Você está na página 1de 47

Língua Portuguesa

e Literatura
Professor

Caderno de Atividades
Pedagógicas de
Aprendizagem
Autorregulada - 02
1ª Série | 2° Bimestre

Disciplina Curso Bimestre Série


Língua Portuguesa Ensino Médio 2º 1°

Habilidades Associadas
1. Relacionar os modos de organização da linguagem às escolhas do autor, à tradição literária e ao
contexto sociocultural da época.

2. Identificar figuras de linguagem como antítese e paradoxo nos poemas barrocos.

3. Identificar na charge a relação entre o texto e o contexto político, histórico e social, analisando a
ideologia subjacente no gênero.
4. Identificar problemas gerais de língua culta: homônimos, parônimos, sinônimos, antônimos, uso dos
porquês.
Apresentação

A Secretaria de Estado de Educação elaborou o presente material com o intuito de estimular o


envolvimento do estudante com situações concretas e contextualizadas de pesquisa, aprendizagem
colaborativa e construções coletivas entre os próprios estudantes e respectivos tutores – docentes
preparados para incentivar o desenvolvimento da autonomia do alunado.
A proposta de desenvolver atividades pedagógicas de aprendizagem autorregulada é mais uma
estratégia pedagógica para se contribuir para a formação de cidadãos do século XXI, capazes de explorar
suas competências cognitivas e não cognitivas. Assim, estimula-se a busca do conhecimento de forma
autônoma, por meio dos diversos recursos bibliográficos e tecnológicos, de modo a encontrar soluções
para desafios da contemporaneidade, na vida pessoal e profissional.
Estas atividades pedagógicas autorreguladas propiciam aos alunos o desenvolvimento das
habilidades e competências nucleares previstas no currículo mínimo, por meio de atividades
roteirizadas. Nesse contexto, o tutor será visto enquanto um mediador, um auxiliar. A aprendizagem é
efetivada na medida em que cada aluno autorregula sua aprendizagem.
Destarte, as atividades pedagógicas pautadas no princípio da autorregulação objetivam,
também, equipar os alunos, ajudá-los a desenvolver o seu conjunto de ferramentas mentais, ajudando-o
a tomar consciência dos processos e procedimentos de aprendizagem que ele pode colocar em prática.
Ao desenvolver as suas capacidades de auto-observação e autoanálise, ele passa ater maior
domínio daquilo que faz. Desse modo, partindo do que o aluno já domina, será possível contribuir para
o desenvolvimento de suas potencialidades originais e, assim, dominar plenamente todas as
ferramentas da autorregulação.
Por meio desse processo de aprendizagem pautada no princípio da autorregulação, contribui-se
para o desenvolvimento de habilidades e competências fundamentais para o aprender-a-aprender, o
aprender-a-conhecer, o aprender-a-fazer, o aprender-a-conviver e o aprender-a-ser.
A elaboração destas atividades foi conduzida pela Diretoria de Articulação Curricular, da
Superintendência Pedagógica desta SEEDUC, em conjunto com uma equipe de professores da rede
estadual. Este documento encontra-se disponível em nosso site www.conexaoprofessor.rj.gov.br, a fim
de que os professores de nossa rede também possam utilizá-lo como contribuição e complementação às
suas aulas.
Estamos à disposição através do e-mail curriculominimo@educacao.rj.gov.br para quaisquer
esclarecimentos necessários e críticas construtivas que contribuam com a elaboração deste material.

Secretaria de Estado de Educação

2
Caro Tutor,
Neste caderno, você encontrará atividades diretamente relacionadas a algumas
habilidades e competências do 2° Bimestre do Currículo Mínimo de Língua Portuguesa e
Literatura da 1ª Série do Ensino Médio. Estas atividades correspondem aos estudos
durante o período de um mês.
A nossa proposta é que você atue como tutor na realização destas atividades
com a turma, estimulando a autonomia dos alunos nessa empreitada, mediando as
trocas de conhecimentos, reflexões, dúvidas e questionamentos que venham a surgir no
percurso. Esta é uma ótima oportunidade para você estimular o desenvolvimento da
disciplina e independência indispensáveis ao sucesso na vida pessoal e profissional de
nossos alunos no mundo do conhecimento do século XXI.
Neste Caderno de Atividades, os alunos vão aprender algumas características da
estética do Barroco e os gêneros charge e tirinhas. Também serão abordadas algumas
questões sobre o uso da norma culta!
Para os assuntos abordados em cada bimestre, vamos apresentar algumas
relações diretas com todos os materiais que estão disponibilizados em nosso portal
eletrônico Conexão Professor, fornecendo diversos recursos de apoio pedagógico para o
Professor Tutor.
Este documento apresenta 12 (doze) aulas. As aulas podem ser compostas por
uma explicação base, para que você seja capaz de compreender as principais ideias
relacionadas às habilidades e competências principais do bimestre em questão, e
atividades respectivas. Estimule os alunos a ler o texto e, em seguida, resolver as
Atividades propostas. As Atividades são referentes a três tempos de aulas. Para reforçar
a aprendizagem, propõe-se, ainda, uma avaliação e uma pesquisa sobre o assunto.

Um abraço e bom trabalho!


Equipe de Elaboração

3
Sumário

Introdução ......................................................................................................... 3
Objetivos Gerais ................................................................................................... 5
Material de Apoio Pedagógico ............................................................................ 5
Orientação Didático-Pedagógica ......................................................................... 6
Aula 1: Charge ...................................................................................................... 7
Aula 2: Comparando Charge e Tirinhas.............................................................. 10
Aula 3: O sentido das palavras ........................................................................... 14
Aula 4: Barroco – contexto e características...................................................... 17
Aula 5: A linguagem barroca .............................................................................. 21
Aula 6: Homônimos ............................................................................................ 24
Aula 7: A palavra e o contexto ........................................................................... 27
Aula 8: Vieira o engenhoso pregador................................................................. 30
Aula 9: Gregório de Matos, o Boca do Inferno .................................................. 33
Aula 10: Sabendo o porquê ................................................................................ 38
Avaliação ............................................................................................................ 41
Pesquisa.............................................................................................................. 45

Referências ......................................................................................................... 46

4
Objetivos Gerais

No 2º bimestre da 1ª série do Ensino Médio, o conteúdo mais abordado é o


estudo sobre o período literário do Barroco, os gêneros Charge e Tirinhas. Além do
trabalho com esses gêneros textuais, também serão abordadas algumas atividades
sobre a norma culta. O critério aqui estabelecido baseia-se no Currículo Mínimo, sendo
as habilidades e competências tratadas de maneira inicial e simples com o objetivo de
contribuir para formação do aluno.

