Você está na página 1de 130

CONTEÚDO

Prefácio
Prefácio

1 Um cientista em Hollywood: a gênese da Interestelar

EU . FUNDAÇÕES

2 Nosso Universo em Breve

3 As leis que controlam o universo 4 Tempo e espaço


distorcidos e gravidade das marés 5 buracos negros

II GARGANTUA

6 Anatomia de Gargantua 7
Estilingues Gravitacionais 8
Imaging Gargantua 9
discos e jatos
10 O acidente é o primeiro bloco de construção da evolução

III DI SASTER NA TERRA


11 Praga
12 Ofegando com oxigênio 13

Viagens interestelares

IV O WORMHOLE

14 Buracos de Minhoca 15 Visualizando Interestelar Buraco de Minhoca 16

Descobrindo o Buraco de Minhoca: ​Ondas Gravitacionais

V. EXPLORAR OS AMBIENTES DE GARGANTUA

17 planeta de Miller 18 vibrações


de Gargantua 19 planeta de
Mann 20 Resistência

VI ICS EXTREME PHYS

21 Quarta e Quinta Dimensões 22 Seres a


Granel 23 Gravidade Confinante 24 Anomalias
Gravitacionais 25 A Equação do Professor 26
Singularidades e Gravidade Quântica

VI I. CLÍMAX

27 A orla do vulcão 28 em Gargantua 29

o Tesseract 30 enviando mensagens ao

passado 31 levantando colônias da

Terra

Onde você pode aprender mais?

Algumas notas técnicas


Agradecimentos Figura
Créditos Bibliografia
Índice de Pessoas
Índice de Assuntos
PREFÁCIO

Um dos grandes prazeres de trabalhar em Interestelar está conhecendo Kip Thorne. Seu entusiasmo contagiante pela ciência era óbvio

desde a nossa primeira conversa, assim como sua relutância em oferecer opiniões semi-formadas. Sua abordagem para todos os

desafios narrativos que eu lancei a ele sempre foi calma, medida e acima de tudo, científico. Ao tentar me manter no caminho da

plausibilidade, ele nunca demonstrou impaciência com minha falta de vontade de aceitar as coisas com confiança (embora meu

desafio de duas semanas à proibição mais rápida que a luz possa ter provocado um suspiro suave).

Ele viu seu papel não como polícia científica, mas como colaborador narrativo - vasculhando revistas científicas e

trabalhos acadêmicos em busca de soluções para os cantos em que me escrevi. Kip me ensinou a característica definidora da

ciência - sua humildade diante das surpresas da natureza. Essa atitude permitiu que ele aproveitasse as possibilidades que a

ficção especulativa apresentava para atacar o paradoxo e o desconhecimento de um ângulo diferente - a narrativa. Este livro é

uma demonstração ampla da imaginação vívida de Kip e seu impulso incansável de tornar a ciência acessível àqueles de nós

que não possuíam seu intelecto maciço ou seu imenso corpo de conhecimento. Ele quer que as pessoas entendam e se

empolgem com as loucas verdades do nosso universo. Este livro está estruturado para permitir que o leitor mergulhe em um

tópico tão profundamente quanto a afinidade deles pela ciência os incentiva - ninguém fica para trás,

Christopher Nolan Los


Angeles, Califórnia
29 de julho de 2014
PREFÁCIO

Eu tive uma carreira de meio século como cientista. Foi muito divertido (na maioria das vezes) e me deu uma perspectiva

poderosa sobre o nosso mundo e o universo.

Quando criança e mais tarde adolescente, fiquei motivado a me tornar cientista lendo ficção científica de Isaac
Asimov, Robert Heinlein e outros, e livros científicos populares de Asimov e do físico George Gamow. A eles devo muito.
Há muito tempo eu queria pagar essa dívida, passando a mensagem para a próxima geração; atraindo jovens e adultos
para o mundo da ciência, a ciência real; explicando aos não-cientistas como a ciência funciona e que grande poder ela
traz para nós como indivíduos, para nossa civilização e para a raça humana.

O filme de Christopher Nolan Interestelar é um mensageiro ideal para isso. Eu tive a grande sorte (e foi sorte) estar
envolvido com Interestelar desde a sua criação. Ajudei Nolan e outros a tecer a ciência real no tecido do filme.

Muito de Interestelar' A ciência está além das fronteiras atuais da compreensão humana. Isso aumenta a mística do filme e

me dá a oportunidade de explicar as diferenças entre ciência firme, suposições educadas e especulação. Permite-me descrever

como os cientistas tomam idéias que começam como especulações e provam que estão erradas ou as transformam em

suposições educadas ou ciência firme.

Eu faço isso de duas maneiras: primeiro, eu explicar o que se sabe hoje sobre os fenômenos vistos no filme (buracos negros, buracos de

minhoca, singularidades, quinta dimensão e coisas do gênero), e explico como aprendemos o que sabemos e como esperamos dominar o

desconhecido. Segundo eu interpretar, do ponto de vista de um cientista, o que vemos em Interestelar, como um crítico de arte ou um

espectador comum interpreta uma pintura de Picasso.

Minha interpretação é frequentemente uma descrição do que imagino estar acontecendo nos bastidores:
a física do buraco negro Gargantua, suas singularidades, horizonte e aparência visual; como a gravidade das marés de

Gargantua poderia gerar ondas d'água de 4.000 metros no planeta Miller; como o tesseract, um objeto com quatro dimensões

espaciais, poderia transportar Cooper tridimensional através do volume tridimensional; . . .

Às vezes, minha interpretação é uma extrapolação do Interestelar a história de além do que vemos no filme; por exemplo, como o

professor Brand, muito antes do início do filme, poderia ter descoberto o buraco de minhoca, através de ondas gravitacionais que viajavam

de uma estrela de nêutrons perto de Gargantua, através do buraco de minhoca para a Terra.

Essas interpretações, é claro, são minhas. Eles não são endossados ​por Christopher Nolan, assim como as interpretações de

um crítico de arte foram endossadas por Pablo Picasso. Eles são o meu veículo para descrever uma ciência maravilhosa.

Alguns segmentos deste livro podem ser difíceis. Essa é a natureza da ciência real. Requer reflexão. Às vezes, um pensamento

profundo. Mas pensar pode ser gratificante. Você pode simplesmente pular as partes difíceis ou pode ter dificuldade para entender. Se

sua luta é infrutífera, a culpa é minha, não sua, e peço desculpas.

Espero que pelo menos uma vez que você se encontre, na calada da noite, meio adormecido, intrigado com algo que escrevi,

intrigado à noite com perguntas que Christopher Nolan me perguntou quando estava aperfeiçoando seu roteiro. E espero

especialmente que, pelo menos uma vez na calada da noite, enquanto você confunda, experimente um momento Eureka, como eu

sempre fazia com as perguntas de Nolan.

Sou grato a Christopher Nolan, Jonathan Nolan, Emma Thomas, Lynda Obst e Steven Spielberg por me receberem
em Hollywood e por me darem essa maravilhosa oportunidade de realizar meu sonho, de passar para a próxima geração
minha mensagem da beleza, o fascínio e o poder da ciência.

Kip Thorne
Pasadena, Califórnia
15 de maio de 2014
A CIÊNCIA DA

I NTERSTELLAR
1

Um cientista em Hollywood:
A GÊNESE DA INTERESTELAR

Lynda Obst, meu parceiro de Hollywood

T ele semeia por Interestelar foi um romance fracassado que se transformou em uma amizade e parceria criativas.

Em setembro de 1980, meu amigo Carl Sagan me telefonou. Ele sabia que eu era pai solteiro, criava uma filha adolescente (ou tentava

fazer isso; eu não era muito bom nisso) e vivia a vida de solteiro da Califórnia do Sul (eu era apenas um pouco melhor nisso), enquanto

perseguia um carreira teórica em física (em aquele Eu estava muito melhor).

Carl ligou para propor um encontro às cegas. Um encontro com Lynda Obst para assistir à estreia mundial da próxima série de

televisão de Carl, Cosmos.

Lynda, uma brilhante e bela editora de contracultura e ciência da Revista New York Times, foi recentemente transplantado

para Los Angeles. Ela foi arrastada para lá chutando e gritando pelo marido, o que contribuiu para a separação deles. Tirando

o melhor partido de uma situação aparentemente ruim, Lynda estava tentando entrar no ramo dos filmes, formulando os

conceitos para um filme chamado Flashdance.

o Cosmos O premier foi um evento de gravata preta no Observatório Griffith. Klutz que eu era, eu usava um smoking azul

bebê. Todo mundo que era alguém em Los Angeles estava lá. Eu estava completamente fora do meu elemento e tive um tempo

glorioso.
Nos dois anos seguintes, Lynda e eu namoramos sem parar. Mas a química simplesmente não estava certa. Sua intensidade

me encantou e me exauriu. Eu debati se a exaustão valia os altos, mas a escolha não era minha. Talvez fossem minhas camisas

de veludo e calças de malha dupla; Eu não sei. Lynda logo perdeu o interesse romântico por mim, mas algo melhor estava

crescendo: uma amizade e parceria duradoura e criativa entre duas pessoas muito diferentes, de mundos muito diferentes.

Avançando para outubro de 2005, outro de nossos jantares ocasionais, em que a conversa variava de
descobertas cosmológicas recentes, políticas de esquerda, boa comida e as areias movediças do cinema. Lynda já
estava entre os produtores mais talentosos e versáteis de Hollywood ( Flashdance, O Rei Pescador, Contato, Como
Perder um Cara em Dez Dias). Eu casei. Minha esposa, Carolee Winstein, havia se tornado a melhor amiga de
Lynda. E eu não tinha feito mal no mundo da física.

Durante o jantar, Lynda descreveu uma idéia que ela havia concebido para um filme de ficção científica e me pediu para

ajudá-la a concretizá-la. Este seria seu segundo empreendimento em ficção científica: uma colaboração comigo, modelada em

sua colaboração anterior com Carl Sagan no filme

Contato.
Eu nunca me imaginei ajudando a criar um filme. Eu nunca cobicei uma presença em Hollywood, além de uma indireta, através das

aventuras de Lynda. Mas trabalhar com Lynda me atraiu, e suas idéias envolviam buracos de minhoca, um conceito astrofísico do qual eu

havia sido pioneiro. Então ela facilmente me atraiu para um brainstorming com ela.

Durante os próximos quatro meses, durante alguns jantares, e-mails e telefonemas, formulamos uma visão aproximada do filme.

Ele incluía buracos de minhoca, buracos negros e ondas gravitacionais, um universo com cinco dimensões e encontros humanos com

criaturas de dimensões superiores.

Mas o mais importante para mim foi a nossa visão para um filme de grande sucesso desde o início na ciência real. Ciência
nas e além das fronteiras do conhecimento humano. Um filme em que o diretor, roteiristas e produtores respeitam a
ciência, se inspiram nela e a tecem no tecido do filme, de maneira completa e convincente. Um filme que dá ao público um
gostinho das coisas maravilhosas que as leis da física podem e podem criar em nosso universo, e das grandes coisas que
os humanos podem alcançar dominando as leis da física. Um filme que inspira muitos na platéia a aprender sobre a ciência
e talvez até seguir carreiras na ciência.

Nove anos depois, Interestelar está alcançando tudo o que imaginávamos. Mas o caminho de lá para cá tem sido um

pouco como os "Perigos da Paulina", com muitos lugares onde nosso sonho poderia ter desmoronado. Adquirimos e perdemos

o lendário diretor Steven Spielberg. Adquirimos um excelente roteirista jovem, Jonathan Nolan, e depois o perdemos duas

vezes, em estágios cruciais, por muitos meses cada. O filme ficou no limbo, sem diretor, por dois anos e meio. Então,

maravilhosamente, foi ressuscitado e transformado nas mãos do irmão de Jonathan, Christopher Nolan, o maior diretor de sua

jovem geração.
Steven Spielberg, diretor inicial

Em fevereiro de 2006, quatro meses após o início do brainstorming, Lynda almoçou com Todd Feldman, o agente de Spielberg na

Creative Artists Agency, CAA. Quando Feldman perguntou em quais filmes ela estava trabalhando, ela descreveu sua colaboração

comigo e nossa visão de um filme de ficção científica com ciência real, tecida desde o início - nosso sonho de Interestelar. Feldman ficou

animado. Ele pensou que Spielberg poderia estar interessado e pediu a Lynda que lhe enviasse um tratamento. naquele mesmo dia! ( Um

"tratamento" é uma descrição da história e dos personagens, geralmente vinte páginas ou mais.)

Tudo o que tínhamos por escrito eram algumas trocas por e-mail e anotações de algumas conversas no jantar. Por isso, trabalhamos

em velocidade de turbilhão por alguns dias para criar um tratamento de oito páginas do qual nos orgulhávamos e o enviamos. Alguns dias

depois, Lynda me enviou um e-mail: “Spielberg leu e está muito interessado. Podemos precisar de uma pequena reunião com ele. Jogos?

XX Lynda.

Claro que eu estava em jogo! Mas uma semana depois, antes que qualquer reunião pudesse ser marcada, Lynda telefonou: “Spielberg está

assinando contrato para dirigir nosso Interestelar! Lynda estava em êxtase. Eu estava em êxtase. "Esse tipo de coisa nunca acontece em

Hollywood", ela me disse. "Nunca." Mas sim.

Confessei então a Lynda que havia visto apenas um filme de Spielberg em minha vida. ET, claro. (Como adulta,
nunca me interessei tanto por filmes.) Então ela me deu uma tarefa de casa: Spielberg Movies Kip Must Watch.

Um mês depois, em 27 de março de 2006, tivemos nosso primeiro encontro com Spielberg - ou Steven, como comecei a ligar para ele.

Nós nos encontramos em uma acolhedora sala de conferências no coração da produtora de filmes Amblin, em Burbank.

Em nossa reunião, sugeri a Steven e Lynda duas diretrizes para a ciência da Interestelar:

1. Nada no filme violará leis firmemente estabelecidas da física ou nosso conhecimento firmemente estabelecido do

universo.

2. Especulações (geralmente selvagens) sobre leis físicas mal compreendidas e o universo surgirão da ciência real, de idéias que

pelo menos alguns cientistas "respeitáveis" consideram possível.

Steven pareceu aceitar e aceitou a proposta de Lynda de convocar um grupo de cientistas para debater conosco, um Interest
Oficina de Ciências.
O workshop foi no dia 2 de junho no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em uma sala de

conferências no final do meu escritório.

Foi uma discussão intoxicante e duradoura de oito horas entre catorze cientistas (astrobiólogos, cientistas planetários,

físicos teóricos, cosmólogos, psicólogos e um especialista em política espacial), além de Lynda, Steven e o pai de Steven,

Arnold e eu. Emergimos exaustos, mas entusiasmados com uma infinidade de novas idéias e objeções às nossas velhas idéias.

Estímulos para
Lynda e eu, ao revisarmos e expandirmos nosso tratamento.

Levamos seis meses devido a nossos outros compromissos, mas em janeiro de 2007 nosso tratamento havia crescido para trinta e

sete páginas, mais dezesseis páginas sobre a ciência da Interestelar.

Jonathan Nolan, roteirista

Paralelamente, Lynda e Steven estavam entrevistando roteiristas em potencial. Foi um longo processo que finalmente convergiu para

Jonathan Nolan, um homem de trinta e um anos que era co-autor (com o irmão Christopher) de apenas dois roteiros, O prestígio e O

Cavaleiro das Trevas, ambos grandes sucessos.

Jonathan, ou Jonah, como seus amigos o chamam, tinha pouco conhecimento de ciência, mas ele era brilhante, curioso e estava ansioso

para aprender. Ele passou muitos meses devorando livros sobre toda a ciência relevante para Interestelar e fazendo perguntas de sondagem. E

ele trouxe para o nosso filme grandes idéias novas que Steven, Lynda e eu abraçamos.

Jonah foi maravilhoso de se trabalhar. Ele e eu discutimos juntos várias vezes sobre a ciência da Interestelar, geralmente durante

um almoço de duas ou três horas no clube da faculdade de Caltech, o Athenaeum. Jonah vinha almoçar repleto de novas idéias e

perguntas. Eu reagiria imediatamente: isso é cientificamente possível, não é. . . Minhas reações às vezes estavam erradas. Jonah me

pressionaria: por que? A respeito . . . ? Mas eu sou lento. Eu ia para casa e dormia nela. No meio da noite, com minhas reações

intestinais suprimidas, muitas vezes encontrava uma maneira de fazer o que ele queria trabalhar, funcionar. Ou encontre uma

alternativa que alcançou o fim que ele buscava. Fiquei bom em pensamento criativo quando meio adormecido.

Na manhã seguinte, eu reunia as anotações semicoerentes que escrevi durante a noite, decifrá-las e escrever um
e-mail para Jonah. Ele responderia por telefone ou e-mail ou outro almoço, e nós convergiríamos. Dessa maneira,
chegamos a anomalias gravitacionais, por exemplo, e ao desafio de aproveitá-las para tirar a humanidade da Terra. E
descobri maneiras, além dos limites do conhecimento atual, de tornar as anomalias cientificamente possíveis.

Em momentos cruciais, trouxemos Lynda para a mistura. Ela era ótima em criticar nossas idéias e nos mandava seguir em novas

direções. Paralelamente ao nosso brainstorming, ela estava trabalhando sua mágica para manter Paramount Pictures na baía para que

possamos manter nossa autonomia criativa e planejar as próximas fases da transformação Interestelar em um filme real.

Em novembro de 2007, Jonah, Lynda, Steven e eu tínhamos concordado com a estrutura de uma história radicalmente revisada, com

base no tratamento de Lynda e meu tratamento original, nas grandes idéias de Jonah e nas muitas outras idéias que surgiram de nossas

discussões - e Jonah estava profundamente envolvido. escrevendo. Então, em 5 de novembro,

Em 2007, o Writers Guild of America convocou uma greve. Jonah foi proibido de continuar escrevendo e desapareceu.

Eu entrei em panico. Todo o nosso trabalho duro, todos os nossos sonhos serão inúteis? Eu perguntei a Lynda. Ela aconselhou a

paciência, mas estava claramente muito chateada. Ela conta vividamente a história da greve na cena 6
do livro dela Sem dormir em Hollywood. A cena é intitulada "A catástrofe".
A greve durou três meses. Em 12 de fevereiro, quando terminou, Jonah voltou a escrever e a intensas discussões com

Lynda e eu. Nos dezesseis meses seguintes, ele produziu um esboço longo e detalhado do roteiro, e depois três rascunhos

sucessivos do próprio roteiro. Quando cada um terminou, nos reunimos com Steven para discutir o assunto. Steven faria

perguntas de sondagem por uma hora ou mais antes de oferecer sugestões, solicitações ou instruções para alterações. Ele

não era muito prático, mas era atencioso, incisivo, criativo - e às vezes firme.

Em junho de 2009, Jonah deu a Steven o rascunho 3 do roteiro e desapareceu de cena. Há muito tempo ele se

comprometera a escrever O Cavaleiro das Trevas Renasce, e vinha adiando mês após mês enquanto trabalhava Interestelar. Ele

não demorou mais, e estávamos sem roteirista. Além disso, o pai de Jonah ficou gravemente doente. Jonah passou muitos

meses em Londres ao lado de seu pai, até a morte de seu pai em dezembro. Durante esse longo hiato, eu temia que Steven

perdesse o interesse.

Mas Steven ficou lá conosco, aguardando o retorno de Jonah. Ele e Lynda poderiam ter contratado outra pessoa para

completar o roteiro, mas eles valorizavam tanto o talento de Jonah que esperavam.

Finalmente, em fevereiro de 2010, Jonah voltou e, em 3 de março, Steven, Lynda, Jonah e eu tivemos uma reunião muito produtiva para

discutir o rascunho 3. de nove meses de Jonah. Eu estava me sentindo um pouco tonto. Finalmente estávamos de volta aos trilhos.

Fig. 1.1. Jonah Nolan, Kip e Lynda Obst.

Então, em 9 de junho, com Jonah no rascunho 4, recebi um e-mail de Lynda: “Temos um problema de acordo com Steven. Eu gosto

disso. Mas não era solúvel. Spielberg e Paramount não conseguiram chegar a um acordo para a próxima fase do Interestelar, e Lynda não

conseguiu intermediar uma solução. De repente nós


não tinha diretor.

Interestelar ia ser muito caro, Steven e Lynda me disseram independentemente. Havia muito poucos diretores com os quais

a Paramount confiaria um filme dessa magnitude. Eu imaginei Interestelar no limbo, morrendo de morte lenta. Eu estava

devastado. Lynda também, a princípio. Mas ela é uma excelente solucionadora de problemas.

Christopher Nolan, diretor e roteirista

Apenas treze dias após o e-mail de Lynda, temos um problema com o Steven, abri minha fila de e-mails para encontrar uma mensagem

eufórica de acompanhamento: “Ótima conversa com Emma Thomas. . . ” Emma é a esposa / produtora e colaboradora de Christopher

Nolan em todos os seus filmes. Ela e Christopher estavam interessados. Lynda estava trêmula de excitação. Jonah ligou e disse a ela:

"Este é o melhor resultado possível". Mas o acordo, por muitas razões, não seria finalizado por dois anos e meio, embora tivéssemos

certeza de que Christopher e Emma estavam comprometidos.

Então nos sentamos. E esperou. De junho de 2010 a 2011 e setembro de 2012. Durante todo o processo, eu me preocupei. Na

minha frente, Lynda projetou um ar de confiança. Mais tarde, porém, ela confidenciou ter escrito estas palavras para si mesma: “Amanhã

poderíamos acordar e Chris Nolan poderia partir, depois de dois anos e meio de espera. Ele poderia ter sua própria idéia. Outro produtor

poderia entregar-lhe um roteiro que ele mais gosta. Ele poderia decidir fazer uma pausa. Então eu estaria errado em ter esperado por

ele esse tempo todo. Acontece. Essa é a minha vida, a vida dos produtores criativos. Mas ele é o diretor perfeito para nós. Então,

esperamos.

Por fim, as negociações começaram, muito, muito acima do meu salário. Christopher Nolan dirigia apenas se a Paramount

compartilhasse o filme com a Warner Bros., o estúdio que fez seus últimos filmes, então um acordo - um contrato extremamente

complexo - teria que ser firmado entre os dois estúdios, normalmente rivais.

Finalmente, em 18 de dezembro de 2012, Lynda enviou um e-mail: “par e warners concordaram com os termos. Bem, pique meu

fígado! começando na primavera !!! ” E a partir daí, com Interestelar nas mãos de Christopher Nolan, até onde eu sabia, tudo estava

limpo. Finalmente! Claro, divertido e revigorante.

Christopher conhecia bem o roteiro de Jonah. Eles são irmãos, afinal, e conversaram como Jonah escreveu. Eles têm uma

história fenomenalmente bem-sucedida de colaboração em roteiros: O prestígio, O Cavaleiro das Trevas, O Cavaleiro das Trevas

Renasce. Jonah escreve os rascunhos iniciais e, em seguida, Christopher assume e reescreve, pensando com cuidado sobre como

ele filmará cada cena enquanto a fabrica no papel.

Com Interestelar agora totalmente nas mãos de Christopher, ele combinou o roteiro de Jonah com o roteiro de outro projeto

em que ele estava trabalhando, e injetou uma perspectiva radicalmente nova e um conjunto de novas idéias importantes - idéias

que levariam o filme a novas direções inesperadas.

Em meados de janeiro, Chris, como logo cheguei a chamá-lo, pediu para me encontrar pessoalmente em seu escritório na
Syncopy, sua produtora de filmes no lote da Warner Bros.
Enquanto conversávamos, ficou claro que Chris conhecia uma quantidade notável de ciência relevante e tinha profunda intuição

sobre isso. Sua intuição estava ocasionalmente errada, mas geralmente correta. E ele estava tremendamente curioso. Nossas

conversas frequentemente divergiam de Interestelar a alguma questão científica irrelevante que o fascinava.

