Você está na página 1de 4

O CERTO e o ERRADO na Comunicação Corporativa

Por que existem tantos problemas de comunicação nas empresas? Porque somos
diferentes. Cada pessoa tem uma maneira de pensar e agir. Quando você não age de modo
adequado ou não explica bem o que deseja, ocorrem as “incomunicabilidades”. Isso
acontece quando a mensagem promove uma reação diferente daquela que você deseja e aí
a confusão está criada.

Vamos ver quais são o CERTO e o ERRADO na Comunicação Corporativa. A partir


dessas dicas, você vai entender melhor o que ocorre nas relações humanas.

ERRADO – Pressupor. “Mas isso é óbvio!” Pode ser óbvio para você, mas não para o
outro. Achar que a pessoa entendeu tudo ou pensou a mesma coisa que você causa muita
confusão. Por exemplo, “eu achei que você sabia...”, “eu pensei que você tinha feito isso...”.

CERTO - Não imagine, pergunte. Aprenda a checar a informação. Verifique se a


pessoa entendeu o que você falou, se o e-mail realmente chegou e se está tudo claro. Repita
as informações até ter certeza de que a pessoa entendeu.

ERRADO - Dar ordens, exigir, impor ou ameaçar. “Quem manda aqui sou eu!”. Essa
postura cria hostilidades e ressentimentos. A pessoa faz o que você exigiu porque se sentiu
obrigada e ameaçada. Quando você virar as costas, ela vai praguejar e executar o trabalho
com má vontade.

CERTO - Estimule o trabalho cooperativo. Quando for necessário dar uma ordem,
diga a outra pessoa que acredita na capacidade dela em fazer o que você solicitou. O tom de
voz agradável e expressões como “por favor”, “por gentileza”, “você poderia” transmitem
educação e amenizam a exigência.

ERRADO - Dar pitaco na vida alheia. “Ninguém pediu sua opinião!” Meter o nariz
onde não é chamado cria reações negativas. A pessoa que vive aconselhando ou dando
opinião em assuntos que não lhe dizem respeito invade a intimidade do outro e se torna
indiscreta.

CERTO – Fique na sua. Antes de dar uma opinião ou conselho, veja se o outro está
receptivo a sua sugestão. Se ela permitir, você pode ajudar a pessoa com conselhos ou
opiniões, mas sempre respeitando a opinião dela.
ERRADO - Tentar explicar tudo. Essa postura torna você um chato. Se você
interrompe o outro para tentar explicar tudo e dar a sua opinião, você está passando por
cima dos sentimentos e crenças da outra pessoa e tentando impor o que você acha correto.

CERTO – Abra a escuta. Ouça o que a pessoa tem a dizer e respeite o posicionamento
dela. Se discordar, procure fazer isso em forma de sugestões do tipo: “Não seria melhor você
fazer...”, “E se você falasse com ele”?

ERRADO - Questionar, inquirir. Perguntar é necessário, mas será que você não está
exagerando na dose? Perguntar demais, além de chato, gera indiscrição. As pessoas também
podem pensar que você está desconfiado de algo.

CERTO - Pergunte o necessário. Quando for conveniente ou a pessoa der abertura,


você pode tirar mais dúvidas ou aprofundar um assunto. Mas cuide para não ser indiscreto,
principalmente em temas delicados.

ERRADO - Fazer “chacota”. Tem gente que adora ridicularizar os outros, colocar
apelidos e imitar seus defeitos. Tudo isso na frente dos outros que é para se mostrar
divertido e com ar de superioridade. Essas brincadeiras causam sofrimento às pessoas e
afetam a sua autoestima.

CERTO - Torne o clima de sua empresa agradável. Conte piadas, sorria e tenha o seu
momento de descontração. Saiba brincar, mas sem constranger ou ofender o colega. Todos
merecem respeito.

ERRADO - Dar lição de moral. “Só podia ter sido você!” Se o colaborador fez algo
errado, não adianta você ficar dando lição de moral, principalmente na frente dos outros.
Isso constrange as pessoas e elas se sentem ameaçados.

CERTO – Chame a atenção, mas respeite. Converse com o colaborador sobre o erro.
Foque no que pode dar certo e em como fazer para resolver a situação. Ficar insistindo no
erro não melhora o outro.

