Você está na página 1de 12

A

AUTORRESPONSABILIDADE
ASSUMINDO O CONTROLE PARA

M U D A N Ç A

C É S A R B U E N O
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

Muitas vezes é natural que colocar a responsabilidade para o


ambiente ou o outro facilita o gerenciamento da ansiedade, sendo
um mecanismo de defesa do nosso ego.

Assumir o controle pela mudança é ajudar o cliente a se colocar no


papel de protagosnista de suas experiências, ajudando com que
ele lide e amadurece seus sentimentos de pertencimento,
merecimento, capacidades e possibilidades de novas ações.

Dentre os estados mais básicos está o seu poder de pensar, de


sentir, de falar e de agir. Esses são seus poderes fundamentais.

Esses processos estabelecem todos os recursos internos mais


sofisticados, elevados e mais complexos. Comece com a
consciência de reconhecer e de se apropriar desses recursos
essenciais.

Vamos trabalhar com esta ferramenta para conduzi o cliente, para


acessar um senso de propriedade (expresso na palavra “meu”).
Fazendo isso para estabelecer a base para reconhecimento
pessoal, responsabilidade, pró-atividade e iniciativa.

Desta forma estando definitivamente pronto para trabalhar


processos de mudanças mais complexos.
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

DISTINÇÕES:

O poder de responder aos eventos e gatilhos de sua vida reside


em sua competência-para-responder (responsabilidade).
Quando você se apropria de seus poderes, assume o controle
de sua vida.

PERGUNTAS DE ELICIAÇÃO

Os cliente quando chegam no consultório ficam aprosionados


muitas vezes em pensamentos, sentimentos e comportamentos
vitimistas.
Esse exercício tem a finalidade de preparar o cliente para uma
mudança assumindo o compromisso e a responsabilidade para
gerenciar aquilo que ele pode controlar.
Não é possível gerenciar a vida profissional, financeira,
relacionamentos... mas retormar o controle sobre o que fazer com
tudo isso a partir da autorresponsabilidade.

PERGUNTAS DE ELICIAÇÃO

Você quer se tornar completamente responsável e empoderado


em sua vida?
Você quer eliminar totalmente a atitude de vítima, de se sentir
controlado pelos outros?
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

EXERCÍCIO:

1) Identifique um ou mais eventos que convidem à


fragilização.

Alguma vez já se sentiu fragilizado? Que gatilhos


dispararam esse sentimento?
Alguma coisa alguma vez o convidou a sentir que não
tinha o poder interno para escolher sua resposta?
Você sabe de alguma coisa que possa levá-lo a se
sentir uma vítima?
Bom. Deixe isso de lado por enquanto, iremos usá-lo mais adiante.

2) Acesse uma experiência completa de seus quatro


estados centrais.

Alguma vez
você se sentiu empoderado? No auge de seu jogo? Alguma vez
sentiu-se realmente
forte e no seu melhor? À medida que entra nesse estado agora,
permita tornar-se
consciente de seus poderes pessoais:

Pensar: representar, acreditar, valorar, compreender, raciocinar,


etc.
Emocionar-se: sentir, somatizar, valorar, etc.
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

Note também seus dois poderes públicos ou externos, através dos


quais você pode influenciar a si mesmo e ao mundo:

Falar: linguagem, usar e manipular símbolos, afirmar, etc.


Comportar-se: agir, responder, relacionar-se, etc.

Como você se sente quando nota e desfruta desses poderes?


Você gosta disso?
Quão plenamente você os sente agora? Acesse-os de modo a
começar a sentir claramente esses poderes.
Você aprecia esses poderes?
Você quer amplificar este estado?

O que acontece quando você usa suas mãos para fazer a mímica
das expressões de seus poderes em seu próprio “espaço” pessoal,
a fim de criar um círculo de poder para você?

3) Acesse e amplifique um estado de posse.

O que você possui completa e absolutamente?


A que você pode dizer “meu!” com todas as fibras de seu corpo?
[Faça uma âncora com um toque e/ou sugira uma auto-âncora]
Guardando o acesso ao estado.