Naquela primeira reunião, impus a Chris minhas diretrizes científicas propostas: nada violará as leis da física firmemente

estabelecidas; todas as especulações surgirão da ciência. Ele parecia positivamente inclinado, mas me disse que se eu não

gostasse do que ele fez com a ciência, não teria que defendê-lo em público. Isso me abalou um pouco. Mas com o filme agora em

pós-produção, estou impressionado com o quão bem ele seguiu essas diretrizes, garantindo que eles não atrapalhassem a criação

de um ótimo filme.

Chris trabalhou intensamente desde meados de janeiro até o início de maio, reescrevendo o roteiro de Jonah. De tempos em tempos, ele

ou seu assistente, Andy Thompson, telefonavam para mim e pediam que eu fosse ao seu escritório ou à sua casa para falar sobre questões

científicas, ou para ler um novo rascunho de seu roteiro e depois se reunir para discuti-lo. Nossas discussões foram longas, tipicamente noventa

minutos, às vezes seguidas de longas ligações telefônicas um ou dois dias depois. Ele levantou questões que me fizeram pensar. Como quando

trabalhava com Jonah, meu melhor pensamento era na calada da noite. Na manhã seguinte, escrevia meus pensamentos em um memorando de

várias páginas com diagramas e figuras e os carregava manualmente para Chris. (Chris se preocupou com o fato de nossas idéias vazarem e

estragarem a crescente expectativa de seus fãs. Ele é um dos cineastas mais secretos de Hollywood.)

As idéias de Chris ocasionalmente pareciam violar minhas diretrizes, mas, surpreendentemente, quase sempre encontrava uma maneira

de fazê-las funcionar cientificamente. Apenas uma vez eu falhei miseravelmente. Em resposta, depois de várias discussões durante um

período de duas semanas, Chris recuou e levou essa parte do filme para outra direção.

Então, no final, não tenho escrúpulos em defender o que Chris fez com a ciência. Pelo contrário, estou entusiasmado! Ele

transformou em realidade o sonho de Lynda e meu sonho de um filme de grande sucesso, com fundamentos da ciência real e com a

ciência real tecida em todo o seu tecido.

Nas mãos de Jonah e Chris, Interestelar A história de mudou enormemente. Assemelha-se ao tratamento de Lynda e

meu apenas com pinceladas mais amplas. É muito melhor! E quanto às idéias científicas: elas não são todas minhas de

forma alguma. Chris trouxe idéias científicas próprias para o filme, idéias que meus colegas físicos assumirão serem

minhas, idéias que eu disse a mim mesmo quando as vi: Por que não pensei nisso? E idéias notáveis ​surgiram das

minhas discussões com Chris, Jonah e Lynda.


Fig. 1.2. Kip e Christopher Nolan conversando no set no Resistência' s módulo de controle.

Em uma noite de abril, Carolee e eu fizemos uma grande festa para Stephen Hawking em nossa casa em Pasadena, com uma

multidão diversificada de cem pessoas: cientistas, artistas, escritores, fotógrafos, cineastas, historiadores, professores de escolas,

organizadores comunitários, organizadores de trabalho, negócios empreendedores, arquitetos e muito mais. Chris e Emma vieram, além

de Jonah Nolan e sua esposa Lisa Joy, e, claro, Lynda. No final da noite, ficamos juntos por um longo tempo em uma varanda, sob as

estrelas, longe do barulho da festa, conversando baixinho - minha primeira oportunidade de conhecer Chris como homem, e não como

cineasta. Foi tão agradável!

Chris é realista, fascinante para conversar e tem um ótimo senso de humor irônico. Ele me lembra outro amigo
meu, Gordon Moore, fundador da Intel: ambos, no auge de seus campos, completamente despretensiosos. Ambos
dirigindo carros antigos, preferindo-os a outros carros mais luxuosos. Ao me fazer sentir confortável e introvertido,
não é fácil.

Paul Franklin, Oliver James e Eugenia de Tunzelmann: os efeitos visuais


Equipe

Um dia, em meados de maio de 2013, Chris me ligou. Ele queria enviar um cara chamado Paul Franklin para minha casa para discutir os

gráficos de computador para Interestelar. Paul chegou no dia seguinte e passamos duas horas deliciosas de brainstorming no meu escritório

em casa. Ele era modesto em comportamento, por


contraste com a força de Chris. Ele foi brilhante. Ele mostrou um profundo conhecimento da ciência relevante, apesar de ter se

formado em artes na faculdade.

Quando Paul estava saindo, perguntei qual empresa gráfica ele estava pensando em usar para os efeitos visuais. "Meu",

ele respondeu suavemente. "E que empresa é essa?" Eu perguntei ingenuamente. “Duplo negativo. Temos 1000 funcionários

em Londres e 200 em Cingapura. ”

Depois que Paul partiu, pesquisei no Google e descobri que ele não só havia fundado o Double Negative, como
também ganhou um Oscar por efeitos visuais no filme de Chris. Começo.
"É hora de me educar sobre esse negócio de filmes", murmurei para mim mesma.

Em uma videoconferência, algumas semanas depois, Paul me apresentou aos líderes de Londres Interestelar equipe de efeitos

visuais. O mais relevante para mim foi Oliver James, o principal cientista que escreveria código de computador subjacente aos efeitos

visuais; e Eugénie von Tunzelmann, que liderou a equipe artística que pegaria o código de computador de Oliver e acrescentaria

extensas reviravoltas artísticas para produzir imagens atraentes para o filme.

Fig. 1.3. Paul Franklin e Kip.

Oliver e Eugénie foram as primeiras pessoas com treinamento em física que eu conheci Interestelar.

Oliver é formado em óptica e física atômica e conhece os detalhes técnicos da relatividade especial de Einstein. Eugénie é um

engenheiro, treinado em Oxford, com foco em engenharia de dados e ciência da computação. Eles falam minha lingua.

Desenvolvemos rapidamente uma ótima relação de trabalho. Por vários meses, lutei quase
tempo, formulando equações para imagens do universo perto de buracos negros e buracos de minhoca (capítulos 8 e 15). Testei

minhas equações usando software de computador de baixa resolução e fácil de usar, chamado Mathematica, e depois enviei as

equações e o código do Mathematica para Oliver. Ele os devorou, os converteu em código de computador sofisticado que poderia

gerar as imagens IMAX de altíssima qualidade necessárias para Interestelar, e depois os passou para Eugénie e sua equipe. Foi uma

alegria trabalhar com eles.

Fig. 1.4. Eugénie von Tunzelmann, Kip e Oliver James.

E o produto final, as visualizações em Interestelar, são incríveis! E cientificamente preciso.

Você não pode imaginar como eu estava em êxtase quando Oliver me enviou seus clipes de filme iniciais. Pela primeira vez na história

- e antes de qualquer outro cientista -, vi em ultra alta definição como é um buraco negro que gira rapidamente. O que faz, visualmente, ao

seu ambiente.

Matthew McConaughey, Anne Hathaway, Michael Caine e Jessica Chastain Em 18 de julho, duas semanas antes

do início das filmagens, recebi um e-mail de Matthew McConaughey, que interpreta Cooper: “por interestelar”, ele

escreveu, “eu gostaria para fazer algumas perguntas e. . . Se você estiver na área de LA, pessoalmente é preferível.

Deixe-me saber por favor, obrigado, em processo, mcConaughey. ”

Nos conhecemos seis dias depois, em uma suíte no L'Hermitage, um hotel boutique em Beverly Hills. Ele foi
alojado lá, lutando para entender o papel de Cooper e a ciência de
Interestelar.
Quando cheguei, ele abriu a porta de bermuda e camiseta, descalça e magra por ter acabado de filmar. Dallas
Buyers 'Club ( pelo qual mais tarde ganhou o Oscar de melhor ator). Ele
perguntou se ele poderia me chamar de "Kip"; Eu disse, é claro, e perguntei como devo chamá-lo. “Qualquer coisa menos Matt;

Eu odeio Matt. "Mateus." "McConaughey". "Ei você." "O que você quiser." Eu escolhi "McConaughey", pois ele sai da língua muito

bem, e há muitos Matthews na minha vida.

McConaughey havia removido todos os móveis da enorme sala de estar / jantar da suíte, exceto um sofá em forma de L e uma

mesa de café. Espalhadas no chão e na mesa, havia folhas de papel de 12 por 18 polegadas, cada uma coberta com notas que

tratavam de um tópico específico, escrito em direções aleatórias, squiwampus. Nos sentamos no sofá. Ele pegava uma folha,

procurava nela e fazia uma pergunta. A pergunta era geralmente profunda e desencadeou uma longa discussão durante a qual ele

escreveria notas na folha.

Muitas vezes, a discussão decolava em direções inesperadas, com a folha esquecida. Foi uma das conversas mais
interessantes e agradáveis ​que já tive há muito tempo! Nós vagamos das leis da física, especialmente da física quântica,
para a religião e o misticismo, para a ciência da
Interestelar, para nossas famílias e especialmente nossos filhos, nossas filosofias da vida, como cada um de nós recebe inspirações, como

nossas mentes funcionam, como fazemos descobertas. Saí, duas horas depois, em estado de euforia.

Mais tarde, contei a Lynda sobre o nosso encontro. "É claro", ela respondeu. Ela poderia ter me dito o que esperar; Interestelar é

seu terceiro filme com McConaughey. Fico feliz que ela não me disse. Foi uma alegria descobrir por mim mesmo.

O e-mail seguinte, algumas semanas depois, era de Anne Hathaway, que interpreta Amelia Brand. “Oi Kip! Espero que

este e-mail encontre bem. . . . Emma Thomas passou o seu e-mail para o caso de eu ter alguma dúvida. Bem, o assunto é

bastante denso, então eu tenho alguns! . . . poderíamos conversar? Muito obrigado, Annie.

Conversamos por telefone, pois nossos horários não podiam ser combinados para uma reunião pessoal. Ela se

descreveu como um nerd da física e disse que seu personagem, Brand, deve conhecer o frio da física - e então se lançou em

uma série de perguntas surpreendentemente técnicas da física: qual é a relação do tempo com a gravidade? Por que

achamos que pode haver dimensões mais altas? Qual é o status atual da pesquisa em gravidade quântica? Existem testes

experimentais de gravidade quântica? . . . Somente no final ela nos deixou desviar do assunto, da música, de fato. Ela tocava

trompete no ensino médio; Eu toquei sax e clarinete.

Durante as filmagens de Interestelar, Eu estava no set muito, muito pouco. Eu não era necessário. Mas uma manhã, Emma

Thomas me visitou pela Resistência conjunto - uma maquete em grande escala do

Resistência pod de comando e navegação da sonda, no estágio 30 nos estúdios da Sony.

Era tremendamente impressionante: 44 pés de comprimento, 26 pés de largura, 16 pés de altura, suspensos no ar; capaz de mudar de

horizontal para quase vertical; requintado em detalhes. Isso me surpreendeu e despertou minha curiosidade.

"Emma, ​por que construir esses conjuntos enormes e complexos, quando a mesma coisa pode ser feita com computação

gráfica?" "Não está claro o que seria mais barato", respondeu ela. "E computador
os gráficos ainda não podem produzir os detalhes visuais atraentes de um cenário real. ” Sempre que possível, ela e Chris usam cenários

reais e efeitos práticos reais, exceto por coisas que não podem ser realmente filmadas dessa maneira, como o buraco negro Gargantua.

Em outra ocasião, escrevi dezenas de equações e diagramas nos quadros do professor Brand e assisti Chris filmar

no escritório do professor com Michael Caine como professor e Jessica Chastain como Murph. 1 Fiquei surpreso com a

deferência calorosa e amigável que Caine e Chastain me mostraram. Apesar de não ter nenhum papel nas filmagens, eu

era notório como

Interestelar O verdadeiro cientista, o cara que inspirou os melhores esforços de todos para acertar a ciência neste filme de grande

sucesso.

Essa notoriedade desencadeou conversas fascinantes com os ícones de Hollywood: não apenas os Nolans, McConaughey e

Hathaway, mas também Caine, Chastain e outros. Um bônus divertido da minha amizade criativa com Lynda.

Agora vem a fase final de Lynda e minha Interestelar Sonhe. A fase em que você, o público, ficou curioso
sobre Interestelar da ciência e procure explicações para coisas bizarras que você viu no filme.

As respostas estão aqui. Por isso escrevi este livro. Aproveitar!

1 Veja o capítulo 25.


Eu

FUNDAÇÕES
2

Nosso Universo em Breve

O Seu universo é vasto. Achingly beautiful. Surpreendentemente simples em alguns aspectos, intricadamente complexo em outros. Da grande
riqueza de nosso universo, precisaremos apenas de alguns fatos básicos que agora vou revelar.

A grande explosão

Nosso universo nasceu em uma explosão gigantesca 13,7 bilhões de anos atrás. A explosão recebeu o nome irreverente de "big

bang" por meu amigo Fred Hoyle, um cosmologista que na época (década de 1940) considerava uma idéia escandalosa e ficcional.

Fred estava provado errado. Desde então, vimos a radiação da explosão, mesmo na última semana (enquanto escrevo isso), evidências

experimentais de radiação emitida no primeiro bilionésimo de trilionésimo de trilionésimo de trilionésimo de segundo após o início da explosão! 2

Não sabemos o que desencadeou o big bang, nem o que existia antes dele. Mas, de alguma forma, o universo emergiu como um

vasto mar de gás ultra-quente, expandindo-se rapidamente em todas as direções, como a bola de fogo inflamada por uma explosão de

bomba nuclear ou pela explosão de um gasoduto. Exceto que o big bang não foi destrutivo (até onde sabemos). Em vez disso, criada tudo

em nosso universo, ou melhor, as sementes para tudo.

Eu adoraria escrever um longo capítulo sobre o big bang, mas com muita força de vontade vou me conter. Não precisamos

disso para o resto deste livro.


Galáxias

À medida que nosso universo se expandia, seu gás quente esfriava. Em algumas regiões, a densidade do gás era um pouco maior do que em

outras, aleatoriamente. Quando o gás ficou frio o suficiente, a gravidade puxou cada região de alta densidade para dentro de si mesma, dando

origem a uma galáxia (um imenso aglomerado de estrelas e seus planetas e gás difuso entre as estrelas); veja a figura 2.1. A galáxia mais

antiga nasceu quando o universo tinha algumas centenas de milhões de anos.

Existem aproximadamente um trilhão de galáxias no universo visível. As maiores galáxias contêm alguns trilhões de estrelas e
têm cerca de um milhão de anos-luz de diâmetro; 3 o menor, cerca de 10 milhões de estrelas e mil anos-luz de diâmetro. No centro da
maioria das galáxias grandes, há um enorme buraco negro (capítulo 5), que pesa um milhão de vezes o peso do sol ou mais. 4

Fig. 2.1. Um rico aglomerado de galáxias chamado Abell 1689 e muitas outras galáxias mais distantes,
fotografadas pelo Telescópio Espacial Hubble.

A Terra reside em uma galáxia chamada Via Láctea. A maioria das estrelas da Via Láctea está na faixa de luz brilhante que

se estende pelo céu da Terra em uma noite clara e escura. E quase todo o
alfinetadas de luz que vemos no céu à noite, não apenas as da faixa brilhante, também estão na Via Láctea.

A galáxia grande mais próxima da nossa é chamada Andrômeda (Figura 2.2). São 2,5 milhões de anos-luz da Terra. Ele contém

cerca de um trilhão de estrelas e tem cerca de 100.000 anos-luz de diâmetro. A Via Láctea é uma espécie de gêmeo de Andrômeda,

aproximadamente do mesmo tamanho, forma e número de estrelas. Se a Figura 2.2 fosse a Via Láctea, a Terra estaria onde eu

colocava o diamante amarelo.

Andrômeda contém um gigantesco buraco negro, 100 milhões de vezes mais pesado que o Sol e tão grande quanto a

órbita da Terra (o mesmo peso e tamanho que Interestelar Gargântua; Capítulo 6). Ele reside no meio da esfera central

brilhante na Figura 2.2.

Fig. 2.2. A galáxia de Andrômeda.

Sistema solar

As estrelas são grandes bolas quentes de gás, geralmente mantidas quentes pela queima de combustível nuclear em seus núcleos. O Sol é

uma estrela bastante típica. Tem 1,4 milhão de quilômetros de diâmetro, cerca de cem vezes maior que a Terra. Sua superfície possui

labaredas, pontos quentes e pontos mais frios, e é fascinante explorar através de um


telescópio (Figura 2.3).
Oito planetas, incluindo a Terra, viajam ao redor do Sol em órbitas elípticas, juntamente com muitos planetas anões (dos quais

Plutão é o mais famoso) e muitos cometas e corpos rochosos menores chamados asteróides e meteoroides (Figura 2.4). A Terra é

o terceiro planeta do Sol. Saturno, com seus anéis lindos, é o sexto planeta lançado e desempenha um papel importante Interestelar

( Capítulo 15).

Fig 2.3. O Sol, fotografado pelo Solar Dynamics Observatory da NASA.


Fig. 2.4. As órbitas dos planetas do Sol e Plutão, e uma região contendo muitos asteróides.

O sistema solar é mil vezes maior que o próprio Sol; a luz precisa de onze horas para atravessá-la.

A distância da estrela mais próxima que não seja o Sol, Proxima Centauri, é 4,24 anos-luz, 2500 vezes mais que a

distância através do sistema solar! No capítulo 13, discuto as terríveis implicações para viagens interestelares.

Morte Estelar: Anãs Brancas, Estrelas de Nêutrons e Buracos Negros O Sol e a Terra têm cerca de 4,5 bilhões de anos,

cerca de um terço da idade do universo. Depois de outros 6,5 bilhões de anos, o Sol esgotará o combustível nuclear em seu núcleo, o

combustível que o mantém quente. O Sol então passará a queimar combustível em uma concha em torno de seu núcleo, e sua superfície se

expandirá para envolver e fritar a Terra. Com o combustível da concha gasto e a Terra frita, o Sol encolherá para se tornar uma estrela anã

branca, sobre o tamanho da Terra, mas com densidade um milhão de vezes maior. A anã branca esfria gradualmente, ao longo de dezenas

de bilhões de anos, para se transformar em uma cinza densa e escura.

Estrelas muito mais pesadas que o Sol queimam seu combustível muito mais rapidamente e depois colapsam para formar uma estrela de

nêutrons ou um buraco negro.

As estrelas de nêutrons têm massas cerca de uma a três vezes a do Sol, circunferências de 75 a 100 quilômetros

(aproximadamente o tamanho de Chicago) e densidades iguais ao núcleo de um átomo: cem trilhões de vezes mais denso que a

rocha e a Terra . De fato, as estrelas de nêutrons são feitas de matéria nuclear quase pura: núcleos atômicos agrupados lado a

lado.

Os buracos negros (Capítulo 5), por outro lado, são feitos total e exclusivamente a partir do espaço distorcido e do tempo distorcido

(explicarei essa afirmação estranha no Capítulo 4). Eles contêm não importa o que seja, mas
eles têm superfícies, chamadas "horizontes de eventos" ou apenas "horizontes", através das quais nada pode escapar, nem mesmo a luz. É

por isso que eles são pretos. A circunferência de um buraco negro é proporcional à sua massa: quanto mais pesado, maior é.

Um buraco negro com aproximadamente a mesma massa que uma estrela típica de nêutrons ou uma anã branca (digamos 1,2 vezes

mais pesada que o Sol) tem uma circunferência de cerca de 22 quilômetros: um quarto da estrela de nêutrons e um milésimo da da anã branca.

Veja a figura 2.5.

Fig. 2.5. Uma anã branca ( esquerda), Estrêla de Neutróns ( meio), e buraco negro ( certo) que

todos pesam até 1,2 sóis. Para a anã branca, mostro apenas um pequeno segmento de

sua superfície.

Como as estrelas geralmente não são mais pesadas do que cerca de 100 Sóis, os buracos negros aos quais elas dão à luz também não

são mais pesados ​que 100 Sóis. Os buracos negros gigantes nos núcleos das galáxias, um milhão a 20 bilhões de vezes mais pesados ​que o

Sol, portanto, não podem ter nascido na morte de uma estrela. Eles devem ter se formado de alguma outra maneira, talvez pela aglomeração de

muitos buracos negros menores;


talvez pelo colapso de enormes nuvens de gás.

Campos magnéticos, elétricos e gravitacionais

Porque as linhas de força magnética desempenham um grande papel em nosso universo e são importantes para Interestelar,

vamos discuti-los também antes de mergulhar Interestelar da ciência.

Como aluno da aula de ciências, você pode ter encontrado linhas de força magnética em um belo e pequeno experimento.

Você se lembra de pegar uma folha de papel, colocar um ímã de barra por baixo e espalhar limalhas de ferro (flocos de ferro

alongados) sobre o papel? As limalhas de ferro fazem o padrão mostrado na Figura 2.6. Eles se orientam ao longo de linhas de força

magnéticas que, de outra forma, são invisíveis. As linhas de força partem de um dos pólos do ímã, giram em torno do ímã e desçam

para o outro pólo. O magnético campo é a coleção de todas as linhas de força magnéticas.

Fig. 2.6. Linhas de força magnética de um ímã de barra, tornadas visíveis por limalhas de ferro polvilhadas em uma folha de papel.
[Desenho de Matt Zimet baseado em um esboço meu; do meu livro Buracos negros e distorções do tempo: o ultrajante legado de Einstein.]

Quando você tenta empurrar dois ímãs junto com os pólos norte voltados um para o outro, suas linhas de força se repelem.

Você não vê nada entre os ímãs, mas sente a força repulsiva do campo magnético. Isso pode ser usado para levitação

magnética, suspendendo um objeto magnetizado - mesmo um trem ferroviário (Figura 2.7) - no ar.

A Terra também possui dois pólos magnéticos, norte e sul. As linhas de força magnética partem do polo magnético sul,

oscilam em torno da Terra e descem para o polo magnético norte (Figura

2.8) Essas linhas de força agarram uma agulha da bússola, assim como agarram limalhas de ferro, e conduzem a agulha a apontar o mais

próximo possível das linhas de força. É assim que uma bússola funciona.
Fig. 2.7. O primeiro trem comercialmente levitado magneticamente do mundo, em Shanghai, China.

Fig. 2.8. As linhas de força magnética da Terra.

As linhas de força magnética da Terra são visíveis pela Aurora Boreal (as luzes do norte; Figura 2.9). Os prótons que

voam para fora do Sol são capturados pelas linhas de força e viajam ao longo delas até a atmosfera da Terra. Lá, os

prótons colidem com moléculas de oxigênio e nitrogênio, fazendo o oxigênio e o nitrogênio fluorescirem. Essa luz

fluorescente é a Aurora.
Fig. 2.9. Aurora Boreal no céu sobre Hammerfest, Noruega.
Fig. 2.10. Concepção artística de uma estrela de nêutrons com seu campo magnético em forma de rosca e seus jatos.

Estrelas de nêutrons têm campos magnéticos muito fortes, cujas linhas de força são em forma de rosquinha, como as da Terra.

Partículas em movimento rápido presas no campo magnético de uma estrela de nêutrons iluminam as linhas de força, produzindo os anéis

azuis na Figura 2.10. Algumas das partículas são liberadas e fluem pelos pólos do campo, produzindo os dois jatos violetas da figura. Esses

jatos consistem em todos os tipos de radiação: raios gama, raios X; ondas ultravioleta, visual, infravermelha e rádio. À medida que a estrela

gira, seus jatos luminosos varrem o céu acima da estrela de nêutrons, como um holofote. Toda vez que um jato varre a Terra, os astrônomos

veem um pulso de radiação, então os astrônomos denominam esses objetos de "pulsares".

