Você está na página 1de 5

Universidade Federal da Paraı́ba

Centro de Energias Alternativas e Renováveis


Departamento de Engenharia Elétrica
Professor: Nady Rocha Perı́odo:
Disciplina: Instalações Elétricas Data:
Nome: Matrı́cula:

LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PARTIDA DIRETA DE MOTORES MONOFÁSICOS E


TRIFÁSICOS
2 PARTIDA DIRETA

Partida Direta Motores Monofásicos

1 Objetivos
Capacitar o aluno para realizar adequadamente a partida direta de motores monofásicos e
trifásicos.

2 Partida Direta
A partida direta a tensão de alimentação é aplicada diretamente aos enrolamentos do motor.
Este método possui uma elevada corrente de partida de 6 a 10 vezes da corrente nominal. Em
instalações industriais alimentada por rede de distribuição secundária esse método deve ser
aplicado a motores com potência inferior a 5cv.
As Figuras 1 e 2 mostram os esquemas de ligação dos circuitos de força e dos circuitos de
controle de uma partida direta para um motor monofásico e para um motor trifásico, respecti-
vamente.

Figura 1: Esquema de uma partida direta de um motor monofásico.

2.1 Princı́pio de Funcionamento


Ao ligar a bancada, a lâmpada H1 (cor verde) deve sinalizar que o sistema está pronto
para partir o motor. Neste esquema, o contato NA (normalmente aberto) da botoeira S1

Universidade Federal da Paraı́ba 2


Centro de Energias Alternativas e Renováveis
Departamento de Engenharia Elétrica
2.1 Princı́pio de Funcionamento 2 PARTIDA DIRETA

Figura 2: Esquema de uma partida direta de um motor trifásico.

(13/14) é conectada em série com a bobina do contactor K1 (A1/A2). A botoeira é um botão


sem retenção, ou seja, quando o botão é apertado fecha a chave e energiza a bobina K1 do
contactor, mas quando se solta o botão, a chave volta para a posição inicial e a bobina seria
desenergizada.
Para solucionar esse problema, um contato auxiliar do contactor NA K1(13/14) é conectado
em paralelo ao botão S1 (13/14). Desta maneira, ao fechar S1, a bobina do contactor K1 é
energizada, neste instante, o contato auxiliar NA K1(13/14) do cantactor é fechado, garantindo
um caminho alternativo para a corrente da bobina K1.
Quando se solta o botão S1, o contado NA da chave S1(13/14) volta para a posição ini-
cial, entretanto a bobina do contactor permanecerá energizada, devido ao contato auxiliar NA
K1(13/14). Neste caso, dizemos que K1(13/14) sela o contato S1(13/14). Além disso, quando a
bobina K1 é energizada o contato NF (Normalmente Fechado) do contactor K1(21/22) desliga
a sinalização H1, enquanto que a o contato NA K1(43/44) liga a lâmpada H2 (na cor verme-
lha), sinalizando que o motor está ligado. Com a bobina energizada os contatos principais do
contactor K1(1/2, 3/4 e 5/6) são fechados acionando o motor.
A chave S1 não permite desligar o motor, para garantir essa função um botão NF S0(11/12)
é adicionado ao circuito em série à chave S1 para desenergizar a bobina do contactor, desligando
o motor. Se o motor sofre alguma sobrecarga durante seu funcionamento, o relé térmico deve
desarmar o circuito. Para garantir a atuação do relé térmico, o contato NF F2(95/96) do relé é
colocado em série com a chave S0(11/12). Assim, quando o relé é submetido a uma corrente de
sobrecarga, ele abre o contato NF F2(95/96) desligando K1 e parando o motor, como também,

Universidade Federal da Paraı́ba 3


Centro de Energias Alternativas e Renováveis
Departamento de Engenharia Elétrica
4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

fecha o contato NA F2(97/98) que liga a lâmpada H3 (cor laranja) sinalizando um problema
de sobrecarga.

3 Preparação do Experimento
1. Ler atentamente o guia, incluindo o procedimento experimental.

4 Procedimento Experimental
1. Partida direta motor monofásico

(a) Materiais utilizado para a partida direta do motor monofásico:


• 2 fusı́veis diazed 2A (placa P022);
• 2 fusı́veis diazed 4A (placa P046);
• 1 botão NA (placa P062);
• 1 botão NF (placa P019);
• 1 contator tripolar com 1 contato de comando NA (placa P053);
• 1 relé térmico (placa P056);
• 1 motor monofásico (placa P006);
• 1 lâmpada sinalizadora cor vermelha (placa P067);
• 1 lâmpada sinalizadora cor verde (01 placa P029);
• 1 lâmpada sinalizadora incolor (01 placa P021).
• 1 multı́metro;
(b) Verifique o nı́vel de tensão da rede;
(c) Verifique todos os componentes - você é responsável pela integridade dos componen-
tes, caso identifique algo anormal chame o professor, técnico ou monitor;
(d) Verifique a placa de dados do motor, nela devem estar contidos todos os parâmetros
necessários ao funcionamento perfeito do motor.
(e) Monte o circuito do sistema de controle da Fig. 1.
(f) Verifique se o sistema de controle funciona de acordo com o esperado.
(g) Monte o circuito de força e verifique o funcionamento do sistema completo.

2. Partida direta motor trifásico

(a) Materiais utilizado para a partida direta do motor trifásico:


• 2 fusı́veis diazed de 2A (placa P022);
• 3 fusı́veis diazed de 6A (placa P052);
• 1 relé térmico (placa P072)

Universidade Federal da Paraı́ba 4


Centro de Energias Alternativas e Renováveis
Departamento de Engenharia Elétrica
REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS

• 1 botão NA (placa P061);


• 1 botão NF (placa P020);
• 1 contator tripolar com 1 contato de comando NA acoplado (placa P053);
• 1 motor trifásico (placa P003);
• 1 lâmpada sinalizadora cor vermelha (placa P067);
• 1 lâmpada sinalizadora cor verde (01 placa P029);
• 1 lâmpada sinalizadora incolor (01 placa P021).
(b) Verifique o nı́vel de tensão da rede;
(c) Verifique todos os componentes - você é responsável pela integridade dos componen-
tes, caso identifique algo anormal chame o professor, técnico ou monitor;
(d) Verifique a placa de dados do motor, nela devem estar contidos todos os parâmetros
necessários ao funcionamento perfeito do motor.
(e) Monte o circuito do sistema de controle da Fig. 2 e repita os itens 1(c) e 1(d).

Referências
[1] CREDER, H. Instalações Elétricas. 15ed. - Rio de Janeiro: Editora LTC, 2007.

[2] NISKIER, N,; MACINTYTRE, A. J. . Instalações Elétricas. 5ed. - Rio de Janeiro: Edi-
tora LTC, 2008.

[3] NISKIER, N,; MACINTYTRE, A. J. . Comandos Elétricas. 5ed. - Rio de Janeiro: Edi-
tora LTC, 2008.

[4] WEG Catálogo da WEG.

Universidade Federal da Paraı́ba 5


Centro de Energias Alternativas e Renováveis
Departamento de Engenharia Elétrica