Você está na página 1de 4

ART O

IG

RUMO AO
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
MODERNO DE
ENERGIA DA
MADEIRA
Por: José Dilcio Rocha, da Embrapa Agroenergia

C
om o objetivo de promover práticas nizações interessadas no tema e atuantes em
VXVWHQWiYHLVGHSURGXomRGHÁRUHV- diversos países. Estudos de casos em quatro
WDV HQHUJpWLFDV H R XVR HÀFLHQWH GD países africanos e no Brasil são apresentados no
madeira para a geração de energia, UHODWyULRÀQDOGDWDGRGHRXWXEURGHGHDX-
a FAO, a GIZ – Agência Alemã de Cooperação toria de Steve Sepp e colaboradores, que pode
Internacional, e a Fundação das Nações Unidas ser acessado em http://agriwaterpedia.info/wiki/
(UNF), por meio da sua Aliança Global para Fo- File:Report_Wood-energy_aktuell_26-03-15.pdf.
J}HV *$&& /LPSRVSUHSDUDUDPSDUDR*%(3
²3DUFHULD*OREDOSDUD%LRHQHUJLDXPH[WHQVLYR A lenha e o carvão vegetal fornecem grande
estudo com o título “Towards sustainable mo- parte da energia para cocção e aquecimento,
dern wood energy development” (tradução livre mas também para uso industrial. Seu principal
no título – A caminho do desenvolvimento de FRPSHWLGRUpR*/3 JiVOLTXHIHLWRGHSHWUyOHR 
energia de madeira moderna e sustentável). A que, embora seja de origem fóssil, apresenta me-
sua apresentação foi realizada por videoconfe- lhores propriedades energéticas. As vantagens
UrQFLDHPGHMXQKRGHHFRQWRXFRPD da biomassa estão na acessibilidade, economia
participação de pesquisadores de várias orga- e fácil manuseio, o que permite a produção e

50 ||Agroenergia
Agroenergia em Revista
XVRGHVFHQWUDOL]DGRHÁH[tYHO$LQGDH[LVWHXP WDVSODQWDGDVRVUHVtGXRVÁRUHVWDLVUHVXOWDQWHV
JUDQGHQ~PHURGHLQGLYtGXRVGHSHQGHQGRH[- GRGHVGREURGHPDGHLUDRXÁRUHVWDVSULPiULDV
clusivamente da lenha, carvão vegetal e resíduos e secundárias de manejo sustentável. As tecno-
DJUtFRODV1RPXQGRVmRFHUFDGHELOK}HVGH logias de conversão da lenha em carvão vegetal
SHVVRDVFRPWHQGrQFLDDDXPHQWDUQRVSUy[L- ainda necessitam de tecnologias inovadoras ca-
mos 15 anos, devido ao crescimento populacio- pazes de aumentar os rendimentos e aprovei-
nal. Isso não seria alarmante se as condições de WDURVFRSURGXWRVFRQIRUPHLOXVWUDGRQDÀJXUD
H[WUDWLYLVPRXVRHÀFLHQWHHHPLVV}HVFRQWUROD- DEDL[RTXHVHHQFRQWUDQRUHODWyULR )LJXUD
das que pudessem evitar problemas de saúde a SiJLQD -iH[LVWHPYiULDVWHFQRORJLDVGLVSR-
VHXVXVXiULRVQmRIRVVHPQHJOLJHQFLDGDV3RU- níveis no mercado brasileiro que poderiam ser
tanto, é urgente que boas práticas e tecnologias aplicadas em países onde a produção de carvão
inovadoras possam ser correntemente usadas, YHJHWDOpDLQGDGHEDL[RUHQGLPHQWR  GH-
principalmente na África, Ásia e América Latina, vido ao uso de tecnologias tradicionais, como é
regiões nas quais essas populações estão con- o caso dos países africanos. As tecnologias de
centradas. XVRÀQDOSDUDFRFomRRVIRJ}HVWDPEpPSUH-
FLVDPWHUDOWDHÀFLrQFLDSDUDTXHRVJDQKRVQD
$SURGXomRGDELRPDVVDÁRUHVWDOXVDGDFRPR produtividade de conversão não sejam perdidos
PDWpULDSULPDWHPGLIHUHQWHVRULJHQVDVÁRUHV- QRXVRÀQDO$PDLRULDGRVH[HPSORVUHODWDGRV

105
pessoas

Forno tradicional (12%)

210
pessoas

100 m3 de madeira Forno melhorado (24%)

289
Retortas (33%) pessoas
Cadeia produtiva do carvão vegetal com
o uso de várias tecnologias, adaptado
da Figura 18 do relatório, pág. 54.

