do sangue não era outro senão a
fibrina combinada com os álcalis do sangue , apenas a parte não tão ser coagulável;
- que o plasma continha plasmina, que, quando fora dos vasos, se transformava por
decomposição espontânea em fibrina de concreto e em fibrina dissolvida, também
denominada metalbumen; - que a fibrina não existe no sangue ou no plasma; mas que
eles contêm, em solução, substâncias chamadas fibrinogênio e fibrinoplastina,
respectivamente, que, fora dos vasos, sob a influência de um fermento, produziam a
fibrina com a eliminação de álcalis, etc. Químicos concordando com Thenard passaram
a observar a fibrina como uma questão animal isolada, isto é, um "princípio
próximo", de acordo com a definição de Chevreul. Glenard, que prestou muita atenção
ao fenômeno da coagulação do sangue e suas causas, escreveu sobre o assunto da
fibrina, como segue: "A ciência ainda não foi capaz de estabelecer a constituição
da fibrina, do corpo". delit "da coagulação; não se sabe se é derivado do albúmen
ou se deve ser considerado um de seus estágios; e a fórmula dessa substância varia
de acordo com cada químico; não se sabe se é matéria supérflua (recrutadora) ou um
produto da excreção, de um nutrimento ou de um resíduo orgânico.Portanto, é uma
conclusão legítima que, após um século de hipóteses sobre hipóteses, voltamos ao
ponto em que Haller havia deixado a questão. Milne-Edwards e Dumas, bem como
algumas pesquisas que pareciam aproximadamente uma verificação do mesmo, não é de
surpreender que cientistas que não entendem nem a natureza real da fibrina nem sua
origem tenham recorrido à causa oculta es para a explicação do fenômeno da
coagulação. O célebre cirurgião inglês Hunter, pensou que: "o sangue coagula em
virtude de uma impressão, ou seja, que sua fluidez é inoportuna ou não é mais
necessária em seu estado de repouso após a saída dos vasos, ele coagula em resposta
ao costumes indispensáveis de solidez "; também disse que "o sangue possui em si a
força, em virtude da qual age em conformidade com o estímulo da necessidade, uma
necessidade derivada da posição em que se encontra". E Hunter escreveu na época de
Haller. Muito tempo depois, Henle, tendo dito que a causa da coagulação do sangue
logo após a cessação da circulação era desconhecida, acrescentou: "A coagulação é
frequentemente vista como o último ato da vida, como a morte do sangue". Este ponto
de vista, que não era o de Henle, foi recentemente revivido e adaptado ao sistema
representado pela palavra plasma. Em resumo, as seguintes proposições podem ser
coletadas de um trabalho cheio de interessantes
observações sobre a coagulação do sangue: "O sangue é dotado de uma vida própria".
"Coagulação é sinônimo de morte do sangue". "Pelo fato da coagulação espontânea, o
plasma perde sua principal propriedade, a da vida, e a partir do estado de um humor
organizado torna-se um agregado inerte de princípios próximos". "A coagulação é a
desorganização do plasma". "É o fato desta organização que luta por alguns minutos
contra a influência fatal no sangue derramado do contato com corpos estranhos". Bem
aqui, antes de prosseguir, será o lugar para procurar a substância sob a máscara
das palavras. É verdade que o autor das proposições acima não invocou, como Hunter,
"uma impressão" ou "os indispensáveis costumes da solidez" nem "o estímulo da
necessidade" para explicar o fenômeno da coagulação espontânea do sangue, mas ele
escapou dos cardumes de “causas ocultas?” É verdade que o sangue que emite de um
corpo vivo está vivo. Mas não é uma “explicação” das causas ocultas dizer que o
sangue coagula porque morre? A principal propriedade do plasma, um humor
organizado, é viver, não é a luta de sua organização contra a influência fatal do
contato, a perda de sua vida, também uma "explicação" por causas ocultas? Também o
plasma é um líquido aquoso , em que os materiais que a compõem não podem ser senão
princípios próximos, são por hipótese e por definição em um estado de solução
perfeita, não é uma explicação por causas ocultas dizer que a causa de sua
coagulação espontânea é sua desorganização, etc. E o que t é o valor das
explicações por causas ocultas? Aqui está a resposta dada a essa pergunta por
Newton: "Dizer que cada espécie de coisa é dotada de uma qualidade oculta
específica, por meio da qual ela possui um certo poder de ação e pode produzir
efeitos sensíveis, é não dizer absolutamente nada". . " No entanto, se em 1875 o
autor (M. Glenard) foi reduzido ao extremo de procurar uma explicação do fenômeno
em considerações fora da anatomia, fisiologia e química, foi porque o então estado
da ciência não ofereceu nada mais satisfatório. Nas transações da Academia de
Ciências do mesmo ano, há tentativas de explicação que comparavam a chamada
coagulação do leite à do sangue. Ainda mais tarde, M. Frey, voltando aos métodos de
Muller e Haller, disse: "Estudado do ponto de vista anatômico, o sangue oferece
para nossa consideração um líquido incolor transparente, o plasma ou licor
sanguinis, em que flutuam dois tipos de células celulares. elementos, as células
coloridas ou glóbulos vermelhos e as células incolores ou glóbulos linfáticos ". E,
no que diz respeito à fibrina, ele diz: "Não se sabe sob que forma existe nos
líquidos do organismo antes da coagulação, e geralmente se supõe que seja um
derivado do albume". Isso significa dizer que os glóbulos vermelhos e os leucócitos
são os únicos elementos figurados do sangue, e que o plasma mantém os materiais que
o compõem em solução perfeita, como Muller pensou que ele havia demonstrado por seu
licor sanguinis, sendo esses materiais redutíveis a partir do sangue. ponto de
vista orgânico ao albume. Além disso, Frey acreditava tão profundamente nisso que
ele disse: "As rápidas trocas nutritivas que são produzidas no líquido nutritivo do
organismo impedem a formação de fibrina durante a vida".

Tudo isso equivale a dizer que, no momento do derramamento, o sangue não contém
fibrina. E aqui pode-se observar que nem Haller nem Muller tinham preconceitos
sobre o assunto da natureza inata da linfa ou licor do sangue. Por outro lado,
quando o plasma é sinônimo de "licor sanguinis", a questão é prejudicada, pois o
sinônimo plasma está associado a uma concepção particular de organização e de vida,
em conformidade com o sistema que afirma: "A vida é um forma especial da atividade
da matéria ", um sistema que difere muito das doutrinas de Bichat, segundo as quais
a vida não está ligada diretamente à matéria, mas a elementos anatômicos limitados
quanto à sua forma e estrutura. Nisto insistirei ainda mais em explicar
anatomicamente e fisiologicamente a coagulação espontânea do sangue. Porém, vários
anos antes de GLenard e Frey escreverem, Béchamp e Estor haviam demonstrado que o
sangue contém, além das duas espécies de glóbulos, um terceiro elemento figurado,
claramente determinado em forma e propriedades, por meio do qual o fenômeno da
coagulação poderia ser explicado sem nenhuma explicação. recurso a causas ocultas.
Em sua tese, Glenard se referiu às nossas pesquisas com estas palavras: "Por razões
que não deixaremos de desenvolver em trabalhos posteriores, suprimimos um capítulo
com título" Teoria de Béchamp e Estor sobre os microzymas ". "Não sei se Glenard
desenvolveu em algum lugar suas razões para suprimir o capítulo intitulado acima de
sua tese. Pela minha parte, tive a grande tristeza de não poder continuar e
concluir com Estor o trabalho que começamos juntos. Uma separação que ocorreu em
1876 e a morte tão prematura de Estor me privaram de meu eminente colaborador e
amigo dedicado; Eu tive que buscar sozinho a solução completa do problema. Minhas
pesquisas mais recentes foram realizadas no laboratório que M. Friedel me forneceu
na Sorbonne. Os resultados parciais de minhas pesquisas foram descritos em notas
que apareceram em várias revistas; a última, em 1895, foi na forma de uma
comunicação ao Congresso da Associação Francesa para o Avanço da Ciência, realizada
em Bordeaux; mas várias partes, e especialmente a coroa e a pedra angular da obra,
permaneceram inéditas até o aparecimento da presente obra. A descoberta do terceiro
elemento figurado do sangue não foi realizada durante a investigação do fenômeno da
coagulação espontânea do sangue; mas Estor e eu a aplicamos de acordo com as idéias
predominantes na produção de fibrina após a flebotomia, para explicar a formação do
coágulo. Quando retomei meu estudo da fibrina do ponto de vista da coagulação
sanguínea, eu já havia resolvido o problema da coagulação do leite em um sentido
muito diferente das idéias recebidas, e isso foi muito antes da publicação da tese
de Glenard, que disseram: "Não apenas ignoramos a primeira causa da coagulação,
como também não sabemos sua causa próxima; não sabemos se essa alteração no estado
do sangue é um fenômeno físico ou químico; se é uma cristalização ou precipitação.
" A menos que eu esteja muito enganado, isso implica que o autor duvidou até do que
Haller e, mais tarde, Muller, Hewson, Milne-Edwards e Dumas sustentaram como
certos, a saber, que a formação do coágulo tinha a fibrina para sua direta e
próxima. causa. Quanto à afirmação de que a coagulação é uma variação do estado do
sangue, etc .; prova que seu autor não conhecia a constituição anatômica ou química
do sangue mais do que a do leite. Em nossa nota de 1869, os microzymas do sangue
foram expressamente mencionados como sendo a primeira causa da produção de fibrina
e a causa imediata de coagulação. Minhas novas pesquisas demonstraram ainda que a
presença dos microzymas e da fibrina no sangue são correlativas, uma pressupõe a
outra; foi necessário apenas explicar essa correlação para verificar, enquanto
completava a concepção de MilneEdwards desenvolvida por Dumas. Essas novas
pesquisas aliaram-se a outras, mais antigas e mais recentes, no que diz respeito à
determinação das causas das mudanças, de reputação espontânea, de matérias
orgânicas, mesmo de princípios próximos em geral, e especialmente de matérias
vegetais e animais naturais, a saber: ( 1). A questão da origem dos fermentos e a
teoria fisiológica da fermentação.

A resolução negativa do problema da suposta geração espontânea de fermentos. (3) A


origem da uréia no organismo durante o ato da respiração. (4) A constituição
química das matérias albuminóides e a demonstração da especificidade definida de
suas moléculas químicas. (5) A verdadeira teoria da organização de acordo com a
doutrina de Bichat. Vê-se assim que a solução completa do problema referente à
coagulação espontânea do sangue necessitava da solução anterior de vários outros
problemas muito difíceis de solução; eles são dados aqui quase em sua ordem
cronológica. 1. A natureza da fibrina, isolada do coágulo ou obtida por
chicoteamento. 2. A individualidade específica real dos princípios próximos do
albuminóide. 3. O estado da fibrina no sangue no momento do derramamento. 4. A
estrutura real dos glóbulos vermelhos do sangue. 5. A verdadeira constituição do
sangue no momento do derramamento. 6. O verdadeiro significado químico e
fisiológico da coagulação do sangue derramado. Essas serão as legendas dos
capítulos seguintes. Após os desenvolvimentos a seguir, será possível entender que
o que é chamado de fenômeno da coagulação espontânea do sangue não é de todo uma
coagulação do próprio sangue, mas de uma parte de seu terceiro elemento anatômico.
Aparecerá então claramente que aquilo que é chamado indevidamente de coagulação é
apenas a primeira fase de uma alteração muito mais completa do sangue, envolvendo a
destruição de seus glóbulos sanguíneos e outras alterações, mesmo a de sua
substância corante vermelha; e ainda, que essa alteração espontânea do sangue é
apenas um caso especial de um fenômeno muito geral, o da alterabilidade espontânea
de toda a matéria animal, sólida ou humoral, abstraída de um animal, vivo ou morto;
uma alterabilidade fisiologicamente espontânea, necessária, levando consigo a
destruição até dos próprios elementos anatômicos celulares, como conseqüência de
fenômenos de fermentações de um tipo especial, dos quais os microzymas dessas
matérias são os principais agentes.

CAPÍTULO 1. DA NATUREZA DA FIBRINA ISOLADA DO COELHO OU OBTIDA PELO CHOQUE DO


SANGUE. O SANGUE FIBRIN. MICRO-ZIMAS FIBRINOSO. FIBRINA E ÁGUA OXIGENADA. O
FERMENTO DE FIBRIN.

Gay-Lussac e Thenard analisaram a fibrina como analisaram o albume, caseína e


gelatina. Thenard disse que a fibrina era uma questão animal isolada; Chevreul
disse que era um princípio próximo ao animal e ficou muito surpreso, depois de
descobrir a água oxigenada, ao descobrir que a fibrina a decompunha e desagregava o
oxigênio, assim como os tecidos orgânicos; como, por exemplo, o fígado, etc. Ele
até pensou que a fibrina era o único princípio próximo desse tipo dotado com essa
propriedade.1 Esse fato na história da fibrina é importante; primeiro, porque é o
pivô no qual gira a demonstração de que essa substância, considerada um princípio
próximo, é da mesma ordem que a substância dos corpos que Chevreul chamou de corpos
orgânicos; segundo, porque, embora negligenciado por fisiologistas e químicos, ele
me permitiu colocar além da dúvida a existência de um terceiro elemento anatômico
do sangue. Não me propus a provar que a fibrina é uma substância da mesma ordem que
os tecidos orgânicos. Como todo mundo, eu considerava isso um princípio próximo;
Até mantive sua especificidade contra os químicos que sustentavam que era apenas o
albúmen coagulado.2 Passos preliminares para a descoberta da natureza real da
fibrina e do terceiro elemento anatômico do sangue. Os antigos consideravam
positivo o fato de que toda a matéria animal ou vegetal era espontaneamente
alterável durante a putrefação ou 1. Então, "Traite elementaire de chimie", vol. I.
p. 528. 6ª ed. 1834. 2. Ver Memórias, Ensaio sobre as substâncias albuminóides.
Teses da Faculdade de Medicina de Estrasburgo. 1856. fermentação. No século passado
(18), o químico Macquer estabeleceu as condições para essas mudanças; a presença de
água, o contato do ar e uma certa quantidade de calor. Muito tempo depois, quando
em 1837, Cagniard de la Tour considerou o fermento de cerveja como organizado e
vivo, e a fermentação como efeito da vegetação, Schwann, generalizando a nova
concepção, procurou mostrar que nenhuma matéria orgânica era espontaneamente
alterável; que a alteração teve por causa a presença de seres vivos organizados,
criptogramas microscópicos, vibrioniens; isto é, fermentos, cuja origem, revivendo
a antiga hipótese de Spallanzanil, ele atribuiu aos germes do ar. Mas, apesar de
muitas verificações importantes, a opinião de Schwann não prevaleceu; a presença de
produtos vivos em matéria em mudança foi concedida, mas enquanto alguns sustentavam
que a alteração precedia o aparecimento dos produtos organizados, qualquer que
fosse sua origem, outros, admitindo a teoria de Cagniard, insistiam que os seres
vivos, os fermentos, foram fruto da geração espontânea. O ponto de vista de Schwann
e a hipótese de germes do ar foram tão completamente abandonados que em 1854 foi
admitido como fato que mesmo o açúcar de cana em solução aquosa se alterava
espontaneamente à temperatura normal do ar, tornando-se o que se chamava açúcar
invertido, uva açúcar. Isso era verdade? A inversão do açúcar de cana, resultado de
uma reação química de redução por hidratação que foi produzida, como Biot
observara, sob a influência de ácidos fortes, poderia ser efetuada apenas pela
água, em temperatura comum, apenas com a cal? Queria saber em que acreditar e
institui experimentos que começaram em 1854 e continuaram até 1857. Várias
consequências de maior importância resultaram e, entre outras, a primeira
verificação experimental da hipótese de germes do ar que Schwann, seguindo O
spallanzanil havia invocado contra a geração espontânea. Em resumo, demonstrei: 1º.
Que uma solução aquosa de açúcar de cana permanece inalterada indefinidamente, em
temperatura comum, nas duas condições a seguir: (A) Absolutamente protegida do
acesso ao ar e (B) em contato com um volume limitado de ar, ao qual foram
adicionados certos sais ou uma quantidade (pequena) adequada de creosoto; como, por
exemplo, uma a duas gotas por 100 cc 2º. Que a mesma solução, pura ou com a adição
de certos outros sais em contato com o mesmo volume de ar, permitiu o aparecimento
de produtos criptogâmicos, bolores, etc., ao mesmo tempo em que a inversão do
açúcar foi efetuada. 3rd. Que os moldes são realmente os agentes, os fermentos da
inversão, secretando os zymas necessários ou fermento solúvel. 4th. Esse creosoto,
que impede o nascimento dos bolores, etc., não impede que os bolores desenvolvidos
efetuem a inversão. E, como é evidente que a água e o açúcar da solução não podem,
por si só, dar origem àquelas produções criptográficas que invertem o açúcar de
cana, nem a qualquer coisa que seja organizada e viva, é inevitável a conclusão de
que esses experimentos verificaram a hipótese da existência de germes no ar.1 1.
Annales de Chimie em physique, 3d S. op. Vol. L1V. p. 28. (1858.) Sendo o açúcar de
cana um princípio próximo, o experimento constituiu também a primeira demonstração
de que existem matérias orgânicas inalteráveis nas condições especificadas por
Macquer.

Para ser aplicável em geral, era necessário provar que o que era verdadeiro para o
açúcar de cana também era verdadeiro para qualquer princípio próximo, mesmo para a
albumina, que deveria ser tão facilmente alterável que Colin acreditava que poderia
espontaneamente se tornar um fermento alcoólico.1 Mas há soluções de princípios
próximos, mesmo de suas misturas, que contêm alguma substância albuminóide, como as
soluções de açúcar de cana; essas soluções, com uma quantidade muito pequena de
creosoto adicionada, são preservadas, embora em contato com uma quantidade limitada
de ar, de modo que nada organizado apareça, não se produz fermentação nem
putrefação. Mas se entre os materiais da mistura houver alguns que sejam
diretamente oxidáveis pelo oxigênio do ar, o creosote não impedirá a oxidação. 1.
Em 1858, M. Pasteur acreditava tão pouco na existência de germes de fermentos no
ar, que afirmou que o fermento láctico e o fermento de cerveja nasceram
espontaneamente da matéria albuminóide dos meios fermentáveis. Vamos ter em mente
esse fato capital que foi verificado experimentalmente em todos os casos
imagináveis: as soluções de princípios próximos isolados, ou misturas deles, mesmo
os albuminóides, primeiro creosotados com uma dose (pequena) adequada, exposta ao
contato de um quantidade limitada de ar comum, não permite que nada vivo apareça e
permanece inalterado, exceto nos casos em que a mistura contenha algum princípio
diretamente oxidável. Nesses tipos de experimentos, o creosoto age tornando o meio
estéril para os germes ou diretamente sobre eles, para impedir seu desenvolvimento.
Matérias orgânicas reduzidas a princípios próximos são inalteráveis nas condições
especificadas por Macquer, quando a influência dos germes do ar é impedida pelo
creosoto; então eles são tão naturalmente. Mas Macquer não levou em consideração
princípios próximos, dos quais ele não fazia ideia. Ele realmente se referia apenas
a questões vegetais e animais naturais, as quais Thenard chama de tecidos orgânicos
e corpos orgânicos de Chevreul. Mas entre as questões animais sobre as quais
Macquer experimentou estava o leite, que ele considerava uma emulsão animal, e
considerava ser alterável por si só. Muito mais tarde, Donne (um especialista em
micrografia) e a maioria dos químicos consideravam o leite uma solução de açúcar,
caseína e sais minerais, mantendo uma emulsão de manteiga em solução. Todos então
pensaram que o leite era uma pura mistura de princípios próximos.a Tal mistura
adequadamente criada e em contato com um volume limitado de ar deve permanecer
inalterada indefinidamente. Mas foi descoberto que era o contrário. O leite de vaca
é creosotado o suficiente no momento da ordenha, preservado do contato com o ar ou
em contato com apenas uma quantidade limitada de ar, nem azedo nem coágulo da
maneira comum. O creosote atrasa apenas a acidez e a formação consecutiva do
coágulo. Mas verificou-se que, no momento em que o leite se coagula, mesmo quando o
fenômeno ocorre em pleno contato com o ar, e com ou sem a adição de creosoto,
nenhuma das produções criptográficas foi encontrada pelas quais os experimentos de
Schwann levaram a procurar iniciar. [Evan Landois, em sua Physiology (Eng .; trans,
por Stirling, 1889), comete esse erro. Ele não faz referência ao seu fermento. - .
Mas o azedo e o coágulo, não falo da coagulação do leite, é apenas a primeira fase
do fenômeno da alteração. A segunda fase, apesar da adição de creosoto, foi
caracterizada pelo aparecimento constante de vibrios ou bactérias. O leite então
não age como uma simples mistura de princípios próximos. Esses experimentos e
observações, que datam de antes de 1858, não foram publicados até 1873.1 Eles me
surpreenderam bastante. Leite, então, não era o que deveria ser. Existem nele
matérias orgânicas alteráveis, sem o auxílio de germes do ar, e Macquer justificou-
se por declará-las espontaneamente alteráveis. E já que, apesar do creosote, o
leite já foi alterado, azedo e 1. CR, vol. LXXVI, p. 654. coagulado, permitia o
aparecimento de vibrios em sua substância, se esses vibrios não eram produtos de
geração espontânea, a que eles deveriam seu nascimento? Foram experiências
contemporâneas com aquelas sobre as rochas calcárias que serão estudadas no último
capítulo deste trabalho, bem como aquelas que levaram à descoberta da nova
categoria de produções organizadas vivas às quais dei o nome de microzymas, porque
de suas funções como fermentos e de sua extrema minúcia.1 São então os microzymas
do próprio leite que são os agentes de sua alteração e que subsequentemente se
tornam vibrios pela evolução.

O método que levou a esses resultados, tão importante quanto inesperado, a estreita
relação entre os fermentos geológicos e os ferimentos anatômicos e fisiológicos dos
animais vivos presentes e que, ao mesmo tempo, respondeu negativamente a questão da
geração espontânea de fermentos organizados , é o mesmo que permitiu demonstrar a
inalterabilidade inerente dos princípios próximos e verificar a antiga hipótese de
germes do ar que haviam sido negligenciados. Graças a isso, foi possível explicar
anatomicamente e fisiologicamente os fenômenos da coagulação e outras alterações
espontâneas do sangue. Esse método teve origem em experimentos de inversão do
açúcar de cana, supostamente espontâneos, e naqueles relacionados às mudanças
ocorridas no leite, que tornaram conspícuo o princípio obtido pelo experimento, que
o creosoto impede absolutamente a alteração dos princípios imediatos por impedindo
o desenvolvimento de todos os produtos vivos organizados, mesmo em contato com uma
quantidade limitada de ar comum, enquanto as mesmas doses sob as mesmas condições
não impediram a alteração de matérias, tecidos e humores naturais dos animais,
permitindo que eles produzissem vibrios ou para bactérias. É importante ter em
mente que o novo método (de experimento) nos permitiu distinguir questões orgânicas
compostas apenas por princípios próximos, de questões vegetais e animais naturais,
ou seja, de corpos orgânicos propriamente ditos; em resumo, distinguir matéria
orgânica no significado químico daquele que, como o leite, é matéria orgânica no
significado anatômico e fisiológico; os fermentos que mudam o primeiro, as matérias
orgânicas em um sentido químico, ou seja, princípios próximos, têm por origem os
germes do ar, enquanto os fermentos que mudam o segundo, ou seja, as matérias
orgânicas naturais, são os microzymas de sua própria substância, que são inerentes
a eles como elementos anatômicos. De fato, o fenômeno do nascimento dos vibrios no
leite espontaneamente alterado, se de fato resultaram da evolução dos microzymas do
leite, não deveria ser um fato isolado, mas um caso particular de um fenômeno
geral, adequado a todos os corpos orgânicos, de modo que o fato do nascimento de
vibrioniens em um corpo, humor ou tecido orgânico deve ser considerado como
evidência da existência de microzymas nesse tecido ou nesse humor, mesmo que o
microscópio não os tenha revelado. A experiência confirmou em todos os sentidos
essas conseqüências da aplicação do novo método de investigação ao estudo do
fenômeno da mudança espontânea de leite. A questão de todos os tecidos e humores,
de todos os corpos orgânicos, do mais alto ao mais baixo - como, por exemplo, o
fermento de cerveja e a mãe do vinagre - pode dar origem a vibrioniens em condições
semelhantes àquelas em que eles são produzidos no leite ou nas quais essas
condições podem ser realizadas, se for necessário incentivar a evolução de seus
microzymas. E quando o fenômeno de alteração espontânea de tal matéria é
registrado, sendo a matéria protegida dos germes do ar, sem o aparecimento de
vibrioniens, pode-se afirmar com confiança que microzymas estavam presentes e foram
os agentes da mudança. A seguir, a aplicação do método à fibrina, considerada um
corpo orgânico: Demonstração de que a fibrina não é um princípio próximo, mas uma
membrana falsa de microzimas. Nascimento de bactérias na fibrina. A fibrina é
produzida mecanicamente a partir do sangue chicoteando o último; sendo considerado
um corpo orgânico, o leite deveria conter microzimas capazes de sofrer evolução
vibracional. Para demonstrar isso, M. Estor e eu empregamos uma modificação do
método usado para demonstrar os microzymas do giz e da carne muscular. A
modificação consistiu em preparar um amido de fezes de batata, fervê-lo por um
longo tempo, creosote-o enquanto fervia e introduzir nele a substância sólida a ser
estudada no momento em que foi extraída da água creosotizada, na qual fora imerso
para protegê-lo da influência de germes do ar. A experiência foi a seguinte: A
fibrina foi obtida por chicoteamento nas seguintes condições; no momento da
venesecção, o creosoto foi adicionado ao sangue e, ao mesmo tempo, foi chicoteado
com um feixe de fios metálicos que haviam acabado de ser lavados em água fervente;
depois a fibrina foi lavada em água creosotizada. Em 100 gramas de amido
creosotado, 15 gramas de fibrina úmida preparada na hora foram introduzidas e o
frasco selado e colocado no forno aquecido a 30 ° a 40 ° C (= 86 ° - 104 ° F). O
amido, exatamente como aconteceu com o tecido muscular, tornou-se liquefeito em
graus e, após algum tempo, a presença de bactérias na mistura ficou evidente; mas
foi observado que a liquifação do amido geralmente precedia o aparecimento das
bactérias. O exposto acima é uma visão geral dos fenômenos, mas foram observadas
diferenças em suas manifestações, de acordo com a espécie e idade do animal, bem
como a fonte do sangue. Geralmente a fibrina de animais jovens se desintegra no
amido líquido, enquanto as bactérias se desenvolvem. A duração da liquifação do
amido também é variável. Sabe-se que coágulos de leite fervido, o que significa que
os microzymas não são mortos à temperatura de ebulição; por outro lado, para evitar
que o giz liquefeite, eu era obrigado a aquecê-lo (úmido) a mais de 200 ° C (= 392
° F). Os microzymas da fibrina resistem até 100 ° C (= 212 ° F). A fibrina foi
fervida por vários minutos em água destilada antes de ser colocada no amido. Nesse
caso, a liquifação é ainda mais atrasada e até deixa de ser produzida se a ebulição
da fibrina for muito prolongada; mas a bactéria parece não obstante; e essas
bactérias apresentam sempre os mesmos caracteres morfológicos. [a Para obter uma
explicação da ação dos microzymas das rochas calcárias, consulte "Papel da craie
nas fermentações", Bull. Soc. Ch. Vol. VI, p. 484 (1866); também "Les Microzymas",
terceira conferência; também pós-capítulo VIII deste trabalho. - Trans.) Para
concluir a demonstração, deve-se acrescentar, e M. Estor foi testemunha do fato de
que a fibrina, exatamente como foi o caso da mãe do vinagre (uma espécie de
membrana vegetal microzymas visíveis) e sob condições semelhantes podem produzir
fermentação láctica e butírica, um fato que será mais adiante considerado. Tal foi
o experimento e seu complemento, de onde se concluiu que a fibrina, como o leite, a
carne, o tecido do fígado, etc., contém microzymas, pois, como eles, dá origem a
bactérias sem o auxílio de germes do organismo. ar. Sob as condições do
experimento, esses microzymas só poderiam ter vindo do sangue. Esforços foram
feitos para encontrá-los no próprio sangue no momento da venesecção. Esta foi uma
investigação delicada e será revertida a seguir, pois está aliada a todo o assunto
deste trabalho.

A fibrina, obtida por chicoteamento ou lavagem do coágulo (veremos atualmente em


que essas duas preparações diferem), não é um princípio próximo, mas constitui uma
membrana ou fibra composta por microzimas. Em suma, não é matéria orgânica no
significado químico, mas um corpo orgânico no significado anatômico e fisiológico.
No entanto, esta demonstração de que a fibrina contém microzymas é indireta; e
ainda se pode afirmar que a bactéria nasceu espontaneamente, na mistura de fibrina
com amido. De qualquer forma, deixou incerta a natureza da substância que, na
membrana falsa, é como uma gangue intermicrozymian, como também a relação
quantitativa entre os microzymas e esta substância. Era, portanto, muito desejável
obter esses microzimas isolados, pois Estor e eu tínhamos isolado os do fígado. Os
microzymas fibrinosos e suas propriedades em comparação com os da fibrina. A
questão da solubilidade da fibrina no ácido clorídrico diluído havia sido discutida
há muito tempo e me ocorreu que eu poderia encontrar um meio pelo qual os
microzymas pudessem ser isolados, pois deveriam ser insolúveis nela, assim como os
do giz. Ao revisar a história dos experimentos com fibrina, encontrei muitos
experimentos e observações relacionadas à fibrina que mereciam atenção que haviam
sido negligenciados. Thenard já havia descrito a ação do ácido clorídrico diluído
sobre a fibrina do sangue e a formação de cloridratos dessa substância, uma das
quais gelatinosa era solúvel em água morna.1 Muito tempo depois, Bouchardat chamou
a atenção para o fato de Chevreul teve 1. Thenard, Traiee elementaire de chimie,
vol. III, p. 430 (1815). demonstrou que a fibrina sempre continha gordura e ele se
perguntou se mesmo privado de corpos gordurosos seria um princípio próximo puro?
Para demonstrar que aquilo que havia sido admitido em geral não era bem
fundamentado, ele fez o seguinte experimento: Aqueceu fibrina fresca e úmida com
dez vezes o seu peso de ácido clorídrico muito diluído (1 a 2000) e observou que
ele inchou e uma maceração prolongada foi finalmente dissolvida, mas que sempre
permaneceu manifesta uma porção de um produto que não foi atacado por um excesso
desse ácido muito diluído empregado como solvente. Bouchardat chamou a parte não
dissolvida de epidermose, e a albuminose foi o que foi dissolvido.1 Foi a partir
dessa experiência que Bouchardat concluiu com justiça que a fibrina não é
decididamente um princípio próximo. 1. CR, vol. XIV, p. 962 (1842). A parte da
fibrina que Bouchardat considerava sob o nome de epidermose, como um dos dois
princípios próximos que constituíam a fibrina, eram precisamente os microzimas que
propus isolar. Em conseqüência da viscosidade da solução clorídrica, essencialmente
capaz de mudar como Bouchardat havia dito, e da lentidão da filtração, ele não
havia determinado a quantidade da epiderme. Ao empregar um ácido clorídrico menos
diluído (1 a 3 cc de ácido fumegante por 1000 cc), a viscosidade diminuiu e, ao
adicionar a ele 2-3 gotas de fenol por 100 cc, a alteração suspeita foi
absolutamente evitada, e a deposição do parte insolúvel poderia ser aguardada.
Mesmo assim, é preciso de dez a doze dias para filtrar um litro do líquido. Para
experimentos quantitativos, ele deve ser deixado em repouso e o depósito não deve
ser despejado no filtro até que a filtragem do líquido sobrenadante seja concluída.
A massa marrom acinzentada retida no filtro foi resolvida ao microscópio em
granulações moleculares extremamente finas, que são os microzymas, e alguns
fragmentos sem forma procedem sem dúvida dos glóbulos sanguíneos destruídos durante
a preparação da fibrina. Para obter essas granulações moleculares o mais livre
possível de fragmentos estranhos, a massa, quando removida do filtro, é embebida em
ácido clorídrico (1 em 1000), e o licor, creosotizado ou carbolizado, é passado
através de uma malha fina de linho e deixado para depositar. O depósito é coletado
em um filtro de malha muito fina, é lavado sucessivamente com água para remover
todos os vestígios de ácido e, finalmente, com éter, ligeiramente alcoolizado, para
remover a gordura. A matéria removida do filtro é então seca em vácuo seco, é
aglomerada e de cor acastanhada. Os microzymas fibrinosos úmidos, completamente
drenados, são compostos (em centésimos) da seguinte forma: Matéria orgânica
principalmente albuminóide 13.553 Matéria mineral 0,384 Água (por diferença) 86,063
100.000 Como todos os seres organizados, eles contêm matéria mineral e muita água
fixa. Sua matéria orgânica é principalmente albuminóide; de fato, seco, dissolve-se
no ácido clorídrico fumegante, desenvolvendo-se quando quente uma cor violeta; e se
for adicionada água ao ácido clorídrico, é obtido um precipitado branco de matéria
albuminóide. A minúcia desses microzymas úmidos, inchados com água, é extrema. Sob
o microscópio, parecem ter uma forma esférica, animada pelos movimentos brownianos,
cujo diâmetro dificilmente atinge 0,0005 (meio milésimo de milímetro). Sua
quantidade é muito pequena. De algumas determinações, inevitavelmente um tanto
incertas, calculei que a fibrina úmida e drenada do sangue geral de um boi produz
cerca de um milésimo do seu peso de microzymas secos a 100 °. Tomando essa figura
de 1/1000 como a melhor aproximação e considerando que 1.000 gramas de fibrina
drenada contêm 193 gramas de fibrina seca a 100 °, é evidente que o peso dos
microzymas secos é 1/193 da fibrina seca; em suma, 100 partes de fibrina secas a
100 ° contêm 0,518 partes de microzimas secas à mesma temperatura. Essa quantidade
parece ser muito pequena, e pode-se pensar que no sangue ela pode ser negligenciada
e que, conseqüentemente, os microzymas não participam dos fenômenos estudados. Não
é assim, pois veremos que são elementos anatômicos e agentes fisiológicos de
energia rara; e que se foi interessante pesá-los, é ainda mais contá-los. Vamos
primeiro mostrar que na fibrina elas são ao mesmo tempo aquilo que liquefaz o amido
e de onde as bactérias são derivadas, o que decompõe a água oxigenada e o que
determina sua solução aparente no ácido clorídrico diluído. 1. Os microzymas
fibrinosos liquefazem o amido e depois se tornam bactérias. Os microzymas de 60
gramas de fibrina obtidos do sangue de um boi ou de um cachorro, frescos, ainda
úmidos, bem lavados para remover todos os vestígios de ácido, são suficientes para
liquefazer 50 gramas de amido de batata de 45 a 50 ° C. (= 113 ° -122 ° F). A
liquifação é concluída em 16 horas; se a reação for prolongada, o reagente de
Fehling é reduzido. Em outras palavras, a liquifação é mais rápida com os
microzymas da fibrina de um cão. Finalmente, bactérias aparecem, enquanto outra
fermentação começa e o líquido se torna ácido. Para estimar a influência da
concentração do ácido na extração dos microzymas, a fibrina em outra operação foi
tratada com ácido clorídrico, de 3 a 1.000. Os microzymas não perderam nenhuma de
suas atividades. II Os microzymas da fibrina decompõem a água oxigenada. Os
microzymas úmidos, brutos ou com a gordura removida pelo éter, bem como os que
foram secos em vácuo seco, decompõem a água oxigenada, liberando o oxigênio, mas
com muito mais energia que a fibrina da qual foram obtidos. ; mostrando nela uma
energia pouco menos que o bioóxido de manganês. Eu constatei que os microzymas da
fibrina do sangue de todos os animais examinados por mim agiam da mesma maneira.
Mais tarde, a teoria desses fatos será explicada, mas para antecipar a objeção a
respeito dos germes do ar, chamo a atenção para os quatro fatos a seguir: 1. Os
microzymas fibrinosos que possuem amido liquefeito ainda são capazes de decompor a
água oxigenada;

2. Os microzymas fibrinosos que esgotaram sua ação de decomposição na água


oxigenada não podem mais liquefazer o amido e não se desenvolvem em bactérias. 3.
Os microzymas fibrinosos submetidos a ebulição a 100 ° C (= 212 ° F) não liquefazem
amido e não decompõem água oxigenada; 4. Os microzymas fibrinosos perdem a
propriedade de decompor a água oxigenada com o passar do tempo.

Mas os microzymas fibrinosos lavados em éter, de modo a remover sua gordura, secos
no vácuo e protegidos do contato com o ar em um tubo fechado, preservam por muito
tempo a propriedade de decompor a água oxigenada, mas perdem gradualmente sua
energia; depois de dez anos, eles a perderam completamente, sem ter perdido peso de
maneira considerável. Aqui estava outra propriedade essencial dos microzymas que eu
formulei! III A fibrina deve aos seus microzymas vivos a faculdade de se dissolver
em ácido clorídrico muito diluído. Bouchardat, seguindo Thenard, observou que,
antes da dissolução em fibrina ácida diluída, havia uma massa gelatinosa
translúcida e incolor1, e essa solução era efetuada somente após maceração
prolongada. O progresso da solução é tão lento que Liebig, por um longo tempo,
sustentou que a fibrina era insolúvel em ácido clorídrico diluído; e veremos que
foi sobre essa observação que ele fundou a distinção entre fibrina muscular
(masculina ou sintonina) e fibrina no sangue. Dumas, por outro lado, verificou o
fato de solubilidade e mostrou que a temperatura de 40 ° C (= 104 ° F) a solução
era mais rápida. Segundo Dumas, o fenômeno é função do tempo e da temperatura. Vou
provar que é ao mesmo tempo especialmente uma função da atividade dos microzymas.
1. Era essa massa gelatinosa que Thenard considerava corretamente como um
cloridrato de matéria orgânica. Primeiro, lembre-se de que o creosoto ou o ácido
fênico atrasa a acidez e a coagulação do leite, bem como a evolução vibracional de
seus microzymas. O fenol retarda da mesma forma a suposta solução de fibrina em
ácido clorídrico muito diluído. O seguinte demonstrará o fato: Uma massa de 600
gramas de fibrina fresca e úmida do sangue de boi é dividida em quatro partes
iguais - A, B, C, D, cada uma das 150 gramas, que são tratadas em frascos de
capacidade semelhante em da seguinte maneira:} A, 2.000 cc de ácido clorídrico, 2 a
1.000; B, o mesmo volume de ácido e 40 gotas de fenol; C, o mesmo volume de ácido e
60 gotas de fenol; D, 2.000 cc de água destilada a ferver. A ebulição é mantida a
100 ° C por dois minutos. Deixou-se esfriar e adicionaram-se 4 cc de ácido
clorídrico fumegante, para que também fosse diluído para 2 a 1.000.

Os quatro frascos foram cobertos e colocados no mesmo recinto; temperatura mantida


de 24 ° a 28 ° C (= 75,2 ° a 82,4 ° F). Em A, B, C, a fibrina inchou até formar uma
massa gelatinosa. Em d, a fibrina permaneceu branca, sem se tornar gelatinosa. Em
A, a massa gelatinosa foi dissolvida em três dias. Em B, a solução foi efetuada em
quatro dias. Em C, a solução foi efetuada em seis dias. Em D, a fibra não inchada
permaneceu um branco opaco; não houve mudança no final de quinze dias, embora com
livre acesso de ar. O fenômeno na mesma temperatura é então uma função do tempo;
também deve ser o caso dos microzymas, uma vez que o ácido fênico o retarda quanto
maior a dose, mesmo que atrasasse a coagulação do leite e, por fim, fervendo por um
tempo suficiente, o impedia inteiramente, como havia impedido a fibrina e a
microzymas fibrinosos do amido liquefeito e da decomposição da água oxigenada. A
função atribuída aos microzymas ficará ainda mais clara quando for demonstrado que
aquilo que é chamado de dissolução de fibrina é realmente o resultado de uma reação
de uma profunda transformação sofrida pela parte da fibrina que está em solução. A
teoria do fenômeno também será explicada atualmente; no momento, nos limitaremos a
dizer que, na ordem das idéias desses experimentos, a suposta solução em ácido
clorídrico muito diluído é, no fundo, apenas um modo de alteração espontânea da
fibrina em condições especiais. Temos agora que considerar o método normal de sua
alteração espontânea. IV A fibrina muda espontaneamente sem sofrer putrefação
fétida. Gay-Lussac observou que a fibrina fresca, em um frasco aberto, em contato
com a água que era renovada de tempos em tempos, apodrecia e desaparecia quase
totalmente, deixando apenas um resíduo insolúvel insignificante. No momento em que
essa observação foi feita, acreditava-se que os princípios proximais ao
albuminóide, assim como outros, eram espontaneamente alteráveis. Isso foi antes dos
experimentos de Schwann sobre a influência dos germes do ar. No estudo dessa
mudança sendo retomada para determinar seus produtos, entre os que são dissolvidos,
observou-se uma matéria albuminóide coagulável pelo calor, que foi retirada para a
albumina, também leucina, ácido valérico, ácido butírico, hidro-sulfato de Na
realidade, no experimento de GayLussac, a alteração foi um fenômeno complexo, no
qual participam os fermentos nascidos dos germes do ar e que são os agentes da
putrefação fétida. Se a influência desses germes for anulada, o resultado será
diferente. Uma massa de fibrina fresca, preparada com os cuidados habituais, foi
imediatamente imersa em água destilada (primeiro carbolizada por 3-4 gotas por 100
cc), de modo a ser coberta com um leito de líquido. Nessas condições, após cinco a
seis semanas, a uma temperatura variando de 15 ° a 25 ° C (= 59 ° -77 ° F), a
fibrina havia desaparecido; em seu lugar havia um líquido transparente e
transparente e um considerável precipitado. Nenhum odor, exceto o do ácido
carbólico; nenhum vibrios no licor ou no precipitado. A alteração ocorreu sem
nenhuma putrefação fétida. Qual era a sua natureza? Mais adiante, no capítulo 11, a
natureza desses corpos dissolvidos será comparada com a da mudança de fibrina no
ácido clorídrico diluído. Vamos ver em que consistia o precipitado. Granulações
moleculares da alteração sem putrefação fétida da fibrina: No precipitado, que é
maior que o precipitado de microzymas após o desaparecimento da fibrina em ácido
clorídrico diluído, o microscópio mostra um número muito grande de granulações
moleculares esféricas muito pequenas , muito mais volumosos que os microzymas
fibrinosos e alguns restos informe, provavelmente de fibrina ou dos envelopes dos
glóbulos sanguíneos. Para obter essas granulações moleculares puras, o precipitado,
que é espesso, é embebido em água levemente carbolizada e depois passa por um pano
de seda de malha fechada, purificado novamente por leviação, coletado em um filtro,
para ser lavado novamente com água e finalmente com éter levemente carregado com
álcool para remover a gordura e depois novamente com água. Nesta condição, as
granulações moleculares preservam sua forma; decompõem a água oxigenada, liquefaz o
amido e decompõe novamente a água oxigenada após ter efetuado essa liquifação; em
resumo, possuem as propriedades da fibrina e de seus microzymas, mas não são nem
fibrina nem seus microzymas. De fato, essas granulações moleculares, os restos
insolúveis da fibrina desaparecida, tratados com ácido clorídrico (2 em 1.000),
dissolvem-se muito mais rapidamente que a fibrina, deixando os microzymas não
dissolvidos idênticos, esbeltos e dotados das mesmas propriedades. , os de fibrina
fresca.

