Corrente Alternada 1.

Geração
Denominamos alternador ao gerador de corrente alternada, assim como denominamos dínamo ao gerador de corrente contínua. Os geradores são máquinas destinadas a converter energia mecânica em energia elétrica. A transformação de energia nos geradores fundamenta-se nas Leis de Faraday e Lenz. A Lei de Faraday afirma que todo condutor imerso em um campo magnético variável produz uma força eletromotriz induzida (femi). A Lei de Lenz complementa a Lei de Faraday informando que a polaridade da femi produz uma corrente induzida que tende a se opor à causa que lhe originou. Os alternadores pertencem à categoria das máquinas síncronas, isto é, máquinas cuja rotação é diretamente relacionada ao número de pólos magnéticos e a freqüência da força eletromotriz. Não há, basicamente, diferenças construtivas entre um alternador e um motor síncrono, podendo um substituir o outro sem prejuízo de desempenho. Assim, um alternador quando tem seu eixo acionado por um motor, produz energia elétrica nos terminais e, ao contrário, recebendo energia elétrica nos seus terminais, produz energia mecânica na ponta do eixo, com o mesmo rendimento. A indução magnética ocorre sempre que há movimento relativo entre um condutor e um campo magnético. O gerador elementar, concebido por Michael Faraday em 1831, na Inglaterra e mais ou menos na mesma época por Joseph Henry, nos Estados Unidos, era constituído por uma espira que girava entre os pólos de um ímã, semelhante à figura:

No gerador elementar acima, uma espira de fio girando em um campo magnético produz uma fem. Os terminais da bobina são ligados ao circuito externo por meio dos anéis coletores e escovas.

A força eletromotriz e a corrente de um gerador elementar mudam de direção cada vez que a espira gira 180°. A tensão de saída deste gerador é alternada, conforme a figura abaixo. Faraday estabeleceu, ainda, que os valores instantâneos da força eletromotriz (ou tensão) podiam ser calculados pela relação:

Faraday estabeleceu, ainda, que os valores instantâneos da força eletromotriz (ou tensão) podiam ser calculados pela relação: Onde: e = força eletromotriz; B = indução do Campo Magnético; l = comprimento do condutor; v = velocidade linear de deslocamento do condutor e, θ = ângulo formado entre B e v; O campo magnético da figura acima é constituído por ímãs naturais. Para que seja possível controlar tensão e corrente em um alternador, o campo magnético é produzido por ímãs

Assim podemos escrever: .artificiais. VELOCIDADE ANGULAR (ω): É o ângulo descrito na unidade de tempo. FREQUÊNCIA: Exprime a quantidade de períodos de uma onda no tempo de um segundo. 3. O tempo necessário para que a onda senoidal complete um ciclo é chamado de PERÍODO (T). formados por bobinas alimentadas com corrente contínua suprida por uma fonte externa e controlada por um regulador de tensão. A unidade de freqüência é Hertz (Hz) que é igual a ciclos/segundo. e é dado em segundos (s). Nota-se a semelhança com um número complexo. 2. CURVA DE VARIAÇÃO DE UMA GRANDEZA ALTERNADA Uma corrente senoidal pode ser representada pela componente vertical de um vetor de módulo Ip (corrente de pico) que gira no sentido anti-horário com velocidade angular constante w = 2πf. Definições em CA CICLO: É um conjunto de valores que se repetem periodicamente.

usamos I em vez de i e V em vez de v.i = Ip(cos wt + j sen wt) = Ip ejwt e para a tensão: v = Vp(cos wt + j sen wt) = Vp ejwt E. . para indicar a representação complexa.

VALOR MÉDIO: O valor médio de uma grandeza senoidal. quando considerado de um período inteiro.Numa grandeza senoidal temos os seguintes tipos de valor: VALOR MÁXIMO: É o máximo valor que uma grandeza pode assumir. . Também é conhecido como Valor de Pico (VP) ou de Crista. é nulo. Pela razão exposta. pois a soma dos valores instantâneos relativa à semi-onda positiva é igual à negativa. o valor médio de uma grandeza alternada senoidal deve ser considerado como sendo a média aritmética dos valores instantâneos no intervalo de meio período.VP). Os valores compreendidos entre o pico de máximo positivo e o de máximo negativo são chamados de Valor Pico-a-Pico(VPP = 2. Este valor médio é representado pela ordenada média da semi-onda que indica os valores instantâneos. sendo sua resultante constantemente nula.

