Você está na página 1de 16

Influência da flexibilidade de vigas de apoio no comportamento estático

e dinâmico de lajes maciças de concreto armado


Influence of flexibility to support beams in static and dynamic behavior of solid slabs of
reinforced concrete

Jeferson Rafael Bueno (1); Daniel Domingues Loriggio (2)

(1) Mestrando em Estruturas; Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC


(2) Professor Doutor; Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC
e-mail: jrbengenharia@gmail.com

Resumo
Nesta pesquisa realiza-se um estudo numérico sobre a influência da flexibilidade de vigas de apoio na
resposta estática e dinâmica de tabuleiros formados por lajes maciças e vigas de concreto armado, em
regime elástico linear. Na resposta estática é realizada a avaliação da variação de momentos fletores,
esforços cortantes e flechas elásticas das lajes e vigas, em função da relação entre a flexibilidade da laje e
da viga. A avaliação da resposta dinâmica é realizada em vibração livre não amortecida, em que se obtém
os modos de vibração e os valores das frequências naturais, que são comparados com os limites da NBR
6118:2007. Para a análise integrada de pisos de concreto armado, constituídos por lajes maciças apoiadas
em vigas flexíveis, utiliza-se o Método dos Elementos Finitos (MEF). O procedimento manual de cálculo de
lajes, através de tabelas, é utilizado como um procedimento inicial para determinação de flechas e
momentos fletores das lajes, e também serve de base para a verificação dos modelos mais complexos. Os
resultados parciais dessa pesquisa confirmam que a deformabilidade dos apoios altera significativamente os
valores e distribuição dos momentos fletores das lajes, e mostram que para o uso das tradicionais tabelas
de cálculo de lajes, as vigas de suporte devem possuir grande rigidez à flexão. O uso do coeficiente
adimensional , que relaciona a flexibilidade entre lajes e vigas, demonstra ser eficiente para relacionar os
valores de esforços de lajes para as diferentes relações entre rigidez de lajes e vigas.
Palavra-Chave: Lajes Maciças; Flexibilidade dos Apoios; Análise Estática; Análise Dinâmica.

Abstract
In this research we realized a numerical study about influence of the flexibility of support beams in static and
dynamic response of floors constituted of solid slabs and beams of reinforced concrete, in linear elastic
regime. In static response is evaluated the variation of bending moments, efforts shear and elastic arrows of
slabs and beams, depending of the relationship between the flexibility of the slab and beam. The evaluation
of dynamic response is performed in free undamped vibration, which obtains the vibration modes and the
values of natural frequencies, which are compared with the limits of NBR 6118:2007. For the integrated
analysis of concrete floors, made of solid slabs supported on flexible beams, we use the Finite Element
Method (FEM). The manual procedure for calculating of slabs, through tables, is used as an initial procedure
for determining arrows and bending moments of the slabs, and also provides the basis for the verification of
models more complex. Partial results of this study confirm that the deformability of the support significantly
alter the values and distribution of the bending moments of the slabs, and show that for use of traditional
calculation tables slabs, the support beams must have adequate high flexural rigidity. The use of the
adimensional coefficient , that relates the flexibility between slabs and beams, demonstrates efficient to
relate the values of efforts slabs for the different relationships between stiffness of slabs and beams.
Keywords: Solid slabs; Flexibility of support; Estatic analysis; Dynamic analysis.

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 1


1 Introdução

Os tradicionais métodos manuais, de dimensionamento com o uso de tabelas, consideram


as lajes com vigas de apoio indeformáveis, o que é uma simplificação válida para tempos
em que os cálculos eram realizados manualmente. Nos últimos anos, os computadores
passaram a ter um papel importante nos escritórios de engenharia, nos quais os extensos
e complicados cálculos manuais são substituídos pelo cálculo computacional. Assim, esse
avanço agora permite realizar análises mais complexas e completas das estruturas, como
a consideração da deformabilidade das vigas de apoio e excentricidade entre laje e viga.
Como a flexibilidade das vigas de apoio influencia nos resultados da resposta estática e
dinâmica (LEITE, 2012; MAZZILLI, 1988, 1995), verificam-se pesquisas que investigam o
efeito da deformabilidade das vigas de apoio, porém, não indicam recomendações claras
e práticas em relação a este assunto. Contudo, os escritórios de projetos necessitam de
recomendações que descrevam os cuidados, limites e práticas para o cálculo de
tabuleiros formados por vigas e lajes maciças de concreto armado.
Esse estudo compara o método tradicional de cálculo de lajes maciças com o cálculo
computacional através do Método dos Elementos Finitos (MEF). Realiza-se a análise e
cálculo do tabuleiro da estrutura de forma integrada, com enfoque na continuidade dos
esforços das lajes, de modo a considerar a interação entre estes elementos.