Esta última observação é importante. É uma conseqüência do fato de que a fibrina,


nas condições do experimento, altera-se espontaneamente sem putrefação fétida, sem
vibrios, deixando um resíduo de granulações moleculares que contêm microzymas
idênticos aos obtidos com a fibrina tratada com ácido clorídrico diluído. É
explicável apenas de uma maneira. Como o leite, tratado com uma dose suficiente de
ácido fênico, passa a ser alterado de outra maneira que o leite não tratado ou
apenas levemente, sem que os microzymas se tornem vibrios, os microzymas da fibrina
transformaram, de certa maneira, a substância intermicroenzima que é nele, como
ganga, sem sofrer evolução vibracional, mas permanecendo envolto como em uma
atmosfera de matéria albuminóide insolúvel em água, mas facilmente solúvel em ácido
clorídrico muito diluído, liberando os microzimas. A grande importância de levar em
consideração essas granulações moleculares será vista ao estudar no terceiro
capítulo o estado da fibrina no sangue. Enquanto isso, o fato de a fibrina mudar
espontaneamente na água carbolizada, ou seja, sem a ajuda de germes do ar, é uma
nova prova de que a fibrina não é um princípio próximo. No próximo capítulo,
veremos qual é a natureza das matérias albuminóides da alteração espontânea da
fibrina na água carbolizada e a compararemos com a mudança que ocorre sob a
influência do ácido clorídrico. Enquanto isso, essas são as provas, todas
concordando, baseadas no novo método de investigação, no sentido de que a fibrina,
como leite, fígado, etc., não é um princípio próximo nem um composto de tais
princípios, mas que, como eles, é um corpo orgânico, contendo microzymas especiais;
e ainda mais, que esses microzymas vivos são o que, na fibrina, liquefaz o amido e
pode se tornar vibracional pela evolução, decompõe a água oxigenada; determina a
alteração dessa fibrina no ácido clorídrico muito diluído ou na água carbolizada.
Para completar a história dos microzymas da fibrina, devemos tentar descobrir por
qual mecanismo eles decompõem a água oxigenada e liquefaz o amido, isolado ou em
fibrina; e como é que eles são os agentes que determinam a alteração espontânea da
fibrina, tanto no ácido clorídrico muito diluído quanto na água carbolizada. Teoria
da decomposição da água oxigenada pela fibrina e pelos microzymas fibrinosos.
Afirmei no início deste capítulo que Thenard, tendo descoberto que os tecidos
orgânicos (por exemplo, o fígado) decompõem a água oxigenada, pensava que a fibrina
a decompunha por ser um princípio próximo e era a única substância dessa ordem que
o fazia. Mas qual é realmente a natureza do fenômeno dessa decomposição? Thenard
disse que a fibrina e os tecidos orgânicos "decompõem a água oxigenada da mesma
maneira que os metais (platina, por exemplo) sem abrir mão de nenhum de seus
princípios, sem absorver a menor quantidade de oxigênio, sem sofrer a alteração
menos visível". Em resumo, essa água oxigenada é decomposta pela fibrina devido ao
que já foi chamado de "ação através da presença", "ação catalítica do contato",
como metais ou o bióxido de manganês. Tal era o estado da ciência há alguns anos e
é assim, talvez, hoje. Era necessário que um conhecimento mais exato do sangue e da
organização em geral fixasse exatamente o significado disso, tanto quanto ao fato
quanto ao princípio; quanto mais eles avançaram pelo próprio Thenard como uma
possível explicação do fenômeno da fermentação e foram o ponto de partida da
hipótese denominada ações de presença, de contato catalítico, que foram a causa da
verdadeira teoria da fermentação. foi muito mal compreendido. Na realidade, a
decomposição da água oxigenada pela fibrina, com desprendimento do oxigênio, é o
resultado não de uma ação pela presença meramente, como ocorre com o bioóxido de
manganês, mas de uma reação química, como é evidente nas seguintes experiências: 30
gramas de fibrina de sangue de boi fresco, contendo 3 gr. 79 de matéria seca a 100
° C, decompuseram sucessivamente três vezes 60 cc de água oxigenada a 10,5 volumes
de oxigênio. Na segunda e terceira adição, o desengajamento tornou-se gradualmente
mais lento, de modo que, na terceira, depois de vinte e quatro horas, não foi
liberado mais gás, embora a água oxigenada não estivesse toda decomposta. No total,
1.600 cc de oxigênio foram libertados de 1.890 cc, que os 180 cc de água oxigenada
empregada continham. É evidente que, se a fibrina não havia desistido de nada, se
não houvesse alguma reação, os sucessivos licores resultantes da ação da água
oxigenada não deveriam conter matéria orgânica. Mas esses licores, ao serem
evaporados, deixaram um resíduo combustível, cujo peso - deduzindo as cinzas - era
de 0,16 grama secada a 100 ° - isto é, 0,533 para 100 de fibrina úmida ou 2,76%, de
fibrina seca a 100 ° C. ° C.

Os microzymas fibrinosos também produzem parte de sua substância na decomposição da


água oxigenada. Seis gramas destes microzymas, frescos, úmidos, contendo 0,84 gr.
de matéria seca a 100 °, depois de esgotada sua ação de decomposição, os licores
evaporados deixaram como resíduo, secos a 100 °, 0 g. 06 de matéria orgânica
orgânica, deduzindo as cinzas; isto é, 1 por 100 de matéria úmida - ou seja, 7,5%
do peso dos microzymas secos. A fibrina e seus microzymas não decompõem a água
oxigenada da mesma maneira que a platina ou o bioóxido de manganês, uma vez que
ambos abandonam parte de sua substância que é encontrada transformada em solução na
água oxigenada. Se Thenard pensou que a fibrina não desistiu de nada, foi porque,
por um lado, ele levou em conta apenas o oxigênio desacoplado, que lhe parecia o
conjunto daquilo que a água oxigenada podia fornecer; aquilo que fora absorvido era
muito minucioso e, por outro lado, que a fibrina lhe parecia não ter sofrido
nenhuma alteração. Mas a mudança foi realmente grande, já que o que resta não tem
mais nenhuma ação sobre a água oxigenada, não liquefaz amido e não produz
bactérias. Essas observações se aplicam aos microzymas que são recuperados,
morfologicamente semelhantes ao que haviam sido antes de serem tratados, mas que
agora não liquefaz o amido nem se torna bactéria pela evolução. É então um fato que
a decomposição com oxigênio liberado da água oxigenada pela fibrina ou por seus
microzymas isolados é correlacionada com uma reação química, com uma alteração na
propriedade da substância que esgotou sua atividade de decomposição. E, comparando,
em centésimos, as quantidades (dos produtos da reação) que são dissolvidas, da
fibrina e dos microzymas isolados, verifica-se que os últimos fornecem muito mais
que os primeiros. Eles fornecem muito mais, mesmo se considerarmos apenas a
quantidade de microzymas contidos na fibrina utilizada, a saber, o gr. 0335 para 60
gramas de fibrina úmida ou 5 gr '.79 dos secos a 100 ° C. De fato, se a fibrina
seca produz ou contém 2,76, calculando o que seus microzymas dariam em comparação
com o que é dado pelos microzymas isolados , é considerado 4%, em vez de 7%., o que
é dado por esses últimos. Não enfatizo muito essa diferença, porque ela se deve em
parte às dificuldades e incertezas decorrentes da pesagem. Porém, por meio dessas
comparações, fica claro que os microzimas, isolados ou não, desistem mais do que a
fibrina, o que tende a mostrar que a gangue intermicrozymiana da fibrina não exerce
ação de decomposição sobre a água oxigenada, como será atualmente demonstrado
diretamente. De qualquer forma, é evidente que alguma substância pertencente à
organização do microzyma - provavelmente um princípio próximo - é produzida e
transformada, e que não é todo o microzyma que é o agente da decomposição, já que a
maior parte de sua massa permanece, preservando sua forma. Mas qual é essa
substância? Sem poder defini-lo exatamente, veremos que é essencialmente
albuminóide. Seja o que for, é importante saber que só afeta a decomposição em
determinadas condições. Por exemplo, a água oxigenada, que contém um ácido livre,
não é decomposta pela fibrina ou pelos microzymas fibrinosos e, reciprocamente, a
fibrina dissolvida pelo ácido clorídrico nas mesmas condições do experimento de
Bouchardat, no qual o ácido é muito diluído e contendo os microzymas, decompõe-o
somente quando é neutro. Mas as matérias albuminóides combinam-se com vários
ácidos; é sem dúvida um hidroclorato, um sulfato, etc., dessa substância, qualquer
que seja, que não é alterada pela água oxigenada e a água oxigenada que não é
decomposta por ela. Para ilustrar isso, é apresentado o seguinte caso muito
interessante da influência de um ácido especial. Liebig observou que a fibrina
mergulhada em uma solução muito diluída de ácido cianídrico não decompôs água
oxigenada. A observação foi verdadeira, mas incompleta, pois a influência desse
ácido é apenas temporária. De fato, se a quantidade de água oxigenada é suficiente,
a liberação de oxigênio recomeça ao final de um tempo, quanto mais tempo maior a
quantidade de ácido hidrociânico. A decomposição recomeça porque a água oxigenada
destrói o ácido hidrociânico por um fenômeno de oxidação sem liberação de
oxigênio.1 1. CR. Vol. XCV, p. 926 (1887). Desde então, estudei mais esse assunto.
O ácido hidrociânico e a água oxigenada reagem entre si; a princípio sem a
liberação de gás; é formada uma oxamida que cristaliza; ao mesmo tempo, há uma
liberação de calor que, aumentando, a oxidação é realizada com a produção de uréia
e a liberação de oxigênio. Somente então, porque o ácido hidrociânico e a água
oxigenada reagem, antes de tudo, que os microzymas da fibrina são protegidos, e não
como se supunha, porque o ácido hidrocyanic atua como um veneno para esses
microzymas. O fato de que, após a destruição do ácido hidrociânico, a fibrina
decompõe novamente a água oxigenada, prova que o que acontece não é um fenômeno de
envenenamento. Isso será tratado posteriormente.
Teoria da liquifação do amido fecular pela fibrina e pelos microzymas fibrinosos. A
fibrina e seus microzymas são insolúveis em água; por outro lado, Payen demonstrou
que a fecula existe em uma condição especial de hidratação e inchaço, na qual é
igualmente insolúvel. Como então esses corpos insolúveis podem agir um sobre o
outro, um, fecula, dissolvendo, enquanto o outro, a fibrina ou as microzirnas,
permanecem insolúveis? A explicação é a mesma de antes, dada a inversão do açúcar
de cana por bolores, nascidos dos germes do ar em sua solução aquosa, mas
insolúveis, assim como os microzymas. Eu provei diretamente que esses moldes,
nascidos de outros fermentos organizados e de outros microzymas, produzem em si
mesmos e secretam produtos solúveis de natureza albuminóide, que são da mesma ordem
que os chamados fermentos solúveis e que foram confundidos na mesma categoria com
fermentos insolúveis organizados. Tendo assim estabelecido a origem anatômica dos
fermentos solúveis, para marcar a união da dependência entre o produto e o
produtor, dei o nome de zymas ao que havia sido denominado fermento solúvel. Isso é
estabelecido, como os microzymasa da cevada germinada produzem diástase ou
hordeozima, como o pâncreas ou seus microzymas produz pancreazymas, que liquefaz e
sacarifica o amido, assim os microzymas fibrinosos produzem os zymas que afetam sua
liquifação. [aPara o propósito de continuar "a conspiração do silêncio" sob a qual
as maravilhosas descobertas de Béchamp foram obscurecidas por tantos anos, essa
palavra e seus congêneres nunca são usados nos escritos dos principais
conspiradores, nem nos dos numerosos líderes da profissão que foram enganados por
eles. - . E como todos os zymas são da ordem dos albuminóides, como os microzymas
fibrinosos que esgotaram sua ação decomposta sobre a água oxigenada não liquefaz o
amido, podemos dizer que a substância que nos microzymas fibrinosos é abandonada e
transformada pela água oxigenada, é justamente esse zioma, uma substância
albuminóide que liquefaz o amido de fezes. Teoria da alteração espontânea da
fibrina, seja em ácido clorídrico muito diluído ou em água carbolizada. As duas
partes constitutivas da fibrina são igualmente insolúveis em água e em ácido
clorídrico muito diluído. Quanto à liquifação do amido por eles, surge a mesma
pergunta: como esses dois corpos insolúveis podem agir um sobre o outro, o que
permanece insolúvel, os microzymas; o outro, a matéria albuminóide, entrando em
solução? A resposta é a mesma. Do mesmo modo que a fecula é solúvel e transformada
pelos zymas que os microzymas secretam, a matéria albuminóide é dissolvida por
esses zymas enquanto é transformada. A explicação do fenômeno é, portanto, muito
simples. Somente no caso em que o ácido clorídrico muito diluído intervém, a ação
química transformadora dos zimos secretados pelos microzymas atua sobre a
combinação insolúvel que a matéria albuminóide produz, inicialmente com o ácido
clorídrico; enquanto na água carbolizada, atua diretamente sobre a matéria
albuminóide insolúvel e sobre a matéria amilácea do amido. Mas a ação dos zymas
sendo exercidos, por um lado, na combinação clorídrica da matéria albuminóide e,
por outro lado, nessa questão, não é de admirar que os produtos solúveis da reação
diferam em alguns aspectos, como será ser explicado no segundo capítulo. Agora é
fácil entender por que a cocção anterior da fibrina dificulta sua solução em ácido
clorídrico diluído e em água carbolizada. É porque o calor a 100 ° mata os
microzimas, pois destrói a atividade de todas as zymases, e sem dúvida porque a
matéria albuminóide inter-microzimiana passou por uma coagulação especial que o
impede de efetuar a combinação gelatinosa com ácido clorídrico antes mencionado.
Resumindo: a fibrina não é um princípio próximo. Decompõe a água oxigenada de forma
correlacionada a uma mudança nos zymas produzidos por seus microzymas, que são os
agentes da liquifação do amido e das alterações sofridas por sua matéria
albuminóide, seja no ácido clorídrico diluído ou na água carbolizada, condições nas
quais microzymas não sofrem evolução vibrioniana. Em suma, esses microzymas, sejam
na fibrina ou isolados, não são os agentes da decomposição da água oxigenada após a
maneira dos fermentos - ou seja, fisiologicamente por um fenômeno de fermentação,
mas apenas como produtores dos próximos princípio de que a água oxigenada muda à
medida que altera o ácido hidrociânico. Para concluir o conhecimento da fibrina e
de seus micro-zimos, lembro-me dos fatos que Estor e eu, em nossa nota, descrevemos
um experimento a partir do qual concluímos que "na presença de carbonato de cálcio
puro e enquanto os microzimas do Como a fibrina continuou a evoluir, eles se
comportaram, em relação à fibrina, ao mesmo tempo que o fermento alcoólico e como
fermentos acético, láctico e butírico.1 Entre essas experiências, descreverei duas,
porque elas foram conduzidas em escala suficientemente grande para melhor
estabelecer As proporções dos materiais empregados foram: Fecula de batata, 5
partes, transformada em amido em 85%, de água; carbonato de cálcio puro, 1 parte;
fibrina fresca, úmida, recém-preparada, 0,13 partes; temperatura de the oven 35° to
40° C. (= 95°-104° F.). 1. CR, Vol. LIX.715-716.

Os dois experimentos foram iniciados no dia 22 de maio. No dia seguinte, começou a


retirada do gás, uma mistura de ácido carbônico e hidrogênio. A partir do oitavo
dia, o gás foi analisado repetidamente e foi composto da seguinte forma, em
centésimos: 3 de junho Ácido carbólico Hidrogênio 100.

A mistura gasosa é assim vista como tendo variado com a complicação da reação. Um
dos experimentos foi interrompido no dia 10 de setembro com o objetivo de fazer a
análise. Ainda havia uma grande quantidade de férula não transformada; os produtos
da fermentação foram os seguintes: álcool absoluto 21 cêntimos, cubos. Ácido
propriónico 12 gramas. Ácido butírico 150 "Acetato cristalizado de refrigerante
650" Lactato cristalizado de giz 709 "A segunda operação, em maior escala,
continuou até que o lactato formado fosse transformado; a análise dos produtos foi
realizada em 10 de maio do seguinte ano. O experimento durou quase um ano. Ainda
havia alguma férula não transformada. Foram encontrados: Álcool misturado com
álcoois superiores78 cc Ácido propriônico80 gr. Ácido butírico 680 gr. Ácidos
superiores ao butírico até caprílico 245 gr. acetato de soda 725 gr. Assim, como
nas fermentações lácticas clássicas, o fermento que produz o ácido láctico é aquele
que também destrói esse ácido no lactato de cal.É necessário observar que os
produtos formados pelos microzimas da fibrina diferem muito, tanto em proporção
quanto em qualidade, daquelas das fermentações lácticas comuns e, especialmente,
das da mãe do vinagre.Eu insistirei mais e mais no fato de que a b as acteria dos
microzymas que evoluem na primeira fase desapareceram gradualmente, mas
completamente, na segunda, de modo que, no final, restavam apenas algumas formas
intimamente ligadas aos microzymas. Mas insisto aqui no fato de que, para os dois
experimentos, 200 gramas de fibrina fresca foram empregadas, contendo no início 0
gr no máximo. 2 de microzymas para efetuar as prodigiosas transformações da fecula.
Os microzymas fibrinosos são figurados como fermentos de energia rara. Tais foram
as preliminares para a descoberta do terceiro elemento anatômico do sangue. Para
umacompleta
compreensãoda fibrina e dos produtos de suas alterações, é necessário saber sob que
luz considerar a albuminose de Bouchardat, que este sábio acreditava existir na
suposta solução de fibrina no ácido clorídrico diluído, e para isso devemos ter um
melhor conhecimento dos albuminóides.

CAPÍTULO II. SOBRE A INDIVIDUALIDADE ESPECÍFICA REAL DOS PRINCÍPIOS PROXIMOS


ALBUMINÓIDES. OS ALBUMINÓIDES. O FENÔMENO DA COAGULAÇÃO. OS ALBUMINÓIDES DA
FIBRINA. OS ALBUMINÓIDES DO SORO. HEMOGLOBINA. HEMOGLOBINA E ÁGUA OXIGENADA.

O fenômeno da coagulação. A solução clorídrica de fibrina, separada de seus


rnicrozymas, contém uma mistura de matérias albuminóides, solúveis e insolúveis em
água. Para resolver o problema da coagulação espontânea do sangue, é necessário
conhecer não apenas os três elementos anatômicos desse humor, mas também a
composição do meio no meio em que ele vive, porque são encontradas unidas as
condições de sua existência. Vamos admitir - o que será provado - que, de acordo
com a hipótese de Hewson, de Milne Edwards e de Dumas, a fibrina não existe
dissolvida no sangue e, além disso, está conectada com o que chamamos de microzymas
fibrinosos . Reconhecemos então que a parte realmente líquida do sangue contém
todos os seus componentes, incluindo os albuminóides, em um estado de solução
perfeita, como no soro separado do coágulo. Em 1815, supunha-se que o soro do
sangue continha albumina como a única matéria albuminóide, e isso não era
identificado apenas com a clara de um ovo, mas com o albume do fluido seroso do
pericárdio e dos ventrículos do cérebro. , com chyle, e até mesmo com fluidos
serosos patológicos: como o de hidropisia, bolhas, etc.1 E essas identificações
foram baseadas apenas em um único caracter, a coagulação. 1. Thenard, Traite de
chimie, vol. III, p. 432 (1815). Até hoje, afirma-se que duas soluções contêm a
mesma albumina quando são coaguláveis aproximadamente à mesma temperatura. Mas o
fenômeno da coagulação foi tão abusado que se tornou necessário defini-lo com
precisão. O fenômeno da coagulação. A princípio, o termo coagulação era aplicado à
passagem do sangue de um líquido para um estado sólido, no mesmo sentido que se
dizia de um líquido que solidificava, de um vapor que se condensava em um líquido -
que coagulava. Fourcroy disse que a clara de ovo, o soro sangüíneo, etc., são
concrescíveis pela aplicação de calor porque contêm albumina. Mas com o tempo, à
noção de coagulabilidade, os químicos acrescentaram a insolubilidade; coagular
tornou-se para os albuminóides o correlativo de se tornar insolúvel. Por exemplo,
quando a clara de ovo se transforma em uma massa sólida em um ovo cozido, é dito
que ele coagulou, tornou-se ao mesmo tempo solidificado e insolúvel; mas, como será
visto atualmente, não é assim com o sangue quando se diz que ele é espontaneamente
coagulado. uma. [Obsoleto; do latim concrescere, crescer juntos e, portanto,
solidificar-se. - . Quando a coagulação era assim estritamente definida em um
sentido químico, a insolubilidade da substância coagulada era considerada apenas a
água como solvente; a solubilidade antes da coagulação também era relativa à água.
Mas veremos que a idéia deve ser concluída estendendo-a a outros solventes. No
presente estado da ciência, por exemplo, o nome fibrina é dado não apenas ao que
acabei de estudar, o do sangue, a flebotomia geral dos adultos, mas também o do
sangue arterial ou venoso, sem considerar a região do sistema vascular de onde é
retirada, sem distinção de idade; o do quilo, o da linfa ou mesmo de serosidades
patológicas. E essa fibrina era considerada albumina coagulada, sem levar em
consideração a ação especial da fibrina sobre a água oxigenada, nem, como veremos,
sua própria coagulabilidade. Uma rápida revisão da história das matérias
albuminóides permitirá entender como, em 1875, supunha-se que a fibrina fosse
apenas um estágio na transformação ou alteração da albumina. Sob a influência de
Gay-Lussac e de Thenard, de Mulder e de Dumas, os químicos admitiram um certo
número de questões nitrogenadas de origem animal ou vegetal como específicas, não
apenas quando eram um pouco diferentes, mas aparentemente aparentemente idênticas
em seu centesimal. composição elementar. Dumas chamou esses assuntos de "assuntos
nitrogenados neutros da organização", lembrando assim uma antiga classificação de
Thenard. Por fim, eram chamados de albuminóides, comparando-os com o albume, ou
clara de ovo, escolhida para um tipo, devido a certas propriedades comuns e a
algumas semelhanças na composição. A noção de especificidade prevaleceu até 1840;
depois disso, apesar de Berzelius, a idéia singular da unidade substancial dessas
substâncias parecia prevalecer. Foi assim que aconteceu. Deve-se lembrar que
Bouchardat deu o nome de albuminose à matéria fibrinosa dissolvida por ácido
clorídrico muito diluído. A razão para a invenção desta nova palavra é curiosa.
Biot observou que a solução aquosa da clara de ovo desviou o plano de polarização
da luz polarizada para a esquerda; Bouchardat, tendo descoberto que a solução
clorídrica de fibrina também desviou o mesmo plano de polarização para a esquerda,
concluiu que "como o princípio solúvel da fibrina é idêntico à matéria dominante do
albume do ovo, proponho para essa substância pura o nome da albuminose. "
Dissolvendo em ácido clorídrico muito diluído várias outras substâncias análogas e
observando os mesmos resultados nas soluções assim obtidas, ele generalizou o
seguinte: "O princípio fundamental encontrado na fibrina, no albume do ovo, no soro
do sangue, no glúten de cereais, na caseína, é sempre o mesmo: é albuminose,
misturada ou combinada às vezes com matérias terrosas, fosfatos de cal e magnésia,
às vezes com sais alcalinos, às vezes com matérias gordurosas, que mascaram suas
propriedades essenciais. destruída por uma proporção realmente desagradável de
ácido, a solução de albuminose é então encontrada com propriedades idênticas,
reações químicas exatamente iguais, ação semelhante à luz polarizada, sempre
desviando para a esquerda, a energia da qual, outras coisas iguais, é sempre
proporcional à peso da substância dissolvida.1 O que foi dito acima equivale a
dizer que o albume do ovo, o soro, a matéria essencial do glúten, caseína e
fibrina, são a mesma substância, possuindo o mesmo poder rotatório. Veremos como,
mesmo em relação à fibrina, até que ponto a observação de Bouchardat foi
superficial e como ele se enganou ao generalizá-la. Ele se enganou de forma tão
estranha que nem pensou por um momento que tivesse a ver com combinações
clorídricas, acreditando que a quantidade de ácido clorídrico de seu solvente era
inaceitável, etc. Os químicos eram igualmente descuidados. CH. Gerhardt adotou o
ponto de vista de Bouchardat e o estendeu.2 Na Alemanha, especialmente, uma legião
de químicos mantinha a identidade substancial desses assuntos; P. Schutzenberger
(um nativo da Holanda, com sede na França) o adotou. Era porque eles sabiam muito
pouco sobre a constituição química do albume; tão pouco que Ch. Gerhardt consignou
os albuminóides para um lugar abaixo de asfalto e betume e, na confusão geral, M.
Naquet achou que as substâncias albuminóides não pertenciam ao domínio da química,
mas ao da fisiologia, como restos de órgãos. Mas em 1856, enquanto eu estava
ocupado com as pesquisas que resultaram na descoberta dos microzymas, em um
trabalho sobre a fonte de uréia no organismo, 3 por argumentos elaborados 1. CR.
Vol. XIV, pp. 966-967 (1842). 2. cap. Gerhardt, "Traite de chimie organique". Vol.
IV, p. 436 (1856). 3. "Ensaios sobre as substâncias albuminóides e sobre a
transformação no estrangeiro". Estes são os da Faculdade de Medicina de
Estrasburgo. (2d S.). 376 (1856). tanto da química quanto da fisiologia, mantive a
pluralidade específica dos albuminóides e demonstrei que essas substâncias, animais
e vegetais, produzem uréia por decomposição após um fenômeno de oxidação. Neste
trabalho, consegui expressar a constituição química da albumina e dos albuminóides
em geral, considerados princípios próximos. Eu mostrei que suas moléculas eram
muito complexas, as mais complexas conhecidas, na medida em que eram formadas por
numerosas moléculas não complexas das séries adiposa e aromática, entre as quais
derivadas de amidas, amidas e sulfuretos, no número de que a uréia nunca estava em
falta, portanto que, se os ureides de M. Grimaux fossem conhecidos, eu deveria ter
dito que a albumina é um ureeto muito complexo. Neste trabalho, lancei as bases
para futuras pesquisas que me levaram à descoberta de que os assuntos albuminóides,
mesmo aqueles considerados princípios próximos, são misturas, como a albumina da
clara de ovo, ou coisas organizadas, como fibrina e vitelina. As pesquisas pelas
quais demonstrei analiticamente que há um grande número de albuminas e albuminóides
naturais, redutíveis a princípios próximos rigorosamente definidos, foram sujeitas
a exame por uma comissão da Academia de Ciências e a um relatório de JB Dumas. nas
memórias que são o assunto deste relatório, a demonstração da pluralidade
específica de matérias albuminóides e que a doutrina de sua unidade substancial é
um erro.2 1. CR, vol. XCIV. Os membros da Comissão eram Milne-Edwards, Peligot,
Fremy, Cahours, repórter de Dumas. 2. "Memoir sur les matirees albuminoides".
Recueil des memoires des savants etangers. Vol. XXVIII, No. 3, 516 páginas. Criança
levada. Nat. Entre outras coisas, demonstrei que a albumina clássica, a clara de
ovo da ave, do tipo a que foram encaminhadas todas as questões identificadas sob o
nome de albumina, era uma mistura de três princípios próximos, irredutíveis entre
si. ; todos os três albuminóides, todos os três solúveis e desviando o plano de
polarização da luz para a esquerda, dos quais dois são coaguláveis pelo calor, o
terceiro não coagulável, um verdadeiro zymas. E J. Béchamp, tendo analisado, pelo
mesmo método, as claras de ovos de vários animais ovíparos, pássaros e répteis,
descobriu entre eles outros albúmen, outras zymases, diferentes das do ovo das
aves; tão diferentes e diferentes entre si que ele foi capaz de especificar as
espécies de um pássaro pelos albúmens de seu ovo.1 Mas o preconceito e o
partidarismo são tão tenazes que nada serviu. Não obstante o relato de Dumas, muito
tempo depois, um fisiologista erudito sustentou que a fibrina era um princípio
próximo. Ele o fez baseando-se na opinião de M. Duclaux
proclamando "a extrema mutabilidade das matérias albuminóides e a loucura das
especificações químicas estabelecidas nessa categoria de substâncias orgânicas, 2 e
novamente sustentou que a fibrina era um princípio próximo.
1. J. Béchamp, "Nouvelles recherches surlesalbumines normalles et pathologiqites".
IB Bailliere el fils Paris (1887). 2. Dastre, C. R-, Vol. XCVIII, p. 959. Ver sobre
este assunto Comentários de A. Béchamp na nota de Dastre, sob o título de "Existe
uma digestão sem fermentos digestivos dos matériais albuminóides?" CR. Vol. XCVIII,
p. 1157 (1894). M. Dastre viu a fibrina desaparecer, dissolvida, em uma solução de
fluoreto de sódio e concluiu que era uma digestão.É sobre essas opiniões que
repousa a garantia de que a fibrina é um estágio das mutações da albumina e que o
albume do leite é uma conseqüência de outra mudança na caseína, como afirma M.
Duclaux. Tudo isso é impreciso e pode-se até dizer absolutamente Por outro lado,
para assuntos puramente albuminóides, são fixos e são tão rigorosamente definíveis
e específicos quanto qualquer outro princípio próximo. Independentemente da
ignorância que prevaleceu sobre a constituição química dos albuminóides, a que mais
contribuiu para perpetuar esses preconceitos foi que tão pouco se sabia sobre a
faculdade dos albuminóides em formar combinações com bases ou ácidos, que até Dumas
os considerava matérias nitrogenadas neutras. É verdade que Bouchardat disse que
eles formam combinações com os alcalinos e as terras alcalinas, mas disse que essas
combinações eram apenas efêmeras. Thenard admitiu a formação de combinações com
ácidos clorídrico e sulfúrico, mas ninguém prestou mais atenção a isso. Lieberkuhn
considerava o albume da clara de ovo como um albuminato de refrigerante, mas também
dizia que a caseína era um albuminato de potássio etc. Esses tipos de combinações,
sob a hipótese de unidade substancial, serviam para explicar as diferenças
apresentadas por esses assuntos, comparados entre si, como solúveis ou insolúveis.
O certo é que, pelo menos no organismo animal, as matérias albuminóides são sempre
combinadas com um alcalino ou uma terra alcalina, e que essas combinações são
complicadas pela presença de terras fosfáticas, que elas dissolvem. E, como se para
aumentar a confusão e a força do preconceito, foram admitidas coagulações naturais,
ao mesmo tempo em que se procurava explicar a insolubilidade da fibrina por suas
combinações com fosfatos, era chamado de albume coagulado; quanto aos albuminóides
solúveis, para diferenciá-los, eles invocavam a coagulação pelo calor; aqueles que
coagulavam à mesma temperatura eram considerados idênticos; Dizia-se que a caseína
era insolúvel pelo calor, mas coagulável pelos ácidos, confundindo um fenômeno
puramente químico de precipitação com um fenômeno físico, etc. Minhas pesquisas
estabeleceram solidamente que, daqueles materiais naturais que sempre constituem
misturas, podem ser separados por meio de analise os albuminóides, princípios
aproximados, que quando isolados têm uma reação ácida e que se unem com bases em
proporções tão definidas quanto qualquer ácido, de modo que a caseína produz com
sódio um caseinato neutro e um bicaseinato, que avermelha o papel de tornassol.
Também demonstrei que essas substâncias podem formar combinações com ácido
clorídrico e ácido acético em várias proporções. A partir dessas várias
combinações, a matéria albuminóide, solúvel ou insolúvel, sempre pode ser isolada
com seus próprios caracteres próprios e sempre com o mesmo poder rotatório. Mas as
matérias albuminóides naturais, mesmo quando reduzidas a princípios próximos
isolados de bases e outras matérias minerais com as quais foram combinadas ou
misturadas, não são cristalizáveis, voláteis nem fusíveis; eles possuem então
nenhum dos chamados caracteres constantes empregados pelos químicos para verificar
ao mesmo tempo sua pureza e identidade. Como então podemos ter certeza de que a
substância isolada pela análise é sempre idêntica a si mesma? Empreguei
constantemente as potências rotatórias empregadas para um propósito semelhante por
Bouchardat com as substâncias estudadas por ele. A tabela a seguir apresenta os
poderes rotatórios dos assuntos principais albuminóides sobre os quais Bouchardat
experimentou e dispõe a teoria da unidade substancial desses assuntos. Na tabela,
os números são relativos ao tom perceptível de acordo com Biot. Enquanto de ovo de
galinha, o todo, purificado: Potência rotatória em solução aquosa = - 43 ° Primeiro
albúmen desta clara de ovo: Potência rotatória em água} 'solução - 34 ° Segundo
albúmen do mesmo: Potência rotativa em solução aquosa = - 53 ° Leucozomas desta
clara de ovo: Potência rotatória em solução aquosa = - 79 ° Albumina de scrum de
sangue de boi: Potência rotatória em solução aquosa = - 61 ° a --63 ° Hemazymas
iguais: Potência rotatória em solução aquosa = - 57 ° .7 Caseína: Potência rotativa
em solução semelhante = - 117 ° Potência rotatória em solução em ácido clorídrico
diluído = - 108 ° .6 Potência rotatória em solução amoniacal = - 118 ° Lactalbumeno
de vaca leite: Potência de rotação em solução acética = - 66 ° Galactozymas de
leite de vaca: Potência de rotação em água, - solução = - 40 ° .6 Glúten de trigo,
o todo: Potência de rotação em solução em ácido clorídrico diluído = --101 ° .4 Uma
fibrina de glúten: Potência rotatória em solução acética = --102 ° Outra fibrina de
glúten: Potência rotatória em solução acética = - 88 ° A glutina: Ro potência
obrigatória na solução das águas = --109 ° Veremos agora como é uma solução de
fibrina no sangue em ácido clorídrico muito diluído. A solução clorídrica de
fibrina, separada de seus rnicrozymas, contém uma mistura de matérias albuminóides,
solúveis e insolúveis em água. A solução límpida, obtida com ou sem a adição de
fenol, tem uma reação ácida decidida e não atua sobre a água oxigenada. A solução é
realmente uma das combinações clorídricas com matérias albuminóides, das quais a
maior parte é insolúvel em água. De fato, com a adição de amônia diluída para que o
licor se torne levemente alcalino, é produzido um abundante precipitado floculante
branco morto que, coletado em um filtro, bem lavado com água destilada, com álcool
e com éter e rapidamente seco em vácuo seco , forma uma matéria pulverulenta. Seria
a fibrina inteira menos seus microzymas? Se sim, a fibrina é pura e simplesmente
dissolvida; se não, a solução foi o resultado de uma reação. A alternativa será
determinada por dosagem. Manipulação de 60 gramas de fibrina fresca contendo 11,5
g. de matéria seca a 100 ° C. fornecido 7,6 gr. desta matéria insolúvel da mesma
forma seca a 100 ° C; isto é, apenas 66% do peso da fibrina seca; consequentemente,
34% da matéria permaneceu em solução. Se a reação continuar por mais tempo antes de
separar os microzymas, a quantidade de matéria precipitada pela amônia diminui,
enquanto a porção dissolvida aumenta. A substância insolúvel em água - o amônia
precipita - possui ainda a mesma composição elementar que a fibrina, mas difere da
substância intermicrozymian por ser diretamente solúvel em ácido clorídrico muito
diluído, bem como em ácido acético e em amônia. Eu dei o nome de fibrinina. Além
disso, a fibrinina não decompõe a água oxigenada e não liquefaz o amido de fecula.
Entre as substâncias que a amônia não precipita, existe uma que o álcool precipita
após a separação da fibrinina. Este precipitado é uma mistura; uma porção é solúvel
em água, a outra não se dissolve novamente. Eu dei o nome fibrimina. àquela porção
que é finalmente solúvel em água. Mas a parte precipitada pelo álcool é a parte
menor do material que a amônia não precipita; o restante deve ser comparado, mais
ou menos, aos extrativos encontrados na digestão gástrica; Acrescento que a
fibrimina possui a propriedade de amido liquefeito e lamento não ter pensado em
examinar se ela ou alguns dos compostos que a acompanham têm a propriedade de
decompor a água oxigenada. Seja como for, são os seguintes os poderes rotatórios da
solução clorídrica da fibrina como um todo, e os da fibrinina e fibrimina: Fibrina
(de sangue de ovelha, vaca e porco): Poder de rotação da solução clorídrica da toda
a fibrina = - 72,5 ° Fibrinina: Potência rotatória em solução clorídrica-- 67 ° .4
Fibrimina: Potência rotatória em solução aquosa = - 80 ° 1 Uma comparação dessas
várias e diferentes potências rotatórias, respondendo a outras propriedades, não
menos diferente, dos corpos que os possuem, é suficiente para mostrar que a
identificação feita por Bouchardat, que o levou a acreditar que havia uma unidade
substancial entre os albuminóides, não tinha fundamento na natureza real das
coisas. No entanto, 1. Para concluir essas comparações, a fim de proporcionar uma
melhor compreensão da individualidade específica de cada princípio próximo do
albuminóide e mostrar ainda mais o valor do novo método de pesquisa, que, por falta
de definição, chamo de método anti-séptico . Acrescento o seguinte: sabemos que a
fibrina, deixada sozinha em água carbolatada, muda enquanto se dissolve em uma
panela grande sem ficar fétida, deixando um resíduo de microzimas envolto em uma
atmosfera insolúvel em albuminóide. Em resumo, enquanto se transforma
espontaneamente, a fibrina produz alguns materiais dissolvidos e outros insolúveis.
Toda a porção dissolvida, albuminóide e outras não voláteis, tinha uma potência
rotatória (a) j = - 29 "a - 30 °, o que prova que, nessas condições, os produtos
solúveis são diferentes dos formados na mudança de Entre os produtos dissolvidos,
que juntos têm o poder rotatório acima, estavam um zymas e vários albuminóides
solúveis, coaguláveis pelo calor e com diferentes poderes rotatórios, de fato,
daqueles da solução clorídrica. sur les matieres albuminoides ", p. 425.)

Mais de dez anos após o relatório de Dumas e a publicação de minhas memórias sobre
assuntos albuminóides, um fisiologista experiente, MA Dastre, chegou às mesmas
conclusões sobre a aplicação do método anti-séptico ao estudo. Ele também
descobriu, com efeito, que a fibrina bruta "em contato com soluções salinas anti-
sépticas (fluoreto e cloreto de sódio) não se dissolve apenas, mas é transformada"
em diversas substâncias chamadas globulinas, eoses, propeptonas, peptonas, como sob
a influência do suco gástrico. M. Dastre também constatou que a transformação
espontânea de fibrina resultou na formação de produtos solúveis e insolúveis sem
levar em consideração os microzymas e, além disso, generalizou aplicando o mesmo
método a substâncias albuminóides brutas sem outra distinção e sem especificar a
natureza de os produtos formados, para as palavras, peptona, pro peptona, proteose,
globulinas, são aplicados a um grande número de coisas muito diferentes. Para
mostrar que essa afirmação é bem fundamentada, aqui estão os poderes rotatórios dos
produtos solúveis da digestão de algumas matérias albuminóides digeridas pelo suco
gástrico do cão: fibrina (boi ou porco) = - 64 ° a - 66 ° branco de ovo de galinha
- 42 ° a - 48 ° Albumina de soro = - 633,9 Caseína = --101 ° a --112 ° Glúten = -
122,7 Glutina = --134 ° a - 140 ° .5 CR, vol. XCVIII, pp. 959 e 1157. "Memoire sur
les matieres albuminoides", p. 406. baseava-se nessa identificação e nos resultados
de análises elementares feitas sobre misturas e não em princípios reais reais que
baseavam a opinião que considerava a fibrina como albume coagulado ou como um
estágio de mudanças supostas no albume da clara de ovo. Embora tenha sido
verificado que esse albúmen, coagulado ou não, não liberava água oxigenada livre,
essa enorme diferença foi desconsiderada, bem como o fato que se seguiu à solução
incompleta de fibrina no ácido clorídrico diluído, de onde era óbvio que a fibrina
era não é um princípio próximo. Portanto, não surpreende que por muito tempo a
fibrina muscular tenha sido confundida com a do sangue, e que ainda hoje a fibrina
obtida do sangue seja considerada a mesma, seja qual for o animal ou parte do
sistema vascular de onde provém, mesmo também as fibrinas do quilo, da linfa e das
serosidades patológicas. Denis (da Commercy) já havia estabelecido que certas
fibrinas do sangue venoso eram dissolvíveis em uma solução de salitre (nitrato de
potássio), enquanto outras, incluindo fibrinas do sangue arterial, não se
dissolviam nele. Estor e eu demonstramos que a fibrina do sangue de gatinhos muito
jovens se liquefazia e desaparecia no amido que liquefazia, enquanto seus
microzymas evoluíam. Por outro lado, descobri que a fibrina do sangue de boi não se
dissolveu nas condições especificadas por Bouchardat e que era necessário empregar
ácido clorídrico em 3 entre 1.000. Em outro experimento, a fibrina do sangue de uma
galinha jovem, tratada com ácido clorídrico a uma força de 2 por mil, não inchou
mesmo depois de permanecer muito tempo no forno e, ao final de vários dias, o ácido
se dissolveu muito. pouco, e o líquido quase não produziu um precipitado com
amônia. No entanto, esta fibrina decompôs a água oxigenada antes do tratamento;
decompôs-o também após o tratamento, quando o ácido foi eliminado por lavagem com
água. Em suma, para se convencer de que a fibrina é uma substância anatômica muito
mais variável do que um princípio químico definido, sempre o mesmo, basta recordar
as observações anteriores de Marchal de Calvi, de Magendie e de Claude Bernard, bem
como as de J. Birot e J. Béchamp.1 Devemos então apagar as fibrinas da lista de
princípios próximos para ver nelas apenas o que realmente são, a saber, as falsas
membranas microzymianas. A matéria intermicroenzima dessas fibrinas provavelmente
não é a mesma. Seja como for, é certo que a matéria intermicroenzima da fibrina
comum ao boi ou ao sangue de ovelha não é albumina coagulada; que é naturalmente
insolúvel, dissolvendo-se em ácido clorídrico muito diluído apenas por uma espécie
de digestão automática, da qual os microzymas que ele contém fornecem os zymas; e
não apenas não é um albume coagulado, mas é coagulável pelo calor, tornando-se
incapaz de combinar com o ácido clorídrico diluído e de ser posteriormente
dissolvido nele. Em seu relatório para a Academia de Ciências, Dumas não deixou de
chamar a atenção dos sábios para o fato de que a fibrina deve sua propriedade de
decompor a água oxigenada2 àquela parte dela que é insolúvel em ácido clorídrico
diluído. Logo após MM Paul Bert e P. Regnard publicaram um livro de memórias sobre
a ação da água oxigenada sobre questões orgânicas3, que levantou delicadas questões
históricas da química e da fisiologia e de fatos que eu não poderia deixar de
responder. Essa resposta foi objeto de várias notas.4 1. Veja sobre esses assuntos
"Les Microzymas", pp. 233-258 e "Nouvelles Recherches sur lesJ. Béchamp
albumines Normales et pathologiques", de. 93. 2. CR, vol. XCIV, p. 1276. 3. CR,
vol. XCIV, p. 1333. 4. ib., P. 1601, etc. Na comunicação de MM Bert e Regnard, eu
me dirigi principalmente à seguinte afirmação: "Que o sangue mesmo desfibrinado
agia com grande intensidade sobre a água oxigenada e que essa ação parecia estar
inteiramente contida no soro; e, além disso, esse ossein decompõe muito claramente
a água oxigenada ". Observei também que os autores não distinguiram entre as
expressões questões orgânicas e questões animais - que estavam em conformidade com
o estado da ciência da época. Mas eu sabia no que acreditar em relação ao fato de o
sangue desfibrinado decompor a água oxigenada e apurei a natureza do princípio
próximo que era seu agente. E, em primeiro lugar, deixemos sem dúvida que não é o
soro que, no sangue desfibrinado, tem a maior participação nessa decomposição. O
soro amarelo fresco (cidra) que é prensado para fora do coágulo inquestionavelmente
libera oxigênio livre da água oxigenada, o que pode ser devido a restos de fibrina
em suspensão. Mas o mesmo soro, filtrado várias vezes em um filtro revestido com
sulfato de barita, atua cada vez menos na água oxigenada, sem nunca deixar de fazê-
lo, o que é muito simplesmente explicado pela secreção no soro da substância que,
em os microzymas fibrinosos afetam a decomposição; mas quando o soro começa a ficar
vermelho, a ação sobre a água oxigenada é incomparavelmente mais enérgica, e a
explicação é a seguinte: O sangue desfibrinado contém os glóbulos vermelhos, e
estes contêm a substância corante vermelha e seus próprios microzymas (especiais).
Muito foi escrito sobre essa matéria vermelha que passou a ser chamada hemoglobina;
e que foi inicialmente considerado uma mistura de uma matéria albuminóide incolor
chamada globulina e de hematosina. Muito também foi escrito sobre a hemoglobina,
até afirmar que não é um albuminóide porque contém ferro. Foi JB Dumas quem
primeiro estudou e analisou a matéria corante do sangue dos glóbulos como um
princípio próximo albuminóide. Estudei a hemoglobina do mesmo ponto de vista que
outros assuntos albuminóides; admitindo que ele existe combinado com potássio nos
glóbulos, consegui combiná-lo com o óxido de chumbo sob a forma de hemoglobinato.
Mas o hemoglobinato de chumbo, decomposto pelo ácido carbônico, fornece hemoglobina
solúvel no estado de um princípio absoluto próximo.1 1. CR, vol. LXXVIII, p. 850
(1874) e "Memoire sur les Matieres albuminoides", p. 270. A solução de hemoglobina
pura é coagulável pelo calor e pelo álcool; em ambos os casos, o coágulo é
absolutamente insolúvel em água.

A solução é de cor vermelho escuro, o coágulo alcoólico é de um tijolo vermelho. A


hemoglobina, mesmo coagulada pelo álcool, decompõe-se na presença de éter
alcoolizado sob a influência do ácido sulfúrico, em hematosina e matéria
albuminóide incolor. Isso estabeleceu, e para ser mais preciso, e a propósito da
comunicação de MM Bert e Regnard, lembremos que Thenard admitiu que a ação dos
tecidos orgânicos sobre a água oxigenada era da mesma ordem que a da platina, etc.
Não deixe de salientar que, embora esses metais se decomponham, "uma quantidade
infinita" de água oxigenada, não era o mesmo com tecidos orgânicos e fibrina,
alguns decompondo-os por um longo tempo, outros por um período mais curto. Na
primeira categoria, ele colocou os tecidos do pulmão, fígado, baço e fibrina recém-
extraídos do sangue; no segundo, colocou as unhas, a cartilagem fibrosa das
costelas, os tendões, a pele; estes, disse ele, "logo deixaram de agir" e, muito
surpreso, Thenard procurou uma explicação para essas diferenças. Aprenderemos
atualmente que as diferenças apontadas pelo ilustre observador se relacionam à
natureza diferente dos microzymas dos tecidos; Enquanto isso, observarei apenas que
os tecidos orgânicos mais ativos pertencem aos sistemas vascular e respiratório.
Mas não devemos esquecer que Thenard tomou fibrina para uma matéria animal isolada:
isto é, para um princípio próximo de origem animal. Vamos então comparar a ação da
fibrina a esse respeito com a ação da hemoglobina, que é realmente um princípio
próximo do animal. Para ilustrar: tomemos, suponha, 30 gramas de fibrina úmida
fresca e 6 gramas de microzymas fibrinosos úmidos frescos. Em 48 horas, as 30
gramas de fibrina liberarão 1.600 cc de oxigênio, de 180 cc de água oxigenada a
10,5 volumes de oxigênio; isto é, 53 cc de oxigênio por grama de fibrina fresca ou
0,193 grama seca a 100 ° C. Em 48 horas, as 6 gramas de microzymas fibrinosos
liberarão 1.000 cc de oxigênio de 160 cc de água oxigenada a 10 volumes de
oxigênio. ou seja, 166 cc de oxigênio por grama de microzymas úmidos ou 0,139
grama, secos a 100 ° C. Agora, quanto à hemoglobina. Em um experimento, 10 cc de
uma solução dessa substância, pura, contendo 0,338 grama de matéria e 4 cc de água
oxigenada a 10,5 volumes de oxigênio, liberaram 30 cc de gás em três quartos de
hora e 34 cc em 24 horas. Além disso, assim que o desengajamento do gás começou, o
licor ficou nublado, surgiram matérias floculantes e, no final, a descoloração
estava completa. O fenômeno é então correlativo a uma mudança e uma oxidação, pois
a água oxigenada capaz de liberar 42 cc de oxigênio liberou apenas 34 cc dela; além
disso, a água oxigenada é quase completamente decomposta. Se alguém opera com
quantidades suficientemente grandes, o calor é desenvolvido e o ácido carbônico
misturado ao oxigênio é liberado. Quanto aos outros produtos da descoloração por
oxidação da hemoglobina, são numerosos, entre os quais o albuminóide e outros
produtos solúveis, e ao mesmo tempo um corpo insolúvel que contém ferro. A
hemoglobina, então, um princípio próximo, decompõe a água oxigenada, tornando-se
alterada ao fazê-lo como a fibrina e seus microzymas; mas com pesos iguais, a
hemoglobina produz menos oxigênio do que eles. O que distingue o modo de ser da
hemoglobina é que, mesmo coagulado por álcool e depois aquecido a 120 ° C (248 °
F), fica ainda mais descolorido na decomposição da água oxigenada, com
desacoplamento do oxigênio, enquanto cozinhado fibrina se torna inativa. Mas a
hemoglobina é redutível em matéria albuminóide incolor e em hematosina; isto é, em
dois novos princípios próximos. Agora, a matéria albuminóide incolor da
decomposição, liberada do ácido sulfúrico com o qual foi combinada, não libera
oxigênio livre da água oxigenada. Por outro lado, a hematosina insolúvel e a água
oxigenada reagem fortemente com o desengajamento do calor e do oxigênio misturado
ao ácido carbônico, enquanto, absorvendo uma parte do oxigênio, ele é totalmente
transformado em produtos solúveis. E, o que é exatamente o oposto do que ocorre com
fibrina e microzymas fibrinosos, o ácido sulfúrico livre não prejudica a reação. É
evidente que a hemoglobina deve a molécula ferruginosa da hematosina, que é uma das
moléculas constituintes de sua própria molécula, a propriedade de decompor a água
oxigenada, destruindo-se por oxidação. E é assim que certos princípios imediatos
dos microzymas fibrinosos e da água oxigenada reagem, causando a decomposição
destes com desengajamento de oxigênio. Aqui estão, então, muitos princípios
aproximados indiscutíveis que agem sobre a água oxigenada, à maneira dos tecidos
orgânicos dos quais Thenard falou, e à maneira da fibrina, que também é um tecido
orgânico. É útil conectar os fatos relativos à hemoglobina e hematosina com a
reação recíproca do ácido hidrociânico e da água oxigenada, para mostrar que eles
não são fatos isolados. Além disso, o próprio Thenard observou que a água oxigenada
de uma certa concentração reagia ao açúcar de cana com a retirada do oxigênio e do
ácido carbônico. No sangue desfibrinado, é então especialmente a hemoglobina dos
glóbulos sanguíneos que é o agente da decomposição da água oxigenada; e se o soro
cor de limão (sempre com pouca intensidade) afeta essa decomposição, é porque
contém, além de seu próprio albúmen, algum princípio próximo, zymas ou outro, capaz
de fazê-lo. De fato, o albúmen do soro, isolado e puro, é tão pouco dotado dessa
propriedade quanto a clara de ovo e o albuminóide incolor da decomposição da
hemoglobina. 1. O albume do soro! O poder rotatório deste albúmen foi dado na
tabela anterior para distingui-lo das substâncias albuminóides que Bouchardat
confundiu sob o nome de albuminose. Mas sua especificação é tão importante para um
conhecimento exato do sangue que ele mereceria um capítulo para si; mas, graças ao
que precedeu, esta nota será suficiente. Primeiro, lembremos que Denis (de
Commercy) (1856) supôs que a plasmina do plasma fosse decomposta, após o
sangramento, em fibrina de concreto e fibrina dissolvida, posteriormente denominada
metalbumen. Para que, de acordo com essa hipótese, o soro expelido do coágulo
contenha esse metalbumeno e sua própria
albumina. Denis pensou que ele poderia verificar essa hipótese isolando do soro sua
fibrina dissolvida ou metalbumen da seguinte maneira: quando cristais de um sulfato
de magnésia são adicionados ao soro, esse sal é dissolvido nele e chega uma hora em
que o soro é tão saturado que não será mais dissolvido e um precipitado é formado.
Era a substância desse precipitado, insolúvel em uma solução saturada de sulfato de
magnésia - mas solúvel em água, que deveria ser fibrina dissolvida. Um deles era o
mais certo disso, porque, em condições semelhantes, a clara de ovo. albúmen comum,
não dá precipitado ao sulfato de magnésia. Tal é o experimento que levou à admissão
de plasmina e sua redução que daria ao metalbumeno, que se dissolveria no soro com
seu próprio albume, supostamente idêntico ao albúmen de ovos. Mas tudo isso é
errado. O sangue não contém plasmina e o soro não contém duas albuminas, das quais
uma é metalbumina. De fato, o professor J. Béchamp, em "Albumines normales et
pathologiques", p. 31, demonstrou que o precipitado determinado no soro pelo
sulfato de magnésia é a mesma substância, dotada do mesmo poder rotatório da
albumina sérica mencionada na tabela. Além disso, ele provou que certas albuminas
do ovo da ave também são precipitadas por sulfato de magnésia, como é o caso de
certas serosidades patológicas, mas os precipitados assim obtidos a partir desses
líquidos albuminosos patológicos, também chamados metalbumens, possuem diferentes
poderes rotatórios os dos albúmen do ovo branco de certos pássaros. Daí a conclusão
de que não há melalbumina ou fibrina dissolvida. Além disso, a especificação não se
baseia apenas na diferença de potências rotatórias, mas em todas as propriedades
tomadas em conjunto. Mas uma prova direta será dada de que não há nada no sangue
que se assemelhe ao hipotético corpo chamado plasmina. Este albuminóide incolor da
decomposição da hemoglobina, por seu poder rotatório e outras propriedades, é
absolutamente distinto das albuminas e albuminóides da tabela. Mas os glóbulos
sanguíneos também contêm microzymas que decompõem a água oxigenada. Ao estudá-los,
é necessário observar que os tecidos orgânicos que efetuam essa decomposição devem
esse poder especialmente a seus elementos anatômicos ou a algum princípio próximo
secretado por eles. Em outras palavras, a propriedade de decompor a água oxigenada
não caracteriza tecidos ou corpos orgânicos, como acreditava Thenard. O estudo
desses albuminóides em geral, e especialmente dos sangüíneos, prova que a matéria
inter-microenzima nitrogenada da fibrina é de natureza especial, distinta de todas
as outras matérias albuminóides, principalmente do tipo de albumina que pode ser
coagulada. , e isso é coagulável pelo calor, tornando-se assim absolutamente
insolúvel em ácido clorídrico muito diluído.1 Mas o estudo especial da fibrina que
revelou os microzymas fibrinosos não nos ensinou nada a respeito da condição da
fibrina no sangue durante a vida, isto é, sem dizer nada a respeito da relação
entre a matéria intermicrozymian e os microzymas. Este será o assunto do próximo
capítulo. 1. Para explicar como a fibrina em suas alterações espontâneas pode dar
origem a um grande número de produtos de decomposição, é bom acrescentar o seguinte
ao que eu disse sobre a complexidade da molécula albuminóide. É comum dizer que a
matéria albuminóide é um quaternário nitrogenado. Mas eu mostrei que a caseína,
absolutamente livre de matéria mineral, contém fósforo, e como a caseína na
glândula mamária resulta da transformação das matérias albuminóides do sangue,
segue-se que elas também são fosforetadas; a caseína também contém enxofre, que era
conhecido, mas deveria ser acidental. Então a hemoglobina continha ferro. Uma
molécula albuminóide pode assim conter além de carbono, hidrogênio, nitrogênio e
oxigênio, fósforo, ferro e enxofre, sete elementos em vez de quatro. Eu observei
que nas matérias albuminóides dos microzymas da vitelina, o enxofre não produz
ácido sulfúrico precipitável pelo barita quando é oxidado pelo hipermanganato de
potássio; nisto assemelha-se a Taurine, "Memoire sur les matieres albuminoides", p.
389.

CAPÍTULO III. DO ESTADO DA FIBRINA NO SANGUE NO MOMENTO DA VENESEÇÃO E DAS


GRANULAÇÕES MOLECULARES. O FIBRIN SEM MICROZIMAS. AS GRANULAÇÕES MOLECULARES
MICROZIMIANAS HAEMÁTICAS.

O terceiro elemento anatômico do sangue e as granulações moleculares dos glóbulos


sanguíneos. Tratamento das granulações moleculares hemáticas com ácido clorídrico
muito diluído. Experimente o sangue diluído em uma solução aquosa saturada de
sulfato de refrigerante. As experiências que demonstraram que a fibrina era um todo
completo, formado por uma matéria especial albuminóide pertencente a ela e por
microzymas, e não um princípio próximo, não resolveram o problema levantado por
Dumas, para determinar em que condição uma substância assim composto existia no
sangue; nem resolveu o problema se tal substância existia nele ou se era o
resultado de uma transformação química realizada após o sangramento. Não foi na
primeira tentativa que resolvi o problema, no sentido da conclusão a que chegamos
neste capítulo, a saber, que o sangue realmente contém a fibrina no estado de
granulações moleculares microzymianas onde o microzyma e a matéria especial
albuminóide são intimamente associado a um elemento anatômico muito especial. A
solução desse problema só poderia ser completamente dada após a coleta das
observações que foram resumidas nos dois primeiros capítulos e daquelas que ainda
não descrevi. Lembremos primeiro qual, em 1869, era o estado de opinião sobre,
primeiro, a pré-existência de fibrina no sangue; segundo, sua produção no sangue
após a emissão dos vasos. Sobre a preexistência da fibrina, havia duas opiniões:
segundo uma, que era a de Hewson, de Milne-Edwards e de Dumas, a fibrina existia no
sangue em uma condição de extrema divisão, em moléculas finas, que, após o
sangramento, consolidou-se para constituir a fibrina comum. Segundo o outro, que
era também o de Hewson e, de certa maneira, de Dumas, existia nele em estado de
solução ou quase-solução. Cl. Bernard1 aliou-se a isso admitindo que o sangue
continha um líquido albumino-fibrinoso que só poderia permanecer líquido na
economia, assumindo a forma de fibrina após o sangramento. 1. CL Bernard, "Liquides
dc 1'organisme". Vol. Eu p. 152 (1859). Essas opiniões, no entanto, não tiveram
parte na solução do problema. Eles estavam tão completamente perdidos de vista que
Estor e eu tacitamente nos encontramos entre aqueles que não admitiam a pré-
existência da fibrina. De fato, depois de ter provado a presença dos microzymas do
sangue na fibrina, pelo fato de sua evolução vibracional na própria substância,
dissemos, em fevereiro de 1869: "O que é chamado fibrina do sangue é falso.
membrana formada pelos microzimas do sangue, associada a uma substância que
secretam em estado ácido os elementos albuminóides desse líquido. "1 Foi porque
procuramos e descobrimos as granulações moleculares no sangue, antes de provar que
havia Havia microzymas na fibrina, que os comparávamos com os microzymas do fígado,
achando-os menores e mais transparentes que o último.2 No entanto, esses microzymas
no sangue não foram isolados por nós. A consideração de que, no fígado, os
microzymas estão especialmente incluídos nas células hepáticas nos levou a buscar
da mesma maneira os microzymas nos glóbulos do sangue. Foi nessa ocasião que
fizemos um experimento sugerido por essa observação, que é a seguinte: 1. CR, vol.
LXVIII.p. 408. 2. lbid .. Vol. LXIV. p. 713. O Dr. Clement Combescure, que, ao meu
lado, havia experimentado o sangue do ponto de vista de sua suposta coagulação no
vaso por um consumo excessivo de bebidas alcoólicas, havia muito tempo descobrira
que o sangue recebia diretamente do sangue. os vasos para o álcool a 40% a 45%,
longe de coagular, dissolveram-se.1 O experimento foi repetido sob as mesmas
condições, descobrimos que a mistura de sangue e álcool permaneceu líquida,
parecendo límpida, não depositando glóbulos nem fibrina, mas que, aos poucos, fez
um depósito abundante, que o microscópio mostrou ser quase exclusivamente formado
por granulações moleculares animadas pelo movimento browniano.2 Foi a partir desse
resultado que finalmente chegamos à solução do problema, mas apenas muito tempo
depois de ter retomado o trabalho. estudo da fibrina e de suas alterações. Como eu
havia feito em 1869, a princípio, considerava as granulações moleculares do
depósito do sangue alcoolizado como sendo os microzymas do sangue ou os microzymas
dos glóbulos. Porém, quando eu havia isolado os microzymas fibrinosos de extrema
minúcia e após o estudo das granulações moleculares da fibrina alterada
espontaneamente, liquefeito, sem ficar fétido, duvidei. Aqui estão as consequências
dessa dúvida: 1. Dr. C. Combescure, Teses sobre os efeitos terapêuticos da amônia.
p. 82. Teses da Faculdade de Medicina de Montpellier (1861). 2. CR. Vol. LXX, p.
265 (1870). O terceiro elemento anatômico do sangue e as granulações moleculares
dos glóbulos sanguíneos. As condições do experimento para isolar o terceiro
elemento anatômico do sangue são as seguintes: Pegue o álcool, rigorosamente
retificado, isento de ácidos e álcalis, e dilua-o com água destilada, de 35 a 40%.
Em dois volumes de álcool assim diluídos, um volume de sangue é levado a fluir
diretamente e sem interrupção, pois vem dos vasos. Tanta coisa para o sangue como
um todo. Para examinar o sangue já desfibrinado, ele deve ser passado através de um
pano de linho fino, para remover a fibrina que pode ser mantida em suspensão, e
também é vertida em duas vezes o seu volume de álcool diluído. As misturas,
vermelho escuro, sendo deixadas sozinhas em local fresco, é formado por graus um
depósito vermelho claro que leva pelo menos 24 horas para ser concluído. O depósito
é muito mais abundante para todo o sangue do que para os desfibrinados. O depósito
é lavado primeiro por decantação em álcool a 35%, depois em um filtro com álcool a
30%, até ficar perfeitamente branco. Sob o microscópio, a matéria se resolve em um
número infinito de granulações moleculares muito finas. Essas granulações são
misturadas com restos de células, mais abundantes em um depósito fornecido pelo
sangue desfibrinado. Fiz várias determinações dessas granulações moleculares. Os
seguintes foram feitos com volumes suficientemente grandes de sangue de ovelha, por
sangramento da veia jugular. 800 cc do sangue total deram 37,4 g. de granulações
úmidas completamente drenadas, contendo 5,76 gramas de matéria seca a 120 ° (= 248
° F); isto é, 7,07 gramas de granulações secas por litro de sangue total. 2675 cc
do mesmo sangue, primeiro desfibrinado, deram 22,1 g. granulações úmidas,
escorridas e contendo 4,87 gr. de matéria seca a 120 ° C; isto é, 1,82 gr. por
litro de sangue desfibrinado. Mas essas quantidades estão longe de serem
constantes, mesmo para o sangue do mesmo animal. Por exemplo, um litro de sangue de
ovelha, em outro experimento, deu apenas 5,70 gr. das granulações secas a 120 ° C,
e outra apenas por batida, deu 3,15 gramas de fibrina, secas a 120 ° C, por litro.
No entanto, talvez com relação às granulações moleculares do sangue desfibrinado,
considere-as como representando (como será demonstrado a seguir) as granulações
moleculares e os envelopes dos glóbulos destruídos; a diferença 7,07 gr .-- 1,82
gr. = 5,25 gr. representará as granulações moleculares que o sangue sem os glóbulos
terá fornecido. No "Memoire sur les matieres albuminoides", eu ainda considerava as
granulações moleculares das quais tratava como sendo microzymas, como existiam no
sangue, e mostrei que, como os microzymas fibrinosos, liquefaziam amido de férula e
decompunha o oxigênio água. De fato, 1 cc de granulações moleculares úmidas de todo
o sangue desengatou, em 12 horas, 26 cc de oxigênio de 2 cc de água oxigenada a 15
volumes de oxigênio; e 1 cc de granulações moleculares úmidas de sangue
desfibrinado, desengatou, em 12 horas, 23 cc de oxigênio de 2 cc da mesma água
oxigenada.

Essas granulações possuem então as propriedades da fibrina e dos microzymas


fibrinosos. Mas eles são realmente microzymas isolados? Eles não são precisamente a
fibrina, como existe no sangue? O que me levou a fazer essa pergunta foi: primeiro,
a observação das granulações moleculares da fibrina mudou espontaneamente e,
segundo, que o peso dessas granulações é freqüentemente maior que o peso da fibrina
que o mesmo volume de sangue foi capaz de produzir. fornecer. Tratei então as
granulações obtidas do sangue, diluídas em álcool, como tratara as da fibrina
alterada, ou da própria fibrina, para isolar dele os microzymas. Tratamento das
granulações moleculares hemáticas com ácido clorídrico muito diluído. O depósito
úmido das granulações isoladas é tratado com ácido clorídrico muito diluído; em
contraste com o que acontece com a fibrina, elas desaparecem quase instantaneamente
à temperatura comum, mesmo quando o ácido é diluído para uma em mil. Em alguns
minutos, dez gramas foram dissolvidos em um líquido turvo, a partir do qual
microzymas, tão pequenos quanto os da fibrina por chicotadas, foram depositados
lentamente. A solução clorídrica límpida, separada dos microzymas, exatamente
saturada pelo carbonato de amônia, forneceu um precipitado de fibrinina, que quando
bem lavada não decompõe a água oxigenada, enquanto os microzymas isolados e lavados
a decompõem, etc. os materiais dissolvidos pelo ácido clorídrico eram (a) j = -74
°. Quanto ao poder rotatório da fibrinina, foi encontrado na solução acética (a) j
= --68 ° .9. Ou seja, perceptivelmente os da fibrina e da fibrinina da fibrina nas
mesmas condições. A grande diferença entre fibrina no estado de granulações
moleculares e fibrina obtida por chicoteamento reside então essencialmente na
maneira de reagir em relação ao ácido clorídrico muito diluído, a solução da
fibrina comum, em função do tempo e da temperatura. O sangue do boi e o do coelho
se comportaram exatamente como o sangue das ovelhas. Mas o sangue do pato ofereceu
peculiaridades interessantes, como veremos no momento. A única condição para o
sucesso do experimento, mas rigorosamente indispensável em todos os casos, é que o
sangue derramado flua diretamente do vaso para o álcool a 35-40%., Cujo volume deve
ser o dobro do sangue a ser derramado. ser coletado. O menor intervalo, como, por
exemplo, o recebimento de sangue em uma cápsula de porcelana ou em vidro, a partir
da qual o derramamento no álcool diluído é suficiente para comprometer o resultado.
Sob circunstâncias semelhantes à última, o depósito parecia ser feito mais
rapidamente e, em vez de ser pulverulento, era floculento. O depósito, coletado
como de costume, desapareceu 24 horas após o qual (quando derramado diretamente no
álcool) foi efetuado de uma só vez. Daí resulta que a matéria das granulações
moleculares do depósito formado pela mistura instantânea do sangue, que sai dos
vasos, com o álcool diluído, está em um estado químico, fisiológico e anatômico
mais próximo do que supõe no sangue circulante. É, portanto, necessário obter a
idéia mais exata da constituição física das granulações moleculares nessa condição,
a fim de entender sua constituição no sangue no momento em que isso é retido pelo
fluxo no álcool. É um fato invariável que as granulações moleculares do depósito
formado pela mistura instantânea do sangue, no momento do sangramento, com o dobro
do seu volume de álcool a 35-40%, sejam imediatamente dissolvidas por ácido
clorídrico muito diluído para um líquido turvo contendo os microzymas e a baixa
temperatura. E é um fato não menos invariável que, no momento da mistura com
álcool, o sangue pareça estar dissolvido, tanto que uma fina camada do líquido é
quase transparente; sob o microscópio não são vistos glóbulos, e é com dificuldade
que se pode perceber certas partículas que são elas mesmas translúcidas. O
depósito, que é então feito muito lentamente, não é o resultado de uma formação
antes de tudo de um precipitado devido a alguma reação ou coagulação de alguma
matéria dissolvida; é bem diferente, uma vez que os glóbulos que nadam insolúveis
no sangue circulante são eles próprios dissolvidos enquanto são destruídos. É ainda
evidente que, se o depósito tivesse sido produzido por coagulação, pelo álcool, de
uma substância que existia dissolvida no sangue e que se tornasse insolúvel em água
devido ao fato dessa coagulação, mas se tornasse solúvel em ácido clorídrico muito
diluído, o todo deve ser dissolvido por este último! Mas os microzymas são o
resíduo insolúvel persistente do depósito, pois são da fibrina obtida por
chicoteamento. Mas, além disso, esse importante fato deve ser lembrado, ao qual já
chamei a atenção, que é precisamente quando ocorre um intervalo, mesmo que muito
curto, entre a venesecção e a mistura do sangue com o álcool, que as granulações
moleculares o o depósito não é dissolvido imediatamente pelo ácido clorídrico
diluído; isto é, que uma certa coagulação ocorreu. Chegamos então à conclusão de
que as granulações do depósito formado instantaneamente na mistura representam o
estado mais próximo daquele que eles têm no sangue no momento preciso do
sangramento. Mas qual é a relação entre a parte solúvel no ácido clorídrico diluído
dessas granulações moleculares e os microzymas que permanecem não dissolvidos? É o
mesmo que apontei nas granulações moleculares que existem no depósito a partir da
alteração espontânea da fibrina na água carbolatada, ONDE CADA GRANULAÇÃO É MASSA
ASFÉRICA DE MATÉRIA ALBUMINÓIDE QUE TÊM UM MICROZIMMA PARA SEU CENTRO. De fato, as
granulações moleculares do depósito formado pelo sangue alcoolizado são assim:
redondas, esféricas, móveis; isto é, animado pelo movimento browniano,
representando uma massa extremamente minúscula de matéria albuminóide com uma
microzima como centro. O ácido clorídrico muito diluído dissolve a matéria
albuminóide envolvente, deixando o microzima central não dissolvido. Um microzima
para o núcleo, envolvido por uma atmosfera por uma massa de matéria albuminóide,
insolúvel em água, mas que o ácido clorídrico muito diluído se dissolve, tal é a
constituição física de uma granulação molecular formada por sangue diluído em dois
volumes de álcool a 35 -40%. Pode ser chamado de granulação molecular microzymian.
Mas as granulações moleculares assim constituídas existem anatomicamente? e existe
algum no sangue? Sim, e o exemplo não é solitário, 1 mas a granulação molecular
microzymian hematic, com sua atmosfera albuminóide especial, é um excelente exemplo
desse tipo. Resta apenas representar esse estado dessa atmosfera no sangue. Volto à
observação já feita, de que o depósito no sangue alcoolizado não é resultado da
precipitação de alguma substância dissolvida contida no sangue, conforme a hipótese
do plasma. Mas a observação direta já havia permitido a mim e a Estor declarar que
o sangue, que é emitido pelos vasos antes do início da formação do coágulo, contém,
ao redor dos glóbulos, um número incontável de microzymas (o que levamos para
microzymas) o mais facilmente visto no sangue de animais muito jovens - por
exemplo, de gatinhos de três a quarenta dias; e esses microzymas que parecíamos com
os do fígado, mas mais transparentes; e não deixamos de acrescentar que a razão
pela qual eles escaparam da atenção dos histologistas foi por causa de sua minúcia
e transparência.2 Na realidade, era uma idéia diligente que nos permitiu encontrá-
los onde nunca antes haviam sido vistos. No sangue desfibrinado, eles não podem ser
encontrados. 1. Antes de eu descobrir as granulações moleculares microzymian com
uma atmosfera albuminóide. Eu já tinha observado alguns deles de outro tipo. Ao
isolar os microzymas do pâncreas, como Estor e eu tínhamos isolado os do fígado,
encontrei-os envoltos em uma atmosfera de matéria complexa. O tratamento com éter
alcoolizado e água dissolveu as questões da atmosfera envolvente e os microzymas
pancreáticos nus tornaram-se visíveis com sua minúcia e cor especiais. Os
microzymas vitelínicos da gema dos ovos das aves também são envolvidos por uma
questão complexa. Quando o tipo de tecido que constitui a gema desses ovos é
absorvido por uma grande quantidade de água destilada, os materiais intergranulares
se dissolvem e as granulações moleculares da vitelina são depositadas, esféricas,
às vezes misturadas com os glóbulos de vitelina. Lavar com água remove tudo o que
pode ser dissolvido nela; depois o tratamento com éter e com éter alcoolizado
dissolve a matéria envolvente, um filho de liga, um amálgama de corpos gordurosos e
de lecitina. Finalmente, lavar com água e novamente com éter produz os microzimas
vitelínicos de uma cor perfeitamente branca. Os microzymas da vitelina e o
pancreático existem então bem envolvidos, na condição de granulações moleculares
microzymianas. 2. C. R-.VoI. LXIX, p. 713. O que consideramos microzymas
transparentes, visíveis com dificuldade, foram as granulações moleculares
microzymian haemáticas, as mesmas que as do depósito no sangue alcoolizado, exceto
que a atmosfera albuminóide deste último é uma atmosfera condensada, contraída, se
torna opaca enquanto estiver no sangue, ele é inflado, macio e mucoso, hialino e
pode novamente, como será mostrado atualmente, tornar-se inflado no sangue, ao qual
foi adicionada água. A teoria do fenômeno apresentado pelo sangue diluído no álcool
é a seguinte: Quando o sangue é recebido diretamente no álcool sob as condições
especificadas, seus elementos anatômicos são rudemente colocados em novas condições
de existência; enquanto os glóbulos são destruídos e sua matéria corante (a
hemoglobina) se dissolve, a atmosfera mole e mucóide das granulações moleculares
microzimas insolúveis condensa em graus e endurece em torno de cada microzima
central; então, tornando-se mais densas, as granulações moleculares microzymianas
são depositadas. E é porque a atmosfera albumóide mucóide, insolúvel em
água, é condensada e endurecida, mantida pelo álcool antes de ser coagulada, que é
dissolvida imediatamente em ácido clorídrico muito diluído, enquanto é modificada
por coagulação, e torna-se insolúvel nele, como é o caso da fibrina obtida por
chicoteamento, se algum intervalo de tempo separar a venesecção da mistura do
sangue com o álcool. Mais uma vez, a atmosfera condensada das granulações
moleculares microzymian contém a matéria albuminóide no estado mais próximo, se não
idêntico, ao que tinha no sangue. O experimento a seguir nos instruirá ainda melhor
quanto à natureza da atmosfera mucóide das granulações moleculares microzymianas
hemáticas. Experimente o sangue diluído em uma solução aquosa saturada de sulfato
de refrigerante. Sabe-se que o sangue misturado com várias vezes o seu volume de
uma solução saturada de sulfato de refrigerante não produz coágulos e que os
glóbulos são depositados na mistura sem produzir a sua substância corante. Por que
nessas condições não se forma um coágulo? A seguir, é apresentada uma tentativa de
explicação do fenômeno. O experimento deve ser realizado no inverno em temperatura
de congelamento. Um volume de sangue de ovelha é recebido diretamente da veia
jugular em quatro vezes o volume de uma solução saturada de sulfato de sódio e a
mistura é deixada em repouso. Vinte e quatro horas depois, a maior parte dos
glóbulos será depositada.

O líquido transparente sobrenadante é filtrado sobre um filtro revestido com


sulfato de bário 1, a fim de reter os glóbulos e os microzymas que permanecem em
suspensão. A filtração é necessariamente lenta. O líquido filtrado, quase incolor,
é absolutamente claro; misturado com água oxigenada, libera lentamente um pouco de
oxigênio. 1. O revestimento com sulfato de bário é feito da seguinte forma: O
filtro deve ser sem dobra; deve ser preenchido com líquido, no qual uma solução
adequadamente diluída de cloreto de bário tenha sido precipitada por uma solução
semelhante de sulfato de sódio; o filtrado deve ser novamente derramado sobre o
material de enchimento até que o que passa fique perfeitamente claro. Deve estar
disposto de modo que o leito de sulfato de barita tenha pelo menos meio milímetro
de espessura. Finalmente, o filtro deve ser lavado com uma solução de sulfato de
refrigerante. O líquido que permaneceu límpido durante todo o período de filtração
(cerca de 20 horas) fornece por agitação uma pequena massa de fibrina de uma
brancura brilhante, tendo a aparência membranosa da fibrina obtida por
chicoteamento. O líquido separado dessa matéria, novamente filtrado em um filtro
revestido com sulfato de barita, também libera oxigênio da água oxigenada. A
fibrina separada do líquido filtrado da mistura de sangue e do sulfato de
refrigerante, ou seja, uma fibrina sem microzimas, não libera oxigênio livre da
água oxigenada, mas se dissolve nela. Uma massa dessa fibrina sem microzimas, sendo
colocada cerca de 1 cc em 8 cc de água oxigenada com seis volumes de oxigênio, não
liberou oxigênio mesmo após seis dias de contato (pelo menos, não mais do que teria
sido libertado dela sem a adição), mas a fibrina havia desaparecido; foi
dissolvido. E a solução era albuminóide, pois ao tratar com o reagente de Millin,
apareceu um precipitado branco que ficou vermelho ao aquecê-lo levemente. Quanto ao
líquido límpido separado desta fibrina sem microzimas, deu, com a adição cuidadosa
de ácido acético, um ligeiro precipitado albuminóide que não foi examinado mais
detalhadamente. Mas o licor separado desse precipitado continha uma matéria
albuminóide solúvel precipitada pelo álcool, que, em solução acética, tinha um
poder rotatório: (a) j = - 86 °, muito diferente do da seralbumina. A partir deste
experimento, podemos concluir que as granulações moleculares microzymianas são,
como os glóbulos, insolúveis no sangue, onde as condições de sua integridade
anatômica existem unidas; mas o sangue sendo diluído na solução de sulfato de
refrigerante, embora os glóbulos permaneçam insolúveis, a substância albuminóide
que forma a atmosfera mole das granulações microzimianas é dissolvida no novo meio,
pelo menos em parte, passando por alguma transformação sem dúvida. De fato,
enquanto por agitação uma parte é separada na condição de uma massa insolúvel1 com
aparência membranosa de fibrina, outra parte permanece dissolvida e pode ser
separada dela, e tem um poder rotatório maior que o da seralbumina. O fato da
mudança também é evidente a partir disso; que a matéria insolúvel da aparência
fibrinosa é dissolvida em água oxigenada sem libertar oxigênio. E se o líquido
límpido da filtração antes e após a separação dessa substância fibrinosa libera um
pouco de oxigênio da água oxigenada, é porque parte da matéria que, nos microzymas,
afeta esse desengajamento, é difundida nela. Assim, o experimento direto demonstra
que aquilo que na fibrina decompõe a água oxigenada são os microzymas; a massa
intermicroenzima ou a matéria albuminóide envolvente não a decompõe; constituindo
assim uma verificação dos fatos estabelecidos no primeiro capítulo; tanto que é
desnecessário acrescentar que o sangue desfibrinado, tratado com sulfato de sódio,
não produz nenhuma substância fibrosa. 1. Não há nada para se surpreender nessa
passagem espontânea do estado dissolvido para um estado insolúvel. Existe um caso
paralelo em uma modificação da matéria amilácea, que, de uma condição de solução
perfeita, passa gradualmente, no próprio licor, para um passado insolúvel. Tais são
os fatos. Mas essas granulações microzymianas, que Estor e eu pegamos para
microzymas, elas já não haviam sido percebidas? Sobre este assunto, é a única
informação que pude coletar: "Pode ser encontrada, diz M. Frey, 1 no sangue humano,
além de aglomerações de glóbulos de pequenas granulações claras de 0,00 l a 0,002
mm de diâmetro (Schultze). ; acrescentando que essas granulações, que já haviam
sido notadas antes, apareciam algumas vezes com movimentos ativos de protoplasma,
outras com movimento molecular (movimento browniano). "2 1. Frey, Traite
d'histologie et d'histo-chimie; Pe. trans. Do Ger. de P. Spielman, p. 120 (1877).
Eng. trad, de AE Barker, p. 108. NY, Appleton. 1875. Note'p-sup. 2. Frey. loc.
cit., p. 121. Além disso, essas granulações moleculares foram observadas em outros
humores e tecidos de animais e muitas opiniões foram expressas quanto ao seu papel,
mas não se sabia qual era esse papel, nem se elas estavam organizadas. Agora,
graças à análise anatômica do sangue tratado com álcool, a existência das
granulações moleculares do sangue é certa, resta explicar como um observador como
J. Muller não os viu e poderia ter mantido, sob exame microscópico, que, exceto os
glóbulos, todo o resto do sangue estava em um estado de solução perfeita. Para
entender isso, é suficiente levar em consideração a constituição anatômica e física
das granulações moleculares microenzimas hemamáticas no sangue; uma microzima (cujo
diâmetro é no máximo 0,0005 mm) e é envolvida em uma atmosfera de substância mole,
mucosa e hialina. Mas no sangue essa atmosfera mucosa, quando muito inflada, pode
ter o mesmo poder de refração do líquido circundante; não é de surpreender que o
microzima central seja tão pequeno que escapou à observação microscópica; de fato,
só se torna visível quando a matéria albuminóide da atmosfera envolvente, fora dos
vasos, começa a sofrer as modificações alotrópicas que levam a adquirir as
propriedades que possui na fibrina. Para se convencer de que essa interpretação é
verdadeira, basta considerar cristalina, a transparência da qual é perfeita. No
entanto, anatomicamente, a cristalina é constituída por duas camadas de tubos
cristalinos; além disso, contém, como outros elementos anatômicos, uma multidão de
micro-zymas; tudo isso o microscópio é incapaz de mostrar diretamente porque todas
as partes têm em todo o órgão o mesmo índice de refração. Mas assim que, por
trituração, essa organização é destruída, as condições de existência dos elementos
anatômicos do órgão são alteradas, microzymas e tubos cristalinos se tornam
visíveis. Resumindo; os fatos deste capítulo estabelecem definitivamente que o
sangue contém um terceiro elemento anatômico, tão constante e necessário quanto os
glóbulos, consistindo de um microzima envolto em uma atmosfera de uma substância
albuminóide especial, insolúvel no meio sanguíneo. Este elemento anatômico, até
então não reconhecido, por causa de sua constituição anatômica, sua localização e
suas propriedades, denominei granulação molecular microzymian hematic. E agora,
quando se considera que o peso dessas granulações moleculares microzymian, dedução
feita das granulações moleculares que são fornecidas pelo mesmo volume de sangue
desfibrinado, representa muito quase o peso da fibrina obtida do mesmo volume de
sangue por chicoteamento, torna-se evidente que a fibrina comum nada mais é do que
as granulações microenzimas, amontoadas e soldadas, cuja atmosfera albuminóide
sofreu, fora do vaso, uma modificação alotrópica, em virtude da qual, por ter sido
diretamente solúvel em ácido clorídrico muito diluído , tornou-se solúvel nele,
apenas em função do tempo e da temperatura. Veremos como a constituição anatômica
das granulações microenzimas hemáticas e as propriedades de sua atmosfera
albuminóide envolvente explicam ao mesmo tempo, mecanicamente, o fenômeno das
coagulações espontâneas do sangue e a produção de fibrina por chicoteamento.
Enquanto isso, digamos que as demonstrações anteriores destroem a hipótese do
plasma e verifiquem, ao concluir, as concepções de Hewson, de Milne-Edwards, de JB
Dumas, sobre a existência de fibrina na condição de granulações finas no sangue.

CAPÍTULO IV A ESTRUTURA REAL DO GLOBO DE SANGUE VERMELHO: OS MICROZIMAS DOS


GLOBULOS DE SANGUE: OS GLOBULOS DE SANGUE EM GERAL.