Resumindo: . uma corrente alternada que possui o valor eficaz de 10 A. Para expressar a equivalência entre as duas correntes se dirá que a intensidade da corrente contínua é igual ao valor eficaz da corrente alternada.VALOR EFICAZ: Suponha-se que dois circuitos elétricos iguais de resistência R são atravessados um por corrente contínua e outro por corrente alternada. é importante lembrar que instrumentos comuns só indicam o valor rms correto para tensões ou correntes senoidais. Isto é. Não se pode. Para outras formas devem ser usados tipos mais sofisticados. chamados de true-rms. O valor eficaz é o valor de uma corrente contínua que produz a mesma dissipação de calor em um resistor. pois o valor médio de uma grandeza alternada é zero. cuja intensidade é 10 A. A maioria dos voltímetros e amperímetros para corrente alternada indicam valores em rms. Se os dois circuitos considerados produzirem a mesma quantidade de calor.6 V e uma amplitude pico-a-pico de 311 V. se dirá que há equivalência entre as duas correntes. Assim. porém dizer que o valor médio da corrente alternada corresponde ao da corrente contínua. quando atravessar um circuito elétrico produzirá a mesma quantidade de calor que uma corrente contínua. É também é chamado de rms (root mean square). Entretanto. por exemplo. 110 Volts eficazes correspondem a uma amplitude de 155.

Em qualquer instante. a onda B está adiantada relativamente onda A de 90°. Por exemplo. A onda B atinge seu valor máximo 90° na frente da onda A. . Este ângulo de fase de 90° entre as ondas A e B é mantido durante o ciclo completo e todos os ciclos sucessivos. o ângulo de fase entre as ondas A e B da figura abaixo é de 90°. A onda B começa com seu valor máximo e cai para zero em 90°. No caso de uma onda senoidal temos: ÂNGULO DE FASE: O ângulo de fase entre duas formas de onda de mesma freqüência é a diferença angular num dado instante. O eixo horizontal representa as unidades de tempo em ângulos. Considere o instante para 90°. a onda B passa pelo valor que a onda A terá 90° mais tarde. logo. enquanto a onda A começa em zero e cresce até seu valor máximo em 90°.FATOR DE FORMA: É a relação entre o valor eficaz e o valor médio de uma onda.

1. 4. Forma de Onda Representa graficamente a variação do sinal senoidal em função do tempo. A e B. .FASORES: Na comparação de ângulos de fase ou simplesmente fases de correntes e tensões alternadas. o fasor varia com o tempo. é mais conveniente a utilização de diagrama de fasores correspondentes às formas de onda da tensão e da corrente. Um fasor é uma entidade com módulo e sentido. enquanto o vetor tem sentido fixo no espaço. Entretanto. Os termos fasor e vetor são usados para representar quantidades que possuem um sentido. Formas de Representação de um Sinal Senoidal 4. O exemplo abaixo mostra a representação por forma de onda de duas tensões senoidais.

π. Para os sinais senoidais A e B.2. com valores de pico: 4. do exemplo acima. Diagrama Fasorial Representa fasorialmente os sinais senoidais.3.sen (120. teremos o diagrama fasorial.π. Expressão trigonométrica Representa sob forma de função trigonométrica os sinais senoidais.t + 30°) [V] vB = 400.t) [V] . Para o exemplo acima teremos: vA = 220.sen (120.4.

devendo esta ser informa separadamente. Para o exemplo acima teremos: VA = 220 |30° [V] 60 Hz VB = 400 |0° [V] Nota-se que na representação por números complexos não é possível identificar a freqüência. Números Complexos Representa sob forma de números complexos os sinais senoidais. 4.4. as variações na corrente ocorrem em fase com a tensão aplicada.5.4.5. Cargas Resistivas Puras Em um circuito resistivo puro em CA.1. Tipos de Cargas em Circuitos CA 4. Expressões trigonométricas: Forma de onda: .

