Você está na página 1de 104

CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO


EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Expressão e Representação na Arquitetura I


Carga horária Total: 80h
Período: 1º

EMENTA
Técnicas de desenho: utilização de instrumentos e de materiais. Desenho de
observação: sólidos e edificações. Luz e sombra. Noções de Perspectiva. Desenho da figura
humana e da natureza.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Técnicas de desenho: linguagem gráfica para expressão e comunicação do
arquiteto. Técnicas à lápis: valor, grafismos, croqui (esboço) e contorno.
UNIDADE 2: Noções de perspectiva. Definições teóricas: cone de visão, linha do
horizonte, pontos de fuga, linha central de visão, plano de projeção e linha
de terra. A mudança na perspectiva em função da posição do observador.
Exercícios de observação de volumes de vários pontos de vista.
UNIDADE 3: Levantamento em campo de elementos arquitetônicos através do desenho
de observação. A percepção visual e a sensibilidade na solução de
problemas de expressão e representação do espaço arquitetônico. Luz e
sombra aplicadas aos sólidos, à arquitetura e ao seu entorno.
UNIDADE 4: O homem e sua anatomia. As regras de proporcionalidade e o equilíbrio
na figura humana. O desenho da figura humana para a arquitetura - a
escala humana. Formas de representação de elementos da natureza
através da expressão gráfica.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
CHING, F. D.K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto Alegre: Bookman, 2002.
LEGGIT, Jim. Desenho de Arquitetura: Técnicas e Atalhos que usam Tecnologias. Porto
Alegre: Bookman, 2004.
YANES, Magali Delgado & DOMINGUEZ, Ernest Redondo. Desenho Livre para
arquitectos. Ed. Estampa, 2004.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
EDWARDS, Betty. Desenhando com o Lado Direito do Cérebro (Drawing on the right side of
the bain). Tradução por Roberto Raposo. 11ª Edição. Rio de Janeiro: Ediouro, 1984, 218p.
ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual: Uma Psicologia da Visão Criadora. São Paulo:
Livraria Pioneira Editora, 1980.
COLIN, Silvio. Uma Introdução à Arquitetura. 4ª ed. Rio de Janeiro: UAPÊ, 2000.

Disciplina: Estudo e Composição da Forma


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA:
A percepção e a produção da forma ao longo da história. Elementos primários:
ponto, reta, plano, sólido. Propriedades da forma: relativas à unidade e à composição de
elementos. Figuras primárias. Sólidos: primários, de Platão e de Arquimedes. Sistemas de
proporcionalidade: seção áurea, espiral de crescimento dinâmico, retângulos dinâmicos.
Antropometria: o homem de Vitrúvio, de Leonardo da Vinci, o Modulor. Princípios
ordenadores da composição formal. Percepção e análise da forma.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: As formas escultóricas e arquitetônicas produzidas pelo ser humano ao
longo da história. A forma arquitetônica produzida ao longo da história.
Atividades práticas para o desenvolvimento de composições formais
simples, privilegiando a percepção e a estética.
UNIDADE 2: Os princípios da teoria da Gestalt: as forças que regem a percepção da
forma visual: forças internas e forças externas; os princípios que regem as
forças internas de organização. Princípios que regem a composição
formal. Desenvolvimento de atividades práticas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual: Uma Psicologia da Visão Criadora. São Paulo:
Livraria Pioneira Editora, 1988, 2007.
CHING, Francis D. K. Arquitetura, Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: Martins Fontes,
1998.
ECO, Umberto. A Estrutura Ausente. 7a ed. São Paulo: Perspectiva, 1976, 1987, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
GOMES FILHO, João. Gestalt do Objeto. Sistema de Leitura Visual. São Paulo: Escrituras
Editora, 2004.
COLIN, Silvio. Uma Introdução à Arquitetura. 4ª ed. Rio de Janeiro: UAPÊ, 2000.
MONTENEGRO, Gildo A. A Invenção do Projeto. São Paulo: Edgard Blücher, 1995.

Disciplina: Geometria Descritiva I


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA
Desenho geométrico: Lugares geométricos e construções geométricas.
Geometria Descritiva: ponto, reto e plano nos quatro diedros: projeções, concorrência,
pertinência. Métodos Descritivos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Construções fundamentais: paralelas e perpendiculares. Mediatriz e
bissetriz. Segmentos congruentes. Segmentos proporcionais.
Construções de triângulos. Construções de quadriláteros. Construções
de polígonos regulares. Circunferência: Tangentes. Inscrição e
circunscrição
UNIDADE 2: O ponto, a reta e o plano; Os quatro diedros: Os Planos e Semi-planos
de projeção, a Épura, Linha de Terra, Coordenadas: cota e
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

afastamento. Estudo do Ponto: posições do ponto em relação aos planos


de projeção, Simetria de pontos.
UNIDADE 3: Estudo da Reta: posição da reta em relação aos planos de projeção;
pertinência entre ponto e reta; posições relativas entre duas retas:
paralelismo e concorrência; interseção entre retas o planos.
UNIDADE 4: Estudo do Plano: posições do plano em relação aos planos de projeção,
pertinência entre reta e plano, pertinência entre ponto e plano,
elementos geométricos que definem um plano, interseção entre planos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999,
2001.
MONTENEGRO, Gildo A. Geometria Descritiva, v1. São Paulo: Edgard Blucher, 1991.
PRÍNCIPE Jr., Alfredo dos Reis. Noções de Geometria Descritiva. São Paulo: Nobel, v.1,
1989.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
RICCA, Guilherme. Geometria Descritiva. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2000.
CARVALHO, Benjamim A. Desenho Geométrico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 1967.
LACOURT, H. Noções e Fundamentos de Geometria Descritiva. Rio de Janeiro: LTC, 1995.

Disciplina: Arte e Estética na Arquitetura I


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA:
Origens e desenvolvimento das artes ao longo da história. Pré-História. Egito e
Mesopotâmia. Grécia, Roma e Idade Média. Renascimento, Maneirismo, Barroco e Rococó.
Barroco e Rococó no Brasil.. Neoclássico, Romantismo, Realismo, Impressionismo e
movimentos dissidentes.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Do início da arte à antigüidade Greco-romana: Pré-história, Egito e
Mesopotâmia, Grécia, Roma.
UNIDADE 2: A arte religiosa do séc. XIII ao XVIII: Arte Medieval (Cristã Primitiva,
Bizantina, Românica e Gótica), Renascimento, Maneirismo, Barroco,
Rococó, Arte colonial brasileira (séculos XVI, XVII e XVIII).
UNIDADE 3: Os estilos pré-modernos do séc. XIX: Neoclássico, Romantismo e
Realismo; Arte acadêmica e Ecletismo no Brasil.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
GOMBRICH, H. A História da Arte. Rio de Janeiro: Guanabara, 1999.
JANSON, H.W. História Geral da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
CAMPOFIORITO, Quirino. História da Pintura Brasileira, v.1. Rio de Janeiro, 1983.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
VARRIANO, John. Arquitectura Italiana del Barroco AL Rococo. Madrid: Alianza, 1997.
ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte como História da cidade. São Paulo: Martins Editora,
1998
BELL, Julian. Uma nova História da Arte. São Paulo: Martins Editora, 2008.

Disciplina: Introdução à Informática


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA
Windows: funções básicas do sistema operacional. Microsoft Word: apresentação,
formatação de textos, construção de estilos, mala direta e etiquetas, exibição de gráficos.
Excel: características da planilha Excel 7.0, técnicas de movimentação e seleção, entrada de
dados, funções e impressão de planilhas. Microsoft PowerPoint: construção de slides,
formatação, animação e apresentação. Internet: navegação e consulta a banco de dados.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Funções Básicas do Windows
UNIDADE 2: Microsoft Word
UNIDADE 3: Microsoft PowerPoint
UNIDADE 4: Internet
UNIDADE 5: EXCEL

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
NORTON, Peter. Introdução à Informática. São Paulo: Makron Books, 1997.
MINK, Carlos. Microsoft Office 2000. São Paulo: Makron Books Ltda., 2000.
RABELO, João. Introdução à Informática e Windows XP. São Paulo: Ciência Moderna,
2007.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
VELLOSO, F.C. Informática: Conceitos Básicos. Ed. Campus, 2004.
MICROSOFT INC. Manual do Microsoft Office 2000, 2000.
JAMSA, K. Windows - Guia do Usuário. São Paulo: McGraw Hill 1988.

Disciplina: Matemática Aplicada à Arquitetura


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA:
Números reais, conjuntos, funções. Equações algébricas. Equações polinomiais.
Relações trigonométricas no triângulo. Geometria plana e espacial.

CONTEÚDO PROGRÁMATICO
UNIDADE 1: Números reais, valor numérico de expressões algébricas. Operações
algébricas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: Relações: Par ordenado. Propriedades. Produto cartesiano,


representação gráfica de um produto cartesiano. Relação binária.
Domínio e imagem de uma relação binária.
UNIDADE 3: Funções: Conceitos. Estudos das funções através de diagramas. Domínio,
contradomínio e imagem de uma função. Gráficos de Funções.
UNIDADE 4: Polinômios: Definição. Valor numérico de um polinômio, grau de um
polinômio, identidade de um polinômio, polinômios idênticos. Operações
com polinômios. Teorema D'Alembert.
UNIDADE 5: Equações Algébricas: Definição, grau, raízes. Teorema fundamental da
álgebra. Multiplicidade de uma raiz.
UNIDADE 6: Trigonometria no triângulo retângulo. Relações métricas no triângulo
retângulo. Volumes e áreas. Razões trigonométricas.
UNIDADE 7: Geometria Plana. Área das principais figuras. Geometria espacial:
sólidos geométricos, áreas de base e volume dos sólidos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
IEZZI, Gelson. Fundamentos da Matemática Elementar. São Paulo: Ed. Moderna, 1980,
1993, 1999, 2004, 2005.
GOWERS, Timothy. Matemática, Uma Breve Introdução. São Paulo: Gradiva, 2008.
BARBONI, Ayrton e PAULETTE, Walter. Fundamentos de Matemática, Cálculo e Análise.
São Paulo: LTC, 2009.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MEDEIROS, I. Matemática. São Paulo: Atual Editora, 1998.
BONJORNO, J.R. Matemática Fundamental. São Paulo: Ed FTD, 2000.
ANTUNES, D. R. Fundamentos de Matemática. Editora Atlas, São Paulo, 1978.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Metodologia Científica


Carga horária Total: 40h
Período: 1º

EMENTA:
Estudos teóricos acerca das formas de conhecer o mundo. Conhecimento do senso
comum. Conhecimento científico. Ciência e método. Leis e teorias. Universidade e suas
funções. A prática da pesquisa. Produção acadêmica e apresentação de relatório de pesquisa.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conhecimento, Ciência e Universidade
UNIDADE 2: Diretrizes para leitura e estudo, Pesquisa e disciplina intelectual
UNIDADE 3: A elaboração de trabalhos científicos e a participação em eventos
UNIDADE 4: Trabalhos científicos. Projeto de pesquisa e Monografia

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
DEMO, Pedro. Pesquisa e Construção do Conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro
2000.
MINAYO, Maria Cecília. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Rio de Janeiro:
Vozes, 2002, 2004, 2007.
DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas, 1985.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CRUZ, Anamaria da Costa & MENDES, Maria Tereza Reis. Trabalhos Acadêmicos,
Dissertações e Teses: Estrutura e Apresentação (NBR 14724/2002). 2ª ed. — Niterói:
Intertexto, 2004.
ARANHA, Maria L. de Arruda; MARTINS, Maria Helena P. Temas de Filosofia. São Paulo:
Editora Moderna, 1998.
CERVO, A.L. & BERVIAN, P.A. Metodologia Científica. São Paulo: Prenice Hall, 2002.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Técnicas Gráficas I


Carga horária Total: 80h
Período: 1º

EMENTA:
Materiais e instrumentos. Normas técnicas e convenções. Letras e Algarismos.
Dimensionamento. Desenvolvimento dos desenhos de projetos de arquitetura: plantas baixas,
cortes, fachadas, plantas de situação e de cobertura. Desenho de detalhes construtivos em
geral.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: As formas gráficas utilizadas como meio de expressão e comunicação. O
desenho técnico suas variadas aplicações e sua importância como
comunicação e expressão do arquiteto. A norma brasileira NBR-6492 da
ABNT: formatos do papel, dobragem das pranchas, carimbos, letras e
algarismos, notação e convenções gráficas.
UNIDADE 2: Usos e cuidados com o instrumental para o desenho a lápis. Os papéis
empregados para desenho: manteiga, vegetal, canson. O desenho como
estudo: croquis - e como arte final: original. Os meios de reprodução dos
desenhos: cópias opacas e transparentes.
UNIDADE 3: Escalas gráficas e numéricas — exercícios teóricos e práticos. Aplicação e
manejo do instrumental de desenho; desenho de letras e algarismos
padronizados; layout da prancha de desenho; exercícios de notação e
simbologia, empregados para indicação de: corte geral e parcial; fachadas
e elevações; níveis; denominação dos desenhos. Desenhos de planta baixa,
cortes longitudinal e transversal, fachadas, planta de situação e planta de
cobertura; escalas usuais, quadro de áreas, carimbo, cotas e níveis,
legenda.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FERREIRA, Patrícia. Desenho de Arquitetura. Rio de Janeiro: Imperial, 2001.
CHING, F. D.K. Representação Gráfica em Arquitetura. Porto alegre: Bookman, 2000.
OBERG, L. Desenho Arquitetônico. 31ª ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
NEUFERT, Ernest. Arte de Projetar em Arquitetura. Barcelona: Gustavo Gilli, 2002.
1998/2000.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - NBR 6492. Rio de Janeiro
1992.
MONTENEGRO, Gildo. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgard Blücher Ltda.

Disciplina: Expressão e Representação na Arquitetura II


Carga horária Total: 80h
Período: 2º

EMENTA:
Análise da composição da forma e do espaço. Percepção das linhas, da forma, cor
e composição. A cor e sua relação com o espaço. Materiais: texturas, forma e cor. Emprego
de materiais e relações com o espaço arquitetônico.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Percepção das cores nas formas orgânicas e geométricas. Desenhos a mão
livre. Utilização de lápis de cor e pastel.
UNIDADE 2: A cor nos materiais e no espaço arquitetônico. A luz e a cor. Utilização de
canetas nanquim e aquarela.
UNIDADE 3: A cor e sua relação com o espaço. A cor na figura humana e na
arquitetura.
UNIDADE 4: Materiais: Texturas forma e cor. Utilização de técnicas mistas
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
DOYLE, Michael E. Desenho a Cores. São Paulo: Ed. Bookman, 2002.
FARINA, Modesto. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. São Paulo: Edgard Blucher,
1986.
PEDROSA, Israel. Da cor a Cor Inexistente. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial Ltda,
2003.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual – Uma Psicologia da Visão Criadora. São
Paulo: Ed. USP, Livraria Pioneira, 1998, 2007.
PEDROSA, Israel. Da Cor a Cor Inexistente. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial Ltda.,
2003.
_________. O Universo da Cor. São Paulo: Editora SENAC Nacional, 2003.
GUIMARÃES, E. ARAGÃO G. Desenho de Arquiteto. Ed. Ap. Cultural.

Disciplina: Fundamentos dos Sistemas Estruturais


Carga horária Total: 40h
Período: 2º

EMENTA:
As leis fundamentais de Newton. Conceitos de dinâmica dos corpos. Equilíbrio
estático dos corpos, apoios, reações e equações universais da Estática. Gravitação universal.
Elementos de hidrostática.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Dinâmica: princípios fundamentais (leis de Newton), força, sistemas de
unidades, diferença entre massa e peso, classes de forças.
UNIDADE 2: Noções de cálculo vetorial: representação simbólica e analítica, métodos
das projeções.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 3: Estática: noções de força, teorema das três forças, translação dos corpos,
momento de uma força, binário, resultante do binário, equações
universais.
UNIDADE 4: Gravitação Universal e conceitos de hidrostática; teorema de Stevin.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
RAMALHO JÚNIOR, Francisco et alli. Os Fundamentos da Física. São Paulo: Ed. Moderna,
1988, 1996, 1999.
RESNICK, Robert e HALLIDAY, David. Fundamentos da Física, Mecânica. Rio de Janeiro:
LTC, 2009.
HEWIT, Paul G. Fundamentos de Física Conceitual. São Paulo: Ed. Bookman Companhia,
2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BONJORNO, V. Física Fundamental, São Paulo: FTD, 1998.
VÁSQUEZ, J. W. Soluções dos Problemas de Física Geral – Tomo I. São Paulo: Ed FTD,
1982.
HALLIDAY, D. Fundamentos de Física. Rio de Janeiro: LTC, 1996.

Disciplina: Geometria Descritiva II


Carga horária Total: 40h
Período: 2º

EMENTA:
Poliedros regulares e não regulares. Interseção de planos. Interseção de reta e
plano. Interseção de sólidos. Homologia. Curvas e hélices. Superfícies. Axonometria.
Elementos de geometria projetiva. Planos cotados. Telhado.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Métodos Descritivos: Mudança de Planos, Rotação, Rebatimento;
Rebatimento de figuras planas; Poliedros e Prismas (representações e
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

seções planas); Seções Cônicas; Construções Geométricas, Curvas:


concordância, curvas reversas; Hélices.
UNIDADE 2: Interseção de sólidos. Prismas retos. Desenvolvimento da superfície e
transformada da seção, Telhado. Conceitos, divisão de águas, elementos do
telhado.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999,
2001.
MONTENEGRO, Gildo A. Geometria Descritiva, v1. São Paulo: Edgard Blucher, 1991.
PRÍNCIPE Jr., Alfredo dos Reis. Noções de Geometria Descritiva. São Paulo: Nobel, v.1,
1989.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
PRÍNCIPE Jr., Alfredo dos Reis. Noções de Geometria Descritiva. São Paulo: Nobel, v.1e 2,
1970.
CARVALHO, Benjamim A. Desenho Geométrico. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico. 1981.
THOMAS, F. Desenho Técnico. São Paulo: Edgard Blücher. 1955, 1977.

Disciplina: Arte e Estética na Arquitetura II


Carga horária Total: 40h
Período: 2º

EMENTA:
A arte do final do século XIX: os precursores do modernismo. Século XX: A Arte
Moderna e Contemporânea no Brasil e no mundo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Final do séc. XIX: o Impressionismo e a sua influência sobre a cultura do
seu tempo; a pintura de Cézanne, Gaugin, Van Gogh.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: Séc. XX e XXI: o Cubismo; o Expressionismo; o Construtivismo,


Neoplaticismo e Bauhaus; o Dadaísmo e o Surrealismo.
UNIDADE 3: Modernismo brasileiro; a Pop Art.; as vanguardas construtivas no Brasil:
Concretismo e Neoconcretismo; Conceitualismo e Pós Modernismo.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
GOMBRICH, H. A História da Arte. Rio de Janeiro: Guanabara, 1996.
JANSON, H.W. História Geral da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
WÖLFFLIN, Heinrich. Conceitos Fundamentais da História da arte. 4. Ed. São Paulo:
Martins Fontes, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
FERREIRA GULLAR. Etapas da Arte Contemporânea. São Paulo: Nobel, 1985.
BARBOSA, A.M; GUINSBURG, J. O Pós Modernismo. São Paulo: Perspectiva, 2005.
ARGAN, G.C.N. Arte Moderna: do Iluminismo aos Movimentos Contemporâneos. São
Paulo: Companhia das Letras, 1992.

