Você está na página 1de 33

Medicina Legal

Análise prática dos disparos


a curta distância
Volume 1

Cristiano Hayoshi Choji


José Otávio de Felice Júnior
Telma De Carvalho Penazzi
Iêda Maria Cavalli de Aguiar Filgueiras
Fábio Vinicius Davoli Bianco
Sílvio Pinheiro De Magalhães Bertoz

1
Cristiano Hayoshi Choji
José Otávio de Felice Júnior
Telma de Carvalho Penazzi
Iêda Maria Cavalli de Aguiar Filgueiras
Fábio Vinicius Davoli Bianco
Sílvio Pinheiro de Magalhães Bertoz

Medicina Legal:
Análise prática dos disparos
a curta distância

1ª. edição
e-book

Presidente Prudente – SP
Unoeste – Universidade do Oeste Paulista
2019
2 3
Titulo: Medicina Legal: Análise prática dos disparos a curta distância.
AÇÃO EXTENSIVA:
Projeto de extensão. Protocolo: 12985/2019
Situação atual: APROVADO PELA PROEXT/REITORIA
Data inicial: 08/08/2019 / Data final: 30/11/2019 (Período previsto para o planejamento e execução)

Título da ação extensiva:


Achados do Disparo de Arma de Fogo para a Medicina Legal
Proponente: CRISTIANO HAYOSHI CHOJI
Unidade(s) universitária(s) proponente(s)Cursos envolvidos (1):
GRADUAÇÃO: MEDICINA (principal) (c/c 1393, PRESIDENTE PRUDENTE)
Identificação dos participantes
67827 - CRISTIANO HAYOSHI CHOJI. Contato: drjapa@ig.com.br (18) 99751-6842
Atividade a ser executada
Data de início: 09/08/2019
Data de término: 30/11/2019
Atividade: Testes práticos de campo
Docente/Funcionário responsável
Pesquisador/Docente colaborador
26224 - NILVA GALLI Contato: nilva@unoeste.br
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Atividade a ser executada: Data de início: 09/08/2019 Data de término:
MM489l 30/11/2019
Medicina legal: análise prática dos disparos a curta distância [recurso eletrônico]. / Cristiano Hayoshi Atividade: Coordenadora administrativa da pesquisa
Choji ... et al. -- 1. ed. -- Presidente Prudente: Unoeste – Universidade do Oeste Paulista, 2019. Docente/Funcionário responsável / Pesquisador/Docente colaborador
Comissão organizadora / Comissão executiva Equipe de apoio Outras:
E-book : il. color.
Docente/Funcionário responsável: 2, Pesquisador/Docente colaborador: 1, Comissão organizadora: 2, Comissão
executiva: 1, Equipe de apoio: 0, Outras:
E-book, no formato PDF. Locais para realização da ação: Laboratórios de fotografia e stand de testes.
e-ISBN - 978-85-9492-058-4. Carga horária total da ação: 40
Quantidade de pessoas beneficiadas pela ação: 120 Perfil das pessoas beneficiadas: 100 Natureza da ação
1. Medicina legal. 2. Armas de fogo. I. Choji, Cristiano Hayoshi. II. Felice Júnior, José Otávio de. III. Pena- extensiva:
zzi, Telma de Carvalho. IV. Filgueiras, Iêda Maria Cavalli de Aguiar. V. Bianco, Fábio Vinicius Davoli. VI. Área do conhecimento: Ciências da Saúde Ciências
Bertoz, Sílvio Pinheiro de Magalhães. VII. Título. Abrangência: Nacional (especificar): Criação de atlas fotográfico de achados de Medicina Legal Internacional
(especificar): Interdisciplinar (especificar): Criminalística
340.7 CDD/23ª ed. Justificativas/Objetivos
Criação de Atlas fotográfico bem como texto explicativo de achados de lesões por armas relacionados a aspectos
de Medicina Legal. Apresentação dos relatos em atividades estudantis da Universidade.
Bibliotecária: Jakeline Margaret de Queiroz Ortega – CRB 8/6246
Metodologia:
Solicitação, junto a fabricantes de materiais bélicos de munições e armamentos, material para teste real, para
posteriormente serem fotografados achados relacionados à Medicina Legal. Avaliação de normas legais e éticas
para a realização de testes em tecido animal comprado no mercado (panceta de porco com pele) e papéis cartolina.
Produção real de lesões nos tecidos de animal comprados no mercado e em papeis para fotografia após disparo.

