Você está na página 1de 11

O PROFESSOR DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS .

UMA BREVE REFLEXÃO *

THE TEACHING OF NURSING AND THE PEDAGOGIC TREND

Myriam A. Mandetta Pettengill**


Lúcia Marta G. da Silva**
Mariusa Basso**
Beatriz H.R.A. Savonitti**
Isabel Cristina Vilela Soares**

P E T T E N G I L L , M . A . M . et al. O p r o f e s s o r de e n f e r m a g e m frente às tendências p e d a g ó g i c a s . U m a b r e v e reflexão. Rev.Esc.Enf.USP,


v.32, n . l , p.16-26, abr. 1998 .

RESUMO

As autoras fazem uma reflexão situando o professor de enfermagem nas diferentes abordagens pedagógicas (
Tradicional, Cognitivista, Comportamentalista, Humanista e Sócio-Cultural), com o objetivo de analisar sua
aplicação no ensino de enfermagem, contribuindo para que o professor reflita sobre sua prática e a exerça de forma
criativa e inovadora.

UNITERMOS: Enfermagem. Ensino. Teorias pedagógicas.

ABSTRACT

This paper reviews important aspects about teaching nursing, in order to give nursing professionals an outline of the
present pedagogical approaches (Traditional, Cognitivist, Behaviorist, Humanistic, Sociocultural), so that they can
reflect upon their role as educators.

UNITERMS: Nursing. Pedagogical approaches. Education.

INTRODUÇÃO

Este trabalho surgiu da nossa i n q u i e t a ç ã o Questionamos se o enfermeiro ao término da


quanto à pratica do docente de enfermagem, durante graduação estaria instrumentalizado para exercer
a disciplina Problemas do Ensino de Enfermagem, tais funções, uma vez que nos cursos, a ênfase é
oferecida no programa de Pós-Graduação da Escola geralmente dada aos aspectos biológicos do processo
de Enfermagem da USP. de assistir o p a c i e n t e , de a c o r d o com o modelo
Nós e n f e r m e i r o s , estamos s e m p r e nos biomédico hegemônico.
deparando com situações referentes ao processo de Desta forma, o enfermeiro assistencial, que por
ensino, nos mais variados momentos, seja assistindo tendência ou opção pessoal, passa a exercer atividades
pacientes e p r o m o v e n d o educação para saúde; docentes, o faz de maneira intuitiva, seguindo modelos
exercendo atividades administrativas j u n t o à equipe que lhe foram significativos durante sua formação
de enfermagem e p a r t i c i p a n d o de p r o g r a m a s de acadêmica. Segundo BIGGE (1977) "toda pessoa que
educação continuada e ainda, atuando diretamente ensina tem uma teoria de aprendizagem" seja ela
no ensino contribuindo para a formação de futuros solidamente assentada em bases teóricas da psicologia
profissionais. científica ou sobre suas crenças e valores.

Trabalho apresentado à disciplina:" Problemas do ensino de Enfermagem", do Programa de P ó s - G r a d u a ç a o da E E U S P .