O universo contém outros tipos de campos (coleções de linhas de força) além dos campos magnéticos. Um exemplo são os

campos elétricos (coleções de linhas de força elétricas que, por exemplo, levam a corrente elétrica a fluir através dos fios). Outro

exemplo são os campos gravitacionais (coleções de linhas de força gravitacionais que, por exemplo, nos puxam para a superfície da

Terra).

As linhas de força gravitacionais da Terra apontam radialmente para a Terra e puxam objetos em direção à Terra. A
força da atração gravitacional é proporcional à densidade das linhas de força (o número de linhas que passam por uma
área fixa). Quando alcançam o interior, a força
linhas passam por esferas de área sempre decrescente (esferas vermelhas pontilhadas na Figura 2.11), de modo que a densidade das linhas

deve subir inversamente com a área da esfera, o que significa que a gravidade da Terra cresce à medida que você viaja em direção a ela,

como 1 / (o vermelho área das esferas). Como a área de cada esfera é proporcional ao quadrado de sua distância r do centro da Terra, a força

da força gravitacional da Terra cresce à medida que 1 / r 2) Esta é a lei do quadrado inverso de Newton para a gravidade - um exemplo das leis

fundamentais da física que são a paixão do professor Brand em Interestelar e nossa próxima base para

Interestelar da ciência.

Fig. 2.11. As linhas de força gravitacionais da Terra.

2 Google “ondas gravitacionais do big bang” ou “polarização do CMB” para aprender sobre essa incrível descoberta de março de 2014. eu dou

alguns detalhes no final do capítulo 16.

3 Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano: cerca de cem trilhões de quilômetros.
4 Em linguagem mais técnica, sua massa é um milhão de vezes a do Sol ou mais, o que significa sua força gravitacional, quando você está

a uma certa distância fixa, é o mesmo que um milhão de sóis. Neste livro, uso "massa" e "peso" para significar a mesma coisa.
3

As leis que controlam o universo

Mapeando o mundo e decifrando as leis da física

P os hysicists lutaram a partir do século XVII em diante para descobrir as leis físicas que moldam e controlam o nosso
universo. Isso tem sido como os exploradores europeus lutando para descobrir a geografia da Terra (Figura 3.1).

Em 1506, a Eurásia estava entrando em foco e havia vislumbres na América do Sul. Em 1570, as Américas estavam

entrando em foco, mas não havia sinal da Austrália. Em 1744, a Austrália estava entrando em foco, mas a Antártica era terra

incógnita.

Da mesma forma (Figura 3.2), em 1690 o Leis newtonianas da física entraram em foco. Com conceitos como força, massa e

aceleração e equações que os vinculam, como F = ma as leis newtonianas descrevem com precisão o movimento da Lua ao redor

da Terra e da Terra ao redor do Sol, o voo de um avião, a construção de uma ponte e as colisões das bolinhas de gude de uma

criança. No capítulo 2, encontramos brevemente um exemplo de uma lei newtoniana, a lei do quadrado inverso da gravidade.

Em 1915, Einstein e outros haviam encontrado fortes evidências de que as leis newtonianas fracassam no reino dos muito

rápidos (objetos que se movem quase à velocidade da luz), no reino dos muito grandes (nosso universo como um todo) e no reino de

gravidade intensa (por exemplo, buracos negros). Para remediar essas falhas, Einstein nos deu sua revolucionária leis relativísticas

da física ( Figura 3.2). Usando os conceitos de tempo distorcido e espaço distorcido (que descrevo no próximo capítulo), as leis

relativísticas previram e explicaram a expansão do universo, buracos negros, estrelas de nêutrons,


e buracos de minhoca.

1506 - Martin Waldseemuller

1570 - Abraham Ortelius


1744 - Emanuel Bowen

Fig. 3.1. Mapas do mundo entre 1506 e 1744.

Em 1924, ficou claro que as leis newtonianas também fracassam no domínio dos muito pequenos (moléculas, átomos e

partículas fundamentais). Para lidar com isso, Niels Bohr, Werner Heisenberg, Erwin Schrödinger e outros nos deram a leis

quânticas da física ( Figura 3.2). Usando os conceitos de que tudo flutua aleatoriamente pelo menos um pouco (que
descrevo no capítulo 26), e que essas flutuações podem produzir novas partículas e radiação onde antes não existiam, as

leis quânticas nos trouxeram lasers, energia nuclear, luz. diodos emissores e uma profunda compreensão da química.
Fig. 3.2. As leis físicas que governam o universo.

Em 1957, tornou-se evidente que as leis relativísticas e as leis quânticas são fundamentalmente incompatíveis. Eles prevêem

coisas diferentes, coisas incompatíveis, em reinos onde a gravidade é intensa e flutuações quânticas são fortes. 5 Esses reinos

incluem o nascimento do big bang do nosso universo (capítulo 2), os núcleos de buracos negros como Gargantua (capítulos 26 e

28) e viagens no tempo para trás (capítulo 30). Nesses reinos, um "casamento ardente" 6 das leis relativísticas e quânticas

incompatíveis gera novas leis da gravidade quântica ( Figura 3.2).

Ainda não conhecemos as leis da gravidade quântica, mas temos algumas idéias convincentes, incluindo a teoria das

supercordas (capítulo 21), graças ao enorme esforço dos maiores físicos do século XXI do mundo. Apesar dessas idéias, a

gravidade quântica permanece uma terra quase incógnita (uma terra quase desconhecida). Isso deixa muito espaço para

ficção científica emocionante, espaço que Christopher Nolan explora com grande delicadeza Interestelar; ver capítulos 28–

31

Verdade, palpites e especulações

A ciência de Interestelar encontra-se em todos os quatro domínios: newtoniano, relativístico, quântico e


gravidade quântica. Da mesma forma, sabe-se que parte da ciência é verdadeira, alguns são um palpite e outros são

especulações.

Ser estar verdade, a ciência deve basear-se em leis físicas bem estabelecidas (newtoniana, relativista ou
quântica) e deve ter base suficiente na observação para termos certeza de como aplicar as leis bem estabelecidas.

Precisamente nesse sentido, as estrelas de nêutrons e seus campos magnéticos, como descrito no Capítulo 2, são

verdadeiros. Por quê? Primeiro, as estrelas de nêutrons são firmemente previstas pelas leis quânticas e relativísticas.

Segundo, os astrônomos estudaram com enorme detalhe a radiação pulsar das estrelas de nêutrons (pulsos de luz, raios X e

ondas de rádio descritos no capítulo 2). Essas observações pulsares são explicadas de maneira bela e precisa pelas leis

quânticas e relativísticas, se o pulsar for uma estrela giratória de nêutrons; e nenhuma outra explicação foi encontrada.

Terceiro, as estrelas de nêutrons são firmemente previstas para formar explosões astronômicas chamadas supernovas, e

pulsares são vistos no centro de grandes nuvens de gás em expansão, os remanescentes de velhas supernovas. Assim, nós

astrofísicos não temos dúvida;

Outro exemplo de verdade é o buraco negro Gargantua e a curvatura dos raios de luz pelos quais distorce imagens de estrelas

(Figura 3.3). Os físicos chamam essa distorção de "lente gravitacional" porque é semelhante à distorção de uma imagem por uma lente

ou espelho curvado, como na casa de diversão de um parque de diversões, por exemplo.


Fig. 3.3. As estrelas na galáxia de Gargantua, como podem ser vistas em torno da sombra de Gargantua. Gargantua curva os raios de luz que vêm de
cada estrela, distorcendo enormemente a aparência de sua galáxia: "gravitacionalmente" lente a galáxia. [ De uma simulação para este livro pela equipe de efeitos
visuais Negativo Duplo.]

As leis relativísticas de Einstein preveem, inequivocamente, todas as propriedades dos buracos negros de suas superfícies externas,

incluindo suas lentes gravitacionais. 7 Os astrônomos têm evidências observacionais firmes de que existem buracos negros em nosso universo,

incluindo gigantescos buracos negros como Gargantua. Os astrônomos viram lentes gravitacionais por outros objetos (por exemplo, Figura

24.3), embora ainda não por buracos negros, e as lentes observadas estão em concordância precisa com as previsões das leis relativísticas

de Einstein. Isso é o suficiente para mim. As lentes gravitacionais de Gargantua, como simuladas pela equipe de Negativo Duplo de Paul

Franklin, usando as equações de relatividade que eu dei a eles, são verdadeiras. É assim que realmente seria.

Por outro lado, a praga que põe em perigo a vida humana na Terra em Interestelar ( A Figura 3.4 e o Capítulo 11) são um palpite

fundamentado em um sentido e uma especulação em outro. Deixe-me explicar.

Ao longo da história registrada, as plantações que os seres humanos cultivam foram atormentadas por pragas ocasionais

(doenças que se espalham rapidamente causadas por micróbios). A biologia subjacente a essas pragas é baseada na química,

que por sua vez é baseada nas leis quânticas. Os cientistas ainda não sabem como deduzir, das leis quânticas, tudo da química

relevante (mas eles podem deduzir Muito de dele); e ainda não sabem deduzir da química toda a biologia relevante. Mesmo assim,
a partir de observações e experimentos, os biólogos aprenderam muito sobre os males. As pragas encontradas pelos seres humanos até

agora não passaram de infectar um tipo de planta para outro com tanta velocidade que colocam em risco a vida humana. Mas nada que

sabemos garante que isso não possa acontecer. Que tal praga é possível é um palpite educado. Que um dia possa ocorrer é uma especulação

que a maioria dos biólogos considera muito improvável.

Fig. 3.4. Queimando milho queimado. [ De Interestelar, usado como cortesia da Warner Bros. Entertainment Inc.]

As anomalias gravitacionais que ocorrem em Interestelar ( Capítulos 24 e 25), por exemplo, a moeda que Cooper lança

de repente e cai no chão. especulações. O mesmo ocorre com as anomalias para elevar as colônias da Terra (capítulo 31).

Embora os físicos experimentais, ao medir a gravidade, tenham procurado anomalias - comportamentos que não
podem ser explicados pelas leis newtonianas ou relativísticas -, nenhuma anomalia gravitacional convincente foi vista na
Terra.
No entanto, parece provável que, a partir da busca de entender a gravidade quântica, nosso universo seja uma membrana (os

físicos chamam de "brana"). residir em um "hiperespaço" de maior dimensão, ao qual os físicos dão o nome de "volume"; Vejo Figura 3.5 e

capítulos 4 e 21. Quando os físicos carregam as leis relativísticas de Einstein para esse volume, como o professor Brand faz no quadro

negro de seu escritório


(Figura 3.6), eles descobrem a possibilidade de anomalias gravitacionais - anomalias desencadeadas por campos físicos que

residem no volume.

Não temos certeza de que o volume realmente exista. E é apenas um palpite de que, se a maior parte existir, as leis de

Einstein reinam lá. E não temos idéia se o volume, se existir, contém campos que podem gerar anomalias gravitacionais e, se

houver, se essas anomalias podem ser aproveitadas. As anomalias e seu aproveitamento são uma especulação bastante extrema.

Mas eles são uma especulação baseada na ciência que eu e alguns de meus amigos físicos ficamos felizes em receber - pelo

menos tarde da noite, tomando cerveja. Então eles se enquadram nas diretrizes que eu advoguei Interestelar:

“Especulações. . . brotará da ciência real, de idéias que pelo menos alguns cientistas 'respeitáveis' consideram
possível ”(capítulo 1).

Fig. 3.5. Nosso universo, nas proximidades do Sol, é descrito como uma superfície ou brana bidimensional, residindo em uma massa tridimensional. Na
realidade, nossa brana possui três dimensões espaciais e a granel, quatro. Essa figura é explicada mais adiante no capítulo 4; veja especialmente a Figura

4.4.
Fig. 3.6. Equações de relatividade no quadro-negro do professor Brand, descrevendo possíveis fundamentos para anomalias

gravitacionais. Para detalhes, consulte o Capítulo 25.

Ao longo deste livro, ao discutir a ciência da Interestelar, Explico o status dessa ciência - verdade,
palpite ou especulação - e o rotulo no começo de um capítulo ou seção com um símbolo:

pela verdade

para palpite educado para

especulação

Certamente, o status de uma idéia - verdade, palpite ou especulação - pode mudar; e você encontrará essas mudanças

ocasionalmente no filme e neste livro. Para Cooper, o grosso é um palpite educado que se torna uma verdade quando ele vai lá

no tesseract (capítulo 29); e as leis da gravidade quântica são uma especulação até que o TARS as extraia de dentro de um

buraco negro, para Cooper e Murph se tornarem verdade (capítulos 28 e 30).

Para os físicos do século XIX, a lei do inverso do quadrado de Newton para a gravidade era absoluta
verdade. Mas por volta de 1890 foi revolucionado por uma pequena anomalia observada na órbita de Mercúrio ao redor do Sol (capítulo

24). A lei de Newton está quase correta em nosso sistema solar, mas não exatamente. Essa anomalia ajudou a pavimentar o caminho

para as leis relativísticas de Einstein do século XX, que - no reino da forte gravidade - começaram como especulações, se tornaram um

palpite quando os dados observacionais começaram a aparecer e, em 1980, com observações cada vez melhores, evoluíram para

verdade (capítulo 4).

Revoluções que alteram a verdade científica estabelecida são extremamente raras. Mas quando eles acontecem,

podem ter efeitos profundos na ciência e na tecnologia.

Você consegue identificar em sua própria vida especulações que se tornaram suposições educadas e depois verdade? Você já viu

suas verdades estabelecidas reviradas, com uma revolução resultante em sua vida?

5 Nesses reinos, por exemplo, a energia da luz tem enormes flutuações quânticas. Eles são tão grandes que distorcem o espaço e o tempo

enormemente e aleatoriamente. A distorção flutuante está além do escopo das leis relativísticas de Einstein, e a influência da distorção na luz está
além do escopo das leis quânticas da luz.

6 A frase “casamento ardente” foi cunhada por meu mentor John Wheeler, que foi excelente em nomear as coisas. John também cunhou o

as palavras “buraco negro” e “buraco de minhoca” e a frase “um buraco negro não tem pêlos”; Capítulos 14 e 5. Certa vez, ele me descreveu deitado em um banho quente por

horas a fio, deixando sua mente voar em busca da palavra ou frase certa.

7 Capítulos 5, 6 e 8.
4

Tempo e espaço distorcidos e gravidade das marés

A lei de Einstein da distorção do tempo

E instein lutou para entender a gravidade de 1907 em diante. Finalmente, em 1912, ele teve uma inspiração brilhante. Ele percebeu
que o tempo deve ser distorcido pelas massas de corpos pesados, como a Terra ou um buraco negro, e que a distorção é

responsável pela gravidade. Ele incorporou esse insight no que eu gosto de chamar de "lei de Einstein da dobra do tempo", uma

fórmula matemática precisa 8 que descrevo qualitativamente assim: Tudo gosta de viver onde envelhece mais lentamente, e a

gravidade o puxa para lá.

Quanto maior a lentidão do tempo, maior a força da gravidade. Na Terra, onde o tempo é reduzido em apenas alguns microssegundos

por dia, a força da gravidade é modesta. Na superfície de uma estrela de nêutrons, onde o tempo é reduzido em algumas horas por dia, a

força da gravidade é enorme. Na superfície de um buraco negro, o tempo é interrompido, de onde a força da gravidade é tão enorme que

nada pode escapar, nem mesmo a luz.

Esta redução de tempo perto de um buraco negro desempenha um papel importante Interestelar. Cooper se desespera ao ver sua filha

Murph novamente, quando sua viagem perto de Gargantua o leva a envelhecer apenas algumas horas, enquanto Murph, na Terra, envelhece

oito décadas.

A tecnologia humana era muito insignificante para testar a lei de Einstein até quase meio século depois que ele a formulou. O

primeiro bom teste foi em 1959, quando Bob Pound e Glen Rebca usaram um novo
A técnica chamou o efeito Mössbauer para comparar a taxa de fluxo de tempo no porão de uma torre de 73 pés na Universidade de

Harvard com o tempo na cobertura da torre. O experimento deles foi extraordinariamente preciso: bom o suficiente para detectar

diferenças de 0,0000000000016 segundos (1,6 trilionésimos de segundo) em um dia. Surpreendentemente, eles encontraram uma

diferença 130 vezes maior que essa precisão e em excelente concordância com a lei de Einstein: o tempo flui mais lentamente no porão

do que na cobertura em 210 trilhões de segundos de segundo por dia.

A precisão melhorou em 1976, quando Robert Vessot, de Harvard, voou um relógio atômico em um foguete da NASA para uma

altura de 10.000 quilômetros e usou sinais de rádio para comparar sua taxa de tique-taque com os relógios no solo (Figura 4.1).

Vessot descobriu que o tempo no solo flui mais lentamente do que a uma altura de 10.000 quilômetros em cerca de 30

microssegundos (0,00003 segundos) em um dia, e sua medição concordou com a lei do tempo de Einstein que distorce dentro de

sua precisão experimental. Essa precisão (a incerteza na medição de Vessot) foi de sete partes em cem mil:

0,00007 de 30 microssegundos em um dia.

Fig. 4.1. Relógios atômicos medem a desaceleração do tempo na Terra.


[Reproduzido de Einstein estava certo? Pondo à prova a relatividade geral, por Clifford M.
Will (Basic Books, 1993).]

O sistema de posicionamento global (GPS), pelo qual nossos telefones inteligentes podem nos dizer onde estamos com precisão de 10

metros, depende de sinais de rádio de um conjunto de 27 satélites a uma altura de 20.000 quilômetros (Figura 4.2). Normalmente, apenas

quatro a doze satélites podem ser vistos ao mesmo tempo em qualquer


localização na Terra. Cada sinal de rádio de um satélite visível informa ao telefone inteligente onde o satélite está localizado e a

hora em que o sinal foi transmitido. O smartphone mede o tempo de chegada do sinal e o compara com o tempo de transmissão

para saber até que ponto o sinal viajou - a distância entre o satélite e o telefone. Conhecendo as localizações e distâncias de

vários satélites, o smartphone pode triangular para aprender sua própria localização.

Esse esquema falharia se os tempos de transmissão do sinal fossem os tempos reais medidos no satélite. O tempo a uma altura de

20.000 quilômetros flui mais rapidamente do que na Terra em quarenta microssegundos por dia, e os satélites devem corrigir isso. Eles

medem o tempo com seus próprios relógios, depois diminuem esse tempo até a taxa de fluxo de tempo na Terra antes de transmiti-lo para

nossos telefones.

Fig. 4.2. O sistema de posicionamento global.

Einstein era um gênio. Talvez o maior cientista de todos os tempos. Este é um dos muitos exemplos em que suas idéias

sobre as leis da física não puderam ser testadas em seus dias. Exigia meia
século para a tecnologia melhorar o suficiente para um teste com alta precisão, e outro meio século até que os fenômenos que ele

descreveu se tornassem parte da vida cotidiana. Entre outros exemplos estão o laser, a energia nuclear e a criptografia quântica.

A distorção do espaço: o volume e nosso farelo

Em 1912, Einstein percebeu que, se o tempo pode ser distorcido por corpos maciços, o espaço também deve ser distorcido. Mas, apesar da

luta mental mais intensa de sua vida, os detalhes completos das dobras espaciais o escaparam por muito tempo. De 1912 até o final de 1915,

ele lutou. Finalmente, em novembro de 1915, em um grande momento de Eureka, ele formulou sua "equação de campo da relatividade

geral", que resumia todas as suas leis relativísticas, incluindo distorções espaciais.

Novamente, a tecnologia humana era muito insignificante para testes de alta precisão. 9 Desta vez, as melhorias necessárias levaram

sessenta anos, culminando em vários experimentos importantes. O que eu mais gostei foi liderado por Robert Reasenberg e Irwin Shapiro, de

Harvard. Entre 1976 e 1977, eles transmitiram sinais de rádio para duas naves espaciais em órbita ao redor de Marte. A nave espacial,

chamada Viking 1 e Viking 2,

amplificou os sinais e os enviou de volta à Terra, onde foram medidos seus tempos de viagem de ida e volta. Enquanto a Terra e Marte se

moviam ao redor do Sol em suas órbitas, os sinais de rádio atravessavam os caminhos que estavam mudando. No início, os caminhos

estavam longe do Sol, depois passaram perto do Sol e depois novamente, como mostrado na metade inferior da Figura 4.3.
Fig. 4.3. Tempo de viagem para sinais de rádio da Terra para Viking para a terra.

Se o espaço fosse plano, o tempo de viagem de ida e volta mudaria de forma gradual e constante. Isso não aconteceu. Quando

as ondas de rádio passaram perto do Sol, seu tempo de viagem foi maior que o esperado, mais centenas de microssegundos. O tempo

extra de viagem é mostrado, em função da localização da sonda na parte superior da Figura 4.3; subiu e depois desceu. Agora, uma

das leis relativísticas de Einstein diz que as ondas de rádio e a luz viajam a uma velocidade absolutamente constante e imutável. 10 Portanto

a distância da Terra à espaçonave tinha que ser maior do que o esperado quando se passava perto do Sol, mais centenas de

microssegundos vezes a velocidade da luz: cerca de 50 quilômetros.

Esse comprimento maior seria impossível se o espaço fosse plano, como uma folha de papel. É produzido pela dobra espacial

do Sol. Pelo atraso do tempo extra e como ele mudou à medida que a espaçonave se movia em relação à Terra, Reasenberg e

Shapiro inferiram a forma da dobra espacial. Mais precisamente, eles inferiram a forma da superfície bidimensional formada pelos

caminhos da

Viking sinais de rádio. Essa superfície era muito próxima do plano equatorial do Sol, então eu a descrevo aqui.

A forma que a equipe mediu, para o plano equatorial do Sol, é mostrada na Figura 4.4 com
a magnitude do empenamento exagerada. A forma medida era precisamente o que as leis relativísticas de Einstein prevêem -

precisas dentro do erro experimental, que era 0,001 do empenamento real, isto é, uma parte em mil. Em torno de uma estrela de

nêutrons, a distorção espacial é muito maior. Em torno de um buraco negro, é enormemente maior.

Agora, o plano equatorial do Sol divide o espaço em duas metades idênticas, aquela acima do plano e a abaixo. No

entanto, a Figura 4.4 mostra o plano equatorial distorcido como a superfície de uma tigela. Dobra para baixo dentro e perto do

Sol, de modo que os diâmetros dos círculos ao redor do Sol, quando multiplicados por π (3,14159...), São maiores que as

circunferências - maiores, no caso do Sol, por aproximadamente 100 quilômetros. Isso não é muito, mas foi facilmente medido

pela sonda, com precisão de uma parte em mil.

Como o espaço pode "curvar-se"? Dentro o que dobra? Dobra-se dentro de um hiperespaço de dimensão mais alta, chamado "o

volume", que não faz parte do nosso universo!

Vamos tornar isso mais preciso. Na Figura 4.4, o plano equatorial do Sol é uma superfície bidimensional que se curva para baixo

em uma massa tridimensional. Isso motiva a maneira como os físicos pensam sobre o nosso universo inteiro. Nosso universo tem três

dimensões espaciais (leste-oeste, norte-sul, atual) e pensamos nele como uma membrana tridimensional ou brane para abreviar que é

deformado em uma dimensão superior massa. Quantas dimensões a granel possui? Discuto isso cuidadosamente no capítulo 21, mas

para os propósitos de Interestelar, o volume tem apenas uma dimensão de espaço extra: quatro dimensões de espaço ao todo.

