Você está na página 1de 14

Atenção à Saúde Mental aos

Adolescentes privados de liberdade:


desafios para a garantia de direitos

Área Técnica de Saúde de Adolescentes e


Jovens / MS
O cenário
172 municípios nas 27 UF com
310 USE.

18.000 mil adolescentes, na faixa


etária de 15 a 18 anos

85% dos adolescentes


já tiveram algum
contato com drogas

Até 90 adol.
De 91 a 180 adol.
Acima de 180 adol.
Posicionamentos e concepções
O que esperar de alguém que comete um ato
infracional?
A forma como concebemos o(a) adolescente
influencia a concepção que temos de
“socioeducação”
Como a compreendemos e estruturamos?
Como prover direitos para quem “feriu direitos”
alheios?
A saúde nas instituições (IPEA, 2003)
 94% das unidades utilizavam serviço de saúde pública local, 60%
tinham profissionais pagos com recursos próprios;
 Tímida atuação das SES/SMS no aporte às necessidades de
atendimento e manutenção dos serviços existentes;
 Fragilidade do sistema de referência e contra referência;
 Encaminhamentos para o SUS com dificuldade de agendamento;
 Ausência de assistência aos dependentes químicos e de ações de
saúde mental na maioria das USE;
 22% realizavam distribuição de preservativo e 57% encaminhavam
para exame de HIV
Lei nº 12.594, de 18/01/2012
Institui o SINASE

Seção I
Da Atenção Integral à Saúde de
Adolescente em Cumprimento de Medida
Socioeducativa

– Confere ao SUS a responsabilidade de definir


diretrizes e oferecer cuidado em saúde aos
adolescentes
Seção II
Do Atendimento a Adolescente com
Transtorno Mental e com Dependência de
Álcool e de Substância Psicoativa

Art 64. O adolescente em cumprimento de medida


socioeducativa que apresente indícios de
transtorno mental, de deficiência mental, ou
associadas, deverá ser avaliado por equipe técnica
multidisciplinar e multissetorial
Desafios... Entre tantos!
 Representações sociais do adolescente em conflito com a lei...
Presentes dentro e fora do setor saúde
 Reconhecimento do cuidado aos adolescentes como uma
responsabilidade sanitária da rede de saúde: garantia e
qualidade no acesso
 Relação saúde e justiça: diferentes sentidos e significados
atribuídos às ações de cuidado > construção de consensos
 Enfrentamento das relações de causalidade: transtornos
mentais/uso de substâncias psicoativas e cometimento de atos
infracionais
 Situações e condições de vulnerabilidade dos adolescentes
...e mais!
 (Des)construção de demandas em SM
 Qualificação diagnóstica: reflexões sobre a finalidade
 Medicalização: qual o sentido?!
 Enfrentamento da violência institucional
 Responsabilização x Necessidade de cuidado e proteção
 Efetiva promoção de saúde mental na situação de
privação de liberdade (asilamento, precariedade, ausência
da família, culpabilização, projetos de vida...)
PNAISARI
 Portaria Interministerial MS/SDH/SPM nº 1.426, de
2004: aprovou as diretrizes para a implantação e
implementação da atenção à saúde dos
adolescentes em conflito com a lei, em regime de
internação e internação provisória

 Portaria SAS/MS nº 647/2008: regulamenta a


anterior e estabelece normas para habilitação dos
entes federados junto ao MS para recebimento de
incentivo das ações de saúde no socioeducativo.
Objetivos PNAISARI
Mudanças no modelo de atenção que...
 Não vise apenas ao atendimento médico e tratamento de doenças;
 Adote uma perspectiva do indivíduo integrado, promovendo o
envolvimento do adolescente, sua família, comunidade de origem e da
unidade de internação em seu projeto terapêutico;
 Garanta a implementação de ações de promoção, prevenção e
assistência à saúde;
 Favoreça a atuação interdisciplinar;
 Tenha como foco e prioridade as necessidade e demandas de saúde dos
adolescentes;
 Leve em conta a promoção de uma ambiência saudável e de mudanças
positivas no cotidiano dos adolescentes privados de liberdade;
 Promova o fortalecimento redes sociais de apoio aos internos e seus
familiares.
 Promova e colabore para a socioeducação!
“Novo” paradigma de atenção à saúde

 A atenção integral à saúde torna-se parte fundamental das medidas


socioeducativas e complementa o sistema de garantia de direitos e
de proteção por meio de ações de promoção à saúde, prevenção de
agravos e assistência;
 Coaduna responsabilização e satisfação de direitos
 Prática multidisciplinar capaz de responder a um conjunto de
necessidades de ações e serviços que os adolescentes apresentam;
 Integração com o PIA – Plano de Atendimento Individual;
 Capacitação permanente das equipes para uma abordagem
pedagógica integrada interdisciplinar e de práticas e saberes
comprometidos com a inclusão social dos adolescentes em conflito
com a lei.
Incentivo para as ações de saúde
Nº de adolescentes por unidade Valor ano (R$)

Até 40 21.300,00

41 – 100 51.120,00

101- 180 85.200,00

Acima de 180 85.200,00

Este incentivo está contemplado no Bloco de Financiamento da


Atenção Básica - PAB Variável – Atenção à Saúde de Adolescentes
em Conflito com a Lei – Portaria GM/MS 204, de 29/01/2007
Obrigada!

Lílian Cherulli
Assessora Técnica

Área Técnica de Saúde de Adolescentes e Jovens


Coord.: Thereza de Lamare
adolescente@saude.gov.br
(61) 3315-9129