Disciplina: História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo I - 2D


Carga horária Total: 40h
Período: 2º

EMENTA:
O surgimento e a evolução dos espaços arquitetônicos e urbanísticos. As primeiras
formas de habitação e seu desenvolvimento. Os primeiros núcleos urbanos e seu
desenvolvimento. A arquitetura grega, romana, paleocristã, bizantina. Idade Média e
Renascimento: arquitetura e desenvolvimento das cidades.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Cronologia histórica. Elementos básicos da arquitetura e sua evolução. Os
primeiros núcleos urbanos.
UNIDADE 2: Arquitetura mesopotâmia e egípcia.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 3: Arquitetura grega e romana: as ordens arquitetônicas. Santuários,


templos, palácios e arquitetura civil.
UNIDADE 4: A cidade antiga. Slides e vídeos sobre a arquitetura e a cidade na
Antigüidade.
UNIDADE 5: Arquitetura paleocristã, bizantina, românica e gótica. A cidade medieval.
A vida rural e o renascimento comercial e urbano na Baixa Idade Média.
Slides e vídeos.
UNIDADE 6: A arquitetura renascentista. A cidade do Renascimento. Intelecto e técnica
como suportes da expressão plástica. Arquitetura pré-colombiana.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
GOMBRICH, Arnold. História da Arte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1999.
MUMFORD, Lewis. A Cidade na História. Belo Horizonte: Itatiaia, 1965, 1998.
GLANCEY, Jonathan. A História da Arquitetura. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte como História da Cidade. São Paulo: Martins Fontes,
2000.
BENEVOLO, Leonardo. Introdução à Arquitetura. São Paulo: Mestre Jou, 2000.
BENEVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Perspectiva, 2000.

Disciplina: Projeto de Arquitetura I - Residencia


Carga horária Total: 80h
Período: 2º

EMENTA:
O espaço arquitetônico e suas funções. A integração do espaço construído com o
meio ambiente. Desenvolvimento de estudo preliminar e anteprojeto de edificações
unifamiliares com base no programa arquitetônico.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Metodologia do processo projetual — conteúdos e produtos de cada etapa
do processo (o programa de necessidades, o partido arquitetônico, os
estudos preliminares, o anteprojeto, o projeto executivo).
Desenvolvimento de projeto Arquitetônico
UNIDADE 2: Organização do espaço e da forma — rebatimento espacial das demandas
dos usuários (espaço e função); relações espaciais (espaços interiores,
espaços exteriores, espaços contíguos e conexos); organizações do espaço;
inserção da proposta espacial no entorno edificado e natural. Forma e
espaço — a forma (elementos primários — ponto, linha, plano e volume,
propriedades visuais da forma, formas regulares e irregulares,
transformação e articulação da forma); elementos definidores do espaço
(planos horizontais, linhas e planos verticais); características do espaço
arquitetônico (luz x sombra, visualização do exterior e do interior,
fechamento x aberturas). Geometria do edifício — o processo de criação,
definição e representação da forma; sistemas de dimensionamento do
espaço e padrões de organização geométrica; princípios ordenadores,
proporção e escala.
UNIDADE 3: Conforto ambiental — condições de habitabilidade dos espaços em função
de suas demandas técnicas e de iluminação; insolação e ventilação;
utilização de elementos da edificação para acondicionamento natural dos
espaços (coberturas, aberturas, brises etc.); iluminação natural.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
COLIN, Silvio. Uma Introdução à Arquitetura. 4ª ed. Rio de Janeiro: UAPÊ, 2000.
GURGEL, Miriam. Projetando Espaços: Guia de Arquitetura de Interiores para Áreas
Residenciais. 4ª ed. São Paulo: Editora SENAC, 2007.
HERTZBERGER, Herman. Lições de Arquitetura. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CHING, F. Arquitetura: Forma, Espaço e Ordem. México: Editora Martins Fontes, 1998.
NEUFERT, Ernest. Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: Editora Gustavo Gilli do
Brasil, 2002, 1998/2000.
MONTENEGRO, Gildo A. A Invenção do Projeto. São Paulo: Edgard Blücher, 1987, 1995.

Disciplina: Perspectiva
Carga horária Total: 80h
Período: 2º

EMENTA:
Perspectiva: perspectiva cônica, paralela, cavaleira, axonométrica e curvilínea.
Perspectiva de observação. A construção da perspectiva. Sombras: sombra própria e
projetada.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceituação da Perspectiva, Axonométrica: perspectiva isométrica,
dimétnca e cavaleira.
UNIDADE 2: Perspectiva cônica. Perspectiva de observação. Elementos da perspectiva.
Diferentes pontos de observação: perspectiva aérea, normal, abaixo da
figura, acima da figura etc.
UNIDADE 3: Perspectiva de Interiores.
UNIDADE 4: Construção da perspectiva cônica por métodos. Perspectiva de Exteriores.
Estudo das sombras: sombra própria e projetada.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MONTENEGRO, Gildo. A Perspectiva de Profissionais. São Paulo: Edgard Blücher,
1997/1999.
SCHAARWÄCHTER, Georg. Perspectiva para Arquitectos. México: Edicciones G. Gili,
1981.
OBERG, L. Perspectiva. Rio de Janeiro: Conquista, 1998.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CHIGIR, Margarita - Curso de Desenho de Perspectiva Exata Vols. 1, 2, 3, 4 e 5 . Santo
Amaro: Editora: Graf. Tec. - Gráfica Editorial Ltda., 1980.
ARCAS, Santiago e Jose Fernando & GONZALES, Isabel – Perspectiva para Principiantes.
São Paulo: Ed. KONEMANN, 2006.
CHING, Francis. Arquitetura - Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Disciplina: Técnicas Gráficas II


Carga horária Total: 80h
Período: 3º

EMENTA:
Desenho de detalhes construtivos: estruturas, alvenarias e esquadrias.
Convenções. Projeto de aprovação.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Pesquisa de materiais disponíveis no mercado. Exposição e debates de
temas pertinentes à disciplina.
UNIDADE 2: Desenvolvimento de detalhamento a partir de elementos arquitetônicos
concebidos pelos alunos.
UNIDADE 3: Desenvolvimento de desenhos e especificação de materiais de acabamento,
equipamentos e detalhamento de mobiliário.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ALBERNAZ, Maria Paula. Dicionário Ilustrado de Arquitetura. São Paulo: PRO
EDITORES, 2002.
MONTEIRO, J.C. Tesouras de Telhado. Rio de Janeiro: Interciência, 1998.
BORGES, Alberto de Campos. Prática das Pequenas Construções. São Paulo: Edgard
Blücher, 1975, 2000.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
NEUFERT, Ernest. Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: Editora Gustavo Gilli do
Brasil, 2002, 1998/2000.
OBERG, L. Desenho Arquitetônico. Rio de Janeiro: Livro Técnico.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6492. Rio de Janeiro,
1992.

Disciplina: Conforto Ambiental I


Carga horária Total: 40h
Período: 3º

EMENTA:
Ótica: Luz, velocidade da luz, fotometria, refração e reflexão. Insolação nos
edifícios. Calor: Dilatação nos sólidos; tensões térmicas; trocas de calor entre as edificações e
o meio ambiente. Controle térmico das edificações. A energia solar.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Ótica: conceitos básicos de ótica geométrica; presença/ausência de luz.
Fontes de luz, raio, meio de propagação. Fenômenos óticos.
UNIDADE 2: Cores: princípios da ótica geométrica. Ângulo visual, fotometria.
Refração e reflexão: reflexão regular, leis da reflexão, índice de refração,
leis da refração.
UNIDADE 3: Luz: prismas ópticos, elementos do prisma, trajetória.
UNIDADE 4: Insolação: propriedades, radiação ambiental, efeitos da radiação na
medida da temperatura, coeficientes de transferência de calor. Dilatação
térmica nos sólidos: efeitos e tensões de dilatação/contração. Trocas de
calor entre corpos: conceito de calor, capacidade térmica, calor especifico,
princípio da igualdade das trocas de calor.
UNIDADE 5: Controle térmico das edificações: ventilação, proteção. Materiais isolantes
do calor, propriedades térmicas. Principais materiais isolantes do calor
utilizados na edificação.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 6: Energia solar: vantagens/desvantagens. Uso da energia solar como forma


de aquecimento.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FROTA, Anésia Barros. Manual de Conforto Térmico. São Paulo: NOBEL, 2000. (4) (4)
MASCARÓ, Lúcia R. de. Energia na Edificação: Estratégias para Minimizar seu Consumo.
São Paulo: P W, 1991.
PARANÁ, Djalma N. da S. Física V. 2. Termodinâmica, Óptica, Ondulatória. São Paulo:
Editora Ática. 1998.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
SEARS, Francis W. Física 1. Rio de Janeiro: Ed. Livros Técnicos e científicos, 1983.
HOLMAN, J.P. Transferência de Calor. São Paulo: McGraw-Hill, 1992.
PARANÁ, Djalma N. da S. Física para o Ensino Médio. São Paulo: Ática, 1999. 664 p.

Disciplina: Ergonomia e Acessibilidade


Carga horária Total: 40h
Período: 3º

EMENTA:
Antropometria aplicada à arquitetura. Legislação e normas aplicadas ao
dimensionamento dos ambientes. Dimensionamento de espaços, equipamentos e mobiliário.
Acessibilidade

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Antropometria aplicada ao projeto do edifício. Técnicas de dimen-
sionamento de posto de trabalho. Mobiliário e equipamentos do edifício.
Legislação de dimensionamento para projeto do edifício. Conceitos e
técnicas de arranjo físico aplicados ao edifício.
UNIDADE 2: Acessibilidade. Projetos específicos. Ambientes para crianças e idosos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
GRANDJEAN, Etienne. Manual de Ergonomia. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
BOUERI, Jorge. Antropometria Aplicada à Arquitetura, Urbanismo e Desenho Industrial.
São Paulo: FAUUSP, 1999.
PANERO, Julius. Las Dimensiones Humanas en los Espacios Interiores. 8ª ed. México:
Ediciones G. Gilli, 1998.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
NEUFERT, Ernest. Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: Editor Gustavo Gilli do
Brasil, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050. Rio de Janeiro,
2004
CAMBIAGHI, Silvana. Desenho Universal: Métodos e Técnicas para Arquitetos e
Urbanistas. São Paulo: SENAC, 2000.

Disciplina: Expressão e Representação na Arquitetura III


Carga horária Total: 80h
Período: 3º

EMENTA:
Representação arquitetônica em três dimensões. Pesquisa de materiais: cor, forma,
textura e proporção. Formas estruturais em arquitetura. Elaboração de maquetes.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução aos materiais mais utilizados na execução de maquetes.
Elementos primários geradores da forma: ponto, linha, plano e volume.
Formas primárias e sólidas primários: círculo, triângulo, quadrado e
esfera, cilindro, cone, pirâmide, cubo. Adição e subtração de volumes
(base nos sólidos primários). Maquete em papel duplex ou tríplex e
acetato - técnicas de corte, dobra e colagem.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: Estruturas espaciais - tesouras e treliças. Madeiramento de telhado


cerâmico - execução de estrutura em balsa. Forração de maquete.
UNIDADE 3: Execução da maquete completa: curvas de nível e chassi - materiais e
técnicas utilizadas. Forração e vegetação - materiais e técnicas. Água -
materiais e técnicas. Estrutura da maquete - materiais e técnicas.
Cobertura - materiais e técnicas. Acabamentos - materiais e técnicas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
MILL, Cris. Projetando com maquetes. São Paulo: Editora Bookman, 2001.
KNOLL, W. HECHINGER, M. Maquetas de Arquitectura - Técnicas y Construcción.
HERTZBERGER, Hermann. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
FRAMPTON, Kenneth. História Crítica da Arquitetura Moderna. São Paulo: Martins Fontes,
1997. 470 p.
PEVSNER, Nikolaus. Os Pioneiros do Desenho Moderno: William Morris a Walter Gropius.
3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 239 p. (Coleção a)
LANDI, S.A. Compêndio Técnico de Maquetaria. Poços de Caldas: Fonte da Vida, 2002.

Disciplina: História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo II


Carga horária Total: 40h
Período: 3º

EMENTA:
As cidades européias no final do século XVI. A origem dos núcleos urbanos, a
evolução das cidades brasileiras. A Arquitetura barroca. O Neoclassicismo. A
industrialização e suas influências na arquitetura e no urbanismo. A arquitetura eclética. A
arquitetura no Brasil: arquitetura oficial, civil e religiosa. Da colonização ao neoclássico. A
Missão Francesa
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Arquitetura barroca na Europa. Arquitetura colonial brasileira. O Bar-
roco no Brasil. A cidade barroca.
UNIDADE 2: Os núcleos coloniais brasileiros. Trajetória e implantação das cidades no
Brasil. Arquitetura no Brasil: arquitetura oficial, civil e religiosa.
UNIDADE 3: As influências estrangeiras. Arquitetura neoclássica na Europa. O Brasil e
a Missão Francesa.
UNIDADE 4: A cidade industrial. Arquitetura eclética.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
REIS F., Nestor Goulart. Quadro da Arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1997.
GOITIA, Fernando Chueca. Breve História do Urbanismo. São Paulo, Martins Fontes, 1980.
ABREU, Mauricio de A. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Iplanrio, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BITTAR, William Seba Mallmann; VERÍSSIMO, Francisco Salvador. 500 Anos da Casa no
Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.
SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil: 1900 – 1990. São Paulo: Edusp, 1999.
STRICKLAND, Carol. Arquitetura Comentada: Breve Viagem pela História da Arquitetura.
Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

Disciplina: Projeto de Arquitetura II - Educação


Carga horária Total: 80h
Período: 3º

EMENTA:
O espaço arquitetônico e suas funções. A integração do espaço construído com o meio
ambiente. Desenvolvimento de estudo preliminar e anteprojeto de edificações educacionais
com base no programa arquitetônico.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Projeto de Espaços Educacionais. Adoção de um Partido Arquitetônico.
Exercícios relacionados.
UNIDADE 2: Ergonomia e Acessibilidade no espaço construído. O conforto ambiental e
a aplicação de técnicas de controle da insolação, iluminação e ventilação.
Especificação de materiais e legislação pertinente.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CHING, Francis D. K. Arquitetura-Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: Martins Fontes,
1998.
LIMA, Mayumi Watanabe de Souza. Espaços Educativos: Uso e Construção.
MEC/CEDATE, 1988.
PREFEITURA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO, Secretaria Municipal de Urbanismo –
Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos. Manual para Elaboração de Creches na
Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Representação de Projetos de
Arquitetura. Rio de Janeiro, 1994. Publicada como NBR 6492.
RIZZO, Gilda. Creche, Organização, Montagem e Funcionamento. Rio de Janeiro: Editora
Francisco Alves, 1998.
IBAM/CPU. Manual para Elaboração de Projetos de Edifícios Escolares na Cidade do Rio de
Janeiro: pré-escolar e 1º grau. Rio de Janeiro, PCRJ/SMU, 1996.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Sistemas Estruturais I


Carga horária Total: 40h
Período: 3º

EMENTA:
Estrutura e suas funções. Requisitos de uma estrutura. Evolução das estruturas.
Estática: equações universais; sistema de forças; apoios, transmissões e ligações; reações de
apoio. Isostática: sistemas de cargas concentradas e distribuídas; diagrama de esforços
normais, esforços cortantes e momentos fletores.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceito de estrutura e suas funções. Requisitos de uma estrutura quanto
à segurança e ao desempenho (equilíbrio, estabilidade, resistência e
durabilidade). Papel do arquiteto e do engenheiro de estruturas.
Ilustração de estruturas na arquitetura. Breve história da evolução das
estruturas.
UNIDADE2: Equações universais de forças no espaço, as projeções de forças no espaço.
UNIDADE 3: Equações universais dos momentos, binário, equilíbrio de um corpo rígido
no espaço, tipos de apoio de transmissão e ligação apoio de primeiro,
segundo e terceiro gênero. Exemplos de sistemas estruturais como
aplicação, cargas concentradas ou distribuídas em peças estruturais
lineares. Diagramas, importância, definição dos esforços normais
exemplos e exercícios aplicados.
UNIDADE 4: Cortantes e momentos fletores. Roteiro do desenho do diagrama de cada
esforço. Diagramas gerais em sistemas estruturais isostáticos e noções de
hiperstaticidade e hipostaticidade.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
REBELLO, Yopanan. Conrado P. A Concepção Estrutural e a Arquitetura. São Paulo:
Zigurate Editora, 2000. 5ª Edição-novembro 2007.
SILVA, Diçon Maciel da e SOUTO André Kraemer. Estruturas, Uma Abordagem
Arquitetônica. Porto Alegre: Sagra Luzzatto Editores, 1997. 1ª Edição-1997.
BOTELHO, Manoel Henrique Campos. Concreto Armado Eu Te Amo - Para Arquitetos. São
Paulo: Edgard Blücher Editora, 2006. 1ª Edição-2006, 2002.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
SUSSEKIND, José Carlos. Curso de Concreto Armado-Vol I e II. São Paulo.
_____________________. Curso de Análise Estrutural-Vol I II e III. São Paulo.
YAZIGI, Walid. A Técnica de Edificar. São Paulo: PINI Editora, 2008. 9ª Edição-junho2008.
1999, 2006-2007.

Disciplina: Conforto Ambiental II


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Princípios básicos da acústica, Propagação do som ao ar livre. Acústica em
ambientes fechados: reverberação e absorção. Normas técnicas. Legislação. Tratamento
acústico nas edificações: materiais e equipamentos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Fontes Sonoras. Velocidade de Propagação do Som. Qualidade do Som.
Reflexão, refração, difração e interferência das ondas sonoras. Efeito
Doppler. Variação de Pressão em ondas sonoras. Intensidade, Níveis de
Intensidade e volume. Qualidade e Altura.
UNIDADE 2: Materiais acústicos, tipos, propriedades acústicas e aplicações em
arquitetura.
UNIDADE 3: Aplicações das normas e legislação específica.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
PARANÁ, Djalma N. da S. Física para o Ensino Médio. São Paulo: Ática, 1999. 664 p.
SEARS, Francis W. Física: Eletricidade e Magnetismo [Livro]. Rio de janeiro: Ao Livro
Técnico, 1967.
SOUZA, Lea Cristina Lucas e MANUELA, Bragança Luis. Be à Ba da Acústica
Arquitetônica. Santa Catarina: EDUFSCAR, 2007.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CARVALHO, Benjamim. Acústica Aplicada à Arquitetura. Rio de Janeiro: Freitas Bastos.
SILVA, Pérides. Acústica Arquitetônica e Condicionamento de Ar. Belo Horizonte:
EDTAL- Empresa Termo Acústica Ltda., 2002
DE MARCO, CONRADO S. Elementos de Acústica Arquitetônica. 2 ed. São Paulo: Nobel,
2001.