Enfermeiras. M e s t r a n d a s do P r o g r a m a de Pós-Graduaçao e m E n f e r m a g e m da E E U S P
Todas as ações de um professor são orientadas • analisar as diferentes abordagens pedagógicas
pela forma como vê o mundo, pelos objetivos que e s u a a p l i c a ç ã o n o e n s i n o de e n f e r m a g e m ,
pretende atingir, pela sua concepção de educação contribuindo para que o professor de enfermagem
etc. Entretanto, o professor nem sempre é capaz de reflita sobre sua prática e a exerça de forma criativa
explicitar claramente as teorias de aprendizagem e inovadora.
que o influenciaram, muito embora um espectador
e x p e r i m e n t a d o p o s s a identificá-las a p a r t i r da
observação.
METODOLOGIA
Buscamos, através deste estudo, analisar as
diferentes t e n d ê n c i a s p e d a g ó g i c a s , s i t u a n d o o
professor de enfermagem dentro de cada uma delas, Optamos por descrever, de forma sucinta, as
a fim de p o s s i b i l i t a r q u e os e n f e r m e i r o s se abordagens pedagógicas discutindo como tem sido
identifiquem em pelo menos uma dessas tendências utilizada no ensino de enfermagem e, na seqüência,
e a partir daí procurem maior embasamento para a p r e s e n t a r um e x e m p l o de situação prática do
sua prática docente. p r o f e s s o r de e n f e r m a g e m em c a d a u m a delas,
a p o n t a n d o , e n t r e p a r ê n t e s i s , as p r i n c i p a i s
E n c o n t r a m o s na l i t e r a t u r a c l a s s i f i c a ç õ e s
características evidenciadas.
propostas por LIBÂNEO (1982) e SAVIANI (1985)
que serviram para nossa compreensão do assunto, D u r a n t e a a p r e s e n t a ç ã o do t r a b a l h o na
porém o p t a m o s p e l o referencial de M I Z U K A M I disciplina, tal exemplificação foi realizada através
(1986), pois facilita a apresentação pela maneira da técnica de dramatização, sendo solicitado aos
como classifica as diversas tendências. participantes que observassem as características de
cada abordagem e anotassem. A o término, cada um
A a u t o r a d i v i d i u as t e n d ê n c i a s em 5
relatava sua seqüência anotada e o que levou àquela
abordagens pedagógicas, sendo: Tradicional,
suposição, gerando uma discussão no grupo.
Cognitivista, Comportamentalista, Humanista e
Sócio-Cultural.
Segundo BIGGE(1977), é necessário salientar
que dentre as diferentes teorias de aprendizagem, ABORDAGEM TRADICIONAL
nenhuma, em particular, pode ser tomada c o m o
superior às o u t r a s em termos a b s o l u t o s , s e n d o Para S N Y D E R S (1974), o ensino tradicional é
freqüente que o professor desenvolva uma forma de o ensino verdadeiro, onde a atividade de ensinar está
atuação a partir da contribuição de várias teorias. centrada no professor que a e x p õ e e interpreta,
Ver o professor de enfermagem sob o enfoque c o n d u z i n d o o a l u n o ao c o n t a t o c o m as g r a n d e s
de cada tendência pedagógica nos permite refletir realizações da humanidade e da cultura em geral.
sobre cada uma delas. A reflexão sobre o problema Para que isto ocorra, utiliza-se de meios como a
nos leva à crítica do mesmo e segundo M O R A E S apresentação de objetos, ilustrações e exemplos,
(1996) "examinar a crítica, analisá-la sob os contudo o principal método é a palavra, exposição
diferentes ângulos em que é proposta e buscar sua oral da matéria a ser assimilada pelo aluno. Este
superação: esta é a tarefa mais complexa. Do ângulo tipo de ensino é voltado para o externo do aluno
de docência, o ensino, exige reflexão importante. E como: o programa, a disciplina, o professor, partindo
preciso revitalizá-lo, pensá-lo em novas do princípio que o aluno é um mero espectador que
perspectivas." realiza s o m e n t e o q u e lhe é m a n d a d o , p o r uma
Para o professor promover sua prática docente autoridade centrada em si mesma que é o professor.
é necessário alto c o n h e c i m e n t o técnico, reflexão Considera-se que o h o m e m irá c o n h e c e r o
constante e engajamento intelectual e afetivo. Deve mundo a partir das informações que receber durante
estar sempre em busca de inovação, propondo novas o p e r í o d o de sua f o r m a ç ã o , s e n d o p o r t a n t o um
formas de atuação que facilitem o aprendizado. receptor passivo, e após assimilação do conteúdo,
O relevante é que a atuação do educador seja poderá repeti-lo a outras pessoas que ainda não
coerente, consistente e adequada do ponto de vista dominem o assunto, sendo assim eficiente em sua
educacional, o que pode ser alcançado após análise profissão, q u a n d o de posse dessas informações e
cuidadosa das teorias existentes bem como através conteúdos.
do conhecimento e reflexão acerca do ambiente em Na a b o r d a g e m t r a d i c i o n a l a e d u c a ç ã o é
que se processa o ensino e como ele é influenciado considerada como um produto, pois os modelos já
por estas teorias. estão p r e e s t a b e l e c i d o s , o n d e o p r o c e s s o ensino-
De a c o r d o c o m o q u e foi e x p o s t o , n o s s o a p r e n d i z a g e m está a u s e n t e , p o i s as i d é i a s são
objetivo neste trabalho é: selecionadas e organizadas logicamente.
Supõe-se que o a l u n o a o o u v i r e ao fazer d e c o r r e r d e s t a a p r e n d i z a g e m , o c o r r e n d o uma
exercícios repetitivos, irá automaticamente decorar interação entre o aluno e o professor, cujo objetivo é
a m a t é r i a para d e p o i s r e p r o d u z i - l a a t r a v é s de formar pessoas para d e s e n v o l v e r uma atividade
chamada oral ou prova, cujo objetivo primordial é específica na sociedade.
constatar que o aluno assimilou o mínimo exigido, Observa-se contudo, que a maioria das escolas
para poder passar para uma nova etapa do ensino. de enfermagem segue a tendência tradicional, onde
O objetivo implícito ou explícito deste tipo de o professor é o d e t e n t o r do saber, tendo como
e n s i n o é o de f o r m a r u m a l u n o i d e a l . É resultado uma r e l a ç ã o v e r t i c a l entre professor-
predominantemente dedutivo. Em geral, há uma aluno. O mesmo é observado na prática diária de
decomposição da realidade onde a intenção é a de enfermagem (enfermeiro-paciente), quando ambas
simplificar o ensino. As matérias são dadas de forma deveriam ter uma relação horizontal. Acreditamos
isolada, não levando em consideração os interesses portanto que está na hora de repensarmos sobre a
do aluno, da sociedade e da vida como um todo. necessidade de mudanças no processo de ensino de
Baseia-se na apresentação de dados sensíveis, onde enfermagem, contemplando de forma mais concreta
o aluno observa e constrói a imagem em sua mente. e real os interesses e necessidades dos alunos de
Mostrar objetos, gravuras, serve para melhor e n f e r m a g e m , q u e n e m s e m p r e são o u v i d o s ou
memorização do que é captado pelos sentidos. observados pelo docente que segue essa abordagem.
O material concreto é mostrado, demonstrado, Talvez seja, para esse professor menos complexo