Resultados esperados/Avaliação da ação


Criação de Literatura Nacional de Medicina Legal, com aspectos específicos de nossa realidade.
Documentação fotográfica de achados de lesões por armas de fogo . Criação de Atlas fotográfico realista,
com materiais e achados nacionais. Contribuição para a Criminalística e Medicina Legal para a elucidação
de crimes. Todas normas legais e éticas previstas serão avaliadas e cumpridas para o andamento do
trabalho fotográfico

DIREITOS DESSA PUBLICAÇÃO RESERVADOS PARA:


Universidade do Oeste Paulista – Unoeste Projeto Gráfico: Capa , Paginação, Diagramação e Layout
Rua: José Bongiovani, 700 – Cidade Universitária Projeto de extensão em parceria com o curso CST em Design Gráfico - UNOESTE. Artes Prof. Me. Marcelo
19050-680 – Presidente Prudente – SP José da Mota com a colaboração do discente Honório Eduardo Junior e Profª. M.ª Mariangela Barbosa
Telefone: (0xx18) 3229-1000/2000 Fazano Amendola.
www.unoeste.br 
4 5
Agradecimentos pelo apoio na atividade científica: Agradecimentos:
Nilva Galli
Maurício Rodrigues Costa
Alexandre Marcos Inaco Cirino
Taurus Armas: Silmara de Marchi Ramos
Eduardo Minghelli Márcio Farini Pirondi
Tiago de Oliveria Costa Marco Cesar Beraldo de Almeida
Eduardo Schettini Roberto Azenha Casanova
Iran Daier Brunhani Dante Paperetti Filho

Companhia Brasileira de Cartuchos:


Salesio Nuhs Que não mediram esforços para auxiliar na realização desse
Jairo Santos da Costa trabalho cientifico em beneficio da sociedade.
Eduardo Andrade
LIGAS CIENTÍFICAS
As Ligas Científicas fazem parte de um dos projetos de extensão
do Curso de Medicina e apresentam como principais objetivos:
Complementar a formação acadêmica em uma área específica
do campo médico, por meio de atividades que atendam os
princípios universitários de ensino, pesquisa e extensão.

Estar de acordo com o conjunto de Diretrizes Nacionais em


Ligas Acadêmicas de Medicina normatizadas pela Associação
Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (“ABLAM”) e do
Comitê das Ligas Acadêmicas de Medicina da UNOESTE.

Reunir discentes dos cursos de graduação em Medicina, outros


cursos e docentes universitários, residentes e médicos sem
vínculo com a UNOESTE, como apoiadores.

Colaboradores no Livro :
Ana Paula Bernardes
Beatriz Bech Carvalho
Giovanna Carvalho Merisio Correia
Igor Parada Marangoni
Isabella de Paula Nobre
Nickson Robert de Sousa
Tatylla Moraes Benedito Vinha
Tainah Samecima Alvarenga
Vitoria Pelegrin Dias Rantin

6 7
SUMÁRIO 1 - PREFÁCIO
Dr.ª Nilva Galli
Coordenadora do Curso de Medicina – Presidente Prudente - SP
Universidade do Oeste Paulista - Unoeste
Contato: nilva@unoeste.br