uma vez que representa a potência fornecida à carga. Potência em Cargas Resistivas Puras A figura abaixo apresenta a variação da potência em função do tempo para um circuito resistivo puro.5. sendo denominada de potência ativa. Nota-se que a potência apenas assume valores positivos.Diagrama fasorial: Números complexos: 4. produzindo trabalho útil.1. .1.

a corrente está adiantada 90° em relação à tensão aplicada.5. . Cargas Capacitivas Puras Em um circuito capacitivo puro em CA.A potência média de um circuito resistivo puro pode ser determinada multiplicando-se a tensão rms pela corrente rms: 4.2.

temos: Portanto.Derivando a equação acima. para um circuito capacitivo puro teremos as seguintes expressões trigonométricas: Formas de onda: .

2.1. Reatância Capacitiva A reatância capacitiva XC é a dificuldade imposta pelo campo elétrico do capacitor à passagem da corrente elétrica.5. .Diagrama fasorial: Números complexos: 4. Sua unidade é o ohm.

4. Cargas Indutivas Puras Em um circuito indutivo puro em CA. a corrente está atrasada 90° em relação à tensão aplicada. Nota-se que a potência assume valores positivos e negativos.2.3. não representando trabalho útil. Potência em Cargas Capacitivas Puras A figura abaixo apresenta a variação da potência em função do tempo para um circuito capacitivo puro.5.4.5. . uma vez que representa a potência trocada entre a fonte e o capacitor (carga e descarga). sendo seu valor médio igual a zero.2. Esta potência é denominada potência reativa capacitiva.

temos: Portanto. para um circuito indutivo puro.Considerando: Derivando a equação acima. teremos as seguintes expressões trigonométricas: .

1. Sua unidade é o ohm.4. Reatância Indutiva A reatância indutiva XL é a dificuldade imposta pelo campo magnético do indutor à passagem da corrente elétrica.3.5. .

Potência em Cargas Indutivas Puras A figura abaixo apresenta a variação da potência em função do tempo para um circuito indutivo puro. . Sua unidade é o ohm.6.5. sendo seu valor médio igual à zero. 4. não representando trabalho útil. Nota-se que a potência assume valores positivos e negativos.3. Esta potência é denominada potência reativa indutiva. por definição. uma vez que representa a potência trocada entre a fonte e o indutor (carga e descarga). Esta grandeza representa a oposição total oferecida pela carga à passagem da corrente alternada senoidal.2. Nota-se que a potência reativa indutiva é inversa à potência reativa capacitiva. Impedância A impedância.4. é a relação entre os valores eficazes de tensão e corrente em um circuito CA genérico.

.

obtêm-se o Triângulo de Potências: . 4. é o inverso da resistência. Admitância A admitância. Susceptância A susceptância (indutiva ou capacitiva). Esta grandeza representa a facilidade total oferecida pela carga resisitiva à passagem da corrente alternada senoidal. por definição. por definição. Esta grandeza representa o quanto um componente.4. por definição. A partir do triângulo de impedâncias e de tensões. Sua unidade é o Siemens (S). é susceptível à passagem da corrente elétrica. 4.8.7.9. Sua unidade é o Siemens. é o inverso da reatância (indutiva ou capacitiva). Sua unidade é o Siemens (S). Esta grandeza representa a facilidade total oferecida pela carga à passagem da corrente alternada senoidal. é o inverso da impedância. Condutância A condutância. capacitivo ou indutivo.

as potências ativa (P). podem ser expressas por: 4. reativa capacitiva (Pr) e aparente (Pa). temos: . isto é.Através das relações nos triângulos de potências acima. o aproveitamento da potência total de um circuito para a produção de trabalho útil.10. Fator de Potência O fator de potência de um circuito mede a relação entre a potência útil e a potência total de um circuito. A partir do triângulo de potências.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful