Você está na página 1de 8

Resvista Científica - Pesquisa Aplicada à Engenharia

REPAE - 2017 –– Agosto, Brasília, Distrito Federal, Brasil


© PET-ENC UnB, 2017

Efeito Sísmico Na Estabilidade De Barragens Geotécnicas


Leonardo Rodrigues Ferreira
Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, leo.enc@hotmail.com

André Pacheco de Assis


Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, aassis@unb.br

RESUMO: O estudo de efeitos sísmicos no Brasil ainda é pouco aplicado na prática, e já é de


conhecimento da engenharia que a aplicação destes cálculos em barragens é importante devido a
dois fatores: existem zonas no País em que o tecntonismo existe e é importante, e resevatórios
podem induzir sismos relevantes. Desta forma, o estudo de como barragens geotécnicas se
comportam quando submetidas a esforços sísmicos está se tornando cada vez mais importante para
o Brasil. A estabilidade destas barragens pode ser calculada de diferentes formas, sendo a análise
pseudo-dinâmica uma das mais utilizadas no País devido à sua simplicidade. Esta análise é uma das
implementações feitas ao Método do Equilíbrio Limite – que pode ser calculado de diversas formas,
como pelos Métodos de Fellenius, Bishop, Janbu, Morgenstern-Price, Sarma, entre outros -que
compara a resistência ao cisalhamento do solo e os esforços em um plano de ruptura. Além disso,
como há uma tendência de, cada vez mais, se utilizar métodos de análise de risco, este trabalho
também incorpora um método probabilístico de análise de risco, o método das estimativas pontuais
(utilizando coeficientes de variação para cada parâmetro de resistência do solo e tempo de retorno
dos sismos). A seção típica utilizada e os parâmetros geotécnicos utilizados foram baseados na
barragem de Castanhão, com modificações sugeridas pelo autor, uma vez que este trabalho é
estritamente acadêmico e não pretende fazer conclusões sobre a barragem já construída. Os
coeficientes de variação para os parâmetros foram estimados por valores existentes na literatura, e
para o tempo de retorno dos sismos foi elaborada uma hipótese. Os resultados da análise
determinística para sismos foram: (a) Kv = 0 e Kh = 0, FS=2,03; (b) Kv = 0,05 e Kh = 0,03,
FS=1,79; (c) Kh = 0,1 e Kv = 0,05, FS = 1,61; (d) Kh = 0,15 e Kv = 0,07, FS = 1,46. Os resultados
da análise probabilística para sismos foram: (a) Kv = 0 e Kh = 0, P=4.10-9; (b) Kv = 0,05 e
Kh=0,03, P = 2.10-8; (c) Kh = 0,1 e Kv = 0,05, P = 6.10-8; (d) Kh = 0,2 e Kv = 0,07, P = 1.10-6.
Estes resultados são explicados de forma mais elaborada no artigo que se segue. Ao considerar a
possibilidade de existência de sismos induzidos por reservatórios em todo o território brasileiro,
conclui-se que a análise tanto pseudo-dinâmica quanto a análise de risco para sismos é de grande
importância e deve ser tratada com maior rigor no Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Efeito Sísmico, Barragem Geotécnica, Pseudo-dinâmico, Probabilística,


Determinística.

1 INTRODUÇÃO encontra a humanidade, com recursos limitados


e uma população ainda crescente e cada vez
Barragens são estruturas que objetivam mais consumidora, se faz necessário a
armazenar água ou outros fluidos para diversos otimização da utilização dos recursos e
fins. Entre eles, podemos citar o diminuição dos desperdícios.
armazenamento de água para consumo humano, Este artigo objetiva o estudo de estabilidade
para geração de energia elétrica, para em barragens geotécnicas sujeitas a esforços
regularização de vazões e o armazenamento de dinâmicos devido à sismos.
rejeitos industriais. Na atual situação em que se Devido à grande importância dessas

