Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA

SOCIOLOGIA DA CULTURA:
ARTE E POLÍTICA NO BRASIL

Ano: 2015 – Segundo Semestre


Carga Horária: 60 h.
Horário Regular: quintas-feiras – 08h30min-12h30min.
Professor: Paulo Marcondes Ferreira Soares
e-mail: paulomfsoares@gmail.com

EMENTA

Discutir a tensão existente na formulação de processos artísticos no Brasil


considerando-se a dinâmica dos conflitos e contradições presentes no âmbito dessas
manifestações do modernismo ao contemporâneo, particularmente, com relação a
questão da arte como participação social. O debate privilegiará alguns exemplos de
manifestações artísticas em contextos específicos, procurando apreender o nível de sua
abrangência em termos de políticas de arte. Para isso, será necessário passar em revista
questões teóricas que dimensionem a relação arte e política em nosso tempo, em âmbito
mais global, até chegarmos a reflexões mais pontuais sobre tais manifestações em
experiências recentes em nosso país e em contextos periféricos como o nosso.

PROGRAMA

 Questões de arte e política;


 Sentidos da participação social da arte;
 Condições de autonomia do campo estético e experimentalismo:
o moderno e o contemporâneo;
 O nacional-popular em questão;
 Redimensionamentos do sistema e o meio de arte no Brasil.

METODOLOGIA

O curso terá um enfoque cultural amplo, reunindo estudos informados tanto pela
abordagem sociológica, quanto pela crítica estética, histórica e literária. O curso será
oferecido com base na dinâmica de seminários.

AVALIAÇÃO

O curso será avaliado com base no critério de apresentação de um trabalho de


conclusão, tendo como referência a problematização de temas tratados no programa da
disciplina. A escolha do tema ficará a cargo do aluno, sendo que sua entrega será de, no
máximo, um mês a contar da última aula do curso.
BIBLIOGRAFIA

BÜRGER, Peter (1991). “Aporías de la estética moderna”. Nueva Sociedad. Buenos


Aires, noviembre-diciembre, 116: 112-121. ISSN: 0251-3552. (PDF).
http://www.nuso.org/upload/articulos/2057_1.pdf
CALIRMAN, Claudia (2012). Brazilian Art under Dictatorship: Antonio Manuel, Artur
Barrio, and Cildo Meireles. Durham and London: Duke University Press.
CARDOSO, Maurício (2007). O Cinema Tricontinental de Glauber Rocha: política,
estética e revolução (1969 – 1974). São Paulo, SP/Paris, Fr. (Tese de Doutorado,
PDF).
CAVALCANTI, Jardel Dias (2005). Artes Plásticas: Vanguarda e Participação
Política (Brasil anos 60 e 70). Campinas, SP (Tese de Doutorado, PDF).
CHAGAS, Pedro Dolabela (2005). “Arte e Política: o quadro normativo e a sua
reversão”. Kriterion. Belo Horizonte, 112: 367-381 (PDF).
CHAIA, Miguel (2007). Arte e Política. Rio de Janeiro, Azougue Editorial (Cap. 1 – p.
13-39).
COELHO, Frederico (2010). Eu, brasileiro, confesso minha culpa e meu pecado:
cultura marginal no Brasil das décadas de 1960 e 1970. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira.
DIDI-HUBERMAN, Georges (2012). Imagens apesar de tudo. Lisboa: KKYM
DIDI-HUBERMAN, Georges (2011). “Coisa pública, Coisa dos povos, Coisa plural”.
SILVA, Rodrigo (org.). A República por vir: arte, política e pensamento para o século
XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian (p. 41-70).
FOSTER, Hal (1996). Recodificação: Arte, Espetáculo, Política Cultural. São Paulo,
Casa Editorial Paulista.
FREITAS, Artur (2004). “Poéticas Políticas: As Artes Plásticas entre o Golpe de 64 e
o AI-5”. História: Questões & Debates. Curitiba, Ed. UFPR, 40: 59-90 (PDF).
FREITAS, Artur (2004). “Arte à mão armada: vanguarda e militância em Carlos
Zílio”. Anais do XVII Encontro Regional de História – O lugar da história.
ANPUH/SP-UNICAMP. Campinas, 6 a 10 de setembro. CD-Rom (PDF).
FREITAS, Artur (2005). “A autonomia social da arte no caso brasileiro: os limites
históricos de um conceito”. ArtCultura. Uberlândia, v. 7, n. 11, p.197-211, jul.-dez.
FEITAS, Artur (2013). Arte de Guerrilha: Vanguarda e Conceitualismo no Brasil. São
Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.
GALARD, Jean (2012). Beleza Exorbitante: reflexões sobre o Abuso Estético. São
Paulo: Editora Fap-Unifesp.
HUTCHEON, Linda (2000). Teoria e Política da Ironia. Belo Horizonte: Editora
UFMG.
JACQUES, Paola Berenstein (2001). Estética da ginga: a arquitetura das favelas
através da obra de Hélio Oiticica. Rio de Janeiro, Casa da Palavra (Livro).
JAREMTCHUK, Dária e RUFINONI, Priscila (orgs/2007). Arte e Política: Situações.
São Paulo: Alameda (Livro).
JAY, Martin (2003). Campos de Fuerza: entre la historia intelectual y la crítica
cultural. Buenos Aires, Paidós.
LOPES, Fernanda (2009). A experiência Rex: “Éramos o time do Rei”. São Paulo,
Alameda.
MOUFFE, Chantal (2007). “Artístic Activism and Agonistic Spaces”. Art &
Research. A Journal of Ideas, Contexts and Methods. Vol. 1, n. 2: 01-05.
ISSN 1752-6388. http://www.artandresearch.org.uk/v1n2/mouffe.html

2
NAPOLITANO, Marcos (2001). “A arte engajada e seus públicos (1955/1968)”.
Estudos Históricos. Rio de Janeiro, 28: 1-21 (PDF).
RANCIÈRE, Jacques (2005). A Partilha do Sensível: Estética e Política. São Paulo,
EXO experimental org.; Ed. 34 (Livro).
RANCIÈRE, Jacques (2002). “A revolução estética e seus resultados” (p. 01-29).
http://pt.scribd.com/doc/62609406/A-Revolucao-Estetica-Jacques-Ranciere.
RANCIÈRE, Jacques (2011). “O tempo da emancipação já passou?” SILVA, Rodrigo
(org.). A República por vir: arte, política e pensamento para o século XXI. Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian (p. 73-100).
RIDENTI, Marcelo (2005). “Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960”. Tempo
Brasileiro: revista de sociologia da USP. São Paulo, 17 (1): 81-110 (PDF).
SELIGMANN-SILVA, Márcio (2005). O local da diferença: ensaios sobre memória,
arte, literatura e tradução. São Paulo: Editora 34.
VELOSO, Caetano (2003). “Conferência no MAM”. Teresa - Revista de Literatura
Brasileira. No 4/5. São Paulo, Ed. 34.

Você também pode gostar