Agora, é muito difícil para os humanos visualizar nosso universo tridimensional, nossa brana completa, vivendo e curvando-se

em uma massa quadridimensional. Assim, ao longo deste livro, faço desenhos de nossa brana e massa com uma dimensão removida,

como fiz na Figura 4.4.

Fig. 4.4. Caminhos de Viking sinais de rádio através do plano equatorial deformado do Sol.

No Interestelar, os caracteres geralmente se referem a cinco dimensões. Três são as dimensões espaciais de nosso próprio universo ou

brana (leste-oeste, norte-sul, de cima para baixo). O quarto é o tempo e o quinto é a dimensão de espaço extra do volume.

O volume realmente existe? Existe realmente uma quinta dimensão, e talvez ainda mais, que os humanos nunca experimentaram?

Muito provavelmente sim. Vamos explorar isso no capítulo 21.

A distorção do espaço (distorção da nossa brana) desempenha um papel enorme Interestelar. Por exemplo,
é crucial para a própria existência do buraco de minhoca que conecta nosso sistema solar aos confins do universo, onde

Gargantua vive. E distorce o céu ao redor do buraco de minhoca e ao redor do buraco negro Gargantua; essa é a lente

gravitacional que encontramos na Figura 3.3.

A Figura 4.5 é um exemplo extremo de distorção espacial. É um desenho fantástico da minha amiga artista Lia Halloran, representando

uma região hipotética do nosso universo que contém um grande número de buracos de minhoca (capítulo 14) e buracos negros (capítulo 5)

que se estendem para fora de nossa brana para dentro e através do volume. Os buracos negros terminam em pontos agudos chamados

"singularidades". Os buracos de minhoca conectam uma região de nossa brana a outra. Como sempre, suprimo uma das três dimensões da

nossa brana, para que ela pareça uma superfície bidimensional.

Fig. 4.5. Buracos negros e buracos de minhoca que se estendem para fora do nosso farelo para dentro e através do volume. Uma dimensão espacial é

removida da nossa brana e da maior parte. [ Desenho da artista Lia Halloran.]

Gravidade das marés

As leis relativísticas de Einstein determinam que planetas, estrelas e naves espaciais sem energia perto de um buraco negro se movam pelos

caminhos mais retos permitidos pelo espaço e tempo distorcidos do buraco. A Figura 4.6 mostra exemplos de quatro desses caminhos. Os dois

caminhos roxos que se dirigem para o buraco negro começam paralelos um ao outro. À medida que cada caminho tenta permanecer reto, os

dois caminhos são direcionados um para o outro. A distorção do espaço e do tempo os une. Os caminhos verdes, viajando circunferencialmente

ao redor do buraco, também começam em paralelo. Mas, neste caso, a distorção os separa.
Fig. 4.6. Quatro caminhos para o movimento planetário nas proximidades de um buraco negro. A imagem do buraco é

extraída do desenho de Lia Halloran, Figura 4.5.

Vários anos atrás, meus alunos e eu descobrimos um novo ponto de vista sobre esses caminhos planetários. Na teoria da

relatividade de Einstein, existe uma quantidade matemática chamada tensor de Riemann. Ele descreve os detalhes da distorção

do espaço e do tempo. Encontramos, escondidos na matemática deste tensor de Riemann, linhas de força que comprimem alguns

caminhos planetários e separam outros. "Linhas Tendex", meu aluno David Nichols as apelidou, da palavra latina tendere

significa "esticar".
A Figura 4.7 mostra várias dessas linhas de tendas ao redor do buraco negro da Figura 4.6. Os caminhos verdes começam, nas

extremidades direitas, paralelos um ao outro e, em seguida, as linhas vermelhas do tendex os separam. Eu desenho uma mulher deitada em

uma linha vermelha de tendex. Também a estende; ela sente uma força de alongamento entre a cabeça e os pés, exercida pela linha vermelha

do tendex.
Fig. 4.7. Linhas de tendex em torno de um buraco negro. A imagem do buraco é extraída do desenho de Lia Halloran,
Figura 4.5.

Os caminhos roxos começam, nas extremidades superiores, correndo paralelos um ao outro. Eles são então espremidos pelas linhas

azuis do tendex, e a mulher cujo corpo se encontra ao longo de uma linha azul do tendex também é espremida.

Esse alongamento e compressão é apenas uma maneira diferente de pensar sobre a influência da distorção do espaço e do tempo.

De um ponto de vista, os caminhos são separados ou espremidos devido aos caminhos planetários que se deslocam pelas rotas mais

retas possíveis no espaço e no tempo distorcidos. De outro ponto de vista, são as linhas de tendex que fazem o alongamento e o aperto.

Portanto, as linhas tendex devem, de alguma maneira muito profunda, representar a distorção do espaço e do tempo. E de fato eles

fazem, como nos ensinou a matemática do tensor de Riemann.

Os buracos negros não são os únicos objetos que produzem forças de alongamento e compressão. Estrelas, planetas e luas

também os produzem. Em 1687, Isaac Newton os descobriu em sua própria teoria da gravidade e os usou para explicar as marés do

oceano.

A gravidade da Lua atrai mais fortemente a face próxima da Terra do que a face oposta, pensou Newton. E a direção da

atração pelos lados da Terra é levemente para dentro, porque é em direção ao centro da Lua, uma direção ligeiramente

diferente nos dois lados da Terra. Este é o ponto de vista usual sobre a gravidade da Lua, representada na Figura 4.8.
Fig. 4.8. A explicação de Newton para as marés nos oceanos da Terra.

Agora, a Terra faz não sinto a média desses impulsos gravitacionais, porque está caindo livremente ao longo de sua órbita. 11 ( Isto

é como o Resistência A tripulação não sente a força gravitacional de Gargantua quando está no Resistência, em sua órbita de

estacionamento acima do buraco negro. Eles apenas sentem forças centrífugas devido à Resistência rotação da Terra.) O que a

Terra faz sentir é a atração lunar de setas vermelhas na metade esquerda da Figura 4.8, com sua média subtraída; isto é, sente

um alongamento na direção e fora da Lua e um aperto nas laterais (metade direita da Figura

4.8) É qualitativamente o mesmo que em torno de um buraco negro (Figura 4.7).

Essas forças sentidas esticam o oceano para longe da superfície da Terra nos rostos em direção e para longe da Lua,

produzindo marés altas por lá. E as forças sentidas apertam os oceanos em direção a
a superfície da Terra nos lados laterais da Terra, produzindo marés baixas por lá. À medida que a Terra gira em seu eixo, uma volta completa a

cada vinte e quatro horas, vemos duas marés altas e duas marés baixas. Essa foi a explicação de Newton sobre as marés oceânicas, além de

uma ligeira complicação: a gravidade das marés do Sol também contribui para as marés. Seu alongamento e compressão são adicionados ao

alongamento e compressão da Lua.

Devido ao seu papel nas marés oceânicas, essas forças gravitacionais de aperto e alongamento - as forças da Terra sente - são chamadas

forças de maré. Para uma precisão extremamente alta, essas forças de maré, calculadas usando as leis da gravidade de Newton, são as

mesmas que calculamos usando as leis relativísticas de Einstein. Eles devem ser os mesmos, uma vez que as leis relativísticas e as leis

newtonianas sempre fazem as mesmas previsões quando a gravidade é fraca e os objetos se movem a velocidades muito mais lentas que a luz.

Na descrição relativística das marés da Lua (Figura 4.9), as forças das marés são produzidas por linhas de tendex azuis que

comprimem os lados laterais da Terra e linhas de tendex vermelhas que se estendem em direção e para longe da Lua. É como as linhas

tendex de um buraco negro (Figura 4.7). As linhas tendex da Lua são encarnações visuais da distorção do espaço e do tempo pela Lua. É

notável que uma deformação tão pequena possa produzir forças grandes o suficiente para causar as marés do oceano!
Fig. 4.9. Ponto de vista relativístico das marés: elas são produzidas pelas linhas de

tendex da Lua.

No planeta Miller (capítulo 17), as forças das marés são enormemente maiores e são a chave para o enorme
ondas que Cooper e sua equipe encontram.

W Agora temos três pontos de vista sobre as forças das marés:

• Ponto de vista de Newton ( Figura 4.8): A Terra não sente a força gravitacional completa da Lua, mas a força total
(que varia sobre a Terra) menos a força média.
• O ponto de vista tendex ( Figura 4.9): As linhas de tendas da Lua se esticam e comprimem os oceanos da Terra; também (Figura 4.7) as

linhas de tendas de um buraco negro se esticam e comprimem os caminhos dos planetas e estrelas ao redor do buraco negro.

• O ponto de vista da rota mais reta ( Figura 4.6): Os caminhos de estrelas e planetas ao redor de um buraco negro são as rotas mais retas
possíveis no espaço e no tempo distorcidos do buraco.

Ter três pontos de vista diferentes no mesmo fenômeno pode ser extremamente valioso. Cientistas e engenheiros passam a maior

parte de sua vida tentando resolver quebra-cabeças. O quebra-cabeça pode ser como projetar uma espaçonave. Ou pode estar descobrindo

como os buracos negros se comportam. Qualquer que seja o quebra-cabeça, se um ponto de vista não produz progresso, outro ponto de

vista pode. Observar o quebra-cabeça primeiro de um ponto de vista e depois de outro geralmente pode desencadear novas idéias. É isso

que o professor Brand faz, em Interestelar, ao tentar entender e aproveitar as anomalias gravitacionais (capítulos 24 e 25). É isso que passei

a maior parte da minha vida adulta.

8 Vejo Algumas notas técnicas no final deste livro.

9 Mas veja a primeira seção do capítulo 24.

10 Imutável após correções bem compreendidas por um pouco de desaceleração devido à interação com elétrons no espaço interplanetário -

chamado "correções de plasma".

11 Em 1907, Einstein percebeu que, se ele caísse do telhado de sua casa, por exemplo, ao cair, não sentiria gravidade. Ele
chamou isso de "o pensamento mais feliz da minha vida", porque o levou a iniciar sua busca pela gravidade, a busca que levou aos seus conceitos de tempo e espaço

distorcidos e as leis que governam a distorção.


5

Buracos negros

T O buraco negro Gargantua desempenha um papel importante Interestelar. Vamos examinar os fatos básicos sobre buracos negros neste
capítulo e depois focar em Gargantua no próximo.

Primeiro, uma afirmação estranha: Buracos negros são feitos de espaço e tempo deformados. Nada mais

- não importa o que seja. Agora


alguma explicação.

Formiga em um trampolim: o espaço entortado de um buraco negro

Imagine que você é uma formiga e mora no trampolim de uma criança - uma folha de borracha esticada entre postes altos. Uma

pedra pesada dobra a borracha para baixo, como mostra a Figura 5.1. Você é uma formiga cega, portanto não pode ver os postes, a

pedra ou a folha de borracha dobrada. Mas você é uma formiga inteligente. A folha de borracha é todo o seu universo, e você

suspeita que está deformado. Para determinar sua forma, você caminha em torno de um círculo na região superior medindo sua

circunferência e depois caminha pelo centro de um lado ao outro, medindo seu diâmetro. Se o seu universo fosse plano, a

circunferência seria π = 3,14159 ... vezes o diâmetro. Mas a circunferência, você descobre, é muito menor que o diâmetro. Seu

universo, você conclui, é altamente distorcido!


Fig. 5.1. Uma formiga em um trampolim deformado. [ Meu próprio esboço de mão.]

O espaço em torno de um buraco negro não giratório tem o mesmo empenamento que o trampolim: faça uma fatia equatorial

através do buraco negro. Esta é uma superfície bidimensional. Como visto a granel, essa superfície é deformada da mesma maneira

que o trampolim. A Figura 5.2 é igual à Figura 5.1, com a formiga e os pólos removidos e a rocha substituída por uma singularidade no

centro do buraco negro.


Fig. 5.2. O espaço distorcido dentro e ao redor de um buraco negro, como visto a partir do volume. [ Meu próprio esboço de mão.]

A singularidade é uma região minúscula na qual a superfície forma um ponto e, portanto, é "infinitamente distorcida", e onde, ao

que parece, as forças gravitacionais das marés são infinitamente fortes, por isso, como sabemos, ela é esticada e espremida para fora

da existência. Nos capítulos 26, 28 e 29, vemos que a singularidade de Gargantua é um pouco diferente desta e por quê.

Para o trampolim, a distorção do espaço é produzida pelo peso da rocha. Da mesma forma, pode-se suspeitar, a distorção

espacial do buraco negro é produzida pela singularidade em seu centro. Não tão. De fato, o espaço do buraco é distorcido pela enorme

energia de sua deformação. Sim, era isso que eu queria dizer. Se isso lhe parece um pouco circular, bem, é, mas tem um significado

profundo.

Assim como requer muita energia para dobrar um arco rígido, como preparação para disparar uma flecha, também exige muita

energia para dobrar o espaço; deformar. E assim como a energia de flexão é armazenada no arco dobrado (até a corda ser liberada e

alimentar a energia do arco na flecha), a energia de deformação é armazenada no espaço deformado do buraco negro. E para um buraco

negro, essa energia de deformação é tão grande que gera a deformação.

A distorção gera distorção de maneira não-linear e auto-inicializável. Essa é uma característica fundamental das leis

relativísticas de Einstein, e tão diferente da experiência cotidiana. É um pouco


como um personagem hipotético de ficção científica que retrocede no tempo e dá à luz a si mesma.

Esse cenário de distorção e distorção não ocorre em nosso sistema solar. Em todo o nosso sistema solar, as dobras

espaciais são tão fracas que sua energia é minúscula, pequena demais para produzir muito entortamento. Quase todo o

espaço distorcido em nosso sistema solar é produzido diretamente pela matéria - a matéria do Sol, a matéria da Terra, a

matéria dos outros planetas

- em contraste com um buraco negro onde o empenamento é totalmente responsável pelo empenamento.

Horizonte de eventos e tempo deformado

Quando você ouve a menção de um buraco negro pela primeira vez, provavelmente pensa no seu poder de captura, como mostrado na Figura

5.3, e não no seu espaço distorcido.

Fig. 5.3. Os sinais que eu envio depois de atravessar o horizonte de eventos não podem sair. Nota: Como uma dimensão
espacial é removida deste diagrama, eu sou um Kip bidimensional, deslizando pela superfície bidimensional deformada,

parte de nossa brana. [ Meu próprio esboço de mão.]

Se eu cair em um buraco negro carregando um transmissor de micro-ondas, depois de passar pelo buraco
Horizonte de eventos, Sou inexoravelmente puxada para baixo, na singularidade do buraco. E qualquer sinal que eu tente transmitir de

qualquer maneira seja puxado para baixo comigo. Ninguém acima do horizonte pode ver os sinais que envio depois de atravessar o

horizonte. Meus sinais e eu estamos presos dentro do buraco negro. (Veja o Capítulo 28 para saber como isso acontece Interestelar.)

Esse trapping é realmente causado pelo tempo distorcido do buraco. Se eu pairar sobre o buraco negro, apoiando-me

na explosão de um motor de foguete, quanto mais me aproximar do horizonte, mais lentamente meu tempo fluirá. No

próprio horizonte, o tempo pára e, portanto, de acordo com a lei de Einstein, eu devo experimentar uma atração

gravitacional infinitamente forte.

O que acontece dentro do horizonte de eventos? O tempo é tão extremamente distorcido que flui em uma direção que

você pensaria ser espacial: flui para baixo em direção à singularidade. De fato, esse fluxo descendente é o motivo pelo qual

nada pode escapar de um buraco negro. Tudo é atraído inexoravelmente para o futuro, 12 e como o futuro dentro do buraco é

descendente, longe do horizonte, nada pode escapar de volta para cima, através do horizonte.

Giro do espaço

Buracos negros podem girar, assim como a Terra gira. Um buraco giratório arrasta o espaço ao seu redor em um tipo de vórtice, girando

(Figura 5.4). Como o ar em um tornado, o espaço gira mais rápido perto do centro do buraco, e o turbilhão diminui à medida que se

move para fora, para longe do buraco. Tudo o que cai em direção ao horizonte do buraco é arrastado, pelo turbilhão do espaço, para um

movimento giratório ao redor e ao redor do buraco, como um canudo capturado e arrastado pelo vento de um tornado. Perto do

horizonte, não há como se proteger contra esse arrasto rodopiante.


Fig. 5.4. O espaço ao redor de um buraco negro giratório é arrastado para um movimento giratório. [ Meu próprio esboço de mão.]

Descrição precisa do espaço e do tempo distorcidos em torno de um buraco negro Esses três aspectos da distorção do

espaço-tempo - a distorção do espaço, a lentidão e distorção do tempo e o turbilhão do espaço - são todos descritos por fórmulas

matemáticas. Essas fórmulas foram deduzidas das leis relativísticas de Einstein e suas previsões precisas estão representadas

quantitativamente na Figura 5.5 (em contraste com as Figuras 5.1-5.4, que eram apenas qualitativas).

A forma distorcida da superfície na Figura 5.5 é precisamente o que veríamos do volume, ao olhar para o plano equatorial

do buraco. As cores representam a desaceleração do tempo, medida por alguém que paira a uma altura fixa acima do horizonte.

Na transição do azul para o verde, o tempo flui 20% mais rápido do que o longe do buraco. Na transição do amarelo para o

vermelho, o tempo é reduzido para 10% da sua taxa normal, longe. E no círculo preto, na parte inferior da superfície, o tempo

pára. Este é o horizonte de eventos. É um círculo, não uma esfera, porque estamos olhando apenas para o plano equatorial,

apenas para duas dimensões do nosso universo (da nossa brana). Se restaurássemos a terceira dimensão espacial, o horizonte

se tornaria uma esfera achatada: uma


esferóide. As setas brancas representam a taxa na qual o espaço gira em torno do buraco negro. O turbilhão é rápido no

horizonte e diminui à medida que subimos em uma espaçonave.

Fig. 5.5. Representação precisa do espaço e do tempo distorcidos em torno de um buraco negro que gira rapidamente: um que gira a

99,8% da taxa máxima possível. [ Desenho de Don Davis baseado em um esboço meu.]

Na Figura 5.5 totalmente precisa, não mostro o interior do buraco. Vamos falar disso mais tarde, nos capítulos 26 e 28.

A distorção na Figura 5.5 é a essência de um buraco negro. A partir de seus detalhes, expressos matematicamente, os físicos

podem deduzir tudo sobre o buraco negro, exceto a natureza da singularidade em seu centro. Para a singularidade, eles precisam das

leis mal compreendidas da gravidade quântica (capítulos 26).

Aparência de um buraco negro de dentro do nosso universo

Nós, humanos, estamos confinados à nossa brana. Não podemos escapar dela, a granel (a menos que uma civilização ultra-avançada nos dê

uma carona em um tesserato ou em algum veículo desse tipo, como fazem para Cooper em

Interestelar; veja o capítulo 29). Portanto, não podemos ver o espaço distorcido de um buraco negro, como mostrado na Figura 5.5. Os funis

de buraco negro e as banheiras de hidromassagem tão frequentemente mostrados nos filmes, por exemplo, no filme de 1979 da Disney

Studios O buraco negro, nunca seria visto por nenhuma criatura que vive em nosso universo.
Fig. 5.6. Um buraco negro que gira rapidamente ( esquerda) movendo-se em frente ao campo estrela mostrado à direita. [ De uma simulação para este livro pela equipe de efeitos
visuais Negativo Duplo.]

Interestelar é o primeiro filme de Hollywood a representar um buraco negro corretamente, da maneira que os humanos realmente

o veem e experimentam. A Figura 5.6 é um exemplo, não retirado do filme. O buraco negro lança uma sombra negra no campo de

estrelas atrás dele. Os raios de luz das estrelas são curvados pelo espaço distorcido do buraco; eles são gravitacionalmente lente, produzin

um padrão concêntrico de distorção. Os raios de luz que chegam da borda esquerda da sombra se movem na mesma direção que o

espaço giratório do buraco. O turbilhão do espaço lhes dá um impulso, permitindo que escapem mais perto do horizonte do que os

raios de luz na borda direita da sombra, que lutam contra o turbilhão do espaço. É por isso que a sombra é achatada à esquerda e

incha à direita. No capítulo 8, falo mais sobre esse e outros aspectos de como um buraco negro realmente se parece, visto de perto

em nosso universo, em nossa brane.

Como sabemos que isso é Verdade?

As leis relativísticas de Einstein foram testadas com alta precisão. Estou convencido de que eles estão certos, exceto quando confrontam a

física quântica. Para um grande buraco negro como Interestelar Gargântua, a física quântica é relevante apenas perto de seu centro, em sua

singularidade. Portanto, se os buracos negros existem no nosso universo, eles devem ter as propriedades que as leis relativísticas de Einstein

ditam, as propriedades que descrevi acima.

Essas propriedades e outras foram deduzidas das equações de Einstein por um grande número de físicos intelectualmente

apoiados nos ombros uns dos outros (Figura 5.7); mais importante, Karl Schwarzschild, Roy Kerr e Stephen Hawking. Em 1915,

pouco antes de sua trágica morte na frente alemã / russa da Primeira Guerra Mundial, Schwarzschild deduziu os detalhes do

espaço-tempo distorcido em torno de um buraco negro que não girava. No jargão dos físicos, esses detalhes são chamados de

"métrica de Schwarzschild". Em 1963, Kerr (um matemático da Nova Zelândia) fez o mesmo com um buraco negro giratório: ele

deduziu a "métrica Kerr" do buraco giratório. E no início dos anos 70


Stephen Hawking e outros deduziram um conjunto de leis que os buracos negros devem obedecer quando engolem estrelas, colidem e se

fundem e sentem as forças das marés de outros objetos.

Buracos negros certamente existem. As leis relativísticas de Einstein insistem que, quando uma estrela massiva esgota o

combustível nuclear que a mantém quente, a estrela deve implodir. Em 1939, J. Robert Oppenheimer e seu aluno Hartland Snyder

usaram as leis de Einstein para descobrir que, se a implosão é precisamente esférica, a estrela que implode devo crie um buraco negro

em torno de si e, em seguida, crie uma singularidade no centro do buraco e depois seja engolido pela singularidade. Não importa é

deixado para trás. Nenhuma. O buraco negro resultante é feito inteiramente de espaço e tempo deformados. Ao longo das décadas

desde 1939, os físicos que usam as leis de Einstein mostraram que, se a estrela que implode for deformada e girando, também produzirá

um buraco negro. Simulações em computador revelam todos os detalhes.

Os astrônomos viram evidências convincentes de muitos buracos negros em nosso universo. O exemplo mais bonito é um enorme

buraco negro no centro da nossa galáxia Via Láctea. Andrea Ghez, da UCLA, com um pequeno grupo de astrônomos que ela lidera,

monitorou os movimentos das estrelas em torno desse buraco negro (Figura 5.8). Ao longo de cada órbita, os pontos são a posição da

estrela em momentos separados por um ano. Marquei a localização do buraco negro por um símbolo branco de cinco pontas. Pelos

movimentos observados pelas estrelas, Ghez deduziu a força da gravidade do buraco. Sua atração gravitacional, a uma distância fixa, é

4,1 milhões de vezes maior que a atração do Sol nessa distância. Isso significa que a massa do buraco negro é 4,1 milhões de vezes

maior que a do Sol!

Fig 5.7. Cientistas do buraco negro. Esquerda para a direita: Karl Schwarzschild (1873-1916), Roy Kerr (1934–), Stephen W. Hawking (1942–), J.
Robert Oppenheimer (1904–1967) e Andrea Ghez (1965–).

A Figura 5.9 mostra onde esse buraco negro está no céu noturno no verão. É no canto inferior direito da constelação de

Sagitário, o bule de chá, no × rotulado "Centro Galáctico".