Este livro é uma valiosa contribuição da Liga Acadêmica de Medicina Legal (LAMEL) da Universidade
do Oeste Paulista, e me sinto grandemente honrada em ter sido convidada para prefacia-lo. Atesto que
os acadêmicos, professores, médicos e colaboradores que participaram da construção desse livro são
de enorme competência, e não se podia encontrar menos do que excelência nessa obra.
Este livro aborda um tema de extrema importância para a Criminalística e a Medicina Legal, que é
a Balística Forense, abordando a importância da análise da distância do tiro para a investigação policial,
mostrando de forma pormenorizada como a investigação dos efeitos dos tiros disparados por arma de
fogo pode ajudar na investigação e identificação do infrator e da arma por ele utilizada.
1. PREFÁCIO 09 Trata-se de uma viagem sobre como os vestígios e sinais deixados na pele da vítima podem se
2. LIGA ACADÊMICA DE MEDICINA LEGAL 10 apresentar como provas inconfundíveis, e estas foram descritas de maneira esclarecedora e construtiva.
3. A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DA DISTÂNCIA DO TIRO PARA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL 11 Verifica-se nessa obra o rigor científico e a linguagem clara e apurada, com exemplificação de inúmeras
fotos esclarecedoras. Os leitores, aprendizes ou experts, não deixarão de perceber o estabelecimento de
REFERÊNCIAS 13
parâmetros para a atuação de médicos legistas e criminalistas com respeito à Balística Forense.
4. INTRODUÇÃO 14 Para finalizar, não posso deixar de novamente expressar a alegria que senti ao receber o convite
REFERÊNCIAS 15 para prefaciar essa obra de tão grande qualidade que “nasceu” e “cresceu” na Instituição que tenho
5. COMPARAÇÃO DE FOTOS 16 tanto apreço, tendo o incrível privilégio de lê-lo em primeira mão. Pude, dessa forma, agraciar-me com o
6. RESULTADOS 58 conteúdo dessa obra que será de valiosa contribuição para a Medicina Legal.
REFERÊNCIAS 62 Boa leitura a todos.
8 9
2 - LIGA ACADÊMICA DE MEDICINA LEGAL 3 - A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DA DISTÂNCIA DO TIRO PRA
INVESTIGAÇÃO POLICIAL
Iêda Maria Cavalli de Aguiar Filgueiras
Delegada de Polícia
Titular da Delegacia Seccional de polícia de Presidente Prudente
Especialista “latu sensu”em Direito Penal e em “Violência Doméstica contra crianças e adolescentes”
Contato: iedadelpol@hotmail.com