Materiais de Apoio Pedagógico

No portal eletrônico Conexão Professor, é possível encontrar alguns materiais


que podem auxiliá-los. Vamos listar estes materiais a seguir:

Aula Teleaulas Recursos


Orientações Pedagógicas do CM
Referência Autonomia nº Digitais
http://www.con
http://www.conexaoprofessor.rj exaoprofessor.r
.gov.br/downloads/cm/cm_11_ j.gov.br/downlo
9_1S_2.pdf ads/cm/cm_12_
9_1S_2.pdf

Aula 1 34 – EF --- ---

Aula 2 34 – EF --- ---


02 – EM
Aula 3 --- ---
21 – EM
58 – EM
Aula 4 --- ---
59 – EM
58 – EM
Aula 5 --- ---
59 – EM

5
02 – EM
Aula 6 --- ---
21 – EM
02 – EM
Aula 7
21 – EM
58 – EM
Aula 8
59 – EM
58 – EM
Aula 9
59 – EM
02 – EM
Aula 10
21 – EM

Orientação Didático-Pedagógica

Para que os alunos realizem as atividades referentes a cada dia de aula,


sugerimos os seguintes procedimentos para cada uma das atividades propostas no
Caderno do Aluno:
1° - Explique aos alunos que o material foi elaborado que o aluno possa
compreendê-lo sem o auxílio de um professor.
2° - Leia para a turma a Carta aos Alunos, contida na página 3.
3° - Reproduza as atividades para que os alunos possam realizá-las de forma
individual ou em dupla.
4° - Se houver possibilidade de exibir vídeos ou páginas eletrônicas sugeridas na
seção Materiais de Apoio Pedagógico, faça-o.
5° - Peça que os alunos leiam o material e tentem compreender os conceitos
abordados no texto base.
6° - Após a leitura do material, os alunos devem resolver as questões propostas
nas ATIVIDADES.
7° - As respostas apresentadas pelos alunos devem ser comentadas e debatidas
com toda a turma. O gabarito pode ser exposto em algum quadro ou mural da sala
para que os alunos possam verificar se acertaram as questões propostas na Atividade.
Todas as atividades devem seguir esses passos para sua implementação.

6
Aula 1: Charge

Nesta aula, trataremos de um assunto muito interessante, a charge. Quem não


abriu o jornal no final de semana e se deteve, nem que por alguns momentos, na
leitura de charges? Charge é uma ilustração humorística que envolve a caricatura de
um ou mais personagens e é feita com o objetivo de satirizar algum acontecimento da
atualidade. As charges são bastante utilizadas para fazer críticas, muitas vezes de
natureza política. São normalmente publicadas em jornais ou revistas e conseguem
atingir um vasto público. A internet também é uma opção para quem quer acessar
esse gênero textual. Para interpretar o significado de uma charge, é necessário estar a
par dos acontecimentos políticos nacionais e internacionais.
Só para facilitar:
Charge → linguagem verbal (coloquial) + não verbal
Utiliza recursos como figuras de linguagem, humor e intertextualidade
Promove reflexão crítica
Personagens: humanos, animais e objetos.
Use as dicas acima e se atualiza!
Agora, que tal praticar um pouco? Então, vamos às atividades!

7
Atividade comentada 1

1. Você deve ter acompanhado a onda de protestos e manifestações que tomaram


conta do Brasil este ano. Observando a imagem e as palavras que compõem a charge
abaixo, como você poderia explicá-la?

Fonte: http://brasilunido.wordpress.com/2013/06/24/charges-sobre-as-manifestacoes/

Resposta comentada: Talvez por vivermos uma época marcadamente visual e virtual,
a charge seja um “texto” que motive uma análise temporal, rápida e dinâmica. É
provável que o aluno perceba que no quadro 1 há a imagem do protesto por direitos
de cidadão, caracterizado pela camisa do Brasil, pela sugestão corporal e pela cor
verde(símbolo da esperança) na letra da palavra protesto; já no quadro 2 a imagem
sugere que as pessoas usam as manifestações como pretexto para vandalizar e agir
com ações que não dialogam com situações de protestos.

2. Você sabe o que são parônimos? Os parônimos são palavras com escrita e
pronúncia parecidas, mas com significados (sentidos) diferentes. Observe o exemplo
abaixo:

8
O homem fez uma bela descrição da mulher. (ação ou efeito de descrever)
- Use a sua discrição, Paulo. (Característica do discreto, de quem não quer chamar a
atenção.)

De acordo com as informações acima as palavras da charge podem ser consideradas


exemplos de parônimos? Justifique.
Resposta comentada: Estabelecendo uma relação de significado entre as palavras
protesto e pretexto, pode-se aferir quesão parônimos considerando que são
parecidas na escrita e na pronúncia, mas apresentam significados diferentes.

3. Como você já sabe, um dos objetivos da charge é estabelecer uma crítica.

Fonte: http://giliard-giliard.blogspot.com.br/

Qual a crítica estabelecida pela charge acima?


Resposta comentada: Ao considerarmos que o discurso presente nas charges tem por
finalidade retratar uma crítica ligada aos fatos sociais, podemos perceber que o fato
social alvo de crítica é a educação, que a cada dia vem sendo desqualificada e
colocada em segundo pleno pela sociedade, seja ela os políticos (“aqueles que tem o
poder para fazer a diferença”) ou o cidadão comum.

4) A inscrição no cartaz da charge não está de acordo com as regras ortográficas.


Reescreva-a de acordo com a linguagem padrão, corrigindo a ortografia.
Reposta comentada: Ensino de qualidade seria a inscrição adequada ao padrão culto
da língua.

9
5) O humor da tira consiste na oposição entre ensino de qualidade x ortografia errada.
Justifique.
Reposta comentada: É importante que o aluno perceba que o humor encontra-se na
oposição mencionada no enunciado, já que se a educação fosse de qualidade, as
pessoas fariam o uso correto da ortografia.

Aula 2: Comparando charges e tirinhas

Você já sabe o que são charges e, com certeza, já leu alguma tirinha, não é
verdade? Será que existem diferenças entre esses dois gêneros? Na aula de hoje,
vamos falar sobre isso. Você vai gostar!
A tirinha surgiu da ideia de se fazer histórias curtas, de forma que a leitura
do texto fosse rápida, eficiente e bem-humorada. A tirinha pode ser considerada uma
adaptação da HQ (Histórias em Quadrinhos) impressa, mas a popularidade alcançada
pelo gênero foi tão grande que os gibis mais tradicionais incorporaram as tirinhas para
os seus personagens. Quem não se lembra da última página das revistas da Turma da
Mônica, sempre com uma tirinha para nos divertir?
A charge, por sua vez, relata um fato de uma época definida, dentro de um
determinado contexto cultural, econômico e social específico e que depende do
conhecimento desses fatores para ser entendida. Fora desse contexto, ela
provavelmente perderá sua força comunicativa, sendo, portanto, perecível.
Justamente por esta característica, a charge tem um papel importantíssimo como
registro histórico. Uma semelhança a destacar entre esses dois gêneros é que,
normalmente, empregam a linguagem informal.
Um recurso muito usado por ambos é a polissemia. Você sabe o que é
polissemia? Em conceito geral, pode-se dizer que a polissemia se apresenta quando
uma mesma palavra adquire diversos significados. A amplitude semântica do vocábulo
é influenciada por fatores como contexto, situacionalidade, enunciado etc.
Veja os exemplos abaixo. Eles irão te ajudar a entender melhor.