Disciplina: Estudos de Dados Evolutivos


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Aplicação de técnicas quantitativas no planejamento urbano e regional e da
arquitetura. Aplicação de indicadores sociais e econômicos, projeções demográficas.
Amostras, parâmetros amostrais, média, desvio padrão, etc.; · Probabilidade. Distribuição
normal e binomial

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução à Estatística - Método Estatístico: Regularidade dos feno-
menos; - Fenômenos acidentais ou fortuitos.
UNIDADE 2: Fases do Método Estatístico: Coleta de dados; crítica e apuração dos
dados.
UNIDADE 3: Unidades Compostas: Enganos em unidades; Porcentagem; Índices;
coeficientes ou taxas; Séries relativas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Instrumental Matemático: Compensação; Frações próprias, impróprias e


aparentes; Seqüência ou sucessão.
UNIDADE 5: Distribuição de Freqüência: Limites de classe; Amplitude de um intervalo
de classe; Amplitude total de distribuição; Amplitude amostral; Ponto
médio de uma classe,- Números de classe.
UNIDADE 6: Tipos de Freqüência: Gráficos: Gráficos de barras e em setores; Medidas
de posição, de dispersão, assimetria e curtose; Separatrizes.
UNIDADE 7: Média Aritmética: Dados não agrupados, desvio em relação à média;
Propriedades da média aritmética.
UNIDADE 8: Moda: Medidas de assimetria; Curtose; Mediana.
UNIDADE 9: Introdução à Probabilidade: Eventos complementares e independentes; -
Gráfico de linha ou em curva; Desvio; - Distribuição binomial

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FONSECA, et alli. Jairo S. Curso de Estatística. Ed. Atlas, 1996, 1980, 1982, 2006.
CRESPO, Antonio A. Estatística Fácil. Rio de Janeiro: Ed. Saraiva 2002.
TOLEDO, G.L, OVALLE, J.J. Estatística Básica. São Paulo: Ed. Atlas, 1995.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
LARSON e FARBER. Estatística Aplicada. Pearson Prentice Hall, 2004.
MILONE e ANGELINA. Estatística Aplicada. Editora Atlas, 2000.
TRIOLA, Mário F. Introdução à Estatística. Ed. LTC, 1999.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Estudos Sociais, Ambientais e Urbanos


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Organização social e estruturação de grupos sociais. Condicionantes
socioeconômicos e culturais da produção do espaço urbano da cidade moderna. As
transformações decorrentes da revolução industrial. Impactos ambientais da urbanização.
Políticas e legislação ambientais. Qualidade ambiental. Ambiente natural e construído.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceitos sobre grupos sociais e espaço urbano. Formação do espaço,
ambiente natural e construído. Questões socio-espaciais alterando o
espaço.
UNIDADE 2: Ambientalismo no Brasil. Políticas ambientais

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BOFF, Leonardo. A Águia e a Galinha: Uma Metáfora da Condição Humana. Petrópolis:
Vozes, 1997, 2003.
CHAUI, Madalena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1999/2002.
CANEVACCI, Massimo. A Cidade Polifônica: Ensaios sobre a Antropologia da
Comunicação Urbana. 2. ed. São Paulo: Studio Nobel, 2004.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
VALLA, Victor Vicent. Procurando Compreender a Fala das Classes Populares. In VALLA
Victor Vicent (org.). Saúde e Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
“Vídeo “a História das Coisas” (http://www.unichem.com.br/videos.php)
SILVA, Vicente Gomes da. Comentários à Legislação Ambiental. Rio de Janeiro: Editora
Ambiental, 2000
SOUZA, Marcelo Lopes de & RODRIGUES, Glauco Bruce. Planejamento Urbano e
Ativismos Sociais. São Paulo: UNESP, 2004.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo III


Carga horária Total: 40h
Período: 4º
EMENTA:
Urbanismo como disciplina. O pré-urbanismo do século XIX. Urbanismo
Progressista, Culturalista e Naturalista. Urbanismo contemporâneo: propostas e teorias.
Tipos de cidade. Apreensão do espaço urbano. O processo de urbanização e a
metropolização urbana.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: A cidade da era industrial e suas propostas. Modelos da virada do século
XIX/ XX. O surgimento do Urbanismo como campo de estudo. Correntes
progressistas, organicistas e culturalistas. Reflexos do urbanismo
modernista no Brasil.
UNIDADE 2: O desenvolvimento urbano no Brasil. Espaço urbano: produção.
Apreensão e apropriação. Cidades contemporâneas no Brasil e no mundo.
UNIDADE 3: Estudos culturais e urbanos: reflexões. Políticas de patrimônio
arquitetônico- urbanístico.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CHOAY, Françoise. O Urbanismo: Utopias e Realidades – Uma Antologia. São Paulo:
Perspectiva, 1998.
MUMFORD, Lewis. A Cidade na História: Suas Origens, suas Transformações, suas
Perspectivas. Belo Horizonte: Itatiaia, 1998.
HALL, Peter. Cidades do Amanhã: Uma História Intelectual do Planejamento e do Projeto
Urbano no Século XIX. São Paulo: Perspectiva. 2009.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ABREU, Mauricio. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Iplanrio, 1997.
BENEVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Perspectiva.
DAMATTA, Roberto. A Casa e a Rua. São Paulo: Brasiliense, 1985
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Informática Aplicada à Arquitetura I – 2D


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Programa gráfico de computador para a elaboração de desenhos de arquitetura
(CAD - desenho assistido por computador). Comandos básicos para desenho em duas
dimensões. Comandos para desenho em três dimensões

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução ao CAD: área de trabalho, operações e menus básicos,
diferença entre mapas de bits e vetores, interface com o usuário.
UNIDADE 2: Método de trabalho e comandos básicos para desenho em 2D: coordenadas
cartesianas e polares, desenho em camadas, escalas, edição de texto,
dimensionamento. Emprego de hachuras, blocos.
UNIDADE 3: Paperspace e plotagem: opções de plotagem, plotagem a partir da linha de
comandos e plotagem livre, produção do arquivo de plotagem.
UNIDADE 4: Elevação dos elementos em 2D e transformação em 3D.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ROQUEMAR, Baldam, COSTA, Lourenço. AutoCAD 2010 - Utilizando totalmente. São
Paulo: Editora Érica, 2000.
OMURA, G. AutoCAD 2000: Guia de Referência. Rio de Janeiro: Makron Books, 2000
BITTAR, Denise A. AutoCAD 2000 - Para Arquitetos e Urbanistas. São Paulo: Editora Érica,
2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MIDDLEBROOK, Mark e Smith, Bud. AutoCAD 2000 para Dumies. Campus, 1999
OMURA, G. Dominando o AutoCAD versão 12. Rio de Janeiro: LTC, 1994.
MALHEIROS, Paulo. AutoCAD 2000 - Projetos de Arquitetura e Engenharia. Axcel Books,
2000.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Materiais de Construção


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Materiais de construção e suas propriedades: aglomerantes e agregados.
Argamassas: composição e propriedades. Concreto: composição e propriedades. Aço para
concreto armado.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Apresentação dos vários tipos de materiais dentro de várias aplicações na
história da construção civil.
UNIDADE 2: Tipos de aglomerantes e suas classificações segundo a pega. A cal,
obtenção, fabricação, propriedades e aplicações. Gesso, obtenção,
fabricação e propriedades. Cimento Sorel. Cimento Portland, obtenção da
matéria prima, fabricação, propriedades e testes de qualidade, compostos
e componentes do cimento.
UNIDADE 3: Agregados para concreto e argamassa. Agregado graúdo, miúdo.
Realização de teste de granulometria no laboratório de materiais de
construção. Estudo do efeito do fator água /cimento, traço do concreto e
DRM. Realização de testes no laboratório com o frasco de Chapman para
medir a umidade da areia e a agulha de Vicat para medir e determinar o
inicia de pega e a consistência normal.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BAUER, L. A. Falcão. Materiais de Construção v. 1. São Paulo: LTC, V. 1 e 2.
VAN VLACK, Lawrence. Princípios da Ciência dos Materiais. São Paulo: Edgard Blücher,
2002.
PETRUCCI, Eládio. Materiais de Construção. Rio de Janeiro: Fundação Nacional de
Material Escolar, 1976.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CARDÃO, Celso. Técnica da Construção. Belo Horizonte: Edições da Engenharia e
Arquitetura, 1988. V. 1 e 2.
VERÇOSA, Enio. Materiais de Construção. São Paulo: Pini, 1990.
RIPPER, Ernesto. Manual Prático de Materiais de Construção. São Paulo: Editora PINI, 2001.

Disciplina: Projeto de Arquitetura III - Multifamiliar


Carga horária Total: 80h
Período: 4º

EMENTA:
As relações espaço/ função dos ambientes. As circulações internas das
edificações. Integração e adequação do edifício ao meio urbano. Observação à legislação
urbanística. Desenvolvimento de projeto de edificações multifamiliares com base no
programa arquitetônico, nas fases de estudo preliminar e anteprojeto.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Projetos arquitetônicos significativos de edificações multifamiliares: uma
análise crítica.
UNIDADE 2: Projeto de grupamentos habitacionais multifamiliares, contendo
edificações e espaços livres, destinados à complementação do conjunto
arquitetônico. Grupamentos de edificações caracterizando uma parcela do
espaço urbano.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
HILLARY, French. Importantes Conjuntos Habitacionais do Século XX - Plantas, Cortes e
Elevações. São Paulo: Editora: Bookman, 2000.
SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900-1999. São Paulo: Editora da Universidade de
São Paulo, 1999.
MONTENEGRO, Gildo A. A Invenção do Projeto. São Paulo: Edgard Blücher, 1995, 1987.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Representação de Projetos de
Arquitetura. Rio de Janeiro, 1994. Publicada como NBR 6492
CANAGÉ V. Manual de Licenciamento para Obras. Rio de Janeiro: Bangraf, 1996
SCHNEIDER, Friedericke. Atlas de Plantas, Viviendas. Barcelona: Gustavo Gili, 1992

Disciplina: Sistemas Estruturais II


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Conceitos fundamentais da resistência dos materiais. Análise de tensões; tração e
compressão. Cisalhamento transversal. Flexão reta e flexão oblíqua. Tensões normais e
tensões de cisalhamento. Deformação em vigas fletidas. Flambagem. Fadiga.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceitos básicos das várias formas de resistência. Análise do ensaio de
tração de uma barra de seção circular de aço para estabelecer o conceito
de elasticidade e outras características do comportamento mecânico do
material. A resistência do material sob cisalhamento calculado através da
teoria de Mürsh.
UNIDADE 2: A importância do aprendizado das propriedades geométricas das seções
planas no cálculo da resistência dos materiais mostrada através do cálculo
do centro de gravidade raio de giração e módulo resistente de uma seção
plana qualquer.
UNIDADE 3: O conceito de flambagem para o cálculo de pilares, demonstrando com
destaque o desenvolvimento de segunda ordem. Identificação da linha
neutra e o estado das tensões no cálculo da seção sujeitos à flexão pura,
flexo-tração, flexo-compressão e através de ábacos no caso de flexão
obliqua.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Estudo dos diagramas de tensão-deformação dos vários tipos de aço para
concreto armado e o diagrama do concreto, conforme a NBR e CEB.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8118/2003 – Projeto de
Estruturas de Concreto – Procedimentos.

______________________________________________.NBR 7191/1982 – Execução e


Desenhos para obras de Concreto Simples ou Armado.

______________________________________________.NBR 8681/2003 – Ações e


Segurança na Estrutura - Procedimentos.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
TIMOSHENKO. Mecânica Técnica. Tomo I
SUSSEKIND. Curso de Análise Estrutural. V1
TIMOSHENKO; G. Mecânica dos Sólidos, LTC.

Disciplina: Topografia e Aerofotogrametria


Carga horária Total: 40h
Período: 4º

EMENTA:
Conceitos fundamentais. Métodos e instrumentos. Medições e levantamentos
topográficos. Medição e projeto geométrico de áreas. Locação de obras. Projeto de
arruamento. Triangulação. Noções de aerofotogrametria. Uso de mapas topográficos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Divisões da Topografia. Métodos de Levantamento. Plantas Topográficas.
Curvas do nível. Divisão de trabalhos topográficos. Classificação de
trabalhos topográficos. Escolha da planta, tipos de escalas, exemplos de
plantas e cartas.
UNIDADE 2: Configuração do terreno por pontos cotados, cálculos das cotas. Perfil do
terreno, declividade. Orientação da planta. Declinação magnética,
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

direção Norte-Sul Geográfica. Rumos, equinócios e solstícios. Relógio de


Sol, aparelho teodolito.
UNIDADE 3: Planilhas de cálculo, cálculo das coordenadas. Trabalho de campo.
Desenho ou croqui, exercícios de cálculo e desenho. Métodos empíricos de
nivelamentos.

BIBLIOGRAFIA BÀSICA:
RODRIGUES, José Carlos. Topografia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos
BORGES, Alberto de Campos. Exercícios de Topografia. 3. ed. Barcelona: Gustavo Gili,
1975.
BORGES, Alberto de Campos. Topografia Aplicada à Engenharia Civil. 2 ed. São Paulo:
Edgard Blücher, 2002.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CASACA, J.M; MATOS, J.L; BAIO, J.M. Topografia Geral. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 4ª Ed
Mc CORMAC, Jack C. Topografia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 5ª ed,
2007.
BORGES, Alberto de Campos. Exercícios de Topografia. São Paulo: Edgard Blücher, 2002.

Disciplina: Arquitetura Sustentável


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Conceitos fundamentais acerca da questão ambiental. Impactos ambientais.
Poluição atmosférica. O aquecimento global e seus efeitos. Água e saneamento. Energia
sustentável. O papel do arquiteto - o uso da ventilação e iluminação naturais e a adoção das
soluções sustentáveis. A casa ecológica: a Bio-arquitetura. O uso de materiais e tecnologias
mais saudáveis e ambientalmente viáveis.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Cidades Sustentáveis: qualidade de vida nas grandes cidades. Mobilidade


sustentável - a questão do transporte urbano. Empresas e meio-ambiente: a eco-eficiência.
Certificação: as normas ISO 14000 e 14001.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Impactos Ambientais. Poluição Atmosférica: Efeito Estufa - o Protocolo
de Kyoto - o aquecimento global e seus efeitos. Água o Saneamento.
Contaminação das águas. Doenças da falta de saneamento.
UNIDADE 2: Energia sustentável. Métodos de captação de energia convencionais o
alternativos - prós e contras. O papel do arquiteto - o uso da ventilação e
iluminação naturais e a adoção das soluções sustentáveis. A Casa
Ecológica: a Bio-Arquitetura o a Arquitetura Bio-climática. A qualidade
do ar do ambiente Interno (‘ln Door’). O uso de materiais e tecnologias
mais saudáveis e ambientalmente viáveis.
UNIDADE 3: Cidades Sustentáveis. A qualidade de vida nas grandes cidades. O custo
Ambiental da exclusão urbana. Mobilidade sustentável - a questão do
transporte urbano. Empresas e meio ambiente - a Eco-eficiência.
Certificação: as normas ISSO 14000 e 14001.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ROAF, Sue et alli. Ecohouse - A Casa Ambientalmente Saudável. 3ª ed. São Paulo:
Editora: Bookman, 2009.
BUENO, Mariano. O Grande Livro da Casa Saudável. São Paulo: Roca, 1995.
_____. Viver em Casa Saudável - As Radiações Cosmotelúricas e sua Influência sobre os
Seres Vivos: Introdução à Geobiologia. São Paulo: Roca, 1997.
LENGEN, Johan Van. Manual do Arquiteto Decalço. Rio de Janeiro: Empório do Livro,
2008.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BRILHANTE, Ogenis Magno e Caldas, Luis Querino (coord.). Gestão e Avaliação de Risco
em Saúde Ambiental. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004.
BARROS, Raphael T. de Vasconcelos et alli. Manual de Saneamento e Proteção Ambiental
para os Municípios – Vol. 2: Saneamento. Belo Horizonte: Escola de Engenharia da UFMG/
Depto. de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1995.
MINKE, Gernot. Manual de Construcción en Tierra. Montevideo: editorial Nordan-
Comunidad, 2001.