2 Flexibilidade das Vigas de Apoio

Estudos verificam que o procedimento simplificado de cálculo de lajes, com uso de


tabelas, não é adequado para lajes com vigas de apoio flexíveis, e só é apropriado para
lajes apoiadas em vigas rígidas ou em paredes (ARAÚJO, 2008, 2009; MAZZILLI, 1988,
1995; STRAMANDINOLI, 2003). Em tabuleiros formados por lajes e vigas de concreto
armado, a flexibilidade entre lajes e vigas de bordo e a excentricidade entre os eixos
desses elementos, influencia sensivelmente a resposta estática (MAZZILLI, 1988, 1995),
e a resposta dinâmica (LEITE, 2012; PAULA, 2007). Mas quais os fatores que a
influenciam? Será que a precisão dos resultados é prejudicada pela não consideração
desses efeitos? E como se pode considerá-los em uma análise acoplada do tabuleiro?
Essas são questões pertinentes quando se deseja estudar o efeito da flexibilidade das
vigas de apoio na análise e projeto de painéis de lajes.
Atualmente a NRB 6118:2007, item 14.7.6.1, permite o procedimento simplificado de
adotar as reações de lajes como sendo uniformemente distribuídas. Estudos mostram que
os valores das reações das lajes na viga dependem da relação da rigidez entre laje e
viga, e que o valor das reações ao longo da viga não é uniforme (ARAÚJO, 2008, 2009;
MAZZILLI, 1988, 1995).
Mazzilli (1988) verifica que para lajes maciças de concreto armado, os esforços na laje e
nas vigas de apoio podem variar muito em função da flexibilidade das vigas. Mazzilli
(1995) estuda o regime estático elástico-linear e o regime de ruptura (experimental e
numérico). Seus resultados constatam que a flexibilidade das vigas de apoio alteram
significativamente os valores da resposta estática, tanto no regime elástico como no
regime plástico. No mesmo estudo, o autor apresenta alguns gráficos para determinar a
carga crítica ou carga de colapso de lajes maciças retangulares em regime plástico.
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 2
Um parâmetro relevante para a análise do comportamento conjunto do tabuleiro é a
excentricidade existente entre o eixo longitudinal das vigas e o plano médio da laje, Figura
1 (HAMEDANI, KHEDMATI e AZKAT, 2012; LEITE, 2012; PAULA, 2007). Assim, a
influência das vigas de bordo na resposta estática e dinâmica está relacionada a esta
excentricidade e a relação entre rigidez da laje e da viga (ARAÚJO, 2008, 2009; LEITE,
2012). A excentricidade pode ser considerada através do teorema dos eixos paralelos
(teorema de Steiner), como mostra a equação (1) para vigas retangulares (ARAÚJO,
2008, 2009), ou ainda através do MEF (elementos de casca, sólidos etc.), onde, o
comportamento gerado pela excentricidade pode ser obtido sem simplificações (LEITE,
2012; PAULA, 2007). Outra alternativa é usar o MEF com a opção de colocar a viga no
plano médio da laje, usando a inércia de seção T, consideração da largura colaborante da
laje.

Figura 1 – Excentricidade entre o eixo da viga e plano médio da laje.

(Equação 1)

De acordo com Tangwongchai, Anwar e Chucheepsakul (2011) é difícil prever de maneira


realista o comportamento do sistema laje/viga, incluindo o efeito da flexibilidade dos
apoios e excentricidade entre laje e viga, usando cálculos manuais. Assim, a
consideração da excentricidade, em modelagens com elementos finitos, segundo esses
autores, pode ser realizada com o modelo Plate-Frame Model (PFM) e Shell-Frame Model
(SFM). Bueno e Loriggio (2013) mostram que para barras (vigas), a rigidez da ligação dos
nós de apoios também afeta na resposta estática e dinâmica.
Sobre a influência da relação entre rigidez da laje e rigidez da viga na resposta dinâmica,
verificam-se poucos estudos. Leite (2012) afirma que a partir do aumento da rigidez das
vigas de bordo, de lajes nervuradas, os valores das frequências naturais tendem a
aumentar com variação não linear. Paula (2007) também corrobora que o aumento de
rigidez à flexão das vigas bordo, aumenta os valores das frequências naturais. Em relação
aos modos de vibração (formas modais), os autores supracitados verificam que o efeito
das vigas de bordo não possui influência significativa, em relação aos modelos estudados.
Esses estudos mostram que o modo fundamental de vibração é predominantemente
associado à flexão.
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 3
Como alternativa para o cálculo aproximado de lajes apoiadas em vigas deformáveis,
(ARAÚJO, 2008, 2009) propõe um método simplificado para o cálculo de lajes, que utiliza
as tabelas da teoria de placas para encontrar uma solução satisfatória. O autor constata
que através desse método, podem-se obter resultados melhores que o método tradicional
(tabelas), mesmo quando se considera a influência das vigas de apoio.