10
Paula tem uma mão para cozinhar que dá inveja! (habilidade, eficiência)
Vamos! Coloque logo a mão na massa! (participação, interação mediante
uma tarefa realizada)
As crianças estão com as mãos sujas. (parte do corpo)
Passaram a mão na minha bolsa e nem percebi. (roubo)

Repare que o significado da palavra mão foi modificando de acordo com o


contexto.
Viu como é fácil? E você? Quer colocar a mão na massa também? Então,
vamos para a atividade!

Atividade Comentada 2

1. Leia a tirinha e responda às questões abaixo:

Fonte: http://total.fashionblog.com.br/140085/Tirinha/

11
a) Para conseguir o efeito humorístico da tira, o autor brincou com a polissemia de
qual palavra?
Resposta comentada: Na tira, o humor se constrói com base na polissemia da palavra
torcer, que em diferentes contextos apresenta alteração de sentido.

b) Quais são os sentidos que podem ser atribuídos a essa palavra?


Resposta comentada: A palavra torcer apresenta alguns significados possíveis: fazer
girar sobre si mesmo; entortar, envergar; desejar a vitória, o bem êxito dos
esportistas; induzir. É importante que o aluno perceba que, apesar da multiplicidade
de sentidos, apenas um deles pode ser aplicado à tirinha.

2. Na tirinha, algumas palavras apresentam desvio da norma culta. Reescreva o texto


da tira e faça a adequação à norma culta.
Resposta comentada: “olá, dá-me um refrigerante por favor?/ Esta tampa não quer
abrir. / Para ela abrir, você tem de torcer. /Abre, abre, abre!”. Professor, oriente o
aluno quanto ao uso do pronome oblíquo após o verbo (próclise); na tira, a palavra
esta (pronome demonstrativo) foi grafada como o verbo está. A palavra droga (gíria
no contexto) foi retirada ao passar para a norma culta. No último quadrinho, houve
confusão entre abre (3ª pessoa do presente do indicativo) e abri ( 1ª pessoa do
pretérito perfeito do indicativo).

3. Os desvios gramaticais ocorridos caracterizam o uso da linguagem informal.


Justifique o uso dessa linguagem neste tipo de texto.
Resposta comentada: As tirinhas, por serem veiculadas em jornais, revistas e, agora,
nas redes sociais, são direcionadas ao público juvenil, aproximando, através da
linguagem informal, texto e público-alvo.

12
4. A charge seguinte foi retirada do site Cebes (Centro Brasileiro de Estudos de Saúde),
cujo título da matéria é “Governo quer importar médicos estrangeiros sem garantir
qualificação.”

Fonte: http://www.cebes.org.br/internaEditoria.asp?idConteudo=4403&idSubCategoria=30

a) Olhando a figura, você pode observar, ao fundo, a imagem do cavalo de Troia,


numa alusão à lendária guerra entre gregos e troianos. Em poucas palavras, escreva
sobre seus conhecimentos a respeito desse fato.
Resposta comentada: “Páris, filho do rei de Troia, raptou Helena, mulher de rei
grego. Isso provocou um sangrento conflito que durou 10 anos, entre os séculos XIII e
XII antes de Cristo. Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos
conseguiram uma artimanha histórica para enganar os troianos: deixaram às portas
de seus muros fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o
presente, puseram-no para dentro dos seus domínios. E, à noite, os soldados gregos
que estavam escondidos no grande cavalo saíram e abriram as portas da fortaleza
para a invasão, considerada uma das mais engenhosas de todos os tempos.”
Provavelmente, o aluno já deve ter ouvido falar nessa guerra e, pela imagem, poderá
identificar o cavalo de Troia (presente de grego). Qualquer conhecimento sobre o
assunto é válido.

b) Considerando o título da charge e o site onde foi publicada, faça uma relação entre
a charge e o episódio do cavalo de Troia descrito acima.

13
Resposta comentada: É importante que o aluno perceba que uma característica da
charge é a crítica social contextualizada. A relação entre a charge e o fato citado, é
que da mesma maneira que os gregos “presentearam” os troianos, que não sabiam o
que iriam encontrar dentro do cavalo de madeira, ao recebermos médicos
estrangeiros que não comprovem sua qualificação, poderemos ter uma surpresa
desagradável.

Aula 3: O sentido das palavras

Na aula anterior, você viu que as palavras têm sentidos que podem variar
dependendo do contexto em que são empregadas. Esse aspecto múltiplo da palavra é
estudado pela semântica.
Semântica é a parte da gramática que estuda os aspectos relacionados ao
sentido, ao significado das palavras. Neste caderno, também estudaremos a sinonímia
(sinônimos) e a antonímia (antônimos), que são alguns aspectos tratados pela
semântica.
Sinônimos são palavras de sentido aproximado que podem ser substituídas umas pelas
outras em diferentes contextos. Exemplo: alegre/ feliz.

Antônimos são palavras de sentidos contrários entre si. Exemplo: velho/ novo.

Agora você está pronto para “embarcar” nas atividades. Mãos à obra!

14
Atividade Comentada 3

1. Depois de ter relembardo o conceito de sinônimo, leia a charge abaixo e explique-a.

Fonte: http://lencoencarnado.blogspot.com.br/2010_07_01_archive.html

Resposta comentada: Nota-se, na charge , que um dos personagens ofende ao outro


xingando-o de político. Logo, fica implícito que o vocábulo político tornou-se
sinônimo de qualquer xingamento.

2. A seguir, leia a tira do argentino Quino. Ela foi publicada nos anos 60, quando a
televisão começava a chegar aos lares sul-americanos.

Fonte: http://tede.pucrs.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1711, p. 83.

a) Em que consiste o humor da tira?

Resposta comentada: O humor da tira consiste na confusão causada entre as


palavras mente e cabeça que, apesar de serem usadas como sinônimas, não
apresentam significados idênticos. Mafalda ficou em dúvida se seu pai se referia à

15
alienação daquele que assiste à televisão ou se ele se referia a uma possível
deformação física da cabeça como parte do corpo.

b) O que, de fato, o pai de Mafalda quis dizer com mente deformada?


Resposta comentada: A expressão mente deformada significa ser alienado, ter um
intelecto desprovido de ideias. Professor, se for viável, discuta com os alunos sobre o
discurso que está implícito na tira. Você pode fazer uma comparação com a letra da
canção Televisão, do grupo Titãs, que diz: “a televisão me deixou burro, muito burro
demais...”

c) As palavras mente e cabeça, embora sejam usadas como sinônimas, apresentam


algumas diferenças. Quais seriam essas diferenças?

Resposta comentada: As palavras mente e cabeça são exemplos de que não existem
sinônimos perfeitos. Mesmo compartilhando um sentido geral comum, sugerem
ideias ligeiramente diferentes. Enquanto a palavra mente tem uma conotação mais
abstrata, próxima de pensamento, raciocínio; cabeça tem um sentido mais concreto,
ligado à ideia de crânio.

3. O texto que você vai ler abaixo é um trecho do poema Inconstâncias das coisas do
mundo, do poeta barroco Gregório de Matos.

“Nasce o Sol e não dura mais que um dia,


Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas e alegria.”

O recurso estilístico usado pelo poeta para enfatizar a inconstância foi:

a) A oposição das ideias marcadas pelo uso de antônimos.


b) A polissemia presente na palavra luz.
c) A semelhança entre os vocábulos, usando sinônimos.
d) A repetição desnecessária no termo noite escura.