A Balística Forense é uma disciplina ou ciência integrante da criminalística, que estuda o movimento
dos projéteis particularmente os disparados por armas de fogo, seu comportamento no interior destas
e também no seu exterior, como a trajetória, impacto, marcas, explosão. Apresenta relação direta e
indireta com infrações penais, visando esclarecer e provar sua ocorrência. É dividida em balística interna
(funcionamento das armas e seu mecanismo e propelentes), balística externa (a trajetória do projétil) e
balística dos efeitos (efeitos do projétil no alvo). (SILVA, 2013).
O presente trabalho de catalogação dos efeitos do disparo de arma de fogo, considerando a
distância daquele em relação ao alvo, é parte importantíssima da Balística Forense.
Primeiramente vamos identificar se o tiro foi à curta distância, de longa distância ou à queima
roupa.
Diz-se do tiro à distância, aquele em que entre o cano da arma feito e o corpo da pessoa alvejada
é de 40 a 50 centímetros. Nesse tipo não encontraremos o efeito provocado pela combustão da pólvora
e dos gases, que foram a zona de esfumaçamento e muito menos a zona de tatuagem.
O tiro à queima-roupa ou curta distância é disparado a menos de 40 ou de 50 centímetros da
vítima, mas não está o cano da arma encostado na pessoa. São suas características a presença da zona
de tatuagem e a zona de esfumaçamento.
E finalmente, o tiro encostado. Neste, a boca do cano se apoia no alvo, possibilitando que a lesão
seja produzida pela ação do projétil e dos gases resultantes da deflagração da pólvora. Apresenta orifício
de entrada irregular, amplo, e em regra, maior do que o diâmetro do projétil que produziu. Pode indicar
ao investigador a possibilidade de suicídio.
Em segundo lugar, os vestígios deixados no corpo da vítima poderão auxiliar a identificar o
instrumento utilizado, no caso, a arma de fogo utilizada, seu calibre, por exemplo. Não raras vezes, ao
chegar no local de homicídio, encontramos a vítima somente. Não há testemunhas, não há suspeito e
não há projétil ou qualquer outro vestígio. O exame externo do cadáver será de extrema importância.
A Liga Acadêmica de Medicina Legal (LAMEL), fundada na cidade de Presidente Prudente, Estado Em terceiro lugar, a determinação da distância do disparo, em razão dos vestígios deixados na pele,
de São Paulo, em fevereiro de 2015, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, apartidária, não religiosa, pode indicar se foi uma auto lesão ou se ela foi provocada por terceiros e aí são diversas as hipóteses a
de duração ilimitada e com caráter multiprofissional. Possui foro na cidade de Presidente Prudente nas serem consideradas pelo investigador.
dependências da Universidade do Oeste Paulista, na Faculdade de Medicina Dr. Domingos Leonardo A Polícia Civil ou Polícia Judiciária tem por atribuição a investigação dos crimes e suas autorias,
Cerávolo. e nesse processo deve reunir indícios (provas) de que o fato ocorreu, determinar se houve ou não um
A LAMEL tem como objetivo: antecipar e complementar a vivência teórico-prática dos alunos da crime, e ao identificar a autoria, municiar, para usar um trocadilho, o titular da ação penal e o julgador
graduação nas disciplinas de Medicina Legal e Perícias Médicas; organizar e auxiliar promoções de de elementos suficientes que alicercem aquela conclusão.
caráter científico e social que visem o aprimoramento da formação acadêmica; estimular a elaboração e Nesse trabalho investigativo a Polícia Civil vai tentar responder pelo menos 5 indagações em busca
apresentação de relatos de laudos periciais; realizar seminários ministrados por acadêmicos, professores da verdade real, quais sejam: O que? Quando? Como? Por que? e Quem?