3 Estudo Numérico
A análise acoplada do tabuleiro formado por pilares, lajes maciças e vigas de concreto
armado, possibilita um estudo completo da resposta estática (esforços e deslocamentos)
e da resposta dinâmica (frequências e modos de vibração). Para essa análise, utiliza-se o
MEF através do software SAP2000, considerando-se o comportamento elástico linear.
Para o estudo foi elaborado um exemplo numérico que pretende estudar:
• Diferenças entre métodos simplificados (tabelas) e o Método dos Elementos
Finitos (MEF), na determinação de esforços e flechas do tabuleiro;
• Efeito da flexibilidade das vigas de apoio na resposta estática (deslocamentos,
esforços cortantes e momentos fletores), e na resposta dinâmica (frequências e modos de
vibração);
• Efeito da excentricidade, entre o eixo longitudinal da viga de apoio e o plano
médio da laje, na resposta estática e dinâmica do tabuleiro.
A análise através de métodos tradicionais é realizada com o auxílio de tabelas, para
cálculo dos momentos fletores e flechas das lajes. São utilizadas as tabelas de Czerny
(1976) com , e Pinheiro (2007).
Para a verificação do estado limite de vibração excessiva, e dessa forma, assegurar um
comportamento satisfatório do tabuleiro, a frequência fundamental deve-se afastar o
máximo possível da frequência crítica , NRB 6118:2007 item 23.3 tabela 23.1. Para
escritórios, esse limite é , nesse artigo toma-se , assim:

(Equação 2)

Para as análises desse artigo, os seguintes efeitos não são verificados/considerados:


• Levantamento dos bordos da laje em relação aos apoios (“descolamento” entre
laje e viga). Pois, é considerada como monolítica a ligação entre os elementos estruturais;
• Cisalhamento nas lajes;
• Rigidez à torção das vigas de apoio, já que essa rigidez é apenas de
compatibilidade e assim, não é essencial para o equilíbrio da laje;
• Fluência do concreto.
Alguns dos resultados das análises são exibidos em função do índice flexibilidade
laje/viga . Este índice é o mesmo apresentado por Mazzilli (1995), e é um índice
adimensional que permite relacionar os resultados de esforços das lajes, sem
necessidade de indicar explicitamente a espessura de laje, da qual são originados os
esforços. O índice pode ser obtido através da relação entre rigidez à flexão da laje
e rigidez à flexão da viga , multiplicado pela raiz quadrada do produto dos vãos
da laje, como mostra a equação (3).

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 4


(Equação 3)

Onde é o menor vão da laje, é o maior vão, é a espessura da laje, é o coeficiente


de Poisson, e é momento de inércia da viga.
Com objetivo de apresentar os resultados de , ,e independentes da espessura
da laje, são utilizados índices adimensionais, semelhantemente como foi apresentado por
Mazzilli (1995). Com:
Carga total na laje, em , e os momentos fletores são dados em .
Índice para momento fletor
(Equação 4)
positivo na direção x, .

Índice para momento fletor


(Equação 5)
positivo na direção y, .

Índice para momento fletor


(Equação 6)
negativo na direção x, .

3.1 Tabuleiro para Análise

Painel de lajes contínuas, retangulares, com vigas flexíveis, Figura 2. Abaixo são
mostradas as características do tabuleiro:
• Espessura da laje, : 10, 12 e 15 cm. Vigas de bordo (vigas rígidas: V1, V2, V3,
V5): 15x250 cm;
• Viga intermediária V4: =15 cm, e altura = 16, 17, 18, 19, 20 cm a 100 cm
(variação de 5 cm);
• As vigas de bordo possuem ligação rígida com os pilares (seção 20x20 cm), e a
viga V4 apóia-se com liberação da rotação nas vigas V1 e V2;

• Carregamento das lajes:


Peso próprio (G1) + 10 kN/m² (G2);
- h = 10 cm; carga total na laje:
q (G1+G2) = 12,50 kN/m²;
- h = 12 cm; carga total na laje:
q (G1+G2) = 13,00 kN/m²;
- h = 15 cm; carga total na laje:
q (G1+G2) = 13,75 kN/m²;

• Vãos “a” e “b” de 4,00 m, e vão “c” de 6,00 m.