Resposta comentada: A opção correta é letra a. Com base na observação dos


vocábulos nasce/morre, dia/noite, tristeza/alegria, o aluno perceberá que o poeta se
utilizou das oposições para compor seu texto poético.

16
Aula 4: Barroco - contexto e características

Caro aluno, nesta atividade, conheceremos um pouco do período literário


conhecido como Barroco, a começar pelo seu contexto histórico. Ao mesmo tempo em
que a Europa do século XVI vivia um momento de desenvolvimento científico e
expansão econômica, proporcionados pelas novas invenções e pelas grandes
navegações, um embate religioso ganhava destaque.
A Igreja Católica procurava restaurar a religiosidade medieval, reagindo à
Reforma Protestante, liderada por Lutero (na Alemanha) e Calvino (na França). Essa
reação católica ficou conhecida como Contrarreforma.
Neste momento, então, o pensamento ocidental encontrava-se divido. Por um
lado, valorizava o homem, seus inventos e sua capacidade criativa (antropocentrismo);
por outro, valorizava a religião, na tentativa de colocar Deus novamente no centro das
atenções (teocentrismo).
É possível afirmar que esses conflitos e contradições estão intimamente ligados
ao surgimento do Barroco. Os artistas desse estilo expressavam essa tensa dualidade
entre a razão e a fé, o corpo e a alma, a Terra e o céu.
Vejamos as principais características barrocas:
Fusionismo e culto dos contrastes: o Barroco é o estilo do contraste, ou
seja, apresenta ideias contrárias colocadas lado a lado: viver e morrer, claro e escuro,
bem e mal, espírito e carne, pecado e perdão. Mas o artista barroco não deseja apenas
expor os contrários, ele quer conciliá-los, integrá-los.
Dúvida e tormento: o pensamento barroco tem poucas certezas e muitas
dúvidas. Há o conflito entre os prazeres da vida e a repressão exercida, principalmente,
pela doutrina religiosa.
Fugacidade: de acordo com a concepção barroca, no mundo, tudo é
passageiro e instável. O autor barroco tem a consciência do caráter efêmero da
existência.

17
A brevidade da vida e o sentimento religioso: o homem barroco acredita
que a vida é breve e está sempre prestes a terminar, por isso é preciso aproveitá-la
(Carpe diem1). Contudo, quando pensa no julgamento de Deus, foge do mundo e
procura apoio na fé.
Exagero: a arte barroca é marcada pelo exagero. Seu propósito era
impressionar os sentidos do observador, baseando-se no princípio segundo o qual a fé
deveria ser atingida através dos sentidos e da emoção e não apenas pelo raciocínio.
Pessimismo: a incerteza da vida e o medo da morte fazem da arte barroca
uma arte pessimista, marcada por um desencantamento com o
próprio homem e com o mundo.
Agora que já conhecemos um pouco do contexto
histórico do Barroco e as suas principais características, vamos
testar nossos conhecimentos?
Fonte:http://azulejariaartisticaguerreiro.blogspot.com.br/

Atividade Comentada 4

1. Considerando o que você estudou sobre o Barroco, complete as frases a seguir com
os conceitos e informações aprendidos em nossa última aula.

I- Expressão artística de um momento de dualismo e contradição vivida na Europa do


século XVI: Barroco
II- Tendência a conciliar os opostos: Fusionismo
III- Movimento que divide a Igreja entre católicos e protestantes: Reforma
IV- Movimento da Igreja católica que tenta impedir a expansão do protestantismo:
Contrarreforma
V- Tudo é passageiro e instável, as pessoas, as coisas mudam, o mundo muda:
Fugacidade
VI- Desencantamento com o próprio homem e com o mundo:
Pessimismo

1
Carpe diem – frase latina que significa aproveite o dia.

18
2. Em relação ao Barroco, julgue os itens a seguir em (C) certos ou (E) errados:
(C) O Barroco estabelece contradições entre espírito e carne, alma e corpo, morte e
vida.
(E) O homem centra-se apenas em preocupações com o seu próprio ser, com base na
sobriedade e equilíbrio.
(C) O Barroco apresenta, como característica marcante, o espírito de tensão, conflito
entre tendências opostas: de um lado, a religiosidade medieval e, de outro, a vontade
de aproveitar os prazeres da vida.
(E) O ideal humanista, a preocupação com o rigor científico e a composição
equilibrada, são as principais características da arte barroca.

3. Leia o poema a seguir e responda:

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,


Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.

Porém, se acaba o Sol, por que nascia?


Se é tão formosa a Luz, por que não dura?

Como a beleza assim se transfigura?


Como o gosto da pena assim se fia?

Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,


Na formosura não se dê constância,
E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pela ignorância,


E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.
(MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1997)

19
A. O tema do poema é:
a) a brevidade de todas as realidades do mundo;
b) A valorização da religiosidade;
c) a extrema religiosidade;
d) a falsidade das aparências;
e) a duração prolongada do sofrimento.

Resposta comentada: A resposta certa e a alternativa a, pois o poema tematiza a


inconstância e a fugacidade das coisas e da vida, tema tão particular à visão de
mundo barroca.

B. Quais características do Barroco se destacam no poema? Explique.

Resposta comentada: No poema, podemos perceber o culto dos contrastes, o


pessimismo e a brevidade de tudo no mundo terreno.

20
Aula 5: A linguagem barroca

Agora que já estudamos um pouco do contexto histórico e das principais


características do Barroco, podemos analisar algumas características da linguagem
empregada pelos artistas desse estilo.
Todo o trabalho literário do Barroco estava centrado no uso elaborado dos
recursos da língua. Para produzir imagens inesperadas e conciliar os opostos, os
autores do período exploravam os jogos de palavras e várias figuras de linguagem,
entre as quais estão:
Comparação: consiste em uma relação de semelhança entre dois ou mais
elementos.
Metáfora: consiste em uma comparação implícita, isto é, sem o uso de
conjunções que estabeleçam a comparação.
Hipérbole: consiste em exagero intencional com a finalidade de tornar mais
expressiva a ideia.
Personificação: consiste em atribuir a seres irracionais ou inanimados,
sentimentos e ações próprios de pessoas.
Paradoxo: corresponde à união de duas ideias contrárias num só
pensamento.
Antítese: consiste no destaque de uma ideia por
meio da aproximação de palavras ou frases com sentidos
opostos.
Chegou a hora de colocar em prática o que você
estudou sobre o emprego das figuras de linguagem no
Barroco! Vamos lá?

Fonte:http://meussonhosdoces.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html

21
Atividade Comentada 5

1. Com base nos seus conhecimentos sobre figuras de linguagem, complete a tabela a
seguir:
FIGURAS DE LINGUAGEM DEFINIÇÃO
Comparação Relações de semelhança
Metáfora Comparação implícita
Hipérbole Exagero intencional

Personificação Atribuição de características humanas


a seres irracionais ou inanimados
Paradoxo União de duas ideias contrárias
Antítese Aproximação de palavras ou frases
com sentidos opostos

2. Leia a tirinha a seguir:

Fonte:http://www.umsabadoqualquer.com/504-contraponto/

22
Na tirinha, para comprovar uma ideia, Deus utiliza alguns pares de palavras com
sentidos opostos. Sendo assim:
a) Qual é a ideia defendida por Deus?
Resposta comentada: A ideia de Deus seria que tudo no mundo precisa de um
contraponto.

b) Qual é a figura de linguagem presente na tirinha?


