Você está na página 1de 271

Cadastro artístico cultural.

A prefeitura de Sertânia, durante o


Período de COVID, dedicou um espaço para que o cliente usuário
fizesse um cadastro artístico cultural. O cadastro artístico cultural serve
para o artista pessoa física ou artista pessoa jurídica. O cadastro é um
dos requisitos para que se adentre na Lei De Emergência Cultural,
destinado à atender os trabalhadores do setor cultural durante a
pandemia de COVID-19. As informações colhidas no cadastro serão
analisadas na Lei Federal de incentivo à Cultura (8.313 de 1991). Assim,
os princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade,
interesse público e eficiência foram garantidos.
Créditos extraordinários e calamidade pública .A Constituição
admite, inclusive por medida provisória (art. 62, § 1º, I, “d”), a criação de
despesas extraordinárias não originalmente previstas na Lei
Orçamentária Anual (LOA), justamente para fazer frente a despesas de
caráter imprevisível e urgente. Os atuais gastos com COVID 19 são
exemplos de despesas de caráter imprevisível e urgente. Em
13/3/2020, foi autorizada a abertura de crédito extraordinário na Lei
Orçamentária Anual no valor de cerca de R$ 5 bilhões, autorização feita
pela Medida Provisória nº 924/2020.
Transferência voluntária. Se um Município recebe transferências
voluntárias de recursos, o recebimento dessa receita é uma receita
orçamentária de capital.
Universalidade. É o princípio da universalidade que deverá
compreender as receitas e gastos necessários para a manutenção dos
serviços públicos.
Princípios orçamentários. Conforme o MCASP, os princípios
orçamentários objetivam a racionalidade, eficiência e a transparência no
orçamento público. Os processo de elaboração, execução e controle do
orçamento público devem ser racionais, eficientes e transparentes. Os
princípios são estabelecidos por normas constitucionais
infraconstitucionais e pela doutrina.
Dívida consolidada na LRF. Pode acontecer de a dívida
consolidada de um ente da federação ultrapassar o seu limite ao final de
um quadrimestre. Nesse caso o excesso deverá ser extirpado para que
se reconduza ao limite tolerável até o período máximo de três
quadrimestres subsequentes, sendo que pelo menos 25% do excedente
será extirpado no primeiro quadrimestre. Já para o limite da Despesa
com Pessoal, o excesso será reduzido nos 2 quadrimestres
subsequentes, e 1/3 será eliminado logo no primeiro quadrimestre.
Encaminhamento do Projeto de LDO. O projeto de lei de
diretrizes orçamentárias será encaminhado até oito meses e meio antes
do encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o
encerramento do primeiro período da sessão legislativa.
Classificação funcional. A classificação funcional é representada
por cinco dígitos, onde os 2 primeiros dígitos fazem referência à função
e os três últimos dígitos representam a subfunção. Os três últimos
dígitos são os agregadores das diversas áreas de atuação do setor
público, nas esferas dos três poderes, representando a subfunção.
Prazo para o Tribunal de Contas emitir parecer prévio
conclusivo. Sertânia tem população de 35.670 habitantes, sendo
localizada no Sertão do Moxotó, onde o rio Moxotó muito favoreceu o
crescimento do povoado. Devido a possuir 35.670 habitantes, o prazo
para o Tribunal de Contas emitir parecer prévio conclusivo será de 180
dias, e não de sessenta dias, conforme a LRF: Art. 57 Os Tribunais de
Contas emitirão parecer prévio conclusivo sobre as contas no prazo de
sessenta dias de recebimento...§1º.No caso dos Municípios que não
sejam capitais e tenham menos de 200.000 habitantes, o prazo será de
180 dias.
Análise de saldos invertidos. A análise de saldos invertidos
ocorre no caso de contas que tenham saldo apenas devedor ou credor,
de acordo com sua natureza. A apresentação de saldo invertido pode
representar a execução de uma operação indevida. Classificação
inadequada de receitas e despesas. Podem ocorrer classificação
inadequada de receitas e despesas tanto para as contas de natureza
orçamentária, nas fases de previsão e execução, quanto para as contas
de natureza patrimonial (VPA e VPD). Utilização indevida de contas
contábeis. Pode ocorrer a utilização indevida de contas contábeis, por
exemplo uma escola de ensino básico, cuja atividade fim é educação,
que apresente, em seu ativo imobilizado, saldo na conta materiais
bélicos, provavelmente realizou uma classificação indevida. Saldos
irrisórios ou residuais devem ser analisadas as contas que
apresentem saldos com valores irrisórios ou sem movimentação por um
longo período, pois esse é um comportamento estranho.
Existência de saldos em contas contábeis descritas como
"Outros(as)": recomenda-se que os registros nessas contas sejam
limitados a 10% do total do grupo.
  STN :órgão central da contabilidade pública brasileira. A STN,
na qualidade de Órgão Central do Sistema de Contabilidade Federal,
nos termos da Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001, e do Decreto nº
3.589, de 6 de setembro de 2000, vem emitindo normas gerais para
atender ao disposto no parágrafo 2°, do art. 50 da Lei Complementar nº
101, de 04 de maio de 2000, de forma a padronizar procedimentos para
a consolidação das contas públicas e apresentar entendimentos gerais
sobre os procedimentos contábeis nos três níveis de governo. A
padronização contábil foi e continua sendo uma exigência da LRF.
Inscrição de despesa não empenhada em Restos a Pagar e
realização de operação de crédito sem prévia autorização
legislativa. A lei 10.028 de 2000, um marco no direito financeiro, afirma,
no seu art. 359-A que é crime, punido com reclusão, de 1 a 2 anos,
realizar operação de crédito sem prévia autorização legislativa. Toda
operação de crédito, interna ou externa, deve possuir autorização
legislativa que lhe precede, por isso, ordenar, autorizar ou realizar
operação de crédito, interna ou externa, sem prévia autorização
legislativa, é crime previsto na lei dos crimes fiscais. A lei 10.028 altera o
Código Penal, no seu Artigo 339, e altera o decreto-lei 201 de 1967. Na
lei 10.028 constam crimes como o de inscrição de despesas não
empenhadas em Restos a Pagar. A inscrição de despesas não
empenhadas em Restos a Pagar é crime, pois os Restos a Pagar são
despesas empenhadas e não pagas. Esse crime está no caput do Art.
359-B da lei 10.028: “Ordenar ou autorizar a inscrição, em restos a
pagar, de despesa que não tenha sido previamente empenhada ou que
exceda limite estabelecido em lei”. Percebe-se, pela leitura do caput,
que a inscrição em restos a pagar que exceda limite estabelecido em lei
é crime. Enquanto a contratação de operação de crédito sem prévia
autorização legislativa é punida com reclusão, de um a dois anos, a
inscrição de despesas não empenhadas em restos a pagar é punida
com detenção, de 6 meses a 2 anos.

  CFC(Conselho Federal de Contabilidade) e STN(Secretaria do


Tesouro Nacional). Existem 2 conjuntos presentes na contabilidade no 
setor público: as Normas Brasileiras Contábeis Técnicas do Conselho
Federal de Contabilidade (NBCT do CFC) e o Manual de Contabilidade
Aplicado ao Setor Público da Secretaria do Tesouro Nacional (MCASP
da STN). A STN é o órgão central de contabilidade pública no Brasil,
regulando os padrões no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e
Municípios. O CFC atua proficuamente para o desenvolvimento contábil
público brasileiro.
Demonstrativos Gerenciais:Demonstração 
do Resultado Econômico. Por intermédio da demonstração do
resultado econômico pode-se verificar se determinada ação
governamental pode ser mantida ou encerrada. A demonstração do
resultado econômico é um demonstrativo gerencial, diferente dos
demonstrativos contábeis, como o balanço orçamentário e o balanço
patrimonial. Existem também demonstrativos fiscais, como o relatório de
gestão fiscal.
Estrutura da DFC. A Demonstração dos Fluxos de Caixa é
composta por: 
a. Quadro Principal 
b. Quadro de Receitas Derivadas e Originárias 
c. Quadro de Transferências Recebidas e Concedidas 
d. Quadro de Desembolsos de Pessoal e Demais Despesas por Função 
e. Quadro de Juros e Encargos da Dívida
Mudanças promovidas pela STN. Com  o intuito de convergência
às normas internacionais, foram editados em 2009, pela STN, cinco
volumes do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. A STN
é sempre atrelada ao MCASP. Esses volumes alteraram e incluíram
diversos entendimentos dentre os quais se destacam: A adoção do
princípio da competência na sua integralidade. A inclusão do subsistema
de custos. A supressão do sistema financeiro, que foi incorporado ao
subsistema patrimonial. A inclusão da Demonstração dos Fluxos de
Caixa. A adoção do valor justo e do impairment na avaliação de ativos
e passivos. A adoção da reavaliação. A Secretaria do Tesouro Nacional
(STN) ao lado do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) são os
principais agentes incumbidos da normatização e fiscalização,
respectivamente na esfera pública e na esfera privada.
Dentre as dificuldades na implantação da NBCASP, destacam-se: a
mudança de cultura por parte da administração pública e a alteração dos
diversos sistemas de contabilidade. Quando se muda a cultura
organizacional não se pode realizar uma contabilidade consistente,
muito menos quando os diversos sistemas de contabilidade são
alterados. No setor público há o hábito de não segregar os fatos
orçamentários dos patrimoniais, u de não registrar alguns fenômenos
essencialmente econômicos, como a depreciação e os créditos a
receber. Vimos alhures que a contabilidade pública, diferentemente da
societária, registra atos e fatos. Um dos vícios inadmissíveis no setor
público é continuar com a contabilidade já ultrapassada que registrava
somente fatos, ou então contabilizava atos e fatos, mas não separava os
dois. O outro atrapalho decorre da dificuldade dos entes que têm seus
sistemas desenvolvidos em plataformas tecnológicas muitas vezes
antigas e que praticamente terão de refazer seus sistemas. Dentre
os problemas que ocorrem na implantação do PCASP, destacam-se: a
incompatibilidade entre o Plano de Contas Antigo e o novo Plano 
de Contas, que ocasiona a dificuldade de inserir os saldos iniciais nas
novas contas contábeis. A ausência de pessoal
qualificado, especialmente nos municípios com até 50 mil 
habitantes, que representam aproximadamente 90% dos entes
federativos, faz com que seja dificultoso implementar um sistema de
contabilidade eficiente.
Consoante o decreto 6.876/2009, o Sistema de Contabilidade
Federal tem como 
objetivo promover a busca da convergência aos padrões internacionais
de contabilidade. Desde 2009 o Brasil busca convergir suas normas com
as normas internacionais, o que é algo relativamente recente. Tudo isso
é feito respeitados os aspectos formais e conceituais estabelecidos na
legislação vigente. Ocorreram avanços na contabilidade societária, 
como a edição das leis 11.638/2007 e 11.941/2009.  Separou-se o ativo
e o passivo em dois grupos, o circulante e o não circulante e houve a
extinção do grupo de conta "resultado de exercícios futuros”: que estava
em desacordo com as normas internacionais.
Conceito de ativo. Ativo é um recurso controlado no presente
pela entidade como resultado de evento passado. O controle não
dependente necessariamente da propriedade legal(basta lembrar do
arrendamento mercantil).O ativo é um dos 6 (seis) elementos dos
RCPGs pela estrutura conceitual. Existem 2 critérios de segregação de
ativos: pelo MCASP e ou pela Lei 4.320/1964. Não existe critério de
segregação pela NBC T SP estrutura conceitual. Para segregar o ativo
ou se usa o MCASP ou a lei 4.320.
Crime de aumento de despesa total com pessoal nos 180 dias
anteriores ao final do mandato ou legislatura. Ordenar, autorizar ou
executar ato que origine aumento de despesa total com pessoal nos 180
dias anteriores ao final do mandato ou legislatura é crime tipificado no
Art. 359 G da lei 10.028 de 2000, punido com reclusão, de 1 a 4 anos. A
ordenação de despesa não autorizada é crime previsto no art. 359 D da
lei 10.028 de 2000. A pena para quem ordena despesa não autorizada
por lei é igual à pena do crime de aumento de despesa total com
pessoal nos 180 dias anteriores ao fim de mandato e também é igual à
pena do crime de assunção de obrigação, nos dois últimos
quadrimestres do último ano de mandato, cuja despesa não possa ser
paga no mesmo exercício financeiro: reclusão, de 1 a 4 anos.
No presente trabalho sempre que for emitido um parecer sobre
auditoria operacional, de gestão ou contábil-orçamentária, será
informado ao leitor.  A auditoria foi baseada na circularização, que
consiste na confirmação, junto a terceiros, de fatos alegados pela
entidade, observações, entrevistas, conferências de
cálculos(recálculos), exames documentais, testes de observância e
testes substantivos. Fez-se uma busca, para saber se os objetivos da
entidade estão sendo alcançados, com relação às seguintes categorias:
eficácia e eficiência das operações, confiabilidade dos relatórios
financeiros e conformidade com a legislação e regulamentos aplicáveis.
Auditoria Contábil-Orçamentária – Notas explicativas. Verificar se o
Município de Sertânia informa em suas notas explicativas dos
demonstrativos fiscais (anexos) dos Relatórios de Gestão Fiscal a data
de publicação ou o período de publicação, caso ela utilize veículos como
Diário Oficial do Estado, Diário Oficial do Município ou um Jornal de
Grande Publicação, de acordo com Resoluções do TCE: § 1º O Poder
ou Órgão deverá informar, em notas explicativas dos demonstrativos
fiscais (anexos) do RGF, a data de publicação ou, no caso da afixação
em local visível da Prefeitura ou da Câmara de Vereadores, o período
de publicação e os veículos de comunicação utilizados, como o Diário
Oficial do Estado, o Diário Oficial do Município, jornal local de grande
circulação e mural de repartição pública. § 2º A ausência das
informações em notas explicativas, mencionadas no parágrafo anterior,
será considerada descumprimento à publicidade exigida pelo artigo 55,
§ 2º, da LRF.Verificou-se que a entidade não informa em notas
explicativas dos demonstrativos fiscais (anexos) dos Relatórios de
Gestão Fiscal a data de publicação, ou o período de publicação, indo de
encontro ao art. 7 § 1º da LRF e de encontro com a resolução  do TC nº
20 do Estado de Pernambuco, de 30 de setembro de 2015.
Demonstrativos do art. 53 da LRF.As informações prestadas no
Sinconfi devem refletir as demonstrações declaradas na LRF (Art. 52,
inciso I: Balanço Orçamentário) Art.52 Inciso II: Demonstrativos da
Execução das Receitas, Despesas por Categoria Econômica e fonte ou
grupo de natureza de despesa e demonstrativo de execução da despesa
por função e sub função. Demonstrativos do Art. 53 da LRF:
Demonstrativo de apuração da Receita Corrente Líquida, Demonstrativo
das Receitas e Despesas Previdenciárias; Demonstrativo dos
Resultados Nominal e Primário; Demonstrativo das despesas com Juros
e Demonstrativo dos Restos a Pagar. O Município de Sertânia atende a
todos os demonstrativos do art. 53 da LRF
 Ativos intangíveis e NBC TSP 08. Os procedimentos de
reconhecimento e mensuração de Ativos Intangíveis descritos no
MCASP e na NBC TSP 08, não se aplicam a transações decorrentes
da exploração de petróleo, gás e minerais industriais e nem nos de
contratos de seguros, pois eles são considerados como transações
extremamente especializadas. Já atividade com propaganda, marcas,
patentes, treinamento, gastos com início de operações (pré-
operacionais) e atividades de pesquisa e desenvolvimento são
objeto de análise e mensuração para que se reconheça um ativo
intangível. A equipe de auditoria responsável por este trabalho observou
tais apontamentos previstos na NBC TSP 08. A NBC TSP 08 Ativo
Intangível também não se aplica a Ativos Financeiros, reconhecimento
e mensuração do direito de exploração e avaliação de ativos, Gastos
com o desenvolvimento e a extração de recursos minerais, petróleo,
gás natural e outros recursos não-renováveis similares, ativo intangível
adquirido em combinação de negócios, ágio pago por expectativa
de rentabilidade futura (goodwill ou fundo de comércio) decorrente
da combinação de negócio,  direito e poderes conferidos pela
legislação, pela Constituição ou por meios equivalentes, ativos fiscais
diferidos, ativos intangíveis resultantes dos direitos contratuais de
seguradora, segundo contratos de seguro, e custo de aquisição diferido.
Etapas orçamentárias. O presente trabalho de auditoria observa
as etapas detalhadas no MCASP. O Responsável pela etapa de
Planejamento do Processo de elaboração é a SOF. Depois do
Planejamento do Processo de elaboração, segue-se a etapa da
Definição de Macrodiretrizes. A Definição de Macrodiretrizes possui
como responsáveis a SOF, os órgãos Setoriais, o Ministério da
Economia e a Casa Civil da Presidência da República. A Definição de
Macrodiretrizes é mais importante que o Planejamento do Processo de
Elaboração, pois envolve, além da SOF, os órgãos Setoriais, o
Ministério da Economia e a Casa Civil da Presidência da República. Na
verdade, não existe etapa mais importante que a outra, mas a Definição
de Macrodiretrizes é mais detalhada. Depois da Definição de
Macrodiretrizes vem a Revisão da Estrutura Programática, cujos
órgãos responsáveis são SOF e SEST, os órgãos Setoriais e as UOs.
Depois da Revisão da Estrutura Programática vem a Elaboração da
Proposta-fase 1 ou Elaboração da Pré-proposta, sob as ordens da
SOF, do ME, dos órgãos Setoriais e das UOs. Após a Elaboração da
Proposta - fase 1 ou Elaboração de Pré-proposta vem a Avaliação da
NFGC para a proposta orçamentária, sob as ordens da SOF, dos órgãos
Setoriais, do Ministério da Economia e da Casa Civil da Presidência da
República. Logo em seguida à Avaliação da NFGC para a proposta
orçamentária, vem o Estudo e Definição de Limites para a Proposta
Setorial, sob as ordens da SOF, do ME e da Casa Civil da Presidência
das República.
Regularidade do Município de Sertânia para com a publicação
dos Anexos do RREO. Com Respeito ao RREO e seus demonstrativos,
o Município está conforme a Lei de Responsabilidade Fiscal, pois ele
divulga até 30 dias após o encerramento de cada bimestre o Balanço
Orçamentário, bem como com o relatório de regras gerais e instruções
de preenchimento das declarações do SICONFI-Regras Gerais e
Instruções de Preenchimento do Relatório Resumido de Execução
orçamentária (RREO(. A estrutura do RREO, de acordo com os
manuais, é formado por:

Anexo I   Balanço Orçamentário

Anexo II  Demonstrativo da Execução das Despesas por


Função/Subfunção

Anexo III Demonstrativo da Receita Corrente Líquida

Anexo V Demonstrativo das Receitas e Despesas Previdenciárias do


Regime Próprio dos Servidores Públicos

Anexo Demonstrativo do Resultado Nominal


VI

Anexo Demonstrativo do Resultado Primário


VII

Anexo Demonstrativo dos Restos a Pagar por Poder e Órgão


IX

Anexo Demonstrativo das Receitas e Despesas com a Manutenção


X  e Desenvolvimento do Ensino – MDE

Anexo Demonstrativo das Receitas de Operações de Crédito e


XI Despesas de Capital

Anexo Demonstrativo da Projeção Atuarial do Regime Próprio de


XIII Previdência Social dos Servidores Públicos

Anexo Demonstrativo da Receita de Alienação de Ativos e


XIV Aplicação dos recursos

Anexo Demonstrativo das Receitas Líquidas de Impostos e das


XV Despesas Próprias com Saúde

Anexo Demonstrativo das Despesas de Caráter Continuado


XVII Derivadas das Parcerias Público-Privadas Contratadas

Anexo Demonstrativo Simplificado do relatório Resumido da


XVIII Execução Orçamentária.
Os Anexos I, II, III, V, VI, VII, IX, X e XVII terão periodicidade de
publicação bimestral. Assim, o Balanço Orçamentário (Anexo 1), o
Demonstrativo da Execução das Despesas por Função/Subfunção
(Anexo 2), o Demonstrativo da Receita Corrente Líquida (Anexo III), o
Demonstrativo das Receitas e Despesas Previdenciárias do Regime
Próprio dos Servidores (Anexo V), o Demonstrativo do Resultado
Nominal (Anexo VI), Demonstrativo do Resultado Primário (ANEXO VII),
o Demonstrativo dos Restos a Pagar por Poder e Órgão (Anexo IX), o
Demonstrativo das Receitas e Despesas com a Manutenção e
Desenvolvimento do Ensino – MDE (Anexo X), o Demonstrativo das
Despesas de Caráter Continuado Derivadas das Parcerias Público-
Privadas Contratadas (Anexo XVII) são bimestrais, obrigatoriamente.
Desses, o Anexo XVI terá publicação semestral. O Anexo XVI não
consta lista. Os Anexos IV, o Anexo VIII, o Anexo XII e o Anexo XVI não
constam da lista. Os Anexos XI, XIII, XIV e XVII terão periodicidade de
publicação anual. Demonstrativo das Receitas de Operações de Crédito
e Despesa de Capital (Anexo XI), Demonstrativo da Projeção Atuarial do
Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos (Anexo
XIII), Demonstrativo da Receita de Alienação de Ativos e Aplicação dos
recursos (Anexo XIV) e Demonstrativo das Despesas de Caráter
Continuado Derivadas das Parcerias Público-Privadas Contratadas
(Anexo XVII).
Tudo isso deve ser observado pelo município, tendo em vista que a
presente auditoria também é de compliance ou de conformidade,
objetivando medir a aderência dos fatos às normas aplicáveis. Não se
está fazendo somente auditorias operacionais (de gestão) e auditorias
contábeis (financeiras). É até possível concluir que a auditoria das
demonstrações contábeis é um tipo de auditoria de conformidade, mas
esta vai muito além daquela. A auditoria operacional é sinônimo de
auditoria de gestão, auditoria de desempenho ou auditoria de
performance. 
Licitações no Sistema “S”.As entidades do Sistema “S” devem
utilizar regulamento próprio de licitações e contratos. Porém, na
ausência de regra específica no regulamento próprio da entidade ou na
existência de regras presentes no regulamento que contrariem os
princípios administrativos, o Sistema S deve se utilizar da lei 8.666.
Objetivos da licitação e seleção da proposta mais vantajosa
para administração. Um dos objetivos da licitação é a seleção da
proposta mais vantajosa para a administração, juntamente com o
princípio constitucional da isonomia e a promoção do desenvolvimento
nacional sustentável. Dessarte, a seleção da proposta mais vantajosa
para a administração não pode ser o (único) objetivo da administração,
pois ela deve ser conjugada com outros objetivos.
Tipos de Serviços Públicos e suas diferenças. Serviços de
energia elétrica, transporte coletivo e telefone são mantidos através de
taxa ou tarifa, cobradas do próprio beneficiário. São serviços uti singuli:
a cobrança será sobre usuário determinado. Serviços uti universi ou
gerais são aqueles remetidos à toda coletividade, como o serviço de
iluminação pública, o serviço de polícia e outros, sendo subsidiados
através de impostos. De acordo com a Súmula Vinculante n°. 41 do
STF, o serviço de iluminação Pública não pode ser remunerado
mediante taxa. Como os serviços uti singuli são usufruídos mediante
taxa ou tarifa, infere-se que o serviço de iluminação pública só pode ser
uti universi (geral).
Balanço Orçamentário e IPC 07: O B.O. demonstrará as receitas e
despesas previstas em confronto com as realizadas (art.102 da Lei
4320/64). O balanço orçamentário, de acordo com o IPC 07
(Metodologia para elaboração do Balanço Orçamentário) é composto
por: Quadro Principal, Quadro da Execução de Restos a pagar Não
processados e Quadro da Execução dos Restos a Pagar Processados e
Restos a Pagar Não Processados Liquidados.De acordo com o IPC 07
(Metodologia para Elaboração do Balanço Orçamentário), o
detalhamento das despesas e receitas intra-orçamentárias é
apresentado em notas explicativas, quando relevantes.
Balanço Patrimonial e IPC 04 .O IPC 04 trata da metodologia de
elaboração do Balanço Patrimonial. O IPC 04 não afirma diretamente
que o Balanço Patrimonial é formado por Quadro Principal, Quadro dos
Ativos e Passivos Financeiros e Permanentes, Quadro das contas de
compensação e controle e Quadro do superávit/déficit financeiro.
No dia 21 do 02 foi contactado o tribunal de contas de Pernambuco
para saber o porque da nota de Sertânia no ICCpe era insuficiente. Os
auditores do TCE informaram que quem divulga a nota dos municípios
era a União e nos mandaram entrar em contato com a secretaria de
macro avaliação ambiental. A Controladoria Geral do Município deixou
de cumprir a Lei 12.527/2011, a qual afirma que a publicidade é a regra,
primando pela transparência proativa. Um dos princípios da lei 12.527 é
a transparência proativa que, facilite o acesso das pessoas. O
município deveria dar mais detalhes do porquê a nota no ICCpe foi
insuficiente, um pequeno detalhe que está sendo resolvido. A
contabilidade pública, ciência informacional instrumentalizada pelos
RCPGs (Relatórios contábeis de propósito geral), que incluem, entre
outros relatórios, as demonstrações contábeis, deixou de ser aplicada
com perfeição.
A previsão da despesa e a fixação da despesa são contas de
natureza devedora no PCASP.Na aprovação do orçamento (previsão
da receita e fixação da despesa) ocorrem os seguintes lançamentos:
Previsão da Receita:
D - Previsão inicial da receita
C - Receita a realizar
Fixação da Despesa:
D- Dotação Orçamentária
C- Crédito Disponível
Como na aprovação do orçamento eu debito previsão inicial da
receita e, na fixação da despesa, eu debito dotação orçamentária, para
o PCASP, a previsão da receita e a fixação da despesa possuem
natureza devedora.
 Classes do Plano de Contas. O PCASP é dividido em 8 classes:
1. Ativo, 2. Passivo, 3. Variações Patrimoniais Diminutivas, 4. Variações
Patrimoniais Aumentativas, 5. Controles de Aprovação do Planejamento
e Orçamento, 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento,
7. Controles Devedores e 8. Controles Credores. As classes são
divididas segundo suas naturezas(orçamentária, patrimonial e de
controle).Para a que o Município alcance índice satisfatório no ICCPE,
deverá observar a divisão de classes supracitada. O ICCPE possui um
critério de avaliação dividido em dois grupos: convergência e
consistência.
Estrutura da LOA- Corpo Principal, Anexos e Informações
Complementares. No Corpo da LOA estão o Orçamento Fiscal, o
Orçamento da Seguridade Social e o Orçamento de Investimento. No
Orçamento da Seguridade vamos trabalhar com Saúde, Previdência e
Assistência. Dentro do orçamento fiscal e do orçamento da seguridade
social você terá a reserva de contingência. A reserva de contingência é
definida por um percentual da LDO em cima da RCL. A Receita Corrente
Líquida são todas as receitas correntes menos algumas deduções. Uma
das deduções é o Fundo de Participação dos Estados e o Fundo de
Participação dos Municípios. A reserva de contingência atende passivos
contingentes do Anexo de Riscos Fiscais. Anexos: os anexos fazem
parte da estrutura da LOA, sendo um dos anexos o Anexo de Renúncia
de Receitas (subsídios, anistias, benefícios, isenções e remissões). O
segundo anexo seria o de compatibilidade da LOA com o anexo de
metas fiscais da LDO. Informações complementares: Os fundos de
incentivo fiscal são informações complementares, eles fazem parte da
LOA, mas não fazem parte nem do corpo principal e nem dos
anexos.Um exemplo de fundo de incentivo fiscal é o FINAM.

Estrutura e forma do Balanço Orçamentário: O Balanço


Orçamentário demonstrará as receitas e despesas previstas em
confronto com as realizadas. Assim, conforme o art. 101 da lei 4.320 de
1964, o Balanço Orçamentário visa comparar o realizado com o orçado
no exercício. O Balanço Orçamentário é uma das peças de grande
monta. A maioria (63.6%) das prefeituras pernambucanas
apresentou um nível desejado quanto à estrutura e apresentação do
Balanço Orçamentário. Quatro prefeituras, porém, apresentaram um
nível crítico. O Balanço orçamentário é composto por: Quadro principal,
Quadro da Execução dos Restos a Pagar não Processados e Quadro da
Execução dos Restos a Pagar Processados, conforme o MCASP. Todo
gestor deve ter em mente qual a composição do balanço orçamentário e
seus quadros.

Balanço orçamentário
Receitas previstas x Receitas realizadas
Despesas previstas x Despesas realizadas 

Classificação institucional da despesa. A classificação


institucional da despesa refere-se a que órgão ou unidade orçamentária
a despesa está adstrita. A classificação institucional da despesa está
estruturada em 2 níveis hierárquicos (órgão ou unidade orçamentária), e
reflete a estrutura organizacional e administrativa. Um fundo especial, na
classificação institucional da despesa, é uma unidade orçamentária. Na
classificação institucional o órgão ou unidade orçamentária pode não
corresponder a uma estrutura administrativa. A classificação institucional
da despesa orçamentária não atribui uma unidade orçamentária única e
exclusiva a cada órgão público. Uma unidade orçamentária não
corresponde necessariamente à um órgão administrativo.
Classificação programática. A classificação programática é a que
permite enquadrar a despesa em programa, ação ou subtítulo. Essa
classificação é composta de 12 dígitos: 1º. Ao 4º. programa, do 5º. ao
8º: ação e 9º. ao 12º. Subtítulo. A classificação programática, por conter
12 dígitos, não é muito clara. No entanto, a sua divisão em programa,
ação ou subtítulo é de grande monta.

Lei 10.520 de 2002 e o ICCpe. Para que o ICCpe seja excelente, a


entidade deve observar os matizes da lei 10.520 de 2002, a qual
considera que para os bens e serviços comuns poderá ser adotada a
modalidade pregão. Os bens e serviços comuns são aqueles cujos
padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente
definidos no edital. Isso se dá por meio de especificações usuais no
mercado. Na licitação normal as fases são edital, habilitação,
classificação, julgamento, homologação e adjudicação. No pregão, as
fases de homologação e adjudicação se invertem.
Ativo Real e contas de compensação. O Ativo Real é um
importante indicador da contabilidade pública. O Ativo Real não leva em
conta as contas de compensação, meros atos contábeis. O Passivo
Real também não leva em conta as contas de compensação. O Ativo
Real é o somatório do Ativo Financeiro e do Ativo não-Financeiro,
excluindo apenas o Ativo Compensado. O Passivo Real é a soma do
Passivo Financeiro e do Passivo não Financeiro, excluindo apenas o
Passivo Compensado. O Ativo Real Líquido é a diferença entre o Ativo
Real e o Passivo Real. 
Princípios licitatórios obedecidos pelo Município. O Município
deve sempre velar pelos princípios do desenvolvimento nacional
sustentável, da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da
igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao
instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhe são
correlatos. Princípios esculpidos no caput do art. 3º. Da lei 8.666 e que
são balizadores de toda a administração pública municipal.

Fluxos de Caixa advindos de transação em moeda estrangeira.


O CPC 03, trata das demonstrações do fluxo de caixa, podendo ser
aplicado, no tocante ao fluxo de caixa em moeda estrangeira, à
contabilidade pública. O item 25 do CPC 03 reza que os fluxos de caixa
advindos de transações em moeda estrangeria devem ser registrados
na moeda funcional da entidade.
Representação fidedigna: para ser representação escorreitamente
fidedigna, ou perfeitamente fidedigna, a realidade retratada precisa ser
completa, neutra e livre de erro. Esses três atributos precisam estar
sempre presentes em representações contábeis fidedignas: informação
completa, informação neutra e informação livre de erro material.Para
cumprir com o atributo da verificabilidade, a informação deve
representar fidedignamente o fenômeno econômico que se propõe a
representar. Se uma realidade econômica em particular for representada
fidedignamente, diferentes observadores podem chegar a um consenso
sobre ela, embora não cheguem a um acordo completo. Na
verificabilidade faz-se a seguinte pergunta: a informação representa
fidedignamente o fenômeno econômico?
Regras dos contratos administrativos e ICCpe.Para o ICCpe
possuir nota excelente, a administração pública deve observar as regras
relativas aos contratos administrativos constantes da lei 8666/93. No art.
58 constam cláusulas exorbitantes, como a possibilidade de modificação
unilateral, feita pela administração, dos contratos administrativos, a
possibilidade de rescindir os contratos, unilateralmente, por parte da
administração, a de aplicar sanções motivadas pela inexecução total ou
parcial do ajuste e a possibilidade de, nos serviços essenciais, ocupar
provisoriamente bens móveis, imóveis, pessoal e serviços vinculados ao
objeto do contrato. Essas são as cláusulas exorbitantes, cláusulas de
direito público que colocam a administração em posição de verticalidade
perante o particular, baseada na supremacia do interesse público sobre
o privado. Algumas cláusulas exorbitantes que constam espalhadas na
lei 8.666 são a exigência de garantia, a exigência de medidas de
compensação e a restrição à oposição do contrato não cumprido. A
exigência de garantia, a exigência de medidas de compensação e a
restrição à oposição do contrato não cumprido não constam no art. 58.
Alienação de bens imóveis e licitação. Poder Público Municipal
deve prestar atenção ao comando do art. 17 da lei 8.666 que afirma que
a alienação de bens da administração pública deve ser precedida de
avaliação e ser subordinada à existência de interesse público
devidamente justificado. A alienação de bens imóveis dependerá de
avaliação prévia e de licitação na modalidade de concorrência. A
alienação de bens imóveis na modalidade de concorrência dependerá
de autorização legislativa para órgão da administração direta e
entidades autárquicas e fundacionais. Existem casos, porém, em que o
poder público aliena bens imóveis e não se utiliza da modalidade de
concorrência que é a regra, são eles: dação em pagamento, a doação, a
permuta, a investidura, a venda a outro órgão ou entidade da
administração pública, a alienação gratuita ou onerosa, o aforamento, a
concessão de direito real de uso e outros casos. Na dação em
pagamento, na doação, na permuta, na investidura e na venda a outro
órgão da administração pública a licitação é dispensada.
Definições da lei 8666:Empreitada por preço global: quando  se
contrata a execução da obra ou serviço por preço certo e total.
Empreitada por preço Unitário – quando se contrata a execução da
obra ou serviço por preço certo de unidade determinada. Enquanto a
empreitada por preço global é por preço certo e total, a empreitada por
preço Unitário é por preço certo de unidade determinada. Execução
Direta é a que é feita pelos órgãos e entidades da administração, pelos
próprios meios. Já a execução indireta é aquela em que o órgão ou
entidade contrata com terceiros, podendo ser por preço global ou por
preço unitário. Empreitada integral: quando se contrata um
empreendimento em sua integralidade, sob inteira responsabilidade da
contratada, atendendo os requisitos técnicos e legais.  A empreitada
integral somente admite a modalidade concorrência. Tarefa: quando
se ajusta mão-de -obra para pequenos trabalhos por preço certo. A
tarefa pode ser com ou sem fornecimento de materiais. Na empreitada
integral contrata-se o empreendimento em sua integralidade,
compreendendo todas as etapas das obras, serviços e instalações
necessárias. A empreitada integral é de inteira responsabilidade da
contratada, até sua entrega ao contratante em condições de entrada em
operação.
Facultatividade do RGF e de outros demonstrativos. Por ter
população inferior a 50.000 habitantes (tem somente 35.670), é
facultada a divulgação do Relatório de Gestão Fiscal semestralmente.
No entanto, a divulgação deve ser feita, se não optar pela divulgação
semestral, quadrimestralmente. Sertânia optou por divulgar seus RGFs
quadrimestralmente. Os seguintes demonstrativos também serão uma
faculdade: Demonstrativo de Apuração da Receita Corrente Líquida,
Demonstrativos das Receitas e Despesas Previdenciárias,
Demonstrativos de Resultados Nominal e Primário, Demonstrativo da
Despesa com Juros e Demonstrativos de Restos a Pagar. O Anexo de
Metas fiscais, que seria facultativo para o Município (tem menos de
50.000 habitantes), foi optado pelo Município, conforme Lei 1.638 de
2018, da LDO 2018 (5 – Anexo de Prioridades – LDO de 2019).  O
Anexo de Metas Fiscais foi registrado como Anexo de Prioridades
(também poderia ser Anexo de prioridades e metas fiscais) e foi lançado
no ano de 2018 com o nome de Anexo de Metas Fiscais (em 2018 e
2017 houve a publicação de Anexo de Metas Fiscais e Anexo de
Prioridades). O anexo de riscos fiscais é onde estarão avaliados os
passivos contingentes. A LRF aborda dois anexos: o de metas fiscais e
de riscos fiscais, onde serão avaliados os passivos contingentes e
outros riscos capazes de afetar as contas públicas.
Relatório do Auditor de Controle Interno Orçamentário
Responsabilidade do Município sobre a gestão do Orçamento
Público. O Município de Sertânia é responsável pela elaboração dos
balanços orçamentários e financeiros de acordo com a lei n° 4.320  de
64 (Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e
controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos
Municípios e do Distrito Federal),  de acordo com a lei de
responsabilidade fiscal (Lei complementar n°101 de 4 de maio de 2000 -
Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a
responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências), e com a lei
de acesso à informação (LAI – Lei federal 12.527/2011) e pelos
procedimentos e controles internos que ela determinou como
necessários para permitir uma demonstração contábil livre de distorção
relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.
Responsabilidade do Auditor Interno. A Auditoria Interna tem
como finalidade desenvolver um plano de ação que auxilie o Município a
alcançar seus objetivos operacionais, bem como a avaliar a eficácia e
suficiência dos controles contábeis, financeiros e operacionais. A
auditoria Interna é mais uma função de assessoria que de linha, com
vistas a determinar o grau de confiança das informações e dados
contábeis.
Responsabilidade por fraude e erro: de acordo com a NBC T 11
não é responsabilidade primária do auditor a detecção de fraudes e
erros, mas sim da Administração da entidade.
Os serviços contábeis de natureza permanente e continuada no
âmbito da administração pública municipal devem ser realizados por
servidores ocupantes de cargos efetivos, constantes de quadro
permanente de pessoal (Resolução TC n°37 /2018).
O Presente trabalho é baseado na lei 4.320 de 1964, a lei que rege
a contabilidade pública, seja na esfera federal, estadual e municipal. Já
a lei das S.A. (lei 6.404/76) rege a contabilidade pública privada.A
presente obra tem como fim dar credibilidade ao Projeto de Lei
Orçamentária Anual, enviado pelo chefe do executivo ao Congresso
Nacional, visando assegurar a confiabilidade das demonstrações
contábeis públicas, a transparência pública e a accountability, para que
o ente municipal possa arrecadar recursos que serão investidos na
saúde e na educação, em sua íntegra. A mensagem do prefeito que
encaminha o Projeto de Lei Orçamentária é o instrumento de
comunicação entre o chefe do executivo e o congresso. Essa auditoria
visa dar confiança ao município frente à União e às outras unidades
federadas para carrear recursos a uma área brasileira tão esquecida: o
sertão do moxotó. O projeto de LOA deve ser enviado até 04 meses
antes do encerramento do exercício financeiro e deve estar amparado
por uma auditoria contábil e operacional íntegra, fazendo com que os
usuários das informações contábeis sintam-se confiantes de que o
Município de Sertânia apresenta uma Contabilidade tempestiva neutra e
livre de erros materiais. O projeto de LDO deve ser enviado 8 meses e
meio antes do término do exercício financeiro (15/04). O projeto de LDO
deve passar confiança, confiança essa que será em grande parcela
nutrida por esse relatório de auditoria. O PPA, a ser enviado 4 meses
antes do término do exercício financeiro(31/08) também será mais
confiável e íntegro com o presente relatório de auditoria. O PPA tem
como característica ser de maior alcance, apesar de a doutrina
classifica-lo como de médio prazo. Os três instrumentos são de iniciativa
do poder executivo e põe o Município pra frente, fazendo com que a
economia gire, captando recursos nas áreas sociais, para o bem estar
da população e a saúde financeira do município.
Outras despesas correntes. Nesse grupo estão todas as
despesas que não sejam Pessoal e encargos sociais e Juros e encargos
da Dívida. Despesas orçamentárias com aquisição de material de
consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções, auxílio-
alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da categoria
econômica "Despesas Correntes" não classificáveis nos demais grupos
de natureza de despesa. É interessante notar que o pagamento de
diárias, contribuições, subvenções, auxílio alimentação e auxílio
transporte não entra em Pessoal e encargos sociais, mas em Outras
despesas correntes. A aquisição de material de consumo, como
alimentos, papéis, lápis é uma despesa que ocorre com bastante
frequência, e também pertence às Outras despesas correntes. O gestor
não pode "jogar" tudo em Pessoal e encargos Sociais, deve observar a
classificação correta. O Material de Consumo, na Portaria 163 de
2001, consta em Outras Despesas Correntes, já na lei 4.320 de
1964, consta em despesas de custeio. A Portaria “jogou” em Outras
Despesas Corrente o que consta na lei 4.320 como despesa de custeio
Inscrição da Dívida Ativa como fato permutativo.Na fase de
inscrição de Dívida Ativa ocorre apenas um fato permutativo. Em todas
as análises anteriores a 2014 e em algumas análises mais recentes, ela
é classificada, erroneamente, como fato contábil modificativo
aumentativo. Na Dívida Ativa há troca de crédito no curto prazo, pelo
crédito de Dívida Ativa no longo prazo. Procedimento 1 para inscrição
em Dívida Ativa: Utiliza contas de controle e requer uma maior
integração. Procedimento 2 para inscrição em Dívida Ativa: dispensa os
registros de controle e há dificuldade de integração.
Dois procedimentos para Inscrição em Dívida Ativa.
Procedimento 1: com contas de controle. Procedimento 2: sem contas
de controle. Em ambos, o registro do crédito a receber é pré-requisito
para a inscrição em Dívida ativa. No procedimento 2, sem contas de
controle, ocorre o registro do crédito a receber  e depois a inscrição. No
procedimento 1, com contas de controle, ocorre o registro do crédito a
receber como pré-requisito para a inscrição em Dívida Ativa e logo após
o registro do crédito vencido a ser encaminhado para a inscrição em
Dívida Ativa.
DFC E Balanço Financeiro. A Presente auditoria considera que o
caixa líquido gerado na Demonstração dos Fluxos de Caixa não se
confunde com o Resultado Financeiro do Balanço Financeiro. A
demonstração dos fluxos de caixa pode ser elaborada pelos métodos
direto ou indireto, evidenciando as movimentações havidas no caixa e
equivalentes de caixa, nos seguintes fluxos: das operações, dos
investimentos e dos financiamentos. A Demonstração dos Fluxos de
Caixa, com as normas de convergência de contabilidade, vai sendo
incorporada, paulatinamente, na contabilidade pública. Na contabilidade
societária, a Demonstração dos Fluxos de Caixa é abordada no CPC 03.
O caixa líquido gerado na Demonstração dos Fluxos de caixa pode não
coincidir com o resultado financeiro do Balanço Financeiro. Isso ocorre,
pois o Balanço Financeiro considera todos os ingressos orçamentários e
extraorçamentárias. A Demonstração dos Fluxos de caixa, na
contabilidade societária, é obrigatória por força da lei 11.638 de 2007,
desde 2008, sendo um importante relatório na tomada de decisões
gerenciais. A Demonstração dos Fluxos de Caixa considera apenas as
receitas orçamentárias arrecadadas, as despesas orçamentárias pagas
e os restos a pagar pagos. O Balanço Financeiro: considera todos os
ingressos orçamentários e extraorçamentários. Já a Demonstração dos
Fluxos de caixa: considera os restos a pagar pagos, as receitas
orçamentárias arrecadadas e as despesas orçamentárias pagas.
Inversões financeiras e Investimentos: Despesas orçamentárias
com softwares e com o planejamento e a 
execução de obras, inclusive com a aquisição de imóveis considerados 
necessários à realização destas últimas, e com a aquisição de
instalações, equipamentos e material permanente são
investimentos. Quando se executa o planejamento ou a execução de
uma obra pública, as despesas são bem classificadas como
investimentos. Os imóveis, as instalações, os equipamentos e materiais
permanentes imprescindíveis para tais obras públicas tambêm são
classificados como investimentos. Já as inversões financeiras são
despesas orçamentárias com a aquisição de imóveis ou bens de capital
já em utilização(os investimentos ocorrem quando os imóveis ou bens
de capital sejam novos e sejam direcionados a uma dada obra);
aquisição de títulos representativos do capital de empresas ou entidades
de qualquer espécie, já constituídas, quando a operação não importe
aumento do capital; e com a constituição ou aumento do capital de
empresas, além de outras despesas classificáveis neste grupo. A
aquisição de Software, na Portaria 163 de 2001, é classificada como
Investimentos (despesa de capital). Já na lei 4.320 de 1964 é
omissa. A lei 4.320 de 1964 nada fala sobre a aquisição de software.
Amortização da Dívida: despesas orçamentárias com o
pagamento do principal e da atualização monetária ou cambial da dívida
pública interna e externa, contratual ou mobiliária. É importante salientar
que a amortização da dívida compreende a dívida pública interna e
externa, a dívida contratual e a dívida mobiliária (formada por títulos da
dívida pública.)

Resumo das Despesas Correntes. Pessoal e encargos sociais:


despesas orçamentárias com pessoal ativo, inativo e pensionistas, em
resumo. Os Inativos e Pensionistas estão em Pessoal e Encargos
Sociais, já na lei 4.320, são transferências correntes. Juros e Encargos
da Dívida: aborda basicamente o pagamento de juros, comissões e
outros encargos.  Os Juros, na Portaria 163 de 2001, são classificados
em Juros e encargos da Dívida. Já na lei 4.320 de 1964, constam em
Transferências Correntes. Outras Despesas Correntes: abrange
basicamente a aquisição de material de consumo, pagamento de
diárias, contribuições, auxílio-alimentação. As Subvenções e
Contribuições estão aqui, em Outras Despesas Correntes Resumo das
Despesas de Capital. Investimentos: Despesas orçamentárias com
software, planejamento e execução de obras e aquisição de imóveis.
Inversões financeiras: Aquisição de imóveis ou bens de capital já em
utilização e constituição ou aumento do capital de empresas. Os Auxílios
e Contribuições são classificados, pela lei 4.320, em transferências de
capital, já na Portaria não constam Transferências Correntes e/ou
Transferências de Capital, e as Contribuições e Auxílios constam em
Investimentos e inversões financeiras. Amortização da Dívida:
pagamento ou refinanciamento do principal e da atualização monetária
ou cambial da dívida pública.
Esse é o resumo da classificação presente na Portaria 163 de
2001, contudo o resumo da classificação das despesas, conforme a lei
4.320 também é importante, pois ela é a norma mãe. É mister ao gestor,
saber o que diz a lei 4.320 e a portaria 163 de 2001, para melhor
classificar os atos e fatos que ocorrem na contabilidade pública
municipal. Sem a classificação escoimada de erros não teremos a
perfeita acountability. Na portaria 163 de 2001 não consta a
classificação de transferência corrente, transferência de capital e nem
despesa de custeio. A classificação da 163 de 2001 é mais moderna,
mais importante, no entanto a lei 4.320 também é importante para a
consolidação do plano de contas no estro dos auditores.
Orçamento impositivo. O termo "orçamento impositivo" se refere
à parte do Orçamento-Geral da União definida pelos parlamentares e
que não pode ser alterada pelo Poder Executivo. Se a previsão estiver
no orçamento, impositivamente, o governo federal terá a obrigação de
executar a despesa – ou seja, liberar o dinheiro. A regra é que o
governo não tem a obrigação de liberar, pois como regra o orçamento é
autorizativo. Assim assoalha a carta magna, quanto ao orçamento
impositivo: As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão
aprovadas no limite de 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da
receita corrente líquida prevista no projeto encaminhado pelo Poder
Executivo, sendo que a metade deste percentual será destinada a ações
e serviços públicos de saúde. Daí conclui-se que o orçamento
impositivo trata de emendas individuais, e possui o teto de até 1,2% da
receita corrente líquida. Preocupou-se com as ações e serviços públicos
de saúde, ao determinar que metade do orçamento impositivo será
destinado a tais áreas. Foi a emenda constitucional 86 de 2015 que
incluiu a temática do orçamento impositivo. Há quatro tipos de emendas:
Emendas individuais, Emendas de bancada, Emendas de comissões,
Emendas do relator do Orçamento. Em 2015, o Congresso tornou
impositivas (de execução obrigatória), apenas as emendas individuais.
Essa regra entrou em vigor no mesmo ano. Porém, em 2019, os
parlamentares voltaram a mexer na Constituição para tratar do tema,
tornando obrigatória a execução das emendas de bancada.
Orçamento impositivo: emenda constitucional 86 de 2015
Existem 4 tipos de emendas: emendas individuais,
emendas de bancada, emendas de comissões e emendas
do relator do orçamento. O orçamento impositivo “só” trata
das emendas individuais e emendas de bancada.
Receitas efetivas, despesas efetivas, superveniências e
insubsistências do ativo. Se houve aumento do ativo e do PL, pode
ocorrer Receita Efetiva ou Superveniência do Ativo. Se ocorreu aumento
do ativo e do PL jungido à execução da receita ou execução da despesa
orçamentária, haverá receita efetiva. Por outro lado, se houve aumento
do ativo e do PL e se não houve a execução da receita ou execução da
despesa no processo, será, uma superveniência do Ativo. Talqualmente,
se houver diminuição do ativo e do PL, pode ocorrer Despesa Efetiva ou
Insubsistência do Ativo. Se houve diminuição do ativo e do PL e houve
execução da receita ou execução da despesa no processo, ocorrerá
uma despesa efetiva. Se, a contrariu sensu, houve uma diminuição do
ativo e do PL, mas não houve execução da receita ou execução da
despesa no processo, ocorrerá insubsistência do ativo. Concluímos que
as superveniências e insubsistências do ativo somente ocorrem
quando não houver execução da receita ou execução da despesa
no processo.
Súmula 214 TCU e a taxa de inscrição em concurso como
receita pública: Os valores correspondentes às taxas de inscrição em
concursos públicos devem ser recolhidos ao Banco do Brasil S.A, à
conta do Tesouro Nacional, por meio de documento próprio, de acordo
com a sistemática de arrecadação das receitas federais, prevista no
Decreto-lei no 1.755, de 31/12/79, e integrar as tomadas ou prestações
de contas dos responsáveis ou dirigentes de órgãos da Administração
Federal Direta, para exame e julgamento pelo Tribunal de Contas da
União. Assim, os valores das taxas de inscrição em concursos públicos
devem ir para os cofres públicos e não para o bolso da empresa
organizadora dos certames.
Variações resultantes da execução orçamentária. As Receitas
Orçamentárias são variações ativas resultantes da execução
orçamentária. As Despesas Orçamentárias são Variações Passivas
resultantes da execução orçamentária.Já as variações ativas
independentes da execução orçamentárias são os acréscimos
patrimoniais. Por outro lado, as Variações Passivas independentes da
execução orçamentária são os decréscimos patrimoniais.
Observação: As mutações ativas e as mutações passivas também são
variações resultantes da execução orçamentária, junto com as receitas e
despesas orçamentárias. Assim, são variações ativas resultantes da
execução orçamentária: as receitas orçamentárias e as mutações ativas
(tambêm chamadas de alterações patrimoniais). São Variações
Passivas Resultantes da execução orçamentária: as despesas
orçamentárias e as mutações passivas (alterações patrimoniais). Saber
quais variações são resultantes ou não da execução orçamentária é de
fundamental importância para o auditor.
Exemplos de fatos orçamentários e extraorçamentários. São
fatos orçamentários a Receita Tributária, o Recebimento de cota, a
Receita de Alienação de bens, as Despesas de pessoal, a Concessão
de cota e as despesas com material de consumo. São exemplos de
fatos extraorçamentários o Recebimento de cota para pagamento de
Restos a Pagar, a Inscrição da dívida ativa, a concessão de cota para
pagamento de restos a pagar, o cancelamento da Dívida Ativa, a
Depreciação, o Recebimento de cauções, a Devolução de cauções, a
Contratação de ARO, o Pagamento de ARO. Atenção: a depreciação e
o cancelamento de dívida ativa são fatos extraorçamentários. Cada
gestor-auditor deve ter ciência de quais são fatos orçamentários e quais
os que independem de execução orçamentária, para o melhor
funcionamento da máquina pública.

A inscrição da dívida ativa, o cancelamento da Dívida Ativa e a


depreciação são fatos extraorçamentários. O recebimento de cota e a
concessão de cotas para pagamento de Restos a pagar também o são.

Classificação simplificada da despesa quanto ao impacto no


resultado primário. Das Despesas Correntes os Juros e encargos da
Dívida são receitas financeiras, as despesas com pessoal e encargos
sociais e outras despesas correntes são primárias. Das despesas de
capital somente a amortização da dívida é financeira, pois os
investimentos e inversões financeiras são despesas primárias. Saber a
classificação simplificada da despesa quanto ao impacto no resultado
primário é de suma importância. O impacto quanto ao resultado primário
é de suma importância para o Município. No Brasil, por exemplo, o
Impacto primário de medidas contra coronavírus soma R$ 284 bilhões.
O resultado primário das contas públicas é uma reserva que os
governos devem fazer para pagar os juros das dívidas. Os juros da
dívida são alarmantes no setor público, sendo o Brasil o país que mais
necessita de controlar os exorbitantes juros da Dívida Pública, bem
maiores que os demais países.

3. Despesas Correntes 4 Despesas de capital


3.1 Pessoal e encargos sociais – primária 4.4 Investimentos - primária
3.2 Juros e encargos da dívida – financeira 4.5 Inversões financeira - primária
3.3 Outras despesas correntes – primária 4.6 Amortização da Dívida - financeira

Superávit e déficit primário. O Superávit primário ocorre quando


as receitas primárias são maiores que as despesas primárias, sendo
uma situação desejável. O déficit primário ocorre quando as despesas
primárias são maiores que as receitas primárias.
Superveniência do ativo e insubsistência do ativo. Nas
superveniências e insubsistências do ativo não ocorre arrecadação
orçamentária, só se mexe no ativo e no PL. Se houve um aumento do
Ativo e do PL, mas não houve uma arrecadação da receita ou liquidação
da despesa no processo, haverá uma variação quantitativa aumentativa
extraorçamentária, uma superveniência do ativo, como o nascimento
de um semovente ou um recebimento de bens em doação. Já se
houve uma diminuição do ativo e do PL e não ocorreu uma arrecadação
da receita ou liquidação da despesa, ocorrerá uma variação quantitativa
diminutiva extraorçamentária, uma insubsistência do ativo. Exemplos de
insubsistências do ativo são a saída de material de consumo do
almoxarifado, o furto de veículos, a morte de um semovente, a baixa da
dívida ativa, a doação de bens de terceiros, a depreciação e a
amortização.
Receitas e despesas efetivas e não efetivas. Para ser efetivo ou
não efetivo tem que haver ou não haver arrecadação de receita e
liquidação da despesa no processo.Se houve um aumento do
Patrimônio Líquido e também ocorreu uma arrecadação da receita ou
liquidação da despesa no processo, haverá uma Variação Quantitativa
Aumentativa Orçamentária, uma receita efetiva. Os exemplos mais
comuns de variações quantitativas aumentativas são as receitas
tributárias, de contribuições, patrimoniais, de serviços e industriais, onde
o fato gerador coincide com a arrecadação. Se houve uma diminuição
do Ativo e do PL e uma arrecadação de receita ou liquidação da
despesa no processo, ocorrerá uma variação quantitativa diminutiva,
uma despesa efetiva. São exemplos de despesas efetivas a despesa
com pessoal, com juros, com serviços de terceiros, com diárias e
passagens, despesas de transferências correntes (subvenções),
transferências de capital (auxílios). Observe que em ambos os casos
o Patrimônio líquido foi alterado (para mais ou para menos) e
houve uma arrecadação de receita ou liquidação da despesa,
concomitantemente. Existe também o critério que considera como
efetiva aquela receita que altera o Patrimônio líquido e não efetiva a que
não altera. Porém, o conceito de receita efetiva vai muito além disso.
Exceções do ART 44 da LRF.A LRF afirma que é vedada a
aplicação da receita de capital derivada da alienação de bens e direitos
que integram o patrimônio público para o financiamento de despesa
corrente, salvo se destinada por lei aos regimes de previdência
social, geral e próprio dos servidores públicos. Deve-se observar a
exceção.O pagamento de servidores inativos e pensionistas do
município poderá se realizar com recursos oriundos da venda de ações
do capital social de sociedade de economia mista municipal, por
exemplo. O pagamento de servidores inativos e pensionistas com
recursos oriundos da venda de ações do capital de social de sociedade
de economia mista é exemplo de receita de capital derivada da
alienação de bens e direitos do Patrimônio Público para o financiamento
de despesa corrente permitida por lei, sendo uma exceção.
Princípio da Anualidade. No Brasil, a LOA terá vigência de um
exercício financeiro, que deve ser igual ao ano civil. O Exercício
financeiro vai de 1° de Janeiro a 31 de dezembro.Em outros países, o
ano de exercício da LOA pode ou não coincidir com o ano civil. A
exceção é a Reabertura de créditos especiais ou extraordinários do
último exercício. Os créditos suplementares não são exceção ao
princípio da anualidade.
Destinação dos recursos das AROs. A lei orçamentária anual, e
não a lei de diretrizes orçamentárias, deve determinar a destinação de
recursos provenientes das operações de crédito por antecipação de
receita. É isso o que assoalha o Art. 165 § 8º da CF: A lei orçamentária
anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação
da despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura
de créditos suplementares e contratação de operações de crédito, ainda
que por antecipação de receita, nos termos da lei.
Limites globais municipais. Art. 19. Para os fins do disposto no
caput do art. 169 da Constituição, a despesa total com pessoal, em cada
período de apuração e em cada ente da Federação, não poderá exceder
os percentuais da receita corrente líquida, a seguir discriminados:
I - União: 50% (cinqüenta por cento);
II - Estados: 60% (sessenta por cento);
III - Municípios: 60% (sessenta por cento)
O Limite com o gasto de pessoal municipal por Poder está no art. 20: A
repartição dos limites globais do art. 19 não poderá exceder os
seguintes percentuais:III - na esfera municipal:
a) 6% (seis por cento) para o Legislativo, incluído o Tribunal de
Contas do Município, quando houver;
b) 54% (cinqüenta e quatro por cento) para o Executivo
Limites com gasto de pessoal na esfera estadual:
Na esfera estadual, o limite de 60% da RCL será distribuído da seguinte
forma:
a) 3% (três por cento) para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas
do Estado;
b) 6% (seis por cento) para o Judiciário;
c) 49% (quarenta e nove por cento) para o Executivo;
d) 2% (dois por cento) para o Ministério Público dos Estados;
Fiscalização da destinação de recursos obtidas com a
alienação de ativos. A LRF versa em seu art. 59, inciso V, que "O
Poder Legislativo, diretamente ou com o auxílio dos Tribunais de
Contas, e o sistema de controle interno de cada Poder e do Ministério
Público, fiscalizarão o cumprimento das normas desta Lei
Complementar, com ênfase no que se refere a: destinação de recursos
obtidos com a alienação de ativos.
Conceituação de investimentos. Despesas orçamentárias com
softwares e com o planejamento e a execução de obras, inclusive com a
aquisição de imóveis considerados necessários à realização destas
últimas, e com a aquisição de instalações, equipamentos e material
permanente.
Aumento de despesa total com pessoal no final de mandato.
Ordenar, autorizar ou executar ato que acarrete aumento de despesa
total com pessoal, nos 180 dias anteriores ao final do mandato ou
legislatura, é crime previsto na lei dos crimes fiscais, lei 10.028 de 2000,
insculpido no art. 359 G da lei. Art. 359-G. Ordenar, autorizar ou
executar ato que acarrete aumento de despesa total com pessoal, nos
cento e oitenta dias anteriores ao final do mandato ou da legislatura:
Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos. A lei 10.028 de 2.000 é
leitura obrigatória para todos que estão envolvidos com a accountability
e a prestação de contas. Pode-se falar que as sanções institucionais
estão na LRF e as sanções pessoais estão previstas na Lei 10.028 de
2000, a Lei de Crimes Fiscais. Não bastavam as sanções institucionais
ou estruturais presentes na LRF, era necessário sanções pessoais ao
administrador público.
Despesas correntes e despesas de capital, mnemônico. Despesas
correntes: "O pessoal jura que são outras". Pessoal e encargos sociais,
juros e encargos da dívida, outras despesas correntes. Despesas de
capital: Investe para inverter a amortização. Investimentos, inversões
financeiras, amortização da dívida.
Receitas e despesas do anexo de metas fiscais. As receitas e
despesas incluídas no anexo de metas fiscais da lei de diretrizes
orçamentárias devem ser demonstradas em valores correntes e
constantes.
Artigos da lei 4.320 referentes a contabilidade publica.O Art.
89 da lei 4.320 assoalha que a contabilidade evidenciará os fatos
ligados à administração orçamentária, financeira, patrimonial e
industrial. Já o Art. 84 assoalha que: ressalvada a competência do
Tribunal de Contas ou órgão equivalente, a tomada de contas dos
agentes responsáveis por bens ou dinheiros públicos será realizada ou
superintendida pelos serviços de contabilidade. Já segundo o Art. 85. Os
serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
Requisitos para que uma emenda ao projeto de LOA seja
aprovada: Ser compatível com o PPA e LDO. Indicar os recursos
necessários, admitidos apenas aqueles que provém de anulação de
despesas, excluídas as que incidam em DST: Dotação de pessoal e
seus encargos;Serviço da dívida; Transferências tributárias.
Crimes da lei 10.028. Ordenação de despesas nos dois
últimos quadrimestres.A Lei n° 10.028/2000 apresenta, em seu
capítulo IV, as penalidades atribuídas aos diversos crimes contra as
finanças públicas. A penalidade a qual está submetida o crime de
“ordenar ou autorizar a assunção de obrigação, nos dois últimos
quadrimestres do último ano do mandato ou legislatura, cuja despesa
não possa ser paga no mesmo exercício financeiro é de reclusão de
um a quatro anos. Art. 359-C. Ordenar ou autorizar a assunção de
obrigação, nos dois últimos quadrimestres do último ano do mandato ou
legislatura, cuja despesa não possa ser paga no mesmo exercício
financeiro ou, caso reste parcela a ser paga no exercício seguinte, que
não tenha contrapartida suficiente de disponibilidade de caixa:
Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos. Ordenação de
operações de crédito sem prévia autorização legislativa.Segundo a
lei 10.028, ordenar operação de crédito sem prévia autorização
Legislativa é crime contra as finanças públicas ,punida com reclusão de
1 a 2 anos.Art. 359-A. Ordenar, autorizar ou realizar operação de
crédito, interno ou externo, sem prévia autorização legislativa:
Pena – reclusão, de 1 (um) a 2 (dois) anos. Parágrafo único. Incide na
mesma pena quem ordena, autoriza ou realiza operação de crédito,
interno ou externo:
I – com inobservância de limite, condição ou montante estabelecido em
lei ou em resolução do Senado Federal;
II – quando o montante da dívida consolidada ultrapassa o limite máximo
autorizado por lei. Segundo a lei 10.028, a Inscrição de despesas não
empenhadas em restos a pagar é crime contra as finanças públicas,
punido com detenção, de 6 meses a 2 anos.
Art. 359-B. Ordenar ou autorizar a inscrição em restos a pagar, de
despesa que não tenha sido previamente empenhada ou que exceda
limite estabelecido em lei:
Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.
Classificação das despesas patronais.Como classificar a
despesa com a contribuição patronal relativa aos próprios servidores de
um Instituto de Previdência integrante do Orçamento Fiscal e
Seguridade Social? Quando um Instituto de Previdência integrante do
Orçamento Fiscal e da Seguridade Social apropria a despesa com a
contribuição patronal relativa aos próprios servidores, está realizando
uma despesa intra-orçamentária. Por outro lado, a receita oriunda
desses pagamentos, arrecadada pelo próprio Instituto, será classificada
como intra-orçamentária. Assim, tanto a apropriação da despesa como a
receita oriunda dos pagamentos são intra-orçamentárias.
Restos a pagar na LRF.Para Pires (2006, p. 183): a Lei de
Responsabilidade Fiscal “não entra no mérito do que pode ou não ser
inscrito em restos a pagar, mas sim veda a inscrição em restos a pagar
no último ano do mandato do governante sem a respectiva cobertura
financeira, eliminando de vez as heranças fiscais do passado”.
Receitas e despesas extra orçamentárias.Quando ocorre evento que
aumente simultaneamente o ativo financeiro (caixa ou equivalente-caixa)
e o passivo financeiro (dívida flutuante) classifica-se o mesmo como
receita extraorçamentária. Se ocorrer evento que diminua
simultaneamente o ativo financeiro (caixa ou
equivalente-caixa) e o passivo financeiro ( dívida flutuante), é despesa
extraorçamentária.Os subitens da dívida flutuante (Restos a pagar,
Serviço da dívida a pagar,Cauções, depósitos (inclusive judiciais),
consignações, retenções; Débitos de Tesouraria(Antecipação de
Receita Orçamentária);
e Papel moeda)são itens estáticos, ou seja, são obrigações. Desse
modo, quando um desses subitens da dívida flutuante aumenta, devido
a entrada
de recursos financeiros no caixa, ocorre receita extraorçamentária;
quando um desses subitens da dívida flutuante diminui devido a saída
de recursos financeiros
no caixa ocorre despesa extraorçamentária.
"Taxa" de Inscrição em concursos públicos. A "taxa'' de inscrição em
concursos públicos não é uma taxa, mas sim uma tarifa ou preço
público, pois é facultativa a participação da pessoa física no certame. Se
fosse taxa era cogente, obrigatória. O preço público ou tarifa é receita de
serviços - código 1.7.
Empréstimos Compulsórios
Os empréstimos compulsórios são tributos em sentido amplo pela ótica
do direito tributário. Porém, para fins de direito financeiro e contabilidade
pública, são contabilizados como receita de operações de crédito -
código 2.1. Já na ótica tributária, o empréstimo compulsório é um
tributo, pois atualmente se adota a classificação de tributo pentapartida,
em que tributo é imposto, taxa, contribuição de melhoria, empréstimos
compulsórios e contribuições para fiscais. Para o direito financeiro,
porém, é uma operação de crédito (código 2.1).
Código fonte/ Destinação de recursos.O código de Fonte/ Destinação
de recursos é um mecanismo integrador entre receita e despesa que
exerce um duplo papel no processo orçamentário. Para a receita
orçamentária, tem a finalidade de indicar a destinação de recursos para
a realização de determinadas despesas orçamentárias. Para a
despesa orçamentária, identifica a origem dos recursos que estão sendo
utilizados. Assim, a origem é da despesa, e a destinação é da
receita.Observa-se que a classificação por fonte de recursos é ao
mesmo tempo uma
classificação da receita e da despesa. Assim, o mesmo código utilizado
nas destinações da receita orçamentária também é utilizado na
despesa, para
controle das fontes financiadoras da despesa orçamentária.
Elemento da despesa.Passou a ser opcional o detalhamento por
elemento de despesa, que deverá então ser realizado no momento da
execução.
A Portaria interministerial STN/SOF nº 163/2001, em seu artigo 6°
determina que "Na lei
orçamentária, a discriminação da despesa, quanto à sua natureza, far-
se-á, no mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de
despesa e modalidade de aplicação. Por conta disso, em âmbito do
Governo Federal, o orçamento é aprovado por grupo de natureza da
despesa, acrescida da informação gerencial modalidade de aplicação,
sendo o elemento da despesa indicado no momento da execução da
despesa.
Princípio da especificação. Observa-se que a identificação,nas leis
orçamentárias, das funções, subfunções, programas,
projetos, atividades e operações especiais, em conjunto com a
classificação do crédito orçamentário por categoria econômica, grupo de
natureza de despesa e modalidade de aplicação, obedece ao princípio
da especificação. Por meio dessa classificação, demonstra se como a
administração pública está efetuando os gastos para atingir
determinados fins. Foi com a edição da Portaria MOG nº 42/1999
aplicada à União, Estados, Distrito Federal
e Municípios, que passou a ser obrigatória a identificação, nas leis
orçamentárias, das ações em
termos de funções, subfunções, programas, projetos, atividades e
operações especiais.Art. 4 º Nas leis orçamentárias e nos balanços, as
ações serão identificadas em termos de funções, subfunções,
programas, projetos, atividades e operações especiais.
Atos e fatos.Na contabilidade societária se registram apenas fatos:
eventos que alteram o patrimônio. Na contabilidade pública se registram
atos e fatos. Atos são eventos que não alteram imediatamente o
patrimônio ou que podem vir a alterar o patrimônio no futuro.Assim,
tais atos são registrados pelo sistema público de contabilidade, o que
não ocorre na contabilidade empresarial.
Previsão e arrecadação de receitas.A Previsão da Receita utiliza
contas de Natureza Orçamentária (Subsistema Orçamentário). Já a
arrecadação da receita,seja efetiva ou não, utiliza contas de natureza
Orçamentária, Patrimonial e de Controle (subsistemas: Orçamentário,
Patrimonial e de Compensação).
Fixação da despesa e abertura de créditos adicionais. A Fixação da
Despesa na LOA ou a Abertura de Créditos Adicionais utiliza contas de
natureza Orçamentária.
Subsistema patrimonial.O subsistema patrimonial registra, processa e
evidencia os fatos financeiros e não financeiros relacionados com as
variações
qualitativas e quantitativas, passando informações sobre alterações nos
elementos patrimoniais,resultado econômico e Resultado nominal. A
natureza das contas é patrimonial. A confusão que pode ocorrer é que
os fatos financeiros e não financeiros são do Subsistema patrimonial e
não do Subsistema orçamentário.Na contabilidade societária, o
resultado econômico utiliza o regime de competência, ou seja, o fato é
lançado em seu valor integral, mesmo que a compra ou venda seja
parcelada. Ele considera o patrimônio líquido da empresa, e é
apresentado no documento chamado Demonstração de Resultado de
Exercício (DRE). Aqui, o resultado econômico é apresentado,
juntamente com as alterações nos elementos patrimoniais e o resultado
nominal, no Subsistema patrimonial.
NBC T 16. As NBC T 16 foram publicadas em 2008 e tiveram como
data de validade inicial 1 ° de janeiro de 2009. Antes da edição da NBC
T 16 em 2008, existiam 4 sistemas (patrimonial, financeiro, orçamentário
e de compensação). A partir de 1 ° de janeiro de 2009 passaram a
existir 5 subsistemas (patrimonial, financeiro, orçamentário,
compensação e de custos). Assim, além dos 4 subsistemas existentes
foi acrescido o subsistema de custos.
Balancete do SIAFI. O Balancete, no SIAFI, relaciona todas as
contas movimentadas durante o exercício financeiro. Além disso, é
organizado de acordo com a estrutura do Plano de Contas. O balancete
é um relatório que pode ser emitido ou consultado de forma
sintética ou analítica. As contas podem ser listadas segundo os tipos
de saldo que apresentem. Podem ser emitidos balancetes tanto de
unidade gestora como de órgãos, e é possível detalhar as contas por
conta-corrente, quando esta é utilizada.
Diferenças terminologias.Fato gerador da Receita = Apropriação
da Receita = Receita enfoque patrimonial = Receita na Estrutura
ConceitualFato gerador da despesa = Apropriação da despesa =
Despesa enfoque patrimonial = Despesa na Estrutura Conceitual.
Reconhecimento da receita = enfoque orçamentário
Reconhecimento da despesa = enfoque orçamentário.
Só se fala em fato gerador de receita e em fato gerador da despesa
no enfoque patrimonial.Talqualmente ,só se fala em apropriação da
despesa e apropriação da receita no enfoque patrimonial.Porém, só
se fala em reconhecimento da receita e despesa no enfoque
orçamentário.
Relatório resumido de execução orçamentária. RREO significa
Relatório Resumido de Execução Orçamentária.Foi Criado pela CF/88 e
regulamentado pela LRF. A lei de responsabilidade fiscal deu uma
revitalizada no RREO.Possui a seguinte abrangência: Os três poderes,
tribunais de contas e Ministério Público da União, Estados e
DF.Publicação do RREO: Bimestral, em até 30 dias, após o
encerramento de cada bimestre. Total de 06 relatórios por exercício
financeiro.Além disso, a competência para publicar é do Poder
Executivo.O Conteúdo do RREO é o Balanço orçamentário (Principal
conteúdo do RREO) e os demonstrativos da execução das receitas e
despesas.RREO é típico do Poder Executivo.
Classe GTI.As contas do Plano de Contas Aplicado ao Setor
Público (PCASP) estão estruturadas por níveis de desdobramento, em
Classe, Grupo, Subgrupo, Título, Subtítulo, Item e subitem (classe gti).
Com relação ao primeiro nível, a Classe, o PCASP está dividido em 8
classes (1 ° nível da conta): 1. Ativo; 2. Passivo e Patrimônio Líquido; 3.
Variações Patrimoniais Diminutivas; 4. Variações Patrimoniais
Aumentativas; 5. Controles da Aprovação do Planejamento e
Orçamento; 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento; 7.
Controles Devedores; e 8. Controles Credores.
As três modalidades de delegação mais usuais são a Concessão,
a permissão e a autorização.Os serviços de utilidade pública são
passíveis de delegação do poder público e podem ser exercidos pelas
entidades públicas ou entidades privadas, por meio da concessão,
autorização e permissão.
Explicando os atributos conceituais das contas contábeis.
Código é a estrutura numérica que identifica cada uma das contas que
compõem o plano de contas.Título ou nome é a palavra ou designação
que identifica o objeto de uma conta, ou seja, a razão para a qual foi
aberta e a classe de valores que registra. Função é a descrição da
natureza dos atos e fatos registráveis na conta, explicando de forma
clara e objetiva o papel desempenhado pela conta na escrituração.
Natureza do Saldo Identifica se a conta tem saldo credor, devedor ou
mista/híbrida.
Receita com fato gerador antes da arrecadação, na
arrecadação e após a arrecadação. Receita com fato gerador antes da
arrecadação: Registro do IPTU a receber e aplicação de multa. Receita
com fato gerador na arrecadação: Receita de serviços. Exemplo de
receita com fato gerador após a arrecadação: Venda a termo.Na receita
com fato gerador antes da arrecadação, o fato gerador da receita (a
variação patrimonial quantitativa) ocorre no estágio do lançamento.
A receita orçamentária será na arrecadação. A apropriação da receita
ocorre antes da arrecadação.
A LRF assoalha que o PLOA conterá, em anexo, demonstrativo da
compatibilidade da programação dos orçamentos com os objetivos e
metas constantes do Anexo de Metas Fiscais que é parte integrante da
respectiva Lei de Diretrizes Orçamentárias. Também propala a lei de
responsabilidade que o demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as
receitas e despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões,
subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia, bem
como das medidas de compensação a renúncias de receita e ao
aumento de despesas obrigatórias de caráter continuado, pertence a
LOA.
Principais Pontos sobre Relevância
1. Para ser relevante a informação tem que ter influência
significativa. Toda informação relevante tem, automaticamente,
influência significativa.
2. Ter influência significativa implica que a informação tenha valor
confirmatório, preditivo ou ambos.
3. Para ter valor confirmatório as informações têm que
confirmarem ou alterarem expectativas passadas (ou presentes).
4. Ter valor preditivo indica que a informação é voltada para o
futuro.
5. As funções confirmatória e preditiva da informação são inter-
relacionadas.
Materialidade.Ao se determinar se um item é material, deve-se
levar em consideração questões, tais como a natureza, a legalidade, a
sensibilidade e os efeitos de eventos e transações passados ou
previstos,as partes envolvidas em tais transações; e as circunstâncias
que deram origem a essas transações. A materialidade é classificada
como uma restrição na informação incluída nos RCPGs.
Regra de ouro e realização de investimento ou abatimento da
dívida.A regra de ouro afirma que o endividamento só pode ser admitido
para a realização de investimento ou abatimento da dívida. Ou seja,
deve-se evitar tomar dinheiro emprestado para despesa corrente, mas é
permitido déficit para despesa de capital.
Caracterísitcas qualitativas.As características qualitativas da
informação incluída nos RCPGs são a relevância, a representação
fidedigna, a compreensibilidade, a tempestividade, a
comparabilidade e a verificabilidade. Todas essas características
fazem o RCPG íntegro, escorreito e livre de máculas. A verificabilidade
ajuda a assegurar aos usuários que a informação contida nos RCPGs
representa fielmente os fenômenos econômicos ou de outra natureza
que se propõe a representar. A suportabilidade seria a verificabilidade
quando aplicada em relação à informação explicativa e à informação
quantitativa financeira e não financeira prospectiva divulgada nos
RCPGs. Quer referida como verificabilidade ou como suportabilidade, a
característica implica que dois observadores esclarecidos e
independentes podem chegar ao consenso geral, mas não
necessariamente à concordância completa. As características
qualitativas funcionam, conjuntamente, para contribuir com a utilidade da
informação. Por exemplo, nem a descrição que represente fielmente
um fenômeno irrelevante, nem a descrição que represente de modo
não fidedigno um fenômeno relevante resultam em informação útil.
Despesas efetivas para fins de impacto no PL e impacto no
PIB. As transferências correntes e de capital (subvenções, auxílios e
contribuições) e juros são despesas efetivas para fins de impacto no
Patrimônio Líquido, mas são gastos não efetivos
para fins de impacto no PIB. A amortização da dívida é despesa não
efetiva para fins de Impacto no Patrimônio Líquido e é gasto não efetivo
para fins de impacto no PIB.
Conflitos entre normas contábeis. Em caso de eventuais
conflitos com outros normativos, prevalecem as disposições do MCASP,
aplicando-se subsidiariamente os conceitos presentes nas demais
normas, observada a seguinte ordem de observância:
a. Norma Brasileira de Contabilidade (NBC TSP) relativa ao assunto;
b. Norma Brasileira de Contabilidade (NBC T 16.1 a 16.11), nas partes
não revogadas;
c. Norma Brasileira de Contabilidade (NBC TSP) - Estrutura Conceitual.
Observa-se que somente por último se aplica a NBC TSP Estrutura
Conceitual e também que a NBC T 16.1 ainda é utilizada.
Normas internacionais de contabilidade. As disposições das
normas internacionais de contabilidade, International Public Sector
Accounting Standards (IPSAS), editadas pelo International Public
Sector Accounting Standards Board (IPSASB), podem ser
observadas em caráter residual e não obrigatório.
As restrições inerentes à informação contida nos RCPGs são a
materialidade, o custo-benefício e o alcance do equilíbrio
apropriado entre as características qualitativas. Afirma-se que o
equilíbrio ou a compensação (trade-off) entre as características
qualitativas pode ser necessário para se alcançar os objetivos da
informação contábil. Com respeito a materialidade, não é possível
especificar um limite quantitativo uniforme no qual determinada
informação se torne material. A informação é material se a sua
omissão ou distorção puder influenciar o cumprimento do dever de
prestação de contas e responsabilização (accountability)ou as
decisões que os usuários tomam com base nos RCPGs elaborados para
aquele exercício. Os responsáveis pelos RCPGs envidam a maior parte
dos seus esforços para agregar informação aos relatórios. Entretanto, os
usuários dos serviços e os provedores de recursos acabam por assumir
os custos desses esforços, uma vez que os recursos são redirecionados
da prestação de serviços para a elaboração da informação dos RCPGs.
As características qualitativas das informações contábeis já haviam sido
previstas na NBC T 1 Estrutura Conceitual, aprovada pela Resolução
CFC 1.121 de 2008. A Compreensibilidade, a Relevância, a
Materialidade, a Confiabilidade e a Primazia da Essência sobre a Forma,
a Prudência, a Comparabilidade, a Tempestividade e o Equilíbrio entre
Custo e Benefício são citados como características qualitativas por
autores como o Contabilista Luiz Lunelli, mas deve-se ter cautela nessa
classificação. As características qualitativas da informação incluída nos
RCPGs, ortodoxamente, são a relevância, a representação fidedigna,
a compreensibilidade, a tempestividade, a comparabilidade e a
verificabilidade. A materialidade, a confiabilidade e a primazia da
essência sobre a forma, a prudência e o equilíbrio entre o Custo e
benefício não são características qualitativas.
Cancelamento e prescrição de restos a pagar.Uma vez
havendo inscrição em Restos a Pagar Processados,é inconteste o
direito de recebimento pelo credor. A inscrição de Restos a Pagar
Processados não gera dúvidas do direito do credor. Enquanto tais
despesas permanecem inscritas em Restos a Pagar corre a prescrição a
partir da data de sua inscrição. O marco da prescrição, então, é a data
da inscrição em Restos a Pagar.Os Restos a Pagar Processados não
podem ser cancelados e a prescrição será de 5 anos. A prescrição
quinquenal se aplica a todos os Restos a Pagar,mas o cancelamento
não. Os Restos a Pagar processados não podem ser cancelados
mas os não processados podem. Acerca da prescrição deve-se
observar a súmula 383 do STF: a prescrição em favor da Fazenda
Pública recomeça a correr, por dois anos e meio, a partir do ato
interruptivo, mas não fica reduzida aquém de cinco anos, embora titular
do direito a interrompa durante a primeira metade do prazo".Caso os
Restos a Pagar inscritos em anos anteriores sejam cancelados, não
existe a possibilidade de reinscrição. Ou seja, não existe o instituto da
reinscrição de restos a pagar que foram cancelados.
Empenho. É bem verdade que as despesas orçamentárias devem ser
contabilizadas como despesas do exercício em que forem
empenhadas, independentemene do fato gerador da transação.
Quando houver o empenho, no exercício do empenho, a despesa será
orçamentária.Assim, podem ocorrer situações em que o fato gerador da
despesa ocorra antes
do empenho, na liquidação ou após o pagamento. Porém, para fins de
normas de contabilidade pública, somente será despesa orçamentária
quando houver o empenho.A redução da dotação
orçamentária disponível referente a determinado item de despesa ocorre
no estágio da despesa do empenho.
Despesas extra orçamentárias e os estágios da despesa
pública. As despesas extraorçamentárias normalmente não passam
pelo estágio da fixação, empenho e liquidação, pois já surgem
diretamente no passivo financeiro como contrapartida a entrada de
recurso financeiro no caixa. A exceção seriam os restos a pagar, item do
próximo capítulo, que são despesas empenhadas em determinado
exercício, mas que não foram pagas nesse mesmo exercício. Portanto,
os restos a pagar são despesas extraorçamentárias que passam pelos
estágios de empenho e liquidação, o que não ocorre com as outras
despesas extra orçamentárias, as quais não passam por nenhum
estágio da despesa pública.
Projeto novo Siafi. O Projeto Novo SIAFI tem como objetivo
promover a reconstrução e a migração gradual do Sistema Integrado de
Administração Orçamentária e Financeira do Governo Federal - SIAFI
-para uma plataforma tecnológica mais moderna, flexível e econômica,
permitindo evoluções que venham a contribuir para a transparência e a
eficiência na gestão orçamentária e financeira.
As vedações de Concessão de créditos ilimitados, o início de
programas ou projetos não incluídos na lei orçamentário, a Realização
de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os
créditos orçamentários ou adicionais são todos decorrentes do princípio
da especificação.
2. Receitas de Capital
2.1 Operações de Crédito--------------------financeira
2.2 Alienação de bens ------------------------primária
2.3 Amortização de empréstimos --------- financeiras
2.4 Transferências de capital----------------primária
2.5 Outras receitas de capital --------------primária
Segundo a classificação simplificada das receitas de capital,
somente as operações de crédito e a amortização de empréstimos
são financeiras. Todas as outras são primárias.
O reconhecimento de determinada despesa de exercícios
anteriores pode não afetar a situação patrimonial líquida.
Está na Constituição Federal: § 3º As emendas ao projeto de lei do
orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser
aprovadas caso: I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a
lei de diretrizes orçamentárias.
Subvenções sociais.As subvenções sociais não visam a
cobertura do déficit de manutenção das empresas públicas, mas sim
transferências destinadas a cobrir despesas de custeio. São subvenções
sociais as que visem unicamente as transferências de custeio,
dividindo-se em subvenções sociais e econômicas.
Classificam se como inversões financeiras as dotações destinadas
a constituição ou aumento do capital de entidades ou empresas que
visem a objetivos comerciais ou financeiros, inclusive operações
bancárias ou de seguros. Mesmo que a constituição ou aumento vise a
operações bancárias ou de seguros ela será inversão financeira.
Documento De Receitas De Estados E/Ou Municípios – DAR:
utilizado para recolhimento de tributos dos Governos Estaduais e
Municipais. O Documento de Receitas de Estados e Municípios é muito
utilizado pelo município de Sertânia.
O que é contabilidade pública. Contabilidade pública é uma
ciência informacional instrumentalizada pelos RCPGs (relatórios
contábeis de propósito geral) que incluem, entre outros relatórios, as
demonstrações contábeis. As demonstrações contábeis são espécie de
RCPGs. RCPG é o gênero, que incluem espécies, como os relatórios
contábeis e as notas explicativas, não se podendo confundir RCPG com
demonstrações contábeis.
O que é dispêndio. Existe uma máxima em contabilidade pública
a qual afirma que para um item dos RPCGs ser considerado dispêndio,
ele deve ensejar, mais cedo ou mais tarde, a saída de recurso
financeiro. Diz se mais cedo ou mais tarde pois a despesa
orçamentária será paga em algum momento, mas antes deve passar
pelos estágios do empenho e liquidação.
Atributo financeiro F. Existe uma máxima de que mesmo que
haja 3 situações distintas quando da execução orçamentária da despesa
orçamentária, o estágio do pagamento somente pode ser efetuado
quando a obrigação estiver com o Atributo "F" - Financeiro .
Demonstração dos luxos de Caixa e Balanço Financeiro.
Existe um corolário afirmando que o caixa líquido gerado na
Demonstração dos Fluxos de Caixa pode não coincidir com o Resultado
Financeiro no Balanço Financeiro. Porém, o valor disponível no caixa ao
final do exercício no Balanço Patrimonial coincide com o saldo final das
disponibilidades financeiras no Balanço Financeiro .
PPA e a exceção a anualidade orçamentária.A existência no
ordenamento jurídico de um plano plurianual com duração atual de
quatro anos não excepciona o princípio da anualidade, pois tal plano é
estratégico e não operacional, necessitando de LOA para isso. Se o
plano fosse operacional, ele poderia ser exceção a anualidade. O fato
do PPA ter 4 anos não é exceção a anualidade ou periodicidade.
Atributos da conta contábil: consiste no conjunto de
características próprias que a individualiza, distinguindo-a de outra conta
pertencente ao plano de contas. Os atributos podem ser definidos por
conceitos teóricos, força legal ou por características operacionais do
sistema utilizado.
Prazo para encaminhar os estudos e as estimativas das
receitas para o exercício subsequente. O Poder Executivo de cada
ente colocará à disposição dos demais Poderes e do Ministério Público,
no mínimo trinta dias antes do prazo final para encaminhamento de suas
propostas orçamentárias, os estudos e as estimativas das receitas para
o exercício subseqüente, inclusive da corrente líquida, e as respectivas
memórias de cálculo. Os estudos e as estimativas das receitas para
o exercício subsequente serão entregues ou colocados à
disposição no mínimo 30 dias antes de duas propostas
orçamentárias.
A fiscalização e o cumprimento das normas da LRF é de
competência da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios.
Receitas primárias são as naturezas de receitas que não tenham
características de endividamento. Já as não primárias têm natureza de
endividamento.
Na Lei de Responsabilidade fiscal estão normas sobre orçamento
público (rigoroso equilíbrio entre receita e despesa), Receita Pública
(previsão e arrecadação) e gestão patrimonial, dentre outras.
Nem todo princípio está na Constituição Federal de 1988. Eles
estão em dispositivos constitucionais, leis infraconstitucionais e
bibliografia da doutrina.
Conceito de conta.Conta é a expressão, tanto qualitativa como
quantitativa, de fatos de mesma natureza, evidenciando a composição,
variação e estado do patrimônio, bem como de bens, direitos,
obrigações e situações nele não compreendidas, mas que, direta ou
indiretamente, possam vir a afetá lo(contas de registro de controle).
Níveis dos desdobramentos das contas
1° Nível - Classe
2° Nível - Grupo
3° Nível - Subgrupo
4° Nível - Título
5° Nível - Subtítulo
6° Nível- Item
7° Nível - Subitem
Todos têm o dever legal de prestar contas.O dever de prestar contas
abrange não apenas os administradores de órgãos e entidades públicas,
mas também os de entes paraestatais.
Assim afirma a lei de responsabilidade fiscal:Constituem requisitos
essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição, previsão
e efetiva arrecadação de todos os tributos da competência
constitucional do ente da Federação.Parágrafo único. É vedada a
realização de transferências voluntárias para o ente que não observe o
disposto no caput, no que se refere aos impostos.