Figura 2 – Modelo 01: Painel contínuo de lajes.

• Resistência à compressão do concreto: . Módulo de elasticidade


longitudinal secante do concreto: ;
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 5
• Coeficiente de Poisson: ;
• MEF → Lajes modeladas com elementos Shell-Thin, com malha reangular de
12,5 x 18,75 cm (mantém a razão entre as dimensões da laje L1), vigas modeladas como
elementos de barra (frame), e os pilares são representados como pontos nodais;

3.2 Resultados

Para a análise generalizada dos resultados, os valores obtidos para a resposta estática
elástico-linear são exibidos em função do índice adimensional laje/viga. O uso do índice
prova-se efetivo para representar esforços, pois, em apenas uma curva pode-se
apresentar os resultados sem a necessidade de relacionar estes valores com a espessura
da laje ou altura da viga. Dessa forma, o entendimento do comportamento do tabuleiro
torna-se mais fácil e de simples visualização.
O Gráfico 1 compara o índice para as três espessuras de lajes, em função da altura
da viga V4. Conforme aumenta o índice diminui, evidenciando que, para uma laje
mais rígida obtêm-se menores valores de . Para sequência são feitas as seguintes
explicações, para leitura e correta análise dos gráficos a seguir:

100

90
L1, h=10
80
L1, h=12
Altura H, viga V4 (cm)

70
L1, h=15

60

50

40

30

20

10
0,03 0,06 0,13 0,25 0,50 1,00 2,00 4,00 8,00 16,00 32,00
Índice Laje/Viga
Gráfico 1 – Relação entre altura da viga V4 e índice .

• corresponde à razão entre a flexibilidade de L1 com a


flexibilidade das vigas de bordo. Como as vigas de bordo possuem grande rigidez à flexão
( cm), consideram-se essas vigas como indeslocáveis, apoios rígidos;
• corresponde à razão entre a flexibilidade da laje L1 com a
flexibilidade da viga V4. Quanto maior o valor desse índice, menor é a altura de V4 e
menor a sua rigidez à flexão;

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 6


• Legenda dos gráficos: o termo “ ; e ”, correspondem à
espessura da laje para a qual são exibidos os resultados.
Para melhor apresentação dos resultados, o eixo horizontal e vertical de alguns gráficos
são mostrados na escala logarítmica, na base 2 (logaritmo binário). Nos demais casos,
utiliza-se a escala linear.
No Gráfico 2 e Gráfico 3 são mostrados os resultados obtidos com o MEF para os
esforços característicos máximos de e , respectivamente, da laje L1 em kN*m. Veja
que estes gráficos exibem os valores dos esforços em função de (altura de V4) e
(espessura de L1), o que resulta em 3 curvas de variação não linear decrescente a
medida que aumenta, uma curva para cada valor de .
Em ambos os gráficos, se evidencia que os momentos fletores positivos são menores à
medida que a rigidez à flexão da viga torna-se maior que a rigidez à flexão da laje, com
variação não linear. Os maiores valores dos momentos fletores positivos são obtidos para
e cm, e os menores valores para e cm.
O Gráfico 4 relaciona os valores obtidos para e , em função do índice e
(equação 4 e 5), respectivamente, e índice (equação 3). Nos gráficos são
apresentados os valores de correspondestes ao valor de que foram obtidos, quanto
maior o valor do índice, menor será o valor do momento fletor. Nota-se que é possível
representar os resultados com apenas uma curva, sem precisar exibir explicitamente os
valores de e , dos quais originam os esforços.

22 35

h = 10 h = 10
20 30 h = 12
h = 12
h = 15
h = 15

18 25
My (kNm/m)
Mx (kNm/m)

16 20

14 15

12 10

10 5
10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
H - Viga V4 (cm) H - Viga V4 (cm)
Gráfico 2 – vs. (MEF). Gráfico 3 – vs. (MEF).