Disciplina: História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo IV


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
A arquitetura eclética. O Art Noveau e Art Déco. A Bauhaus. A arquitetura
moderna no Brasil e no mundo. A crise da arquitetura moderna. Análise crítica da
arquitetura atual.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Ecletismo na Europa e no Brasil. Antecedentes e características do estilo.
Arquiteturas da Revolução Industrial. Arquitetura de ferro e vidro.
Movimentos precursores das vanguardas do século XX. Art Noveau,
Escola de Chicago, Werkbund, Secessão Vienense, Impressionismo, Ad
and Crafts.
UNIDADE 2: Modernidade no Brasil e no Rio de Janeiro. A Bauhaus. Antecedentes
e influências. Os protagonistas. Arquitetura Moderna na Europa.
Arquitetura Moderna no Brasil. Arquitetura e cultura no século XX.
Moderno, modernismo, modernidade, universalidade e identidade:
Conceitos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FABRIS, Annateresa (org.). Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel/ Edusp,
1987.
FRAMPTON, Kenneth. História Crítica da Arquitetura Moderna. São Paulo: Martins Fontes,
1997.
BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
HOLSTON, James. A Cidade Modernista: Uma Crítica de Brasília e sua Utopia. São Paulo:
Cia das Letras, 1993.
SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900 – 1990. São Paulo: Edusp. 1999.
ZEVI, Bruno. Saber ver a Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Disciplina: Instalações Prediais I


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Instalações prediais de baixa tensão de iluminação e força motriz. Normas e
legislação. Instalações elétricas prediais de telefone.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Fenômeno elétrico, carga elétrica, condutor e isolante elétrico. Grandezas
Elétricas: potencial elétrico, força eletromotriz, tensão, corrente elétrica,
intensidade de corrente, resistência, potência elétrica, queda de tensão.
UNIDADE 2: Sistema elétrico. Fornecimento de Energia aos Prédios: modalidades de
ligação; Alimentação de baixa tensão. Instalações para iluminação e
parelhos domésticos (baseada NBR 5410): elementos componentes;
fiação; circuito elétrico; simbologia (NBR 5444)
UNIDADE 3: Esquemas Fundamentais de Ligação. Previsão de Carga (condições
mínimas - NBR 5410): iluminação; tomadas de uso geral e tomadas de
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

uso específico. Potência Instalada. Demanda Máxima; fator de


demanda. Condutores elétricos: seções mínimas, tipos, dimensionamento.
Dimensionamento do eletroduto. Aterramento. Dispositivos de proteção
dos circuitos: tipos; dimensionamento.
UNIDADE 4: Instalações Prediais de telefone: tubulação secundária, primária e de
entrada; dimensionamento.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
NISKIER, Júlio, MACINTYRE, A. J. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos
e Científicos, 2000.
CREDER, Helio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2000.
CAVALIN, Geraldo; CERVELIN, Severino. Instalações Elétricas Prediais. São Paulo: Érica,
2005.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Instalações Elétricas de Baixa
Tensão. Rio de Janeiro, 1997. Publicada como NBR 5410.
_____. Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais. Rio de Janeiro, 1988.
Publicada como NBR 5444.
_____. Redes Telefônicas em Edificações- projeto. Rio de Janeiro, 1997. Publicada como
NBR 13822.
COMPANHIA DE ENERGIA ELÉTRICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - CERJ.
Padrão de Entradas de Serviços. Rio de Janeiro, 1992.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Materiais Sustentáveis e de Acabamentos


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Materiais de construção, materiais de acabamento e materiais alternativos
empregados na construção civil. Rochas e pedras de construção. Materiais cerâmicos.
Madeiras. Borrachas e plásticos. Materiais impermeabilizantes. Materiais alternativos e
suas aplicações.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Pedras de construção: Principais pedras de construção utilizadas.
Aplicação das pedras de construção em alvenarias e revestimentos.
UNIDADE 2: Materiais cerâmicos: Classificação dos materiais cerâmicos. Principais
materiais cerâmicos utilizados nas edificações. Aplicações dos materiais
cerâmicos na construção de alvenarias, revestimentos e pavimentação.
UNIDADE 3: Materiais Pré-moldados à base de cimento: Classificação quanto à
composição e a aplicação. Principais materiais pré-moldados: tijolos e
blocos de alvenaria. Ladrilhos e blocos para pavimentação.
UNIDADE 4: Vidros: Classificação dos vidros. Principais tipos de vidros utilizados na
construção de edifícios.
UNIDADE 5: Plásticos: Classificação: propriedades físicas e mecânicas. Principais tipos
de plásticos utilizados nas edificações.
UNIDADE 6: Tintas e Vernizes: Classificação das tintas e vernizes. Propriedades:
aderência, rendimento, tempo de secagem. Resistência ao intemperismo.
Principais tintas utilizadas na construção de edifícios.
UNIDADE 7: Madeiras: Classificação das madeiras. Principais madeiras de utilização
na construção civil. Processos de deterioração e preservação da madeira.
UNIDADE 8: Materiais impermeabilizantes: Classificação dos materiais
impermeabilizantes utilizados nas edificações.
UNIDADE 9: Materiais alternativos: adobe, vegetais, bambu e rejeitos agroindustriais.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
RIPPER, Ernesto. Manual Prático de Materiais de Construção. São Paulo: Editora PINI, 2001.
PETRUCCI, Eládio. Materiais de Construção. Porto Alegre: Globo, 1976
BAUER, L. A. Falcão. Materiais de Construção. São Paulo: LTC v. 1 e 2, 1999

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BAUD, G. Materiais de Construção. São Paulo: Hemus. 1999
VAN VLACK, Lawrence. Princípios da Ciência dos Materiais. São Paulo: Edgard Blücher
2002.
VERÇOSA, Enio. Materiais de Construção. São Paulo: Pini, 1990.

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa Urbana


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Pesquisa em sociedade urbana: elementos fundamentais; etapas do processo;
dimensionamento do universo de estudo; tipos de pesquisa; noções de amostragem; técnicas
de coleta de dados. Elementos de interpretação sócio-econômica da ocupação do espaço
urbano

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Apresentação da disciplina: metodologia, formas de avaliação, ementa e
conteúdos. O olhar sobre a cidade e a cultura.
UNIDADE 2: Métodos de pesquisa: pesquisa quantitativa e qualitativa. Observação
participante. Estudos de caso. Objetividade e subjetividade na pesquisa.
Problema e enfoque teórico-metodológico na pesquisa.
UNIDADE 3: Construção de Projetos de Pesquisa. Pesquisa urbana: instrumentos e
desenvolvimento.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
SANTOS, Carlos N. F. et alli. Quando a Rua vira Casa. Rio de Janeiro: FINEP/ IBAM,
1981.
LIMA, Rogério, FERNANDES, Ronaldo C. (orgs). O Imaginário da Cidade. Brasília/ São
Paulo: Editora UNB/ Imprensa Oficial, 2000.
DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Editora Atlas, 1995,
1981.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ABREU, Maurício de. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar/ IBAM,
1987
MARTINS, Ismênia de L. (org.). Cidade Múltipla. Niterói: Niterói Livros, 1997
LYNCH, Kevin. A Imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes.

Disciplina: Planejamento Urbano e Regional I


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Funções urbanas. Estrutura urbana. Uso do solo urbano; zoneamento.
Planejamento e projeto das cidades. Distribuição espacial da população; crescimento urbano.
Projeções futuras; elaboração de cenários.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Funções urbanas e infra estrutura urbana. Abastecimento d'água
(sistemas). Sistemas de esgotamento sanitário. Drenagem de águas
pluviais. Poluição dos cursos d'água. Sistemas de coleta, tratamento e
destino final do lixo. Iluminação pública. Sistema viário. Mobiliário
urbano.
UNIDADE 2: Zoneamento e suas funções. Conceituações. Distribuição da população,
crescimento urbano, desenvolvimento urbano, metropolização.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 3: Roteiros para ida a campo e levantamento e diagnóstico. Área de estudo.


Área de projeto. Projeções futuras, elaboração de cenários.
UNIDADE 4: Apreensão do espaço urbano em nível de percepção, em nível de imagem e
em nível de dados secundários.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

DEL RIO, Vicente. Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: Pini, 1990

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI. Plano Diretor da Cidade de Niterói. EMUSA,

1992

FERRARI, Celso. Curso de Planejamento Municipal Integrado. São Paulo: Pioneira, 1979

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Edições 70, 1971.
PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Manual para Implantação de
Mobiliário Urbano na Cidade do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Urbanismo/ IBAM
- Centro de Pesquisas Urbanas/ Superintendência de Projetos. Rio de Janeiro, 1996
SOUSA, José Antônio Soares de. Da Vila Real da Praia Grande à Imperial Cidade de Niterói.
Niterói Livros, 1993.

Disciplina: Projeto de Arquitetura IV - Comercial


Carga horária Total: 80h
Período: 5º

EMENTA:
Controle ambiental na insolação. Observação à legislação urbanística.
Especificações de materiais. Desenvolvimento de projeto de edifícios comerciais e/ou de
serviços com base no programa arquitetônico.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Empreendimentos comerciais inseridos no contexto. Adoção de um
partido arquitetônico. Exercícios relacionados.
UNIDADE 2: Projeto de edificação comercial de médio/grande porte com interferência
no espaço urbano.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
HERTZBERGER, Hermann. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
NEVES, Laert. Adoção do Partido na Arquitetura. Salvador: UFBA, 1998.
NEUFERT, Ernst. A Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: Gustavo Gili do Brasil,
200/1998, 2002

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BENEVOLO, Leonardo. A Cidade e o Arquiteto. São Paulo: Martins Fontes
LE CORBUSIER. Por uma Arquitetura. São Paulo: Perspectiva
GURGEL, M. ORGANIZANDO ESPAÇOS - GUIA DE DECORAÇÃO E REFORMA DE
RESIDÊNCIAS. São Paulo: Editora SENAC, 2000.

Disciplina: Sistemas Estruturais III


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Estruturas: peças estruturais; cargas. Projeto estrutural: noções. Cálculo e
dimensionamento de pilares, vigas e lajes. Contraventamento. Fundações. Estruturas de
escadas e caixas d’água.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Noções gerais sobre os tipos das estruturas existentes e suas teorias.
Levantamento das cargas conforme a ABNT e as normas vigentes como a
NBR-6118. Cálculo das reações das lajes, aplicações em vários exercícios
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

com várias condições de contorno para as lajes. Cálculo dos momentos e


identificação do caso de laje L.A.U.D. ou L.A.C., estudando as soluções de
cálculo para os dois casos com exercícios e mostrando um caso real de
cálculo através de um projeto. Equilíbrio dos momentos negativos e a
correção dos momentos positivos. Exercícios de lançamento da estrutura.
UNIDADE 2: Dimensionamento de lajes, cálculo de esbeltez e flechas conforme a NBR-
6118. Dimensionamento de flexão pura em peças de seção constante.
Empuxo ao vazio e detalhes de armar.
UNIDADE 3: Sondagens, resistência ou penetração SPT – Tipos de fundações:
superficiais ou profundas. Fundações diretas: cálculo das sapatas de
concreto armado.
UNIDADE 4: Detalhamento e cálculo de escada. Realização de um projeto simples de
cálculo estrutural de um pavimento residencial.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ROCHA, Aderson M. Concreto Armado. Nobel v. 1, 2, 3, 4, 5
BOTELHO, Manoel H. Concreto Armado eu te Amo. Edgard Blücher
FUSCO, P. B. Estruturas de Concreto: Solicitações Normais. Rio de Janeiro: LTC, 1985.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
PFEIL, Walter. Concreto Armado
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118:2003 Projeto de
estruturas de concreto – Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6120/80 Cargas para o
Cálculo de Estruturas de Edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 1980.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Tecnologia da Construção I


Carga horária Total: 40h
Período: 5º

EMENTA:
Preparação do terreno, instalação do canteiro de obras e locação da obra,
rebaixamento de lençol freático. Execução de fundações diretas e profundas.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Início de Obra: Serviços preliminares – pesquisa do local, limpeza do
terreno, tapumes, canteiro de obras, instalações e equipamentos.
UNIDADE 2: Locação da obra – Processos expeditos, terrenos planos e acidentados,
nivelamento e R.N. da obra.
UNIDADE 3: Movimento de terras – escavações manuais e mecanizadas, transporte
manual e mecanizado.
UNIDADE 4: Escoramento – estacas e pranchas, atirantamento.
UNIDADE 5: Esgotamento – bombeamento de cavas de fundação e rebaixamento do
lençol freático.
UNIDADE 6: Fundações – aspectos executivos fundações diretas e profundas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BORGES, Alberto de Campos. Prática das Pequenas Construções. São Paulo: Edgard
Blücher, 2000.
AZEREDO, Hélio Alves de. O Edifício ate sua Cobertura. São Paulo: Edgard Blücher, 1997.
YAZIGI, Walid. A técnica de Edificar. São Paulo: PINI – 4ª Edição. 2007. (1) (5) 2006, 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CHING, Francis D. K. Técnicas de Construção Ilustradas. 2. ed. Porto Alegre: 2001.
BORGES, Alberto de Campos. Prática das Pequenas Construções. São Paulo: Edgard
Blucher. 1975, 2000.
BOTELHO, Manuel H. Campos. Manual dos Primeiros Socorros do Engenheiro e do
Arquiteto. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1997.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Informática Aplicada à Arquitetura II


Carga horária Total: 40h
Período: 6º

EMENTA:
Representação gráfica. Utilização do Programa SKETCHUP associado ao uso dos
croquis ou de outros recursos manuais para desenvolvimento de projetos.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Desenho e visualização básica. Técnicas de edição, sombras, cores e
texturas e organização do desenho
UNIDADE 2: Impressão e criação de filmes. Importação e exportação para outros
programas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
GASPAR, João. Google Sketchup Pro 6 - Passo a Passo. Editora: VectorPro
Sketch Up User's Guide, ©Google Inc. 2006, 6/16/2006. http://sketchup.com/docs/
RENYI, Roberto. Maquete Eletrônica com AutoCAD 2004 E 3ds Max 5.1. Ed. Érica.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
OMURA, George. Dominando o AutoCAD 14 Ed. Sybex. 1999
Quick Reference Card, ©Google Inc. 2006. http://sketchup.com/docs/
RENDER MULTIMÍDIA. Curso Prático de AutoCAD 2000. CD-ROM

Disciplina: Instalações Prediais II


Carga horária Total: 40h
Período: 6º

EMENTA:
Abastecimento d’água potável e água quente; águas residuais; instalações prediais
de esgoto sanitário, fossa, filtro e sumidouro. Lixo e incinerador. Instalações prediais de
combate a incêndio.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Instalações Prediais de Água Fria: terminologia, sistema de abastecimento,
sistema de distribuição, consumo, reservatório, perdas de carga,
dimensionamento das tubulações, penas d’água, caixa piezométricas e
hidrômetros, ligação a rede pública; elevação mecânica da água/
bombeamento: classificação e escolha da bomba. Instalações Prediais de
Água Quente: Modalidades de Instalação, consumo, vazão, fundamentos
sobre o aquecimento, Aquecimento: elétrico, solar, a gás e central: sistema
de distribuição, capacidade, dimensionamento das tubulações, materiais e
equipamentos usados.
UNIDADE 2: Instalações Prediais de Esgoto: terminologia, peças, dispositivos, aparelhos
sanitários e de descarga empregados, elementos básicos para o projeto.
Despejos em regiões não servidas por redes de esgoto: fossas sépticas,
sumidouros, filtro anaeróbio. Esgotamento das águas pluviais: fatores
meteorológicos, vazão de projetos condutores verticais e horizontais;
materiais usados.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CREDER, Helio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro: Editora Livros
Técnicos e Científicos, 2006.
MACINTYRE, J. Instalações Hidráulicas Prediais e Industriais. Rio de Janeiro: Editora
Livros Técnicos e Científicos, 2000.
CARVALHO JUNIOR, Roberto de. Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura. São
Paulo: Edgard Blücher, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5626 - Instalações Prediais
de Água Fria, 1998.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7198 - Instalações Prediais
de Água Quente, 1982.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NB 19 - Instalações Prediais de


Esgotos Sanitários, 1983.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10844 - Instalações
Prediais de Águas Pluviais, 1989.

Disciplina: Planejamento Urbano e Regional II


Carga horária Total: 40h
Período: 6º

EMENTA:
A cidade e sua integração na rede urbana e regional. Pólos dinâmicos. As funções
e a hierarquia urbana. O processo de planejamento. A metodologia do planejamento. O
plano diretor e os instrumentos do planejamento. Plano estratégico. Projeto urbano.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Cidade, PUR, urbanismo, plano, projeto, desenho urbano: conceitos
gerais.
UNIDADE 2: Cidade: caos, organismo, lócus da produção, poder, luta de classes.
UNIDADE 3: Intervenções na cidade: arte urbana, reforma urbana, urbanidade.
UNIDADE 4: Conceitos: monumento, imagem, higiene, salubridade. Paris século XIX e
Rio de Janeiro século XX.
UNIDADE 5: Área Central, centralidade, CBD, ACN, reconquista do centro histórico da
cidade.
UNIDADE 6: A dinâmica metropolitana da cidade do Rio de Janeiro, diferentes
estatutos Jurídicos da cidade, a concentração populacional, esferas de
decisões e de planejamento integrado na cidade.
UNIDADE 7: A dicotomia centro x periferia, urbes, subúrbio, novas centralidades.
UNIDADE 8: Legislação Urbana e Políticas Urbanas.
UNIDADE 9: O Estatuto da Cidade, Lei 6766, Plano Diretor.
UNIDADE 10: Público, Privado, Zoneamento e Uso e parcelamento do solo Urbano.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MARTINS, Ismênia e KNAUSS, Paulo (Org.). Cidade Múltipla: Temas de História de
Niterói. Niterói: Ed. Fan / Prefeitura de Niterói, 1998.
CASÈ, Paulo. A Cidade Desvendada. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000
LESSA, Carlos. O Rio de todos os Brasis. Rio de Janeiro: Record, 2000

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
BITTAR, William e VERÌSSIMO, Francisco. Vida Urbana: Evolução do Cotidiano da Cidade
Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001
MACHADO, Denise Pinheiro e VASCONCELOS, Eduardo (Org.). Cidade e Imaginação.
Rio de Janeiro: Ed. UFRJ / Prourb, 2002.
ROLNIK, Raquel. O que é Cidade. São Paulo: Brasiliense, 1998.

Disciplina: Projeto de Arquitetura V - Hotel


Carga horária Total: 80h
Período: 6º

EMENTA:
Integração do edifício à malha urbana existente. Tratamento paisagístico dos
espaços abertos. Esquemas estruturais. Desenvolvimento de projeto de edifícios hoteleiros
com base no programa arquitetônico.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Edifícios hoteleiros: características e peculiaridades. A idéia do objeto
arquitetônico: implantação; setorização e esquema vertical e horizontal de
acessos e circulações. Apresentação de maquete volumétrica.
UNIDADE 2: O projeto em andamento: plantas de situação, cortes e fachadas.
UNIDADE 3: O projeto e a inserção no meio urbano.
UNIDADE 4: O projeto em detalhe: ampliação humanizada do apartamento tipo,
especificação de materiais, perspectivas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CHING Francis D. K. Arquitetura-Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: ed. Martins Fontes,
1998.
HERTSBERGER Herman. Lições de Arquitetura. São Paulo: ed. Martins Fontes, 1999.
ANDRADE, Nelson. Hotel - Planejamento e Projeto. 9ª ed. São Paulo: SENAC, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CASTELLI, Geraldo. Administração Hoteleira. EDUCS, 1992, 2001.
ZEVI, Bruno. Saber Ver a Arquitetura. São Paulo: ed. Martins Fontes, 1998.
BELCHIOR & POYARES. Pioneiros da Hotelaria no Rio de Janeiro. São Paulo: SENAC,
1987.