até mesmo tocado pelo aluno, mas não é repensado manter uma certa distância do aluno, pois não corre
ou mesmo reelaborado pelo seu próprio pensamento. o risco de ser questionado durante as arguições,
tornando-se detentor único do saber e dominador
Segundo M I Z U K A M I (1986), para Chartier a
da situação, de forma que só resta ao aluno a opção
escola é u m l o c a l o n d e se r a c i o c i n a , em que o
de ser passivo e um mero repetidor do que lhe foi
ambiente deve ser austero para que o aluno não se
transmitido.
distraia. Considera o ato de aprender c o m o uma
cerimônia e acha n e c e s s á r i o que o professor se O desenvolvimento desta aula que
mantenha distante do aluno, ocorre uma relação r e t r a t a r e m o s a s e g u i r i l u s t r a um professor de
vertical, onde o professor é considerado o detentor enfermagem que segue este modelo.
do saber e o aluno mero e passivo receptor. PROFESSOR - "Hoje a aula será sobre a importância
No processo ensino-aprendizagem a ênfase é e a técnica de lavagem das mãos, onde utilizarei este
dada às situações vivenciadas em sala de aula, único cartaz para. que vocês possam visualizar e memorizar
l o c a l q u e se p o d e a p r e n d e r e p e r p e t u a r as melhor os passos da técnica, (conteúdo
informações. Contudo, este tipo de método propicia preestabelecido pelo professor, exposição oral)
a formação de reações estereotipadas, sem valor - Não me interrompam durante a
educativo vital, desprovido de significado social, explicação ( ambiente austero, professor
inútil para a formação da capacidade intelectual e detentor do saber, aluno posição passiva)
para f o r m a ç ã o do p e n s a m e n t o r e f l e x i v o , pois o
ALUNO- interrompe fazendo uma pergunta sobre o
d e s e n v o l v i m e n t o do r a c i o c í n i o , está r e d u z i d o à
cartaz
prática de memorização.
P R O F E S S O R - Por favor não me interrompam,
A metodologia baseia-se com freqüência em
perguntas só no final ( p r o f e s s o r detentor do
aulas expositivas e em demonstrações do professor,
saber).
tendo como medida de avaliação da aprendizagem,
a reprodução do conteúdo pelo aluno. No caso de - Repitam a técnica agora até decorarem
dúvidas em sala de aula, estas são s a n a d a s (aluno é um mero repetidor, processo ensino-
individualmente, e o restante da classe não participa aprendizagem ausente)
nem do questionamento feito pelo aluno e nem da - Ah! é matéria para prova, eu quero que
explicação dada pelo professor. A ênfase não é dada todos vocês decorem tudo. (constatação que o
ao educando, e sim ao professor com o intuito de aluno assimilou se dá através de prova).
garantir a aquisição do conteúdo cultural pelo aluno.
Através desse exemplo podemos verificar que
O docente de enfermagem tem como objetivo o professor permanece como o detentor do saber, não
centrar o aluno no "ser enfermeiro ", inteirando-o e permite aproximação do aluno e exige obediência e
fazendo-o interagir no processo saúde/doença. disciplina rígida. A ênfase dada é no conteúdo e não
A n a t u r e z a da e n f e r m a g e m é c o m p l e x a , na pessoa. E claro que tal exemplo chega a ser uma
contudo a natureza do professor de enfermagem o é caricatura desse professor mas, se fizermos uma
ainda mais, pois um d e t e r m i n a d o g r u p o s o c i a l reflexão nos lembraremos de vários exemplos em
(alunos de enfermagem) será formado pelo docente. nossa vida escolar, e de situações em que atuamos
C o m p o r t a m e n t o s e h á b i t o s s e r ã o m u d a d o s no c o m n o s s o s p a c i e n t e s e a l u n o s dessa maneira.
Observamos com freqüência professores queixando- U m a das diretrizes da escola Piagetiana é
se que os resultados não foram satisfatórios e que trabalho em grupo, onde situações são criadas para
não sabem porque os alunos não estão apreendendo o p e r a c i o n a l i z a ç ã o de c o n c e i t o s , de f o r m a a
os conteúdos efetivamente. p r o p o r c i o n a r a r e e q u i l i b r a ç ã o do aluno, ou seja
q u a n d o ele r e a l m e n t e adquire um novo
conhecimento e está m a d u r o para a aquisição de
outros mais complexos.
ABORDAGEM COGNITIVISTA
A relação professor-aluno deve ser horizontal,
ou seja reciprocidade intelectual, cooperação moral
A abordagem cognitivista está ligada a
e racional. Cabe ao professor evitar rotina, fixação
processos organizacionais do c o n h e c i m e n t o , suas
de r e s p o s t a s e h á b i t o s . A s a u l a s d e v e m s e r
formas, p r o c e s s a m e n t o , e l a b o r a ç ã o e tomada de
dinâmicas, onde se propõe problemas sem contudo
decisão. Segundo M I Z U K A M I (1986), esta teoria
ensinar-lhes as soluções; provocar desafios, porém
estuda cientificamente a aprendizagem como sendo
mantendo o autocontrole e a autonomia dos alunos;
um produto do meio ambiente, das pessoas ou de
coordenar, orientar para que o aluno desenvolva
f a t o r e s e x t e r n o s ao a l u n o . T e m u m a c e r t a
suas c a p a c i d a d e s da f o r m a m a i s i n d e p e n d e n t e
preocupação com as relações sociais, contudo dá
possível
maior ênfase à capacidade do aluno absorver as
informações e processá-las. Segundo M I Z U K A M I (1986), o aluno deve ser
tratado de acordo c o m sua fase evolutiva e o ensino
Piaget é considerado um dos propulsores desta deve ser adaptado conforme o seu desenvolvimento
tendência. Segundo MALRIEU (1974), para Piaget m e n t a l e s o c i a l . Cabe ao a l u n o o b s e r v a r ,
a inteligência é uma ação que consiste na assimilação experimentar, comparar, analisar e levantar
do real aos esquemas inatos ou adquiridos e da hipóteses, sempre com o professor orientando para
acomodação destes últimos aos fatos que resistem a que ele explore os problemas, sem contudo dar-lhes
esse p r o c e s s o de a s s i m i l a ç ã o . C o n s i d e r a - s e o respostas.
i n d i v í d u o c o m o u m s i s t e m a a b e r t o q u e v a i se
construindo a cada novo momento em busca cada Para M A L R I E U (1974), educar não é mostrar,
vez do racional, da crítica, capaz de mudá-lo e ao é e n s i n a r a i n v e n t a r . O p r o f e s s o r d e v e ser um
meio onde vive. orientador para os alunos, um instigador, fazendo
com que os alunos aprendam por si mesmo, porém
M I Z U K A M I (1986), refere que Piaget sem abandoná-los. Deve ser atento aos passos de
considera a existência de duas fases para a aquisição a p r e n d i z a g e m dos alunos, p r o p o r - l h e s questões,
do conhecimento: Fase Exógena, que é a fase da p r o v o c a r s i t u a ç õ e s o n d e o s m e s m o s reflitam e
constatação, da cópia, da repetição e Fase Endógena, estejam abertos para descobrir e apreender.
que é a fase da c o m p r e e n s ã o das r e l a ç õ e s , das
combinações. Acredita-se que o indivíduo adquire Nos últimos anos as escolas de enfermagem
um determinado conhecimento quando ele está na têm se r e e s t r u t u r a d o p a r a v á r i a s m u d a n ç a s no