Ao realizar a análise do Gráfico 2 ao Gráfico 4, verifica-se que o uso dos índices


adimensionais é prático e possibilita uma análise mais geral dos resultados. Comprova-se
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 7
também que, quando a viga de apoio possui baixa rigidez à flexão, o momento fletor
será maior que .
Para exemplificar esse ponto de vista, o Gráfico 4 compara os resultados para os índices
e em função do índice adimensional . Através desse gráfico, pode-se entender
melhor como variam os momentos fletores positivos, do tabuleiro, em função da relação
entre a flexibilidade da laje L1 e da viga de apoio V4.
Na condição de apoios indeslocáveis, ou seja, viga de apoio com grande rigidez à flexão,
o momento fletor é maior que . Comportamento que está de acordo com o
esperado para o tabuleiro, visto que, a laje é ortótropa e assim .
Quando a viga de apoio possui baixa rigidez à flexão, será maior que . Nessa
condição, a armadura principal seria a da direção (maior vão), e não da direção
(menor vão), contrariando o cálculo tradicional que utiliza tabelas. Na análise usual com
tabelas, o cálculo das armaduras resultaria maior que , mas como é visto no
Gráfico 4, é necessário garantir que as vigas de apoio da laje tenham rigidez à flexão
adequada, caso contrário, há relações de em que será maior que .

Imx, h=10 Imx, h=12 Imx, h=15 48


34 46
Imy, h=10 Imy, h=12 Imy, h=15
32 44
42
30 Imx, h=10 Imx, h=12
40
28 38 Imx, h=15 Imy, h=10
36 Imy, h=12 Imy, h=15
Imx e Imy (MEF e Tabelas)

26 Czerny: Imx Pinheiro: Imx


34
Imx e Imy (MEF)

24 32 Czerny: Imy Pinheiro: Imy


30
22
28
20 26
18 24
22
16 20
14 18
16
12 14
10 12
10
8
8
6 6
0,03 0,13 0,50 2,00 8,00 32,00 0,03 0,13 0,50 2,00 8,00 32,00
Índice Laje/Viga Índice Laje/Viga
Gráfico 4 – e vs. (MEF). Gráfico 5 – , vs. (MEF e Tabelas).

Pelo cálculo com o uso de tabelas, os momentos são maiores que os momentos ,
todavia, esse comportamento só acontece para situações que a rigidez à flexão da viga é
muito maior que a da laje, . Logo, os resultados encontrados para os
momentos fletores positivos da laje, confirmam que com o aumento da rigidez de V4,
obter-se-á menores valores para esses esforços, sendo que apresenta maior variação.

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 8


Essa verificação é importante para análise do tabuleiro, pois, ao adotar uma análise que
não considere o comportamento flexível dos apoios, deve-se garantir que as vigas tenham
rigidez à flexão adequada. Caso contrário, os valores dos esforços podem estar contra a
segurança e/ou economia, comprometendo assim a qualidade do projeto.
Uma comparação entre MEF e tabelas, para a verificação dos momentos fletores
positivos é realizada no Gráfico 5, e no Gráfico 6 para . Nesses gráficos, se percebe
que os valores dos índices , e para as tabelas de Czerny e Pinheiro (2007)
são constantes, pois, esses métodos não consideram a deformabilidade dos apoios da
laje. Já o MEF possibilita a consideração da deformabilidade, e assim, o gráfico mostra
que a diferença entre resultados obtidos por MEF e Tabelas pode ser muito grande, e ser
totalmente contra a segurança. Observa-se que quando .
Os momentos fletores negativos são representados pelo índice adimensional , que
utiliza os valores em módulo deste esforço. Os resultados encontrados evidenciam que
quanto mais flexível à viga V4, maior será o valor do índice e, consequentemente,
menor o valor de .
Quando , o momento fletor será nulo, e assim, o tabuleiro trabalha como
se fosse formado por apenas uma laje apoiada nas vigas de bordo (V1, V2, V3 e V5).
Nessa situação, a viga V4 deixa de trabalhar como apoio para as lajes L1 e L2 e, passa a
funcionar como se fosse uma nervura da laje. A Figura 3 exibe a variação dos
deslocamentos (m), esforços e ( e , kN*m) à medida que diminui.

200
Imxe, h=10
180
Imxe, h=12
160 Imxe, h=15

140 Czerny: Imxe


Pinheiro: Imxe
Imxe (MEF e Tabelas)

120

100

80

60

40

20

0
0,03 0,06 0,13 0,25 0,50
Índice Laje/Viga
Gráfico 6 – vs. (MEF).