Na LOA não há um percentual máximo para cancelamento de


despesa por meio de créditos suplementares.Caso a LOA não estipule o
percentual máximo para cancelamento ou acréscimo de despesas por
meio de créditos suplementares, nada se poderá fazer pois a LOA não
fixa um percentual máximo para o cancelamento de despesa por meio
de créditos suplementares.

NBC TSP Estrutura Conceitual - possui o nome de estrutura


conceitual para elaboração e divulgação de informação contábil de
propósito geral pelas entidades do setor público. Das NBC TSP, a mais
importante é a estrutura conceitual. Sua correlação no IFAC é
Conceptual Framework. No final de 2016 a Contabilidade Pública
passou por algumas mudanças,uma delas foi a estrutura conceitual. Não
existe, na estrutura conceitual, segregação do ativo e passivo em
circulante e não circulante. Tal segregação consta no MCASP. É
somente no MCASP que existe ativo circulante e ativo não circulante,
passivo circulante e passivo não circulante, conceitos importados da lei
das S.A. Conversibilidade e exigibilidade são os atributos, constantes no
MCASP, adotados para classificar os 
elementos patrimoniais na segregação de ativos e passivos descritos
como circulantes ou não circulantes, e não na estrutura conceitual. O
ativo e passivo são segregados pela STN com base nos atributos da
conversibilidade e exigibilidade. Os ativos devem ser classificados
comocirculante quando satisfizerem a um dos seguintes
critérios: Estiverem disponíveis para realização imediata e tiverem a
expectativa de realização até doze meses após a data das
demonstrações contábeis. Esses requisitos são cumulativos. Pelo
critério seguido pela STN, os ativos são segregados utilizando o critério
da conversibilidade. Os itens do ativo mais conversíveis são o caixa e o
equivalente-caixa (aplicações financeiras), seguidos de: créditos a
receber, estoques, ativo realizável a longo prazo, investimentos,
imobilizado e intangível. O caixa e equivalente caixa, os créditos a
receber e os estoque são do ativo circulante. O ativo realizável a longo
prazo, investimentos, imobilizado e intangível são do ativo não
circulante. É a STN quem segrega o ativo com base na conversibilidade.
Para a STN os passivos são classificados ou segregados tendo por
base a exigibilidade. Os passivos devem ser classificados como
circulantes quando corresponderem: a valores exigíveis até doze meses
após a data das demonstrações contábeis;  a valores de terceiros ou
retenções em nome deles, quando a entidade do setor público for fiel
depositária, independentemente do prazo de exigibilidade. Deve-se
lembrar que o MCASP é vinculado a STN.
Estrutura da Natureza da Despesa
Categoria Econômica
3- Despesa Corrente
4- Despesa de Capital
Grupo de Natureza da Despesa
1- Pessoal e Encargos Sociais
2- Juros e Encargos da Dívida
3 - Outras Despesas Correntes
4 - Investimentos
5 - Inversões Financeiras
6 - Amortização da Dívida
Saber a codificação e a estrutura da natureza da despesa é
necessário para qualquer gestor público. Sempre é bom lembrar que a
estrutura da despesa envolve a categoria econômica, o grupo de
natureza da despesa, a modalidade de aplicação e o elemento da
despesa.
Classificação da despesa quanto à natureza, consoante a
Portaria 163 de 2001. Consoante a Portaria 163 de 2001, e deixando de
lado a lei 4.320 de 1964, a classificação da despesa quanto à natureza
possui 8 códigos: 1°. Categoria econômica; 2° Grupo de Natureza da
despesa; 3°. e 4°. Modalidade de Aplicação; 5°. e 6°. Elemento da
Despesa; 7° e 8° Subelemento. A estrutura da natureza da despesa a
ser observada na execução orçamentária de TODAS AS ESFERAS DE
GOVERNO será c.g.mm.ee.dd: “c” é a categoria econômica. “g” é o
grupo de natureza da despesa; “mm” é a modalidade de aplicação; “ee”
é o elemento da despesa; e “dd” é o desdobramento, facultativo, do
elemento da despesa. Assim, o 7° e 8° códigos, referentes ao
subelemento da despesa, são facultativos. A categoria econômica
corresponde ao efeito econômico da realização da despesa. O Grupo de
Natureza da Despesa corresponde à classe de gasto em que será
realizada a despesa. A Modalidade de Aplicação corresponde à
estratégia para a realização da despesa, e o Elemento da Despesa
aborda quais os insumos que se pretende utilizar o adquirir.
Dotações preliminares e créditos adicionais. É escorreito dizer
que os créditos adicionais são agregados às dotações preliminarmente
autorizadas na resolução que aprovou o orçamento. Na resolução que
aprova o orçamento constam os créditos adicionais, agregados às
dotações preliminares, os quais podem ser suplementares, especiais e
extraordinários.
Quando se adquire imóveis ou bens de capital já em
utilização, quando se adquire títulos representativos do capital de
empresas ou entidades de qualquer espécie e quando se constitui ou
aumenta o capital de entidades ou empresas que visem a objetivos
comerciais ou financeiros, ocorre uma inversão financeira, no setor
público. É importante ao gestor familiarizar-se com os termos. As
inversões financeiras se diferenciam das transferências de capital, por
exemplo.
A destinação de recursos para,direta ou indiretamente, cobrir
necessidades de pessoas físicas ou déficits de pessoas jurídicas deverá
ser autorizada por lei específica.Além de ser autorizada por lei
específica, deve atender às condições estabelecidas na lei de diretrizes
orçamentárias e estar prevista no orçamento ou em seus créditos
adicionais.
A utilização da política orçamentária para os propósitos de
estabilização econômica implica promover ajustes no nível da demanda
agregada, expandindo-a ou restringindo-a, e provocando a ocorrência
de déficits ou superávits. Muitas vezes a política orçamentária visa
atender os propósitos da estabilização econômica do mercado.
Sendo as Agências Reguladoras autarquias em regime especial,
criadas por lei , pessoas jurídicas de direito público, dotadas de
autonomia, essa faz parte do Orçamento Fiscal e Seguridade Social.
Empresa controlada: sociedade cuja maioria do capital social com
direito a voto pertença, direta ou indiretamente, a ente da Federação.
Esse é o conceito de empresa controlada retirado da lei de
responsabilidade fiscal. Para saber o que é uma estatal dependente, é
mister ser uma empresa controlada, antes de tudo, senão
vejamos:empresa estatal dependente: empresa controlada que receba
do ente controlador recursos financeiros para pagamento de despesas
com pessoal ou de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último
caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária. Pelo
conceito, a estatal dependente é um tipo especial de empresa
controlada: aquela que recebe recursos financeiros para pagamento de
despesas com pessoal ou de custeio em geral ou de capital.
As Contas são agrupadas segundo suas funções, possibilitando:
a) Identificar, classificar e efetuar a escrituração contábil, pelo
método das partidas dobradas, de maneira uniforme e sistematizada;
b) Determinar os custos das operações do governo;
c) Acompanhar e controlar a aprovação e a execução do
planejamento e do orçamento, evidenciando a receita prevista, lançada,
realizada e a realizar,
bem como a despesa autorizada, empenhada, realizada, liquidada, paga
e as dotações disponíveis;
d) Elaborar os Balanços Orçamentário, Financeiro e Patrimonial, a
Demonstração
das Variações Patrimoniais, de Fluxo de Caixa, das Mutações do
Patrimônio Líquido e do Resultado Econômico;
e) Conhecer a composição e situação do patrimônio analisado, por
meio da evidenciação de todos os ativos e passivos;
f) Analisar e interpretar os resultados econômicos e
financeiros. A análise de balanço e de dados é um dos principais
objetivos das contas.
g) Individualizar os devedores e credores, com a especificação
necessária ao
controle contábil do direito ou obrigação. As contas contábeis primam
pela individualização de credores e devedores.Saber que saldo é
devedor e que saldo é credor, o fechamento de balanços e o controle
dos ativos e passivos é objetivo da conta contábil.; e
h) Controlar contabilmente os atos potenciais oriundos de
contratos, convênios, acordos, ajustes e outros instrumentos
congêneres.Os atos potenciais são típicos de contas de natureza de
controle.
Os Princípios Orçamentários visam estabelecer regras
norteadoras básicas, a fim de conferir racionalidade, eficiência e
transparência para os processos de elaboração, execução e controle do
Orçamento Público, sendo válidos para os Poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário de todos os entes federativos. Esses princípios
são estabelecidos e disciplinados por normas constitucionais,
infraconstitucionais e pela doutrina.Os princípios orçamentários não se
encontram somente nas leis.
O sítio eletrônico do SIAFI (Sistema Integrado de Administração
Financeira Federal) é SIAFI.TESOURO.GOV.BR
O SIAFI é o principal instrumento utilizado para registro,
acompanhamento e controle da execução orçamentária, financeira e
patrimonial do Governo Federal. Desde sua criação, o SIAFI tem
alcançado satisfatoriamente seus principais objetivos :
a) prover mecanismos adequados ao controle diário da execução
orçamentária, financeira e patrimonial aos órgãos da Administração
Pública;
b) fornecer meios para agilizar a programação financeira,
otimizando a utilização dos recursos do Tesouro Nacional, através da
unificação dos recursos de caixa do Governo Federal;
c) permitir que a contabilidade pública seja fonte segura e
tempestiva de informações gerenciais destinadas a todos os níveis da
Administração Pública Federal;
d) padronizar métodos e rotinas de trabalho relativas à gestão dos
recursos públicos, sem implicar rigidez ou restrição a essa atividade,
uma vez que ele permanece sob total controle do ordenador de despesa
de cada unidade gestora;
e) permitir o registro contábil dos balancetes dos estados e
municípios e de suas supervisionadas;
f) permitir o controle da dívida interna e externa, bem como o das
transferências negociadas;
g) integrar e compatibilizar as informações no âmbito do Governo
Federal;
h) permitir o acompanhamento e a avaliação do uso dos recursos
públicos; e
i) proporcionar a transparência dos gastos do Governo Federal.
Os planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos
nesta Constituição serão elaborados em consonância com o plano
plurianual e apreciados pelo Congresso Nacional.
Modalidade de aplicação.Consoante a classificação da despesa
orçamentária, a informação gerencial que tem por finalidade indicar se
os recursos são aplicados diretamente por órgãos ou entidades no
âmbito da mesma esfera de governo ou por outro ente da Federação e
suas respectivas entidades é a modalidade de aplicação.
A função Financeira do orçamento: representa o fluxo financeiro
gerado pelas entradas de recursos obtidos com a arrecadação de
receitas e os dispêndios com as saídas de recursos proporcionado pelas
despesas, evidenciando a execução orçamentária. A função econômica
corresponde à característica que atribui ao orçamento o poder de intervir
na atividade econômica, propiciando geração de emprego e renda em
função de investimentos que podem ser previstos e realizados pelo setor
público, resultando com isso no desenvolvimento do
país.
Tesouraria: Esse setor do departamento financeiro é responsável
pelo fluxo de caixa da empresa, ou seja, faz o controle diário das
entradas e saídas de dinheiro. Como parte do movimento de caixa é
feita eletronicamente, a tesouraria também faz a gestão das contas
bancárias da empresa.
Gestão de contas:A gestão de contas a pagar controla o
vencimento dos compromissos da empresa, como contas de consumo e
pagamento de fornecedores, por exemplo, a fim de evitar atrasos e
multas.É responsável também pelo controle dos recebimentos. Isto inclui
verificar se os clientes estão em dia com suas obrigações, se os boletos
que a empresa emitiu foram pagos no prazo e, se necessário, acionar os
mecanismos de cobrança.
Reserva de contingência.LRF - Art. 5 O projeto de lei
orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano
plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias e com as normas desta
Lei Complementar:
III - conterá reserva de contingência, cuja forma de utilização e
montante, definido com base na receita corrente líquida, serão
estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, destinada ao:
b) atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos
fiscais imprevistos.
Obs.: A reserva de contingência está contida na LOA, mas sua
forma de utilização está na LDO.
Princípio da Totalidade Orçamentária. De acordo com a
concepção do princípio da totalidade orçamentária, múltiplos
orçamentos são elaborados de forma independente, sofrendo, no
entanto, a consolidação, que possibilita o conhecimento do desempenho
global das finanças públicas. A consolidação é a palavra chave no
princípio da totalidade orçamentária.
O princípio orçamentário da anualidade é respeitado no Brasil,
mesmo tendo em vista que a lei de diretrizes orçamentárias tem vigência
superior a um ano. O princípio da anualidade é orçamentário e o da
anterioridade é tributário.
As emendas à Lei Orçamentária feitas após a sua aprovação e
dotadas de efeitos financeiros constituem créditos, que são classificados
em suplementares, especiais e extraordinários, estes últimos destinados
a despesas de guerra, por exemplo.
Na apreciação do texto do projeto de lei orçamentária pelo
Congresso Nacional, poderá ser apresentada emenda que configure
renúncia de receita, decorrente de projeto de lei de iniciativa do
Legislativo. A emenda que configure renúncia de receita pode ser
apresentada pelo Congresso, mas não há garantia de ser aprovada.
Outras Receitas Correntes: Constituem-se pelas receitas cujas
características não permitam o enquadramento nas demais
classificações da receita corrente, tais como indenizações, restituições,
ressarcimentos, multas administrativas, contratuais e judiciais, previstas
em legislações específicas, Dívida Ativa, entre outras. A mais relevante
receita que está dentro de Outras Receitas Correntes é a de Dívida
Ativa.
Recursos financeiros de caráter temporário.Os recursos
financeiros de caráter temporário não integram a lei orçamentária anual.
Funções do orçamento. Os orçamentos públicos, podem ser
classificados em três categorias: distributiva, estabilizadora e alocativa.
Na função estabilizadora é típico buscar manter altas taxas de emprego
com preços estáveis.
Imediatamente após a promulgação da Lei de Orçamento e
com base nos limites nela fixados, o Poder Executivo aprovará um
quadro de cotas trimestrais da despesa, que cada unidade orçamentária
fica autorizada a utilizar.
Atividades exclusivas são aquelas em que são prestados serviços
que apenas o Estado pode realizar. São serviços em que se exerce o
poder extroverso do Estado — o poder de regulamentar, fiscalizar e
fomentar.
LDO e agências financeiras oficiais de fomento.A LDO interfere
na política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento.
Exemplos de agências financeiras oficiais de fomento são o SEBRAE e
o BNDES. A LDO atuará diretamente no SEBRAE e no BNDES, por
exemplo, que deverão observar suas metas e prioridades.Outros
exemplos de agências financeiras oficiais de fomento são o CNPq
(Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico) e o FINEP
(Financiadora de Estudos e Projetos). Por isso, a LDO interferirá,
diretamente, no CNPq e no FINEP.
Discriminação mínima da despesa quanto a natureza.Na LOA,
a discriminação da despesa, quanto à sua natureza, far-se-á, no
mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e
modalidade de aplicação (art. 6.º da Portaria Interministerial SOF/STN
163/2001).
Apreciação do projeto de LOA. O projeto de Lei Orçamentária
Anual da União será apreciado pelas duas Casas do Congresso
Nacional, em sessão conjunta. A LOA 2020 prevê para a Saúde 125,6
bilhão, dos quais dois bilhões vão para orçamento de campanha.O gasto
total com pagamento de pessoal do Poder Público está fixado em
R$344,6 bilhões. Deve-se lembrar sempre que o projeto de LOA será
apreciado pelas duas Casas do Congresso Nacional, em sessão
conjunta, pois se esse rito não for obedecido haverá vício formal no
processo.
Atividades exclusivas do estado. O setor de atividades
exclusivas é aquele em que são prestados serviços que apenas o
Estado pode realizar. São serviços em que se exerce o poder extroverso
do Estado — o poder de regulamentar, fiscalizar e fomentar.
Ordem de pagamento. Segundo a Lei nº 4.320/64, o pagamento
é imediata e necessariamente antecedido pela ordem de pagamento. O
estágio anterior ao pagamento é a liquidação, mas antes do pagamento
vem a ordem de pagamento.
Princípio da Universalidade- Todas as receitas e despesas a
serem realizadas no exercício financeiro devem constar no orçamento.
Esse princípio deve ser seguido pelo município que almeje a excelência
na acountability.
Anexo específico.O Anexo específico deverá conter os objetivos
das políticas monetária, creditícia e cambial, bem como os parâmetros e
as projeções para seus principais agregados e variáveis. O anexo
específico conterá as metas de inflação para o exercício subsequente. É
importante para o município que almeje a excelência na prestação de
contas observar os anexos da LRF e da lei 4.320 de 1964.
Classificação por esfera: Em qual orçamento? Fiscal,
Investimento e da Seguridade social.
Classificação Institucional :Quem é o responsável por fazer?
órgão/Unidade orçamentária.
Classificação Funcional : Em que área de despesa a ação
governamental será realizada? Função, Subfunção.
Classificação Programática : Qual o tema da política pública?
Princípio da legalidade orçamentária: Pelo princípio da
legalidade cabe ao Poder Público fazer ou deixar de fazer somente
aquilo que a lei expressamente autorizar, ou seja, se subordina aos
ditames da lei. Existe o princípio da legalidade em todos os ramos do
direito e no direito financeiro não poderia ser diferente. Aqui se utiliza a
nomenclatura princípio da legalidade orçamentária.
A amortização da dívida pública é transferência de
capital(despesa de capital).Transferências de Capital:Amortização da
Dívida Pública, Auxílios para Obras Públicas, Auxílios para
Equipamentos e Instalações, Auxílios para Inversões Financeiras e
Outras Contribuições. A contabilidade do município deve seguir as
normas federais de direito financeiro e contabilidade pública,
classificando a amortização da dívida pública em transferência de
capital.
O fornecimento continuado com acesso “on line” às bases de
dados do SIAFI fica limitado às instituições de direito público.
Conformidade Contábil é o mecanismo pelo qual as unidades
gestoras setoriais contábeis certificam os demonstrativos gerados pelo -
SIAFI. A Conformidade dos atos e fatos da gestão orçamentária,
financeira e patrimonial consiste na certificação dos demonstrativos
contábeis gerados pelo SIAFI.
Sumário Geral da Receita por fontes.De acordo com a Lei Nº
4.320, de 17 de março de 1964, a Lei do Orçamento conterá: o sumário
geral da receita por fontes e da despesa por funções do Governo. O
sumário geral da receita por fontes e da despesa por funções do
governo é peça de primordial importância e cogente. O ente público que
se preze deve publicar o sumário geral das receitas por fontes e da
despesa por funções de governo, promovendo a excelência na moderna
acountability.
O decreto de programação orçamentária e financeira, também
conhecido como decreto de contingenciamento, deve ser
obrigatoriamente elaborado com a finalidade de detalhar os valores
autorizados para movimentação e empenho e para pagamentos no
decorrer do exercício. O decreto de programação orçamentária e
financeira tem a finalidade ímpar de esmiuçar valores autorizados na
LOA.
Indicação das fonte de recirsos. Quem indica a fonte de
recursos são os órgãos setoriais e não as unidades orçamentárias.No
momento em que elaboram suas propostas, os órgãos setoriais são
obrigados a indicar as fontes de recursos que custearão cada despesa.
PPA É o planejamento de médio prazo da administração pública,
estabelecendo as diretrizes, objetivos e metas.
Não serão objeto de limitação as despesas que constituam
obrigações constitucionais e legais do ente, inclusive aquelas destinadas
ao pagamento do serviço da dívida, e as ressalvadas pela lei de
diretrizes orçamentárias.
Dimensões ou aspectos do orçamento:
Jurídica: essa dimensão é a que define o orçamento ou integra a
lei orçamentária no conjunto de leis do país.O orçamento é uma lei
formal;
Econômica: Corresponde à característica que atribui ao
orçamento o poder de intervir na atividade econômica, propiciando
geração de emprego e renda em função de investimentos que
podem se previstos e realizados pelo setor público, resultando com isso
no desenvolvimento do
país;
Financeira: representa o fluxo financeiro gerado pelas entradas de
recursos obtidos com a arrecadação de receitas e os dispêndios com as
saídas de recursos proporcionado pelas
despesas, evidenciando a execução orçamentária.
Política: corresponde à definição de prioridades, numa situação de
escassez de recursos, por
exemplo;
Técnica: representa o conjunto de regras e formalidades técnicas e
legais exigidas no processo
orçamentário(ciclo orçamentário).
O SIAFI somente validará os documentos de entrada de dados,
em termos contábeis, se eles se apresentarem com os eventos que, no
todo, completem partidas dobradas. O SIAFI deve obedecer o método
das Partidas Dobradas ou Método Veneziano.
Documento da Arrecadação de Receitas Federais - Transação
DARF.
a) FINALIDADE - permite registrar a arrecadação de receitas
federais efetivadas pelos Órgãos e Entidades, por meio de
transferências de recursos INTRA-SIAFI entre a UG recolhedora e a
Conta Única do Tesouro Nacional.
O DARF, Documento de Arrecadação de Receitas Federais é
muito importante, pois registra a arrecadação de receitas federais. É
vedado utilizar o DARF para pagamentos de tributos ou contribuições
inferior a R$ 10,00.
Orçamento Flexível: O orçamento flexível apresenta em uma de
suas características a capacidade de facilitar os trabalhos de simulação
para vários cenários alternativos. Modernamente se fala em
orçamentos flexíveis, na administração pública brasileira.
A Fase do ciclo orçamentário reconhecida que, embora prevista,
raramente é de fato realizada, é a avaliação. A avaliação não é uma
fase que é implementada, realmente, pois é parcialmente
implementada.
A Nota de lançamento por evento é usada para registrar a
apropriação/liquidação de receitas e despesas, e outros atos e fatos
administrativos.Os atos e fatos administrativos relativos a entidades
supervisionadas, associados a eventos contábeis não vinculados a
documentos específicos, também são feitos por nota de lancamento por
evento.
De acordo com a atual legislação brasileira, a Lei de Diretrizes
Orçamentárias (LDO) disporá sobre as alterações na legislação
tributária, que, para todos os fins, estarão sujeitas aos princípios da
anterioridade e da anualidade.
Inversões Financeiras
Aquisição de Imóveis
Participação em Constituição ou Aumento de Capital de Empresas
ou Entidades Comerciais ou Financeiras
Aquisição de Títulos Representativos de Capital de Empresa em
Funcionamento
Constituição de Fundos Rotativos
Concessão de Empréstimos
Diversas Inversões Financeiras
Os princípios que constam expressamente no art. 2° da lei 4.320
são os da unidade, anualidade e universalidade.Art. 2° A Lei do
Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a
evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e
anualidade.
Na Contabilidade Pública, a realização da despesa ocorre com a
liquidação, o segundo estágio da fase de execução da despesa
(empenho, liquidação e pagamento).
Os valores dos contratos de terceirização de mão de obra que se
referem à substituição de servidores e empregados públicos devem ser
contabilizados como “Outras Despesas de Pessoal”. Não é todo contrato
de serviço público que deve ser contabilizado em “Outras Despesas de
Pessoal”, somente os contratos de terceirização de mão de obra, e
ainda assim, aqueles que se referem à substituição de servidores e
empregados públicos.
Existem 4 etapas da elaboração da proposta orçamentária.
Elaboração/planejamento da proposta orçamentária;
Discussão/estudo/aprovação da lei orçamentária dos
orçamentos;
-execução orçamentária e financeira;
-avaliação e controle.
Especificação dos programas.Devem-se especificar, no
orçamento, os programas que serão atendidos e a natureza do gasto
relativos a determinada despesa pública, até o nível de elemento dessa
despesa.
Créditos extraordinários e medida provisoria.Quando inexistir,
na Constituição de um ente federado, previsão de medida provisória, os
créditos extraordinários deverão ser abertos por meio de decreto do
Poder Executivo, que dele dará imediato conhecimento ao Poder
Legislativo. No caso de haver, na Constituição desse ente federado,
previsão de medida provisória, tal operação será feita por esse
instrumento legal.Créditos extraordinários serão abertos por medida
provisória, no caso federal e de entes que possuem tal instrumento, e
por decreto do Poder Executivo para os demais entes, dando imediato
conhecimento deles ao Poder Legislativo.
O Ciclo da Receita Pública, da previsão ao recolhimento, é
processado através dos seguintes estágios ou
fases:Previsão,Lançamento,Arrecadação e Recolhimento.O ciclo da
receita começa com a previsão e termina com o Recolhimento, não se
confundindo com o ciclo da despesa pública. O ente municipal deve
observar o ciclo da receita pública com seus estágios da previsão
lançamento, arrecadação e recolhimento. Os estágios da receita pública
são também chamados de fases e quando observado dão mais
transparências aos gestores públicos.
A mensagem que encaminhar o projeto da União apresentará, em
anexo específico, os objetivos das políticas monetária, creditícia e
cambial, bem como os parâmetros e as projeções para seus principais
agregados e variáveis, e, ainda, as metas de inflação para o exercício
subsequente.
São subvenções econômicas as dotações destinadas pelo
governo a cobrir a diferença entre os preços de mercado e os preços de
revenda de gêneros alimentícios ou outros materiais. São as
subvenções econômicas e não as subvenções sociais que cobrem o
preço de mercado e o de revenda de gêneros alimentícios.
Abertura de créditos adicionais e programação financeira.A
abertura de créditos adicionais apresenta consequências em duas
programações: financeira e orçamentária, e não somente na
programação orçamentária. A programação financeira anda junto da
orçamentária, na abertura de créditos suplementares, especiais e
extraordinários.
A movimentação de créditos independe da existência de saldos
bancários ou recursos financeiros. Movimentar créditos é uma coisa e
movimentar recursos financeiros é outra.
A LRF afirma que,em até trinta dias após a publicação da Lei
Orçamentária Anual - LOA, o Poder Executivo estabelecerá a
programação financeira e o cronograma de execução mensal de
desembolso. A programação financeira e o cronograma de execução
mensal de desembolso é um importante norte para o auditor, bem como
para o gestor público, pois o ente municipal toma suas decisões
baseada nela.
Redução de crédito, empenho e redução financeira.A
formalização do empenho será precedida da criação de uma Lista de
Itens, por meio de transação específica. Lembrar sempre que a nota de
empenho é dispensada. Nas despesas de pessoal por exemplo,
dispensa se a nota de empenho. A redução do crédito ocorre no
empenho, a redução da disponibilidade financeira ocorre no pagamento.
Fase da programação. A fase da despesa em que a distribuição
de cotas orçamentárias deverá ser feita, onde o Poder Executivo
aprovará um quadro de cotas trimestrais da despesa que cada unidade
orçamentária fica autorizada a utilizar é a programação.A distribuição de
cotas orçamentárias ocorrerá imediatamente após a promulgação da Lei
de Orçamento e com base nos limites fixados.
OB - Ordem Bancaria e sua finalidade. Permite registrar o
pagamento de compromissos, bem como a transferência de recursos
entre UG, liberação de recursos para fins de adiantamento,
suprimento de fundos, cota, repasse, sub-repasse e afins. Sempre que
se falar em pagamento de compromissos de recursos há de se falar em
Ordem Bancária.
Despesas com pessoal e encargos sociais.Conforme a portaria
163 de 2001, as despesas com pessoal e encargos sociais são
Despesas orçamentárias com pessoal ativo, inativo e pensionistas,
relativas a mandatos eletivos, cargos, funções ou empregos, civis,
militares e de membros de Poder, com quaisquer espécies
remuneratórias, tais como vencimentos e vantagens, fixas e variáveis,
subsídios, proventos da aposentadoria, reformas e pensões, inclusive
adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer
natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas pelo
ente às entidades de previdência, conforme estabelece o caput do art.
18 da Lei Comple-
mentar 101, de 2000. De forma resumida, as despesas com pessoal e
encargos sociais são todas as despesas correntes com funcionários
públicos lato sensu. Os funcionários públicos lato sensu incluem agentes
honorificos, empregados públicos, estatutários, agentes credenciados,
dentre outros. Juros e encargos da dívida. Consoante a portaria 163
de 2001, os juros e encargos da dívida, um tipo de despesa corrente,
compreende despesas orçamentárias com o pagamento de juros,
comissões e outros
encargos de operações de crédito internas e externas contratadas, bem
como da dívida pública mobiliária. Essa é a classificação dada pelas
despesas do grupo natureza da despesa
conforme a portaria 163/2001. Outras despesas correntes: conforme a
portaria 163 de 2001, compreende despesas orçamentárias com
aquisição de material de consumo, pagamento de diárias, contribuições,
subvenções, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras
despesas da categoria econômica "Despesas
Correntes" não classificáveis nos demais grupos de natureza de
despesa.
A descentralização de créditos, externa ou interna, deve ser
realizada por meio de Nota de Movimentação de Crédito - NC.
A consulta à fonte de recursos, ao identificador de operação de
crédito, ao plano interno, ao programa de trabalho, à natureza de receita
e despesa, entre outros, pode ser realizada no âmbito do subsistema
TABORC.O TABORC está presente no grupo organização de tabelas,
do SIAFI, juntamente com o TABADM (tabelas administrativas), e
outras.
NOTA DE EMPENHO - NE: É o documento usado para emissão
de empenhos,reforço de empenhos emitidos a menor ou anulação de
empenho emitidos a maior, à conta dos créditos consignados no
orçamento ou em créditos adicionais. A nota de empenho não é
somente utilizada para a emissão de empenhos, mas também para
reforço ou anulação de empenhos.
SIAFI e SIAFEM.O SIAFI só atua em nível federal. Os Estados e
Municípios utilizam o SIAFEM. No entanto, o SIAFI permite o registro
contábil dos balancetes dos Estados e Municípios, e o sistema pode ser
utilizado pelas entidades públicas federais, estaduais e municipais
apenas para receberem, pela Conta única do Governo Federal, suas
receitas. Assim, não cabe ao SIAFI integrar e compatibilizar as
informações no âmbito do governo estadual, federal e municipal,
somente no federal.
O gestor público deve observar que a unidade gestora que recebe
créditos orçamentários por descentralização, sob a forma de destaque,
receberá os recursos financeiros sob a forma de repasse.
Dívida Ativa: classificação.Cabe ao município observar que os
créditos da Fazenda Pública de natureza tributária ou não tributária,
exigíveis em virtude do transcurso do prazo do pagamento, quando do
seu recebimento, serão contabilizados no subsistema orçamentário em
outras receitas correntes.
Guia de recolhimento da União.A Guia de Recolhimento da
União - GRU é documento utilizado para efetuar todo e qualquer
depósito na conta única do Tesouro, excetuadas as receitas recolhidas
mediante a Guia de Previdência Social - GPS e por meio do Documento
de Arrecadação de Receitas Federais - DARF. Quando se utiliza o
DARF ou GPS não se utilizará GRU. A GRU é o documento de
arrecadação de receitas mais importante.
A Nota de Dotação (ND) é um tipo de documento utilizado no
registro do orçamento da despesa e da dotação estabelecida em
créditos adicionais.
A Secretaria do Tesouro Nacional permite que autarquias, fundos
e fundações públicas que contarem com autorização legislativa
específica efetuem aplicações financeiras diárias na conta única.
A descentralização de recursos é realizada por meio da Nota de
Programação Financeira, que é o documento utilizado para registrar e
contabilizar as etapas da programação financeira.Nota de programação
financeira PF é o documento utilizado para registrar os valores
constantes da proposta de programação financeira PPF e da
programação financeira aprovada PFA.
A nota de apropriação físico-financeira destina-se a registrar os
empenhos que foram liquidados pelos órgãos que fazem uso do
progorcam,comunicando a quantidade de itens que foram realizadas
fisicamente.
LRF art. 12 § 2º "O montante previsto para as receitas de operações de
crédito não poderá ser superior ao das despesas de capital constantes
do projeto de lei orçamentária." (Regra de Ouro)
O documento cadastrado no SIAFI que gera compromissos de
pagamento ou de recebimento,podendo ser de previsão (Nota de
Empenho,Contrato, Proposta de Programação Financeira, etc.) ou de
Realização (Nota Fiscal, Recibo, Folha de Pagamento, Programação
Financeira Aprovada, etc.), denomina-se: documento hábil.Documento
hábil é o Subsistema do SIAFI que tem por objetivos permitir a fase de
liquidação das despesas a pagar e das receitas a receber decorrentes
das atividades das Unidades Gestoras, gerando os compromissos para
a fase de realização, bem como promover o reflexo contábil dessas
ações por meio da geração dos Documentos SIAFI.
O CPR- Contas a Pagar e a Receber - é um subsistema do SIAFI
desenvolvido de forma a otimizar o processo de programação financeira
dos órgãos/entidades ligadas ao sistema, proporcionando informações
em nível analítico e gerencial do fluxo de caixa. O CPR permite o
cadastramento de contratos, notas fiscais, recibos e outros documentos
hábeis, cuja contabilização é efetuada por eventos de sistema. O recibo,
nota fiscal ou qualquer outro documento (papel), emitido pela unidade
ou pelo fornecedor, que será cadastrado no sistema, denomina-se:
documento de origem.
O Orçamento participativo é uma obrigatoriedade que consta do
"Estatuto das Cidades", Lei 10.257/2001, que estabelece no seu art. 44,
o seguinte, in verbis:
Art. 44.No âmbito municipal, a gestão orçamentária participativa de que
trata a alínea f do inciso III do art. 4 desta Lei incluirá a realização de
debates, audiências e consultas públicas sobre as propostas do plano
plurianual, da lei de diretrizes orçamentárias e do orçamento anual,
como condição obrigatória para sua aprovação pela Câmara Municipal.
(Grifei)
Conforme a doutrina
Existe diferença entre a nota de programação financeira PF e a
ordem bancária OB.A nota de programação financeira (PF) não realiza
transferências financeiras entre as unidades gestoras, apesar do
nome.A transferência financeira entre unidades gestoras é realizada
através da Ordem Bancária (OB). A nota de programação financeira PF
é utilizada somente para transferência de recursos entre os órgãos
setoriais dos ministérios e órgãos. Portanto, a nota de programação
financeira (PF) não realiza transferências financeiras entre as unidades
gestoras somente entre órgãos setoriais e ministérios. Na medida em
que os recursos vão ingressando nos cofres do governo, as receitas são
imediatamente liberadas para os órgãos setoriais do ministério ou órgão
baseado na programação financeira destes para execução de seus
programas de trabalho.
Exatidão ou Realismo Orçamentário
De acordo com esse princípio, as estimativas devem ser tão
exatas quanto possível, de forma a garantir à peça orçamentária um
mínimo de consistência para que possa ser empregado como
instrumento de programação, gerência e controle. Indiretamente, os
autores especializados em matéria orçamentária apontam os arts. 7º e
16 do Decreto-Lei nº 200/67 como respaldo ao mesmo. O princípio da
exatidão orçamentária é de suma importância para a transparência
pública.
A cobertura dos déficits de manutenção de empresas
públicas, de natureza autárquica ou não, será feita por subvenções
econômicas. São subvenções econômicas as dotações para cobrir a
diferença entre os preços de mercado e os preços de revenda de
alimentos e outros materiais.Nesse caso não se usam subvenções
sociais.
A inscrição em dívida ativa ,conforme a lei de execuções fiscais,
se constitui no ato de controle administrativo da legalidade. A
inscrição da dívida ativa será feita pelo órgão competente para apurar a
liquidez e certeza do crédito, além disso, essa inscrição suspenderá a
prescrição para todos os efeitos de direito por 180 dias, ou até a
distribuição da execução fiscal se esta ocorrer antes do fim daquele
prazo. Então, conclui-se que a inscrição em dívida ativa serve para duas
coisas: para ser um ato de controle administrativo da legalidade e
para suspender a prescrição por 180 dias ou então suspender a
prescrição até a distribuição da execução fiscal se a distribuição da
execução fiscal ocorrer antes dos 180 dias. Até a decisão da 1ª
instância, a certidão de dívida ativa CDA poderá ser emendada ou
substituída, assegurada ao executado a devolução do prazo para
embargos. A execução fiscal,promovida na lei de execuções fiscais será
promovida contra o devedor, o fiador, o espólio, a massa ou o
responsável nos termos da lei por dívidas tributárias ou não de pessoas
físicas ou pessoas jurídicas de direito privado.
O direito financeiro tem por objeto a disciplina jurídica de toda a
atividade financeira do Estado e abrange receitas, despesas e créditos
públicos.
No Subsistema Contas as Pagar e a Receber (CPR), a entrada de
documentos pode ser realizada de forma on line e batch ou de forma
automática. A entrada de recursos de forma automática ocorre nos caso
das Notas de Empenho e Notas de Programação Financeira.
Todas as unidades gestoras integrantes do SIAFI deverão utilizar
para registro de suas transações diárias, os códigos da tabela de
evento. Caso não seja encontrada na tabela o evento que expresse com
bastante clareza a transação a ser processada, o usuário do sistema
deverá contratar o órgão de contabilidade setorial para os
esclarecimentos necessários. Existe registro contábil sem indicação
de evento, mas somente aos órgãos de contabilidade compete realizar
os registros contábeis e a indicação de eventos. A tabela de eventos
surgiu com o objetivo de substituir a forma usual de apresentação de um
plano de contas. A coordenação-geral de contabilidade da STN é o
órgão responsável pela administração da tabela de eventos.
Documento hábil é aquele que dá origem aos compromissos de
pagamento ou de recebimento, podendo ser de previsão ou de
realização.
CAUC é o cadastro único de exigências para transferências
voluntárias. É um subsistema do SIAFI cuja finalidade é o atendimento
às exigências legais e normativas para realização de convênios e as
transferências de recursos.O CAUC é utilizado especificamente para
transferências voluntárias, que são aquelas da LRF. Também é utilizado
para a realização de convênios e transferências de recursos.
Empenho e nota de empenho. Não se deve confundir empenho
da despesa com nota de empenho. Esta, na verdade, é a materialização
daquele, embora, no dia a dia, haja a junção dos dois procedimentos em
um único. Empenhar despesa é apenas uma autorização da autoridade
competente, através de uma assinatura ordenada em nome do estado.
Conforme a lei 4.320/64, para cada empenho será extraído um
documento denominado nota de empenho, que indicará o nome do
credor, a representação, a importância da despesa, bem como a adoção
desta do saldo da dotação própria. O empenho da despesa sempre
deverá ocorrer se você ficar em dúvida . Veja o que prevê a lei 4.320/64:
é vedada a realização de despesa sem prévio empenho. O decreto-lei nº
1.875 de 15 de julho de 1981, em seu artigo 4°, estabelece os casos em
que pode ser dispensada a nota de empenho como despesas relativas a
pessoal e encargos, contribuição para o PASEP, amortização de juros,
serviços de empréstimos e financiamentos obtidos, despesas relativas a
consumo de água e energia elétrica, realização de serviço de telefone
postais e telégrafos e outros que vieram ser definidos por atos
normativos próprios. Tudo isso pode ser feito sem a nota de empenho.
Estágios da despesa. A fixação é o valor total da despesa
estabelecida na LOA. Esse valor deverá ser igual ao total das receitas
previstas, seguindo o princípio do equilíbrio orçamentário. A fixação não
é um dos estágios da execução da despesa, é apenas um estágio
estático da lei de orçamento. Entretanto, o valor fixado inicialmente pode
ser alterado durante a execução do orçamento, normalmente
denominado de dotação atualizada. Deve-se ter em mente que a fixação
não é um dos estágios da execução da despesa, a fixação é apenas um
estágio estático da lei de orçamento.
Programação orçamentária e financeira. A programação ocorre
até trinta dias após a publicação da lei orçamentária anual. Nos termos
em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias, o poder executivo
estabelecerá a programação financeira e o cronograma de execução
mensal de desembolso. Os procedimentos de programação financeira
são muito importantes. Empenho é o ato emanado de autoridade
competente que cria para o estado obrigação de pagamento pendente
ou não de implemento de condição, conforme o artigo 58 da lei nº
4.320/64. O empenho representa o primeiro estágio da execução da
despesa e emitido pela unidade que recebeu créditos orçamentários
consignadas no orçamento o poder centralização de créditos de outro
órgão unidade orçamentária com esse estágio se inicia a execução da
despesa pública esse primeiro estágio da execução é efetuada no siafi
utilizamos o documento nota de empenho e através de transação
específica denominada que se destina a registrar o comprometimento de
despesa orçamentária de limites estritamente legais um empenho
comporta em caso de necessidade o reforço anulação do compromisso
e despesa nunca haverá uma despesa sem prévio empenho mesmo em
situações especiais
SIAFI gerencial: tem por objetivo atender às demandas de
informações gerenciais das áreas que possuem atribuições da gerência
orçamentária, financeira e controle, além disso, subsidia as áreas
estratégicas e informações para o aperfeiçoamento do processo de
tomada de decisões. O SIAFI é dividido em Módulos, sendo o Módulo
Gerencial um deles. Outro Módulo é o Módulo SIAFI Educacional:O
Módulo SIAFI Educacional tem a ver com o ensino a distância, uma
forma de ensino que possibilita a autoaprendizagem, com a mediação
de recursos didáticos sistematicamente organizados.
Cadastro único – CAUC. Cadastro único de exigências para
transferências voluntárias é um subsistema que resulta das exigências
para celebração de convênios e transferências de recursos da União
para os demais entes federativos. Toda vez que for feito um convênio ou
uma transferência de recursos, deve ser utilizado o CAUC.
Elaboração do orçamento, Execução do orçamento, SIAFI e
SIDOR. O SIAFI está estruturado por exercício financeiro e é subdividido
em 21 subsistemas e módulos. No Sistema SIAFI não se realiza a
elaboração de orçamentos, pois é o SIDOR (Sistema Integrado de
Dados Orçamentários) quem faz tal elaboração. No SIAFI se realiza a
execução do orçamento, já no SIDOR ocorre a elaboração. Essa
distinção é importante, pois geralmente ocorre uma confusão, pois a
maioria imagina que é o próprio SIAFI que elabora o orçamento.
História do SIAFI. Até o exercício de 1986 o governo federal
convivia com uma série de problemas de natureza administrativa, que
dificultavam a adequada gestão dos recursos públicos e a preparação
do orçamento unificado, que passaria a vigorar em 1987.A solução
desses problemas representavam um verdadeiro desafio na época, para
o governo federal. O primeiro passo para isso foi dado com a criação da
secretaria do tesouro nacional em 10 de março de 1986 para auxiliar o
ministério da fazenda na execução de um orçamento unificado a partir
do exercício seguinte. A Secretaria do Tesouro Nacional definiu e
desenvolveu em conjunto com o SERPRO o sistema integrado de
administração financeira do governo federal SIAFI, em menos de um
ano, implantado em janeiro de 1987, para suprir o governo federal de
um instrumento moderno e eficaz no controle e acompanhamento dos
gastos públicos.
Características das receitas efetivas.São ingressos de recursos
não precedidos de registro de reconhecimento de direito, receita
arrecadada sem obrigações ou correspondências passivas, basicamente
arrecadadas de forma contínua e permanente .Incluem-se basicamente
todas as receitas correntes exceto as provenientes de dívida ativa.
Características das receitas não efetivas. Ingressos de recursos
precedidos de registro de reconhecimento de direito, receita arrecadada
com obrigações de correspondências passivas, arrecadação esporádica
ou não permanente, receitas arrecadadas por mutação patrimonial.
Nota de movimentação de crédito (NC): nota de movimentação
de crédito é o documento utilizado para registrar a movimentação
interna e externa de créditos e suas anulações ,ou seja, destinada para
a descentralização de crédito.
Ordem bancária (OB): ordem bancária é o documento utilizado
para o pagamento de compromissos bem como a liberação de recursos
para fins de adiantamento,suprimento de fundos, cota, repasse, sub
repasse e afins,em contas bancárias mantidas no Banco do Brasil, ou
seja, às transferências financeiras.
As Contribuições da Previdência Social são Transferências
Correntes (Despesas Correntes).
O Material de Consumo é Despesa de Custeio(Despesa
Corrente).
As Obras Públicas são Despesas de Capital - Investimentos-
Obras Públicas.
O SIDOR comunica-se com o SIAFI, permitindo a utilização de
dados orçamentários, financeiros, contábeis e relativos aos créditos
orçamentários.A Secretaria do Tesouro Nacional registra no SIAFI a
execução orçamentária.
Nota de lançamento por evento (NL); a nota de lançamento é o
documento utilizado para registrar a apropriação ou liquidação de
receitas e despesas bem como outras atos e fatos administrativos
inclusive os relativos entidades supervisionadas associados eventos
contábeis e não vinculados os documentos específicos.
Saldo Patrimonial.Saldo patrimonial é igual ao ativo real menos o
passivo real. Se o ativo real foi maior do que o passivo real,o patrimônio
líquido é positivo, também chamada ativo real líquido se o ativo real foi
menor do o passivo real, o patrimônio líquido é negativo também
chamado passivo real a descoberto se o ativo real for igual ao passivo
real temos patrimônio líquido nulo situação bastante improvável.
Ativo real, portanto, é o somatório do ativo financeiro e ativo não
financeiro ou permanente ,excluindo apenas o ativo compensado. Ativo
real líquido ou patrimônio líquido positivo representa a situação em que
ativo real é maior do que o passivo real.
O resultado patrimonial do exercício RPE não é calculado no
balanço patrimonial mas na demonstração das variações patrimoniais
(DVP). No balanço patrimonial se apura o superávit ou déficit financeiro
do exercício e outros resultados.
Receita Orçamentária Efetiva:aquela em que os ingressos de
disponibilidade de recursos não foram precedidos de registro de
reconhecimento do direito e não constituem obrigações
correspondentes.
Equilíbrio Orçamentário: Princípio clássico que tem merecido
maior atenção, mesmo fora do âmbito específico do orçamento,
pautado nos ideais liberais dos economistas clássicos (Smith, Say,
Ricardo). É bom salientar que o princípio do equilíbrio orçamentário tem
uma atenção fora do âmbito específico do orçamento, fora do direito
financeiro. Hoje se fala em equilíbrio orçamentário formal.
A lei de responsabilidade fiscal traz importantes regras para
concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária
da qual decorra renúncia de receita.A concessão ou ampliação de
incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de
receita deverá estar acompanhada de estimativa do impacto
orçamentário-financeiro no exercício em que deva iniciar sua vigência e
nos dois seguintes.Na verdade, a estimativa do impacto orçamentário-
financeiro é para três exercícios, pois ele deve incluir o exercício de sua
vigência e os dois seguintes. Tudo isso é necessário para que a
concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária
da qual decorra renúncia de receita ocorra.
Nos convênios, os objetivos são recíprocos e a cooperação
mútua.Existe uma diferença muito grande entre convênios e
contratos,pois no contrato os interesses das partes são diversos.
Se determinado órgão público assinar contrato que crie obrigação
legal para o ente público por período superior a dois exercícios
financeiros, os efeitos financeiros da medida poderão ser
compensados pela redução permanente da despesa
orçamentária.Porém, os efeitos financeiros da medida somente
poderão ser compensados pela redução permanente da despesa
orçamentária no caso de um ente público criar obrigação legal por
período superior a dois exercícios financeiros. Se for por período menor
não.
Existe uma diferença entre o princípio da unidade e o princípio
da totalidade, apesar de os dois estarem relacionados.Princípio da
Unidade: o orçamento deve ser uno, deve existir apenas um orçamento,
e não mais que um para cada ente da federação.Princípio da totalidade:
há coexistência de múltiplos orçamentos que, entretanto, devem sofrer
consolidação.
Lei do crescimento incessante das atividades estatais:A lei do
crescimento incessante das atividades estatais, de autoria do
economista alemão Adolf Wagner, afirma que, à medida que aumenta o
nível de renda em países industrializados, o setor público cresce sempre
a taxas mais elevadas, aumentando, dessa forma, a sua participação
relativa na economia. A crescente demanda por serviços públicos e a
exigência de que esses serviços melhorem cada vez mais de qualidade
explicam em grande parte o monumental crescimento dos gastos
públicos após a segunda guerra Mundial.A lei do crescimento incessante
das atividades estatais deve ser estudada por todo gestor público.
Inversões Financeiras - destinadas à aquisição de imóveis ou bens
de capital em utilização.Uma das características ou um dos tipos de
inversões financeiras é aquela destinada a aquisição de imóveis ou de
bens de capital já em utilização.
Transferências de Capital - dotações para investimentos que
outras pessoas de direito público ou privado devam realizar,
independentemente da contraprestação direta em bens ou serviços. Se
houver uma contraprestação direta em bens ou serviços não
será,obrigatoriamente, transferências de capital.
Investimentos - dotações para planejamento e execução de obras,
aquisição de equipamentos, instalações e material permanente.
Os créditos suplementares e especiais possuem a semelhança de
que são autorizadas por lei e abertos por decreto executivo o fato de
serem autorizados por lei e abertos por decreto do poder executivo está
previsto na lei 4.320.Art. 42. Os créditos suplementares e especiais
serão autorizados por lei e abertos por decreto executivo.
Os Princípios Orçamentários visam estabelecer diretrizes
norteadoras básicas, a fim de conferir racionalidade, eficiência e
transparência para os processos de elaboração, execução e controle do
orçamento público.
Sumarização – é ato de transformar todos os dados em
informações contábeis úteis aos seus usuários, como a criação de
Demonstrações e relatórios contábeis.A sumarização é muito importante
para contabilidade pública, pois sem ela a criação de demonstrações e
relatórios contábeis fica inviável.Sumarizar é transformar todos os
dados e informações contábeis úteis e é justamente esse o objetivo
da contabilidade pública.
A Conformidade Contábil consiste na certificação dos
demonstrativos contábeis gerados no Sistema Integrado de
Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI), por meio de
análises dos atos e fatos da gestão orçamentária, financeira e
patrimonial.Conformidade contábil é um instrumento de grande
relevância para contabilidade pública pois sem ela não é possível
certificar-se das demonstrações contábeis, se elas são fidedignas.A
conformidade contábil ocorre no âmbito do sistema integrado de
administração financeira do governo.
São despesas de custeio as dotações para manutenção de
serviços anteriormente criados inclusive as destinadas a atender a obras
de conservação e adaptação de bens imóveis.As despesas de custeio
constam aos montes no setor público, que visa a permanência e
integridade de seu patrimônio.
De acordo com a lei 4320/1964 classificam-se como transferências
correntes as dotações para despesas às quais não corresponda
contraprestação direta em bens ou serviços inclusive para contribuições
e subvenções destinadas a atender a manutenção de outras entidades
de direito público ou privado.
As receitas intraorçamentárias são a contrapartida das despesas
na modalidade aplicação.
No que tange à gestão das entidades públicas, as modificações
ocorridas em muitos países, inclusive os de economia planificada, têm
demonstrado a prevalência da intenção política de desconcentrar,
descentralizar e desestatizar, reduzindo, dessa forma, a intervenção do
Estado com relação ao cidadão.Hoje se fala muito em estado mínimo e
seus benefícios para a sociedade.
Conformidade.Instrumento de segurança do SIAFI que permite às
unidades gestoras a ratificação e o fechamento das operações por elas
realizadas: conformidade. A conformidade permite o accountability ,a
maior segurança.
DOCC.As despesas obrigatórias de caráter continuado são
despesas correntes.
A centralização SIAFI permite a padronização dos métodos e
rotinas de trabalho sem, entretanto, criar qualquer restrição ou rigidez à
gestão dos recursos, que permanece sob total controle do ordenador de
despesa de cada unidade gestora (UG).
DEAs e exceção a competência. A ocorrência de despesas de
exercícios anteriores caracteriza-se, entre outros fatores, como uma
exceção ao princípio da competência para a contabilidade. No
entanto, ante o caráter excepcional da mesma, o reconhecimento da
despesa a ser paga a este título depende de alguns pressupostos.São
notadamente despesas orçamentárias, apesar de não ter sido
empenhadas em época própria.
Concessão de empréstimo: A concessão de empréstimo é um
exemplo de inversão financeira.
Princípio da universalidade e sua parcial aplicabilidade.O
princípio da universalidade é parcialmente atendido, porquanto as
receitas e despesas extraorçamentárias não são incluídas nas peças
orçamentárias brasileiras.
Classificação institucional e programas :Toda ação do
Governo está estruturada em programas orientados para a realização
dos objetivos estratégicos definidos no PPA. Para tanto, os entes da
federação devem ter seu orçamento codificado, a começar pela
classificação institucional.
Os títulos do tesouro nacional são classificados como operações
de crédito.As receitas obtidas com PIS-PASEP sobre faturamento, juros
de títulos de renda e títulos do Tesouro Nacional são classificadas,
respectivamente, como receitas de contribuições, patrimonial e de
operações de crédito.
PIS PASEP :receita de contribuições
Juros de títulos de renda :receita patrimonial
Título do tesouro nacional :operações de crédito.
Estágios da despesa. De acordo com o que dispõe a Lei Federal
nº 4.320/64, os estágios da despesa são:programação orçamentária,
licitação, empenho, liquidação, suprimento e pagamento. É bom notar
que antes do pagamento vem o suprimento ou suprimento de
fundos.Antes do empenho vem a fixação, que envolve a programação
orçamentária e a licitação. Os estágios não são somente empenho,
liquidação e pagamento, mas sim programação orçamentária,
licitação, empenho, liquidação, suprimento e pagamento.
Destinação de recursos para o setor privado.De acordo com a
Lei Complementar Federal nº 101/2000, a destinação de recursos
públicos para o setor privado é permitida, desde que autorizada por lei
específica.Assim, o poder público somente poderá destinar recursos
para o setor privado nos termos da lei.
Dívida pública consolidada ou fundada: é o montante total
apurado sem duplicidade das obrigações financeiras do ente da
federação assumidas em virtude de leis, contratos, convênios ou
tratados e da realização de operações de crédito para amortização em
prazo superior a 12 meses.
Dívida pública mobiliária:dívida pública representada por
títulos emitidos pela união ,inclusive os do banco central do Brasil,
estados e municípios.
Operação de crédito: compromisso financeiro assumido em razão
de mútuo, abertura de crédito, emissão e aceite de título, aquisição
financiada de bens, recebimento antecipado de valores provenientes da
venda de bens e serviços, arrendamento mercantil e outras operações
assemelhadas, inclusive com o uso de derivativos financeiros
Concessão de garantia: compromisso de adimplência de
obrigação financeira ou contratual assumida por ente da federação ou
entidade a ele vinculada. Refinanciamento da dívida mobiliária: emissão
de títulos para pagamento do principal acrescido da atualização
monetária.
As receitas públicas são classificadas de diversas formas,
observando-se critérios distintos. Nesse sentido, na classificação das
receitas públicas quanto à forma de ingresso, é correto afirmar que as
receitas públicas se classificam em:Receitas Orçamentárias e
Receitas Extraorçamentárias.
Artigo 28: Salvo mediante lei específica não poderão ser
utilizados recursos públicos ,inclusive de operações de crédito, para
socorrer instituições do sistema financeiro nacional, ainda que
mediante a concessão de empréstimo de recuperação e
financiamentos para mudança de controle acionário. A prevenção de
insolvência e outros riscos ficaram a cargo de fundos e outros
mecanismos,constituídos pelas instituições do sistema financeiro
nacional, na forma da lei. Isso não proíbe o banco central do Brasil
de conceder às instituições financeiras operações de redesconto e
empréstimo de prazo inferior a 360 dias.
Para os controles dos limites estabelecidos na Lei de
Responsabilidade Fiscal, dentre outros, são utilizados os seguintes
relatórios: RGF e RREO.
Uma das finalidades da Lei de Diretrizes Orçamentária é
estabelecer normas relativas ao controle de custos dos programas
financiados com recursos públicos.
As despesas que possuem natureza operacional são destinadas
a manutenção de equipamentos e para o funcionamento de órgãos
governamentais, denominam-se: Despesas correntes.As despesas de
natureza operacional são sinônimas de despesas correntes.
Art. 167. São vedados:
VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de
recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão
para outro, sem prévia autorização legislativa.Sempre sempre que
houver a transposição o remanejamento ou a transferência de recursos
de uma categoria de programação para outra, deve haver
necessariamente prévia autorização legislativa.Isso acontece porque o
direito financeiro está imbricado com o princípio da legalidade, na
maioria das vezes.
As transferências intergovernamentais compreendem a entrega de
recursos, correntes ou de capital, de um ente transferidor a outro,
denominado beneficiário. Esse tipo de transferência realiza-se entre
esferas distintas de governo, não guardando relação com as operações
intraorçamentárias.
Sob o enfoque jurídico, as despesas públicas se dividem em fixas
e variáveis.Classificam-se como despesas fixas as despesas com
pessoal.
A partir da edição da Portaria MOG nº 42/1999 aplicada à União,
Estados, Distrito Federal e Municípios, passou a ser obrigatório
identificar nas leis orçamentárias, as ações em termos de funções,
subfunções, programas, projetos, atividades e operações
especiais.Art. 4º Nas leis orçamentárias e nos balanços, as ações serão
identificadas em termos de função, subfunções, programas, projetos,
atividades e operações especiais. Parágrafo único. No caso da função
"Encargos Especiais", os programas corresponderão a um código vazio,
do tipo "0000".
A Lei de Diretrizes Orçamentárias disporá, entre outros aspectos,
sobre o equilíbrio entre receitas e despesas.
A Lei Orçamentária Anual compreenderá, entre outros, o
orçamento fiscal, referente às fundações instituídas e mantidas pelo
Poder Público.
No caso das demonstrações conjuntas, serão excluídas as
operações intragovernamentais.
A estimativa de arrecadação da receita é resultante da
metodologia de projeção das receitas orçamentárias.
Transferências Correntes: Subvenções Sociais, Subvenções
Econômicas, Inativos, Pensionistas, Salário Família e Abono Familiar,
Juros da Dívida Pública, Contribuições de Previdência Social e Diversas
Transferências Correntes. Pode-se notar que o Salário Família e o
Abono Familiar são transferências correntes. Tambêm são
transferências correntes os Juros da Dívida Pública. Classificam-se
como Transferências Correntes as dotações para despesas que não
corresponda a contraprestação direta em bens ou serviços. As
Subvenções Sociais e as Subvenções Econômicas, destarte, não
correspondem à contraprestação direta em bens ou serviços. As
subvenções sociais, os juros da dívida e as contribuições à previdência
são bons exemplos de transferências correntes.
O processo de apreciação do projeto de Lei Orçamentária Anual
na Comissão Mista de Orçamento inicia-se com a realização de
audiências públicas.
A lei 4.320 assim estabelece em seu Art 15: Art. 15. Na Lei de
Orçamento a discriminação da despesa far-se-á ,no mínimo, por
elementos.
E o MCASP 8ª ed pg 95 dispõe: "Conforme estabelece o art. 6º da
Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/2001, na lei orçamentária
anual, a discriminação da despesa quanto à sua natureza far-se-á, no
mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e
modalidade de aplicação.
SIAFI é o sistema integrado de Administração Financeira do
Governo Federal que consiste no principal instrumento utilizado para
registro, acompanhamento, controle e execução orçamentária. Fazem
parte do Controle de Haveres e Obrigações os sistemas da Dívida
Pública - DIVIDA, Haveres - HAVERES, controle de Obrigações -
OBRIGACAO e Operações Oficiais de Crédito - O2C. Esses sãos
subsistemas menores, presentes no sistema de Controle de Haveres e
Obrigações. Cada subsistema tem uma função própria e bem delimitada
no SIAFI. Cada sistema está organizado em subsistemas, e esses em
módulos. É dentro de cada módulo onde encontram-se transações, as
quais executam as diversas operações do SIAFI, como consultas ,
entradas e saídas de dados. Existem 21 Subsistemas, atualmente.
Inscrição em Dívida Ativa e acréscimo patrimonial.No
momento da inscrição da Dívida Ativa, esta é classificada como receita
corrente-orçamentária, adotando-se o regime de competência. No
momento da inscrição da Dívida Ativa o patrimônio público
aumenta, causando uma superveniência ativa, um acréscimo
patrimonial. NA DVP, a inscrição da Dívida Ativa é classificada na conta
acréscimo patrimonial, bem como no subgrupo das interferências ativas.
A Dívida Ativa, na Demonstração das Variações Patrimoniais, fica do
lado das variações ativas, no grupo das receitas extra-orçamentárias.
No momento da inscrição da Dívida Ativa não ocorre um fato
permutativo, como tender-se-ia excogitar, mas um acréscimo
patrimonial, uma superveniência ativa. A inscrição em Dívida Ativa
implica em diminuição do Ativo Circulante e aumento do Ativo não
Circulante
No Brasil, o Orçamento Geral da União inicia-se com um texto
elaborado pelo Poder Executivo e entregue ao Poder Legislativo para
discussão, aprovação e conversão em lei. Por outro lado, a
necessidade de contenção dos gastos obriga o Poder Executivo,
muitas vezes, a estabelecer limites orçamentários e financeiros para
o gasto, abaixo dos limites autorizados pelo Congresso, estipulando
despesas abaixo dos valores aprovados na lei orçamentária. Para
isto se utiliza o Decreto de Contingenciamento.
Quanto ao pagamento de Restos a Pagar, é correto afirmar que
não interfere na gestão orçamentária do exercício. Nem toda despesa
empenhada e não paga é restos a pagar, somente aquelas não pagas
até 31 de dezembro é que são Restos a Pagar. O Pagamento de
restos a Pagar é despesa extraorçamentária, por isso não interfere
na gestão orçamentária do exercício. A inscrição em Restos a
Pagar é receita extra orçamentária. O registro dos Restos a Pagar é
feito por exercício, separando-se as despesas processadas das não
processadas.
Por determinação constitucional, a União entregará do produto da
arrecadação do imposto sobre produtos industrializados, 10% (dez por
cento) aos Estados e ao Distrito Federal, proporcionalmente ao valor
das respectivas exportações de produtos industrializados
O orçamento tradicional não se preocupava com as necessidades
reais da administração pública da população.Seu objetivo principal era
o de possibilitar aos órgãos do legislativo um controle político
sobre os gastos públicos.O orçamento tradicional objetivava o
equilíbrio financeiro entre as receitas e despesas, evitando, assim, a
expansão da despesa pública.O orçamento tradicional se preocupava
basicamente com as questões tributárias, deixando de lado os aspectos
econômicos e sociais.
Ressalte-se que nos casos em que a despesa abranja mais de um
exercício, a parcela da despesa correspondente ao exercício anterior
deverá ser registrada como DEA, mas a despesa referente ao exercício
corrente constitui despesa orçamentária do ano.
Provisão para Perdas de Dívida Ativa. A parcela estimada do
crédito inscrito em Dívida Ativa, cuja liquidação é incerta, constituirá uma
provisão redutora do Ativo da entidade pública, chamada Provisão para
Perdas de Dívida Ativa.
O ciclo de Deming (ou de Shewhart, seu criador) ou, como é mais
conhecido, PDCA, é uma ferramenta na busca da melhoria contínua, do
Kaizen. O objetivo da ferramenta é simplificar a melhoria dos processos
e a correção de problemas e fazer com que qualquer funcionário da
organização possa participar desse processo e melhorar a qualidade da
organização
As despesas com aumento ou constituição do capital de
empresas serão classificadas como despesa de capital, no GND
“Inversões Financeiras”.
O chamado orçamento impositivo, aprovado pela Emenda
Constitucional n.º 86/2015, consiste na obrigatoriedade de execução das
emendas individuais aprovadas na lei orçamentária anual como um
percentual da receita corrente líquida realizada no exercício
anterior. É sempre bom entender a sistemática de funcionamento dos
orçamentos impositivos.Esse tipo de orçamento surgiu recentemente,
com a EC 86 de 2015.
Influenciar a organização envolve a habilidade de “conseguir que
as coisas sejam feitas. Isto exige o entendimento das estruturas formais
e informais de todas as organizações envolvidas - a organização
executora, o cliente, parceiros, empreiteiros e muitos outros . Influenciar
a organização também exige entendimento dos mecanismos de política
e poder.
É uma despesa de transferência intragovernamental para a
União:repasse do duodécimo para o Congresso Nacional.Art. 168.
Os recursos correspondentes às dotações orçamentárias,
compreendidos os créditos suplementares e especiais, destinados aos
órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, do Ministério Público e da
Defensoria Pública, ser-lhes-ão entregues até o dia 20 de cada mês, em
duodécimos, na forma da lei complementar a que se refere o art. 165, §
9º.
A Teoria da Administração, desenvolvida por Henri Fayol, que
buscou a melhoria da eficiência através do foco na estrutura
organizacional é a Teoria clássica.
Hierarquia das necessidades de Maslow atualizada.:
Necessidades Fisiológicas
Necessidades de Segurança
Necessidades de Relacionamento
Necessidades de Estima
Necessidades Cognitivas ou de aprendizado
Necessidades Estéticas
Necessidades de Autorrealização
Necessidades de Transcendência
Diversificação concêntrica: Diversificação da linha de produtos,
com aproveitamento da mesma tecnologia ou força de vendas,
oferecendo-se uma quantidade maior de produtos no mesmo mercado.
A liderança que prevê comunicações verticais no sentido
descendente (mais voltadas para orientação ampla do que para ordens
específicas) e ascendente, bem como comunicações laterais entre os
pares, caracteriza o estilo de liderança consultiva.
As Receitas com COVID-19 foram de R$ 195.555,17. De Janeiro à
27 de maio de 2020. Desse valor, R$123. 285,25 vieram do Governo
Federal, por meio de recursos Transferidos da União para enfrentar o
COVID 19. Já as transferências do Estado de Pernambuco foram de R$
72.269,92. A última atualização desses dados foi até 27 de maio de
2020. O Site do Portal da Transparência, desenvolvido pela TenoSoft,
foi revitalizado:

Os Princípios Orçamentários presentes no MCASP são Unidade


ou Totalidade, Universalidade, anualidade ou periodicidade,
exclusividade, orçamento bruto, legalidade, publicidade,
transparência e não-vinculação (não afetação) da receita de impostos.
Esses são princípios presentes no MCASP 8 edição.
A inscrição de despesa em restos a pagar processados é realizada
após a anulação dos empenhos que não serão inscritos em virtude de
restrição em norma do ente da Federação.
A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece normas de finanças
públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal. As empresas
independentes não se sujeitam à LRF, somente as dependentes.
Compete à Câmara Municipal o julgamento das contas do chefe
do Poder Executivo municipal, com o auxílio dos tribunais de contas,
que emitirão parecer prévio, cuja eficácia impositiva subsiste e somente
deixará de prevalecer por decisão de 2/3 dos membros da casa
legislativa.
O art. 59 da Lei 4.320 afirma que o empenho da despesa não
poderá exceder o limite dos créditos concedidos. Esse artigo
vai de encontro ao que preconiza a Constituição Federal, a qual veda a
realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que
excedam os créditos orçamentários ou adicionais.Quanto ao pagamento
de restos a pagar, é correto afirmar que não interfere no resultado da
gestão orçamentária do exercício.
Art. 34 da lei 4.320 de 1964: O exercício financeiro coincide com o
ano civil. Art. 44 Os créditos extraordinários serão abertos por decreto
do Poder Executivo, que deles dará imediato conhecimento ao Poder
Legislativo.
Na estrutura da Administração Pública, suas funções podem ser
classificadas quanto aos órgãos e quanto ao objeto. Quanto aos órgãos,
em relação à gestão financeira,particularmente a responsabilidade
em determinar a arrecadação de receitas e a realização da despesa,
é da função diretiva. As funções diretivas são exercidas pelos órgãos de
direção que interpretam e colocam em execução as decisões
adotadas pelos órgãos volitivos, completando e regulamentando o
que foi decidido, bem como dirigindo e coordenando o trabalho dos
órgãos de execução.
Exceções ao princípio da anualidade.Os créditos adicionais
terão vigência adstrita ao exercício financeiro em que forem abertos,
salvo expressa disposição em contrário, quanto aos especiais e
extraordinários (Exceção ao princípio da anualidade).
O detalhamento da proposta orçamentária não é feito por órgão
setoriais, mas por órgãos específicos. O processo de detalhamento da
proposta orçamentária, via SIOP, compreende 3 etapas decisórias: UO,
OS e órgão Central. Na verdade, os órgãos setoriais, juntamente com as
unidades orçamentárias, irão realizar o detalhamento da proposta
orçamentária.
Emendas individuais e orçamento impositivo. Existem 4 tipos de
emendas: Emendas individuais, Emendas de bancada, Emendas de
comissões e Emendas do relator do Orçamento. Em 2015, o Congresso
tornou impositivas as emendas individuais. Somente emendas
individuais serão de execução obrigatória.
Operações de crédito e operações de crédito por antecipação
de receita. As operações de crédito são orçamentárias, porém as
operações de crédito por antecipação de receita são
extraorçamentárias. As AROs e as operações de crédito são receitas
de capital.
Diferença entre reduzir saldo e dotação orçamentárias. A
execução da despesa pública começa com o empenho. Esse ato
administrativo implica em reduzir o saldo orçamentário. A confusão está
entre a diferença de saldo orçamentário e dotação orçamentária. Se o
Distrito Federal receber uma transferência de capital do Fundo Nacional
da Saúde, o governo poderá abrir um crédito adicional especial, caso
não haja dotação orçamentária específica, no limite da transferência -
digamos 50 milhões - para o financiamento de postos hospitalares. Uma
vez empenhado 30 milhões, o ente vai reduzir o saldo orçamentário (de
50 para 20 milhões) e, portanto, vai ter menos autorização de gasto. O
empenho reduz o saldo orçamentário. Mesmo com o empenho, o valor
da dotação continua a mesma, pois a dotação diz respeito ao montante
disponibilizado para autorização da despesa - é aquele valor que consta
no recebimento da transferência constitucional. Caso o empenho seja
cancelado, teremos a recomposição do saldo orçamentário e o governo
poderá gastar novamente os 50 milhões. A dotação, por sua vez, vai
poder ser alterada por créditos adicionais, como ao abrir outro crédito
adicional para suplementar a dotação criada e não por mero empenho.
Restos a Pagar. Não é vedada a inscrição de restos a pagar
destinados a beneficiar credores específicos, pois os Restos a Pagar
são destinados a evidenciar três critérios de classificação: por exercício,
por credor e diferenciando-se as despesas em processadas e não
processadas.
Saldo orçamentário. O Saldo orçamentário é a diferença entre a
dotação orçamentária e o que foi empenhado O empenho de uma
despesa visa reduzir o saldo orçamentário. A dotação não é reduzida,
somente o saldo orçamentário é reduzido. O Saldo orçamentário é a
diferença entre a dotação orçamentária e o que foi empenhado. Existe
uma confusão que se dá entre o saldo orçamentário e a dotação
orçamentária.
A liderança democrática. É caracterizada como aquela em que o
líder consulta e orienta subordinados. O tipo de liderança exercida por
uma pessoa sobre outra, na qual existe o abuso de poder em benefício
próprio, é a liderança possessiva.
Comunicação nas organizações funcionais. Na organização
funcional, as comunicações entre os órgãos ou cargos são efetuadas
diretamente, sem necessidade de intermediação.A organização
funcional caracteriza‐se pela separação das funções de acordo com as
especialidades envolvidas.
Análise do período de janeiro a abril de 2020.No Período da
COVID 19, em Sertânia, A Receita foi toda formada por receitas
correntes, não foram auferidas receitas de capital. Dos R$100.267.800
de Receita Prevista, até 27 de maio, R$ 30.1293.086,87 foram
arrecadados.

O Município de Sertânia deve observar as categorias econômicas


das receitas e da despesa. As categorias econômicas da receita são
receitas correntes e receitas de capital. As categorias econômicas da
despesa tambêm se subdividem em despesas correntes e despesas de
capital.
Balanced Scorecard: Na perspectiva de Aprendizagem e
Crescimento, o olhar está voltado para o Capital Humano, Capital
Tecnológico e Capital Organizacional.Na perspectiva dos clientes busca-
se identificar os segmentos (de clientes e de mercados) em que a
empresa atuará e as medidas de desempenho que serão aceitas.
Geralmente envolve indicadores como: satisfação dos clientes, retenção
de clientes, lucro por cliente e participação de mercado, tendências,
aquisição de clientes potenciais e valor agregado aos produtos e
serviços.
Estrutura do SIAFI:
Controle de Haveres e Obrigações:

- Dívida Pública - DIVIDA

- Haveres - HAVERES

- Controle de Obrigações - OBRIGACAO

- Operações Oficiais de Crédito - O2C

Administração do Sistema:

- Administração do Sistema - ADMINISTRA

- Auditoria - AUDITORIA

- Centro de Informação - CI

- Conformidade - CONFORM

- Manual - MANUALMF

Execução Orçamentária e Financeira:

- Contábil - CONTABIL

- Documentos do SIAFI - DOCUMENTO

- Orçamentário e Financeiro - ORCFIN

Organização de Tabelas:

- Tabelas administrativas - TABADM

- Tabelas de apoio - TABAPOIO

- Tabelas do cadastro de obrigações - TABOBRIG


- Tabelas orçamentárias -TABORC

- Tabelas de receitas orçamentárias - TABRECEITA

Recursos Complementares com Aplicação Específica:

- Programação orçamentária - PROGORCAM

- Convênios - CONVENIOS

- Contas a pagar e a receber - CPR

- Estados e Municípios - ESTMUN.

Despesas com software. As despesas orçamentárias com


softwares e as despesas com a aquisição de imóveis ou bens de capital
já em utilização são inversões financeiras, bem como a aquisição de
títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer
espécie, já constituídas, quando a operação não importe aumento do
capital. O Município de Sertânia deve observar que as despesas com
software são inversões financeiras, bem como as despesas com
aquisição de imóveis ou bens de capital já em utilização.
A Despesa Extra Orçamentária é a que não consta da lei do
orçamento e constitui uma saída financeira de devolução de recursos
recebidos anteriormente.
O orçamento programa é o elo de interação entre o planejamento
e as funções executivas da organização. O controle visa avaliar a
eficiência, eficácia e efetividade das ações governamentais. O
principal critério de classificação do orçamento programa está contido na
Portaria STN e MOG 42 de 1999. A lei n. 4.320 de 1964 contém
determinações para a elaboração da Lei Orçamentária Anual que são
típicas do orçamento programa.
O conceito de governança corporativa requer maior
comprometimento de todos, direção e funcionários, entre si e para
com os resultados esperados pela empresa. Governança corporativa é o
sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas,
monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre
sócios, conselhos e administração, diretorias, órgãos de fiscalização e
controle e demais partes interessadas.
Para executar a fase de liquidação das despesas, a unidade
gestora deve incluir o documento hábil no subsistema de contas a
pagar e a receber do SIAFI.
Se determinado montante de recursos públicos não puder ser
movimentado pelo caixa único do Tesouro Nacional, a legislação
permitirá o depósito dos valores em contas específicas de instituições
financeiras oficiais.
Os restos a pagar, no ano da inscrição, serão receitas
extraorçamentárias e despesa orçamentária. Já no ano de
pagamento serão despesa extraorçamentária.
A receita orçamentária que tem por objetivo diferenciar a receita
em ordinária ou vinculada possui a classificação por fonte de recursos.
Art. 94. Haverá registros analíticos de todos os bens de
caráter permanente, com indicação dos elementos necessários para a
perfeita caracterização de cada um deles e dos agentes responsáveis
pela sua guarda e administração.
Juros da dívida Pública. O poder público, ao conceder um
empréstimo, efetua uma despesa de capital, da mesma forma que
quando amortiza sua dívida. Ao pagar juros, entretanto, efetua uma
despesa corrente.
Despesas de Capital > Inversões Financeiras > Concessão de
Empréstimos.
Despesas de Capital > Transferências de Capital > Amortização
da Dívida Pública.
Despesas Correntes > Transferências Correntes > Juros da Dívida
Pública.
Subvenção é TRANSFERÊNCIA CORRENTE.
Art.12 § 2º Classificam-se como Transferências Correntes as
dotações para despesas àsas quais não corresponda contraprestação
direta em bens ou serviços, inclusive para contribuições e subvenções
destinadas a atender à manutenção de outras entidades de direito
público ou privado.
Anulação parcial e total.O empenho deve ser anulado no
decorrer do exercício:
parcialmente: quando seu valor exceder o montante da despesa
realizada. Será anulado totalmente quando o serviço contratado não
tiver sido prestado, o material encomendado não tiver sido entregue; ou
o empenho tiver sido emitido incorretamente. Portanto, ele só é anulado
parcialmente quando exceder o montante da despesa realizada.
Valor das subvenções sociais.O valor das subvenções sociais,
sempre que possível, será calculado com base em unidades de
serviços efetivamente prestados ou postos à disposição dos
interessados, obedecidos os padrões mínimos de eficiência previamente
fixados.
A liderança no custo corresponde a uma das estratégias genéricas
descritas por Michael E. Porter. Neste tipo de estratégia, a empresa
procura tornar-se o produtor com mais baixos custos no seu sector de
actividade.
Um PPA deverá ter início no segundo ano de mandato de um
presidente e viger até o final do primeiro exercício financeiro do mandato
presidencial subsequente.
Conforme o art. 48 da LRF, são instrumentos de transparência da
gestão fiscal os planos, orçamentos e Lei de Diretrizes Orçamentárias;
as prestações de contas e a elaboração do respectivo parecer
prévio; o relatório resumido da execução orçamentária e o relatório de
gestão fiscal e as versões simplificadas desses documentos.
A teoria Burocrática da administração é uma concepção
introvertida, restrita e limitada à organização, uma vez que se preocupa
apenas com os aspectos internos e formais de um sistema fechado,
hermético e monolítico.
Conforme a Lei de Responsabilidade Fiscal, até 30 dias após a
publicação dos orçamentos, nos termos em que dispuser a Lei de
Diretrizes Orçamentárias, o Poder Executivo estabelecerá a
programação financeira e o cronograma mensal de desembolso. O
Município de Sertânia deve prestar atenção de que os cronônimos da
programação financeira e do cronograma mensal de desembolso
são sempre até trinta dias após a publicação dos orçamentos.
A LDO, Lei de Diretrizes Orçamentárias, deve dispor, entre outros
fatores, sobre critérios e formas de limitação de empenho.
A Amortização da Dívida Pública é uma despesa de capital, já
a Amortização de Empréstimos é Receita de Capital.
Despesas de Custeio: são despesas correntes. Pessoal Civil,
Pessoal Militar, Material de Consumo, Serviços de Terceiros e Encargos
Diversos. As Subvenções Econômicas, o Salário Família e Abono
Familiar e os Juros da Dívida Pública são Transferências Correntes.
Os programas constantes do Quadro de Recursos e de Aplicação
de Capital serão correlacionados a metas objetivas em termos de
realização de obras e de prestação de serviços. As metas são os
resultados que se pretende obter com a realização de cada
programa. O Quadro de Recursos e de Aplicação de Capital é aprovado
por decreto do Poder Executivo, abrangendo, no mínimo, um triênio.
Art. 25 Os programas constantes do Quadro de Recursos e de
Aplicação de Capital, sempre que possível, serão correlacionados a
metas objetivas em termos de realização de obras e de prestação de
serviços.
Parágrafo único. Consideram-se metas os resultados que se
pretendem obter com a realização de cada programa.
Art. 23. As receitas e despesas de capital serão objeto de um
Quadro de Recursos e de Aplicação de Capital, aprovado por decreto do
Poder Executivo, abrangendo, no mínimo, um triênio.
A Era da Industrialização Clássica ocorreu de 1900 a 1950, e
representou o período da industrialização brasileira. Possui formato
Piramidal e Centralizador, departamentalização funcional, criação do
modelo burocrático, centralização das decisões no "topo" da pirâmide
organizacional. Nessa época, as pessoas eram consideradas "recursos
de produção".
Alguns consideram que o princípio da anualidade
orçamentária está ultrapassado, pois ao lado do orçamento anual há o
plurianual. Porém, a maioria não entende assim. Assim preceitua
Kiyoshi Harada: O princípio da anualidade sobrevive e revive no
sistema, com caráter dinâmico-operativo, pois o PPA não é operativo
por si só, mas somente pela lei orçamentária anual.
Deverá integrar a LOA, obrigatoriamente, o Sumário geral da
receita por fontes e da despesa por funções de governo, Quadro
demonstrativo da receita e da despesa segundo as categorias
econômicas, Quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva
legislação e Quadro das dotações por órgão do governo de da
Administração.
A motivação e a liderança estão nas competências gerenciais.
A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece normas de finanças
públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal. A Lei de
Responsabilidade Fiscal aplica-se à todos os entes da federação, à
União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios. A empresa
independente não está sujeita à LRF.
Conforme discutido por Giacomoni (2010), o princípio
orçamentário que possibilita ao Legislativo, além de outros aspectos
inerentes ao controle parlamentar sobre as finanças públicas, impedir ao
Executivo a realização de qualquer operação de receita e despesa sem
prévia autorização parlamentar denomina-se universalidade.
Os programas constantes do Quadro de Recursos e Aplicação de
Capital, sempre que possível serão correlacionadas a metas objetivas,
em termos de realização de obras e de prestação de serviços.
Consideram-se metas os resultados que se pretende obter com a
realização de cada programa.
Consideram-se Restos a Pagar as despesas empenhadas e não
pagas até 31 de dezembro, distinguindo-se as processadas das não
processadas.
A parcela da despesa orçamentária que se encontrar empenhada,
mas ainda não paga, poderá ser inscrita em restos a pagar. Os
empenhos que sorvem a conta de créditos com vigência plurienal, que
não tenham sido liquidados, só serão computados como Restos a
Pagar no último ano da vigência do crédito.
Despesas de Custeio: Pessoal Civil, Pessoal Militar, Material de
Consumo, Serviços de Terceiros e Encargos Diversos.
Para a execução orçamentária e financeira, haverá os estágios do
empenho, liquidação e pagamento. O primeiro estágio: o empenho,
determina a obrigação de pagamento, conforme o art. 58 da lei n° 4.320
de 1964. Em que pese o determinado artigo citado, o efetivo implemento
de condição é o que deverá prevalecer.
Despesa Corrente: Juros e Encargos da Dívida. Despesas
orçamentárias com o pagamento de juros, comissões e outros encargos
de operações de crédito internas e externas, bem como da dívida
pública mobiliária.
Despesa de Capital: Amortização da Dívida: despesas
orçamentárias com o pagamento e/ou refinanciamento do principal e da
atualização monetária ou cambial da dívida pública interna e externa,
contratual ou mobiliária.
O controle que antecede a conclusão ou operatividade do ato para
verificar a regularidade como requisito para sua eficácia, como a
liquidação da despesa para oportuno pagamento, é denominado
controle prévio.
A amortização dos Juros da Dívida Pública é exemplo de despesa
corrente, já a Amortização do Principal da Dívida Pública é despesa de
capital.
A vigência do PPA é de 4 anos, iniciando-se no segundo exercício
financeiro do mandato do chefe do executivo e terminando no primeiro
exercício financeiro do mandato subsequente, não se confundindo com
o mandato do chefe do Executivo.
O prazo para encaminhamento da Lei de Diretrizes Orçamentárias
ao Legislativo é de 8 meses e meio antes do encerramento do exercício
financeiro (15 de abril) e a devolução ao Executivo deve ser realizada
até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa (17 de
julho).
A LOA é o instrumento pelo qual o Poder Público prevê as receitas
e fixa as despesas para o período de um ano. A CF de 1988 veda o
início de programas ou projetos não incluídos na LOA.
Despesas de exercícios anteriores são despesas de exercícios
findos que não foram sequer empenhadas, ou tiveram seus empenhos
cancelados. Despesas de exercícios encerrados para os quais o
orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo suficiente
para atendê-las. Nas DEAS o empenho não ocorreu.
Despesa não processada é aquela cujo empenho foi legalmente
emitido, mas depende, ainda, da fase de liquidação, isto é, o empenho
foi emitido, porém o objeto adquirido ainda não foi entregue e depende
de algum fator para a sua regular liquidação.
Restos a Pagar de despesas processadas são aquelas cujo
empenho foi entregue ao credor que, por sua vez, prestou o serviço, e a
despesa foi considerada liquidada por ter sido cumprido o terceiro
estágio, a liquidação.
Despesas Correntes: Juros e Encargos da Dívida. Despesas
orçamentárias com o pagamento de juros, comissões e outros encargos
de operações de crédito internas e externas.
Despesa de Capital: Amortização da Dívida. Despesas
orçamentárias com o pagamento e/ou refinanciamento do principal e da
atualização monetária ou cambial da dívida pública interna e externa,
contratual ou mobiliária.
A classificação da receita orçamentária por natureza visa
identificar a origem do recurso segundo o fato gerador. A
identificação está dividida nos seguintes níveis: categoria econômica,
origem, espécie, alínea e subalínea.
O Custo efetivo total de uma operação de crédito compreende a
discriminação dos juros e de todos os demais encargos que oneram a
operação no seu montante e no percentual que representam o valor total
da transação. O custo efetivo total (CET) é a taxa que considera todos
os encargos e despesas incidentes nas operações de crédito e de
arrendamento mercantil financeiro. O principal custo da operação de
crédito é a taxa de juros cobrada pela instituição financeira.
Os estágios da despesa são empenho, liquidação e pagamento. O
empenho cria para o estado obrigação de pagamento, a liquidação
verifica, por meio de documentos, o direito do credor e o pagamento
entrega numerário ao credor. Porém, os estágios empenho, liquidação e
pagamento são da etapa de execução.
A venda de ações não é considerada Receita Patrimonial. Porém
os aluguéis, dividendos, juros recebidos e arrendamentos o
são.Receitas Patrimoniais são aquelas que provêm das rendas geradas
pelo patrimônio do próprio Estado (mobiliário e imobiliário), tais como
renda de aluguéis, títulos públicos, etc. Já receitas empresariais são
aquelas provenientes da atividades empresariais realizadas pelo Estado,
seja no âmbito comercial, industrial ou de prestação de serviços.
Os projetos necessitam de saldo disponível para serem iniciados,
precisam de uma dotação orçamentária. Essa dotação será consignada
na LOA. O projeto não precisa estar no PPA, somente se o mesmo tiver
duração maior que o exercício financeiro.
Art. 167 §1° Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um
exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no PPA, ou
sem lei que autoriza a inclusão, sob pena de crime de responsabilidade.
Estrutura do SIAFI: nele cada subsistema tem uma função própria
e bem delimitada. O SIAFI é organizado em 5 grupos principais:
Controle de Haveres e Obrigações, Administração do Sistema,
Execução Orçamentária e Financeira, Organização de Tabelas,
Recursos Complementares com Aplicação Específica.
Controle de Haveres e Obrigações
Dívida Pública - DIVIDA
Haveres - HAVERES
Controle de Obrigações - OBRIGACAO
Operações Oficiais de Crédito - O2C
Administração do Sistema:
Administração do Sistema - ADMINISTRA
Auditoria - AUDITORIA
Centro de Informação - CI
Conformidade - CONFORM
Manual - MANUALMF
Execução Orçamentária e Financeira
Contábil - CONTABIL
Documento do SIAFI - DOCUMENTO
Orçamento Financeiro - ORCFIN
Organização de Tabelas
Tabelas administrativas - TABADM
Tabelas de apoio - TABAPOIO
Tabelas do cadastro de obrigações - TABOBRIG
Tabelas de receitas orçamentárias - TABRECEITA
Recursos Complementares com Aplicação Específica
Programação orçamentária - PROGORCAM
Convênios - CONVENIOS
Contas a pagar e a receber - CPR
Estados e Municípios - ESTMUN
Alguns consideram que a periodicidade da elaboração e execução
orçamentária baseia-se no calendário civil, porém é o exercício
financeiro que coincidirá com o ano civil, e não a periodicidade da
elaboração do orçamento.
São princípios orçamentários a universalidade, o equilíbrio e a não
afetação das receitas. Unidade, universalidade, anualidade,
exclusividade, legalidade, publicidade, equilíbrio, exatidão, não afetação,
especificação, clareza, uniformidade, programação e orçamento bruto
são alguns princípios orçamentários.
O Anexo de Metas Fiscais integrará o projeto de lei de diretrizes
orçamentárias. O Anexo de Metas Fiscais estabelece as metas anuais,
em valores correntes e constantes, relativas a receitas, despesas,
resultado nominal e primário e montante da Dívida Pública, para o
exercício a que se referirem e para os dois seguintes. Pode-se dizer que
quem estabelece metas anuais, em valores correntes e constantes,
relativas a receitas, despesas, resultado primário e nominal e montante
da Dívida Pública, para o exercício a que se referirem e para os dois
seguintes é a própria LDO, pois o AMF está contido na LDO.
Os créditos adicionais especiais e extraordinários autorizados nos
últimos quatro meses do exercício podem ser reabertos no exercício
seguinte pelos seus saldos, se necessário, e, neste caso, viger até o
término desse exercício financeiro. Por esse motivo, consideramos que
se trata de exceções ao princípio da anualidade."
A classificação institucional tem como critério classificar a despesa
evidenciando as unidades administrativas responsáveis pela execução
da despesa.
Nas Receitas existem as etapas do Planejamento e da Execução,
e estágios da Previsão, Lançamento, Arrecadação e Recolhimento. Nas
despesas existem a etapa do Planejamento e da execução, e estágios
da fixação, empenho, liquidação e pagamento.
No controle orçamentário, deve-se evitar um conservadorismo
exagerado e também o otimismo irracional. Por isso, deve-se
desconsiderar metas extremas. O princípio das expectativas realistas
está relacionado a não considerar metas extremas.
34 Outras Despesas de Pessoal decorrentes de Contratos de
Terceirização: Despesas orçamentárias relativas à mão-de-obra
constantes dos contratos de terceirização, de acordo com o art. 18 ,§1°
da Lei de Responsabilidade Fiscal, computadas para fins de limites da
despesa total com pessoal previstos no art. 19 desta lei.
31 - Premiações Culturais, Artísticas, Científicas, Desportivas
e Outras: Despesas orçamentárias com aquisição de prêmios,
condecorações, medalhas, troféus, etc, bem como com o pagamento de
prêmios em pecúnia, inclusive decorrentes de sorteios lotéricos.
33 Passagens e Despesas com Locomoção: Despesas
orçamentárias realizadas diretamente ou por meio de empresa
contratada, com aquisição de passagens aéreas, terrestres, fluviais ou
marítimas, taxas de embarque, seguros, fretamento, pedágios, locação
ou uso de veículos para transporte de pessoas e suas respectivas
bagagens, inclusive quando decorrentes de mudanças de domicílio no
interesse da administração.
38 Arrendamento Mercantil: Despesas orçamentárias com
contratos de arrendamento mercantil, com opção ou não de compra do
bem de propriedade do arrendador.
Classificação da Despesa por Esfera Orçamentária.
A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade
identificar se a despesa pertence ao Orçamento Fiscal, da Seguridade
Social ou de Investimento das Empresas Estatais, conforme disposto no
§5° do art. 165 da Constituição Federal de 1988. A classificação por
Esfera Orçamentária é muito importante para a Contabilidade Pública e
para qualquer trabalho de auditoria. Excluem-se dos orçamentos fiscal e
da seguridade social as receitas públicas e as despesas das autarquias
de fiscalização das profissões regulamentadas.

Codificação usada na classificação por esfera orçamentária.


Na União, na base de dados do SIOP (Sistema de Planejamento e
Orçamento), o campo destinado à esfera orçamentária é composto de 2
dígitos. Os dois dígitos estão associados à ação orçamentária:
10 Orçamento Fiscal
20 Orçamento da Seguridade Social
30 Orçamento de Investimento
É muito importante saber o que a base de dados do SIOP diz, pois
O Sistema de Planejamento e Orçamento é um norte importantíssimo
para a Contabilidade Pública.
A classificação institucional é obrigatória para todos os entes e
está suportada pelo art. 14 da lei 4.320: Constitui unidade orçamentária
o agrupamento de serviços subordinados ao mesmo órgão ou repartição
a que serão consignadas dotações próprias.
A classificação funcional é obrigatória e padronizada para todos os
entes, e está suportada pela Portaria 42 do MOG de 1999. Ela identifica
a área do gasto. A classificação funcional está sempre relacionada à
área do gasto, a sua abrangência.
A classificação programática é obrigatória para todos os entes e
está suportada pela Portaria MOG de 1999. Porém, conforme
estabelecido no art. 3° da Portaria 42 de 1999, a União, os Estados, o
Distrito Federal e os Municípios estabelecerão, em atos próprios, suas
estruturas de programas, códigos e identificação, respeitados os
conceitos e determinações nela contidos. Desse modo, todos os entes
devem ter seus trabalhos organizados em programas e ações.
O IDOC e o IDUSO são classificações específicas da União.
Eventualmente, os Estados e Municípios podem utilizar mecanismos
similares de controle.
A classificação quanto à natureza é obrigatória e padronizada para
a União, os Estados e os Municípios.
Tanto a classificação por fonte, quanto à classificação por
resultado primário devem ser adotadas pelos Estados e Municípios
ainda que com níveis e códigos diferentes dos que são adotadas pela
União. A classificação quanto ao impacto do Patrimônio Líquido não é
uma classificação oficial.

Classificação por programação de trabalho e classificação


financeira Na União, as seguintes classificações oficiais compõem a
programação de trabalho (qualitativa): esfera orçamentária, institucional,
funcional e programática. Já a programação financeira (quantitativa) é
composta por IDOC (Identificador de Operação de Crédito), IDUSO
(Identificador de uso), fonte, natureza e resultado primário. A
programação de trabalho é chamada qualitativa já a programação
financeira é quantitativa.
Elemento 35 Serviços de Consultoria. O elemento 35 abrange
despesas orçamentárias decorrentes de contratos com pessoas físicas
ou jurídicas, ou assemelhadas. O Elemento 35 é só aquele decorrente
de contrato com pessoa física ou jurídica, sem mais especificações.
Elemento 37 Locação de Mão de Obra. O elemento 37 abrange
Despesas Orçamentárias com prestação de serviços por pessoas
jurídicas para órgãos públicos, tais como limpeza e higiene, vigilância
ostensiva e outros, nos casos em que o contrato especifique o
quantitativo físico do pessoal a ser utilizado.
Elemento 39 Outros serviços de terceiros - pessoa jurídica:
Despesas orçamentárias decorrentes da prestação de serviços por
pessoas jurídicas para órgãos públicos, exceto as relativas aos
Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, tais
como assinaturas de jornais e periódicos, tarifas de energia elétrica, gás,
água e esgoto, serviços de comunicação, fretes e carretos.
Conceito de valor depreciável e custo do ativo. Valor
depreciável é o custo de um ativo, ou outra base que substitua o custo,
menos o seu valor residual. Custo do Ativo é o montante gasto ou valor
necessário para adquirir um ativo na data de sua aquisição ou
construção.
Conceito de depreciação e valor justo. Depreciação é a
redução do valor dos bens tangíveis pelo desgaste ou perda de utilidade
por uso, ação da natureza e obsolescência. Valor Justo é o preço que
seria recebido pela venda de um ativo ou que seria pago pela
transferência de um passivo em uma transação não forçada entre
participantes do mercado na data de mensuração.
Passivo Exigível e empenho. Afirma a lei 4.320 de 1964 que
empenho da despesa é o ato emanado da autoridade competente que
cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de
implemento de condição. Quando a lei 4.320 utiliza a palavra obrigação,
ela está se referindo ao comprometimento de recursos financeiro da
entidade governamental e não a uma obrigação patrimonial. Ela não se
refere à obrigação patrimonial (passivo exigível) pois uma obrigação
patrimonial caracteriza-se por um fato gerador já ocorrido. A lei refere-se
a uma obrigação financeira para fins de cálculo do superávit financeiro,
fonte de abertura de créditos adicionais nos exercícios seguintes, e não
a uma obrigação patrimonial (passivo exigível).
As provisões devem ser reconhecidas somente quando: exista
uma obrigação presente(formalizada ou não), resultante de eventos
passados, seja provável uma saída de recursos e seja possível estimar
o valor da obrigação. Somente quando exista uma obrigação presente,
resultante de eventos passados, quando seja provável uma saída de
recursos que incorporam benefícios econômicos ou potencial de
serviços para a extinção da obrigação e seja possível fazer uma
estimativa confiável do valor da obrigação, requisitos esses cumulativos,
é que se reconhece uma provisão. As provisões devem ser
reconhecidas no passivo, em contas patrimoniais específicas.
Reconhecimento de uma provisão:
Natureza da informação: patrimonial
D 3.9.7 VPD de Constituição de Provisões
C 2.x.7 Provisões (P).
Se existe uma obrigação presente, probabilidade de saída de recursos
provável e possibilidade de estimativa confiável do valor possível, há
uma provisão. Se a obrigação é presente, a possibilidade de saída de
recursos é provável e a possibilidade de estimativa confiável de valor
não é possível, existe um passivo contingente. A provisão é evidenciada
no Balanço Patrimonial e em Notas Explicativas. O Passivo contingente
é evidenciado somente em Notas Explicativas. Nos dois casos, a
obrigação é presente e existe uma provável possibilidade de saída de
recursos, no entanto, na provisão, a possibilidade de estimativa
confiável do valor é possível, já no passivo contingente a possibilidade
de estimativa confiável do valor não é possível.
Nos compromissos reconhecidos após o encerramento do
exercício correspondente, nos restos a pagar com prescrição
interrompida e nas despesas de exercícios encerrados, que não se
tenham processado na época própria e para as quais o orçamento
respectivo consignava crédito próprio, com saldo suficiente para atendê-
las, ocorre uma DEA. A DEA corresponde a elemento de despesa
próprio usado no orçamento corrente para despesas que pertencem ao
exercício anterior: 92 Despesas de Exercícios Anteriores.
O Custo Histórico é geralmente observável, o valor de mercado
(quando o mercado é aberto, ativo e organizado) é observável, o valor
de mercado (em mercado inativo) depende da técnica de atribuição de
valor para ser observável, o custo de reposição ou substituição é
observável, o preço líquido de venda é observável e o valor em uso é
não observável. O único que é obrigatoriamente não observável é o
valor em uso. O valor em uso, o preço líquido de venda e o valor de
mercado (em mercado inativo) são de saída. O custo histórico e o custo
de reposição ou substituição são de entrada. O valor de mercado
(quando o mercado é aberto, ativo e organizado) pode ser de entrada e
saída.
Transação com Contraprestação: é aquela em que a entidade
recebe ativos ou serviços ou tem passivos extintos e entrega valor
aproximadamente igual em troca, prioritariamente sob a forma de
dinheiro, bens, serviços ou uso de ativos.Valor Justo: é o valor pelo qual
um ativo pode ser negociado, ou um passivo liquidado, entre partes
conhecedoras e interessadas na transação.
Juros são encargos decorrentes do uso de caixa ou equivalentes
de caixa ou de valores devidos à entidade.
Provisão: é um passivo de prazo ou valor incerto. O termo
provisão só é utilizado para elementos do passivo, não devendo remeter
a elementos do ativo, como ajuste para perdas de recebíveis, por
exemplo. Provisões são obrigações presentes, derivadas de eventos
passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade
saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou
potencial de serviços, e possuem prazo ou valor incerto. O PCASP
elenca alguns tipos de provisões: Provisões para riscos trabalhistas,
provisões para riscos fiscais, provisões para riscos cíveis, provisões
para repartição de créditos tributários e provisões para riscos
decorrentes de contratos de Parcerias Público-Privadas.
As provisões se distinguem dos demais passivos pois envolvem
incerteza sobre o prazo ou o valor do desembolso futuro. Lembrar
sempre que ou o prazo é incerto ou o valor é incerto. Nos passivos
derivados por apropriações por competência a incerteza quanto ao
prazo ou a incerteza quanto ao valor é muito menor do que nas
Provisões. As provisões são divulgadas separadamente, os passivos
derivados por apropriações por competência são divulgados como
parte do contas a pagar.
A NBC TSP 07 não exige que se reconheça o patrimônio
cultural. Se a entidade optar por reconhecer o patrimônio cultural deve
aplicar as exigências de divulgação desta norma, no entanto, as
exigências de mensuração, quando a entidade optar por reconhecer o
patrimônio cultural, são facultativas. Exemplos de patrimônio cultural são
os monumentos e edificações, sítios arqueológicos, áreas de
conservação, reservas naturais e obras de arte. Obrigações legais e ou
estatutárias podem impor proibições ou severas restrições à sua
alienação por vendas.
O valor anormal de desperdício de materiais, mão -de -obra ou
outros insumos de produção, as despesas de armazenamento, as
despesas administrativas e as despesas de comercialização não
entram no custo dos estoques.
A Contabilidade utiliza conta redutora de receita orçamentária para
evidenciar o fluxo de recursos da receita orçamentária bruta até a
líquida, em função de suas operações econômicas e sociais. Por
exemplo, o valor total da arrecadação na rubrica 6.2.1 Receita
Realizada. Após a contabilização em 6.2.1 Receita Realizada, a
devolução ou transferência de recursos arrecadados pertencentes a
terceiros deve ser registrada em 6.2.1 (-) Deduções da Receita
Orçamentária. A dedução da receita orçamentária é utilizada para
recursos que o ente tenha competência de arrecadar, mas que
pertencem a outro ente, pois são transferências constitucionais ou
legais; restituição de tributos recebidos a maior ou indevidamente ou
ainda renúncia de receita orçamentária.
As mensurações a valor corrente são: valor de mercado(em
mercado aberto, ativo e organizado), valor de mercado em mercado
inativo, custo de reposição ou substituição, preço líquido de venda e
valor em uso. Assim, são 6 as bases de mensuração do ativo, sendo
que somente o custo histórico não é mensurado a valor corrente.
O Suprimento de fundos é um adiantamento a um servidor para
futura prestação de contas.
No momento do empenho do suprimento de fundos:
Natureza da informação: Orçamentária
D 6.2.2 Crédito Disponível
C 6.2.2 Crédito empenhado a liquidar
Natureza da informação: de Controle
D 8.2.1 Disponibilidade por Destinação de Recursos DDR
C 8.2.1 DDR Comprometida por Empenho
No momento da liquidação e reconhecimento do direito:
Natureza da informação: Patrimonial
D 1.1 Adiantamentos Concedidos a Pessoal e a Terceiros (P)
C 2.1. Outras Obrigações de Curto Prazo - Suprimento de
Fundos(F)
Natureza da informação: orçamentária
D 6.2.2 Crédito Empenhado a Liquidar
C 6.2.2 Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
Natureza da informação: controle
D 8.2.1 DDR Comprometida por Empenho
C 8.2.1 DDR Comprometida por Liquidação e Entradas
Compensatórias
No momento da liquidação e reconhecimento do direito, no
suprimento de fundos, as contas envolvidas são 1.1 Adiantamentos
Concedidos a Pessoal e a Terceiros (P) , 2.1 Outras Obrigações de
Curto Prazo- Suprimento de Fundos (F), Crédito empenhado a Liquidar
e 6.2.2 Crédito Empenhado Liquidado a Pagar
No momento do pagamento ao suprido:
Natureza da informação: Patrimonial
D 2.1 Outras Obrigações de Curto Prazo-Suprimento de Fundos(F)
C 1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional (F)
Natureza da informação: orçamentária
D 6.2.2 Crédito empenhado liquidado a pagar
C 6.2.2 Crédito empenhado Pago
Relevância. Para ser relevante, a informação tem que ter
influência significativa. Ter influência significativa é ter valor
confirmatório, preditivo ou ambos. Ter valor confirmatório é confirmar
ou alterar expectativas passadas. Ter valor preditivo é ser voltado para o
futuro. As funções confirmatórias e preditivas são inter
relacionadasinterrelacionadas e são necessárias para a Relevância.
Empenho Estimativo: para despesas cujo montante não se pode
determinar previamente, como serviços de água e energia elétrica,
aquisição de combustíveis e lubrificantes e outros. Os compromissos
decorrentes de aluguéis são despesas contratuais e sujeitas a
parcelamento, portanto, para os compromissos decorrentes de aluguéis
será utilizado o empenho global.
Lei 4.320, art. 12 § 5: Classificam-se como Inversões Financeiras
as dotações destinadas a: I - aquisição de imóveis ou de bens de capital
já em utilização. Porém, se a aquisição for de bens novos será uma
despesa de investimento.
Ativos são recursos controlados pela entidade como resultado de
eventos passados e do qual se espera que resultem para a entidade
benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços.
Os bens dominicais ou do patrimônio disponível são aqueles que,
apesar de constituírem o patrimônio público, não possuem uma
destinação pública determinada ou um fim administrativo específico.
Exemplos de bens dominicais são os prédios desativados.
IPSASB FACULTATIVIDADE: As normas internacionais de
contabilidade, editadas pelo IPSASB (International Public Sector
Accounting Standards Board) são de aplicação facultativa e têm
caráter residual.
SUPRIMENTO DE FUNDOS DESPESA ORÇAMENTÁRIA: O
Suprimento de fundos é uma despesa orçamentária e, por ser despesa,
deve percorrer os três estágios da despesa orçamentária: empenho,
liquidação e pagamento. Apesar de ser despesa orçamentária, ela não é
uma despesa patrimonial. No momento da concessão o suprimento de
fundos é tão somente uma despesa orçamentária, já que não ocorre
redução do patrimônio líquido. Na liquidação da despesa orçamentária
de suprimento de fundos ocorre o registro de um passivo e a
incorporação de um ativo.
A depreciação inicia-se no mês seguinte à colocação do bem em
condições de uso, não existindo depreciação em fração menor que um
mês. A taxa de depreciação pode ser ajustada pro-rata em relação a
quantidade de dias corridos a partir da data que o bem se tornou
disponível para uso.
No momento do empenho da despesa:
Natureza da informação orçamentária:
D 6.2.2 Crédito Disponível
C 6.2.2 Crédito empenhado a liquidar
Natureza da informação: controle
D 8.2.1 Disponibilidade por Destinação de Recursos (DDR)
C 8.2.1 DDR Comprometida por Empenho
No momento da liquidação e reconhecimento do direito há a
incorporação de um ativo, 1.1 Adiantamentos Concedidos a Pessoal e a
Terceiros (P) e o registro de um passivo: 2.1 Outras Obrigações de
Curto Prazo - Suprimento de Fundos (F). O ativo 1.1 Adiantamento
Concedido a Pessoal e a terceiros pode ser um bem ou serviço, objeto
de gasto a ser efetuado pelo suprido, ou a devolução do numerário
adiantado.
No momento do pagamento do suprido sai dinheiro do caixa (1.1
Caixa e equivalente de Caixa em Moeda Nacional), para quitar a
obrigação presente em 2.1 Outras obrigações de Curto Prazo -
Suprimento de Fundos (F).
ATIVO FINANCEIRO, ATIVO PERMANENTE E ATIVO REAL:O
Ativo Financeiro mais o Ativo Permanente corresponde ao Ativo Real. O
Passivo Financeiro mais o Passivo Permanente é igual ao Passivo Real.
O Saldo Patrimonial é igual ao Ativo Real menos o Passivo Real.
Os custos indiretos de produção fixos são aqueles que
permanecem relativamente constantes, como depreciação e
manutenção de edifícios e instalações fabris. Os custos indiretos de
produção fixos estão presentes na manutenção de máquinas e
equipamentos e na manutenção de edifícios e instalações. Também são
custos indiretos de produção fixos os custos de administração de
fábricas.
Outros custos que não sejam de aquisição e nem de
transformação devem ser incluídos somente à medida em que forem
incorridos para colocar os estoques no seu local e nas condições atuais.
O valor anormal de desperdício de materiais, mão de obra ou
outros insumos de produção não são incluídos nos custos dos estoques
e são reconhecidos como despesas. Os gastos de armazenamento não
são incluídos nos custos dos estoques e são reconhecidos como
despesas. Porém, se os gastos de armazenamento forem necessários
ao processo produtivo eles serão incluídos como custo de estoque. As
despesas administrativas que não contribuem para trazer os estoques
ao seu local e condições atuais e as despesas de comercialização não
são incluídas nos custos dos estoques.
Os custos de transformação são incorridos principalmente no
ambiente de produção. Os custos de transformação de estoques
incluem custos diretamente relacionados com as unidades produzidas,
como a mão de obra direta. Já o custo de aquisição de estoques
compreende o preço de compra, os impostos de importação e outros
tributos, exceto os tributos recuperáveis pelo fisco. Os tributos não
recuperáveis fazem parte do custo de aquisição. Os custos de
transporte, os custos de seguros, os custos de manuseio e custos
diretamente atribuíveis. Descontos comerciais e abatimentos não entram
no custo de aquisição.
O valor realizável líquido refere-se à quantia líquida que a entidade
espera realizar com a venda do estoque no curso normal das
operações. O valor realizável líquido é específico para a entidade, já o
valor justo, que é a quantia pela qual o estoque poderia ser trocado
entre compradores e vendedores bem informados, não é específico para
a entidade.
O alcance da NBC TSP 04 (estoques) não envolve a produção
em andamento proveniente de contratos de construção, incluindo
contratos de serviços relacionados ao de construção. A NBC TSP 04
também não se aplica a instrumentos financeiros, nem a ativos
biológicos.
Bases de mensuração do ativo. Custo histórico, valor de
mercado (quando o mercado é aberto, ativo e organizado), valor de
mercado (em mercado inativo), custo de reposição ou substituição,
preço líquido de venda e valor em uso. Todos são específicos para a
entidade, porém, o valor de mercado (quando o mercado é aberto, ativo
e organizado) e o valor de mercado (em mercado inativo) não são
específicos para a entidade. O Valor de mercado, quando o mercado é
aberto, ativo e organizado não é específico para a entidade. Já o valor
de mercado em mercado inativo, para ser específico, depende da
técnica de atribuição de valor. O Custo de reposição ou substituição,
que é o custo mais econômico exigido para a entidade substituir o
potencial de serviços de ativo na data do relatório é de entrada, o custo
histórico também. O preço líquido de venda e o valor em uso são de
saída.
Mensuração e avaliação de bens e direitos. Os bens de
almoxarifado são avaliados pelo preço médio ponderado das compras.
Os débitos e créditos são avaliados pelo seu valor nominal. Os bens
móveis são avaliados pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção. Os bens imóveis são avaliados pelo valor de aquisição ou
pelo custo de construção.

O valor reconhecido como provisão deve corresponder à melhor


estimativa de desembolso necessária para liquidar a obrigação
presente. Em contabilidade pública o termo provisão é só para o
passivo.
Os estoques podem ser usados na forma de materiais ou
suprimentos a serem usados no processo de produção. Podem ser
usados na forma de materiais ou suprimentos a serem usados ou
distribuídos na prestação de serviços. Podem ser itens mantidos para
venda, como imóveis, terrenos ou mercadorias. Podem ser mantidos
para distribuição no curso normal das operações ou no processo de
produção.
Os estoques devem ser mensurados pelo valor de custo histórico
ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor, em regra. Os
estoques adquiridos por meio de transação sem contraprestação não
são mensurados pelo valor do custo histórico ou pelo valor realizável
líquido, dos dois o menor. Os estoques adquiridos por meio de
transação sem contraprestação devem ser mensurados pelo seu valor
justo na data da aquisição. Os bens de almoxarifado devem ser
mensurados pelo preço médio ponderado das compras, e não seguem a
regra geral do valor de custo histórico ou valor realizável líquido dos dois
o menor.
Custo Histórico: é a importância do caixa ou equivalente caixa
incorrida quando de sua aquisição ou desenvolvimento. O Custo
Histórico não sofre atualização monetária e está sujeito à depreciação.
Ele não sofre atualização. A atualização monetária não, mas a
depreciação sim. O Custo Histórico não serve para medir os serviços, é
o elo entre as transações e o valor inicial. Quando do consumo do ativo,
os valores podem estar defasados.
Custo Histórico: valor do ativo na data da sua aquisição ou na data
de sua produção ou construção.
A Segunda Base de Mensuração do ativo é o Valor de Mercado,
que é o valor do ativo entre partes interessadas na sua aquisição.
A terceira base de mensuração é o custo de reposição: o valor que
seria desembolsado para substituir o ativo com o mesmo potencial do
ativo atual. É o valor para adquirir ativo similar com intuito de manter o
potencial de serviços.
A quarta base de mensuração é o preço líquido de venda. É o
valor obtido com alienação do ativo, deduzindo os custos de venda.
A quinta base de mensuração é o valor de uso, que é o retorno
que aquele bem irá me dar caso opte por continuar utilizando ele.
O objetivo da mensuração é selecionar as bases que reflitam, da
melhor forma, o custo do serviço, a capacidade operacional e a
capacidade financeira. Só se mensura ativo e passivo. A finalidade é o
accountabilityaccountabillity e a tomada de decisão.
Custo Histórico para o passivo é a importância recebida para se
assumir uma obrigação, a qual corresponde ao caixa ou equivalentes de
caixa, ou ao valor de outra importância recebida, à época na qual a
entidade incorreu no passivo. O Custo histórico para o passivo é de
entrada, geralmente observável e específica para a entidade.
Custo Histórico (modelo de custo/mensuração baseada em
custos). O Custo histórico de um ativo é a importância fornecida para se
adquirir ou desenvolver um ativo, o qual corresponde ao caixa ou
equivalentes de caixa ou o valor de outra importância fornecida à época
de sua aquisição ou desenvolvimento. O Custo histórico é de entrada,
geralmente observável e específico à entidade.
Valor em uso para o ativo: é o valor presente, para a entidade, do
potencial de serviços ou da capacidade de gerar benefícios econômicos
remanescentes do ativo, caso este continue a ser utilizado, e do valor
líquido que a entidade receberá pela sua alienação ao final de sua vida
útil.
O Custo de cumprimento da obrigação, para o passivo,
corresponde aos custos nas quais a entidade incorre no cumprimento
das obrigações representadas no passivo, assumindo o que faz de
maneira menos onerosa. O custo de cumprimento de obrigação é de
entrada, não observável e específica para a entidade.
O Custo de reposição ou substituição é o custo mais econômico
exigido para a entidade substituir o potencial de serviços de ativo na
data do relatório.
Preço Líquido de venda é o montante que a entidade pode obter
com a venda do ativo após deduzir os gastos para venda. O Preço
líquido de venda é de saída, é observável e específica para a entidade.
O Custo de reposição ou substituição é o custo mais econômico
exigido para a entidade substituir.
O valor de mercado para ativos é o montante pelo qual um ativo
pode ser trocado entre partes cientes e dispostas, em transações sob
condições normais de mercado.
Custo Histórico: é de entrada, geralmente observável e específica
para a entidade.
Custo de Reposição ou substituição: de entrada, observável e
específica para a entidade.
No tocante às bases de mensuração dos passivos, o custo de
cumprimento da obrigação e o preço presumido têm em comum o fato
de serem valores de entrada e específica para a entidade. A diferença é
que o preço presumido é observável e o custo de cumprimento de
obrigação não é.
NBC T 16.9 Depreciação, amortização e exaustão. A
depreciação e a amortização não cessam quando o ativo torna-se
obsoleto ou é retirado temporariamente de operação.
Fonte: NBC T 16.9 - Depreciação, Amortização e Exaustão
Dívida Pública Contratual:Dívida do Governo Federal baseada em
contratos de empréstimo ou financiamentos com organismos
multilaterais, agências governamentais ou credores privados. A Dívida
Contratual pode ser externa e interna, em moeda nacional e estrangeira.
Dívida Pública Mobiliária.É a dívida pública representada por títulos
públicos emitidos pelo Tesouro Nacional
A DRE não é utilizada no setor público como demonstrativo,
todavia tem a função de RCPG e compreende a divulgação do sistema
de custo e do setor público. A DRE tem função de RCPG, subsidiando
ao gestor sobre a continuidade ou não dos serviços adotados. Para isso,
utilizada do seguinte cálculo: Resultado econômico = Receita
econômica - custos.
Diferença entre obrigação provável e possível. O termo
“contingente” é utilizado para passivos não reconhecidos nas
Demonstrações Financeiras das empresas, em virtude de sua existência
depender de um ou mais eventos futuros incertos l, que não estejam
totalmente sob controle da companhia.Diferem das provisões, porque
estas devem ser contabilizadas e influenciam, portanto, o resultado
obtido pela companhia no correspondente exercício financeiro. Para o
reconhecimento de uma provisão, devem ser satisfeitas as seguintes
condições:
i) existência de uma obrigação presente, como resultado de um evento
passado;
ii) seja provável que exista uma saída de recursos para liquidar a
obrigação;
iii) possa ser feita uma estimativa confiável do valor da obrigação.Já os
passivos contingentes caracterizam-se como uma saída de recursos
possível, mas não provável, devendo, portanto, estar explicitados nas
notas explicativas, que são parte integrante das Demonstrações
Financeiras. Quando a possibilidade de saída de recursos for remota, a
divulgação não é necessária.
Nenhum ativo intangível resultante de pesquisa (ou da fase de
pesquisa de projeto interno) deve ser reconhecido. Os gastos com
pesquisa (ou da fase de pesquisa de projeto interno) devem ser
reconhecidos como despesa quando incorridos.
Ao efetuar o pagamento de um Restos a Pagar, o ente público
está convertendo uma receita extraorçamentária em uma despesa
extraorçamentária. Inicialmente, a despesa é orçamentária, fixada na
LOA. Se uma despesa orçamentária fixada na LOA vier a ser inscrita em
Restos a Pagar, ela entrará como receita extraorçamentária para
compensar sua inclusão na despesa orçamentária. Na inscrição será
receita extra orçamentária e despesa orçamentária, já no pagamento
será despesa extraorçamentária.
Os Direitos, os títulos de
crédito e as obrigações pré fixadas são ajustadas a valor presente.Os
direitos, os títulos de crédito e as obrigações pós-fixadas são ajustadas
considerando-se todos os encargos incorridos até a data de
encerramento das demonstrações contábeis.
Demonstração das variações patrimoniais.Este Demonstrativo tem
função semelhante à Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)
do setor privado. Contudo, é importante ressaltar que a DRE apura o
resultado em termos de lucro ou prejuízo líquido, como um dos
principais indicadores de desempenho da entidade. Já no setor público,
o resultado patrimonial não é um indicador de desempenho, mas um
medidor do quanto o serviço público ofertado promoveu alterações
quantitativas dos elementos patrimoniais.
A utilização do 5 ૦ nível (Subtítulo), das classes 1,2,3 e 4 do PCASP
(contas de natureza patrimonial) foi feita para segregar valores das transações
que serão incluídas ou excluídas na consolidação. Criou-se um Subtítulo, e não
uma classe, para consolidar as contas públicas, segregando os valores que serão
incluídos ou não na transação.
A concessão de garantias por um ente público deve gerar somente
lançamentos em contas com natureza de controle, porque ainda não há
impacto patrimonial, tampouco execução orçamentária.
os registros contábeis referentes à contabilização de garantias e
contragarantias, serão realizados em contas de controle de atos
potenciais.

Lançamentos:

Prestação da garantia

Natureza do registro: controle

D 7.1.2.1.x.xx.xx Garantias e Contragarantias Concedidas

C 8.1.2.1.x.xx.xx Execução de Garantias e Contragarantias Concedidas


– PPP a Executar

Execução da garantia

Natureza do registro: controle

D 8.1.2.1.x.xx.xx Execução de Garantias e Contragarantias Concedidas


– PPP a Executar

C 8.1.2.1.x.xx.xx Execução de Garantias e Contragarantias Concedidas


– PPP Executadas

Contratos no Decreto 93.872, de 1986 (Dispõe sobre a unificação dos


recursos de caixa do Tesouro Nacional, atualiza e consolida a legislação
pertinente e dá outras providências).
Art . 27. As despesas relativas a contratos, convênios, acordos ou
ajustes de vigência plurianual, serão empenhadas em cada exercício
financeiro, pela parte nele a ser executada.

Originária – patrimônio das entidades do setor público na condição de


pessoas jurídicas;
Descentralizada – parcela do patrimônio de Unidade Contábil
Originária;
Unificada – soma do patrimônio de duas ou mais unidades contábeis
descentralizadas;
Consolidada – soma patrimônio de duas ou mais unidades contábeis
Originárias.
A situação patrimonial líquida é a diferença entre os ativos e os
passivos após a inclusão de outros recursos e a dedução de outras
obrigações, reconhecida no Balanço Patrimonial como patrimônio
líquido. A situação patrimonial líquida pode ser um montante positivo ou
negativo.
Integram o patrimônio líquido: patrimônio ou capital social,
reservas de capital,ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros,
demais reservas, ações em tesouraria, resultados acumulados e outros
desdobramentos.
Resultado patrimonial do período. No patrimônio líquido, deve ser
evidenciado o resultado do período segregado dos resultados
acumulados de períodos anteriores. O resultado patrimonial do período
é a diferença entre as variações patrimoniais aumentativas e
diminutivas, apurada na Demonstração das Variações Patrimoniais, que
evidencia o desempenho das entidades do setor público. As variações
patrimoniais são discutidas no Capítulo 2 desta Parte II do Manual.
CUSTO HISTÓRICO: Custo histórico é o valor para se adquirir ou
desenvolver um ativo, o qual corresponde ao caixa ou equivalente de
caixa ou o valor de outra importância fornecida à época de sua
aquisição ou desenvolvimento.
" Segundo o CPC 03, as atividades de investimento são as referentes
aquisição e venda de ativos de longo prazo e de outros investimentos
não incluídos nos equivalentes de caixa. Veja que tanto os ativos
imobilizados como as participações não societárias se enquadram nesta
definição, pois são ativos de longo prazo"
Classificação por fontes ou por destinação de recursos. é a
individualização dos recursos de modo a evidenciar a sua aplicação
segundo determinação legal. A classificação por fontes ou por
destinação de recursos é uma classificação da receita e da despesa. é
por meio da classificação por fontes (ou destinação de recursos) que se
cumpre a máxima da LRF que os recursos legalmente vinculados a
finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender o
objeto de sua vinculação, ainda em exercício diverso do que ocorreu o
ingresso.
O Balanço Patrimonial é composto por:
a. Quadro Principal;
b. Quadro dos Ativos e Passivos Financeiros e Permanentes
c. Quadro das Contas de Compensação (Controle)
d. Quadro do Superávit/Déficit Financeiro
O Suprimento de fundos é uma despesa orçamentária e percorre
os estágios de empenho, liquidação e pagamento. Porém, no momento
da concessão é uma despesa orçamentária, já que no momento da
concessão não ocorre redução do patrimônio líquido, não sendo
despesa pelo enfoque patrimonial, justamente porque na concessão o
Patrimônio líquido não é alterado.Quando há uma concessão de
suprimento de fundos, a despesa orçamentária é empenhada, liquidada
e paga no ato da concessão e só com a prestação de contas do
suprido é que há o efetivo registro da variação patrimonial
diminutiva.
Valor de mercado é o montante pelo qual um ativo pode ser
trocado entre partes cientes e dispostas, em transações sob condições
normais de mercado.
A entrada dos dados necessários à execução orçamentária,
financeira e contábil é efetuada através dos seguintes documentos: Nota
de Dotação, Nota de Movimento de Crédito, Nota de Empenho, Pré-
Empenho, Nota de Apropriação Físico - Financeira, Nota de Lançamento
por evento, Nota de Lançamento de Sistema, Nota de Promoção
financeira, Ordem Bancária, Guia de Recolhimento da União, DARF
eletrônico, GPS eletrônica.
A Nota de dotação diz respeito à transferências de créditos
orçamentários às unidades orçamentárias e não de recursos
financeiros.
Custo de reposição ou substituição: Custo mais econômico exigido para
a entidade substituir o potencial de serviços de ativo (inclusive o
montante que a entidade recebe a partir de sua alienação ao final da
sua vida útil) na data do relatório.
A Nota de empenho - NE permite registrar o comprometimento de
despesa, bem como os casos em que se faça necessário o reforço ou
anulação desse compromisso.
A Nota de lançamento por evento NL permite registrar eventos
contábeis não vinculados a documentos específicos.
A Nota de lançamento de Sistema NS permite registrar eventos
contábeis de forma automática.
NOTA DE DOTAÇÃO ND - Permite registrar valores decorrentes de
desdobramento, por Plano Interno e/ou por Fonte de Recursos (quando
detalhada), dos créditos previstos no OGU, bem como a inclusão dos
créditos nele não consignados.
Quadro Principal do Balanço Orçamentário:Classe 5 (Orçamento
Aprovado), Grupo 2 (Previsão da Receita e Fixação da Despesa),Classe
6 (Execução do Orçamento), Grupo 2 (Realização da Receita e
Execução da Despesa). Para atingir a excelência no índice de
Convergência e Consistência dos Municípios de Pernambuco (ICCPE),
o Município deve elaborar o Quadro Principal do Balanço Orçamentário,
utilizando a Classe 5 (Orçamento Aprovado) e Classe 6 (Execução do
Orçamento). Na verdade o Controle da Aprovação do planejamento e
Orçamento (CAPO) divide-se em 5.1 Planejamento aprovado, 5.2
Orçamento Aprovado e 5.3 Inscrição em Restos a Pagar. No Quadro
principal do Balanço Orçamentário entra todo o 5.2 Orçamento
Aprovado.
A previsão da Receita envolve só um lançamento:
Subsistema orçamentário
D 5.2.1 Previsão Incial
C 6.2.1 Receita a Realizar
Enquanto a previsão da Receita envolve um só lançamento, a
arrecadação envolve três lançamentos:

natureza orçamentária natureza patrimonial natureza de controle


D 1.1 Caixa D 8.2.1 DDR a
C 4.1 Impostos, taxas eutilizar
D 6.2.1 Receita a C 8.2.1 DDR
contribuições de melhoria
Realizar comprometida
As contas mais utilizadas do subsistema de controle são: por
C 6.2.1 Receita empenho
8.2
Realizada DDR a utilizar
8.2 DDR comprometida por empenho
8.2 DDR comprometida por liquidação e
entradas compensatórias
8.2 DDR utilizada