Resposta comentada: A figura empregada é a antítese.

3. Indique que figuras de linguagem foram empregadas nos versos abaixo:


I- “Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada.”
(Gregório de Matos)
Metáfora
II- “O todo sem a parte não é todo;
A parte sem o todo não é parte”;
(Gregório de Matos)
Antítese
III- “Incêndio em mares de água disfarçado;
Rio de neve em fogo convertido.”
(Gregório de Matos)
Paradoxo
IV- “Porque outro mar mais copioso
Largando de meus olhos a corrente,
Lhe formará meu pranto saudoso.”
(Jacinto Freire de Andrade)

Hipérbole

V- “Agora que se cala o surdo vento”


(Francisco Rodrigues Lobo)

Personificação

23
Aula 6: Homônimos

Você sabe o que significa o prefixo “homo”? É a partir desse significado que
vamos construir alguns conceitos para a aula de hoje. “Homo” quer dizer igual.
E então, já pensou no que pode ser um homônimo? Dizemos que homônimos
são as palavras que têm a mesma pronúncia ou a mesma grafia, mas apresentam
significados diferentes. As palavras homônimas subdividem-se em:
→Homônimos homófonos: iguais na pronúncia e diferentes na escrita.

Concerto (sessão musical) - conserto (reparo)

Apreçar (calcular preço) – apressar (acelerar)

Acender (iluminar) – ascender (subir)

→ Homônimos homógrafos: iguais na escrita, mas diferentes na pronúncia da


vogal tônica.

Colher (substantivo)- colher (verbo)

Jogo (substantivo)- jogo (verbo)

Almoço (substantivo) – almoço (verbo)

→ Homônimos perfeitos: iguais na escrita e na pronúncia.

São (adjetivo)- são (verbo ser)- são (santo)

Pus (verbo por) – pus (secreção)

Manga (parte da camisa)- manga (fruta)

Agora, vamos praticar um pouco?

24
Atividade Comentada 6

1. Observe:

O humor dessa tira está na interpretação equivocada que o personagem faz da palavra
tanque que, no dicionário, possui quatro significados: 1. Depósito de água e outros
fluidos (gás, por exemplo); 2. Pequeno reservatório de cimento, cerâmica ou metal
para lavar roupas; 3. Pequeno açude; 4. Carro de combate blindado.

A) Com qual significado o professor usou a palavra tanque? E com qual significado o
hipopótamo entendeu?
Resposta comentada: O professor Doodles usou o significado 1 (depósito de água e
outros fluidos). O Hipopótamo entendeu com o significado 4 (carro de combate
blindado).

B) A confusão criada aconteceu porque a tira trabalhou com o conceito de:


a) Sinonímia, pois a palavra tanque tem na tira um sinônimo.
b) Antonímia, pois a tira trabalha com a oposição da palavra tanque.
c) Homonímia, pois a palavra tanque é pronunciada e escrita da mesma forma no
contexto da tira, mas tem significado diferente.
d) Polissemia, pois a palavra tanque mudou de sentido de acordo com o contexto.

Resposta comentada: A opção correta é a letra c. Professor, aproveite a questão para


enfatizar a diferença entre homonímia e polissemia.

25
2. Leia, a seguir, o trecho do poema Ao braço do mesmo menino Jesus quando
apareceu, de Gregório de Matos, poeta barroco.

O todo sem a parte não é todo;


A parte sem o todo não é parte;
Mas se a parte o faz todo sendo parte,
Não se diga que é parte, sendo todo.

a) O excerto acima utiliza a antítese, figura de linguagem que consiste na oposição de


ideias. Quais os antônimos presentes no texto?

Resposta comentada: Essa questão retoma um poema barroco e o conceito de


antítese, que tem por base o uso de antônimos. O par de antônimos é formado pela
oposição entre todo/ parte.

b) A palavra parte (substantivo = pedaço) e parte (verbo partir) constituem homônimos


perfeitos. Escreva uma frase em que a palavra parte apresente o segundo significado
proposto.
Resposta comentada: Essa questão propõe resposta pessoal. É importante que o
aluno perceba que parte (verbo partir) deve ser utilizado na 3ª pessoa do presente:
Ele parte.

26
Aula 7: A palavra e o contexto

Já é do seu conhecimento que as palavras têm a propriedade de apresentar


vários sentidos dependendo do contexto em que estão inseridas.
A língua é viva! E, por isso mesmo, os sentidos são alterados com o passar dos
tempos e mudanças de gerações. A polissemia está presente na linguagem coloquial
como você pode perceber nas gírias, assim como na linguagem literária, nos poemas,
contos e outros. Neste caderno, temos revisto os gêneros charge e tirinha e você tem
aprimorado seu conhecimento sobre semântica e problemas gerais de norma culta.
Vamos continuar?

Atividade Comentada 7

Texto1
Comunicação ou falta de comunicação?

Fonte: http://culturamidiaeducacao.blogspot.com.br/2012/05/para-reflexao_08.html

1. O texto acima é um exemplo de charge e faz uma crítica a um problema comum nos
dias atuais. Que problema é esse?
Resposta comentada: A ilustração acima nos estimula a refletir sobre o excesso de
informação e como a tecnologia nos dias atuais tem influenciado nossa maneira de
nos relacionar com os outros.

27
Texto 2
Encontro no Vaticano

O Papa Francisco e Dilma. Fonte: HTTP://blogdoneylopes.wordpress.com/

2. Não “ser nada sem a pobreza” para o Papa é o mesmo que:


a) Não ostentar riqueza.
b) Ser um católico pobre.
c) Compartilhar dos problemas sociais.
d) Sentir a dor do próximo.

Resposta comentada: O papa, enquanto sacerdote precisa compartilhar dos


problemas sociais, portanto a opção correta é a letra c.

3. De acordo com a charge do texto 2, o sentido acima foi o mesmo expresso na fala da
presidenta? Justifique.

Resposta comentada: Não. A fala da presidenta alude ao fato de que, sem a pobreza,
os políticos não alcançam seus objetivos como se reeleger, praticar a corrupção, fazer
uso do dinheiro público indevidamente etc.

28
Texto 3

SONETO
Três dúzias de casebres remendados,
Seis becos, de mentrastos entupidos,
Quinze soldados, rotos e despidos,
Doze porcos na praça bem criados.

Dois conventos, seis frades, três letrados,


Um juiz, com bigodes, sem ouvidos,
Três presos de piolhos carcomidos,
Por comer dois meirinhos esfaimados.

Damas com sapatos de baeta,


Palmilha de tamanca como frade,
Saia de chita, cinta de raqueta.

O feijão, que só faz ventosidade,


Farinha de pipoca, pão que greta,
De Sergipe d’El-Rei esta é a cidade.
Gregório de Matos In: DIMAS, Antonio (org.) Literatura Comentada. São Paulo: ed. Abril, 1981.

