Você está na página 1de 28

CINEMÁTICA DA

PARTÍCULA 2
MOVIMENTO BI E
TRIDIMENSIONAL
POSIÇÃO
VETOR POSIÇÃO
𝒓 = 𝒙 𝒊 + 𝒚𝒋 + 𝒛 𝒌

Exemplo 1:
Determinar o vetor posição da Figura ao lado.

3
DESLOCAMENTO
DESLOCAMENTO

∆𝒓 = 𝒓𝟐 − 𝒓𝟏

∆𝒓 = (𝒙𝟐 − 𝒙𝟏 )𝒊 + (𝒚𝟐 − 𝒚𝟏 )𝒋 + (𝒛𝟐 − 𝒛𝟏 )𝒌

∆𝒓 = ∆𝒙𝒊 + ∆𝒚𝒋 + ∆𝒛𝒌

4
EXEMPLO 2
O vetor posição de uma dada partícula é inicialmente
𝑟1 = −3,0𝑚 𝑖 + 2,0 𝑚 𝑗 + (5,0 𝑚)𝑘
E depois passa a ser
𝑟2 = 9,0𝑚 𝑖 + 2,0 𝑚 𝑗 + (8,0 𝑚)𝑘

Qual o deslocamento Δ𝑟 da partícula de 𝑟1 até 𝑟2 ?

5
EXEMPLO 3
Um coelho atravessa correndo um estacionamento
sobre o qual havia sido desenhado, por mais
estranho que possa parecer, um conjunto de eixos
coordenados. As coordenadas da posição do coelho
em função do tempo t são dadas por:
𝑥 = −0,31𝑡2 + 7,2 𝑡 + 28
e 𝑦 = 0,22 𝑡2 − 9,1 𝑡 + 30
com t em segundos e x e y em metros.
(a) Em t=15 s, qual é o vetor posição 𝑟 do coelho
na notação de vetor unitário e (b) como um módulo
e um ângulo?
(Halliday, 2012)
6
VELOCIDADE VELOCIDADE INSTANTÂNEA
Δ𝑟 𝑑 𝑟
VELOCIDADE MÉDIA 𝑣 = lim =
∆𝑡→0 Δ𝑡 𝑑𝑡
Δ𝑟 𝑟2 − 𝑟1
𝑣𝑚é𝑑 = =
Δ𝑡 𝑡2 − 𝑡1

VELOCIDADE ESCALAR
MÉDIA
VELOCIDADE ESCALAR 𝑣 =𝑣= 𝑣𝑥2 + 𝑣𝑦2 + 𝑣𝑧2
𝑑𝑖𝑠𝑡â𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 INSTANTÂNEA
𝑠𝑚é𝑑 = Módulo da velocidade
Δ𝑡

Unidade de Medida do SI para a velocidade é m/s.


Movimento Bidimensional
7
ACELERAÇÃO MÉDIA E
ACELERAÇÃO INSTANTÂNEA
ACELERAÇÃO MÉDIA
Δ𝑣 𝑣2 − 𝑣1
𝑎𝑚é𝑑 = =
Δ𝑡 𝑡2 − 𝑡1
𝑑𝑣𝑥 𝑑𝑣𝑦 𝑑𝑣𝑧
𝑎= 𝑖+ 𝑗+ 𝑘
ACELERAÇÃO INSTANTÂNEA 𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑑𝑡
Δ𝑣 𝑑 𝑣 𝑑 2 𝑟
𝑎 = lim = = 2
∆𝑡→0 Δ𝑡 𝑑𝑡 𝑑𝑡

𝑑𝑥 2 𝑑𝑦 2 𝑑𝑧 2
Unidade de Medida do SI para a aceleração é m/s2. 𝑎= 𝑖+ 𝑗+ 𝑘
𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑑𝑡
8
EXEMPLO 4
Continuando a análise do movimento do coelho que
atravessa correndo um estacionamento sobre o qual havia
sido desenhado um conjunto de eixos coordenados. Onde as
coordenadas da posição do coelho em função do tempo t
dadas foram de: 2
𝑥 = −0,31𝑡 + 7,2 𝑡 + 28
𝑦 = 0,22 𝑡2 − 9,1 𝑡 + 30

com t em segundos e x e y em metros.


(a) Ache a velocidade 𝑣 no tempo t = 15s, na notação de vetor
unitário e como um módulo e um ângulo.
(b) Encontre a aceleração 𝑎 no tempo t = 15s, na notação de
vetor unitário e como um módulo e um ângulo. (Halliday,
9 2012)
COMPONENTES DO VETOR
ACELERAÇÃO

(Sears, 2008)
10
COMPONENTES DO VETOR
ACELERAÇÃO

(Sears, 2008)

11
EXEMPLO 5
Um veículo robótico está explorando a superfície de Marte. O módulo de aterrissagem é a origem do sistema
de coordenadas e a superfície do planeta é o plano xy. O veículo, que será representado por um ponto, possui
𝑚 𝑚
componentes x e y que variam com o tempo de acordo com: 𝑥 = 2,0𝑚 − 0,25 𝑡 2 e 𝑦 = 1,0 𝑡+
𝑠2 𝑠
𝑚
0,025 𝑡 3.
𝑠3