O ciclo da Dívida Ativa, no órgão de origem, envolve as contas 1.1


Crédito Fiscal- P e as contas 4. VPA e 3.5 transferências concedidas.
No registro ocorre uma variação patrimonial aumentativa, aumentando,
o crédito fiscal-P. Por isso credita-se em 4. VPA e debita-se 1.1 Crédito
Fiscal -P. Na inscrição da Dívida Ativa o saldo registrado como crédito
fiscal será transferido para o órgão responsável pela inscrição. Na
inscrição feita no órgão de origem credita-se 1.1 Crédito Fiscal-P e
debita-se uma VPD, no órgão de origem(3.5) transferências concedidas.
Programa temático é aquele que expressa e orienta a ação
governamental para a entrega de bens e serviços à sociedade. É
composto por objetivos, indicadores, valor global e valor de referência.
Tanto as atividades como os projetos são instrumentos de
programação utilizados para alcançar o objetivo de um programa. A
atividade envolve um conjunto de operações contínuas e permanentes.
Os projetos envolvem um conjunto de operações limitados no tempo. A
atividade resulta num produto ou serviço necessário à manutenção da
ação do governo. Os projetos resultam em produtos que concorrem para
a expansão ou aperfeiçoamento da ação do governo. As atividades
podem originar produtos ou serviços. Os projetos só originam produtos.
Na anulação de dotação ou na utilização da reserva de
contingência o valor global da LOA permanece o mesmo. Na operação
de crédito o valor global da LOA aumenta. No excesso de arrecadação o
valor da LOA aumenta. Apesar de na operação de crédito e no excesso
de arrecadação o valor da LOA aumentar, isso não gera desequilíbrio
durante a execução orçamentária. No Superávit Financeiro o valor
global da LOA aumenta, item. Assim, somente na anulação de dotação
ou utilização da reserva de contingência o valor global da LOA
permanece o mesmo.
Na classificação simplificada das receitas quanto ao resultado no
impacto primário, somente as operações de crédito e as amortizações
de empréstimo são financeiras.
Serão inscritas em restos a pagar processados aquelas despesas
em que a obra ou o material contratado tenha sido prestado, entregue e
aceito pelo contratante. Os Restos a Pagar Processados não podem ser
cancelados. Já os Restos a Pagar não Processados são aqueles em
que o serviço ou material contratado tenha sido prestado ou entregue,
mas se encontra, em 31 de dezembro de cada exercício financeiro, em
fase de verificação do direito adquirido pelo credor (despesa em
liquidação). Ou então, aquelas em que o prazo para cumprimento da
obrigação assumida pelo credor está vigente.
Caixa: é item do Ativo Circulante e Ativo Financeiro.
Equivalente Caixa: é item do ativo circulante e do ativo financeiro.
Dívida Ativa de Curto Prazo: até 12 meses da data das demonstrações
contábeis: ativo circulante e ativo permanente
Estoques: item do ativo Circulante e do Ativo Permanente
Veículos/ Imóveis/ Dívida Ativa de Longo Prazo: Ativo não Circulante e
Ativo Permanente
Restos a Pagar não Processados: não são nem do passivo circulante e
nem do passivo não circulante.
Pelo critério da autorização orçamentária/legislativa são do passivo
financeiro.
Depósitos/ Cauções/ Consignações/ Retenções: Passivo Circulante e
Passivo Financeiro.
Antecipação de Receita Orçamentária/ Débitos de Tesouraria: Passivo
Circulante e Passivo Financeiro
Empréstimos/juros/obrigações a pagar de curto prazo pendentes de
empenho: passivo circulante e passivo permanente.Empréstimos, juros,
obrigações a pagar de longo prazo pendentes de empenho: passivo não
circulante e passivo permanente.
A anulação de dotação serve para créditos suplementares. A
anulação de dotação não altera o valor total da LOA. Quando se abre
crédito adicional por operação de crédito a LOA é alterada.
Custeio Direto, no Setor Público, é o custeio que aloca todos os
custos, fixos e variáveis, diretamente a todos os objetos de custo sem
qualquer tipo de rateio ou apropriação. (NBC T 16.11)
Objeto de custo é a unidade que se deseja mensurar e avaliar os
custos. Os principais objetos de custo são identificados a partir de
informações do Subsistema patrimonial e orçamentário.
Gasto é o dispêndio de um ativo ou criação de um passivo para
obtenção de um produto ou serviço.
Desembolso é o pagamento resultante da aquisição de um bem ou
serviço.
Custo direto é todo custo que é identificado ou associado
diretamente ao objeto de custo.
Sobre aplicação: é a variação positiva apurada entre os custos e
metas estimados e executados.
Sub aplicação: é a variação negativa entre os custos e metas
estimados e os executados.
Custeio Direto: é o custeio que aloca todos os custos - fixos e
variáveis- diretamente a todos os objetos de custo sem qualquer tipo de
rateio ou apropriação.
A baixa do direito a receber é feita no momento da arrecadação e
não no momento do lançamento da receita. (art. 35 da lei 4.320 de
1964)
O Planejamento do processo de elaboração é a primeira etapa e
possui como responsável principal a SOF. A Definição de
Macrodiretrizes é a segunda etapa e possui como responsáveis a SOF,
os órgãos setoriais, a ME e a Casa Civil da Presidência da República. A
terceira etapa é a revisão da estrutura programática e possui como
responsáveis a SOF, o SEST, os órgãos Setoriais e as UOs. A quarta
etapa é a elaboração de pré-proposta, conduzida pela SOF, pelo ME,
pelos órgãos Setoriais e pelas UOs. A quinta etapa é a avaliação da
NFGC para a proposta Orçamentária, envolvendo SOF, órgãos setoriais
e casa civil da presidência da república. A sexta etapa é a de estudo,
definição e divulgação de limites para a proposta setorial, envolvendo a
SOF, ME e Casa Civil da Presidência da República. A sétima etapa é a
captação da proposta setorial, envolvendo UOs e órgãos setoriais. A
oitava etapa é a de análise e ajuste da proposta setorial, envolvendo a
SOF. A nona etapa é a de fechamento, compatibilização e consolidação
da proposta orçamentária, envolvendo SOF, ME e casa Civil da
Presidência da República.
No caso dos imóveis, somente a parcela correspondente à
construção deve ser depreciada, e não os terrenos. A taxa de
depreciação do mês pode ser ajustada pro-rata em relação a quantidade
de dias corridos a partir da data em que o bem se tornou disponível para
uso. A depreciação inicia-se no mês seguinte à colocação do bem em
condições de uso, não havendo para os bens da entidade, depreciação
menor que um mês. O cálculo do valor depreciado deve ser identificado
individualmente, item a item, em virtude da possibilidade de haver bens
similares com taxas de depreciação diferentes e bens totalmente
depreciados.
O critério da segregação de ativo e passivo pelo critério da
conversibilidade e exigibilidade não é o mesmo adotado pela lei 4.320
de 1964, que considera o critério de autorização orçamentária e
legislativa.
Métodos para Registrar a Dívida Ativa: O procedimento 1 utiliza
contas de controle. O procedimento 1 requer uma maior integração entre
as diversas etapas e unidades. O procedimento 2 não utiliza as contas
de controle e deve ser utilizado quando houver dificuldade de
integração. No órgão de origem ocorre primeiramente o crédito fiscal e
depois a inscrição da Dívida Ativa. Tanto o registro do crédito fiscal
como a inscrição da Dívida Ativa utilizam o subsistema patrimonial.
Ciclo da Dívida Ativa no órgão de origem:
1° Registro do Crédito
2°Inscrição da Dívida Ativa
Fiscsal
D- 3.5 Transferências concedidas
Natureza Patrimonial
C- 1.1 Crédito fiscal - P
Débito 1.1 Crédito Fiscal
-P
Crédito 4. VPA - Variação
Operações de crédito. Num primeiro momento elas aumentam o
ativo financeiro e o passivo permanente simultaneamente. Em uma
segunda fase ocorre uma VPD e os juros são capitalizados com o
atributo “P”.
A classificação da receita quanto ao tipo corresponde ao 5° nível
da classificação quanto a natureza. Será “0" quando se tratar de
natureza de receita não valorizável ou agregadora; será “1” quando se
tratar de arrecadação principal da receita;”2” quando se tratar de multa e
juros de mora da receita; ”3” quando se tratar da Dívida Ativa da
respectiva receita.
Nem todo item do ativo circulante se classifica como ativo
financeiro. Por exemplo, os estoques e a dívida ativa de curto prazo, são
do ativo circulante, mas fazem parte do ativo permanente. Nem todo
item do passivo circulante se classifica no passivo financeiro, pois os
empréstimos, juros e obrigações a pagar de curto prazo pendente de
empenho são do passivo circulante e do passivo permanente.
Os créditos classificáveis na dívida ativa devem ser registrados no
ativo de longo prazo até o seu recebimento ou cancelamento. Os
créditos referentes à dívida ativa devem inicialmente ser registrados
como dívida ativa do ativo não circulante. Caso o ente tenha condições
de estimar com razoável certeza o montante de créditos inscritos em
dívida ativa com expectativa de até 12 meses da data das
demonstrações contábeis, esta parcela poderá ser reclassificada no
ativo circulante.
Segundo o MCASP, o recebimento da dívida ativa provoca registro
nas seguintes contas patrimoniais:
D 1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional
C 1 Créditos a Receber
A inscrição do crédito em dívida ativa configura um fato
permutativo, não alterando o patrimônio líquido. No órgão de origem é
baixado o crédito a receber contra uma VPD e no órgão competente
para inscrição é reconhecido um crédito de dívida ativa contra uma VPA.
O recebimento de parcelas de dívida ativa é feito com alteração das
contas patrimoniais e sem alteração do Patrimônio líquido.
As receitas de contribuições e as receitas de empréstimos
compulsórios são reconhecidas como Dívida Ativa não Tributária.
A receita de dívida ativa, desde 2016, acompanha a origem.
Admite-se a receita de dívida ativa em quaisquer das oito origens da
receita corrente ou das cinco origens da receita de capital.
Os estoques, pelo critério da conversibilidade e da exigibilidade,
são do ativo circulante. Porém, são do ativo permanente pelo critério da
autorização orçamentária e legislativa.
Os Restos a pagar processados e os restos a pagar não
processados enquadram-se, pelo critério da autorização orçamentária
ou legislativa, no Passivo Financeiro. Os empréstimos, juros, obrigações
a pagar de curto prazo pendentes de empenho, são itens do passivo
circulante e do passivo permanente.
A dívida ativa de curto prazo, com exigibilidade de até 12 meses
da data das demonstrações contábeis, ao invés de estar no ativo
financeiro, está no ativo permanente. Tanto a Dívida Ativa de longo
prazo quanto a de curto prazo estão no ativo permanente.
A Dívida Ativa é considerada receita orçamentária no exercício em
que for recebida. Na inscrição, a Dívida Ativa é uma receita extra-
orçamentária. A inscrição da Dívida Ativa como extra-orçamentária
ocorre no subsistema patrimonial. No recebimento ela é reconhecida
como receita orçamentária (receita corrente não-efetiva). A Dívida Ativa
corresponde a tributos, multas e créditos lançados, mas não
arrecadados. É uma fonte potencial de fluxo de caixa. Dívida Ativa é
diferente de Dívida Passiva. Os foros, laudêmios, alugueis e taxas de
ocupação são Dívida Ativa não Tributária. O crédito inadimplente deve
ser derivado de um crédito anterior que, pelo transcurso do prazo
esperado de recebimento, ficou em atraso. O recebimento de parcelas
de dívida ativa é feito com alteração nas contas patrimoniais.
A inscrição da dívida ativa é um fato de natureza
extraorçamentária e provoca um aumento no PL, sob o enfoque
patrimonial.
As DEAs são despesas orçamentárias do exercício em que o
direito do credor é reconhecido. Nas DEAs ainda deve subsistir o direito
do credor. Podem ser restos a pagar com prescrição interrompida,
despesas não processadas na época própria ou compromissos
assumidos após o encerramento do exercício.
Uma das características da DEA é que elas são pagas de acordo
com os créditos em que a DEA foi reconhecida e não de acordo com os
créditos em que tenha ocorrido o fato gerador. Se o empenho foi
erroneamente cancelado em um ano, quando o fornecedor se habilitar a
despesa será paga com créditos orçamentários do ano em que se
habilitar e não do ano do cancelamento do empenho.
Compromissos assumidos após o encerramento do exercício é um
dos três casos de DEA. Um compromisso reconhecido após o
encerramento do exercício, a obrigação de pagamento em virtude de lei
a exemplo de uma promoção de funcionário público com data retroativa,
são contabilizados como Despesas de Exercícios Anteriores (DEA).
O pagamento de DEAs será feito em ordem cronológica. O
reconhecimento da obrigação de pagamento de DEAs cabe ao
ordenador de despesas.
As etapas do processo de elaboração da LOA são
1.Planejamento do Processo de Elaboração. A primeira etapa do
processo de elaboração da LOA é o Planejamento do Processo de
Elaboração, feito pela SOF. A Definição de Macrodiretrizes é a
segunda etapa. Os responsáveis pela definição de macrodiretrizes são
a SOF, os órgão setoriais e a Casa Civil do Presidente da República. Na
primeira etapa, a do Planejamento do Processo de Elaboração, só existe
um responsável, a SOF. Já na segunda etapa, a Definição de
Macrodiretrizes, existem quatro responsáveis: a SOF, os órgãos
Setoriais, o Ministério da Economia e a Casa Civil da Presidência da
República. Na Terceira etapa, a Revisão da Estrutura Programática,
temos 4 responsáveis: a SOF e SEST, os órgão setoriais e as UOs. Na
quarta etapa, a elaboração de pré-proposta, temos 4 responsáveis: a
SOF, o ME, os órgãos setoriais e as UOs. Na quinta etapa ocorre a
Avaliação da NFGC para a proposta orçamentária, onde o SOF, os
órgãos setoriais, o ME e a Casa Civil da Presidência são os
responsáveis. A SOF está presente no Planejamento do Processo de
Elaboração, na Definição de Macrodiretrizes, na Revisão da Estrutura
Programática, na elaboração de Pré-proposta e na Avaliação da NFGC
para a proposta orçamentária.
AíTabelas de Eventos do SIAFI:
10.0.000 Previsão da Receita
20.0.000 Dotação da Despesa
30.0.000 Movimentação de Crédito
40.0.000 Empenho da Despesa
50.0.000 Apropriações de retenções, liquidações e outros.
Os eventos da classe 10.0.000 são os relacionados à Previsão da
Receita. Por exemplo, o evento 10.0.002 é destinado à Previsão
adicional da Receita na Gestão Não Tesouro e está dentro da classe
Previsão da Receita. O evento 10.0.003 refere-se à alteração
orçamentárias da receita e está dentro da classe 10.0.000, relacionada à
Previsão da Receita. O evento 10.0.004 é o de Registro da Previsão
inicial da Receita e está dentro da classe 10.0.000.Previsão da Receita.
A Previsão da Receita, da classe 10.0.000, envolve contas
somente de natureza orçamentária. A Previsão da Receita envolve o
seguinte lançamento no subsistema orçamentário: D - 5.2.1 Previsão
Inicial e Crédito 6.2.1 Receita a Realizar (eventos da classe 10.0.000)
Art 3° do CTN. Tributo é prestação pecuniária. Eu só pago o tributo
em dinheiro. Não existe a possibilidade de se pagar tributo in natura.
Não se aceita o pagamento in labore.
A Ordem Bancária é o documento utilizado pelo SIAFI para a
realização de pagamentos aos fornecedores, bem como das despesas
com pessoal.
As Despesas de Exercícios anteriores são receitas orçamentárias.
Quanto ao empenho da DEA deve-se utilizar o elemento 92 - Despesas
de Exercícios Anteriores. Como são despesas orçamentárias vão
passar pelo empenho, liquidação e pagamento. São despesas
referentes a exercícios encerrados que possuíam crédito próprio. No seu
orçamento elas possuíam crédito próprio e saldo suficiente para atender
esse crédito, mas que não foram processadas na época própria. O
segundo caso são os restos a pagar com prescrição interrompida. No 1°
caso temos as Despesas que não foram processadas na época própria.
No segundo caso, os Restos a Pagar com prescrição interrompida. Na
terceira situação temos os compromissos reconhecidos após o
encerramento do exercício.
No SIAFI é possível detalhar as contas por conta-corrente, quando
é utilizado. O SIAFI pode ser emitido ou consultado de forma sintética ou
analítica. As contas podem ser listadas segundo os tipos de saldo que
apresentam. Uma das formas de verificar seu fechamento é observar a
soma dos saldos devedores com a soma dos saldos credores.
Nota de movimentação de crédito.A Nota de lançamento serve
para registrar contratos e outros eventos tipicamente do Sistema
Compensado. Quem serve para descentralizar créditos, no SIAFI, é a
Nota de Movimentação de Crédito.
Contas redutoras no SIAFI.No Siafi as contas redutoras são
identificadas através de sinal * (asterisco), colocado antes da intitulação
da conta retificadora. Já o sinal = antes das contas identifica a
necessidade de tratamento individualizado peculiar a cada item. No
SIAFI pode ser emitido balancete tanto de unidade gestora como de
órgãos.
Um estado brasileiro fez a utilização de superávit financeiro de
exercícios anteriores para abertura de créditos adicionais. Nesse caso, o
Balanço Orçamentário demonstrará uma situação de desequilíbrio entre
a previsão atualizada da receita e a dotação atualizada. No uso do
superávit financeiro do exercício anterior para abertura de créditos
adicionais a previsão atualizada da receita fica inferior à dotação
atualizada.
Manual Siafi, tabela de eventos, item 5.1: O SIAFI somente
validará documentos de entrada de dados, se eles se apresentarem com
eventos que, no todo, completem partidas dobradas em termos
contábeis.
O Subsistema TABORC permite a consulta à fonte de recursos,
identificador de operação de crédito, plano interno, programa de
trabalho, natureza da receita e despesa, e outros.
O fornecimento continuado de dados contábeis do SIAFI é limitado
às instituições de direito público. As entidades do setor privado realizam
o fornecimento eventual de dados contábeis ao SIAFI.
Conforme o art n°101 da lei 4.320 de 1964, o Balanço
Orçamentário demonstrará as receitas e despesas previstas em
confronto com as realizadas. A NBC T 16.6 afirma que o Balanço
Orçamentário evidencia as receitas e despesas orçamentárias e não as
receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas. Isso gera
certa confusão, pois o entendimento mais tradicional é fruto da lei 4.320
de 1964, em que o Balanço Orçamentário não evidencia despesas e
receitas orçamentárias, mas sim as receitas previstas em confronto com
as realizadas. A NBCT 16.6, mais atual, vem com esse novo
entendimento de que o Balanço Orçamentário evidencia as receitas e
despesas orçamentárias, detalhadas em níveis relevantes de análise,
confrontando o orçamento inicial e suas alterações com a execução,
demonstrando o resultado orçamentário. Ainda segundo a atualizada
norma o Balanço Orçamentário é estruturado de forma a evidenciar a
integração entre planejamento e execução orçamentária.
O Balanço Orçamentário será preparado considerando as
informações das classes 5 e 6 do PCASP e será complementado por
nota explicativa detalhando as despesas executadas por tipo de crédito.
Balanço Orçamentário apresenta o detalhamento das receitas
pelos valores líquidos das respectivas deduções na coluna da receita. O
Balanço Orçamentário apresenta os valores líquidos das respectivas
deduções, tais como restituições, descontos, retificações, deduções
para o FUNDEB e repartições de receita entre os entes da federação,
quando registradas como dedução. A apresentação das receitas
informadas pelos valores líquidos das respectivas deduções consta na
coluna da receita e não da despesa.
As receitas intraorçamentárias e as despesas intraorçamentárias,
quando relevantes, serão apresentadas em notas explicativas do
Balanço Orçamentário. Assim, não é uma obrigação que as receitas e
despesas intraorçamentárias constem no Balanço Orçamentário, pois
elas constarão apenas se forem relevantes.
Consoante o Manual de Demonstrativos Fiscais, dentro das
inversões financeiras existem despesas que são financeiras e despesas
primárias ou não financeiras. As despesas financeiras dentro das
inversões financeiras são a concessão de empréstimo e a aquisição de
títulos de capital. Tudo o que não for concessão de empréstimo e
aquisição de título de capital é primário (não financeiro)
Os restos a pagar inscritos na condição de não processados e não
liquidadas terão validade até 30 de junho do segundo ano subsequente
ao de sua inscrição. Essa regra só vale para os restos a pagar inscritos
na condição de não processados e não liquidados. No âmbito federal,
caso os restos a pagar não processados não sejam liquidados até 30 de
junho do segundo ano subsequente ao de sua inscrição, eles devem
ser cancelados. No entanto, essa regra possui exceções. As despesas
relacionadas ao Programa de Aceleração do crescimento (PAC), as
despesas relacionadas ao Ministério da Saúde; as Despesas
relacionadas ao Ministério da Educação financiadas com recursos da
Manutenção e Desenvolvimento do Ensino; as despesas executadas
diretamente pelos órgãos e entidades da União com execução iniciada
até 30 de junho do segundo ano subsequente ao de sua inscrição são
exceções à máxima de que os restos a pagar inscritos como não
processados e não liquidados terão validade até 30 de junho do ano
subsequente ao de sua inscrição.
Lustro prescricional.Prescreve em 5 anos a dívida passiva relativa aos
Restos a Pagar Processados. Esse prazo é também chamado,
português, de lustro prescricional.Os Restos a Pagar Processados não
podem ser cancelados.
Existem algumas condições para se inscrever em restos a pagar
não processados. Quando vigente o prazo para cumprimento da
obrigação assumida pelo credor, nele estabelecida. Quando o prazo
para o cumprimento da obrigação assumida pelo credor for vencido,
mas esteja em curso a liquidação da despesa. Quando seja de interesse
da administração exigir o cumprimento da obrigação assumida pelo
credor. Quando se destinar a atender transferências a instituições
públicas ou privadas. Quando corresponder a compromissos assumidos
no exterior. Basta atender a uma dessas 5 condições para se enquadrar
como restos a pagar não processados. Para ocorrer a “denominada
liquidação provisória” basta uma dessas cinco condições.
Vigente o prazo para cumprimento da obrigação assumida pelo credor,
nele estabelecida: a licitação foi concluída em 30/11/2020 e o contrato
dispunha que a entrega do material ou prestação do serviço poderia
ocorrer até 30/03/2021.
Quando o prazo para cumprimento da obrigação assumida pelo credor,
nele estabelecida, for vencido, mas esteja em curso a liquidação da
despesa: a nota fiscal foi entregue, mas o gestor público ainda não
conseguiu dar o ateste.
Quando seja do interesse da Administração exigir o cumprimento da
obrigação assumida pelo credor: poder discricionário do ordenador de
despesa.
Quando se destinar a atender transferências a instituições públicas ou
privadas: despesas relacionadas a transferências constitucionais, legais
ou voluntárias (convênios ou contrato de repasse).
Quando corresponder a compromissos assumidos no exterior:
obrigações com organismos estrangeiros como ONU, BID, Banco
Mundial.
Os Restos a Pagar Processados não podem ser cancelados. Os Restos
a Pagar Processados não podem ser cancelados, pois o fornecedor de
bens/serviços cumpriu com a obrigação de fazer e a Administração não
poderá deixar de cumprir com a obrigação de pagar. Prescreve em 5
anos a dívida passiva com restos a pagar processados.
Art. 4° A Lei de Orçamento compreenderá todas as despesas
próprias dos órgãos do Governo e da Administração centralizada ou
que, por intermédio deles, se devam realizar, observado o disposto no
artigo 2°. Lei 4.320 de 17 de março de 1964
§2° Acompanharão a Lei do Orçamento:
I - Quadro demonstrativo da receita e plano de aplicação de
fundos especiais;
II - Quadro demonstrativo da despesa, na forma dos Anexos n° 6 a
9
III - Quadro demonstrativo do programa anual de trabalho do
governo, em termos de realização de obras e prestação de serviços.
As receitas são discriminadas por natureza e divididas em duas
categorias: correntes e de capital. A receita que se espera arrecadar
denomina-se receita prevista, estimada ou orçada. As despesas são
discriminadas por tipo de crédito (ordinário, suplementar, especial ou
extraordinário) e natureza e são divididas em duas categorias: correntes
e de capital. Por isso, o Balanço Orçamentário visa comparar o realizado
com o orçado no exercício (lei 4.320 de 1964, art. 101).
O Balanço Orçamentário é composto por: Quadro Principal;
Quadro da Execução dos Restos a Pagar não Processados e Quadro da
Execução dos Restos a Pagar Processados.
Investimentos são as dotações para o planejamento e a execução
de obras, inclusive a aquisição de imóveis necessários à execução de
tais obras. As inversões financeiras são dotações destinadas à imóveis
ou bens de capital já em utilização.
O Quadro Principal do Balanço Orçamentário será elaborado
utilizando-se das seguintes classes e grupos do PCASP: Classe 5
Orçamento Aprovado, Grupo 2 Previsão da Receita e Fixação da
Despesa. Classe 6 (Execução do Orçamento), Grupo 2 (Realização da
Receita e Execução da Despesa). O Quadro Principal do Balanço
Orçamentário é de suma importância para a Contabilidade Pública.
A portaria interministerial N° 163 DE 2001 DETERMINA QUE, NA
loa, A DISCRIMINAÇÃO DA DESPESA, QUANTO À NATUREZA, FAR-
SE-Á, NO MÍNIMO, POR CATEGORIA ECONÔMICA, GRUPO DE
DESPESA E MODALIDADE DE APLICAÇÃO. Essa determinação
afronta os artigos 13 e 15 da lei 4.320, que afirmam que a discriminação
da despesa fars-se-á, no mínimo por elementos.
A LOA será integrada pelo sumário geral da receita por fontes e da
despesa por funções de governo. O Quadro demonstrativo da receita e
despesa segundo as categorias econômicas também faz parte da LOA.
Também está contido na LOA o Quadro discriminativo da receita por
fontes e respectiva legislação. O último item que deve está contido na
LOA é o Quadro das dotações por órgão de governo e da administração.
O Quadro demonstrativo das receitas e das aplicações dos fundos
especiais bem como o Quadro demonstrativo do programa anual de
trabalho do Governo, em termos de realização de obras e prestação de
serviços.
Princípios Contábeis. Os princípios Contábeis nasceram em 1993
(Princípios Fundamentais da Contabilidade). Em 2001 surge o princípio
da Atualização Monetária. O Princípio da Atualização Monetária diz que
se a inflação, durante, 3 anos for maior que 100%, a aplicação do
princípio da Atualização Monetária é compulsória. A partir de 2007 é que
começa o processo de convergência. Em 2010 é excluído o princípio da
atualização monetária e muda o nome para princípios, não sendo mais
princípios fundamentais da contabilidade. Agora, a cada 3 anos, se a
inflação for maior ou igual que 100%, não é mais válido.
Ambos os princípios da entidade têm a palavra destinação social.
Porém, entidade tem a ver com autonomia profissional e
responsabilização dos gestores. Continuidade tem a ver com a
finalidade social. A entidade tem origem na autonomia patrimonial e tem
origem na responsabilidade dos administradores. A autonomia
patrimonial tem origem na destinação social. A responsabilidade tem
origem na obrigação de prestar contas. A continuidade está destinada a
vinculação e perdura. Existe enquanto durar sua finalidade.
O Superávit Financeiro é uma das fontes de créditos adicionais. O
Superávit Financeiro do exercício Anterior é apurado no Balanço
Patrimonial. Para algo ser ativo financeiro ele tem que ser caixa ou
equivalente de caixa. Para ser passivo financeiro tem que estar na
dívida flutuante, como restos a pagar, serviços da dívida a pagar,
depósitos, cauções e AROs. O Superávit Financeiro é a diferença entre
ativo financeiro e passivo financeiro. Depois que se chega ao Superávit
financeiro do Balanço Patrimonial do exercício anterior eu aplico
algumas deduções: créditos reabertos, que não possuam operações de
crédito vinculadas. Os créditos adicionais reabertos que já possuem
operações de crédito a eles vinculadas não serão deduzidos do
Superávit Financeiro. No nível central temos o MPOG e a SOF cuidando
da descentralização de créditos. Já no nível central da descentralização
financeira temos o MF e a STN. No nível setorial temos os ministérios.
Já a nível de execução temos as unidades gestoras. Na
descentralização orçamentária temos a dotação, que representa a
descentralização de créditos do órgão central para os Ministérios. Já o
Destaque é para a descentralização de créditos entre os Ministérios.
Descentralização de créditos orçamentários e descentralização de
Recursos Financeiros. Crédito orçamentário é autorização para o gasto.
Já a descentralização de recursos financeiros para os ministérios damos
o nome de cota. Na descentralização financeira entre Ministérios
diferentes temos o Repasse. A provisão é a descentralização de créditos
no âmbito do mesmo ministério. O sub-repasse é a descentralização de
recursos financeiros no mesmo ministério.
Excesso de gasto e economia de despesa.Se a despesa
executada for maior que a despesa fixada ocorre excesso de gasto. Se
a despesa executada for menor que a despesa fixada ocorre economia
de despesa.
Excesso de arrecadação e insuficiência de arrecadação.Se a
Receita Executada for maior que a Receita Prevista ocorre excesso de
arrecadação. Se a receita executada for menor que a receita prevista
ocorre insuficiência de arrecadação.
Há desequilíbrio em decorrência da utilização do superávit
financeiro de exercícios anteriores para a abertura de créditos
adicionais, apurado no Balanço Patrimonial do exercício anterior. Há
desequilíbrio, item, em decorrência da reabertura de créditos adicionais,
especificamente os créditos especiais e extraordinários que tiveram o
ato de autorização promulgado nos últimos meses do exercício anterior.
Na abertura de crédito extraordinário sem indicação de fonte e sem ser
possível deduzir do excesso de arrecadação há desequilíbrio, item.
Tanto o superávit financeiro de exercícios anteriores quanto a reabertura
de créditos adicionais especiais e extraordinários estão detalhados no
campo saldo de exercícios anteriores, do Balanço Patrimonial.
Desequilíbrio orçamentário. Na Anulação de Dotação o valor
global da LOA permanece o mesmo. Na Utilização da Reserva de
contingência, item, temos que o valor da previsão atualizada não sofre
alteração. Tanto na Anulação De Dotação e na Utilização da Reserva de
Contingência o valor da dotação atualizada não sofre alteração, uma vez
que se anula uma despesa e movimenta o crédito para outra despesa.
Porém, quando se usa do Superávit Financeiro como fonte para
abertura de créditos adicionais e quando se usam recursos sem
despesas correspondentes ocorre desequilíbrio. Na verdade, quando se
usa do Superávit financeiro como fonte de abertura de crédito adicional,
ocorre um desequilíbrio no Balanço Patrimonial. Porém, quando se
usam recursos sem despesas correspondentes a LOA já é publicada
com desequilíbrio.
Abertura de crédito extraordinário sem indicação de fonte e
desequilibrio.No caso de abertura de crédito extraordinário sem
indicação de fonte, o desequilíbrio ocorre porque aumenta-se a despesa
fixada sem necessidade de nova arrecadação. É sabido que os créditos
extraordinários abertos sem indicar a fonte devem ser deduzidos do
excesso de arrecadação. Se eles forem deduzidos do excesso de
arrecadação, não haverá desequilíbrio. Se não houver excesso de
arrecadação, ocorrerá desequilíbrio. A anulação de dotação ou a
utilização da reserva de contingência, assim como as operações de
crédito e o excesso de arrecadação são fontes de créditos adicionais
que não geram desequilíbrio durante a execução orçamentária.
Deve-se analisar os impactos das fontes de créditos adicionais
sobre a previsão atualizada da receita e a dotação atualizada da
despesa. Os impactos da utilização de créditos adicionais sobre o
Balanço Orçamentário visam prevenir o Desequilíbrio Orçamentário.
Quando se usa operação de crédito como fonte de crédito
adicional o valor global da LOA aumenta. O valor da previsão autalizada,
na operação de crédito, sofre alteração com a contratação do
empréstimo. Além disso, quando se usa a operação de crédito como
fonte o valor da dotação atualizada sofre alteração com a colocação do
recurso para atender a despesa. É importante saber os impactos da
utilização das fontes de crédito adicionais no Balanço Orçamentário.
Assim como nas operações de crédito, no excesso de arrecadação
o valor da LOA aumenta. O valor da previsão atualizada sofre alteração,
e o valor da dotação atualizada também.
Nas Receitas de Contribuições, as receitas de Contribuição
Patronal de Servidor Ativo Civil para o Regime Próprio são financeiras,
enquanto as demais são primárias. Nas Receitas Patrimoniais, as
receitas de juros de Títulos de Renda, as Receitas de Remuneração de
Depósitos Bancários e as aplicações financeiras são financeiras,
enquanto as demais são Primárias. Nas Receitas de Serviços, as
Receitas de Serviços financeiros são financeiras, enquanto as demais
são primárias. As Receitas de Serviços Financeiros são chamadas de
juros recebidos. Nas Operações de Crédito as receitas de Empréstimos
Compulsórios são receitas primárias, enquanto as demais são
financeiras.

A existência de Superávit do Orçamento indica que há


capitalização. Esse é o motivo para o Superávit do Orçamento Corrente
ser considerado receita de capital, mas não ser considerado item da
Receita Orçamentária.
É através da comparação entre receitas e despesas correntes e
receitas de despesas de capital que se verifica a tendência para
capitalização ou descapitalização. A comparação entre receita corrente
e despesa corrente constitui o SOC, obtido comparando a receita
corrente prevista com a despesa corrente fixada. O déficit do orçamento
de capital é a comparação entre receitas e despesas de capital. Tanto o
SOC quanto o déficit do orçamento de capital identificam a tendência
para capitalização e descapitalização.
As Receitas de Capital podem ser primárias ou financeiras. As 2.1
operações de crédito podem ser primárias ou financeiras. As receitas
de Alienação de bens (2.2) podem ser primárias ou financeiras As outras
receitas de capital (2.5) podem ser primárias ou financeiras. Porém, as
transferências de capital (2.4) só podem ser primárias e as receitas de
amortização de empréstimos (2.3) só podem ser financeiras.
Nas operações de crédito (2.1), as receitas de empréstimos
compulsórios são primárias, enquantos as demais são financeiras. Os
empréstimos compulsórios, no direito tributário, são tributos, têm caráter
de tributo. Por isso, apesar de estarem nas operações de crédito (2.1),
são receitas primárias.
Das Despesas correntes (3), apenas a despesa de Juros e
encargos da Dívida (3.2) é financeira, as outras despesas correntes são
primárias. Das despesas de capital apenas as inversões financeiras
(4.5) podem ser primárias ou financeiras. Assim, as despesas de
pessoal e encargos sociais (3.1) são A amortização da Dívida (4.6) só
pode ser financeira e os Investimenso (4.4) só podem ser primários
A Receitas de Contribuições podem ser primárias ou financeiras.
As Receitas Patrimoniais podem ser primárias ou financeiras e as
receitas de serviços podem ser primárias ou financeiras. Somentes as
Receitas 1.2 Contribuições, 1.3. Patrimoniais e 1.6 Serviços é que
podem ser primárias ou financeiras. A classificação quanto ao impacto
no resultado primário é de suma importância e diz que todas as receitas
correntes são primárias, exceto as referidas receitas de contribuições,
patrimoniais e de serviços. A classificação quanto ao impacto no
resultado primário encontra-se no MTO (Manual técnico de orçamento) e
no Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF).
O total das operações de crédito deve ser menor ou igual ao total
das despesas de capital. Ressalte-se que somente um tipo de receita de
capital (operações de crédito) deve ser menor ou igual às despesas de
capital. As despesas de capital são os investimentos, inversões
financeiras e amortização da dívida. Se a operação de crédito for maior
que a despesa de capital a situação é indesejável e requer-se
autorização do Legislativo por maioria absoluta.
O Sumário geral da receita por fontes e da despesa por funções
do Governo integrará a LOA. O Quadro demonstrativo da Receita e
Despesa segundo as categorias econômicas, bem como o Quadro
discriminativo da receita por fontes e respectiva legislação integram a
LOA. O Quadro das dotações por órgãos do Governo e Administração
também faz parte da LOA. Esses Quadros integram a LOA, porém
existem Quadros que acompanham a LOA.
Consoante o §2° do art. 12 da Lei n° 4.320 de 1964, classificam-se
como Transferências Correntes as dotações para despesas que não
correspondem à contraprestação direta em bens ou serviços. As
Transferências Correntes estão associadas às operações especiais, que
são aquelas dotações para despesas que não correspondem à
contraprestação direta em bens ou serviços.
Os Quadros demonstrativos da receita e planos dos fundos
especiais, o Quadro demonstrativo da despesa, na forma dos Anexos
n. 6 a 9 e o Quadro demonstrativo anual de trabalho de Governo, em
termos de realização de obras e prestação de serviços, acompanharão a
LOA.
Haverá excesso de arrecadação quando a receita arrecadada
exceder a receita orçada.
As mutações ativas são mutações patrimoniais da despesa. As
mutações patrimoniais da receita são mutações passivas.
As classes do subsistema patrimonial são: 1. Ativo 2. Passivo 3
Variações Patrimoniais Diminutivas 4. Variações Patrimoniais
Aumentativas.
Consoante o art. 71 da lei 4.320 de 1964, constitui fundo especial
o produto de receitas especificadas por lei que se vinculam à realização
de determinados objetivos ou serviços. No caso de fundos especial
faculta-se a adoção de normas peculiares de aplicação
É importante verificar que o reconhecimento da depreciação se
encontra vinculado à identificação das circunstâncias que determinaram
o seu registro, de forma que esse valor seja reconhecido no resultado do
ente através de uma VPD. (MCASP)
Segundo a lei n°4.320 de 1964 classificam-se como inversões
financeiras as dotações destinadas a I - aquisição de imóveis, ou de
bens de capital já em utilização.
O Suprimento de fundos constitui despesa orçamentária, pois deve
percorrer os três estágios da despesa: empenho, liquidação e
pagamento. Porém, não representa uma despesa patrimonial quando de
sua concessão. No momento da concessão o suprimento de fundos é
despesa orçamentária, mas não é despesa patrimonial.
O aumento do capital de entidades ou empresas com objetivos
comerciais ou financeiros é feito por inversões financeiras. Segundo a lei
n° 4.320 de 1964 a constituição ou aumento do capital de entidades ou
empresas que visem a objetivos comerciais ou financeiros, inclusive
operações bancárias ou de seguros é inversão financeira.
Amortização da Dívida Pública. Segundo o §6° do art. 12 da lei
4.320 são transferências de capital as dotações para investimentos ou
inversões financeiras que outras pessoas de direito público ou privado
devam realizar. As dotações para amortização da dívida pública são
transferências de capital. Tais transferências independem de
contraprestação direta em bens ou serviços, não são necessariamente
contraprestacionais. Além disso, as transferências de capital podem ser
auxílios ou contribuições e são, basicamente, formadas por dotações
para investimentos ou inversões financeiras.
SIAFI modalidade total. O SIAFI na modalidade total é obrigatório
apenas para o Poder Executivo que integram os Orçamentos Fiscal e da
Seguridade Social, ressalvadas as entidades de caráter financeiro.
Equilíbrio Orçamentário formal.O Princípio do equilíbrio
orçamentário não se trata de princípio expresso. Apesar de não ser
expresso, encontramos manifestações desse princípio no art. 169 e 167,
III, da CF e art. 1°,§1° e artigo 4°, I, da LRF. Na atualidade, não mais se
busca o equilíbrio formal, mas o equilíbrio amplo. O grande princípio da
LRF é o princípio do equilíbrio orçamentário, no entanto o equilíbrio
material pode ser desrespeitado, o equilíbrio orçamentário formal nunca.
Consoante o Decreto 93.872, os valores que são considerados de
pequeno vulto não ultrapassarão o limite estabelecido pelo Ministro da
Fazenda. O limite estabelecido em Portaria do MF para o que seja
despesa de pequeno vulto é importante, pois um dos motivos para a
concessão de suprimento de fundos é para atender despesas de
pequeno vulto, as quais não podem variar de um ministério para outro.
As inversões financeiras são aquisição de imóveis, a participação
em Constituição ou Aumento de Capital de empresas ou entidades
comerciais ou financeiras, a aquisição de títulos representativos de
capital de empresa em funcionamento, a constituição de fundos
rotativos, a concessão de empréstimos e diversas inversões financeiras.
Não são só os órgãos setoriais que irão realizar o detalhamento
das propostas orçamentárias, pois as unidades orçamentárias tambêm
participam do processo. Na verdade, o processo de detalhamento da
proposta orçamentária compreende 3 etapas decisórias: UOs, Orgãos
Setoriais e Órgão Central. Cada momento é tratado exclusivamente
pelos atores orçamentários da respectiva etapa. O detalhamento da
proposta orçamentária, em termos do rol de projetos e ações a serem
executados, não é feito pelos órgãos setoriais, mas por todos os atores
do SIOP: unidades orçamentárias, órgãos setoriais e órgão central.
Na alienação de materiais deve-se observar os requisitos
licitatórios, sendo que o resultado obtido será revertido à entidade
jurídica e não ao órgão integrante do SIAFI.
As despesas de capital estão relacionadas à incorporação de
ativos e desincorporação de passivos. As despesas de capital mantêm
uma correlação com o registro de incorporação de ativo imobilizado,
intangível e investimento.
O princípio da universalidade estabelece que todas as receitas e
despesas devem estar previstas na LOA. Sim, pois alguns consideram
que as despesas podem ser previstas e não fixadas. É acertado dizer
que a LOA conterá todas as receitas e despesas previstas pois a
consequência legal da inclusão de uma despesa no orçamento é
diferente da consequência legal de uma receita no mesmo
orçamento. Apesar disso, as despesas são, tradicionalmente, fixadas e
as receitas, previstas.
Segundo o MTO, existe uma sequência de etapas na elaboração
de um orçamento:
1.Planejamento do Processo de elaboração;
2. Definição de Macrodiretrizes;
3. Revisão da Estrutura Programática
4. Elaboração de pré-proposta
5. Avaliação da NFGC
6. Estudo e divulgação de limites para a proposta setorial
7. Captação da Proposta Setorial
8. Análise de ajuste da proposta setorial
9. Fechamento, compatibilização e consolidação da proposta
orçamentária
10. Elaboração e formalização da mensagem presidencial do
Projeto de LOA e
11. Elaboração e formalização das informações
complementares ao PLOA.
Constituem inversões financeiras as despesas orçamentárias com
softwares e as despesas com a aquisição de imóveis ou bens de capital
já em utilização.
As dotações para a constituição ou aumento do capital de entidades ou
empresas que visem a objetivos comerciais ou financeiros são inversões
financeiras. As dotações para a constituição ou aumento de entidades
ou empresas que não visem a objetivos comerciais ou financeiros são
investimentos.
A Amortização da dívida pública é uma despesa de capital. A
amortização de empréstimos é uma receita de capital.
A receita constante da LOA é estimada ou prevista. O que existe é a
previsão de receitas e a estimativa de receitas. A receita não é
autorizada. Se ela fosse autorizada só poderia arrecadar as que
estivessem na LOA. Podem ser arrecadadas receitas mesmo que não
previstas no orçamento. A despesa é que é autorizada. Tanto as
receitas e despesas são estimadas e previstas, porém somente a
despesa é autorizada. Pode-se dizer, também, que as receitas e
despesas são programadas e controladas.
Empenho por estimativa: para as despesas cujo montante não se
pode determinar previamente, tais como serviços de fornecimento de
energia elétrica e água, aquisição de combustíveis e lubrificantes, e
outros.
As emendas ao projeto de lei orçamentário, de acordo com o art.
166 §3°, devem indicar os recursos necessários. Os recursos
necessários para tais emendas são apenas aqueles provenientes de
anulação de despesa. No entanto, as anulações de despesa
relacionadas a dotações para pessoal e seus encargos, serviços da
dívida e transferências tributárias constitucionais não podem originar
recursos para as emendas ao projeto de LOA.
As AROS são receitas extraorçamentárias e, como tais, não
podem ser utilizadas para a programação orçamentária do
exercício. Além disso, as AROs destinam-se a atender insuficiências de
caixa durante o exercício financeiro.
O empenho é a garantia do credor de que o bem será entregue ou
o serviço será pago, pois a reserva de dotação prevista no orçamento
para fazer frente a uma despesa específica dá essa garantia. O
empenho surge como forma de garantia de futuro pagamento.
Consoante o §1° do art. 12 da lei n°4.320 de 1964, as Despesas
de Custeio são as dotações para manutenção de serviços anteriormente
criados e aquelas dotações destinadas a atender obras de
conservação e adaptação de bens imóveis. As despesas de custeio
não são aquelas somente para manutenção de serviços anteriormente
criados, pois as destinadas a atender obras de conservação e
adaptação de bens imóveis entram na lista.
O SOC é formalmente receita de capital e, além disso, não é
receita orçamentária, mas sim extraorçamentária. O Superávit do
orçamento corrente é um indicador contábil. Trata-se de uma folga
planejada de receitas correntes destinadas a financiar despesas de
capital.
Os investimentos são as dotações para o planejamento e a
execução de obras. As despesas de custeio são para a conservação e
adaptação de bens imóveis.
São subvenções sociais aquelas a que se destinem a instituições
públicas ou privadas de caráter assistencial ou cultural, sem finalidade
lucrativa. As subvenções econômicas são aquelas que se destinem a
empresas públicas ou privadas de caráter industrial, comercial, agrícola
ou pastoril. A subvenções econômicas envolvem apenas essas
atividades: caráter industrial, comercial, agrícola ou pastoril.
Despesas de Custeio: Pessoal Civil, Pessoal Militar, Material de
Consumo, Serviços de Terceiros e Encargos Diversos. Transferências
Correntes: Subvenções Sociais, Subvenções econômicas, Inativos,
Pensionistas, Salário Família e Abono Familiar, Juros da Dívida Pública,
Contribuições de Previdências Social e Diversas Transferências
Correntes.
O superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do
exercício anterior; os proveniente de excesso de arrecadação, os
resultantes de anulação de dotações orçamentárias e o produto de
operações de crédito autorizadas, consideram-se recursos para a
abertura de créditos suplementares e especiais.
A inscrição de restos a pagar e a inscrição de serviços da dívida a
pagar são ingressos extraorçamentários. Quando se inscreve em restos
a pagar ou quando se inscreve um serviço da dívida a pagar, temos um
ingresso que independe de autorização orçamentária, por isso é uma
entrada extraorçamentária. Apesar de serem ingressos extra
orçamentários, a inscrição de restos a pagar e a inscrição de serviços da
dívida a pagar não são entradas efetivas de recursos financeiros. Por
isso, a inscrição dos restos a pagar e a inscrição dos serviços da dívida
a pagar são exceções à máxima de que para um item dos RCPGs ser
considerado ingresso eles devem ensejar a entrada de recursos
financeiros. Como receitas extraorçamentárias, a inscrição de restos
a pagar e a inscrição de serviços da dívida a pagar não podem ser
utilizadas pelo erário para financiar políticas públicas.
Se ocorrer evento que aumente simultaneamente o ativo financeiro
e o passivo financeiro é receita extraorçamentária. Se ocorrer evento
que diminua simultaneamente o ativo financeiro e o passivo financeiro é
despesa extraorçamentária.
A emissão de papel moeda é receita extra orçamentária e o
resgate/baixa do papel moeda é despesa extraorçamentária. O papel
moeda pertence à Dívida Flutuante. A Contratação de ARO é receita
extra orçamentária e o pagamento de ARO é despesa
extraorçamentária. A antecipação de Receita Orçamentária pertence ao
Passivo Financeiro. O Recebimento de cauções e depósitos é receita
extra orçamentária e a devolução de cauções e depósitos é despesa
extraorçamentária. O registro de consignações e retenções é receita
extra orçamentária e o pagamento de consignações e retenções é
despesa extraorçamentária. As cauções, depósitos, consignações e
retenções são itens do Passivo Financeiro. A inscrição de restos a pagar
é receita extraorçamentária e o pagamento de restos a pagar é despesa
extraorçamentária. O Restos a Pagar é um item do Passivo Financeiro.
A inscrição de serviços da dívida a pagar é receita extraorçamentária e o
pagamento de serviços da dívida a pagar é despesa extra orçamentário.
O serviço da Dívida a Pagar é item do passivo financeiro
As despesas extraorçamentárias normalmente não passam pelo
estágio da fixação, empenho, liquidação e pagamento. Porém, os restos
a pagar, apesar de serem despesas extraorçamentárias, passam pelos
estágios de fixação, empenho, liquidação e pagamento.
Receita orçamentária efetiva é aquela que, no momento do
reconhecimento do crédito, aumenta a situação líquida patrimonial.
Constitui fato contábil modificativo aumentativo. Exemplos de receitas de
capital efetivas são as transferências de capital, a remuneração da
disponibilidade do tesouro nacional e o resultado do Bacen. Em regra,
as receitas orçamentárias efetivas são receitas correntes, como as
receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais, agropecuárias,
industriais, de serviços e transferências correntes. No entanto, existem
receitas de capital que são efetivas, como as transferências de capital,
remuneração da disponibilidade do tesouro nacional e resultado do
BACEN. A transferência de capital é um bom exemplo de receita de
capital efetiva.
As receitas orçamentárias não efetivas são aquelas que não
alteram o PL, constituem fato contábil permutativo. As receitas de
capital, em regra, são por mutação patrimonial (não efetiva), como as
operações de crédito, a alienação de bens, a amortização de
empréstimos. No entanto, existem receitas correntes não efetivas, quais
sejam: cobrança da dívida ativa e alienação de bens apreendidos ou
caucionados.
Quais os subsistemas que são utilizados quando na inscrição de
Restos a Pagar Processados e Restos a Pagar não Processados?
Apenas o Subsistema Orçamentário. Para um resto a pagar ser
processado é porque já houve empenho e liquidação. O grupo 5.3
controla a inscrição.
As etapas da despesa são planejamento, execução, controle e
avaliação. Os estágios são fixação, descentralização de créditos
orçamentários, programação orçamentária e financeira e processo de
licitação e contratação. Além desses, temos os estágios do empenho,
liquidação e pagamento.
Receitas patrimoniais: são receitas provenientes da fruição do
patrimônio do ente público. São exemplos de receitas patrimoniais os
foros e laudêmios, bem como os arrendamentos. São provenientes da
fruição de bens mobiliários e imobiliários. As compensações financeiras
são receitas patrimoniais. As concessões e permissões tambêm o são.
Dentre as receitas patrimoniais encontram-se os royalties, que têm
origem na exploração de recursos minerais, hídricos, florestais e outros.
As compensações financeiras são formas de se recompor prejuízos,
danos ou experimentos de recursos naturais, minerais, hídricos e
florestais.
Os royalties são formas de participação no resultado econômico
que advém da exploração do patrimônio público. Os royalties devidos
pelo próprio ente controlador são contabilizados como receita
patrimonial código 1.3.4.0.0.0.0.0 Compensações Financeiras. Os
Royalties devidos pela empresa estatal aos demais entes são
contabilizados como transferências correntes-quota parte da
compensação financeira código 1.7.2.1.2.2.0.0 Transferências de
Compensação financeira
A taxa de ocupação de imóveis é uma receita patrimonial
código 1.3 e não receita de impostos, taxas e contribuições de
melhoria. Apesar de serem taxas, as taxas de ocupação de imóveis não
seguem a regra, assim como a taxa de inscrição em concursos públicos,
pois nesse último caso não é taxa, mas sim tarifa. O preço público ou
tarifa é receita de serviços, código 1.7
Outras Receitas de Capital: dentro das outras receitas de capital
estão o resultado do banco central, a remuneração da
disponibilidade do tesouro nacional e a integralização do capital
social.
Amortização de empréstimos: embora a amortização de
empréstimos seja uma receita de capital, os juros recebido decorrentes
desse empréstimo são classificados como receitas correntes: de
serviços: serviços financeiros. Os juros são classificados como receitas
correntes de serviços pois representam a remuneração do capital. A
amortização da dívida é despesa de capital e os juros são despesas
correntes.
As doações são contabilizadas como transferências correntes -
código 1.7 ou receitas de transferências de capital código 2.4, conforme
sua destinação. Em caso de doações de bens móveis ou imóveis não
são ingressos, pois para um item do RCPG ser considerado ingresso,
deve ensejar a entrada de recursos financeiros.
Inversões financeiras: despesas com aquisição de imóveis ou
bens de capital já em utilização.
No sistema patrimonial, a contabilidade pública deverá reconhecer
a perda econômica do bem considerando o tempo restante da vida útil.
As transferências de capital são recursos financeiros recebidos de
outras pessoas de direito público ou privado destinadas a atender
despesas com investimentos ou inversões financeiras.
O empenho global é utilizado para despesas contratuais ou outras
de valor determinado, sujeitas a parcelamento, como, por exemplo, os
compromissos de aluguéis.
Se o credor ainda não forneceu o material ou prestou o serviço,
não poderemos considerar, só por isso, restos a pagar.
O IDOC e o IDUSO são classificações específicas da União.
Eventualmente os Estados podem fazer uso dessa classificação.
Tanto a classificação funcional como a programática são
obrigatórias para todos os entes e estão suportadas pela portaria n° 42
do MOG de 1999. A classificação funcional identifica a área do gasto.
A classificação da despesa por esfera orçamentária identifica se a
despesa pertence ao orçamento fiscal, ao orçamento de investimento ou
ao orçamento da seguridade social. A classificação da despesa por
esfera orçamentária está prevista no §5° do art. 165 da CF. O código 10
abrange a esfera do orçamento fiscal; o código 20 abrange a esfera do
orçamento da seguridade social e o código 30 abrange a esfera
orçamentária do orçamento de investimento. A classificação institucional
é obrigatória e padronizada para todos os entes e afirma que constitui
unidade orçamentária o agrupamento de serviços subordinados ao
mesmo órgão ou repartição a que serão consignadas dotações próprias.
A classificação institucional está suplantada pelo art.14 da lei 4.320 de
1964. Assim como existe a classificação da despesa por esfera
orçamentária, existe a classificação da receita por esfera orçamentária,
dividida igualmente em orçamento de investimento, orçamento da
seguridade social e orçamento fiscal. Na União, com base em dados do
SIOP (Sistema de Planejamento e Orçamento) o campo destinado à
esfera é composto de dois dígitos, tanto para receitas como para
despesas: 10 orçamento fiscal; 20 orçamento da seguridade social e 30
Orçamento de Investimento.
São transferências de capital as dotações para investimentos e
inversões financeiras, constituindo essas transferências auxílios ou
contribuições.
A classificação funcional é obrigatória e padronizada para todos os
entes. Ela identifica a área do gasto e consta na Portaria 42 do MOG de
1999.
As normas relativas ao controle dos custos e à avaliação dos
resultados dos programas financiados com recursos dos orçamentos
constam na LDO.
A despesa considerada como irrelevante será definida pela LDO.
A despesa considerada irrelevante não será abrangida pela renúncia de
receitas. É a LDO quem definirá o que é uma despesa irrelevante.
Segundo o art. 14 §1° da LRF para haver renúncia de receita deve haver
redução discriminada de tributos ou contribuições. A renúncia
compreenderá anistia, remissão, subsídio, crédito presumido, concessão
de isenção em caráter não geral, alteração de alíquota ou modificação
de base de cálculo que implique redução discriminada de tributos ou
contribuições.
Previsões de Receitas. As previsões de receita serão
acompanhadas de demonstrativo de sua evolução nos últimos três anos.
Além de possuírem o demonstrativo de sua evolução nos últimos três
anos, elas farão uma projeção para os dois anos seguintes.
Na União as seguintes classificações compõem a programação de
trabalho (qualitativa): esfera orçamentária, institucional, funcional,
programática; já a classificação financeira é composta por IDOC
(Identificador de operação de crédito); IDUSO (identificador de uso),
fonte, natureza e resultado primário.
As empresas públicas e SEM que estão apenas no orçamento
investimento, que são a maioria, não estão no escopo da LRF. As
empresas públicas e sociedades de economia mista que estão no
orçamento fiscal e no orçamento da seguridade social estão no escopo
da LRF.
Receita corrente líquida é toda a receita bruta tirando as
deduções. As transferências constitucionais e legais são retiradas. As
contribuições previdenciárias patronais são retiradas. As compensações
financeiras são excluídas da RCL. Você tem a RCL para as emendas
impositivas (1,2% da receita corrente líquida).
Se houver a criação de ação governamental que acarrete aumento
de despesa, deve haver a estimativa do impacto orçamentário-financeiro
da ação governamental no exercício em que deva entrar em vigor e nos
dois seguintes. É com precioso viço que a lei de responsabilidade fiscal
ordena a estimativa do impacto orçamentário financeiro no exercício em
que deva entrar em vigor e nos dois subsequentes, quando houver
aumento de despesa. Além da estimativa do impacto orçamentário
financeiro, deve haver a declaração do ordenador de despesa de que o
aumento tem adequação orçamentária e financeira com a lei
orçamentária anual. Além de ser adequada à LOA, deve haver a
compatibilidade financeira com o PPA e a LDO. A regra aplica-se à
criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que
acarrete aumento de despesa. Considera-se adequada com a lei
orçamentária anual a despesa objeto de dotação específica e suficiente.
Pode ser que a despesa seja abrangida por crédito genérico, de forma
que somadas todas as despesas, não sejam ultrapassados os limites
estabelecidos para o exercício, nesse caso ela será adequada com a
LOA, item. É o ordenador de despesas quem deve declarar que a
despesa tem adequação orçamentária e financeira com a LOA.
Compatível com o PPA e a LDO é a despesa que se conforme com
as diretrizes, objetivos, prioridades e metas desses instrumentos.
Assim, a despesa compatível com o PPA é aquela que obedece às
diretrizes, objetivos e metas do PPA. Compatível com a LDO é a
despesa que segue as metas e prioridades da LDO. A estimativa do
impacto orçamentário e financeiro no exercício em que deva entrar em
vigor e nos dois subsequentes deverá ser acompanhada das premissas
e metodologias de cálculo utilizadas. A despesa considerada irrelevante,
nos termos da LDO, não precisa da estimativa do impacto-
orçamentário e financeiro e nem de adequação com a LOA ou de
compatibilidade com o PPA e a LDO.
No que tange à renúncia de receita, a concessão ou ampliação de
incentivo favorável à renúncia de receita deverá, assim como a geração
da despesa, estar acompanhada do impacto orçamentário financeiro no
exercício em que deve entrar em vigor e nos dois seguintes. Além disso,
a renúncia de receitas deve atender ao disposto na LDO. Esses dois
pressupostos são obrigatórios. Item, a concessão ou ampliação de
incentivo ou benefício de natureza tributária que acarreta renúncia de
receitas deverá atender a pelo menos uma das seguintes condições: ou
a demonstração de que a renúncia foi considerada na estimativa da
receita da lei orçamentária e de que não afetou as metas do Anexo de
metas fiscais da LDO; ou estar acompanhadas de medidas de
compensação, que pode ser por meio de aumento de receita,
proveniente da elevação de alíquotas, ampliação da base de cálculo,
majoração ou criação de tributo ou contribuição. A renúncia compreende
anistia, remissão, subsídio, crédito presumido, concessão de isenção
em caráter não geral, alteração de alíquota ou modificação da base de
cálculo que implique redução discriminada de tributos ou contribuições,
dentre outros benefícios. A presente obra acredita que a demonstração
pelo proponente de que a renúncia foi considerada na estimativa de
receita da lei orçamentária e de que não afetará as metas de resultados
fiscais previstos no Anexo de Metas Fiscais e as medidas de
compensação, por meio de aumento de receita, proveniente de elevação
de alíquotas, ampliação da base de cálculo, majoração ou criação de
tributo ou contribuição, deveriam constar, ambos, no ato de concessão
que acarretará a renúncia de receita, obrigatoriamente. A demonstração,
pelo proponente, de que a renúncia foi considerada na estimativa de
receita da LOA e o acompanhamento de medidas de compensação são
tão importantes quanto a estimativa do impacto orçamentário financeiro
no exercício em que deva iniciar sua vigência e nos dois seguintes e
também estão na mesma linha de importância da compatibilidade com a
LDO.
Empresa controlada e estatal dependente.A Lei de
responsabilidade fiscal pressupõe ação planejada e transparente,
estabelecendo normas de finanças públicas, com ação planejada e ação
transparente. A prevenção de riscos capazes de afetar o equilíbrio das
contas públicas está na LRF. Regras de renúncia de receita, metas de
inflação, regras para dívida consolidada e mobiliária, concessão de
garantias e inscrição em restos a pagar. A LRF obriga a União, os
Estados, o DF e os Municípios. Empresa estatal dependente: é uma
empresa controlada. Uma empresa controlada é uma sociedade cuja
maioria do capital social com direito a voto pertença, direta ou
indiretamente a ente da federação. Toda empresa estatal dependente
é, necessariamente, uma controlada. Porém, nem toda controlada é
uma empresa estatal dependente. Empresa estatal dependente é uma
empresa controlada que recebe do ente controlador recursos
financeiros, para pagamento de despesas em geral, pagamento de
despesas de custeio ou outras. Uma estatal não dependente está fora
do âmbito de aplicação da LRF. Se ela recebe para gastar com
despesas de capital será estatal dependente, porém se ela receber
recursos para aumento de participação acionária aí ela não é estatal
dependente.
Transferências voluntárias e limites constitucionais para com
a saúde e a educação. Para as transferências voluntárias deve-se
observar o art. 25 § 1° alínea a, que diz que uma das exigências para a
realização de transferência voluntária é de que o ente se ache em dia
quanto ao pagamento de tributos, empréstimos e financiamentos
devidos ao ente transferidor, bem como quanto à prestação de contas
de recursos anteriormente dele recebidos. Além disso, na alínea b ,do §
1 ° deve-se exigir o cumprimento dos limites constitucionais relativos à
saúde e à educação. Não é necessário, para as transferência
voluntárias, observar os limites constitucionais da despesa com pessoal,
somente educação e saúde.
Limites globais e limites da dívida mobiliária. O Senado
Federal trata da proposta de limites globais para o montante da
dívida consolidada dos entes federados. O CN trata dos limites da
dívida mobiliária federal.
Se a operação de crédito não for para financiar despesas
correntes e ou refinanciar dívidas contraídas junto à própria instituição
financeira, ela será permitida. É vedada a realização de operação de
crédito ente um ente da federação e outro, se essa operação for para
financiar, direta ou indiretamente, despesas correntes, ou se for para
refinanciar dívidas contraídas junto à própria instituição concedente.
A anulação de dotação e a utilização da reserva de contingência
podem ser utilizados como fonte de abertura para créditos adicionais.
Tanto na anulação de dotação como na utilização da reserva de
contingência o valor global da LOA permanece o mesmo, uma vez que
se anula uma despesa ou se movimenta o crédito para outra despesa. A
anulação de dotação e a utilização da reserva de contingência são
fontes de abertura créditos adicionais que não geram desequilíbrio
durante a execução orçamentária. O Superávit Financeiro é uma fonte
para abertura de créditos adicionais que gera desequilíbrio.
Para abrir mão da receita tributária, contrariando a máxima de que
todos devem pagar impostos e de que todos os bens, serviços e rendas
devem ser tributados, é necessário interesse público. O nível de
imposição tributária ou a concessão de incentivos fiscais não são
próprios do direito tributário, mas sim campo da política tributária. É na
renúncia tributária que se insere a isenção. As regras da LRF dificultam
a ação de lobistas que tenderiam a beneficiar esse ou aquele setor. O
inciso condiciona o ente político concedente à demonstrar que a
renúncia foi considerada na estimativa da receita da LOA e a
demonstrar que a renúncia não afetará as metas previstas nos anexos
da LDO. O inciso II do art. 14 da LRF exige que a proposta de renúncia
esteja acompanhada de medidas de compensação, por meio do
aumento da carga tributária mediante a elevação de alíquotas,
ampliação da base de cálculo, majoração ou criação de tributo, ficando
essa medida condicionada à efetiva implementação dessas medidas, de
sorte a não provocar qualquer desequilíbrio das contas públicas,
observando o velho dito popular de que quando alguém deixa de pagar
imposto, outrem paga em dobro. Com as exigências previstas nos dois
incisos torna-se impossível a supressão pura e simples do encargo
tributário.
De acordo com o art. 5 § 3°, da LRF, a atualização monetária do
principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação
do índice de preços previsto na Lei de Diretrizes orçamentárias, ou em
legislação específica.
Inscrição de despesas como restos a pagar no encerramento
do exercício.A inscrição de despesas como restos a pagar no
encerramento do exercício financeiro de emissão da Nota de Empenho
depende da observância das condições estabelecidas na legislação
para empenho e liquidação da despesa.
Prescrição dos restos a pagar processados. Prescreve em
cinco anos a dívida passiva relativa aos Restos a Pagar processados.
Cancelamento dos restos a pagar Processados.Os Restos a
Pagar Processados não podem ser cancelados, tendo em vista que o
fornecedor de bens/serviços cumpriu com a obrigação de fazer e a
Administração não poderá deixar de cumprir com a obrigação de pagar.
Serviços da dívida a pagar.Os restos a pagar constituem item
específico da dívida flutuante no passivo
financeiro. Os serviços da dívida a pagar são os restos a pagar de juros
e amortização da dívida. Pessoal e encargos sociais, outras
despesas correntes, investimentos, inversões financeiras são
restos a pagar. Já juros e amortização da dívida são serviços da dívida
a pagar.
Contabilização de bens dominicais, de uso comum e
especial.Quanto à contabilização, os bens especiais e dominiais devem
ser contabilizados no ativo não circulante. Aqui, geralmente ocorre a
grande confusão. Quanto aos bens de uso comum, o entendimento é
que devem também ser contabilizados apenas aqueles que absorveram
ou absorvem recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos
em doação, devem ser incluídos no ativo não circulante da entidade
responsável pela sua administração ou controle, estejam ou não afetos
a sua atividade operacional. Não é somente os que absorverem
recursos públicos, pois os bens de uso comum recebidos em doação
tambem são contabilizados. Hodiernamente, os mesmos podem ser
encontrados em duas classes no Ativo: ativos de infraestrutura e bens
do patrimônio cultural.
De acordo com o art. 9° §2° não serão objeto de limitação de
empenho as despesas que constituam obrigações constitucionais e
legais do ente, inclusive aquelas destinadas ao pagamento do serviço
da dívida e as ressalvadas pela lei de diretrizes orçamentárias.
O Relatório de Gestão Fiscal é suportado pela Lei de
Responsabilidade Fiscal. Antes da LRF não tinha RGF. O RGF é um
tanto recente, desde 2000 para o ano atual. O RREO já existia na
Constituição Federal de 1988, mais foi dada uma revitalizada na LRF. O
RGF é para 4 meses. O RREO é a cada 2 meses. O responsável pelo
RGF é o chefe de cada poder. O responsável pelo RREO é apenas o
chefe do Executivo. O responsável pelo controle interno e pela
administração financeira assinam o RGF, junto com o chefe de cada
poder. O contabilista assina o RREO junto com o chefe do executivo.
Ambos são publicados até 30 dias após o término do período. A
penalidade pela não publicação de cada um desses instrumentos é que
o ente fica impedido de receber transferências voluntárias e contratar
operação de crédito, exceto o refinanciamento da dívida mobiliária.
Metas fiscais. No anexo de metas fiscais criado, pela LRF e que
acompanha a LDO existem 5 metas fiscais: receita, despesa, resultado
primário, resultado nominal e dívida consolidada. O resultado primário é
a receita primária menos a despesa primária. O resultado nominal é o
resultado primário mais juros recebidos menos juros pagos. Se o
resultado primário for positivo ele deve ser capaz de pagar todos os
juros, restando um resultado nominal positivo, contribuindo para reduzir
a dívida consolidada. Dentro da receita eu tenho a receita primária e
receita financeira. A receita financeira é formada por juros, aplicações
financeiras, operações de crédito e amortização de empréstimos. A
receita primária é tudo o que não for juros, aplicações financeiras,
operações de crédito e amortização de empréstimos. A despesa divide-
se em primária e financeira. A despesa financeira é formada por juros,
aquisição de títulos, concessão de empréstimos e amortização da
dívida.Tudo que não for juros, aquisições de títulos, concessão de
empréstimos e amortização da dívida é despesa primária. Do lado das
receitas financeiras ficam os juros recebidos e do lado das despesas
financeiras ficam os juros pagos. Amortização de empréstimo é receita e
amortização da Dívida é despesa. Essas são as 5 metas fiscais : receita,
despesa, resultado primário, resultado nominal e amortização da dívida.
Conta “outras despesas de pessoal”. Os valores dos contratos
de terceirização de mão-de-obra que se referem à substituição de
servidores e empregados públicos serão contabilizados como “outras
despesas de pessoal”. A regra de que os contratos de terceirização de
mão-de-obra serão contabilizados como “outras despesas de pessoal”
encontra-se no §1° do art. 18 da lei complementar 101 de 2000.
O Balanço orçamentário tem a ver com a programação financeiro
e com o RREO. O Balanço orçamentário é uma das formas de verificar
se você tem excesso de arrecadação ou não. A execução das
despesas por função é outro item que tem a ver com a programação
orçamentária e pertence ao RREO. O próximo item é a execução dos
restos a pagar. Balanço orçamentário, execução das despesas por
função e execução dos restos a pagar constam no RREO. Um quarto
item que tem a ver com a programação financeira e consta no RREO é a
receita corrente líquida. Têm a ver com a programação orçamentária e
financeira: 1. Balanço Orçamentário 2. Execução das Despesas por
Função 3. Execução dos Restos a Pagar 4.Receita corrente líquida. O
segundo grupo de itens tem relação com o anexo de metas fiscais:
resultado primário, resultado nominal, receitas e despesas dos regimes
previdenciários. Existem itens que estão na CF e pertencem ao RREO:
receitas e despesas em educação, despesas em saúde. No 6° bimeste
eu repito todos os itens e teremos mais 4 itens adicionais: a projeção
atuarial dos regimes previdenciários, a regra de ouro (operações de
crédito não superou a despesa de capital) e alienação de bens e
aplicação dos recursos. No 6° bimestre temos demonstrativos que têm
a ver com o Anexo de metas fiscais, que é a projeção atuarial dos
regimes previdenciários. Demonstrativo que tem a ver com a CF, que é
o da regra de ouro (operações de crédito não podem superar despesa
de capital), e demonstrativo que tem a ver com a LRF: alienação de
bens e aplicação dos recursos.
Receita Corrente Líquida. A Receita Corrente líquida será um
valor bruto e servirá de base para vários itens. Eu vou partir da receita
corrente total. Depois da receita corrente total eu tiro alguns itens
(deduções). Após isso eu chegarei na RCL. T.C.P.A.I.S.T.O: Tributárias,
contribuições, patrimoniais, agropecuárias, industriais, serviços,
transferências e outras receitas correntes.
Mecanismos quando a dívida mobiliária e consolidada
ultrapassam o limite total. A dívida consolidada, a dívida mobiliária e
as operações de crédito só têm dois limites: o limite de alerta e o total.
As despesas com pessoal têm três limites: limite de alerta, limite
prudencial e limite total. Quando se ultrapassa o limite de alerta nada
acontece, apenas o Tribunal de Contas alerta. Na dívida consolidada, na
dívida mobiliária e nas operações de crédito o responsável é apenas o
chefe do executivo. Se o limite total não foi ultrapassado nada ocorre.
Se sim o estado tem que reduzir o excesso, sendo pelo menos 25% no
primeiro quadrimestres e o restante nos demais. Tem que reduzir pelo
menos 25% no primeiro quadrimestre e o restante no 2° e 3°
quadrimestre. A segunda medida é obter resultado primário. A restrição
é ficar impedido de contratar operação de crédito, exceto para dívida
mobiliária. A dívida consolidada, a operação de crédito e a mobiliária
não possuem limite prudencial, só de alerta e total. Quando não se
ultrapassa o limite total nada acontece, quando se ultrapassa, o tempo
de recuperação é de três quadrimestres. Se não for o último ano do
chefe do poder executivo (a dívida mobiliária, as operações de crédito e
a dívida consolidada são de responsabilidade do chefe do executivo) e
for reduzido o excesso no prazo, cessam as restrições. Se ele não
reduzir o excesso no prazo fica impedido de receber transferência
voluntárias. Se for o último ano do mandato do chefe do Poder
Executivo, o impedimento de receber transferência voluntária é imediato.
Se for no último ano de mandato o prazo de recuperação para reduzir o
excesso no prazo não é considerado, pois ele já fica impedido de
receber transferências voluntária e não se “olha” se foi reduzido no
prazo.
O ITBI e o ITCMD são próximos, gerando confusão. O ITBI
ou ITIV é o imposto que incide sobre a transmissão inter-vivos onerosa
de bens imóveis ou direitos a eles relativos. Essa transmissão deve
envolver a transferência de titularidade. Imóveis adquiridos por
usucapião ou desapropriação não são considerados, pois em ambos os
casos temos formas de aquisição originária da propriedade. O ITCMD é
conhecido como ITD ou ITCD. É o imposto causa mortis ou por doação
de bens móveis ou imóveis ou direitos a eles relativos. Mais uma vez
envolve a titularidade do bem. Na sucessão hereditária um dos
herdeiros pode renunciar sua parte em favor do monte mor (renúncia
abdicativa), onde não temos ITCMD. Teremos ITCMD na renúncia de
um herdeiro em favor de outro herdeiro. É o caso da renúncia
translativa. Na transmissão entre vivos envolvendo bens imóveis pode
incidir ITBI ou ITCMD, pois esse fato não traz dados suficientes. Deve-
se perguntar: a transmissão é onerosa? Se for onerosa terá incidência
do ITBI. Se a transmissão não for onerosa incide ITCMD pois será uma
doação.
ICMS nas operações interestaduais. Existe uma repartição entre
estados produtores e consumidores. Antes, nas operações
interestaduais, privilegiava-se o estado produtor, em detrimento do
estado consumidor. Com a EC 87 de 2015, determinou se a repartição
do ICMS entre o estado produtor e o estado consumidor.
Tributo indireto. Tributo indireto é aquele que por sua própria
natureza comporta a transferência do encargo financeiro a outra pessoa.
Os exemplos clássicos são o IPI e o ICMS. Existe o contribuinte de
direito e o contribuinte de fato.