As flechas elásticas máximas do tabuleiro (L1 e V4) são apresentadas no Gráfico 7. Os


maiores valores de flechas correspondem à configuração de menor rigidez, e os
deslocamentos apresentam comportamento decrescente não linear conforme o tabuleiro
aumenta sua rigidez.
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 9
Como mostra a Figura 3(g, h, i), o ponto de máximo deslocamento não é no centro de L1,
e quando V4 é muito flexível a flecha máxima do tabuleiro ocorre no centro
da viga V4, com o mesmo valor da flecha para L1, L2 e V4. Ou seja, o ponto de
deslocamento máximo para ambos os elementos coincide no mesmo lugar. Para L1 o
ponto de flecha elástica máxima se localiza nas seguintes coordenadas:
- Eixo : Quanto mais flexível V4, mais o ponto tenderá a se aproximar do eixo
longitudinal de V4 ( m);
- Eixo : .
O deslocamento admissível segundo a NBR: 6118:2007 (aceitabilidade visual: L/250), é
exibido no Gráfico 7, para o maior vão da laje corresponderá a 600/250 = 2,40 cm.
Verifica-se que para cm, apenas com o limite normativo é atendido, e já
para cm com cm essa condição é satisfeita. Para cm, a condição de
aceitabilidade visual é atendida (sem recorrer ao uso de contra flecha) para todos os
valores de .

Figura 3 – Variação de esforços e deslocamentos, .

A influência da flexibilidade laje/viga, afeta também a parcela de esforço cortante nas


extremidades de V4. A variação do esforço cortante característico é mostrada no
Gráfico 8, que utiliza o índice , pois, com o uso do índice pode-se melhor entender
esta variação de .
Como o tabuleiro é simétrico, terá o mesmo valor em módulo nas duas extremidades
de V4. No Gráfico 8, verifica-se que os maiores valores de são obtidos quando a
rigidez à flexão da laje é bem menor que a rigidez à flexão de V4, logo, os maiores
valores são obtidos para cm e cm. O gráfico demonstra que a variação de
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 10
é não linear, e que à medida que a rigidez da laje aumenta, diminui, assim, os
menores valores são encontrados para cm e cm.

6,0 Flecha L1, h=10 160 Vk, h=10


5,5 Flecha V4, h=10
Vk, h=12
Flecha L1, h=12 140
5,0 Vk, h=15
Flecha V4, h=12
Flecha Elástica Máxima, L1 e V4 (cm)

4,5 Flecha L1, h=15 120

4,0
Flecha V4, h=15
Limite: Ly/250 100

Cortante V4 (kN)
3,5

3,0 80

2,5
60
2,0

1,5 40

1,0
20
0,5
0
0,0
0,03 0,13 0,50 2,00 8,00 32,00
10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
H V4 (cm) Índice Laje/Viga
Gráfico 7 – Flecha elástica máxima: L1 e V4 (MEF). Gráfico 8 – Esforço Cortante em V4 (MEF).

A resposta dinâmica é obtida através de análises de vibração livre não amortecida, e


utiliza-se o software SAP2000. Analisam-se as três primeiras frequências naturais
(autovalores) e os modos de vibração (autovetores) correspondentes.
Os valores da 1º primeira frequência natural são mostrados no Gráfico 9. Os
resultados confirmam que, quanto mais flexível à estrutura, maiores valores de ,
menor será o valor de , variação não linear. Esse comportamento é esperado, visto que
o aumento da rigidez da estrutura resultará em maiores valores de frequências.
Lembra-se que, o aumento das seções dos elementos estruturais ocasiona uma maior
rigidez do sistema, e ao mesmo tempo adiciona mais massa a esse sistema. O que leva
ao questionamento: até qual ponto pode-se aumentar os valores de (laje) e (V4)
(valores de ), e assim, ocasionar o aumento da frequência fundamental de vibração
? Essa resposta é obtida pelo Gráfico 9, que através do qual, se verifica que para
relações de menores que , e a
frequência passa a ser constante. Isso se deve ao fato que, para o 2º
modo terá maior fator de participação modal, e assim, mobilizará mais massa segundo a
direção vertical (eixo Z global), do que o 1º modo.
Em relação à condição de atendimento ao estado limite de vibração, recomendado pela
NBR 6118:2007, a estrutura é aceitável para qualquer relação de estudados nessa
pesquisa. Visto que, o valor mínimo da 1º frequência de vibração exigida pela norma,
calculada conforme a equação (2) deve ser Hz.
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 11
19 40,0
1ºFn, h=15 2ºFn, h=10 2ºFn, h=12
18
1ºFn, h=12 37,5 2ºFn, h=15 3ºFn, h=10
17 3ºFn, h=12 3ºFn, h=15
1ºFn, h=10 35,0
16 Mínimo NBR 6118:2007
15 32,5

Frequência: 2º e 3º modo (Hz)


14 30,0
Frequência Fundamental (Hz)

13 27,5
12
25,0
11
10 22,5

9 20,0
8 17,5
7
15,0
6
12,5
5
4 10,0
0,01 0,03 0,13 0,50 2,00 8,00 32,00 0,01 0,03 0,13 0,50 2,00 8,00 32,00
Índice Laje/Viga Índice Laje/Viga
Gráfico 9 – Frequência fundamental de vibração. Gráfico 10 – Frequência do 2º e 3º modo.

