Você está na página 1de 1

ELES AMAM A ABSTRAÇÃO, MAS ODEIAM O PRÓXIMO//

Muitas são as pessoas que se propõem a salvar o mundo, os pobres, a natureza e o


trabalhador. Elas desejam algo pelo qual lutar e, consequentemente, dar sentido a sua vida.

Um dos pilares das ideologias é fornecer esse sentido aos indivíduos que a aderem. Para elas, o
processo de redenção virá por meio dessas causas. A ideologia nada mais é que uma religião
invertida. Enquanto a religião fala sobre a redenção vindoura, a ideologia fala sobre o aqui e
agora. O paraíso que seria celestial torna-se terreno.

Mas essas ideologias fornecem apenas uma ilusão de sentido, pois dão apenas abstrações
pelas quais lutar. O que significa “salvar o mundo”? Somente conceitos abstratos, apesar de
belos e impactantes para a juventude de hoje, não possuem forma, são vazios e impessoais.

É muito mais fácil ter uma narrativa em prol de algum grupo e/ou de uma causa para apoiar,
principalmente se isso envolver algo que esteja distante, isto é, se for impessoal. Satisfazer o
ego com justiça própria e parecer bom aos olhos do mundo e, obviamente, sem sujar as mãos
para isso.

Porém, quando analisamos de forma rigorosa, percebemos que isso não passa de enganação e
hipocrisia.

Pessoas que bradam pela salvação dos trabalhadores, mas em seus ambientes de trabalho
desprezam o faxineiro e pessoas com cargos “inferiores”. Se autoproclamam como aqueles
que estão preocupados com o meio-ambiente, mas zombam do catador de recicláveis. É fácil
demais lutar pelo abstrato, difícil é lutar pelo que é real. É fácil amar o planeta, difícil é amar o
próximo, até porque este tem um rosto, um cheiro, um nome e uma identidade.

Jesus nos diz para amar a Deus acima de todas as coisas e nosso próximo como a nós mesmos
(Mt 22:36-39). O cristianismo não prega a salvação do planeta, mas do homem – que é real –,
que tem seu nome escrito no livro da vida. Cristo não morreu por abstrações, mas por
pecadores, homens e mulheres vendidos como escravos aos seus próprios desejos, mas salvos
pela graça.

Não adianta lutar "por um mundo melhor" se o homem ainda está perdido.

De que adianta ao homem salvar o mundo inteiro, mas perder a sua alma? (Mc 8:36)