5. O poema de Gregório de Matos satiriza Sergipe, um dos centros urbanos que


ele mais criticou, ressaltando a pobreza do local. De que maneira o poema
mantém uma relação com a charge acima?

Resposta comentada: Embora os textos sejam de gêneros diferentes, ambos possuem


um enfoque social, criticando a sociedade e a política.

29
Aula 8: Vieira, o engenhoso pregador

Em meio às disputas entre católicos e protestantes, o


sermão, discurso religioso sobre a doutrina cristã, tornou-se uma
importante arma para divulgar os valores da igreja romana.
O padre Antônio Vieira, que se dedicou com afinco à
expansão e ao fortalecimento do catolicismo, produziu sermões
notáveis pela hábil argumentação e pela retórica perfeita.
Um dos maiores representantes da prosa barroca, Vieira nasceu em Lisboa,
1608, e faleceu na Bahia, 1697. No Brasil, participou ativamente das expedições de
catequese, protestando contra os maus-tratos aos índios e aos negros escravizados.
Sua fama de grande orador atravessou o mar e chegou a Portugal, onde
constantemente pregava para a Corte.
Vamos apreciar, agora, um pouco da obra de Vieira, lendo uma passagem do
Sermão do Mandato:
“O primeiro remédio que dizíamos é o tempo. Tudo cura o tempo, tudo faz
esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba. Atreve-se o tempo a colunas de
mármore, quanto mais a corações de cera! São as afeições como as vidas, que não há
mais certo sinal de haverem de durar pouco, que terem durado muito. São como as
linhas que partem do centro para a circunferência, que, quanto mais continuadas,
tanto menos unidas. Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino, porque
não há amor tão robusto, que chegue a ser velho. De todos os instrumentos com que o
armou a natureza o desarma o tempo. Afrouxa-lhe o arco, com que já não tira,
embota-lhe as setas, com que já não fere, abre-lhe os olhos, com que vê o que não via,
e faz-lhe crescer as asas, com que voa e foge. A razão natural de toda esta diferença, é
porque o tempo tira a novidade às coisas, descobre-lhes os defeitos, enfastia-lhes o
gosto, e basta que sejam usadas para não serem as mesmas. Gasta-se o ferro com o
uso, quanto mais o amor? O mesmo amar é causa de não amar, e o ter amado muito,
de amar menos.”

30
Fonte: http://portugues.free-ebooks.net/ebook/Sermao-do-Mandato-1643/pdf/view

Agora que já conhecemos um pouco sobre a vida e a obra do Padre Antônio


Vieira, vamos testar nossos conhecimentos?

Atividade Comentada 8

1. No trecho do Sermão do mandato, podemos perceber que ao falar da ação


corrosiva do tempo, Vieira acaba por ressaltar a fugacidade dos sentimentos e da vida,
visão típica do Barroco. Retire do texto um trecho que comprova essa afirmação.
Resposta comentada: Há, no texto, algumas passagens que comprovam a brevidade
dos sentimentos e da vida.
Exemplos:
“São as afeições como as vidas, que não há mais certo sinal de haverem de durar
pouco, que terem durado muito.”
“Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino, porque não há amor tão
robusto, que chegue a ser velho.”

2. Considerando os vocábulos em negrito, podemos dizer que a figura de linguagem


presente no trecho “De todos os instrumentos com que o armou a natureza o desarma
o tempo” é ...
a) uma antítese
b) uma metáfora
c) uma hipérbole.
d) uma comparação.
e) uma personificação.
Resposta comentada: Como o autor, no trecho, aproximou palavras com sentidos
opostos, podemos perceber a presença de um antítese. A alternativa correta,
portanto, é a letra a.

31
3. Explique o que o autor quis dizer com a seguinte passagem: “Por isso, os antigos
sabiamente pintaram o amor menino, porque não há amor tão robusto, que chegue a
ser velho”
Resposta comentada: O autor usa a imagem do cupido para estabelecer uma relação
idade/tempo de duração. O amor só poderia ser caracterizado na figura de um
menino, no caso o cupido, pois não seria duradouro o suficiente para ser representado
por um idoso.

4. Para caracterizar o amor, o autor faz uso de comparações e personificação. Aponte


exemplos disto.
Resposta comentada: Comparações: “São as afeições como as vidas”, “São como as
linhas que partem do centro para a circunferência” etc.
Personificação: “abre-lhe os olhos, com que vê o que não via”

32
Aula 9: Gregório de Matos, o Boca do Inferno

Gregório de Matos nasceu na Bahia, em 1633 e morreu no Recife,


em 1695. Estudou em Coimbra, Portugal, onde se formou em
Direito. De volta à Bahia, tentou seguir a carreira eclesiástica, mas
seu modo de viver, muito livre para a época, causou-lhe problemas e
acabou sendo deportado para Angola. Quando volta ao Brasil, fica
sem o direito de retornar à Bahia, indo morar no Recife.
Gregório de Matos é considerado o primeiro grande poeta brasileiro. Em sua
riquíssima obra, cultivou a poesia em várias vertentes: a lírica, a satírica e a religiosa.
Foi apelidado de Boca do Inferno por causa de sua língua feroz.
Sua poesia satírica expressava de forma crítica, a realidade do Brasil do século
XVII. Nessa vertente, o poeta baiano encontrou um meio para denunciar ironicamente
os problemas econômicos, políticos e sociais.
Agora que já conhecemos um pouco da vida de Gregório de Matos, vamos ver
um pouco da sua obra praticando!

Atividade Comentada 9

Na sua vertente religiosa, a preocupação do escritor com a sua salvação


espiritual revela-se no grande número de textos. No soneto a seguir, o poeta ajoelha-
se diante de Deus, com um forte sentimento de culpa por ter pecado e promete
redimir-se:
A Jesus Cristo Nosso Senhor
Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado,
Da vossa alta clemência me despido;
Porque, quanto mais tenho delinquido,
Vós tenho a perdoar mais empenhado.

33
Se basta a vos irar tanto pecado,
A abrandar-vos sobeja um só gemido:
Que a mesma culpa, que vos há ofendido,
Vos tem para o perdão lisonjeado.

Se uma ovelha perdida e já cobrada


Glória tal e prazer tão repentino
Vos deu, como afirmais na Sacra História,

Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada,


Cobrai-a; e não queirais, Pastor Divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória.
MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1997.

1. É possível afirmar que as palavras antônimas possuem significados opostos.


Sabendo disso, observe os pares de palavras destacadas do poema e marque a
alternativa em que há antônimos:
a) Pecado e delinquido
b) Ofendido e lisonjeado
c) Senhor e pastor
d) Glória e perdão
e) Culpa e perdão

Resposta comentada: O único par de vocábulos que realmente possuem uma relação
e antonímia é o da alternativa b, ofendido e lisonjeado.

2. Para exprimir a tensão entre os sentimentos contraditórios, característicos da esté-


tica barroca, o poeta utiliza a antítese. Retire do texto versos que apresentam essa
figura de linguagem.
Resposta comentada: São diversos exemplos de antítese: “Que a mesma culpa, que
vos há ofendido, /Vos tem para o perdão lisonjeado” (culpa e perdão; ofendido e
lisonjeado).