fase endógena, ou seja, ele compreende, cria, tem ensino, e destas ocorre a preocupação com a forma
pensamento reflexivo em relação ao conhecimento; de ensinar e desenvolver o aluno.
é quando ele consegue coordenar as ações através Podemos constatar que o conhecimento já não
de suas próprias atividades. Na v e r d a d e não se é m a i s t r a n s m i t i d o s o m e n t e de f o r m a v e r t i c a l
aprende nada relativamente novo, tudo já existe, professor-aluno, mas de uma forma horizontal, o que
apenas não era conhecido, observado, compreendido implica o emprego de novas abordagens pedagógicas.
ou assimilado pelo indivíduo. Na teoria cognitivista o aluno parte do senso
Dentro desta tendência o objetivo da educação comum e vai se estruturando, construindo seu saber.
não é a transmissão de informação, verdades ou Talvez aqui podemos entrever uma relação ensino-
demonstração, e sim que o aluno aprenda por si aprendizagem na área de enfermagem, pois, o aluno
mesmo a verificar a veracidade destas informações quando chega a escola nada mais é que um iniciante
e que ao mesmo tempo repense e as recrie de forma dando seus p r i m e i r o s passos para descoberta de
real, tendo como meta final a autonomia intelectual novos conhecimentos, daí elaborando novas idéias
do aluno, assegurado pelo desenvolvimento de sua O ensino de enfermagem no decorrer do curso,
personalidade de instrumento lógico-racional. leva o aluno a experienciar várias posições. Deve
A escola deverá oferecer ao aluno a passar por um processo reflexivo abandonando
p o s s i b i l i d a d e de a p r e n d e r p o r si p r ó p r i o , de velhos conceitos, construir o seu conhecimento a
investigar individualmente um determinado fato, partir da observação, análise e desenvolvimento.
através da m o t i v a ç ã o intrínseca, ou seja a fase O professor de enfermagem já não é mais um
endógena existe em cada um de nós. t r a n s m i s s o r de c o n h e c i m e n t o s , onde ele apenas
mostra e o aluno aprende de forma passiva, mas ele A L U N O B: Podemos pensar que ele acredita não ser
é um coordenador que propõe e evidencia situações, necessário lavar as mãos por estar usando luvas, o
leva o aluno a observar, refletir e desenvolver suas q u e é m u i t o c o m u m a c o n t e c e r p o r falta de
idéias e adquirir outros conhecimentos. conhecimento (alunos demonstram estar
Para exemplificar esta tendência dentro da c o m p r e e n d e n d o o s i g n i f i c a d o e i m p o r t â n c i a do
enfermagem podemos imaginar uma aula sobre a procedimento assim como resgatam o que haviam
técnica de lavagem das mãos. pesquisado)
Após várias discussões sobre a situação...
PROFESSOR: Como conseqüência dos
conhecimentos até agora adquiridos, podemos P R O F E S S O R : A g o r a v o c ê s ainda acham que
estudar hoje sobre a técnica da lavagem das mãos. l a v a g e m das m ã o s é a s s u n t o s o m e n t e de pré-
(o professor mostra que o ensino aprendizagem é de primário?
acordo com os passos do conhecimento dos alunos - A L U N O S : Não, já sabemos que necessitamos lavar
conseqüência dos conhecimentos). as mãos antes de cuidar de cada paciente, antes de
ALUNOS: lavagem das mãos? Mas isto parece aula várias atividades.
de pré-primário o n d e se aprende h i g i e n e , c o m o :
PROFESSOR: Muito bem e o que mais, com o que
escovar os dentes, lavar as mãos antes das refeições, vocês relacionam a não lavagem das mãos?(professor
etc. instiga os alunos a falarem mais e analisar, fazer
PROFESSOR: Eu sei , mas v a m o s ver o que, além correlações).
da higiene, está relacionado o lavar das mãos, a
ALUNOS: Sabemos que a não execução da técnica
importância.... (professor incita os alunos a refletir,
da lavagem das mãos pode levar ao aumento das
pensar e descobrir novos conhecimentos a partir
infecções e que deve ser realizada corretamente..
dos que já tem).
ALUNO: Ah! j á sei precisamos lavar as mãos para O s a l u n o s a t r a v é s da i n v e s t i g a ç ã o e
não levar doenças para os pacientes. p r o b l e m a t i z a ç ã o c o n s e g u i r a m a p r e n d e r por si
mesmo, e o professor foi apenas fazendo orientações
PROFESSOR: Só isto? temos muito mais a descobrir
para que eles próprios refletissem e adquirissem os
e falar da lavagem das mãos, tentem descobrir,
conhecimentos necessários. Nessa abordagem
façam grupos, p r o c u r e m m a i o r e s i n f o r m a ç õ e s e
o b s e r v a m o s que o p r o f e s s o r incita os alunos a
tragam para discutirmos na próxima aula, estarei a
procurarem o conhecimento, a refletirem em relação
disposição para dúvidas, (professor induz os alunos
a uma situação e a chegarem às próprias conclusões.
a p r o c u r a por n o v o s c o n h e c i m e n t o s e não ficar
apenas no senso comum, a espera de que tudo lhes
seja transmitido passivamente).
ALUNOS: se dividem em grupos, v ã o pesquisar e ABORDAGEM COMPORTAMENTALISTA
discutem sobre o assunto.
Na aula seguinte, professor e alunos discutem Esta teoria baseia-se fundamentalmente, no
e os alunos mostram ao professor o que adquiriram empirismo, primando pela observação do mundo
de informações. real. "As a ç õ e s h u m a n a s e t o d a n a t u r e z a são
comparáveis a uma máquina enorme operando de
PROFESSOR: Vamos analisar o seguinte caso: Um a c o r d o c o m leis m e c a n i c i s t a s " (GOODING;
auxiliar de enfermagem é escalado para fazer os PITTENGER,1977).
curativos cirúrgicos de 3 pacientes pós operados na
O h o m e m é v i s t o c o m o p r o d u t o do meio e
unidade de clinica cirúrgica. Ele prepara todo o
sujeito às c o n t i n g ê n c i a s deste, o c o n h e c i m e n t o
material, calça as luvas e inicia o procedimento com
o
o I paciente, a seguir com o 2° e da mesma forma derivado da realidade externa já estava presente e
o
com o 3 paciente. Ao término de todos os curativos é uma descoberta (MIZUKAMI,1986).
ele procede a limpeza do material, lava as mãos e Para os c o m p o r t a m e n t a l i s t a s , também
faz suas anotações. O que você acha desta situação? denominados behavioristas, a experimentação
(Propondo uma situação real e através da discussão planejada é o alicerce do conhecimento, ou seja, a
do problema apresentado, os alunos v ã o construir o experiência determina o c o n h e c i m e n t o . Segundo
seu próprio conhecimento). M I Z U K A M I ( 1 9 8 6 ) , "a c i ê n c i a c o n s i s t e n u m a
A L U N O S A: B o m p r o f e s s o r , eu a c r e d i t o q u e o tentativa de descobrir a ordem na natureza e nos
auxiliar está agindo de forma incorreta pois ele eventos".
deveria ter lavado as mãos entre um paciente e Ainda segundo MIZUKAMI (1986), o estudioso
outro, trocado de luvas, pois da forma como agiu ele c o n t e m p o r â n e o desta abordagem é Skinner,
está e x p o n d o t o d o s os 3 p a c i e n t e s à i n f e c ç ã o psicólogo americano, segundo o qual "cada parte do
hospitalar. comportamento é uma função de alguma condição
Myriam A. Mandotta Pettengill et al.

