Você está na página 1de 12

TESTE PSICOPEDAGÓGICO "Os três porquinhos"

OBJETIVO
Verificar o nível de operatoriedade de crianças.

PÚBLICO-ALVO
A partir de 3 anos. 

APLICAÇÃO
Individual, sem limite de tempo, sendo que a maioria das aplicações leva em média de 5 a 10
minutos para cada prancha, totalizando um tempo de aproximado 1 hora.

DESCRIÇÃO
Esta técnica é composta por 8 pranchas, possuindo como elemento básico a história de Os três
porquinhos. A criança conta uma história para cada uma das pranchas apresentadas. A correção é
realizada pela avaliação qualitativa, com base nos níveis de operatoriedade propostos por Piaget,
sensório-motor, pré-operacional, operatório concreto e lógico-formal, incluindo a transitividade de
uma fase para outra.

>SOBRE O AUTOR

Leila Sara José Chamat: Pedagoga. Mestre em Psicologia da Saúde, Doutora em Psicologia do
Escolar e Desenvolvimento. Formação em Hipnose Ericksoniana, Regressão e Reprogramação
Mental pelo Instituto Sapiens, RJ, Participação e exposição em vários congressos e cursos diversos
em Neurologia.
 *******************************************************************
Estudo da causalidade e contradição no conto "Os três porquinhos"

Outro teste bem interessante para avaliar o nível de operatoriedade é o estudo da


causalidade e contradição no conto dos três porquinhos, da autora Leila Sara J. Chamat. Ele é
composto por 8 pranchas com a história dos três porquinhos.

Durante o processo de avaliação são feitas argumentações e contra-argumentações que


levam o sujeito a pensar sobre as construções (os tipos de casas), os materiais utilizados, pesado
ou leve, o fato das duas casas serem destruídas e a de tijolo se manter intacta. Além de avaliar as
questões afetiva e social, indagando sobre o fato de não terem trabalhado juntos e construído
apenas uma casa e onde os porquinhos, que perderam a casa, irão morar.
bigode
TESTE DE COMPREENSÃO ORAL - criança acima de 7 anos
Compreensão e Desvio Fonológico
O desvio fonológico consiste em uma dificuldade de fala caracterizada pelo uso inadequado
dos sons, de acordo com a idade e variações regionais. Tal distúrbio pode envolver erros de
produção, percepção ou organização dos sons capazes de prejudicar a criança nos âmbitos
educacional, social e emocional.
Barbosa (1990), ressalta que os métodos tradicionais de alfabetização tratam a língua escrita
de forma fragmentada, desvinculada do contexto de produção, ficando presos aos aspectos gráficos,
letras, silabas e som, desprezando a construção de sentido, e que esses métodos alfabetizam mas
não formam leitores e escritores.
"Segundo os autores, Melo (2000), Geraldi (1985), Abaurre (2000), Smolka (2003) e outros, a
língua é um produto cultural construída na inter-relação humana, carregada de significado. Nesse
sentido, deve-se direcionar o ensino da escrita a partir de texto (discurso), unidade de sentido com
enunciado completo."
Ferreiro também vale ao pesquisar sobre essa temática, procurou saber como a criança
aprende a ler e escrever, e seus estudos nos trouxeram grande contribuições, mostrando que os
professores têm uma concepção equivocada da língua escrita e uma imagem empobrecida da
criança que aprende, e que as mudanças necessárias para enfrentar, sobre novas bases o ensino
da língua, não passam por questões de métodos. É preciso mudar o eixo por onde se passas as
discussões. Ferreiro ao deslocar o eixo de como se ensina para como se aprende, suas idéias
apresentam como uma revelação conceitual, demandando abandonar as praticas tradicionais de
ensino.
Para Smolka (2003), Silva (1993), Melo(2000) as pesquisas de Ferreiro e de Luria sobre a
construção da língua escrita das crianças, trouxe grande avanços e inovações para o ensino da
leitura e escrita, porém apesar de ambos tratarem do mesmo tema, seus olhares possuem
perspectivas diferentes.

Teste
Leia para a criança oralmente e peça-lhe que ouça e diga sim ou não e explique por
quê.
(N) (S) As batatas são cozidas na água fria.
(N) (S) Muitas pessoas gostam de passear à noite, pois o sol está muito alto e claro.
(N) (S) Depois que chove muito, o chão fica todo molhado.
(N) (S) Quando vão ao circo, as crianças adoram brincar carregar elefantes.
(N) (S) O trem de carga carrega muitos passageiros e só anda nos trilhos.
(N) (S) O avião é mais rápido que o navio porque voa e navio não.
(N) (S) O homem diz ao seu cachorro: – Lulu fique de guarda que vou viajar. Lulu responde: –
pode ir, patrão, que tomarei conta da casa.
(N) (S) Os pintinhos nascem sempre dos ovos, e os gatinhos nascem da barriga da mãe.
(N) (S) Eu gosto de ir ao cinema porque lá estudamos muito.
(N) (S) Mamãe quando bolo, assa-o na geladeira.
(N) (S) Um boi à frente de três bois. Olhou e contou um, dois, três.
(N) (S) Estava passando na cidade. O céu estava azul, sem nenhuma nuvem. De repente,
começou a chover e corri para casa.
(N) (S) Meu pai é mais velho que eu, mas meu avô é mais velho que meu pai.
(N) (S) Os alimentos, para não estragar, são guardados na geladeira.
(N) (S) Os cavalos que moram no chiqueiro e os porcos que moram na cocheira pertencem ao
fazendeiro.
(N) (S) Os animais mais engraçados que vemos no circo são os macacos, e os mais fortes
são os elefantes.
(N) (S) Quando vou viajar, eu arrumo roupas e coloco-as no fogão.
(N) (S) Um carro ia andando pela estrada. De repente, parou porque acabou a gasolina. O
motorista pegou um balde, encheu de água e colocou no carro. Este andou e continuou a viajem.
(N) (S) Carlinhos saiu de casa. O céu estava azulzinho. De repente, gritou para o amigo: –
Veja que lindo arco-íris está no céu!
(N) (S) Três amigos se encontraram. Um deles disse: – Eu sou maquinista e dirijo o trem; o
outro disse: – Eu sou motorista e dirijo o carro; o outro disse: – Eu sou piloto e dirijo avião.
(N) (S) Eu gosto de ir ao sítio de minha tia. O único cuidado que tomo quando estou lá, é com
as ruas, que são movimentadas. Nelas passam muitos carros.
(N) (S) As plantas nascem e crescem na terra, mas precisam de água para não morrer.
(N) (S) A noite mais escura é quando cai um temporal, e o céu fica todo colorido de estrelas.

Análise das Respostas:


Anote tudo detalhadamente, questão por questão e observe qual a porcentagem de acertos e
erros obtidos.
Menos de 50% indica um possível Desvio  Fonológico, dessa forma o profissional deverá
realizar outros testes e atividades para confirmação da dificuldade. Caso persista a dificuldade em
outros testes indica-se que se encaminhe a criança ao Fonoaudiólogo para uma avaliação mais
precisa.
Fonte: https://pedagogiaaopedaletra.com/a-crianca-e-a-construcao-da-leitura-e-escrita/