Os valores de frequências do 2º e 3º modo de vibração são apresentados no Gráfico 10.


Observa-se, de forma semelhante à análise dos esforços, flechas e frequências do 1º
modo, há uma variação não linear dos valores destas frequências. O aumento dos valores
está associado ao ganho de rigidez do tabuleiro, o que significa dizer, aumento da
espessura da laje e aumento da altura de V4. A frequência associada ao 2º modo de
vibração é constante (não apresenta variação), para valores de ,
.
O 3º modo também apresenta um patamar de valores constantes para as frequências. Os
limites relacionados a esse patamar de valores constantes são praticamente os mesmos
encontrados para o 1º modo.
Os três primeiros modos de vibração do tabuleiro, associados à espessura da laje
cm, são apresentados na Figura 4. Utiliza-se para exibição os momentos fletores na
direção . A partir da análise desses 3 primeiros modos, verifica-se que se trata de
modos verticais, e que a configuração dos modos se modifica quando a rigidez de V4
aumenta, com maior diferença para o 3º modo.
Como se evidencia nos resultados, a resposta do tabuleiro em estudo depende da relação
entre rigidez de laje e viga. Sabe-se, porém que a rigidez da viga é proporcional ao
momento de inércia da seção, e como mostra a equação (1), há ganho de inércia ao
considerar a excentricidade entre V4 e L1. Nas análises a seguir, se considera a
excentricidade entre laje e viga , e também a seção T de V4, formada pela seção
retangular mais a largura colaborante de L1 e L2 (mesa de compressão). A largura
colaborante efetiva é calculada de acordo com o item 14.6.2.2 da NBR 6118:2007, e

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 12


é igual a cm. A variação do momento de inércia da seção transversal de V4 é
apresentada no Gráfico 11.

1º Modo 2º Modo 3º Modo

cm

cm

cm

cm
Figura 4 – Modos de vibração, .

De acordo com o Gráfico 11, se obtém maiores valores para o momento de inércia com o
uso da equação (1). Com a inércia , se obtém os menores valores, já que não
dependem da espessura da laje. Utilizando a inércia da seção , se obtém maiores
valores que o método usual , porém menores que com o uso da equação (1), que
pela qual, os maiores valores são encontrados para , e os menores para .O
que se justifica pelo fato de que quanto menor a espessura da laje, maior será a
excentricidade entre o eixo da viga e o plano médio da laje.
Com a utilização desses métodos, para ganho de rigidez da viga, é esperado que se
obtenha comportamento semelhante aos já investigados. Visto que, o estudo é realizado
em regime elástico linear.
ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 13
bw*H³/12 + A*e² [h=10]
4,00E-02
bw*H³/12 + A*e² [h=12]
3,50E-02 bw*H³/12 + A*e² [h=15]
3,00E-02 T [h=15]

2,50E-02 T [h=12]
T [h=10]
Inércia (m^4)

2,00E-02
bw*H³/12
1,50E-02

1,00E-02

5,00E-03

0,00E+00
10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100
H - Viga V4 (cm)
Gráfico 11 – Momento de inércia.

Tabela 1 – Resumo Tabuleiro: Influência da flexibilidade de V4.


Índice
Comportamento

- Maiores valores para as frequências de vibração;


- Menores valores para flechas, com .
- Maiores valores para e menores valores para momentos fletores positivos, com:

0,1339

0,1870

0,4181

V4 perde sua função de suporte para L1 e L2, e o tabuleiro funciona como se fosse formado por
0,6901
apenas uma laje (8x6), com V4 a trabalhar como uma nervura da laje, e .
Situação de laje simplesmente apoiada (8,00 x 6,00 m): ; .
+∞
- Flecha da laje δ (cm): δ ; δ ; δ .

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 14


A Tabela 1 resume o comportamento do tabuleiro devido à influência da flexibilidade dos
apoios. Através desse estudo, se constata que a variação de rigidez de apenas um apoio,
pode resultar grandes efeitos para o comportamento das lajes, da viga de suporte, e
principalmente para o tabuleiro. Em relação aos resultados, o principal alerta fica em
relação ao uso de métodos que não consideram a deformabilidade dos apoios, pois, para
se ter veracidade nos resultados, deve-se garantir que as vigas de apoio tenham rigidez à
flexão muito superior que a da laje.