que é descritível em termos físicos, da mesma forma O i n d i v í d u o , s e g u n d o esta abordagem,


que o comportamento". Para ele o comportamento é determina sua visão com base nas conseqüências que
resultante do condicionamento operante, onde uma se seguiram a um comportamento semelhante no
resposta desejada torna-se mais provável ou mais passado, assim dirigindo-se os reforços no sentido
freqüente quando reforçada. Skinner considera que do comportamento desejado obtém-se a
o aluno é n e u t r o e r e c i p i e n t e de i n f o r m a ç õ e s , aprendizagem intencionada.
desenvolvendo modelos que implicam recompensa e Nota-se que, nesta abordagem, as interações
controle, direcionados para os aspectos observáveis do i n d i v í d u o c o m o m e i o , d e c o r r e n t e s de suas
e mensuráveis da educação. percepções, impulsos e outras situações não
Os comportamentalistas c o n s i d e r a m que o mensuráveis e observáveis não são considerados. É
ambiente pode ser a l t e r a d o e em c o n s e q ü ê n c i a bem v e r d a d e , no entanto, que o ensino nesta
alterar-se o comportamento. abordagem pode ser individualizado, na medida em
D o p o n t o de v i s t a e d u c a c i o n a l d e v e - s e que se particulariza o evento reforçador para se obter
transmitir conhecimentos, habilidades, o aprendizado planejado.
comportamentos por meio da experimentação. Os No tocante à enfermagem, podemos sugerir
modelos são estruturados e controlados de forma a que o condicionamento operante se faz presente no
atingir os objetivos propostos. Para que isso ocorra ensino das técnicas e procedimentos de enfermagem.
são necessários os reforços que podem ser positivos Uma seqüência de passos são programadas para que
de forma a se c o n d i c i o n a r o aluno a apresentar se atinja a habilidade esperada no desempenho da
respostas ou c o m p o r t a m e n t o s d e s e j á v e i s , ou função objetivada.
n e g a t i v o s para l e v a r à e x t i n ç ã o u m a r e s p o s t a As a u l a s em l a b o r a t ó r i o s de t é c n i c a s de
indesejável apresentada pelo aluno. enfermagem visam treinar os alunos, passo a passo,
Ao professor cabe planejar, estruturar e num ambiente especialmente preparado para esse
controlar os meios pelos quais se deseja atingir os fim e, p o r t a n t o , c o n t r o l a d o p e l o p r o f e s s o r que
objetivos propostos. Os reforços, p o d e m ser, por d e t e r m i n a os reforços necessários para o
exemplo: notas, elogios, distinções e prestígio. aprendizado programado.
Uma forma de exemplificar a estruturação do Com isso, pode-se notar que comportamentos
e n s i n o , n e s t a a b o r d a g e m , s e r i a m os e s t u d o s i n d e s e j á v e i s s ã o e x t i n t o s , c e d e n d o l u g a r aos
programados, bastante difundidos em nosso meio. considerados adequados e pertinentes.
A divisão de t e m a s a b r a n g e n t e s em p e q u e n o s O mesmo pode ser observado nos campos de
módulos s e q ü e n c i a l m e n t e aplicados, l e v a r i a m o e s t á g i o , o n d e o s a l u n o s p o d e m e x e r c i t a r o que
indivíduo à aquisição de h a b i l i d a d e s e aprenderam e receber reforços adicionais e
comportamentos mais complexos. adequados a esta etapa subsequente, consolidando
A abordagem comportamentalista busca o aprendizado desejado.
aplicar os conhecimentos científicos à educação, que A fim de c o m p r e e n d e r m o s m e l h o r estas
é tratada tecnologicamente, os objetivos a serem colocações imaginemos a seguinte cena:
atingidos pressupõem a determinação prévia do que P R O F E S S O R - Hoje v a m o s aprender a técnica de
se deseja ensinar, até que ponto se pretende que o p r e p a r o de m e d i c a ç ã o i n j e t á v e l I M . P a r a isto
aluno aprenda e a quais condições se deseja que o devemos seguir os seguintes passos:
aluno responda.
1. Verificar a prescrição
O processo ensino-aprendizagem não
2.Solicitar e conferir a medicação
pressupõe a participação do aluno na decisão do que
aprender e o controle dos meios é total por parte 3.Preparar com técnica asséptica conforme prescrito
dos que decidem, o que evidencia a posição de que o 4.Colocar em uma bandeja com bolas de algodão e
que não foi planejado não é desejado. álcool.
Sendo condicionamento operante "o processo 5.Verificar a identificação do paciente
de aprendizagem pelo qual uma resposta torna-se 6.Fazer assepsia da pele
mais provável ou mais freqüente; assim denominado
7.Administrar em â n g u l o de 90° n o m ú s c u l o
porque opera sobre o ambiente e gera mudanças"
escolhido
BIGGE (1977).
8. Retirar a agulha
Observamos que um operante - seqüência de
atos ou comportamento, são reforçados, aumentando 9. Comprimir o local com bola de algodão.
a probabilidade de certas respostas se repetirem;
n e s t e s e n t i d o , as r e s p o s t a s o p e r a n t e s são Verificamos aqui que a situação é dividida em
modificadas ou substituídas conforme planejado etapas seqüenciais, o indivíduo deve segui-las a fim
anteriormente. de obter o resultado desejado.
Os reforços são dados pelo professor durante ser "motivado", afirma que o jovem é
o p r o c e d i m e n t o e ao t é r m i n o deste, sob formas intrinsecamente motivado, em alto grau, porém com
variadas - do elogio a notas propriamente ditas. o passar do tempo torna-se amortecido. Assim, o
Aqui ficou evidente para nós que a papel do professor como facilitador da aprendizagem
preocupação do professor é fazer o aluno aprender é a de suscitar essa motivação, descobrir que desafios
determinada técnica através da memorização. Com são reais para o j o v e m e proporcionar-lhe a
o detalhamento dos passos de uma tarefa, cada etapa oportunidade de enfrentá-los.
n e c e s s a r i a m e n t e se apoia na s u b s e q u e n t e p a r a A e s c o l a d e v e o f e r e c e r c o n d i ç õ e s que
facilitar a compreensão e a execução pelo aluno. Só possibilitem a autonomia do aluno, respeitá-lo tal
é permitido ao aluno seguir para a próxima etapa como é para que ele possa se desenvolver. Segundo
quando consegue êxito na anterior. LIBÂNEO (1982), é acentuado o papel da escola na
Nos laboratórios de técnicas de enfermagem, formação de atitudes, portanto, deve estar mais
o n d e o s a l u n o s se e x e r c i t a m , é f r e q ü e n t e preocupada com os problemas psicológicos do que
verificarmos os ensaios dos alunos no desempenho com os pedagógicos ou sociais.
de procedimentos, passo a passo, até adquirirem R O G E R S ( 1 9 7 8 ) c o n s i d e r a que algumas
habilidade necessária ao mesmo. qualidades do professor são essenciais para facilitar
O papel do aluno limita-se ao recebimento das a aprendizagem, como a autenticidade, o professor
informações, reprodução dos passos da experiência deve ser sempre uma pessoa real nos contatos com
até obtenção do resultado final com êxito. seus alunos, ser para seus alunos uma pessoa, não
O professor controla o ambiente e os reforços. a corporificação sem feições irreconhecíveis, de uma
A a v a l i a ç ã o da a p r e n d i z a g e m é a t r a v é s da e x i g ê n c i a c u r r i c u l a r . Q u a n d o o p r o f e s s o r se
observação da modificação do c o m p o r t a m e n t o no encaminha para um encontro pessoal direto com o
sentido planejado. aprendiz , encontrando-se com ele na base pessoa-
pessoa significa que está sendo ele próprio.
Outra qualidade é o apreço, aceitação e
ABORDAGEM HUMANISTA confiança no aprendiz. É interessar-se pelo aprendiz,
mas um interesse não possessivo, é a aceitação de
um outro indivíduo, uma pessoa separada, cujo valor
Nesta tendência o enfoque central é o aluno. próprio é um direito seu. Relatos de estudantes que
Os estudiosos que representam as idéias centrais v i v e r a m tais e x p e r i ê n c i a s reforçam essa idéia,
dessa abordagem são Carl Rogers e A. Neill. Segundo muitos dizem que sentiam-se importantes, maduros
M I Z U K A M I (1986), para eles a ênfase se dá nas e capazes de fazerem as coisas por si mesmo.
relações interpessoais e no crescimento que delas
r e s u l t a , c e n t r a d o n o d e s e n v o l v i m e n t o da A q u a l i d a d e q u e e s t a b e l e c e c l i m a de
personalidade do indivíduo. O professor em si não aprendizagem auto-iniciada, experiencial, é a
t r a n s m i t e c o n t e ú d o , dá a s s i s t ê n c i a , s e n d o u m compreensão empática . Para o autor, é quando o
facilitador da aprendizagem. O conteúdo advém das p r o f e s s o r tem a h a b i l i d a d e de c o m p r e e n d e r as
próprias experiências dos alunos, assim o professor reações íntimas do aluno, quando tem a percepção
não ensina: apenas cria condições para que os alunos sensível do modo c o m o o aluno vê o processo de
aprendam. aprendizagem significativa. E a atitude de estar no
lugar do outro, de ver pelos olhos do aluno, quando