REPAE 2017
estruturas ao desenvolvimento social e induzida por reservatórios (SIR). (Veloso,
econômico, e ao seu alto custo de implantação, 1992)
o seu pleno funcionamento e operação devem
estar garantidos do ponto de vista de
engenharia.
O cálculo da estabilidade dos taludes da
barragem é apenas um dos garantidores dessa
estabilidade, uma vez que uma barragem pode
romper por diversos fatores, como o
carreamento de finos pelo corpo da barragem
(pipping), galgamento, liquefação, entre outros.
Com o passar do tempo e do
desenvolvimento de novas tecnologias
computacionais, se tornou possível o cálculo de
estabilidade de taludes de maneira rápida, e a
utilização de métodos probabilísticos se tornou
mais factível. Desta forma, este artigo também Figura 1. Falhas geológicas no Brasil (Terra, et al, 2009)
propõe o uso destas ferramentas probabilísticas
nestes cálculos, sendo esse um passo na direção Este efeito não deve ser ignorado, uma vez que
de tomar decisões baseadas em análise de risco. estes sismos podem causar grandes danos e
Assim, o objetivo deste artigo é estudar a prejuízos, como é o caso da barragem de Koina,
estabilidade de barragens de terra e na Índia. Na década de 1960, um sismo
enrocamento brasileiras quanto aos sismos induzido por esse reservatório deixou 200
regionais, além de determinar se os cálculos mortos e 1500 feridos (Veloso, 1992)
sugeridos para a verificação quanto aos sismos Apesar da barragem estar em região
se aproximam da realidade de cada região. sismicamente estável e geologicamente muito
antiga, o sismo induzido ocorreu em uma
2 BRASIL E SISMICIDADE magnitude de 6,3 na escala Richter, o que
causou danos estruturais à barragem e outros
Apesar de não estar posicionado próximo de estragos nas localidades vizinhas.
bordos ativos de placas tectônicas (como é o No Brasil, a sismicidade induzida por barragens
caso do Chile, por exemplo), o Brasil é um país é monitorada e os principais casos são os
que apresenta atividades sísmicas. Em alguns apresentados na tabela 1.
estados, estas atividades são mais notáveis que
em outros, como é o caso do Acre e do Ceará. Tabela 1. Principais sismos em barragens brasileiras
Esta atividade ocorre principalmente (Agência Nacional De Águas, 2015)
Magnitude Ano de
devido à diferença de densidade entre rochas Barragem Localização
(Richter) ocorrência
presentes na mesma placa tectônica, que geram Minas
falhas ativas e produzem sismos com Volta
Gerais/São 4,2 1974
Grande
Magnitude de Momento entre 3 e 5. (Brandão, Paulo
2012) Estas linhas de falha estão demonstradas Nova Ponte Minas Gerais 4,0 1998
Cajuru Minas Gerais 3,7 1972
na Figura 2.
Paraná/São
Além disso, algumas ações humanas são Capivara 3,7 1979
Paulo
responsáveis pela geração de sismos e este Tucuruí Pará 3,6 1998
efeito é conhecido como sismicidade induzida. Balbina Amazonas 3,4 1990
A formação de grandes reservatórios e lagos Miranda Minas Gerais 3,3 2000
Paraibuna São Paulo 3,0 1977
artificiais costuma gerar este efeito indesejado.
Igaratá São Paulo 3,0 1985
Em algumas barragens de grande porte no
Brasil foram detectados estes tremores de terra.
A Sismicidade Induzida por Reservatórios (SIR)
A este efeito é dado o nome de sismicidade

REPAE 2017
acaba sendo um efeito de grande importância necessário entender a configuração utilizada no
para a construção de barragens, como citado MEL.
anteriormente, e por isso, o Manual de Critérios Neste método, é adotada uma superfície de
de Projeto Civil de Usinas Hidrelétricas (2003) ruptura circular (em alguns casos esta superfície
da Eletrobrás sugere a instalação de pelo menos assume outro formato, mas em geral esta é a
um sismógrafo bem antes (cerca de 2 anos) do adotada) e a geometria do talude é dividida em
enchimento do reservatório, para que seja “fatias”, de modo que as forças internas e
possível comparar os abalos sísmicos da região externas possam ser consideradas no cálculo.
antes e depois da existência de um reservatório. Além disso, o método assume duas hipóteses:
(Geo-Slope International LTD., 2015)
• As fatias devem estar em equilíbrio em
3 ESTABILIDADE DE TALUDES relação às forças atuantes;
• Todas as fatias apresentarão o mesmo Fator
Para maior entendimento acerca dos cálculos de Segurança
realizados, é necessário entender a metodologia
utilizada para tal.

