Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

Tópicos Especiais de Sociologia

Teoria Crítica.

Ano: 2008 – Primeiro Semestre


No. de Créditos: 04
Carga Horária Global: 60 h.
Horário Regular: segundas: 16:00-18:00 h. e quintas: 14:00-16:00 h.
Professor: Paulo Marcondes Ferreira Soares

EMENTA

Discutir aspectos concernentes ao conceito de cultura no âmbito da crise da


modernidade, tendo como centralidade importantes debates orientados pela teoria crítica e
seus interlocutores. Nesse debate, a discussão privilegiará a crítica à racionalidade
instrumental e a condição da cultura na contemporaneidade.

PROGRAMA

 Sobre a Escola de Frankfurt;


 A crítica da racionalidade instrumental: racionalidade, esclarecimento e
emancipação em Adorno-Horkheimer;
 A crítica da cultura em Adorno e Marcuse;
 Iluminismo e Teoria Crítica;
 Adorno, a indústria cultural e a teoria estética;
 Estética e política de Marcuse e o homem unidimensional;
 Alegoria e Modernidade: estética e revolução em Walter Benjamin;
 A modernidade inacabada de Habermas;

METODOLOGIA

O curso dará ênfase ao debate de questões da cultura e da crise da modernidade,


tendo como centralidade o pensamento da Teoria Crítica ligado ao Instituto de Pesquisa
Social de Frankfurt, também conhecido como A Escola de Frankfurt. Com vistas a uma
reflexão sobre a atualidade do debate da Teoria Crítica, bem como, da importância do seu
legado para o estudo do estado da cultura hoje, o curso será conduzido a partir da indicação
de leituras de algumas das principais contribuições dadas tanto pelos seus fundadores,
quanto pelos seus intérpretes e críticos.
O curso será oferecido com base na discussão de textos previamente indicados.
Após uma introdução geral sobre o tema em pauta, pelo ministrante, será aberto espaço
para a discussão com os demais participantes da aula.
AVALIAÇÃO

O curso será avaliado com base na apresentação de um trabalho de conclusão, feito


em grupo, referente a temas tratados no programa da disciplina. A escolha do tema ficará a
cargo do grupo, sendo que sua entrega será de, no máximo, quinze dias após a última aula
do curso. Os trabalhos deverão contar com, no mínimo, a bibliografia indicada no programa
para o tema escolhido (leitura obrigatória). Contudo, isso não exclui a possibilidade de o
grupo utilizar outras fontes complementares.
A dinâmica das aulas seguirá o mecanismo de aulas expositivas seguidas de debate.

CALENDÁRIO E BIBLIOGRAFIA

Aula 1 – 25.02: Introdução à disciplina, objetivos, dinâmica, comentários sobre a


bibliografia sugerida, formas de avaliação (02 h.);

1. Formação Histórica do Instituto de Pesquisa Social: Escola de Frankfurt

Aula 2 – 03.03: Rolf WIGGERSHAUS (2002), “Em meio ao crepúsculo”, in R.


Wiggershaus, A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação
política, Rio de Janeiro, DIFEL (p.42-73).
Bárbara FREITAG (1986), “O histórico da Escola de Frankfurt”, in B. Freitag, A Teoria
Crítica: ontem e hoje, São Paulo, Brasiliense (p.09-30).

Aula 3 – 06.03: Sílvio César CAMARGO (2006), “Teoria Social Crítica e Modernidade”,
Modernidade e dominação: Theodor Adorno e a teoria social contemporânea, São Paulo,
Annablume/Fapesp (p.19-49).

Aula 4 – 10.03: Bárbara FREITAG (1986), “O conteúdo programático da teoria crítica”, in


B. Freitag, Op. cit. (p.31-65).

Aula 5 – 13.03: Bárbara FREITAG (1986), “O conteúdo programático da teoria crítica”, in


B. Freitag, Op. cit. (p.65-104).

Aula 6 – 17.03: Bárbara FREITAG (1986), “O conteúdo programático da teoria crítica”, in


B. Freitag, Op. cit. (p.105-147).

Aula 7 – 24.03: Axel HONNETH (1999), “Teoria Crítica”, in A. Giddens e J. Turner


(orgs.), Teoria Social Hoje, São Paulo, UNESP (p.503-552).

2. A Crítica da Racionalidade em Max Horkheimer

Aula 8 – 27.03: Renato NUNES (1996), “A Propósito da Moral e de suas Provas em Max
Horkheimer”, in A. Cenci (org.), Ética, Racionalidade e Modernidade”, Passo Fundo,
Ediupf (p. 25-39).
Eldon Henrique MÜHL (1996), “Crítica à Racionalidade Instrumental: as contribuições de
Adorno e Horkheimer”, In A. Cenci (org.), Ética, Racionalidade e Modernidade”, Passo
Fundo, Ediupf (p. 61-81).

2
Aula 9 – 31.03: Max HORKHEIMER (1976), “Meios e fins”, in M. Horkheimer, Eclipse
da Razão, Rio de Janeiro, Editorial Labor do Brasil (p. 11-67).

Aula 10 – 03.04: Max HORKHEIMER (1976), “A Revolta da Natureza”, in M.


Horkheimer, Op. cit. (p. 103-138).

Aula 11 – 07.04: Max HORKHEIMER (1980), “Teoria Tradicional e Teoria Crítica” e


“Filosofia e Teoria Crítica”, in W. Benjamin et al., Textos Escolhidos, São Paulo, Abril
Cultural (Os Pensadores) (p. 117-154; 155-161).