Demonstração de que o glóbulo vermelho é uma célula real com microzymas para
elementos anatômicos. Granulações moleculares dos glóbulos do sangue de aves.
Granulações moleculares dos glóbulos do sangue do pato. Um conhecimento exato da
constituição física e da estrutura anatômica do glóbulo vermelho é de grande
importância para o escopo deste trabalho. É ou não o glóbulo vermelho do sangue um
elemento anatômico celular, constituído por um envelope com seu conteúdo; ou é uma
espécie de elemento anatômico nu, como foi dito sobre os glóbulos do leite? Uma
alternativa, necessária a ser resolvida, para obter uma idéia clara do papel do
glóbulo vermelho! Prevost e Dumas1 admitiram que havia um envelope para o glóbulo
vermelho e, posteriormente, Henle, 2 por observações exatas, demonstrou a realidade
da existência desse envelope. Em 1856, Kuss nos ensinou em seu curso de fisiologia,
em Estrasburgo, que "os glóbulos sanguíneos não são bexigas, mas órgãos compactos,
sólidos em todas as suas partes, o menos aquoso de todos os órgãos do corpo". Mais
de vinte anos depois, M. Frey, interpretando a opinião geral, disse: "Em suma, o
glóbulo talvez seja considerado uma massa de substância gelatinosa saturada com
água" .3 E acrescentou: "Apesar das dificuldades de observação e a incerteza de
tais exames, alguns autores se pronunciaram, nesses anos posteriores, a favor da
existência de uma membrana celular ". 1. "Ann: de Chimie", vol. XVIII. p. 280
(1821). e vol. XXIII, pp. 53 e 90 (1823). 2. "Anatomie generale", vol. Eu p. 459.
Trans. De Jourdan. (em francês.) 3. Frey, loc. cit., p. 123. Dumas, como veremos,
não apenas os considerava como constituintes celulares, mas como seres vivos
individuais, dizendo que a privação de oxigênio era fatal para eles. Esse não era o
ponto de vista dos fisiologistas; e não posso dar uma prova melhor disso do que o
seguinte: comparei o corpúsculo cintilante da pebrina a uma célula já reconhecida
como viva, como a do glóbulo do fermento. M. Pasteur afirmou que isso era um erro
e, referindo-se a ele, fez a seguinte declaração: "Minha opinião atual é que esses
corpúsculos não são animais nem plantas. * * * Do ponto de vista de uma
classificação metódica, eles devem ser colocados ao lado de glóbulos de pus ou
glóbulos sanguíneos, ou melhor ainda, de grãos de amido, e não de infusórios e
bolores; "1 e mais tarde:

o corpúsculo" é uma produção que não é animal, nem vegetal, e incapaz de se


reproduzir; deve ser colocado na categoria desses corpos, de forma regular, cuja
fisiologia há alguns anos se distingue pelo nome de organismos, como glóbulos de
sangue, glóbulos de pus, etc. "2 1. C. R, vol. LXI.p. 511. 2. lbid, vol. LXIII, p.
134. É evidente que aquilo que não é planta nem animal não possui estrutura
organizada nem vida; não tem conteúdo em um envelope. Mas esse era o estado da
ciência, e o que M. Pasteur acreditava em relação ao glóbulo sanguíneo e em relação
ao pus, acreditava-se em todos os outros elementos anatômicos, por exemplo, nos
espermatozóides, incluídos no "etc." de M. Pasteur, e que ele comparou com grãos de
amido, sob o nome de organismos, ou seja, simulacros de órgãos. Se eu insisto
particularmente no modo de observação deste sábio, é porque ele se ocupou
especialmente do sangue e, portanto, do que acontece aos seus glóbulos durante suas
mudanças espontâneas. Não é uma questão inútil indagar se o glóbulo sanguíneo está
nu ou coberto, mobiliado com um envelope separado de sua massa. A propriedade de um
corpo vivo sobre cuja organização não há disputa, seja relacionada a um animal ou a
um glóbulo de levedura, deve ser limitada em sua forma por uma membrana envolvente
contínua (distinta de seu meio interior), que se encontra nos lagos o nome do
tegumento, palavra cujo significado etimológico é claro; a membrana envolvente da
célula é então a mesma do tegumento. No organismo, os órgãos interiores são
individualizados por seu próprio tegumento. Entre os corpos que apenas podem
perceber as condições de sua existência na água ou em meio aquoso, o tegumento
insolúvel, dotado além de propriedades osmóticas especiais, protege o conteúdo, ou
o meio interior, contra dissolução ou outras mudanças semelhantes. Bem! o glóbulo
sanguíneo, como o fermento de cerveja, é individualizado por seu tegumento;
portanto, é um órgão e não um organismo. O que suscitou dúvidas sobre a existência
de um tegumento para o glóbulo vermelho é que o sangue embebido em água parece
estar completamente dissolvido nele: os glóbulos desaparecem tão completamente que,
sob o microscópio, nenhum vestígio deles pode ser descoberto. . Aqueles que, como
Dumas, admitiram um envelope, pensaram que ele estava quebrado e, assim, explicaram
por que o peso da fibrina isolada do coágulo era maior do que o obtido por
chicoteamento. Mas, como veremos atualmente, essa solução aparente dos glóbulos é
apenas a emissão osmótica da parte interior, solúvel em água, através do envelope:
o tegumento celular remanescente inteiro é invisível ao microscópio apenas porque
seu índice de refração é o mesmo como o do líquido ambiente. Demonstração de que o
glóbulo vermelho é uma célula real com microzymas para elementos anatômicos. O modo
de demonstrar o tegumento ininterrupto do glóbulo vermelho do sangue, embebido em
água, consiste em tornar sua refração diferente da do líquido resultante dessa
mistura. Para fazer isso, o sangue, desfibrinado ou não, deve ser misturado com um
volume igual de uma solução de cerca de 15%, de férula solúvel em creosoto; Ao
final de 24 horas, é possível ver que os glóbulos resistem muito melhor ao contato
com a água, o envelope sendo claramente visível. O experimento é mais
impressionante com o sangue do pato; em uma delas, que durou três semanas, lavagens
sucessivas com uma solução de férula solúvel e com água removeram toda a matéria
corante, deixando resíduos de glóbulos incolores, onde o núcleo podia ser visto
rolando no glóbulo alagado; às vezes até o tegumento incolor podia ser visto
envolto em torno do núcleo. A vesícula tegumentar, após essas lavagens, às vezes
fica tão pálida que só é visível após a adição de uma tinta de iodeto que a colore
de amarelo; mas não é colorido pela solução amoniacal de carmina, nem pela
picrocarminato. Também experimentei similarmente o sangue de uma ave, de um pombo,
de um sapo, de um cachorro, de um boi, de um porquinho-da-índia; em todos os casos,
a vesícula é vista inteira, mas entre os glóbulos elípticos com um núcleo, os das
aves merecem mais atenção. E deve-se notar que, em experimentos que demoram muito
tempo, o núcleo dos glóbulos sanguíneos de uma ave termina sendo resolvido em finas
granulações moleculares que podem ser vistas no envelope incolor que permanece
inteiro. Nas vesículas vazias dos glóbulos circulares, nunca se vê núcleos.1 Após a
publicação desses experimentos, Profs. J. Béchamp e E. Baltus descreveram o
processo de coloração pelo qual, em todos os casos, o tegumento celular
ininterrupto pode ser distinguido, mesmo no sangue apenas embebido em água.2

1.CR, vol. LXXXV. p. 712. 2. Ibid., P. 761 (1877). Mas isso não é tudo: se não há
célula sem envelope, nem há uma sem microzima. Os glóbulos sanguíneos não são, de
fato, exceção. Por outro lado, como já mencionei, em certas experiências as
vesículas descoloridas dos vasos sanguíneos do pato, esvaziadas de sua matéria
corante, continham seu núcleo reduzido a granulações moleculares; por outro lado,
afirmei que o depósito de granulações moleculares formadas no sangue desfibrinado,
com dois volumes de álcool, 35-40% adicionados, veio dos glóbulos destruídos desse
sangue. É necessário, então, por experimento direto, colocar isso fora de dúvida,
cuja ação trouxe à luz algumas observações particularmente interessantes. Para
resolver o problema da existência dessas granulações moleculares nos glóbulos do
sangue, estas foram isoladas do sangue desfibrinado, separadas de todos os
vestígios de fibrina por filtração em pano fino e quatro vezes o volume de uma
solução saturada de sulfato de refrigerante, ou de um sal análogo, foi adicionado a
ele. Granulações moleculares dos glóbulos do sangue de boi. Os glóbulos recebidos
em um filtro com as precauções usuais são lavados mais uma vez com sulfato de
refrigerante e depois tratados com álcool de 35 a 40%, o que deve dissolver a
matéria corante; de fato, isso foi feito com uma lavagem desse álcool até que a
descoloração estivesse o mais completa possível e, finalmente, com água; o filtro
retém as granulações moleculares misturadas com os restos dos envelopes celulares,
possuindo a aparência e propriedades daquelas obtidas a partir de sangue
desfibrinado tratado diretamente com álcool. As peculiaridades já apresentadas
pelos glóbulos dos sangues do pato e das aves me levaram a repetir essas
experiências sobre esses sangues. Granulações moleculares dos glóbulos do sangue de
aves. Os glóbulos separados do sangue desfibrinado das aves pela solução saturada
de sulfato de refrigerante são recebidos em um filtro e tratados da mesma maneira
que o sangue de boi, com álcool a 35-40%, até serem privados de sua cor. ; enquanto
a lavagem era feita com álcool, o resíduo incolor no filtro parecia pulverulento,
como no caso dos glóbulos do boi; mas, continuando a lavagem da água, a massa
pulverulenta foi transformada em massa mucosa. Então, muito surpreso, fiz esse novo
experimento. O sangue desfibrinado de outra ave foi tratado como de costume por
duas vezes o seu volume de 35-40% de álcool. O depósito pulverulento de granulações
moleculares foi obtido da maneira usual; o depósito recebido em um filtro e lavado
com álcool fraco tornou-se branco, permanecendo pulverulento; mas tão logo a água
foi adicionada, o assunto assumiu a condição mucosa das granulações de glóbulos
elípticos isolados. A massa mucosa libera o oxigênio da água oxigenada; dissolve-se
apenas com dificuldade em ácido clorídrico em 2/1000. Como conseqüência, é evidente
que a atmosfera albuminóide das granulações moleculares microzymianas dos glóbulos
sanguíneos das aves, que assumem o estado mucoso da água, é formada por uma
substância diferente daquela das atmosferas dos glóbulos sanguíneos de aves. o boi.
Já vimos que a fibrina do sangue das aves, produzida por chicotadas, dificilmente é
atacada pelo ácido clorídrico. As granulações dos glóbulos do mesmo sangue que se
tornaram mucosas têm a mesma propriedade. Granulações moleculares dos glóbulos do
sangue do pato. Os glóbulos vermelhos do pato, isolados do sangue desfibrinado pelo
sulfato de refrigerante, também são tratados no filtro por álcool a 35-40%. A
lavagem mais prolongada com esse álcool não desbota as granulações moleculares;
muito mais abundantes do que no sangue das aves, elas permanecem, até o final,
coloridas de um vermelho acastanhado. Caso contrário, é o depósito do mesmo sangue
desfibrinado tratado com álcool? O sangue desfibrinado do pato tratado no momento
do sangramento, com dois volumes do mesmo álcool, dá rapidamente um depósito muito
mais abundante que o sangue desfibrinado da ovelha. O depósito formado
principalmente pelas granulações moleculares não é descolorido pelas lavagens com
álcool e água e permanece de um vermelho acastanhado. Tratada com ácido clorídrico
muito diluído, produz soluções coloridas.

Os sangue das aves e do pato merecem um estudo mais completo do que, para meu
pesar, pude fazer. Pois os resultados provam que os glóbulos, elípticos na forma e
com um núcleo, diferem não apenas por suas formas dos glóbulos circulares, mas
também porque diferem entre si. Esses dois fatos, e aqueles relacionados ao sangue
do boi, provam que, a partir de agora, temos que estudar não apenas o sangue, mas
os sangues, talvez tanto nas propriedades de seus elementos anatômicos quanto nos
de seu albuminóide. componentes e, principalmente, de suas hemoglobinas. Seja como
for, permanece provado que os glóbulos sanguíneos em geral não são constituídos
apenas no modelo da célula perfeita, mas que, por uma permanência do sangue em uma
solução de férula, o índice de refração do tegumento dos glóbulos é modificado sem
modificar suas propriedades osmóticas. Além disso, foi demonstrado que os próprios
glóbulos sanguíneos têm, para elementos anatômicos, granulações moleculares
constituídas como as granulações moleculares microzimáticas hemáticas, bem como os
glóbulos circulares, como o elíptico, e que as granulações moleculares de um
glóbulo podem diferir daqueles de outro. A fisiologia do sangue será um grande
ganho pelo estudo de outros casos especiais.1 1. Essa observação dá importância ao
seguinte: "Toda a pequena família de camaleões apresenta a exceção singular de que
seus glóbulos sanguíneos são elípticos. Mas nada como foi encontrado em outros
animais da mesma classe e, no entanto, o sangue foi examinado em mais de 200
espécies escolhidas entre todas as subdivisões naturais do grupo, incluindo até os
marsupiais e o monotrema, que, em certos aspectos, parecem estabelecer a passagem
entre a mamifera normal e os vertebrados ovíparos.Nenhum pássaro adulto é conhecido
cujos glóbulos sanguíneos não são elípticos.É o mesmo com répteis, batráquios e
peixes comuns.Em peixes cartilaginosos as lampreias, por exemplo, a forma os
glóbulos são quase circulares ". (Milne-Edwards, "Physiologic comparee. Vol. I, p.
48, etc., edição de 1857). A forma, os caracteres externos, entre todos os seres
vivos, são aliados à totalidade de suas outras propriedades. Por que deveria
Béchamp, como citamos acima, mas Milton-Edwards é corretamente citado pelo Prof.
Béchamp, mas a declaração de Milne-Edwards não é consistente com as de outras
autoridades. Todos consideram o camaleão como um réptil, e todos dizem que os
glóbulos sanguíneos de todos os répteis adultos são elípticos. - .

CAPÍTULO V. DA NATUREZA REAL DO SANGUE NO MOMENTO DE UMA SANGRAMENTO GERAL, AS


PARTES VIVAS DO SANGUE. Caráter imutável de misturas de princípios proximais:
MICROZIMAS VITELINOS E GLOBULOS SANGUÍNEOS; SISTEMA VASCULAR; O SANGUE UM TECIDO
FLUIDO; , a o sangue é constituído por três tipos de elementos figurados e, por um
quarto termo, um líquido. É este o soro, este líquido que é sua substância
interglobular e intergranular? Os três tipos de elementos anatômicos são vivos, na
medida em que são organizados e contêm microzimas que eu provei estar vivendo por
sua função de fermento e por sua capacidade de se tornarem vibrionianos pela
evolução individual, que era uma novidade para a fisiologia e até para os químicos.
. No entanto, no que diz respeito ao glóbulo vermelho, desde 1846 a afirmação de
que ele está vivo não era uma novidade. De fato, em um livro de memórias, 1 que
merece mais atenção do que nunca é citado, JB Dumas fez uma observação que deve ser
considerada de primeira importância. É que, para isolar os glóbulos vermelhos em
sua integridade, misturando o sangue com o sulfato de sódio, uma corrente de ar
deve ser introduzida; sem isso, eles mudam, perdendo a matéria corante que também
muda. E ele disse: "Os glóbulos do sangue agem como se fossem realmente seres
vivos, capazes de resistir à ação solvente do sulfato de refrigerante enquanto
estiverem vivos, mas cedendo a essa ação assim que sucumbem à asfixia que afeta-os
pela privação do ar e que se manifesta com uma rapidez singular, seja por sua
mudança de cor ou por sua rápida solução ". Dumas afirmou claramente que os
glóbulos respiram; deve-se levar em consideração sua membrana na explicação do
fenômeno da respiração; e que a respiração de um animal tem especialmente por
objetivo fornecer oxigênio aos glóbulos de seu sangue e expulsar "os produtos nos
quais eles o convertem". Ele também observou que nas discussões e nos cálculos
relativos à respiração, o sangue sempre foi considerado um líquido homogêneo,
enquanto era apenas o soro que possui essa qualidade. Ele de maneira alguma
desconsiderou a parte do soro no fenômeno da arterialização, mas insistiu na parte
preponderante dos glóbulos vermelhos. 1. Dumas, "Recherches sur le sang", CR. Vol.
XXII, p. 900 (1846). Para entender o sangue, é preciso colocar-se na ordem das
idéias do livro de memórias de Dumas, mas ampliado; aquele ilustre sábio não
reconheceu nele, nem mais ninguém na época, outros elementos anatômicos que não os
glóbulos, mas existe outro. Ele viu no sangue apenas três matérias orgânicas
nitrogenadas: albumina, fibrina e glóbulos, mas existem outras. Acrescentarei que,
no soro, ele admitiu a participação dos fosfatos e de outros minerais. No momento
de uma vesecção geral, o sangue é considerado como sendo o que está nos vasos
enquanto circula neles, mas como sendo uma mistura de sangue arterial e venoso; e
vimos que, neste momento, o sangue é considerado tão completamente como vivo que se
considerava certo que a coagulação era sua morte. Como o sangue está vivo, é
necessário reconhecer, de acordo com a doutrina de Bichat, que, como em todo o
resto do organismo, as únicas coisas que nele vivem são os elementos anatômicos, ou
seja, os quatro partes que a constituem, os três tipos de elementos anatômicos são
as únicas coisas que nela vivem; o quarto, o soro, ou o que se tornará o soro, a
substância interglobular e intergranular, cumprindo em relação a eles apenas uma
das condições de existência. Mas, como essa conclusão entra em conflito com os
preconceitos das escolas, é necessário saber quais são esses preconceitos para
combatê-los, pois são as negações da doutrina de Bichat e precisamente contrárias a
ela. De fato, embora se afirme que os glóbulos do sangue, em geral os elementos
anatômicos, são apenas organismos, nem plantas, nem animais, como disse M. Pasteur,
ou seja, não vivendo embora organizado, insistiu que isso que no sangue ainda se
chama plasma estava vivo, um líquido do qual todos os materiais estão em estado de
solução perfeita, ou seja, sem nenhuma estrutura anatômica e figurada. Mas é bom
repetir que esse era o estado da ciência exatamente como era antes de Lavoisier e
antes de Bichat, quando o naturalista filosófico Charles Bonnet, falando da
organização, chamou de "a modificação mais excelente da matéria". Mesmo na França,
uma concepção mais ou menos análoga a ela, a do protoplasma, era preferida à
impressionante concepção de Bichat. Mas protoplasma ou seu sinônimo blastema era
considerado matéria viva organizada sem estrutura. Aqui está uma das descrições
mais precisas de tal matéria: "Uma matéria amorfa completamente homogênea, sem
estrutura, pode ser considerada substância organizada se for constituída por
inúmeros princípios próximos, unir molécula a molécula por combinação especial e
solução recíproca, e por mais simples que seja. Se essa organização for suficiente,
basta dizer que está vivo ". Diet, Med., Littre et Robin, art. Organique (1878).
Van Tieghem disse: "O protoplasma é uma mistura com água, de um número maior ou
menor de diferentes princípios próximos, no curso de uma transformação contínua".
Huxley disse: "Todo protoplasma é semelhante à proteína - toda a matéria viva é
mais ou menos semelhante ao albume". Cauvet disse: "O protoplasma é um líquido
nitrogenado, mais ou menos fluente, composto de uma substância de união translúcida
e de granulações gordurosas e albuminóides". Até Claude Bernard disse: "Em sua
condição mais simples, a vida, contrária à idéia de Aristóteles, é independente de
toda forma especial; reside em uma substância definida por sua composição e não por
sua forma; o protoplasma".

Pasteur disse: "Os organismos vivos são compostos de substâncias naturais como a
vida os elabora, os princípios imediatos dos corpos vivos que possuem faculdades de
transformação que são destruídas pela fervura". 1 1. CR, vol. LXXIII. p. 302. Ver
carta de M. Pasteur a M. Donne. O modo de pensar de M. Pasteur ainda era o de
Chevreul [nascido em 1786. ainda estava vivo e ativo em 1856] - na época (1810) da
fundação de sua cadeira no Museu; Chevreul disse, falando de corpos vivos, que eles
são corpos orgânicos, em oposição aos corpos inorgânicos, que denominamos minerais.
Buffon chamou os minerais de matéria bruta, admitindo que havia uma matéria
orgânica universalmente difusa que ele denominou moléculas orgânicas, mas Buffon
escreveu antes da época de Lavoisier. Chevreul falou dos princípios imediatos dos
corpos orgânicos, que são os produtos da vida. Pasteur, falando dos mesmos
princípios próximos, diz que são substâncias naturais elaboradas pela vida, que têm
poderes de transformação, etc. Assim, pode-se dizer verdadeiramente que não havia
idéia da vida ligada a uma determinada forma estrutural de viver. elementos
anatômicos, de acordo com a concepção de Bichat. Portanto, deve-se entender como M.
Pasteur poderia classificar na mesma categoria, como organismos, os glóbulos
vermelhos do sangue e os grãos de amido. É verdade que o grânulo amiláceo tinha
sido considerado uma vesícula, mas Biot e Payen mostraram que ele era sólido em
toda a sua massa, e eu provei, em minhas pesquisas sobre a férula, que não tinha
nem tegumento nem microzymas. totalmente formado por matéria amilácea contaminada
com vestígios de matéria albuminóide.

Na teoria microzymiana, não é a vida que produz ou elabora os princípios proximais,


mas os elementos anatômicos são constituídos em aparelhos vivos pelos microzymas,
de acordo com o mesmo mecanismo pelo qual os microzymas fibrinosos fazem com que o
amido fermente e elabore os inúmeros princípios proximais que descrevi como
produzido nessa fermentação. Essas citações são suficientes. O protoplasma é
considerado como uma pura mistura de princípios próximos, isto é, de materiais de
uma ordem puramente química. M. Cauvet e outros, M. Frey, por exemplo, observaram
as granulações do protoplasma, mas deveriam ser princípios puramente próximos. Esta
mistura foi declarada por alguns, como no curso da transformação contínua; M.
Pasteur, dotado de faculdades de transformação, mas sem outra prova do que é
exatamente o ponto em questão, a saber, se essa mistura pode mudar espontaneamente,
pode se alterar, dar à luz qualquer ser vivo, seja ele qual for uma célula ou um
microzima. Se o protoplasma fosse o que se pensava, a concepção de Bichat seria
puramente quimérica. Demonstrei incontestavelmente, em contradição com a teoria do
protoplasma e contra M. Pasteur, que toda mistura, artificial ou natural, de
princípios reais próximos, com água, é, por si só, sob todos os aspectos
inalterável, incapaz de dar à luz qualquer coisa. vivo; em resumo, como não estar
no curso de uma transformação contínua e não possuir nenhuma faculdade de
transformação capaz de produzir nela qualquer alteração espontânea. E se, em tal
mistura, a fervura destrói as "faculdades de transformação" de alguns zymas, este
último não havia sido produzido espontaneamente, era o produto de um organismo
vivo. Em resumo, se a mistura contém algum princípio próximo que pode ser alterado
pela oxigenação, pela absorção de oxigênio do ar, esse princípio é ele próprio o
produto anterior de um organismo vivo através da reação de um zymas.1 Eu dei provas
positivas de tudo disso enquanto estudava as condições da coagulação espontânea do
leite, que se dizia ser uma pura mistura de princípios próximos. O leite de vaca,
creosotado por uma dose adequada para destruir a influência dos germes do ar e
completamente protegido de todo contato com o ar, primeiro fica azedo e depois
coagula. Depois disso, vibrioniens aparecem nele. Se por filtração, pelo processo
que eu indiquei no caso do sangue, ambos os glóbulos e todos os microzymas de leite
do leite creosotado forem absolutamente removidos, o líquido límpido resultante,
contendo todos os princípios próximos do leite, sob nas mesmas condições, não fica
azedo e, consequentemente, não coagula nem permite a aparência dos vibrioniens. As
"faculdades de transformação" então residiam no elemento anatômico do leite que
havia sido removido por filtração, e não no restante de sua substância, que talvez
fosse o soro fisiológico do leite. 1. As zymases nunca são produtos da alteração
espontânea de uma matéria albuminóide, mas são sempre produtos da função
fisiológica de um organismo vivo e de um elemento anatômico neste último. Veja o
artigo zymas, "Dictionnaire de la langue francaise". Littre (1869). O soro
fisiológico do leite, que tem a mesma composição que blastema ou protoplasma, é
então naturalmente imutável e, consequentemente, não vivo. É o mesmo com a quarta
porção do sangue, que chamaremos de soro fisiológico deste último.

E, precisamente como os elementos anatômicos do leite são os agentes de sua


alteração espontânea, porque estão vivos, os elementos anatômicos do sangue são, em
vários aspectos, os agentes de sua alteração espontânea, como será provado no
capítulo seguinte. Mas primeiro deve ser determinado o papel fisiológico desse
soro, no qual são realizadas as condições de existência dos elementos anatômicos,
glóbulos e granulações do sangue, enquanto circula e após a liberação. Entendo por
"condições de existência" de um elemento anatômico (seguindo a concepção de
Bichat), o da preservação de seu ser físico ao mesmo tempo com a integridade de seu
tegumento e de seu conteúdo, preservado com sua composição inalterada, que ele só
pode ser encontrado no meio em que vive todos os materiais para sua nutrição. Veja,
por exemplo, os glóbulos vermelhos; sabemos que no sangue, embebido em uma certa
quantidade de água, o conteúdo solúvel de seus glóbulos é difundido por osmose, os
tegumentos permanecendo inteiros; por outro lado, sabemos que no mesmo sangue,
absorvido várias vezes seu volume de uma solução saturada de sulfato de
refrigerante, seus glóbulos permanecem inteiros, tanto no tegumento quanto no
conteúdo. Podemos até embeber o sangue em seu próprio soro, sem que os glóbulos
sejam alterados; sem que nenhum traço do conteúdo colorido seja dissolvido. E é o
mesmo com as granulações moleculares e com os glóbulos; de modo que, no sangue,
embebido na solução de sulfato de sódio, uma pequena parte de sua atmosfera
albuminóide é temporariamente solúvel, como vimos, é absolutamente insolúvel no
soro e cada granulação permanece lá inteira e independente, igual a cada glóbulo, e
isso constitui uma das condições da circulação. Mas, para entender a circulação e a
influência recíproca dos vasos e dos elementos de seu conteúdo, é indispensável um
ligeiro desvio para a embriologia. Ao estudar o desenvolvimento das aves para
verificar o papel dos microzymas do vitelo na formação dos elementos anatômicos e
dos órgãos, Estor e mostrou1 que o recipiente e o conteúdo do sistema vascular
nascem e se desenvolvem simultaneamente com o auxílio dos microzymas e dos
materiais não organizados do vitelo. Nunca vimos glóbulos no corpo do embrião antes
do estabelecimento da circulação; eles são formados no local. Assim, os elementos
anatômicos dos tecidos dos vasos e os elementos anatômicos do sangue neles contidos
nascem ao mesmo tempo, pelos microzymas do vitelo como construtores, no meio
intermicroenzimo desorganizado do vitelo. Portanto, resulta que o soro do sangue
embrionário passa a existir simultaneamente com os glóbulos e as granulações, tendo
como fonte as partes não organizadas do vitelo. Resumindo, contêiner e conteúdo
nascem ao mesmo tempo, desenvolvem-se ao mesmo tempo e, ao mesmo tempo, tornam-se o
que estão destinados a ser no futuro. 1. CR, vol. LXXV, p. 962 (1872). Fomos
levados a empreender esse experimento embriológico como conseqüência do seguinte
experimento, do qual Estor foi testemunha: A mãe do vinagre formou um microzymas,
unidos entre si por uma substância intermicroenzima hialina, é uma membrana de
consistência mucosa com a qual comparamos a falsa membrana chamada fibrina; mas é
tão vegetal que dificilmente é nitrogenado. Mas, na "mãe do vinagre", nas condições
em que alguém força seus microzymas a viver, eles se tornam por bactérias de
evolução individual ou por associações de fabricantes de células. É o mesmo com os
microzymas de levedura de cerveja, que, em certos meios, agem como fermentos
lácticos e butíricos, em evolução vibracional; enquanto em outros eles reproduzem a
célula de levedura e a fermentação alcoólica normal ". * Os microzymas podem então
ser fabricantes de células, agrupando-se e sendo agrupados, ficando envolvidos por
um tegumento quando as condições de existência dessas células são unidas. é
exatamente isso que os microzymas da vitelina fazem durante o desenvolvimento
embrionário.Esta nova teoria da origem da célula não enfraquece o axioma de M.
Virchow: omnis cellulae cellula.Uma célula pode ser derivada de outra célula de
acordo com outro modo, que Consequentemente, quando M. Pasteur disse que o glóbulo
do sangue é um organismo incapaz de se reproduzir porque não podia ser cultivado
como levedura de cerveja, ele se enganou, não conhecendo nenhum outro modo de
reprodução. a teoria dos microzymas, fabricantes de células, consulte as seguintes
publicações: "Conclusões sobre a natureza da mãe do vinagre e dos microzymas em
geral", C .

R., vol. LXVIII, p. 877 (1869); "Pesquisas sobre a natureza e origem dos fermentos.
Ann. De chemie et de physique", 4ª série. Vol. .XXIII. p. 443. E para a teoria em
sua totalidade: "Les Microzymas Builders of Cellules". ver: "Les Microzymas", etc.,
M. Chamalet, 60, passagem Choiseul, Paris, p 431-463 e p. 948. O sangue deve ser
estudado não apenas por si só, mas como sendo para os vasos aquilo que o conteúdo
de uma célula ou de um órgão é para seu tegumento. O tegumento do sistema vascular
consiste nos vários tecidos das artérias, das veias e dos capilares. Também deve-se
ter em mente que o sistema está diretamente relacionado ao coração, pulmões,
fígado, etc., e que os linfáticos (vasos chyle) se comunicam diretamente com ele. E
como o conteúdo de uma célula, de um órgão, não existe sem o recipiente, também o
sangue não existe sem os vasos que o contêm e que fazem de todo o sistema um órgão
em relação mais ou menos direta com todas as partes. do organismo.a E deve-se
observar que, se houver alguma diferença entre a constituição anatômica do
recipiente das várias regiões do sistema vascular, também haverá uma diferença em
seu conteúdo. Independentemente da cor, há mais oxigênio e menos ácido carbônico no
sangue arterial do que no venoso. Em várias regiões, foram observadas diferenças na
porção do número de glóbulos sanguíneos em relação ao número de leucócitos. Lehmann
observou que, se o sangue obtido da veia porta produz fibrina por chicoteamento, o
da veia supra-hepática não fornece nenhum desses meios, provando, como veremos, que
as granulações moleculares microzimas dos dois sangue diferem em alguma coisa, e
Denis já apontou que a fibrina do sangue arterial não é idêntica à do sangue
venoso, etc. [a Esta concepção original lança uma nova luz sobre o propósito e as
relações do sistema circulatório, que espero ampliar em um futuro livro de
memórias. - . Consequentemente, é fisiologicamente evidente que os elementos
anatômicos, concebidos como sendo pessoais e individualmente vivendo de qualquer
parte de um organismo que possam ser tomados, existem lá apenas porque as condições
de sua existência são encontradas naturalmente realizadas. há. Não é o contrário
com o sangue; as condições de existência de seus elementos anatômicos são
realizadas apenas em cada ponto do circuito, enquanto estão contidas no vaso e
circulando. Costuma-se dizer que os elementos anatômicos nadam na linfa, no licor
sanguinis ou no plasma; aqueles que, com Milne-Edwards, admitiram a existência de
fibrina finamente dividida, disseram que ela também flutuava no soro.
Anatomicamente, podemos continuar a considerar as relações recíprocas dos três
elementos anatômicos e da quarta porção do sangue? E é correto dizer que em cada
ponto da corrente sanguínea existem granulações moleculares e glóbulos quase em
contato um com o outro? Não é mais correto dizer que a quarta parte, o soro, é
apenas a substância intercelular e intergranular desses elementos anatômicos que
dificultam seu contato imediato, situação análoga à que é corretamente admitida
como existente entre os elementos anatômicos da outra tecidos? Mas, se essa relação
realmente existe para o sangue contido nos vasos, não devemos dizer que o sangue
não é apenas um líquido, mas também um tecido semelhante ao conteúdo do baço ou do
fígado, ou do rim que são mais ou menos flácidos? A suavidade do tecido do conteúdo
dos vasos é muito maior, só isso; devemos então dizer que o sangue é um tecido que
flui. O estado de fluxo do tecido sanguíneo está relacionado ao mesmo tempo com a
consistência mole, gelatinosa, e com a elasticidade dos glóbulos, cujo tegumento é
incessantemente lubrificado pelo licor intercelular; à consistência muito mais
suave da atmosfera inchada de albuminóides das granulações moleculares
microzimianas cuja densidade é quase igual à do soro; à insolubilidade absoluta dos
glóbulos e das granulações moleculares no licor intercelular, o que novamente
contribui para sua independência individual. Essa insolubilidade geral dos
elementos anatômicos é garantida, em todos os pontos do circuito, pela estabilidade
e até pela origem da composição do licor intercelular muito complexo, resultante do
funcionamento nutritivo dos elementos anatômicos do recipiente e do conteúdo e, ao
mesmo tempo, pelos assuntos contribuídos pelos diversos órgãos com os quais o
sistema circulatório está relacionado, e especialmente com o aparelho respiratório.
No momento em que o sangue é derramado, pode ser considerado o mesmo tecido que
flui nos vasos. No entanto, já existe uma diferença profunda, isto é, não é apenas
uma mistura de sangue venoso e arterial, mas também de sangue de todas as regiões,
cujos elementos anatômicos são violentamente colocados em novas condições de
existência, muito diferentes de suas características fisiológicas. condições.
Veremos como essa mudança nas condições de existência determina rapidamente a
manifestação dos fenômenos de coagulação e, depois, de outras alterações no sangue.

CAPÍTULO VI DO REAL SIGNIFICADO QUÍMICO, ANATÔMICO E FISIOLÓGICO DA COAGULAÇÃO DO


SANGUE; COAGULAÇÃO DO SANGUE; O SANGUE DO CAVALO; O soro do sangue; COAGULAÇÃO DE
SANGUE DILUÍDO COM ÁGUA; SEGUNDA FASE DA ALTERAÇÃO ESPONT NEA DO SANGUE; O SANGUE
NO AR CALINADO; UMA EXPERIÊNCIA QUE PROVA OXIGÊNIO NÃO TEM PARTILHA NA DESTRUIÇÃO
DOS GLOBULOS NO SANGUE DEFIBRINADO; ALTERAÇÃO ESPONT NEA DA CARNE; ALTERAÇÃO ESPONT
NEA DO LEITE; COAGULAÇÃO DE LEITE; FERMENTAÇÃO DO OVO; DESTRUIÇÃO ESPONT NEA DA
CÉLULA DE LEVEDURA; DESTRUIÇÃO ESPONT NEA DE TECIDOS; ALTERAÇÃO ESPONT NEA DO
SANGUE.

O sangue é um tecido que flui; Bordeu já havia comentado que era carne fluindo.
Isso quimicamente, histologicamente e fisiologicamente está longe de ser
verdadeiro; 1 a única coisa certa é que o sangue, como a carne, é um tecido e que
ambos são espontaneamente alteráveis, como todos os tecidos, quando as condições
naturais de existência de seus tecidos. elementos anatômicos não são mais
realizados. Por exemplo, no caso do tecido muscular, a rigidez cadavérica segue a
morte muito rapidamente e, no caso do sangue, a formação do coágulo segue de perto
a sua emissão pelos vasos. 1. Foi, penso eu, em 1742, em sua tese, intitulada
"Chylificationis historia", sustentada, em Montpellier, aos 20 anos de idade, que
Bordeu, entre as idéias originais que o fazem ser considerado um dos precursores de
Bichat, proponham a idéia de que o sangue está fluindo carne. No século XVII, Amyot
já havia dito que "o sangue é gerado pela transmissão de alguma carne que se torna
um líquido que flui". (Diet, de Littre.) Se um esboço original, posteriormente
reconhecido como correto, é suficiente para o autor ser historicamente considerado
como o descobridor, certamente Bordeu mereceria ser considerado como tendo
descoberto que o sangue, como a carne muscular, é um tecido. Mas, como observado
por Babinet, "se os antigos disseram tudo, não demonstraram nada". Bichat também
inseriu o tecido sanguíneo entre seus vinte e um tecidos elementares, ao lado de
seus tecidos musculares. Mas desde Bichat outros sábios o fizeram. Na época em
Montpellier, o professor de fisiologia M. Rouget ensinou que o sangue, por causa de
seus glóbulos, é um tecido; e respondi que, de acordo com as idéias então aceitas,
o sangue não é mais um líquido ou um tecido do que a água açucarada retida nos
glóbulos de suspensão do fermento. Hoje, M. Ranvier também diz que o sangue é um
tecido porque contém elementos figurados como a linfa. Sem dúvida, a principal
condição necessária para ser considerada como um tecido é que um produto de um
organismo contenha algum elemento figurado, mas isso não é suficiente; de acordo
com a doutrina de Bichat, também é necessário mostrar que esse elemento está vivo;
e ainda isso é insuficiente; caso contrário, o leite, a saliva, e até a urina e
certas serosidades patológicas, espontaneamente coaguláveis, gostariam que a linfa
e o sangue fossem tecidos. Vou considerar isso mais adiante no último capítulo. Não
se discute que o fenômeno da coagulação do sangue é espontâneo; os fatos padrão
relativos a esse fenômeno são os seguintes: O sangue desfibrinado obtido por
chicoteamento não coagula espontaneamente e os glóbulos permanecem intactos no
licor que perdeu sua viscosidade peculiar. O sangue de bois e ovelhas (deixo de
presente o sangue do cavalo), recebido em um vaso de vidro ou metal, parece
coagular por toda a sua massa, uniformemente da periferia para o centro, formando
um único coágulo sólido que segue A forma do navio em que foi recebido. Esse
coágulo se contrai em graus, até um certo limite, expelindo-o ao fazer o soro de
cor limão, que depois fica vermelho, ficando gradualmente mais profundo, de modo
que o coágulo contraído (retirado das bordas) flutue no soro que foi expulso da sua
massa primitiva. Como Haller já disse, o coágulo é formado pela rede de fibras da
fibrina que aprisiona os glóbulos em suas malhas.

Resta explicar esses fenômenos invocando apenas os fatos químicos, fisiológicos e


anatômicos estudados nos capítulos anteriores. A condição necessária para o tecido
permanecer fluindo é que as propriedades dos elementos anatômicos e sua
independência permaneçam inalteradas; que suas relações com o licor intercelular
permanecem constantes, não apenas no vaso, mas também após a vesecção. Conhecemos a
distribuição dos glóbulos no sangue e como eles passam, um a um, em certos
capilares; a distribuição das granulações moleculares microzymianas é tal que, se
os glóbulos desaparecerem, eles ocuparão todo o espaço ocupado pelos glóbulos; isto
é, que os primeiros existem de tal maneira no sangue que o glóbulo; mova-se nele,
deslocando incessantemente o primeiro, mas reocupando imediatamente o espaço
abandonado; em resumo, eles percebem a concepção de Dumas, quando ele disse que a
fibrina existe em uma condição fluida no sangue; apenas que essa condição de fluxo
é molecular, ligada, como vimos, a cada granulação molecular em um microzima para o
núcleo, formando uma atmosfera limitada em torno de cada um, cuja atmosfera
albuminóide é absolutamente insolúvel no soro sanguíneo. Para entender que o número
de microzimas do sangue é suficientemente grande para que, cercados pela atmosfera
que as constitui granulações moleculares microzimas, eles possam ocupar todos os
pontos da massa sanguínea, mesmo os glóbulos que foram expulsos, é suficiente para
saber que eles existem lá em quantidade inumerável. Isso é provado da seguinte
maneira: Os microzymas fibrinosos, isto é, os microzymas sanguíneos, estão com os
microzymas pancreáticos, os menores que já observei. Eles assumem, em sua extrema
minúcia, a forma esférica. O diâmetro desses microzymas provavelmente não atinge
0,0005 mm (mm) no estado úmido. Isso nos permite calcular isso no volume de 1 mm.
cubo existem pelo menos 15 bilhões 250 milhões. Agora, um litro de sangue de ovelha
fornece 5,25 gramas de granulações moleculares secas, que quase representam o peso
da fibrina que o mesmo sangue fornece por meio de chicotadas. Mas a fibrina,
supostamente seca, contém 1/193 do seu peso de microzymas secos; então 5,25 gramas
de granulações moleculares, igualmente secas, contêm 5,25 / 193 = 0,0272 gramas;
isto é, 27 miligramas de microzymas secos por litro de sangue, o que representa um
peso muito maior de microzymas fisiológicos úmidos; mas, ao considerar esta figura
para o peso dos microzymas na condição fisiológica da umidade e 15 miliares por
miligrama ou milímetro cúbico, vê-se que um litro de sangue contém mais de 27 vezes
15 miliares de microzymas. Mas o peso deles é, na realidade, muito menor do que
isso, pois, úmidos, esses microzymas podem reter 80% da água; no sangue, envolto em
uma atmosfera albuminóide saturada com o licor intercelular, eles certamente retêm
menos, mas de maneira a legitimar os cálculos aproximados acima mencionados. Será
interessante aprender a espessura da atmosfera albuminóide que envolve cada
microzima para constituir a granulação molecular microzimiana, tal como existe no
sangue no momento da vesecção. Uma idéia aproximada disso pode ser obtida
considerando-se que o volume das granulações moleculares esféricas com uma
atmosfera condensada do depósito formado no sangue que adicionou duas vezes o seu
volume de álcool a 35-40 graus é de cerca de 50 centímetros cúbicos por 1000 cc de
sangue; levando em consideração o espaço ocupado pelos glóbulos, podemos considerar
que o volume das granulações moleculares, antes da condensação de sua atmosfera,
era cerca de vinte vezes maior para ocupar todo o espaço dos 1.000 cc de sangue;
Atualmente, será comprovado que eles ocupam tudo. Sendo a atmosfera albuminóide
inchada e saturada com o licor intercelular, pode-se entender que o grande número
de bilhões de granulações moleculares é suficiente para ocupar todo o espaço
apresentado pelo sangue, desde que sua densidade seja muito pouco maior, senão
igual ao do licor intercelular que os isola um do outro. Este estado das
granulações moleculares microzymian explica o tipo de viscosidade que pertence ao
sangue, e como os glóbulos, cuja densidade é maior, se movem nele sem serem
depositados e só são depositados muito lentamente no sangue de boi ou ovelha quando
em repouso ; e veremos como a exceção apresentada pelo sangue do cavalo confirma
essas considerações. Temos agora que indagar se, após o derramamento de sangue, as
condições, que eu mencionei como necessárias para o tecido sanguíneo permanecer
fluindo, ainda podem ser realizadas. E, primeiro, é evidente que esse tecido, tendo
em mente que estamos considerando uma mistura fora dos vasos, mais tempo em sua
situação fisiológica natural. Nesta nova situação, o licor intercelular, no qual
estão reunidos todos os produtos orgânicos e minerais solúveis da desnutrição dos
elementos anatômicos dos recipientes e do conteúdo, muda imediatamente sua
composição; para os produtos desassimilados, que se tornaram inutilizáveis, não são
mais eliminados e o produto utilizável não pode mais ser utilizado ou renovado;
além disso, os elementos anatômicos do tecido que flui, que têm necessidade
imperativa de oxigênio para funcionar adequadamente, são cada vez mais privados
dele; pois, depois de consumir tudo o que era retido no tecido que flui e que os
produtos não eliminados, acumulando-se nele, puderam absorver, o oxigênio assim
consumido não é renovado pela respiração. A primeira mudança então que ocorre no
sangue derramado é aquela pela qual o licor intercelular sofre necessariamente em
sua composição. As granulações moleculares microzymianas são os primeiros elementos
anatômicos a serem afetados por essa mudança do meio e das condições de existência
e, como vimos, essa impressão é tão intensa e ao mesmo tempo tão rápida que se
manifesta em poucos segundos pela mudança profunda que ocorre na substância
albuminóide de sua atmosfera que, por ser imediatamente solúvel em ácido clorídrico
muito diluído, se torna insolúvel nela, dissolvendo-se nela apenas em função do
tempo e da temperatura durante a transformação. Daqui resulta que esta influência
tem o efeito de coagular esta substância relativamente diluirá o ácido clorídrico.
Assim resolvido, o mecanismo de formação do coágulo é o seguinte: As granulações
moleculares microzimianas existem em todo o espaço ocupado pelo tecido que flui,
exceto o que é ocupado pelos glóbulos e pelo licor intercelular e intergranular.
Graças à sua densidade, embora muito pouco maior que a do licor intergranular, eles
se aproximam e entram em contato quando em repouso; suas atmosferas albuminóides,
moles e mucosas, se misturam, enquanto ao mesmo tempo sua substância sofre a
coagulação da qual falei. E essas mudanças são tão rápidas que os glóbulos, apesar
de muito superiores em densidade, não têm tempo para serem precipitados e ficam
presos nas malhas da rede formada pela solda da atmosfera albuminóide que constitui
a fibrina e as membranas, como já foi dito. por Haller. Tanto as granulações
moleculares quanto os glóbulos estão tão intimamente ligados por capilaridade ao
licor intercelular que, no momento em que, ou alguns minutos depois, o coágulo está
completamente formado ou, como se diz, a coagulação está completa, o vaso que o
contém pode ser virado de cabeça para baixo sem deixar vestígios do líquido
escapando. De fato, é o que se espera do que disse sobre a distribuição das
granulações moleculares no tecido que flui e do licor intercelular em torno dos
três elementos anatômicos. É verdade que isso pode ser mantido, com alguma
aparência de razão, "mas é exatamente isso que acontece na hipótese plasmática".
Mas essa hipótese nunca foi verificada; pelo contrário, provei diretamente que o
plasma não existe no sangue, mas que a existência de granulações moleculares com
seus microzymas centrais era certa, assim como a dos microzymas na fibrina obtidos
por chicoteamento. Mas a seguir estão dois fenômenos que a hipótese do plasma não
pode explicar. Concluída a coagulação, em graus o coágulo se divide espontaneamente
em duas partes. Aquilo que, no coágulo, encerra os glóbulos; isto é, a rede de
fibrina formada pela soldagem das granulações moleculares microzimianas, contrai-se
cada vez mais, até um certo limite, preservando a forma do vaso em que o coágulo é
moldado e enquanto a retração ocorre uma parte do licor intercelular é expelida,
constituindo o que é chamado soro, no qual o tecido retraído está agora imerso. E o
primeiro soro assim expulso é transparente e cor de limão, mas em graus o oxigênio
que o licor intercelular mantém dissolvido, bem como o que os glóbulos contêm, é
consumido; depois se manifesta o fenômeno observado e explicado por JB Dumas em
glóbulos privados de oxigênio; elas mudam e sua matéria corante alterada é
difundida no soro circumambiente, que se torna cada vez mais de uma cor vermelha
profunda. É isso que a hipótese plasmática não pode explicar, se considerarmos o
plasma como um líquido no qual todos os componentes estão em solução perfeita.
Vamos agora dar uma demonstração mais direta desse fato. Sendo todas as outras
coisas iguais, a rapidez da coagulação do sangue pode variar notavelmente de uma
espécie para outra. O sangue do cavalo, nas mesmas condições do boi e da ovelha,
está bem ajustado para verificar a verdade do papel atribuído ao terceiro elemento
anatômico do tecido que flui. Sabe-se que o sangue (derramado) do cavalo é dividido
por repouso em duas camadas: a inferior, chamada cruor, é formada pelos glóbulos; o
superior, chamado licor, contém as granulações moleculares microzymianas. A camada
superior, transparente, mas não límpida, fluindo, possuindo a viscosidade peculiar,
pode até ser decantada depois que os glóbulos são precipitados e, rapidamente,
forma um coágulo em toda a sua massa, de maneira que o vaso que contenha talvez
fique virado para cima sem uma gota
do licor escapando; após o que a retração, com perda de transparência, é produzida
e o soro começa a ser progressivamente expresso a partir dela, como no caso dos
sangue cujos glóbulos não se separam. Ora, essa retração não seria produzida se se
tratasse de uma substância realmente dissolvida que, ao coagular, se tornasse
insolúvel no mesmo meio.1 1. A coagulação do sangue foi comparada à gelatinização
de uma solução de gelatina (Frey. Traite d'histologie et d'histochimie, p. 141).
mas uma solução de gelatina pura aquecida em água destilada e suficientemente
concentrada pode ser obtida absolutamente límpida por filtração cuidadosa. No
resfriamento, essa solução forma uma geléia mais ou menos consistente,
perfeitamente límpida, sem sofrer outra contração além da produzida pela redução da
temperatura. No entanto, de fato a gelatina coagulou, pois na solução gelatinizada
tornou-se insolúvel em água fria como era antes. Mas a comparação feita por Dumas
com o estado da fecula no amido é mais correta. De fato, no amido transparente, a
férula não é dissolvida, não pode ser filtrada. Ao resfriar, após muito tempo, o
amido sofre uma mudança na aparência; torna-se mais opaco e pode ser observada uma
retração acompanhada de expulsão de líquido. Isso acontece porque a férula não foi
dissolvida, mas simplesmente enormemente distendida. A peculiaridade apresentada
pelo sangue do cavalo pode ser devida à maior diferença entre a densidade de seus
glóbulos e a do licor intercelular e, ao mesmo tempo, a uma maior suavidade da
atmosfera albuminóide das granulações moleculares microzymianas, que ficar mais
inchado e, conseqüentemente, sua massa cercada pelo soro mais rapidamente
atravessada pelos glóbulos. Comparei, portanto, como sendo a única coisa acessível
para experimentação, os soros de sangue do boi e da ovelha, com o do sangue do
cavalo, no que diz respeito à sua composição geral. O poder rotatório dos materiais
orgânicos, tomados em conjunto, do soro de sangue do boi é: = - 52 ° .8. Em 100 cc
deste soro havia: Grammes. Quantidade de matérias orgânicas fixas 8.72 Quantidade
de matérias minerais fixas, cinzas 0,68 Soma de matérias fixas 9,40 Proporções em
centésimos de matérias orgânicas e minerais: Quantidade de matérias orgânicas fixas
92,76 Quantidade de matérias minerais fixas7,24 100,00 A potência rotatória das
matérias orgânicas, Ao todo, o sangue do cavalo é: = - 53 °.
Em 100 cc do soro do sangue do cavalo, havia: Grammes Quantidade de matérias
orgânicas fixas 6.70 Quantidade de matérias minerais fixas, cinzas 0.06 Soma de
matérias fixas. 6.76 Proporções em centésimos de matérias orgânicas e minerais:
Quantidade de matérias orgânicas fixas 99.1 Quantidade de matérias minerais fixas
0.9 Soma de matérias fixas 100.0 A potência rotatória do soro do sangue de ovelha
era: (a) j = - 64 °. E as proporções em centésimos das propriedades minerais e
orgânicas fixas, este soro, foram: Quantidade de matérias orgânicas fixas 91.4
Quantidade de matérias minerais fixas, cinzas 8,6 100.C