Disciplina: Projeto de Urbanismo I


Carga horária Total: 80h
Período: 6º

EMENTA:
Estrutura do território: forma e apreensão do espaço urbano e suas representações,
o suporte físico; infra e supra estrutura. Legislação urbana. Desenvolvimento de projetos
urbanísticos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Desenho urbano, projeto urbano, planejamento urbano e urbanismo.
Conceituação. Apreensão do espaço urbano. Princípios de desenho
urbano. Morfologia e ambiente construído: rua, quadra, lote,
edificações notáveis, estilos de época. Análise visual. Percepção do meio
ambiente. Uso do solo. Sistema viário e de transporte. Infraestrutura e
equipamentos urbanos. Legislação urbanística.
UNIDADE 2: Projetos de estruturação urbana no processo de planejamento. Desen-
volvimento de Diagnóstico para uma área de estudo: Levantamento,
registro e análise do espaço urbano. Inserção urbana. Escalas do espaço
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

urbano: setor, bairro, cidade. Elaboração de propostas de intervenção


sobre a área de estudo escolhida.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Lisboa: Edições Setenta, 1971.
LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo:
Pini, 1990.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
CAMPOS FILHO, Cândido Malta. Reinvente seu Bairro. Caminhos para Você Participar do
Planejamento de sua Cidade. São Paulo: Editora 34, 2003.
PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Manual para Elaboração de Projetos de
Alinhamento na Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IBAM/CPU, PCRJ/SMU, 1996.
PREFEITURA DE NITERÓI. Plano Urbanístico da Região Oceânica – Lei 1968/2002.
www.urbanismo.niteroi.gov.br

Disciplina: Técnicas Gráficas III


Carga horária Total: 80h
Período: 6º

EMENTA:
Representação do desenho urbano. Normas e convenção do desenho urbano:
Mapeamento e as diferentes escalas: a escala da cidade e a escala do edifício. Desenho
topográfico: perfis, seções e plantas. As vias urbanas: hierarquização e características.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Desenho urbano, projeto. Apreensão do espaço urbano. Princípios de
desenho urbano. Morfologia e ambiente construído: rua, quadra, lote,.
Análise visual. Percepção do meio ambiente.
UNIDADE 2: Sistema viário e de transporte.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo:
PINI. 1990.
CHING, Francis. Arquitetura - Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Representação de Projetos de
Arquitetura. Rio de Janeiro, 1994. Publicada como NBR 6492.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LAMAS, José M. Ressano Garcia. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Lisboa:
Fundação Caluoste Gulbekian, 2000.
PRINZ, Dieter. Planificación y Configuración Urbana. México: Ediciones G. Gili, 1984.
RODRIGUES, F. M. Desenho Urbano, Cabeça, Campo e Prancheta. São Paulo: Projeto,
1986.

Disciplina: Tecnologia da Construção II


Carga horária Total: 40h
Período: 6º

EMENTA:
Revestimentos: argamassas e materiais de acabamento; impermeabilizações.
Pavimentações e impermeabilização de lajes. Coberturas: estrutura metálica e em madeira -
cálculo e detalhamento, telhados em telhas cerâmicas, metálicas e fibrocimento -
dimensionamento. Esquadrias: execução e instalação. Pinturas comuns e especiais.
Alvenaria: execução de alvenarias de pedras e de tijolos. Arcos e abóbadas. Formas e
armações. Desenho de formas. Execução de estruturas de concreto. Concreto: mistura
transporte, lançamento, adensamento e cura. Solos e tipos de fundações.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Revestimentos: Revestimentos de paredes – argamassas, cerâmicas,
pedras e madeira; Revestimentos de tetos – argamassas, pinturas, gessos,
forros modulados;
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: Pavimentações: Revestimentos de piso – cerâmicos e de madeira;


UNIDADE 3: Esquadrias: Esquadrias de madeira, ferro, PVC e alumínio.
UNIDADE 4: Pintura: a base de resinas PVA, acrílica, esmalte sintético, epóxi,
vernizes e pinturas especiais.
UNIDADE 5: Telhado: Telhados em madeira e telhas cerâmicas; Telhados industriais;
UNIDADE 6: Estrutura: Fôrmas – de madeira e metálicas;
UNIDADE 7: Execução de armaduras;
UNIDADE 8: Tecnologia do concreto – lançamento, vibração, controle tecnológico e
desforma.
UNIDADE 9: Alvenarias: Tipos de tijolos, seus usos e assentamentos.
UNIDADE 10: Fundações – Tipos de solos e de Fundações

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
AZEREDO, Hélio Alves. O edifício até sua Cobertura. São Paulo: Pini, 1997.
YAZIGI, Walid. A Técnica de Edificar. São Paulo: PINI – 4ª Edição. 1999, 2006, 2007.
CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 1998.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BAUER, L. A. Falcão. Materiais de Construção, vol. 1 e 2. Rio de Janeiro: Ed. Livros
Técnicos e Científicos, 2000.
BORGES, Alberto de Campos. Prática das Pequenas Construções. São Paulo: Edgard
Blücher 1975, 2000.
RIPPER, Ernesto. Como Evitar Erros na Construção. São Paulo: Pini, 2000.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Análise Crítica da Morfologia Urbana


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA
Surgimento da cidade. Traçado da cidade no Egito e na Mesopotâmia. Traçado da
cidade na Grécia e em Roma. Forma da Cidade Medieval. Traçados das cidades
renascentistas. Cidade e Urbanismo Barroco. Cidade Industrial. Cidade Moderna. Evolução
urbana no Brasil- Colônia e Império. Evolução Urbana no Brasil- República. Cidade
Contemporânea.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: A cidade através da história: as teses sobre a origem da cidade. A evolução
da cidade da Antiguidade até a o Barroco.
UNIDADE 2: As cidades no Brasil: origem e evolução das cidades no Brasil, da Colônia
à República.
UNIDADE 3: As cidades da Revolução Industrial à Contemporaneidade: o processo de
urbanização nos países industrializados e nos países do terceiro mundo. As
consequências da industrialização no processo de formação do urbano. A
Cidade Moderna. A Cidade Contemporânea.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BENEVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 2005.
GOITIA, Fernando Chueca. Breve História do Urbanismo. Lisboa: Editorial Pressença,
1996.
ABREU, Maurício. Evolução Urbana no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLAN Rio, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MUMFORD, Lewis. A cidade na História suas Origens, Transformações e Perspectivas. São
Paulo: Martins Fontes, 1965, 1998.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CHOAY, Françoise. O Urbanismo: Utopias e Realidades - Uma Antologia. São Paulo:


Perspectiva, 1998.
BITTAR, W. VERÌSSIMO, C, MENDES, C. Arquitetura no Brasil: de Cabral a Dom João
VI. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2007.

Disciplina: Construção em Aço e Madeira


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA:
Aspectos tecnológicos dos aços estruturais: processo de fabricação, características
dos materiais e durabilidade da construção. Aspectos tecnológicos das madeiras em estruturas.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Características da construção em aço. Fabricação do aço. Fluxo do
processo siderúrgico.·Propriedades mecânicas.·Tipos de aços. Tipos de
perfis. Estruturas de aço:· Equilíbrio. Flambagem. Sistemas de
Contraventamento. Sistemas estruturais básicos para edifícios.
Concepção de ligações. Pré-dimensionamento. Durabilidade: Proteção
contra a corrosão. Proteção contra incêndio.
UNIDADE 2: Estruturas em madeira: Propriedades das madeiras. Hipóteses básicas de
segurança. Dimensionamento de elementos estruturais. Estados limites
últimos. Solicitações normais. Solicitações tangenciais. Estabilidade.
Contraventamento. Ligações de elementos estruturais de madeira

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MOLITERNO, Antonio. Caderno de Projetos de Telhados em Estruturas de Madeira. 2ed.
São Paulo: Edgard Blucher Ltda, 1997.
PFEIL, Walter e PFEIL, Michele. Estruturas de Aço. 7 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
PFEIL, Walter; PFEIL, Michéle. Estruturas de Madeira. Rio de Janeiro: LTC-Livros Técnicos
e Científicos, 2003.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8800 : Projeto e Execução
de Estruturas de Aço de Edifícios. Rio de Janeiro: ABNT, 1986.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NNORMAS TÉCNICAS. NBR 7190: Projeto de
Estruturas de Madeira. Rio de Janeiro, 1997.
MANUAL DA CONSTRUÇÃO EM AÇO – STEEL Framing – Arquitetura
Meyer, Karl Fritz. Estruturas metálicas: Construções com Tubos: Projeto e Introdução ao
Cálculo. Belo Horizonte: KM, 2002

Disciplina: Instalações Especiais


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA
Instalações prediais de gás, lixo, escadas rolantes, elevadores, ar condicionado,
automação exaustão mecânica
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Instalações Prediais de Gás: terminologia, normas de execução, ramais,
localização dos medidores, condições gerais para execução da instalação,
distribuição do GLP, pressão de utilização, modalidades de instalações
para GLP, dimensionamento das tubulações, propriedades físicas,
exigências quanto às instalações de GLP, Lixo e incineradores:
especificações
UNIDADE 2: Instalações elétricas de elevadores e escadas rolantes. Instalações prediais
de condicionamento de ar, instalação de som ambiente, TV em circuito
fechado. Automação e exaustão mecânica
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CREDER, Helio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Rio de Janeiro: Editora Livros
Técnicos e Científicos, 1983.
NISKIER, Júlio e MACINTYRE, A. J. Instalações Elétricas. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC ,
2000.
MACINTYRE, J. Instalações Hidráulicas Prediais e Industriais. Rio de Janeiro: Editora
Livros Técnicos e Científicos, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LIMA FILHO, Domingos L. Projetos de Instalações Elétricas Prediais. 9 ed. São Paulo: Érica,
2001.
NISKIER, Júlio e MACINTYRE, A. J. Instalações Elétricas. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC ,
2000.
______________. Instalações Internas de Gás Liquefeito de petróleo (GLP). NBR 13932. Rio
de Janeiro: 1997.
______________. Instalações Internas de Gás Natural (GN). NBR 13933. Rio de Janeiro:
1997.
______________. Instalações Internas para uso Alternativo dos Gases GN e GLP. NBR
14570. Rio de Janeiro: 2000.

Disciplina: Gerenciamento da Construção


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA:
Empreendimento e Gerenciamento de projetos. Fases do projeto. A coordenação e
o gerenciamento do desempenho. Estruturas organizacionais para o gerenciamento de
empreendimentos. Ferramentas de apoio ao planejamento. Gerenciamento de contratos de
construção. Gerenciamento do Custo: tipos de custos, orçamento, estimação, preço e lucro,
controle de custos. Planejamento e programação da construção. Controle das atividades de
construção. Finalização da construção.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução. Definições gerais. Conceituação de empreendimento e de
gerenciamento de projetos. Elementos básicos do gerenciamento de
projetos.
UNIDADE 2: Ciclo de vida de um projeto. Fases do projeto e do gerenciamento de
projetos. O inter-relacionamento entre os fatores desempenho, custo,
tempo e escopo em projetos.
UNIDADE 3: Estruturas organizacionais no gerenciamento de projetos: definição e tipos
de estruturas. Aplicação de cada tipo.
UNIDADE 4: Ferramentas de apoio ao planejamento. Planejamento e controle de
projetos. Técnicas de gerenciamento de projetos: Gráfico de Gantt, Rede
PERT/CPM e Estrutura Analítica de Projeto – EAP.
UNIDADE 5: Controle e análise do desempenho em projetos: tipos de sistemas de
controle, controle de prazos e de recursos, controle de custos
UNIDADE 6: Gerenciamento de custos: classificação dos custos, métodos de
orçamentação, determinação dos custos indiretos, custos de produção,
cálculo do lucro e despesas indiretas, planilha de custos.
UNIDADE 7: Gerenciamentos de contratos de construção: a contratação de obras e
serviços, tipos de contrato, licitação, qualificação, avaliação de propostas,
contrato, garantia contratual, avaliação do desempenho na execução do
contrato.
UNIDADE 8: Planejamento e programação da construção: Plano mestre, cronograma
mestre, EAP, cronograma físico e financeiro, fluxo de caixa, programação
de recursos (material mão-de-obra e equipamentos).
UNIDADE 9: Controle das atividades de construção: apropriação de quantitativos
físicos e de custos, controle físico e de custos, análise dos resultados,
análise e seleção de alternativas para correção de desvios.
UNIDADE 10: Finalização da construção: recebimento dos serviços, desmobilização de
pessoal, inspeção, limpeza e reparos, remoção e destinação das
instalações transitórias, destinação dos arquivos de documentação da
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

construção, destinação das sobras de materiais e dos equipamentos de


construção.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
LIMMER, Carl V. Planejamento, Ornamentação e Controle de Projetos e Obras. Rio de
Janeiro: LCT – Livros Técnicos e Científicos Editora S A. 1997.
DIAS, Paulo Roberto Vilela. Engenharia de Custos: Uma Metodologia de Ornamentação para
Obras Civis. Curitiba: Ed. Curitiba, 2001.
THOMAZ, Ercio. Tecnologia, Gerenciamento e Qualidade na Construção. São Paulo: Pini,
2001. 449p.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
VALERIANO, Dalton. Moderno Gerenciamento de Projetos. PMI - MG.
VARGAS, Ricardo Viana. Gerenciamento de Projetos. Rio de Janeiro: Brasport.
CIMINO, Remo. Planejar para Construir. São Paulo: Pini, 1987.

Disciplina: Princípios Básicos de Restauração e Conservação


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA:
Bem cultural e bem ambiental: conceituação. Origem e evolução dos conceitos
modernos de preservação e de restauração. Centros históricos. Recomendações e cartas
internacionais e brasileiras. Legislação urbanística de proteção ao patrimônio. O patrimônio
edificado e o meio ambiente. Valorização e utilização do bem cultural.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Origem e evolução do conceito de patrimônio, desde o surgimento do
interesse por monumentos da Antigüidade clássica até a chamada
"consagração do monumento histórico", com a institucionalização de
práticas visando a proteção e conservação do patrimônio.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: A restauração como disciplina integral (Ruskin e Morris x Viollet-le-Duc;


Camillo Boito; Alloïs Riegl). Os princípios que orientam a conservação e a
restauração do patrimônio: as cartas patrimoniais (Carta de Atenas – 1931
Carta de Atenas - 1933, Carta de Veneza - 1964, Carta de Burra - 1980,
Carta Italiana do Restauro - 1972 e outras); o papel da UNESCO.
UNIDADE 3: A constituição do patrimônio brasileiro: a noção de patrimônio difundida
no Brasil. A legislação de proteção do patrimônio brasileiro. As instâncias
federal, estadual e municipal. As práticas de registro a documentação: a
elaboração de inventários.
UNIDADE 4: As práticas de intervenção: levantamento arquitetônico e mapeamento de
danos; propostas de uso. As experiências na preservação de áreas
urbanas: as Cidades Históricas de Minas Gerais e do Nordeste, o Corredor
Cultural do Rio de Janeiro e o Centro Histórico de Salvador. O
patrimônio cultural como um dos aspectos da sustentabilidade.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BENEVOLO, Leonardo. A cidade e o Arquiteto. São Paulo: Perspectiva, 1991.
CHOAY, Françoise. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Editora UNESP, 2001
CARRAZZONI, Maria Elisa. (coord.). Guia dos Bens Tombados. Rio de Janeiro: Expressão
e Cultura, 1978.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ALVIM, Sandra Poleshuck de Faria. Arquitetura Religiosa Colonial no Rio de Janeiro:
plantas, fachadas e volumes. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; IPHAN; Prefeitura da Cidade do
Rio de Janeiro, 1999, 3 v., 360 p. il.
______. Inventário Arquitetônico - Arquitetura do Século XVII - Município RJ. 2a ed. Rio
de Janeiro: FAU/UFRJ, 1984.
______. Inventário Arquitetônico - Arquitetura Religiosa do Século XVIII - município RJ.
2a ed. Rio de Janeiro: FAU/UFRJ, 1984.
______. Inventário Arquitetônico - Arquitetura Civil e Militar do Século XVIII - Município
RJ. 2a ed. Rio de Janeiro: FAU/UFRJ, 1983.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Corredor Cultural: Como Recuperar,


Reformar ou Construir seu Imóvel. 2a ed. Rio de Janeiro: RIOARTE; IPLANRIO, 1989.
PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Manual de Obras em Edificações
Preservadas. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes –
Departamento Geral de Patrimônio Cultural, 1991.

Disciplina: Projeto de Arquitetura VI – Centro de Cultura e Lazer


Carga horária Total: 80h
Período: 7º

EMENTA:
Detalhamento construtivo básico da edificação e dos sistemas de instalações
prediais. Desenvolvimento de projetos de edificação destinada à cultura e ao lazer, com base
no programa arquitetônico.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Inventário Urbanístico/ Relações espaciais e funcionais/ Valorização do
terreno em relação aos usos/ Planos de enlaces/ Planos de conflitos.
UNIDADE 2: Projeto arquitetônico e configuração urbanística do entorno/ Inventário e
análise das paisagens urbana/ Elementos da construção paisagística/
Parques e espaços abertos.
UNIDADE 3: Princípios do projeto: Permeabilidade, Variedade, Legibilidade,
Consistência, Apropriação visual/ espaços de lazer: recreação e esportes/
Arquitetura dos espaços culturais.
UNIDADE 4: Programa e elementos conformadores de espaços culturais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
HERTZBERGER, Herrmann. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
NEVES, Laerte Pedreira. Adoção do Partido na Arquitetura. Salvador: UFBA, 1998.
CHING, Francis. Arquitetura - Forma, Espaço e Ordem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
PRINZ, Dieter. Planificación y Configuración Urbanas. México: Ediciones G. Gili, S.A.,
1984.
MACEDO, Silvio Soares et alli. Parque Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: ABAP, 2002
MACEDO, Silvio Soares et alli. Praças Brasileiras: Public. Squares In Brazil. Rio de Janeiro:
ABAP, 2003.

Disciplina: Projeto de Urbanismo II


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA:
Funções e atividade urbanas; relações entre áreas centrais e periféricas;
circulação de pessoas e informações. Sistema Viário. Uso e Ocupação do solo urbano:
levantamento, análise, mecanismo de controle. Expansão urbana. Desenvolvimento de
projeto. Elementos urbanos e da forma urbana, padrões urbanos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Visão Serial (Gordon Cullen). Análise de área na escala da rua.
Observação de campo. Análise dos espaços e identificação de padrões
(Christopher Alexander).
UNIDADE 2: Projeto Urbano em nível de plano de intervenção com detalhamento.
Relação pedestre X ambiente urbano. Adequação de desenho viário.
Mobiliário Urbano. Utilização de vazios urbanos. Estudo de morfologia e
tipologia urbana. “Arquitetura da Cidade” (Aldo Rossi). Qualidades
urbanas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CULLEN, G. Paisagem Urbana. Lisboa: Edições Setenta, 1971.
SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900 – 1990. São Paulo: Edusp. 1999.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Representação de Projetos de
Arquitetura. Rio de Janeiro: 1994. Publicada como NBR 6492

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
Manual Para Elaboração de Projetos de Alinhamento na Cidade do Rio de Janeiro. Rio de
Janeiro: IBAM/CPU, PCRJ/SMU, 1996.
Manual para a Implantação de Mobiliário Urbano na Cidade do Rio de Janeiro. Rio de
Janeiro: IBAM/CPU, PCRJ/SMU, 1996.
ASSOCIAÇÃO DE NORMAS TÉCNICAS. Acessibilidade de Pessoas Portadoras de
Deficiências a Edificações, Espaço, Mobiliário e Equipamento Urbano, Rio de Janeiro: 1994.
Publicada como NBR 9050/2000.