A jurisprudência concebe que não apenas a majoração direta de


tributos atrai a eficácia da anterioridade nonagesimal, mas também a
majoração indireta, decorrente da revogação de benefícios.
Considera-se ocorrido o fato gerador do IE no momento da expedição
da Guia de Exportação ou documento equivalente, conforme art. 1° §1°
do CTN.
O princípio da anterioridade dá um prazo para o contribuinte para
que ele pague o tributo. Toda vez que o tributo tiver sua carga reduzida
não há que se observar o princípio da anterioridade. Se for pra isenção,
mais especificamente à revogação de isenção, o tributo deve observar a
anterioridade. A revogação da isenção foi tema muito discutido. O
primeiro entendimento do STF era que a revogação da isenção não
deveria observar o princípio. No entanto, o STF, posteriormente, afirma,
até hoje, que é preciso observar o princípio da anterioridade anual e da
anterioridade nonagesimal no que tange à revogação de isenção.
Princípio da não-diferenciação tributária. O princípio da não-
diferenciação tributária é o princípio que veda aos Estados, ao DF e aos
municípios estabelecer diferença tributária entre bens e serviços, em
razão de sua procedência ou destino, conforme art. 152 da CF.
Lançamento e suas finalidades. As finalidades do lançamento
são constituir o crédito tributário, verificar a ocorrência do fato gerador,
determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo devido,
identificar o sujeito passivo e propor a aplicação da penalidade
cabível.
A imunidade recíproca não se aplica sobre o patrimônio, renda ou
serviços relacionados com exploração de atividades econômicas regidas
pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados. O promitente
comprador não fica exonerado de pagar imposto relativamente a bem
imóvel adquirido de um ente federado. A imunidade recíproca vale para
os entes políticos, autarquias e fundações, em regra não alcança as
empresas públicas e sociedades de economia mista, porém o STF tem
entendimento para EP e SEM quando preste serviço público essencial
especialmente quando em regime de monopólio. Súmula 583:
promitente comprador de imóvel residencial transcrito em nome de
autarquia é contribuinte do IPTU.
Modificação da base de cálculo que torne o tributo mais
oneroso.A modificação da base de cálculo que torne o tributo mais
oneroso equipara-se a majoração. É óbvio que quando se modifica a
base de cálculo de um tributo para mais, tornando-o mais oneroso, o
que se tem é uma verdadeira majoração do tributo. CTN art. 97 § 1°
equipara-se à majoração do tributo a modificação da sua base de
cálculo que importe em torná-lo mais oneroso.
Impostos lançados por declaração, por homologação e de
ofício. O ICMS e o ISS são lançados por homologação. O ITCMD e o
ITBI são lançados por declaração. O IPTU e o IPVA são lançados de
ofício. As anuidades de Conselhos Profissionais, o IPTU, o IPVA, as
taxas, as contribuições de melhoria e as contribuições de iluminação
pública são lançados de ofício. O lançamento por homologação é a
modalidade em que ocorre o dever de antecipar o pagamento sem
prévio exame da autoridade administrativa.
O lançamento é efetuado com base na declaração do sujeito
passivo ou de terceiro. A retificação da declaração por iniciativa do
próprio declarante só é admissível mediante comprovação do erro que
fundamentou a retificação e ainda assim se antes de notificado o
lançamento. A revisão do lançamento só pode ser iniciada enquanto não
extinto o direito da fazenda pública
Em execução fiscal, a prescrição ocorrida antes da propositura da
ação pode ser decretada de ofício. Isso é o que afirma a Súmula 409 do
STJ: Em execução fiscal, a prescrição ocorrida antes da propositura da
ação pode ser decretada de ofício. Segundo o art. 6.§ 3° da LEF a
produção de provas pela fazenda pública independe de requerimento na
petição inicial. Ainda segundo o mesmo art. 6, no seu § 4° o valor da
causa será o da dívida constante da certidão, com os encargos legais.
Denúncia Espontânea. é uma modalidade de extinção da
punibilidade por infrações. A Denúncia Espontânea afasta as multas.
Segundo o STJ tanto as punitivas como as moratórias. O art. 138
aborda a denúncia espontânea. Duas condições são importantíssimas: a
apresentação tem que ser realmente espontânea. Para ser realmente
espontânea tem que ser antes do início de qualquer procedimento fiscal
e além disso deve-se pagar o tributo a vista, acrescido de juros e
correção monetária. Deve-se analisar a denúncia espontânea frente aos
tributos sujeitos a lançamento por homologação. A súmula 360 do STJ
afirma que o benefício da denúncia espontânea não se aplica aos
tributos sujeitos por homologação, onde o contribuinte antecipa as
informações para o fisco. Se por ventura o contribuinte prestar as
informações sem o pagamento já está reconhecida a dívida, de modo
que mesmo que o contribuinte se apresente a ele antes de qualquer
procedimento administrativo ou fiscal, a denúncia espontânea não trará
os efeitos esperados. Se os tributos sujeitos a lançamento por
homologação forem declarados e não pagos não cabe a denúncia
espontânea. Se eles não foram declarados e nem pagos cabe a
denúncia espontânea nos tributos sujeitos a lançamento por
homologação.
Isenção Heterônoma. O princípio que veda a isenção heterônoma
significa que a União deverá isentar tributo que lhe pertence, os Estados
tributos que lhes pertencem e igualmente os municípios. O Poder de
isentar é correlato ao Poder de criar. Essa regra é a isenção
autonômica, que deveria ser máxima a ser aplicada. A CF, no art. 151
incisso III proibe as isenções heterônomas. Os tratados internacionais
são elaborados no âmbito da União, na pena do presidente da república.
Pode haver um tratado internacional que isente um tributo estadual,
afastando a vedação da isenção heterônoma. Desde 2007 o STF já
versava sobre o tema. Isso ocorre porque nesse caso o presidente o faz
como chefe de governo, mas não como chefe de estado na defesa dos
interesses da nação, por isso a União que celebraça do tratado
internacional não é aquela pessoa jurídica de direito público interno que
convive com os Estados membros, municípios e DF. Foi o STF quem se
posicionou sobre o tema, desde 2007, dizendo que os tratados
internacionais podem ser exceções ao princípio da vedação às isenções
heterônomas: RE n. 22906 de agosto de 2007.
A tributação deve respeitar o mínimo existencial e a vedação ao
confisco. Segundo o princípio da capacidade contributiva deve-se
respeitar o mínimo existencial e a vedação ao confisco, binômio
presente nesse princípio tributário. O princípio da capacidade
contributiva, inspirado no ideal da justiça distributiva, é decorrente da
igualdade, possui assentamento constitucional e é limitado pelo mínimo
existencial e pelo confisco.
Erros contidos na declaração de lançamento.No lançamento,
os erros contidos na declaração e apuráveis pelo seu exame serão
retificados de ofício pela autoridade administrativa a que competir a
revisão daquela
Súmula 323 do STF. Afirma a súmula 323 do STF que é
inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo para
pagamento de tributos.
A questão do IPTU em área de expansão urbana ou área
urbanizáveis está na Súmula 626 do STJ. A regra do IPTU está no art.
32 do CTN, no seu parágrafo 1°. Os melhoramentos urbanos estão no
§1° do CTN, bastando dois desses melhoramentos. O IPTU também
incide em áreas nas quais não tenham os dois melhoramentos urbanos,
pois pode existir uma área urbanizável ou de expansão urbana,
independentemente de melhoramentos urbanos. Se estiver em zona
urbana mas tiver fins rurais e extrativistas não haverá IPTU, mas sim
ITR. A regra é que incide IPTU se o imóvel estiver em zona urbana, mas
a exceção é uma área urbana sem melhoramentos, mas com
loteamentos aprovados em lei municipal.
O depósito do montante integral do tributo suspende a
exigibilidade, e não o depósito do montante parcial.
O parcelamento suspende a exigibilidade do crédito tributário,
enquanto a decisão administrativa favorável ao sujeito passivo, definitiva
na órbita administrativa, e que não mais possa ser objeto de ação
anulatória extingue esse crédito.
Segundo o art. 183 do CTN a enumeração das garantias do
crédito tributário é exemplificativa, pois não excluem outras que sejam
expressamente previstas em lei.
Segundo o art. 187, parágrafo único, o concurso de preferência
somente se verifica se observar a ordem prescrita no dispositivo. 1°
União; 2° Estados, DF e Territórios conjuntamente e pro rata; 3 °
Municípios, conjuntamente pro rata.
A decisão administrativa irreformável, assim entendida a definitiva
na órbita administrativa, que não mais possa ser objeto de ação
anulatória consta no inciso IX do Art. 156 do CTN como causa de
extinção do crédito tributário. A consignação em pagamento, nos termos
do disposto no § 2° do art. 164 consta no inciso VIII do art. 156 do CTN
como forma igualmente extintiva do crédito tributário.
Subsídios, isenções e outras formas de renúncia fiscal. Os
subsídios ou isenções, reduções da base de cálculo, concessões de
crédito presumido, anistia e remissão são concedidos por lei específica.
No entanto, a forma como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão
concedidos só pode ser por lei complementar.
Tributos diretos e indiretos. São exemplos de Tributos direitos:
IRPF, IPTU e IPVA. No tributo direto o encargo financeiro é suportado
pela mesma pessoa que pratica o fato gerador. Tributos indiretos: ICMS,
ISS e IPI. Os tributos indiretos exigem a transferência do encargo
financeiro para uma terceira pessoa.
Segundo o Art. 191-A do CTN, a concessão de recuperação
judicial depende da apresentação da prova de quitação de todos os
tributos.
Princípio da legalidade tributária. Do ponto de vista histórico, é
comum à referência à Magna Carta, assinada em 1215 pelo Príncipe
João Sem Terra, na Inglaterra, como data natalícia do princípio no
taxation without representation.
O Princípio da capacidade contributiva é corolário, decorrência
direta do princípio da igualdade.
As imunidades tributárias classificam-se em objetivas, subjetivas
ou mistas.
A taxa serve para remunerar, a título de contraprestação, os
serviços notariais e registrais prestados direta ou indiretamente pelo
Estado. As serventias notariais e registrais, os cartórios, não gozam de
imunidade tributária. A LC 116 de 2003 aponta como tributáveis, em
seus itens 21 e 21.1, os serviços de registros públicos, cartorários e
notariais. 21 - Serviços de registros públicos, cartorários e notariais
21.01 Serviços de registros públicos, cartorários e notariais. A
celeuma ganhou expressivo viço (força, vigor), e o STF confirmou a
natureza tributária das custas e emolumentos como verdadeiras taxas.
As custas judiciais e emolumentos concernentes aos serviços notariais e
registrais possuem natureza de taxa, espécie tributária. O STF inclinou-
se pela orientação de que os serviços de registros públicos, notários e
cartórios, embora públicos, não são imunes ao ISSQN.
Não estão sujeitas ao princípio da legalidade a fixação de prazo de
recolhimento de tributo. A fixação de prazo de recolhimento de tributo
pode ser por ato infralegal.
A pessoa natural ou jurídica que adquire fundo comercial ou
estabelecimento comercial e continuar a exploração da atividade que já
vinha sendo desenvolvida, responde pelos tributos relativos ao fundo ou
estabelecimento adquiridos integralmente, se o alienante cessar a
exploração do comércio, indústria ou atividade. Porém, a
responsabilidade somente será subsidiária se o alienante prosseguir na
exploração ou iniciar nova atividade no mesmo negócio ou em outro
ramo.
A entrega da declaração pelo contribuinte reconhecendo débito
fiscal constitui crédito tributário, dispensada qualquer outra providência
por parte do fisco.
Segundo o art. 62 §2° a medida provisória é meio idôneo para
instituir ou majorar impostos e nesse caso, a obediência à anterioridade
anual pressupõe a sua conversão em lei até o último dia do exercício
financeiro em que foi editada.
Para o art. 135,III, do CTN apenas aqueles que estejam na
direção, gerência ou representação da pessoa jurídica e tão somente
quando pratiquem atos com excesso de poder, infração à lei, podem ser
responsabilizados. Apenas o sócio com poderes de gestão ou
representação é que pode se responsabilizado. O sócio-gerente não
responde pelo simples inadimplemento, devendo ser imputado excesso
de poderes, infração da lei, contrato social ou estatuto.
Contribuições sociais e de intervenção no domínio
econômico. As contribuições sociais incidirão sobre serviços
importados do exterior. As Contribuições sociais e de intervenção no
domínio econômico não incidirão sobre as receitas decorrentes de
exportação. Tais contribuições sociais e de intervenção no domínio
econômico podem ter alíquotas ad valorem ou específica.
Anistia em caráter não geral e aplicação ex tunc. A anistia,
quando não concedida em caráter geral, é efetivada por despacho da
autoridade administrativa. A anistia abrange exclusivamente as infrações
cometidas anteriormente à vigência da lei que a concede (ex tunc).
Não cabe exceção de pré-executividade em execução fiscal
promovida contra sócio que figure como responsável em certidão de
Dívida Ativa (CDA). A exceção de pré-executividade precisa de prova
pré-constituída, não cabe dilação probatória. Os embargos à execução
fiscal incidem com prazo de 30 dias a partir da garantia do juízo e cabe
dilação probatória (defesa ampla).
Súmula 460 do STJ e mandado de segurança. Súmula 460 do
STJ. É incabível mandado de segurança para convalidar compensação
tributária realizada pelo contribuinte.
Súmula 213 do STJ. O mandado de segurança constitui ação
adequada para a declaração do direito à compensação tributária.
Imunidade, isenção e alíquota zero. A imunidade está prevista na
CF. A isenção vem do CTN, trata-se de uma regra prevista em lei que
exclui o crédito tributário. Na alíquota zero não existe dispensa do
pagamento, mas o valor calculado é igual a zero. Na imunidade não há
fato gerador nem nada, na isenção há o fato gerador e a obrigação
tributária, mas não há crédito tributário. Na alíquota zero existe fato
gerador, obrigação tributária e crédito tributário, mas o pagamaneto é
zero.
Não incide a imunidade de impostos sobre serviços nas
operações com jornais, livros, periódicos e o papel destinado à sua
impressão. Incide IR sobre as rendas da editora, IPVA sobre os veículos
da editora, IPTU sobre o prédio da editora. A imunidade dos livros,
jornais, periódicos e papéis é objetiva, e não subjetiva. As imunidades
objetivas ou reais são aquelas instituídas em virtude de determinados
fatos, bens ou situações importantes. As imunidades reais ou objetivas
abrangem somente ICMS, IPI, II e IE. A CF não garante imunidade de
imposto sobre Renda nas operações com jornais, livros, periódicos e
papel destinado a sua impressão. Incidirá IPTU sobre o prédio da
editora, ITBI sobre a aquisição de bem imóvel pela editora e de Finsocial
sobre o faturamento da editora. O ICMS não incidirá sobre livros e o
papel destinado a sua impressão, pois os livros, papéis, jornais e
periódicos gozam de imunidade objetiva em relação ao ICMS.
Os impostos sobre a circulação são o ICMS, IPI, IOF e ISS.
Fere preceito constitucional a instituição de taxa sobre serviços de
engenharia prestados por particulares, justamente porque a taxa é um
tributo vinculado à ação estatal, e não vinculado à uma ação do
particular. A taxa não deve ser atrelada a uma atividade do particular
como um serviço de engenharia ou outro serviço qualquer.
Princípio da anualidade orçamentária. A anualidade ou
periodicidade não é um princípio tributário, mas orçamentário. O
princípio da anualidade diz que o exercício financeiro coincide com o
ano civil, mas isso não é a regra, pois na Itália e na Suécia o exercício
financeiro começa em 1/7 e termina em 30/6. Na Inglaterra, Japão e
Alemanha ele vai de 1/4 até 31/3.
O contribuinte do ITBI é qualquer das partes na operação
tributada, na forma da lei. Não incide ITBI sobre a transmissão de bens
ou direitos incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica em realização
de capital. Na transmissão de bens inter vivos, que envolva bens
pertencentes a pessoa jurídica em realização de capital, não incide ITBI
ou ITIV. Também não incide ITBI na transmissão de bens ou direitos
decorrente de fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica,
como regra. Diz-se como regra pois pode ser que a atividade
preponderante do adquirente do bem seja a compra de bens ou direitos,
locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil, pois tais compras
envolvem a fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoas jurídicas.
As alíquotas internas do ICMS não poderão ser inferiores às
previstas para as operações interestaduais. As alíquotas internas, nas
operações relativas à circulação de mercadorias e nas prestações de
serviços, não poderão ser inferiores às prevista para as operações
interestaduais. A seletividade do ICMS é facultativa. Resolução do
Senado Federal, de iniciativa do Presidente ou de um terço dos
Senadores, aprovada pela maioria absoluta de seus membros,
estabelecerá as alíquotas aplicáveis às operações e prestações
interestaduais e de exportação. As alíquotas do ICMS são fixadas por
cada Estado e não pela lei Kandir. A isenção ou não incidência do ICMS
não implicará crédito para compensação com o montante devido nas
operações ou prestações seguintes.
Livros obrigatórios e prescrição dos créditos tributários.Os
livros obrigatórios de escrituração comercial e fiscal e os comprovantes
dos lançamentos neles efetuados serão conservados até que ocorra a
prescrição dos créditos tributários decorrentes das operações a que se
refiram. Inteligência do art. n°195 do CTN.
O art. 198 §2° do CTN afirma que o intercâmbio de informação
sigilosa, no âmbito da administração pública será realizado mediante
processo regularmente instaurado. O processo formal regularmente
instaurado para o intercâmbio de informação sigilosa é um dever e não
uma faculdade.
Lançamento e fato gerador.O lançamento reporta-se à data da
ocorrência do fato gerador da obrigação e rege-se pela lei então vigente,
ainda que posteriormente modificada ou revogada.
Impostos extra fiscais e alíquotas. É facultado ao Poder
Executivo alterar as alíquotas dos impostos extrafiscais II,IE,IPI e IOF.
Imposto sob produtos industrializados.O IPI é lançado por
homologação. Além de ser lançado por homologação, o IPI será seletivo
em função da essencialidade do produto e será não cumulativo,
compensando-se o montante devido em cada operação com o montante
cobrado nas anteriores. O IPI não incidirá sobre produtos
industrializados destinados ao exterior, ou seja, não incidirá nas
exportações.
Súmula 584 do STF e IR. Ao imposto de renda calculado sobre os
rendimentos do ano-base, aplica-se a lei vigente no exercício financeiro
em que deve ser apresentada a declaração.
Elisão fiscal e evasão fiscal. Elisão é o nome dado à
utilização de práticas lícitas realizadas pelo sujeito passivo,
normalmente antes do fato gerado, com o objetivo de economizar no
pagamento de tributo. Evasão, fraude fiscal ou sonegação fiscal consiste
na prática de uma conduta ilícita pelo sujeito passivo, após o fato
gerador, visando frustra o recolhimento de tributo, intencionalmente.
Imposto sobre produtos industrializados e seletividade.
Além de ser seletivo, não cumulativo e de não incidir sobre a exportação
de produtos, o IPI terá reduzido seu impacto sobre a aquisição de bens
de capital.
Transação. Uma das formas de extinção do crédito tributário
é a transação, prevista no art. 156 inciso II do CTN
Erros apuráveis na declaração de lançamento. Para fins de
lançamento, os erros apuráveis pelo exame da própria declaração serão
retificados de ofício pela autoridade administrativa competente para a
revisão da declaração.
A jurisprudência do STF consolidpu-se no sentido de que a
concessão de benefícios fiscais relativos ao ICMS pressupõe não
somente a autorização por meiode convênio celebrado entre Estados,
mas também a edição de lei em sentido formal de cada um daqueles.
As alíquotas do IPVA podem ser diferenciadas em razão do tipo e
da utilização do veículo. Al´-em de poder ter alíquotas diferenciadas em
função do tipo e utilização, o IPVA terá alíquotas mínimas fixadas pelo
Senado Federal.

A consignação em pagamento é o meio utilizado pelo contribuinte


devedor quando ele se vê impedido de pagar o tributo. Se o contribuinte
busca a fazenda pública é porque ele tem uma das três pretensões
possíveis: pagar, não pagar ou restituir. A pretensão de não pagar é a
mais óbvia, e possui como medidas o mandado de segurança, os
embargos em execução e as ações anulatórias, que são os meios de
não pagar mais usuais. A ação de repetição do indébito é quando o
contribuinte pagou a maior ou pagou um valor que não deveria pagar.
Quando o contribuinte quer pagar mas existe alguma condição colocada
pela fazenda pública para que ele não pague entra a ação em
consignação em pagamento. Na hipótese de recusa de recebimento
pela fazenda pública cabe a ação de consignação em pagamento.
Também ocorre na subordinação do pagamento ao pagamento de outro
tributo, na subordinação do pagamento ao pagamento de outra
penalidade, ao cumprimento de obrigação acessória, ou ainda na
subordinação do pagamento ao cumprimento de exigência
administrativa sem base legal. Na hipótese de bitributação, quando dois
entes federados exigem tributos sobre o mesmo fato gerador, ocorre,
item, a ação de consignação em pagamento. Se existem dois entes
federados cobrando tributo sobre o mesmo fato gerador, deve-se ajuizar
a ação de consignação em pagamento em face dos dois e eles que se
virem para provar quem é que realmente tem direito a receber o tributo.
A competência para julgar a bitributação com a União envolvida é da
Justiça Federal. Somente o depósito do montante integral é capaz de
suspender a exigibilidade do crédito tributário. Na hipótese de
bitributação o contribuinte deve consignar o de maior valor, pois assim
haverá a suspensão das duas cobranças.
A progressividade de alíquotas do ITBI, conforme a súmula 656, é
inconstitucional. Alguns entendem que essa súmula está superada,
inclusive o próprio STF. Os impostos pessoais sempre foram
progressivos e os reais, com raríssimas exceções, não. Em 2013, o STF
passou a admitir ao ITCMD, imposto real, a sujeição às alíquotas
progressivas. Ora, o ITBI também é um imposto real, por isso deveria ter
alíquotas progressivas, e essa técnica não poderia se resumir a
impostos pessoais. Antes de 1988 o ITBI e o ITCMD constituiam um
único imposto. Por anos a progressividade foi aceita somente aos
impostos, mais especificamente aos impostos pessoais, o que culminou
na súmula 656.O STF entendeu que a progressividade deveria ser
aplicado a todos os impostos, reais e pessoais, pois a mesma promove
a isonomia fiscal, tornando a Súmula obsoleta.
Existe a isenção onerosa e a isenção não onerosa. A isenção
onerosa é conhecida como isenção condicional, benefício concedido por
prazo certo e sob determinadas condições. Na isenção não onerosa ou
isenção incondicional, não se estabelecem prazos e nem mesmo
condições, a isenção onerosa ou condicional não pode ser revogada,
pois ela gera direitos adquiridos. A súmula 554 do STF versa sobre o
tema. Na isenção incondicional, ela pode ser concedida a qualquer
tempo e revogada a qualquer tempo, entretanto, essa revogação só
poderá fazer efeito no exercício financeiro seguinte. A isenção não
condicionada, segundo o STF, diz que uma vez revogada a isenção nós
teremos a majoração do tributo. Assim, atualmente, uma vez revogada a
isenção, será necessário aguardar a anterioridade anual e a
anterioridade nonagesimal.
A medida cautelar fiscal é prevista na lei 8.397 de 1992, sendo
uma ação específica criada para garantir que o fisco possa satisfazer o
crédito tributário. O objetivo é impedir que o contribuinte dilapide o seu
patrimônio para não recolher o tributo. Ela é cautelar pois garante a
satisfação do crédito. Tanto pode ser ajuizada antes como após a
constituição do crédito tributário pelo fisco. A cautela é prevista na lei
8.397 de 1992. O art. 185 do CTN prevê expressamente a figura da
fraude à execução fiscal, que considera fraudulenta a alienação de bens
do devedor após a inscrição em dívida ativa do crédito tributário. Nesse
caso aplica-se a medida cautelar, que pode ser utilizada por qualquer
um dos entes federados. Existe hipótese de que o deferimento da
cautelar seja feito antes da constituição do crédito. É plenamente
cabível, em dois casos, a cautelar fiscal independentemente da
constituição do crédito tributário. Ela poderá ser requerida quando o
devedor, sem domicílio certo, intenta ausentar-se, intentando alienar
bens ou visando elidir o adimplemento da obrigação. Se o indivíduo quer
fugir ou está inadimplente ou tenta contrair dívidas que comprometam o
patrimônio aplica se a cautelar
Lei 6.830 e execução fiscal. A execução fiscal é um rito
processual pensado e criado com objetivo de satisfazer os créditos que
o Estado seja titular, regulamentado pela lei 6.830 de 1980. A Dívida
Ativa pode ser tributária ou não tributária. A LEF é executada para
cobrança de quaisquer créditos, lato sensu. A inscrição em dívida ativa
faz com que o crédito seja líquido e certo, com presunção relativa de
liquidez e certeza. A CDA é o único documento que vai instruir a
execução fiscal.
A lei de execução fiscais presta pelo benefício do exequente
(fazenda) e não pela defesa do executado. Tanto é assim que em sede
de execução fiscal não cabe contestação, pois a defesa do executado é
feita pela ação de embargos, que é uma ação desconstitutiva do crédito
tributário. Alguns a chama de ação constitutiva negativa. Ela objetiva a
anulação e desconstituição do crédito referente ao tributo. Ela não tem
natureza de contestação, mas sim natureza de ação. A ação anulatória
não tem um prazo para ser realizada, a ação de embargos tem. A
previsão da ação de embargos está no art. 16 e tem um prazo de 30
dias. Tanto as ação anulatória e a de embargos são fungíveis. As duas
são ações desconstitutivas e é possível que uma ação anulatória seja
recebida como embargos. Porém, os embargos pressupõe a garantia do
juízo. Se não houver garantia não há embargos. A previsão está no art.
16, e diz que o prazo de 30 dias é contado: da efetivação do depósito;
da juntada da fiança bancária ou de um seguro garantia (carta de fiança
e seguro garantia não garantem a execução fiscal se tiverem prazo
determinado); ou do oferecimento de bens a penhora. O prazo para
oferecimento dos embargos contará da intimação da penhora.
CIDES e receitas decorrentes de exportação.As contribuições
sociais de intervenção no domínio econômico não incidirão sobre as
receitas decorrentes de exportações. A regra de que as CIDEs não
incidirão sobre as receitas decorrentes da exportação está no Art. 149 §
2º I da Constituição. Existe a figura da CIDE-Royalties, instituída na
lei n. 10.168 de 2000.
Prescrição quinquenal. A ação para cobrança do crédito
tributário prescreve em cinco anos, contados da sua constituição
definitiva. A prescrição se interrompe pelo despacho do juiz que ordenar
a citação em execução fiscal. A execução fiscal é regulada pela lei 6.830
de 1980. É com a citação prevista na LEF, que tem o prazo de 5 dias,
que a prescrição se interrompe. É o despacho do juiz ordenando a
citação, na execução fiscal, que faz a prescrição quinquenal ser
interrompida. A prescrição é interrompida pelo protesto judicial, que é o
ato judicial com finalidade de prevenir responsabilidade, prover a
conservação de um direito. O protesto judicial promove a ressalva de
direitos, protestando a dívida em cartório. O protesto judicial também
interrompe a prescrição quinquenal. Além do protesto judicial e do
despacho do juiz que ordena a citação em execução fiscal, qualquer ato
judicial que constitua em mora o devedor também tem o condão de
interromper a prescrição. É bom que o devedor contribuinte observe os
prazos para atuar e não incorra em mora(demora) no processo, pois sua
falha fará a prescrição ser interrompida.
Contribuições da seguridade social e anterioridade tributária.
As contribuições à seguridade social são exceções à anterioridade
tributária, mas devem observar os 90 dias da noventena
Imunidade e mídias eletrônicas. A produção de CDs, DVDs, Blu-
Rays, é imune ao ISS na etapa de produção, ao ICMS na etapa da
comercialização e ao IPI na etapa da industrialização.
Pelo conceito de não-cumulatividade adotados pelo ICMS e IPI,
abate-se em cada operação o valor incidente na operação
imediatamente anterior. A sistemática de não cumulatividade do ICMS e
IPI não é compatível com a tributação monofásica. O PIS e o COFINS
não é compatível com a tributação monofásica porque o fato gerador
ocorre uma única vez na cadeia produtiva.
Exceções ao princípio da legalidade. Esse é o primeiro princípio
estampado na CF, que veda à União exigir ou aumentar tributo sem lei
que o estabeleça. Toda vez que a constituição for silente, o tributo pode
ser instituído por lei ordinária ou medida provisória, porém existem
tributos que exigem lei complementar, são 4 casos: novos impostos,
impostos sobre grandes fortunas, novas contribuições sociais e os
empréstimos compulsórios. Novos impostos, Impostos sobre Grandes
Fortunas, Novas contribuições sociais e Empréstimos Compulsórios.
Não dá para instituir um tributo por decreto ou portaria. O que pode
acontecer é a variação das alíquotas, o que é diferente de instituir
tributos. A alteração das alíquotas dos tributos, como II, IE, IPI e IOF
pode ser por ato do poder executivo, admitindo-se a portaria ou a
resolução. A CIDE combustível e o ICMS combustível podem ter suas
alíquotas reduzidas ou restabelecidas por ato do poder executivo. A
CIDE combustíveis será por ato do poder executivo, e o ICMS será por
convênio. A fixação das obrigações acessórias, a atualização do valor
monetário da base de cálculo do tributo, e por fim, a alteração do prazo
de pagamento do tributo não precisa de lei.
Serviços provenientes do exterior e lei 116 de 2003. Nos
serviços provenientes do exterior do País ou cuja prestação se tenha
iniciado no exterior, o local da prestação será o estabelecimento do
tomador. Se não for possível localizar o estabelecimento do tomador, o
local da prestação será o do estabelecimento do intermediário do
serviço. Na falta de estabelecimento do tomador, o local da prestação
será o do domicílio do tomador. Os serviços provenientes do exterior do
país ou cuja prestação seja iniciada no exterior são exceção à regra
geral de que o local da prestação é o do estabelecimento do prestador
do serviço e estão previstos na lei complementar 116 de 2003.
Na falência, a multa tributária prefere apenas aos créditos
subordinados. Na falência a lei poderá estabelecer limites e condições
para a preferência dos créditos decorrentes da legislação do
trabalho.Enquanto o crédito tributário fora do âmbito falimentar prefere a
qualquer outro, seja qual for a natureza ou o tempo de constituição,
exceto aos créditos trabalhistas, na falência a lei poderá estabelecer
limites e condições para a preferência dos créditos decorrentes da
legislação do trabalho.
Exceção à regra geral do estabelecimento prestador.Na
cessão de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas de uso
temporário também ocorre exceção à regra geral de que o local da
prestação será o do domicílio do prestador do serviço. Nesses casos o
local da prestação será o da instalação dos andaimes, palcos,
coberturas e outras estruturas, conforme subitem 3.05 da lista anexa à
LC 116 de 2003.
Obras de engenharia, arquitetura e urbanismo e execção à
regra do estabelecimento prestador. O acompanhamento e
fiscalização da execução de obras de engenharia, arquitetura e
urbanismo também é exceção à regra geral de que o local da prestação
dos serviços será o do domicílio prestador, pois no caso do
acompanhamento e fiscalização de obras de engenharia, arquitetura ou
urbanismo, o local da prestação do serviço é o local da execução da
obra. O acompanhamento e fiscalização da execução de obras de
arquitetura e urbanismo está previsto no subitem 7.19 da lista anexa à
LC 116 de 2003.
Serviços de limpeza e exceção à regra do domicílio prestador.
O serviço de limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros
públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres
também é exceção à regra geral de que o local da prestação dos
serviços é o do domicílio prestador. Nesses casos o local da prestação
dos serviços é o local da execução da limpeza, manutenção,
conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés,
piscinas, parques, jardins e congêneres, conforme LC 116 de 2003.
Serviços de limpeza e dragagem de rios- exceção a regra do
domicílio prestador. Os serviços de limpeza e dragagem de rios,
portos, canais, baías, lagos, lagoas, represas, açudes e congêneres,
previstos no subitem 7.18 da lista anexa à LC 116 de 2003, tambêm são
exceção à regra de que o local da prestação dos serviços é o do
domicílio do prestador, pois nesses casos o local da prestação dos
serviços é o local da limpeza e dragagem, conforme a LC 116 de 2003.
Fato gerador nos serviços de locação de uso de ferrovia.Nos
serviços de locação, sublocação, arrendamento, direito de passagem ou
permissão de uso de ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e condutos
de qualquer espécie, o fato gerador se considera ocorrido e devido o
imposto em cada Município em cujo território haja extensão. Segundo a
lei do ISS, a lei complementar 116 de 2003, em cada município em cujo
território haja extensão da ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e
condutos de qualquer natureza, o fato gerador se considera ocorrido.
Nos casos de execução de obras de construção civil, hidráulica ou
elétrica e de outras obras semelhantes, previstas no subitem 7.02 da
lista Anexa à lei complementar 116 de 2003, o local da prestação do
serviços será o local da execução da obra, sendo exceção à regra geral
de que o local da prestação será o do domicílio prestador.
Princípio da anterioridade tributária: está previsto no art. 150 III, alíneas
b e c da CF. Ele homenageia a segurança jurídica, nos protegendo
contra a tributação que possa ocorrer do dia pra noite. Existe a
anterioridade anual ou de exercício e a anterioridade nonagesimal. A
anterioridade anual é aquela em que havendo uma lei que crie ou
aumente um tributo, ela só vai incidir em primeiro de janeiro do ano
seguinte. A anterioridade nonagesimal é aquela referente ao prazo de
90 dias. Até 2003 só havia a anterioridade anual no Brasil. Existem
tributos que fogem às duas anterioridade: II, IE, IOF, Imposto
Extraordinário e o Empréstimo Compulsório para calamidade pública e
para Guerra. O IPI , uma vez majorado, será exigido 90 dias depois. As
alterações da base de cálculo fogem à anterioridade nonagesimal.
Princípio da anterioridade para as contribuições da seguridade social:
têm um período de anterioridade só dela, de 90 dias.
A anistia não se aplica aos atos qualificados como crimes ou
contravenções. Se um ato for praticado com dolo pelo sujeito passivo,
ou se o sujeito passivo utilizar-se do artifício da fraude, mesmo que o ato
não seja qualificado como crime, anistia não haverá. Nas infrações
resultantes de conluio entre duas ou mais pessoas não cabe anistia,
salvo disposição em contrário. Isso significa dizer que existem
exceções, onde as infrações resultantes de conluio são abrangidas pela
anistia. A anistia pode ser em caráter geral ou limitadamente. A anistia é
concedida limitadamente nas infrações da legislação relativa a
determinado tributo. Nas infrações punidas com penalidades pecuniárias
até determinado montante, também será concedida a anistia, de forma
limitada. A anistia também pode ser concedida de forma limitada a
determinada região do território da entidade tributante, em função de
condições a ela peculiares. Pode, também, a anistia, ser concedida
limitadamente, sob condição do pagamento de tributo no prazo fixado
pela lei que a conceder.
Empréstimo compulsório. Está estampado na Constituição, no
art. 148 e no CTN, no art. 15. O art. 15 do CTN não foi recepcionado em
sua inteireza. O inciso III não foi recepcionada. Os dois primeiros foram
encampados pela CF. O empréstimo compulsório só deve ser instituído
pela União e demanda lei complementar. O imposto sobre grandes
fortunas, os empréstimos compulsórios, os impostos residuais e as
residuais contribuições da seguridade social são os impostos que
demandam lei complementar. O empréstimo compulsório é um tributo
autônomo.
O mandado de segurança no direito tributário. O mandado de
segurança, no direito tributário, tem por objetivo proteger o direito líquido
e certo de alguém. Para impetrar o MS não precisa do lançamento do
tributo. Existe, assim, o MS preventivo e o repressivo, sendo que um
cabe antes do lançamento e o outro após o lançamento. Será preventivo
aquele impetrado em qualquer momento antes do lançamento. O
repressivo pode ser impetrado em até 120 dias da data do lançamento.
Existe o mandado de segurança individual e o coletivo.
Prescrição intercorrente: para entender devemos atrair a lei 6.830
de 1980. Ao final de 2018 a prescrição intercorrente sofreu uma
atualização. A lei 6.830 é uma lei ordinária federal, e é uma ação de
iniciativa da fazenda pública, onde o juiz se manifesta em primeiro
momento e dá um primeiro despacho, citando o devedor, para no prazo
de 5 dias, pagar ou garantir o juízo. Se o contribuinte, após a citação,
não paga ou garante o juízo, se não localizados os bens, o processo de
execução fiscal fica suspenso por um ano. Findo esse prazo de 1 ano,
se ainda não forem localizados os bens, o processo será arquivado sem
dar baixa nos autos. Se o processo ficar por um tempo superior a 5
anos, teremos a prescrição intercorrente. Na primeira etapa, os bens
não são localizados e o processo fica suspenso por um período de 1
ano. A segunda etapa se inicia finda a suspensão por um ano. Se o
processo for arquivado e permanecer no arquivo por mais de 5 anos
temos a prescrição intercorrente.
Exceção de pré-executividade: passou a ser uma medida
alternativa aos embargos à execução fiscal. A exceção de pré
executividade é uma mera petição. Os embargos dependem de custas
processuais e a exceção de pré-executividade não. Ainda que
indiretamente, a exceção de pré-executividade terminou por ser
regulada no CPC. A exceção de pré-executividade ainda não é a
principal defesa do executado. Ela é admissível relativamente às
matérias conhecidas de ofício que não demandem dilação probatória. É
fundamental que não haja necessidade de dilação probatória.
Os julgados entendem que, por ser a decadência forma de
extinção do crédito tributário, não pode ser reavivado o direito pela
confissão de dívida e pelo parcelamento. A decadência é uma forma de
extinção do crédito tributário e por isso, uma vez extinto o direito, não
pode ser reavivado por qualquer sistemática de lançamento ou
autolançamento, como documento de confissão de dívida, declaração
de débitos, parcelamento ou de outra espécie qualquer.
Repartição de Receitas. Na repartição de receitas nunca existirá
o caso de um ente menor mandar dinheiro para um ente maior.
Divisão do CTN. O CTN é dividido em dois grandes livros, o livro
primeiro e o segundo. No livro segundo existe a parte de legislação
tributária, obrigação tributária, crédito tributário e administração
tributária. Deve-se dar uma atenção especial na prescrição e
decadência. A legislação municipal envolve o SIMPLES NACIONAL.
Hierarquia entre lei ordinária e lei complementar. Não existe
hierarquia entre lei ordinária e lei complementar. O STF já considerou
que a muito tempo existia essa hierarquia .Cabe à lei complementar
estabelecer normas gerais em matéria de direito tributário. O conceito de
tributo foi reservado à lei complementar. Apesar disso, o conceito de
tributo está no CTN, art. 3, pois o CTN tem força de lei complementar.
Na falência o crédito tributário não prefere aos créditos
extraconcursais ou às importâncias passíveis de restituição, nos termos
da lei falimentar. Na verdade o crédito tributário não prefere aos créditos
extraconcursais, nem às importâncias passíveis de restituição, nos
termos da lei falimentar, e nem aos créditos com garantia real, no limite
do valor do bem gravado. A formalização do termo de acordo de
parcelamento implica em confissão irrevogável e irretratável dos débitos.
Além, disso a lei poderá estabelecer limites e condições para a
preferência dos créditos decorrentes da legislação do trabalho.
As contribuições sociais para a seguridade social só poderão ser
exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que
as houver instituído ou modificado. Inteligência do art. 195 § 6º da CF.
A ação de consignação em pagamento é um meio utilizado pelo
devedor quando ele se vê impedido de efetuar o pagamento. O
contribuinte busca o judiciário ou para pagar, ou para não pagar ou para
restituir. Se o contribuinte quer pagar, mas devido a algum obstáculo
imposto pela fazenda pública ele não consegue pagar, ocorre a
consignação em pagamento. Se o contribuinte quer pagar mas a
fazenda pública subordina esse pagamento a outro tributo ou ao
cumprimento de obrigação acessória, ocorre a ação de consignação em
pagamento. Na bitributação ocorre a consignação em pagamento, item.
Se o contribuinte ou responsável não eleger domicílio tributário,
considera-se como domicílio, quanto às pessoas jurídicas de direito
público qualquer de suas repartições no território da entidade tributante.
Quando o sujeito passivo for uma pessoa jurídica de direito público, o
domicílio será qualquer das repartições desse ente localizado no
território do sujeito ativo.
Se determinado estado celebra convênio com outros estados
prevendo a redução da base de cálculo do ICMS, a ratificação do
convênio não é condição necessária e suficiente para a internalização
do benefício de redução de base de cálculo, pois é necessário, além do
Decreto, a aprovação do benefício fiscal pelo Poder Legislativo Estadual
por meio de lei específica.
O IPTU possui função fiscal e é lançado de ofício pelo fisco. A
fixação da base de cálculo do IPTU é exceção à noventena e pode
possuir alíquotas variáveis de acordo com o uso e localização do imóvel.
Sempre que possível, os impostos serão graduados segundo a
capacidade econômica do contribuinte, por isso a graduação de tributos
fora da capacidade econômica fere o princípio da capacidade
contributiva.
Sempre é bom lembrar que a penhora, na lei 6.830 de 1980, pode,
excepcionalmente, recair sobre estabelecimento comercial, industrial ou
agrícola, bem como sobre plantações ou edifícios em construção.
Em caso de guerra externa ou sua iminência pode ser instituído ou
empréstimo compulsório ou impostos extraordinários. Ambos são de
competência da União e não se submetem ao princípio da anterioridade
e nem à noventena. O empréstimo compulsório dar-se-á por lei
complementar e os impostos extraordinários por lei ordinária. Enquanto
o empréstimo compulsório é restituível, o imposto extraordinário não é
restituível.
A decretação da indisponibilidade de bens e direitos pressupõe o
exaurimento das diligências na busca por bens penhoráveis. Primeiro se
buscam os bens penhoráveis, se não forem achados, ocorre a
decretação da indisponibilidade de bens e direitos.
A obrigação principal extingue-se juntamente com o crédito dela
decorrente. Ela surge com o fato gerador e extingue-se com o crédito
dela decorrente, tendo por objeto o pagamento de tributo ou penalidade
pecuniária.
Segundo a Súmula 589, é inconstitucional a fixação de adicional
progressivo do IPTU em função do número de imóveis do contribuinte. O
IPTU é o único imposto municipal que pode ser progressivo, porém essa
progressividade não pode ser de acordo com o número de imóveis do
devedor-contribuinte. A súmula 589 do Supremo Tribunal Federal é de
suma importância
Súmula 595: é inconstitucional a taxa municipal de conservação de
estradas de rodagem cuja base de cálculo seja idêntica à do imposto
territorial rural. Isso acontece porque a taxa não pode ter base de
cálculo idêntica à dos impostos.
A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social
somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada se
não houver contribuição dos beneficiários.
Princípio da anterioridade tributária. É o princípio que mais
comporta exceções. Anterioridade mínima é sinônimo de noventena. É
vedado à União instituir tributos no mesmo exercício financeiro em que
foi publicada a lei que o instituiu ou aumentou. O II, IE, o IOF, o IEG e
os Empréstimos compulsórios são as 5 exceções à anterioridade e à
anterioridade mínima. No caso de empréstimo compulsório é só aquele
em caso de guerra e calamidade pública. As contribuições que se
prestam à noventena são aquelas da seguridade social, somente. O
Imposto de renda, o IPTU e o IPVA respeitam a anterioridade anual.
A capacidade ativa de arrecadação tributária pode ser transferida
a título precário a outras pessoas jurídicas de direito público. A sujeição
passiva das pessoas físicas e naturais independe de sua idade. O CTN
torna claro que as sociedades comerciais irregulares não deixam de ser
sujeitos passivos das obrigações tributárias.
IPTU que incide sobre imóvel situado em área considerada
pela lei local como urbanizável ou de expansão urbana.O IPTU que
incide sobre imóvel situado em área considerada pela lei local como
urbanizável ou de expansão urbana não está condicionada à existência
dos melhoramentos elencados no CTN. O CTN adotou o critério
geográfico para configurar a incidência do IPTU. O IPTU é baseado no
critério da localização ou geográfico, já o ITR é pelo critério da
destinação econômica. A zona urbana exige dois dos melhoramentos do
CTN.
Elisão fiscal, evasão fiscal e elusão fiscal.A elisão fiscal é legal,
lícita, não viola nenhum dispositivo legal. Geralmente são medidas
adotadas antes do fato gerador. Por outro lado, evasão fiscal consiste
em práticas ilegais, omissão de informações, adulteração de
documentos. As práticas de evasão fiscal são geralmente realizadas
após a ocorrência do fato gerador. A elusão fiscal é chamada de elisão
inefiscal, sendo uma prática ilegal, que simula um negócio jurídico. Das
três, a únicas que é legal é a elisão fiscal, pois a evasão fiscal e a
elusão fiscal são contra a lei.
Conforme o art. 152, a moratória pode ser concedida em caráter
geral ou em caráter individual. Além de dizer que a moratória pode ser
em caráter individual ou em caráter geral, afirma o parágrafo único do
art. 152 que a lei concessiva de moratória pode circunscrever
expressamente a sua aplicabilidade à determinada região do território da
pessoa jurídica de direito público que a expedir. A moratória em caráter
individual será feita por despacho da autoridade administrativa, desde
que autorizada por lei. A moratória em caráter geral pode ser concedida
pela pessoa jurídica de direito público competente para instituir o tributo
a que se refira, ou pela União, quanto a tributos de competência dos
Estados, Distrito Federal ou dos Municípios
Existem exceções ao princípio da anterioridade tributária,
exceções ao princípio da noventena, e impostos que são exceções tanto
à anterioridade quanto à noventena. O Imposto de Renda, as alterações
na base de cálculo do IPTU e as alterações na base de cálculo do IPVA
são exceções somente à noventena. A Cide Combustível, o ICMS
combustível, o IPI e as contribuições à seguridade social são exceções
somente à anterioridade. O CIDE Combustível e o ICMS combustível
são exceções somente no caso de redução e reestabelecimento. O II,
IE, IOF, EC (Guerra e Calamidade) e o IEG são exceções à
anterioridade e à noventena. Dos impostos extrafiscais II,IE,IPI e IOF, o
II, IE e o IOF são exceções à anterioridade e à noventena, o IPI é
exceção somente à anterioridade. O imposto de renda, em 1. de abril de
2020, era devido às pessoas que recebessem proventos tributáveis
superiores a R$28.559,70. O imposto de renda é exceção somente ao
princípio da noventena, devendo observar o princípio da anterioridade.
O IR, as alterações nas bases de cálculo do IPTU e as alterações na
base de cálculo do IPVA são exceções à noventena, mas não são
exceções à legalidade estrita. As exceções à legalidade estrita tributária
são as alterações de alíquotas do II, IE, IPI e IOF, as alterações de
alíquotas da CIDE combustíveis, alterar as alíquotas do ICMS
monofásico sobre combustíveis e a alteração do valor monetária da
base de cálculo de um tributo.
Segundo a lei 6.830 de 1980 o executado oferecerá embargos, no
prazo de 30 dias, contados do depósito, da juntada da prova da fiança
bancária ou da intimação da penhora. Então, 3 serão os marcos para
que o executado ofereça embargos: o depósito, a juntada da prova da
fiança bancária e a intimação da penhora. O prazo dos embargos na
LEF é de 30 dias. Não são admitidos embargos antes da execução. Só
depois de garantida a execução é que os embargos são admissíveis, no
prazo de 30 dias.

Art. 16 O executado oferecerá embargos no prazo de 30 dias,


contados:
I - do depósito,
II - da juntada da prova da fiança bancária ou do seguro
garantia
III- da intimação da penhora
§ 1ºNão são admissíveis embargos do executado antes de
garantida a execução

Ainda segundo a lei 6.830, não serão admissíveis embargos do


executado antes de garantida a execução e não serão admitidas a
reconvenção, nem a compensação. As exceções serão alegadas
como matéria preliminar, salvo as exceções de suspeição,
incompetência e impedimentos. Frise-se que não serão admitidas
reconvenção e nem compensação, conforme o art. 16 § 3º da lei 6.830
de 1980. As exceções serão alegadas como matéria preliminar e serão
processadas e julgadas com os embargos, salvo as de suspeição,
incompetência e impedimentos.
O termo de inscrição de Dívida Ativa deverá conter: o nome do
devedor, dos co-responsáveis e, sempre que conhecido, o domicílio ou
residência de um e de outros. O valor originário da dívida, bem como o
termo inicial e a forma de calcular os juros de mora e demais encargos
previstos em lei ou contrato, bem como a origem, a natureza e o
fundamento legal ou contratual da dívida, a data e o número da
inscrição, no Registro da Dívida Ativa, o número do processo
administrativo ou do auto de infração, se neles estiver apurado o valor
da dívida, assim como a indicação, se for o caso, de estar a dívida
sujeita atualização monetária, bem como o respectivo fundamento legal
e o termo inicial para o cálculo, tudo isso consta na lei 6.830 de 1980.
Art. 2º § 8º Até a decisão de primeira instância, a Certidão de
Dívida Ativa poderá ser emendada ou substituída, assegurada ao
executado a devolução do prazo para embargos.
A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação tributária a
condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição
cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente. Se o sujeito passivo for
responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição e o fato
gerador posterior não se realizar, assegura-se a imediata e preferencial
restituição da quantia paga. A substituição tributária abrange apenas
impostos e contribuições. A substituição tributária do art. 150 § 7º não
envolve as taxas.
§ 3º Não será admitida reconvenção, nem compensação, e
as execções, salvo as de suspeição, incompetência e
impedimentos, serão arguidas como matéria preliminar e
julgadas com os embargos

não será admitida reconvenção e nem


compensação
as exceções serão arguidas como matéiria
preliminar e julgadas com os embargos
as exceções de suspeição e impedimento não
serão arguidas como matéria preliminar
Recebidos os embargos, o Juiz mandará intimar a Fazenda para
impugná-los no prazo de 30 dias. Logo em seguida à impugnação, no
prazo de 30 dias, será designada audiência de instrução e julgamento. A
audiência de instrução e julgamento pode não ocorrer se os embargos
versarem sobre matéria de direito ou, sendo de direito ou de fato, a
prova for exclusivamente documental. Nos casos de não realização da
audiência o juiz proferirá sentença em 30 dias. No caso de não
oferecimento de embargos a Fazenda Pública manifestar-se-á sobre a
garantia da execução.
Conforme o art. 151 do CTN, a concessão de medida liminar em
mandado de segurança suspende a exigibilidade do crédito
tributário. Portanto, se uma empresa impetra mandado de segurança
contra ato de fiscal de rendas de um município objetivando anular auto
de infração lavrado contra ela, com pedido de liminar, o crédito
encontra-se com exigibilidade suspensa enquanto vigorar a decisão
A Fazenda Pública não está sujeita ao pagamento de custas e
emolumentos, a prática dos atos judiciais de seu interesse independe de
preparo ou de prévio depósito.
Art. 6 - A petição inicial indicará, apenas: I- o juiz a quem é
dirigida; II- o pedido; III - o requerimento para citação.
Art. 17: Recebidos os embargos, o Juiz mandará intimar a
Fazenda, para impugná-los no prazo de 30 dias designando, em
seguida, audiência de instrução e julgamento.
Prazo de citação na lei 6.830 de 1980. O art. 8º diz que o
executado será citado para, no prazo de 05 dias, pagar a dívida com
juros e multas de mora e encargos indicados na CDA, ou será citado, no
prazo de 05 dias, para garantir a execução.
Quando a legislação tributária não fixar o tempo do pagamento, o
vencimento do crédito ocorre trinta dias depois da data em que se
considera o sujeito passivo notificado do lançamento. O sujeito passivo
é notificado do lançamento e, trinta dias depois, ele tem que pagar, pois
o vencimento do crédito dá-se nesse lapso temporal
O pagamento, a compensação, a transação, e a remissão
extinguem o crédito tributário. A remissão, com ss, também extingue o
crédito tributário. A conversão do depósito em renda extingue o crédito
tributário, item. A decisão administrativa irreformável, assim entendida a
definitiva na órbita administrativa, que não mais possa ser objeto de
ação anulatória é hipótese de extinção de crédito tributário, item. Deve-
se prestar bastante atenção à remissão, à conversão do depósito em
renda, à consignação em pagamento e à decisão administrativa
irreformável, assim entendida a definitiva na órbita administrativa, que
não mais possa ser objeto de ação anulatória, pois tais hipóteses são de
extinção do crédito, e não de suspensão, e podem gerar certa confusão.
A inscrição em Dívida Ativa consiste no ato de controle
administrativo de legalidade. Como ato de controle administrativo de
legalidade, a inscrição suspenderá a prescrição por 180 dias ou até a
distribuição da execução fiscal. Se a distribuição da execução fiscal
ocorrer antes de findos os 180 dias, a inscrição só suspende a
prescrição até a distribuição da execução fiscal. A inscrição será feita
pelo órgão competente para apurar a liquidez e certeza do crédito.
A incidência do IPTU sobre imóvel situado em área considerada
pela lei local como urbanizável ou de expansão urbana não está
condicionada à existência dos melhoramentos elencados no CTN, art.
32 parágrafo primeiro. O CNT adota o critério geográfico para confirmar
a incidência do IPTU. O critério do ITR, previsto no DL 57 de 1966, é o
critério da destinação econômica. A zona urbana é uma área definida
em lei municipal que reúne dois dos seguintes melhoramentos:
abastecimento de água, sistema de esgotos sanitários, meio-fio ou
calçamento com canalização de águas pluviais, rede de iluminação
pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar, escola
primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 quilômetros do
imóvel considerado. Existe uma súmula que diz que o IPTU pode incidir
em área urbanizáveis que não apresente nenhum melhoramento
urbano. As áreas urbanizáveis se equiparam às zonas urbanas por lei
municipal e aprovação pelos órgãos oficiais de loteamento destinados a
habitação, indústria ou comércio.
Prazo de intimação no caso de rejeição dos embargos. Art. 19:
Não sendo embargada a execução ou sendo rejeitados os embargos, no
caso de garantia prestada por terceiro, o devedor será intimado, sob
pena de contra ele prosseguir a execução nos próprios autos, para, no
prazo de 15 dias: remir o bem, se a garantia for real ou pagar o valor da
dívida, juros e multa de mora e encargos indicados na CDA.
A execução fiscal, regida pela lei 6.830, possui como principal via
de defesa o manejo dos chamados embargos à execução fiscal, que são
uma ação de conhecimento por meio da qual o sujeito passivo poderá
alegar toda matéria de defesa que entender cabível. Os pressupostos de
admissibilidade estão no art. 16 da LEF, e são a garantia integral e a
tempestividade. O art. 9. traz as garantias do depósito do valor integral
do bem, a carta de fiança bancária e a penhora.
O Direito tributário é encontrado no CTN e na Constituição Federal (art.
145 a 162 da CF). Dentro da Constituição temos os assuntos da
competência tributária, limitações constitucionais ao poder de tributar e a
repartição de receitas. A competência tributária é o poder de criar, de
instituir um tributo, outorgada pela CF. A constituição federal não cria
tributo, prova disso é o IGF. A Constituição distribui competências
tributárias. Princípios Tributários e imunidades tributárias são chamados
de limitações constitucionais ao poder de tributar. As limitações
constitucionais também são chamadas de limitações constitucionais
positivas ao poder de tributar. A doutrina fala que os princípios são
limitações positivas ao poder de tributar. A imunidades são
limitações constitucionais negativas ao poder de tributar. Quando a
CF fala que no caso de exportação não cabe ICMS, ocorre uma
imunidade tributária.
O que é isenção? A isenção começa do art. 176 e seguintes do
CTN. Existem dois tipos de posicionamento um, dizendo que é a
dispensa legal de pagamento de tributo devido e o outro dizendo que é a
derrogação legal de incidência fiscal. Mesmo quando considerada uma
derrogação legal de incidência fiscal a isenção é sempre por meio de lei.
Sendo a dispensa legal de pagamento de tributo devido, também, é por
lei. A imunidade faz parte da competência negativa do ente político. A
isenção possui assento infraconstitucional. A isenção pressupõe o poder
de tributar, mas por algum motivo político será concedida a isenção. A
EC 75 de 2013 fala da imunidade musical dos fonogramas. Na isenção o
poder de tributar está na mão do ente político, na imunidade o poder
sequer lhe foi entregue. O STF fala que a isenção é a dispensa de
pagamento de tributo devido em face da ocorrência do seu fato gerador.
Para o STF eu tive o FG, mas eu impedi o lançamento.
A decadência é uma forma de extinção do crédito tributário, sendo
assim não pode ser reavivado por qualquer sistemática de lançamento
ou auto lançamento, seja ela via documento de confissão de dívida,
declaração de débitos, parcelamento ou qualquer outra espécie. Se o
crédito já havia sido extinto, não havia mais o que ser confessado, do
ponto de vista jurídico.
Inscrição de dívida ativa antes da decisão de primeira
instância. Art. 26: Se, antes da decisão de primeira instância, a
inscrição de Dívida Ativa for cancelada, a execução fiscal será extinta.
Dívida Ativa e concurso de credores. Art. 29: A cobrança judicial
da Dívida Ativa não é sujeita a concurso de credores ou habilitação em
falência, concordata, liquidação, inventário e arrolamento .Os embargos
infringentes serão deduzidos no prazo de 10 dias perante o mesmo
juízo, em petição fundamentada. Ouvido o embargado, no prazo de 10
dias, serão os autos conclusos ao Juiz que, dentro de 20 dias, os
rejeitará ou reformará a sentença.
Não cabe exceção de pré-executividade em execução fiscal
promovida contra sócio que figura como responsável na Certidão de
Dívida Ativa. A exceção de pré-executividade precisa de prova pré-
constituída.
De acordo com o CTN, para fins de lançamento, os erros apurados
pelo exame da própria declaração serão retificados de ofício. A
retificação de ofício dos erros contidos na declaração por iniciativa do
próprio declarante é feita pela própria autoridade administrativa a que
competir a revisão daquela. A retificação da declaração por iniciativa do
próprio declarante só é admissível antes de notificado o lançamento. No
entanto, a retificação da declaração por iniciativa do próprio declarante
só é cabível quando vise a reduzir ou excluir tributo. O lançamento por
declaração é considerado misto por possuir atos do contribuinte e do
fisco. Se o erro for na declaração, o contribuinte só poderá retificar
mediante comprovação do erro e antes da notificação do lançamento.
Consta do art. 52 inciso XV da CF, que quem avalia
periodicamente a funcionalidade do Sistema Tributário Nacional é o
Senado Federal. É competência privativa do Senado Federal avaliar
periodicamente a funcionalidade do Sistema Tributário Nacional, em sua
estrutura e seus componentes, e o desempenho das administrações
tributárias dos entes federativos.
Súmula 656: é inconstitucional a lei que estabeleça alíquotas
progressivas para o Imposto de Transmissão Intervivos de bens Imóveis
(ITBI) com base no valor do imóvel. A cobrança de ITBI é devida no
momento do registro da compra e venda na matrícula do imóvel. Além
disso os contratos de promessa não constituem fato gerador para
incidência do ITBI. O ITCMD, que é um imposto real, pode ser
progressivo, mesmo que esta progressividade não esteja na CF de
1988.
Resumindo: O IPTU poderá ser progressivo em razão do valor do
imóvel. O ISS não será progressivo e nem o ITBI. Dos impostos
municipais, somente o IPTU é progressivo.
Se o empréstimo compulsório for para investimento público de
caráter urgente e de relevante interesse nacional, previsto no art. 148
inciso II, aplica-se a anterioridade e a anterioridade nonagesimal.
Pertencem aos municípios o produto da arrecadação do imposto
de renda retido na fonte sobre rendimentos pagos, por eles, suas
autarquias e fundações públicas. Na hipótese do produto da
arrecadação do imposto de renda retido na fonte não se encontram as
empresas públicas e sociedades de economia mista.
O fato gerador do ISS deve ser realizado por lei Complementar, e
onde há lei complementar não pode haver medida provisória.
O IPTU é progressivo em relação ao valor do imóvel e terá
alíquotas diferentes de acordo com a localização e o uso do imóvel.
É incabível mandado de segurança para convalidar a
compensação tributária realizada pelo contribuinte. Para tornar
válida e aceita a compensação tributária, o mandado de segurança não
será o remédio constitucional adequado. No entanto, o Mandado de
Segurança serve para a declaração do direito à compensação tributária.
Acerca da compensação de créditos, ela não pode ser deferida em ação
cautelar ou por medida liminar cautelar ou antecipatória.
O lançamento é sempre ato vinculado e obrigatório, declaratório
do fato gerador e constitutivo do crédito tributário que, se não realizado,
importa na responsabilidade funcional do agente público.
A execução fiscal, promovida pela lei 6.830 de 1980 poderá ser
promovida contra o devedor, o fiador, o espólio, a massa, o responsável
e os sucessores a qualquer título. Então os devedores, fiadores, o
espólio, a massa e o responsável a qualquer título devem estar de
prontidão às normas da LEF, quando citados como devedores. Além
disso, o síndico, o comissário, o liquidante, o inventariante e o
administrador respondem solidariamente, pelo valor dos bens alienados
ou dados em garantia, nos casos de falência, concordata, liquidação,
insolvência ou concurso de credores. Para a LEF a responsabilidade do
síndico, comissário, liquidante, inventariante e administrador é solidária.
O princípio da irretroatividade comporta exceções. A lei tributária
que cria ou aumenta tributos não poderá atingir fatos geradores
pretéritos, porém a irretroatividade comporta atenuações do CTN , no
art. 106, sendo duas as leis produtoras de efeitos jurídicos pretéritos: a
lei interpretativa, porém se a lei interpretativa infligir penalidade ela não
retroagirá. A segunda exceção é a lei mais benéfica, ideia retirada do
direito penal, mas esse entendimento não se aplica quando se trata de
alíquotas.Uma lei que traz uma alíquota menor não poderá retroagir e
uma lei de hoje que torna o tributo menor não poderá retroagir, sendo
essa retroação só para o campo das infrações. A condição do artigo
106, inciso II, do CTN, indica que essa possibilidade está condicionada a
que o ato não esteja definitivamente julgado. Enquanto pender o
julgamento daquela questão, aí sim a lei retroagirá. Se já houver
acontecido o trânsito em julgado essa lei não retroage. A lei aplica-se,
em qualquer caso, quando seja expressamente interpretativa, não
precisando de ser antes do trânsito em julgado.
Todos os tributos submetem-se ao princípio da capacidade
contributiva, ao menos em relação a um de seus três aspectos (objetivo,
subjetivo e proporcional). Todos os princípios submetem-se à
capacidade contributiva, independentemente de classificação extraída
de critérios puramente econômicos.
Segundo o art. 194 do CTN a legislação tributária aplica-se às
pessoas naturais ou jurídicas, contribuintes ou não, inclusive as que
gozem de imunidade tributária ou isenção de caráter pessoal.
A obrigação civil é ex voluntatis, depende da vontade das partes,
enquanto a obrigação tributária é ex lege. A obrigação tributária
depende exclusivamente da lei. A obrigação tributária tem um sujeito
ativo e um sujeito passivo. O sujeito ativo está tratado no art. 119 do
CTN, que diz que o sujeito ativo é a pessoa jurídica de direito público
titular da competência para exigir o seu cumprimento. A competência é o
poder de criar, a capacidade abrange os poderes de fiscalizar e
arrecadar. A competência é indelegável. O sujeito ativo é detentor da
capacidade tributária.
O ITBI é municipal, já o ITCMD é estadual. O ITBI é também
conhecido como ITIV, imposto sobre a transmissão inter-vivos onerosa
de bens imóveis ou direitos a eles relativos. O ITBI envolve a
transferência de titularidade. Não incide o ITBI na aquisição da
propriedade por usucapião e desapropriação, formas de aquisição
originária da propriedade. O ITCMD é conhecido como ITCD ou ITD,
imposto de transmissão causa mortis ou por doação de bens móveis ou
imóveis e direitos a eles relativos. A súmula 113 do STF afirma que o
ITCMD é calculado sobre os valor dos bens na data da avaliação. E a
súmula 656 afirma que o ITBI não poderá ter alíquotas progressivas.
O ITBI ou ITIV não incide sobre a propriedade adquirida
por usucapião e desapropriação, formas de aquisoção
originária da propriedade.
Súmula 656 - é insconstitucional a lei que estabeleça
alíquotas progressivas para o impsosto de transmissão
inter vivois de bens imóveis- ITBI, com base no valor venal
do imóvel.
Súmla 113 do STF: o imposto de transmissão transmissão
causa motris é calculado sobre o valor dos bens na data da
avaliação.
Para a LEF a penhora ou arresto de bens obedecerá à seguinte
ordem: dinheiro, títulos da dívida pública, pedras e metais preciosos,
imóveis, navios e aeronaves, veículos, móveis ou semoventes, direitos e
ações. Primeiro penhora-se o dinheiro do devedor, se não for possível
ou for insuficiente, penhoram-se os títulos da dívida pública , bem como
os títulos de crédito. Se for impossível penhorar os títulos da dívida
pública, prossegue-se à penhora ou arresto das pedras e metais
preciosos. Se não for possível ou insuficiente penhorar as pedras e
metais preciosos penhoram-se os imóveis. Se ainda não for o bastante
penhoram-se os navios e aeronaves. Se, mais uma vez, for insuficiente,
procede-se ao arresto dos veículos do devedor. Em penúltimo lugar
penhoram-se os móveis ou semovente, e, por fim, os direitos e ações.
Excepcionalmente, a penhora poderá recair sobre estabelecimento
comercial, industrial ou agrícola, plantações ou edifícios em construção.
Com relação ao IPTU, o contribuinte é notificado do lançamento do
imposto pelo envio do carnê ao seu endereço. Ainda com relação ao
imposto predial e territorial de propriedade urbana, cabe à legislação
municipal estabelecer o sujeito passivo do IPTU, e é constitucional a lei
do município que reduz o IPTU sobre imóvel ocupado pela residência do
proprietário.
O art. 116 do CTN é conhecido como norma antielisiva e afirma
que a autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios
jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do FG.
Na elusão fiscal ocorre a simulação de determinado negócio jurídico,
com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador. A elusão
fiscal é prescricta no art. 116 do CTN. A elusão fiscal, forma ilícita, é
conhecida como elisão ineficaz. Assim como a elusão, a evasão
também é ilícita. Ambas, elusão fiscal e evasão fiscal, são posteriores
ao Fato Gerador,
Para a LEF até a decisão de primeira instância a CDA poderá ser
emendada ou substituída, assegurada ao executado a devolução do
prazo para embargos. Não se pode falar em emenda da CDA após a
decisão de primeira instância. Também não se pode falar em
substituição de CDA após a decisão de primeira instância. O marco
divisor é a decisão de primeira instância. É assegurado ao executado a
devolução do prazo para embargos.
O princípio da irretroatividade homenageia a segurança jurídica.
Quando se publica uma norma criadora de tributo ela terá vigência
prospectiva, não podendo atacar o ato jurídico perfeito e a coisa julgada.
A atenuação da irretroatividade tributária está prevista no CTN,
constituindo exceções por alguns e de leis produtoras de efeitos
jurídicos por outros. O primeiro caso é a lei interpretativa, porém, se ela
interpretar e infligir penalidade, ela não retroagirá. A segunda exceção é
a lei mais benéfica, que deve retroagir, igualmente como no direito
penal.
As alíquotas do IPVA, imposto de competência dos estados e do
DF, podem ser diferenciadas em função do tipo e utilização do veículo.
O Art. 155, § 6º da CF, é quem afirma que as alíquotas do IPVA podem
ser diferenciadas em função do tipo e utilização. Pode-se ter alíquotas
de IPVA maiores para automóveis de luxo (alíquotas diferenciadas em
função do tipo), ou alíquotas diferentes em função da utilização, do uso
que se dá ao veículo.
Se um ente público delega a determinada pessoa jurídica de
direito público a função de arrecadação dos tributos, a essa pessoa
serão aplicados as garantias e os privilégios processuais que competem
ao ente público cedente. O que há é a delegação da função de
arrecadação, da capacidade tributária, e não da competência, além
disso a pessoa objeto de delegação terá os mesmos privilégios da
delegante.
A exclusão do crédito tributário decorrente de infração à legislação
tributária, concedida em caráter geral ou por despacho da autoridade
administrativa, é chamada de anistia. A anistia tem alcance
necessariamente pretérito, alcançando apenas infrações relativas a
fatos anteriores à lei que concede o benefício. A anistia, quando não
concedida em caráter geral, é efetivada, em cada caso, por despacho da
autoridade administrativa.
É correto dizer que as contribuições sociais incidirão na
importação de produtos estrangeiros ou serviços. CF, Art. 149, § 2º, inciso II.
Os empréstimos compulsórios, na hipótese de existência de
conjuntura que exija absorção temporária do poder aquisitivo, não foi
instituído, permanecendo somente os empréstimos compulsórios em
virtude de guerra externa ou sua iminência e de calamidade pública,
além do empréstimo compulsório de caráter urgente e de relevante
interesse nacional. O art. 15 inciso III do CTN, que afirma que o
empréstimo compulsório pode ser instituído no caso de conjuntura que
exija a absorção temporária do poder aquisitivo, foi derrogado. Sua
instituição não é permitida, sob pecha de inconstitucionalidade.
Segundo a LEF, a petição inicial indicará apenas o juiz a quem é
dirigida, o pedido e o requerimento para citação. A petição inicial é uma
peça simples, é ela quem instaura a ação, por meio dos pressupostos
de admissibilidade, como possibilidade jurídica do pedido, e deve
constar apenas esses três itens: o pedido, quem é o juiz e o
requerimento para citação.
Os tratados e as convenções revogam ou modificam a legislação
tributária interna, e serão observados pela que lhes sobrevenha.
O juiz suspenderá o curso da execução enquanto não for
localizado o devedor ou encontrado bens sobre os quais possa recair a
penhora. Nesses casos de suspensão da LEF, não ocorrerá o prazo de
prescrição. Decorrido o prazo máximo de 1 ano e mesmo assim não for
localizado o devedor, o juiz mandará arquivar os autos. Pode ser que
da decisão que ordenar o arquivamento tenha decorrido o prazo
prescricional. Nesse caso o juiz poderá, de ofício, reconhecer a
prescrição intercorrente e decretá-la de imediato.
Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir o ITCMD ou
ITCD. O imposto de transmissão causa mortis e doação tem as
seguintes abreviaturas: ITCMD ou ITCD.
À administração tributária não será oponível norma estadual que
limite o direito de examinar livros e documentos comerciais. É o que
afirma o art. 195 do CTN: não tem aplicação quaisquer disposições
legais excludentes ou limitativas do direito de examinar mercadorias,
livros, arquivos, documentos. Um ente da federação não pode limitar a
fiscalização do direito das autoridades fazendárias de examinar livros,
documentos, mercadorias, papéis, em nenhuma hipótese.
O mandado de segurança, no direito tributário, pode ter cabimento
ou não. O mandado de segurança constitui ação adequada para a
declaração do direito à compensação tributária. É o que afirma a Súmula
213 do STJ. No entanto, afirma a súmula 460 do STJ que é incabível
mandado de segurança para convalidar a compensação tributária
realizada pelo contribuinte.
No direito tributário a lei aplica-se a ato ou fato pretérito, tratando-
se de ato não definitivamente julgado, quando lhe comine penalidade
menos severa que a prevista na lei vigente ao tempo de sua prática. Se
uma lei reduz um tributo ela não retroage, mas se ela reduz a
penalidade (multa), retroage.
Cabe à lei complementar do ICMS definir seus contribuintes e
dispor sobre substituição tributária.
Constituição Federal: art. 145 a 162 da CF. Lá temos a
competência tributária, as limitações constitucionais ao poder de tributar
e a repartição de receitas. Competência tributária é o poder de criar, de
instituir um tributo. A competência tributária é outorgada pela
constituição federal. A CF não cria tributos. Ela distribui competência
tributária. Os princípios tributários e as imunidades tributárias são
limitações. Os princípios tributários são chamados de limitações
constitucionais positivas.
O art.175 do CTN afirma que excluem o crédito tributário a isenção
e a anistia. A exclusão do crédito tributário está nos incisos I e II do art.
175 do CTN. A isenção é a exclusão do dever de pagar o tributo. A
anistia corresponde à exclusão do dever de pagar a multa. A anistia e a
isenção são formas de renúncia de receitas. A renúncia de receitas deve
ser feita por lei específica. A lei específica que trata da isenção somente
poderá ter efeitos para o futuro, já a lei que concede anistia terá efeito
retroativo. Isso ocorre porque a anistia é a exclusão de multa, multa esta
já ocorrida.
Afirma o CTN que os seus prazos serão contínuos, excluindo-se
de sua contagem o dia do início e incluindo o do vencimento. Os prazos
presentes em legislação tributária também serão contínuos e maiores do
que aqueles em que se incluem o dia do começo e exclui o do
vencimento.
Afirma o art. 203 do CTN que a omissão dos itens presentes no
art. 202, do termo de inscrição em dívida ativa, são causas de nulidade
da inscrição e do processo de cobrança, mas essa nulidade pode ser
sanada até a decisão de primeira instância. A omissão poderá ser
sanada até a decisão de primeira instância, mediante substituição de
certidão nula. Segundo o CTN não é vedada a divulgação de
informações relativas a representações fiscais para fins penais,
inscrições na Dívida Ativa da Fazenda Pública e parcelamento ou
moratória.
Não cumulatividade: os tributos que devem observar a não
cumulatividade são o IPI e o ICMS. O art. 153 diz que o IPI será não
cumulativo, já o art. 155 diz que o ICMS será não cumulativo. Não
cumulatividade é o direito que o contribuinte tem de compensar em
operações futuras o tributo pelo qual ele já pagou. O sistema adotado é
o de créditos e débitos, na não cumulatividade. A palavra chave é a
compensação. Na entrada da operação eu tenho um crédito, já na saída
eu tenho um débito.
Lei 6.830 de 1980. A lei 6.830 regulamenta a execução de um
título executivo extrajudicial, a CDA. A CDA está prevista como título
executivo extrajudicial, no CPC. No art. 1. afirma-se que a LEF se aplica
para cobrança da dívida ativa da União, dos Estados e do DF, e a ela
aplica-se, subsidiariamente o CPC. No art. 16 a lei 6.830 prevê que é
necessário garantir a execução para opor embargos à execução fiscal.
Adota-se o princípio da especialidade, onde a lei especial derroga a lei
geral, quando há divergência. Os requisitos para concessão de efeito
suspensivo aos embargos de execução fiscal são aplicados
subsidiariamente, na LEF.
Segundo o art. 187, a cobrança judicial do crédito tributário não é
sujeita a concurso de credores ou habilitação em falência, recuperação
judicial, concordata, inventário ou arrolamento. A cobrança judicial do
crédito tributário não pode submeter-se a concurso de credores, que
nada mais é que a disputa ordenada destes para o recebimento de seus
créditos, em execução judicial dos haveres do devedor comum.
Também é acertado dizer que a cobrança judicial não é sujeita à
habilitação em falência, recuperação judicial, concordata, inventário ou
arrolamento. Afirma também o CTN que são extraconcursais os créditos
tributários decorrentes de fatos geradores ocorridos no curso do
processo de falência.
O processo de execução fiscal é fundado no título executivo
extrajudicial denominado CDA. É a lei 6.830 de 1980 que regula a
execução fiscal. Após 60 dias contados da inscrição do débito em dívida
ativa, no âmbito da fazenda nacional, iniciam-se os procedimentos para
gerar a petição inicial. A petição inicial dará início à execução fiscal.
Somente débitos acima de R$20.000 são encaminhados ao Poder
Judiciário. Recebida a petição inicial o juiz determina a citação do
devedor, que tem prazo de 5 dias para pagar o débito ou para nomear
bens a penhora. O depositário pode ser o próprio devedor. Não podem
ser penhorados o imóvel que sirva de residência do devedor e nem os
bens impenhoráveis por lei. é garantida também uma ação autônoma,
denominada de embargos de execução, prevista no art. 16 da lei 6.830
de 1980.
Reza o art. 186 que o crédito tributário prefere a qualquer outro,
ressalvados os créditos decorrentes da legislação do trabalho ou do
acidente do trabalho. Então, os créditos trabalhistas vêm em primeiro
lugar, quando comparamos direitos tributários e direitos laborais.
Quanto à denúncia espontânea, no direito tributário, o simples fato
de iniciar qualquer procedimento administrativo ou medida de
fiscalização já descaracteriza a denúncia espontânea. Basta que se
inicie o procedimento administrativo. Assim, não se pode dizer que a
denúncia espontânea vai até a conclusão do procedimento
administrativo, pois se a denúncia for feita após o início de qualquer
procedimento administrativo ela não é espontânea. A denominação
“denúncia espontânea” é inapropriada, tecnicamente. Essa
impropriedade ocorre porque ninguém denuncia a si mesmo. Esse
instituto é inspirado na desistência voluntária e no arrependimento
posterior do direito penal. A denúncia espontânea oferece em troca a
garantia de não aplicação de medidas punitivas. Na verdade ninguém
denuncia a si mesmo, mas confessa ilícitos cometidos. A denúncia, com
o consequente benefício da responsabilidade pela infração, será aceita
se a confissão for antes que o fisco tome qualquer providência tendente
a lançar o tributo. Se o contribuinte recebe um pedido de esclarecimento
formulado pela administração tributária, a denúncia não pode ser mais
espontânea, pois o contribuinte já saberá das providências fiscais. O
afastamento da espontaneidade depende da comunicação formal ao
sujeito passivo, ou seja, a denúncia espontânea somente cessa, não é
permitida, com o conhecimento oficial por parte do interessado acerca
da existência de procedimento instaurado relativo à respectivas infração.
O benefício da denúncia espontânea não se aplica aos tributos sujeitos
a lançamento por homologação regularmente declarados, mas pagos a
destempo (súmula 360 do STJ). A denúncia espontânea também não foi
prevista para que favoreça o atraso no pagamento de um tributo. A
denúncia espontânea extingue a punibilidade tanto das multas punitivas
(de ofício), quanto das multas classificadas como administrativas
(moratórias, por atraso no pagamento). O instituto da denúncia
espontânea não é aplicado no caso de descumprimento de obrigações
meramente formais (acessórias). A responsabilidade acessória
autônoma, desvinculada do fato gerador, não está albergada pelas
disposições do art. 138 do CTN.
É com o lançamento que se constitui o crédito tributário. O art 142
do CTN afirma que compete privativamente à autoridade tributária
constituir o crédito tributário pelo lançamento. Segundo o STJ, o crédito
tributário não surge com o fato gerador, mas sim com o lançamento. A
atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, sob
pena de responsabilidade funcional.
O ITCMD, imposto estadual, será progressivo, enquanto o ITBI,
imposto municipal, será não será progressivo. A súmula 656 diz que é
inconstitucional a lei que estabeleça alíquotas progressivas para o
imposto de transmissão inter vivos de bens imóveis, o ITBI. Já o RE
562.045 da relatoria da Min Cármen Lucia diz que é constitucional a
fixação de alíquota progressiva para o ITD, imposto sobre transmissão
causa mortis e doação.
Se a alíquota efetiva de um imposto resultar que mais de 50% do
seu valor econômico líquido seja destinado ao Fisco, restará patente a
inconstitucionalidade da exação por ofensa ao princípio da não
confiscatoriedade. O STF não tem uma porcentagem fixa para a
configuração do confisco.
A atribuição da responsabilidade tributária solidária ao
administrador da massa falida pelas penalidades tributárias por ela
devidas se restringe às de caráter moratório.
A doutrina de Hugo de Brito Machado entende que a denúncia
espontânea se aplica tanto às obrigações principais quanto às
assessórias. Assim as penalidades relativas à obrigação assessórias
referente à escrituração dos livros fiscais não se aplicam aos
contribuintes que tenham sanado, antes de qualquer procedimento do
fisco, as irregularidades das respectivas obrigações.
A ação de consignação em pagamento é o veículo adequado para
que o contribuinte em dúvida acerca da titularidade da capacidade
tributária ativa exonere-se do dever de pagamento. Se o contribuinte
duvida acerca da legitimidade da capacidade tributária do fisco ele pode
manejar a ação de consignação em pagamento. Havendo a exigência
de mais de um ente e dúvida acerca da titularidade do crédito tributário,
dúvida acerca de que ente é responsável pelo tributo, é possível o
ajuizamento da ação de consignação em pagamento.
Os empréstimos compulsórios que não se aplicam à anterioridade
são os de calamidade pública e guerra externa ou sua iminência. Os
empréstimos compulsórios de investimento público de caráter urgente e
de relevante interesse nacional submetem-se à anterioridade tributária.
Não esquecer que são exceções tanto à anterioridade quanto à
noventena o II, IE, IOF, os Empréstimos compulsórios de calamidade
pública e guerra externa ou sua iminência já citados e o Imposto
Extraordinário de Guerra. Assim, os empréstimos compulsórios de
calamidade pública ou guerra externa e sua iminência são exceção aos
princípios da anterioridade e da noventena, enquanto os empréstimos
compulsórios de caráter urgente e de relevante interesse nacional
submetem-se à anterioridade e à noventena.
A isenção é a dispensa de tributo, e a anistia é a dispensa de
multa. A isenção dá-se por motivos socioeconômicos ou sociopolíticos, a
anistia dá-se por motivo de retirar a situação de impontualidade do
inadimplente da obrigação. A isenção é ex nunc e a anistia é ex tunc.
O imposto de importação tem função predominantemente
extrafiscal e é lançado por homologação. Além de ser lançado por
homologação (salvo o incidente de bagagem, lançado por declaração), o
II não se sujeita à anterioridade e nem à noventena. As suas alíquotas
são exceções ao princípio da legalidade, pois as alíquotas do II podem
ser alteradas pelo Executivo por meio de Decreto ou Portaria do Ministro
da Fazenda. Somente quanto à alteração de alíquotas é que o II
constitui-se uma exceção à legalidade tributária.
Acerca do ITCMD, no tocante a bens móveis, títulos e créditos,
compete ao Estado onde tiver domicílio o doador. Se os bens móveis,
títulos e créditos forem recebidos em decorrência de causa mortis, a
competência é do Estado onde for processado o arrolamento ou
inventário. Já se os bens móveis, títulos e créditos forem decorrentes de
doação, a competência é do Estado onde tiver domicílio o doador.
O Imposto de Exportação é lançado por homologação (somente
em algumas hipóteses), assim como o II. Também existe a ressalva do
incidente sobre bagagem, lançado por declaração. Na importação
podem incidir três impostos: II, IPI e ICMS. De forma análoga, o IE não
se submete à anterioridade e nem à noventena, e também é exceção à
legalidade estrita, somente no que tange à alteração de alíquotas. Nas
hipóteses em que há incidência de IE com alíquotas diferentes de zero
(que são a minoria dos casos) o imposto é lançado por homologação,
nos outros casos ele é lançado por declaração. Quando a alíquota é
igual a zero o imposto não é lançado por homologação. O Imposto de
Renda é lançado por homologação. O IPI é lançado por homologação. O
IPI não incide nos produtos destinados ao exterior, mas pode ser
cobrado junto do ICMS e II. O IOF também é lançado por homologação.
O ITR, imposto sobre a propriedade territorial rural é lançado por
homologação.
O IPI será seletivo em função da essencialidade do produto. O
ICMS poderá ser seletivo, em função da essencialidade das
mercadorias e dos serviços. Quem afirma que o IPI será seletivo e que o
ICMS poderá ser seletivo é a própria Constituição Federal, de forma a
concretizar o princípio da isonomia no âmbito da tributação do consumo.
Para o ITCMD existem 3 casos que definem a competência: 1.
bens imóveis e respectivos direitos 2. bens móveis, títulos e créditos; 3,
casos definidos em lei complementar. Acerca do ITCMD, no tocante a
bens móveis, títulos e créditos, compete ao Estado onde tiver domicílio o
doador. Se os bens móveis, títulos e créditos forem recebidos em
decorrência de causa mortis, a competência é do Estado onde for
processado o arrolamento ou inventário. Já se os bens móveis, títulos e
créditos forem decorrentes de doação, a competência é do Estado onde
tiver domicílio o doador. Já nos casos de bens imóveis e respectivos
direitos, a competência é do Estado onde se encontra o imóvel. O
imposto terá competência para sua instituição regulada em lei
complementar se o doador tiver domicílio ou residência no exterior ou se
o de cujus possuía bens , era residente ou domiciliado ou teve o seu
inventário processado no exterior.
Bens imóveis e respectivos A competência é do estado onde
direitos se encontra o imóvel
Bens móveis, títulos e créditos causa mortis: Estado em que for
processado o inventário
Doação: estado onde for
domiciliado o doador

se o doador tiver domicílio ou definição em lei complementar


residência no exterior ou se o de
cujus possuía bens, era residente
ou teve o seu inventário
processado no exterior