Um enorme buraco negro habita o núcleo de quase todas as grandes galáxias do nosso universo. Muitos deles são tão pesados

​quanto Gargantua (100 milhões de sóis), ou até mais pesados. O mais pesado já medido é 17 bilhões de vezes mais massivo que o Sol;

reside no centro de uma galáxia cujo nome é NGC1277, a 250 milhões de anos-luz da Terra - aproximadamente um décimo do caminho

até a borda do universo visível.


Fig. 5.8. Órbitas observadas de estrelas em torno do enorme buraco negro no centro de nossa galáxia,
como medido por Andrea Ghez e colegas.
Fig. 5.9. A localização do centro da nossa galáxia no céu. Um buraco negro gigante reside lá.

Dentro de nossa própria galáxia, existem cerca de 100 milhões de buracos negros menores: buracos que normalmente têm

entre três e trinta vezes mais peso que o Sol. Sabemos disso não porque vimos evidências de tudo isso, mas porque os astrônomos

fizeram um censo de estrelas pesadas que se tornarão buracos negros quando esgotarem seu combustível nuclear. A partir desse

censo, os astrônomos inferiram quantas dessas estrelas já esgotaram seu combustível e se tornaram buracos negros.

Portanto, os buracos negros são onipresentes em nosso universo. Felizmente, não há nenhum em nosso sistema solar. Se

houvesse, a gravidade do buraco causaria estragos na órbita da Terra. A Terra seria lançada perto do Sol, onde ferve, ou longe

do Sol, onde congela, ou mesmo fora do sistema solar ou no buraco negro. Nós humanos sobreviveríamos por não mais que

um ano ou mais!

Os astrônomos estimam que o buraco negro mais próximo da Terra esteja a aproximadamente 300 anos-luz de distância: cem vezes

mais longe que a estrela mais próxima (exceto o Sol), Proxima Centauri.

N Agora, armados com uma compreensão básica do universo, campos, tempo e espaço distorcidos e, especialmente, buracos
negros, estamos finalmente prontos para explorar Interestelar é Gargantua.

12 Se for possível retroceder no tempo, você só poderá fazer isso viajando para fora no espaço e retornando ao seu ponto de partida

antes de você sair. Vocês não podes retroceda no tempo em algum local fixo, enquanto observa outros avançando no tempo lá. Mais sobre isso no capítulo 30.
II

GARGANTUA
6

Anatomia de Gargantua

Eu Se conhecemos a massa de um buraco negro e a velocidade com que ele gira, então, a partir das leis relativísticas de Einstein, podemos
deduzir todas as outras propriedades do buraco: seu tamanho, a força de sua atração gravitacional, o quanto o horizonte de eventos é

estendido para fora perto do equador por forças centrífugas, os detalhes das lentes gravitacionais dos objetos por trás dele. Tudo.

Isso é incrível. Tão diferente da experiência cotidiana. É como se soubesse meu peso e quão rápido posso correr, você

poderia deduzir tudo sobre mim: a cor dos meus olhos, o comprimento do meu nariz, meu QI. . .

John Wheeler (meu mentor, que deu o nome a "buracos negros") descreveu isso pela frase "Um buraco negro não tem cabelo" -

sem mais, independente propriedades além de sua massa e sua rotação. Na verdade, ele deveria ter dito: "Um buraco negro tem

apenas dois cabelos, dos quais você pode deduzir tudo o mais", mas isso não é tão cativante quanto "sem cabelo", que rapidamente

se incorporou ao folclore do buraco negro e aos cientistas. léxico. 13

Das propriedades do planeta Miller, conforme ilustrado em Interestelar, um físico que conhece as leis relativísticas de
Einstein pode deduzir a massa e a rotação de Gargantua, e daí tudo o mais. Vamos ver como isso funciona. 14

Missa de Gargantua
O planeta Miller (sobre o qual falo detalhadamente no capítulo 17) é o mais próximo possível de Gargantua e ainda sobrevive.

Sabemos disso porque a extrema perda de tempo da equipe só pode ocorrer muito perto de Gargantua.

A uma distância tão próxima, as forças gravitacionais das marés de Gargantua (capítulo 4) são especialmente fortes. Eles

esticam o planeta de Miller na direção e longe de Gargantua e apertam os lados do planeta (Figura 6.1).

Fig. 6.1. As forças gravitacionais das marés de Gargantua se estendem e apertam o

planeta Miller.

A força desse alongamento e compressão é inversamente proporcional ao quadrado da massa de Gargantua. Por quê?

Quanto maior a massa de Gargantua, maior sua circunferência e, portanto, mais as forças gravitacionais de Gargantua estão

nas várias partes do planeta, o que resulta em forças de maré mais fracas. (Veja o ponto de vista de Newton sobre as forças

de maré; Figura 4.8.)


detalhes, concluo que a massa de Gargantua deve ser pelo menos 100 milhões de vezes maior que a massa do Sol. Se

Gargantua fosse menos massivo que isso, destruiria o planeta de Miller!

Em todas as minhas interpretações científicas do que acontece em Interestelar, Eu assumo que isso realmente é

Massa de Gargantua: 100 milhões de sóis. 15 Por exemplo, assumo essa massa no capítulo 17, ao explicar como as forças das marés

de Gargantua poderiam produzir as gigantescas ondas de água que inundam o arqueiro no planeta Miller.

A circunferência do horizonte de eventos de um buraco negro é proporcional à massa do buraco. Para os 100 milhões de

massas solares de Gargantua, a circunferência do horizonte é aproximadamente a mesma que a órbita da Terra ao redor do Sol:

aproximadamente 1 bilhão de quilômetros. Isso é grande! Depois de me consultar, essa é a circunferência assumida pela equipe de

efeitos visuais de Paul Franklin, ao produzir as imagens em Interestelar.

Os físicos atribuem a um buraco negro um raio igual à circunferência do horizonte dividido por 2π (cerca de 6,28). Devido ao

extremo entortamento do espaço dentro do buraco negro, esse não é o raio verdadeiro do buraco. Não é a verdadeira distância do

horizonte ao centro do buraco, conforme medido em nosso universo. Mas isso é raio do horizonte de eventos (metade do seu diâmetro),

medido a granel; veja a Figura 6.3 abaixo. O raio de Gargantua, nesse sentido, é de cerca de 150 milhões de quilômetros, o mesmo que

o raio da órbita da Terra ao redor do Sol.

Gargantua's Spin

Quando Christopher Nolan me disse quanto tempo ele queria no planeta Miller, uma hora há sete anos na Terra, Fiquei
chocado. Eu não achava isso possível e disse isso a Chris. "Não é negociável", insistiu Chris. Portanto, não pela
primeira vez e também não a última, fui para casa, pensei sobre isso, fiz alguns cálculos com as equações
relativísticas de Einstein e encontrei um caminho.

Descobri que, se o planeta de Miller está o mais próximo possível de Gargantua, sem cair, 16 e se Gargantua estiver girando

rápido o suficiente, é possível diminuir a velocidade de uma hora em sete anos de Chris. Mas Gargantua tem que girar terrivelmente

rápido.

Existe uma taxa de rotação máxima que qualquer buraco negro pode ter. Se girar mais rápido que o máximo, seu

horizonte desaparecerá, deixando a singularidade dentro dele aberta para todo o universo ver; isto é, tornando nu - o que

provavelmente é proibido pelas leis da física (capítulo

26)
Descobri que a enorme lentidão do tempo de Chris exige que Gargantua gire quase tão rápido quanto o máximo: menor que o

máximo em cerca de uma parte em 100 trilhões. 17 Na maioria das minhas interpretações científicas de Interestelar, Eu assumo essa

rotação.

A tripulação do Resistência poderia medir a taxa de rotação diretamente assistindo de longe, longe
quando o robô TARS cai no Gargantua (Figura 6.2). 18 Como visto de longe, o TARS nunca cruza o horizonte (porque os sinais que ele

envia após o cruzamento não podem sair do buraco negro). Em vez disso, o infall do TARS parece desacelerar e ele parece pairar

logo acima do horizonte. E enquanto ele paira, o espaço giratório de Gargantua o varre ao redor e ao redor de Gargantua, como visto

de longe. Com o giro de Garantua muito próximo do máximo possível, o período orbital do TARS é de cerca de uma hora, como visto

de longe.

Você pode fazer as contas você mesmo: a distância orbital em torno de Gargantua é de um bilhão de quilômetros e o TARS cobre essa

distância em uma hora; portanto, sua velocidade medida de longe é de cerca de um bilhão de quilômetros por hora, que é aproximadamente a

velocidade da luz! Se Gargantua estivesse girando mais rápido que o máximo, o TARS giraria mais rápido que a velocidade da luz, o que

viola o limite de velocidade de Einstein. Essa é uma maneira heurística de entender por que existe uma rotação máxima possível para

qualquer buraco negro.

Fig. 6.2. O TARS, caindo em Gargantua, é arrastado pela circunferência de bilhões de quilômetros do buraco uma vez a
cada hora, como visto de longe.

Em 1975, descobri um mecanismo pelo qual a Natureza protege os buracos negros de girarem mais rápido que o máximo:

quando se aproxima do máximo de rotação, um buraco negro tem dificuldade em capturar objetos que orbitam na mesma direção

em que o buraco gira e, portanto, quando capturado,


aumentar a rotação do buraco. Mas o buraco captura facilmente coisas que orbitam opostas à sua rotação e que, quando capturado,

diminui a rotação do buraco. Portanto, o giro é facilmente reduzido, quando se aproxima do máximo.

Na minha descoberta, concentrei-me em um disco de gás, um pouco como os anéis de Saturno, que orbita na mesma direção

que o giro do buraco: um disco de acreção ( Capítulo 9). O atrito no disco faz o gás gradualmente entrar em espiral no buraco

negro, girando-o para cima. O atrito também aquece o gás, irradiando fótons. O turbilhão de espaço ao redor do buraco agarra os

fótons que viajam na mesma direção que o buraco gira e os lança para longe, para que eles não possam entrar no buraco. Por

outro lado, o turbilhão agarra fótons que estão tentando viajar em frente ao giro e os suga para dentro do buraco, onde eles

diminuem o giro. Por fim, quando a rotação do buraco atinge 0,998 do máximo, é alcançado um equilíbrio, com a rotação dos

fótons capturados precisamente contrariando a rotação do gás acumulado. Esse equilíbrio parece ser um pouco robusto. Na

maioria dos ambientes astrofísicos, espero que os buracos negros não girem mais rápido do que cerca de 0,998 do máximo.

No entanto, posso imaginar situações - muito raras ou nunca no universo real, mas possíveis - no entanto, a rotação
fica muito mais próxima do máximo, mesmo que Chris precise para diminuir o tempo no planeta Miller, uma parte da
rotação. em 100 trilhões a menos que o giro máximo. Improvável, mas possível.

Isso é comum em filmes. Para fazer um ótimo filme, um cineasta excelente leva as coisas ao extremo. Em filmes de

fantasia científica, como Harry Potter, esse extremo está muito além dos limites do cientificamente possível. Na ficção científica,

geralmente é mantido no reino do possível. Essa é a principal distinção entre fantasia científica e ficção científica. Interestelar é

ficção científica, não fantasia. O giro ultra-rápido da Gargantua é cientificamente possível.

Anatomia de Gargantua

Tendo determinado a massa e o giro de Gargantua, usei as equações de Einstein para calcular sua anatomia. Como no capítulo

anterior, aqui nos concentramos apenas na anatomia externa, deixando o interior (especialmente as singularidades de Gargantua)

para os capítulos 26 e 28.

Na figura superior, na Figura 6.3, você vê a forma do plano equatorial de Gargantua como vista do volume. É como a Figura

5.5, mas como o giro de Gargantua está muito mais próximo do máximo possível (uma parte em 100 trilhões contrasta com duas

partes em mil na Figura 5.5), a garganta de Gargantua é muito mais longa. Estende-se muito mais para baixo antes de alcançar o

horizonte. A região próxima ao horizonte, como vista do volume, parece um cilindro longo. O comprimento da região cilíndrica é de

cerca de duas circunferências do horizonte, ou seja, 2 bilhões de quilômetros.


Fig. 6.3. A anatomia de Gargantua, quando seu giro é apenas uma parte em 100 trilhões menor que o máximo
possível, conforme é necessário para obter a extrema lentidão do tempo no planeta Miller.

As seções transversais do cilindro são círculos no diagrama, mas se restaurássemos a terceira dimensão de nossa

brana saindo do plano equatorial de Gargantua, as seções transversais se tornariam esferas achatadas (esferóides).

No plano equatorial de Gargantua, marquei vários locais especiais que ocorrem nas minhas interpretações científicas de Inter

Horizonte de eventos de Gargantua (círculo preto), a órbita crítica da qual Cooper e TARS caem em Gargantua perto do final

do filme (círculo verde; Capítulo 27), a órbita do planeta Miller (círculo azul; Capítulo 17), a órbita em que a Resistência fica

estacionado enquanto a tripulação visita o planeta Miller (círculo amarelo) e um segmento da órbita não quatorial do planeta

Mann, projetada no plano equatorial (círculo roxo). A parte externa da órbita de Mann
está tão longe de Gargantua (600 Gargantua radii ou mais; Capítulo 19) que tive que redesenhar a imagem em uma escala muito maior

para encaixá-la (figura inferior) e, mesmo assim, não fiz honestamente: Eu só coloquei a parte externa em 100 raios Gargantua em vez de

600 como deveria. Os círculos vermelhos são rotulados como "SOF" para "concha de fogo"; ver abaixo.

Como eu criei esses locais? Uso a órbita do estacionamento como ilustração aqui e discuto os outros mais tarde. No filme, Cooper

descreve a órbita de estacionamento da seguinte maneira: "Então, rastreamos uma órbita mais ampla de Gargantua, paralela ao planeta

Miller, mas um pouco mais longe". E ele quer que esteja longe o suficiente de Gargantua para estar "fora do horário", isto é, longe o

suficiente de Gargantua para que a desaceleração do tempo em comparação com a Terra seja muito modesta. Isso motivou minha escolha

de cinco raios Gargantua (círculo amarelo na Figura 6.3). O tempo para o Ranger viajar dessa órbita de estacionamento para o planeta

Miller, duas horas e meia, reforçou minha escolha.

Mas havia um problema com essa escolha. A essa distância, Gargantua ficaria enorme; subtendia cerca de 50 graus no Resis

céu do. Verdadeiramente inspirador, mas indesejável por tão cedo no filme! Então, Chris e Paul optaram por fazer Gargantua

parecer muito menor na órbita do estacionamento: cerca de dois graus e meio, que é cinco vezes o tamanho da Lua, visto da

Terra - ainda impressionante, mas não esmagadoramente.

A concha de fogo

A gravidade é tão forte perto de Gargantua, e o espaço e o tempo são tão distorcidos que a luz (fótons) pode ficar presa em órbitas

fora do horizonte, viajando ao redor e ao redor do buraco muitas vezes antes de escapar. Essas órbitas presas são instável no

sentido de que os fótons sempre escapam deles, eventualmente. (Por outro lado, os fótons capturados no horizonte nunca podem

sair.)

Eu gosto de chamar essa luz temporariamente presa de "concha de fogo". Esse escudo de fogo desempenha um papel

importante nas simulações de computador (Capítulo 8) subjacentes à aparência visual de Gargantua em Interestelar.

Para não girando um buraco negro, a concha de fogo é uma esfera, uma com circunferência 1,5 vezes maior que a

circunferência do horizonte. A luz aprisionada viaja ao redor desta esfera em grandes círculos (como as linhas de longitude

constante na Terra); e parte dele vaza para dentro do buraco negro, enquanto o restante vaza para fora, para longe do buraco.

Quando um buraco negro é girado, sua concha de fogo se expande para fora e para dentro, ocupando um volume finito e não

apenas a superfície de uma esfera. Para Gargantua, com seu enorme giro, a concha de fogo no plano equatorial se estende do

círculo vermelho inferior da Figura 6.3 ao círculo vermelho superior. A concha de fogo se expandiu para abranger o planeta Miller e a

órbita crítica, e muito, muito mais! O círculo vermelho inferior é um raio de luz (uma órbita de fótons) que se move ao redor e ao redor

de Gargantua na mesma direção em que Gargantua gira (o frente direção). O vermelho superior
círculo é uma órbita de fótons que se move na direção oposta à rotação de Gargantua (a para trás

direção). Evidentemente, o turbilhão de espaço permite que a luz dianteira esteja muito mais próxima do horizonte sem

cair do que a luz traseira. Que efeito enorme o turbilhão do espaço tem!

A região do espaço ocupado pela concha de fogo acima e abaixo do plano equatorial é mostrada na Figura 6.4.
É uma região grande e anular. Eu omito a distorção do espaço nesta imagem; atrapalharia a exibição das três
dimensões da concha de fogo.

Fig. 6.4. A região anular ao redor de Gargantua, ocupada pela concha de fogo.

A Figura 6.5 mostra alguns exemplos de órbitas de fótons (raios de luz) presos, temporariamente, na concha de fogo.

O buraco negro está no centro de cada uma dessas órbitas. A órbita mais à esquerda gira em torno da região equatorial de

uma pequena esfera, viajando sempre para a frente, na mesma direção que o giro de Gargantua. É quase o mesmo que a órbita

vermelha inferior (interna) nas Figuras 6.3 e 6.4. A próxima órbita da Figura 6.5 gira em torno de uma esfera um pouco maior, em

uma direção quase polar e ligeiramente para a frente. A terceira órbita é maior ainda, mas para trás e quase polar. O quarto é quase

equatorial e inverso, ou seja, quase a órbita equatorial vermelha superior (externa) das Figuras

6.3 e 6.4. Essas órbitas estão realmente uma dentro da outra; Eu os afastei para que fiquem mais fáceis de ver.

Alguns fótons temporariamente presos na camada de fogo escapam para fora; eles se afastam de Gargantua. O resto escapa

em espiral para dentro; eles espiralam em direção a Gargantua e mergulham


através do seu horizonte. Os fótons quase presos, mas em fuga, têm um grande impacto na aparência visual de Gargantua em Interestela

Eles marcam a borda da sombra de Gargantua, como visto pela

Resistência tripulação da equipe, e eles produzem uma linha fina e brilhante ao longo da borda da sombra: um “anel de fogo” (capítulo 8).

Fig. 6.5. Exemplos de raios de luz (órbitas de fótons) temporariamente presos na camada de fogo, calculados usando as equações relativísticas de
Einstein.

13 A tradução literal francesa de "um buraco negro não tem cabelo" é tão obscena que os editores franceses resistiram vigorosamente a ela, sem sucesso.

14 Para alguns detalhes quantitativos, consulte Algumas notas técnicas, no final deste livro.

15 Um valor mais razoável pode ser 200 milhões de vezes a massa do Sol, mas eu quero manter os números simples e há muitas
despejo neste, então eu escolhi 100 milhões.

16 Veja a Figura 17.2 e a discussão sobre isso no Capítulo 17.

17 Em outras palavras, seu giro é o máximo menos 0,00000000000000001 do máximo.

18 Quando o TARS cai, o Resistência não está muito longe, está na órbita crítica, bem perto do horizonte, girando em torno de
o buraco quase tão rápido quanto o TARS; então Amelia Brand, no Resistência, não vê TARS varrido em alta velocidade. Para mais informações, consulte o Capítulo 27.
7

Estilingues Gravitacionais

N é difícil avistar uma espaçonave perto de Gargantua, porque as velocidades são muito altas. Para sobreviver, um planeta, estrela ou
espaçonave deve neutralizar a enorme gravidade de Gargantua com uma força centrífuga comparável. Isso significa que ele deve se mover

em velocidade muito alta. Perto da velocidade da luz, acontece. Na minha interpretação científica de Interestelar, a Resistência, estacionado

em dez raios Gargantua enquanto a tripulação visita o planeta Miller, move-se a um terço da velocidade da luz: c / 3, onde c representa a

velocidade da luz. O planeta de Miller se move a 55% da velocidade da luz, 0,55 c.

Para alcançar o planeta Miller da órbita de estacionamento, na minha interpretação (Figura 7.1), o Ranger deve diminuir seu

movimento para frente de c / 3 a muito menos que isso, para que a gravidade de Gargantua possa puxá-la para baixo. E quando

atinge a vizinhança do planeta, o arqueiro deve virar de baixo para frente. E, tendo adquirido velocidade demais ao cair, deve

diminuir em cerca de c / 4 para atingir 0,55 do planeta c velocidade e encontro com ele.
Fig. 7.1. A viagem do Ranger ao planeta Miller, na minha interpretação de Interestelar.

Que mecanismo pode Cooper, o piloto do arqueiro, possivelmente usar para produzir essas enormes mudanças de velocidade?

Tecnologia do século XXI

As mudanças necessárias de velocidade, aproximadamente c / 3, são 100.000 quilômetros por segundo (por segundo,

não por hora!).

Por outro lado, os foguetes mais poderosos que nós humanos temos hoje podem atingir 15 quilômetros por segundo: sete

mil vezes mais lentos. No Interestelar, a Resistência viaja da Terra para Saturno em dois anos a uma velocidade média de 20

quilômetros por segundo, cinco mil vezes mais lenta. O mais rápido que uma sonda humana provavelmente alcançará no século

XXI, eu acho, é de 300 quilômetros por segundo. Isso exigiria um grande esforço de P&D em foguetes nucleares, mas ainda é

trezentas vezes mais lento para Interestelar necessidades.

Felizmente, a natureza fornece uma maneira de conseguir grandes mudanças de velocidade, c / 3, exigido em

Interestelar: estilingues gravitacionais em torno de buracos negros muito menores que Gargantua.
Navegação com estilingue no planeta Miller

Estrelas e pequenos buracos negros se reúnem em torno de gigantescos buracos negros como Gargantua (mais sobre isso na próxima

seção). Na minha interpretação científica do filme, imagino que Cooper e sua equipe façam um levantamento de todos os pequenos

buracos negros que orbitam Gargantua. Eles identificam um que está bem posicionado para desviar gravitacionalmente o Ranger de sua

órbita circular próxima e o envia mergulhando em direção ao planeta Miller (Figura 7.2). Essa manobra assistida pela gravidade é

chamada de "estilingue gravitacional" e tem sido frequentemente usada pela NASA no sistema solar - embora a gravidade venha dos

planetas e não de um buraco negro (veja o final do capítulo).

Esta manobra de estilingue não é vista ou discutida em Interestelar, mas o próximo é mencionado, por Cooper: “Olha, eu

posso mudar isso Estrêla de Neutróns desacelerar ”, diz ele. A desaceleração é necessária porque, tendo caído sob a enorme

força gravitacional de Gargantua, do Resistência Na órbita de Miller, o Ranger adquiriu velocidade demais; está se movendo c / 4

mais rápido que o planeta Miller. Na Figura 7.3, a estrela de nêutrons, viajando para a esquerda em relação ao planeta Miller,

desvia e diminui o movimento do arqueiro, para que possa se encontrar com o planeta.

Fig. 7.2. O arqueiro realiza uma manobra de estilingue em torno de um pequeno buraco negro, desviando-o para baixo,

em direção ao planeta Miller.


Fig. 7.3. O estilingue em torno de uma estrela de nêutrons permite que a sonda se encontre

com o planeta Miller.

Agora, há uma característica desses estilingues que pode ser muito desagradável. De fato, mortais: forças de maré (capítulo 4).

Para alterar as velocidades em até c / 3 ou c / 4, o arqueiro deve chegar perto o suficiente do

pequeno buraco negro e estrela de nêutrons para sentir sua intensa gravidade. Nessas distâncias próximas, se o defletor for uma estrela de

nêutrons ou um buraco negro com raio inferior a 10.000 quilômetros, os humanos e o arqueiro serão despedaçados pelas forças das marés

(capítulo 4). Para que o arqueiro e os humanos sobrevivam, o defletor deve ser um buraco negro de pelo menos 10.000 quilômetros de

tamanho (aproximadamente o tamanho da Terra).