3.1 Fator de Segurança

É importante começar a análise de estabilidade


de taludes fazendo uma definição dos
significados das palavras “estável” e
“equilíbrio”. Para os fins deste estudo os
significados que importam são os físico-
mecânicos.
Um corpo é considerado em equilíbrio
quando as forças atuantes sobre ele são iguais a
zero, assim como os momentos aplicados. A
estabilidade, por sua vez, está relacionada à
força necessária para retirar o corpo do
equilíbrio. Quanto maior esta força, maior será
a estabilidade.
Aplicando estas definições à estabilidade
de taludes é possível definir: um talude estará
Figura 2 – Geometria da situação e forças atuantes (Das,
em equilíbrio estável se necessitar de uma
grande força para retirá-lo do equilíbrio; em 2011)
equilíbrio instável se estiver próximo à ruptura;
e desequilibrado no momento em que acontece Utilizando as equações de equilíbrio de
o rompimento. forças horizontais, verticais e equilíbrio dos
O fator de segurança nada mais é do que momentos ainda assim sobram incógnitas.
um fator de medição de estabilidade. É este Desta forma o sistema obtido é indeterminado e
fator que quantifica a estabilidade do talude, e é possível determinar a quantidade de
define o quão estável estará o maciço de solo indeterminações.
nas condições especificadas. Não foram poucas as formas criadas para se
solucionar este sistema, e a partir do estudo de
3.2 Método do Equilíbrio Limite (MEL) algumas destas soluções, optou-se por utilizar o
método sugerido por Morgenstern e Price por
Para iniciar o entendimento acerca dos cálculos ser um método já consagrado na Geotecnia com
modernos de estabilidade de taludes é bons resultados. Além disso, foi adotada a
sugestão de Sarma de adicionar-se uma força

REPAE 2017
horizontal nas fatias, de modo a simular a força barragem e estão expressos na tabela 2.
gerada pelo sismo.
Esta força nada mais é do que uma Tabela 2 – Parâmetros médios utilizados nos cálculos
aceleração dada em termos de porcentagem da Material Peso Intercepto Ângulo de
Específico de Coesão Atrito
aceleração gravitacional. (tf/m³) Efetiva Efetivo (º)
No Brasil, o Guia para a Elaboração de (kN/m²)
Projetos de Barragens (Agência Nacional de Corpo da 1,8 50 29
Águas, 2015), sugere um Fator de Segurança de Barragem
1,1 e acelerações nas direções horizontal (KH.g) Areia dos 1,9 0 42
filtros
de 0,05 e vertical (KV.g) de 0,03 quando há Enrocamento 1,9 0 48
ausência de estudos de sismicidade. de pé
Já para o manual de Critérios de Projeto Areia da 1,7 0 32
Civil de Usinas Hidrelétricas (2003) da fundação
Eletrobrás, os valores destes coeficientes
sísmicos são (KH.g) de 0,05 e (KV.g) de 0,03
com Fator de Segurança mínimo de 1,0 nesta
situação.
Em ‘áreas não sujeitas a condições
extremas de terremoto’, o livro Design of Small
Dams, do Bureau of Reclamation dos Estados
Unidos sugere os valores de (KH.g) de 0,10 e
(KV.g) de 0,05.

4 BARRAGEM DO CASTANHÃO

A fim de se fazer um estudo mais fundamentado


foi utilizada a barragem do Castanhão como Figura 3 – Lozalização do reservatório do Castanhão
(Ponte et al, 2009)
base para as análises probabilísticas e
determinísticas de ruptura. No entanto, é
importante ressaltar que este projeto não tem
como finalidade determinar a estabilidade da
barragem do Castanhão quanto a sismos, e sim
aprofundar o conhecimento científico em
relação aos sismos. Desta forma, nem todas as
informações aqui colocadas serão retiradas Figura 4 – Seção Típica da barragem homogênea de terra
(Ponte et al, 2009)
desta barragem, sendo algumas simplesmente
hipotéticas (como a seção típica a ser utilizada
5 METODOLOGIA
na análise, por exemplo).
A barragem do Castanhão é localizada na
Este artigo utiliza dois métodos de análise de
bacia hidrográfica do rio Jaguaribe, Ceará, e é
estabilidade, como já citado na introdução,
responsável pela regularização da vazão do rio
sendo uma Análise Determinística e uma
Jaguaribe, abastecimento de água aos habitantes
Análise Probabilística.
ribeirinhos e a região metropolitanta da cidade
Uma vez que este artigo se destina a
de Fortaleza, entre outros.
analisar o efeito sísmico em uma barragem
A seção típica utilizada é a de uma
geotécnica, algumas suposições foram feitas
barragem homogênea de terra, como na Figura
para minimizar a quantidade de cálculos a
4.
serem executados:
Os parâmetros utilizados nas análises foram
baseados nos parâmetros reais adotados nesta