A conexão na rede ethernet não é feita pelas portas USB dos


computadores , mas sim através da porta ethernet da placa de
rede A conexão ethernet é feita com cabo azul de par trançado, conector
RJ 45 e placa de rede. A Ethernet possui 10mbps, já a Fast Ethernet
100mbps. A Gigabit Ethernet opera à 1000Mbps. A entrada do cabo
ethernet é aquele cabo azul (par traçado+RJ 4500)
A Wifi padrão IEEE 802.11 b possui velocidade de transmissão de
11mbps. A IEEE 802.11 b é considerada uma WIfi de bluetooth e opera
à 2,4 GHz de frequência
Telnet foi desenvolvida com as características de uma aplicação
cliente/servidor. A Telnet é para acesso remoto, é um terminal de texto,
não ´-e seguro e é mais usada peloa Microsoft.
Tanto o Ping como o Traceroute são ferramentas utilizadas na
sondagem de redes de computadores.
Upstream é a velocidade máxima de Upload. Downstream é a
velocidade mpaxima de download. A ADSL pode chegar a taxas de
download de 8mbps e o limite máximo de upload é de 1mbps. A ADSL
2+ pode cehgar a taxas de download de 24 mbps e o limite máximo de
upload é de 1Mbps.
O IPv6 é formado por 8 grupos de 4 dígitos. O IPv4 é formado po 4
grupos de 3 dígitos. O IPv4 tem 32 bits. O IPv6 tem 128 bits.
Uma rede de dados fechada (sem acesso à internet), sem fio e restirta a
um único prédio público. A WLAN é sem fio e restrita a um único prédio.
Ela usa ondas de rádio para fazer conexões. A WLAN pode ser de um
apartamento, ou de um prédio
LAN: Local Area Network: uma rede de computadores de extesão
pequena, normalmente dentro de um único prédio. Algus autores
afirmam que ela se estende por, no máximo, 1 km. A recomendação
técnicaé é que esse número não ultrapasse cem computadores. Porém
há autores que afirmam que não existe essa restrição. Uma LAN não é
aquela que permite conectar um número reduzido de computadores. A
quantidade de computadores não define uma LAN.
O Proxy transparente contribui para a anonimiudade deos usuários, pois
armazena localmente páginas ou arquivos recuperados por outros
usuários, objetivando reduzir o volume de tráfego.O proxy transparemte
visa reduzir o volume de tráfego na internet, contribuindo para a
anonimidade dos usuários.
é a camada física, e não a de enlace, que consiste no meio físico por
onde os dados trafegam. Esse meio físico pode ser constituído de fios
de cobre ou metálico. Acamada de enlace faz a ligação entre a camada
fpisica e a de rede, dividindo os dados de entrada em quadros de dados
(frames) . Os protocolos mais usados pela camada de enlace são o ISO,
IEE e ANSI. oS DA CAMADA DE TRANSPORTE SÃO O tcp E udp.
A topologia linear ou de barramento ficará fora do ar caso haja algum
problema de cabo. A topologia em anel ficará fora do ar caso
hajaproblema em um dos computadores. Se houver problema em uma
estação de trabalho é que a topologia em rede fica fora do ar.
Endereços físicos, endereços lógicos (IP), endereços de portas e
endereços específicos são os quatro níveis de endereços usados numa
rede TCP/IP.
Um computador desligado pode ser ligado remotamente, desde que ele
não esteja ligado na tomada, pois permanece ativas algumas funções da
placa mãe.
Os equipamentos de rede são placa de rede, Hub (concentrador),
Bridge(ponte), switch (comutador), route (roteador), acess point (ponto
de acesso) e modem.
O RJ 45 e´- o conector de rede. O RJ 11 é o conector de telefone.
A largura de uma banda tem duas maneiras de medição: largura de
banda em Hertz e largura de banda em bits por segundo (bps). O RJ 45
é o cabo de rede do tipo par trançado. O RJ11 é o cabo de telefonia do
tipo par trançado. O SC é o cabo de fibra ótica e o BNC é o cabo
coaxial.
A tecnologia wireless IEEE 80211.b não se utiliza da placa de
fax/modem. A placa de rede fax/modem é para a antiga internet discada.
Na manutenção de um equipamento computacional é recomendável
acompanar o modelo da arquitetura da rede da camada física em
direção às camadas mais altas. Primeiro a camada física, depois a
verificação da camada de enlace, em seguida a de rede, logo após a
camada de transporte e assim em diante.
O Modelo OSI não é uma tecnologia, não é um conjunto de protocolos e
nem um software. Sua finalidade é pedagógica. O0 Modelo OSI é uma
arquitetura em camadas para redes de computadore. O Modelo OSI é
um modelo de regulamento e não um conjunto de protocolos.
Os meios de trasnmissão guiados são os cabos coaxiais, os cabos
de par trançado e as fibra ópticas. Os meios de transmissao não
guiados são microondas terrestre, microondas por satellite, ondas de
radio e infravermelho.
Os pacotes são unidades menores de informação, que contém um
pedaço de uma mensagem encaposulada. Eles não são unidades
maiores e nem conêm pedaços maiores de mensagem. Eles não alocam
integralmente recursos de transmissão, mas somente os recursos para
envio daquee pacote.
Na topologia de barramento utilizam-se cabos coaxiais. Nesta topologia
todos os computadores são ligados em um mesmo barramento físico de
dados. Apenas uma máquina pode escrever no barramento. Enquanto
uma única máquina escreve todas as outras recolhem para si o que foi
transmitido. Quando um dispositivo transmite um sinal (broadcast) toda
a rede fica ocupada. O cabo utlilizado na topologia em barramento é o
coaxial. A topologia em anel também utiliza o cabo coaxial. Porém, a
topologia em estrela utiliza o cabo par trançado RJ 45.
O WEP é um tipo de criptografia para redes sem fio, que se utiliza
de uma chave secreta compartilhada. O WEP é um sistema de
criptografia que adota o padrão IEEE 802.11. O WEP utiliza uma senha
compartilhada secreta para criptografar os dados e funciona de forma
estática. O WEP foi o primeiro protocolo de criptografia lançado nas
redes sem fio. O WEP não é mais utilizado, não é seguro. Já o WPA ou
o WPA2 são bem mais seguros.
O modelo OSI é uma descrição abstrata em camadas para
desenvolvimento de protocolo de redes. A camada de sessão é
responsável por permitir que duas ou mais aplicações em computadores
diferentes possam abrir, usar e fechar uma conexão. A camada de
sessão guarda relatórios de tudo e gerencia a comunicação para que ela
possa ser reiniciada do ponto da última marcação recebida. A camada
física trata da transmissão de bits normais por um canal de
comunicação. A camada de rede é preocupada com o envio das
mensagens fim a fim e opera com endereços de rede, como o IP. A
camada de transporte aceita dados da camada acima dela e os divide
em unidades menores, repassa essas unidades à camada de rede e
garante que todos os fragmentos chegarão à outra extremidade
(presente na camada de rede). A camada de sessão é vista como
responsável por coordenar o fluxo dos dados entre os nós. Na camada
de sessão são implementadas regras para sincronização da trocas de
mensagens e por averiguar quais procedimentos a serem tomados no
caso de falhas. Além de prever o mecanismo de segurança,
autenticação e sincronismo entre as partes, a camada de sessão
oferece gerência de conexão entre aplicações. A camada de
apresentação está relacionada à sintaxe e à semântica das
informações transmitidas. A camada de apresentação analisa a
sintaxe e semântica das informações que passaram pela camada de
aplicação. A camada de aplicação contém uma série de protocolos
comumente necessários aos usuários, como o HTTP e o SMTP, entre
outros.
O documento RFC (request for comments) que descreve o IP é o
RFC 791. O TCP possui documento RFC 793, o HTTP possui RFC
2.616 e o SMTP possui RFC 2.821.
Para se conectar a uma rede corporativa deve-se utilizar um PC
corporativo ou outro dispositivo corporativo. Deve-se utilizar uma VPN
em uma rede não compartilhada. A VPN é uma rede que utiliza
tunelamento e é construída sobre a internet. Além do tunelamento a
VPN utiliza criptografia. Por isso, para conectar-se a uma rede
corporativa deve-se utilizar VPN e não é seguro nesse caso utilizar uma
rede compartilhada. Segundo a cartilha CERT a Virtual Private Network
é o termo usado para se referir à construção de uma rede privada
utilizando redes públicas. O usuário poderá se conectar usando uma
conexão móvel 4G não compartilhada. Existem programas específicos,
como o Junos Pulse, que estabelecem a VPN.
O 5G é o próximo passo evolutivo para a banda larga sem fio. As redes
da 4G, utilizadas em algumas regiões do Brasil, são capazes de
entregar uma velocidade média de conexão de, aproximadamente, 33
Mbps. O 5G entregará velocidades 50 a 100 vezes maiores.
O protocolo NTP é responsável pela funcionalidade denominada
sincronização dos relógios na rede. O protocolo DHCP é o protocolo de
configuração dinâmica de endereços de rede. Serve para atualizar as
configurações de rede.
Nas LANs os dados não são transmitidos criptograficamente, pois
ela é uma rede local que suporta até 250 PCs em um raio de até 1km, é
pequena e de poucas estações e , por isso, não necessita de
criptografia, pois a LAN já é ligada a uma VPN, que já faz esse serviço.
Existe a possibilidade de acesso a terminal, como a Telnet, tanto
pelo SMTP quanto pelo IMAP. O SMTP é o protocolo de envio de e-mail.
O IMAP é o protocolo de recebimento de e-mail. O Telnet é o protocolo
para acesso remoto. O POP é o protocolo somente para recebimento de
e-mail. A ferramenta Telnet foi desenvolvida com as características de
uma aplicação cliente/servidro.
Redes de acesso a borda da ionternet. As redes de acesso
situadas na borda da internet podem ser ISPs npivel, ISPs nível 2 ou
ISPs nível 3. As redes de acesso na borda são as redes mais próximas
dos usuários. ISP é mesmo que provedor. Provedor nível 1: acesso ao
backbones de níveis internacionasi. Provedor de nível 2: provedor
nacional. Provedor de nívcel 3 : mais próximo do usuário.
O FTP permite a troca de arquivos entre computadores, garantindo
download e upload. Utiliza as portas 20 (transferência) e 21(controle).
Esse protocolo difere dos outros por estabelecer duas conexões entre
os nós cliente e servidor. Uma conexão é utilizada para transferência de
dados entre si(Porta TCP 20) e a outra para a troca de informações de
controle (Porta TCP 21).
A topologia de uma rede é a forma como ela é conectada. Uma
rede pode ser classificada em barramento, estrela, anel ou
híbrida(mista). A definição de homogênea ou heterogênea é para
qualificar a plataforma utilizada na rede, se ela usa somente dispositivos
Windows ou somente Linux (homogênea), ou se ela tem dispositivos
executando diferentes sistemas operacionais (heterogênea).
As redes Token Ring utilizam topologia em anel, e as redes
Ethernet usam topologia lógica de barramento. A topologia em anel
pode ser Token Ring (IEE 802.5) ou FDDI. Na figura abaixo as redes
211.200.3.0 e 200.3.2.0 podem ser Tolkien Ring ou FDDI, pois usam a
tipologia em anel (só é ver os círculos)

O protocolo TCP/IP é confiável, orientado à conexão, e faz uso da


porta 80 do protocolo HTTP (protocolo de comunicação para transferir
hipertextos). Quando se fala em HTTP normalmente se fala na porta
80.
Acess point é um dispositivo usado para a conexão de
computadores em uma rede sem fio. Numa conexão em rede por
bluetooth não se usa o acess point ou hot spot, pois no Bluetooth existe
um protocolo de curto alcance, voltado para a conexão direta entre
aparelhos, o que dispensa registro na ANATEL. Ele caracteriza uma
TAN (Tiny Area Network)
A arquitetura TCP/IP é dividida em 4 camadas: Aplicação,
Transporte, Rede e enlace. O IP está localizado na camada de rede.
Os Browsers permitem utilizar os protocolos HTTP, HTTPS, que
são os protocolos de transferência de hipertextos. Além desses os
Browsers utilizam, obviamente, do FTP, protocolo utilizado na
transferência de arquivos, embora essa transferência seja possível com
o HTTP. No entanto o protocolo SMTP é um protocolo de envio de e-
mails, não suportado pelos navegadores ou Browser. O SMTP é
utilizado no Outlook, Thunderbird, e outras ferramentas de e-mail, mas
não nos Browsers. O protocolo NMTP (Network News Transfer
Protocol), utilizado no compartilhamento de nptícias funciona como um
fedd RSS e não é suportado pelos Browsers. Nele, a cada noticia
postada o usuário recebia um aviso no seu correio eletrônico.Os
Browsers suportam HTTP, HTTPS, FTP, FILE e MAILTO. O NNTP foi
muito usado nos anos novento e, junto com o SMTP, é suportado pelos
programas de clientes de correio.
As camadas do protocolo TCP IP são física/enlace, redes,
transporte e aplicação. O fluxo de pacotes na rede de computadores
ocorre na camada redes do modelo TCP/IP. Não há que se falar em
interferência, propagação, recuperação e perda de dados nas outras
camadas, somente na camada redes. As camadas são Física, Redes,
Transporte e Aplicação. As qualidades ou parâmetros principais de um
fluxo de dados são confiabilidade, retardo, flutuação e largura de banda.
O IDS e o IPS utilizam metodologias similares na identificação dos
ataques, pois ambos analisam o tráfego de rede em busca de regras.
IDS significa intrusion detection system e IPS intrusion prevention
system. Ambos analisam o tráfego de rede em busca de assinaturas ou
de conjunto de regras que possibilitem analisar o tráfego de redes. O
IDS monitora atividades de rede e é uma solução passiva. O IPS previne
intrusos e é uma solução ativa. O IPS é um sistema de prevenção de
intrusos, diferenciando-se do IDS por ser ativo. Os sistemas de
prevenção (IPS) são ativos e têm a capacidade de prevenir invasões
com assinaturas reconhecidas. O IDS informa que existe um potencial
ataque e o IPS promove tentativas de parar o ataque. O IPS é
geralmente a geração seguinte do IDS.
A placa mãe, também conhecida como “motherboard” ou
“mainboard”, é responsável pela interconexão de todas as peças que
formam o computador. A CPU está instalada na placa mãe. O HD, a
memória, o teclado, o mouse, a placa de vídeo e todos os dispositivos
precisam estar conectados à placa mãe.
A memória RAM é principal e primária. A memória ROM não é
principal, mas é primária. A memória intermediária é a cache. As
memórias secundárias são fitas, disquetes e HD, CD, DVD, Blue Ray.
cartão de memória, SSD (HD moderno) e pen drive.
Para instalar uma impressora deve-se proceder aos seguintes
comandos: Painel de Controle > Hardware e Sons> Adicionar dispositivo
O registro do Windows é uma espécie de banco de dados onde
são armazenadas as informações sobre todos os programas instalados,
estruturas de diretórios, informações do usuário de driver, e outras. Ele
existe desde as versões do Windows 3.1 x ,mas passou a ser utilizado
como padrão a partir do Windows 95. O registro, numa comparação
grosseira, pode ser entendido como o sangue do Windows, pois todas
as atividades no sistema operacional dependem da sua existência. Um
exemplo bem simples: que é através do registro que o sistema
consegue saber onde os programas estão armazenados e quais
arquivos. Um simples corrompimento do registro do Windows faz o
sistema parar. Se isso ocorrer não será possível encontrar programas,
drivers e configurações. O registro, ou regedit, é um banco de dados do
sistema e não arquivo.
O CD R tem a mesma capacidade do CD RW: 700 MB. Já o DVD-
R tem capacidade de 4.7 GB. A capacidade dos Blue Ray chega a 50
GB. As fitas DAT têm capacidade de 40 GB e os HD externos têm
capacidade de 1 Terabyte.
Os USB 1.0 possuem voltagem de 5v e 480 Mbps, já os USB 2.0
possuem voltagem de 5v e velocidade máxima de 4.8 Gb/s.
Transferência de arquivos. A transferência de arquivos pode ser
por fluxo contínuo ou por blocado. A transferência por fluxo contínuo não
é adequada quando se deseja transferir vários arquivos em uma
mesma conexão de dados e usa caracteres. Na transferência blocado o
arquivo é transferido como uma série de blocos precedidos por um
cabeçalho especial. Nunca se deve confundir transferência por fluxo
contínuo e blocado. Não é o modo de transferência contínua que
transfere em blocos precedidos por um cabeçalho, mas sim a
transferência blocado.
A transferência por fluxo contínuo também é chamada por fluxo. O
arquivo é enviado, por um fluxo contínuo de bytes, ao TCP. A
transferência por fluxo é o modo padrão. Além da transferência por
fluxo, o FTP também se utiliza do modo blocado e do modo por
compressão. No modo blocado, o próprio FTP faz a separação dos
dados em vários blocos e cada bloco é precedido por um cabeçalho
especial. No modo por compressão, os dados são comprimidos, antes
de serem enviados, por meio de algum algoritmo.
O registro do Windows é um banco de dados do Microsoft
Windows. Ele concentra todas as configurações do sistema e os
aplicativos executados nele de modo a tornar a administração das
configurações do sistema mais fácil. As configurações de sistema e
usuários são completamente separadas e complementares. O registro
do Windows (regedit) é um banco de dados, e não arquivo, que
armazena todas as configurações dos aplicativos instalados. As
configurações de sistema e usuários não são competências do
registro do Windows. Os usuários dos aplicativos, para controle do
nível de acesso dos respectivos dados, não constam do registro do
Windows.
O Crawler é um robô usado pelos buscadores para encontrar e
indexar páginas de um site. Ele captura informações das páginas e
cadastra links encontrados. O indexador é a máquina ou o conjunto de
máquinas encarregadas de processar os dados recolhidos pelos robots
ou crawlers. Enquanto o Crawler Spider ou Bot pesquisa a informação
em bilhões de sites, os indexadores colocam-nas em índice por ordem
de relevância/data/tipo de arquivo/preferências.
WHOIS é um mecanismo que registra domínios, IPs e sistemas
autônomos na internet e que serve para identificar o proprietário do site.
WHOIS vem da expressão de língua inglês “quem é” e é alimentado por
companhias de hospedagem, e reúne todas as informações de uma
página ligada a um CNPJ ou CPF. O WHOIS é um protocolo TCP que
objetiva consultar contato e DNS. Tecnicamente, o WHOIS é um
protocolo de controle de transmissão (Transmission Control Protocol ou
TCP).
Um plugin é um programa instalado no navegador que adiciona
recursos que podem ser usados por páginas WEB. Extensão é um
programa feito especialmente pelo navegador para criar ou modificar
alguma funcionalidade. Os browsers Internet Explorer, Firefox e Chrome
já têm plugins de proteção antiphishing nativos, não sendo necessário
implementar proteções. Porém, podem ser necessária a instalação de
extensão, como o Adblock, uma solução simples para evitar
propagandas. Por isso, os browsers não permitem a instalação de
plugins para implementar proteção antiphishing, mas de extensões.
O sistema de arquivos está entre o HD e o Sistema Operacional. O
Sistema FAT é o sistema comum. O NTFS vem do windos NT , da
microsoft. O FAT també, só que é mais amplo. O FAT suporta arquivos
máximos de 4gigabytes (3,89). Já o NTFS suporta arquivos maiores. O
NTFS suporta criptografia, em nível de hardware. No Linux o sistema de
arquivo padrão é o EXT, já no windos é o NTFS. O Ext pode ser Ext 1,
ext 2, ext 3 ou ext 4. Além do Ext o Linux suporta FAT e NTFS.oRÉM O
Ext é próprio do Linux. Existe também o Raizer FS e o Jfs. O Windos
não encherga o Ext, nem o Raizer fs e nem o Jfs.
O modelo Osi possui funfionamento e protocolos do modelo. O
modelo OSI vem do inglês e significa opens sistem interconection. O
modelo OSI surgiu da ISO, que estabelece uma série de normas
técnicas. A camada física é a camada 1, resonsvável pelo cabeamento,
pela comunicação real entre os dois dispositivos. As características
elétricas, como impedância e tensão, estão na camada 1, bem como
característica óticas ou eletromagnéticas. A camada física garante que
um é um e zero é zero. A camada 2 é a de enlace ou link de dados, que
é responsável pela detecção e correção de erros que aconteceram no
nível física. A camada 3 é a camada de rede é é responsável pelo
endereçamento dos dispositivos na rede (protocolos de roteamento). A
camada transporte é a camada 4 e visa detectar e corrigir erros nas
camadas anteriores. A camada 4 é especial porque estabelece uma
comunicação direta fim a fim entre a origem e o destino.A camada de
sessão é a camada 5 e controla a comunicação entre dois processos
que estão em máquinas diferentes. A camada 6 é a cadmada de
apresentação, também chamada de tradução, porque ela quem faz a
conversão dos formatos de caracteres. é responsável pela compressão
e criptografia. A camada 7 é a camada de aplicação, a última, e diz
respeito aos programas que estão no cliente e no servidor (protocolos
de nível alto.
O modelo OSI é o modelo de referência. Na prática da internet
está a pilha TCP/IP. A camada 1 é a camada de rede, e é a junção da
camada 1 e 2 do modelo OSI. A camada 2 do modelo TCP/IP é a
camada internet e tem relação direta com a camada 3 do modelo OSI. A
camada 3 é a de transporte e faz referência à camada 4 do modelo OSI.
A camada 4 do modelo TCP/IP faz referência às camadas 5, 6 e 7 do
modelo OSI e é a camada de aplicação.
Os firewalls podem ser usados para bloquear alguns tipos de
ataques de recusa de serviços e detectar varredura simples de rede.
Apesar disso, não são antivírus.A memória cache é uma memória
temporária e volátil, que tem suas informações perdidas quando o
computador é desligado. Na cache os dados são armazenados
temporariamente, ela é intermediária entre a RAM e a CPU. A cache é
muito rápida e volátil. É uma memória auxiliar que encontra-se dentro da
CPU mas pode estar também fora.
O protocolo utilizado para controlar a comunicação entre o servidor
e o navegador da internet é o HTTP. O Hiper text transfer protocol é um
protocolo de comunicação utilizado para sistemas de informação
hipermídia e é a base de comunicação da World Wide Web.
Siglas utilizadas: LAN é rede local, MAN é rede metropolitana,
WAN são redes de alcance global, WLAN são redes sem fio e PAN é
rede pessoal. As redes WANs cobrem áreas geograficamente dispersas,
podendo abranger grandes áreas, chegando a um país ou até mesmo a
um continente, possuindo uma estrutura de maior custo ou
complexidade.
A Extranet é uma extensão da Intranet e que toma forma a partir
do momento que as organizações passam a possibilitar um acesso
externo às intranets. A VPN é um tipo de acesso que exemplifica uma
extranet, que basicamente é uma rede de comunicação privada sobre
uma rede de comunicação pública.
O número MAC da placa da rede da impressora não é uma opção
de informação para a detecção de impressoras. O nome de
compartilhamento da impressora, o número IP ou nome Host e a porta
da impressora são opções de informação para a detecção de
impressoras. O endereço MAC é a sigla de Media Acess Control e é o
simples endereço de controle de acesso da sua placa de rede, não
servindo para a detecção da impressora.
Quem é responsável por filtrar requisições indesejadas e impedir o
acesso externo é o firewall, e não o servidor VPN. O servidor VPN
permite encriptar conexões. VPN se refere à construção de uma rede
privada utilizando redes públicas. É uma forma de conectar dois
computadores utilizando uma rede pública, a internet. O VPN é de vital
importância e significa “rede privada virtual”.
O SMPT é para transferência de correio. Ele é responsável apenas
pelo envio de email. Utiliza a porta 25, porém, no Brasil, está sendo
substituído pela porta 587, para combater SPAMS.
Imap: 143; Http: 80; Https: 443; SMTP: 25; Pop : 110 FTP: 21 ou
20; DNS: 53. Essas são as portas de alguns dos protocolos mais
utilizados. O SMTP utiliza, por padrão, a porta 25 ou 465, mas pode usar
a porta 587 de forma alternativa. O SMTP significa Simple Mail Transfer
Protocol.
O UDP, protocolo da camada de transporte, fornece um serviço de
entrega sem conexão e rápido, porém não confiável. UDP significa User
Datagram Protocol.
As taxas de transmissão utilizadas no cabo de par trançado são de
10 Mbps, 100 Mbps e 1000 Mbps.
Existem endereços IPs privados, que fazem parte do rol de
endereços reservados especificamente para uso em redes locais. Para
os endereços privados não há que se falar em servidor WEB na internet
pública utilizando esse endereço. Os endereços privados são: classe A
10.0.0.8/8; Classe B 172.16.0.0.12 e classe C 198.168.0.0/16. Os
endereços que usamos com frequência são 192.168.x.x. Os endereços
públicos são geridos por uma entidade reguladora, muitas vezes são
pagos e permitem a identificação precisa de uma página na internet.
Sistemas de Arquivos. O sistema de arquivos faz o link entre o
sistema operacional e o HD. Os principais sistemas de arquivos são o
FAT e o NTFS. O FAT é o mais comum, e o NTFS é da Microsoft. O
FAT suporta arquivos de no máximo 4 GB. Já o NTFS suporta arquivos
maiores que 4 gigas. Se eu comprar um pendrive de 16 gigas e vier na
forma padrão, mesmo que ele venha vazio, por estar formatado no
sistema FAT ele não vai pegar. Só vai pegar se eu formatar para o
formato NTFS. O NTFS permite criptografia. O LINUX reconhece o FAT
e o NTFS. O windows também reconhece o FAT e o NTFS. Existem o
FAT 16 e o 32. Uma das principais vantagens do NTFS é permitir a
criptografia.
A camada de transporte é parte das arquiteturas OSI e TCP/IP.
Nesta camada temos dois protocolos o TCP e o UDP. A camada de
transporte prepara as informações geradas pela camada de aplicação
para enviá-las às camadas inferiores. O UDP pode ter pacotes até 60%
menores que o TCP. O TCP possui 20 bytes para o cabeçalho enquanto
o UDP só possui 8 bytes. O UDP não garante confiabilidade. O TCP é
mais confiável e garante sempre a chegada das informações,
estabelecendo uma conexão com o hospedeiro destino(aperto de mão
de 3 vias).
O bit é a menor unidade de dados que nós temos no PC,
representado pelo número 0 ou 1. O sistema de numeração binário é
representado por bits. Existem vários sistemas decimais, como decimal,
octal, hexadecimal e o binário. O byte é a união de 8 bits. O Pendrive é
mensurado em byte. O valor nominal de armazenamento de um CD é de
700 MB. O KB equivale a 1024 bytes. Não é mil porque os números são
elevados à base 2. O Mega byte é o milhão, podendo ser um milhão de
bytes ou um milhão de bites. O Gigayte vai para bilhão. O Terabyte,
medida de HDs externos,e equivale a 1000 Gigabytes.
Cloud significa nuvem, que representa a internet. A
computação na nuvem não depende de instalação, e é pay per use,
onde o serviço pode ser mensurado. A cloud computing é elástica e
dinâmica.
Arquitetura de Redes. Na arquitetura P2P o computador fazia tudo, era
servidor e cliente ao mesmo tempo. A conexão P2P é antiga, não se
pensava em diferenciar os equipamentos… não existia computador
servidor e cliente, pois um mesmo computador era tudo ao mesmo
tempo. Todos os computadores exerciam o mesmo papel, na peer to
peer. No modelo peer to peer não existia estrutura física, pois não havia
nó central. O modo físico foi implantado no modelo cliente/servidor, que
é o modelo padrão atualmente. Apesar, disso o P2P ainda é útil, como
na comunicação dos torrents. Nos torrents utiliza-se a proposta do Peer
to peer, onde todos exercem o mesmo papel.
O diretório raiz se ramifica até a ponta da linha, que só contém
arquivos. No Linux, /bin é o diretório que possui arquivos binários de
comando essenciais do sistema. /bin vem do inglês binary: arquivos
binários executáveis de comando essencial no sistema.
A pasta/boot lembra inicialização(bootloader;Grub;Kerne). /dev refere-se
a dispositivos de entrada e saída (disco rígido, cd rom, modem). /etc
lembra arquivos de configuração(scripts) e inicialização. As pessoas não
sabem de onde vem o nome etc. A pasta /home equivale à pasta
usuários do Windows. A pasta/lib vem de bibliotecas, e é lá onde ficam
bibliotecas e módulos (drivers). Na pasta /media encontram-se os
pontos de montagem de mídias removíveis. A pasta /mnt aborda a
montagem de dispositivos, sistemas de arquivo e partição. A pasta /root
vem de raiz, é a parte do superusuário. A pasta/sbin vem de
superuserbin e possui arquivos de sistema essenciais que só podem ser
dados pelos superusuários. A pasta /tmp é para arquivos temporários
gerados por alguns utilitários. /etc é o local onde normalmente se
armazenam arquivos de cofiguração global do sistema.
O HUB é burro, pois não lê quadros (pacotes), trabalha sempre em
broadcast e causa lentidão. O SWITCH é inteligente, pois lê quadros,
envia direto (não pratica o broadcast desnecessário e é mais rápido).
Enquanto a finalidade de um HUB ou Switch é interligar máquinas em
uma rede, o Roteador liga duas ou mais redes.
Os antivírus de primeira geração utilizam recursos de verificação
com base em assinatura (como se fosse uma marca ou impressão
digital). Se o código malicioso possuísse a marca, o antivírus barrava o
código. Os antivírus de segunda geração buscam analisar o
comportamento e analisam a probabilidade estatística do código ser
malicioso ou não. Os antivírus de primeira geração eram chamados de
escaneadores simples, os de segunda geração de escaneadores
heurísticos. Os de terceira geração eram antivírus de armadilhas e
atividades. Os de quarta geração são os chamados de proteção total.
Os antivírus possuem 3 formas de detecção de malwares: pelo conteúdo
do arquivo, pelo formato do arquivo ou pela heurística.
O Proxy implementa uma política de controle de comportamento
para determinar que tipo de serviços de internet podem ser acessados
na rede. O uso de servidores Proxys é para monitoramento e filtragem.
um servidor proxy web de filtro de conteúdo fornece controle
administrativo sobre o conteúdo que pode trafegar em ambas as
direções do proxy. No controle de acesso é possível permitir que
determinados usuários tenham ou não acesso a internet através de
restrições aplicadas ao login. No filtro de conteúdo o servidor permite
que determinados sites sejam ou não acessados. Quem implementa
uma política de controle de comportamento para determinados tipos de
serviços na internet, afirmando se eles podem ser acessados ou não, é
o Proxy e não o Firewall.
O evento ou condição que determina quando a carga útil de um
vírus é ativada ou entregue é o mecanismo de ativação. A bomba lógica
é determinada pelo mecanismo de ativação. A carga útil é o que o vírus
faz, além de se espalhar, e o termo mecanismo de infecção corresponde
aos meios pelos quais o vírus se propaga ou espalha.
Mecanismo de infecção: é o meio ou forma pelo qual um vírus se
propaga. O mecanismo de infecção é o que faz o vírus se reproduzir e é
também conhecido como vetor de infecção. O mecanismo de ativação
ou bomba lógica é o evento ou condição que determina quando a carga
útil é ativada ou entregue. A carga útil é o que o vírus faz, além de se
espalhar, e pode envolver algum dano ou carga benigna.
O WINDOWS e o Linux possuem núcleo monolítico. A finalidade
do núcleo é gerenciar os recursos do computador e permitir que outros
programas rodem e usem deste recurso. O BDS Linux, o MS-DOS, o
Windows 95, o Windows 98 e o Windows ME, o Solaris e o Palm OS
possuem núcleos monolíticos, em que um único processo executa
funções principais. A arquitetura monolítica é a mais antiga e mais
comum conhecida. Ela se caracteriza pelo fato de cada componente do
sistema operacional ser contido no núcleo (kernel). Os componentes
podem comunicar-se diretamente com qualquer outro componente, por
meio de chamadas à (função), por isso o núcleo, na arquitetura
monolítica tem acesso irrestrito ao sistema de computador.
A intranet é uma rede privada de computadores, já a extranet é
uma extensão da intranet para usuários externos de uma eempresa,
como stakeholders.
Um firewall é uma combinação de hardware e software. O firewall
isola da internet a rede interna de uma organização. Um firewaal é um
“muro” entre a internet e a rede interna de uma organização que permite
o gerenciamento do fluxo de tráfego e também o gerenciamento dos
recursos da rede.
O comando mv, do linux, só aceita as seguintes variações: mv-
f(forçe): substitui o arquivo de destino sem perguntar. O -i pergunta
antes de subsituir, é o padrão (interactive). O mv -v mostra os arquivos
que estão sendo movidos (verbose) O mv - u mover somente arquivos
antigos, ou novos arquivos (update). O comando mv é para mover um
arquivo ou renomear o arquivo ou diretório.
O Firewall faaz o controle de acessos, mas não protege contra
ameaças interna. Ele filtra pacotes que entram e saem na rede, mas não
protege contra vírus, que são ameaças internas. Os firewalls não
oferecem proteção contra ataques internos maliciosos, como backdoor e
vírus, apesar disso são uma excelente proteção contra ameaças de
rede.
No Windows Explorer é possível remover informações do arquivo,
como o título e o assunto. Porém algumas informações não podem ser
removidas, como data de criação, tamanho, salvo em, impresso em,
tempo total de edição e outros.
Se um usuário do Thuderbird receber um email de pessoa cujo
nome esteja na lista desse usuário, de imediato o endereço de email do
remetente não será mostrado, o que será exibido é o nome. Mas o
usuário pode cicar com o botão direito do mouse sobre o noe do contato
e exibir propriedades para ter acesso ao email.
O Google Chrome armazena até 10 semanas de histórico, por
padrão. A capacidade máxima de armazenar o histórico, no Chrome e
no Firefox, é para até 90 dias. Já a capacidade máxima do IE é de 999
dias.
O PuTTY é um cliente SSH e Telnet, para realizar conexões
remotas utilizando esses protocolos. Ele constrói ‘túneis” encriptados
entre servidores. Pode ser usado para gerir o seu servidor remotamente,
instalar ou desinstalar aplicativos ou reiniciar o windows. O Putty permite
que os usuários acessem um computador com o sistema operacional
Linux a partir de um PC com Windows e também a execução remota de
comandos.
O Recurso mala direta, do Word, encontra-se na guia
correspondência, e não na guia inserir. O mala direta pode ser usado
para criar documentos modelos como cartas, fax, relatórios, memorando
etiquetas e outros.
O GRUB e o LILO são programas para gerenciar inicializaçõs, são
gerenciadores boot. São utilizados quando temos mais de um sistema
operacional e precisamos escolher qual utiliá-lo. O GRUB e o LILO
podem ser acessados via comandos feitos no ambiente de tela preta do
Linux.
Antes o Thunderbird não tinha como imprimir uma lista das
mensagens de uma pasta.A partir da Versão 24.5.0 já é possível.
Ao se clicar com o botão direito do mouse num arquivo do
powerpoint, e depois clicar em mostrar, o arquivo será aberto para uma
visualização rápida. Para fechar a visualização rápida deve-se
pressionar ESC. Se pressionarmos as setas do teclado a apresentação
muda de slide. Se for pressionada a tecla menos a apresentação fecha
também.
Os hijackers são códigos maliciosos que invadem coputadores
para modificar o funcionamento do navegador ou browser. A ideia do
hijacker é forçar o usuário a visitar páginas que ele não quer, gerando
tráfego para determinado site e tambe´m publicidade.
O Linux é case sensitive. Ele diferencia maiúsculas e minúsculas.
Já o Windows não é case sensitive. O Linux tem limite de 255
caracteres para componente e 4.096 caracteres para caminho. O Linux
não precisa de extensão para nada. No Windows temos extensões
.xls, .doc, .txt, etc. O Linux não exige extensão pois pelo cabeçalho ele
já lê a extensão. Mesmo assim os arquivos vêm com extensão, mas ela
é desnecessária.
A função PMT calcula o reembolso de um empréstimo de acordo
com pagamentos constantes e com uma taxa de juros constante. Em
português, corresponde à função PGTO. A sintaxe é PGTO=(taxa, nper,
vp, [vf],[tipo]). O argumento taxa é obrigatório e é a taxa de juros para o
empréstimo. Nper é obrigatório e equivale ao número total de
pagamentos pelo empréstimo.Vp: é obrigatório e é o valor presente, ou
a quantia total equivalente a uma série de pagamentos futuros, também
conhecido como principal.Vf: opcional. O valor futuro éo o saldo que
você deseja obter depois do último pagamento. O Tipo é opcional e
indica o número 0 ou 1 para o vencimento de pagamentos. Somente o
Valor futuro e o tipo são opicionais. A taxa é obrigatório, o Nper é
obrigatório, o Vp é obrigatório. Porém, o Vf e o Tipo são opcionais.
Camada de aplicação. A camada de protocolo 7 é a de aplicação.
São protocolos da camada de aplicação HTTP, RTP, SMTP, FTP, SSH,
Telnet, SIP, RDP, IRC, SNMP, NNTP, POP3, IMAP, BitTORRENTE e
DNS. Esses são os mais famosos. Protocolos como HTTP, SMTP, FTP,
SNMP, POP3, IMAP e DNS são os mais famosos entre os usuários de
sistemas computacionais. A camada 6. é a de apresentação, e possui os
protocolos de XDR e TLS. A camada 5 é a de Sessão e possui o
protocolo NETBIOS. Um dos protocolos mais famosos é o TCP e está
localizado na camada 4, a de transporte. O IP, porém, encontra-se na
camada 3, a camada de rede. O IP (IPv4, IPv6), o IPsec, o ICMP, o
ARP, o RARP e o NAT encontram-se na camada de rede. NetBEUI, o
TCP, o UDP, o SCTP, o DCCP e o RIP encontram-se na camada de
transporte. Os protocolos mais importantes da camada de transporte
são o TCP e UDP. Os protocolos mais importantes da camada de rede
são o IP e o ARP.
XML Paper Specification, anteriormente apelidado de “metro”, é
um importante arquivo desenvolvido pela Microsoft para representar
documentos portáteis. é uma alternativa do PDF.
A navegação inPrivate não mantém salvo o histórico, remove
cookies, senhas e não torna você invisível, remove cookies, senhas e
não torna você invisível. Se você usar o inPrivate no trabalho a empresa
pode lhe monitorar. Além disso o InPrivate permite adicionar sites aos
favoritos e não garante anonimidade na internet. Ela não grava senhas,
páginas em cache, histórico, entradas de formulários. Grava favoritos e
downloads. Não deixa o usuário anônimo na internet, senão poderia
ocorrer crimes cibernéticos. A tecla de atalho, no Firefox, é
Control+Shift+P. Já no Chrome é Control+Shift+N.
No Word a janela estilos e formatação é de grande importância.

Esta é a janela estilos


de formatação do Word.
Como fazer o Google Chrome perguntar onde salvar o
download:1.clicar nos três pontos superiores direito da página, 2. clicar
em configurações e 3.clicar em avançado e por fim, em downloads,
perguntar onde salvar cada arquivo antes de fazer o download.
A tecla Alt+Tab serve para o Windows e para o Linux. Ctrl+Tab
serve para navegar entre abas.
Shift + Esc abre o gerenciador de tarefas do navegador.
Control+Shift+Esc abre o gerenciador de tarefas do Windows.
Nas versões mais recentes do Word é possível converter os
arquivos para os formatos PDF e Xml Paper Specification. O XML é um
formato de arquivo da Microsoft semelhante ao PDF. Para converter
para PDF ou XPS é só ir em arquivo>exportar>criar PDF/XPS.
Na conexão ponto a ponto, um equipamento é conectado ao outro,
tomando esses equipamentos como de mesma finalidade. O modelo
cliente servidor é o mais adequado à nossa realidade, onde há pessoas
diferentes e um nó central, e existe um servidor, que atende a
informação do cliente. O servidor centraliza a informação do cliente.
A tecla F1, tanto no Firefox, como no Internet Explorer ou no
Opera exibem a ajuda. A tecla de atalho control + o, tanto no Firefox,
Explorer ou Opera é para abrir um arquivo.
No Firefox ctrl + page up vai para a próxima aba e ctrl +page down
vai para a aba anterior. No Internet Explorer o recurso é não disponível,
e no Opera a tecla é Alt+page up. O Ctrl+shift+ tab serve para o opera e
o firefox e vão para a aba anterior. A tecla de atalho Ctrl+D, no Firefox e
no Explorer, vão para o favoritos. Já no Opera a tecla de atalho para o
favoritos é Control+T.
Um repetidor regenera um sinal, interliga segmentos da LAN e não
tem nenhum recurso de filtragem. O repetidor opera no nível 1 do
modelo OSI, apenas amplificando os inal que recebe, sem nenhuma
inteligência adicional
O protocolo TELNET não possui criptografia. Porém o SSH possui.
O Telnet é um protocolo de transferência de dados não seguro, os
dados que veicula circulam às claras na rede, de maneira não
codificada. A este protocolo é atribuída a porta 23. O Secure Shell é um
protocolo de rede criptográfico para operação de serviços de rede de
forma segura sobre uma rede insegura, em uma arquitetura cliente-
servidor. A aplicação mais visível do protocolo é para acessar contas
shell do Unix. O SSH foi projetado para substituir o TELNET, que
enviava informações, como senhas, em texto puro, tornando-os
inseguros. Apesar disso, Edward Snowden mostrou que muitas vezes é
possível descriptografar o SSH.
O IMAP permite manter o conjunto de e-mails no computador
remoto ou fazer o download das mensagens para o PC. O POP não
oferece a alternativa de manter as mensagens no servidor remoto, mas
permite o download. O Protocolo POP (Post Office Protocol - Protocolo
de escritório postal) é o protocolo que verifica e transfere a mensagem
do servidor de mensagem para o computador do usuário, as retirando
do servidor e realizando a leitura na máquina do usuário. O IMAP pode
ser mais vantajoso que o POP, pois além de permitir o download das
mensagens, permite que elas sejam mantidas no servidor remoto.
O Padrão Fast Ethernet vai até 100 Mbps. O Padrão de 1000
Mbps é o da Gigabit Ethernet. Em redes de computadores, Fast
Ethernet é um termo para vários padrões da Ethernet que levam o
tráfego de dados à taxa nominal de 100Mbits/s. Já a Ethernet original
possuía faixa de transmissão de 10Mbits/s. O Fast Ethernet (100Mbs) foi
introduzido em 1995 e permaneceu a versão mais rápida de Ethernet
durante três anos, até ser substituída, em 1998, pelo Gigabit ethernet.
Na topologia em anel não existe nó central. O Token não é o
computador central, mas o bastão que circula entre as máquinas da
rede, e quem possui o toquen em determinado momento, é a máquina
que pode enviar e receber dados. A topologia em anel é uma
configuração em desuso e consiste em estações conectadas através de
um circuito fechado, em série. Na topologia em anel existe uma série de
repetidores ligados a um meio físico.

Topologia da rede em anel.


Redes em anel são capazes de transmitir e receber dados em
configuração unidirecional, possuindo protocolos pouco sofisticados.
Como a comunicação só trafega em uma direção, a circular, se uma
máquina falhar, toda a comunicação fica comprometida. Não existe nó
central nesta topologia. Em uma rede anel, cada nó tem sua vez de
enviar informações quando ele está com o Token. Somente o nó que
detém o Token, naquele momento, pode enviar informações.
No Firefox, a tecla F7 ativa o cursor de teclado.
Na caixa de saída ficam mensagens que foram enviadas mas
tiveram problemas e não chegaram. Na pasta rascunhos estão
mensagens que foram escritas, salvas e não enviadas.
Os mais conhecidos Browsers são o TOR, o SAFARI, o OPERA, o
NETSCAPE, o EDGE, o FIREFOX, o CHROME eo INTERNET
EXPLORER.
O FileZilla é um aplicativo de código aberto, para Windos, MAC e
Linux.Ele serve para enviar arquivos para algum servidor por meio do
protocolo FTP.
Criptografar comunicações e autenticar usuários são algumas das
funções dos firewalls. Executar funções anti spoofing, bloquear alguns
tipos de ataques de recusa de serviços, detectar varreduras simples na
rede, recusar tentativas de arruinar protocolos de serviços e criptografar
comunicações, bem como autenticar usuários, são algumas das
funções dos firewalls.
No Windows 7 as versões anteriores são cópias de arquivos e
pastas que o sistema operacional salva automaticamente como parte de
um ponto de restauração. Essas versões são chamadas de cópias de
sombra e podem ser úteis em casos de ransomware. As versões
anteriores são um recurso de proteção do sistema Windows 7. Com ela
ativada, o Windows cria um ponto de restauração uma vez por dia,
mantendo uma cópia de arquivos, pastas e estado do sistema.
Os modos de visualização do Windows Explorer são ícones Extra
Grandes, Ícones Grandes, Ícones médios, ícones pequenos, lista,
detalhes, lado a lado e conteúdo. São, ao todo, 8 modos de exibição. No
modo de exibição ícones Extra grandes, conforme o próprio nome, ao
lado de cada pasta e arquivo é exibido um ícone de tamanho extra-
grande. Os ícones extra-grandes são indicados para deficientes visuais.
No modo de exibição ícones grandes, os ícones não são tão grandes
como os do modo de exibição extra-grande, sendo essa a única
diferença. No modo de exibição ícones médios permite-se que um
número maior de ícones seja exibido na tela, e no modo de exibição
ícones pequenos um número ainda maior de itens é exibido, sendo útil
quando as pastas requerem um número maior de itens. Os modos de
exibição extra grande, grande, ícones médios e pequenos depende do
que o usuário quer experimentar no visual. O modo de exibição lista é
igual ao modo de exibição ícones pequenos, porém nos ícones
pequenos as informações são exibidas em linha, já no modo de exibição
lista a exibição é em colunas.
No Windows Explorer uma forma de ver a propriedade de um
arquivo é utilizando a tecla de atalho Alt+ Enter.
Control + Shift + 1 ícones extra grandes;
Control + Shift +2 ícones grandes;
Control + Shift + 3 ícones médios;
Control+ Shift+ 4 ícones pequenos;
Control+ Shift+5 Icones em lista;
Control+Shift 6 Icones em detalhes
Control+ Shift+ 7 Blocos e
Control +Shift- 8 Conteúdo

Os aplicativos do Windows 10 normalmente armazenam seus


dados na pasta AppData, pasta específica para cada usuário e, por
padrão, fica oculta. Dentro desta pasta a pasta Roaming é usada para
que o Windows leve as configurações do perfil do usuário para outros
computadores, de modo que ele possa manter as suas preferências nos
diferentes computadores que utilizar na rede. Como a pasta AppData
fica oculta, para acessar o caminho C:\Users\[nomedo-
usuário]\AppData\Roaming, a partir do Explorer, digita-se %appdata%;
As macros são gravadas em uma linguagem chamada VBA (Visual
Basic for Application), uma linguagem de programação da microsoft.
Uma macro é uma série de comandos e instruções que você agrupa
como um único comando para realizar tarefas automaticamente. É a
VBA que viabiliza o uso de macros, tarefa que auxilia muito na
programação. A VBA também auxilia muito no dia a dia dos usuários do
WORD.
O ZIP Drive é um dispositivo de armazenamento em desuso, e foi
lançado pela empresa Lomega. A sua principal vantagem era sua
capacidade de armazenamento, se comparado aos disquetes (floppy
disk). Os ZIPs drives armazenavam bem mais que os disquetes. Os
discos de Zip Drive tinham capacidade de armazenamento de 100MB,
250 MB ou 750MB. Já os disquetes armazenavam 1,44 MB (se for o de
3,5 polegadas). Os Zips Drive permitiam leitura e gravação de dados
com taxas de transferências superiores às taxas dos disquetes, também
chamados floppy disks). Os disquetes podiam ser lidos e gravados por
um leitor de disquete também chamado de floppy disk drive (FDD).Os
mais famoso eram os de 3,5 polegadas. Os disquetes de 3½ polegadas
(90 milímetros) foram amplamente utilizados de 1970 até o começo dos
anos 2000. Os disquetes de 3,5 polegadas podem ser utilizados com o
auxílio de leitor de disquete externo/ usb.
O Firewall é uma barreira de proteção, que controla o tráfego de
dados entre seu computador e a Internet, permitindo somente a
recepção e transmissão de dados autorizados. Os firewalls podem
bloquear alguns tipos de ataques e detectar simples varreduras de rede.
Apesar de bloquear certos tipos de ataques e de ser uma barreira de
proteção, o firewall não é antivírus, apenas controla o tráfego.
O windows e Linux são exemplos de sistemas operacionais de
núcleo monolítico, em que um único processo executa as funções
principais. A arquitetura monolítica é a mais comum e conhecida, onde
cada componente do sistema operacional é contido no núcleo (Kernel).
O Proxy implementa uma política de controle de comportamento
para determinar que tipos de serviços de internet podem ser acessados
na rede. Desse modo, ele faz um tipo de filtragem, parecendo com o
firewall.
Os hubs foram substituídos pelos switchs, que são muito mais
rápidos que os hubs e fazem muito mais coisas ao mesmo tempo. Nas
topologias barramento, anel e estrela, para que as rede de computador
funcionem corretamente, é obrigatória a presença do switch, elemento
concentrador que tomou o lugar do hub.
WHOIS é um protocolo que só serve para obter informações de
propriedade de domínio. O WHOIS descobre a propriedade do domínio,
sendo um protocolo de controle de transmissão (Transmission ControL
Protocol TCP). O WHOIS não serve para a consulta direta dos
endereços IPs visitados por uma pessoa a partir das URLs contidas no
seu histórico de navegação, mas somente para apresentar informações
dos proprietários dos domínios.
O @ em informática significa “at”, que significa a preposição “na”,
“no”, em português. O arroba separa o nome do usuário do nome do
provedor. Ao separar o nome do usuário do provedor, o endereço de e-
mail é lido de uma forma mais natural.
A tecla de atalho para ir diretamente ao Desktop é Winkey + D, ou
então Winkey+M.
O programa Ping é uma das diversas ferramentas que são
utilizadas para realizar testes de conectividade em redes de
computadores. O Ping age de forma semelhante a um sonar, sendo
capaz de medir quantos milissegundos (ms) um pacote de informações
leva para ir até um destino e voltar.
Os SSD utilizam memória flash. A memória flash não perde o
conteúdo quando a alimentação elétrica é cortada. Os SSD são não
voláteis, não perdem a informação mesmo na ausência de energia
elétrica. Discos SSD não utilizam registradores, memória cache ou chips
BIOS, somente memória flash. Apesar do nome, a memória flash não
perde conteúdo quando a energia é cortada, o que ocorre com a RAM.
O SETUP vem armazenado na memória ROM. A BIOS é um
software que fica embarcado em um chip de memória ROM. O SETUP
da BIOS é armazenado na memória ROM, programada pelo mesmo
fabricante da placa-mãe.
DDR4 é um padrão de memória RAM e 2.133Mhz é a sua
frequência. A DDR4 é mais interessante que a DDR3 para quem deseja
uma máquina capaz de programas e jogos.A DDR4 é mais eficiente no
quesito energia, do que a memória RAM DD3.
Saber as teclas de atalho é importante. No Google Chrome, a tecla
de atalho Ctrl+N permite abrir uma nova janela. Já a tecla de atalho
Ctrl+T permite abrir uma nova guia. A tecla Ctrl+Shift+T reabre a última
guia/aba fechada. A tecla de atalho Control+9 vai para a última guia a
direita. Control + N abre uma nova janela; já Control+Shift+N abre uma
nova janela no modo de navegação anônima. No Chrome, para ir a um
separador específico digitamos control+1, control+2, control+3...porém,
para ir até a última aba a tecla de atalho é Control+9
Com a utilização de uma Assinatura Digital é possível comprovar
que um determinado documento enviado eletronicamente tem
procedência verdadeira. As assinaturas digitais são o tipo mais
avançado e seguro de assinatura eletrônica. As assinaturas digitais
comprovam a validade do documento como plenamente seguro.
O self-service sob demanda, o amplo acesso à rede, o grupo de
recursos, a rápida elasticidade e os serviços mensuráveis são as cinco
características essenciais da computação na nuvem. O amplo acesso a
serviço de rede afirma que os recursos computacionais estão
disponíveis na net e são acessados via mecanismos padronizados. O
grupo de recursos ou pool de recursos afirma que os recursos são
alocados e realocados conforme a demanda. A rápida elasticidade ou
elasticidade rápida afirma que as funcionalidades devem ser rápidas e
elasticamente providas. A característica de serviços mensuráveis afirma
que os sistemas gerenciais devem monitorar transparentemente o uso
dos recursos. O autoatendimento sob demanda ou self-service sob
demanda afirma que as funcionalidades computacionais são providas
automaticamente sem interação humana com o provedor do serviço
Um estudo de computação em nuvem divide-se basicamente em 4
tipos de nuvem (nuvem pública, nuvem privada, nuvem híbrida e nuvem
comunitária); 3 modelos de serviço (Iaas ou Haas; Paas e Saas) e 5
características essenciais (serviços mensurados; elasticidade rápida;
autosserviço sob demanda; acesso à rede e agrupamento de recursos).
Os modelos de serviço então, são 3 : Iaas(infrastructure as a service);
PaaS(platform as a service) e Saas (software as a service). O Daas é
uma tipo de modalidade específica do Iaas, e é um serviço que fornece
aos funcionários de uma empresa de um ambiente de trabalho em
desktop aplicações, configurações e recursos padronizados pela
empresa. Esse serviço é conhecido como Virtual Desktop, mas não tem
a ver com chats, videoconferências e nem ligações telefônicas. O
funcionário tem a impressão que essa configuração está instalada em
seu desktop, mas a configuração é via rede. Os modelos de
implementação da computação em nuvem são: nuvem de alto
desempenho, nuvem de alta disponibilidade e nuvem de balanceamento
de carga. Então o usuário de um serviço em nuvem deve escolher se a
nuvem será pública, privada, híbrida ou comunitária. Nuvem privada é o
tipo de cloud computing feito a determinados usuários e é também
chamada interna ou corporativa, e oferecem maior segurança e
privacidade por meio de firewalls da empresa e hosting interno. Uma
desvantagem do tipo de nuvem privada ´´e que o departamento de TI é
responsável pelo custo e gerenciamento da nuvem privada.
Existe uma lista de comandos reservado ao sistema e, por isso,
um arquivo não pode possuir o mesmo nome de um dessas listas. A
lista de comandos reservado ao sistema é CON, PRN, AUX, CLOCK$,
NUL, COM0, COM1, COM2, COM3, COM4, COM5, COM6, COM7,
COM8, COM9, LPT0, LPT1, LPT2, LPT3, LPT4, LPT5, LPT6,
LPT7,LPT8 e LPT9.
O modo con deriva de console e prepara o sistema para entradas
de texto a partir do teclado. Esses comandos somente estão presentes
pois há uma compatibilidade cdas versões modernas com antigos banco
de dados. Apesar dos nomes AUX, PRN, CON, NUL , COM E LPT
serem protegidos ainda existe uma maneira bem desconhecida de criá-
los. O nome COM1 era utilizado pela porta serial do mouse. O LPT1 era
utilizado pela impressora
O SMTP utiliza a porta 25 e não exige autenticação. Já o POP3
(Post Office Protocol 3) utiliza a porta 110 protocolo TCP
e exige autenticação. O POP3 é mais antigo e menos seguro.O HTTPS
utiliza a porta 443.
No Windows 10 o Windows Explorer ganhou o nome de explorador
de arquivos. Porém, no Windows 8 é Windows explorer mesmo.
O HTTPS é uma implementação do protocolo HTTP que utiliza o
protocolo SSL/TSL. O protoclo SSL/TSL utilizado pelo protocolo HTTPS
permite que os dados sejam transmitidos por meio de criptografia e por
certificados digitais. A porta TCP usada no protocolo HTTPS é a 443.
1 Byte com “b” maiúsculo equivale a 8 bits, com b minúsculo. 1
Kilobye (KB) equivale a 210 bytes. 1 Megabyte (MB) equivale a 220 bytes.
1 Gigabyte equivale a 230 bytes . 1 Terabyte equivale a 240 bytes. 1
Petabyte equivale a 250 bytes. Saber converter de bytes para megabytes
ou outras unidade é importante.
O SMTP utiliza por padrão a porta 25. O SMTP é um protocolo
simples, em texto plano, somente de envio, que utiliza por padrão a
Porta TCP 25. Porém o SMTP, além da porta 25, pode usar a porta 465
para conexão criptografada com SSL.
Teclas de atalho do windows explorer. F2 renomeia o item
selcionado; F3 procura um arquivo ou uma pasta no Explorador de
arquivos; F4 exibe a lista da barra de endereçõs do explorer; f5 atualiza
a janela ativa; f6 percorre elementos da tela de uma janela ou área de
trabalho; f10 ativa a barra de menus no aplicativo ativo
A teclade atalho do teclado virtual é windows+control+o. H
Quando um computador é ligado a primeira coisa que acontece é
o carregamento na memória da rotina de partida (bootstrap loader). A
segunda etapa do processo de inicialização envolve mover programas
mais essenciais do disco rígido do computador para a memória RAM.
No entanto a verdadeira primeira etapa é a POST (Power On Self Test),
que testa se os principais componentes físicos ligados à placa-mãe
estão funcionando corretamente
Evolução dos antivírus:
Primeira geração: escaneadores simples; segunda geração:
escaneadores heurísticos; terceira geração: armadilhas de atividade e
quarta geração: proteção total.
Os antivírus modernos têm o princípio da heurística, permitindo
detectar vírus que não constem no seu banco de dados.
Os plugins não implementam nenhum recurso de proteção, são
meras ferramentas ou extensões, não permitindo a implementação de
proteção antiphishing. Um antiphishing não é plugin, mas sim add on.
Primeiro vem o planejamento do processo de elaboração, a definição de
macrodiretrizes e a revisão da estrutura programática, para só depois
virem o estudo, definição e divulgação da proposta setorial, a captação
da proposta setorial e a análise do ajuste da proposta setorial (MTO
2015 pág. 75) A GRU é utilizada para o recolhimento de todas as
receitas, depósitos e devoluções. A ordem bancária é utilizada para se
efetuar pagamentos. A Conta Única é mantida pelo Bacen e o BB
operacionaliza. A operacionalização da conta única é feita por meio de
documentos registrados no SIAFI (ordem bancária, DARF,GRU,
GPS,...).
O princípio da publicidade é diferente do princípio da transparência. O
princípio da transparência orçamentária tem a ver com participação
popular, com a prestação de contas. O princípio da transparência
envolve o princípio da publicidade e o princípio da transparência. O
princípio da publicidade orçamentária tem a ver com publicar a lei.
A função alocativa envolve bens e serviços, bem como investimentos
em infraestrutura. O governo não deve se preocupar exclusivamente da
produção de bens ou serviços, sejam públicos ou privados, pois existe o
investimento em infraestrutura. Dessarte, o investimento em
infraestrutura é uma terceira viga mestra da função alocativa, facilitando
o fornecimento dos bens e serviços, públicos ou privados, a sociedade.
Na função estabilizadora o governo visa estabilizar a inflação, os preços
e os empregos. Um ator imprescindível na função estabilizadora é o
banco central, pois ele é o agente executivo do sistema financeiro
nacional, que tem justamente a função de estabilizar a inflação, os
preços e o emprego.
A função distributiva cuida de transferências, impostos e subsídios. Um
exemplo de transferência de renda é o Bolsa Família e um exemplo de
subsídio aos mais pobres é o programa Minha Casa Minha Vida.
A proposta orçamentária é encaminhada até 31 de agosto, onde passa
a ser analisada, no congresso, por uma função mista. Tudo isso
acontece no exercício anterior ao que ocorre a execução orçamentária e
financeira. A programação do processo orçamentário ocorre em
exercício anterior a sua execução orçamentária e programação
financeira.
A classificação por natureza da receita busca o fato gerador, o
acontecimento real, já a classificação quanto a fonte identifica o destino.
Nas operações de crédito o estado se endivida(é só pensar no seu
cartão de crédito). A classificação por natureza da receita oferece a
menor célula de informação e contém todas as informações necessárias
para alocar recursos orçamentários. Não se pode excogitar,
erroneamente, que a classificação por elementos é a que busca a
menor célula de informações, mas deve se raciocinar que a
classificação que busca a mais reduzida célula de informações é a por
natureza de receita. A classificação da natureza como a que busca a
menor célula de informações bem como as outras classificações da
receita devem estar no estro de todo gestor público.
A análise da Situação Estratégica presente na organização avalia
a necessidade de mudança estratégica. Por meio da necessidade de se
avaliar a mudança estratégica é feito um processo sistemático de
planejamento estratégico, ou seja, para se ter um planejamento
estratégico sólido deve-se avaliar a necessidade de mudança
estratégica. Igualmente, para se obter uma mudança estratégica deve-
se fazer uma análise do ambiente externo e interno para realizar-se
uma análise situacional. A definição do plano estratégico também é
importante pois no plano estratégico são escolhidas alternativas
estratégicas. A última etapa do processo sistemático de planejamento
estratégico é a implantação e avaliação da estratégia. Então na
mudança estratégica deve-se avaliar a necessidade de mudança
estratégica, realizar uma análise situacional e escolher as
alternativas estratégicas.
O processo sistemático de planejamento estratégico envolve:
1) Análise da situação estratégica presente na organização
(avaliar a necessidade de mudança estratégica);
2) análise do ambiente externo e interno (realizar uma análise
situacional)
3) Definição do Plano estratégico (escolher as alternativas
estratégicas)
4) implementação e avaliação da estratégia
A inscrição do crédito em dívida ativa é um fato contábil
permutativo. Por ser permutativa, a inscrição do crédito em dívida ativa
não altera o valor do patrimônio líquido. No órgão ou entidade de origem
ocorre uma VPD, já no órgão ou entidade competente é reconhecida
uma VPA. A variação patrimonial diminutiva do órgão de origem e a
variação patrimonial aumentativa do órgão competente anulam qualquer
alteração no patrimônio líquido administrativo, por isso a dívida ativa
quando na sua inscrição, é permutativa.
A abordagem comportamental surgiu em resposta à visão
reducionista do ser humano. Na visão reducionista predominava o
homo economicus, o qual era reduzido a um mero instrumento
empresarial para fins econômicos. A abordagem comportamental
rompe com a visão reducionista, agora o funcionário é alinhado com os
objetivos organizacionais. A abordagem comportamental marca a mais
forte influência das ciências no comportamento e busca novas soluções
democráticas, humanas e flexíveis. O homem não é mais um apêndice
da organização, não é mais “uma coisa”, e a abordagem reducionista é
escanteada. O homem é um animal social dotado de necessidades,
dotado de um sistema psíquico.
A renúncia de receita é tratada de forma complementar tanto pela
LDO como pela LOA. Isso acontece porque o demonstrativo da
estimativa e compensação da renúncia de receita e da margem de
expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado é matéria
atinente à LDO; já a Lei orçamentária será acompanhada de medidas de
compensação de renúncia de receitas e aumento de despesas de
caráter continuado. Quem afirma que a renúncia de receitas é parte
comum da LOA e da LDO é a lei de responsabilidade fiscal.
O ciclo orçamentário é composto das seguintes etapas: elaboração e
planejamento; discussão, estudo e aprovação; execução orçamentária e
financeira e avaliação e controle. O ciclo orçamentário consiste numa
série de fatos que se sucedem. Primeiro vem a elaboração e o
planejamento. Depois da elaboração e planejamento é que vem a
discussão, estudo e aprovação, para só depois, na terceira fase, “por a
mão na massa” . As fases do ciclo orçamentária devem estar no estro
do auditor. O ciclo orçamentário não se confunde com o exercício
financeiro. Na terceira fase, em seguida à discussão, estudo e
aprovação, vem a execução orçamentária e financeira.
Segundo o movimento de relações humanas a produtividade e a
eficiência são influenciadas pelos grupos informais de trabalho.A escola
das relações humanas não prioriza os grupos formais, mas sim os
informais. Há quem entenda que na escola das relações humanas a
autoridade do gerente se baseia em competências interpessoais e
sociais, e não em competência técnica. Esse entendimento de que a
autoridade do gerente deve se basear em competências e habilidades
interpessoais e sociais, e não em competências técnicas, não é aceito
por a presente obra, pois entendemos que os gerentes têm sim
competências técnicas, pois muitas vezes é alguém que conhece o
negócio. A teoria das relações humanas trata a organização como
grupos humanos, enfatiza as pessoas e grupos sociais e é inspirada em
sistemas de psicologia. Como afirmado a ênfase é nos grupos informais.
O cronograma mensal de desembolso é para melhorar o controle
financeiro e não para melhorar o resultado econômico. No cronograma
de desembolso nao se fala em resultado econômico e deve se ser
realizado pelas espécies de caixa subordindas ao controle de tesouraria.
Os orgaos setoriais e nao a lei de orcamentos consolidarao as propostas
da progrmacao financiera dos orgaos vinculados e a descentralizacao
dos recursos financeiros recebidos.
O Princípio do Orçamento Bruto possui uma íntima e estreita
relação com o Princípio da Universalidade. Se a União arrecada um
tributo que terá sua receita compartilhada com outro ente da federação,
ela deverá incluir no seu orçamento até mesmo a parcela a ser
distribuída. O Princípio do Orçamento Bruto permite que o ente registre
no seu orçamento um tributo que vier, posteriormente, a ser distribuído.
Esse registro um tanto paradoxal também tem a ver com o princípio da
universalidade, pois os dois estão imbricados. Na situação de
transferências constitucionais os dois princípios, o do orçamento bruto e
o da universalidade, podem ser aplicados.
Das escolas de Estratégia preconizadas por Mintzberg, a
formulação da estratégia como um processo analítico refere-se a escola
do posicionamento. A escola do posicionamento envolve o processo
analítico das forças de mercado e estratégias válidas. A escola do
posicionamento apareceu em decorrência da publicação do livro de
Michael Porter Estratégia Competitiva. As escolas prescritivas são as
escolas do design, a escola do planejamento e a escola do
posicionamento. As escolas descritivas são a escola empreendedora, a
escola cognitiva, a escola do aprendizado, a escola do poder, a escola
cultural e a escola ambiental. A escola configurativa é a escola da
configuração. Existem, para Mintzberg escolas prescritivas (3), as
escolas descritivas (6) e escolas configurativas (1), totalizando as 10
escolas da administração.
Suprimento de fundos. Primeiro será emitida a nota de
empenho, ocorrendo a despesa sob o enfoque orçamentário. Com a
nota de empenho ocorre a despesa orçamentária, que transforma-se em
despesa patrimonial após a liquidação. A despesa sob o enfoque
patrimonial ocorrerá apenas na prestação de contas. Na sua concessão
será uma despesa orçamentária, na prestação de contas será uma
despesa patrimonial. O suprimento de fundos segue toda uma lógica
que não deve ser desrespeitada. Deve-se observar que na liquidação o
enfoque é financeiro. Em um último momento, na prestação de contas, é
que a despesa será patrimonial.
Na escola do design a responsabilidade pela percepção e controle
da concepção estratégica é do executivo principal da organização. Um
exemplo da utilização da escola do design ocorre quando fazemos uma
análise do ambiente a fim de avaliar os pontos fortes e fracos da
situação interna e as ameaças e oportunidades. Na escola do Design a
formação de estratégia é vista como um processo de concepção, mas
um processo de concepção feito pelo executivo principal da
organização, o que é criticado, pois os outros atores deveriam participar.
A escola do Design busca uma adequação entre as capacidades
internas e as possibilidades externas, daí seu principal exemplo é a
análise SWOT.
Destaque é a descentralização de créditos entre os diferentes
órgãos ou entidades de um ente da federação. O destaque ocorre no
mesmo ente da federação. A descentralização de créditos de entidades
integrantes do orçamento fiscal ou orçamento da seguridade social
ocorre por Termo de Execução Descentralizada.O TED é um destaque
pois é feito no mesmo ente da federação, só que é entre órgãos ou
entidades do orçamento fiscal ou do orçamento da seguridade social.O
termo de execução descentralizada substituiu o termo de cooperação.
Na escola do planejamento é feito um estudo formal para pensar a
estratégia. A escola do planejamento deriva da escola do design mas é
mais elaborada e complexa. Exemplos de processos formais e
complexos da escola de pensamento são as atividades de controle
desenvolvidas pelo setor de Planejamento de Controle e de Produção.
A escola do posicionamento é vista como um processo analítico,
onde o gestor é o analista. Ser analista é fazer uma análise de fatos
passados e dados estatísticos a fim de planejar o futuro, sendo Michael
Porter o idealizador da escola analítica de posicionamento. A escola de
posicionamento é dita analítica mas somente apoia o processo de
formulação estratégica, não cria estratégias. É analítica no sentido de
que a análise de dados é um processo estático e ordenado, já o
processo de formulação estratégica é extremamente dinâmico.
Dessarte, quando utilizamos as 5 forças competitivas de Porter,
analisando a ameaças de novos entrantes, a ameaça de produtos
substitutos, a rivalidade dos concorrentes, o poder de barganha dos
fornecedores e clientes, estamos fazendo uso da escola analítica de
posicionamento.
É vedada a aplicação da receita de capital derivada da alienação
de bens e direitos para o financiamento de despesas correntes, com
exceção da receita de capital derivada da alienação de bens destinadas
aos regimes próprios de previdência social, ou aos regimes gerais dos
servidores públicos. Assim, os regimes próprios de previdência dos
servidores públicos e os regimes gerais dos servidores ficam incólumes
e podem ter suas despesas correntes financiadas por receitas de capital
derivadas da alienação de bens e direitos.
A reengenharia busca reduzir a organização ao essencial e
fundamental. Talqualmente, a reengenharia não aproveita o que já está
constituído na organização. Nada do que havia é aproveitado. A
reengenharia impõe uma renovação radical, desconsiderando as
estruturas e procedimentos atuais, e está imbricada com o enxugamento
organizacional. Ou seja, a reengenharia está diretamente vinculada ao
enxugamento ou downsizing, visando a uma reestruturação interna pela
redução de número de colaboradores ou funcionários A reengenharia
não envolve somente práticas, não envolve somente a adoção de novas
e inusitadas práticas, mas também busca reduzir o tanto quanto possível
o número de funcionários.
A departamentalização funcional é um tanto quanto arcaica, pois é
aconselhada para organizações que possuam produtos ou serviços que
permaneçam inalterados por longo prazo. A departamentalização
funcional é mais indicada em casos de estabilidade, de poucas
mudanças e com atividades bastante repetitivas. O foco é na
especialização. É adequada para pequenas e médias empresas e para
empresas estáveis. Na departamentalização funcional existem vários
chefes para cada subordinado. Por causa disso, a departamentalização
dificulta a tomada de decisão e faz com que os líderes tenham menos
poder hierárquico.
A transferência voluntária de recursos é aquela espontânea, que
não decorra de determinação constitucional, legal ou destinada ao
Sistema único de Saúde. Se a transferências de recursos, corrente ou
de capital, não decorre da própria constituição, não decorre da lei ou
não for destinada ao SUS, e se for a título de cooperação, auxílio ou
assistência financeira, ela será voluntária, espontânea, não cogente.
Basicamente, para ser não forçosa, a transferência só precisa não ser
destinada ao SUS, não ser cogente constitucionalmente, e não ser
imperiosa por lei.
Acerca do ciclo PDCA, ferramenta utilizada para auxiliar na gestão
de processos organizacionais, considerando as suas 4 fases (plan, do,
check e action), a capacitação dos funcionários está relacionada a fase
do (fazer), pois é nessa fase onde se treina o método de trabalho a ser
empregado, e também é nela em que o método de trabalho é executado
e os dados para verificação do processo são coletados. Toda
capacitação, treinamento e aperfeiçoamento de cada funcionário ou
colaborador está presente na fase do (fazer) do ciclo PDCA. É imperioso
dizer que a coleta de dados para verificação também é feita na fase
do(fazer).
Já a fase act refere-se a todas as ações de melhoria, uma ação
corretiva para aprimorar tudo o que foi feito. Tudo aquilo que se refere à
execução está na fase do (ação), como a capacitação realizada para a
adoção de um novo sistema informatizado. Já a fase check monitora e
avalia periodicamente os resultados, comparando o resultado obtido
com o objetivo traçado, e vem depois da fase do. Por fim, vem a fase
action com suas ações de melhoria para aperfeiçoar o que foi feito nas
fases Plan Do, e Check.
A Depreciação não precisa de planejamento, é não planejada, pois
não precisa de fixação no orçamento, já que não envolve dispêndio
financeiro. Portanto a depreciação tem impacto patrimonial, mas não
orçamentário, dessarte é não planejada.
A departamentalização matricial é uma combinação de enfoque
que permite coordenar as pessoas de diferentes áreas funcionais. Essa
é uma forte característica da organização matricial: agregar pessoas de
diferentes áreas funcionais alocadas em um só projeto. Ao alocar
pessoas de diferentes áreas numa só atividade ou projeto a organização
matricial torna-se típica de modelos flexíveis. A estrutura matricial tem
ao mesmo tempo uma estrutura vertical com outra horizontal. A
estrutura vertical é a funcional e a horizontal é a por produto ou projeto.
A estrutura vertical funcional é chamada de tradicional, e a horizontal, de
coordenadores de projetos e produtos, é chamada de estrutura
superposta.
A despesa total com pessoal não poderá exceder os seguintes
percentuais da receita corrente líquida: União 50%; Estados 60% e
Municípios 60%. Na União os 50% serão repartidos da seguinte forma:
6% para o Poder Judiciário; 40,9% para o Poder Executivo; 2,5% para o
Poder Legislativo e 0,6% para o Ministério Público da União). No
Estados e DF os 60% serão repartidos da seguinte forma: 49% para o
executivo, 6% para o poder judiciário, 3% para o Poder Legislativo e 2%
para o ministério público dos estados. É interessante notar que seja nos
estados, no DF ou na União, para o Poder Judiciário será 6% do limite.
Assim, suponha que a receita corrente líquida da União foi 100.000.
Nesse caso a despesa total com pessoal não pode exceder 50% dos
R$100.000, que é igual R$ 50.000. Desses R$50.000, 40,9% vai para o
Poder Executivo, que equivale a R$20.450,00. Já 6% vão para o Poder
Judiciário, o que equivale a R$ 3.000,00, 2,5% vão para o Poder
Legislativo o que equivale a R$1.250 e 0,6% vão para o MPU R$300,00
A departamentalização geográfica agrupa as atividades de acordo
com a localidade onde o trabalho será desempenhado, por região
geográfica ou uma área específica de mercado. A departamentalização
por processo tem como foco a sequência do processo. Na
departamentalização por processo o arranjo físico definirá o
agrupamento de pessoas. A departamentalização por processo tem
mais a ver com layout e arranjo físico, bem como com sequência de
processos. A departamentalização por produtos envolve a diferenciação
e o agrupamento de atividades de acordo com as saídas relativas aos
resultados da organização. A departamentalização por projetos tem a
ver com as saídas outputs e não com as entradas (inputs). Já a
departamentalização funcional tem a ver com as funções da
organização. Por exemplo, pode-se ter funções de marketing, funções
de finanças, na departamentalização funcional. A departamentalização
por projetos e a por produtos focam nos resultados, nas saídas, mas
não se confundem.
A cultura organizacional apresenta três níveis: os artefatos, os
valores e os pressupostos básicos. Os artefatos observáveis são a
camada mais visível da cultura, a camada mais superficial. Já os valores
são a camada intermediária, onde nem sempre é possível visualizar
perfeitamente. Os valores estão no meio dos artefatos observáveis e
pressupostos básicos e são as normas, ideologias, filosofias adotadas e
documentadas. Já os pressupostos básicos são a camada mais
profunda e não observável da cultura e representa as crenças
inconscientes, as percepções e os sentimentos. É interessante notar
que as ideologias são valores e não pressupostos básicos,
conjuntamente com as filosofias adotadas. Já as crenças inconscientes
as percepções e os sentimentos são cultura.
Uma das vantagens da estrutura matricial é promover o conflito
construtivo na organização. A estrutura matricial é uma inovação
moderna dos sistemas flexíveis, onde o diálogo e o conflito construtivo,
típico de organizações desburocratizadas e orgânicas, é plenamente
incentivado. Na estrutura matricial ou modelo híbrido não há unidade de
comando e sim duas linhas de comando. O modelo híbrido também
preza pela adaptabilidade, pelas especialidades distintas e pela melhor
comunicação e flexibilidade
Um dos princípios de Deming é eliminar slogans, exortações e
metas para a força de trabalho. Para Deming até os slogans de defeito
zero e exortações de novos níveis de produtividade deveriam ser
extirpados. Eliminar o gerenciamento por objetivos ou a administração
por objetivos também era uma das metas de Deming. O gerenciamento
por números e metas numéricas, também deveriam ser extirpados.
Algumas dessas medidas soaram estranhas, como eliminar a
administração por objetivos, técnica tão importante para as empresas. O
gerenciamento por números e metas numéricas deveriam ser
substituídos por liderança. Remover barreiras que impeçam o
trabalhador de sentir orgulho de seu trabalho e quebrar barreiras entre
os departamentos são plenamente aceitáveis, porém eliminar slogans,
exortações e metas para a força de trabalho soa estranho, pois os
slogans, exortações e metas objetivas podem sim ser úteis nas
empresas modernas. Os slogans de defeito zero que Deming queria
eliminar pode ser útil nas empresas modernas se considerarmos a
administração com outra ótica que não a de Deming. Em síntese a ideia
de ser contra lemas, slogans, metas e avaliações anuais de
desempenho pode não ser bem vinda em uma organização e aceita por
outra.
Empresa dependente é aquela que recebe do ente da federação
recursos financeiros para pagamentos de despesas de pessoal ou de
custeio em geral. A empresa cuja maioria do capital votante pertença,
direta ou indiretamente, a ente da federação é a controlada.
É na fase de execução do PDCA em que se treinam as pessoas
envolvidas para que possa haver comprometimento e para que a
execução seja escorreita e íntegra. Não se pode excogitar,
erroneamente, que é na fase action (agir), em que se deve treinar os
funcionários, como tender-se-ia pensar devido ao nome. A fase action é
uma correção de rota e não uma fase de execução, pois a fase
executiva é justamente a terceira fase, a do (fazer). O PDCA é um
instrumento de organização administrativa extremamente importante
para a administração pública da União, dos Estados, do DF e dos
Municípios.
Na estrutura matricial a unidade de comando não existe, visto que
cada departamento passa a ter uma dupla subordinação, devido ao
caráter híbrido, abrangendo a departamentalização funcional e por
projetos, e cada setor terá duas chefias, a chefia funcional e a chefia por
projetos. A dupla subordinação é justamente uma disfunção da estrutura
matricial. Não é bom para estruturas administrativas a dupla
subordinação ou a dupla chefia, pois ela estagna a organização, dificulta
a comunicação. O ideal é um chefe para cada setor ou departamento.
Porém, a estrutura matricial ainda se mostra bastante vantajosa
dependendo do caso. A dupla subordinação pode levar ao conflito de
interesses e a disputa entre chefes, sendo uma disfunção da
matricialidade. Uma das vantagens dessa estrutura é um ambiente mais
participativo, onde os colaboradores têm mais participação ao tomar
decisões nos níveis mais baixos da hierarquia, bem como a maior
facilidade em controlar os resultados. A maior facilidade em controlar os
resultados vem exatamente da dupla subordinação. As rixas entre
chefes de departamentos, comunicação deficitária e a dificuldade de
adaptação são desvantagens que advêm da dupla chefia funcional e por
projetos.
As organizações funcionais estabelecem linhas diretas de
comunicação, permitindo a melhor supervisão técnica possível. Uma das
características da estrutura funcional é a linha direta de comunicação,
bem como a autoridade funcional ou dividida. A estrutura funcional
descentraliza as decisões e põe ênfase na especialização. Uma grande
diferença da estrutura linear para a estrutura funcional é que a estrutura
linear estabelece linhas formais de comunicação e a estrutura funcional
linhas diretas de comunicação. Linhas diretas de comunicação: as linhas
de baixo comunicam-se diretamente com os gerentes funcionais de cima
(estrutura divisional). Linhas formais de comunicação: as linhas de baixo
precisam de intermediários para se comunicar com os de cima (estrutura
linear).
A estrutura divisional agrega as tarefas segundo o objetivo para o
qual concorrem: produtos, mercado ou clientes. Na estrutura divisional
existem divisões com objetivos diferentes: divisão de produtos, divisão
de mercados e de clientes, por exemplo. Baseia-se na autonomia
divisional com planejamento, coordenação e controle centralizados.
Cada divisão é responsável por um produto ou serviço de acordo com
os objetivos organizacionais: clientes, produtos ou serviços, localização
geográfica, por projetos ou por processos.
Uma das desvantagens da descentralização é favorecer a
dificuldade de comando, dificultando o alinhamento e direcionamento
das ações, pois a descentralização pode provocar uma dispersão da
autoridade e da decisão, ao se distribuir a autoridade/responsabilidade
para os vários níveis hierárquicos. Como teremos mais pessoas
decidindo, fica difícil ter o controle sobre elas. As desvantagens da
descentralização das decisões são a dificuldade de controle e avaliação,
a dificuldade de localizar responsáveis e a tendência ao desperdício e
duplicação. Além disso, a descentralização das decisões acarreta uma
comunicação menos eficiente e uma maior heterogeneidade das
operações. A tendência ao desperdício ocorre porque mais de um grupo
pode trabalhar em cima da mesma decisão, acarretando uma duplicação
de papéis. A comunicação menos eficiente ocorre por causa da grande
quantidade de dispersão de informações, que poderiam ser agregadas e
consolidadas num só canto, para serem melhormente comunicadas aos
demais stakeholders ou participantes.
As etapas da despesa são a fixação, o empenho, a liquidação e o
pagamento. Porém, se ja existe dotação, considera se que a fixacao fa
foi percorrida. Então, até a ordem bancária (que ocorre no pagamento),
necessita se passar somente pelo empenho (nota de empenho,
liquidacao( nota de liquidação)e pagamento (ordem bancária).
Uma das vantagens da departamentalização por produtos é
facilitar a coordenação interdepartamental, uma vez que a preocupação
básica é o produto e as diversas atividades departamentais tornam-se
secundárias. Isso também melhora a qualidade e facilita as inovações.
Uma vez que concentra-se num único produto ou serviço, cada
departamento dá o melhor de si para proporcionar qualidade e inovação
ao mesmo, por isso eles se comunicam mais perfeitamente. Não se
pode excogitar, erroneamente, que por estarem concentrados no seu
produto e só prestarem atenção nele os departamentos tender-se-iam a
não se comunicar entre si, prestando atenção somente a seu respectivo
produto. O fato de facilitar a coordenação interdepartamental faz com
que a departamentalização por produtos ou serviços assemelhe-se a
modelos orgânicos.
Outras despesas correntes: aquisicao de material de consumo,
pagamento de diarias, contribuicoes, subvencos, auxilio alimentacao,
auxilio transporte, despesas com pessoal de carater idenizatorio. Com
excecao deaquisicao de material de consumo, todas as outras depsesas
que fazem parte do grupo outras depsesas correntes tem carater
idenizatorio.
Dotações destinadas a aquisição de imóveis são inversões
financeiras. Item, as dotações que visem a aquisição de bens de capital
já em utilização. Quando o poder público adquire títulos representativos
do capital de empresas também ocorrem inversões financeiras. A
constituição ou aumento do capital de empresas ou entidades que visem
a objetivos comerciais ou financeiros é igualmente uma inversão
financeira. Na constituição ou aumento do capital de entidades ou
empresas constam as operações bancárias de seguros.
O senso de número 3, do Programa 5S é o senso de limpeza,
que trata da limpeza do ambiente, o chamado Seisou ou Seisou Senso
de limpeza. Enquanto o senso de limpeza trata do ambiente de trabalho,
o senso de higiene trata do indivíduo. O senso de higiene ou Saúde,
normalmente é relacionado a eliminação de estresse, praticar a
qualidade de vida e manter as condições físicas ou mentais dos
trabalhadores íntegras. Os dois sensos são imprescindíveis às
organizações modernas.
Nas etapas de Planejamento, organização, direção e controle, a
etapa da direção tem como objetivo dividir tarefas e delegar atividades.
É na etapa da direção em que se dirige e lidera pessoas, por meio da
divisão de tarefas e delegação de atividades. O planejamento define
missão, visão e negócios. A organização organiza e agrupa fatos
administrativos e o controle avalia e compara resultados. A grande
confusão que se pode fazer é na etapa da direção pois ela consiste na
direção de pessoas, não na direção de outros elementos
organizacionais.
Para Likert o Líder Autoritário e Benevolente, apesar de autoritário,
faz algumas consultas à equipe e delega algumas tarefas, continua
autoritário-coercitivo, só que em menor grau. O Sistema Autoritário
Benevolente é autoritário e impositivo, porém mais condescendente e
menos rígido.
São técnicas de controle comportamental recrutamento e seleção,
orientação, desenho de cargos, avaliação de desempenho, treinamento,
estabelecimento de objetivos, formalização, incentivo e bônus,
disciplina, supervisão direta e cultura organizacional. O recrutamento e
seleção identifica pessoas cujos valores e personalidade se amoldam à
empresa, e é uma técnica de controle comportamental. Item, a
orientação, que define os comportamentos aceitáveis e desejáveis e os
comportamentos a serem evitados, é uma técnica de controle
comportamental. Talqualmente, o desenho de cargos, que define as
tarefas que o trabalhador deve executar, bem como os resultados
desejados, é uma técnica de controle comportamental. A avaliação de
desempenho, o treinamento e o estabelecimento de objetivos são
técnicas de controle comportamental. Outrossim, a formalização e o
incentivo de Bônus são técnicas de controle comportamental.
Uma das vantagens da departamentalização por produtos é
promover a descentralização, onde criam-se centros de resultados
específicos muito similar à estrutura divisional. A departamentalização
por produtos gera maior capacidade de inovação e flexibilidade, além de
melhorar a coordenação dos departamentos de cada divisão. Ela fixa
responsabilidade dos departamentos por produtos/serviços. Existe a
departamentalização mista (por produto+funcional). A
departamentalização divisional é uma evolução da por produtos.
No gerenciamento de processos há dois modelos a serem
utilizados: o gerenciamento de rotinas e o de melhorias. O
gerenciamento de rotinas é um método para padronizar os processos. O
gerenciamento de melhoria oferece condições para que a empresa fuja
da padronização. O gerenciamento de rotinas e o de melhoria são faces
da mesma moeda.
A função de direção não é uma atividade operacional, mas sim
estratégica, pois compreende a direção do comportamento das pessoas
para o alcance dos objetivos. A função de organização conduz
necessariamente à criação da estrutura organizacional. A função de
organização é imprescindível à criação da estrutura organizacional, pois
é ela mesma que a cria. Já a função de controle propõe
necessariamente ações corretivas de melhoria, pois nenhum processo é
perfeito.
Segundo Herbert Simon administrar é tomar decisões. Simon
preocupou-se em compreender como as decisões são tomadas, o que
levava as pessoas a tomar dadas decisões. Para Simon, a ênfase era
na cognição dos gestores, na qual o gestor precisa levantar possíveis
soluções ao se deparar com dados problemas, devendo confrontá-las e
decidir da melhor forma.
O processo decisório não acaba pelo simples fato de se ter
decidido algo, existe um acompanhamento a posteriori, pois decisões
não são absolutas e devem ser otimizadas. Foi James March o
administrador que considerava os conhecimentos prévios do gestor e as
suas preferências pessoais. March formulou o modelo da lata de lixo em
que o gestor toma decisões com base em conhecimentos acumulados
de quais alternativas devem ser aplicadas, dando ênfase a
conhecimentos prévios, experiências prévias.
Para Michael Crozier regras e racionalidade são pressupostos
básicos das decisões. Para Crozier as decisões são tomadas de acordo
com regras e capacidade de análise. É preciso respeitar as regras e
normas pois aquilo que ele vai decidir não pode ser decidido unicamente
por ele. Precisa-se observar o contexto, as outras pessoas devem ser
respeitadas.
Victor Vroom criou a teoria da expectativa onde considera-se as
expectativas dos funcionários para atingir um consenso, o que guarda
certa semelhança com Michael Crozier. As decisões deveriam gerar um
consenso, valorizados pela melhoria no sentido do “decision making” ou
consenso do grupo.
Na gestão de processos ocorre uma ênfase na melhoria da forma
pela qual o trabalho é realizado e também a priorização de atividades
sequenciais. Nos processos ocorre o detalhamento de cada etapa a fim
de identificar gaps.
O planejamento estratégico é orgânico ou adaptativo, é orientado
para o futuro, é um processo de construção de consenso, é
compreensivo (envolve toda a organização) e favorece o aprendizado
organizacional. O planejamento estratégico é orgânico ou adaptativo
pois muda conforme a organização. É um processo de construção de
consenso pois todos contribuirão e estarão cientes do que foi
estabelecido no planejamento estratégico. O planejamento estratégico é
compreensivo, pois envolve toda a organização e também favorece o
aprendizado organizacional ao ser difundido por todos os stakeholders.
Para Chiavenato o planejamento estratégico deve interagir com a
visão de futuro, o ambiente externo e os fatores internos da
organização. O tripé estratégico é a visão de futuro (missão, visão,
objetivos e metas); a análise do ambiente interno (forças e fraquezas) e
a análise do ambiente externo (ameaças e oportunidades).
O planejamento estratégico é um processo de construção de
consenso dada a diversidade dos interesses de todos os envolvidos.
As características do planejamento estratégico são cinco
1. É orgânico e adaptativo
2. É orientado para o futuro
3. É um processo de construção de consenso
4. É compreensivo
5. Favorece o aprendizado organizacional

