Você está na página 1de 2

O GÊNERO PUBLICITÁRIO

O texto publicitário tem o objetivo de anunciar alguma coisa, isto é, fazer com que
uma informação, um produto, um serviço, uma advertência ou uma campanha
tornem-se conhecidos. Ele circula em diversos suportes de comunicação: TV, rádio,
internet, jornal, outdoor, revista, mural etc.

O redator de um texto publicitário pode valer-se da linguagem verbal e/ou não


verbal, além do slogan de campanha. O vocabulário tem de ser simples, conciso
(curto, rápido), pois o texto pretende atingir leitores de classes, faixas etárias e
formações diversas.
Para seduzir, convencer, incentivar, explicar, advertir, comover, intimidar etc., o
texto publicitário, geralmente, privilegia os verbos no Modo Imperativo. As figuras
de linguagem, em especial a metáfora e o trocadilho, também são muito utilizadas.
Por exemplo: FACAS TRAMONTINA – MAIS AFIADAS DO QUE LÍNGUA DE SOGRA.

IMPORTANTE: Nos textos publicitários, as advertências são construídas com cautela


– é preciso, ao mesmo tempo, ser implacável e elegante! Por exemplo: BEBA COM
MODERAÇÃO.

O slogan também faz parte do texto publicitário. Slogan é uma frase de efeito, rápida,
de fácil memorização, que pode resumir características do produto, do serviço ou
até mesmo da pessoa anunciados.

Modificado de: <https://www.plataformaredigir.com.br/Temas/Detalhe/texto-


publicitario---indicacao-8ef---campanha-de-vacinacao_publicidade>

PROPOSTA: Mino, Alana, Gigi e Barrão, após o sucesso do Ciao#3, foram convidados
pela diretora da escola para discutir um importante assunto que afetou bastante a
vida de Mino: o bullying.

Baseado no artigo que Mino leu na revista (p. 59 e 60 de Os Fanzineiros) e da


conversa com seus pais, algumas informações importantes sobre como lidar com
situações de bullying foram apresentadas. Sua missão é ajudar o grupo de
fanzineiros a reunir todas essas pesquisas em um anúncio publicitário claro e
didático, que será espalhado por todos os corredores e espaços da escola. Lembre-
se de que você não venderá um produto, mas uma ideia para informar e
conscientizar as pessoas sobre como identificar o bullying, quais medidas devem ser
tomadas e quais lugares/profissionais podem ser úteis para combatê-lo.
O GÊNERO CONTO DE FICÇÃO CIENTÍFICA

O que é um conto? Conto é um texto narrativo curto com linguagem simples que
acontece em tempo e espaço reduzido. Possui poucos personagens e todas as ações
são características do desfecho.

O que é necessário para escrever um conto?

I. Apresentação (ou introdução): é o início da história a ser narrada, em que o


narrador apresenta os fatos iniciais, personagens, tempo e espaço;

II. Complicação (ou evolução): é a parte do conto onde os conflitos começam a


acontecer. É o momento em que os leitores ficam surpresos com o que poderá
acontecer futuramente;

III. Clímax: é o momento em que tudo pode acontecer, ou seja, o momento “tenso”
da narrativa;

IV. Solução (ou desfecho): é a revelação do que acontecerá no final do conto. Essa
solução pode ser triste, alegre, surpreendente, engraçada e até trágica.

Para facilitar ainda mais a criação do seu conto, você poderá responder as seguintes
perguntas:

▪ A história desenvolvida é sobre o que?


▪ Quem são os personagens?
▪ Como o enredo se desenvolve?
▪ Onde ocorre a trama? (Cenário)
▪ Quando acontece? (Tempo)

Modificado de:
<https://www.futurocientista.net/destaques/evento/arquivos/Escrevendo-um-
conto-de-Ficcao-Cientifica.pdf>

PROPOSTA: a partir da leitura do conto “Uma viagem no tempo”, você pôde ver que
não há um final bem definido. Essa técnica narrativa é muito comum, pois cria uma
atmosfera de mistério e deixa o leitor curioso para saber o que aconteceria depois.

Considerando que há então vários finais imagináveis, sua missão é continuar a


narrar a história, respeitando as características do gênero e o tipo de narrador já
estabelecidos no conto. Você não necessariamente precisa dar um final para o
enredo. Lembre-se apenas de que um conto de ficção científica é um gênero que usa
e abusa de ideias que nem sempre são possíveis no nosso mundo, mas que se tornam
plausíveis no universo narrativo por meio de recursos tecnológicos. O Guia do
Mochileiro das Galáxias é um bom exemplo, já que muitos fatos acontecem e são
explicados dentro do livro pela ciência espacial (um pouco louca, sim!).