REPAE 2017
1) O sismo irá ocorrer somente após o As acelerações ocasionadas pelos sismos
enchimento do reservatório. – Devido à utilizadas foram de Kv=0 e Kh=0; Kv=0,05 e
baixíssima probabilidade de ocorrência de um Kh=0,03; Kv=0,1 e Kh=0,05; e Kv=0,15 e
sismo durante a construção/alteamento da Kh=0,07.
barragem ou durante um rebaixamento rápido
do reservatório, será adotado que o sismo ocorre 5.2 Análise Probabilística
em período de operação da barragem;
2) O sismo ocorrerá com o nível maximum Além da análise determinística a partir do
maximorum do reservatório, em regime de fluxo cálculo de estabilidade de taludes é possível
permanente – Apesar de pouco provável, esta fazer uma análise probabilística desta
hipótese garante que a ocorrência do sismo não estabilidade, em que as incertezas nos
ocasionará na ruptura da barragem mesmo parâmetros do solo são levadas em conta e é
quando o reservatório está cheio. Além disso, possível calcular uma probabilidade de ruptura
este nível de água é semelhante ao nível de para o projeto escolhido.
operação normal da barragem; Este artigo terá foco em determinar apenas
3) Apenas os taludes de jusante serão a probabilidade de ruptura da barragem quando
calculados quanto à estabilidade - Os taludes de submetido a diferentes acelerações sísmicas.
montante geralmente possuem um Fator de Será utilizada o método probabilístico proposto
Segurança muito alto para a condição de por Rosenblueth, conhecido como Método das
operação da barragem, uma vez que o Estimativas Pontuais.
reservatório entra como uma força Este método permite aproximar uma curva
estabilizadora dos mesmos. Desta forma, é de probabilidade Normal para o Fator de
comum avaliar apenas o talude de jusante nesta Segurança, de acordo com a variação dos
condição. parâmetros de resistência do solo. O que
interessa é descobrir a probabilidade de ruptura,
5.1 Análise Determinística ou seja, a probabilidade em que o Fator de
Segurança é menor do que 1,0. Multiplicando
Como explicitado no capítulo 3 de Estabilidade esta probabilidade pela probabilidade de
de Taludes, é necessário calcular um Fator de ocorrência do sismo adotado nas análises,
Segurança obtendo as tensões atuantes e determina-se a probabilidade de ruptura.
calculando as tensões resistentes na barragem e Utilizando-se os parâmetros de ângulo de
em sua fundação. Para o cálculo determinístico, atrito (ϕ’), coesão (c’) e peso específico do solo
basta utilizar os parâmetros médios obtidos de (γ) e adotando um coeficiente de variação
ensaios laboratoriais das camadas compactadas (indicados pela tabela X) para cada um deles é
da barragem. Além disso, é necessário possível determinar pelo Método de
determinar os esforços atuantes (acelerações Rosenblueth esta curva probabilística. O
ocasionadas pelo abalo sísmico) e o nível método preconiza que é necessário fazer 2n
freático. análises de estabilidade de taludes, em que “n”
O método utilizado é o sugerido por é o número de variáveis adotadas. Neste caso,
Morgenstern-Price, método este consagrado na n=3, e o número de análises de estabilidade é
geotecnia. igual a 8 para cada aceleração sísmica adotada.
A função f(x) – força entre fatias – foi a de
meio-seno, uma vez que esta é muito utilizada e Tabela 3 – Coeficientes de Variação utilizados para os
acredita-se se aproximar da realidade. parâmetros do solo
Parâmetro do Coeficiente de Coeficiente
A superfície de ruptura adotada é circular, solo Variação (%) de Variação
uma vez que esta é uma superfície muito sugerido (Assis, et (%) utilizado
adotada para barragens homogêneas de solo e al., 2012)
quase um padrão para este tipo de projeto. Peso específico 03 (02 a 08) 5
Os parâmetros utilizados são os mesmos Coesão 40 (20 a 80) 30
Ângulo de atrito 10 (04 a 20) 10
explicitos pela Tabela 2.