34
3. Na sua vertente lírica, inspirado nos poetas clássicos como o português Luís de
Camões, Gregório de Matos costuma revelar a sua amada como uma mulher belíssima
e sem defeitos, ou seja, idealizada. No soneto a seguir, o eu lírico enaltece a beleza de
Maria:

A Maria De Povos, Futura Esposa

Discreta, e formosíssima Maria,


Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos e boca, o Sol e o dia:

Enquanto com gentil descortesia


O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora,
Quando vem passear-te pela fria:

Goza, goza da flor da mocidade,


Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.

Oh, não aguardes, que a madura idade


Te converta essa flor, essa beleza
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.
MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1997.

No poema, ao mesmo tempo em que o eu lírico celebra a beleza de Maria, ele afirma
que essa formosura é passageira e logo será consumida pelo tempo.
a) Retire do texto passagens que confirmem essa afirmação.
Resposta comentada: A brevidade da beleza de Maria é explicitada nos versos da
terceira e quarta estrofes.

35
b) Como essa afirmação se relaciona com a visão de mundo do Barroco?
Resposta comentada: Na visão de mundo barroca, as coisas, os seres e as emoções são
efêmeras, assim como a beleza de Maria. O tempo é implacável e corrói a tudo e a
todos.

4. Na sua vertente satírica, Gregório de Matos criticou duramente a situação social,


política e econômica do Brasil da época. Suas críticas estavam relacionadas
especialmente à Bahia do século XVII. No soneto a seguir, a fim de apresentar sua
visão global da Bahia, Gregório descreve, em cada estrofe, determinado segmento da
sociedade baiana.

Descrevo que era realmente naquele tempo a Cidade da Bahia

A cada canto um grande conselheiro,


Que nos quer governar a cabana, e vinha,
Não sabem governar sua cozinha,
E podem governar o mundo inteiro.

Em cada porta um frequentado olheiro,


Que a vida do vizinho, e da vizinha
Pesquisa, escuta, espreita, e esquadrinha,
Para levar à Praça, e ao Terreiro.

Muitos Mulatos desavergonhados,


Trazidos pelos pés os homens nobres,
Posta nas palmas toda a picardia.

Estupendas usuras nos mercados,


Todos, os que não furtam, muito pobres,
E eis aqui a cidade da Bahia.
MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1997

36
Identifique cada um desses segmentos sociais e a crítica que o Boca do Inferno faz a
cada um deles.
Resposta comentada: Na primeira estrofe, Gregório critica o segmento dos
governantes, classificando-o como pretensioso e incompetente.
Na segunda estrofe, o segmento alvo da crítica é o povo (ou a vizinhança),
caracterizado como fofoqueiro, olheiro ou fútil.
Na terceira estrofe, o segmento criticado é a sociedade como um todo que,
constituída pela nobreza e pelos mulatos (mestiços de branco e negro), é classificada
como desavergonhada ou pícara.
Na quarta estrofe, a crítica é direcionada à economia e à corrupção. Isso porque,
além de caracterizar o preço das mercadorias ou os juros (usuras) como estupendos,
exagerados, o poeta destaca a pobreza daqueles que não roubam, consolidando a
existência de corrupção e desigualdades sociais na época descrita.

37
Aula 10: Sabendo o porquê

Caro aluno, agora, nós vamos estudar um tema em ortografia que costuma gerar
várias dúvidas: o uso dos porquês. Para começarmos, vamos dar uma olhadinha na
tabela a seguir:

FORMA EMPREGO
Em frases interrogativas (diretas e indiretas).

Exemplo: Por que você não vai ao cinema?

Por que Em substituição à expressão "pelo qual" (e suas variações).


Exemplo: As causas por que discuti com ele são particulares (pelas
quais).

Em perguntas, no final de frases.


Por quê
Exemplo: Ela não me ligou e nem disse por quê.

Em frases afirmativas e em respostas.


Porque
Exemplo: Não saí de casa, porque estava doente.

Como substantivo. Exemplo:


Porquê
Ninguém entende o porquê de tanta confusão.

Agora, que já conhecemos os usos dos porquês, vamos exercitar nossos


conhecimentos?

38
Atividade Comentada 10

1. Leia a tirinha, a seguir, e responda:

Fonte: http://www.blogdomatheus.com/2013/02/30-tirinhas-snoopy.html

a) Retire da tirinha uma frase em que o porquê expressa uma interrogação?


Resposta: Por que você o acertou?

b) Retire da tirinha uma frase em que o porquê expressa uma explicação?


Resposta: Porque ele estava lá!

c) A partir das respostas dadas nas questões anteriores, explique a diferença na grafia
dos porquês?
Resposta comentada: No terceiro quadrinho, por se tratar de uma pergunta e no
início da frase, o porquê é grafado separado e sem acento. Já no quarto, por se tratar
de uma resposta deve ser grafado sem espaço e sem acento.

39
2. Com base nos seus conhecimentos sobre o emprego dos porquês, leia o trecho a
seguir, retirado do Sermão da Sexagésima, do Padre Antônio Vieira, e explique o uso
dos porquês destacados:

“Primeiramente, por parte de Deus, não falta nem pode faltar. Esta proposição é de fé,
definida no Concílio Tridentino, e no nosso Evangelho a temos. Do trigo que deitou à
terra o semeador, uma parte se logrou e três se perderam. E porque se perderam
estas três? – A primeira perdeu-se, porque a afogaram os espinhos; a segunda, porque
a secaram as pedras; a terceira, porque a pisaram os homens e a comeram as aves.Isto
é o que diz Cristo; mas notai o que não diz. Não diz que parte alguma daquele trigo se
perdesse por causa do sol ou da chuva. A causa por que ordinariamente se perdem as
sementeiras, é pela desigualdade e pela intemperança dos tempos, ou porque falta ou
sobeja a chuva, ou porque falta ou sobeja o sol.”
Fonte: www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action&co_obra=1745

Resposta comentada: O primeiro termo destacado pertence a uma sentença


interrogativa, por isso, a sua grafia deve ser separada e sem acento circunflexo.
No segundo caso, pode-se destacar que a palavra porquê pertence ao enunciado da
resposta, portanto, o termo deve ser grafado sem espaço e sem acento.
Já no terceiro o termo destacado é usado para substituir a expressão "pelo qual" e a
sua grafia deve ser separada e sem acento circunflexo.

3. Leia o texto abaixo:


Poesia lírica, conjunto subdividido em poesia amorosa e filosófica, em cujos versos
percebe-se o devotamento a temas que envolvem questões sobre o porquê da
existência humana, fazendo supor a chegada de um período de introspecção e de
amadurecimento de personalidade.
Fonte:http://genibertoni.wordpress.com/o-teocentrismo-no-barroco-brasileiro/

Na passagem acima, o “porquê” foi empregado corretamente? Explique.

Resposta comentada: O termo destacado foi grafado corretamente, pois, na


passagem destacada, ele exerce o papel de um substantivo e deve, assim, ser
grafado sem espaço e com acento circunflexo.