3. A ensaística de Theodor W. Adorno

Aula 12 – 10.04: Antônio A. Soares ZUIN, Bruno PUCCI e Newton RAMOS-DE-


OLIVEIRA (2000), “As Categorías crítico-expressivas do pensamento de Adorno:
esclarecimento, dialética e estética”, In B. Pucci, Adorno: o poder educativo do
pensamento crítico, Petrópolis, Vozes (p. 45-107).

Aula 13 – 14.04: Theodor W. ADORNO (1970), “A crítica da Cultura da Sociedade”, in


Th. W. Adorno et al., Cultura e Sociedade, Lisboa, Editorial Presença (p. 07-43).

Aula 14 – 17.04: Theodor W. ADORNO (1986), “Educação após Auschwitz”, in Th. W.


Adorno, Sociologia, São Paulo, Ática (p. 33-45).
Theodor W. ADORNO (1986), “O Ensaio como forma”, in Th. W. Adorno, op. cit. (p.167-
187).

Aula 15 – 24.04: Theodor W. ADORNO (1995), “Progresso” e “Tempo Livre”, in Th. W.


Adorno, Palavras e Sinais: modelos críticos 2, Petrópolis, Vozes (p. 37-61; 70-82).

4. Sobre a Dialética do Esclarecimento

Aula 16 – 28.04: Claudio Almir DALBOSCO (1996), “Racionalidade, Esclarecimento e


Emancipação na Perspectiva de Adorno e Horkheimer”, in Cenci, Ângelo (org.), Op. cit. (p.
83-122)

Aula 17 – 05.05: Theodor W. ADORNO e M. HORKHEIMER (1985), “O Conceito de


Esclarecimento”, in Th. W. Adorno e M. Horkheimer, Dialética do Esclarecimento:
fragmentos filosóficos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed. (p. 19-52).

Aula 18 – 08.05: Theodor W. ADORNO e M. HORKHEIMER (1985), “Ulisses ou o Mito


e Escarecimento (Excurso I)”, in Th. W. Adorno e M. Horkheimer, op. cit. (p. 53-80).

Aula 19 – 12.05: Theodor W. ADORNO e M. HORKHEIMER (1985), “A Indústria


Cultural: O Esclarecimento como Mistificação das Massas”, in Th. W. Adorno e M.
Horkheimer, op. cit. (p. 113-156).

3
5. Cultura e Sociedade em Herbert Marcuse

Aula 20 – 15.05: Herbert MARCUSE (1997), “Filosofia e Teoria Crítica”, in H. Marcuse,


Cultura e Sociedade, vol. 1, Rio de Janeiro, Paz e Terra (p. 137-160).

Aula 21 – 19.05: Herbert MARCUSE (1997), “Sobre o Caráter Afirmativo da Cultura”, in


H. Marcuse, op. cit. (p. 137-160).

Aula 22 – 26.05: Herbert MARCUSE (1981), “Arte e Revolução”, in H. Marcuse, Contra-


Revolução e Revolta, 2ª. ed, Rio de Janeiro, Paz e Terra (p. 81-124).

6. Cultura e Modernidade em Walter Benjamin

Aula 23 – 29.05: Olgária C. F. MATOS (1989), “Uma História Barroca”, in O. C. F.


Matos, Os Arcanos do Inteiramente Outro: a Escola de Frankfurt, a Melancolia e a
Revolução, São Paulo, Brasiliense (p. 29-123).

Aula 24 – 02.06: Walter BENJAMIN (1986), “Alegoria e Drama Barroco” e “Experiência


e Pobreza”, in W. Benjamin, Documentos de Cultura, Documentos de Barbárie, São Paulo,
Cultrix/EDUSP (p. 17-40; 195-198).

Aula 25 – 05.06: Walter BENJAMIN (1985), “A Paris do Segundo Império em


Baudelaire”, in W. Benjamin, Sociologia, São Paulo, Ática (p.44-122).

7. Modernidade como Projeto Inacabado em Habermas

Aula 26 – 09.06: Otília B. Fiori ARANTES e Paulo Eduardo ARANTES (1992), Um


Ponto Cego no Projeto Moderno de Jügen Habermas: Arquitetura e Dimensão Estética
depois das Vanguardas, São Paulo, Brasiliense (p.07-95).

Aula 27 – 12.06: Jürgen HABERMAS, “Modernidade – Um Projeto Inacabado” e


“Arquitetura Moderna e Pós-Moderna”, in O. B. F. Arantes e P. E. Arantes. Op. cit. (p.99-
123; 125-149).
Albrecht WELLMER, (1988) “La dialéctica de la modernidad y postmodernidad”, in
Joseph Picó, Modernidad y Postmodernidad, Madrid, Alianza Editorial.

Aula 28 – 16.06: Rolf WIGGERSHAUS (2002), “A Teoria Crítica em Combate”, in R.


Wiggershaus, A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação
política, Rio de Janeiro, DIFEL (p.545-629).

Aula 29 – 19.06: Rolf WIGGERSHAUS (2002), “A Teoria Crítica numa Época de


Renascimento”, in R. Wiggershaus, A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento
teórico, significação política, Rio de Janeiro, DIFEL (p.631-685).

Aula 30 – 26.06: ENTREGA DO TRABALHO FINAL.