REPAE 2017
6 RESULTADOS
Tabela 4 – Valores superiores e inferiores dos parâmetros
para utilização do Método das Estimativas Pontuais 6.1 Análise Determinística (Estabilidade de
Média
+ Média - Desvio
Taludes)
Parâmetro do solo Desvio Padrão
Padrão (-) Da análise determinística, foi possível construir
(+) a Tabela 5.
Peso específico (γ) – kN/m³ 18,9 17,1
Coesão (c) – kN/m² 65 35 Tabela 5. Fatores de Segurança para diferentes
Ângulo de atrito (ϕ’) - º 31,9 26,1 carregamentos sísmicos
Acelerações Sísmicas Fator de Segurança
Para a que ocorra a ruptura da barragem durante Kv e Kh Calculado
um sismo é necessário, primeiramente, que o Kv=0 e Kh=0 2,03
sismo ocorra. Desta forma, pode-se notar que Kv=0,05 e Kh=0,03 1,79
Kv=0,1 e Kh=0,05 1,61
dois eventos probabilísticos precisam ocorrer Kv=0,15 e Kh=0,07 1,46
simultaneamente para que a barragem rompa
por efeito sísmico. São eles:
Evento A: Ocorrência do sismo
Evento B: Ruptura durante a ocorrência do
sismo.
Pela teoria da probabilidade, então, a
probabilidade de ocorrência de um evento, dado
que outro evento (independentes entre si) ocorra
simultaneamente é calculado pela relação:

P(A∩B)=P(A).P(B) (1)

O cálculo da probabilidade de ocorrência do


Evento B foi descrito pelo método das Figura 2. Exemplo da simulação sem sismo na análise
estimativas pontuais. O cálculo da determinística.
probabilidade de ocorrência do Evento A é dado
pelo inverso do Tempo de Retorno do sismo, ou Como as Fatores de Segurança estão acima do
seja, 1/TR. valor de 1,1, é possível dizer que a barragem é
Como os dados para a determinação do Tempo estável pelos critérios recomendados pela
de Retorno de uma dada aceleração sísmica não Agência Nacional de Águas (em que sugere o
foi encontrada na literatura para o local valor de FS>1,1) e pelo manual da Eletrobrás
geográfico em que se insere a barragem, foi (que sugere FS>1,0).
criado um gráfico hipotético para este valor:
6.2 Análise Probabilística (Estabilidade de
Taludes e Tempo de Retorno)

Como exemplo dos resultados da análise


probabilística utilizando o método das
estimativas pontuais (Rosenblueth), é
explicitado na Tabela 6 a utilização do método
para o caso sem sismo. Os outros resultados
serão resumidos na Tabela 7 e na Figura 6.
Figura 5 – Hipótese de tempo de retorno para diferentes
acelerações sísmicas horizontais

REPAE 2017
Tabela 6 – Método das estimativas pontuais para o caso 6 CONCLUSÃO
sem sismo
Sismo: Kx=0; Ky=0
Pela análise determinística foi possível
Análise ϕ c γ FS determinar que a barragem está adequada para
Média: ϕ =29 c=50 γ=18 2,03 eventos sísmicos, uma vez que todos os Fatores
Desvio
1 ϕ+ c+ γ+ 2,23 Média de Segurança calculados estão acima do valor
Padrão
2 ϕ+ c+ γ- 2,3 de 1,1, estando assim, acima do recomendado
3 ϕ+ c- γ+ 1,95 pela Agência Nacional de Águas (que sugere o
4 ϕ+ c- γ- 2 2,03 0,179
valor de FS>1,1) e pelo manual da Eletrobrás
5 ϕ- c+ γ+ 2,06
6 ϕ- c+ γ- 2,14
(que sugere FS>1,0). Está adequada inclusive
7 ϕ- c- γ+ 1,79 para eventos sísmicos que normalmente não
8 ϕ- c- γ- 1,84 ocorrem no Brasil.
Com este resultado, é possível obter a Já pela análise probabilística não é possível
probabilidade de ruptura da barragem para esta determinar se a barragem é de fato segura, uma
condição de carregamento: vez que é necessário determinar os riscos de
P(FS<1)=4.10-9 uma eventual ruptura desta barragem. Isto já
indica que este método é muito mais robusto em
termos de análise e resultados, uma vez que
para a análise determinística a barragem já é
considerada segura com poucos cálculos. A
análise probabilística necessita de um número
mais elevado de cálculos de estabilidade de
taludes, levando em conta a variabilidade dos
materiais geotécnicos, e ainda existe a
possibilidade desta barragem não estar segura, a
depender dos riscos envolvidos na empreitada.
Desta forma, sugere-se que a engenharia de
barragens no Brasil comece a adotar a análise
probabilística e de risco em relação aos sismos
Figura 6 - Curva Normal aproximada para cada condição
de carregamento como instrumento de projeto, uma vez que
apresenta uma maior robustez e uma maior
Tabela 7 - Probabilidade de ruptura durante o sismo, para segurança na tomada de decisão.
diferentes magnitudes Por fim, sugere-se o levantamento do
Magnitude Probabilidade P(A)=1/TR Probabilidade
Tempo de Retorno de acelerações Sísmicas para
do Sismo de ruptura de ruptura
durante a P(A B) diferentes regiões do País de modo que a análise
ocorrência do probabilística possa ser realizada de forma
sismo P(B) criteriosa e científica, obtendo valores
Kh=0; 4.10-9 1 4.10-9 representativos de probabilidade de ruptura para
Kv=0
efeitos sísmicos em barragens geotécnicas.
Kh=0,05; 2.10-7 0,1 2.10-8
Kv=0,03
AGRADECIMENTOS
Kh=0,1; 3.10-6 0,02 6.10-8
Kv=0,05
Agradeço minha família por todo o suporte e
Kh=0,2; 1.10-3 0,001 1.10-6 amor. Agradeço também ao meu orientador e à
Kv=0,07 Universidade de Brasília por me iluminarem
com conhecimento e sabedoria.
A probabilidade de ruptura será dada pelo maior
dos valores encontrados, ou seja: P(A B)=1.10-6.