Para L I B Â N E O (1982) "A ênfase que esta
i s s o o c o r r e , v e r i f i c a - s e u m e n o r m e e f e i t o de
tendência põe nos processos de desenvolvimento das
libertação.
r e l a ç õ e s e da c o m u n i c a ç ã o t o r n a s e c u n d á r i a a
transmissão de conteúdos. Os processos de ensino Desta forma, para R O G E R S (1978), o processo
v i s a m f a c i l i t a r aos e s t u d a n t e s os m e i o s p a r a de ensino irá depender do caráter individual do
buscarem por si mesmos os conhecimentos que, no professor, como ele se inter-relaciona com o caráter
entanto, são dispensáveis". individual do aluno. Não é possível especificar as
Rogers, segundo M I Z U K A M I (1986), afirma c o m p e t ê n c i a s de um p r o f e s s o r , pois elas dizem
que a experiência pessoal e subjetiva é o fundamento respeito a uma forma de relacionamento de professor
sobre o qual o c o n h e c i m e n t o é construído, no e aluno, que sempre é pessoal e única.
decorrer do processo de vir-a-ser da pessoa humana. O relato da Caracterização da Disciplina de
Ao experienciar o homem conhece, portanto a Enfermagem Pediátrica da EEUSP, pelos docentes
experiência constitui um conjunto de realidades da referida disciplina, é um exemplo de experiência
vividas por ele. de ensino na enfermagem que contempla essa opção
Ainda segundo Rogers, o único h o m e m que se p e d a g ó g i c a . S e g u n d o B O N I L H A et al.(1990), as
educa é aquele que aprendeu como aprender. Fica docentes pretendem oferecer ao aluno uma proposta
muito irritado com a idéia de que o estudante deva que "combine o lógico e o intuitivo, o intelecto e o
sentimento, o conceito e a experiência, a idéia e o se e m o r g a n i z a r e tornar facilmente
significado, num processo continuo." Ainda afirmam disponíveis recursos)
q u e "a d i s c i p l i n a p o s s u i c o m o c a r a c t e r í s t i c a Os alunos demonstram interesse durante as
fundamental, ser centrada no estudante" e que," o discussões e o professor segue a proposta da aula,
propósito do curso não é apenas aprender sobre a sempre discutindo e trocando experiência com eles....
matéria, mas aprender essa matéria como pessoas ( o u v i n d o a o p i n i ã o e t o m a n d o d e c i s ã o em
inteiras". conjunto o facilitador estabelece o clima do
Assim, desenvolvem o c o n t e ú d o através de grupo, conta com o desejo do aluno de realizar
e s t r a t é g i a s que p o s s i b i l i t a m ao a l u n o a os propósitos que têm sentido, para cada um,
familiaridade, o conhecimento, a compreensão e a c o m o f o r ç a de m o t i v a ç ã o s u b j a c e n t e à
aplicação do conteúdo. Isto pode ocorrer através de aprendizagem significativa.)
preleções, observações, demonstrações, ensino de Ao t é r m i n o das a p r e s e n t a ç õ e s e após a
campo e leituras. discussão do grupo, o professor facilitador faz uma
Para o desenvolvimento pessoal, as estratégias reflexão j u n t o com os alunos sobre a experiência
utilizadas são aquelas que facilitam o contato e a vivida, em relação ao conteúdo trabalhado, tentando
p e r c e p ç ã o d o a l u n o ao p r ó p r i o p r o c e s s o de apreender o significado para os alunos. A impressão
aprendizagem. São realizados contatos no decorrer do grupo de alunos e do professor é que o resultado
do curso com a finalidade de possibilitar reflexões do encontro foi positivo e houve um aprendizado
sobre as e x p e r i ê n c i a s o c o r r i d a s , m o t i v a ç õ e s e significativo.
dificuldades.
Nossa impressão é que nessa abordagem o
No n o s s o g r u p o de d i s c u s s ã o n e n h u m dos aluno torna-se mais r e s p o n s á v e l e adquire mais
participantes desenvolveu uma experiência nesse autonomia, ele é respeitado enquanto pessoa. Como
referencial. Observamos, pelas leituras e relatos de o p r o f e s s o r se c o l o c a n u m a p o s i ç ã o h o r i z o n t a l ,
professores e alunos, que ela realmente favorece o p r e o c u p a d o c o m o a l u n o , que está v i v e n c i a n d o
aprendizado e o desenvolvimento da pessoa, do ser situações, n ã o há temor por parte do aluno em se
humano, tanto do aluno quanto do professor. e x p o r , p e r m i t i n d o que o m e s m o e s c l a r e ç a suas
Numa tentativa de exemplificar como seria duvidas e haja crescimento.
esta a b o r d a g e m e facilitar sua c o m p r e e n s ã o na
prática da e n f e r m a g e m , p r o p o m o s i m a g i n a r a
seguinte cena:
ABORDAGEM SÓCIO-CULTURAL
P R O F E S S O R : _ "Nas atividades de hoje vamos
discutir as formas de abordagem à criança, e eu
gostaria de propor para iniciarmos, um debate sobre A a b o r d a g e m s ó c i o - c u l t u r a l ou l i b e r t á r i a
a questão. O que vocês acham?(nota-se a elimina pela raiz as relações autoritárias, onde não
p r e o c u p a ç ã o em p e r c e b e r a m o t i v a ç ã o dos há escolas nem professor, mas círculos de cultura e
a l u n o s , a c a p a c i d a d e de ser e m p á t i c o , um coordenador cuja tarefa essencial é o diálogo. O
c o l o c a n d o - s e no l u g a r d o s alunos, e educador, cujo campo fundamental de reflexão é a
verificando o que acham da sua proposta) c o n s c i ê n c i a d o m u n d o , cria, n ã o obstante, uma
pedagogia voltada para a prática histórica real.
Os alunos reagem de forma positiva, ciando ao Segundo FREIRE (1975), o educador e
professor a dica para continuar.. e d u c a n d o são sujeitos de u m p r o c e s s o em que
PROFESSOR_ Observo que vocês estão dizendo sim, crescem juntos, porque n i n g u é m educa ninguém,
éisso? ( p r o c u r a validar sua percepção ) . . . então ninguém se educa; os h o m e n s se educam entre si,
vamos começar. Qual a idéia que vocês têm sobre o mediatizados pelo m u n d o . O coordenador jamais
influi ou impõe, a participação dos educandos é livre
que é ser criança? Alguém gostaria de começar a
e crítica. O diálogo é a essência desta educação.
falar? (estimulando a discussão e a percepção
dos conhecimento prévios dos alunos, assim A relação professor e aluno é horizontal e não
fortalece o auto conhecimento e parte daquilo imposta. O h o m e m assumirá a posição de sujeito de
que o a l u n o q u e r a p r e n d e r , a j u d a n d o - o a sua própria educação e, para que isto ocorra, deverá
descobrir o próprio caminho). estar conscientizado do processo.
PROFESSOR_ Vocês podem se lembrar de algum 0 professor procurará desmitificar e
m o m e n t o v i v e n c i a d o p o r v o c ê s ou p o r p e s s o a s questionar com o aluno, a cultura dominante,
próximas e que poderiam estar trazendo para nossa valorizando a linguagem e cultura deste, criando
discussão? ( c o n s i d e r a n d o a i m p o r t â n c i a de c o n d i ç õ e s p a r a q u e c a d a u m d e l e s analise seu
discutir o t e m a , o p r o f e s s o r se c o l o c a em contexto criando cultura. Somente através do diálogo
posição de igualdade com os alunos, empenha- será possível democratizar a cultura.
0 r e p r e s e n t a n t e m a i s s i g n i f i c a t i v o da de si, em relação com o mundo, com uma criação, na
abordagem libertária é Paulo Freire, com o método medida em que, implicando em todo este esforço de
de a l f a b e t i z a ç ã o de a d u l t o s . N e s t e m é t o d o a reflexão do homem sobre si e sobre o mundo em que
codificação inicial consiste numa espécie de figura, e com que está, o faz descobrir "que o mundo é seu
u m d e s e n h o r e p r e s e n t a t i v o de u m a s i t u a ç ã o também, que o seu trabalho não é a pena que paga
existencial real ou c o n s t r u í d a p e l o s alunos. A o por ser h o m e m , mas um modo de amar - e ajudar o
elaborar esta representação os alunos realizam uma mundo a ser melhor."
operação de distanciamento do objeto cognoscível. O p r o f e s s o r de e n f e r m a g e m p o d e e s t a r
Desta forma, professor e alunos p o d e r ã o refletir utilizando esta abordagem para desenvolver o ensino
conjuntamente de forma crítica sobre os objetos que das matérias do curso pois, permite que o aluno
os mediatizam. c o m p r e e n d a p o r si os fatores sócio-culturais da
Através do debate desta situação em que se c l i e n t e l a a ser a s s i s t i d a c o n t r i b u i n d o apara a
discute o h o m e m como um ser de relações, se chega formação de consciência crítica.
a distinção de dois mundos - o da natureza e o da Um exemplo desta abordagem na prática da
c u l t u r a . P e r c e b e - s e e n t ã o a p o s i ç ã o n o r m a l do enfermagem é o Programa de Formação de Pessoal
homem como um ser no mundo e com o mundo. Como de Nível Médio para o Setor Saúde do Ministério da
um ser c r i a d o r q u e , a t r a v é s d o t r a b a l h o , v a i Saúde (1989) que "vem construindo com bases legais
alterando a realidade. Na discussão da situação dos e pedagógicas, uma alternativa adequada e coerente