4 Considerações Finais
Constata-se que a flexibilidade das vigas de apoio de lajes maciças influencia de modo
significativo na resposta estática e dinâmica do tabuleiro. Evidencia-se a necessidade de
garantir que as vigas de apoio tenham rigidez à flexão adequada, para a utilização de
tabelas de cálculo de lajes.
O uso dos índices adimensionais mostra-se eficiente para o entendimento e estudo da
distribuição dos esforços em lajes, quando se considera a variação da rigidez dos
elementos estruturais. Permite também, verificar quais são os valores limites ou de
mudança de comportamento do pavimento.
Em relação à consideração da inércia das vigas de apoio, para situações usuais de
projeto, em que a altura da viga é tomada com valores entre 40 a 100 cm, é melhor
utilizar a equação (1). Tem-se ainda a vantagem de não ser necessário realizar algumas
verificações, como as que são importantes quando se utiliza seção , apresentadas no
item 18.3.7 da NBR 6118:2007. Outro aspecto que corrobora esse ponto de vista, é que a
equação (1) é de fácil entendimento, e de simples implementação em algoritmos de
softwares para análise de tabuleiros de concreto armado, formados por vigas retangulares
e lajes maciças.
O estudo apresentado nesse artigo segue em fase de análise de novos resultados,
investigando outros parâmetros que podem também influenciar no comportamento dos
elementos. Publicações futuras tentarão abordar os casos omissos nesse trabalho, bem
como, apresentar os demais resultados e conclusões sobre o tema.

Referências

ARAÚJO, J. M. De. Avaliação dos métodos simplificados para cálculo de lajes maciças
apoiadas em vigas flexíveis. Teoria e Prática na Engenharia Civil, v. 8, n. 12, p. 1-11,
2008.

ARAÚJO, J. M. De. Método simplificado para cálculo de lajes maciças apoiadas em vigas
flexíveis: validação por meio da análise não linear. Teoria e Prática na Engenharia Civil,
v. 9, n. 14, p. 71-81, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de estruturas


de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro, 2007.

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 15


BUENO, J. R. e LORIGGIO, D. D. Rotina computacional para análise linear estática e
dinâmica de estruturas planas reticuladas. In: 55° CONGRESSO BRASILEIRO DO
CONCRETO. Anais... Gramado: IBRACON, 2013.

HAMEDANI, S. J.;; KHEDMATI, M. R. e AZKAT, S. Vibration analysis of stiffened plates


using finite element method. Latin American Journal of Solids and Structures, v. 9, n.
1, p. 1-20, 2012.

LEITE, M. R. S. Modelagem do comportamento estrutural estático e dinâmico de


lajes nervuradas de concreto armado. 141 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de
Engenharia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro, 2012.

MAZZILLI, A. R. P. Influência da deformabilidade das vigas de apoio no cálculo de


estruturas de edifícios. 391 f. Dissertação (Mestrado em Estruturas) - Departamento de
Engenharia de Estruturas e Fundações, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo
- São Paulo, 1988.

MAZZILLI, A. R. P. Influência da flexibilidade das vigas e das lajes nos esforços das
estruturas de concreto armado. 211 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) -
Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações, Escola Politécnica da
Universidade de São Paulo - São Paulo, 1995.

PAULA, W. C. De. Comportamento estrutural de lajes nervuradas de concreto


armado com base no emprego do programa ANSYS. 189 f. Dissertação (Mestrado em
Estruturas) – Faculdade de Engenharia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Rio
de Janeiro, 2007.

PINHEIRO, L. M. Tabelas de lajes. São Carlos: UFSCar, 2007. p. 24

STRAMANDINOLI, J. S. B. Contribuições à análise de lajes nervuradas por analogia


de grelha. 199 f. Dissertação (Mestrado em Estruturas) - Programa de Pós-Graduação
em Engenharia Civil - PPGEC, Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis,
2003.

TANGWONGCHAI, S.;; ANWAR, N. e CHUCHEEPSAKUL, S. Flexural responses of


concrete slab over flexible girders through FEA-based parametric evaluation. KSCE
Journal of Civil Engineering, v. 15, n. 6, p. 1057-1065, doi:10.1007/s12205-011-1077-0,
2011.

ANAIS DO 55º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO - CBC2013 – 55CBC 16