Segundo Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira, quadro de


competências ilustra o nível de autoridade e de responsabilidade dos
titulares dos cargos que compõem a estrutura da empresa. O quadro de
competências visa obter maior agilidade, uniformidade e segurança no
processo de tomada de decisões. O quadro de competências está no
manual de organização e estabelece o nível de alçada ou de titularidade
dos cargos que compõe a estrutura organizacional da empresa. Os
manuais de organização consistem considerações gerais, ficha de
funções, quadro de competências, comitês, relação de titulares e
organograma.
O empowerment não compreende a ausência de gestores formais
designados. Os integrantes da equipe se tornam independentes, mas
requerem a orientação para a tomada de decisão e realização de seus
trabalhos. O gestor passa a atuar como orientador de trabalho, ele não
some. Esse empowerment é típico do líder liberal.
As teorias sobre liderança apresentadas por autores humanistas
podem ser de três tipos ou grupos: traços de personalidade, estilos de
liderança e situacionais. Dos três grupos, o primeiro, que defende que a
liderança advém de traços da personalidade já está desacreditado. O
segundo grupo é o de estilos de liderança (autocrático, democrático e
liberal), já o terceiro grupo é o da liderança contigencial (situacional). O
terceiro grupo, em que o líder depende da situação, é amplamente
aceito por muitas empresas e teóricos. A liderança situacional mostra-se
bastante útil pois inúmeras são as situações que toda e qualquer
empresa enfrenta. O segundo grupo, o dos estilos de liderança também
é amplamente difundido, pois dependendo do contexto e do caráter da
organização (mais mecanicista ou mais orgânica), a liderança pode ser
autocrática, democrática ou liberal.
A teoria onde uma pessoa acredita ser capaz de fazer algo com
sucesso, em que o colaborador sente-se apto, inteligente e competente,
chama-se auto-eficácia.
As pessoas com necessidade de realização, nos termos propostos
pela teoria das necessidades adquiridas, tendem a trabalhar sozinhas.
As necessidades de realização estão relacionadas com questões
pessoais, o que o indivíduo gosta, são necessidades que não serão
alcançadas em equipe e sim pela própria pessoa, por isso tais
stakeholders tendem a trabalhar sozinhos.
A liderança transformacional é o processo de construção do
comprometimento organizacional através do empowerment. Na
liderança transformacional os empregados são estimulados a pensar
além de seus interesses em prol dos interesses da organização. Já o
líder transacional foca na autoridade burocrática, na realização da tarefa
e nas recompensas e punições. Os líderes transacionais negociam a
troca de recompensas por esforços, intervém apenas quando os
padrões não são alcançados, tomam atitudes corretivas necessárias
quanto a desvios de regras, abdicam da responsabilidade, evitam a
tomada de decisões. Em apertada síntese, os líderes transacionais
utilizam autoridade burocrática, focam na realização da tarefa e fazem
uso de recompensas e punições.
A liderança situacional transacional foi proposta por Edward
Holland e sugeriu que a liderança era melhormente entendida como a
ocorrência de transações mutuamente gratificantes. Para Holland e sua
liderança situacional, liderança era a soma dos vetores líderes,
seguidores e situação. A liderança transacional está baseada numa
troca de recompensas por esforços e desempenhos. Sinteticamente,
Edward Hollander criou o modelo transacional onde havia transações
mutuamente gratificantes e baseada nos vetores líderes, seguidores e
situações, sendo baseado na troca material ou econômica.
A organização é a segunda função do processo organizacional,
mas também pode ter o sentido de uma unidade ou entidade social. Ou
seja, a organização pode ter o sentido de alocar recursos, distribuir,
empregar, atribuir ou delegar recursos (segunda função do PODC), e
pode ter o sentido de organização como empresa.
Os estudiosos que mais impactaram a liderança organizacional
foram os de Ohio e de Michigan. Os estudiosos de Michigan afirmavam
que os líderes podem ser voltados para tarefas e para pessoas. Os
estudos da Universidade de Ohio concluíram que os líderes com
estrutura de iniciação alta e consideração pelos subordinados alta
estavam associados a um melhor desempenho e a uma maior
satisfação. Tais estudiosos identificaram duas dimensões distintas do
comportamento do líder, a estrutura de iniciação e a estrutura de
consideração. A estrutura de iniciação (Ohio) corresponde ao líder
orientado para a tarefa (Michigan). A estrutura de consideração (Ohio )
corresponde ao líder orientado para pessoas(Michigan).
Os estágios da receita são previsão, lançamento, arrecadação e
recolhimento. Os estágios da despesa são fixação, empenho, liquidação
e pagamento. Quando o auditor analisa o comportamento da receita
deve, inevitavelmente, sob pena de falhar severamente, analisar a
previsão, o lançamento, a arrecadação e o recolhimento. Outrossim,
quando analisa a despesa deve analisar suas 4 fases: fixação,
empenho, liquidação e pagamento.
A departamentalização facilita a coordenação e o controle. Item, a
departamentalização reduz os conflitos internos. Igualmente, a
departamentalização facilita o enquadramento, agrupando os indivíduos
conforme um critério. As vantagens da departamentalização são uma
maior especialização, uma maior redução de custos, uma redução do
tempo de produção. A departamentalização ajuda no planejamento,
primeira etapa do PODC, e tmabém no controle. As desvantagens são a
competição entre os departamentos, a perda da visão do todo e a
resistência a mudanças. A departamentalização, por dividir a empresa
em compartimentos, faz com que se perca a noção do todo, olhando-se
para cada setor e departamento. Tem festas que ocorrem em cada
departamento, por exemplo. A competição interdepartamental promove
a resistênica a mudanças. O domínio e a especialização em torno de um
só assunto e departamento impede a resistênica a mudanças.
Relações industriais: aconteceu de 1900 a 1950. Se tinha a visão
do homem econômico. Se ele recebia mais ele era mais produtivo. Não
se consideravam as questões pessoais. No homem econômico o
comportamento é totalmente previsível e controlável. Preocupava-se
com a parte legal, burocrática. O foco, de 1900 a 1950, era na tarefa.
Essa era chamava-se relações industriais.
Com o crescimento das ciênicas sociais, eles começaram a
perceber que o homem não é moldado ao dinheiro, entrando a visão do
homem social (1950 a 1990). O grupo interfere mais no indivíduo que a
empresa. Surgiram as teorias motivacionais e de liderança. Na visão do
homem social existem várias categorias de liderança e começa a se
perceber a liderança. O chefe dá lugar ao líder. A crítica do homem
social é que ela não tomava em consideração a individualidade, as
características de cada indivíduo.
Gestão de pessoas: de 1990 até os dias de hoje não se fala em
recursos humanos, as pessoas são seres humanos, surge o homem
complexo. Foi na gestão de pessoas moderna que surgiu o homem
complexo, abandonando a visão simplista e reducionista das relações
industriais. O homem complexo surge na complexidade de estudos e
teorias da gestão de pessoas, antiga gestão de RH. A estratégia
motivacional não é só dinheiro, não é só bom chefe. Na visão do homem
complexo além das pessoas serem seres humanos, a gestão de
pessoas começou a perceber que as pessoas são parceiras e
ativadores inteligentes. A gestão de pessoas possui como etapa a
gestão por competências, que é a capacidade de fazer algo bem feito,
agregando valor social ao indivíduo e valor econômico para a empresa.
A gestão por competências nada mais é do que planejar, organizar,
dirigir e controlar. Competência nada mais é do que a capacidade de
fazer algo particularmente bem feito, agregando valor social ao indivíduo
e também valor econômico para a empresa. Com isso a gestão por
competência tem tudo a ver com o homem complexo.
A estrutura matricial é formada por uma funcional mais uma de
projetos. Além da estrutura de projetos posso usar a estrutura de
processo, de cliente e geográfica. Já a mista é a que combina a linear
com a funcional. A funcional pode ser a junção de uma estrutura
funcional com uma estrutura de projetos, de uma estrutura funcional
com uma de processos, de uma funcional com uma de estrutura de
clientes ou de uma estrutura funcional com a geográfica. A estrutura
matricial não se confunde com a mista, que é a linear mais a funcional.
Na estrutura matricial há uma ação integrada para satisfazer objetivos
empresariais.
Na estrutura divisional a empresa tem várias divisões, várias áreas
de atuação, é só pensar em grandes empresas que fala-se em estrutura
divisional. Para cada divisão eu tenho departamentos que atendem à
divisão, sendo muito utilizada quando se têm produtos diferentes em
lugares diferentes, e com atividades diferentes. Na estrutura divisional
temos uma duplicação de esforços, pois a mesma atividade pode ser
feita por duas ou mais divisões. As divisões são autônomas ou semi
autônomas, a comunicação é péssima entre as divisões, mas a
comunicação interdepartamental e intradepartamental é boa.
Entre as desvantagens da departamentalização estão a
competição desleal entre os departamentos, a perda da visão do todo e
a resistência às mudanças. A perda da visão do todo decorre da
vivência exclusiva no departamento e a resistência a mudanças ocorre
pelas incertezas que elas trazem. Tanto a competição desleal entre os
departamentos, quanto a perda da visão do todo e a resistência à
mudança são desvantagens de todo tipo de departamentalização.
A departamentalização funcional tem como uma das suas
desvantagens a responsabilidade parcial onde cada departamento
acaba se preocupando apenas com sua função, tendendo a perda da
visão da empresa como um todo e ao individualismo. A perda da visão
do todo, deve-se frisar, é uma desvantagem de toda a
departamentalização, porém na departamentalização funcional a
vivência exclusiva no departamento, que acarreta a perda da visão do
todo, é acentuada. A reduzida cooperação entre os departamentos, o
individualismo,é presente em toda a departamentalização, mas na
funcional é acentuada.
São 7 os tipos de departamentalização: por função; por produto ou
serviço; territorial ou geográfico; por cliente; por processo; por projeto e
matricial. Os princípios da departamentalização são o do maior uso, o do
maior interesse, o da separação e do controle e o da supressão da
concorrência.
Na departamentalização funcional colocam-se em um órgão todas
as funções ligadas a finanças, noutro todas aquelas relacionadas com o
marketing, produção, recursos humanos e assim por diante. A
departamentalização mantém o poder e o prestígio das funções
principais (financeira, produção, marketing e RH). A
departamentalização funcional, através do princípio da especialização, é
bastante eficiente. Um ponto importante é que essa
departamentalização facilita a centralização, pois permite maior rigor no
controle das funções pela alta administração. Como ela cria eficiência
através da especialização, consequentemente permite maior segurança
de tarefas e relacionamento com os colegas. Como a
departamentalização funcional facilita a centralização, permitindo maior
rigor no controle das funções pela alta administração, a
responsabilidade pelo desempenho total fica somente na cúpula.
Na departamentalização funcional cada gerente fiscaliza apenas
uma função estreita criando o que se chama responsabilidade parcial,
onde o gerente fica bitolado a uma só função, o que faz com que a
responsabilidade pelo desempenho total seja concentrada no alto
escalão. Por facilitar a centralização e não a descentralização, a
departamentalização não é flexível como deveria, dificultando a
coordenação geral e não favorecendo o controle geral.
A departamentalização funcional facilita a coordenação dentro da
função, porém dificulta a coordenação geral. Além disso, a coordenação
entre as funções se torna mais difícil à medida que a empresa aumenta.
Na departamentalização por produto ou serviço o administrador no
cargo de chefia de cada departamento é responsável pelo seu produto
ou serviço. Uma vez que a preocupação básica é o produto, a
coordenação interdepartamental é facilitada. Os vários departamentos
começam a dialogar entre si para conseguir a excelência na produção
do produto. Além de melhorar a comunicação interdepartamental, a
concentração num produto ou serviço permite melhorias na qualidade e
facilidade de inovações. Item, as tomadas de decisões são
independentes pois cada departamento tratará dum produto, devendo
decidir de forma independente. Outrossim, a flexibilidade é a palavra da
vez quando se fala em departamentalização por produtos.
A departamentalização por produtos facilita a coordenação
interdepartamental, uma vez que a preocupação básica de todos é o
produto. Já a departamentalização funcional dificulta a coordenação
entre as funções e também a coordenação geral e facilita a coordenação
dentro da função. Enquanto a departamentalização por produtos ou
serviços permite melhorias na qualidade e facilidade de inovações, a
departamentalização funcional dificulta a expansão da empresa, a
descentralização e traz inflexibilidades.
A departamentalização por produtos ou serviços permite
flexibilidades e a administração torna-se mais ampla, gerando
oportunidade de promoção de funcionários. Já na departamentalização
por função o treinamento de gerentes para assumir posição no topo é
limitado, a expansão da empresa é dificultosa, existe dificuldade de
descentralização e traz inflexibilidade.
Apesar da administração permitir oportunidades de promoções, na
departamentalização por produtos ou serviços ocorre a redução nas
oportunidades de carreira, sendo a experiência limitada em uma única
linha de produção, causando limitação no mercado de trabalho.
Existe a desvantagem, na departamentalização por produtos ou
serviços, da demora no reconhecimento de melhorias, modificações ou
eliminações de produtos ou serviços, pois cada departamento é
responsável por seus próprios produtos ou serviços.
Eficiência, Eficácia e Efetividade. A eficiência está relacionada à
otimização de recursos, fazer corretamente. A eficiência está
relacionada com os meios, os processos, com regras e normas. A
eficácia é alcançar objetivos ou metas, está relacionado a fazer o que
deve ser feito. Fazer o que deve ser feito é diferente de fazer
corretamente. Temos o conceito de efetividade na instituição pública e
na instituição privada. Para a instituição privada é quando eu sou
eficiente e eficaz, já na instituição pública ela tem a ver com o impacto,
com a qualidade do produto ou serviço para sociedade. Se for escolher
entre eficiência e eficácia, a eficácia supera a eficiência, sendo esta
última desejável.
Planejamento: vai definir os objetivos, metas e estratégias. Definir
metas, definir objetivos e definir estratégias é programar. O
planejamento analisa a situação, fazendo um diagnóstico. Para analisar
uma situação eu utilizo a análise SWOT. Também posso usar as 5
forças competitivas de Porter (Poder do consumidor, Poder do
fornecedor, concorrentes atuais e novos concorrentes e produtos ou
serviços substitutos). No planejamento eu estabeleço estratégias,
podendo utilizar Porter (Liderança em custo, diferenciação e enfoque,
foco ou nicho), Stevenson (matriz SWOT, que é diferente da análise de
SWOT: estratégias de sobrevivência, manutenção, crescimento e
desenvolvimento). Na Matriz SWOT de Stevenson temos estratégias de
sobrevivência (ameaças e pontos fracos),manutenção (ameaças e
pontos fortes), crescimento (oportunidades e pontos fracos) e
desenvolvimento (oportunidades e pontos fortes). A Matriz SWOT é um
desdobramento da análise SWOT. Ainda tem o Ansoff, com sua matriz,
onde há penetração de mercado, desenvolvimento de mercado,
desenvolvimento de produto e diversificação. No planejamento eu
também implemento e avalio resultados, além de definir a missão, visão
e valores. Analisar a situação, definir objetivos e metas, estabelecer
estratégias, definir a missão, visão e valores, implementar e avaliar são
fases do planejamento. Se a ferramenta analisa a empresa como um
todo ela é típica do planejamento estratégico.
As abordagens do planejamento são: planejamento conservador
(ambiente estável, manutenção da situação atual); planejamento
otimizante (é ideal para ambientes dinâmicos e é voltado para a
adaptabilidade ou inovação) e planejamento adaptativo (é ideal para
ambientes altamente dinâmicos, para contingências e múltiplos
cenários).
Existem o planejamento estratégico, o tático e o operacional,
porém as abordagens do planejamento são as três supracitadas:
planejamento conservador, planejamento otimizante e planejamento
adaptativo.
A árvore de decisões não está na fase de diagnóstico. A árvore de
decisões faz parte da fase de desenvolvimento de alternativas. Na fase
de desenvolvimento ou escolha de alternativas encontra-se a árvore de
decisões, a ponderação de critérios e a análise do ponto do equilíbrio.
Primeiro identifica-se o problema (fase de identificação do problema),
depois realiza-se seu diagnóstico (fase de diagnóstico), em seguida há a
geração de alternativas e, por fim, ocorre a escolha de alternativas. Na
fase de geração de alternativas encontra-se o brainstorming, o
brainwriting e o Método de Delineamento de Problemas
Organizacionais. O brainstorming é traduzido como uma tempestade de
ideias, um processo de reunião para que se tenham ideias importantes,
propícias e criativas, sendo este método encontrado na fase de geração
de alternativas. Na primeira fase, a fase de identificação de problemas
encontra-se o Diagrama de Ishikawa e o Princípio de Pareto. Na
próxima fase, a do diagnóstico, encontra-se o Diagrama de Ishikawa, o
Princípio de Pareto e a Matriz GUT.
Matriz de Responsabilidade: Responsible,accountable, consulted,
informed RACI): para cada demanda deve existir pelo menos um R e um
A; não deve existir mais de uma autoridade A para uma mesma
atividade; algumas atividades não precisam de C nem I, pois podem ser
apenas processo internos, que não necessariamente precisam de
pessoas a serem consultadas ou pessoas a serem informadas.
Deming via com bons olhos a ideia do fornecedor único. A
empresa, para Deming, não deveria ter vários fornecedores, mas um Só.
Na matriz RACI não deve existir mais de uma autoridade para uma
atividade. Algumas tarefas não precisam de ter pessoas a serem
consultadas nem informadas, pois constituem apenas processos
internos. Para cada demanda deve existir pelo menos uma autoridade
(A). É comum ver novas funções e adaptações da matriz RACI original.
Cada atividade pode ter mais de um Responsible e mais de um
Informed. Accountable é o gerente do projeto, o responsável por validar
e aceitar a entrega. Já o Responsible é o grupo de pessoas responsável
pela execução, desenvolvimento e conclusão da atividade. O
Responsible é aquele que põe a mão na massa. O Accountable é a
autoridade que aprovará o trabalho do Responsible. Dessarte, na Matriz
de Responsabilidade um importante ponto é que não pode existir mais
de um Accountable para uma mesma atividade e para toda atividade
deve existir pelo menos um Responsible e um Accountable.
A inscrição de despesas como restos a pagar no encerramento do
exercício depende do Decreto 93.872 de 1986. A inscrição de despesas
como restos a pagar não processados fica condicionada à indicação
pelo ordenador de despesas. Sinteticamente, pelo Decreto 93.872 de
1986, se a despesa inscrita for restos a pagar processados no
encerramento do exercício de emissão da Nota de Empenho, vai
depender das condições do Decreto 93.872. Já se for uma inscrição de
restos a pagar não processados fica condicionada à indicação pelo
ordenador de despesas.
A ISO 9000 não confere um “selo de qualidade”, nem consiste
numa premiação dada à organização, mas atesta que a organização
implantou a forma adequada do Sistema de Qualidade Total.
Conformidade com a ISO 9000 é um mínimo de qualidade que a
organização deve ter, por isso não consiste num prêmio e nem confere
um “selo de qualidade” como premiação. A certificação ISO 9000 não
garante qualidade. Isso acontece porque a satisfação do cliente está
atrelada à qualidade, e mesmo que a empresa adote todos os pontos da
ISO 9000, ela pode não atender um cliente.
A Dívida Ativa não Tributária são os empréstimos compulsórios,
contribuições estabelecidas em lei, multas de qualquer origem ou
natureza, exceto as tributárias, foros, laudêmios, aluguéis ou taxas de
ocupação, custas processuais, preços de serviços públicos,
indenizações, reposições, restituições, e outras. Já a Dívida Ativa
Tributária é o Crédito da Fazenda Pública que provém dos tributos e das
multas (tributárias). As multas não tributárias estão de fora. Os foros,
laudêmios, aluguéis e taxas de ocupação são receitas originárias. O
mesmo acontece com as custas processuais e os preços de serviços
públicos. As indenizações, reposições, restituições e outras tambêm são
receitas originárias, pois o Estado aufere renda com seu próprio
patrimônio, o que não acontece nas receitas derivadas, formada
basicamente pelos tributos e multas tributárias. Os créditos da Fazenda
Pública, tributários ou não, serão escriturados como receita no exercício
em que forem arrecadados, e não naqueles em que forem inscritos.
Primeiro ocorre a inscrição e depois a arrecadação, onde a Dívida Ativa
é escriturada como receita.
Os mapas estratégicos possibilitam a visualização de causa e
efeito entre as estratégias e os objetivos da organização. A relação
causa e efeito presente nos mapas estratégicos não se confunde com a
espinha de peixe de Ishikawa. A aplicação do BSC contempla os mapas
estratégicos, que servem para visualizar as relações de causa e efeito
entre os objetivos das organizações e as perspectivas do BSC.
Na negociação distributiva haverá um lado vencedor e outro
perdedor. A estratégia de negociação distributiva é baseada no ganha-
perde. Porém a estratégia de negociação integrativa baseia-se no ganha
ganha, onde ou todos ganham, ou todos perdem. A gestão de conflitos
estrutural vem antes do conflito; a gestão de conflitos processual ocorre
ao longo do conflito.
A estrutura Divisional é inspirada em Alfred Sloan, cujo principal
exemplo é a aplicação da estrutura divisional na General Motors nos
anos 1950. Uma das características da estrutura Divisional é a
autonomia de unidades qualificadas como centros de resultado, que
apuram lucros ou prejuízos autonomamente. A estrutura Divisional foi
implantada inicialmente por Alfred Sloan na General Motors com a lógica
de descentralização de autonomia operacional às divisões.
A classificação institucional da despesa reflete a estrutura de
alocação de créditos orçamentários, sendo estruturada em órgão
orçamentário e unidade orçamenária. A classificação funcional divide as
dotações em funções e subfunções. A intstitucional não segrega em
funções, somente, mas em funções e subfunções, buscando responde à
pergunta "em que área”? Unidade administrativa representa o segmento
da administração direta na qual a administração direta não consegue
recursos. Já a Unidade orçamentária é o agrupamento de serviços a que
serão consignadas dotações próprias.
O BPM é diferente do ERP, pois o Enterprise Resource Planning
considera o processo restrito à execução do sistema, e o Business
Process Management pode ser adaptado pelas próprias áreas de
gestão. O ERP é um Software para aplicação do BPM, conjunto de
práticas focadas na melhoria contínua dos processos de uma empresa.
Para o BPM o processo não se restringe à execução do sistema, mas
pode ser alterado, adaptado, melhorado e monitorado em tempo real. O
BPM não é uma metodologia, mas um guia de melhores práticas,
portanto não possui caráter normativo. Por não se restringir à execução
no sistema ele não aceita o conceito de processos trazidos pelos ERPs
ou SIGs.
A LDO contém o Anexo de Metas Fiscais e Anexo de Riscos Fiscais,
além do Anexo Específico. Não existe Anexo de Riscos Orçamentários e
sim Anexo de Riscos fiscais. Também pode-se dizer que a LOA viabiliza
as ações planejadas no PPA e transformam-na em realidade.
A gestão por processos é o gerenciamento da organização com
base em seus processos de forma integrada, partindo do todo para o
particular, onde não se olha a organização como áreas ou
departamentos estanques, mas sim pela ótica da interligação entre
todas as partes. O olhar é sistêmico e a estrutura é departamentalizada,
na chamada gestão por processos.
Cadeia de valor é a descrição dos componentes básicos da
operação e dos relacionamentos entre eles demonstrando como a
organização almeja seus objetivos. A cadeia de valor permite uma visão
macro do negócio. Para Michael Porter a cadeia de valor pode ser
entendida como a descrição (geralmente gráfica) dos componentes
básicos da operação e dos relacionamentos entre esses componentes,
permitindo uma visão sistêmica da organização. A cadeia de valor
envolve ambientes externos e internos.
O líder transacional é o líder liberal (laissez faire), baseado nas
recompensas. Já o líder transformacional envolve carisma, inspiração,
estímulo intelectual e liderança. É escorreito associar a palavra
transformacional com transformação.
O crédito suplementar incorpora-se ao orçamento; além de ser um
reforço da dotação orçamentária, ele se incorpora na dotação a que
deva reforçar. Já os créditos especiais e extraordinários conservam sua
especificidade, separadamente. Falou em incorporação ao orçamento,
falou em crédito suplementar. Não é acertado dizer que o crédito inicial
é aquele constante dos orçamentos fiscal, da seguridade social e de
investimento das empresas estatais dependentes. No orçamento de
investimento encontram-se as estatais dependentes e não dependentes.
É escorreito dizer que crédito inicial é aquele aprovado pela LOA,
constante dos orçamentos fiscal, da seguridade social ou de
investimento das empresas estatais (dependentes ou não).
Um Sistema de Informações Gerenciais deve ser definido a partir
do ser nível institucional. Os sistemas de informações gerenciais são top
down, pois é a maioridade da informática empresarial, seu alto escalão.
O planejamento estratégico é sinônimo de nível institucional, o
planejamento tático é sinônimo de nível gerencial. Não se pode
excogitar, erroneamente, que o planejamento estratégico é nível
gerencial, pois ele é tão somente um nível institucional. O planejamento
estratégico é formado pelos altos executivos (nível estratégico), o
planejamento tático é o nível intermediário (nível gerencial) e o
operacional é o chão de fábrica.
São exceções ao princípio da especificação os PETs Programas
Especiais de Trabalho e a Reserva de Contingência. Portanto os
Programas Especiais de Trabalho poderão ter ações inespecíficas e
globais. Outro apontamento importante é que os precatórios judiciais
não pagos integram a dívida consolidada. A Dívida Pública se divide em
duas: mobiliária e consolidada. Dívida Consolidada e Dívida Fundada
são iguais. A Dívida Mobiliária é basicamente a representada por títulos
emitidos pela União.
A teoria da multiplicidade de identidades pessoais não dá
coerência aos comportamentos humanos, quanto aos aspectos de
cognição e motivação.
Na tomada de decisões existem os modelos descritivos e
prescritivos. O modelo prescritivo explica, dá instruções, mostra o que
fazer. O modelo descritivo somente fala, descreve um caminho de
decisão. O Método do Caminho Crítico CPM é prescritivo, já o PERT é
probabilístico, e não prescritivo. Quem mostra o caminho ideal é o
prescritivo, pois prescreve, dá instrução.
Os indicadores de desempenho são restritos pois medem apenas
o passado, porém auxiliam a avaliação das estratégias implementadas.
Os indicadores de desempenho permitem analisar os resultados de
forma mais direcionada. Os dados apontados nos indicadores de
desempenho são relativos a atividades passadas: as metas foram
alcançadas? ; o emprego dos recursos foi eficaz? ; quais falhas
ocorreram em cada etapa de um projeto?.
Excelência é o nível máximo de qualidade aceito pelo cliente-
cidadão. A excelência nos serviços públicos é uma premissa associada
à gestão de qualidade, que se admite como nível mínimo de qualidade
aceito pelo cliente. A excelência é a busca pela máxima qualidade,
considerando o contexto organizacional. Excelência é o melhor que se
pode fazer. O padrão mais elevado de desempenho em qualquer campo
de atuação.
Os oito passos para o compliance são: ser da alta direção para
toda a empresa, gestão independente e capacitada, código de ética e
políticas, conhecer e gerenciar os riscos de compliance, fomentar a
cultura, conhecer com quem você trabalha, mapear a aderência e
identificar o descumprimento de regras e tratamento das denúncia.
No processo decisório tomar decisões baseadas em fatores
intelectuais é bem diferente de tomar decisões baseadas em fatores
sociais. O processo decisório pode ser influenciado pela ancoragem,
que é atribuir um peso desproporcional à primeira impressão. É a
tendência de ancorar o julgamento. Existe também a perpetuação do
status quo, que é o medo de mudança.
As competências de liderança, no BSC, estão dentro da
perspectiva aprendizado e crescimento. Dentro da perspectiva do
aprendizado e crescimento estão a satisfação, a gestão de pessoas, a
liderança e outros. A perspectiva de processos internos refere-se às
atividades afins da organização, aos procedimentos essenciais. A
perspectiva do Aprendizado e Crescimento trabalha toda a parte
referente a RH, como a liderança. Os Processo Internos trabalham a
produtividade, a qualidade e a gestão de operações. A Aprendizagem e
crescimento trabalha a gestão de pessoas, a cultura, o clima e a
liderança.
A Teoria Neoclássica surge com Peter Drucker. Já Elton Mayo dá
início a teoria das relações humanas, a partir da experiência de
Hawthorne.
O MCASP, na página 45, considera a Exploração de Recursos
Naturais e a receita de valores mobiliários subitens da Receita
Patrimonial. Assim: Categoria Econômica: 1. Receitas Correntes;
Origem: 1.3 Receita Patrimonial; espécie: 1.3.2 Valores Mobiliários e
1.3.4 Exploração de Recursos Naturais. Outro apontamento é que o
Anexo de Riscos Fiscais conterá a reserva de contigência, cuja forma de
utilização e montante, com base na receita corrente líquida, será
estabelecida na LDO.
Em Maslow as necessidades sociais são aquelas de manter
relações humanas com harmonia. As necessidades de estima, por sua
vez, se dividem em reconhecimento das nossas capacidades por nós
mesmos e reconhecimento pelo outro das nossas capacidade. As
necessidades de auto-realização são a de aproveitar todo o potencial
próprio, ser aquilo que se pode ser , fazer o que se gosta. Enquanto a
auto realização envolve educação, autodesenvolvimento e crescimento
profissional, a de estima envolve a aprovação da família e o
reconhecimento da comunidade. As sociais são as necessidades de ter
amigos de participar de agrupamentos sociais.
Se um fornecedor foi contratado para entregar um produto em
certa data, mas devido a infortúnios, só consegue entregar no próximo
exercício financeiro, sendo o empenho cancelado na data em que a
mercadoria ia chegar e não chegou, nesse caso ocorre uma despesa de
exercício anterior. O setor público, vendo que a mercadoria não chegou,
no mesmo dia cancela o empenho da despesa (a despesa não foi
processado na época própria), só que no próximo exercício descobre-se
que havia ocorrido falhas documentais, falhas de comunicação, que
fizeram o produto não chegar. Como não foram liquidados, os
empenhos foram cancelados. Na verdade quando o produto não é
entregue até o final do ano, o governo pode cancelar o empenho da
despesa ou prorrogar o empenho para o ano seguinte. Somente fala-se
em DEA quando o governo cancela ou anula o empenho; quando o
governo prorroga o empenho para o ano seguinte fala-se em restos a
pagar. Outro apontamento de orçamento importante é que o empenho
da despesa não poderá exceder o limite do créditos concedidos. Essa
regra não tem exceção. Mesmo em caso de calamidade pública, guerra
externa ou sua iminência, o empenho da despesa não poderá exceder o
limite dos créditos concedidos. Nunca haverá uma despesa sem prévio
empenho. Ponto importante: não serão admitidas emendas para alterar
a dotação solicitada para despesa de custeio. Se já existe uma
solicitação de dotação para despesa de custeio ela será inalterável por
meio de emenda, exceto quando for provada que a proposta era inexata,
imprecisa. Não se pode também conceder dotação superior aos
quantitativos fixados em resolução do Poder Legislativo para concessão
de auxílios e subvenções. Os auxílios e subvenções já previamente
fixados em resolução do Poder Legislativo, não podem ser majorados
por meio de emendas.
Por volta de 1960 Joan Woodward, socióloga inglesa, classificou a
empresa em três grupos: produção em massa ou mecanizada, produção
em processo ou automatizada e produção unitária ou oficina. Segundo
Joan Woodward quanto maior a previsibilidade dos resultados, menores
os níveis hierárquicos utilizados no formato organizacional. Na produção
em massa ou mecanizada os níveis hierárquicos serão menores quanto
mais previsíveis forem os resultados. Diz-se que se é mecanizada então
terá uma cadeia de comando maior, porém se a previsibilidade for
maior, menor será a cadeia de comando.A socióloga inglesa Joan
Woodward inspirou Idalberto Chiavenato, que também afirma que
quanto maior a previsibilidade dos resultados, menores os níveis
hierárquicos utilizados no formato organizacional.
O BSC não prejudica o espírito de equipe e a motivação, não se
pode excogitar, erroneamente, que a ênfase excessiva do BSC em
indicadores de desempenho prejudica o espírito de equipe. Em estudo
de caso aplicado a Petrobrás, um dos benefícios da implantação do
BSC foi promover consenso entre os executivos e comprometimento de
metas. O objetivo do BSC é fazer que as operações de uma
organização estejam a par da visão estratégica.
A liquidação da despesa terá por base o contrato, ajuste ou acordo
respectivo; a nota de empenho; e os comprovantes da entrega de
material ou da prestação efetiva do serviço. Além disso a liquidação tem
por fim apurar a origem e o objeto do que se deve pagar; a importância
exata a pagar; e a quem se deve pagar a importância. Ponto importante
refere-se ao quadro de cotas trimestrais da despesa. O quadro de cotas
trimestrais da despesa é aprovado pelo Poder Executivo. Ele pode
ocorrer imediatamente após a promulgação da LOA e cada unidade
orçamentária fica autorizada a utilizar o quadro de cotas trimestrais da
despesa.
Na entrevista estruturada o entrevistador possui uma diretriz a
seguir. Entretanto, a conversa pode não seguir uma só direção. Pode-se
alterar a ordem das perguntas ou modificar a própria pergunta. ana A
entrevista não estruturada, difre da estruturada por não ter um roteiro
estabelecido.Aentrevista semiestruturada transita entre a entrevista
estrutural pode-se adaptar a entrevista ao longo do processo.
Na psquisa Survey busca-se a obtenção de nformaçoes
quantitativas e é mais indicada para responder questões que expressem
opinião, com perguntas do tipo “o quê”, quando”, onde e como. Qunando
se quer descubrir costumes, características e opiniões em
determinadopúblico-alvo.
A entrevista não estruturada, difre da estruturada por não ter um
roteiro estabelecido.Aentrevista semiestruturada transita entre a
estruturada e a não estruturada, onde mantém-se o foco sem deixar a
espontaneidade.
Na escola das relações humanas os aspectos psicológicos e
sociol[ogicos eram importantes, originando o homem social. A
abordagem das relações humanas advém principalmente da Teoria das
Relações Humanas de Elton Mayo. A ênfase nas tarefas (teoria
científica) e na estrutura (teoira lássica) é substituída pela ènfase nas
pessoas. A teoria das relações humanas preza pela organização
informal.
Líder não é aquele que possui habilidade potencial de influenciar o
outro, mas aquele que influencia de fato. Alguém que tem o mero
potencial nem sempre será um líder.
A carta de controle é a ferramenta de qualidade que acompanha
as variações de qualidade entre as faixas de tolerância superior e
inferior e a linha média. A carta de controle foi cunhada por Walter
Shewhart, que almejava mostra a variação de um processo.
No princípio de Pareto 20% DAS CAUSAS GERAM 80% DOS
PROBLEMAS, APONTANDO QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS FATORES
DE UM DETERMINADO PROBLEMA OU PROCESSO. O Diagrama de
Ishikawa é também conhecido como diagrama de causa e efeito, 6m ou
espinha de peixe.
As decisões que envolvam toda a empresa são chamadas de
estratégicas ou institucionais. Decisões que envolvam departamentos
internos são táticas, administrativas ou funcionais. As decisões que
envolvam a execução das atividades e tarefas cotidianos são ditas
operacionais. As decisões estratégicas estão no nível institucional, as
táticas no nível gerencial ou departamental e as operacioais no nível de
supervisão.
Tecnologias de uso fácil, manutenção de autoridade centralizada,
tecnologias de produção de uso fácil e alto nível de padronização são
características da liderança de custos, que é uma das estratégicas
genéricas de Porter. Na liderança em custo a empresa buscar ser a
mais eficiente na produção. Na estratégia de diferenciação a empresa
almeja produtos únicos com característica únicas na percepçao de seus
clientes, e na estratégia do foco ou enfoque a empresa foca
seusesforços num pequeno mercado. Essa é a estratégia de nicho.
Na fase do não só se educa e treina, mas também se coletam
dados. A check verifica resultados e a action atua corretivamente. A
atividade de executar tarefas, incluída aí a coleta de dados, está na fase
do.
A departamentalização funcional facilita a comunicação
intradepartamental (dentro do departamento), mas dificulta a
comunicação interdepartamental (entre departamentos). A
departamentalização funcional tem a desventura de reduzir a
cooperação entre departamentos, pois dá ênfase nas especialidades.
Um sinônimo de burocracia é organização formal moderna, Apesar
do nome, as organizações formais modernas são estruturas
burocráticas. As principais características das organizações formais são
a divisão do trabalho, a especialização, a hierarquia, a distribuição de
autoridade e o racionalismo.
A motivação que depende do esforço despendido pelo empregado
para atingir uma meta ou resultado é a teoria da expectativa ou da
expectância de Victor Vroom. É uma das teorias mais aceitas de
motivação.
O tipo de departamentalização que se baseia em tarefas
interdependentes é a funcional. A departamentalização funcional é
orientada para objetivos únicos como estratégia. A funcional se baseia
em unidade interdependenes com base na especialização.
Mapas estratégicos são ferramentas que auxiliam na comunicação
das estratégias gerenciadas pelo BSC (Balanced Scorecard). O mapa
estratégico resume graficamente a missão, visão, os objetivos e
valores.O modelo original é de Kaplan e Norton.
A liderança transacional baseia-se na recompena contigente, na
gestão por excepção ativa, na gestão por excepção passiva e na
liderança laissez-faire. A liderança transacional é ultrapassada mas
merece ser estudada. Na liderança laissez-faire (não liderança) o líder
praticamente se abstém, se neutraliza na tentativa de influenciar os
subordinados. Por isso mesmo a liderança laissez-faire é chamada de
não liderança. Na gestão por excepção passiva o líder aguarda que os
problemas ocorram, ele não se precave de antemão, só depois que os
problemas ocorrem ele toma decisões. Na recompensa contigente o
líder explica ao liderado como ele será recompensado por seus esforços
e atitudes. Na gestão por excepção ativa o líder adota ações corretivas
somente depois que os lliderados não alcancem os padrões. Por isso a
gestão por excepção ativa e passiva é bem presente na liderança
transacional e não na tansformacional.
Na gestão de conflitos existem a estratégia da evitação, da
acomodação, da competição, do compromisso e da colaboração.A
estratégia que privilegia a satisfação das necessidades do outro e não
os seus próprios interesses é a da acomodação. Na estratégia da
evitação eu perco e outro perde, na da acomodação eu perco e outro
ganha, na da competição eu ganho e outro perde, na da colaboração
ambos ganham e na estratégia do compromisso há um acordo entre as
partes. Quando eu perco chama-se de não assertivo, quando eu ganho
chama-se de assertivo. Quando o outro perde chama-se de não
cooperativo, quando o outro ganha chama-se cooperativo.
Na teoria da Equidade de Stacy Adams a motivação depende do
equilíbrio entre o que se dá e o que se recebe. A teoria da equidade é
chamada de teoria do equilíbrio ou da comparação social e tem por base
a crença de que as recompensas devem ser proporcionais e iguais para
todos. Essa teoria afirma que as pessoas são motivadas a alcançar uma
condição de igualdade social.
A função coordenação não aparece na administração científica,
apenas na teoria clássica de Fayol (Planejar organizar, comandar,
coordenar e controlar). A função coordenar não libera as ações a serem
executadas, ela liga, une e harmoniza.
O equilíbrio organizacional tem a ver com o que é oferecido pela
organização. Ocorre quando as contribuições oferecidas pelos
participantes são equivalentes às recompensas recebidas pelas
empresas.
Estruturas altas e alongadas são próprios do desenho mecanicista,
que possui amplitude de controle menor e cadeia de comando maior.
Estruturas baixas, achatadas, são próprias dos desenhos orgânicos,
com amplitude maior e cadeia de controle menor. Em apertada síntese,
em estruturas baixas e achatadas, a amplitude de controle é maior e a
cadeia de comando é menor. Já nas estruturas longas, alongadas, a
amplitude é menor e a cadeia de comando é maior. No desenho
orgânico a estrutura é baixa pois prima-se pelo downsizing, pelo
achatamento. Já no desenho mecanicista as estruturas são altas e
alongadas pelo maior número de chefias, pelo maior número de
departamentos, pois não se procurava o acachapamento.
Os conflitos podem ser emocionais e substantivos. Os emocionais
são relacionados a aspectos emocionais e afetivos, já os substantivos
são relacionados à tarefa. Um conflito é substantivo quando existe
algum desentendimento sobre algo concreto, como recursos escassos,
objetivos antagônicos. Um exemplo de conflito substantivo é a
divergência de ideias. O conflito é necessário até certo ponto na
organização pois apoiam as metas da empresa e produzem criatividade
(Conflitos funcionais). O conflito disfuncional, pelo contrário, é aquele
que interfere no desempenho, sendo prejudicial à organização. Ele
acontece quando o nível de conflitos é muito baixo, gerando
acomodação, ou muito alto, gerando perda de tempo e esforço da
equipe.
Os passos para se formarem grupos de pessoas são formação,
tormenta, normalização, desempenho e interrupção. A interrupção é o
último passo para a formação de grupos somente quando houver. A
formação (forming) é o estágio inicial, caracterizado por uma grande
dose de incerteza. O segundo passo é a tormenta ou atrito (storming).
Na fase do atrito os indivíduos já reconhecem o grupo mas demonstram
resistência em relação aos limites da individualidade. O terceiro passo é
a normatização ou normação (norming), onde começa a haver coesão
no comportamento do grupo. Na penúltima fase (desempenho ou
perform umance), o grupo está coeso e a sua energia é analisada nas
tarefas. Na última fase, a da interrupção (adjourning/transferring) como
grupo será dissolvido podem surgir sentimentos conflitantes dentro do
grupo.
O auditor deve excogitar, acertadamente, que o código da
classificação institucional compõe-se de 5 dígitos, sendo os dois
primeiros reservados à identificação do órgão e os demais à unidade
orçamentária. A classificação institucional é aquela que representa a
estrutura orgânica administrativa como correspondente a 2 níveis: órgão
e unidade orçamentária. A classificação institucional é a mais antiga. Por
exemplo, o MEC é o órgão orçamentário (02) dígitos e a autarquia é a
unidade orçamentária(03 dígitos). Assim, uma autarquia federal
subordinada ao MEC é considerada uma unidade orçamentária com 03
dígitos. A classificação institucional deve estar no estro de todo auditor.
TGA. Teoria Geral da Administração Matriz GUT: a matriz GUT analisa
a gravidade, urgência ou tendência de algum fenômeno administrativo.
Na gravidade (G), analisa-se a intensidade ou impacto que o problema
pode causar. Dos três indicadores da matriz GUT esse é o mais
importante, pois mesmo que ele não tenha urgência elevada (U), nem
tendência alta (T), se ele tiver gravidade (G) o fenômeno deve ser
tratado com profunda relevância, pois se ele não for solucionado ele terá
intensidade e impacto bastante relevantes. Um problema grave pode
fazer com que uma empresa pública ou privada entre em falência. A
urgência é analisada pela pressão do tempo que existe para solucionar
dado fenômeno administrativo. A urgência (U) leva em consideração o
prazo para se resolver determinado problema e responde à pergunta
“isso pode esperar”?. Se algum prazo é definido por lei ele é
considerado urgente. A tendência é a probabilidade do fenômeno se
tornar maior com o passar do tempo. Na tendência busca-se responder
à pergunta “se eu não resolver isso hoje, o problema vai piorar aos
poucos bruscamente?”. A matriz GUT estabelece um cálculo onde se
multiplicam os indicadores de gravidade, urgência e tendência, e depois
se listam os problemas do maior para o menor, tomando por base o
resultado obtido na pontuação. O custo da não adoção de ação ou
ações corretivas a um problema identificado e o tempo que levará para
implementar essa ação corretiva são fatores considerados no uso dessa
ferramenta. A matriz GUT também é conhecida como Matriz de
Prioridade e serve para tomar decisões complexas em face de vários
problemas. Na matriz GUT as ações são estabelecidas na ordem
decrescente dos resultados finais obtidos. Na matriz GUT os problemas
são estabelecidos dos mais graves (maior pontuação) para os menos
graves(menor pontuação). O custo da não adoção de uma ação
corretiva é um aspecto considerado no impacto (fator gravidade), porém
o tempo necessário para implementar essa ação corretiva seria o prazo
(urgência). A gravidade tem relação com a intensidade dos danos de
um problema; a urgência tem relação com a temporalidade da
eclosão dos danos causados por um problema e a tendência tem
relação com o desenvolvimento de um problema na ausência de
ação. Então a gravidade tem relação com a intensidade, a profundidade
dos danos que o problema pode causar se não se atuar sobre ele; a
urgência tem a ver com o tempo para a eclosão dos danos ou resultados
indesejáveis se não se atuar sobre o problema e a tendência tem a ver
com o desenvolvimento que o problema terá na ausência de ação.
Na estrutura linha-staff, as atividades fim da organização são
consideradas como de linha, e o resto das atividades é considerada
como staff. As atividades de linha estão diretamente ligadas ao objetivo
básico da organização, já as de staff são ligadas indiretamente a eles.
Todos os órgãos que executam atividades fim da organização são de
linha, todas as demais atividades que não sejam as atividades fim são
staff.
Para as estruturas funcionais especialização é a palavra chave.
Ela permite economias de escala e simplifica a coordenação, está
orientada para metas internas e o foco não é o cliente. Especialização,
divisão do trabalho, comunicação direta e subordinação múltipla estão
presentes na funcional.
Os Estados e Municípios encaminharão suas contas ao Poder
Executivo nos seguintes prazos: os municípios até 30 de abril e os
estados até 31 de maio. Inteligência do art. 51 da lei de
responsabilidade fiscal, no seu parágrafo primeiro. Esses prazos devem
estar na mente do auditor.
A estrutura organizacional não está diretamente ligada à cultura
organizacional, mas à estratégia organizacional. A estrutura
organizacional envolve aspectos físicos, humanos, financeiros, jurídicos,
administrativos e econômicos. A estrutura organizacional causa impacto
na cultura organizacional, mas não está diretamente ligada a ela.
Outsourcing é a terceirização utilizada pelas empresas, onde uma
empresa privada ou governamental transmite a outra suas atividades
meio, proporcionando mais disponibilidade de recursos para a atividade-
fim.
A renúncia de receitas compreende anistia, remissão, subsídio,
crédito presumido, concessão de isenção em caráter não geral. Esse
trecho da LRF é muito usado em direito tributário. Isso acontece porque
direito financeiro e tributário estão imbricados. Além da anistia,
remissão, crédito presumido, concessão de isenção em caráter não
geral, deve-se excogitar que a alteração de alíquota ou modificação de
base de cálculo que implique redução discriminada de tributos ou
contribuições também é considerada renúncia de receitas.
Segundo os mandamentos da qualidade total de Deming a
empresa não deve aceitar erros. Os mandamentos são total satisfação
do cliente, gerência participativa, desenvolvimento dos recursos
humanos, constância de propósitos, aperfeiçoamento contínuo, gerência
de processos, delegação, disseminação de informações, garantia da
qualidade e não aceitação de erros. Não se deve cair no paralogismo de
que a não aceitação de erros nada tem a ver com Deming, pois nos
seus mandamentos da qualidade total, que não devem ser confundidos
com os seus 14 princípios, Encontra-se a não aceitação de erros.
A reserva de dotação orçamentária para um fim específico
representa a garantia ao credor de que existe crédito orçamentário
disponível e suficiente para atender à despesa objeto do contrato. O
empenho é o primeiro estágio da despesa e consiste na reserva de
dotação orçamentária para um fim específico. O empenho é assinado
pelo ordenador de despesa e pelo gestor financeiro. Já o empenho da
despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o
estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de
condição. A reserva de dotação orçamentária para um fim específico
representando a garantia ao credor de que existe crédito, o empenho
como reserva de dotação orçamentária para um fim específico, a
assinatura do empenho pelo ordenador de despesas e pelo gestor
financeiro, devem estar no estro de todo auditor público.
Modelos de estilo decisório: o modelo que envolve alta tolerância a
incertezas e forma de pensamento racional é o analítico; O modelo que
envolve alta tolerância a incertezas e forma de pensamento intuitivo é o
conceitual; o que envolve baixa tolerância a incertezas e forma de
pensamento racional é o diretivo; o modelo que envolve baixa tolerância
a incertezas e forma de pensamento intuitivo é o comportamental. Se a
forma de pensamento for a racional pode ser analítico ou diretivo; se a
forma de pensamento for intuitiva pode ser conceitual ou
comportamental. Se houver alta tolerância a incerteza pode ser
conceitual ou analítico. Já se houver baixa tolerância a incerteza pode
ser diretivo ou comportamental.
As receitas do Governo Federal podem ser primárias ou não-
primárias (financeiras). As receitas primárias são predominantemente
receitas correntes. Como receitas correntes, elas podem ser tributos,
contribuições sociais, concessões, dividendos recebidos pela União,
cota-parte das compensações financeiras, doações e convênios. O
Resultado Primário é a diferença entre as receitas primárias e despesas
primárias. As receitas primárias, podendo ser tributos, contribuições
sociais, concessões, dividendos recebidos pela União, doações e
convênios, tambêm devem estar na mente do auditor. Existem receitas
de capital primárias como as decorrentes de alienação de bens e
transferências de capital. Porém as receitas primárias são
predominantemente receitas correntes, com exceção dos juros.
A reserva de dotação orçamentária para um fim específico
representa a garantia ao credor de que existe crédito orçamentário
disponível e suficiente para atender à despesa objeto do contrato. O
empenho é o primeiro estágio da despesa e consiste na reserva de
dotação orçamentária para um fim específico. O empenho é assinado
pelo ordenador de despesa e pelo gestor financeiro. Já o empenho da
despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o
estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de
condição. A reserva de dotação orçamentária para um fim específico,
representando a garantia ao credor de que existe crédito, o empenho
como reserva de dotação orçamentária para um fim específico, a
assinatura do empenho pelo ordenador de despesas e pelo gestor
financeiro, devem estar no estro de todo auditor público.
Os princípios que constam no artigo segundo da lei 4.320 são unidade,
universalidade e anualidade. A Lei do Orçamento conterá a
discriminação da receita e da despesa de forma a evidenciar a política
econômica financeira e o programa de trabalho do governo. Vede que a
anualidade está contida no artigo segundo.
Segundo Chiavenato as principais variáveis estruturais de um
grupo são liderança formal, papéis, desempenho de papel, normas,
status do grupo, tamanho, composição e grau de coesão.Os papéis
delimitam quem fará o que no grupo; a liderança formal é aquela
registrada, diferentemente da informal. A liderança formal tem a ver com
a autoridade formal. O desempenho de papel tem a ver com o que e
como cada papel será desempenhado e a melhor forma de o fazer. As
normas são aquelas cogentes na empresa que influenciam o grupo. A
norma é uma importantíssima variável estrutural do grupo.O status do
grupo é uma variável estrutural do grupo que informa o grau de
importância do grupo, já o tamanho implica em como o grupo trabalhará
de acordo com seu tamanho.
O princípio da unidade orçamentária afirma que cada ente terá um
só orçamento, cada ente terá seu próprio orçamento. Pelo princípio da
universalidade o orçamento deverá conter todas as receitas e despesas
referentes ao ente público. Pelo princípio da anualidade o orçamento
deve ser elaborado para um período de um ano. Na verdade o princípio
da anualidade se confunde com o exercício financeiro. Existia, na
constituição de 1946 a anualidade tributária. Porém, hoje não se pode
falar de anualidade tributária, mas sim de anualidade orçamentária. O
princípio da anualidade tributária exigia que além da anterioridade
tributária a necessidade de autorização orçamentária. Vede leitor como
as matérias estão imbricadas. Hoje não mais existe a anualidade
tributária, mas permanece a anualidade orçamentária onde o orçamento
deve ser elaborado para o período de um ano. O princípio da
publicidade também é um princípio orçamentário. Reconhecido também
no direito administrativo, o princípio da publicidade também entra em
cena no direito financeiro. A impessoalidade, doutro lado, configura um
princípio balizador do direito administrativo, e não do orçamento público.
As operações desconsideradas pela lei orçamentária anual são as
operações de crédito por antecipação de receita, as emissões de papel
moeda e outras entradas compensatórias no ativo e passivo financeiro.
As leis de orçamento não consideram tais operações, por isso são extra
orçamentárias. As receitas extra orçamentárias também devem estar no
estro de todo gestor confiável.
Quem orientará a elaboração da LOA é a LDO. A LDO tem não só
a finalidade importantíssima de orientar a elaboração da LOA, mas
também de orientar a execução do orçamento. O modus operandi de
cada peça orçamentária será orientado, norteado pela LDO.
A lei de responsabilidade fiscal disporá sobre operações de
câmbio realizadas por órgãos e entidades da União, dos Estados, do DF
e dos Municípios.
São vedados a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo
ou despesa, exceto se forem destinados para as ações e serviços
públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino, para
realização de atividades de administração tributária e a prestação de
garantia às operações de crédito por antecipação de receita. É permitida
a destinação vinculada de impostos, como o IPTU, para prestação de
garantia ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para
com esta.
Os controles burocráticos baseiam-se em normas e regulamentos
bastante rígidos e adotam a estrutura funcional, com grande número de
cargos de chefias. A estrutura funcional deu origem a matricial. A
estrutura funcional é muito utilizada em organizações com altas
exigências técnicas. Quanto mais técnica a organização mais ela
precisará de fazer uso da estrutura funcional. A estrutura funcional
promove o aperfeiçoamento, facilita a especialização nos escalões
hierárquicos superiores, facilita o trabalho em equipe e a formação de
equipes, possui boa coordenação intradepartamental, a direção e o
controle é feita pela cúpula, dá maior flexibilidade, valoriza os
especialistas e promove o uso eficiente dos recursos e economia de
escala.
O Quadro de Recursos e de aplicação de capital abrange no
mínimo um triênio, é aprovado por decreto do executivo e conterá
receitas e despesas de capital. O Quadro de Recursos de Capital
conterá receitas e despesas de capital e será reajustado anualmente,
acrescentando previsões de mais um ano. A cada bimestre, será
efetuada a limitação de empenho e movimentação financeira, ao se
verificar que a execução da despesa comprometerá o resultado
primário. O resultado primário é importante pois ele indicará se vai haver
limitação de empenho e movimentação financeira. Observar que a
limitação de empenho e movimentação financeira nada tem a ver com o
contigenciamento das cotações e o bloqueio de disponibilidade
financeira.
A assunção de obrigações, sem autorização orçamentária, com
fornecedores para pagamento a posteriori de bens ou serviços. Não
pode o ente público receber mercadorias ou produtos, antecipadamente,
diferindo o pagamento,sem que isso não esteja previsto na LOA. Se não
estiver prevista na LOA a assunção de obrigações com fornecedores
será equiparada a uma operação de crédito vedada pelo poder público.
O recebimento antecipado de valores de empresas em que o ente
detenha, direta ou indiretamente, a maioria do capital social com direito
a voto equipara se a operações de crédito, porém são vetadas.
O recebimento antecipado de valores de empresas em que o
poder público detenha, direta ou indiretamente, a maioria do capital
social com direito a voto equipara se a operações de crédito vedadas.
No entanto, o recebimento antecipado de valores de empresas em que o
poder público detenha a maioria do capital social com direito a voto que
envolva lucros e dividendos é permitido. A contrariu sensu o
recebimento antecipado de valores de empresas em que o poder público
não detém a maioria do capital social com direito a voto é permitido, o
que pode gerar margem a ilicitudes. Não pode o ente público captar
recursos tributários antecipadamente, sem que o fato gerador tenha
ocorrido. Se isso acontecer, se o ente público não esperar o fato gerador
para cobrar um tributo, a operação é vedada e será equiparada a uma
operação de crédito.
A assunção direta de compromisso ou confissão de dívida com
fornecedores mediante emissão, aceite ou aval de título de crédito é
terminantemente vedada. Se for utilizado emissão, aceite ou aval na
assunção direta de compromisso, o que ocorrerá será uma operação de
crédito por equiparação. No entanto, a proibição de assunção direta de
compromisso mediante aceite, emissão ou aval de título de crédito não
se aplica às estatais dependentes.
O recebimento antecipado de valores de empresa em que o ente
público detenha a maioria do capital social com direito a voto, salvo
lucros e dividendos, foi o impedimento na qual Dilma Rousseff tropeçou.
As saídas compensatórias no ativo e passivo financeiro são
despesas extra orçamentárias. O pagamento de restos a pagar é
considerada despesa extra orçamentárias. O pagento de restos a pagar
é despesa extra orçamentária mas o de despesa de exercícios
anteriores não é. Item, a devolução de recursos de terceiros, que são as
cauções ou depósitos, são despesas extra orçamentárias. Item o
recolhimento de consignações e retenções, juntamente com o
pagamento de AROs são despesas extra orçamentárias. Por fim, o
pagamento de salário família, salário maternidade e auxílio natalidade
consideram se despesas extra orçamentárias. Ou seja, o pagamento de
benefícios previdenciários são despesas extra orçamentárias.
Na lei 4320 o controle interno é feito pelo poder executivo, já o
controle externo será feito pelo poder legislativo. Isso está acertado nos
art 75 e 76 da lei 4320, que estão no capítulo II do controle interno.
O único crédito que pode ser previamente autorizado na LOA é o
suplementar. Os créditos podem ser suplementares, especiais e
extraordinários. O único que pode ser autorizado na LOA é o
suplementar. Os créditos especiais e extraordinários não podem ser
autorizados na LOA mas em lei específica.
O orçamento programa preocupa-se com os custos dos
programas, a fim de garantir o atingimento de objetivos e metas. Para
garantir a alocação de recursos que visam atingir objetivos e metas o
orçamento programa se utiliza de indicadores de medição de resultados.
É errado excogitar que o orçamento programa não se preocupa com os
custos dos programas, pensando equivocadamente que quem se
preocupa com custos é só o orçamento tradicional. Conclui-se que o
orçamento programa também se preocupa com custos, mas custos do
programa. O orçamento tradicional tinha como ênfase o objeto de gasto
e tinha como foco avaliar a honestidade dos agentes. A avaliação do
comportamento dos agentes na legalidade e no cumprimento do
orçamento era foco do orçamento tradicional. Mais tarde, na auditoria de
compliance, o foco de coibir todo e qualquer tipo de desvio, avaliando o
comportamento dos agentes e a legalidade no cumprimento do
orçamento, será transferido do orçamento tradicional para o compliance.
Quem tinha como foco o resultado do gasto ou o objeto do gasto era o
orçamento tradicional.
O suprimento de fundos será após a liquidação do empenho, pois
a entrega do numerário ao suprido será mediante definição de limite de
utilização no Cartão do Pagamento do Governo Federal, após a
liquidação de empenho. No entanto, o art. 68 afirma que o suprimento
de fundos ou regime de adiantamento consiste na entrega de numerário
a servidor, sempre precedido de empenho. Conclui-se que o suprimento
de fundos ocorre após o empenho e após a liquidação. Além disso, não
será feito o suprimento de fundos a servidor responsável por dois
suprimentos de fundos, cujo prazo para prestação de contas ainda não
venceu. Também não será concedido suprimento de fundo a
responsável por suprimento que ainda não prestou contas de sua
aplicação. A restituição do dinheiro concedido por suprimento de fundos
será por meio de anulação da despesa, se a restituição ocorrer no
mesmo exercício financeiro da concessão ou será receita orçamentária
se a restituição ocorrer após o fim do exercício.
As outras despesas correntes são aquelas com aquisição de
material de consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções,
auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da
categoria econômica “Despesa Corrente”. Tambêm os juros, as multas,
as indenizações, o recebimento de dívida ativa, as restituições e a
alienação de bens apreendidos são outras despesas correntes.
As diárias são indenizações, a LRF só considera os vencimentos,
as vantagens(fixas ou variáveis), os subsídios, proventos de
aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, gratificações,
horas extras e vantagens pessoais de qualquer natureza, bem como
encargos sociais e contribuições recolhidas pelo ente à previdência.
A LOA define as prioridades contidas no PPA e as metas que
deverão ser atingidas naquele ano, já a LDO define as metas e
prioridades para o ano seguinte. Definir Metas e Prioridades para o
exercício seguinte, orientar a elaboração da LOA, dispor sobre
alterações na legislação tributária e estabelecer a política de aplicação
das agências financeiras oficiais de fomento. Sintetizando a LDO não é
para o ano corrente, mas para o seguinte.
É escorreito dizer que a LOA conterá todas as receitas e despesas
prevista do ano civil, pois a lei 4.320 de 1964 considera o exercício
financeiro (ano civil). O exercício social é o ano civil, o que diferencia
muito da lei das S.A. O princípio da univeralidade estabelece que todas
as receitas e despesas devem ser previstas na LOA. Apesar disso a
despesa é fixada e não prevista. Já a receita é sempre prevista. Só no
princípio da universalidade a despesa é prevista. A consequência legal
da inclusão de uma despesa no orçamento público é diferente da
consequência legal da inclusão de uma receita no orçamento.
Entende-se por excesso de arrecadação, considerando a lei 4.320
de 1964, o saldo positivo das diferenças entre a arrecadação prevista e
a realizada. O saldo positivo das diferenças entre a arrecadação prevista
e a realizada é computado mês a mês. Além de ser computado a cada
mês (mês a mês), o saldo resultante da diferença entre o previsto e o
realizado considerará a tendência do exercício.
Operação Especial é aquela que não contribui para a manutenção,
expansão ou aperfeiçoamento de um serviço: ressarcimentos,
indenizações e restituições. Projetos são operações limitadas no tempo
(construções de prédios) e atividades são instrumentos usados para
alcançar o objetivo de um programa (atenção à saúde bucal).
As receitas de transferências voluntárias são classificadas quanto
a origem em transferências correntes ou transferências de capital. As
receitas de transferências voluntárias não são oriundas de operações de
crédito, podendo ser de transferências correntes ou transferências de
capital a depender do caso. Já as receitas de arrecadação próprias são
os tributos, contribuições sociais, serviços, indústrial e Agropecuárias.
As receitas de transferências constitucionais podem ser transferências
correntes ou de capital.
A autorização para abrir créditos suplementares até determinada
importância, constante da LOA, é outorgada ao Poder Executivo
somente. A regra de que a ARO somente realizar-se-á a partir do
décimo dia do início do exercício é uma exigência e não autorização.
Dizer que a autorização para realizar operações de crédito por
antecipação de receita ocorrerá a partir do décimo dia do início do
exercício está errado. Devem ser excluídas da previsão das receitas
entradas do tipo compensatórias, como por exemplo, retenções e
consignações. Como visto alhures não se consideram na previsão da
receita as emissões de papel-moeda, as operações de crédito por
antecipação de receita e outras entradas compensatórias no ativo e
passivo financeiro.
A função alocativa diz que o não funcionamento de mercado faz
com que o governo defina o tipo, a qualidade e a contribuição de cada
consumidor. O estado pode definir o tipo, a qualidade e a contribuição
do servidor na alocação de bens públicos, pois como o próprio governo
é quem oferta o serviço, ele define seus parâmetros. A função
estabilizadora não atuará diretamente no mercado. Não pode a função
estabilizadora fazer com que o mercado flutue de maneira rápida e
ríspida, mas somente que o governo procura manter a economia em
condições adequadas, controlando a inflação, gerando empregos, mas
não atuando diretamente no funcionamento do mercado. Na função
distributiva a ideia é de que haja contribuição para sustentar a economia
e por isso não pode o estado isentar os indivíduos de impostos. Na
função alocativa o governo atua onde o setor privado não pode atuar ou
não tem interesse de atuar. Entra o estado como empresa determinando
a produção de bens públicos, fazendo as vezes das empresas privadas.
A função distributiva tem a ideia de que haja uma perfeita distribuição de
renda, por isso não pode o estado tributar mais os impostos diretos para
que isso ocorra. Os impostos diretos, como o IR, não podem ser
majorados para que a função distributiva seja efetivada.
O princípio da unidade afirma que todas as receitas e despesas
devem estar contidas numa só lei orçamentária. O princípio da unidade
está no art. 2 da lei 4.320 de 1964. Unidade: o orçamento deve ser uno,
isto é, deve existir apenas um orçamento. No princípio da Totalidade há
coexistência de múltiplos orçamentos que devem ser consolidados. O
princípio da unidade, em que todas as despesas e receitas devem estar
contidas numa só lei tem a ver com o princípio da totalidade.
Além do crédito suplementar já autorizado na LOA pode-se
autorizar novo crédito suplementar, com autorização legislativa havendo
recursos disponíveis (uma lei de crédito adicional suplementar será
editada, integrando-se a LOA). Crédito suplementar é para reforçar
dotação já existente. Geralmente a LOA prevê um limite máximo de
crédito adicional pré-aprovado. Se esse montante for insuficiente pode
uma lei autorizar novo crédito suplementar. Se na LOA, por exemplo,
existe autorização de abertura de créditos adicionais até o limite de 25%
do orçamento, mas ocorre uma autorização para nova suplementação
de crédito, alegando que os 25% de limite de crédito adicional é
insuficiente, a autorização concedida pelo Poder Legislativo para nova
suplementação de crédito é válida e eficaz. Deve-se obter autorização
do Poder Legislativo por meio de Projeto de Lei de sua iniciativa para
nova suplementação de crédito.
Lei 4.320 de 1964. Despesas de Custeio: Pessoal Civil, Pessoal
Militar, Material de Consumo, Serviços de Terceiros e Encargos
Diversos. Transferências Correntes: Subvenções sociais, Subvenções
Econômicas, Inativos, Pensionistas, Salário Família e Abono Familiar,
Juros da Dívida Pública, Contribuições de Previdência Social Diversas e
Transferências Correntes. A compra de um imóvel pela prefeitura para a
instalação de um órgão é considerada inversão financeira, se não
houver aumento de capital. A amortização da dívida será despesa de
capital e os juros e encargos da dívida são despesas correntes.
Existem orçamentos tradicionais e orçamentos modernos. Quanto
a forma de elaboração os orçamentos podem ser tradicionais ou
modernos. Os orçamentos modernos são o orçamento programa e o
orçamento de desempenho. Os tradicionais são o incremental e o
tradicional, os demais são modernos. Quanto a forma de alocação de
recursos o orçamento pode ser incremental ou base zero. Quanto a
competência o orçamento pode ser executivo, legislativo e misto.
A LDO estabelecerá a política de aplicação das agências
financeiras oficiais de fomento, de acordo com a CF. A LDO não contém
reserva de contingência, somente vai regular a forma de utilização e
montante da reserva de contingência. Somente a forma de utilização,
como a reserva de contingência será utilizada é que é estabelecida pela
LDO. Quem contém a reserva de contingência é a LOA. Cada ente
possuirá seu próprio plano plurianual: os municípios possuem seu
próprio plano plurianual e a União tem um plano plurianual distinto.
Há quem entenda, baseado no Art. 165 da CF que a integração
entre planejamento e orçamento é feita pelo PPA. Porém, o
entendimento majoritário é que quem faz a integração entre
planejamento e orçamento, nos termos do Art. 165 da CF de 1988 é a
LDO.
A apresentação, o montante e a forma de utilização da reserva de
contingência são conteúdos tanto da LOA como da LDO. A
apresentação pertence a LOA e a forma de utilização e montante
pertence a LDO.
O anexo de metas fiscais estabelecerá metas anuais, em valores
correntes e constantes, relativos a receitas, despesas, resultado nominal
e primário e montante da dívida pública. As metas anuais estabelecidas
em valores correntes e constantes, relativos a receitas, despesas, serão
para o exercício a que se referirem e para os dois seguintes. A lei de
diretrizes orçamentárias pode estabelecer regras no caso de execução
provisória de orçamento não aprovado. Suponha que um projeto,
embora apreciado e apresentado, tenha sido rejeitado. Nesse caso a
LDO pode estabelecer regras no caso de execução provisória de
orçamento não aprovado. Somente a LOA pode ser rejeitada, pois o
PPA e a LDO não podem ser preteridos.
A fonte dos indicadores corresponde ao órgão responsável pelo
registro e não as receitas. Os indicadores são conjuntos de parâmetros
que permitem acompanhar a evolução de um programa . A fonte nada
tem a ver com as receitas. O detalhamento dos fluxos de entrada de
recursos e pagamentos é consubstanciado, após a aprovação da LOA,
na programação financeira, que compreende um conjunto de atividades
objetivando ajustar o ritmo de execução do orçamento ao fluxo provável
de recursos financeiros.Se fala da programação e cronograma de
desembolso porque são fluxo de recursos, representando uma
perspectiva financeira.
Os Restos a Pagar integram a dívida flutuante e não a dívida
fundada ou consolidada. Além dos restos a pagar constam os serviços
da dívida a pagar, os depósitos e os débitos de tesouraria.
Art. 92 A Dívida flutuante compreende:
I - os Restos a pagar, excluídos os serviços da dívida;
II- os Serviços da Dívida a Pagar
III- os depósitos;
IV- os débitos de tesouraria
D dívida flutuante é aquela inferior a 12 meses, não se
confundindo com a dívida fundada ou consolidada que é aquela superior
a 12 meses.
A identificação por meio do plano orçamentário detalha o
localizador de determinado gasto para efeito de acompanhamento físico
e financeiro. O plano orçamentário é de máxima importância, sem ele
não se alcança a excelência, definida como o máximo que se pode
oferecer à sociedade. O plano orçamentário permite o acompanhamento
físico e financeiro por meio do detalhamento de determinado gasto e da
localização do dispêndio. No MTO de 2019, pág. 37, o Plano
orçamentário (PO) é uma identificação orçamentária, de caráter
gerencial(não constante da LOA), que tem a finalidade de permitir que,
tanto a elaboração do orçamento quanto o acompanhamento físico e
financeiro de execução ocorram num nível mais detalhado do que o
subtítulo/localizador do gasto. O plano orçamentário é obrigatório em
ações orçamentárias que necessitem de um acompanhamento intensivo
e é de caráter gerencial, não constando na LOA, sendo opcional na
maioria dos casos.
As despesas com pessoal do Distrito Federal e as despesas com
pessoal dos Estados do Amapá e Roraima, custeadas com recursos
transferidos pela União, não serão computadas para aferir se a despesa
total com pessoal não excedeu o percentual de 50% da receita corrente
líquida, no caso da União.
Classificação da Despesa:
C.G.MM.EE.DD
Categoria Econômica - 1 dígito;
Grupo de Natureza da Despesa com 1 dígito,
Modalidade de aplicação, com 2 dígitos
Desdobramento facultativo da despesa com dois dígitos.
O princípio da totalidade deriva do princípio da unidade. Na
totalidade todas as receitas previstas e despesas fixadas devem integrar
um único documento legal, e no da unidade o orçamento deve ser uno,
deve existir apenas um orçamento e não mais de um para cada ente da
federação. Muitas vezes o princípio da totalidade é sinônimo do princípio
da unidade. Segundo o princípio da descentralização a execução das
ações orçamentárias deve ocorrer o mais próximo possível dos seus
beneficiários, devendo existir proximidade entre o cidadão, beneficiário
da ação, e a unidade administrativa que a executa. As exceções ao
princípio da exclusividade são somente a abertura de créditos
suplementares e operações de crédito, ainda que por antecipação de
receita (ARO). Pelo princípio da programação a ação administrativa do
Poder Público deve obedecer a programas gerais, setoriais e regionais
de duração plurianual.
A função Encargos especiais integra o orçamento e não o plano
plurianual. A função encargos especiais é aquela que abrange despesas
que não possuem bens ou serviços associados. Por não serem
associadas a bens ou serviços gerados no processo produtivo corrente
representam uma agregação neutra. As funções encargos especiais são
relacionadas a ações do tipo operações e constam apenas na lei
orçamentária anual; são funções operacionais, não constando no plano
plurianual, o nível estratégico orçamentário.As despesas decorrentes de
ações judiciais são exemplos perfeitos de operações especiais, na
medida que as ações judiciais não geram um produto ou serviço.
A LOA só é feita sobre a supervisão do PPA e da LDO. Porém, a
aprovação da LOA não está condicionada à aprovação do PPA. Pode
ser que uma LOA seja aprovada e o PPA não seja aprovado. Os dois
projetos são enviados até a mesma data, e não faz sentido condicionar
a aprovação da LOA à do PPA.
Conforme o art. 82 da lei 4.320 O Poder Executivo prestará contas
ao Poder Legislativo anualmente, nos prazos estabelecidos nas
constituições ou leis orgânicas dos municípios.
A lei orçamentária anual é uma lei ordinária. Toda lei ordinária é
cogente, como regra. Porém, a LOA não é imperativa, é uma faculdade.
Por isso, o orçamento é uma lei especial. Ser lei especial implica ser lei
formal (não coercitiva), apenas autorizativa de gastos.
Se a programação de uma empresa consta no Orçamento Fiscal
ou no Orçamento da Seguridade Social, ela não integrará a
programação do orçamento de investimento. Inteligência da lei 13.408
(LDO) no seu artigo 42.
Nunca deve-se esquecer que no art. 165 §1, consta que no PPA
devem estar abrangidos todos os programas de duração continuada.
Além disso, quem cuida das diretrizes objetivos e metas da
administração pública federal é o PPA.
No que diz respeito aos atos formais de planejamento, a LRF obriga
elaborar o Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias
(LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA).No entanto, o PPA aparece em
alguns dispositivos da LRF, como, por exemplo: A lei orçamentária não
consignará dotação para investimento com duração superior a um
exercício financeiro que não esteja previsto no plano plurianual ou em lei
que autorize a sua inclusão, conforme disposto no § 1° do art. 167 da
Constituição (art. 5°, § 5°, da LRF).