elementos que se repetem, emergem dois conceitos para a qualificação de sua força de trabalho."
básicos: o da necessidade e o do trabalho e, a cultura
Segundo este Programa "o sujeito que aprende
se explica no primeiro nível, o de subsistência.
é cidadão social e historicamente determinado, está
O método de FREIRE (1975,1983) consiste das inserido na produção de serviços de saúde, tem como
seguintes fases: a t i v i d a d e p r i n c i p a l o t r a b a l h o e, a p e s a r da
heterogeneidade de sua formação prévia, inserção
• l e v a n t a m e n t o do u n i v e r s o v o c a b u l a r dos social, f u n ç õ e s que e x e r c e , r e l a ç õ e s de poder e
grupos com quem se trabalha; hierarquia, é um sujeito apto a adquirir e produzir
• escolha das palavras geradoras; conhecimentos."
• criação de situações existenciais típicas do Tentando exemplificar podemos imaginar uma
grupo que será alfabetizado; cena em que o professor trabalha o conteúdo de
alimentação.
• criação de fichas roteiro;
P R O F E S S O R _ "Na nossa aula de hoje iremos
• elaboração de fichas com a decomposição das discutir sobre esta figura ( mostra a figura que
famílias fonéticas correspondentes aos vocábulos contempla fenômenos da natureza, plantações,
geradores rios, frutas e crianças sadias e desnutridas).
• ficha de d e s c o b e r t a , c o n t e n d o as famílias Projetada a primeira palavra geradora,
fonêmicas, que é utilizada para a descoberta de representação gráfica da expressão oral da percepção
novaspalavras. do o b j e t o , inicia-se o d e b a t e em torno de suas
implicações.
Na m e d i d a em q u e os a l u n o s p a r t i c i p a m
Ex: Palavra geradora- COMIDA
ativamente da exploração de suas temáticas, sua
consciência crítica da realidade se aprofunda. Aspectos para discussão: Desnutrição/ Fome-
do plano local ao nacional
Apesar de intimamente ligada à educação de
adultos, ao processo de alfabetização de adultos, a Mortalidade Infantil e doenças derivadas.
abordagem de Paulo Freire considera a educação Utilização adequada dos alimentos
como um processo contínuo de tomada de consciência ( Professor e alunos refletem conjuntamente
e de modificação de si próprio e do mundo, o que de f o r m a c r í t i c a s o b r e os o b j e t o s que os
o o o
tem profundas implicações no ensino de I , 2 e 3 mediatizam)
graus.
ALUNO A: Olha professor, recentememte eu lí numa
A alfabetização é a c o n s e q ü ê n c i a de uma
revista questões sobre a fome e distribuição de
reflexão que o h o m e m começa a fazer sobre sua
alimentos que eu considero super importante para
própria capacidade de refletir. Sobre sua posição no
nós estarmos compreendendo essa situação e o
mundo, sobre o m u n d o mesmo, sobre seu trabalho,
porquê de ter chegado nesse ponto, em um país tão
seu poder de transformar o mundo. Sobre o encontro
das c o n s c i ê n c i a s . R e f l e x ã o s o b r e sua p r ó p r i a grande e com tanta produção de alimentos...
alfabetização, que deixa assim de ser algo externo Com a d i s c u s s ã o f o m e n t a d a pelo
ao homem, para ser dele mesmo. Para sair de dentro coordenador volta a visualização da palavra
geradora- COMIDA- e agora discute-se os dois Cabe ao professor utilizar todos os recursos
mundos, o da cultura e o da natureza, fazendo disponíveis para facilitar o aprendizado, fazendo com
emergir dois conceitos básicos: necessidade e que seus alunos reflitam criticamente e construam
trabalho. seu próprio saber
A d i s c u s s ã o c o n t i n u a e os t e m a s vão Quanto ao futuro da escola e do professor
emergindo... concordamos c o m as afirmações de Bill Gates apud
P A Z Z E M B O M ( 1 9 9 6 ) "ao c o n t r á r i o de o u t r a s
Professor (finalizando). Através da nossa discussão
profissões, o futuro do magistério parece
pudemos perceber quanto a cultura , as formas de
e x t r e m a m e n t e p r o m i s s o r " , m a s a p e n a s "os
utilização do alimento assim como as questões que
educadores que trouxerem energia e criatividade
envolvem uma política de distribuição de renda e
p a r a s a l a d e a u l a p r o s p e r a r ã o " e a i n d a "os
condições sócio-econômicas determinam a situação
computadores e os programas educativos não vão
de vida das pessoas e a morbimortalidade infantil.
substituir o professor. O papel mais importante
Evidenciou o quanto nós profissionais podemos estar
continua e sempre continuará a ser do professor ou
atuando neste processo. É importante uma reflexão do mediador ".
de cada um sobre o problema e a forma que podemos
O professor precisará estar capacitado, com
estar participando para a resolução.
bases teóricas firmes que o possibilitem participar
Como a preocupação nessa abordagem é com como orientador do aluno, ajudá-lo a aprender a
cada aluno em si, com o processo e não com o produto aprender , fazendo com que o aluno construa seu
de a p r e n d i z a g e m acadêmico padronizado, próprio conhecimento.
percebemos que permite a a q u i s i ç ã o de Partindo do princípio de que o professor de
conhecimento e de espírito crítico do grupo de alunos e n f e r m a g e m , n a g r a d u a ç ã o , e n s i n a p a r a uma
e professor. maioria de j o v e n s , alguns ainda adolescentes, seu
trabalho não pode ser rotineiro, nem se contentar
em repassar conteúdo. Ele não pode ser apenas um
bom técnico, mas estar plenamente capacitado para
CONSIDERAÇÕES FINAIS
o e n s i n o , q u e é m u i t o m a i s do q u e a p e n a s a
transmissão de conhecimentos.
Sabemos que não existe um professor que se Na v e r d a d e , o p r o f e s s o r de e n f e r m a g e m
mantenha sob a orientação de uma única tendência. p r e c i s a se i n s t r u m e n t a l i z a r t e ó r i c a m e n t e p a r a
Em geral há uma mistura de várias tendências r e a l i z a r s a t i s f a t o r i a m e n t e seu t r a b a l h o c o m o
p e d a g ó g i c a s em u m ú n i c o p r o f e s s o r , p o r é m docente, criar sua própria didática, ou seja, sua
consideramos que é importante que o professor siga própria prática de ensino em situações específicas,
uma determinada diretriz para que haja coerência de a c o r d o c o m o c o n t e x t o social em que atua,
entre sua prática e seu discurso. tornando a aprendizagem de enfermagem vinculada
C o n c o r d a m o s c o m a a f i r m a ç ã o de B I G G E a realidade. Desta forma, pode oferecer um ensino
(1977), "um professor sem sólida orientação teórica onde promova o crescimento e desenvolvimento das
dificilmente consegue ir além de manter os alunos capacidades cognitivas e afetivas dos seus alunos, e
ocupados", sendo corroborada por t a m b é m f a v o r e c e r q u e os m e s m o s d e s e n v o l v a m
GOODING;PITTENGER (1977) ao sugerir que sem espírito crítico-reflexivo em relação às questões da
uma base racional coerente a atuação do professor nossa profissão.
será interpretada como confusa e perturbadora. Acreditamos que as escolas de enfermagem
Desta forma, consideramos que o t ê m , j á a a l g u m t e m p o , i n i c i a d o o p r o c e s s o de
conhecimento das diversas tendências pedagógicas reflexão crítica sobre seu p r ó p r i o trabalho,
permite ao professor refletir sobre suas crenças e preocupadas com a qualidade do ensino oferecido,
valores e assim, fazer uma opção por aquela ou c o m a f o r m a ç ã o de p r o f i s s i o n a i s e de f u t u r o s
aquelas que melhor correspondam com seus próprios professores. Tal reflexão, segundo B O R D A S (1996),
pressupostos. "significa repensar o ato de ensinar enquanto ato
a
S e g u n d o D r Elza G a r r i d o , p r o f e s s o r a da pedagógico, ou seja, ato que tem um sentido ético-
F.E.USP, em aula a p r e s e n t a d a na disciplina, o p o l í t i c o , u m s e n t i d o e p i s t e m o l ó g i c o d i a n t e do
professor precisa mudar de atitude em relação aos conhecimento e um sentido relacional de interação
alunos, aos c o n t e ú d o s e n s i n a d o s e ao p r o c e s s o entre subjetividades distintas".
pedagógico. A melhor tendência pedagógica é aquela Esperamos que através da leitura e reflexão
que permite fazer uma educação transformadora dos sobre as diferentes t e n d ê n c i a s p e d a g ó g i c a s seja
sujeitos nele envolvidos, ou seja, professor e aluno. possível, ao enfermeiro, ampliar seus conhecimentos
Para ela o construtivismo é a forma que permite o na área do ensino e facilitar escolhas apropriadas
aluno construir seu aprendizado, sem que apenas o para utilização tanto na sua prática profissional
receba passivamente. quanto nas relações pessoais.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BIGGE, M.L. Teorias da aprendizagem para professores . Sa o L I B Â N E O , J.C. Tendências p e d a g ó g i c a s na prática escolar. Rev.
Paulo, E P U / E D U S P . 1 9 7 7 . Ande, n. 6, p.11-9. 1982.