Agroenergia
Agroenergi
Agroenergia em Revista
oenergia | 51
ART O
IG

são relacionados com a realidade africana e sua *HUDOPHQWH DV iUHDV GH HQHUJLD ÁRUHVWD
H[WUHPDGHSHQGrQFLDGDELRPDVVDH[WUDWLYLVWD agricultura, uso e ocupação do solo, saúde,
FRPXVRHPHTXLSDPHQWRVGHEDL[DHÀFLrQFLD transporte, entre outros, devem ser envolvi-
das de forma coordenada. A comunicação e
A promoção de uma cadeia produtiva da madei- a coordenação entre esses órgãos devem ser
UDHQHUJpWLFDFRPDOWDHÀFLrQFLDSRGHDMXGDUQD realizadas em caráter institucional;
mitigação dos danos à saúde das pessoas en- x Adotar um adequado marco regulatório para
volvidas nessas atividades, principalmente mu- que seja possibilitada a correta implementa-
lheres e crianças. As mulheres desempenham ção de políticas de incentivo efetivas, como
um papel fundamental no setor de bioenergia WD[DomRGLIHUHQFLDGDUDVWUHDELOLGDGHGDFD-
da madeira por serem usuárias, produtoras, co- GHLDSURGXWLYDHLGHQWLÀFDomRGHFDGDHWDSD
letoras e, muitas delas, comercializadoras de de produção e seus responsáveis;
OHQKD$VVLPH[LVWHPJUDQGHVRSRUWXQLGDGHV x Considerar a cadeia produtiva completa da
para a implementação de tecnologias via polí- madeira para energia, desde a sua produ-
ticas de gênero. ção dentro de boas práticas de silvicultura,
colheita, logística do campo até os locais de
Com base no diagnóstico apresentado no SUHSDURHFRQYHUVmRHPIRUQRVHÀFLHQWHV
relatório, as seguintes recomendações foram no caso do carvão vegetal, até os mercados
feitas para alavancar o setor de madeira para consumidores.
uso energético:
$RÀQDOGRUHODWyULRQDVHomRPaíses em Foco,
x Abordar a questão de IRUPDKROtVWLFD para na qual são apresentados os estudos de caso,
realizar mudanças estruturais no setor, dando p FLWDGD D H[SHULrQFLD GDV ´$VVRFLDo}HV GH
incentivos para a produção sustentável e o UHSRVLomR ÁRUHVWDO FRPR H[HPSOR GR (VWDGR
XVRHÀFLHQWHGDPDGHLUDSDUDHQHUJLDVHQGR GH 6mR 3DXORµ &RQIRUPH HVWi GHVFULWR QR
RHOHPHQWRFKDYHQHVVDDERUGDJHPDWD[DomR ZHEVLWHGR,QVWLWXWR5HÁRUHVWDRSHUDGRUGHVVH
diferenciada para possibilitar o engajamento mecanismo, e na figura da página ao lado
dos atores envolvidos; (http://refloresta.org.br/reposicao.asp):
x Mudança de imagem pela criação de uma
imagem positiva da madeira para uso como “A Reposição Florestal Obrigatória é um
fonte de energia renovável e ambientalmente mecanismo previsto em lei, (Lei Estadual nº
correta. Assim, a eventual imagem negativa 10.780), para que as empresas que utilizam
da lenha e do carvão vegetal deverá ser alte- SURGXWRÁRUHVWDOOHQKRVR OHQKDFDUYmRWRUD 
rada para a de um biocombustível sólido liga- replantem de alguma forma o equivalente ao
GRDRXVRGHWHFQRORJLDVOLPSDVHHÀFLHQWHV que foi utilizado em sua atividade. Ao recolher
com aplicação de ciência e tecnologia e sua anualmente um valor equivalente ao que
disseminação na forma de lições aprendidas é utilizado, a empresa propicia ao Instituto
YLDSXEOLFDo}HVGHGDGRVFRQÀiYHLV 5HÁRUHVWDSURGX]LUDVPXGDVGHiUYRUHVTXH
x Promoção das condições que viabilizem a serão doadas aos produtores rurais inscritos no
integração de políticas dos diversos setores programa. Dessa forma, o mercado é abastecido
do país ou de uma região envolvidas no tema. e a oferta tende a aumentar.”

52 ||Agroenergia
Agroenergia em Revista
Produção
de mudas

PLANTIO
Recolhimento Agricultores cadastrados
da reposição Espécies
Viveiros Ecoar nativas
florestal Eucalipto
e Pinus

Orientação
técnica
Recolhimento
Técnicos Ecoar

Restauração
Produção de florestal
madeira
Abastecimento
do mercado

A reposição florestal obrigatória, fonte: http://refloresta.org.br/reposicao.asp.

Esse mecanismo tem sido adotado em outros esta- Foto: José Dilcio Rocha

GRVEUDVLOHLURVDOpPGH6mR3DXORHDWpPHVPRHP
outros países latino-americanos como a Nicarágua.

Além desse caso de sucesso na produção de ma-


WpULDSULPDÁRUHVWDOR%UDVLOWHPPXLWRVRXWURV
casos de tecnologias inovadoras em processos
industriais de carbonização de madeira para pro-
dução de carvão vegetal com altos rendimentos,
aproveitamento, recuperação e valorização dos
YROiWHLVQDIRUPDGHH[WUDWRiFLGRDOFDWUmRH
também dos gases na integração energética e
aumento de rendimentos globais da carboniza-
ção. Tecnologias não poluentes e geradoras de
SRVWRVGHWUDEDOKRGHTXDOLGDGHVmRH[SHULrQ-
cias prontas para serem transferidas para outras
partes do planeta, tornando realidade a mudança
de paradigma. A imagem ao lado ilustra a reali- Fornos retangulares com carga e descarga
dade descrita acima.6 mecanizada e recuperador de voláteis.

Agroenergia
Agroenergi
Agroenergia em Revista
oenergia | 53