REPAE 2017
REFERÊNCIAS

Agência Nacional de Águas. Manual do Empreendedor -


Guia Para Elaboração de Projeto de Barragens.
Brasília: v. V, 2015.
Assis, A. P. et al. Métodos Estatísticos e Probabilísticos
em Geotecnia. Brasília: Apostila do curso de Pós-
Graduação em Geotecnia, UnB, v. G.AP-002/2012,
2012.
Brandão, M. B. Estrutura Geológica do Brasil. Brasília:
GeoBau, 2012. Disponivel em:
<http://marcosbau.com.br/geobrasil-2/estrutura-
geologica-do-brasil/>. Acesso em: 08 Junho 2016.
CBDB. Guia Básico de Segurança de Barragens. São
Paulo: 2001.
Chuquimuni, R. A. A. Análise Numérica do Alteamento
de Barragens de Terra. Rio de Janeiro: PUC-Rio,
2005.
Das, B. M. Fundamentos de Engenharia Geotécnica. 7ª.
ed. Sacramento: Thomson, 2011.
Eletrobrás. Critérios de Projeto Civil de Usinas
Hidrelétricas. [S.l.]: [s.n.], 2003.
Geo-Slope International ltd. Stability Modeling with
SLOPE/W. Alberta: GEO-SLOPE International Ltd,
2015.
Hachich, W. et al. Análise tridimensional das tensões em
uma barragem e suas fundações: Implicações na
avaliação da segurança. Geotecnia, p. 1-20, Março
2004. ISSN 100.
ICOLD. Technical Dictionary on Dams. Paris:
International Commission on Large Dams, 1978..
MARTINS, R. A Folga em Barragens: Memória Nº828.
Lisboa: Laboratório Nacional de Engenharia Civil,
LNEC, 2002.
Ponte, A. T. M. M. S. et al. The Multipurpose Castanhão
Development on the Jaguaribe River. In: DAMS, B. C.
O. Main Brazilian Dams III. Rio de Janeiro: 2000.
p. 73-84.
Rettemeier, K.; Falkenhagen, B.; Kongeter, J. Risk
assessment: new trends in Germany. Beijing: Paris:
ICOLD, v. 01, 2000. p. 625-641.
Sarma, S. K. Stability analysis of embankments and
slopes. Géotechnique, 1973. 423-433.
Sarma, S. K. Stability of Embankments and Slopes.
Journal of the Geotechnical Engineering Division,
Dezembro 1979. 1511-1524.
Terra, L.; Araújo, R.; Guimarães, R. B. Conexões:
estudos de geografia do Brasil. São Paulo: Moderna,
2009.
USBR. Design of Small Dams. Washington, D.C.: United
States Department of the Interior, Bureau of
Reclamation, 1973.
Veloso, J. A. V. Terremotos induzidos pelo homem.
Ciência hoje, Rio de Janeiro, Maio 1992. 67-72.

REPAE 2017

Você também pode gostar