BONILHA, A.L.L. et al. Caracterização da disciplina enfermagem M A L R I E U , P. I n f l u ê n c i a s das t e o r i a s p s i c o l ó g i c a s s o b r e a


pediátrica da Escola de E n f e r m a g e m da U S P . A p r e s e n t a d o p e d a g o g i a . In: B E S S E , M . ; M I A L A R E T . G . T r a t a d o das
n o F ó r u m de D e b a t e s s o b r e o E n s i n o d e G r a d u a ç ã o de ciências pedagógicas. Sao Paulo, E D U S P , 1974. p.76-9.
Enfermagem da U S P , Sao Paulo, 1990.
M I Z U K A M I , M . G . N . E n s i n o : as abordagens do p r o c e s s o . Sao
B O R D A S , M . C . Apresentação. In: M O R A E S . V . R . P . M . Melhorias Paulo, E P U / E D U S P 1986.
do e n s i n o e c a p a c i t a ç ã o d o c e n t e . P o r t o A l e g r e ,
UFRGS,1996.p. . M O R A E S , V . R . P (Org.). M e l h o r i a do e n s i n o e capacitação
docente. Porto A l e g r e , U F R G S . 1 9 9 6 .
BRASIL. Ministério da S a ú d e . Secretaria Geral. Secretaria de
Modernização Administrativa e Recursos Humanos. P A Z Z E M B O M , W. U s o da i n f o r m á t i c a ainda está em
Capacitação pedagógica para instrutor/supervisor área d e s e n v o l v i m e n t o . F o l h a de São Paulo , Sao Paulo, 10 set.
da saúde. Brasília, 1989. 1996. Suplemento especial, p.6-7.

F R E I R E , P. E d u c a ç ã o c o m o p r á t i c a da l i b e r d a d e . Rio de R O G E R S , C R . Liberdade para aprender. 4.ed. Belo Horizonte,


Janeiro, Paz e Terra, 1983. Interlivros, 1978.

. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro,Paz e Terra, S A V I A N I , D. Escola e democracia . Sao Paulo, Cortez, 1985.
1975.
S N Y D E R S , G. P e d a g o g i a p r o g r e s s i s t a : p a r a o n d e vao as
G O O D I N G , C.T.; P I T T E N G E R , O.E. Teorias da a p r e n d i z a g e m pedagogias nao-diretivas? Lisboa, Morais, 1974.
na prática e d u c a c i o n a l . Sao Paulo, E P U / E D U S P , 1977.

Você também pode gostar