orientadores e professores convidados; organizar palestras, jornadas, congressos, simpósios e outras Ao buscar respostas àquelas indagações num local de crime, podemos dizer que a correta análise da
atividades informativas relacionadas com as áreas de atuação da Liga Acadêmica de Medicina Legal. lesão de entrada de projétil de uma arma de fogo na vítima pode determinar se foi um homicídio, suicídio
Desse modo, o trabalho intitulado “Análise Prática dos Disparos à Curta Distância”, com a ou disparo acidental. Por exemplo, num suicídio, além de outras circunstâncias a serem consideradas no
colaboração de professores, médicos legistas, acadêmicos e convidados, foi de suma importância para exame de corpo de delito, como, por exemplo, se a vítima é destra ou sinistra, o ferimento produzido pela
o aprimoramento da análise dos achados de diferentes distâncias de tiro para a investigação forense, arma de fogo deverá apresentar área de tatuagem bem expressiva, além de zona de esfumaçamento,
pericial e policial, visto que o último atlas de análise de disparo à curta distância foi publicado em como a foto nº 01, porque pressupõe um “tiro” encostado. A constatação de um ferimento limpo, ou seja,
1999. Além disso, o assunto abordado no trabalho é brevemente abordado durante a disciplina de provocado por arma de fogo de explosão que não apresente aquelas características (zona de tatuagem
traumatologia em Medicina Legal durante o período letivo, o que de fato, proporcionou aos alunos da e esfumaçamento), orientam no sentido de ação de terceiro, que não a própria vítima.
LAMEL uma maior vivência e aquisição de conhecimento a respeito do tema. Portanto, a análise dos efeitos do tiro próximos à lesão vai responder para o investigador a distância
10 11
do disparo e esta poderá auxiliá-lo a responder “como” os fatos se deram.
O “como” aconteceu determinada conduta vai ditar se houve crime ou não; em havendo crime, foi
REFERÊNCIAS
doloso ou culposo, também chamado de acidental; se está presente uma das excludentes de ilicitude,
como legítima defesa, ou não; enfim, é de se ressaltar a importância do presente trabalho.
No ano de 1983, Maria da Penha Maia Rodrigues recebeu um tiro de seu exmarido, o professor
universitário colombiano Marco Antônio Heredia Viveiros, enquanto dormia. Ela ficou paraplégica e o
agressor tentou acobertar o crime, afirmando que o disparo foi dado por um ladrão (ADERALDO, 2013).
Uma perícia bem feita colocaria por terra essa afirmação, pois a análise da distância, trajetória e outros
elementos externos poderiam colocar por terra a versão do autor, que só veio a ser punido 12 anos
depois, isto, porque, não satisfeito, tentou eletrocutá-la na banheira, e a corajosa cearense deu um
basta, iniciando sua luta que viria a ser coroada com a condenação do ex-marido e a promulgação da Lei
Maria da Penha em 2006. (BRASIL, 2011).
Esses sinais deixados na pele são tão importantes que receberam o nome dos estudiosos que
os identificaram, funcionam como uma impressão digital, podendo determinar também se se trata de
orifício de entrada ou saída do projétil. Por ex. numa investigação o autor do disparo diz que agiu pra
defender-se, entretanto, os sinais indicam que a entrada do projétil se deu pelas costas. Porque a lesão
por arma de fogo geralmente deixa orifício de entrada e de saída e estes apresentam sinais diferentes.
Portanto, sem esgotar o assunto, esses relatos demonstrar a importância da análise dos vestígios
deixados por um ferimento por arma de fogo e o quão salutar é este trabalho inovador do presente
trabalho.