(a) Calcule as coordenadas do veículo e sua distância do módulo de aterrissagem no instante t = 2,0 s.
(b) Calcule o vetor deslocamento e o vetor velocidade média no intervalo de tempo entre t = 0,0 s e t = 2,0 s.
(c) Deduza uma expressão geral para o vetor velocidade instantânea do veículo. Expresse a velocidade
instantânea em t = 2,0 s, usando componentes e também em termos do módulo, direção e sentido.
(d) Calcule as componentes do vetor aceleração média no intervalo entre t = 0,0 s e t = 2,0 s e ache a
aceleração instantânea em t = 2,0 s.
(e) Ache as componentes paralelos e perpendiculares da aceleração em t = 2,0 s.
(Sears, 2008) 12
EXEMPLO 5 (Sears, 2008)

13
MOVIMENTO BALÍSTICO
MOVIMENTO DE PROJÉTEIS
Foto / ilustração: Chris Hill arremessando
um lance livre durante o "BasketBowl", em 2003

(Sears, 2008)

Chafariz no terminal do Aeroporto Metropolitano de Detroit Wayne


County (DTW)

15
Podemos considerar movimento de um projétil como a

RESUMINDO
combinação de um movimento horizontal com velocidade
constante e um movimento vertical com aceleração constante.

(Sears, 2008)

16
EQUAÇÕES PARA O MOVIMENTO DE
PROJÉTEIS

Eixo x – Movimento Uniforme

Eixo y – Movimento Uniformemente


Variado

(Sears, 2008) 17
EXEMPLO 6
Um motociclista maluco se projeta para fora da borda de um penhasco. No ponto
exato da borda, sua velocidade é horizontal e possui módulo igual a 9,0 m/s. Ache a
posição do motociclista, a distância da borda do penhasco e a velocidade depois de
0,50 s.

(Sears, 2008)
18
EXEMPLO 7

Na Figura, um avião de resgate voa a 198 km/h (=55,0 m/s)) mantendo uma elevação constante de
500 m em direção a um ponto exatamente acima de uma vítima de acidente de barco a remo que está
se debatendo na água. O piloto quer soltar uma cápsula de resgate de modo que ela bata na água bem
perto da vítima.
(a) Qual deveria ser o ângulo φ da linha de visada do piloto até a vítima ao fazer o lançamento?
(b) Quanto a cápsula atinge a água, qual é a sua velocidade na notação de vetor unitário e como um
módulo e um ângulo?
(Halliday, 2002)
19
EQUAÇÃO DA TRAJETÓRIA

forma de uma função parabólica

20
EQUAÇÃO DA TRAJETÓRIA

forma de uma função parabólica

21
ALTURA MÁXIMA

22
ALTURA MÁXIMA

23
ALTURA MÁXIMA

24
ALCANCE
O alcance, R, de um projétil é definido como a distância horizontal entre o ponto de
lançamento e o ponto onde o projétil atinge a mesma altura de onde começou, y(R)=y0.
O alcance máximo quando θ = 45°

25
EXEMPLO 8
A Figura ao lado ilustra o vôo de Emanuel Zacchini por
cima de 3 rodas gigantes, com a localização mostrada e cada
uma com 18 m de altura. Zacchini é lançado com a
velocidade inicial de 26,5 m/s, fazendo um ângulo de 53°
para cima a partir da horizontal e com uma altura inicial de
3,0 m acima do chão. A rede na qual ele deve pousar está à
mesma altura.

(a) Ele conseguirá passar por cima sem tocar a primeira roda
gigante?

(b) Se ele atinge a sua altura máxima quando está sobre a


roda-gigante do meio, qual é a sua folga acima dela? (Halliday, 2002)

(c) A que distância o centro da rede deveria estar


posicionado do canhão? 26
MOVIMENTOS REAIS
No que diz respeito ao movimento ideal de projéteis, bolas de praia e de beisebol tem a mesma
trajetória.
Resistência do ar: força de resistência, proporcional a v2
 Leva a curvas balísticas. Exemplo: bolas de beisebol lançadas com 35º e 90 ou 110 mph

27
BIBLIOGRAFIA
HALLIDAY, D. , RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos de Física 1 - Mecânica - 6ª ed., Rio
de Janeiro, LTC, 2002.
HALLIDAY, D. , RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos de Física 1 – Mecânica - 9ª ed. ,
Rio de Janeiro, LTC, 2012.
TIPLER, P.A., Física para cientistas e engenheiros, v.1, 6ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2016.
SEARS, F. W. E ZEMANSKY, M. W., YOUNG, H.D., Física. I, Rio de Janeiro. Livros Técnicos e
Científicos., 12ª ed. 2008.
BAUER, W., WESTFALL, G. D., DIAS, H. Física para Universitários: Mecânica, v.1. São
Paulo: McGrawHill, 2015.

28