ERRADO - Negar o ponto de vista do outro. “Afinal, quem é você para pensar assim?”
Tem gente que acha que está sempre correta e descarta o que os outros pensam. Negar os
sentimentos ou ideias das outras pessoas pode ser muito destrutivo.
CERTO - Leve em consideração o que o seu colega pensa. Nem sempre você está
com a razão. As pessoas que têm sucesso na vida consideram a diversidade de ideias e
posicionamentos, potencializando o melhor de cada um.

ERRADO - Desvalorizar a intensidade do que o outro está sentido. “Isso não é nada,
já vai passar...”. Tentar ajudar com esse tipo de postura não leva a nada. Ao invés de apoiar a
pessoa, você desconsidera os motivos que a levaram a se sentir de uma determinada
maneira. A pessoa vai se sentir mais para baixo ainda.

CERTO – Ouça o que a pessoa tem a dizer. Às vezes, o outro só precisa desabafar
para um colega e não quer ouvir conselhos ou críticas. Deixe a pessoa falar e evite apoios
superficiais que não ajudam nada.

ERRADO - Ignorar ou mudar de assunto. Não há nada pior do que a indiferença ou a


falta de atenção quando alguém está falando ou a uma solicitação. Essa postura desqualifica
o outro que se sente sem importância.

CERTO - Respeite o outro. Dê atenção ao que a pessoa está falando ou solicitou. Se o


assunto o incomoda ou não é o momento adequado para tratar dele, deixe isso claro. Se
você recebeu um e-mail ou um torpedo, dê a resposta. Faça o outro sentir que você se
importa com ele.

ERRADO – Criticar. Você é daquelas pessoas que criticam tudo? Então saiba que a
crítica afeta a autoestima da pessoa e cria ressentimentos. A pessoa crítica tende a ser
perfeccionista e intransigente e apenas considera seu próprio ponto de vista.

CERTO – Tenha um objetivo ao criticar. Se for preciso criticar, saiba qual o objetivo
dela. Seja específico e dirija a crítica ao comportamento, sem atingir a identidade da pessoa
com generalizações ou rotulações.

ERRADO - Puxar o saco. O puxa-saquismo é um comportamento muito comum. A


pessoa, que elogia ou faz tudo que o outro quer, está querendo obter algo em troca. O puxa-
saco tem postura manipuladora e é visto como incompetente pelos colegas.

CERTO – Elogie com moderação. Todo mundo gosta de elogios, mas cuidado. Falar
bem o tempo todo soa como um comportamento manipulativo. Seja sincero e não
concentre o elogio em uma pessoa apenas, afinal todas as pessoas têm qualidades.
ERRADO - Perguntar para induzir. Algumas pessoas fazem perguntas, que
constrangem os outros porque já induzem a resposta. Veja o exemplo: “Você pode fazer
isso, não é verdade?” Dessa forma, você já espera que a resposta seja positiva.

CERTO – Faça perguntas neutras. Quando você faz uma pergunta, tem que estar
aberto para ouvir a resposta. Se você quer saber o que o outro pensa, é preciso manter a
pergunta neutra, deixando um espaço aberto para a livre expressão da pessoa.

ERRADO - Ser fingido. Existem pessoas que dizem uma coisa, mas o seu tom de voz
ou seus gestos e expressão corporal mostram outra. Esses sinais são percebidos pelos
outros. Por exemplo: diante de uma pergunta, você responde que está tudo bem, mas a sua
expressão facial mostra o contrário. Ou ainda o tom de voz não corresponde ao que está
sendo dito.

CERTO – Seja transparente. Procure ser natural mesmo em momentos difíceis. As


pessoas notam quando há fingimento e isso pode causar situações constrangedoras. Tente
explicar os motivos de seu comportamento de modo conveniente para que as pessoas
possam entender o contexto.

ERRADO - Falar difícil. Falar bonito pode impressionar, mas também provoca
incomunicação. Utilizar termos pouco conhecidos ou técnicos demonstra incapacidade de se
comunicar com seu público e uma postura exibicionista.

CERTO – Seja claro. Evite palavras pouco conhecidas pela maioria. Caso utilize
termos técnicos, explique o significado. Para se fazer entender, você deve ajustar sua
linguagem, cultura, expectativas e crenças de seu público.

Para refletir:

1. Quais dessas atitudes são mais comuns no seu ambiente de trabalho?

2. Que outras atitudes impeditivas na sua comunicação com os outros você pode
acrescentar nessa lista?

Cíntia Lopes/Denise Ayres

Você também pode gostar