Disciplina: Teoria do Paisagismo


Carga horária Total: 40h
Período: 7º

EMENTA:
Paisagem e ambiente. Contextualização histórica da paisagem e do paisagismo.
Abordagem teórico-conceitual sobre questões relacionadas à paisagem e ao ambiente.
Enfoque ambiental.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceito de paisagem e de ambiente. Contextualização histórica da
paisagem e do paisagismo como subsídios às questões relacionadas com a
intervenção paisagística.
UNIDADE 2: Referências à natureza na antiguidade remota e clássica. A paisagem da
cidade na idade moderna. Paisagem e idéia de natureza nos séculos XVII
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

e XVIII. O jardim realidade e imaginação na paisagem do séc. XIX. A


paisagem urbana moderna e pós-moderna.
UNIDADE 3: Questões teóricas atuais sobre paisagismo e o enfoque ambiental.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MACEDO, Silvio Soares. Quadro do Paisagismo no Brasil. São Paulo: QUAPÁ – FAUUSP,
1999.
BARBOSA, Antonio Carlos da Silva. Paisagismo, Paisagem & Plantas Ornamentais. 6.ed.
São Paulo: Iglu, 2000.
MIRANDA, Danilo Santos de. O Parque e a Arquitetura - Uma Proposta Lúdica. São Paulo:
Papirus, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ABBUD, Benedito. Criando Paisagens. São Paulo: Editora SENAC, 2007.
MACEDO, Silvio Soares. A Vegetação como Elemento de Projeto In: Paisagem Ambiente –
volume 4. São Paulo: FAUUSP, 1992.
_____. Paisagismo: Introdução ao Projeto. São Paulo: FAUUSP, 1994.
_____. Plano de Massas – Um Instrumento para o Desenho da Paisagem In: Paisagem
Ambiente – volume 3. São Paulo: FAUUSP, 1990.
CHACEL, Fernando. Paisagismo e Ecogênese. Rio de Janeiro: Fraiha, 2001.

Disciplina: Gestão da Construção Acabada


Carga horária Total: 40h
Período: 8º

EMENTA:
Manutenção: conceituação, tipos e planejamento. Patologias das edificações: tipos,
técnicas de recuperação. Gestão da Construção Acabada: Normas; Critérios de
acompanhamento e controle; Etapa entrega-recepção, etapa uso- manutenção; o Manual de
Uso.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução.Etapa Entrega - Recepção - Etapas da Fase de
Encerramento: Aceitação pelo Cliente, Avaliação Interna,
Desmobilização da Obra e Dissolução da Equipe.
UNIDADE 2: Manual de Uso ou Manual do Proprietário - Definição e Conteúdo -
Certificado de Garantia.
UNIDADE 3: Revestimentos de Argamassa. Considerações Gerais, Tipos e
Propriedades, Principais Fatores de Deteriorização.
UNIDADE 4: Problemas Patológicos dos Revestimentos de Argamassa: Sintomas,
Causas, Prevenção e Reparos.
UNIDADE 5: Revestimentos de Argamassa - Manutenção: Preventiva e Corretiva -
Cadastro dos Danos – Proteções.
UNIDADE 6: Patologia das Construções: Causas, Processos Físicos de Deteriorização,
Diagnóstico.
UNIDADE 7: Materiais Utilizados na Recuperação de Construções: Concretos e
Argamassas, Polímeros, Materiais Elaborados e Pré-fabricados.
UNIDADE 8: Técnicas Usuais na Recuperação de Construções: lntervenções,
Demolição, Tratamento de Fissuras, Furação do Concreto, Reparos em
Elementos Estruturais.
UNIDADE 9: Aspectos da Manutenção de Construções: Conceito, Cadastramento,
Inspeção Periódica e Condicionada, Limpeza.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
RIPPER, Ernesto. Como evitar Erros na Construção. São Paulo: Pini, 1996.
THOMAZ, Ercio. Trincas em Edificações; Causas e Mecanismos de Deformação. São Paulo;
Editora Pini Ltda. 1989.
CIMINO, Remo. Planejar para construir. São Paulo: Pini, 1987.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CHINELLI, Christine Kowal. Patologia de Argamassas de Revestimento. Dissertação de
Mestrado. Niterói: UFF/ TPC, 1995.
YAZIGI, Waldi. A Técnica de Edificar. 9ª ed. São Paulo: PINI. 2008
PINI. Alternativas Tecnológicas pra Edificações. Vol. 1. 1ª ed. São Paulo: PINI. 2008

Disciplina: Informática Aplicada à Arquitetura III – Ferramentas de Gestão


Carga horária Total: 40h
Período: 8º

EMENTA:
A informática no gerenciamento de projetos. Softwares de gerenciamento de
empreendimentos. Modos de exibição: gráficos de Gantt, PERT e de controle; planilhas.
Gerenciamento do calendário. Gerenciamento da estrutura do projeto. Gerenciamento de
recursos. Atribuição de custos ao projeto. Acompanhamento da execução do projeto
(controle). Relatórios: de custo, de atribuições, de atividades, de carga de trabalho.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução: A importância da informática no gerenciamento de
projetos/empreendimentos. Introdução ao software MS Project: área de
trabalho, operações e telas básicas do MS Project.
UNIDADE 2: Modos de exibição no MS Project: Gráfico de Gantt, Rede PERT e de
controle, EAP, planilhas e gráficos de recursos, planilhas de utilização de
tarefas e recursos.
UNIDADE 3: Gerenciamento do calendário: definição dos calendários de projeto e de
recursos, inserção e remoção de feriados, criação de novos calendários,
disponibilização de calendários para outros projetos.
UNIDADE 4: Gerenciamento da estrutura do projeto: inserção de tarefas e durações,
criação da estrutura analítica do projeto – EAP, estabelecimento da rede
de precedência, alteração do relacionamento entre as tarefas,
determinação do caminho crítico (simples e múltiplos).
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 5: Gerenciamento de recursos: criação, edição e exclusão de recursos,


alocação de recursos às tarefas, nivelamento de recursos, agendamento
por unidades, duração ou trabalho fixo.
UNIDADE 6: Atribuição de custos ao projeto: atribuição de custos aos recursos, custos
fixos e variáveis.
UNIDADE 7: Acompanhamento da execução e controle do projeto: gravação da linha de
base do projeto, gravação de planos provisórios, inserção de informações
sobre o andamento do projeto, comparação do planejado com o realizado,
linhas de andamento, reagendamento, filtros (tarefas e recursos),
gerenciamento de múltiplos projetos, consolidação de projetos, criação de
relações de dependência entre diferentes projetos, criação de pool de
recursos.
UNIDADE 8: Gerenciamento e impressão de relatórios: relatórios de custo (fluxo de
caixa, orçamentos, tarefas ou recursos com custo extrapolado), relatórios
de atribuições (funções, funções e prazos, lista de tarefas pendentes,
recursos alocados em excesso), relatórios de atividades (tarefas não
iniciadas, em andamento e concluídas), relatórios de carga de trabalho
(quem faz o que e quando, tarefas críticas, marcos e dias programados).
UNIDADE 9: Transferência de dados entre o MS Project e os aplicativos MS Office
(Word e Excel).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FIGUEIREDO, Hélio. MS Project, Rapid, Learning, System. Rio de Janeiro. 1999.
PMBOK Guide Project Management Body of Knowledge. Belo Horizonte: Project
Management Institute, 2004.
VARGAS, Ricardo Viana. Microsoft Project 2000. Rio de Janeiro. Brasport.2000.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
VARGAS, Ricardo Viana. Microsoft Project 2003. Rio de Janeiro: Brasport, 2003.
POSSI, Marcus, BORGES, Elizabeth. MS Project 2007: Novos Recursos para Apoio ao
Controle de Projetos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna 2007. 144p.
CUKIERMAN. Z. S. O Modelo PERT/CPM Aplicado a Projetos. R & Affonso Editora, 7ª
ed., 2000

Disciplina: Paisagismo
Carga horária Total: 80h
Período: 8º

EMENTA:
Conceito de paisagem e de ambiente. Contextualização histórica da paisagem e
do paisagismo. Paisagem urbana: morfologia e elementos estruturadores. Projeto de espaços
livres de edificações e de urbanização. A vegetação, suas formas e usos na configuração das
paisagens.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Pesquisa sobre conceitos e fundamentos do paisagismo e sobre a lógica dos
processos a serem desenvolvidos no ato de projetar a paisagem. Exposição
de exemplos de projetos paisagísticos realizados.
UNIDADE 2: Apresentação de modelos tipos de vegetação, equipamentos, detalhamento
e demais elementos constitutivos da arquitetura paisagística.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
SILVA, Antônio Carlos Rodrigues. Desenho de Vegetação em Arquitetura e Urbanismo. São
Paulo: Editora Edgard Blucher, 2000.
ABBUD, Benedito. Criando Paisagens. São Paulo: Editora SENAC, 2007.
CHACEL, Fernando. Paisagismo e Ecogênese. Rio de Janeiro: Fraiha, 2001.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
LLORENZI, Harri, SOUZA, Hermes Moreira de. Plantas Ornamentais do Brasil. 3ª ed.
São Paulo: Plantarum, 1998.
CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Lisboa: Edições 70, 1983.
CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. A Paisagem Desenhada: o Rio de Pereira
Passos. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1994.

Disciplina: Projeto de Arquitetura VII – Terminal de Passageiros


Carga horária Total: 80h
Período: 8º

EMENTA
Desenvolvimento de projeto de terminais de passageiros. Avaliação do edifício
terminal: processo de passageiros, fluxos de funções. Estudo das áreas externas e integração
com o entorno e a malha urbana existente.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Os modos de transporte, características institucionais e econômicas dos
serviços de transporte público, acessibilidade. - Conforto, segurança,
problemas ambientais. - O uso do espaço de circulação, análise das
condições atuais. - Desenvolvimento urbano e as políticas de transporte. -
Pesquisa sobre a demanda de viagens (O/D) - Pesquisa sobre o sistema
viário e a oferta de transporte coletivo. - Modelo de geração de viagens. -
Modelo de alocação de rotas. - Crítica ao uso das técnicas tradicionais de
planejamento. - Crítica ao planejamento de transporte em países em
desenvolvimento.
UNIDADE 2: Projeto de Terminal intermodal de médio/grande porte com interferência
no espaço da paisagem urbana.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
RICHARDSON, H.W. Economia Urbana. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 1978.
NEVES, Laerte Pedreira. Adoção do Partido na Arquitetura. Salvador: Editora da
Universidade Federal da Bahia, 1998.
HUTCHINSON, Bertrand. Princípios de Planejamento dos Sistemas de Transporte Urbano.
Rio de Janeiro: Guanabara dois s.a, 1979.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
SNYDER & CATANESE. Introdução à Arquitetura. Rio de Janeiro: ed. Campus ltda., 1984.
MASCARÓ, Juan Luis. O Custo das Decisões Arquitetônicas. Porto Alegre: Ed. Sagra
Luzzatto, 1985.
LIBARDI, Rafaela. Introdução À Mobilidade Urbana. São Paulo: Editora Juruá, 2000.

Disciplina: Projeto de Urbanismo III


Carga horária Total: 80h
Período: 8º

EMENTA:
Renovação e intervenção urbana, aspectos de infra-estrutura urbana, legislação,
custos, financiamento e gestão. Concepção do espaço físico considerando a integração
conjunto arquitetônico/cidade/ desenho urbano. Desenvolvimento de projetos urbanísticos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Arquitetura dos espaços urbanos. Uso e ocupação do solo urbano. Formas
do crescimento urbano: relação morfologia-localização.
UNIDADE 2: Normativas urbanísticas: interpretação, aplicação e formulação. Desenho
urbano e implementação de Planos Urbanísticos. Expansão Urbana.
Reestruturação Urbana.
UNIDADE 3: Arquitetura coletiva dos espaços urbanos. Transporte Urbano.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo:
PINI. 1990.
SOLÁ-MORALES, Manuel de. Las Formas de Crescimento urbano. Barcelona: Ediciones
UPC. 1997.
RODRIGUES, Ferdinando Moura. Desenho Urbano, Cabeça, Campo e Prancheta. São Paulo:
Projeto, 1986.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CONGRESSO NACIONAL. Estatuto da Cidade - Lei 10.257. www.senado.gov.br.
IBAM/CPU, PCRJ/SMU. MANUAL para Elaboração de Projetos de Alinhamento na Cidade
do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 1996
PREFEITURA DE NITERÓI. Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente. Caracterização da
Região Oceânica. Niterói. 1995. Coord. Luis Fernando Valverde
_____. Plano Diretor de Niterói. Niterói: Typeset, 1992
_____. Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente. Lei de Uso e Ocupação do Solo. Niterói,
1995.
_____. Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente. Lei de Parcelamento do Solo. Niterói,
1995.
_____. Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente. Lei de Vilas e Conjuntos de Pequeno
Porte. Niterói, 1995.
_____. Secretaria de Ciência e Tecnologia. Niterói Bairros. 1999.

Disciplina: Sistemas de Abastecimento e Saneamento Urbano


Carga horária Total: 40h
Período: 8º

EMENTA:
Sistemas de abastecimento de água. Sistema de esgotamento sanitário e drenagem
de águas pluviais. Sistemas de coleta e tratamento de lixo. Poluição ambiental.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Saneamento Ambiental - Noções principais de Hidráulica, águas para
abastecimento; captação das águas; adução e sub-aducão. Tratamento:
reservação; distribuição e estações elevatórias; tratamento dos efluentes
domésticos: conceito e definição, aspectos sanitários, sistema de
esgotamento sanitário, sistema separador absoluto, constituintes.
Critérios e parâmetros de Projeto
UNIDADE 2: Drenagem Urbana - Sistemas de micro-drenagem, conceito e definição,
partes constituintes, bocas de lobo, tubulações, caixas de passagem,
sistema coletor, poços de visita.
UNIDADE 3: Disposição de Lixo Doméstico - Procedimentos, coleta, disposição uni-
tária, transporte, disposição coletiva, usinagem, reciclagem e
compostagem, incineração.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ANDRADE NETO, C. O. Sistemas Simples para Tratamento de Esgotos Sanitários. Rio de
Janeiro: ABES 1997.
GOMES, H. P. Sistemas de Abastecimento de água, Dimensionamento Econômico. João
Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2002.
VON SPERLING, M. Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. Vol. 1.
Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos. 3. ed. Belo Horizonte:
UFMG, 2005.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
NETTO, A., ALVAREZ, G. Manual de Hidráulica. 7ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1996.
PHILIPPI Jr., A. Saneamento do Meio. São Paulo: Fundacentro/ USP, 1998.
CORRÊA, Roberto Lobato (org.). Estudos sobre a Rede Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil, 2006.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Técnica de Restauração e Conservação


Carga horária Total: 40h
Período: 8º

EMENTA
Metodologia de estudo para o bem arquitetônico. Pesquisa histórica. Inventário e
documentação. Levantamento arquitetônico e cadastro. Mapeamento de danos. Análise,
diagnóstico e terapia dos danos. Revitalização do bem arquitetônico. Processo de projeto de
conservação e restauração.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceitos básicos. Metodologia do projeto de restauração.
UNIDADE 2: Levantamento de dados: história do bem, inventário, documentação.
Tipologias estilísticas e construtivas.
UNIDADE 3: Levantamento dimensional: técnicas, aulas práticas. Estado de
conservação: levantamento e mapeamento dos danos.
UNIDADE 4: Análise patológica dos danos: prováveis causas, diagnóstico e indicação de
terapia.
UNIDADE 5: Projeto de intervenção. Elaboração de um programa de uso compatível
com o bem. Elaboração de trabalho prático visando o novo uso do imóvel.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
COELHO, Olíneo. Do Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro, 1992
LEMOS, Carlos. O que é Patrimônio Cultural? São Paulo: Brasiliense, col. Primeiros
Passos, 1985.
BRANDI, Cesare. Teoria da Restauração. Cotia: Ateliê Editorial, 2004
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LEMOS, Carlos. O que é Patrimônio Cultural? São Paulo: Brasiliense, col. Primeiros
Passos, 1985.
COELHO, Olíneo. Do Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro: 1992
GUIMARAENS, Cêça. Paradoxos Entrelaçados: As Torres para o Futuro e a Tradição
Nacional. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.
____________. Sobre a Memória das Cidades. In: Território/LAGET, UFRJ – ano III, nº 4
(jan./jun. 1998). Rio de Janeiro: Garamond, 1998.

Disciplina: Arquitetura Legal


Carga horária Total: 40h
Período: 9º

EMENTA:
Perícia x Avaliação: conceituação. Caracterização do arquiteto e urbanista como
Perito. Esquema das fases do processo de perícias e avaliações. Fluxograma da prova
pericial. Legislação Específica. Laudo pericial. O papel dos Assistentes Técnicos. Perícia em
Ação Civil.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Conceitos básicos de perícias e avaliações. Processo de perícias e
avaliação: fases do processo. Prova pericial: conceito, fluxograma
UNIDADE 2: Legislação específica de perícias. Laudos de avaliação e pericial:
formulação e interpretação. Prova pericial. O papel do arquiteto na
perícia de ação civil.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ABUNAHMAN, Sérgio Antônio. Engenharia Legal e de Avaliações. 4ª ed. São Paulo: PINI.
2000.
MENDONÇA, Marcelo Corrêa. Engenharia Legal – Teoria e Prática Profissional. São Paulo:
PINI, 1999.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

THOFEHRN, Ragnar. Avaliação de Terrenos Urbanos por Fórmulas Matemáticas. 1ª ed. São
Paulo: PINI.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CENTRO DE TECNOLOGIA DE EDIFICAÇÕES. Sistema de Gestão da Qualidade para
Empresas Construtoras. São Paulo: Sinduscon, 1996.
LIMA Jr. Princípios para Análise de Qualidade de Empreendimentos: o caso dos
Empreendimentos de Base Imobiliária. Boletim Técnico PCC153, EPUSP, São Paulo
FICKER, José. Avaliação de Imóveis: Manual de Redação de Laudos. São Paulo: Editora
PINI, 1989. 1ª Edição-9ª tiragem- maio 2006.