ADERALDO, Daniel. Maria da Penha levou 12 anos para punir homem que a deixou paraplégica. iG.
Ceará. 04 ago. 2011 Disponível em: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/maria-da-penha-levou-12-
anos-para-punir-homem-que-adeixou-paraplegica/n1597115855042.html. Acesso em: 23 out. 2019.

BRASIL. Lei Maria da Penha (2006). Lei Maria da Penha e Legislação Correlata. – Brasília: Senado
Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2011. Disponivel em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/
bitstream/handle/id/496319/000925795.pdf. Acesso em: 23 out. 2019.

SILVA, Ulisses Anselmo da. Balística Forense: Uma revisão. Seara Jurídica, v.1, n. 9, p. 1-9, jan./jun.,
2013. Disponível em:
http://revistas.unijorge.edu.br/searajuridica/2013_1/searajuridica_2013_1_pag1.pdf. Acesso em: 23
out. 2019.
12 13
4 – INTRODUÇÃO
Giovanna Carvalho Merisio Correia
Beatriz Bech Carvalho
Vitoria Pelegrin Dias Rantin

No estudo de lesões causadas por armas de fogo, é necessário levar em consideração desde o
momento que o projétil toca a pele até o momento em que deixa o corpo. De acordo com a distância do
disparo, essas lesões podem apresentar três características principais, sendo elas orla de contusão, orla
de enxugo e aréola equimótica.
A orla de contusão é uma escoriação causada pelo projétil, no momento em que a pele se invagina e
rompe-se formando um degrau devido à diferença de elasticidade entre a primeira e a segunda camada da
pele. Por apresentar menor elasticidade, a epiderme manifesta um orifício maior, ao contrário da derme,
na qual pode ser observada uma forma circular avermelhada ao redor da lesão.
No orifício de entrada, graças ao atrito do projétil com a derme, há deposição de impurezas, geralmente
de tonalidade escurecida no bordo da lesão, determinando a orla de enxugo que pode-se apresentar de
formas variadas determinadas pela angulação do disparo. Esse sinal tem contorno circular em disparos
perpendiculares à pele e ovalado quando realizados obliquamente. Em conjunto com a orla de contusão é
denominado anel de Fisch.
Em disparos realizados em indivíduos vivos, é possível observar a formação da chamada aréola Na foto , com elementos do disparo a 01 cm, podemos demonstrar
equimótica correspondente a uma lesão periférica resultante do rompimento de pequenos vasos pelo
01 - Seta Branca: Anel de Fisch (enxugo), sem a equimose por se tratar de tecido sem vida. O projetil ao passar pelo tecido
projétil. Quando o tiro é feito em médias ou curtas distâncias ou ainda a queima roupa, pode apresentar tem suas “impurezas” limpas.
características como zonas de tatuagem, esfumaçamento, chamuscamento e compressão de gases. 02 – Seta Vermelha : Tatuagem verdadeira , causada pela impregnação da pele por material composto por pequenos peda-
A zona de tatuagem se dá pela deposição na pele do indivíduo de partículas sólidas pesadas de ços de metal e pólvora que não queimou por completo.
pólvora que não sofreram combustão no processo de explosão e por isso acompanham o projétil em maiores 03 – Seta Verde : Falsa Tatuagem ou esfumaçamento, local onde a fumaça originaria da queima da pólvora recobriu o tecido.
distâncias. Essa característica, observada em disparos a queima roupa, curtas e médias longitudes, possui
Tecido animal (porco) adquirido no comercio comum de supermercado.
tamanho inversamente proporcional à distância do disparo e é permanente, de modo que não desaparece Fonte: Os autores.
mesmo em contato com a água.
A queima da pólvora leva a produção de gases e pigmentos mais leves que acompanham o projétil
em curtas distâncias e a queima roupa, produzindo na epiderme da vítima o sinal chamada de zona de
esfumaçamento, facilmente removível com água.
Em disparos realizados muito próximos a pele ou com o cano da arma encostado no indivíduo, ocorre REFERÊNCIAS
a queima de vestes, pelos e pele apresentando coloração enegrecida em decorrência da combustão dos
gases, formando a zona de chamuscamento.
A explosão libera ainda gases ao redor do orifício de entrada que deprimem a pele formando a zona
de compressão dos gases. Devido a sua constituição elástica, a pele retorna rapidamente a sua posição de MIZIARA, I. D. Manual prático de medicina legal. São Paulo: Atheneu, 2014.
origem de modo que esse aspecto pode ser apenas observado no momento logo após a criação da lesão,
não possuindo grande interesse Médico Legal. MONTANARO, J. O. Medicina legal: para cursos e concursos. São Paulo: Gamatrom, 1995.
14 15
5 – COMPARAÇÃO DE FOTOS

Figura 1 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 2 cm de distância, com zona


de tatuagem (seta vermelha) de 32,8 mm e esfumaçamento (seta verde) de
53,4 mm.
Fonte: Os autores.
16 17
Figura 2 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 3cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 33,9mm e esfumaçamento (seta verde) de
52,4mm.
18 19
Figura 3 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 4cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 47,3mm e esfumaçamento (seta verde) de
42,1mm.
20 21
Figura 4 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 5 cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 45,7 mm e esfumaçamento (seta verde) de
35,5mm.

22 23
Figura 5 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 6cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 53,4mm e esfumaçamento (seta verde) de
40,9mm.
24 25
Figura 6 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 7 cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 34,8mm e esfumaçamento (seta verde) de
47,8mm.

26 27
Figura 7 - Disparo de arma de calibre . 38 SPL, a 8 cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 6,4mm e esfumaçamento (seta verde)
de 34,5 mm.

28 29
Figura 8 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 9cm de distância, com zona
de tatuagem (seta vermelha) de 26,8mm e esfumaçamento (seta verde) de
29,6mm.
30 31
Figura 9 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 10 cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 8mm e esfumaçamento (seta verde) de
43 mm.
32 33
Figura 10 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 11cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 9mm e esfumaçamento (seta verde) de
27mm.
34 35
Figura 11 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 12cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 7mm e esfumaçamento (seta verde) de
31mm.

36 37
Figura 12 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 13cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 6mm e esfumaçamento (seta verde) de
32mm.
38 39
Figura 13 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 14cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 13mm e esfumaçamento (seta verde)
de 36mm.

40 41
Figura 14 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 15cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 17mm e esfumaçamento (seta verde)
de 22mm.
42 43
Figura 15 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 16cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 22mm e esfumaçamento (seta verde)
de 15mm.
44 45
Figura 16 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 17cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 6mm e esfumaçamento (seta verde)
de 10mm.