40
Avaliação

Caro, Professor Aplicador, sugerimos algumas diferentes formas de avaliar as


turmas que estão utilizando este material:

1° Possibilidade:
As disciplinas nas quais os alunos participam da Avaliação do Saerjinho, pode-se utilizar
a seguinte pontuação:
 Saerjinho: 2 pontos
 Avaliação: 5 pontos
 Pesquisa: 3 pontos

As disciplinas que não participam da Avaliação do Saerjinho, podem utilizar a


participação dos alunos durante a leitura e execução das atividades do caderno como
uma das três notas. Neste caso teríamos:

 Participação: 2 pontos
 Avaliação: 5 pontos
 Pesquisa: 3 pontos

Leia o texto abaixo e responda às questões 1 a 4:

Fonte: http://extravirgem.com/tag/calvin-e-haroldo/

41
1. Por suas características, esse texto é um exemplo de...
a) Folheto
b) Tirinha
c) Charge
d) Anedota
e) Anúncio
Resposta: O texto é um exemplo de tirinha, portanto a alternativa correta é a b.

2. No segundo quadrinho, o traçado do balão indica que a menina está


a) Pensando
b) Falando
c) Gritando
d) Murmurando
e) Cochichando
Resposta: O contorno do balão denota que a menina está gritando, portanto a
alternativa correta é a c.

3. No terceiro quadrinho, a menina está


a) Furiosa
b) Amedrontada
c) Arrependida
d) Preocupada
e) Surpresa

Resposta: A fisionomia da menina indica que ela está furiosa, logo a alternativa
correta é a.

4. No texto, a expressão “tá bem” é típica da linguagem


a) Científica
b) Culta
c) Informal
d) Jornalística
e) Regional
Resposta: A expressão “tá bem” é típica da linguagem informal.

42
Leia o texto abaixo e responda às questões 5 e 6:

À mesma d. Ângela
Anjo no nome, Angélica na cara!
Isso é ser flor, e Anjo juntamente:
Ser Angélica flor, e Anjo florente,
Em quem, senão em vós, se uniformara:

Quem vira uma tal flor, que a não cortara,


De verde pé, da rama fluorescente;
E quem um Anjo vira tão luzente,
Que por seu Deus o não idolatrara?

Se pois como Anjo sois dos meus altares,


Fôreis o meu Custódio, e a minha guarda,
Livrara eu de diabólicos azares.

Mas vejo, que por bela, e por galharda,


Posto que os Anjos nunca dão pesares,
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.
MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1997.

5. Uma das características do Barroco presente no texto é


a) A valorização da religiosidade.
b) O gosto pela vida no campo.
c) A brevidade das coisas e da vida.
d) A ênfase nas belezas naturais.
e) A exposição de temas opostos.

Resposta comentada: O homem barroco estava dividido entre aproveitar os prazeres


da vida e a vivência religiosa e busca da salvação. No poema, o eu lírico aponta que a
sua amada Ângela, por ser tão bela, seria um anjo. No entanto, essa mesma beleza
seria uma tentação a ser rejeitada.

43
6. As figuras de linguagem presentes nos versos “Sois Anjo, que me tenta, e não me
guarda” são:
a) Comparação e metáfora
b) Metáfora e paradoxo
c) Hipérbole e antítese
d) Comparação e personificação
e) Personificação e hipérbole
Resposta: Nos versos retirados do texto, podemos perceber a comparação implícita
entre a mulher amada e um anjo e a declaração que, na verdade, Ângela, por ser tão
bela, o tenta mais do que o guarda.
Sendo assim, a reposta correta é a alternativa b.

Leia o texto a seguir:

Fonte: http://www.essaseoutras.xpg.com.br

7. O principal objetivo do texto é:


a) Fazer um convite.
b) Noticiar fatos.
c) Narrar uma história.
d) Ensinar um procedimento.
e) Criticar um comportamento.
Resposta comentada: O objetivo da charge é criticar o uso cada vez maior da
tecnologia nas relações sociais em detrimento da contato físico. Assim, a resposta
correta é a alternativa e.

44
Pesquisa

Caro professor aplicador, para a realização desta etapa, é fundamental


disponibilizar alguns recursos para a turma. Nesse sentido, seria interessante permitir
que os alunos tivessem acesso à sala de leitura ou ao laboratório de informática com
internet para realizar a pesquisa. Caso essas opções não estejam viáveis, uma saída,
seria separar previamente alguns jornais e revistas nos quais eles pudessem procurar
por exemplares dos gêneros charge e tira. A última etapa da pesquisa é mais indicada
para ser finalizada em casa.
Vale ainda destacar que é importante dividir a turma em grupos com, no máximo, 5
alunos e solicitar as produções em folha separada para posterior avaliação.

Caro aluno, agora que já você já estudou todos os principais assuntos relativos
ao 2° bimestre, é hora de discutir um pouco sobre a relevância deles. Para a realização
dessa proposta, forme um grupo com, no máximo, mais 4 colegas e façam o que se
pede.

I- Pesquisem em jornais, revistas ou internet uma charge atual. Em seguida, escrevam


um pequeno comentário sobre o assunto que ela critica. Não se esqueçam de indicar a
fonte.

II- Pesquisem em jornais, revistas ou internet uma tirinha. Verifiquem em que consiste
o humor, traçando um paralelo com os principais recursos que esse gênero textual
utiliza.

III- Gregório de Matos e Padre Antônio Vieira são os principais autores da estética
Barroca que você estudou nesse bimestre. Façam uma pesquisa sobre eles.
Destaquem as diferenças e semelhanças, se houver. Indiquem as fontes de pesquisa.

ATENÇÃO: Fazer esta parte da atividade em uma folha separada!

45
Referências

[1] KOCH, Ingedore Grunfeld Vilaça. O texto: construção de sentidos. Organon, Porto
Alegre, 1995.

[2] __________ A interação pela linguagem. 8 Ed. São Paulo: Contexto, 2003.

[3] KOCH, Ingedore Grunfeld Vilaça e TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 8.
Ed. São Paulo: Contexto, 1998.

[4] PASCHOALIN, Maria Aparecida. Gramática: teoria e exercícios/ Paschoalin


&Spadoto. Ed. renovada.- São Paulo: FDT 2008.

[5] MARCHUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In:


DIONÍSIO, Ângela P.: MACHADO, Anna R.: BEZERRA, Maria A. (org) Gêneros e ensino.
2ª edição Rio de Janeiro: Lucena, 2003.

[6] MATOS, Gregório in: DIMAS, Antônio (org.) Literatura comentada. São Paulo: Ed.
Abril, 1981.

46
Equipe de Elaboração

COORDENADORES DO PROJETO

Diretoria de Articulação Curricular

Adriana Tavares Maurício Lessa

Coordenação de Áreas do Conhecimento

Bianca Neuberger Leda


Raquel Costa da Silva Nascimento
Fabiano Farias de Souza
Peterson Soares da Silva
Ivete Silva de Oliveira
Marília Silva

PROFESSORES ELABORADORES

Andréia Alves Monteiro de Castro


Aline Barcellos Lopes Plácido
Flávia dos Santos Silva
Gisele Heffner
Leandro Nascimento Cristino
Lívia Cristina Pereira de Souza
Tatiana Jardim Gonçalves

47