A coisa mais impressionante, acima de tudo, não é a única coisa que o soro de o
sangue do cavalo contém menos materiais fixos, orgânicos e minerais, com um poder
rotatório quase igual ao do sangue do boi e muito mais baixo que o do sangue de
ovelha, mas especialmente que contém entre sete e oito vezes menos minerais importa
do que qualquer um dos outros dois. O soro do sangue do cavalo difere então
prodigiosamente dos dois soros com os quais eu o comparei; isso explica ao mesmo
tempo a suavidade da atmosfera albuminóide das granulações e o rápido depósito dos
glóbulos. Assim, o experimento verifica o fato de que as granulações moleculares
ocupam no sangue não apenas todo o espaço ocupado pelos glóbulos, mas também todo o
espaço deixado livre por sua precipitação. De acordo com Charles Robin1,
concordando com muitos autores, o sangue do homem, o do cachorro e o boi se
comportam como o do cavalo, quando são resfriados um pouco abaixo do ponto de
congelamento; eles permanecem líquidos por um tempo suficiente para permitir o
depósito dos glóbulos; os leucócitos, segundo Donne, formam uma camada acinzentada
no topo dos glóbulos; o líquido sobrenadante forma o coágulo, perdendo sua
transparência quando a temperatura atinge 12 ° a 14 ° C. (= 53 ° .6 a57 ° .2, F.),
e deve-se acrescentar que Ch. Robin, tendo observado a transparência da camada
sobrenadante separada dos glóbulos nessas circunstâncias, e que ele chamou de
plasma, afirmou que ela não podia ser filtrada. 1. cap. Robin, Lecons supera
Humeurs. p. 59 (1871). Lamento não ter tido tempo de verificar esses experimentos,
mas os fatos podem muito bem ser considerados verdadeiros, sendo certificados pelo
cap. Robin. Eles apóiam a teoria que eu declaro; o abaixamento da temperatura
abaixo de zero (32 ° F), com o efeito de retardar singularmente as funções da
nutrição dos elementos anatômicos (como retardou os do beeryeast), deve retardar a
coagulação da atmosfera albuminóide das granulações moleculares microzymianas. A
formação da fibrina clássica por chicoteamento ainda precisa ser explicada, e isso
agora é muito fácil. É o resultado de uma ação mecânica e química simultânea. Pela
ação mecânica, a camada de licor intercelular que separa as granulações moleculares
é rompida, enquanto as granulações liberadas à força são unidas por sua atmosfera
albuminóide mucosa, ao mesmo tempo em que as mudanças nas condições de existência
determinam a transformação alotrópica do albuminóide. substância que, coagulada
como vimos, contrai-se ao mesmo tempo, envolvendo ainda os microzymas; em
consequência do que o que foi difundido em todo o volume do sangue é reduzido para
um volume relativamente pequeno ocupado pela fibrina clássica. E pelo pequeno
volume de fibrina obtido por chicoteamento, um julgamento pode ser formado pelo
enorme volume formado pela atmosfera albuminóide que circundava as granulações do
tecido que flui no momento da vesecção, como observamos também em relação às
moléculas moleculares. granulações quando separadas do sangue alcoolizado. Na
separação da fibrina por chicoteamento, os glóbulos permanecem inteiros, e
expliquei que se o peso da fibrina assim produzida é menor que o da fibrina obtida
por lavagem do coágulo contraído, é porque as granulações moleculares livres do
sangue são adicionaram os obtidos pela destruição dos glóbulos com seus envelopes.
Tais foram os fatos sobre os quais repousava a teoria fisiológica experimental da
coagulação espontânea do sangue, quando, em 1895, eu as comuniquei ao Congresso de
Bordeaux da Associação Francesa para o avanço da ciência. Se restou alguma dúvida
quanto ao valor da teoria relativa à coagulação espontânea do sangue como um tecido
que flui, eis o que deve removê-los. Os novos experimentos aos quais eles se
relacionam são frutos das seguintes considerações: Se a formação do coágulo é
realmente o resultado da soldagem espontânea das atmosferas albuminóides mucosas
das granulações moleculares microzimas; se na presença de álcool diluído em um grau
adequado, essas atmosferas são condensadas, as granulações moleculares permanecem
independentes umas das outras, o que aconteceria se, em vez de álcool, o sangue
fosse recebido na água? A resposta a seguir é a seguinte:

Coagulação do sangue difundido na água. No momento da venesecção, o sangue é


recebido em volumes crescentes de água destilada até a metade do seu volume. O
coágulo é formado em todos os casos; com pequenas quantidades, os glóbulos não
parecem ser alterados e o primeiro soro tem sua aparência comum, mas na proporção
em que a quantidade de água aumenta, chega um momento em que o soro fica colorido.
Encorajado por esses ensaios, um dia em novembro, em Paris, foi recebido o sangue
da venezeite geral de uma ovelha russa, como parte em dois volumes de álcool a 36
°, carbolados com duas gotas por cem cc e quanto a outra parte em dois volumes de
água destilada carbolizada na mesma proporção. A mistura alcoolizada produziu o
depósito comum de granulações moleculares microzymian com as propriedades com as
quais estamos familiarizados e, naturalmente, não havia vestígios de coágulo. A
mistura aquosa forneceu algo muito diferente de um precipitado. Como a mistura
alcoólica, a mistura aquosa havia sido feita às 9 horas da manhã; naturalmente,
como o outro, era de uma cor vermelha escura, pois nessas condições toda a
hemoglobina dos glóbulos sanguíneos havia se dissolvido. Mas às 15 horas a mistura
aquosa foi coagulada, o coágulo ocupando todo o volume da mistura, um volume três
vezes maior que o coágulo sanguíneo sem a adição de água. Um pouco de líquido
vermelho escuro já foi expulso; no dia seguinte, o coágulo de sangue não estava
mais contraído. O experimento repetido com sangue de boi deu os mesmos resultados;
o coágulo sanguíneo foi formado em toda a massa, flutuando em um pouco de líquido
vermelho escuro, etc. Os coágulos trêmulos e quase transparentes dos dois
experimentos foram colocados para drenar em um pano úmido de textura próxima. Em um
dado momento, os panos foram encontrados cobertos com uma substância mucosa que,
uma lavagem prolongada, com água levemente carbolizada (1 gota por 100 cm3), depois
com álcool a 25% e novamente com água, não descoloriu completamente; no final,
restava uma membrana falsa vermelha que podia ser removida em uma única peça do
pano úmido; tal era a aparência e o estado da fibrina do coágulo formado sob essas
condições; sua quantidade é perceptivelmente aquela que é isolada pela lavagem do
coágulo comum. Nessa condição, essa fibrina não é dissolvida imediatamente em ácido
clorídrico em 2/1000, mas, como a fibrina comum, é uma função do tempo e da
temperatura, e sem antes assumir a condição de uma geléia como a fibrina, que é a
chicotada, etc. a atmosfera albuminóide das granulações moleculares microzimáticas
hemáticas é condensada sob a influência do álcool de força adequada, a mesma
atmosfera é muito mais distendida, três vezes mais, na água e o sangue ainda
coagula em toda a sua massa, os glóbulos sendo destruídos. A conclusão que resulta
dessa nova série de experimentos é que a teoria fisiológica da coagulação
espontânea do sangue, fundada na existência de um terceiro elemento anatômico, as
granulações moleculares microzymianas do tecido que flui, explica suficientemente
os fatos. Chegou a hora de apagar da linguagem da ciência as palavras plasma,
plasmina, fibrinogênio e fibrinoplástico, com as quais ela foi sobrecarregada.a
Também deve ser apagada para a explicação do fenômeno a pretensa influência dos
glóbulos, das calcárias. ou outros sais, ações catalíticas de contato etc., para
não falar de vários ocultos [a. Micróbio a termo também deve ser apagado; a menos
que se deseje mantê-lo para designar a humanidade e outros animais de vida curta! .
Influências. Um conhecimento exato da anatomia do sangue e das condições de
existência dos elementos anatômicos será suficiente.1 Mas também é necessário
entender de outra maneira que até agora não foi feito o significado do que é
chamado de coagulação do sangue. Na verdade, o sangue não coagula. O experimento
prova isso; é a substância da atmosfera do terceiro elemento anatômico do tecido
que flui que, ao sofrer a alteração alotrópica da coagulação, confere ao agregado
do fenômeno a aparência de uma coagulação total; mas, como vimos, é apenas uma
ilusão. 1. É porque as condições de existência dos elementos anatômicos são mais
realizadas quando o sangue é preservado entre duas ligaduras no vaso que o contém,
que a coagulação do tecido que flui é frequentemente adiada por muito tempo. Isso
explica o sucesso de certas experiências de autores e, as mais recentes, de M. Pe.
Glenard (1875). (Tese acima citada.)

A suposta coagulação espontânea do sangue está no fundo, apenas o fim da primeira


fase da alteração espontânea do tecido que flui, como a rigidez cadavérica, marca a
primeira fase da alteração espontânea do tecido muscular . Mas, o que é que muda em
um tecido? E qual é a segunda fase da alteração espontânea do sangue e em que
momento começa? É importante que o plano deste capítulo dê uma resposta precisa a
essas perguntas. Segunda fase da alteração espontânea do sangue. O primeiro começa
pela alteração química da coagulação da atmosfera albuminóide da granulação
molecular microzymiana, de onde resulta a formação do coágulo, a retração do último
e a expulsão do soro cor de limão. Os glóbulos não têm nada a ver com esse
fenômeno, como é incontestavelmente comprovado pelo experimento com o sangue do
cavalo. A segunda fase começa no momento em que o soro fica colorido de vermelho, o
que mostra que a mudança dos glóbulos sanguíneos começou, e sua hemaglobina, mais
ou menos alterada, foi difundida no soro. O experimento a seguir de M. Pasteur
mostrou o que acontece com os glóbulos nessa mudança. Este sábio chegou em 1863,1,
cinco anos após minha verificação da hipótese de germes no ar, quando desistiu de
acreditar na geração espontânea de fermentos, com o objetivo de demonstrar que, na
ausência de germes, o sangue não putrificar porque nada vivo apareceria nele. Para
entender isso, é preciso lembrar que M. Pasteur era um protoplasmista, vendo em um
organismo apenas princípios próximos, admitindo nele nada figurado, autonomicamente
vivo, comparável aos fermentos figurados. Tomo o recital do experimento de um livro
do autor, publicado muito depois que os microzymas foram descobertos e a teoria
microzymiana da organização concluída. Ele começa da seguinte forma: "Vamos
examinar o interior dos seres vivos, com boa saúde, tais ou tais materiais que
podem ser encontrados lá, e examiná-los no estado em que a vida os formou, em
contato com o ar puro. "1. Pasteur. "Recherches sur la putrefaction." CR. Vol. LV1
(1863). 2. Pasteur. "Etudes sur la beere." p. 46 (1876). De fato, com a assistência
de Cl. Barnard, ele derramou o sangue de um cachorro diretamente em um vaso, cujo
ar havia sido calcinado. O receptor, selado com o tubo de sopro, continha assim um
dos materiais a serem examinados, obtido a partir do interior do animal e,
portanto, protegido dos germes do ar. Agora cito textualmente da seguinte maneira o
que M. Fasten pensou ter observado: 1. O sangue não apodrece, mesmo na temperatura
mais alta da atmosfera; seu odor permanece o de sangue fresco ou o de lixívia. 2.
Após uma exposição dos frascos a 25 ° -30 ° C (= 77 ° a 86 ° F), durante várias
semanas, nada pode ser observado, exceto uma absorção de 2% a 3% de oxigênio, que é
substituído por um volume perceptivelmente igual de ácido carbônico. 3. Sob as
circunstâncias em que o sangue do cão, exposto ao contato do ar puro, não apodrece,
os cristais de sangue são formados com notável prontidão. 4. Nos primeiros dias em
que foi colocado no forno, lentamente, na temperatura normal, o soro tornou-se
gradualmente colorido em marrom escuro. 5. Na proporção em que esse efeito é
produzido, os glóbulos sanguíneos desaparecem e o soro e o coágulo ficam cheios de
cristais de cor marrom ou vermelha. Após algumas semanas, nem um único glóbulo
sanguíneo permanece no soro ou no coágulo. Após um intervalo mais longo, toda a
fibrina pode ser coletada em uma única massa hialina.1 1. Ibid, p.49.

Tal foi o experimento do qual M. Pasteur concluiu que, se protegido dos germes do
ar, o sangue não apodrecia; isto é, não foi alterado pela ação de qualquer fermento
figurado que, em sua opinião, somente os germes do ar pudessem produzir. Em outro
lugar, mostrei que, supondo que a técnica do experimento tivesse sido realizada com
precisão, as observações feitas sobre ele eram incompletas e a interpretação dos
resultados cruéis ao extremo. Eu voltarei a isso daqui em diante; por enquanto,
mostrarei apenas que os fatos do experimento corroboram os meus. É evidente que, ao
todo, o experimento de M. Pasteur confirmou aquilo que a teoria microzymiana nunca
deixa de provar, a saber, que todo tecido, todo humor, se retira de um animal vivo
e saudável, absolutamente protegido dos germes do ar , necessariamente altera e,
consequentemente, altera-se espontaneamente. Demonstra ainda que existem duas fases
distintas nas alterações do sangue. É verdade que o Sr. Pasteur não parou um
instante para considerar o fenômeno da coagulação, mas observou que o soro,
inicialmente a cor de limão, ficou gradualmente vermelho, depois marrom escuro, sem
insistir no mecanismo de contração da coagulação. o coágulo e a expulsão e a
coloração tardia do soro que marca o início da segunda fase e que segue exatamente
o consumo de oxigênio que o sangue continha, que o próprio autor testemunhou à
absorção de uma pequena quantidade de oxigênio em seu sangue. frascos com uma
produção correspondente de ácido carbônico. Durante a segunda fase, na qual a
hemoglobina se altera cada vez mais, cristais de sangue são formados, finalmente os
glóbulos são destruídos e desaparecem enquanto a fibrina que os aprisionava na rede
formada por ela se contraía cada vez mais. Esta figura mostra claramente que
durante as duas fases a alteração é ao mesmo tempo química e anatômica, terminando
na destruição e no total desaparecimento dos glóbulos. Mas a que causa M. Pasteur
atribuiu efeitos tão prodigiosos? Em 1863, ele também experimentou carne muscular,
imitando meu método de investigação, substituindo o creosoto pelo álcool. Ele
enrolou uma volumosa massa de carne em um linho, embebido em álcool, e a deixou
sozinha. "Não haverá putrefação, ele disse, não no interior, porque os germes dos
vibrios estão ausentes, nem externamente porque os vapores do álcool impedem o
desenvolvimento dos germes na superfície". No entanto, o autor certificou que a
carne "se tornou caprichada de maneira pronunciada". E por que se tornou
brincalhão? Simplesmente, disse ele, "porque é impossível à temperatura comum
retirar o interior dessa carne da reação de sólidos e líquidos uns sobre os
outros ... Sempre haverá sempre o que se chama ações de contato, que se desenvolvem
na carne". pequenas quantidades de novas substâncias, que acrescentam ao sabor da
carne o seu próprio sabor. "1 Então, a temperaturas comuns, o mesmo deve acontecer
com o sangue e com os tecidos musculares; haverá ações de contato, reações dos
sólidos sobre os líquidos; e é por isso que o sangue muda sem apodrecer enquanto a
carne se torna brincalhona sem apodrecer. Há alguma desculpa para M. Pasteur e as
academias com ele terem ficado satisfeitos com essas explicações, visto que o
protoplasmismo havia sido aceito como um dogma entre os sábios. Foi a fé nessa
doutrina que fez com que o glóbulo fosse considerado um organismo e a massa de
sangue ou de carne, para uma coleção de princípios próximos e, o que é mais sério,
impediu M. Pasteur de ver os microzymas. entre os resultados de seu experimento,
ou, se ele os viu, o fez negligenciá-los, pois havia negligenciado os microzymas e
até os vibrios na carne de caça. No entanto, talvez, tenha sido ao invocar ações de
contato e de reações de sólidos e líquidos que M. Pasteur se convenceu de que as
alterações do sangue e da carne não eram fenômenos de putrefação; isto é, de
fermentação. E esse modo de encarar as coisas por parte do célebre sábio prevaleceu
tão geralmente que fui obrigado a fazer uma explicação sobre o assunto de uma
afirmação feita por Balardin 1874. M. Servel, assistente de Estor, havia
apresentado à Academia2 um trabalho verificando o fato de que, com proteção
absoluta dos germes atmosféricos, os mais diversos tecidos poderiam 1. L. Pasteur,
Recherches sur la putrefaction. CR, vol. LVI. p. 118-9 (1894). 2. CR, vol. LXXIX,
p. 1270. produzem bactérias mesmo em seu interior e citam outras verificações
feitas na Alemanha. Agora, Balard, que apresentou o trabalho, aproveitou a ocasião
para dizer que o sangue é preservado sem fermentação podre e sem bactérias no
experimento de M. Pasteur.1 Eu respondi ao M. Balard, dizendo que o sangue é uma
dessas substâncias, dos quais o ovo é outro, do qual os microzymas sofrem com mais
dificuldade a evolução vibracional.2 Apesar disso, o experimento de M. Pasteur foi
dado como uma demonstração preventiva de que o meio interior não contém nada
figurado que possa se transformar em bactéria pela evolução. na substância de um
tecido ou de um humor; e foi afirmado, de acordo com ele, que o experimento provava
ao mesmo tempo que os corpos dos animais estavam fechados a germes de fora. 1.
Ibid., P. 1272 2. Ibid. Vol. LXXX. p. 494. A nota de M. Servel e minha resposta a
M. Balard deve ser lida com atenção para ter uma idéia clara do estado da questão
em 1875. No entanto, em uma discussão na Academia de Medicina, onde, mais uma vez,
Defendi a teoria microzymiana, M. Pasteur participou da discussão, mantendo suas
conclusões anteriores, continuando até negando a existência dos microzymas. Foi
então que insisti contra ele seu próprio experimento sobre o sangue, que é uma
demonstração contra seu próprio sistema. Eu disse: "Você afirma que o sangue no
qual os cristais são formados e os glóbulos desaparecem não é alterado? Os glóbulos
desse sangue são sempre destruídos e desaparecem: o que os destruiu? Até a
hemoglobina é transformada em cristais e encontramos no líquido, um enxame de
microzymas ... esses microzymas que você não viu nem reparou. " Não mais invocando
ações de contato, M. Pasteur disse: "Mas essas transformações são feitas sob a
influência do oxigênio do ar". No que diz respeito à presença dos microzymas, ele o
admitiu, deixando crer que eu afirmei que eles se tornaram bactérias em seu
experimento.1 1. Bulletin da Academia de Medicina, 2ª série, vol. XV p. 679.
Reconhecida a presença dos microzymas, a observação dos resultados do experimento
foi concluída, pouco importa depois que M. Pasteur continuasse a tratá-los como
"criaturas da imaginação" e que ele explicasse os fenômenos como resultado de
alguma influência do oxigênio; Eu tinha motivos para esperar que essa declaração
abra os olhos de meus oponentes acadêmicos e que eles reconheçam que foram
enganados. Mas nada disso; o reconhecimento existe, no entanto, e resta apenas
provar que eles são realmente os agentes das mudanças da segunda fase do fenômeno e
da destruição dos glóbulos. No primeiro capítulo, mostramos que a fibrina deixada
por si mesma coberta por água carbolizada, aberta mesmo para o contato com o ar, é
transformada em produtos solúveis sem o aparecimento de bactérias, deixando um
resíduo de novas granulações moleculares microzymianas sem fenômenos de putrefação
fétida; e também vimos que os microzymas dessas granulações eram os fermentos das
transformações. Por outro lado, também vimos que, na amido de fezes, a mesma
fibrina liquefaz esse amido e o faz fermentar, enquanto seus microzymas se tornam
bactérias; temos dois exemplos, em um dos quais os microzymas são ativos sem
evolução; no outro, eles sofrem evolução bacteriana. O experimento a seguir
demonstra que o oxigênio não tem influência no fenômeno da destruição dos glóbulos
no sangue desfibrinado. Aproximadamente 300 cc do sangue do boi, que adicionou 50
cc de uma solução aquosa saturada de fenol, foram imediatamente desfibrinados e o
sangue cuidadosamente separado da fibrina submetido a uma corrente de ácido
carbônico, com o objetivo de expelir o oxigênio . O balão foi fechado e deixado
sozinho à temperatura do mês de junho em Montpellier durante um mês e depois no
forno a 30 ° a 33 ° C (= 86 ° a 91 ° .4 F.); esse sangue não sofreu putrefação
fétida, os glóbulos, com uma forma ligeiramente alterada, permaneceram inteiros
durante os primeiros dez ou doze dias. Foi apenas no dia 15 de junho que apareceu
uma grande quantidade de granulações moleculares muito finas, das quais apenas
alguns exemplos raros haviam aparecido antes, sem nenhum traço de vibrios ou
bactérias. Os glóbulos resistiram por muito tempo e terminaram desaparecendo. Havia
uma alteração sem a presença de oxigênio, da qual os microzymas não podiam ser
outros que não os dos glóbulos. A fibrina e os glóbulos do sangue desfibrinado
podem então ser destruídos apenas pelos seus próprios microzymas, sem putrefação
fétida e sem bactérias. Se no experimento com o sangue do boi, desfibrinado ou não,
não foram formados cristais de sangue, foi porque a hemoglobina desse sangue é uma
daquelas que não os produzem de todo ou o fazem com dificuldade.1 1 Quanto a a
afirmação de M. Pasteur em relação à influência do oxigênio do ar, ele sabia que
muito tempo antes de eu refutá-lo com antecedência (ver Les Microzymas, p. 253. e
seguintes (1883), Chamalet, 60, Passage de Choiseul): mostra-se que o sangue
retirado da artéria crural de um cão, com a adição de um pouco da solução saturada
de creosoto, submetido a uma corrente contínua de ar comum, é preservado
arterializado e os glóbulos permanecem perfeitos. limão longo; estes últimos, no
entanto, terminam sendo destruídos, de modo que os microzymas se tornam livres,
freqüentemente sem o aparecimento de bactérias e sempre sem putrefação felina.
Quando a corrente de ar é substituída por oxigênio puro, acontece a mesma coisa e
os cristais de sangue são formados entre 24 ° e 26 ° C de temperatura. É pelo
contrário, no
ácido carbônico, que os glóbulos sanguíneos do cão são destruídos mais rapidamente
e os cristais se formam mais rapidamente entre 35 e 40 ° C, sempre sem putrefação
fétida. Mais tarde mostrei isso abaixo: ele tem as mesmas condições do sangue do
cachorro, do sangue do boi. do porco, da galinha, do pato não dá nem cristais nem
ainda a hemoglobina solúvel do boi. Boletim da Academia de Medicina, 2ª série. Vol.
XVII. p. 225 (1887). Acrescentarei que, sob a ação prolongada da corrente de ar no
sangue do cão, descobri que a quantidade de uréia normal foi aumentada. Esta
declaração deve ser verificada. Certamente, se apesar das mudanças certificadas por
ele mesmo, M. Pasteur chegou à conclusão de que músculo, carne e sangue não eram
susceptíveis de se tornar podres, deve ter sido porque ele acreditava firmemente
que os fermentos tinham como única fonte os germes. do ar e que o sistema
protoplasmático de organização foi fundado em observação rigorosa. E atrevo-me a
dizer que ele sabia que estava errado e que, mais tarde, foi com o design que ele
contestou a teoria microzymiana, não querendo confessar que havia observado mal e
tomado o caminho errado. O professor Joseph Béchamp revisou o experimento com
carne, como eu fiz com o sangue. Ele repetiu o experimento de M. Pasteur sem usar
álcool como anti-séptico, e no centro do pedaço de carne, onde M. Pasteur disse que
os germes dos vibrios estavam ausentes, ele encontrou os microzymas em evolução e
vibrios ou bactérias. Ao mesmo tempo, ele encontrou o tecido desorganizado.1 1. CR
Vol LXXXIX, p. 573. Quando levei o sr. Pasteur a reconhecer a presença dos
microzymas no sangue alterado, eu estava ansioso para fazê-lo confessar a presença
de bactérias no interior da massa de carne brincalhona em seus outros experimentos.
Mas ele se recusou, dizendo: "Não sei o que você quer dizer com falar de uma das
minhas experiências com carne". O papel excessivo atribuído aos germes do ar por
esse sábio e sua pretensa demonstração da imputrescibilidade de matérias orgânicas
em geral, quando protegidas dos germes do ar, desviaram a ciência para uma estrada
deplorável. Assim, ele lançou dúvidas sobre uma verdade há muito adquirida; ou
seja, que todas as matérias orgânicas naturais, vegetais e animais, estão sujeitas
a alterações espontâneas por um fenômeno de fermentação nas condições especificadas
por Macquer. Essa verdade deve ser restabelecida se quisermos entender o real
significado do experimento de M. Pasteur sobre o sangue; para fazer isso, devemos
conectá-lo à questão introdutória que precede o primeiro capítulo deste trabalho,
que levou à descoberta da natureza real da fibrina, que foi o ponto de partida
icônico para a descoberta da natureza real do sangue. . Lembro-me então que provei
como uma solução de açúcar ou qualquer outro princípio próximo, ou suas misturas,
era mutável no contato com o ar, devido ao fermento da buzina dos germes desse ar.
M. Pasteur, que já havia afirmado a geração espontânea de fermentos, repetiu minhas
experiências e ficou convencido. Depois, generalizou e afirmou que seria o mesmo no
caso da urina e do leite, semelhante a esse caldo de levedura adocicado que, sendo
fervido, não era alterado se fosse creotado ou deixado sozinho no ar calcinado.
Antes do experimento no sangue ou na carne, esse célebre savant havia experimentado
na urina e no leite. Quanto ao leite fresco, ele admitiu, a priori, que ele azedava
devido a fermentos nascidos dos germes do ar e que era coagulado pelo ácido lático
que coagulava sua caseína. Mas aqui nós fervemos o leite coagulando no ar calcinado
sem nos azedar, enquanto vibrios apareciam nele. Ele ficou surpreso com isso, mas
de nenhuma maneira procurou compreender o mistério, sustentando que no leite os
germes do ar resistem ao aquecimento a 100 ° C e se tornam vibrios, aos quais ele
atribuiu a coagulação. leia-se (Ann. de Chimie et de Physique, Vol. LXIV, pp. 58-
63) para perceber os esforços feitos por M. Pasteur para convencer-se de que os
germes do ar são a única origem dos vibrios. Narrei, na introdução, como apliquei o
novo método de pesquisa ao leite e daí a vários outros tecidos; Da mesma forma,
estudei do ponto de vista de suas alterações químicas e anatômicas na urina, ovos
de pássaros, frutas que se tornam maduras demais, cevada germinada, plantas
congeladas após um degelo e glóbulos de levedura de cerveja, etc. sobre o leite,
sobre o qual não posso insistir com muita força. A primeira fase de sua alteração é
a separação dos glóbulos do leite no creme; essa separação corresponde em sentido
inverso à separação dos glóbulos no sangue do sangue do cavalo; a segunda fase é a
azeda que precede a formação do coágulo; e esse amargo corresponde a uma
fermentação que produz álcool, ácido acético e ácido lático, agentes dos quais são
apenas os microzymas próprios do leite, pois no momento da formação do coágulo,
independentemente de o leite ter sido creosotizado ou não, o microscópio divulga
apenas esses microzymas, que se tornaram mais facilmente visíveis. Os vibrios ou
bactérias que aparecem marcam a fase anatômica do fenômeno. Mas, para a compreensão
completa do fenômeno das alterações que ocorrem no leite, é necessário, como no
caso do sangue, reconhecer que após a sua saída da glândula seus elementos
anatômicos não estão mais em suas condições normais de existência. Além disso, o
leite perfeitamente fresco não contém ácido lático, ao contrário do que Berzelius
pensa - mas contém álcool e ácido acético; resulta, portanto, que a produção de
ácido láctico após a ordenha indica uma alteração funcional nos microzymas do
leite; e essa formação de ácido lático ocorrendo sem a retirada do gás,
especialmente do hidrogênio, indica, além disso, que os microzymas do leite são
diferentes dos do sangue. E, uma vez que se relaciona com o fenômeno da coagulação
e que o coágulo de leite foi comparado ao coágulo de sangue, também é preciso
reconhecer que o coágulo de leite não é a coagulação da caseína pelo ácido lático.
A caseína, de fato, é um princípio próximo do albuminóide insolúvel, que existe no
leite no estado de um caseinato solúvel; os ácidos, sejam os ácidos lático ou
acético, saturam o alcalino e a caseína é precipitada; daí resulta que aquilo que é
chamado de coagulação da caseína no leite, que é alterada espontaneamente, é a
lenta precipitação da caseína pelos ácidos que tornam o leite azedo. No que se
refere à coagulação do leite fervido, onde não há acidez, é outro fenômeno em que
participam os caseinatos, os albuminatos e os zymas do leite modificado pelo calor;
é uma ação zymática, que pode ser comparada à coagulação por coalho, o zyma do qual
tem origem em alguma modificação funcional pelo calor dos microzimas do leite.
E essa modificação funcional desses microzymas é tão certa que, se forem
adicionadas quantidades de leite de creosote ou ácido carbólico suficientemente
grandes para impedir a evolução vibracional dos microzymas, não haverá azedação ou
coagulação do leite; as matérias albuminóides sofrem outras transformações e, por
fim, se a ação continuar por um longo tempo, de 30 a 35 ° C, os glóbulos do leite
são destruídos, os corpos gordurosos que contêm são libertados. Os fatos anteriores
se referem especialmente aos leites da vaca e da cabra, que são o leite de caseína.
Os leites do jumento e das mulheres não contêm caseína, mas azedam espontaneamente
sem coagular e não produzem coágulos com a adição de coalho.1 A urina humana
normal, creosotada, fermenta sem gás desengatante, produzindo álcool, ácido acético
e ácido benzóico a partir do ácido hipúrico, enquanto as células epiteliais são
destruídas e os microzymas evoluem.2 1. Sobre a constituição histológica e a
composição química comparativa dos leites da vaca, da cabra, da bunda e da mulher
";" Na espontânea alterações do leite e das mudanças que o aquecimento produz nele.
"(M. Chamalet. Passagem de Choisel, 60. Paris.)
2. CR, Vol. LXI. p. 374, e Les Microzymas, etc. p. 713 O fígado, mergulhado na água
carbolizada, produz, com o desengate do ácido carbônico, hidrogênio e hidrogênio
sulfureto, álcool, ácido acético, ácido lático, enquanto suas células são
destruídas e seus microzymas evoluem e se tornam bactérias.1 Mas as mudanças dos
ovos e de fermento de cerveja são especiais conclusivamente. O ovo do pássaro é um
organismo cuja função é produzir um pássaro. Donne, sacudindo vigorosamente,
destruiu esse organismo, misturando na casca a gema com a branca e produzindo assim
uma espécie de alteração que estudei. O ovo de um avestruz assim tratado, a uma
temperatura de 30 ° -35 ° C (86 ° -95 ° F), fermentou e produziu tanto gás que a
pressão interna se tornou suficientemente forte para expulsar uma pequena parte do
conteúdo, em um buraco sendo feito na concha. Os gases liberados foram ácido
carbônico, hidrogênio e um traço de hidrogênio sulfurado. Quando o desengajamento
gasoso cessou, não havia mais hidrogênio sulfurado. Todos os glóbulos de vitelina
haviam desaparecido e os microzymas foram preservados com sua forma, sem nenhum
traço de vibrios ou outra produção organizada. Toda a glicose do ovo desapareceu
enquanto a matéria albuminóide foi preservada, sendo o solúvel coagulável pelo
calor. Os produtos da fermentação foram álcool, ácido acético e ácido butírico,
mostrando que foram produzidos a partir do lactato. Aqui estava então uma
fermentação estritamente definida, em que os microzymas, como os do sangue, não
sofreram evolução vibracional.2 Para que os microzymas da vitelina evoluam, são
necessárias outras condições. 1. C. R, vol. LXXV. p. 1830. 2. CR, vol. LXVII, p.
523. O caso do fermento de cerveja é ainda mais interessante, pois tem a ver com a
vida sendo reduzida a uma célula, cuja alteração e destruição total lançam uma
forte luz sobre as do glóbulo sanguíneo. Suponha uma fermentação alcoólica de
açúcar de cana para a qual um pouco mais de fermento foi empregado do que o
necessário para a fermentação completa do açúcar. Após a fermentação, a levedura
será depositada no licor fermentado e ali preservada inalterada indefinidamente,
como se estivesse em letargia, com sua forma e suas propriedades. Com isso
determinado, tomemos um pouco de levedura fresca, pois é proveniente da cervejaria,
lavada em água destilada para purificá-la do que ela trouxe do tanque, e aumente de
três a quatro vezes o seu peso de água destilada creosotizada para destruir a
influência de germes do ar. Nesta situação, tão diferente de sua condição normal de
existência, à temperatura de cerca de 30 ° C (86 ° F) e sem nenhum vestígio de ar,
por muito tempo desengatará o ácido carbônico puro, produzindo ao mesmo tempo tempo
uma quantidade relativamente grande de álcool, ácido acético e outros produtos,
preservando sua forma o tempo todo. Evidentemente, só foi capaz de produzir todas
essas coisas em detrimento de sua própria substância, de seu conteúdo, uma vez que
seu tegumento a princípio permanece completo. E se for permitido que o processo de
alteração continue, esse próprio tegumento desaparecerá, seus microzymas se
tornarão livres e os vibrios aparecerão.1 A seguir, é apresentado o método pelo
qual o mecanismo de destruição espontânea da célula da levedura de cerveja pode ser
mais facilmente estudou. É sabido que o fermento não provoca a fermentação da
fecula. Mas o que não se sabe é que liquefaz o amido de férula e é completamente
destruído na produção da liquifação, deixando apenas seu organismo além de seus
microzymas, deixando a parte solúvel de seu conteúdo no meio circumambiente. O
fenômeno dura mais ou menos tempo, de acordo com a quantidade de creosote empregada
para destruir a influência dos germes do ar. Se a quantidade de creosote é pequena,
os microzymas passam por uma evolução vibrioniana; se é suficiente, os microzymas
não evoluem.2 Mas isso não é tudo. Assim estudado, o fenômeno da destruição
espontânea da célula da levedura de cerveja me permitiu confirmar a generalidade do
fato que eu já observara há muito tempo ao estudar a origem microzymiana dos
vibrioniens. 1. Para detalhes e desenvolvimentos, ver C. R ,. Vol. LVIII. p. 601;
"Sur les fermentations par les ferments organizes" (1864). 2. Ann. de chimie el de
physique. 4ª série. Vol. XXIII. p. 443. e Sur la nature el l'origine des ferments
(1871). Enquanto o glóbulo de levedura está sendo destruído e seus microzymas
liberados e começam a sofrer evolução vibrioniana, várias fases dessa evolução
devem ser observadas, que Estor e eu descrevemos desde o início de nossas pesquisas
sobre o fígado, etc. 1 a saber, a princípio, os microzymas dificilmente são
alterados em tamanho e forma; depois microzymas acoplados na forma da figura 8, em
seguida terços de microzymas de 3 a 10 e 20 grãos, todos do mesmo tamanho; depois
vibrios propriamente ditos; então bactérias geralmente muito grandes, móveis ou
não; também os amilobacteres de Trecul, livres ou presos de ponta a ponta. Quando o
fenômeno não é verificado pela adição de creosote ou ácido carbólico, todas essas
produções podem ser vistas ao mesmo tempo no campo do microscópio. Agora, se, sem
alterar nenhuma das condições do experimento, a observação for continuada, será
visto que todas as outras formas, exceto os microzimas únicos, desaparecem
sucessivamente; primeiro os amilobacteres desaparecem; novas formas de dimensões
menores aparecem e desaparecem por sua vez, de modo que, no final, permanecem
apenas enxames de formas móveis que dificilmente diferem dos microzymas originais
que haviam evoluído. 1. CR Vol. LXVI. p. 421 e p. 859 (1868). Falando então na
linguagem da anatomia, podemos dizer que os microzymas se tornam vibrioniens pela
evolução; os vibrios, as bactérias, os vibrioniens em geral, retornam à forma
microzymiana por um fenômeno inverso da evolução, as formas finais diferindo em
pouco ou nada dos microzymas, o elemento anatômico da célula. Assim, é diretamente
demonstrado que um glóbulo de levedura, uma célula em geral, ao ser destruída,
liberta seus próprios microzymas; que estas, se realizadas as condições
necessárias, se tornam vibrioniens pela evolução, que, nas mesmas condições
aparentes, por um fenômeno inverso, reproduzem os microzymas. Assim, como Estor e
eu demonstramos no desenvolvimento das células embrionárias das aves, e como
demonstramos no caso da levedura de cerveja e no caso das células que podem se
desenvolver na mãe do vinagre, os microzymas que são os o início de toda
organização celular e tecidual também é o seu fim, sendo, como vimos, o fim até das
bactérias. Agora, o que é verdadeiro para os microzymas do fermento de cerveja
também é verdadeiro para os microzymas de todas as células, de todos os tecidos,
tanto dos animais quanto das plantas. E esse fato foi confirmado involuntariamente,
mesmo por aqueles que negam os microzymas e que, para evitar nomeá-los, os chamaram
de fermentos pontuais; um microzyma ou microzymas-produtores no início, microzymas
no final, tais são os inícios e os fins de uma bactéria e de uma célula. Assim,
todas as questões animais e vegetais naturais, isto é, organizadas como Bichat as
concebiam e definiam sua organização, os elementos anatômicos morfologicamente
definidos, são as únicas coisas que vivem nelas; sim, todos esses assuntos, desde
os mais altos da organização até os mais altos, são espontaneamente alteráveis a
partir do momento em que não estão mais na situação de suas condições naturais de
existência, quimicamente e anatomicamente. Ao insistir em suas alterações químicas,
especialmente na produção de álcool, ácido acético, ácido lático e ácido benzóico,
com ou sem o desengajamento de gás ácido carbônico, etc., queria mostrar que essas
alterações pertencem à classe das fermentações mais conhecidas, que assumem um
fermento figurado vivo. Mas, mesmo na alteração espontânea do fermento, o álcool e
o ácido acético não são os únicos produtos formados; Eu descrevi outros em 1864; Ao
estudar melhor esses últimos, encontrei o ácido succínico, uma substância gomosa
especial, um ácido mucico ternário, leucina e tirosina, compostos nitrogenados cuja
formação é testemunha de que os albuminóides do fermento contribuem para as
mudanças; outros foram encontrados igualmente nitrogenados, etc. Ao estender essas
pesquisas sobre leveduras às alterações espontâneas da carne do cavalo e dos
peixes, essas pesquisas foram verificadas através do isolamento de produtos
similares ou análogos. Mas como essas alterações químicas espontâneas pertencem à
classe de fermentações que pressupõem a presença de um fermento figurado, o que é
esse fermento? Porque, se o fermento de cerveja que faz fermentar o açúcar colocar
parte dele próprio, do seu conteúdo transformado que é recuperado entre os produtos
da fermentação normal, não é destruído; permanece inteiro, seu tegumento
preservando sua forma, com seu próprio elemento anatômico-microzymas. Por outro
lado, quando produz álcool espontaneamente, sem açúcar, altera e é destruído, como
são destruídas as células e a organização do sangue, da carne, do fígado, etc. Não
são então essas células e essas células. tecidos que são os fermentos das
fermentações espontâneas. M. Pasteur buscou no sangue alterado o vibrio nascido dos
germes do ar e, não encontrando, concluiu que não havia fermentação nem alteração
química nele; não obstante, há fermentações sem vibrios e sem células nas quais são
produzidos álcool e ácido acético; na primeira fase da alteração do leite, por
exemplo, e na dos ovos sacudidos dentro da casca. Esses fermentos são precisamente
os microzymas, freqüentemente os vibrioniens resultantes de sua evolução, e
microzymas que são o resultado da destruição destes últimos, pois em um dado
momento, no início ou no final do fenômeno, existem meio que está alterando ou cuja
alteração está concluída, nenhuma produção definida morfologicamente, exceto
os microzymas de origem ou os microzymas resultantes de sua destruição. E isso não
é uma afirmação gratuita, pois provei experimentalmente que os microzymas de origem
animal e os de levedura são na verdade os fermentos figurados que produzem, com
açúcar ou fecula, álcool, ácido acético, ácido lático e por fermentação do
fermento. lactato de giz, ácido butírico. E são precisamente os microzymas das
granulações moleculares microzymianas do sangue ou os dos glóbulos sanguíneos que
pertencem a essa classe. De todas essas experiências, resulta incontestavelmente
que os microzymas dos organismos vivos em geral, e os do sangue e dos glóbulos
sanguíneos em particular, são elementos anatômicos e são eles próprios fermentos
figurados; isto é, eles estão vivendo e organizados da mesma maneira que se admite
que o fermento é assim; assim como os vibrioniens em que esses microzymas podem se
tornar pela evolução, a partir da mesma substância organizada. Mas os microzymas
são seres vivos de uma ordem inteiramente especial, sem analogia, sobre a qual
insisti por um longo tempo e novamente insisto em coroar a demonstração de que o
sangue é realmente um tecido. E agora o que acontece quando esse ou qualquer tecido
altera? Primeiro, não é mais preservado no estado em que existe e funciona no
organismo, em coordenação, falar como o Dr. Antoine Gros, em coordenação geral com
o funcionamento de todos os órgãos e de seus tecidos; então, como estabelecemos
para a atmosfera albuminóide das granulações moleculares microzimáticas hemáticas e
para a matéria corante do conteúdo do glóbulo vermelho, sofrer, devido à mudança
nas condições de sua existência, alguma mudança química em algumas de suas partes;
em resumo, seus elementos anatômicos especiais mudam sua forma e sua função a ponto
de serem destruídos e desaparecerem, deixando os microzymas como o único vestígio
de sua existência que, de acordo com as circunstâncias, sofre ou não sofre evolução
vibracional. E a mudança anatômica pode ser tão rápida, como é sabido pelos
histologistas, que é necessário tomar medidas para preservar a integridade dos
tecidos. De fato, um ou dois minutos podem ser suficientes, depois que o sangue foi
derramado, para tornar impossível demonstrar o terceiro elemento anatômico. Devemos
concluir, então, que em todos os experimentos, incluindo os de M. Pasteur, a
alteração química e anatômica no sangue é um trabalho exclusivo dos microzymas,
que, em certas condições, não se transformam em bactérias. Quanto à questão, a que
ordem pertence o fenômeno químico, agora está resolvido; Como toda transformação
química de um princípio próximo da matéria orgânica, sob a influência de um
fermento figurado, é chamada fermentação ou putrefação, é evidente que as
alterações químicas espontâneas do sangue são o resultado de uma fermentação ou de
uma putrefação sem produtos fétidos . Certamente, sempre que o experimento com
sangue for realizado em larga escala, mesmo nas condições de M. Pasteur, outros
produtos serão descobertos além daqueles que eu indiquei, e entre eles eu não
ficaria surpreso se o álcool deve ser considerado um deles. Agora é evidente qual é
o verdadeiro significado do fenômeno chamado coagulação espontânea do sangue; é o
seguinte: O sangue, sendo um tecido, é necessariamente alterável, como é bem
conhecido todos os tecidos, e também todas as questões orgânicas naturais, animais
ou vegetais, o que é chamado de coagulação, sendo apenas a primeira fase de sua
mudança completa, que se estende à desorganização e ao desaparecimento de seus
glóbulos. E o fenômeno em sua totalidade é o trabalho dos microzymas, que, agindo
fisiologicamente como fermentos, efetuam a transformação química dos princípios
próximos e, portanto, as alterações anatômicas, que terminam na desorganização dos
tecidos e das células. Mas, como eu disse, os microzymas são seres vivos de uma
ordem especial sem analogia, como mostrei em outras publicações, sobre as quais
prometi insistir novamente em dar a este trabalho e à sua demonstração seu mais
alto caráter de certeza e também para refutar novos erros sobre os quais eu havia
tocado apenas de maneira casual em um trabalho anterior.1 Este será o assunto do
capítulo seguinte. 1. Microzymas e Micróbios, etc. Chamalet. pub., Paris, 60
Passage de Choiseul, 60.

CAPÍTULO 7. JUSTIFICAÇÃO DA DOUTRINA DE QUE O SANGUE É UM TECIDO FLUIDO E, COMO


TAL, ALTERÁVEL ESPONTANEAMENTE ALTERÁVEL. M. Pasteur e os germes do ar. CH. ROBIN
EA ALTERAÇÃO DO SANGUE. MICROZIMAS E ESPORES DE ESQUIZOMICETAS; MICROZIMAS E
MICROCOCCOS; O MICROZIMAS EO SISTEMA CIRCULATÓRIO; COMPARAÇÃO DOS MICROZIMAS DO
SANGUE, DOS MICROZIMAS DO SISTEMA CIRCULATÓRIO E DOS MICROZIMAS DOS OUTROS TECIDOS.
AUTONOMIA DOS MICROZIMAS.

A demonstração de que o sangue é um tecido que flui e, como espontaneamente


alterável, repousa inteiramente na descoberta dos microzymas, organismos vivos
individuais, insuspeitos, mas que existem normalmente e, conseqüentemente,
necessariamente como elementos figurados em todas as partes de todos os seres
vivos. organismo, em todas as células desse organismo, ab ovo et semine, durante
toda a duração de seu desenvolvimento e de sua existência na condição fisiológica
de perfeita saúde. Essa descoberta forneceu a demonstração de que todos os tecidos
e humores são espontaneamente alteráveis, porque contêm, inerentes a si mesmos, os
agentes de sua alterabilidade, os microzymas, que por evolução podem se tornar
vibrios ou, em determinadas condições fixas, bactérias; tudo isso foi contestado e
até negado. É esse princípio, tão adaptável à concepção de Bichat em relação à
existência de elementos anatômicos vivos autonomicamente, totalmente opostos à
doutrina de uma matéria viva sem elementos figurados vivos, chamados protoplasma ou
blastema, aos quais tive que me opor e ainda me oponho contra certos sábios para
justificar o fato de que o sangue é realmente um tecido e, como tal,
espontaneamente alterável. A seguir, é apresentada uma declaração do ponto de
partida da disputa e da negação. O fato da alterabilidade espontânea das questões
orgânicas nas condições especificadas por Macquer foi admitido na ciência como uma
verdade incontestável. Eu descrevi, no primeiro capítulo, como essa crença havia
sido tão generalizada, que a alteração espontânea de todos os princípios próximos
(mesmo o do açúcar de cana) foi admitida. Mas, como demonstrei, é somente através
da ação de germes do ar, cuja existência, mesmo apesar da hipótese de Spallanzani
ter sido negada, é que essa alteração ocorreu que parecia ser espontânea. Mas, ao
mesmo tempo em que demonstrei que Macquer estava certo em relação a plantas e
animais, tecidos e humores, mostrei que das três condições especificadas por
Macquer, umidade adequada, certa temperatura e contato momentâneo com o ar, apenas
as duas primeiras eram essenciais, o ar e seus germes poderiam ser inteiramente
suprimidos. M. Pasteur admitiu a alterabilidade espontânea das questões orgânicas
em geral e afirmou explicitamente que fermentos, leveduras de cerveja, leveduras
lácticas, vibrios nasceram espontaneamente da matéria albuminóide do caldo de
leveduras adoçadas; O Sr. Pasteur, repetindo minhas experiências, estava tão
convencido de que os germes realmente existem no ar e que ele havia se enganado;
declarou que a única origem dos fermentos, incluindo os vibrios, eram esses germes
que ele havia desconsiderado anteriormente e que consequentemente, esses germes
foram a primeira causa de alteração espontânea de todos os assuntos orgânicos, sem
exceção. Ele experimentou com o objetivo de provar que, sem os germes do ar,
cadáveres que não refiziam a acumulação sobre a terra e até calculou as
conseqüências dessa acumulação. Portanto, negar os microzymas e contestar as
consequências de sua descoberta foi apenas um passo que, mais tarde, ele não deixou
de dar. De fato, suas próprias experiências com leite e urina fervida, sobre sangue
e carne crua, foram feitas por ele, no ardor de sua nova convicção com o objetivo
de combater a doutrina da geração espontânea pelas mesmas armas que eu empregara, e
não contra os microzymas que eu ainda não havia mencionado. Foi somente em 1876 que
M. Pasteur começou a negar e contestar os fatos da teoria microzymiana, que quase
todos foram publicados em 1871, e desde 1874 foram verificados e confirmados na
França e no exterior. Mas, embora verificados e confirmados, eles também foram
interpretados; pelo bem da história e da comparação, é desejável que essas
interpretações sejam conhecidas. Charles Robin foi o primeiro a falar de microzymas
como sendo coisas que pela evolução podem se tornar bactérias. Mas é preciso
mencionar a maneira pela qual ele entendeu a existência dos microzymas no corpo do
animal. Ele admitiu sem dificuldade os dois significados atribuídos por M. Pasteur
à sua experiência com o sangue: Primeiro: que o sangue não muda por si mesmo.

Segundo: Que os corpos dos animais estão fechados a germes de fora e,


conseqüentemente, que dentro do corpo não há nada que possa se transformar em
bactéria. CH. Robin chegou a afirmar que Pasteur provara positivamente e além de
qualquer dúvida que a economia humana está absolutamente fechada à penetração de
bactérias. No entanto, as observações de Davaine e Rayer, de Coze e Feltz, etc.,
demonstraram que, em certas doenças, bactérias apareciam no sangue. Não querendo
admitir que os microzymas existiam nele como elementos anatômicos, eles disseram
que uma das duas coisas deve ser confessada; ou que as bactérias são o resultado de
uma geração espontânea no estado do microzyma, passando para o estado das
bactérias, ou que os microzymas atingem o sangue por penetração da mesma maneira
que os grânulos de poeira, etc.1 A alternativa expôs a perplexidade do savant 1.
Ch. Robin. "Lecons sur les humeurs." P. 255 (1874). posição. De fato, cap. Robin
era um protoplasmista, de certa maneira; um elemento anatômico como o microzima
passando, como ele disse, para o estado de uma bactéria, entre os elementos
anatômicos comuns que ele conhecia tão bem, desarmou todas as suas idéias. Mas com
a lealdade de um homem imparcial da ciência, ele não hesitou em classificar os
microzymas na mesma categoria que as bactérias; assim, em um artigo no dicionário,
ele perguntou de onde vinham os microzymas para o organismo vivo? Foi sem dúvida a
perplexidade de que falei acima que o levou a comparar os microzimas com os
micrococos do botânico Hallier, de Jena, ou identificá-los com o Bacterium punctum
de Ehrenberg.1 1. ibid. loc. cit .. p. 230 (1874). Dois anos depois, um savant
honesto, da Suíça, declarou o seguinte: "É do meu conhecimento que A. Béchamp foi
quem primeiro considerou certas granulações moleculares, que ele nomeou microzymas,
como fermentos organizados, e formulou as três proposições a seguir: com base em
pesquisas realizadas por ele em conjunto com Estor: Primeiro: em todas as células
animais examinadas existem granulações normais necessárias, análogas às denominadas
microzymas por Béchamp, segundo: Na condição fisiológica, os microzymas preservam a
forma aparente Terceiro: fora da economia, sem a intervenção de qualquer germe
estrangeiro, os microzymas perdem sua forma normal; eles começam a se associar a
chapelins, dos quais um gênero separado foi criado sob o nome de Torula; aumentaram
de modo a parecerem bactérias isoladas ou associadas; e acrescentou: "É evidente
que as pesquisas subsequentes de Billroth e Tiegel estão em seus resultados apenas
a confirmação dessas três proposições. "Então, experimentando o pâncreas de
ruminantes e de cães recém-mortos, ele declarou que sempre havia as mesmas
granulações moleculares, com o movimento browniano, que se tornaram vibrioniens
pela evolução. Essas granulações moleculares, exclamou, "são evidentemente os
microzimas de Béchamp, os cocos de Billroth e, sem hesitação, afirmaram que eram o
Monas Crepusculum de Ehrenberg" .1 1. Dr. M. Nencki, Ueber die Zersetzung der
gelatine e des Eiweisses bei der Faeulniss mit Pankreas, p. 35. Berne Dalp'sche
Buchhandlung (1876). Mais uma vez, M. Nencki, em colaboração com M. Giacosa,
confirmou nossas observações em geral, trabalhando nos mesmos tecidos que havíamos
feito, mas não querendo classificar os microzymas como elementos anatômicos, na
medida em que as bactérias e os vibrios eram não sendo mais considerados animais,
deveriam ser considerados plantas sob o nome de esquizomicetos; ele chegou
finalmente a afirmar que os microzymas são os esporos dessas plantas infusórias.
Assim, os fatos foram verificados e confirmados em todos os sentidos; eles existem
em todas as partes, até as células de todos os organismos vivos, ab ovo et semine
de fermentos figurados e são capazes de se tornar bactérias; mas, em vez de
considerá-los em situações como autóctones (aborígines), eles eram vistos como
estando lá, ou fruto da geração espontânea, de acordo com uma das suposições de Ch.
Robin, ou como estrangeiros sob os nomes de Bacterium punctum, Monas crepusculum,
Coccus, Micrococcus, micróbio pontiagudo e finalmente esporos de esquizomicetos. No
entanto, se os microzymas não são o que eu afirmo, são elementos anatômicos
autônomos, a alternativa declarada por Ch. Robin permanece; geração ou penetração
espontânea! Mas então o que acontece com o dogma do fechamento e o da não
putrefação? Estes serão abjurados ao invés de admitir os microzymas entre os
elementos anatômicos essenciais! De fato, M. Cornil, antes da admissão de M.
Pasteur, declarou o seguinte, em 1886: "M Pasteur demonstrou abundantemente que
nossos tecidos e meios interiores, como o sangue, não contêm microrganismos, nem a
urina, exceto a urina. como as que foram introduzidas de fora, e as experiências de
nosso ilustre colega foram confirmadas em todos os países. "1 Então, o Sr. Cornil,
continuando a negar os fatos que eu havia avançado, mas admitindo as opiniões
daqueles que acreditavam em microzymas parasitas, exclamou: "Os Srs. Nencki e
Giacosa consideram a palavra microzyma como sinônimo de micrococo; se essa
sinonímia for admitida, se o microzyma for apenas um gênero dos esquizomicetos, a
palavra microzyma deverá desaparecer e toda a doutrina de M. Béchamp desaparecer
".2 Mas após a admissão de M. Pasteur da presença de microrganismos no sangue
alterado de suas experiências, era mais do que nunca necessário livrar-se da
palavra irritante microzyma; portanto, foi M. Cornil à Alemanha para chamar M.
Nencki para o resgate. Ele respondeu (de acordo com M. Cornil): "Os microzymas de
M. Béchamp são, na minha opinião, micrococos ou esporos de bactérias e você está
certo ao dizer que, para mim, os microzymas de M. Béchamp são esporos de
esquizomicetos" 3. 1. Boletim de 1'Acad. de Med., 2a Série, vol. XV, p. 259 (1886).
2. Ibid. 3. M. Comil não disse esporos, mas gênero de Schizomycetes. que, apesar de
muito diferente, é errôneo. E esta resposta de M. Nencki foi comunicada por M.
Cornil à Academia de Medicina. Se M. Cornil estava satisfeito, estava satisfeito
com muito pouco, pois seu correspondente não podia voltar atrás em sua
interpretação de dez anos antes. De fato, o assunto em questão não era de sinonímia
e interpretação, mas de um princípio contestado e de atos negados por ele mesmo,
seguindo M. Pasteur. Este princípio e esses fatos, o Sr. Nencki os negou? Essa é a
questão. O princípio contestado é o seguinte, tal como o havia enunciado em uma
carta a JB Dumas em 1865: "O giz e o leite contêm seres vivos já desenvolvidos, um
fato observado diretamente também é comprovado por esse fato, que o creosote
empregado em um a dose de coagulação não impede a coagulação posterior do leite,
nem o giz de transformar, sem ajuda externa, açúcar e fezes, em álcool, ácido
acético, ácido lático e ácido butírico. "1 1. Annales de chimie et de Physique, 4
Series, vol. VI, p. 248. No ano seguinte (1866), dei o nome de microzymas aos seres
vivos já desenvolvidos no giz e no leite, de modo a marcar o fato de que eram
fermentos figurados. Veremos que isso reuniu o giz e o leite de forma intencional
da minha parte. Foi esse princípio derivado do experimento: que o creosote, que
impede os princípios proximais de alterar o contato com uma quantidade limitada de
ar, não impede que as questões orgânicas naturais sejam alteradas na fermentação,
que foi contestada; e foi a presença dos microzymas, agentes dessas fermentações
espontâneas, e sua capacidade de se tornarem bactérias pela evolução, que foi
negada. Mas o Sr. Nencki admitiu o princípio e os fatos; ele até declarou que MM
Billroth e Tiegel apenas confirmaram os fatos. Depois disso, é de pouco momento que
eles disseram que os microzymas são o Bacterium punctum, o Monas crepusculum,
esporos de bactérias, chamados Schizomycetes, depois de serem considerados animais.
Observo apenas que essas várias apelações provam apenas que não sabem em que
acreditar; mas veremos no final deste capítulo que o nome microzyma foi bem
escolhido e que eles são o que se diz serem: elementos anatômicos e seres vivos de
uma categoria nunca antes suspeita e sem analogia. Enquanto isso, o princípio da
demonstração de que o sangue é um tecido cuja mudança por fermentação, fora dos
vasos, é espontâneo, como é o de qualquer outro tecido fora da economia, é certo,
tanto pelo reconhecimento de M. Pasteur quanto por a declaração de M. Nencki obtida
por M. Cornil. Mas se o princípio for reconhecido, pode-se afirmar que o fato de o
sangue ser um tecido não foi suficientemente provado? É necessário insistir mais.
Já observei que não basta que elementos figurados existam no humor para permitir
que o humor seja considerado um tecido. Na ordem das idéias de Bichat, em relação
aos tecidos elementares, é necessário provar que esses elementos figurados (isto é,
tendo uma certa forma), considerados como elementos anatômicos, são realmente
vivos; foi isso que comecei a fazer; mas mesmo isso não basta, é necessário
demonstrar que, como nos tecidos em geral, esses elementos, quase em contato, são
separados e ainda assim conectados entre si por uma substância intercelular de tal
maneira que a menor massa do tecido complexo os contém . Se o sangue fosse um
líquido homogêneo contendo os microzymas na condição em que estão isolados da
fibrina, ou seja, nus, em suspensão com os glóbulos, eles seriam separados e
depositados apesar do movimento do sangue, porque eles são de maior densidade do
que ela, da mesma maneira que os rios carregados com lama argilazenta a depositam,
apesar do movimento da água. Mas o sangue não mantém os microzymas nus, mas cercado
por uma atmosfera de correio especial albuminóide; em suma, o sangue contém as
granulações moleculares microzymianas; e a atmosfera albuminóide, mucosa, hialina e
inchada, confere a essas granulações uma densidade muito pouco diferente, talvez o
significado da substância
intergranular e interglobular que as conecta; de tal maneira que as granulações
moleculares com os glóbulos permeiam ao mesmo tempo toda a massa do sangue.
A estrutura das granulações hemáticas-micro-enzimas-moleculares é precisamente a
necessária para constituir o sangue, com seus glóbulos um tecido. É por causa de
sua atmosfera mucosa, que incha enormemente, que essas inúmeras granulações
microzymian-moleculares ocupam no sangue todo o espaço não ocupado pelos glóbulos e
o leito delgado da substância líquida intergranular e interglobular; e é devido a
essa viscosidade especial que a atmosfera mucosa inchada das granulações
moleculares microzymianas, bem como o obstáculo mecânico que elas apresentam, é que
os glóbulos permanecem uniformemente disseminados e não são precipitados durante a
coagulação fora dos vasos antes da produção de o coágulo; no caso especial do
sangue dos solípedes, isso se deve à grande diferença entre a densidade dos
glóbulos do sangue e a alguma peculiaridade da atmosfera mucosa de suas granulações
microzimianas, conectada à menor densidade do intergranular. líquido. A
demonstração de que o sangue é um tecido, e um tecido que flui, decorre da relação
dos três elementos anatômicos e da substância líquida intercelular especial para
cada espécie. Não há nele nenhum tipo de mera hipótese. Mas o sangue, como tecido,
pertence a um sistema anatômico especial de órgãos do qual é o conteúdo; mas se é
verdade que os vários sistemas anatômicos são diferenciados por seus microzymas e
por sua forma e estrutura, não deve ser o mesmo com o sistema circulatório? e de
fato é esse o caso. Os microzymas do sistema vascular, recipiente e conteúdo, são
diferentes dos outros sistemas anatômicos. Eu provei essa proposição no estudo
comparativo da decomposição da água oxigenada pelos microzymas de vários tecidos
animais e, em seguida, estendi esse estudo àquele dos microzymas de vários tecidos
vegetais. Os resultados serão encontrados nas tabelas a seguir e foram obtidos da
seguinte forma: Em um tubo graduado, sobre mercúrio, são introduzidos vários
centímetros cúbicos de água oxigenada não acidulada de padrão conhecido. O tubo é
então invertido e um cc de microzymas no bolo, envolvido em papel de seda, é
introduzido por 3 a 5 vol. de água oxigenada a 10 a 12 vol. de rapidez e volume do
oxigênio liberado em 24 horas. Como o mercúrio por si só pode liberar oxigênio da
água oxigenada, um lubrificante com o mesmo volume dessa água serve como controle.

Um tubo semelhante recebe a poeira do laboratório introduzida nas mesmas condições


que os microzymas. TABELA I. Microzymas e tecidos obtidos do sangue de várias
regiões do aparelho circulatório ou dependentes. Liberação de oxigênio. Microzymas
de fibrina (ovelha ou boi). 23 cc "de sangue (não desfibrinado) 25" "de sangue
desfibrinado, ou seja, dos glóbulos 20" "dos pulmões de uma ovelha27" "dos pulmões
de um cão (o pulmão estava antracosado) 29" " do fígado de ovelha (o fígado foi
drenado) 21 "" do fígado de ovelha (com bactérias, os microzymas evoluíram
parcialmente) 22 "" do baço de um cachorro10 "" do músculo cardíaco de um cão 12
"Músculo cortado, bem lavado , do coração do cão8 "Microzymas misturados com
bactérias, da urina humana14" Controle - Apenas tubo de mercúrio0,5 "Tubo contendo
poeira de laboratório0,5" TABELA II. Microzymas e vários tecidos não pertencentes
ao sistema circulatório. Liberação de oxigênio. Microzymas misturados com bactérias
da saliva humana 2 cc das glândulas gástricas de um bezerro 0,4 "gástrico, de um
cão obtido por meio de uma fístula - foram isolados do suco gástrico ... 6"
"pancreático de um cão3" de um ox3 "" do cérebro de um cão 2.8 "Polpa do cérebro de
um cão 1.3" Cristalina de boi 0.3 "Córnea de ox2" Humor vítreo de boi 0.7
"Processos ciliares de boi .2.5" Periosteum de ovelhas ... 0.8 "osso. 0,8
"casco0,6" Cartilagem costal de bezerro 0,6 "Pregos do homem .0,4" Microzymas
vitelínicos de aves ... 3 "TABELA III. Microzymas e vários tecidos de plantas.
Liberação de oxigênio. Microzymas de amêndoas doces. 24 cc Tecidos de amêndoas
doces finamente divididas (cotilédone e embrião) 8 Microzymas de levedura de
cerveja (isolados por zurro) ..3.6 Idem idem (outra amostra). 11 Fermento de
cerveja, bastante fresco, puro.

Folha verde, esfolada ... 3.8 Pétalas amarelas esmagadas (esfoladas) de um lírio. 2
Pétalas vermelhas. De uma planta crucífera (queimada) ... 1 Pólen de uma íris (em
20 minutos) 14 Uma comparação dos resultados dessas três tabelas é muito
instrutiva. Da comparação dos dois primeiros, que se relacionam com os tecidos dos
animais, observa-se que os microzymas do sistema circulatório, inclusive os da
urina, são aqueles que decompõem a água oxigenada com a maior energia, liberando o
máximo de oxigênio e, ao mesmo tempo, que são os microzymas hemáticos e os do
pulmão e do fígado que são mais ativos; e esses são os órgãos que estão mais
diretamente envolvidos no circuito. Desejo, principalmente, deixar claro,
demonstrar que o sistema circulatório foi diferenciado dos outros sistemas
anatômicos por uma propriedade especial de seus microzymas; uma propriedade tão
especial que quase se pode pensar que os outros tecidos devem seu poder semelhante
apenas aos microzymas hemáticos que eles retêm. Mas isso não pode ser verdade, pois
os microzymas do fígado completamente drenado são tão ativos quanto os do sangue,
etc. Os resultados da segunda tabela são ainda mais significativos, pois não se
pode supor que qualquer microzymas hemático possa estar presente entre os vitelinos
nem os ainda entre os da saliva e urina. E se, em suma, restou a menor dúvida de
que o resultado da terceira tabela deve removê-los, considerando a ação dos
microzymas amígdicos e os dos leveduras de cerveja, o que prova ainda que são
apresentadas diferenças do mesmo tipo pelos microzymas dos diferentes tecidos
vegetais. Os microzymas do sistema vascular, o recipiente e seu conteúdo diferem
então dos microzymas dos outros sistemas anatômicos no que diz respeito ao seu
poder de decompor a água oxigenada; isso também pode ser observado nas observações
de Thenard acima mencionadas quando corretamente interpretadas. E essas diferenças
são ainda maiores quando estudamos comparativamente as aptidões fisiológicas
funcionais dos vários sistemas anatômicos no homem e em outros animais. Por
exemplo, enquanto as glândulas pancreáticas e gástricas do cão e dos ruminantes são
dotadas de propriedades funcionais semelhantes na digestão, o mesmo ocorre com as
glândulas salivares e parótidas do homem e as do cão ou cavalo: os microzymas
salivares e parotidianos do homem liquefazer e sacarificar poderosamente o amido de
fezes; os microzymas semelhantes do cão ou cavalo liquefazem lentamente, e não
sacarificam o mesmo amido. Assim, os zymas secretados pelos microzymas da mesma
glândula no homem e em outros animais são essencialmente diferentes.
Morfologicamente idênticos, esses microzymas são funcionalmente diferentes, e estou
certo de que, quanto mais estudados, mais razões serão encontradas para diferenciar
os microzymas das granulações moleculares microzymianas do sangue de várias
espécies de animais e de seus glóbulos, como I diferenciaram as granulações
hemamáticas-micro-enzimas-moleculares. E a teoria microzymiana da organização viva
explica por que deveria ser; é porque os microzymas de cada espécie são autônomos e
são, ab ovo, o que devem ser e tornar-se para que cada espécie se propague, se
desenvolva, se preserve, e após a morte, graças ao oxigênio, que cada indivíduo
deve sofrer a destruição total que reduz todas as substâncias, exceto os
microzymas, à condição mineral. Se eles não eram anatomicamente autônomos, por que
deveriam diferir e ser funcionalmente variados em espécies e em seus sistemas
anatômicos? Eu já respondi a essa pergunta, 1 e sou respondido apenas por negações
carecas. Vale a pena adotar novas considerações para convencer aqueles a quem as
afirmações de Cornil e Nencki ainda podem se desviar. 1. Para demonstração sobre
sua autonomia, veja meus outros trabalhos - Chamelet, editor, 60, Passage Choiseul,
Paris.

CAPÍTULO 8. O MICROZIMAS E O QUE É ESTILO DE BACTERIOLOGIA; O MICROZIMAS, SERES


VIVOS DE UMA ORDEM INESPERADA DA SUA PRÓPRIA; MICROZIMAS OVULARES E VITELINOS;
MICROZIMAS E GRANULAÇÕES MOLECULARES; MICROZIMAS GEOLÓGICOS; MICROZIMAS DA TERRA E
DAS ÁGUAS; MICROZIMAS E BACTÉRIAS; PERSONAGENS BIOLÓGICOS DOS MICROZIMAS;
MICROZIMAS E SUA PERENIDADE; O FIM ORGANIZADO DE TODA A ORGANIZAÇÃO; MICROZIMAS
OVULARES E VITELINOS; MICROZIMAS E PATOLOGIA; MICROZIMAS E COORDENAÇÃO; FAGOCITOSE;
MICROZIMAS E ANTHRAX; MICROZIMAS E DOENÇAS; MICROZIMAS E MICROBAS; MICROZIMAS EO
COEFICIENTE INDIVIDUAL; MICROZIMAS, VIDA E MORTE; MICROZIMAS E SAÚDE; MICROZIMAS E
RECEPTIVIDADE; MICROZIMAS, SANGUE E PROTOPLASMO;

CONCLUSÕES

Para colocar em disputa a autonomia dos microzymas, é necessário destacar os fatos


e observações que provam que a existência dos microzymas como seres vivos não é
suspeitada pelos naturalistas que estudaram os infusórios, nem ainda pelos
anatomistas. que estudaram as células e os tecidos. Demonstração de que os
microzymas, elementos anatômicos autônomos nos organismos vivos, são seres vivos,
morfologicamente determinados, pertencentes a uma categoria própria, sem análogo.
Vamos primeiro nos livrar das hipóteses de que os microzymas são o termo da
bactéria, ou o Monas crepusculum, ou o Micrococcus, ou os esporos de bactérias. É
preciso ter em mente que, a princípio, dei o nome de microzyma ao fermento
geológico figurado do giz de Sens e de outra terra calcária; que descobri esse
fermento em outras rochas calcárias, sempre de forma esférica, muito brilhantes,
com movimento browniano e menor que todos os vibrioniens descritos pelos autores.
Ehrenberg descreveu (no giz) os restos de organismos microscópicos fósseis chamados
politalamias e nautilites, mas não menciona nem Monas crepusculum nem Bacterium
punctum. De fato, nenhum dos microzymas pode ser confundido com os descritos por
Ehrenberg sob esses nomes. Os microzymas são ainda menores que o termo Bacterium, o
menor dos infusórios conhecidos, o primeiro termo do reino animal, segundo Felix
Dujardin. No entanto, os microzymas foram vistos em infusões turvas de assuntos
vegetais e animais, mas foram considerados "as moléculas ativas de Robert Brown";
isto é, para moléculas que tenham o movimento impressionante ou cintilante sem
mudança de lugar, chamado "movimento browniano", e nenhuma atenção adicional foi
dada a elas. De fato, os microzymas não são nem o Bacterium punctum, nem o Monas
crepusculum, nem mesmo o termo Bacterium, que é muito menor que eles. Será
suficiente estabelecer esse fato referindo-se à descrição dessas monas, etc., dada
por F. Dujardin, em "Historie Naturelle des Zoophytes", Infusoria, pp. 215 e 279.
Por outro lado, se essas bactérias, essas mônadas, esses micrococos, pertencem a
espécies determinadas; é contrário aos dados da história natural considerá-las
capazes de serem transformadas em outros gêneros e espécies de vibrioniens, como
vemos os microzymas produzindo-os pela evolução; a sugestão de que os microzymas
são os esporos dos esquizomicetos também é insustentável pelos seguintes motivos:
Um esporo é um seminário, ou um ovo; se, de acordo com a visão antiga, as bactérias
são animais, e foi feita uma busca pelos ovos das bactérias. ; um grão, se de
acordo com o novo credo as bactérias são vegetais; ovo ou grão, um esporo não pode
se multiplicar como o microzima e, portanto, não pode ser a mesma coisa. Pegue os
microzymas do óvulo na vesícula Graafiana nas aves, e os microzymas do vitelo do
ovo maduro. No óvulo existem microzymas ovulares, no vitelo, microzymas vitelinos.
Em um dado momento, digamos, um miligrama de microzymas no óvulo, e existem duas ou
três gramas secas a 100 ° C (eu as isolei e pesei) no vitelo.1 Eles então se
multiplicaram prodigiosamente durante o desenvolvimento do vitelo.2 Tanto assim,
para a análise anatômica do ovo da galinha, e a análise química mostra que a
composição elementar dos microzymas ovulares não é a mesma que a do vitelino, o
primeiro, como será visto , sendo menos carbonizado; evidentemente, sua composição
mudou no processo de multiplicação.
A análise química demonstrou ainda que os microzymas vitelínicos de várias espécies
de aves diferem dos das aves em sua composição e, principalmente, nas propriedades
de suas respectivas zimoses.4 Isso está de acordo exatamente com a teoria
microzymiana, pois é evidente que os microzymas são o que eles deveriam ser
especificamente, para que, por incubação, o ovo produza o pássaro apropriado, seus
tecidos e tudo o que pertence ao seu futuro ser. E foi demonstrado que durante o
desenvolvimento do ser, paralelamente ao desenvolvimento anatômico pela
multiplicação dos microzymas, há um desenvolvimento funcional destes, de modo que
em cada sistema anatômico eles se tornam aquilo que são sucessivamente no embrião,
no feto, no adulto, etc. 1. Veja as Memórias sobre The Albuminoid Mailers, pp. 140
e seguintes. 2. Para o modo de multiplicação dos microzymas, veja "Les Microzymas",
pp. 490 e seguintes. 3. As memórias acima mencionadas, p. 162. 4. Ver J. Béchamp,
"Albuminas normais e patológicas", pp. 77 e seguintes. Se a hipótese de que os
microzymas são os esporos das bactérias fosse verdadeira, seria necessário que
houvesse primeiro na atmosfera circumambiente tantas espécies desses esporos quanto
espécies de óvulos de animais e vegetais; em seguida, seria necessário que esses
esporos penetrassem até o óvulo e se multiplicassem para encher o vitelo do ovo da
galinha. Não preciso ir mais longe, pois ainda existem dificuldades enormes, quando
levamos em consideração os microzymas do ser desenvolvido, que são tão diferentes
dos microzymas embrionários e fetais! Mas agora cabe aos oponentes da teoria
microzymiana demonstrar a existência desses esporos e sua penetração até os óvulos
e sua multiplicação. Descartamos, assim, a hipótese oposta à da autonomia. Também é
descartado pela consideração a seguir, que merece destaque. Pouco antes da admissão
de M. Pasteur, em 1886, da presença dos microzymas no sangue alterado de seu
experimento, ele tinha, com o objetivo de negá-los, afirmar que os microzymas eram
as granulações moleculares "que todos conhecemos". Isso foi para seus confrades da
Academia. Sim, histologistas e anatomopatologistas os conheciam e os representavam
por um "pontilhado" em suas figuras de tecidos especiais. Mas o nome deles até
traiu a opinião de que eles não eram organizados nem vivos; com efeito, a
qualificação de molecular pretendia indicar que significava apenas pequenas
coleções de algum tipo de matéria; assim, eles foram descritos como branco, cinza,
minerais, gorduras, albuminóides, etc. Eles foram descritos como possuindo o
movimento browniano; no entanto, antes da descoberta dos microzymas, ninguém
pensava em conectá-los à bactéria punctum ou à monas crepusculum. Eles estavam
conectados com organismos anatômicos como restos de tecidos, células destruídas ou
matéria amorfa; ninguém sonhava em fazê-los vir de fora. Nenhuma consideração das
granulações anatômico-moleculares teve algo a ver com a descoberta dos microzymas,
mas, como mostrei acima, considerações puramente químicas. Não, as granulações
moleculares não são os microzymas. E desde a primeira nota, Estor e eu declaramos
que os microzimas existem apenas entre os objetos anatômicos que na histologia são
chamados granulações moleculares. Mas consideramos os microzymas como elementos
anatômicos autônomos; uma análise anatômica mais cuidadosa me permitiu demonstrar
que existem microzymas e microzymas nus na condição que denominei granulações
moleculares microzymianas. Assim, é refutada outra afirmação gratuita e errônea!
Volto aos microzymas. Eu os descrevi desde o início como sendo fermentos
quimicamente e fisiologicamente figurados, produtores de zymases, que são chamados
fermentos solúveis, e foram colocados na mesma categoria que eu calculei ferimentos
insolúveis. Biologicamente, eu os distinguei como sendo tais que, pela evolução,
poderiam se tornar vibrionienos, fato que vimos ser verificado em todos os
sentidos. Mas nos experimentos de alterações espontâneas, ou fermentações, em que
os microzymas se tornam bactérias, vimos que eles foram destruídos e que
vibrioniens foram aparecendo cada vez mais minutos, de modo que, por fim, restavam
apenas dessas bactérias as formas mais próximas da microzymas; da mesma maneira,
consequentemente, que, com a destruição das células, liberta seus microzymas, as
bactérias em sua completa destruição reproduzem microzymas semelhantes aos do giz,
e agora veremos como é isso.

Nos experimentos sobre alterações espontâneas de matérias animais naturais, as


substâncias, que em um sentido químico são denominadas orgânicas, resultam de
transformações por fermentação sob a influência dos microzymas, antes e depois de
sua evolução vibracional, com ou sem a liberação de gás, nunca são totalmente
destruídos; isto é, eles não são reduzidos a uma condição mineral, ácido carbônico,
água, nitrogênio, etc .; para tal destruição, o oxigênio é necessário sob condições
que reproduzam aquelas realizadas nas épocas geológicas. Quando descobri os
microzymas no giz e em outras rochas calcárias e convenci-me de que não eram
dependentes de germes atmosféricos, perguntei-me se não eram os restos vivos de
seres organizados que haviam desaparecido nos tempos geológicos.1 Essa hipótese foi
verificado da seguinte maneira: Um gatinho foi morto e enterrado entre dois leitos
de carbonato de cal puro e deixado em um recipiente de vidro cilíndrico, coberto
com uma pequena quantidade de papel, de modo que o ar tivesse livre acesso a ele,
mas seu pó foi excluído. O experimento durou sete anos. Todas as partes do corpo,
exceto alguns fragmentos de osso, haviam desaparecido. O carbonato de cal era
perfeitamente branco, tão completo havia sido o trabalho de destruição. Sob o
microscópio, nada era visto nas camadas superiores do carbonato, exceto cristais
microscópicos de aragonita desse carbonato; mas nas camas adjacentes ao local, e
embaixo, onde o gatinho havia estado, e embaixo, havia uma multidão de microzymas
móveis brilhantes, como os que podem ser vistos no giz de Sens, etc. E com esse
tipo de calcário artificial rocha, contendo os microzimas de um animal dos dias
atuais, pude repetir os experimentos de fermentação que fiz com o giz de Sens e com
outras rochas calcárias, lacustres e marinhas.2 Essa foi a primeira verificação
experimental de a hipótese de que os microzymas do giz e das rochas calcárias são
os restos organizados, ainda vivos, dos seres que viveram nas eras geológicas das
terras às quais essas rochas pertenciam. Leia a nota do Comptes Rendus que acabei
de citar e você estará convencido de que essa verificação também foi sua
justificativa. 1. CR. Vol. LXX p. 914 (1870). 2. Conferência no Congresso da
Associação Francesa para o Avanço da Ciência. Nantes (1875). Eu disse que os
microzymas do giz artificial eram os microzymas de um animal da época atual, mas
isso precisa de alguma modificação em termos para ser bem preciso. Eles eram os
microzymas das bactérias que os microzymas normais do animal haviam se tornado pela
evolução. Por meio de novas experiências, aprendi que os microzymas de um corpo
inteiro, ou do fígado, do coração, dos pulmões e dos rins, nas condições de meu
experimento, tornam-se bactérias nas primeiras fases do fenômeno, depois
desaparecem. , tornando-se novamente microzymas, enquanto o resto da mala direta já
transformada é, sob (influência de herdeiro e com acesso ao ar, reduzida ao estado
mineral, ácido carbônico, água, nitrogênio etc.). E eu demonstrei que, enquanto no
Para Montpellier precisou de sete anos para conseguir isso, seria necessário um
tempo muito mais longo em um clima mais frio, de modo que em um clima como o do
vale do Obi foram necessários séculos.Depois, foi uma conclusão legítima que os
microzymas da rochas calcárias, argilas, marvas; enfim, todas as rochas que as
contêm, são restos organizados e vivos de seres que viviam, de animais e plantas
das épocas geológicas; esses seres eram histológicos. y constituídos como são os
seres de nossa época, que seus microzymas, durante sua destruição, se tornaram
bacteia pela evolução, e que os microzymas, fermentos geológicos dessas rochas, são
aqueles dessas bactérias destruídas por sua vez e reduzidas a seus microzymas . 1.
Veja "Les Microzymas", etc., pp. 624 e seguintes. Veja também nota: CR, vol. LXX,
p. 914, "Les Microzymas", etc., p. 952. Não surpreende, portanto, que, tendo
perseguido por muito tempo as conseqüências previstas da hipótese agora verificada,
demonstrei a presença dos microzymas nas terras das garrigues dos departamentos de
Herault e de Card, em terras cultivadas em geral, em charnecas, nos aluviais, nas
águas, no pó das ruas, onde se encontram nas multidões; frequentemente ainda na
condição de bactérias, provando que, como os das rochas calcárias, são fermentos
energéticos. E já, antes de 1867, eu havia conhecido seu papel no solo na
agricultura.

Essas pesquisas levaram a um resultado de grande importância; foi a demonstração de


que o que era e ainda é chamado de germes do ar nada mais é do que os microzymas de
seres que viveram, mas desapareceram ou estão sendo destruídos diante de nossos
olhos. De fato, por experimentos precisos, eu provei que os microzymas do ar são
fermentos da mesma ordem que os do giz, das rochas e dos meus experimentos com giz
artificial; somente, variando de acordo com os locais, o circumambiente ar pode,
juntamente com esses microzymas, conter conídeos de líquenes, esporos de cogumelos,
bactérias e tudo o que o vento pode dispersar nele.1 1. Veja para detalhes. C. R,
vol. LXXIV. p. 629; Vol. LXIII, p. 451; e "Les microzymas". etc., pp. 122, 135.
940. 952. Portanto, não há panspermia como a que Charles Bonnet inventou, nem a que
Spallanzani e M. Pasteur (depois de mim) haviam admitido. Em suma, não existem
germes pré-existentes. Em cada período, como em nossos dias, e em cada lugar,
existem no ar circundante apenas os microzymas de seres anteriores que
desapareceram e estão desaparecendo com as coisas que o vento espalha nele. Mas se
refletirmos que as espécies de microzymas são: primeiro, tão numerosas quanto as
espécies de ovos, sementes, esporos das várias espécies de animais e plantas; a
seguir, que em cada organismo animal e vegetal, já desenvolvido ou em processo de
desenvolvimento, microzymas tão especificamente numerosos quanto sistemas e órgãos
anatômicos, tecidos e células especiais nesses organismos, é fácil conceber que as
espécies atmosféricas microzymas estão presentes em grandes números. Pode-se também
entender o grande número de mudanças que esses microzymas podem causar, quando
algumas dessas espécies caem em um meio fermentável, no qual podem se multiplicar,
e evoluem nele / ou constroem uma célula ou um molde. Se, então, como demonstrei
experimentalmente, existem além dos microzimas, e também nos animais e nas plantas,
entre os microrganismos do ar circumambiente, esporos, conídios de fungos, líquenes
e até células de fermentos reais. É fácil entender que, se esses microrganismos
caírem em meios fermentáveis, eles se desenvolverão nele, cada um de acordo com sua
natureza, e que várias produções, moldes, diversas células e ao mesmo tempo
vibrioniens podem aparecer nele.2 Mas em todas as observações e em todos os
experimentos relativos à mudança espontânea de matérias vegetais e animais naturais
e nas fermentações de açúcar ou de fezes por auxílio dos tecidos e humores dos
animais, quando a influência dos microrganismos dos animais o ar foi destruído ou
suprimido, apenas 3 microzymas e vibrioniens, e vibrios ou bactérias, frutos de sua
evolução, são vistos; isso prova que os microzymas são elementos anatômicos
autônomos existentes nele mesmos. 1. "Sur L'origine des ferments du vin", de A.
Béchamp, CR, vol. LIX, p. 626 (1864). 2. Ver CR, vol. LXXIV. p. 115 e "Les
Microzymas", etc. p. 948. 3. Aqui é necessária uma explicação complementar para
explicar mais claramente o modo de ação do creosoto nos experimentos em que foi
empregado para aniquilar a influência dos germes do ar. E antes de mais nada, ao
falar de germes, não se relaciona mais com esse algo vago, que quando chamado por
Ch. Para definir Robin, Pasteur chamou "origem da vida", mas figurou fermentos,
sobre os quais o creosoto exerce uma influência claramente determinada. Devo,
portanto, lembrar que insisti várias vezes no combustível que o creosoto é
eficiente para aniquilar a influência dos germes de um volume limitado de ar
circundante, a menos que o ar seja renovado. E é assim, porque um volume limitado
de ar contém apenas um número limitado de fermentos microorganismos. Mas o
creosote, embora não impeça a ação dos fermentos, dificulta sua multiplicação. Na
realidade, os fermentos de um volume limitado de ar, que são capazes de agir sobre
um meio fermentável, agem sobre ele, mas apenas na proporção de sua quantidade, de
tal maneira que o resultado é tão desagradável que é como se fosse nada; é assim
que a quantidade de açúcar, invertida, na presença de creosoto, pelos microzymas de
um pequeno volume limitado de ar, não pode ser determinada nem por reagentes nem
pelo polariscópio. Mas se uma corrente lenta de várias centenas de litros do mesmo
ar é acionada sobre uma solução creosotada de açúcar, os microzymas e outros
microrganismos retidos pelo licor tornam isso finalmente nublado, e. assim
acumulados, existem alguns que afetam a inversão, sem desenvolver bolores, enquanto
os microzymas passam por uma evolução maior ou menos vibracional. Essa é a idéia
exata a ser formada da influência do creosoto e do papel dos fermentos
atmosféricos. Quando, devido à sua presença, são produzidas produções como moldes,
é porque as condições especiais de existência desses moldes etc. foram realizadas.
Mas os microzymas, em sua função de elementos anatômicos, tornam-se apenas
vibrioniens a partir da substância dos tecidos e humores, apesar da presença de
creosote, desde que o volume de ar seja limitado ou completamente ausente.
Essas afirmações e considerações podem ser resumidas nas seguintes proposições:. Os
microzymas do organismo animal procedem dos microzymas vitellin, que são elementos
anatômicos autônomos no vitellus. (2) O número de espécies anatômicas de microzymas
é enorme. (3) Os caracteres biológicos essenciais dos microzymas devem ser
criadores de células por síntese e de vibrioniens por evolução. (4) Os caracteres
fisiológicos e químicos dos microzymas devem produzir as zymases e serem eles
mesmos fermentos com uma forma determinada. Essas proposições também são
verdadeiras para plantas que começam com o óvulo; mas pelo fato de um microzyma
poder se tornar um vibrionien pela evolução, segue-se necessariamente que as
espécies de microzymas são inumeráveis e as espécies de vibrioniens são igualmente
inumeráveis. É ainda importante lembrar que um elemento anatômico microzyma é
animal em um animal, vegetal em um vegetal. Daí surge a seguinte questão: a que
reino pertence a bactéria de um ou outro microzima animal? De tal ou de um
microzima vegetal? Devemos lembrar que qualquer microzyma, antes de realizar a
evolução que produz uma bactéria, passa pelas fases evolutivas do microzyma
ligeiramente alterado na forma, do microzyma associado sucessivamente em dois,
três, em vários grãos, etc. Mas essas formas foram descrito sob os nomes de Monas,
de Bacterium termo and punctum, de Coccus, de Diplococcus, de Torulo, de
Streptococcus, de Micrococcus, de Mesococcus, de Microbe com um ponto, de Microbe
com um ponto duplo, etc. ; as bactérias que se destruíram espontaneamente para se
tornarem microzymas semelhantes às do giz-rocha ou do giz artificial dos meus
experimentos passaram por novas formas, das quais a mais constante é a que também
foi descrita como Bacterium termo.1 1 Veja, sobre esse assunto, Felix Dujardin,
"Les Zoophites Infusoire", p. 232. Mas quanto valem essas especificações, baseadas
apenas na forma, no comprimento e na espessura, na cor, na motilidade ou na
imotilidade do objeto especificado? Na ordem das idéias recebidas, seria tedioso
demais discuti-las; basta dizer que Felix Dujardin, que conhecia a teoria do germe
e não a aludiu em suas explicações, era de opinião que os fenômenos observados
nessas mudanças eram favoráveis à doutrina da geração espontânea; e,
consequentemente, que fora da teoria microzymiana tudo é incompreensível e
arbitrário. A priori, não se pode dizer a que reino pertence uma bactéria, pois só
se pode distinguir um microzyma e, conseqüentemente, uma bactéria, pela origem e
função do microzyma. Um exemplo deixará isso claro: veja a glândula parótida de um
homem e a de um cavalo, cuja estrutura e funções parecem iguais e das quais os
microzymas das células são morfologicamente idênticos; bem, enquanto os microzymas
parotidianos do homem liquefazem e sacarificam energicamente o amido de férula, os
do cavalo liquefazem esse amido, mas não o sacarificam. E estabelecemos por outras
diferenças do mesmo tipo que os microzymas dos diferentes sistemas anatômicos de um
mesmo organismo pode diferir um do outro; e por razões ainda maiores, as de
organismos diferentes podem diferir. Plantas, como animais, sendo constituídas
anatomicamente vivendo por seus respectivos microzymas, as bactérias nas quais
esses microzymas podem se tornar estão evidentemente limitadas aos dois reinos;
e, portanto, talvez a questão de se um vibrioniano seja animal, como se pensava, ou
planta, como agora é afirmado, seja inativa. Mas, apesar de tudo isso, insistir que
as bactérias são plantas e que os microzymas são seus esporos, surgiria uma nova
pergunta: qual das espécies de esquizomicetos em que o mesmo microzyma pode se
tornar antes de se tornar uma bactéria perfeita (Bacterium Monas crepusculum,
torula, Diplococcus, Streptococcus, Micrococcus, etc.) - é primeiro o esporo, no
organismo antes da evolução, e depois no giz-rocha, ou no giz artificial, após a
destruição total do organismo? De acordo com as noções aceitas, a resposta não pode
ser senão incerta! De acordo com a teoria microzymian, aqui está a resposta. Um
elemento anatômico, microzyma, em uma planta ou em um animal, cujas condições de
existência acabaram de mudar, pode se tornar uma bactéria pela evolução, e as fases
evolutivas intermediárias, como as do

girino, que se torna sapo, deixam a natureza especial. do microzyma ainda


existente; não há novas espécies. A bactéria perfeita depende da natureza do
microzyma, como o batráquico perfeito depende da natureza particular de seu girino.
Toda bactéria se resolve por destruição espontânea em um microzyma, e os microzymas
assim evoluídos são diferentes do microzyma anatômico que se tornou uma bactéria,
não morfologicamente, nem funcionalmente até agora como um fermento figurado, mas
por uma coleção de propriedades, que assegurar a perenidade da forma e da função em
uma condição de separação individual. Mas a principal diferença consiste no
seguinte: o elemento anatômico microzyma no vitelo é o começo organizado de toda
organização animal e, no óvulo da planta, é o começo de toda organização vegetal.
Por outro lado, o microzyma resultante da destruição de uma bactéria é o fim
organizado de toda organização. E AQUI ESTÁ ALGO ESTÚPIDO! Os microzymas
geológicos, bem como os do giz artificial em meu experimento, são organizados e
vivos, não apenas porque, sem mudança de forma, são fermentos figurados
individualmente, mas também porque, sob certas condições, como as da fibrina em o
experimento descrito no primeiro capítulo, ao mesmo tempo em que agem como
fermentos, podem novamente tornar-se bactérias pela evolução. Os microzymas não
possuem apenas o tipo de perenidade da qual falei; eles desfrutam também da duração
estupenda das épocas geológicas desde o momento em que as rochas microzymianas
foram formadas até os dias atuais. E essa duração significa para nós que os
microzymas foram constituídos fisiologicamente imperecíveis. E essa última
afirmação deve nos convencer de que os microzymas são seres vivos organizados, de
classe distinta, sem análogo. E é assim, precisamente porque os microzymas são,
essencialmente e por destino, elementos anatômicos autônomos em cada sistema
anatômico, tornando-se o que deveriam se tornar em cada um, por desenvolvimento
substancial e funcional, paralelo ao desenvolvimento desse sistema no
desenvolvimento de todo o organismo, que eles são seres vivos organizados de uma
classe à parte, como indicado acima. A seguir, é apresentada a prova experimental
de que esse novo princípio de anatomia e fisiologia é bem fundamentado. Os
microzymas vitelínicos do ovo das aves não existem no óvulo; são o resultado de um
desenvolvimento substancial e da proliferação dos microzymas ovulares. Para provar
isso, será suficiente fazer a análise elementar dos microzymas do vitelo do ovo da
galinha e dos óvulos remanescentes na vesícula Graafiana, enquanto esses óvulos têm
apenas alguns milímetros de diâmetro. A seguir, são apresentadas as seguintes
análises: Vitellin Microzymas Micro Ovmas Microzymas Carbono 52,67% 50,63%
Hidrogênio 7,17% 7,36% Nitrogênio 15,71% 15,67% Oxigênio, etc.1 1. Consulte
"Memoire sur les matieres albuminoid". p. 161, e a correção na nota na p. 489. A
diferença de dois por cento de carbono na composição percentual responde a grandes
diferenças na natureza dos princípios próximos desses microzymas. Acrescentarei que
os microzymas da vitelina contêm muito mais matéria mineral do que a ovular. É,
portanto, evidente que os microzymas do óvulo se tornam microzymas de vitelina por
desenvolvimento substancial, enquanto se multiplicam e o vitelo cresce. Em suma,
pode-se dizer que os microzymas ovulares se tornam microzymas vitelínicos ao
amadurecer. Demoraria muito tempo para se prolongar o tempo que fosse desejável
para esse resultado e para o conjunto dos fenômenos químicos, fisiológicos e
anatômicos que esse amadurecimento necessita para que os microzymas da vitelina se
ajustem para desempenhar seu papel, químico, fisiológico e histogênica, durante o
desenvolvimento embrionário, etc. Devo referir o aluno ao que disse em outro
lugar.1 O mais importante a ser lembrado é que, não importa o quão alto se vá [na
escala dos seres vivos] os microzymas são encontrados no óvulo, e que esses
microzymas não são aqueles encontrados no vitelo, mas se tornarão eles.

1. Veja Les Microzymas, "etc, pp. 487 e seguintes. Todos os fatos especiais que eu
apresentei, incluindo o último, me autorizam a erigir em princípio geral a idéia
experimental precisa; que a microzyma, o termo final de a análise anatômica é, na
verdade, o simples elemento anatômico que satisfaz a concepção de Bichat e destrói
completamente a matéria viva que não é definida morfologicamente.Os celularistas, é
justo recordar, considerando a célula como o elemento anatômico mais simples,
acreditava que ela procedia necessariamente de uma célula anterior, omnis cellula e
cellula, mantendo-a como a unidade vital, vivendo per se, e considerava um
organismo inteiro como a soma dessas unidades, mas agora sabemos que isso foi uma
dedução de observações incompletas e superficiais, para a célula, um elemento
anatômico transitório, possui o microzima como seu elemento anatômico, que é o
único que possui todos os caracteres de um elemento anatômico, vivendo per se, e
que m não deve ser considerado como a unidade da vida. É o que já afirmei nos
seguintes termos: "O microzima está no começo e no fim de toda organização viva. É
o elemento anatômico fundamental pelo qual as células, os tecidos, os órgãos, o
todo, de um organismo são constituídos vivos. " Vamos dedicar algumas palavras para
desenvolver essa idéia. Vamos penetrar um pouco mais nessa noção de um elemento
anatômico fundamental, que, como já foi dito, implica que o microzima é o átomo
vivo da organização, assim como o átomo físico é o elemento da molécula de um corpo
simples. Isso seria verdade se o microzima fosse imutável em sua simplicidade. Mas,
na realidade, é essencialmente mutável, como todos os corpos vivos; e é
especialmente assim, para que possa cumprir suas inúmeras funções. De fato, os
microzymas, funcionalmente diferentes nos diferentes sistemas anatômicos da mesma
espécie, e diferentes em todas as idades, começando com o estágio embrionário,
foram primitivamente os do vitelo, depois de o óvulo. Um microzyma então não é,
propriamente falando, um átomo; mas sempre anatomicamente simples, torna-se, pela
nutrição, aquilo que precisa se tornar, de modo a acomodar-se a cada nova condição
de existência que as fases sucessivas do desenvolvimento de cada sistema anatômico
proporcionam. É assim que, mesmo no embrião, naquilo que será o ovário, uma
categoria de microzymas se torna novamente microzymas ovulares para recomeçar o
mesmo ciclo. Acrescento que, tomada como um todo e em seus detalhes, a TEORIA FOI
CONFIRMADA, VERIFICADA, CORROBORADA por um grande número de outros fatos da
anatomia geral e da anatomia patológica e da fisiologia.1 1. Veja particularmente
as notas e publicações a seguir : A. Béchamp: Fatos úteis para a história da origem
das bactérias. Desenvolvimento natural dessas pequenas plantas nas partes
congeladas de certas plantas. CR. Vol. LXVTII. p. 466 (1869). A Estor: Nota para
uso na história dos microzymas contidos nas células animais. CR. Vol. LXVIII. p.
519. Refere-se aos microzymas na evolução bacteriana de um cisto que acabara de ser
removido. Béchamp e Estor: Sobre os microzymas do tubérculo pulmonar no estado
cretíssimo. CR, vol. LXVII, p. 960 (1868). Relaciona-se à descoberta de microzymas
em uma condição de evolução dentro do tubérculo, considerada como os restos do
epitélio destruído dos alvéolos pulmonares. Béchamp e Estor: fatos úteis para a
história dos microzymas e bactérias. Transformação fisiológica de bactérias em
microzymas e de microzymas em bactérias no tubo digestivo do mesmo animal. CR, vol.
LXXVI, p. 1143 (1873). Béchamp: fatos úteis para a história da construção
histológica da glairina de Molitg. CR, vol. LXXVI. p. 1485 (1873). Béchamp: As
doenças do bicho da seda. CR. várias notas de 1866 a 1374. Eles se referem à
pebrina, uma doença parasitária, e à flacherie, uma doença microzymiana, não
parasitária. J. Grasset: Sobre os fenômenos histológicos da inflamação. Tratado
sobre uma nova teoria, com base na consideração das granulações moleculares
(microzymas). Gazette Med. de Paris, ano de 1873. E. Baltus: Teoria do Microzyma,
um estudo teórico e prático da piogênese (a formação de pus). Teses da Faculdade de
Montpellier, ano. 1874, n. 41. J. Béchamp: Os microzymas e suas funções nas
diferentes idades do mesmo ser. Teses da Faculdade de Montpellier, 1875, n. 63. A
Béchamp: Microzymas and disease; em "Les Microzymas", etc., p. 744. (Chamalet, 60,
Passage Choiseul.) A Béchamp: Septicemia puerperal, pleurisia, albuminúria e
prefácio de Microzymas et Microbes. (Chainalct, 60, Passage Choiseul, Paris.)

A. Tripier: Eletricidade e cólera. Gênese, profilaxia e tratamento. (Georges Carre,


p. 1884). Neste livro de memórias, será encontrada uma comparação do sistema
microbiano e da teoria microzymiana, altamente original e ao mesmo tempo a
concepção do que o autor eminente chama de coeficiente individual. Quando, pelo
estudo atento desses fatos, alguém se convencer de que a teoria microzymiana é sua
expressão pura e simples, será imediatamente reconhecido que a célula já é um órgão
no qual, pela nutrição, as condições de preservação dos microzymas com a constância
e regularidade de suas funções químicas e fisiológicas são realizadas
incessantemente. E assim será entendido que as granulações moleculares
microzymianas, sejam de certas células, do vitelo ou do sangue, também percebem à
sua maneira as condições dessa constância e regularidade. Quando essas condições
não são mais percebidas, elas podem sofrer evolução vibracional. O fato mais
proeminente na história dos microzymas, o que tem sido o mais disputado, justamente
por sua capacidade de sofrer evolução vibrioniana, é o fato de sua autonomia
anatômica. Agora, essa faculdade, que só se manifesta quando as condições normais
de existência dos microzymas, funcionando como elementos anatômicos, não são mais
cumpridas, é a melhor prova possível da mudança que ocorreu em sua condição,
causando irregularidades e mudou o funcionamento. De fato, em suas diversas
situações anatômicas, os microzymas permanecem morfologicamente semelhantes a si
mesmos. Eles funcionam em cada célula, em cada órgão, em cada sistema anatômico,
naturalmente, quimicamente e fisiologicamente por si mesmos, preservando sua
individualidade; ao mesmo tempo em que, por coordenação, de acordo com a feliz e
minuciosa expressão científica do Dr. Antoine Cros, eles funcionam em benefício das
granulações moleculares microzimianas das células, dos órgãos e dos vários sistemas
anatômicos tomados em conjunto, cujas características fisiológicas condição de
saúde é preservada por eles. Porém, se por alguma causa etiológica ocorrem certas
mudanças em um órgão, mudanças como ausculta ou percussão podem determinar com
precisão, como, por exemplo, um aumento no volume do baço, M. Cross nos diz que há
uma desordenação, uma função funcional. perturbação em todo o organismo e doença.
Vale ressaltar que, desde que o Dr. Cros se familiarizou com a teoria microzymiana,
ele não hesitou em reconhecer os microzymas como agentes anatômicos da
descoordenação; como isso acontece? Entre as causas que produzem doenças, um
repentino frio no verão é o mais indicado ou invocado. O frio é ao mesmo tempo uma
influência e uma diminuição da temperatura. Não insisto no fato de que é apenas
algo vivo que é dolorosamente afetado, de modo a me limitar ao fenômeno físico. Mas
os microzymas são muito sensíveis a variações de temperatura; tanto que até os
microzymas geológicos agem regularmente apenas em temperaturas próximas de 40 ° a
42 ° C. (= 104 ° a 107 ° F); de fato, os microzymas do giz de Sens não agem de modo
a fazer com que a fecula fermente a uma temperatura abaixo de 38 ° C (= 100 ° .4
F.). Além disso, uma redução muito leve da temperatura é suficiente para que o ovo
produza um pássaro para não produzi-lo e apodrecer ou produzir os monstros de
Dareste quando o calor não é aplicado uniformemente. De fato, as influências do
meio (como se ele se tornasse neutro ou ácido), que modificam a atividade dos
microzymas agindo sozinhos, são diversas. O que acontece com os microzymas isolados
acontece também com os do ovo e com os do organismo. Suprima o ar e o ovo não se
torna uma ave, mas passa por outro tipo de mudança. Se, por qualquer causa, o ar
não tiver acesso ou tiver acesso insuficiente aos alvéolos pulmonares e seu
epitélio se tornar o tubérculo pulmonar, as células se tornarão reduzidas a seus
microzymas, que são encontrados na evolução vibrioniana do tubérculo no cretáceo
Estado. Se a descoordenação resultante de um funcionamento irregular de uma parte
de um sistema anatômico for suficiente para causar um mal-estar que não seja
removido, surgirá uma condição de doença devido a uma mudança acentuada das
condições de existência dos elementos anatômicos microzímicos, e a mudança no meio
suficiente para causar a descoordenação se manifestará pela evolução vibracional e
bacteriana dos microzymas de uma ou outra parte do sistema. É assim que, na doença
chamada "Sand de rate" (Anthrax), tão minuciosamente estudada por Davaine, os
microzymas doentes terminam evoluindo para o que aquele médico instruído chamou
bacteridiae, os glóbulos sanguíneos sofrendo as alterações que são tão
características. As bacteridias não foram a causa da doença, mas foram um de seus
efeitos; procedentes dos microzymas mórbidos, eles foram capazes de induzir essa
condição doente no animal cujos microzymas estavam em condições de recebê-la.
Portanto, vê-se que a alteração das questões animais naturais é espontânea e
justifica o velho aforismo expresso de forma tão concisa por Pidoux: "Doenças
nascem de nós e em nós".

Por outro lado, o desrespeito a essa lei da natureza, o firme estabelecimento de


que é completado pelo presente trabalho, levou necessariamente M. Pasteur a negar a
verdade do aforismo e a imaginar uma panspermia patogênica, como ele havia
concebido antes. a priori, que houve uma panspermy de fermentações. Que o Sr.
Pasteur, depois de ter sido um esponteparista, chegasse a essa conclusão era
bastante natural; ele não era fisiologista nem médico, mas apenas um químico sem
nenhum conhecimento de ciência comparada. O que é surpreendente é que ele deveria
ter conseguido o triunfo de um sistema preconcebido entre médicos e academias e
obter a rejeição da teoria microzymiana [sem exame. .. Por exemplo, um médico
esclarecido resumiu, assim, a proposição fundamental de M. Pasteur: "Os micróbios
sempre vêm de fora; eles constituem espécies que remontam de geração em geração até
a origem do mundo" .1 Um eminente cirurgião, M. Verneuil acabou por admitir como
teorema demonstrado que não há tétano espontâneo, que não há varíola espontânea,
sífilis, glândulas, hidrofobia, tuberculose, carvão ou pústula maligna; declarar
que o problema patogênico consistia apenas em descobrir como e quando o micróbio,
também chamado vírus, vem de fora, penetra no organismo; declarando que a questão é
assim declarada entre a medicina antiga e a medicina microbiana "com extrema
simplicidade e sem o mínimo de ambiguidade.2a 1. Gazette medical, Paris, 6ª série.
Vol. V, p. 218. É exatamente isso que M. Chamberland disse sobre microrganismos em
geral: "Pesquisa no desenvolvimento de organismos microscópicos". Teses da Faculte
des Sciences. Parais, 1879. Ver também "Microzymas et Microbes", p. 25, 2d Ed. 2.
C. R_, Vol. CV, p. 552. [a. Existe uma implicação a ser encontrada na declaração do
cirurgião Verneuil, embora provavelmente não tenha sido entendida por ele, à qual o
consentimento deve ser dado quando entendido. É VERDADEIRO que não há coisas como
tétano, varíola, sífilis, etc., como está implícito no uso geral de termos
nosológicos.A doença não é uma coisa, uma entidade: é uma condição, e o erro de
considerar a condição da doença como uma entidade confirmou, onde não se originou,
grande parte do tratamento errôneo predominante dos doentes. termos políticos têm
um uso; é o de trazer à mente do médico um grupo de sintomas patológicos, que podem
ou não estar presentes no caso do paciente em questão; a partir deles, quando
presente, a condição de doença do paciente pode ser reconhecida e tratada.
Infelizmente, por não entender essa verdade, freqüentemente são feitas tentativas
de tratamento, não do paciente, mas do nome que foi dado a uma coleção de sintomas
mórbidos. Um membro quebrado é uma coisa; a inflamação resultante dela é uma
condição e, se a gangrena se seguir, a gangrena não é uma coisa, mas uma condição a
ser levada em consideração com todos os outros sintomas no tratamento do paciente.
O cirurgião Verneuil provavelmente teve uma percepção cintilante dessa verdade, mas
aplicou-a mal, pois sua teoria e prática, como médico, e a teoria e prática de
quase toda a medicina moderna supõem que a condição a ser tratada é algo que um
nome e esse nome são tratados em vez do paciente. - . Mas essas afirmações (do
cirurgião Verneuil) são reduzidas a nada, quando lembramos que os pretensos germes
do ar são apenas os microzymas de organismos que desapareceram, que se tornaram
bactérias pela evolução; que mesmo na Academia de Medicina eu disse - e ninguém se
arriscou a me contradizer - que ninguém jamais havia conseguido reproduzir uma
doença nos testes nosológicos, colocando o pretenso micróbio patogênico no ar
normal, mas apenas nos doentes animal. E acrescento que, assim como com o tempo, os
microzymas fibrinosos perdem a propriedade de decompor a água oxigenada, como
provado há muito tempo por Davaine, após um curto período de tempo o sangue de um
animal que havia morrido de antraz. comunicou mais essa condição de doença; e o
mesmo é verdade em todos os casos.

ASSIM, O AR NORMAL NÃO SÓ CONTÉM, MAS NÃO PODE CONTER AS MICROBAS PATOGÊNICAS
PRETENDIDAS E O PRINCÍPIO DA MEDICINA MICROBIANA CONSTITUI UM ERRO FUNDAMENTAL.

Mas nenhuma atenção foi dada a isso. Abandonando o famoso dogma do fechamento do
corpo para germes de fora, foi admitido "que o organismo humano carrega
constantemente um grande número de micróbios de muitas espécies diferentes" que
aguardam apenas o momento em que "o organismo está sendo perturbado em seu
funcionamento fisiológico". será entregue à atividade de seus próprios micróbios;
cuja presença ele havia suportado até então sem ser afetado ". M. Jaccond escreveu
o absurdo acima com referência a dois casos de pneumonia aguda após um resfriado.1
1. "Journal des societes scientifiques", 4 de maio de 1887, p. 156. No cenário de
M. Pasteur, a opinião de M. Jaccond foi aceita; e embora o mestre deles tivesse
declarado que as células não estavam vivas, seus discípulos imaginavam que os
leucócitos (sob o nome de fagócitos) viviam como ameba e eram capazes de realizar
movimentos chamados amaebóides. E imaginou-se que esses fagócitos se transformaram
em tropas para perseguir e devorar os micróbios. Havia, portanto, uma fagocitose, a
qual foi anunciada como providencial. O conhecimento preciso do sangue reduz ao seu
justo valor esta última forma de luta contra a teoria microzymiana. De todas as
suposições e fantasias de M. Pasteur, resta apenas, mesmo para seus discípulos,
aquilo que consiste em admitir uma única causa, os germes ou micróbios do ar, para
explicar os fenômenos das fermentações e doenças. No entanto, todos os médicos não
pensaram como Verneuil ou como M. Jaccond. Antes de 1866, enquanto o triunfo da
medicina microbiana estava em pleno andamento, o Dr. A. Tripier não admitiu que
houvesse um micróbio vindo de fora para ser considerado. Sua atenção foi atraída
para as novas opiniões, considerando a frequência com que nos livros clássicos de
medicina um calafrio repentino levava a tudo. Aqui está a maneira magistral em que
ele explicou: [Essas palavras devem ser apagadas da linguagem da ciência. . "Não é
no momento em que a consideração do coeficiente individual tende a ocupar um lugar
cada vez maior nas especulações nosológicas que devemos retornar a uma etiologia
simples que foi corretamente questionada. Estou longe de fingir que os sábios a
quem somos devedores de pesquisas tão interessantes na direção de causas
específicas projetadas para trazer tudo para dentro, mas aqueles que não demonstram
tanta prudência devem ser lembrados de que, para constituir um estado mórbido, é
indispensável a simultaneidade de muitas condições; Por mais específico que seja,
uma causa única não é causa ". Foi assim que M. Tripier colocou em linhas paralelas
a etiologia de acordo com a medicina antiga e a medicina microbiana. Mais adiante,
declararei o profundo significado da expressão, extraída da álgebra, a ou
"coeficiente individual". Digamos, a princípio, que se supõe que doenças
resultantes de causas específicas são envenenamentos por seres vivos capazes de se
reproduzir no organismo. O mecanismo desses envenenamentos, diz M. Tripier, "foi
explicado de várias maneiras, sem a permissão de rejeitar uma por conta de outra".
"Segundo M. Pasteur", disse ele, "a multiplicação de micróbios seria a conseqüência
da introdução de germes introduzidos de fora. Para M. Béchamp, o micróbio a1
poderia proceder de um modo especial de evolução das granulações moleculares vivas
que ele denominadas microzymas, granulações que existem em todo protoplasma, a
evolução viciosa da qual pode ser considerada uma causa independente da introdução
de fermento de origem estrangeira ". A diferença radical entre o princípio da
medicina microbiana e o da teoria microzymiana da doença é assim claramente
expressa. Os microzymas não são então a causa da doença, mas por sua evolução
funcional defeituosa ou mórbida sob as várias influências de que falei, sua
evolução pode se tornar vibracional. Foi apenas pela ambiguidade que M. Pasteur
conseguiu criar, que M. Tripier foi capaz de dizer que eu havia admitido que o
micróbio provinha do microzima e que mais tarde M. Jaccond pensava que os
microzymas são os micróbios especiais dos microorganismos. organismo humano.1 [a. O
termo "coeficiente individual" foi introduzido pela primeira vez para indicar a
quantidade e a direção dos erros que cada astrônomo estava propenso a cometer. - .
[A. O termo micróbio, introduzido com o único objetivo de afogar as grandes
descobertas de Béchamp, é, como mostrado atualmente, um solecismo etimológico. - .
1. Foi assim que a ambiguidade foi criada. O cirurgião Sedillot, sem pensar,
inventou a palavra micróbio como um nome para os vibrioniens, que Davaine
considerou os agentes vivos da doença. M, Pasteur, indiferente à imprecisão, mesmo
do ponto de vista etimológico dessa palavra, aplicado a um ser microscópico de
imensa longevidade, adotou-o para designar os fermentos microorganizados; assim, o
fermento de cerveja era um micróbio, como também as bacteridias de Davaine. Ele foi
além, e em um livro publicado sob seus auspícios, ele permitiu que a seguinte
definição aparecesse: "Sob o nome de seres microscópicos ou micróbios, todos os
seres vivos são pequenos demais para serem vistos a olho nu, todos aqueles que só
podem ser visto com a ajuda de instrumentos que podem aumentá-los um grande número
de vezes, como o pequeno verme chamado triquina, que produz triquinose, e um
acarus, que produz coceira ... "O trabalho do qual é mencionado acima apareceu em
1833 com um prefácio de M. Pasteur. Aqui percebemos como todas as doenças são
consideradas parasitárias no mesmo terreno que a coceira e como os microzymas se
tornaram micróbios mal chamados! Para apreciar a antinomia entre o sistema
microbiano e a teoria microzymiana e dar a este trabalho sua utilidade prática,
mostrando que a teoria explica o que o sistema não tem poder de esclarecer, será
suficiente recordar os dois fatos fundamentais sobre os quais repousamos o tecido
da demonstração de que o sangue é um tecido que flui e, como todos os tecidos, é
espontaneamente alterável. A primeira é que uma mistura de princípios próximos, sob
as condições especificadas, é naturalmente inalterável; mas em contato com uma
quantidade limitada ou ilimitada de ar comum, a mesma mistura sempre muda, devido
aos vários fermentos que nela se desenvolvem a partir dos germes transportados
nesse ar. Esta mistura então não se altera espontaneamente. A segunda, que uma
matéria, tecido ou humor natural de um animal se retira de um animal vivo em
perfeita saúde e nas mesmas condições, inevitavelmente altera, mesmo quando
absolutamente protegida do ar e de seus germes. A matéria animal natural é então
espontaneamente alterável. Também é desejável lembrar: Primeiro, que as diferenças
na natureza das duas ordens de substâncias são tais, que na alteração da primeira
os microrganismos consistem em várias categorias de espécies diferentes; enquanto
na alteração desta última apenas uma categoria é encontrada, a saber, os microzymas
e depois, mais frequentemente, os vibrioniens, produtos de sua evolução; segundo,
que, corroborando os fatos, o creosote em quantidade adequada dificulta a alteração
do primeiro em contato com um volume limitado de ar, impedindo o aparecimento de
fermentos; enquanto a mesma quantidade não impede a alteração destes, nem, em casos
adequados, a evolução vibracional dos microzymas. Desses dois fatos, M. Pasteur só
considerou o primeiro e negou o segundo, e é porque ele e os sábios que confiaram
em sua palavra consideraram o corpo do animal apenas como órgãos constituídos por
uma mistura de princípios imediatos - protoplasma - onde nada existe capaz de se
tornar um vibrionien, que eles pensam que o micróbio que vem de fora é a única
causa da alteração dessa mistura e da doença. Agora, se o organismo fosse o que
pensavam, e a única causa da doença fosse o que diziam, uma mistura de princípios
imediatos necessariamente alterando a exposição ao ar, todos, com a mesma
necessidade, ficariam doentes; mas mesmo em épocas de epidemia a maioria não é
atacada! Uma explicação desse fato foi procurada no próprio micróbio e em outras
considerações da mesma ordem; mas todos são inúteis, pois se o ar contém o que muda
a mistura, não contém o que causa a doença. O antigo remédio explicava a imunidade
dos vivos pela receptividade, pela predisposição, que os que não são atacados não
possuem. M. Tripier, mais preciso, invoca o coeficiente individual. Mas uma mistura
de princípios próximos que, quando expostos ao ar, estão sempre prontos para serem
alterados, não gozam de imunidade! Na linguagem exata, só se pode falar da
receptividade do coeficiente individual, daquilo que é considerado como um corpo
vivo. Mas o que é um corpo vivo? O que é a vida? A vida, dizem alguns, é uma força
especial, manifestando-se em matéria ponderável. JR Mayer nega isso. Seja como for,
eles, os primeiros, falam de uma teoria física da vida. Vimos que, segundo Pasteur,
a vida é aquela que elabora os princípios próximos, as substâncias naturais das
quais o organismo é composto. Bichat disse: "A vida é a totalidade das funções que
resistem à morte". Mas o que é a vida? O que é a morte? E qual é o coeficiente
individual na teoria microzymiana? Pois não há mais questão de protoplasma! Bichat
disse que a vida era uma propriedade do tecido, porque considerava os tecidos
elementares os elementos vivos dos
seres organizados, os quais, a seu ver, possuíam em si mesmos um princípio
permanente de reação que lhes permitia resistir às causas de destruição que os
cercavam. A teoria microzymian verifica a concepção de Bichat mesmo neste ponto; de
fato: O microzima é o elemento anatômico fundamental, vivendo autonomamente,
proliferando, mantendo-se morfologicamente semelhante a si mesmo. Na realidade, é
um aparato cujas funções se manifestam, em um meio que realiza as condições de sua
existência, por reações químicas que o levam a produzir os zymases especiais,
dependendo de sua natureza especial e dos vários princípios próximos que variam de
acordo com o local e o local. meio onde funciona no organismo. Isolados do
organismo e, consequentemente, em novas condições, como no caso da fibrina, existem
alguns que agem como fermento láctico em relação à férula, etc. Em suma, os
microzymas resistem tão bem às causas comuns de destruição que, nas calcárias e
outras rochas, existem microzimas geológicos, agora vivos, que funcionavam como
elementos anatômicos dos animais da época dessas rochas. Aqui, então, temos o ser
organizado, vivendo per se, fisiologicamente imperecível, insuspeito até que eu o
descreva. A Ele está sozinho, funcionando como um elemento anatômico, no qual
reside o princípio permanente de reação que permite aos organismos, dos quais
compõe o células, tecidos e órgãos, para preservar-se pela nutrição e resistir às
condições atotelelúricas (Tripier) que [a. Literalmente "do qual falei", mas o
significado real é o que foi dado acima na minha tradução. - . Tendem
incessantemente a destruí-los.
E como não há elemento anatômico mais simples que o microzima, e nenhum outro
semelhante a ele, resistente à destruição total, se chamarmos vida a totalidade das
propriedades anatômicas que tornam os construtores de microzimas das células por
síntese e capazes de se transformar em bactérias ou vibrios pela evolução; e o
agregado das energias fisiológicas e químicas que lhes permitem produzir as zymases
e nutrir-se, transformando, para seu próprio uso, os materiais do meio nos sistemas
anatômicos em que funcionam, eliminando ao mesmo tempo o que eles desassimilam
depois de terem usado, certamente deve ser admitido que a VIDA é, neles aliada,
verdadeira, importa, mas a matéria da organização estruturada, definida
morfologicamente, e não simplesmente a matéria ponderável. Tanta coisa para a
afirmação geral. Agora sabemos que os microzymas são funcionalmente diferentes nos
vários sistemas anatômicos do mesmo animal e que eles podem ser funcionalmente
diferentes também nos mesmos órgãos da mesma estrutura no homem e nos animais. Daí
resulta que nem sempre é permitido experimentar tirar conclusões de um animal para
outro e, menos ainda, para o homem. De modo que se pudéssemos admitir com Bichat
que a vida é uma propriedade do tecido, essa propriedade não é a mesma em todos os
tecidos da mesma estrutura e em seus microzymas. Esforçarei-me por explicar minha
opinião sobre a causa que leva a que um tipo de zima seja produzido por um
microzima e outro tipo por outro microzima. Se existe a vida de um microzima, a
vida de uma célula e a dos órgãos de um sistema anatômico, há também a vida do TODO
organizado. Isso resulta necessariamente da totalidade coordenada da vida
particular dos órgãos e, portanto, da vida individual dos microzymas que nele
funcionam. É essa visão das funções que Bichat chamou de totalidade das funções que
resistem à morte. Mas se o microzima é fisiologicamente imperecível, qual é a morte
do todo vivo? É o oposto do que constitui sua vida, a saber: a absoluta
descoordenação das funções dos microzymas. É assim que, em uma parte abstraída de
um animal, músculo ou sangue vivo etc., nada está morto; mas os microzymas, as
únicas coisas que vivem antonomicamente, estando em desordenação, não estão mais em
sua condição normal de existência; agora funcionam apenas para si mesmos,
determinando as mudanças que atendem às desorganizações dos tecidos e à destruição
das células. "Agora, qual é o significado da expressão feliz" coeficiente
individual "introduzida na linguagem médica por M. Tripier? na álgebra, diz-se que
uma quantidade é função de outra da qual depende; portanto, na teoria microzymiana,
pode-se dizer que um organismo, uma célula, são quantidades que são funções dos
microzymas que a compõem e das quais dependem. Assim, a expressão do coeficiente
aplicado ao número que multiplica essas quantidades pode ser facilmente entendida.O
coeficiente individual é o fator que aumenta ou diminui nos microzymas a soma da
energia que lhes permite resistir às várias causas que, perturbando seu
funcionamento determinar a morbidade neles, e daí a doença e a morte.O fator,
qualquer que seja, sendo o mesmo, a variável, ou seja, o microzima, difere o
resultado varia necessariamente. Agora, é um fato comprovado que os microzymas são
funcionalmente diferentes nas espécies, nas raças e até no indivíduo, de acordo com
o sexo e a idade, nos diferentes sistemas anatômicos; o coeficiente individual é
então relativo às diferenças funcionais dos microzymas do indivíduo. O estado de
perfeita saúde resulta da constância e regularidade do funcionamento coordenado de
todos os órgãos dos quais os microzymas são anatomicamente e fisiologicamente
saudáveis; pois, mesmo no estado de coordenação, é necessário levar em consideração
a hereditariedade, as diáteses, o atavismo, que podem, de alguma forma, afetar os
microzymas particulares do indivíduo. O coeficiente individual é então uma
constante complexa dependente dos coeficientes particulares de tais ou de tais
sistemas funcionais do indivíduo. Para retornar ao sangue, aqui está um exemplo
típico que justifica as considerações acima. Eu disse que no antraz (sang de rate)
as bacteridias, consideradas como causa específica, eram o resultado da evolução
viciosa dos microzymas do sangue, tornam-se mórbidas como conseqüência de uma
desordenação, diria M. Jaccond, de alguma perturbação. no funcionamento fisiológico
do organismo. Mas é evidente que, se o meio interior fosse inerte ou passivo, essa
descoordenação, em tal mistura de princípios próximos, seria um efeito sem causa,
nada levando a perturbar-se em seu suposto funcionamento; pois tal mistura
demonstrou ser inalterável por si mesma; enquanto, pelo contrário, seria
imediatamente, infalivelmente, colocado em uma condição de alteração determinada
pelo agente, micróbio ou fermento específico proveniente de fora. Em suma, na
hipótese de um meio interior puro, uma mistura de princípios próximos, para um solo
de cultura, como é chamado, para o micróbio cuja multiplicação é venenosa, todas as
ovelhas seriam igualmente suscetíveis, especialmente em tempos de epidemia. ,
contrair antraz (sang de rate) em circunstâncias idênticas, por contágio e, em
todos os casos, por inoculação. Bem, isso não acontece. As ovelhas adultas da raça
denominada ovelha africana são refratárias ao antraz; não contrai a doença por
contágio e geralmente nem por inoculação. O coeficiente individual não é o mesmo em
circunstâncias idênticas, para as ovelhas francesas e para a África. E como prova
de que o coeficiente difere de acordo com a idade, basta afirmar que o cordeiro
africano não é refratário, enquanto as ovelhas adultas da mesma raça. Digamos então
que os microzymas no sangue das ovelhas adultas africanas estão entre os que, mesmo
quando mal tratados, não sofrem a alteração viciosa que os tornaria carbunculares;
com os cordeiros da mesma raça, é diferente. Se o meio interno fosse a mistura
imaginada pela medicina microbiana, os fatos anteriores seriam incapazes de
explicação. Pois o meio seria inerte e passivo; uma vez que foi provado que essa
mistura é sempre descartada para permitir a multiplicação do microzima ou de outro
fermento específico semelhante, capaz de alterá-lo para seu próprio alimento (do
fermento), e qual meio sem o fermento seria inalterável sob outros influências
atmotellúricas, frio, etc. É o coeficiente individual em relação às diferenças
funcionais dos microzymas dos sujeitos que, por si só, explica a imunidade de
alguns, a suscetibilidade de outros, uma vez que foi demonstrado que no meio
interior não há nada autonomicamente vivendo, agindo e fisiologicamente
impressionável, exceto os microzymas. Na linguagem da medicina antiga, imunidade,
suscetibilidade é a capacidade do organismo vivo de resistir a uma impressão, de
não sofrer ou sofrer a influência de agentes externos ou internos. A teoria
microzymiana adota essa linguagem completamente fisiológica, pois são apenas os
microzymas do organismo vivo que podem receber impressões e sofrer ou não sofrer
sua influência; isto é, resista ou não às causas perturbadoras de seu
funcionamento, pois o coeficiente individual é anormal ou normal. Mas que prova
temos dessa resistência e do mecanismo da inofensividade dos microzymas de fora? A
seguir, é o que eu dei sobre isso.

O microzyma isolado de levedura de cerveja desempenha a função de um fermento


láctico, produzindo pouco álcool; em sua função de elemento anatômico no glóbulo de
beeryeast, nunca produz ácido lático. O fermento jovem, vigoroso, atuando
fortemente sobre o açúcar de cana, mesmo em contato com o ar e com a adição de giz
cujos microzymas sempre efetuam fermentação láctica, ainda não produz ácido
láctico; ela resiste e os microzymas do giz, quando adicionados, também não
conseguem produzi-lo. Mas se o fermento da cerveja for velho, em algum aspecto
alterado, e até protegido do ar, produzirá ácido lático e, mais ainda, se for
adicionada rocha calcária ou mesmo carbonato de cal puro. Aí temos a imunidade do
organismo de beeryeast e sua suscetibilidade adquirida; a imunidade que lhe
permitiu resistir à influência dos microzymas do ar e do giz, aniquilando sua
influência; a suscetibilidade que permitiu que esses microzymas produzissem ácido
lático sem impedir os do giz na execução de seu trabalho. Aqui temos a imagem da
imunidade e da suscetibilidade dos microzymas das células e dos tecidos do meio
interno de um organismo animal. "A1 [a. O texto em francês é aleree, que, acredito,
é um pressione erro para o alteree - Trans.) [a1] Aqui é apresentada uma ilustração
forçada da ignorância imprudente dos médicos que praticam a inoculação de venenos
orgânicos, como produtos de doenças conhecidas como vacinas, anti-toxinas etc.,
sobre o homem e outros animais, seja como preventivo ou como remédio, até as
mudanças mencionadas no texto, como alguns dos resultados dos experimentos
elaborados do professor Behamp, são desconhecidas por esses cavalheiros; e,
absolutamente ignorantes de que efeito tais inoculações podem ter sobre as forças
vitais, isto é, os microzymas de suas vítimas, eles arrogantemente insistem que sua
ignorância está aprendendo e induzem uma degeneração entre as raças que,
reconhecendo sua ignorância, depositam sua fé nos homens como ignorantes como eles
mesmos! - . Na medicina microbiana, a linguagem da medicina antiga não tem sentido,
uma vez que a primeira admite que uma única causa produz a doença e a alteração por
fermentação da matéria orgânica em geral, não fazendo distinção entre o meio
interno e a mistura. de princípios próximos. A contradição insuperável que existe
entre as doutrinas microbianas e a teoria microzymiana da organização viva traz em
forte alívio a justiça do aforismo de M. Tripier. Uma causa única para a doença e
para a alteração ou fermentação de princípios próximos, por mais específica que
seja, não é causa de todo (est une cause nulle). Sim, "a única causa" não é causa,
pois demonstrei além da disputa que não existem (não digo germes, a palavra agora é
inadequada) microzymas preexistentes, patogênicos ou não; mas existem microzymas,
os restos vivos de bactérias derivadas da evolução dos microzymas anatômicos de
organismos que desapareceram ou estão desaparecendo sob nossos olhos. Limito aqui
essas considerações, referindo o leitor às minhas publicações anteriores para
desenvolvimentos, que o presente trabalho completa e corrobora.1 1. Para patologia
geral, veja as três últimas conferências de "Les Microzymas", etc. Para patologia
especial, as comunicações "Sur la septicaemic puerperale", "Sur la Pleuresie" e
"Sur les albuminuries", em "Microzymas et Microbes". E para a teoria fisiológica da
fermentação, bem como para a verdadeira teoria da nutrição, vários capítulos das
mesmas obras. (Chamalet, editora, 60, Passage Choiseul, Paris.) E agora espero que
seja confessado que o erro, comum a todos os pesquisadores contemporâneos que
procuraram descobrir a causa do fenômeno da coagulação espontânea do sangue, também
que de outras alterações igualmente espontâneas, ou que, como M. Pasteur, mantêm a
inalterabilidade natural do sangue, como em todas as questões orgânicas naturais, é
que eles consideram o protoplasma uma mistura de princípios puros e próximos e
mantêm como dogma que essa mistura era viva e organizada, embora não
morfologicamente constituída. Por fim, espero que se reconheça que a descoberta dos
microzymas verifica a concepção de Bichat, respeitada pelo tempo, segundo a qual
apenas vive em qualquer organismo, qualquer que seja estruturado, morfologicamente
determinado. É o acordo da teoria microzymiana do organismo vivo com a brilhante
concepção de Bichat que confere à teoria do sangue como um tecido que flui e à
teoria fisiológica e anatômica de sua coagulação e outras alterações espontâneas
seu maior grau de certeza.

Sob a forma de conclusões, é aqui apresentado um resumo sucinto da totalidade dos


fatos fundamentais, cuja descoberta levou à verdadeira constituição anatômica e
química do sangue e à explicação de suas alterações espontâneas. (1) O ar comum,
perto da Terra, contém objetos microscópicos vivos chamados germes, e esses germes
são essencialmente microzymas. (2) Princípios próximos e qualquer mistura de tais
princípios são inalteráveis na presença de água, de um volume limitado de ar à
temperatura comum quando um pouco de creosoto foi adicionado pela primeira vez; e
tais princípios próximos nessas condições não permitem que nenhum ser organizado
apareça. (3) Matérias orgânicas naturais, vegetais ou animais, tecidos e humores,
em condições experimentais semelhantes, sempre mudam de si mesmos, por um fenômeno
de fermentação e, ao mesmo tempo, os microzymas, dão origem a vibrioniens pela
evolução. (4) A fibrina do sangue não é um princípio próximo; é uma membrana falsa
contendo microzimas, da qual a gangue intermicrozymian é uma substância albuminóide
especializada. (5) É devido aos seus microzymas que a fibrina decompõe a água
oxigenada, que liquefaz amido de amidon e pode ser dissolvida, sofrendo alterações
químicas, em ácido clorídrico muito diluído. (6) Os microzymas de fibrina no amido
liquefeito sofrem evolução vibracional, apesar da presença de creosote. (7) A
fibrina liquefaz espontaneamente em água carbolizada sem que os microzymas sofram
evolução vibracional. (8) Os microzymas fibrinosos são especiais; eles podem
produzir fermentação láctica e butírica em amido liquefeito. (9) Matérias
albuminóides naturais são misturas, redutíveis por análise direta em princípios
proximais exatamente definidos. (10) As matérias albuminóides reduzidas a
princípios próximos são moléculas muito complexas compostas por outras menos
complexas, amidas e seus derivados das séries gordo e aromática. Existem moléculas
menos complexas, constituindo uma molécula albuminóide, quaternários como a uréia,
quinários como a taurina, que é sulfurada; como a hematosina, que é ferruginosa; a
caseína, além da molécula sulfuretada, contém uma que é fosfuretada; tem então seis
elementos. (11) Existem várias fibrinas constituídas como as do sangue. (12) Há um
grande número de diferentes albúmenes específicos que a coagulação não diferencia.
(13) Os zymas são assuntos especiais de albuminóides, igualmente definidos como
princípios próximos; eles são sempre um produto funcional dos microzymas. (14) O
líquido amarelo do sangue, além do seu albúmen, contém um hemozymas. (15) A
hemoglobina do corpúsculo vermelho, reduzida a um princípio próximo definido,
decompõe a água oxigenada por sua molécula feruginosa não complexa, a hematosina, e
se torna incolor. (16) O corpúsculo vermelho do sangue é uma verdadeira célula,
possuindo uma parede celular e seu conteúdo adequado. Este conteúdo é constituído
principalmente por hemoglobinas e granulações moleculares micro-zimianas, dos quais
os microzymas decompõem a água oxigenada como os da fibrina. (17) O sangue contém
um terceiro elemento anatômico, os granulares hemamáticos-microzymian-moleculares.
É a atmosfera albuminóide dessas granulações que forma, por transformação
alotrópica, a gangue intermicroenzima da membrana falsa chamada fibrina. (18) O
tecido que flui é um conteúdo em que os vasos, artérias, veias e seus anexos formam
o recipiente. (19) As três ordens de elementos anatômicos do tecido que flui apenas
encontram suas condições de existência completas em seus recipientes durante a
vida. (20) Após a emissão pelos vasos dessas condições de existência, deixando de
ser cumprida, começa a alteração do tecido que flui. (21) Os microzymas das
diferentes partes do sistema circulatório possuem a propriedade de decompor a água
oxigenada sem ser absolutamente característica deles, pois os microzymas de
amêndoas e outras partes de plantas e leveduras de cerveja também possuem essa
propriedade. Mas existem tecidos animais cujos microzymas não retiram o oxigênio da
água oxigenada. (22) Os microzymas, elementos anatômicos, são seres vivos de uma
ordem especial sem análogo. (23) As alterações espontâneas das matérias animais
naturais, independentemente de os microzymas terem ou não sofrido evolução
vibracional, graças ao livre acesso do ar, levam sempre, em determinadas condições,
à destruição completa por oxidação do produto dessas alterações; isto é, reduza-os
à condição mineral, ácido carbônico, água e nitrogênio. Mas os microzymas sob cuja
influência a oxidação é efetuada não são atacados; de tal maneira que tudo o que é
princípio puramente próximo em um tecido, em uma célula e na bactéria, tendo
sofrido destruição total, os microzymas permanecem e prestam testemunho da
existência da organização desaparecida. (24) Os microzymas geológicos de certas
rochas calcárias e de giz, os do pó das ruas e do ar também testemunham os
microzymas que funcionavam como elementos anatômicos nos tecidos dos organismos das
épocas geológicas, mesmo quando funcionam naqueles do tempo presente. (25) Aquilo
que no ar foi chamado de germe é essencialmente o microzio de toda a destruição de
um organismo vivo. (26) O ar normal não contém germes preexistentes nem coisas que
foram inadequadamente denominadas micróbios, que devem subir de uma idade para
outra até os pais que se parecem com eles. (27) O ar normalmente não contém
microzymas patogênicos. O bacterídio de carbono da Davaine no produto da evolução
de microzymas doentes, seja de granulações hemamático-microzymian-molecular-
granulation, ou aqueles dos glóbulos sanguíneos. (28) Não existe matéria viva que
não seja morfologicamente definida; o que foi chamado protoplasma na célula sempre
contém microzymas como elementos anatômicos.

POSTFACE do AUTOR .

Este postface consiste em uma nota lida pelo professor Béchamp antes da Academia de
Medicina em 3 de maio de 1870. Estabelece uma data importante na história da
ciência durante as últimas três décadas do século passado. As doutrinas microbianas
ainda não foram imaginadas; nem foram, até vários anos depois, como resultado do
plágio da teoria microzymiana. MICROZIMAS, PATOLOGIA E TERAPÊUTICA. Chauffard
publicou recentemente um importante trabalho sobre o tratamento da varíola pelo
ácido carbólico. Suas conclusões me interessam muito e eu queria deixar o assunto
claro para a Academia. Em uma nota que apareceu nas Transações da Academia de
Ciências (Vol. LXVI, p.366), eu disse, em referência a uma nota de Chauveau sobre
as granulações moleculares do vírus da vacina: "A partir do estudo e significado da
molécula granulações que nascem ou atuam em certas fermentações e que denominei
microzymas, para o estudo e significado daquelas que existem normalmente em todos
os tecidos dos seres organizados, e também nas células desses tecidos, era natural.
, foi extremo quando vi Chauveau entrar nesse caminho e, de outro ponto de vista,
confirmar as observações feitas no laboratório do químico.Eu disse de outro ponto
de vista; eu estava errado, porque do ponto de vista fisiológico onde eu me
colocara e de onde estudei o que é chamado fermentação, os experimentos de
Chauveau, sobre as granulações moleculares do vírus da vacina, estão intimamente
ligados aos meus.Eu coloco as granulações moleculares em soluções simples assuntos;
Chauveau nas questões orgânicas e organizadas dos seres vivos. "Há muito tempo,
certas doenças são comparadas às fermentações. Podemos voltar para Stahl e Willis e
provavelmente ainda mais cedo para isso, embora isso não seja importante, pois,
como foi comentado por Babinet, "a Antiguidade contou tudo; quando foi realmente
revelado, foi simplesmente um acidente maravilhoso e não provou nada. "Minhas
pesquisas sobre fermentações e fermentos, particularmente granulações moleculares,
datam de quinze anos, e aquelas que o professor Estor e eu conduzimos com o
objetivo de generalizar minha observações anteriores levaram a esse resultado: que
o animal é redutível ao microzima, mas o microzima, qualquer que seja sua origem, é
um fermento; é organizado, é vivo, capaz de se multiplicar, de adoecer e de
transmitir doenças. microzymas são fermentos da mesma ordem - ou seja, são
organismos capazes de produzir álcool, ácido acético, ácido lático e ácido
butírico.Em um estado de saúde, os microzymas do organismo agem harmoniosamente, e
nossa vida é, em todos os significados da palavra fermentação regular: em um estado
de doença, os microzymas não agem harmoniosamente e a fermentação é perturbada; os
microzymas mudaram de função ou são colocados situação normal por alguma
modificação do meio. Foi isso que tentei esclarecer com um exemplo positivo de um
tipo que não deixaria espaço para mal-entendidos, nem a extensão, nem a orientação
da conclusão. A função harmoniosa do ovo de um pássaro é produzir um pássaro.
Durante a incubação, os atos químicos que são realizados dentro dela resultam na
transformação dos materiais da gema e do branco nos vários compostos químicos que
formarão os vários órgãos do animal completo. Enquanto esses atos químicos estão
sendo realizados, nenhum outro gás além dos gases normais da respiração é liberado.
Mas, se o que será o embrião é extraído do óvulo, ele não contém nada organizado
além dos microzymas. Aquilo que será o embrião é ele próprio, a princípio, apenas
uma coleção de microzimas. Do ponto de vista químico, tudo dentro do ovo é o
trabalho dos microzymas. O que acontecerá se, no ovo, começarmos a misturar os
elementos dentro do ovo que não estavam destinados a serem misturados? Donne disse
e demonstrou que o ovo se torna podre. Eu sou da mesma opinião, mas isso tem que
ser explicado. Se, como foi feito por Donne, tudo no ovo é misturado por agitação
violenta, logo se observa uma fuga de gás ácido carbônico, hidrogênio e um traço de
hidrogênio sulfurado. Quando a fuga de gás cessa, o conteúdo do ovo, por ser
alcalino como era antes da mistura, tornou-se ácido; o odor é desagradável, mas
apenas brincalhão, distinto do odor horrível de ovos podres, que são alcalinos. Se
examinarmos o que aconteceu com os materiais do ovo, as substâncias albuminóides e
os assuntos gordurosos permanecerão inalterados. O açúcar e as questões
glicogênicas desapareceram e, em seu lugar, encontramos álcool, ácido acético e
ácido butírico. O que ocorreu então não foi uma putrefação, mas uma fermentação
distintamente caracterizada. A agitação violenta não matou nada que foi organizado
dentro do ovo; apenas a ordem do seu conteúdo foi perturbada. Os microzymas foram
jogados na mídia que não era para eles; os brancos na gema e vice-versa. Tendo sido
forçados a alimentar-se com materiais não destinados a eles, eles reagiram de uma
nova maneira, mas sem nenhuma mudança em sua natureza ou aparência. Eu poderia
multiplicar esses exemplos e mostrar que o mesmo microzima, livre ou encerrado em
uma célula, atua na condição anterior como um fermento láctico ou butírico, no
último como um fermento alcoólico. Eu relatei o exemplo do que acontece no ovo,
porque neste caso nada de estrangeiro interfere; fundamentalmente, o ovo é um
animal em posse. Mas os microzymas podem ser considerados de outro ponto de vista.
Não são apenas fermentos individualmente, mas também são capazes de produzir
bactérias. Essa capacidade, igualmente para todos, não se manifesta igualmente para
todos nas mesmas condições. Isso significa dizer que em cada grupo natural de
seres, e também dentro de cada centro de atividade de cada organismo, os microzymas
possuem uma certa especificidade. O que quero dizer é que os microzymas de cães,
ovelhas, pássaros, etc, e os do fígado, pâncreas ou sangue, por exemplo, embora
tenham aparência morfologicamente idêntica e até mesmo quimicamente idênticos em
certos aspectos, são diferentes. O que é notável é que a bactéria derivada do
microzima possui a mesma função que esse microzima; é um fermento da mesma ordem. O
microzima não é apenas um construtor da bactéria, mas também um construtor da
célula; mas nessa nova condição, suas funções podem ser totalmente alteradas. Os
microzymas que são fermentação butírica e que produzem bactérias que também são
fermentos butíricos, podem produzir células que são fermentos alcoólicos.
Finalmente, o microzima pode ficar doente e comunicar a condição de doença. A
primeira vez que minha atenção foi chamada para esse assunto foi em relação aos
meus estudos sobre as doenças do bicho da seda. Ao examinar os ovos de um viveiro
em que havia muitos morts-flat, fiquei impressionado com a presença nesses ovos de
granulações moleculares, móveis como os outros, mas mais abundantes, dos quais um
grande número parecia unido em 2, 3, e 4 grãos, como os terços dos microzymas.

Perguntei-me se poderia não haver uma relação de causa e efeito.


Todos os ovos que apresentavam essa característica produziam morts-flats, e os
vermes que não morriam produziam borboletas que, por sua vez, produziam ovos com
esse mesmo caráter. Finalmente, quando a doença estava pior, o animal e às vezes os
ovos continham bactérias. Existe então para o bicho-da-seda uma característica que
permite dizer, ab ovo, que a lagarta que nascerá desse ovo sofrerá uma certa
doença. Ainda não tive a oportunidade de estudar os diferentes vírus desse ponto de
vista, mas há poucas dúvidas de que os da varíola e da sífilis contêm microzymas
específicos, ou seja, transportam a doença do indivíduo de onde se originam. Esses
dois exemplos levaram à proposta da especificidade de certas doenças chamadas
infecciosas. Eu não contradiz isso. No entanto, quando vemos que a varíola e a
sífilis são inoculáveis em certos animais, e que o antraz não é transmissível a
cães nem ainda a pássaros, certamente é correto perguntar por que! A [a. A
admirável cautela desse verdadeiro homem da ciência é digna de nota. Quando quase
todo o mundo científico enlouqueceu com a crença na "especificidade da doença", M.
Béchamp diz apenas: "Eu não contradiz isso". O tradutor é de opinião que a doença
não é uma entidade - uma coisa - mas uma condição, e que a opinião de ser uma
entidade é responsável por muitos dos erros da medicina moderna. Os motivos de sua
opinião serão apresentados em uma oportunidade adequada. Uma grande seita, que se
autodenomina "cientistas cristãos", nega a realidade da doença e diz que é "um
erro". Não há dúvida de que grande parte das doenças, especialmente de muitas
pessoas ricas, é apenas imaginária, e elas podem ser curadas pela ciência cristã,
cura mental, sugestão hipnótica e coisas do gênero. Não consegui encontrar nenhuma
base racional para o restante das reivindicações desses sectários. O desejo de
tantos médicos de impedir que essas pessoas tentem curar aqueles que desejam ser
tratados por elas é do mesmo tipo das perseguições iniciadas por Torquenmado e
praticadas atualmente pela Igreja Russa. - . Não obstante muitos trabalhos
notáveis, nada é mais obscuro do que a causa que preside o desenvolvimento de
doenças e sua comunicabilidade. Mas o que podemos afirmar é que, quando estamos
doentes, somos nós que sofremos e que o sofrimento é uma realidade cruel. Isso
ocorre porque a causa de nossa condição de doença está sempre dentro de nós mesmos.
As causas externas contribuem para o desenvolvimento da aflição e, portanto, da
doença, apenas porque provocaram alguma modificação material do meio em que vivem
as partículas últimas da matéria organizada que nos constitui, a saber, os
microzymas. Essas causas externas, por uma sucessão de mudanças provocadas, e
dependendo de uma multidão de variáveis, provocam correlativamente uma mudança
adicional, a qual se refere precisamente ao status fisiológico e químico dos
microzymas. A tendência das pesquisas mais recentes é mostrar que os miasmas, como
os vírus, contêm organismos microscópicos vivos, algo análogo aos microzymas e
bactérias, que proliferam no sangue ou nos tecidos do animal e o tornam doente. Não
acredito que as coisas aconteçam dessa maneira. Todo fenômeno que tem uma causa,
admito a existência de partículas organizadas em miasmas, mas não acredito em sua
proliferação no organismo, uma proliferação que em nenhum lugar foi comprovada até
o momento e que muitos experimentos contradizem positivamente. Dois autores, por
exemplo, que concordam em considerar a pústula maligna como fermentação e que
também concordam que o sangue de um animal atacado por uma doença pode comunicá-lo
a outro animal da mesma espécie, não concordam mais quando tentam explicar o que
eles observam. Para Davaine, a virulência do sangue carbuncular é devida às
espécies de bactérias às quais ele deu o nome de bacteridium. Para Sanson, essa
virulência se deve a uma mudança pútrida específica no sangue. Segundo ele, as
bactérias não têm nada a ver com isso. Freqüentemente eles não são encontrados
nela; nada organizado pode ser visto. Ele até duvida que as bactérias sejam
animais, plantas ou seres vivos. E o autor observa - e desta vez verdadeiramente -
que a matéria podre de albuminóides, embora contenha bactérias e até bacterídios,
não pode comunicar o antraz, mesmo para um animal suscetível a ele. O que tudo isso
significa? Se nem as bactérias nem os produtos da putrefação de matérias
albuminóides comunicam antraz? Vou tentar explicar essas contradições. Davaine fez
um experimento que considero muito importante nessa questão. Ele inoculou algumas
plantas muito parenquimatosas com alguma matéria podre de plantas, na qual estava
presente um termo de bactéria ou algo semelhante. Em uma opuntia e em um aloés, ele
disse, as bactérias se propagaram enquanto preservavam seus caracteres primitivos.
Inoculados dessas plantas para outro aloe, deram à luz filamentos longos divididos
em 2, 3 ou 4 artigos ou segmentos. Esses longos filamentos, inoculados em uma nova
espécie de aloe, produziam corpúsculos em um pó fino. Por fim, as bactérias longas,
inoculadas nas espécies de opuntia e aloés, que foram os sujeitos das primeiras
inoculações, reproduziram o termo da bactéria. Esses fatos não podem ser
contestados. A autoridade de Davaine os garante, mas a interpretação deles parece-
me aberta a questionar. Por outro lado, quando examinei as partes congeladas de
várias espécies de plantas (pertencentes a várias famílias), nas quais antes da
congelação não havia nenhuma lesão, eu sempre encontrava bactérias de vários tipos,
para não dizer espécies, de acordo com para a natureza específica da planta
congelada e nas partes saudáveis, adjacentes a esta, não havia vestígios de
bactérias; nada além de microzymas normais. Isso prova que as bactérias podem se
desenvolver nas plantas sem inoculação, assim como elas podem se desenvolver e até
existir normalmente no homem por todo o comprimento do canal digestivo. [a
"Aptidões individuais", isto é, ela alterou o meio, anormal e, portanto, doente, e
produtivo de uma condição doente, mas não necessariamente a da matéria inoculada. -
. Eu explicaria então o experimento de Davaine dizendo que, pela ferida e pela
introdução nessa ferida de certas bactérias e dos líquidos que as saturam, esse
savant produziu uma lesão e uma mudança de meio que permitia o normal microzymas
das plantas inoculadas para evoluir de acordo com suas próprias aptidões
individuais, a e não houve proliferação da bactéria inoculada. É o mesmo com os
animais. Não são os organismos inoculados que se multiplicam, mas sua presença e o
líquido que os satura causam uma mudança no meio circundante que permite que os
microzymas normais do organismo evoluam de maneira doente, atingindo ou não o
estado de uma bactéria. . A doença não é conseqüência do novo modo de ser dos
microzymas normais; a febre que se segue é apenas o resultado desse novo método de
funcionamento e do esforço do organismo para se livrar dos produtos de uma
fermentação e desassimilação anormais, enquanto induz um retorno dos microzymas
doentes à condição fisiológica. Essa teoria, baseada em fatos apurados por
experimentos indiscutíveis, explica, entre outras coisas, por que o sangue de
ovelhas carbunculares contendo bacterídios inoculados em cães ou pássaros não induz
o aparecimento de bacterídios e o desenvolvimento da doença carbuncular, como
Davaine demonstrou. mostrando. Mas existe alguma diferença nos materiais puramente
químicos do sangue de um cachorro, um pássaro e uma ovelha? Eles contêm o mesmo
albuminóide e outros assuntos, os mesmos sais, os mesmos corpos gordurosos e, sob
outras condições, os microzymas encontrados ali certamente evoluem para bactérias.
A única diferença que existe, como é comprovado pelo próprio experimento, deve
estar nos elementos histológicos do sangue desses animais e em sua suscetibilidade
desigual. Se então as bactérias inoculadas em pássaros e cães não se multiplicam
como deveriam, certamente não é que o meio químico seja diferente; e se o antraz
não resultar da inoculação, é porque os microzymas desses animais são inadequados
para evoluir mórbidamente sob a influência do meio que promove a introdução de
materiais mórbidos. Em resumo, os microzymas são fermentos organizados e, em
circunstâncias favoráveis, podem produzir bactérias. Sob outras circunstâncias,
eles se tornam construtores de células. Todos os organismos, ab ovo, são criados
por eles. Em suma, a célula, a própria bactéria, pode remarcar um microzima e,
portanto, os microzimas são vistos como o começo e o fim de toda a organização. Se
isso é verdade, devemos encontrá-los onde quer que os seres organizados tenham
vivido; e o fato é que eu os encontrei em todas as rochas calcárias, do oolítico ao
mais recente; as poeiras de nossas ruas fervilham com eles, e ali como em toda
parte são fermentos da mesma ordem. Nem todos eles são mórbidos. Se fossem,
estaríamos vivendo sob uma ameaça constante; mas pode haver mórbidos entre eles.
[uma. Não seria mais agradável aos fatos descobertos pelo Prof. Béchamp considerar
os microzymas muito menores que resultam da evolução final, como a prole real dos
microzymas parentais através das bactérias, como a borboleta da borboleta
progenitora através da crisálida? - . Que relação há entre o exposto e o trabalho
que lembrei no início? A seguir, faz muito tempo, desde o início de minhas
pesquisas sobre fermentos em um momento em que ninguém se ocupava da questão da
geração espontânea, desde que demonstrei (em oposição às idéias geralmente
recebidas) que creosoto (e ácido fenênico, pois, nessa época, esse ácido era
vendido como creosoto, especialmente na França), em uma dose não coagulante, não
impedia uma fermentação que já havia começado. Eu mostrei que na mesma dose, esses
agentes impediam o aparecimento de fermentos organizados nas misturas mais
fermentiscíveis. E dei como explicação para isso
o fato de eles se oporem à germinação ou eclosão dos germes de micrófitos ou
fermentos de micro-ar que o ar poderia trazer para as misturas, confirmando assim
um antigo experimento de Humer, lembrado por Chevreul, e precisamente provado por
isso. savant, isto é, que os vapores da essência da terebintina, em um espaço
confinado, dificultavam a germinação de sementes e causavam a destruição daquelas
que começaram a germinar. Também demonstrei que as mesmas doses desses agentes não
impediam o músculo fresco de atuar sobre o amido de férula, para liquefazer e
causar fermentação, nem, finalmente, o aparecimento de bactérias na mistura.
Concluí daí que o músculo deve conter fermentos já desenvolvidos, vivos e ativos
por si mesmos, uma vez que o creosoto não impediu o início da fermentação. Essa
observação foi o ponto de partida para as pesquisas que Estor e eu realizamos sobre
a evolução dos microzymas dos organismos superiores em bactérias. Ao encerrar
minhas primeiras observações, em 1866, aconselhei o uso de creosoto e ácido fênico
na criação de bichos da seda, com o objetivo de impedir o nascimento do corpúsculo
vibratório, que é o parasita vegetal da pebrina. No mesmo período, o Dr. Masse,
partindo do mesmo ponto de vista, empregou o mesmo agente para secar a fecundidade
dos esporos dos microsporons mentagrophytes da sicose parasitária. Em 1868, meu
amigo, o Dr. Pecholier, inspirado em idéias semelhantes, publicou suas pesquisas
sobre o tratamento da febre tifóide pelo creosoto; ele propôs impedir o
aparecimento e a multiplicação do fermento tifóide. Mais tarde Gaube publicou um
trabalho em confirmação do Dr. Pecholier. No mesmo ano, Calvert relatou os
experimentos feitos nas Ilhas Maurício pelos drs. Barrault e Jessier sobre a
aplicação de ácido fenênico no tratamento de febre tifóide e febres intermitentes.
A descrição acima é a conexão das idéias e da origem do emprego de creosote e ácido
carbólico na terapêutica. A teoria desse emprego é a seguinte: O creosote seca a
fecundidade dos germes que produzem doenças, em conformidade com os princípios
enunciados por mim em 1857. O experimento a seguir, mantendo o princípio, lhe
confere um significado mais amplo e o coloca em conexão com as primeiras partes
deste discurso. [uma. Condições de doença. - Trans] O fermento de cerveja é um
organismo completo, embora reduzido ao estado de uma simples célula. Como fermento
alcoólico, em meio açucarado, preserva indefinidamente sua forma celular. Mas sob
outras condições, as coisas acontecem de maneira diferente. O fermento de cerveja,
como já foi dito, não causa a fermentação do amido; isso é um erro; faz fermentar,
mas de uma maneira diferente do açúcar - isso é tudo. Se for introduzido no amido
da férula, com algum carbonato de cálcio muito puro (não das rochas calcárias),
sendo todo o creosote impedido a influência dos germes do ar, o amido será
liquefeito, uma fermentação será iniciada e o fermento desaparece aos poucos e é
finalmente substituído por uma quantidade inumerável de bactérias excelentes. A
fermentação é acética, láctica e butírica, em vez de alcoólica. Pode-se dizer que
foram as bactérias que foram os fermentos; concedido, mas observe que essas
bactérias são a questão do fermento da cerveja, de seus microzymas. Isso
estabeleceu, em outros experimentos, as mesmas quantidades de levedura, carbonato
cálcico e amido sendo empregadas, e duplicou e triplicou a quantidade de creosoto,
o amido ainda era liquefeito e a fermentação prosseguia, mas os glóbulos do
fermento não eram destruídos, e a bactéria não apareceu. O fermento não foi morto;
o creosote, quando usado em maiores quantidades, apenas impediu a evolução dos
microzymas em bactérias. O creosote, que resiste ao florescimento dos germes de
micrófitos e microzoairs em meios fermentiscíveis, impedindo assim o início da
fermentação, não impede uma fermentação já iniciada e onde já existem organismos
adultos. Mas, em certas doses, é um agente moderador que, de acordo com os
experimentos mencionados, regula a função da célula e de seus microzymas, o que
impede a evolução para bactérias. A explicação do papel do ácido carbólico e do
creosoto na terapêutica é fácil de entender, se forem levadas em consideração as
pesquisas que permitiram que esse resumo apressado fosse feito. Esses agentes não
impedem o funcionamento fisiológico dos elementos histológicos do organismo, mas
detêm a evolução mórbida dos microzymas, a destruição muito rápida das células e
tendem, sem dúvida modificando o meio, a trazer de volta à harmonia o
funcionamento. dos microzymas desviados. Isso lembra inevitavelmente os agentes
usados nos antigos dispositivos terapêuticos que nossos ancestrais empregavam;
cânfora, essências, almíscar, etc. É verdade que foi empiricamente que eles
cumpriram as indicações que, depois de muitos desvios, agora fornecemos como eles,
mas, em vez disso, usamos novos métodos que dependem de dados experimentais e
positivos.a [a. Essa expressão, e algumas declarações nas partes desse "pós-rosto"
imediatamente anterior a ela, foram citadas por microbiologistas para apoiar a
afirmação de que M. Béchamp acreditava na teoria germinativa das doenças. Tal
afirmação ilustra uma consciência da fraqueza de sua posição e seu desejo de chamar
ajuda ocasionalmente expressões de seus oponentes. A verdade é que a palavra
"germe" é usada de maneira rápida e solta pelos microbistas, e há um significado
nela que pode ser dito que "germes" produziram essa ou aquela condição doente. Tudo
isso serve para mostrar a importância da exatidão no uso da linguagem, fato
raramente lembrado ou praticado por esses sábios. Seria fora do lugar entrar em uma
dissertação aqui; além disso, a própria teoria está destinada a cair "com uma
grande explosão de bolhas". tão logo os escritos do professor Béchamp se tornem
amplamente conhecidos. Seu "Microzymas et Microbes" e sua designação da teoria
microbiana em "Les grands problemes medicaux". p. 11, como "La plus grande sottise
scienceifique de ce temp", indica suficientemente sua opinião. - . E, em conclusão,
peço a permissão da Academia para repetir aqui algo que o professor Estor e eu
dissemos em um trabalho recente sobre esse assunto: "Após a morte (deixando aqui o
domínio da patologia para entrar no de a fisiologia das espécies), é essencial que
a matéria seja restaurada à sua condição primitiva, pois só foi emprestada por
algum tempo ao ser vivo organizado.Em anos recentes, um papel extravagante foi
atribuído aos germes transportados pelo ar; pode trazê-los, é verdade, mas não é
necessário fazê-lo. " Os microzymas, no estado de bactérias ou não, são suficientes
para garantir por putrefação a circulação da matéria. O ser vivo, cheio de
microzimas, carrega em si os elementos essenciais para a vida, doença, morte e
destruição. E que essa variedade de resultados pode não nos surpreender muito, os
processos são os mesmos. Nossas células, é uma questão de constante observação,
estão sendo continuamente destruídas por meio de uma fermentação muito análoga à
que se segue à morte. Penetrando no coração desses fenômenos, poderíamos realmente
dizer, não fosse pela ofensividade da expressão, que estamos constantemente
apodrecendo!

Notas:
Aqui, para as pessoas a quem possa interessar, segue uma lista de memórias e
artigos em que pode ser encontrada a sucessão histórica das idéias que permitiram
escrever o currículo contido no postface:

Sobre a influência que a água pura ou a água carregada com vários os sais exercem-
se a baixa temperatura (um froid) sobre o açúcar de cana (bolores e gerações
espontâneas). Annales de chimie et de physique. 3e série, vol. XLVIII (1855 e
1856). CR, vol. XL, p. 436. e vol. XLVI, p. 44, e Annales de chimie et de Physique,
3e série. Vol. LIV, p. 28 (1858). Memórias sobre gerações chamadas espontâneas e
sobre fermentos. Anais da Sociedade Linne de Maine et Loire, vol. VI (1863), e ver
CR. Vol. LVII. p. 958. Nota sobre a fermentação alcoólica. C. R ,, de 1'Academic
des Sciences, vol. LVIII, página 601 (1864), e Montpellier Medical, vol. XII. Após
fermentação alcoólica. Resposta a M. Berthelot CR, vol. LVIII, p. 1116 (1864). Em
alguns novos fermentos solúveis (Anthozymas). CR. Vol. LIX. p. 496 (1864). Sobre a
origem dos fermentos de vinho. C. R, vol. LIX p. 626 (1864).

Na fuga do calor como produto da fermentação alcoólica. CR, vol. LX, p. 241 (1865).
Memórias sobre nefrozymase. Montp. Med .. Vols. XIV e XV. Sobre a causa que
amadurece os vinhos. CR. Vol. LXI. p. 408 (1865) e vol. LXIX. p. 892 (1869). Na
exaustão fisiológica e na vitalidade do fermento de cerveja. CR, vol. LXI, p. 689
(1865). Sobre a inofensividade dos vapores do creosote na criação do bicho da seda.
CR Vol. LXII p. 1341 (1866). Sobre a doença parasitária do bicho da seda. CR, vol.
LXIII. 311, 341, 391, 425, 552, 693, 1 147 (1866), vol. LXIV, pp. 231, 873.980,
1042, 1043. 1185 (1867); Vol. LXV, p. 42; Vol. LXVI, p. 1 160 (1868) -Vol I .XVII.
102. 443 (1868); Vol. LXLX, p. 159 (1869). (Sobre o papel das terras calcárias nas
fermentações butíricas e lácticas e dos organismos vivos que elas contêm
(microzymas). CR, Vol. LXIII, p. 451 (1866). Microzymas nas águas de Vergeze. CR,
vol. LXIII, p.559, e Bull.Soc.Ch., Vol.VI, p.9 e Vol. VII, p.159 (1866), sobre o
papel dos organismos microscópicos da boca na digestão e, especialmente, na a
formação da diástase salivar: em comum com o Prof. Estor e Saintpierre, Mont. Med.,
Vol. XIX, sobre as granulações moleculares das fermentações e dos tecidos dos
animais (microzymas) .RC, Vol. I, XVI. pp. 366 1382 (1868) Sobre a natureza e
função dos microzymas do fígado, em conjunto com o Prof. Estor. C. R, Vol. UCVI, |
i I, I (IHftS). Sobre a origem e desenvolvimento do bactérias; em conjunto com o
Prof. Estor. CR. Vol. LXVI, p. 859 (IHftH) Sobre a redução de nitratos e sulfatos
nas fermentações de cenainas CR, Vol. LXVI, p. 547 IIIU.H) Sobre as substâncias
espontâneas fermentação de ovos. CR. Vol. LXVII. p. 523 (1868). Sobre os microzymas
do tubérculo pulmonar no estado cretíssimo; em conjunto com o Prof. Estor. CR, vol.
LXVII. p 9600 (1868) Fatos para servir na história da origem das bactérias;
desenvolvimento natural dessas pequenas plantas nas partes congeladas de várias
plantas. CR, vol. LXVIII. p. 466; Mont. Med., Vol. XXII, p. 320 (1869). Conclusões
relacionadas à natureza da mãe do vinagre e aos microzymas em geral. CR, Vol.
XVIII, p. 877; Gazette Medicale de Paris, 8 de maio de 1869. Sobre a fermentação
alcoólica pelos microzymas do fígado. CR, vol. LXVIII, p. 1567 (1869). Pesquisas
relacionadas aos microzymas do sangue e à natureza da fibrina; em conjunto com o
Prof. Estor. CR Vol. LXIXp 713 (1869). Nota para uso na história dos microzymas
contidos nas células animais; pelo Prof. Estor. CR, vol. LXVII, p. 529 Sobre a
natureza e origem dos glóbulos sanguíneos; em conjunto com o Prof. Estor. C. R,
vol. LXX, p. 265 (1870) Sobre os microzymas geológicos de diversas fontes. CR, Vol.
LXX p. 914 (1870). Nas fermentações carbônicas e alcoólicas do acetato de sódio e
do oxalato de amônio. CR, vol. LXX. 69 (1870). Veja também:

Sobre a circulação de carbono na natureza e os instrumentos dessa circulação;


exposição de uma teoria química da vida da célula organizada; por A. Béchamp,
Paris, Asselin; Montpellier, Seguin. Dos microzymas dos organismos superiores;
pelos Srs. A. Béchamp e A. Estor. Mont. Ed. Vol. XXIV, p. 32. Exposição da teoria
fisiológica da fermentação, de acordo com as pesquisas do professor Béchamp, por M.
Estor. Messager du Midi (1865). [O aluno deve entender que a lista acima compreende
apenas uma pequena fração do trabalho científico do falecido professor A. Béchamp;
uma lista completa, embora ainda imperfeita, ocupa oito das grandes páginas do
Moniteur Scientifique (Paris) em dezembro de 1908, e esses trabalhos foram
distribuídos por 53 anos, de 1853 a 1905, inclusive. O gênio foi definido como,
pelo menos em um aspecto, a "faculidade para tomar dores infinitas", e essa
faculdade era possuída por M. Béchamp em um grau quase infinito. O mundo ainda não
aprendeu o quanto deve a esse extraordinário gênio. O reconhecimento será resistido
por todos os interesses que engordam na ignorância e na confiança confiante do
povo. Mas, graças a suas pesquisas e descobertas que não pode ser muito antes de a
profissão médica irá reconhecer os perigosos erros em que foi liderada por aqueles
que conseguiram estabelecer uma "conspiração do silêncio" em torno Béchamp e suas
descobertas .

Sobre Béchamp segue uma breve biografia:


Pierre, Jacques Antoine, Béchamp | Encyclopedia.com
Dicionário completo de biografia científica

(b. Bassing, Moselle, França, 16 de outubro de 1816: d. Paris, França, 15 de abril


de 1908)
química, bioquímica.
Béchamp, filho de um moleiro, deixou a França em tenra idade para morar em
Bucareste, onde estudou farmácia, provavelmente no St. Sava College. No final da
adolescência, mudou-se para Estrasburgo, onde aprendiz de farmácia e obteve o
título de farmacêutico em 1843. No entanto, ele rapidamente abandonou a farmácia
para retomar sua educação. No início de 1851, ele foi nomeado professeur agrégé por
um júri, incluindo Louis Pasteur, Béchamp lecionou na Faculdade de Ciências de
Estrasburgo (1853-1854), onde sucedeu a Pasteur, e depois na Escola de Farmácia de
Estrasburgo (1854-1856), em 1853 obteve seu doutorado em ciências físicas e em 1856
ele recebeu o doutorado em medicina com uma importante tese sobre substâncias
albuminóides.
De 1856 a 1876, Béchamp ensinou química médica na Faculdade de Medicina de
Montpellier, renunciou ao cargo lá para se tornar reitor da Faculdade de Medicina
Livre (Católica) de Lille. Aposentou-se do último cargo em 1886, em meio a uma
amarga controvérsia. Com o filho dele Béchamp retomou o comércio farmacêutico de Le
Havre, a morte acidental de seu filho, não é químico, levou Béchamp a se mudar para
Paris, onde a hospitalidade generosa de Charles Friedel lhe proporcionou um pequeno
laboratório. Lá ele realizou experimentos até 1899.
Béchamp fez descobertas em vários campos. Sua tese de doutorado de 1856 levou a um
tratado volumoso (1884). Através de um uso hábil e sistemático do atividade óptica
de substâncias albuminóides, Béchamp foi capaz de distinguir um grande número de
compostos complexos que seus predecessores, confiando em métodos analíticos mais
comuns, não conseguiram descobrir; ele também desenvolveu um processo industrial
barato para produzir anilina 1852) e, assim, contribuiu grandemente para o
surgimento da indústria de corantes sintéticos. Para este trabalho em particular, a
Société Industrielle de Mulhouse concedeu a Béchamp o Prêmio Daniel Dollfus (1864)
em conjunto com WH Perkin AW von Hofmann e E. Verguin. Ele também identificou a
natureza parasitária de duas doenças do bicho-da-seda e, nesse contexto, antecipou
os resultados de Pasteur. Os dois se tornaram rivais amargos sobre esse assunto.
A teoria da vida de Béchamp, no entanto, constituía o principal impulso de sua
atividade e também trouxe uma série interminável de disputas, com Pasteur em
particular. Ele não aceitou nem a geração espontânea nem a teoria parasitária da
doença e da fermentação. Em vez disso, ele alegou que toda a vida era derivada de
pequenas "granulações moleculares" subcelulares, caso contrário, como micozymas.
Béchamp, por engano, gostava de comparar seu projeto com Lavoisier e, de fato, os
microzymas desempenharam um papel análogo aos elementos químicos. Eles diferiam dos
elementos, no entanto, pelo fato de serem considerados os fundamentos finais das
estruturas vivas, enquanto para Lavoisier os elementos existiam apenas como
construções experimentais.
Quando os organismos vivos morrem, argumentou Béchamp, eles revertem para
substâncias químicas inertes e microzymas, sendo os últimos essencialmente eternos.
Os microzyams também atuam como o princípio organizador dos seres vivos. A maneira
pela qual a organização prossegue, no entanto, depende tanto das substâncias
químicas realmente presentes e das circunstâncias quanto da natureza dos
microzymas. Em outras palavras, os microzymas não têm especificidade de ação, assim
como os micróbios na teoria de Pasteur; pelo contrário, são bastante polivalentes.
A força da teoria de Béchamp repousava em sua capacidade de usar um único princípio
para explicar uma ampla gama de fenômenos; com ele, ele poderia explicar resultados
tão contraditórios como os apresentados por Pasteur e Pouchet no curso de sua
famosa controvérsia sobre geração espontânea. Mas essa também era a fraqueza da
teoria de Béchamp: ela explicava demais sem se prestar a testes experimentais. Sua
base empírica repousava em duas afirmações gerais: o microscópio revela granulações
moleculares; e sempre que (e aparentemente apenas quando) granulações moleculares
aparecerem. processos de vida ocorrem.
É claro que a alegação de ter descoberto o local material básico da vida, expressa
em termos científicos e reforçada pelo método científico, teve importância direta
para debates extra-científicos. Não surpreende, portanto, que a teoria de Béchamp
tenha sido confirmada ou atacada por católicos, evolucionistas e materialistas. Mas
estar no centro de muitas questões controversas nem sempre é a melhor maneira de
seguir uma carreira de sucesso, especialmente se alguém estiver confinado a cargos
de professor provinciais; e Béchamp terminou sua vida em isolamento quase completo.
Ele morreu ignorado pela maioria e elogiado como mártir científico por alguns.

BIBLIOGRAFIA

I. Trabalhos Originais. Existem 245 artigos de Béchamp listados no sociedade Real


Catálogo de Artigos Científicos. 1 226-228; VII 113-116; IX 156-157; XII. 60; e
XIII. 378-380. Uma bibliografia de suas obras é anexada ao aviso de obituário não
assinado no Moniteur scientifique e no de Delassus (veja abaixo).
II Literatura Secundária. A literatura sobre Béchamp não é escassa, mas pouco é
desapaixonado. A maioria dos artigos ou textos a seu respeito são extravagantes em
seus louvores ou críticas; como tal, eles devem ser lidos com cautela. Eles incluem
o "Antoine Béchamp", não assinado, na Revue des questions scientifiques (Bruxelas).
3rd ser., 13 (1908), 345-347; "Antoine Béchamp", em Moniteur scientifique
(Quesneville). 4th ser., 22 (dezembro de 1908), 790-800, com bibliografia
abrangente de suas obras; Inauguração do monumento do Professeur Béchamp à Bassing
(Mosela) em 18 de setembro de 1927 (Metz, 1927); e "La théorie de Béchamp s'oppose-
t-elle à celle de Pasteur?", em Est-Matin (Mulhouse, 8 de novembro de 1947); P.
Bachoffner, “Considerações sobre a vida e a obra do Professeur Béchamp da Escola de
Farmácia de Estrasburgo”, no Boletim da Sociedade de Farmácia de Strasdourg, 3 , n.
1 (1960), 25-30; J. Bucquoy, "Décès de M. Béchamp, correspondente nacional", no
Boletim da Academia de Medicina, 3rd ser., 59 (1908), 520-521; Philippe Decourt.
"Béchamp et Pasteur - Introdução", em Arquivos internacionais Claude Bernard, não.
1 (outubro de 1971), 39-42; “Sur une histoire peu connue: La decouverte des
maladies microbiennes. Béchamp et Pasteur ”, ibidN..,2 (1972), 23-131; e "La
justice et la vérité", ibid., n. 3 (1973), 27-31; A. Delassus, “M. Prof. Prof.
Antoine Béchamp, ”no Journal des sciences médicales de Lille, 31 , n. 1 (1908),
444-448; Hector Grasset, Douglas Hume, Béchamp ou Pasteur? Um capítulo perdido na
história da biologia (Chicago, 1923); M. Javillier, "Pierre Jacques Antoine
Béchamp", em Bulletin des sciences pharmacologiques, 15 (1908), 281-284; L. Ménard,
"Un émule de Pasteur: Béchamp", em Cosmos, ns 58 , n. 1215 (9 de maio de 1908),
509-511; P. Pagès, “Antoine Béchamp. Sa vie, son oeuvre ”, em Monspeliensis
Hipócrates, 2 , n. 3 (março de 1959), 13-29; Robert Pearson, plagiador de Pasteur,
impostor! The Germ Theory Exploded (Denver, Colorado, nd [1942]); Aurore Valxérie
(pseudônimo de Madeleine Renault), Béchamp e a revolução européenne (Paris, 1958);
e De Béchamp à Lazzaro Spallanzani, Essai historique des phénomènes d'oxydation
(Paris, 1963); e Martial Villemin, “Un savant lorrain méconnu: Antoine Béchamp
(1816-1908) adversaire de Pasteur”, em Académie et société lorraines des sciences.
Bulletin trimestriel, 11 (1972), 276-284.

http: //rexresearch.com/Béchampmicrozymes / ...