46 47
Figura 17 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 18cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 17mm.

48 49
Figura 18 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 19cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 15mm.

50 51
Figura 19 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 20cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 14mm.

52 53
Figura 20 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 21cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 13mm.

54 55
Figura 21 - Disparo de arma de calibre .38 SPL, a 22cm de distância, com
zona de tatuagem (seta vermelha) de 12mm.

56 57
6 – RESULTADOS

Observaremos a seguir duas tabelas contendo todos os dados obtidos. A primeira tabela contém
as distâncias de 2 à 10 cm do alvo e a segunda tabela contém de 11 à 22 cm. Agora podemos observar
dois gráficos contemplando visualmente as tabelas representadas anteriormente. A primeira série (azul)
representa o total, a segunda série representa a zona de tatuagem (laranja) e por último a terceira série
(cinza) representa a zona de esfumaçamento.

Tabela 1 - Distâncias de 2 à 10 cm do alvo Tabela 2 – Distância de 11 à 22 cm do alvo


Total Zona de tatuagem Zona de esfumaçamento Total Zona de tatuagem Zona de esfumaçamento
(Seta preta) (Seta Vermelha) (Seta Verde) (Seta preta) (Seta Vermelha) (Seta Verde)

02 cm 84,4 mm 32,8 mm 53,4 mm 11 cm 35 mm 9 mm 27 mm
03 cm 86,3 mm 33,9 mm 52,4 mm 12 cm 38 mm 7 mm 31 mm
04 cm 88,6 mm 47,3 mm 42,1 mm 13 cm 39 mm 6 mm 32 mm
05 cm 80,7 mm 45,7 mm 35,5 mm 14 cm 49 mm 36 mm 13 mm
06 cm 93,3 mm 53,4 mm 40,9 mm 15 cm 39 mm 17 mm 22 mm
07 cm 82,4 mm 34,8 mm 47,8 mm 16 cm 37 mm 22 mm 15 mm
08 cm 40,7 mm 6,4 mm 34,5 mm 17 cm 16 mm 6 mm 10 mm
09 cm 56,4 mm 26,8 mm 29,6 mm 18 cm 17 mm 17 mm 0
10 cm 50 mm 8 mm 43 mm 19 cm 15 mm 15 mm 0
20 cm 14 mm 14 mm 0
21 cm 13 mm 13 mm 0
Fonte: Os autores
22 cm 12 mm 12 mm 0

Fonte: Os autores

58 59
Distância de Disparo X Raio das Zonas
100
90
80

Raio das Zonas (mm)


70
60
50
40
30
20
10
0
02 cm 03 cm 04 cm 05 cm 06 cm 07 cm 08 cm 09 cm 10 cm

Total Zona de tatuagem Zona de esfumaçamento

Gráfico 1 – Distância de disparo X raios das zonas

Distância de Disparo X Raio das Zonas Distância de Disparo X Raio das Zonas
100 100
90 90
80 80
Raio das Zonas (mm)

Raio das Zonas (mm)


70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0
02 cm 03 cm 04 cm 05 cm 06 cm 07 cm 08 cm 09 cm 10 cm 11 cm 12 cm 13 cm 14 cm 15 cm 16 cm 17 cm 18 cm 19 cm 20 cm 21 cm 22 cm

Total Zona de tatuagem Zona de esfumaçamento Total Zona de tatuagem Zona de esfumaçamento

Fonte: Os autores Fonte: Os autores

60 61
REFERÊNCIAS

NAGHAVI, Mohsen. Global mortality from firearms: 1990-2016. JAMA, Seattle, v. 320, n. 8, p. 792-814,
ago. 2018.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2016: homicídios por armas de fogo no Brasil. [Rio de
Janeiro]: Flacso Brasil, 2015.

HUESKE, Edward E. Practical analysis and reconstruction of shooting incidents:


practical aspects of criminal and forensic investigations series. 1. ed. Boca Raton: CRC Press, c2016.

62 63
64