Disciplina: Organização e Prática Profissional


Carga horária Total: 40h
Período: 9º

EMENTA:
O papel do arquiteto e urbanista na produção do ambiente construído. A
responsabilidade técnica: origem e desdobramentos. A legislação profissional do arquiteto e
urbanista. Instituições de regulamentação e de controle da prática profissional. O Código de
Ética Profissional. O Código de Defesa do Consumidor. Cláusula contratual: fundamentos e
limites de aplicação. A prática profissional. Equipes interdisciplinares. O exercício da
coordenação de equipe.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Princípios gerais de organização e administração. Aplicação da legislação
no exercício da profissão. Atuação das entidades profissionais. Atuação
dos arquitetos nas empresas.
UNIDADE 2: Conceitos básicos de planejamento; concorrências (licitações). Gerência e
controle de qualidade na arquitetura (produtividade, relação formal e
informal). Sistemas gerenciais. Áreas de atuação profissional do arquiteto.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
PADILHA, Ênio. Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Gramado: Gráfica e
Editoria Palotti, 2004.
ASBEA - Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura. Manual de Contratação de
Serviços de Arquitetura e Urbanismo. 2ª edição - São Paulo: Pini, 2000.
MEIRA, Maria Elisa. A Educação do Arquiteto e Urbanista. Rio de Janeiro: 2001.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
Ramos Neto, Ageu da Costa. Incorporação Imobiliária: Roteiro para Avaliação de Projetos.
Brasília: Lettera Editora, 2002.
Nova Lei de Licitações e Contratos. Rio de Janeiro: Ed. Auriverde, 1990.
Botelho, Manoel. Manual de Sobrevivência do Engenheiro e do Arquiteto Recém-Formados.
http://www.sarj.org.br

Disciplina: Política Habitacional


Carga horária Total: 80h
Período: 9º

EMENTA:
Localização, organização espacial e produção da habitação. Desenvolvimento
urbano e habitação. O problema habitacional. A habitação popular. Invasão urbana. Favelas,
cortiços e assentamentos populacionais. Políticas habitacionais.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Habitação, meio ambiente e desenvolvimento urbano: alternativas de
localização habitacional para a população de baixa renda; legislação
urbanística e estrutura e estrutura político-administrativa para o
planejamento e controle do uso e ocupação do solo.
UNIDADE 2: Conceituação do problema habitacional, sob a ótica do mercado
imobiliário: poder de compra, locação, salário e capacidade de
financiamento, escolhas tecnológicas e custos. - Análise da expansão
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

periférica das cidades, sistemas construtivos da habitação e processos de


participação.
UNIDADE 3: Políticas habitacionais de intervenção em favelas e cortiços: políticas de
projetos, obras e de participação popular; risco geotécnico e aspectos de
saneamento básico. - Regularização fundiária de loteamentos e favelas:
aspectos jurídicos e urbanísticos

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BLANK, Gilda Braz de Pina. Experiência de Urbanização de Favela. In VALADARES,
Licia.
VALLADARES, Lícia do Prado - Habitação em Questão. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1979.
SOLÁ-MORALES, Manuel de. Las Formas de Crescimento Urbano. Barcelona: Ediciones
UPC, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
Habitação em Questão. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.
Habitat Latino Americano: Fogo Sombra e Opulência e Privacidade. Porto Alegre: Faculdade
de Arquitetura e Urbanismo Ritter dos Reis, 1999. 84 p. (Cadernos de Arquitetura Ritter dos
Reis)
Habitação e cidade. São Paulo: FAUUSP, 1998. 191 p.: ilustr.
Urbanização e Subdesenvolvimento. 4.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. 189p.

Disciplina: Projeto de Arquitetura VIII – Serviço de Saúde


Carga horária Total: 80h
Período: 9º

EMENTA
Projeto de edificação destinada a serviços de saúde. Componentes e relação com
usuários. Esquema estrutural. Projetos complementares. Detalhes construtivos.
Quantificação e especificação dos materiais.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Identificação dos componentes do recurso físico da organização
hospitalar; implantar métodos de planejamento físico, associado ao
planejamento estratégico; dimensionamento do empreendimento,
UNIDADE 2: Incorporação dos conhecimentos relativos ao processo de implantação, e
operação do recurso físico; das inter-relações dos projetos
complementares com a arquitetura e a estrutura do edifício hospitalar.
UNIDADE 3: Incorporação dos conhecimentos relativos aos aspectos específicos das
instalações do edifício hospitalar: instalações hidráulicas, gases medicinais,
instalações elétricas, comunicações, climatizações, alternativas energéticas
e sistemas especiais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
GOES, Ronald de. Manual Prático de Arquitetura Hospitalar. Ed. Edgard Blücher, São Paulo,
2004.
ANVISA. Resolução – RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002.
CARVALHO, Antonio Pedro A. Arquitetura de Unidades Hospitalares. Coimbra: Quarteto
Editora, 2000.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
UFBA. Arquitetura de Unidades Hospitalares – Faculdade de arquitetura
PREFEITURA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO, Secretaria Municipal de Urbanismo –
Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos. Manual para Elaboração de Projetos de
EDIFÍCIOS DE SAÚDE na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Projeto de Restauro e Conservação


Carga horária Total: 80h
Período: 9º

EMENTA:
Metodologia de estudo para o bem arquitetônico. Pesquisa histórica. Inventário e
documentação. Levantamento arquitetônico e cadastro. Mapeamento de danos. Análise,
diagnóstico e terapia dos danos. Revitalização do bem arquitetônico. Processo de projeto de
conservação e restauração.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Levantamento dimensional: técnicas, aulas práticas. Estado de
conservação: levantamento e mapeamento dos danos.
UNIDADE 2: Análise patológica dos danos: prováveis causas, diagnóstico e indicação de
terapia.
UNIDADE 3: Projeto de intervenção. Elaboração de um programa de uso compatível
com o bem. Elaboração de trabalho prático visando o novo uso do imóvel.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BRANDI, Cesare. Teoria da Restauração. Cotia: Ateliê Editorial, 2004.
COELHO, Olíneo. Do Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro.
LEMOS, Carlos. O que é Patrimônio Cultural? São Paulo: Brasiliense, col. Primeiros
Passos.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
GUIMARAENS, Cêça. Paradoxos Entrelaçados: as Torres para o Futuro e a Tradição
Nacional. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.
ABREU, Maurício. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO, 1997
______. Sobre a Memória das Cidades In: Território/LAGET, UFRJ – ano III, nº 4 (jan./jun.
1998). Rio de Janeiro: Garamond, 1998.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Como Recuperar, Reformar ou Construir seu Imóvel no Corredor Cultural. Rio de Janeiro:
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/Rio Arte/IPP, 2002.

Disciplina: Segurança da Construção


Carga horária Total: 40h
Período: 9º

EMENTA:
Segurança e saúde ocupacional no Brasil. Os acidentes de trabalho. Organização
dos serviços especializados. Estudo dos aspectos inerentes a Norma Regulamentadora 18. O
Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Civil -
PCMAT. Aspectos comportamentais de produção e redução dos riscos em obras de
Construção. Programas de Segurança. Aspectos relativos à segurança e ambiente do trabalho
a serem considerados nos projetos e obras.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Organização do trabalho: conceitos básicos de trabalho, qualidade de
vida, padrões e condições de trabalho.
UNIDADE 2: Segurança do trabalho: riscos - conceituação e determinação, acidentes de
trabalho, saúde ocupacional, normas regulamentadoras.
UNIDADE 3: Programas de redução de riscos na construção.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
Segurança e Medicina do Trabalho. Manuais de Legislação Atlas. São Paulo: Pini.
COSTA, Marco Antônio F da, COSTA, Maria de Fátima Barroso da Segurança e Saúde no
trabalho: Cidadania, Competitividade e Produtividade. São Paulo: Quality Mark. 2005.
ROUSSELET, Edison da Silva, FALCÃO, César. A Segurança na Obra. Rio de Janeiro:
Interciência, 1999.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MORAES, Mônica Maria Lauzid de. O Direito à Saúde e Segurança no Meio Ambiente do
Trabalho. 1.ed. São Paulo: FTR Editora, 2002.
FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE MEDICINA E SEGURANÇA DO
TRABALHO - FUNDACENTRO. Normas Regulamentadoras da Secretaria de Segurança e
Saúde no Trabalho. Legislação. Brasília: 2000.
TOMAZ, Ercio. Tecnologia, Gerenciamento e Qualidade na Construção. Rio de Janeiro:
Interciência, 1999.

Disciplina: Seminário de Projeto


Carga horária Total: 40h
Período: 9º

EMENTA:
Fundamentação da pesquisa para o desenvolvimento do Trabalho Final de
Graduação. Planejamento do Trabalho. Levantamento de dados. Elaboração do plano
de trabalho.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Aulas expositivas sobre o(s) conjunto(s) dos temas em desenvolvimento
pelos alunos. Apresentação de trabalhos por profissionais da área de
atuação com experiências nas áreas consignadas acima.
UNIDADE 2: Apresentação de TFGs recentemente desenvolvidos na Instituição ou em
outras instituições de ensino superior, por indicação dos professores
responsáveis pela disciplina. Organização de discussões temáticas.
UNIDADE 3: Métodos e paradigmas de projeto e planejamento em Arquitetura e
Urbanismo. Teoria e crítica contemporânea da Arquitetura e do
Urbanismo. Processo de representação e construção em Arquitetura e
Urbanismo
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Todos os elementos constituintes do trabalho final de curso devem estar


claramente elucidados e seus objetivos – projetuais, histórico - críticos ou
técnicos – plenamente viabilizados.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MEIRA, Maria Elisa. A Educação do Arquiteto e Urbanista, Rio de Janeiro, 2001.
SERRA, Geraldo G. Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo. São Paulo. Edusp: Mandarim,
2006.
ASBEA. Manual de Contratação de Serviços de Arquitetura. Editora PINI

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
DEMO, Pedro. Pesquisa e Construção do Conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,
1994.
UFF. Apresentação de Trabalhos Monográficos de Conclusão de Curso. 5. ed. Niterói:
EdUFF, 2001.
MEC. Proposta de Diretrizes Curriculares para o Ensino de Graduação em Arquitetura e
Urbanismo. Brasília: 1999.

Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC


Carga horária Total: 360h
Período: 10º

EMENTA:
Elaboração de projeto com tema livre. Pesquisa, análise e proposta,
abrangendo a totalidade de conhecimentos adquiridos ao longo do curso.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Os conteúdos a serem desenvolvidos pelos alunos devem incorporar dentro da temática
escolhida para o TFG, ao menos um dos seguintes pontos programáticos. • Paradigmas da
prática e da produção em Arquitetura e Urbanismo. • História e crítica em Arquitetura e
Urbanismo – dimensões Tectônicas e de linguagem. • Novas tecnologias em Arquitetura e
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Urbanismo. • Arquitetura e Urbanismo – natureza prospectiva, especulativa e alternativa. • As


novas demandas sociais, econômicas e industriais em Arquitetura e Urbanismo

BIBLIOGRAFIA
Todas as bibliografias utilizadas no decorrer do curso de graduação, e mais outras, de
interesse específico sobre os temas de trabalho dos alunos, a serem definidos pelo orientador.

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Articula a formação prática de todo o trabalho pedagógico. É um processo


dinâmico de aprendizagem, devendo o aluno atuar em situações reais para que possa conhecer
compreender e aplicar os conhecimentos adquiridos, ao longo do processo acadêmico, com
competência e habilidade.

TÓPICOS EM ARQUITETURA

Disciplina: Arquitetura de Interiores


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
O processo de criação de espaços interiores. Relações e inter-relacionamento entre
espaços. Humanização dos ambientes. Cores e texturas. Materiais de acabamento. Elementos
de composição espacial. Distribuição de mobiliário e equipamentos. Projetos de interiores:
análise crítica.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Revisão dos conceitos básicos de ergonomia. Noções de organização e
planejamento dos espaços.
UNIDADE 2: Materiais de acabamento; mobiliário; equipamentos; cores.
UNIDADE 3: Condições ambientais: ventilação, exaustão, iluminação, ruído.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Composição espacial; conceituação e criação de espaços. Planejamento dos


espaços

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
BORGES, Alberto de Campos. Prática das Pequenas Construções. São Paulo: Edgard
Blücher
COSTA, Antônio. Detalhando a Arquitetura. 1997, v. I, II, III, IV e V.
MANCUSO, Clarice. Arquitetura de Interiores e Decoração; A arte de Viver Bem. Porto
Alegre: Sulina, 2002.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CHING, Francis. Arquitetura de Interiores Ilustrada. 2006.
QUARAMBI, Arthur. Materiais Plasticos y Arquitectura Experimental. Barcelona: Gustavo
Gili, 1976.
MONTENEGRO, Gildo A. A Invenção do Projeto. São Paulo: Edgard Blücher, 1987.

Disciplina: Arquitetura do Rio de Janeiro


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
O Estado do Rio de Janeiro: formação das cidades. O período colonial: a evolução
das cidades, os períodos monárquicos e republicanos. Os ciclos da cana, do ouro e do café.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Século XVI - O surgimento dos primeiros núcleos urbanos, as primeiras
vilas e cidades.
UNIDADE 2: Século XVII - O Vice Reinado, os ciclos da cana o do ouro e suas
influências na evolução dos assentamentos urbanos.
UNIDADE 3: Século XIX (primeira metade)- A vinda da corte portuguesa, a abertura
dos portos, a Missão Francesa. A independência. O ciclo do café e as
fazendas do interior do estado. O neoclássico.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: As inovações tecnológicas (estrada de ferro, industrialização) e o reflexo


na vida urbana e rural. A abolição da escravatura e suas conseqüências.
A república.
UNIDADE 5: O crescimento urbano (Pereira Passos no Rio). A crise do café e declínio
das fazendas e de cidades. O ecletismo.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FABRIS, Annateresa (org.). Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: EDUSP, 1987.
LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
BITTAR, W. VERÍSSIMO, F. 500 Anos de Casa no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
LEMOS, Carlos. O que é Patrimônio Cultural? São Paulo: Brasiliense, 1985.
LEMOS, Carlos. O que é Arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 1981.
MUNFORD, Lewis. A Cidade na História: Suas Origens, suas Transformações, suas
Perspectivas. Belo Horizonte: Itatiaia, 1998

Disciplina: Arquitetura Latino-Americana


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Civilizações pré-colombianas. A ocupação espanhola e portuguesa. A América
colonial. Formação dos núcleos urbanos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Arquitetura Hispano-americana dos séculos XVI, XVII e XVIII:
arquitetura pré-colombiana, arquitetura vice-reino - civil e religiosa, as
missões jesuíticas do Paraguai.
UNIDADE 2: Arquitetura Lusa- brasileira dos séculos XVI, XVII e XVIII: as habitações
indígenas, a implantação dos lotes urbanos e rurais, a arquitetura
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

jesuítica, arquitetura religiosa colonial no NE, MG e RJ, a arquitetura


civil vice-reino.
UNIDADE 3: Arquitetura Modernista latino americana: século XX: o caso do
Neocolonial nas Américas Central e do Sul

BIBLIOGRAFIA: BÁDICA
SEGRE, Roberto. América Latina: Raízes e Perspectos de sua Arquitetura. São Paulo:
Nobel, 1991.
BURY, J. Arquitetura e Arte no Brasil Colonial. São Paulo: Nobel, 1991.
BAYON, Damián, GASPARIN, Paollo. Panorâmica de La Arquitectura Latino Americana.
Barcelona: Editorial Blume, 1977.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
Bazin, Germaine. Arte na América Latina. São Paulo: Cosas & Naefy, 1997.
Bazin, Germaine. Arquitetura Religiosa Barroca no Brasil. São Paulo: Nobel, 1981.
BUSCHIAZZO, Mário. Historia de La Arquitectura Colonial en Ibero America. Buenos
Aires: Emecé Editores, 1971.

Disciplina: Avaliação Pós-Ocupação (APO)


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
O significado da APO, Métodos e Técnicas de Aplicação. A experiência americana
e européia: estudos de caso. A experiência nacional na habitação, escolas e edifícios de
escritórios. Técnicas de medidas psico, física, sócio econômicas, de tabulação e análise.
Modelos teóricos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução. O conceito de APO. Ambientes construídos em uso e a
necessidade de avaliação e desempenho. APO como controle de qualidade
do ambiente construído.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 2: Breve cronologia das pesquisas em ambiente e comportamento e da


aplicação da APO. Cronologia histórica das atividades internacionais.
Tendências da APO no Brasil.
UNIDADE 3: Técnicas de APO. Níveis de serviços de avaliação. Variáveis do ambiente
construído a serem consideradas em uma APO.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ORNSTEIN, Sheila com a colaboração de Marcelo Romero. Avaliação Pós-Ocupação do
Ambiente Construído. São Paulo: Studio Nobel, Editora da USP, 1992. ABIKO, A K. e
ORNSTEIN, S. W. (eds.). Inserção urbana e Avaliação Pós-Ocupação (apo) da habitação de
interesse social. São Paulo: Coletânea Habitare, Vol. 1, 2002.
CASTRO, J. e LACERDA, L. APO. Avaliação Pós-Ocupação. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ROMERO, Marcelo de Andrade; ORNSTEIN, Sheila Walbe. (coordenadores/ editores).
Avaliação Pós-Ocupação. Métodos e Técnicas Aplicados à Habitação Social. São Paulo:
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Associação Nacional
de Tecnologia do Ambiente Construído; Financiadora de Estudos e Projetos, 2003.
SAMPAIO, Ana Virgínia Carvalhaes de Faria. Arquitetura Hospitalar: Projetos
Ambientalmente Sustentáveis, Conforto e Qualidade: Proposta de um Estudo de Avaliação.
(Tese de Doutorado). São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de
São Paulo, 402p. , 2006.
ORNSTEIN, Sheila; Bruna, Gilda & Romero, Marcelo. Ambiente Construído &
Comportamento: A Avaliação Pós-Ocupação e A Qualidade Ambiental. São Paulo Studio
Nobel, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Fundação para a Pesquisa Ambiental,
1995.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Planejamento do Canteiro de Obras


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Implantação e projetos das diferentes atividades do canteiro de obras.
Coordenação e reconhecimento do local. Arranjo Físico. Projeto de Canteiro. Instalações
Provisórias. Segurança. Operação.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Introdução. Planejamento para Execução da Obra – Organização do
Trabalho. Definição do Processo de Construção.
UNIDADE 2: Princípios Básicos para o Arranjo do Canteiro de Obras – Técnicas Usuais
e Técnicas Modernas.
UNIDADE 3: O Arranjo do Canteiro de Obras – Modelos Formais: Modelo do Produto
e Modelos do Processo.
UNIDADE 4: Arranjo Geral - Arranjo nas Frentes de Serviço – Arranjo Específico –
Produção-Arranjo.
UNIDADE 5: Transporte Interno: Técnicas Usuais e Tipos de Equipamentos.
UNIDADE 6: Estações de Produção: Central de Concreto, Central de Corte e Dobra,
Central de Formas, Central de Pré-Moldados.
UNIDADE 7: Instalações Provisórias e de Apoio: Escritório da Obra, Almoxarifado,
Refeitórios-Cozinha, Alojamentos, Sanitários, Lazer, Escola e
Ambulatório. Instalações tipo Containers.
UNIDADE 8: Segurança do Trabalho e Qualidade de Vida no Canteiro de Obras.
UNIDADE 9: A NR-18 – Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da
Construção Civil

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CIMINO, Remo. Planejar para Construir. São Paulo: Pini, 1987.
ABNT. Áreas de Vivência em Canteiro de Obras – NB 1367. Rio de Janeiro. 1999
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

DE SOUZA, Ubiraci, E. Lemes. Projeto e Implantação do Canteiro. 3ª ed. Ed. Nome da Rosa.
2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
LIMMER, Carl V. - Planejamento, Orçamentação e Controle de Projetos e Obras. Rio de
Janeiro:LCT – Livros Técnicos e Científicos Editora S A .1977.225p.
FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE MEDICINA E SEGURANÇA DO
TRABALHO - FUNDACENTRO, Histórico Sobre a Alteração da Nova NR 18 – Condições e
Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção. 1998. 115p.
ROUSSELET, Edison da Silva. A Segurança na Obra: Manual Técnico de Segurança do
Trabalho em Edificações Prediais. Rio de Janeiro: SICOMRJ/SENAI – DN/CBIC. 2002.