Assim, no que se refere à elaboração do PPA, o planejamento


governamental também foi afetado pela aprovação da LRF, mesmo com
o veto do principal artigo.

Realmente, a LRF estabelece limites para gastos com pessoal, mas não
diz nada sobre percentual da dívida consolidada líquida, pelo contrário,
ela transfere para o senado essa competência.

Obs: O limite de endividamento da divida pública consolidada líquida é


de 1,2 vezes a receita corrente liquida para Município, e 2 vezes para os
Estados, mas não está disposto na LRF e sim na Resolução do Senado
Federal nº 40 e 43.
Princípios da LRF : Planejamento, transparência, controle e
responsabilização

É o PPA que olha para as despesas de caráter continuado.


Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:

I - o plano plurianual;

II - as diretrizes orçamentárias;

III - os orçamentos anuais.

§ 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de forma


regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração pública
federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as
relativas aos programas de duração continuada.
Art. 4º - A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2o do
art. 165 da Constituição e:

III - definirá limites e condições para a expansão das despesas


obrigatórias de caráter continuado referidas no art. 17."

Razões do veto

"O art. 17 do projeto de lei complementar já estabelece as regras para a


expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado. Por outro
lado, se as despesas já foram legalmente definidas como sendo
"obrigatórias", não há que se estabelecer limites e condições para a sua
expansão. Portanto, em face da contradição que apresenta a redação
do dispositivo em questão, sugere-se oposição de veto a ele, por
contrariar o interesse público."
O dispositivo legal que define limites e condições para a expansão das
despesas obrigatórias de caráter continuado é a LRF, em seu artigo 17.
Se determinado ente da Federação precisar estipular um limite para a
expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado, então a
matéria deverá ser incluída no anexo de metas fiscais da lei de diretrizes
orçamentárias.
Na LOA , devem-se discriminar os programas temáticos por esfera
orçamentária. A classificação por esfera orçamentária deve estar
discriminada na LOA. A classificação por esfera orçamentária se divide
em orçamento fiscal, da seguridade social e de investimento e, por isso
mesmo, deve ser discriminada na LOA.
Questão difícil. Defensoria Pública Estadual e Federal possuem
autonomia funcional e administrativa e iniciativa de proposta
orçamentária dentro dos limites estabelecidos apenas na LDO. Isso
ocorre porque essa inclusão como órgãos de autonomia orçamentário-
financeira ocorreram após a edição da LRF. Assim, as Defensorias
Públicas não possuem limites com despesas com pessoal expressos na
LRF, sendo Facultativo, por exemplo, preencher os demonstrativos do
RGF, previsto na LRF, que destacam as Despesas Total com Pessoal.
Mesmo em caráter de urgência, não é permitido iniciar programas
que não estejam incertos na LOA. Todo programa, sem exceção, tem
que estar na LOA. Porém é permitido iniciar despesas imprevisíveis não
inseridas na LOA.
O PPA e a LDO começam na iniciativa do Poder Executivo, logo
em seguida o Legislativo aprova para, por fim, o Executivo sancionar.
Isso chama-se orçamento misto: executivo elabora, legislativo vota e
aprova, executivo executa e legislativo controla.
Se a LDO autoriza a contratação de uma operação de crédito com
instituição financeira estrangeira, com a finalidade de equilibrar as
necessidades de gasto (função precipuamente da LDO), a LDO não
estará tratando de matéria alheia às suas finalidades, pois a contratação
de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, é uma
exceção ao princípio da exclusividade. A princípio a LDO não versa
sobre operações de crédito, mas há a exceção no princípio
constitucional da exclusividade.
Iniciativa é o atributo que declara a entrega de bens e serviços à
sociedade, consoante a lei 12.593 de 2012. As iniciativas resultam de
coordenação de ações governamentais decorrentes ou não do
orçamento. A iniciativa é quem declara a entrega de bens à sociedade
decorrentes de ações institucionais e normativas, bem como a
pactuação de entes federados.
O orçamento-programa é de escopo anual. Apesar do nome orçamento-
programa, não se pode excogitar, erroneamente, que o orçamento
programa tenha escopo plurianual. O orçamento-programa quantifica-se
como meta e representa o objetivo da ação pública, porém é de escopo
anual. O orçamento-programa de fato quantifica-se como meta e
representa o objetivo da ação pública, porém é de escopo ANUAL.
Segundo o decreto-lei 200 de 1967, no seu art. 16, em cada ano será
elaborado um orçamento programa, que pormenorizará a etapa do
programa plurianual a ser realizada no exercício seguinte.
O orçamento não se restringe a um documento de caráter contábil.
De acordo com técnicas orçamentárias modernas amplamente
referendadas o orçamento não é mais um documento contábil e
administrativo, passando a ser uma peça econômica. Os financiamentos
estão representados nas origens dos recursos, e os investimentos nas
aplicações de recursos (despesas).
O princípio do equilíbrio proíbe que sejam feitas operações de crédito
para pagar despesas correntes, mas operações de crédito para
investimentos é possível. O princípio do equilíbrio tem a ver com a regra
de ouro. Se o ente contratar operação de crédito para pagar despesa
corrente, ferirá o princípio do equilíbrio. Mas se ele contrata operação de
crédito para pagar um investimento não há que se falar em ofensa ao
princípio do equilíbrio.
No prazo de 90 dias após o encerramento de cada semestre, o
BACEN apresentará avaliação do cumprimento dos objetivos e metas
das políticas monetária, creditícia e cambial. Porém, os prazos do Poder
Executivo para demonstrar a avaliação do cumprimento das metas
fiscais de cada quadrimestre é até o final dos meses de maio, setembro
e fevereiro.Metade do percentual destinado ao orçamento impositivo
deverá ser necessariamente destinado às ações e serviços públicos de
saúde. Educação não.
O orçamento impositivo corresponderá a 1,2% (um inteiro e dois
décimos por cento) calculados sobre a receita corrente LÍQUIDA
prevista no projeto de lei orçamentária anual.
Obs: No novo regime fiscal as emendas individuais terão como limite o
valor de execução obrigatória do ano anterior corrigido pelo IPCA
apurado para o referido ano
d)As emendas de bancada apresentadas ao projeto de lei orçamentária
anual não se submetem às regras do orçamento impositivo. CORRETO,
o orçamento impositivo refere-se apenas as emendas INDIVIDUAIS.
Os restos a pagar poderão ser considerados para fins de cumprimento
da execução financeira relativa ao orçamento impositivo, no limite de até
50% do valor aplicado. (0,6% da receita corrente líquida)
A Emenda Constitucional não prevê exceção à execução do orçamento
impositivo, dada sua natureza imperativa errado
O orçamento impositivo corresponderá a 1,2% (um inteiro e dois
décimos por cento) calculados sobre a receita corrente LÍQUIDA
prevista no projeto de lei orçamentária anual.
Os restos a pagar poderão ser considerados para fins de cumprimento
da execução financeira relativa ao orçamento impositivo, no limite de até
50% do valor aplicado.
Tal orçamento preocupa-se com os custos dos programas, a fim de
garantir que a alocação de recursos atinja os objetivos e as metas. Para
tanto, utiliza indicadores para medir os resultados

teve seus princípios delineados pelo Decreto-Lei no 200/67 como


ferramenta para definição das ações homogêneas do governo
(FCC/2016
Tal orçamento preocupa-se com o resultado do gastonao se preocupa,
isto é, o que o governo faz é mais importante do que o que o governo
compra. Assim, o foco é o resultado de cada programa como medida da
realização governamental.
a LOA define as metas do ano corrente e a LDO define as metas para o
ano seguinte.

"A LOA define as prioridades contidas no PPA e as metas que deverão


ser atingidas naquele ano e todas as ações do Poder Executivo.
Nenhuma despesa pública pode ser executada fora do Orçamento."
(Fonte: http://transparencia.al.gov.br/portal/orçamento)

"Com base no PPA, que estabelece o plano para o período de 4 anos, e


na LDO, que define as metas e prioridade para o ano seguinte, é
elaborada a Lei
O projeto de lei orçamentária será acompanhado de demonstrativo
regionalizado do efeito, sobre as receitas e despesas, decorrente de
isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza
financeira, tributária e creditícia.
Em relação ao orçamento público no Brasil, de acordo com Portaria da
STN - Secretaria Tesouro Nacional, o instrumento de organização da
ação governamental que visa a concretização dos objetivos pretendidos
pela administração, sendo mensurado pelos seus indicadores,
denomina-se programa governamental.

§ 5º - A lei orçamentária anual compreenderá:


I - o orçamento fiscal
II - o orçamento de investimento
III - o orçamento da seguridade social,

§ 7º - Os orçamentos previstos no § 5º, I e II, (orçamento fiscal e de


investimento) deste artigo, compatibilizados com o plano plurianual,
terão entre suas funções a de reduzir desigualdades inter-regionais,
segundo critério populacional

ou seja, não é o orçamento da seguridade social que visa reduzir


desigualdades, mas o orçamento de investimento.

A LDO vem excluindo os fundos de incentivos fiscais da LOA. Esses


fundos passarão a ser apenas informações complementares ao projeto
de LOA. Já em 2009, a LDO, em seu art. 6., afirmava que os fundos de
incentivos fiscais passariam gradativamente, a ser meras informações
complementares ao projeto de LOA.
A lei que institui o PPA deve estabelecer, de forma regionalizada,
as diretrizes, objetivos e metas da administração pública federal para as
despesas de capital e outras delas decorrentes. Contudo, não existe um
modelo legalmente instituído para organização, metodologia e conteúdo
dos PPAs.
Assim, o erro da questão está em afirmar que as receitas dos estados,
do DF e do municípios destinadas à seguridade social constarão do
orçamento da União, o que vai de encontro ao disposto na CF/88,
art.195, §1º. O restante da questão está correto e corresponde ao §2º do
art.195.
Art.195
...
§ 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos,
não integrando o orçamento da União.
O Anexo de Metas fiscais é uma projeção da economia. Essa
projeção da economia objetiva impedir o crescimento da dívida pública.
O Anexo de Metas Fiscais é de suma importância para impedir a
aviltância da dívida pública. O anexo de metas fiscais ainda mostra
como o governo se comportou no último exercício em relação às metas
do resultado primário. Apesar do Anexo de Metas Fiscais ser elaborado
com base no exercício de referência e nos dois anteriores, ele traz a
Memória de cálculo dos 3 exercícios anteriores. O mês em referência
considera-se um exercício anterior, por isso ele é trienal. Ele também
indica as metas para os dois exercícios seguintes. Assim, ele deve
incluir metas fiscais para os três exercícios subsequentes ao do ano em
que foi aprovada. Se uma LDO foi aprovada em um ano (2020), deverá
incluir metas fiscais para o exercício a que se referir (2020) e para os
dois seguintes (2021 e 2022). O Anexo de Metas Fiscais também é útil
para a avaliação da situação financeira e atuarial dos regimes geral de
previdência social e próprio dos servidores públicos e do Fundo de
Amparo ao Trabalhador. Ele também é para os três exercícios
subsequentes ao do ano em que foi aprovado. Além da avaliação da
situação financeira e atuarial dos regimes geral de previdência social e
próprio dos servidores públicos, o anexo de metas fiscais também
contém a avaliação financeira e atuarial dos demais fundos públicos e
programas estatais de natureza atuarial.
No processo de elaboração orçamentária a meta de resultado
fiscal deve constar no Anexo de Metas Fiscais da LDO e tem por fim
garantir a redução gradual da relação dívida pública e produto interno
bruto. Além de almejar garantir a redução gradual da dívida pública e do
produto interno bruto, considera-se o montante necessário para a
recondução do endividamento público aos limites estabelecidos em
resolução do Senado Federal. O Anexo de Metas Fiscais também
conterá a margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter
continuado.
A LDO possui vigência de 18 meses (1 ano e um pouquinho…),
vigorando por mais de um exercício financeiro, traçando metas para
serem executadas pela LOA no exercício seguinte. Quem dá
continuidade ao plano de governo é o PPA e não a LOA.
Assim, as emendas ao projeto de LOA ou aos projetos de lei que
modifique a LOA precisam da total compatibilidade com o PPA e a LDO.
Sem essa compatibilidade a LOA não é aprovada.
Não existe competência concorrente entre o executivo e o
legislativo quanto à iniciativa do projeto de lei orçamentária, pois leis de
iniciativa do poder executivo estabelecerão o PPA, a LDO e a LOA.
A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), harmonizada com o Plano
Plurianual, compreenderá as metas e prioridades da Administração
Pública Municipal, incluindo as despesas de capital para o exercício
financeiro subsequente, e orientará a elaboração da lei orçamentária
anual. Programas de gestão de políticas públicas são diferentes de
programas finalísticos. Os programas finalísticos são programas que
resultam em bens e serviços ofertados diretamente à sociedade. Os
programas de gestão de políticas públicas abrangem as ações
relacionadas à formulação, coordenação, supervisão e avaliação de
políticas públicas.
De acordo com a Teoria dos dois fatores, os fatores higiênicos e
motivacionais são independentes e não vinculados entre si. Os fatores
motivadores ou intrínsecos têm relação com o trabalho em si e os
fatores de higiene têm relação com o ambiente. Os motivacionais ou
satisfacientes têm relação com o conteúdo desafiante do cargo, e os
insatisfacientes têm relação com o ambiente de trabalho, salário,
beneficicios, supervisão.
A comunicação por meio de rede ou em roda ou estrela
proporciona uma grande ênfase no líder, no gestor central. A
comunicação em rede é a mais rápida na influenciação de equipe. Nela
há um elo central na comunicação, onde o participante central pode
enviar e receber mensagens de todos os outros, mas esses não podem
se comunicar entre si, daí ela é centrada no líder gestor central.
A organização formal é conduzida pelas práticas estabelecidas
pela empresa, pelas especificações e padrões para atingir objetivos e
que podem ser modificados pela empresa. A formal tem um caráter
lógico em demasia.
A departamentalização por produto facilita a inovação nas linhas de
produtos e serviços. Um bom exemplo é o caso da empresa GE General
Eletric, que fabrica desde turbinas de avião a lâmpadas e outros
utensílios. A organização se dá em unidade independentes.
A departamentalização funcional é o critério mais utilizado na
administração, na qual se juntam todas as pessoas que executam as
mesmas tarefas em um só departamento. Os departamentos são
agrupados em Marketing, Finanças, Recursos Humanos, etc. Possui
como desvantagem a falta de coordenação entre os departamentos e é
indicada para ambientes estáveis. Seu ponto forte é o agrupamento de
especialistas ao mesmo tempo.
Na estrutura funcional existem linhas diretas de comunicação.Na
estrutura linear existem linhas formais de comunicação. A estrutura
funcional baseia-se em autoridade funcional ou dividida, linhas diretas
de comunicação, descentralização das decisões e ênfase na
especialização.
Há entendimento de que o organograma e o fluxograma definem a
estrutura organizacional para poder zelar pelas habilidades e pelos
desempenhos individuais do grupo. O organograma na verdade é o
gráfico que representa a estrutura formal e o fluxograma representa a
sequência de atividades dos processos. Segundo tal entendimento zelar
pelas habilidades e pelo desempenho dos grupos seriam finalidades do
organograma.
A estrutura linear baseia-se em autoridade linear ou única, linhas
formais de comunicação, centralização das decisões e aspecto
piramidal. A estrutura linear é inspirada em organizações militares e
centralizadas.
Falou em alocação temporária de recursos lembrar de
departamentalização de projetos. A departamentalização por processo é
algo contínuo e repetitivo, já a departamentalização por projeto é algo
que se findará e envolve a alocação temporária de recursos. Quando a
tecnologia sofre mudanças e altera o processo, a departamentalização
por processos encontra um ponto de inflexão. A departamentalização
por processos é intensamente ligada à tecnologia e ao produto/serviço
produzido por meio do processo.
Uma desvantagem da departamentalização geográfica é a
duplicidade de esforços e recursos. Por isso, a departamentalização
geográfica pode provocar maiores investimentos, por que há duplicidade
de pessoas, instalações e equipamentos. Além disso, os sistemas
internos precisam ser organizados de diferentes maneiras, conforme os
diferentes segmentos territoriais. Portanto, a complexidade e a
duplicação de recursos são verdadeiros entraves na
departamentalização geográfica. As palavras chave na
departamentalização funcional são especialização no trabalho e maior
estabilidade e segurança.A estrutura funcional lida melhor em ambientes
seguros e com pouca mudança.
A autoridade é alocada em pessoas que foram convidadas para
assumir cargos de chefia e sua relação de comando ocorre por meio de
hierarquia verticalizada. A cadeia de comando está baseada na
autoridade e unidade de comando.
O modelo de organização orientado para projetos envolve o
atendimento especializado e criação de soluções inovadoras. Apesar da
departamentalização funcional focar na especialização, a por projetos
também foca no atendimento especializado. Além disso, a por projetos
baseia-se na inovação.
Quando os departamentos se responsabilizam integralmente pelos
serviços prestados temos a estrutura da departamentalização divisional.
Os departamentos são autossuficientes, na divisional, além disso,
devido à independência existente entre os departamentos, eles passam
a se responsabilizar integralmente pelos serviços prestados. A
independência gera duplicidade de esforços, mas faz com que os
departamentos se responsabilizem integralmente pelos serviçoes
prestados.
Uma das principais caracterísiticas da departamentalização
funcional é ter tarefas interdependentes.Tarefas interdependentes é
bastante diferente de tarefas independentes. Na departamentalização
funcional as tarefas são interdependentes. Apesar de a comunicação
interdepartamental ser deficitária, na departamentalização funcional
temos tarefas interdependentes. A boa comunicação intradepartamental
é que leva à melhor comunicação de tarefas, às tarefas
interdependentes.
A departamentalização matricial possui dualidade de comando.
Enquanto a funcional possui unidade de comando. Isso acontece porque
a departamentalização matricial é a fusão da estrutura funcional e da
estrutura divisional.
Os principais elementos da estrutura organizacional são
hierarquia, departamentalização, cadeia de comando centralização e
descentralização, amplitude de controle, autoridade e responsabilidade,
comunicação e sistema de coordenação.
Do topo para a base temos presidência, diretoria, gerência, chefia
e supervisão. Em uma departamentalização funcional os supervisores
são subordinados a uma chefia. As chefias subordinam-se aos gerentes,
os gerentes aos diretores e, por fim os diretores à presidência.
Toda e qualquer estrutura organizacional deve levar em
consideração a especialização do trabalho, a cadeia de comando, a
amplitude de controle, centralização ou descentralização, formalização e
departamentalização.
As desvantagens da departamentalização funcional incluem
respostas lentas às mudanças externa,s reponsabilidade parcial pro
problemas e visão limitada dos objetiuvos organizacionais. O estímulo à
visão limitada, na abordagem funcional, decorre do fato que as pessoas
só olham para o seu departamento e sua respectiva função, deixando de
olhjar os objetivos organizacionais como um todo.
▪ Potencializa as vantagens decorrentes da estrutura funcional e
da estrutura divisional.

▪ Pode reduzir a multiplicação de recursos e, com isso, melhorar a


eficiência.

▪ Permite maior flexibilidade e adaptabilidade da organização ao


ambiente mutável.

▪ Facilita a cooperação interdisciplinar entre departamentos.

▪ Promove o conflito construtivo entre os membros


A estrutura organizacional abrange uma série de elementos que
devem ser levados em consideração para que a empresa seja bem
organizada. Um destes elementos é a centralização e a
descentralização de comando. Sabe-se que a descentralização favorece
a dificuldade de comando, dificultando também o alinhamento e o
direcionamento das ações.
de Maio de 2019 às 16:13
B) A descentralização promove a distribuição de
autoridade/responsabilidade para os níveis hierárquicos mais baixos.
Assim, como teremos mais pessoas decidindo, ficará mais difícil ter o
controle sobre elas. Dessarte, com mais pessoas com poder decisório,
há uma tendência a falta de padronização, o que dificulta o alinhamento
e o direcionamento das ações.
O PLANO DE NEGÓCIO ESTÁ PARA O NÍVEL ESTRATÉGICO e
o plano de ação está para o nível operacional. O plano de ação é mais
detalhado, minucioso, no curto prazo. Já o plano de negócio é elaborado
de maneira global, genérica, visualizando a empresa como um todo. O
sumário executivo é uma seção pequena do plano de negócios que
deve ter uma ou duas páginas, sendo uma pequena introdução, o
sumário executivo não explica detalhadamente os planos de ação. O
sumário executivo é uma seção pequena do plano de negócios, e não
do plano de ação, não é detalhado e objetiva convencer o leitor da
viabilidade do negócio.
Etapas do Planejamento estratégico: 1. definição dos objetivos
empresarias; 2; análise ambiental interna 3. análise ambiental externa,
4. formulação das alternativas estratégicas, 5. elaboração do plano
estratégico 6.Implementação por meio dos planos táticos e planos
operacionais e 7. Feedback e controle
As estruturações de estratégia mais modernas concentram-se em
inovação, minimização de custo e imitação. Essas são as três vigas
mestras da nova estruturação da estratégia: a estratégia de inovação
busca mudanças únicas e significativas. A estratégia de minimização de
custos controla os preços dos produtos e os custos de marketing e
inovação. A estratégia de imitação mescla as estratégias de inovação e
a estratégia de minimização. As três dimensões da estratégia como
sendo de inovação, de minimização de custos e de imitação foram
cunhadas por Robbins.
Numa empresa os subsistemas principais são o técnico de
produção e o mercadológico. Os subsistemas complementares são o
contábil, financeiro e de recursos humanos. Os subsistemas de apoio
são a informática, organização e métodos e os jurídicos. A classificação
na qual os subsistmas principais são o técnico de produção e o
mercadológico é dada por Djalma de Oliveira no livro Sistemas,
Organizações e Métodos.
O Balanced Scorecard foi concebido de forma Agnóstica, não
considerando outras ferramentas e metodologias. Agnóstico significa,
para o BSC e nesse caso, construir algo de maneira livre e desimpedida.
Os próprios autores Kaplan e Norton é quem afirma que o BSC é
agnóstico em relação às várias abordagens da estratégia.
Em um contexto semelhante ao da Administração científica, pois
foram gerados na mesma época, a Teoria Clássica da Administração,
cunhada por Fayol buscava a melhoria da eficiência com foco nas
estruturas organizacionais. Fayol é considerado o pai da teoria
administrativa e foi pioneiro acerca das teorias fisiologistas. As 6
funções eram a técnica, a comercial, a financeira, a de segurança, a
contábil e a administrativa. Também se pode dizer que Fayol buscou o
máximo de eficiência por meio da racionalização do trabalho. No
entanto, há aqueles que não considerem que a racionalização do
trabalho estava nos formulados de Fayol, mas o certo é que a máxima
eficiência por meio da racionalização do trabalho estava lá, ao menos
implicitamente. Na escola de sistemas, os sistemas abertos interagem
com o ambiente e sofrem influência deste, e não os fechados.
São vantagens da estrutura matricial: melhorar a flexibilidade,
melhorar o aproveitamento de equipe, diminuir a ansiedade de
desmobilização existente nas equipes projetizadas e maior
representatividade de todas as áreas da organização. Porém, as que se
destacam, na estrutura matricial, são a grande flexibilidade e a melhoria
do trabalho em equipe.
As decisões programadas são impessoais e evitam que os
gerentes se desgastem com problemas já resolvidos. Um dos objetivos
do processo decisório é procurar sempre o maior número possível de
decisões programadas.
O brainstormig não serve para dar o diagnóstico da situação atual
do negócio, pois outras técnicas servem para o diagnóstico da situação
atual do negócio, como a modelagem dos processos no modelo AS IS,
segundo o CBOK. Apesar disso, há entendimento de que o
brainstorming serve para o diagnóstico da situação atual do negócio.
Esse entendimento não é acertado, pois o brainstomring é utilizado no
desenvolvimento de alternativas. É na fase de desenvolvimento de
alternativas que está presente o brainwritting, item. Porém há quem
entenda que o brainstorming e o brainwriting podem estar nas fases de
identificação do problema, de diagnóstico do problema, de
desenvolvimento de alternativas ou nas outras fases do processo
decisório.
A teoria da contingência enfoca a organização de dentro para fora,
colocando o ambiente como fator primordial na estrutura e no
comportamento das organizações. Na teoria da contingência tudo é
relativo, tudo depende. A teoria da contingência analisa primeiro o
ambiente interno, com suas forças e fraquezas, para num segundo
momento, analisar o ambiente externo, com suas oportunidades e
ameaças. Porém, com o tempo, o enfoque tornou-se
predominantemente extroverso, mais voltado para fora do que para
dentro. Segundo Idalberto Chiavenato a teoria da contingência não seria
mais de dentro para fora, mas de fora para dentro.
De acordo com Gitman, as principais atividades do gerente
financeiro são fazer análise e planejamento financeiro, tomar decisões
de investimento e tomar decisões de financiamento. O gestor financeiro
não provê dados para mensurar a performance da empresa, por
exemplo.
Grupo é um conjunto de pessoas com objetivos comuns que se
reúnem por afinidade. A equipe também é um conjunto de pessoas com
objetivos comuns, mas atuam no cumprimento de metas específicas. O
propósito do grupo de trabalho é o mesmo da organização, enquanto a
equipe tem um propósito específico.
A descentralização tem maior custo, já na centralização os custos
são menores. Também na descentralização os esforços são duplicados,
enquanto na centralização não existem esforços duplicados. As
vantagens da centralização, segundo Chiavenato são o controle de
problemas facilitado, menores custos e novas tecnologias de TI que
possibilitam informações mais rápidas.
O setor de gestão de pessoas não realiza processos centrais ou
finalísticos, mas processos de apoio, processos de suporte ou
processos meio.
O modelo de liderança proposto por Fiedler leva a conclusão que
as lideranças orientadas para as tarefas são eficazes em situações boas
ou ruins. Fiedler destaca dois tipos de lideranças os orientados para
relacionamento e os orientados para tarefas. Para Fiedler o
desempenho da equipe não depende só do estilo de liderança adotado.
Já em situações intermediárias, o líder focado no relacionamento era
mais eficaz
Existem indicadores de processo, de produto e de impacto. Os
indicadores de processo medem a eficiência, os indicadores de produto
medem a eficácia e os indicadores de impacto mensuram a efetividade.
A modelagem de processos orientada à função é diferente da
orientada à atividade. A modelagem de processos orientada à atividade
tende a definir um processo de negócio como uma ordenação específica
de atividades. A modelagem de processo orientada à função refere-se a
um papel a ser desempenhado e uma responsabilidade em particular
num conjunto de atividades.
Na gestão por processos toda a gestão da organização é
estruturada em função dos processos. A gestão por processo gera uma
organização horizontalizada, a qual dá maior autonomia aos
funcionários. Consequentemente, a gestão por processos outorga
empowerment (maior grau de autonomia).
Os processos de negócio são ligados à essência do
funcionamento da organização. Já os processos gerenciais são as
ações dos gerentes que visam dar suporte aos processos de negócio.
Os processos de negócio são também chamados de finalísticos ou
primários. Os processos gerenciais são divididos em processos de
suporte, secundários ou de apoio e processos de gestão.
Em uma equipe de trabalho é a coletividade que conta. O alcance
não é medido pela soma do alcance das metas individuais de seus
membros. Devido à sinergia, a soma do alcance das metas individuais
não mede o alcance de resultados de uma equipe.
Aqui, diferentemente da administrafção financeira e orçamentária,
o planejamento estratégico é de longo prazo, o tático é de médio prazo,
e o planejamento operacional é de curto prazo. Lá, o PPA a LDO e a
LOA não se classifica usando essa lógica, pois o PPA é, para muitos ,
de médio prazo.
Os papéis de decisão dos gerentes da organização são de
empreendedor (entrepeneur), controlador de distúrbios, administrador de
recursos e negociador. Os papéis de informação são monitor,
disseminador e porta-voz. Os papéis impessoais são símbolo, líder e
ligação.
A eficiência e a integração de esforços, com a criação de níveis de
autoridade(hierarquia) e unidades funcionais(departamentalização) são
conquistadas mediante divisão do trabalho. Se você divide o trabalho
você departamentaliza, hierarquiza e integra esforços. Isso consta no
livro Comportamento organizacional: O Comportamento humano no
trabalho.
Os tipos de audição são a audição marginal, a audição seletiva e a
audição ativa. Na audição ativa o vendedor escuta o cliente procura
entender suas necessidades e interesses, usa técnicas como
parafrasear o que o cliente disse e oferece soluções de acordo com o
interesse do cliente. Na audição seletiva o vendedor escuta um pouco o
cliente mas seleciona aquilo que lhe interessa, muitas vezes
contrariando as reais necessidades do cliente. Na audição marginal o
vendedor é mais interessado em falar do que em ouvir o cliente.
Uma das principais contribuições para a gestão da qualidade foi a
criação dos departamentos de controle de qualidade. A era da qualidade
iniciou com a produção em massa e teve seu auge durante a segunda
guerra mundial. Os departamentos de controle de qualidade
controlavam com precisão a qualidade dos milhões de itens fabricados
para o esforço bélico. Foi Feigenbaum o pai do controle da qualidade
total, que se destacou na abordagem da qualidade total, quem afirmou
que toda empresa necessita de um departamento de controle de
qualidade.
A extinção e a punição são possibilidades previstas pela Teoria de
Skinner para reforçar um comportamento. No entanto, a Teoria do
Reforço não apresenta a extinção e a punição como a melhor forma.
Existem o reforço positivo, o reforço negativo, a extinção e a punição.
A departamentalização por produtos ou serviços é temporária, ela
não garante o emprego de profissionais especializados em tempo de
crise. Uma das suas desvantagens é enfatizar a coordenação em
detrimento da especialização. Encontram-se profissionais
especializados na departamentalização funcional.
São três as estratégias competitivas de Porter: liderança em custo,
diferenciação e enfoque ou foco.Na liderança no custo total o tema
central de toda esta estratégia é reduzir o custo. Na diferenciação, o
tema é criar aspectos do produto que sejam considerados únicos pelos
clientes. No enfoque ou foco busca-se atender às necessidades
específicas de um público alvo.
A abordagem clássica é normativa e prescritiva. A abordagem
burocrática, por sua vez, é descritiva e explicativa. A teoria da
burocracia, a teoria estruturalista, a teoria comportamental, a teoria dos
sistemas e a teoria contingencial são explicativas e descritivas. Por outro
lado, a abordagem clássica, a abordagem de relações humanas e a
teoria neoclássica são prescritivas e normativas. A teoria burocrática,
apesar de se assemelhar à abordagem clássica, à abordagem das
relações humanas e à teoria neoclássica, em vez de ser prescritiva e
normativa, é descritiva e explicativa. A abordagem clássica enfatiza as
tarefas e a estrutura, é prescritiva e normativa e aborda o homem
econômico. A Teoria das relações humanas enfatiza as pessoas e o
homem social, além de ser prescritiva e normativa. A Teoria Neoclássica
foca nas tarefas, estruturas e pessoas e é prescritiva e normativa,
baseada no homem organizacional. A Teoria burocrática também
enfatiza o homem organizacional, mas a diferença é que foca na
estrutura e é explicativa e descritiva. A teoria estruturalista foca na
estrutura, nas pessoas e no ambiente e é explicativa e descritiva, além
de enfatizar o homem organizacional. A teoria comportamental abordava
as pessoas e o ambiente e era explicativa e descritiva, enfatizando o
homem administrativo. A Teoria dos Sistemas enfatiza o homem
funcional e focava nos sistemas e ambiente, além de ser explicativa e
descritiva. A Teoria contingencial focava no ambiente, na tecnologia e
nas pessoas, era explicativa e descritiva e enfatizava o homem
complexo.
A teoria da burocracia é realmente voltada para a estrutura.
Apesar disso, não busca meios científicos para o trabalho rotineiro, não
é calcada na metodologia científica e, por isso, é classificada como
explicativa e descritiva. As abordagens explicativas ou descritivas são
aquelas que buscam explicar a administração, os administradores, as
organizações e os processos. As abordagens normativas ou prescritivas
são aquelas que buscam oferecer respostas para os problemas
organizacionais.
Tratamento justo e igualitário são alicerces de Fayol, assim, por
mais contraditório que seja, benevolência e justiça fazem parte da teoria.
Diz-se contraditoriamente pois o tratamento é voltado para a eficiência,
com energia e rigor, e não para o bem estar dos funcionários. Apesar
disso, os primados do tratamento justo e equidade foram desenhados
por Fayol.
Os níveis de detalhamento dos processos, do maior para o menor
são: macroprocessos, processos, subprocessos, atividade e tarefas.
Portanto, na gestão de processos a menor divisão de trabalho é a tarefa
e a maior são os macroprocessos. Os macroprocessos são mais
abrangentes, os processos são de média e alta complexidade, os
subprocessos são de média complexidade, as atividades são um
conjunto de tarefas e as tarefas representam o menor nível de
complexidade do processo.
A ISO 9000 apenas garante que a empresa segue determinados
padrões de gerenciamento de seus processo. Seguir padrões de
gerenciamento não quer dizer que a qualidade do processo está
validada, pois os requisitos específicos podem não gerar qualidade do
produto final e também por que qualidade envolve atender as
expectativas dos clientes.
Dentre os 14 Princípios de Deming constam a constância de
propósito, instituir treinamento no local de trabalho, instituir liderança e
instituir um forte programa de educação e auto-aprimoramento. Todos
os 14 princípios de Deming têm um único objetivo: fazer o possível para
que as pessoas trabalhem com alegria.
Walter Shewhart instituiu o ciclo PDCA (ou de Deming) e o
Gráfico de Controle (carta de controle). Deming instituiu os 14 princípios.
Juran instituiu a trilogia da qualidade (planejamento, controle de
qualidade e aperfeiçoamento), Feigenbaum instituiu os custos da
qualidade (custo de prevenção, de avaliação, das falhas internas e das
falhas externas). Crosby instituiu o defeito Zero. Ishikawa instituiu os
CQC (círculos de controle de qualidade) e o Diagrama de causa e efeito
(espinha de peixe).
Existe uma diferença entre autocontrole e orientação estratégica
para resultados. No autocontrole, o controle deve proporcionar
confiabilidade, boa comunicação e participação entre as pessoas
envolvidas. Na orientação estratégica para resultados, o controle deve
apoiar planos estratégicos e focalizar atividades essenciais que fazem a
real diferença para a organização. Essas são algumas das
características do processo de controle. Na orientação rápida para
exceções o controle deve indicar os desvios rapidamente, através de
uma visão abrangente onde as variações estão ocorrendo. Na
compreensão o controle deve apoiar o processo de tomada de decisões
ao apresentar dados em termos legíveis e compreensíveis.
A missão de uma organização responde à pergunta: o que eu
sou? o que eu faço? por que eu faço o que faço? Já a visão faz a
pergunta: aonde eu quero chegar?
É na perspectiva de aprendizagem e crescimento que se
encontram o capital humano, o capital da informação e o capital
organizacional. O capital humano envolve as habilidades, talentos e
conhecimentos dos empregados. O capital da informação envolve o
banco de dados, os sistemas de informação, as redes e a infraestrutura
tecnológica. O capital organizacional envolve cultura, liderança,
alinhamento dos empregados, trabalho em equipe e gestão do
conhecimento.
Na análise SWOT a identificação de forças não consitui estratégia.
Os aspectos ambientais internos são simples pontos positivos e não
uma estratégia para influenciar positivamente o alcance de resultados.
Item, as fraquezas constituem meras constatações de pontos negativos,
e não são uma estratégia para o alcance de resultados.
Os princípios da divisão do trabalho, unidade de direção e unidade
de comando, não se confundem. Na divisão do trabalho, a
especialização dos funcionários, desde os de mais alto calão aos mais
baixos, favorece a eficiência e o aumento a produtividade. A Unidade de
direção é o princípio do controle único com a aplicação de um plano
para os grupos de atividades. Na unidade de comando um empregado
deve receber ordens de apenas um supervisor.
A manutenção centrada em confiabilidade é uma metodologia que
visa preservar as funções de um sistema (RCM- Reliability Centred
Maintenance). O PDCA, o diagrama de pareto, a metodologia 5W2h, o
ishikawa sequencial, o diagrama de causa e efeito, o diagrama dos
porquês e o brainstorming são partes integrantes da manutenção do tipo
centrada na confiabilidade.
A metodologia IDEF é composta de funções, informações,
dinâmico e fluxo de trabalho. IDEF 0 modelo de funções; IDEF 1 modelo
de informações (dados), IDEF 2 modelo dinâmico (comportamento) e
IDEF3 modelo de fluxo de trabalho(workflow).
Nem sempre os colaboradores formularão as estratégias, pois a
estratégia dependerá do tipo de liderança estabelecido. É só lembrar
dos tipos de liderança (autocrático, democrático e liberal) e concluir que
é somente o liberal que dá total liberdade de decisões aos
colaboradores.No entanto geralmente as estratégias são formuladas
pelos líderes e compartilhadas com os colaboradores.
Para que ocorra benchmarking a empresa não precisa ser do
mesmo ramo de negócios, nem ser seu concorrente. No Benchmarking
funcional não há necessidade de comparar-se com o concorrente direto.
A qualidade total é dividida em 4 eras: a era da inspeção, a era do
controle estatístico, a era da garantia da qualidade e a era da gestão da
qualidade total. A era da garantia da qualidade focava na prevenção,
existia um trabalho proativo, voltado para a prevenção de defeitos. Na
era do controle estatístico a ênfase era na localização do defeito. A era
da inspeção evitava que produtos defeituosos fossem entregues aos
clientes. A última era, a da gestão da qualidade total, focava na
prevenção do defeito, sendo que toda a empresa é responsável pela
qualidade.
O modelo racional de tomada de decisões considera todas as
informações possíveis sobre um assunto antes da tomada de decisão; o
modelo da racionalidade limitada(modelo Carnegie) considera que não
há uma única decisão que seja melhor que todas, mas um conjunto de
decisões que são boas segundo alguns critérios; o modelo intuitivo se
baseia em experiências vividas.
Entende-se que a liderança democrática resulta em atitudes mais
positivas dos colaboradores, mas ela não possui melhor desempenho
organizacional se comparada à liderança autocrática. A liderança
autocrática produz mais resultados, as decisões são tomadas
unicamente pelo líder e são mais rápidas. Já a liderança democrática é
ineficaz em comparação com a autocrática. Item a liderança liberal. No
entanto, deve-se mencionar que a liderança autocrática é mais eficaz
somente no curto prazo.
Michael Porter propõe três tipos de estratégias genéricas:
liderança, custo total, diferenciação ou enfoque. As estratégias de
enfoque visam a uma vantagem de custo (enfoque no custo) ou uma
diferenciação (enfoque na diferenciação). A estratégia de enfoque pode
ser acrescida à diferenciação ou à estratégia de liderança em custo. O
enfoque ou foco tem a ver com nichos mercadológicos.
Ainda que determinado ato ímprobo tenha ocorrido no primeiro
mandato, a prescrição contra agente político reeleito inicia-se somente
com o fim do segundo mandato.Detentor de mandato, cargo em
comissão e função de confiança: 5 ANOS DO TÉRMINO DO
MANDATO. em caso de reeleição, o prazo de prescrição somente se
inicia a partir do término do segundo mandato.
Lei 8.666 de 1993. Dentro da lei temos a parte de licitações e a
parte de contratos. A lei 8.666 regulamenta a exigência de licitar. A CF
traz uma regra geral que é o dever de licitar. O dever de licitar tem uma
relação muito íntima com o princípio da indisponibilidade do interesse
público. A regra é o dever de licitar, que submete os entes da
administração direta dos três poderes, à administração pública indireta
(autarquia, empresa pública, fundação pública e sociedade de economia
mista). Também os fundos especiais e entidades controladas direta ou
indiretamente pelo poder público. A exceção é a contratação direta, sem
licitação, prevista em lei. As empresas públicas e sociedades de
economia mista são regidas pela lei 13.303 de 2016. Para as empresas
públicas e sociedades de economia mista aplica-se a lei 8666 de 1993
de forma subsidiária. Para as empresas públicas e sociedades de
economia mista a regra geral ainda é a licitação.
Licitação deserta é quando não acudirem interessados à licitação.
Já a licitação fracassada é quando todos os licitantes de determinada
licitação forem inabilitados ou desclassificados. A licitação deserta está
prevista no art. 24 da lei 8.666 de 1993. Já a licitação fracassada está
no art. 48 da lei 8.666 de 1993.
Segundo o art. 14 da lei 8.666 de 1993 nenhuma compra será feita
sem a adequada caracterização de seu objeto e sem a indicação dos
recursos orçamentários para seu pagamento, sob pena de nulidade do
ato.
artigo 29 para os efeitos desta lei complementar são datadas as
seguintes definições dívida pública consolidada ou fundada é o
montante total apurado sem duplicidade das obrigações financeiras do
ente da federação a dívida pública consolidada é também chamada de
dívida pública fundada e o montante total apurado sem duplicidade das
obrigações financeiras do ente da federação essas obrigações são
assumidas em virtude de leis contratos convênios ou tratados e da
realização de operações de crédito para amortização em prazo superior
a 12 meses dívida pública mobiliária é a dívida pública representada por
títulos emitidos pela união inclusive os do banco central do Brasil
estados e municípios quando se fala em dívida pública mobiliária deve
se lembrar da dívida pública representada por títulos emitidos pela união
inclusive os do banco central do Brasil estados e municípios operação
de crédito para lei de responsabilidade fiscal é o compromisso financeiro
assumido em razão de moto também é abertura de crédito emissão e
aceite de título aquisição financiada de bens recebimento antecipado de
valores provenientes da venda a termo de bens e serviços
arrendamento mercantil e outras operações assemelhadas inclusive
com o uso de derivativos financeiros já a concessão de garantia é o
compromisso de adimplência de obrigação financeira ou contratual
assumida por ente da federação ou entidade a ele vinculada
A cada 30 dias deverá ser dada publicidade em órgão de
divulgação oficial ou em quadro de avisos de amplo acesso público, à
relação de todas as compras feitas pela Administração Direta ou
Indireta. Segundo o art. 16 da lei 8.666, será dada publicidade,
mensalmente, em órgão de divulgação oficial ou em quadro de avisos
de amplo acesso público, à relação de todas as compras feitas pela
administração.
O Projeto executivo representa o conjunto dos elementos
necessários e suficientes à execução completa da obra pela
administração pública. O conjunto de elementos necessários e
suficientes à execução completa da obra devem estar conforme a ABNT
- Associação Brasileira de Normas Técnicas.
O Código Civil afirma que os únicos bens que podem ser
alienados são os dominicais, na forma da lei. A venda de imóveis
depende de autorização legislativa. A alienação de bens imóveis
dominicais dispensa a licitação na modalidade concorrência. Ela
somente requer autorização legislativa, prévia avaliação do bem e
interesse público devidamente justificado. Assim, a venda de bens
imóveis depende de autorização legislativa para órgãos da
administração, de avaliação prévia, mas não de licitação na modalidade
de concorrência, pois a licitação é dispensada. Parte-se da premissa do
art. 101 do código civil, que apenas os bens dominicais podem ser
alienados.
O projeto executivo poderá ser desenvolvido
concomitantemente com a execução das obras e serviços, desde
que autorizado pela administração. A sequência de uma licitação
geralmente é 1. projeto básico; 2. projeto executivo; 3. execução das
obras e serviços. O projeto executivo será desenvolvido conjuntamente
com a execução das obras e serviços, nos casos permitidos, desde que
autorizado pela administração. A sequência de projeto básico, projeto
executivo e execução das obras e serviços devem estar no estro do
auditor público, conjuntamente com a ideia de que o projeto executivo
pode ser desenvolvido paralelamente à última etapa, a execução das
obras e serviços.
Tomada de preços.Tomada de preços é a modalidade de
licitação entre interessados devidamente cadastrado ou que atenderem
a todas as condições cadastrais até o terceiro dia anterior à data do
recebimento das propostas.
Prazo de validade dos registros cadastrais.Os registros
cadastrais usados para efeito de habilitação, dos órgãos e entidades da
Administração Pública que realizem frequentemente licitações são
válidos por no máximo 1 ano.
Os avisos contendo os resumos dos editais das concorr
ências, das tomadas de preços, dos concursos e dos leilões, deverão
ser publicados com antecedência, no mínimo por uma vez, no local da
repartição interessada.

§ 6º - A Certidão de Dívida Ativa conterá os mesmos elementos do


Termo de inscrição e será autenticada pela autoridade competente
Art. 3º A Dívida Ativa regularmente inscrita goza da presunção de
certeza e liquidez .
A suspensão prevista no § 3º do art. 2º só se aplica ao crédito de
natureza não tributária, uma vez que a CF exige lei complementar para
disciplinar sobre suspensão da prescrição do crédito tributário, e a lei
6.830 de 1980 é uma lei ordinária. No âmbito do STJ a LEF não poderia
estipular causa de suspensão do prazo prescricional não prevista no
CTN, por isso a previsão só se aplica às execuções fiscais da dívida
ativa de natureza não tributária. Então, a suspensão por 180 dias da
prescrição é somente para débitos não tributários. Para débitos
tributários, seguir o art. 174 do CTN.
Aplicação subsidiária do CPC na lei 6.830. A aplicação do
Código de Processo Civil é feita de forma subsidiária na Lei de
Execuções Fiscais, na ausência de dispositivo processual da lei.
A dívida ativa tributária é aquela decorrente da cobrança de
tributos, assim o crédito decorrente de não pagamento de IPTU será
inscrito em Dívida Ativa. Os créditos que não decorram da cobrança de
tributos, como créditos rurais cedidos à União, serão inscritos na Dívida
Ativa como não tributários. Exemplos de Dívida Ativa Não Tributária são
as provenientes de empréstimos compulsórios, contribuições
estabelecidas em lei, multas de qualquer origem ou natureza, exceto as
tributárias, foros, laudêmios, aluguéis ou taxas de ocupação, custas
processuais, preços de serviços públicos, indenizações, reposições,
restituições, créditos decorrentes de sub-rogação de hipoteca, fiança,
aval ou de outra garantia. Esse texto está ultrapassado quando
considera os empréstimos compulsórios e as contribuições
estabelecidas em lei, contrariando a nova definição de natureza
tributária. O laudêmio não possui natureza monetária, porém é
igualmente inscrito em dívida ativa.
O art. 202, inciso II do CTN exige que seja indicada a quantia
devida e a forma de calcular os juros de mora. A lei 6.830 afirma que a
Dívida Ativa abrange atualização monetária, juros e multa de mora.
A execução fiscal poderá ser promovida contra o devedor, o fiador,
o espólio, a massa, o responsável (nos termos da lei, por dívidas,
tributária ou não, de pessoas físicas ou pessoas jurídicas de direito
privado) e os sucessores a qualquer título.
Petição inicial de uma ação de execução fiscal. A petição
inicial, na Lei de Execução Fiscal, indicará o juiz a quem é dirigida, o
pedido e o requerimento para a citação. A petição inicial será instruída
com a CDA, que dela fará parte integrante. A petição inicial e a CDA
poderão constituir um único documento, preparado inclusive por meio
eletrônico. A produção de provas pela Fazenda Pública independe de
requerimento na petição inicial. O valor da causa será o da dívida
constante da certidão, com os encargos legais.
Art. 2º § 4º A Dívida Ativa da União será apurada e inscrita na Procuradoria da Fazenda
Nacional
§ 4ºA Dívida Ativa da União será apurada e inscrita na Procuradoria da Fazenda Nacional
§ 5º O Termo de Inscrição de ívida Ativa deverá conter:
I- o nome do devedor, dos co-responsáveis e , sempre ue conhcecido, o domícilio ou
residência de um e de outros;
II - o valor originário da dívida, bem como o termo inicial e a forma de calcular os juros de
mora e demais encargos previstos em lei ou contrato
III- a origem, a natureza e o fundamento legal ou contratual da dívida;
IV- a indicação, se for o caso, de estar a dívida sujeita a atualização monetária, bem como o
respectivo fundament legal e o termo inicial para o cálculo
V- a data e o número da inscrição, no Resgistro de Dívida Ativa
VI- o número do processo administrativo ou do auto de infração, s neles estiver apurado o
valor da dívia
§ 6º - A Certidão de Dívida Ativa conterá os mesmos elementos do Termo de Inscrição e será
autenticada pela autoridade competente.
§ 7º - O termo de inscrição e a Certidão de Dívida Ativa poderão ser preparados e numerados
por processo ,anual, mecânico ou eletrônico.
Art. 4o. A execução fiscal poderá ser promovida contra:
I- o devedor
II - o fiador
III - o espólio
IV a massa
V o responsável, nos termos da lei, por dívidas, tributárias ou não, de pessoas físicas ou
pessoas jurídicas de direito privado
VI - os sucessores a qualquer título
Art. 8º - O executado será citado para, no prazo de 5 dias, pagar a dívida com os juros e
multa de mora e encardos indicados na Certidão de Dívida Ativa, ou garantir a execução, observadas
as seguintes normas:
I - a citação será feita pelo correio, com aviso de recepção, se a Fazenda Pública não a
requerr por outra forma;
II - a citação pelo correio considera-se feita na data da entrega da carta no endereço do
executado, ou, se a data for omitida, no aviso de recepção, 10 (dez) dias após a entrega da carta à
agência postal
III - se o aviso de recepção nõ retornar no prazo de 15 (quinze ) dias da entrega da carta à ag
ência postal, a citação será feita por Oficial de Justiça ou por edital;
IV - o edital de citação será afixado na sede do Juízo, publicado uma só vez no órgão oficial,
gratuitamente, como expediente judiciário, com o prazo de 30(trinta) dias, e conterá, apenas, a
indicação da exequente, o nome do devedor e dos co-responsáveis, a quantia devida, a natureza da
dívia, a data e o número da inscrição no Registro da Dívida Ativo, o prazo e o endereço da sede do
Juízo.
A execução fiscal é um procedimento de cobrança regido pela lei 6.830 de 1980. A principal
via de defesa contida nela é o manejo de embargos à execução fiscal pelo sujeito passivo. Os
embargos de execução fiscal são uma ação de conhecimento por meio da qual o sujeito passivo
maneja toda e qualquer matéria de defesa cabível. Os pressupostos de admissibilidade constam do
art. 16 da LEF, e são a garantia integral do crédito, e a tempestividade. O art. 9o da LEF nos traz as
formas de garantia, que são o depósito do valor integral do bem, a apresentação de uma carta de
fiança bancária ou ainda a penhora de tantos bens quantos forem suficientes para o adimplemento
daquele crédito. Essas são as formas de garantia trazidas originalmente pela lei 6.830 de 1980.
Todavia existe o seguro-garantia, incluído em 2014, e é uma forma menos onerosa.Nas execuções
cíveis ele já vem sendo executado a algum tempo. é uma forma muito menos onerosa para o sujeito
passivo. O STJ entendeu que não seria possível essa forma de garantia, em 2013, pois não havia
previsão na LEF e se tratava de um proceditmento específico. Todavia, a lei 13.043 de 2014 incluiu o
seguro garantia no rol de garantias do art. 9 da LEF. O seguro garantia é melhor que o depósito pois
não vai impactar o fluxo de caixa do sujeito passivo, é melhor do que a carta de fiança porque se
sujeita a taxas menores, e também não reduz o limite de crédito. é melhor que a penhora porque não
irá prender nenhum bem do sujeito passivo. A tempestividade é de 30 dias, cuja contagem depende
da forma de garantia.
Simples Nacional ou Super Simples. A nossa Constituição Federal sempre se preocupou com
as micro e pequenas empresas. A simplificação de obrigações tributárias, administrativas ou
creditícias era a meta da CF de 1988. Não constitui ofensa à igualdade conceder tratamento
diferenciado a micro e pequenas emrpesas. Os desiguais devem ser tratados desigualmente na
medida de sua desigualdade. A EC 42 de 2003 outorgou à lei complementar a reserva de tratamento
diferenciado e favorecido às micro e pequenas empresas. A Lei complementar 123 de 2006 sofreu
muitas mudanças em 2011, 2014 e 2016. O sistema unificado de arrecadação também sofreu
mudanças em 2019, com o advento da lei complementar 167 de 24 de abril de 2019. O Simples
Nacional é o estatuto das micro empresas e empresas de pequeno porte. O simples é uma opção
pelo contribuinte, o enquadramento das empresas pode ser diferenciado por estados, o recolhimento
é unificado e centralizado (documento único de arrecadação federal - Das). A arrecadação, a
fiscalização e a cobrança poderão ser compartilhadas pelos entes federados. O IRPJ, o IPI, a CSLL,
a COFINS, a contribuição para o PIS/PASEP, a contribuição patronal, o ICMS e o ISS.
O MEI (microempreendedor individual) é aquele que tem Receita Bruta de até R$ 81.000,00.
É considerada Microempresa (ME) a que tem receita bruta de até R$360.000,00. Já Empresa de
pequeno porte é aquela que tem receita bruta anual superior a R$360.000 e inferior a
R$4.800.000,00. Existem várias outros requisitos para uma pessoa se tornar MEI, como não ter sócio
em outra empresa. Dentre esses requisitos está o de auferir receita bruta anual máxima de
R$81.000,00. Foi a lei complementar 155 de 2006 que alterou o valor da receita bruta anual do MEI
de
O regime único de arrecadação será opcional pelo contribuinte. O SIMPLES NACIONA é
facultativo. Além disso poerão ser estabelccidas condções de einquadramento diferenciadas por
Estado. O recolhimento será unificado e centralizado e a distribuição da parcela de recursos será
imediata. No Simples Nacional a arrecadação, a fiscalização e a cobrança poderão ser
compartillhados pelo ente federado.
Não pode se benefiviar do SIMPLES NACIONAL uma pessoa jurídica que participe do capital
de outra pessoa jurídica. A pessoa jurídica de cujo capital participe de outra pessoa jurídica também
não pode ser beneficiária do SIMPLES NACIONAL. Essa é uma vedação plena.A vedação plena é o
impedimento total de participar do regime diferenciado e favorecido do SIMPLES NACIONAL.
O SIMPLES NACIONAL é um regime único de arrecadação de diversos tributos e não se
confunde com o imposto único.
A transferência eletrônica de rquivos por fluxo contínui é diferente da transferência blocado.
Na blocado o arquivo é transferido como uma série de blocos preceidos por um cabeçalho especial.
Na transferência por fluxo contínuo usam-se carácteres e ela não é indicada quando se deseja
transferir vários arquivos em uma mesma conexção.
A PAN é uma redepessoal. A LAN é uma rede local. A MAN é uma rde metropolitana e a
WLAN é uma rece de calcance mundial, global. PAN (Personal Area Network), Lan(local area
network), MAN (Metropolitan area network) e WAN (wide area network)
Acerca do ciclo ortNos estados e municípios os prazos do ciclo orçamentário devem estar,
respectivamente, nas Constituições Estaduais e nas Leis Orgânicas
Nos estados e municípios os prazos do ciclo orçamentário devem estar, respectivente, nas
constituições estaduais e nas leis orgânicas.
Alienação de bens imóveis da Administração Pública e
licitação. Para que o índice de convergência e consistência seja
melhorado, o poder público municipal deve estar ciente de que para a
alienação de bens imóveis da administração ocorrer deve ser utilizada a
modalidade de concorrência. A regra geral, na alienação de bens
imóveis pelo poder público é a concorrência, exceto os bens imóveis
adquiridos por dação em pagamento ou procedimentos judiciais. Nesses
dois casos utiliza-se o leilão.