Agora, buracos negros desse tamanho Faz ocorrem na natureza. Eles são chamados de buracos negros de massa intermediária, ou

IMBHs, e apesar de seu grande tamanho, são pequenos em comparação com Gargantua: dez mil vezes menores.

Então Christopher Nolan deveria ter usado um IMBH do tamanho da Terra para desacelerar o Ranger, não uma estrela de nêutrons.

Eu discuti isso com Chris no início de sua reescrita do roteiro de Jonah. Após nossa discussão, Chris escolheu a estrela de nêutrons. Por

quê? Porque ele não queria confundir sua audiência de massa por ter mais de um buraco negro no filme. Um buraco negro, um buraco de

minhoca e também uma estrela de nêutrons, junto com Interestelar outra ciência rica, tudo para ser absorvido em um filme de duas horas

em ritmo acelerado; foi tudo o que Chris pensou que poderia se safar. Reconhecendo que fortes estilingues gravitacionais estão necessário

navegar perto de Gargantua, Chris incluiu um estilingue no diálogo de Cooper, ao preço de usar um defletor cientificamente implausível: a

estrela de nêutrons
em vez de um buraco negro.

Buracos negros de massa intermediária nos núcleos galácticos

Um IMBH de 10.000 quilômetros pesa cerca de 10.000 massas solares. Isso é dez mil vezes menor que Gargantua, mas mil vezes

mais pesado que os buracos negros típicos. Esses são os defletores que Cooper precisa.

Pensa-se que algumas IMBHs se formem nos núcleos de densos aglomerados de estrelas chamados aglomerados globulares, e é

provável que alguns deles cheguem aos núcleos de galáxias, onde residem gigantescos buracos negros.

Um exemplo é Andrômeda, a galáxia grande mais próxima da nossa (Figura 7.4), em cujo núcleo se esconde um buraco negro do

tamanho de Gargantua: 100 milhões de massas solares. Um grande número de estrelas é atraído para a vizinhança de gigantescos

buracos negros; mil estrelas por ano-luz cúbico. Quando uma IMBH passa por uma região tão densa, ela desvia gravitacionalmente as

estrelas, criando uma esteira com densidade aprimorada atrás de si (Figura 7.4). A esteira puxa a IMBH gravitacionalmente, diminuindo

a velocidade da IMBH, um processo chamado “atrito dinâmico”. À medida que a IMBH diminui muito gradualmente, afunda mais nas

proximidades do gigantesco buraco negro. Dessa maneira, a natureza poderia fornecer Cooper, na minha interpretação de Interestelar, com

os IMBHs que ele precisa para seus estilingues. 19

Fig. 7.4. Esquerda: A galáxia de Andrômeda, que abriga um buraco negro do tamanho de Gargantua. Certo: O atrito dinâmico pelo qual uma IMBH
desacelerará gradualmente e afundará nas proximidades do gigantesco buraco negro.

Navegação Orbital por Civilizações Ultra-Avançadas: Uma Digressão


As órbitas de planetas e cometas em nosso sistema solar são todas elipses com uma precisão muito alta (Figura

7.5) As leis da gravidade de Newton garantem e reforçam isso.

Por outro lado, em torno de um gigantesco buraco negro giratório como Gargantua, onde as leis relativísticas de Einstein dominam, as

órbitas são muito mais complexas. A Figura 7.6 é um exemplo. Para essa órbita, cada viagem ao redor de Gargantua exigiria de algumas horas

a alguns dias, de modo que todo o padrão da Figura 7.6 seria varrido em cerca de um ano. Depois de alguns anos, a órbita passaria perto de

quase qualquer destino que você desejasse, embora a velocidade com que você chegasse talvez não estivesse correta. Pode ser necessário

um estilingue para mudar a velocidade e fazer um encontro.

Fig. 7.5. As órbitas dos planetas, Plutão e o cometa de Halley em nosso sistema solar são todas elipses.
Fig. 7.6. Uma única órbita de uma espaçonave ou planeta ou estrela em torno de um gigantesco buraco negro que gira rapidamente

como Gargantua. [ De uma simulação de Steve Drasco.]

Eu vou permitir vocês imagine como uma civilização ultra avançada pode usar órbitas tão complexas. Nas minhas interpretações

científicas do filme, por simplicidade, eu as evito principalmente e concentro-me principalmente em órbitas circulares e equatoriais (as

dos estacionados Resistência, O planeta de Miller ea órbita crítica), e em trajetórias simples para a Resistência enquanto viaja de uma

órbita equatorial circular para outra. Uma exceção é a órbita do planeta de Mann, discutida no capítulo 19.

Estilingues gravitacionais da NASA no sistema solar

Vamos voltar do mundo do possível (o que as leis da física permitem) a estilingues gravitacionais da vida real nos
limites confortáveis ​do nosso sistema solar (o que os humanos realmente alcançaram em 2014).

Você pode estar familiarizado com as Cassini nave espacial (Figura 7.7). Foi lançado da Terra em 15 de outubro de 1997, com pouco

combustível para chegar ao seu destino, Saturno. O déficit foi tratado por estilingues: em torno de Vênus em 26 de abril de 1998; um

segundo estilingue em torno de Vênus em 24 de julho de 1999; ao redor da Terra em 18 de agosto de 1999; e em torno de Júpiter em 30

de dezembro de 2000. Chegando a Saturno em 1º de julho de 2004, Cassini desacelerou com a ajuda de um estilingue ao redor da lua

mais próxima de Saturno, Io.


Fig. 7.7. A trajetória de Cassini da Terra para Saturno.

Nenhum desses estilingues se parecia com os que descrevi acima. Em vez de desviar fortemente a direção do movimento

da espaçonave, Vênus, Terra, Júpiter e Io a desviaram levemente. Por quê?

A gravidade dos defletores era muito fraca para produzir uma forte deflexão. Para Vênus, Terra e Io, a deflexão era

inevitavelmente pequena porque sua gravidade é intrinsecamente fraca. Júpiter tem uma gravidade muito mais forte, mas uma

grande deflexão teria enviado Cassini na direção errada; alcançar Saturno exigia uma pequena deflexão.

Apesar das pequenas deflexões, Cassini teve chutes substanciais nos flybys, grandes o suficiente para
compensar combustível inadequado. Em cada sobrevôo (exceto Io), Cassini viajou por trás do planeta defletor, mas em ângulo, de modo

que a gravidade do planeta foi otimizada Cassini para a frente, acelerando-o. No

Interestelar, a Resistência faz um estilingue semelhante em torno de Marte.

Cassini explora Saturno e as luas de Saturno nos últimos dez anos, devolvendo imagens e informações
incríveis - um tesouro de beleza e ciência. Para ter uma idéia, consulte
http://www.nasa.gov/mission_pages/cassini/main/.
Em contraste com esses estilingues fracos no sistema solar, a intensa gravidade de Gargantua pode pegar até objetos que

se movem a velocidades ultra altas e jogá-los em estilingues fortemente dobrados. Até um raio de luz. Isso produz lentes

gravitacionais, a chave para ver Gargantua.

19 A probabilidade de encontrar IMBHs nos locais e horários necessários é pequena, mas no espírito da ficção científica, pois está dentro

nos limites da lei física, podemos utilizá-los.


8

Imaging Gargantua

B como os buracos não emitem luz, a única maneira de ver Gargantua é por sua influência na luz de outros objetos. No Interestelar os
outros objetos são um disco de acreção (capítulo 9) e a galáxia em que vive, incluindo nebulosas e um rico campo de estrelas. Por uma

questão de simplicidade, vamos incluir apenas as estrelas por enquanto.

Gargantua lança uma sombra negra no campo de estrelas e também desvia os raios de luz de cada estrela,
distorcendo o padrão estelar que a câmera vê. Essa distorção é a lente gravitacional discutida no capítulo 3.

A Figura 8.1 mostra um buraco negro que gira rapidamente (vamos chamá-lo de Gargantua) na frente de um campo de estrelas,

como lhe pareceria se você estivesse no plano equatorial de Gargantua. A sombra de Gargantua é a região totalmente negra.

Imediatamente fora da borda da sombra há um anel muito fino de luz estelar chamado “anel de fogo” que eu intensifiquei manualmente

para tornar a borda da sombra mais distinta. Fora desse anel, vemos uma pitada densa de estrelas com um padrão de conchas

concêntricas, um padrão produzido pelas lentes gravitacionais.


Fig. 8.1. O padrão gravitacional de estrelas em torno de um buraco negro que gira rapidamente como Gargantua. Quando visto de longe, o
diâmetro angular da sombra, medido em radianos, é de 9 raios Gargantua dividido pela distância do observador de Gargantua. [ De uma simulação
da equipe de efeitos visuais Negativo Duplo.]

À medida que a câmera orbita Gargantua, o campo de estrelas parece se mover. Esse movimento combinado às lentes

produz mudanças drásticas nos padrões de luz. As estrelas fluem em alta velocidade em algumas regiões, flutuam suavemente

em outras e congelam em outras regiões; veja o clipe de filme na página deste livro em Interstellar.withgoogle.com.

Neste capítulo, explico todas essas características, começando pela sombra e seu anel de fogo. Depois, descrevo como as imagens

dos buracos negros Interestelar foram realmente produzidos.

Ao visualizar Gargantua neste capítulo, trato-o como um buraco negro que gira rapidamente, pois deve ser para produzir a extrema

perda de tempo que o Resistência experiência da tripulação em relação à Terra (capítulo

6) No entanto, para uma rotação rápida, uma audiência de massa pode ser confundida pelo achatamento da borda esquerda da

sombra de Gargantua (Figura 8.1) e por algumas características peculiares do fluxo estelar e do disco de acúmulo, então Christopher

Nolan e Paul Franklin escolheram uma rotação menor , 60% do máximo, pelas imagens do Gargantua no filme. Veja a última seção no

capítulo 9.

Aviso: As explicações nas três seções a seguir podem exigir muita reflexão; você pode ignorá-los sem perder
o ritmo com o restante do livro. Não se preocupe!
A sombra e seu anel de fogo

A concha de fogo (capítulo 6) desempenha um papel fundamental na produção da sombra de Gargantua e do fino anel de fogo ao
lado dela. A concha de fogo é a região roxa que circunda Gargantua na Figura 8.2 e contém órbitas de fótons quase retidas (raios de
luz), como a que está no canto superior direito. 20

Suponha que você esteja no local do ponto amarelo. Os raios de luz branca UMA e B e outros como eles trazem a

imagem do anel de fogo e os raios de luz negra UMA e B traga a imagem da borda da sombra. Por exemplo, o raio branco UMA

origina-se em alguma estrela longe de Gargantua, viaja para dentro e fica presa na borda interna da concha de fogo no

plano equatorial de Gargantua, onde voa girando e girando, impulsionada pelo turbilhão do espaço, e depois escapa e

chega aos seus olhos . O raio preto também rotulado UMA se origina no horizonte de eventos de Gargantua, viaja para fora e

fica preso na mesma borda interna da concha de fogo, onde gira e gira, depois escapa e alcança seus olhos ao lado do raio

branco UMA. O raio branco traz uma imagem de um pouco do anel fino; o raio preto, uma imagem de um pouco da borda da

sombra. A concha de fogo é responsável por fundir os raios lado a lado e direcioná-los para os olhos.

Fig. 8.2. Gargantua ( esferóide central), seu plano equatorial (azul), sua concha de fogo ( roxo e violeta), e raios de luz preto e branco que
trazem imagens da borda da sombra e do anel fino ao lado.

Da mesma forma para os raios branco e preto B, exceto que eles ficam presos na borda externa da concha de fogo no sentido horário

(lutando contra o turbilhão do espaço), enquanto os raios UMA estão presos no


borda interna indo no sentido anti-horário (e impulsionada pelo turbilhão de espaço). O achatamento da borda esquerda da sombra na

Figura 8.1 e o arredondamento da borda direita são devidos a raios UMA ( borda esquerda) vindo da borda interna da concha de fogo,

muito perto do horizonte, e raios B ( borda direita) a partir da borda externa da concha de fogo, muito mais longe.

Raios negros C e D na Figura 8.2, comece no horizonte, viaje para fora e fique preso em órbitas não quatoriais na concha de

fogo, e depois escape de suas órbitas presas e chegue aos seus olhos, trazendo imagens de pedaços da borda da sombra que

ficam fora do plano equatorial. A órbita presa por raios D é mostrado no canto superior direito. Raios brancos C e D ( não

mostrado), vindo de estrelas distantes, fique preso ao lado de raios negros C e D, e depois viaje até seus olhos ao lado C e D, trazend

imagens de pedaços do anel de fogo ao lado de pedaços da borda da sombra.

Lentes de um buraco negro que não gira

Para entender o padrão de estrelas com lentes gravitacionais fora da sombra e seu fluxo enquanto a câmera se move, vamos começar

com um buraco negro não giratório e com raios de luz que emergem de uma única estrela (Figura 8.3). Dois raios de luz viajam da

estrela para a câmera. Cada um deles viaja ao longo da linha mais reta que pode no espaço deformado do buraco, mas, devido ao

empenamento, cada raio é dobrado.

Um raio dobrado viaja para a câmera ao redor do lado esquerdo do buraco; o outro, do lado direito. Cada raio traz à câmera sua própria

imagem da estrela. As duas imagens, como vistas pela câmera, são mostradas na figura 8.3. Coloquei círculos vermelhos ao redor deles

para distingui-los de todas as outras estrelas que a câmera vê. Observe que a imagem direita está muito mais próxima da sombra do buraco

do que a imagem esquerda. Isso ocorre porque seu raio dobrado passou mais perto do horizonte de eventos do buraco.
Fig. 8.3. Topo: O espaço distorcido em torno de um buraco negro não giratório, visto da massa, e dois raios de luz que viajam através do
espaço distorcido de uma estrela para a câmera. Inferior: O padrão gravitacional de estrelas que é visto pela câmera. [ De uma simulação de Alain
Riazuelo; para um clipe de filme de sua simulação, consulte www2.iap.fr/users/riazuelo/interstellar.]

Cada uma das outras estrelas aparece duas vezes na imagem, em lados opostos da sombra do buraco. Você consegue identificar

alguns dos pares? A sombra do buraco negro, na imagem, consiste em direções a partir das quais nenhum raio pode chegar à câmera;

veja a região em forma triangular rotulada como "sombra" no diagrama superior. Todos os raios que "querem ser" na sombra foram

capturados e engolidos pelo buraco negro.

À medida que a câmera se move para a direita em sua órbita (Figura 8.3), o padrão de estrelas visto pela câmera muda

conforme mostrado na Figura 8.4.

Esta figura destaca duas estrelas em particular. Um é circulado em vermelho (a mesma estrela circulada na Figura 8.3). O outro está

dentro de um diamante amarelo. Vemos duas imagens de cada estrela: uma imagem está fora do círculo rosa; o outro está dentro do

círculo rosa. Esse círculo rosa é chamado de "anel de Einstein".

À medida que a câmera se move para a direita, as imagens se movem ao longo das curvas amarela e vermelha. As imagens das estrelas

fora do anel de Einstein (as imagens principais, vamos chamá-las) se movem da maneira que se poderia esperar: suavemente da esquerda

para a direita, mas se afastando do buraco negro à medida que se movem. (Você pode descobrir por que a deflexão é longe do buraco em

vez de em direção a ele?)


Fig. 8.4. O padrão de estrela em mudança visto pela câmera enquanto se move para a direita em sua órbita na Figura 8.3. [ A partir da simulação de Alain Riazuelo;
consulte www2.iap.fr/users/riazuelo/interstellar.]

No entanto, as imagens secundárias, dentro do anel de Einstein, movem-se de maneira inesperada: elas parecem emergir da

borda direita da sombra, movendo-se para o espaço anular entre a sombra e o anel de Einstein, girando para a esquerda em volta

da sombra e descendo para trás em direção à borda da sombra.

Você pode entender isso voltando ao desenho superior na Figura 8.3. O raio da direita passa perto do buraco negro, de modo

que a imagem estelar direita fica perto da sombra. Mais cedo, quando a câmera estava mais para a esquerda, o raio direito teve que

passar ainda mais perto do buraco negro para se curvar mais fortemente e alcançar a câmera, de modo que a imagem certa estava

muito próxima da borda da sombra. Por outro lado, mais cedo, o raio esquerdo passou muito longe do buraco e era quase reto e

produziu uma imagem bastante distante do buraco.

Agora, se você estiver pronto, pense nos movimentos subsequentes das imagens, representadas na Figura

8.4
Lentes de um buraco negro que gira rapidamente: Gargantua

O turbilhão de espaço gerado pela rotação muito rápida de Gargantua altera as lentes gravitacionais. Os padrões de estrela na

Figura 8.1 (Gargantua) parecem um pouco diferentes dos da Figura 8.4 (um buraco negro não giratório), e os padrões de fluxo

diferem ainda mais.

Para Gargantua, a transmissão (Figura 8.5) revela dois anéis de Einstein, mostrados como curvas rosa. Fora do anel externo, as

estrelas fluem para a direita (por exemplo, ao longo das duas curvas vermelhas), como ocorreu em um buraco negro não giratório na

Figura 8.4. No entanto, o turbilhão de espaço concentrou o fluxo em tiras estreitas de alta velocidade ao longo da borda traseira da

sombra do buraco, tiras que se dobram um pouco bruscamente no equador. O turbilhão também produziu redemoinhos no fluxo (as

curvas vermelhas fechadas).

A imagem secundária de cada estrela aparece entre os dois anéis de Einstein. Cada imagem secundária circula ao

longo de uma curva fechada (por exemplo, as duas curvas amarelas) e circula na direção oposta aos movimentos de fluxo

vermelhos fora do anel externo.

Fig. 8.5. Os padrões de streaming de estrelas são vistos por uma câmera perto de um buraco negro que gira rapidamente como Gargantua. Nesta

simulação da equipe de efeitos visuais do Negativo Duplo, o buraco gira a 99,9% do mais rápido possível, e a câmera está em uma órbita equatorial

circular com circunferência seis vezes maior que a circunferência do horizonte. Para um clipe de filme dessa simulação, consulte a página deste livro

em Interstellar.withgoogle.com.

Existem duas estrelas muito especiais no céu de Gargantua com as lentes gravitacionais desligadas. 1
fica diretamente acima do pólo norte de Gargantua; o outro diretamente abaixo do polo sul. Estes são análogos da estrela Polaris, que reside

diretamente acima do polo norte da Terra. Coloquei estrelas de cinco pontas nas imagens primária (vermelha) e secundária (amarela) das

estrelas polares de Gargantua. Todas as estrelas no céu da Terra parecem circular em torno de Polaris, enquanto nós, seres humanos, somos

carregados pela rotação da Terra. Da mesma forma, todas as imagens estelares primárias de Gargantua circulam em torno das imagens de

estrela polar enquanto a câmera orbita no buraco, mas seus caminhos de circulação (por exemplo, as duas curvas vermelhas de redemoinho)

são altamente distorcidos pelo turbilhão de espaço e pelas lentes gravitacionais. Da mesma forma, todas as imagens estelares secundárias

circulam em torno das imagens de estrela polar (por exemplo, ao longo das duas curvas amarelas distorcidas).

Por que, para um buraco não giratório (Figura 8.4), as imagens secundárias pareciam emergir da sombra do buraco negro, girar

em torno do buraco e descer de volta para a sombra, em vez de circular em torno de uma curva fechada como em Gargantua (Figura

8.5) ? Eles realmente Faz circule em torno de curvas fechadas para um buraco não giratório. No entanto, a borda interna da curva

fechada é tão próxima da borda da sombra que não pode ser vista. A rotação de Gargantua faz o espaço girar, e esse turbilhão move o

anel interno de Einstein para fora, revelando o padrão circulatório completo das imagens secundárias (curvas amarelas na Figura 8.5) e

revelando o anel interno de Einstein.

Dentro do anel interno de Einstein, o padrão de transmissão é mais complicado. As estrelas nessa região são imagens

terciárias e de ordem superior de todas as estrelas do universo - as mesmas estrelas que aparecem como imagens primárias fora do

anel externo de Einstein e imagens secundárias entre os anéis de Einstein.

Na Figura 8.6, mostro cinco pequenas imagens do plano equatorial de Gargantua, com o próprio Gargantua em preto, a órbita da

câmera em roxo pontilhado e um raio de luz em vermelho. O raio de luz traz para a câmera a imagem estelar que está na ponta da seta

azul. A câmera está se movendo no sentido anti-horário em torno de Gargantua.

Você pode obter muitas informações sobre as lentes gravitacionais percorrendo essas fotos, uma por uma. Observe: A

direção real da estrela é para cima e para a direita (veja as extremidades externas dos raios vermelhos). A câmera e o início de

cada raio apontam para a imagem estelar. A décima imagem está muito perto da borda esquerda da sombra e a imagem

secundária direita está perto da borda direita; comparando as direções da câmera para essas imagens, vemos que a sombra

subtende cerca de 150 graus na direção ascendente. Isso apesar do fato de que a direção real da câmera para o centro de

Gargantua é para a esquerda e para cima. As lentes mudaram a sombra em relação à direção real de Gargantua.
Fig. 8.6. Raios de luz que trazem imagens das estrelas nas pontas das setas azuis. [ Da mesma simulação em negativo duplo que as figuras 8.1 e
8.5.]

Criando Interestelar Efeitos Visuais de Buraco Negro e Buraco de Minhoca Chris queria que Gargantua se

parecesse com um buraco negro giratório realmente parece que quando visto de perto, então ele pediu a Paul para me consultar. Paul

me colocou em contato com o Interestelar equipe que ele montou em seu estúdio de efeitos visuais em Londres, Double Negative.

Acabei trabalhando em estreita colaboração com Oliver James, o cientista chefe. Oliver e eu conversamos por telefone e Skype,

trocamos e-mails e arquivos eletrônicos e nos encontramos pessoalmente em Los Angeles e em seu escritório em Londres. Oliver é

formado em óptica e física atômica e entende as leis de relatividade de Einstein, por isso falamos a mesma linguagem técnica.

Vários de meus colegas físicos já haviam feito simulações em computador do que veríamos ao orbitar um buraco
negro e até cair em um. Os melhores especialistas foram Alain Riazuelo, no Institut d'Astrophysique em Paris, e Andrew
Hamilton, na Universidade do Colorado em
Pedregulho. Andrew havia gerado filmes de buracos negros mostrados em planetários ao redor do mundo, e Alain simulou buracos

negros que giram muito, muito rápido, como Gargantua.

Então, inicialmente, planejei colocar Oliver em contato com Alain e Andrew e pedir que eles fornecessem a ele a contribuição de que

ele precisava. Vivi desconfortavelmente com essa decisão por vários dias e depois mudei de idéia.

Durante minha carreira de meio século em física, esforcei-me muito por fazer novas descobertas e orientar os alunos à medida que

eles faziam novas descobertas. Por que não, para variar, fazer algo apenas porque é divertido, eu me perguntei, mesmo que outros

tenham feito isso antes de mim? E então eu fui para isso. E isso foi Diversão. E para minha surpresa, como subproduto, produziu

(modestas) novas descobertas.

Usando as leis relativísticas da física de Einstein e apoiando-me fortemente em trabalhos anteriores de outras pessoas (especialmente

Brandon Carter no Laboratoire Univers et Théories na França e Janna Levin na Columbia University), elaborei as equações que Oliver

precisava. Essas equações calculam as trajetórias dos raios de luz que começam em alguma fonte de luz, por exemplo, uma estrela

distante, e viajam para dentro através do espaço e tempo distorcido de Gargantua até a câmera. A partir desses raios de luz, minhas

equações calculam as imagens que a câmera vê, levando em consideração não apenas as fontes de luz e as distorções do espaço e do

tempo de Gargantua, mas também o movimento da câmera em torno de Gargantua.

