Você está na página 1de 1

301 - COLUNA 06.09.

2016 - CUIDADO COM OS POSTS NAS REDES SOCIAIS

POR JANAINA FERREIRA

“Meu coordenador fez críticas verdadeiras à empresa no Facebook e foi demitido porque
a empresa não aprovou seus comentários. Que tipo de comentários devem ser evitados
nas redes sociais?”
Flávia, Catete

Rio - As redes sociais são ambientes com características de espontaneidade e informalidade,


mas convém tomar algumas precauções. É necessário medir os impactos do que se fala,
especialmente se o perfil ou avatar for compartilhado com colegas de trabalho. O mundo virtual
pode ajudar na hora de conseguir um emprego. Muitas firmas usam a internet como um canal
para divulgar vagas. Por outro lado, as empresas pesquisam os perfis de candidatos e
acompanham o comportamento de seus funcionários. Estar conectado pode somar ou tirar
pontos de um profissional, portanto, é preciso ser prudente com o que se publica nas redes
sociais. Veja a seguir como transformar a web em uma ferramenta positiva na vida profissional.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Olá Flávia! É natural que situações do dia-a-dia se reproduzam no ambiente online. A internet
pode dar uma falsa sensação de privacidade, mas os ‘desabafos’ e piadas têm causado
constrangimentos, exclusão de processos seletivos e até demissões. Em geral, o usuário
comete o equívoco de divulgar nas redes sociais assuntos, fotos e opiniões como se estivesse
em uma roda de amigos, mas a web é pública.

As redes sociais mais pesquisadas pelas empresas são Facebook, Twitter e LinkedIn. Elas
funcionam como vias de mão dupla, pois facilitam empresa e candidato se conhecerem. Fazer
parte da rede, participar de blogs ou fóruns pode contar pontos positivos na análise de
currículo. Mas é adequado não publicar comportamentos, fotos e opiniões que possam
provocar dúvidas em relação aos valores do profissional.

De fato, no ciberespaço há um controle invisível, onde todos podem monitorar todos, o que
elimina a possibilidade de privacidade. Para ter um perfil menos formal, o usuário pode criar
uma conta, por exemplo, no Facebook, permitindo somente o acesso de familiares e amigos
íntimos. Mas nem assim ele terá sua privacidade garantida, pois um amigo pode compartilhar
aquela foto que ele não gostaria de ver divulgada. Também é prudente criar outra conta,
exclusivamente profissional com livre acesso, por exemplo, no LinkedIn.

Não é errado postar assuntos pessoais ou brincadeiras, desde que não sejam ofensivos. Mas
os canais corretos para resolver os problemas da empresa certamente não são as redes
sociais. Assuntos e momentos mais íntimos não precisam, nem devem ser lançados na rede.

É como no mundo real: escolhemos o quê, como e a quem dizer cada assunto. A seleção do
que deve ser divulgado também passa pela imagem que o profissional quer transmitir e pela
questão ética. Não usar termos agressivos e não denegrir pessoas ou empresas é questão de
bom senso, seja o ambiente virtual ou não.

Janaina Ferreira é coach e professora no Ibmec