Disciplina: Evolução Urbana do Rio de Janeiro


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Origens do espaço urbano e evolução do Rio de Janeiro. Planos urbanísticos.
Transformações sociais e econômicas e suas influências na estrutura urbana. A questão
fundiária e o desenvolvimento urbano.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Legislação Urbanística: ordenamento, níveis de planejamento: planos
regionais e municipais de ordenamento do território, plano diretor
municipal, plano de urbanização, planos especiais de ordenamento do
território. Plano Diretor: análise das principais condicionantes.
UNIDADE 2: Instrumentos de Política Urbanística: classificação do uso do solo;
instrumentos, a posse do solo pela Administração Pública e pelos
Privados. Instrumentos de Intervenção Urbana.
UNIDADE 3: Estatuto da Cidade: Legislação. Operações Interligadas, Transferência de
Potencial construtivo.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Licenciamento e Política Urbanística. Lei de Uso e Ocupação do Solo, Lei


de Parcelamento do Solo, Código de Edificações e Código de Meio
Ambiente

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ABREU, Maurício de. A Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLAN - Rio/
Zahar, 1988.
SANTOS, Paulo. Formação das Cidades no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ,
2001.
DÉAK, Csaba & SCHIFFER, Sueli Ramos (orgs.). O Processo de Urbanização no Brasil. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
LEME, Maria Cristina da Silva (coordenadora). Urbanismo no Brasil 1895-1965. São Paulo:
Studio Nobel - FAUUSP - FUPAM, 1999
BENÉVOLO, Leonardo. As Origens da Urbanística Moderna. Lisboa: Editorial Presença.
1981
CAMPOS, Maristela Chicharro de. Riscando o Solo: O Primeiro Plano de Edificação para a
Vila Real da Praia Grande. Niterói: Niterói Livros, 1998.

Disciplina: Política e Legislação Urbanística


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Legislação Urbanística, Instrumentos de Política Urbanística, Estatuto da Cidade,
Licenciamento e Política Urbanística

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Legislação Urbanística: ordenamento, níveis de planejamento: planos
regionais e municipais de ordenamento do território, plano diretor
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

municipal, plano de urbanização, planos especiais de ordenamento do


território. Plano Diretor: análise das principais condicionantes.
UNIDADE 2: Instrumentos de Política Urbanística: classificação do uso do solo;
instrumentos, a posse do solo pela Administração Pública e pelos
Privados. Instrumentos de Intervenção Urbana.
UNIDADE 3: Estatuto da Cidade: Legislação. Operações Interligadas, Transferência de
Potencial construtivo.
UNIDADE 4: Licenciamento e Política Urbanística. Lei de Uso e Ocupação do Solo, Lei
de Parcelamento do Solo, Código de Edificações e Código de Meio
Ambiente

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
VARGAS, Vargas, COMIN, Heliana, CASTILHO, Ana Luisa Howard de. Intervenções em
Centros Urbanos - Objetivos Estratégia e Resultados. 2ª Ed. Revisada e Ampliada, São Paulo: Manole, 2000.
BRASIL. Estatuto da Cidade. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os artigos
182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras
providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 11 jul. 2001.

BRASIL. Lei Federal de Parcelamento do Solo. Lei n° 6.766, de 19 de dezembro de 1979.


Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. Diário Oficial da
República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 20 dez. 1979.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
NITERÓI Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente. Plano Diretor de Niterói. Niterói:
Typeset, Editora
ROCCO, Rogério. Legislação Brasileira do Meio Ambiente. Rio de Janeiro: DpeA
VILLAÇA, Flávio. Espaço Intra-Urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/FAPESP/LILP,
2001.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

Disciplina: Eficiência Energética


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Arquitetura e Energia. Combate ao desperdício energético na Arquitetura:
conceitos e justificativas. Variáveis climáticas e arquitetônicas. Bioclimatologia. O uso
racional da energia

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Breve histórico. A Crise de Energia e a Arquitetura Contemporânea.
UNIDADE 2: Conforto Ambiental: variáveis climáticas, humanas e arquitetônicas. A
influência da forma, matérias de construção, lâmpadas e luminárias.
Exemplos com exercícios.
UNIDADE 3: Controle Ambiental das edificações. Técnicas para diminuir o consumo de
energia

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
FROTA, Anésia Barros & SCHIFFER, Sueli Ramos. Manual de Conforto Térmico. São
Paulo: Nobel, 2000.
LAMBERTS, Roberto & DUTRA, Luciano. Caderno de Encargos para Eficiência em Prédios
Públicos. Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio de Janeiro, 2003.
MASCARÓ, L.R. Energia na Edificação – Estratégias para Minimizar seu Consumo. São
Paulo: Ed. Projeto, 1991.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
JANNUZZI, G.M. Políticas Públicas para Eficiência Energética e Energia Renovável no
Novo Contexto de Mercado. Campinas: FAPESP/Editora Autores Associados, 2000.
Kozloff, K.R., Cowart, G.M. Jannuzzi, & O. Mielnik. 2001. Energia: Recomendações para
uma Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício. Energy Techonology Unnovation
Project, USAID Brasil.
COSTA, Enio. Física Aplicada a Construção - Conforto Térmico. São Paulo: Ed. Edgard
Blucher, 1991.

Disciplina: Concepção Estrutural


Carga horária Total: 40h
EMENTA:
Projeto estrutural a partir de projeto arquitetônico. Plantas de formas e plantas de
armadura. Detalhamento de peças estruturais.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Análise da construção, análise da estrutura, articulações metálicas, apoios
de materiais elásticos.
UNIDADE 2: Princípios gerais de projeto estrutural: peças estruturais, pisos, síntese
estrutural, síntese de projeto. Organização do projeto: identificação das
construções, identificação das peças estruturais, memória de cálculo.
UNIDADE 3: Caixa d’água: enterrada, suspensa – conceito e cálculo. Muro de arrimo
de peso ou de concreto armado: conceito, cálculo, formas e armadura.
UNIDADE 4: Laje pré-moldada: conceito e dimensionamento. Fundações rasas (cálculo
de sapatas) NBR 6122.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
Associação de Normas Técnicas. Projeto e Execução de obras em Concreto Armado. NBR
6118. Rio de Janeiro.
SUSSEKIND, José Carlos. Curso de Concreto. Rio de Janeiro:Editora Globo, 1998.
SANTOS, Lauro Modesto. Cálculo de Concreto Armado. Editora LMS. Vol. 1,2.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
SOUZA, Vicente Custódio. Concreto Armado e Lajes. Niterói: EDUFF , 1980.
Associação de Normas Técnicas. Cargas para o Cálculo de Estruturas de Edificações. NBR
6120/80 -. Rio de Janeiro
EONHARDTL F. MOENNING E. - Construções de Concreto. São Paulo: Editora
Interciência, vol. 1,3, 1998.

Disciplina: Sistemas de Coberturas


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Equilíbrio e resistência, esforços simples, de tração, flexão e torção. Esforços
combinados. Estruturas isostáticas e hiperestáticas. Transmissão de cargas e esforços internos.
Coberturas: Nomenclatura dos telhados. Materiais de cobertura, declividades e estruturas
usuais. Fechamentos de telhados. Telhados especiais e arremates. Coberturas para grandes
vãos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Avaliação de esforços internos nos elementos componentes dos sistemas
reticulados e dimensionamento dos mesmos em aço e madeira.
UNIDADE 2: Tipos e sistemas de cobertura, telhas e dimensões usuais. Fechamento de
telhados por curva de nível e coberturas para grandes vãos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
REBELLO, Yopanan C. P. A concepção Estrutural e a Arquitetura. São Paulo: Zigurate
Editora, 2001.
NEUFERT, Ernst. Arte de Projetar em Arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili. 2002
ENGEL, Heinrich. Sistemas de Estructuras. Barcelona: Blume Ediciones, 1978.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MOLITERNO, Antonio . Caderno de Projetos de Telhado em Estruturas de Madeira. São
Paulo: Editora Edgard Blucher, 2000.
PFEIL, Walter, PFEIL, Michéle. Estruturas de Madeira. Rio de Janeiro: LTC-Livros
Técnicos e Científicos, 2003.
SIEGEL, Curt. Formas Estructurales en la Arquitetura Moderna. Barcelona: Gustavo Gili.
2002.

Disciplina: Luminotécnica Básica


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Histórico da Iluminação Artificial. A natureza da luz e suas formas de propagação.
Fotometria. Necessidades básicas e relação níveis de iluminação-atividade. Eficiência de
lâmpadas e luminárias. Normas ABNT. Cálculo do fluxo luminoso. Iluminação e consumo de
energia.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Ótica: Histórico da Iluminação no Brasil e no Mundo; Meio de
Propagação da luz artificial; Temperatura de Cores; Fotometria.
UNIDADE 2: Conceito de Luminotécnica; Temperatura de cor correlata e índice de
reprodução de cor.
UNIDADE 3: Características principais das lâmpadas. Rendimento das cores. Tipos
de lâmpadas e tipos de luminárias.
UNIDADE 4: Cálculo do fluxo luminoso e eficiência dos recintos e das luminárias.
Cálculo de iluminação.
UNIDADE 5: Normas e Legislações. Tipos de projetos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CREDER, Helio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2000.
PEDROSA, Israel. Da Cor a Cor Inexistente. Rio de Janeiro: Leo Cristiano. 2003.
NISKIER, Júlio, MACINTYRE, A. J. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 1996.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CHAVES, Robert. O Eletricista é Você. São Paulo: Ed. de Ouro, l987.
HAMILTON F. Eletricidade Básica para Teatro. Rio de Janeiro: MEC/Inacen, 1973.
BENTHAM, Frederick. The Art of Stage Lighting. London: Pitman Pub, 1976.

Disciplina: Arquitetura dos Espaços Culturais


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
A multiplicidade de usos dos museus/ centros cultuais atuais. O grande número de
construções da década de 70. Os desafios atuais e futuros de museus e centros culturais.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: A história o os conceitos fundamentais que norteiam a origem dos
museus.
UNIDADE 2: A arquitetura de museus: os primeiros edifícios transformados e os
primeiros projetados para abrigar coleções.
UNIDADE 3: Processo de criação de um museu/ espaço cultural: recorte
arquitetônico característico.
UNIDADE 4: Propostas para um projeto de museu/ espaço cultural.
Desenvolvimento de programa específico e indicação de partido.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte como História da Cidade. São Paulo: Martins
Fontes, 1998.
MONTANER, J. M. Museus para o Século XXI. Madrid: Gustavo Gilli, 1995.
BAUMAN, Z. O Mal-estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
ARANTES, Otília Beatriz Fiori. O Lugar da Arquitetura – Depois dos Modernos. São Paulo:
EDUSP, 1995.
PRENAFETA, Beato. DIAS, Jamil. PIEDADE, Milton. Iluminação Cênica – Fragmentos da
História. São Paulo: Abric, 2005.
CRUCIANI, Fabrizio. Arquitectura teatral. México: Gaceta, 1994.

Disciplina: Arquitetura Teatral


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Formas da arquitetura teatral e sua relação com a cidade através de perspectiva
histórica. Materiais para ambientação cênica e produção de cenários.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Configuração dos Espaços Cênicos
UNIDADE 2: História da Arquitetura Teatral.
UNIDADE 3: Modalidades da representação Cenográfica
UNIDADE 4: Arquitetura e Cenografia no século XX.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
RATTO, Gianni. Antitratado de Cenografia. Variações Sobre o Mesmo Tema. São Paulo:
SENAC, 1999.
PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.
SERRONI, J.C. (Org.). Oficina Arquitetura Cênica. Projeto Resgate e Desenvolvimento de
Técnicas Cênicas. Rio de Janeiro: IBAC/CTAC, 1993.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
CRUCIANI, Fabrizio. Arquitectura teatral. México: Gaceta, 1994.
ALCANTARA, Denise de. O Lugar do Teatro- O Espaço do Teatro. Arquitetura Teatral: na
Composição do Desenho Urbano e na Prática do Espetáculo. São Paulo: Biblioteca FAU-
USP, 2002.
PRENAFETA, Beato. DIAS, Jamil. PIEDADE, Milton. Iluminação Cênica – Fragmentos da
História. São Paulo: Abric, 2005.

Disciplina: Interiores Comerciais


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
O design e sua evolução: desenho industrial. Introdução à Programação visual e
formas de apresentação de projetos. A aplicação do design na arquitetura de interiores.
Técnicas de representação e detalhamento de mobiliário comercial.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Analise do espaço comercial sob o ponto de vista da arquitetura de
interiores e do Marketing da empresa e do Produto. Tendências atuais e
futuras.
UNIDADE 2: Técnicas de apresentação. Conhecimento básico dos meios de expressão e
representação gráfica de projetos com programação visual.
UNIDADE 3: Luminotécnica. Planta executiva de Teto. Conceitos atuais, tipos de
lâmpadas, luminárias e efeitos. Tendências atuais.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

UNIDADE 4: Iniciação ao desenho industrial. História do design e do Design de


Mobiliário. Técnicas de detalhamento de interiores, mobiliários e
equipamentos comerciais. Tipos de Materiais empregados. Detalhamento
de Marcenaria.
UNIDADE 5: Mobiliário na Composição de Interiores.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
MANCUSO, Clarice. Arquitetura de Interiores e Decoração. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2004.
GURGEL, Miriam. Projetando Espaços – Guia de Arquitetura de Interiores para Áreas
Residenciais. São Paulo: Ed. SENAC, 2005.
MUNARI, Bruno. Design e Comunicação Visual. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora,
2001.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
MOSTAEDI, Arian. Tiendas com Estilo – Shop Design. Barcelona: Instituto Monsa de
Ediciones S.A., s.d.
NIESEWAND, Nonie. Detalles de Interiores Contemporáneos. Barcelona: Editorial Gustavo
Gili, SL, 2007.
SPARKE, Penny et. alli. Design Source Book. LONDON: QED Publishing Ltd., 1986.
Interiores Minimalistas. Barcelona: Loft Publications S.L., 2000.

Disciplina: Técnicas de Apresentação de Projetos


Carga horária Total: 40h

EMENTA:
Noções de comunicação visual na apresentação e representação do projeto.
Diagramação e ordenação do suporte físico e virtu0al. Uso da cor. Ferramentas básicas
computacionais de apoio a comunicação visual. Noções de fotografia digital.
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE 1: Princípios Visuais da composição.
UNIDADE 2: Introdução a ferramentas e conceitos técnicos.
UNIDADE 3: Linguagem gráfica da arquitetura do século XX.
UNIDADE 4: Apoio e consolidação do aprendizado.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
WILLIAMS, Robin. Design para Quem não é Designer - Noções Básicas de Planejamento
Visual. São Paulo: Callis Editora, 2 a. Ed, 1995.
DONDIS, Donis A. Sintaxe da Linguagem Visual. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
HURLBURT, Allen. Layout: O Design da Página Impressa. São Paulo: Nobel, 2003.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ELAM, Kimberley. Grid Systems. New York: Princeton Architectural Press, 2004.
WILLBERG, Hans Peter e FORSSMAN, Friedrich. Primeiros Socorros em Tipografia. São
Paulo: Rosari, 2007.
LEGGITT, Jim. Desenho de Arquitetura: Técnicas e Atalhos que Usam Tecnologia. São
Paulo: Bookman, 2004.
ELAM, Kimberley. Geometry of Design. New York: Princeton Architectural Press, 2001.
FRASER, Tom e BANKS, Adam. Guia Completo da Cor. São Paulo: SENA

Disciplina: Fundamentos do Ensino de Libras (optativa)


Carga Horária: 40h
EMENTA

Surdez e Bilingüismo. Introdução à Língua Brasileira de Sinais. Universo


lingüístico da língua de sinais, LIBRAS, a ser utilizado como um veículo de comunicação
com os surdos. A importância da mesma para o processo de desenvolvimento cognitivo que
oportunizará aprendizagem e Inclusão Social, autonomia e produtividade. Relação da pessoa
surda na família, na escola e na comunidade. Surdez e trabalho: qualificação e inserção
profissional
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE 1: Libras – Língua Brasileira de Sinais
Breve histórico da Educação de surdos no Brasil
O que é Libras?
A sua importância?
Lei oficialmente reconhecida
UNIDADE 2: Estrutura lingüística da Língua de Sinais
Diferença entre gestos e LIBRAS
Os cinco parâmetros existentes na LIBRAS
Datilologia / soletração
Estrutura gramática da Língua Brasileira de Sinais
Língua Portuguesa ou LIBRAS ?
UNIDADE 3: Contexto em Libras
Dias da semana / meses do ano
Família
Cores
Animais
Alimentos / frutas
UNIDADE 4: Continuação do Contexto em Libras
Verbos
Meios de transportes
Meios de comunicação
Vestuários / acessórios
Casa e cômodos
CENTRO UNIVERSITÁRIO PLÍNIO LEITE
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
EMENTAS E PROGRAMAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
CAPOVILLA , RAPHAEL, W. D. (no prelo h). Sinais da Libras e o universo da Educação.
In: F. C. Capovilla (Org.). Enciclopédia da Língua de Sinais Brasileira: O Mundo do Surdo
em Libras. (Vol. 1, de 19 volumes, 340 pp.). São Paulo, SP: Edusp, Vitae, Brasil Telecom,
Feneis.
FELIPE, Tanya. LIBRAS em Contexto - Curso Básico - Livro do Professor.
MEC/SEESP/FNDE 2ª Edição Revisada. (385 páginas) Kit: Livro e Fitas de Vídeo: Volumes
I e II.
KOJIMA, Catarina Kiguti. (org) LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais: A Imagem do
Pensamento. Volume I, Editora Escala - São Paulo- 2008

BIBLIOGAFIA COMPLEMENTAR:
AGNE, J. & QUADROS, R. M. de. Alfabetização: o contexto da pessoa surda. Revista de
Ensino Especial, MEC, UNESCO. (no prelo).
BARBOZA, H. H. e MELLO, A.C.P. T. O surdo, este desconhecido. Rio de Janeiro, Folha
Carioca, 1997.
BOTELHO, P. Segredos e Silêncios na Educação dos Surdos. Editora Autentica, Minas
Gerais, 7-12, 1998.
CARVALHO, R. E. A nova LDB e a educação especial. Rio de Janeiro, WVA, 1997.
SKLIAR, Carlos ( Org.) Atualidade da Educação Bilíngüe para Surdos – Interfaces entre
Pedagogia e Lingüística – Editora Mediação – Porto Alegre – Volume I e II