Tendo derivado as equações, eu as implementei, usando um software de computador fácil de usar chamado Mathematica. Comparei

as imagens produzidas pelo código do meu computador Mathematica com as imagens de Alain Riazuelo e, quando elas concordaram, eu

aplaudi. Depois, escrevi descrições detalhadas das minhas equações e as enviei para Oliver em Londres, junto com o meu código do

Mathematica.

Meu código era muito lento e tinha baixa resolução. O desafio de Oliver era converter minhas equações em código de

computador que pudesse gerar as imagens IMAX de altíssima qualidade necessárias para o filme.

Oliver e eu fizemos isso em etapas. Começamos com um buraco negro não giratório e uma câmera imóvel. Então nós adicionamos a

rotação do buraco negro. Em seguida, adicionamos o movimento da câmera: primeiro movimento em uma órbita circular e depois mergulhando

em um buraco negro. E então mudamos para uma câmera em torno de um buraco de minhoca.

Nesse ponto, Oliver me bateu com uma minibomba: Para modelar alguns dos efeitos mais sutis, ele precisaria não apenas de

equações que descrevessem a trajetória de um raio de luz, mas também de descrever como a seção transversal de um feixe de luz

muda sua tamanho e forma durante sua jornada além do buraco negro.

Eu sabia mais ou menos como fazer isso, mas as equações eram terrivelmente complicadas e eu temia cometer erros.

Pesquisei a literatura técnica e descobri que, em 1977, Serge Pineault e Rob Roeder, da Universidade de Toronto, haviam

derivado as equações necessárias quase da forma que eu precisava. Depois de uma luta de três semanas com minhas

próprias estupidez, coloquei suas equações precisamente na forma necessária, as implementei no Mathematica e as escrevi

para Oliver, que as incorporou ao seu próprio código de computador. Por fim, seu código poderia produzir
as imagens de qualidade necessárias para o filme.

Na Double Negative, o código do computador de Oliver era apenas o começo. Ele o entregou a uma equipe artística liderada por

Eugénie von Tunzelmann, que adicionou um disco de acréscimo (capítulo 9) e criou a galáxia de fundo com suas estrelas e nebulosas

que Gargantua iria observar. Sua equipe então adicionou o Resistência e Rangers e landers e a animação da câmera (seu movimento,

direção, campo de visão, etc.) e moldaram as imagens em formas intensamente atraentes: as cenas fabulosas que realmente

aparecem no filme. Para uma discussão mais aprofundada, consulte o Capítulo 9.

Enquanto isso, fiquei intrigado com os clipes de filme de alta resolução que Oliver e Eugénie me enviaram, lutando para extrair

informações sobre por que as imagens parecem e como os campos estelares fluem à medida que fluem. Para mim, esses clipes de

filme são como dados experimentais: revelam coisas que eu nunca poderia ter descoberto sozinho, sem essas simulações - por

exemplo, as coisas que descrevi na seção anterior (Figuras 8.5 e 8.6). Planejamos publicar um ou mais artigos técnicos,

descrevendo as coisas novas que aprendemos.

Imaginando um estilingue gravitacional

Embora Chris tenha escolhido não mostrar estilingues gravitacionais em Interestelar, Eu me perguntava como eles seriam para

Cooper enquanto ele pilotava o arqueiro em direção ao planeta Miller. Então, usei minhas equações e o Mathematica para

simulá-las e produzir imagens. (Minhas imagens têm resolução muito menor que a de Oliver e Eugénie devido à lentidão do meu

código.)

A Figura 8.7 mostra uma sequência de imagens, enquanto o Ranger de Cooper gira em torno de um buraco negro de massa

intermediária (IMBH) para iniciar sua descida em direção ao planeta Miller - na interpretação de meu cientista sobre Interestelar. Este é o

estilingue descrito na Figura 7.2.


Fig. 8.7. Estilingue gravitacional em torno de uma IMBH, com Gargantua em segundo
plano. [ Minha própria simulação e visualização.]

Na imagem superior, Gargantua está em segundo plano, com o IMBH passando na frente dele. o
A IMBH capta raios de luz de estrelas distantes que se dirigem para a gigantesca, oscila os raios ao seu redor e os ejeta em

direção à câmera. Isso explica a filhós da luz das estrelas que circunda a sombra da IMBH. Embora o IMBH seja mil vezes

menor que o Gargantua, ele é muito mais próximo do Ranger do que o Gargantua, por isso parece apenas um pouco menor.

À medida que a IMBH parece se mover para a direita, como pode ser visto pela câmera em movimento de estilingue, deixa

para trás a sombra principal de Gargantua (imagem do meio na Figura 8.7) e empurra uma imagem secundária da sombra de

Gargantua à sua frente. Essas duas imagens são completamente análogas às imagens primárias e secundárias de uma estrela

gravitacionalmente lente por um buraco negro; mas agora é a sombra de Gargantua que está sendo ocultada pela IMBH. Na figura

inferior, a sombra secundária está diminuindo de tamanho, à medida que o IMBH avança. A essa altura, o estilingue está quase

completo e a câmera, a bordo do Ranger, está descendo, em direção ao planeta Miller.

Por mais impressionantes que sejam essas imagens, elas podem ser vistas apenas perto da IMBH e Gargantua, e não da

grande distância da Terra. Para os astrônomos da Terra, as coisas mais impressionantes visualmente sobre os gigantescos buracos

negros são os jatos que se destacam deles e a luz dos brilhantes discos de gás quente que os orbitam. Para estes, vamos agora

voltar.

20 Veja as figuras 6.4 e 6.5.


9

Discos e jatos

Quasares

M Muitos dos objetos vistos pelos radiotelescópios são enormes nuvens de gás, nuvens muito maiores que qualquer estrela. Porém, no início
dos anos 60, foram encontrados alguns objetos minúsculos. Os astrônomos nomearam esses objetos

quasares para "fontes de rádio quase estelares".

Em 1962, o astrônomo da Caltech, Maarten Schmidt, olhando através do maior telescópio óptico do mundo na montanha

Palomar, descobriu a luz proveniente de um quasar chamado 3C273. Parecia uma estrela brilhante com um jato fraco saindo

dela (Figura 9.1). Isso foi estranho!

Quando Schmidt dividiu a luz de 3C273 em suas várias cores (como às vezes é feito enviando luz através de um prisma), ele viu o

conjunto de linhas espectrais na parte inferior da Figura 9.1. À primeira vista, eram diferentes de qualquer linha espectral que ele já vira.

Mas em fevereiro de 1963, depois de alguns meses de luta, ele percebeu que as linhas não eram familiares simplesmente porque seus

comprimentos de onda eram 16% maiores que o normal. Isso é chamado de deslocamento Doppler; foi causado pelo quasar se

afastando da Terra a 16% da velocidade da luz, cerca de c / 6. O que poderia causar esse movimento ultra-rápido? A explicação menos

louca que Schmidt pôde encontrar foi a expansão do universo.


Fig. 9.1. Topo: Fotografia de 3C273, tirada pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA. A
estrela ( superior esquerdo) parece grande apenas porque a foto está superexposta para

ver o jato fraco ( inferior direito). Na verdade, é tão pequeno que seu tamanho não pode

ser medido.

Inferior: Linhas espectrais de Maarten Schmidt de 3C273 ( painel superior) comparado


com linhas espectrais de hidrogênio medidas em um laboratório da Terra. As três linhas

do quasar são iguais às linhas de hidrogênio chamadas Hβ, ,γ e δ, mas com

comprimentos de onda aumentados em 16%. (As imagens das linhas espectrais são

negativas fotográficas: as linhas pretas são realmente brilhantes.)

À medida que o universo se expande, os objetos distantes da Terra se afastam de nós a uma velocidade muito alta e os objetos

mais próximos se afastam mais lentamente. A enorme velocidade de 3C273, um sexto da luz, significava que 3C273 estava a 2 bilhões

de anos-luz da Terra, quase o objeto mais distante que já havia sido visto naquela época. Pelo seu brilho e distância, Schmidt concluiu

que o 3C273 coloca 4 trilhões de vezes mais energia na luz do que o Sol, e cem vezes mais energia do que as galáxias mais brilhantes!

Esse poder prodigioso flutuava em tempos tão curtos quanto um mês, de modo que a maior parte da luz deve ser proveniente de

um objeto tão pequeno que a luz possa atravessá-lo em um mês - muito menor
que a distância da Terra até a estrela mais próxima, Proxima Centauri. E outros quasares com quase a mesma quantidade de energia

flutuavam em algumas horas, portanto não precisavam ser muito maiores que o nosso sistema solar. Cem vezes o poder de uma galáxia

brilhante, proveniente de uma região do tamanho do nosso sistema solar; isso foi fenomenal!

Buracos negros e discos de acreção

Como poderia sair tanta energia de uma região tão pequena? Quando pensamos nas forças fundamentais da natureza,

há três possibilidades: energia química, energia nuclear ou energia gravitacional.

Energia química é a energia liberada quando as moléculas se combinam para formar novos tipos de moléculas. Um
exemplo é a queima de gasolina, que combina oxigênio do ar com moléculas de gasolina para produzir água, dióxido de
carbono e muito calor. O poder disso seria muito, muito, muito pouco.

Energia nuclear resulta quando núcleos atômicos se combinam para formar novos núcleos atômicos. Exemplos são uma bomba

atômica, uma bomba de hidrogênio e a queima de combustível nuclear dentro de uma estrela. Embora isso possa ser muito mais

poderoso que a energia química (pense na diferença entre um incêndio na gasolina e uma bomba nuclear), os astrofísicos não

conseguiam ver nenhuma maneira plausível de a energia nuclear alimentar quasares. Ainda era muito insignificante.

Portanto, a única possibilidade que restava era energia gravitacional, o mesmo tipo de energia a que fomos direcionados, ao navegar pelo Resis

ao redor de Gargantua. Para o Resistência, a energia gravitacional foi aproveitada por um estilingue em torno de um buraco negro de massa

intermediária (capítulo 7). A intensa gravidade do buraco negro era fundamental. Para os quasares, da mesma forma, o poder deve vir de um

buraco negro.

Por vários anos, os astrofísicos lutaram para descobrir como um buraco negro poderia fazer o trabalho. A resposta foi encontrada

em 1969, por Donald Lynden-Bell, no Royal Greenwich Observatory, na Inglaterra. Um quasar, hipótese de Lynden-Bell, é um gigantesco

buraco negro cercado por um disco de gás quente (um disco de acreção) que é rosqueado por um campo magnético (Figura 9.2).

O gás quente em nosso universo é quase sempre encadeado por campos magnéticos (capítulo 2). Esses campos estão

bloqueados no gás; o gás e os campos se movem juntos, em passo fechado.

Ao enfiar um disco de acreção, um campo magnético se torna um catalisador para converter energia gravitacional em calor e depois

em luz. O campo fornece atrito ultrastrongo 21 isso diminui o movimento circunferencial do gás, reduzindo a força centrífuga que o mantém

contra a força da gravidade, para que o gás se mova para dentro, em direção ao buraco negro. À medida que o gás se move para

dentro, a gravidade do buraco acelera seu movimento orbital ainda mais do que a fricção o desacelera. Em outras palavras, a energia

gravitacional é convertida em energia cinética (energia do movimento). O atrito magnético converte metade dessa nova energia cinética

em calor e luz, e o processo se repete.

A energia vem da gravidade do buraco negro. Os agentes para extraí-lo são magnéticos
fricção e gás do disco.
A luz brilhante do quasar, vista pelos astrônomos, vem do gás aquecido do disco, concluiu Lynden-Bell. Além disso, o

campo magnético acelera alguns dos elétrons do gás para altas energias; e os elétrons espiralam em torno das linhas de força

magnética, emitindo as ondas de rádio observadas no quasar.

Lynden-Bell elaborou os detalhes de tudo isso usando uma combinação das leis newtoniana, relativística e

quântica da física. Ele explicou facilmente tudo sobre quasares que os astrônomos haviam visto, exceto seus jatos. Seu

artigo técnico que descreve seu raciocínio e seus cálculos (Lynden-Bell 1979) é um dos grandes artigos astrofísicos de

todos os tempos.

Os jatos: extraindo energia do espaço em turbilhão

Nos anos seguintes, os astrônomos descobriram muitos outros jatos saindo dos quasares e os estudaram em grandes

detalhes. Logo ficou claro que são fluxos de gás quente e magnetizado ejetados do quasar em si: do buraco negro e seu

disco de acúmulo (Figura 9.2). E a ejeção é extremamente poderosa: o gás viaja pelos jatos quase à velocidade da luz. À

medida que viaja e quando chega ao material longe do quasar, o gás emite energia na luz, nas ondas de rádio, nos raios X e

até nos raios gama. Os jatos são às vezes tão brilhantes quanto o próprio quasar, cem vezes mais brilhantes que as galáxias

mais brilhantes.
Fig. 9.2. Concepção artística de um disco de acréscimo em torno de um buraco

negro e jatos emergindo perto dos pólos do buraco.


[Desenho de Matt Zimet baseado em um esboço meu; do meu livro Buracos negros e distorções
do tempo: o ultrajante legado de Einstein.]

Os astrofísicos lutaram por quase uma década para explicar como os jatos são movidos e o que os torna tão rápidos,

estreitos e retos. As respostas vieram de várias variantes, sendo as mais interessantes em 1977 de Roger Blandford, da

Universidade de Cambridge, Inglaterra, e de seu aluno Roman Znajek, com base nas fundações estabelecidas pelo físico de

Oxford Roger Penrose; veja a Figura 9.3.

O gás do disco de acúmulo gradualmente espirala no buraco negro. Ao atravessar o horizonte de eventos do buraco, cada bit

de gás deposita seu bit de campo magnético no horizonte e, em seguida, o disco ao redor o mantém ali, concluíram Blandford e

Znajek. À medida que o buraco negro gira, ele arrasta o espaço para o movimento giratório (Figuras 5.4 e 5.5), e o espaço giratório

faz o campo magnético girar (Figura 9.3). O campo magnético giratório gera um intenso campo elétrico, como no dínamo de uma

usina hidrelétrica. O campo elétrico e o campo magnético giratório juntos arremessam o plasma (gás ionizado quente) para cima e

para baixo na velocidade próxima à luz, criando e alimentando dois jatos. As direções dos jatos são mantidas constantes (em média

ao longo dos anos) pelo giro do buraco negro, que é constante devido à ação giroscópica.
Fig. 9.3. Mecanismo de Blandford-Znajek para geração de jatos. [ Desenho de Matt Zimet baseado em um esboço meu; do meu
livro Buracos negros e distorções do tempo: o ultrajante legado de Einstein.]

No 3C273, apenas um jato era brilhante o suficiente para ver (Figura 9.1), mas em muitos outros quasares, ambos são vistos.

Blandford e Znajek elaboraram todos os detalhes, baseando-se fortemente nas leis relativísticas de Einstein. Eles foram

capazes de explicar quase tudo sobre os jatos que os astrônomos veem.

Em uma segunda variante da explicação (Figura 9.4), o campo magnético giratório é ancorado no disco de acreção em vez do furo

e é arrastado pelo movimento orbital do disco. Caso contrário, a história é a mesma: ação do dínamo; plasma jogado para fora. Essa

variante funciona bem mesmo que o buraco negro não esteja girando. Mas temos certeza de que a maioria dos buracos negros gira

rapidamente, então suspeito que o mecanismo de Blandford-Znajek (Figura 9.3) seja o mais comum nos quasares. No entanto, posso

ser preconceituoso. Passei muito tempo na década de 1980 explorando aspectos das idéias de Blandford-Znajek e até co-autor de um

livro técnico sobre elas.


Fig. 9.4. Como na Figura 9.3, mas com campo magnético ancorado no disco de acreção. [ Desenho de Matt Zimet baseado em
um esboço meu; do meu livro Buracos negros e distorções do tempo: o ultrajante legado de Einstein.]

De onde vem o disco? Forças das marés rasgam estrelas à parte

Lynden-Bell, em 1969, especulou que os quasares vivem nos centros das galáxias. Não vemos a galáxia hospedeira de um quasar,

disse ele, porque sua luz é muito mais fraca que a luz do quasar. O quasar afoga a galáxia. Nas décadas desde então, com o

aprimoramento da tecnologia, os astrônomos encontraram a luz da galáxia em torno de muitos quasares, confirmando a especulação

de Lynden-Bell.

Nas últimas décadas, também aprendemos de onde vem a maior parte do gás do disco. Ocasionalmente, uma estrela fica tão perto do

buraco negro do quasar que a gravidade da maré do buraco (Capítulo

4) rasga a estrela. Grande parte do gás da estrela triturada é capturada pelo buraco negro e forma um disco de acreção, mas

parte do gás escapa.

Nos últimos anos, graças à melhoria da tecnologia da computação, os astrofísicos simularam isso. A Figura 9.5 é de uma

simulação recente de James Guillochon, Enrico Ramirez-Ruiz e Daniel Kasen (Universidade da Califórnia em Santa Cruz) e

Stephan Rosswog (Universidade de Bremen). 22 At


No tempo zero (não mostrado), a estrela estava indo quase precisamente em direção ao buraco negro e a gravidade da maré do buraco

estava começando a esticar a estrela em direção ao buraco e a espremer pelos lados, como na Figura 6.1. Doze horas depois, a estrela

está fortemente deformada e no local mostrado na Figura

9.5 Nas próximas horas, ele gira em torno do buraco ao longo da órbita azul da gravitacional e se deforma ainda mais, conforme

mostrado. Por vinte e quatro horas, a estrela está se afastando; sua própria gravidade não pode mais mantê-la unida.
Fig. 9.5. Rompimento das marés de uma estrela gigante vermelha por um buraco negro

semelhante a Gargantua.

O destino subsequente da estrela é mostrado na Figura 9.6, a partir de uma simulação diferente de James Guillochon junto com

Suvi Gezari (Universidade Johns Hopkins). Para um filme desta simulação, consulte http://hubblesite.org / newscenter / archive / releases

/ 2012/18 / video / a /.
Fig. 9.6. Destino subsequente da estrela na Figura 9.5.

As duas principais imagens estão um pouco antes do início e logo após o final da Figura 9.5; Ampliei essas duas imagens

dez vezes mais que as outras, para fazer o buraco e a estrela perturbadora
visível.
Como mostra todo o conjunto de imagens, ao longo dos vários anos subsequentes, grande parte da matéria da estrela é

capturada em órbita ao redor do buraco negro, onde começa a formar um disco de acúmulo. E a matéria restante escapa da atração

gravitacional do buraco ao longo de uma trajetória de jato.

Disco de acreção da Gargantua e jato ausente

Um disco típico de acreção e seu jato emitem radiação - raios X, raios gama, ondas de rádio e luz - radiação tão intensa que

fritaria qualquer humano próximo. Para evitar fritar, Christopher Nolan e Paul Franklin deram a Gargantua um disco

extremamente anêmico.

Agora, "anêmico" não significa anêmico para os padrões humanos; apenas pelos padrões dos quasares típicos. Em vez de ser cem

milhões de graus como o disco de um quasar típico, o disco de Gargantua tem apenas alguns milhares de graus, como a superfície do Sol,

por isso emite muita luz, mas pouco ou nenhum raio X ou raios gama. Com o gás tão frio, os movimentos térmicos dos átomos são muito

lentos para inflar muito o disco. O disco é fino e quase confinado ao plano equatorial de Gargantua, com apenas um pouco de baforada.

Discos como esse podem ser comuns em torno de buracos negros que não rasgaram uma estrela nos últimos milhões de anos ou mais

- que não são "alimentados" há muito tempo. O campo magnético, originalmente confinado pelo plasma do disco, pode ter vazado em grande

parte. E o jato, anteriormente alimentado pelo campo magnético, pode ter morrido. Esse é o disco de Gargantua: sem jato e fino e

relativamente seguro para os seres humanos. Relativamente.

O disco de Gargantua parece bem diferente das imagens de discos finos que você vê na web ou nas publicações técnicas

dos astrofísicos, porque essas imagens omitem uma característica principal: as lentes gravitacionais do disco por seu buraco

negro. Não é assim Interestelar, onde Chris insistia na precisão visual.

Eugénie von Tunzelmann foi encarregada de colocar um disco de acréscimo no código do computador de lente gravitacional de

Oliver James, o código que descrevi no capítulo 8. Como primeiro passo, apenas para ver o que a lente faz, Eugénie inseriu um disco

verdadeiramente infinitesimalmente fino e fino. estava precisamente no plano equatorial de Gargantua. Para este livro, ela forneceu uma

versão mais pedagógica desse disco, feita de amostras de cores igualmente espaçadas (Inset na Figura 9.7).

Se não houvesse lente gravitacional, o disco teria se assemelhado à inserção. A lente produziu grandes mudanças a partir disso

(corpo da Figura 9.7). Você pode esperar que a parte traseira do disco fique escondida atrás do buraco negro. Não tão. Em vez disso,

a lente é gravitacional para produzir duas imagens, uma acima da Gargantua e a outra abaixo; veja a Figura 9.8. Os raios de luz

emitidos da face superior do disco, atrás de Gargantua, viajam para cima e por cima do buraco em direção à câmera, produzindo a

imagem do disco que envolve a parte superior da sombra de Gargantua na Figura 9.7; e da mesma forma para a imagem do disco que

envolve a parte inferior da sombra de Gargantua.


Fig. 9.7. Um disco infinitesimalmente fino no plano equatorial de Gargantua, gravitacionalmente lente pelo espaço e tempo distorcidos de Gargantua.
Aqui Gargantua gira muito rápido. Inserir: O disco na ausência do buraco negro. [ Da equipe artística de Eugénie von Tunzelmann no Double Negative.]

Fig. 9.8. Raios de luz ( vermelho) traga para a câmera imagens da parte traseira do disco de acréscimo, atrás de Gargantua:
uma imagem acima da sombra do buraco, a outra abaixo da sombra do buraco.

Dentro dessas imagens primárias, vemos imagens secundárias finas do disco, envolvendo-se por cima e por baixo da

sombra, perto da borda da sombra. E se a imagem fosse muito maior, você veria imagens terciárias e de ordem superior, cada vez

mais próximas da sombra.

Você pode descobrir por que o disco com lente tem a forma que você vê? Por que a imagem principal
empacotando sob a sombra anexada à fina imagem secundária que envolve sobre ela? Por que as amostras de tinta nas

imagens de sobre-embalagem e sub-embalagem são tão ampliadas e as laterais são espremidas? . . .

O giro do espaço de Gargantua (o espaço se movendo em nossa direção à esquerda e para a direita) distorce as imagens do disco. Ele

empurra o disco para longe da sombra à esquerda e em direção à sombra à direita, para que o disco pareça um pouco torto. (Você pode

explicar o porquê?)

Para obter mais informações, Eugénie von Tunzelmann e sua equipe substituíram sua variante do disco de amostras de cores (Figura

9.7) por um disco de acréscimo fino mais realista: Figura 9.9. Isso foi muito mais bonito, mas levantou problemas. Chris não queria que seu

público de massa se confundisse com a desequilíbrio da sombra do disco e do buraco negro, a borda esquerda plana da sombra e os

complicados padrões de campos estelares próximos a essa borda (discutidos no capítulo 8). Então, ele e Paul diminuíram a rotação de

Gargantua para 0,6 do máximo, tornando essas estranhezas mais modestas. (Eugénie já havia omitido o deslocamento Doppler causado

pelo movimento do disco em nossa direção, à esquerda e fora à direita. Isso tornaria o disco muito mais inclinado: azul brilhante à esquerda

e vermelho escuro à direita - totalmente confuso para uma pessoa. audiência em massa!)