Sinta quando você sabe fortemente que algo é seu, quando


todas as fibras em seu ser dizem, “Meu!”
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

Escolha algo pequeno e simples: “Minha mão!” “Meu olho” “Meu


gato” “Minha escova de dente”. [Esteja seguro de que seu referente
para “Meu!” é positivo.]

Quando você agora pensar em algo que leve cada fibra de seu
corpo a sentir isso plenamente – como é isso?
Quão forte é seu senso de “Meu!”? O que você precisa fazer para
aumentá-lo?
Quando ouve sua voz dizer “Meu!”, de que você precisa para tornar
essa voz ainda mais irresistível?
Isso é realmente seu? Realmente?

4) Amplifique seu estado de posse até que sua neurologia


se manifeste.

Sentindo plenamente a sensação de posse, sinta isso agora sobre


sua mente, sobre suas emoções, sobre sua fala e sobre seu
comportamento. Quão bem isso estabelece o quadro para suas
respostas? Você gosta disso? Como é isso agora, quando você
aplica posse a seus poderes-de-resposta?
“Essa é minha zona de poder. Sou totalmente responsável por
minhas respostas mentais, emocionais, verbais e
comportamentais...” Note como isso transforma as coisas.
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

5) Aproprie-se de seus-poderes-de-responder à fragilização


(#1).

Agora, com toda essa irradiação interna dentro de "sua bolha


de energia"... como é quando você sente isso em relação àquele
evento ou situação?

Note como isso transforma sua resposta àquilo.


Quão bem você pode manter seu senso de poder para agora
responder naquele contexto? Você gosta disso?

6) Acompanhamento ao futuro para instalar a mudança.

Imagine-se nas semanas e meses vindouros, caminhando no


mundo com esse quadro mental sobre sua zona de resposta ... de
poder ...
Você gosta disso?
Ao notar como isso transforma as coisas, como isso lhe permite
afirmar seus poderes mentais, emocionais, verbais e de resposta,
você manterá isso?

Uma vez dentro de sua bolha de poder, note como você se sente
quando diz,
“Eu respondo por meus pensamentos, sentimentos, fala e
comportamentos. Respondo por minha Responsabilidade.”
Por CÉSAR BUENO

Assumnindo o controle para a mudança

Note como isso se encaixa bem. Quantas vezes você precisa dizer
isso até que fique bem fixado? Há alguma objeção a isso no fundo
de sua mente?

Então diga, “Sou responsável com outros, mas nunca pelo que os
outros pensam, sentem, falam ou fazem. Responsável com outros
é Relacionamento com os outros.”

Note como isso se estabelece e se há objeções. Agora diga,


“A fronteira de minha Zona de Poder é a linha entre
responsabilidade por e responsabilidade com...”
Por CÉSAR BUENO

O autor
É notorio o quanto, a cada ano, aumentam os números de pessoas
que adentram em transtornos mentais e disturbios psicológicos.
O Brasil vem se tornando o berço das doenças mentais, impedindo
que milhões de pessoas possam assumir o controle de suas vidas
e verdadeiramente se tornarem produtivas, modificando o curso de
nossa história.

Contudo, a cada ano, cada vez mais terapeutas desistem de sua


missão para empreenderem o sonho de outras pessoas. A maioria
deles fazem esse movimento por não saberem gerar o valor
necessário e falar a liguagem do cliente para construírem um
enlace saudável, aumentando o poder de decisão pela mudança
por parte das pessoas que podem se beneficiar de seus serviços.

Entendendo isso, me aprofundei e estudei as ferramentas mais


modernas em atendimento com psicoterapia breve, bem como
estratégias e ferramentas de negócios, marketing, gestão para
ajudar esses terapeutas, assim como fiz em meu consultório, a
prosperarem de suamissão impactando um maior numeor de
pessoas.

Atualmente são milhares de pessoas impactadas com esse


trabalho, que vivem e prosperam com a terapia, ajudando pessoas
a retomarem as rédeas de suas vidas. Sou César Bueno e acredito
que a terapia seja o caminho de mudança par ao Brasil,
ajudo terapeutas a construírem a prosperidade vivendo de
sua missão.
A
AUTORRESPONSABILIDADE
ASSUMINDO O CONTROLE PARA

M U D A N Ç A

C É S A R B U E N O