Fig. 9.9 Gargantua com o disco de amostra de tinta infinitesimalmente fino (Fig. 9.7) substituído por um disco de acreção infinitesimalmente fino
mais realista. [ Da equipe artística de Eugénie von Tunzelmann no Double Negative.]

A equipe artística da Double Negative deu ao disco a textura e o relevo da superfície que esperamos que um disco de acreção anêmico

real tenha, inchando um pouco de uma maneira que variava de um lugar para outro. Eles tornaram o disco mais quente (mais brilhante) perto

de Gargantua e mais frio (mais escuro) a distâncias maiores. Eles a tornaram mais espessa a distâncias maiores porque é a gravidade das

marés de Gargantua que


aperta o disco no plano equatorial e a gravidade das marés fica muito mais fraca do buraco negro. Eles adicionaram a galáxia

de fundo: muitas camadas de arte (poeira, nebulosas, estrelas). E eles adicionaram reflexo de lente - a névoa, o brilho e as

faixas de luz que surgiriam da dispersão da luz brilhante do disco nas lentes de uma câmera. Os resultados foram as imagens

maravilhosas e atraentes do filme (Figuras 9.10 e 9.11).

Fig. 9.10. Gargantua e seu disco de acréscimo, com o planeta Miller acima da borda esquerda do disco. O disco é tão brilhante que as estrelas e as
nebulosas são quase invisíveis. [ De Interestelar, usado como cortesia da Warner Bros. Entertainment Inc.]
Fig. 9.11 Um segmento do disco de Gargantua visto de perto, com o Resistência passando por cima. A região negra é Gargantua, emoldurada pelo
disco e com alguma luz branca dispersa em primeiro plano. [ De Interestelar, usado como cortesia da Warner Bros. Entertainment Inc.]

Eugénie e sua equipe também, é claro, fizeram a órbita de gás do disco Gargantua, como ela deve evitar cair. Quando

combinado com lentes gravitacionais, o movimento orbital do gás produziu os impressionantes efeitos de streaming no filme - efeitos

de streaming que são sugeridos por as linhas de fluxo do gás na Figura 9.11.

Que alegria foi quando vi essas imagens pela primeira vez! Pela primeira vez, em um filme de Hollywood, um buraco negro

e seu disco representados como nós, humanos, realmente os veremos quando dominarmos a viagem interestelar. E, pela

primeira vez, para mim, como físico, um disco realista, com lentes gravitacionais, ele passa por cima e por baixo do buraco, em

vez de ficar escondido atrás da sombra do buraco.

Com o disco anêmico de Gargantua, embora maravilhosamente bonito e sem jato, o ambiente de Gargantua é realmente

benigno? Amelia Brand pensa assim. . .


21 O atrito surge através de um processo complexo, onde o gás em movimento enrola o campo, fortalecendo-o e, assim, convertendo

energia do movimento em energia magnética; e então o campo magnético, apontando em direções opostas nas regiões vizinhas do espaço, reconecta e, no processo,

converte energia magnética em calor. Essa é a natureza do atrito: uma conversão de movimento em calor.

22 Mudei o tamanho do buraco para o de Gargantua e o tamanho da estrela para o de um gigante vermelho, e alterei os marcadores de tempo em

Figura 9.5 em conformidade.


10

Acidente é o primeiro componente da evolução

Eu n Interestelar, ao encontrar o planeta de Miller estéril, Amelia Brand argumenta por se aproximar de um planeta muito longe de Gargantua,
o planeta de Edmunds, em vez do planeta mais próximo de Mann: "Acidente é o primeiro bloco de construção da evolução", ela diz a Cooper.

“Mas quando você está orbitando um buraco negro, não pode acontecer o suficiente - é uma sucção de asteróides e cometas, outros eventos

que, de outra forma, chegariam até você. Precisamos ir mais longe.

Este é um dos poucos pontos em Interestelar onde os personagens entendem errado a ciência. Christopher Nolan sabia que o

argumento de Brand estava errado, mas ele escolheu reter essas linhas do rascunho de Jonah do roteiro. Nenhum cientista tem

julgamento perfeito.

Embora Gargantua tente sugar asteróides e cometas para dentro de si, e planetas, estrelas e pequenos buracos negros também,

raramente consegue. Por quê?

Quando longe de Gargantua, qualquer objeto tem um grande momento angular, 23 a menos que sua órbita esteja indo quase diretamente

em direção ao buraco negro. Esse grande momento angular produz forças centrífugas que facilmente sobrecarregam a força gravitacional de

Gargantua sempre que a órbita do objeto a leva perto do buraco negro.

Uma órbita típica tem uma forma como a da Figura 10.1. O objeto viaja para dentro, puxado pela forte gravidade de

Gargantua. Mas antes que chegue ao horizonte, as forças centrífugas crescem fortes o suficiente para arremessar o objeto de volta

para fora. Isso acontece repetidamente, quase infinitamente.

A única coisa que pode intervir é um próximo encontro acidental com alguma outra
corpo (um pequeno buraco negro ou estrela ou planeta). O objeto gira em torno do outro corpo em uma trajetória de estilingue (capítulo 7)

e, assim, é lançado em uma nova órbita ao redor de Gargantua com um momento angular alterado. A nova órbita quase sempre tem um

grande momento angular, como o antigo, com forças centrífugas que salvam o objeto de Gargantua. Muito raramente, a nova órbita

carrega o objeto quase diretamente em direção a Gargantua, com um momento angular pequeno o suficiente para que as forças

centrífugas não possam vencer, de modo que o objeto mergulha no horizonte de Gargantua.

Os astrofísicos realizaram simulações dos movimentos orbitais simultâneos de milhões de estrelas em torno de um gigantesco buraco

negro como Gargantua. Os estilingues alteram gradualmente todas as órbitas e, assim, alteram a densidade das estrelas (quantas estrelas

existem em algum volume escolhido). A densidade de estrelas perto de Gargantua não diminui; cresce. E a densidade de asteróides e

cometas também aumentará. O bombardeio aleatório de asteróides e cometas se tornará mais frequente, não menos frequente. O

ambiente próximo a Gargantua se tornará mais perigoso para formas de vida individuais, incluindo seres humanos, promovendo uma

evolução mais rápida se indivíduos suficientes sobreviverem.

Fig. 10.1. Órbita típica de um objeto em torno de um buraco negro que gira rapidamente como Gargantua.
[De uma simulação de Steve Drasco.]

W Com Gargantua e seu ambiente perigoso sob nossos cinturões, vamos fazer uma breve mudança de direção: para a Terra e
nosso sistema solar; ao desastre na Terra e ao extremo desafio de escapar do desastre através de viagens interestelares.
23 O momento angular é a velocidade circunferencial do objeto multiplicada por sua distância de Gargantua; e esse angular

o momento é importante porque é constante ao longo da órbita do objeto, mesmo que a órbita seja complicada.
III

DESASTRES NA TERRA
11

Blight

Eu Em 2007, quando Jonathan (Jonah) Nolan se juntou Interestelar como roteirista, ele definiu o filme em uma época em que a civilização
humana é um pálido remanescente dos dias de hoje e está sofrendo um golpe final pela praga. Mais tarde, quando o irmão de Jonah,

Christopher Nolan, assumiu o cargo de diretor, ele adotou essa idéia.

Mas Lynda Obst, Jonah e eu nos preocupamos um pouco com a plausibilidade científica do mundo de Cooper, como previsto por Jonah:

Como a civilização humana poderia declinar até agora, mas parecer tão normal em muitos aspectos? E é cientificamente possível que uma

praga possa acabar com todas as culturas comestíveis?

Como não sei muito sobre a praga, recorremos a especialistas em busca de conselhos. Organizei um jantar no clube da faculdade de

Caltech, o Athenaeum, em 8 de julho de 2008. Ótima comida. Vinho soberbo. Jonah, Lynda, eu e quatro biólogos da Caltech com a mistura

certa de conhecimentos: Elliot Meyerowitz, especialista em plantas; Jared Leadbetter, especialista em diversos micróbios que degradam

plantas; Mel Simon, especialista nas células que compõem as plantas e como elas são afetadas pelos micróbios; e David Baltimore,

ganhador do Nobel com uma ampla perspectiva sobre toda a biologia. (Caltech é um lugar maravilhoso. Nomeada a melhor universidade do

mundo pela Vezes em Londres, nos últimos três anos, é pequeno o suficiente - apenas 300 professores, 1000 graduandos e 1200 estudantes

de pós-graduação - para que eu conheça os especialistas da Caltech em todos os ramos da ciência. Foi fácil encontrar e recrutar os

especialistas de que precisávamos para o nosso Jantar Blight.)

Quando o jantar começou, coloquei um microfone no centro da mesa redonda e gravei nossa conversa de duas
horas e meia e meia. Este capítulo é baseado nessa gravação, mas eu
parafraseando o que as pessoas diziam - e verificaram e aprovaram minha parafraseando.

Nosso consenso final, facilmente alcançado, é que o mundo de Cooper é cientificamente possível, mas não muito provável. É muito

improvável que isso aconteça, mas poderia. Por isso rotulei este capítulo para

especulativo.

Cooper's World

Sobre vinhos e hors d'oevres, Jonah descreveu sua visão para o mundo de Cooper (Figura 11.1): alguma combinação de catástrofes

reduziu em dez vezes a população da América do Norte ou mais, e da mesma forma em todos os outros continentes. Nós nos

tornamos uma sociedade amplamente agrária, lutando para nos alimentar e nos abrigar. Mas a nossa não é uma distopia. A vida ainda

é tolerável e, de certa forma, agradável, com poucas comodidades, como o beisebol. No entanto, não pensamos mais em grande. Não

aspiramos mais a grandes coisas. Aspiramos a pouco mais do que apenas manter a vida.
Fig. 11.1. Aspectos da vida no mundo de Cooper. Topo: Um jogo de beisebol com uma tempestade de poeira no horizonte. Inferior:
A casa e o caminhão de Cooper depois da tempestade. [ De Interestelar, usado como cortesia da Warner Bros. Entertainment Inc.]

Muitos de nós pensam que as catástrofes estão terminadas, que nós humanos estamos nos protegendo neste novo mundo e as

coisas podem começar a melhorar. Mas, na realidade, a praga é tão letal e salta tão rapidamente de colheita em colheita que a raça

humana está condenada durante a vida dos netos de Cooper.

O que catástrofes?

Que tipo de catástrofe poderia ter produzido o mundo de Cooper? Nossos especialistas em biologia ofereceram uma série de respostas

possíveis, mas improváveis. Aqui estão vários:

Leadbetter: Hoje (2008) a maioria das pessoas não cultiva sua própria comida. Somos dependentes de um sistema global para

cultivo e distribuição de alimentos e distribuição de água. Você pode imaginar esse sistema em decomposição devido a alguma

catástrofe biológica ou geofísica. Como exemplo em pequena escala, se não houvesse neve nas montanhas de Sierra Nevada por

alguns anos consecutivos, haveria pouca água potável em Los Angeles. Dez milhões de pessoas seriam forçadas a migrar, e a

produção agrícola na Califórnia despencaria. Você pode facilmente imaginar catástrofes em escala muito maior. No mundo de

Cooper, com uma população bastante reduzida e um retorno à sociedade agrária, os problemas de produção e distribuição são

reduzidos.
Simon: Outra possível catástrofe: Ao longo da história humana, houve uma batalha contínua entre nós e patógenos ( micróbios que atacam

o corpo humano ou atacam plantas ou outros animais). Nós, humanos, desenvolvemos um sistema imunológico sofisticado para lidar com

os patógenos que nos atacam diretamente. Mas os patógenos continuam evoluindo e estamos sempre meio passo atrás deles. Em algum

momento, pode haver uma catástrofe em que os patógenos mudam tão rápido que nosso sistema imunológico não consegue acompanhar.

Baltimore: Por exemplo, o vírus da Aids pode evoluir rapidamente para uma forma muito mais contagiosa, transmitida por

tosse ou respiração ao invés de sexo.

Simon: As calotas polares da Terra, derretendo devido ao aquecimento global, poderiam liberar um patógeno letal há muito adormecido antes

da última era glacial.

Leadbetter: Outro cenário: as pessoas podem entrar em pânico com o aquecimento global. O aquecimento é causado em grande parte pelo

aumento do dióxido de carbono na atmosfera. Para nos salvar, eles podem fertilizar os oceanos da Terra para produzir algas que ingerirão

grande parte do dióxido de carbono da atmosfera por meio da fotossíntese. Muito ferro, jogado nos oceanos, poderia fazer o trabalho. Mas

pode haver efeitos colaterais não intencionais catastróficos. Você pode obter alguns novos tipos de algas que produzem toxinas

(substâncias químicas venenosas, não formas de vida mortais) que envenenam os oceanos. Haveria uma matança maciça de peixes e

plantas. A civilização humana depende muito dos oceanos. Isso pode ser catastrófico para os seres humanos. Isso é impossível? De

modo nenhum. Foram feitas experiências onde o ferro foi jogado localmente no oceano para produzir algas - tantas algas que podiam

ser vistas do espaço como manchas verdes (Figura 11.2). Algumas das algas que floresceram eram de tipos nunca antes conhecidos

pela ciência! Tivemos sorte: as novas algas não eram nocivas, mas poderiam ter sido.
Fig. 11.2. Mapa da concentração de clorofila (algas) depois de despejar 100 toneladas de sulfato de ferro no oceano ao largo da costa da Colúmbia Britânica. O

crescimento de algas estimuladas por ferro produziu a alta concentração de algas dentro da elipse tracejada. [ Do Giovanni / Goddard Centro de Serviços de Dados e

Informações de Ciências da Terra / NASA.]

Meyerowitz: A luz ultravioleta, que flui através do buraco na camada de ozônio da nossa atmosfera, pode alterar sua enorme quantidade de

algas, criando novos patógenos. Esses patógenos podem acabar com as plantas no oceano, e depois pular para pousar e começar a acabar

com as colheitas.

Baltimore: Quando confrontados com catástrofes como essas, nossa única esperança de lidar com elas é a ciência e a tecnologia

avançadas. Se, politicamente, não investimos em ciência e tecnologia, ou os embotamos por ideologias anti-intelectuais, como a

negação da evolução, a própria fonte dessas catástrofes, podemos nos encontrar sem as soluções de que precisamos.

E então há praga - a consequência de muitos desses cenários.

Blight

Blight é um termo geral para quase todas as doenças de uma planta causadas por um patógeno.
Baltimore: Se você quer que algo acabe com a humanidade, pode não haver maneira melhor do que uma praga que ataca as plantas. Somos

dependentes de plantas para comer. Sim, podemos comer animais ou peixes, mas eles comeram plantas.

Meyerowitz: Pode ser suficiente para a praga apenas matar a grama e nada mais. As gramíneas são a base da maior parte de

nossa agricultura: arroz, milho, cevada, sorgo, trigo. E a maioria dos animais que comemos se alimenta de gramíneas.

Meyerowitz: Já vivemos em um mundo onde 50% dos alimentos cultivados são destruídos por patógenos, e é muito maior do

que na África. Fungos, bactérias, vírus. . . todos eles podem ser patógenos. A costa leste costumava ser coberta com

castanheiros. Eles não existem mais. Eles foram mortos por uma praga. A espécie de banana preferida pela maioria das

pessoas no século XVIII foi exterminada por uma praga. A espécie de substituição, a banana Cavendish, hoje está sendo

ameaçada pela praga.

Kip: Eu pensei que as pragas são especialistas que atacam apenas um grupo restrito de plantas e não saltam para os outros.

Leadbetter: Há também generalista pragas. Parece haver uma troca entre ser um generalista que ataca muitas espécies e um

especialista que ataca apenas algumas. Para a praga especializada, a letalidade pode aumentar muito; pode derrubar,

digamos, 99% de um grupo muito específico de plantas. Para o generalista, a variedade de plantas atacadas é muito mais

ampla, mas sua letalidade para qualquer planta nessa faixa pode ser muito menor. Esse é um padrão que vemos repetidas

vezes na natureza.

Lynda: Você poderia ter uma praga generalista que se torna muito mais letal?

Meyerowitz: Algo assim já aconteceu antes. No início da história da Terra, quando as cianobactérias começaram a
produzir oxigênio, alterando radicalmente a composição da atmosfera da Terra, eles conseguiram matar quase todo o
resto da Terra.

Leadbetter: Mas o oxigênio era um subproduto letal, um veneno, produzido pelas cianobactérias; não é um patógeno generalista.

Baltimore: Podemos não ter visto, mas posso imaginar um patógeno especialista muito letal se tornando um generalista letal.

Poderia espalhar a variedade de plantas que ataca com a ajuda de um inseto que o leva a muitas espécies. Um besouro japonês,

por exemplo, que come algo como dois


centenas de espécies diferentes de plantas, poderiam infectar muitas espécies com o patógeno que ele carrega, e o patógeno poderia se

adaptar para atacar essas espécies, letalmente.

Meyerowitz: Posso conceber um generalista totalmente letal: um patógeno que ataca os cloroplastos. Os cloroplastos são algo que

todas as plantas têm em comum. Eles são cruciais para a fotossíntese (o processo em que uma planta combina luz solar com

dióxido de carbono do ar e água de suas raízes, para produzir carboidratos necessários para o crescimento). Sem cloroplastos,

uma planta morrerá. Agora, suponha que algum novo patógeno evolua, por exemplo, nos oceanos, que ataca os cloroplastos.

Poderia eliminar todas as algas e plantas dos oceanos e pular para a terra onde destrói todas as plantas terrestres. Então tudo se

torna um deserto. Isso é possível; Não vejo nada para impedi-lo. Mas não é muito plausível. É improvável que isso aconteça, mas

poderia ser uma base para o mundo de Cooper.

T Essas especulações nos dão uma idéia dos tipos de cenários de pesadelo que poderiam manter um biólogo acordado à noite. No Interestelar,
o foco é uma praga generalista letal que corre desenfreada sobre a Terra. Mas o professor Brand tem uma preocupação secundária: a

humanidade está ficando sem oxigênio para respirar.


12

Ofegando por oxigênio

E principalmente em Interestelar O professor Brand diz a Cooper: “A atmosfera da Terra é 80% de nitrogênio. Nós nem respiramos
nitrogênio. Blight faz. E, ao prosperar, nosso ar recebe cada vez menos oxigênio. As últimas pessoas a morrer de fome serão as

primeiras a sufocar. E a geração de sua filha será a última a sobreviver na Terra. ”

Existe alguma base científica para a previsão do professor?


Esta questão está na interface de dois ramos da ciência: biologia e geofísica. Por isso, perguntei aos biólogos em
nosso Blight Dinner, particularmente Elliot Meyerowitz, e perguntei a dois geofísicos, professores de Caltech, Gerald
Wasserburg (especialista em origem e história da Terra, Lua e sistema solar) e Yuk Yung (especialista em física e
química da atmosfera da Terra e das atmosferas de outros planetas). Com eles e com os artigos técnicos que eles me
indicaram, aprendi o seguinte.

Criando e destruindo oxigênio respirável

O oxigênio que respiramos é O 2: uma molécula feita de dois átomos de oxigênio, unidos por elétrons. Há muito oxigênio na Terra sob

outras formas: dióxido de carbono, água e minerais na crosta terrestre, para citar alguns. Mas nossos corpos não podem usar esse

oxigênio até que algum organismo o libere e o converta em O 2)


O da atmosfera 2 é destruído respirando, queimando e decaindo. Quando respiramos O 2
nossos corpos combinam com carbono para formar dióxido de carbono, CO 2 liberando muita energia que nosso corpo usa. Quando a

madeira é queimada, as chamas combinam rapidamente o O da atmosfera 2 com o carbono da madeira para formar CO 2 que gera o

calor que mantém a queima. Quando as plantas mortas se decompõem no chão da floresta, seu carbono é lentamente combinado

com o O da atmosfera 2 formar CO 2 e calor.

O da atmosfera 2 é criada principalmente por fotossíntese: cloroplastos em plantas 24 ( Capítulo


11) use energia da luz solar para dividir o CO 2 em C e O 2) O 2 é liberado na atmosfera da Terra, enquanto as plantas

combinam o carbono com o hidrogênio e o oxigênio da água para formar os carboidratos necessários para o crescimento.

O 2 Destruição e CO 2 Envenenamento

Suponha que a evolução crie um patógeno que destrua os cloroplastos, conforme especulado por Elliot Meyerowitz no final do último capítulo.

A fotossíntese termina, não de uma só vez, mas gradualmente à medida que as plantas morrem. O 2 não está mais sendo criado, mas ainda

está sendo destruído pela respiração, queima e decadência - principalmente decadência, ao que parece. Felizmente para os humanos

restantes, não há vida vegetal em decomposição suficiente na superfície da Terra para engolir todo o O 2)

A maior parte da deterioração será concluída após trinta anos, e apenas cerca de 1% da O 2 será usado. Ainda há
muito para os filhos e netos de Cooper respirarem, se encontrarem algo para comer.

Mas que 1 por cento do O atmosférico 2 será convertido em dióxido de carbono, o que significa que 0,2% da
atmosfera será então CO 2 ( já que a maior parte da atmosfera é nitrogênio). Isso é suficiente CO 2 para tornar a respiração
desagradável para pessoas altamente sensíveis e talvez aumentar a temperatura da Terra (via efeito estufa) em 10 graus
Celsius (18 graus Fahrenheit)
- desagradável para todos, para dizer o mínimo!

Para tornar a respiração de todos desconfortável e induzir sonolência, dez vezes mais atmosfera 2 teria

que ser convertido em CO 2; e matar quase todo mundo por CO 2


envenenamento, cinco vezes mais teriam que ser convertidos, um fator de cinquenta no total. Não encontrei um

mecanismo plausível para isso.

Então o professor Brand está errado? (Até os físicos teóricos podem cometer erros. Especialmente os físicos teóricos. Eu sei; sou

um deles.) Provavelmente sim, ele está errado, mas é concebível que não. O professor poderia estar certo, mas exigiria que a

compreensão dos geofísicos dos fundos oceânicos fosse severamente falha.

Há material orgânico não deteriorado nos fundos oceânicos e em terra. Os geofísicos estimam que a quantidade no fundo do

oceano é cerca de um vigésimo da quantidade em terra. E se eles estão errados e há cinquenta vezes mais no fundo do oceano do

que em terra, e E se existe um mecanismo para


draga-o rapidamente, então seu decaimento para produzir CO 2 poderia deixar todo mundo ofegante por oxigênio e morrendo de CO 2 envenenamento

Agora, uma vez a cada milhares de anos, uma instabilidade provoca a virada do oceano. A água da superfície afunda
para o fundo e leva a água para a superfície. É concebível que, na época de Cooper, ocorra uma virada tão vigorosa que a
água do fundo do poço traga consigo a maior parte do material orgânico do fundo do oceano. Subitamente exposto à
atmosfera, esse material pode decair, convertendo O atmosférico 2 em quantidades letais de CO 2)

Concebível, sim. Mas altamente improvável por duas razões: altamente improvável que exista 1000 vezes mais material orgânico
no fundo do oceano do que os geofísicos pensam, e altamente improvável que ocorra uma reviravolta oceânica suficientemente
vigorosa. 25

No entanto, em Interestelar a Terra certamente está morrendo e a humanidade deve encontrar um novo lar. O sistema solar,

além da Terra, é inóspito, então a busca continua, além do nosso sistema solar.

24 Cloroplastos e fotossíntese também ocorrem em algas e em cianobactérias no oceano, ambas as quais trato como vida vegetal em minha

descrição simplificada. (Em certo sentido, as cianobactérias são uma forma de cloroplasto.)

25 Para alguns detalhes quantitativos e explicações sobre as enormes incertezas nas estimativas geofísicas, consulte Algumas notas técnicas

no final do livro.